You are on page 1of 24

APOSTILA 01 – C0NHECIMENTOS GERAIS

Assunto: Instalações Prediais

Índice

CAPÍTULO 01 – NORMAS TÉCNICAS ......................................................................................................................... 3
1.1 - Interpretação de Plantas de Arquitetura e de Instalações Prediais ..................................................................... 5
1.2 - Formato do Papel ............................................................................................................................................. 5
1.2.1 - Formatos .................................................................................................................................................. 6
1.2.2 – Normas a Consultar .................................................................................................................................. 6
1.2.3 - Escalas Utilizadas nos Desenhos de Arquitetura ...................................................................................... 10
CAPÍTULO 02 – LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PLANTAS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS ............... 11
2.1 - Planejamento de uma Instalação Elétrica ........................................................................................................ 11
2.2 - Traçado do Projeto Elétrico ............................................................................................................................ 13
2.3 - Elaboração de um Projeto Elétrico .................................................................................................................. 14
CAPÍTULO 3 – MONTAGEM E INSTALAÇÃO DE COMPONENTES ........................................................................... 20
3.1 – Introdução ..................................................................................................................................................... 20
3.2 – Materiais empregados ................................................................................................................................... 20
3.2.1 – Condutos ............................................................................................................................................... 20
3.2.2 – Eletrodutos Metálicos Rígidos ................................................................................................................. 22

Figuras
Figura 01 – Folha Horizontal ......................................................................................................................................... 6
Figura 02 – Folha Vertica ............................................................................................................................................. 6
Figura 03 – Planta de Situação ..................................................................................................................................... 8
Figura 04 – Planta de Localização da Construção ......................................................................................................... 8
Figura 05 – Planta Baixa .............................................................................................................................................. 9
Figura 06 – Corte Longitudinal ...................................................................................................................................... 9
Figura 07 – Corte Transversal .................................................................................................................................... 10
Figura 08 – Planta Baixa de Instalações Elétricas Prediais .......................................................................................... 12
Figura 09 – Planta Baixa de Instalações Elétricas Prediais .......................................................................................... 13
Figura 10 – Planta Baixa de Instalações Elétricas Prediais .......................................................................................... 14
Figura 11 - Planta com a disposição da casa e cômodos, no terreno: .......................................................................... 16
Figura 12 - Planta com Layout e marcação dos pontos elétricos .................................................................................. 17
Figura 13 - Planta com a disposição dos pontos de eletricidade................................................................................... 18
Figura 14 – Estrutura do Eletroduto ............................................................................................................................ 23

Tabelas
Tabela 01 – Normas Técnicas ...................................................................................................................................... 4
Tabela 02 - Formatos da série "A" ................................................................................................................................ 6
Tabela 03 – Escalas dos Desenhos ............................................................................................................................ 10
Tabela 04 – Instalação dos Eletrodutos....................................................................................................................... 21
Tabela 05 – Taxa máxima de ocupação da seção transversal de um eletroduto por cabos isolados.............................. 23
Tabela 06 – Áreas dos eletrodutos rígidos de aço carbono, tipo pesado, ocupáveis pelos cabos .................................. 24
Tabela 07 – Dimensões totais de condutores Pirelli isolados ....................................................................................... 24

A ABNT NBR 5419 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Eletricidade (ABNT/CB-03). cujo objetivo é fixar as condições exigíveis aos graus de proteção. a qual foi tecnicamente revisada. deve ser prescrita pela norma correspondente ao equipamento.2000.2005 e cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 5419:2001). que norteiam as instalações e seus modos de cálculo e execução e que no Brasil é a ABNT que desenvolve. A partir de 31 de março de 2005. 0s tipos de proteção cobertos por esta norma são os seguintes: a) Contra o contato ou a aproximação de pessoas a partes vivas. NBR 5419.2003. Esta norma foi substituída pela NBR 5410 – Errata 1 de 17 de março de 2008. E. de 30.01. pela Comissão de Estudo de Instalações Elétricas de Baixa Tensão (CE–03:064. IEC 61024-1-1:1991 – Guide A e IEC 61024-12:1998 – Guide B. Dentre as Normas Técnicas mais utilizadas nos Sistemas Elétricos Prediais. laboratórios e outros). J. e os anexos D. Esta Norma foi baseada nas IEC 61024-1:1990.10). B. são elaboradas por Comissões de Estudo (CE). de caráter informativo. NBR 5423 e a NBR 5444. K.09. formadas por representantes dos setores envolvidos. Esta segunda edição incorpora a Emenda 1 de 29. H. sejam prediais ou industriais. contra o contato a partes móveis (que não sejam eixos livres ou congêneres) no interior do invólucro e contra a penetração de corpos sólidos estranhos ao equipamento. O Projeto circulou em Consulta Pública conforme Edital nº 09. de caráter normativo.5kV. faz-se necessário o conhecimento das Normas Técnicas. aprender e executar suas tarefas nos sistemas elétricos. com o número de Projeto NBR 5419. As Normas Brasileiras. providos por invólucros de equipamentos elétricos de tensão nominal não superior a 72. com o número Projeto NBR 5410. e especifica os ensaios de tipo para verificação das várias classes de invólucros. tais como ventiladores. NBR 5423 – Substituída pela NBR 60529:2005 – Errata 2:2011.A ABNT NBR 5410 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Eletricidade (ABNT/CB-03). A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 01. NBR 5419 – Proteção de Estruturas contra Descargas Atmosféricas . pela Comissão de Estudo de Proteção contra Descargas Atmosféricas (CE-03:064. Esta Norma contém os anexos A. Seu Projeto de Emenda 1.01).07. de caráter normativo.Instalações Elétricas de Baixa Tensão . b) Contra a penetração prejudicial de água no interior do invólucro onde está o equipamento Nota: A proteção de partes móveis externas ao invólucro. que tratam dos seguintes assuntos respectivamente: NBR 5410 . de 2005 circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 001/2005 de 31.01. Esta Norma possui os anexos A a E. consumidores e neutros (universidades. podemos citar as seguintes normas: NBR 5410. delas fazendo parte: produtores.2005. .CAPÍTULO 01 – NORMAS TÉCNICAS Para que os alunos e profissionais das áreas de eletricidade e construção civil possam. F e G. C. L e M. cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB). que corrige a NBR 5410:2004. de 30. esta Norma deverá cancelar e substituir a edição anterior (ABNT NBR 5410:1997). dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET).

Atualmente o setor utiliza os símbolos do database das I EC 60417 . International Comission on Rules of the approval of Eletrical Equipment Especificações internacionais. Terminologia (TB). que publica recomendações e normas em praticamente todas as áreas técnicas.Graphical symbols for diagrams .Entidade Canadense de Normas Técnicas. Suas publicações são devidamente coordenadas com as da VDE. de países estrangeiros.Associação de Normas Industriais Alemãs. comparado a simbologia brasileira (ABNT) com a internacional (IEC). A simbologia aplica-se generalizadamente nos campos industrial. Além das normas já citadas podemos utilizar várias outras. didático e outros onde fatos de natureza elétrica precisem ser esquematizados graficamente.Autoridade Dinamarquesa de Controle dos Materiais Elétricos que publica normas e concede certificados de conformidade. American National Standards Institute Instituto de Normas dos Estados Unidos. com a alemã (DIN) . Método de ensaio e Padronização.CB-03 . Canadian Eletrical Manufctures Association . Compõem-se de Normas (NB).02 .Comissão de Estudo de Assuntos Gerais de Eletricidade e NBR 5444 . destinadas sobretudo ao material de instalação.12-month subscription to online database comprising all graphical symbols published in IEC 60417 e IEC 60617 .Associação Canadense dos Fabricantes de Material Elétrico. estaduais e municipais) e pelas firmas.Graphical symbols for use on equipment .Comitê Brasileiro de Eletricidade CE-03:003.NBR 5444 – Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais – Tem sua origem nos seguintes documentos: Projeto NBR 5444/1988 (SB-02) . A simbologia tem por objetivo estabelecer símbolos gráficos que devem ser usados para. O trabalho relaciona as normas nacionais e internacionais dos símbolos de maior uso. que publica as normas e concede certificado de conformidade. Os textos de normas são adotados pelos órgãos governamentais (federais. Especificações (EB). conforme apresentado na Tabela 01.12-month subscription to online database comprising parts 2 to 13 of IEC 60617.Atua em todas as áreas técnicas do país. A norma ABNT NBR 5444:1989 está cancelada e não possui substituta. e apresentar ao profissional a simbologia correta em uso no território nacional. segundo as normas estrangeiras. e com a norteamericana (ANSI) visando facilitar a modificação de diagramas esquemáticos. Deutsche Industrie Normen . O significado e a simbologia estão de acordo com as abreviaturas das principais normas nacionais e internacionais adotadas na construção e instalação de componentes e órgãos dos sistemas elétricos Tabela 01 – Normas Técnicas SIGLA ABNT ANSI CEE CEMA CSA DEMKO DIN SIGNIFICADO Associação Brasileira de Normas Técnicas . Canadian Standards Association .Graphical symbols for electrical installations of buildings – Simbology. Danmarks Elektriske Materielkontrol . para as normas brasileiras. Simbologia (SB). (PB). em desenhos técnicos ou diagramas de circuitos de comandos eletromecânicos. . Na área dos dispositivos de comando de baixa tensão tem adotado freqüentemente especificações da UL e da NEMA. representar componentes e a relação entre estes.

nos Estados Unidos.Interpretação de Plantas de Arquitetura e de Instalações Prediais O sistema de padronização é o alicerce para garantir a qualidade de um projeto.Associação Nacional dos Fabricantes de Material Elétrico (E.2 .Associação Francesa de Normas Técnicas.Associação Sueca de Normas Técnicas. Para facilitar a compreensão do projeto em todo o território nacional. todos os componentes que envolvem os desenhos de arquitetura e engenharia são normalizados e padronizados. Fonte: CPM . Japanese Electrotechinical Committee . c) marcas de centro.Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção . Underwriters Laboratories Inc . entre outros. b) margem e quadro.Associação de Normas Técnicas alemãs. Recomendações da IEC.Associação Holandesa de ensaio de Materiais Elétricos.). em outros casos. formato do papel entre outros. cujas determinações geralmente coincidem com as da IEC e VDE. realiza os ensaios de equipamentos elétricos e publica as suas prescrições.U.SIGLA IEC JEC JEM JIM KEMA NEMA OVE SEN UL UTE VDE SIGNIFICADO International Electrotechinical Comission Esta comissão é formada por representantes de todos os países industrializados. . produtividade. Verband Deutscher Elektrotechniker . Japanese Industrial Standards . 1. Union Tecnique de l’Electricité .1996 1. que supostamente descrevem o projeto de maneira mais adequada e permitem sua compreensão e execução por profissionais diferentes. tecnologia e marketing.A. The Standards of Japan Electrical Manufactures Association .Comissão Japonesa de Eletrotécnica.Formato do Papel A NBR 10068:1987 – Folha de Desenho – Leiaute e Dimensões.1 .Normas da Associação de Fabricantes de Material Elétrico do Japão. que publica normas e recomendações da área de eletricidade. National Electrical Manufactures Association . que.Associação de Normas Industriais Japonesas Kenring van Elektrotechnische Materialen . O objetivo é conseguir melhores resultados a partir do uso de padrões. padroniza as características dimensionais das folhas em branco e pré-impressas a serem aplicadas em todos os desenhos técnicos. publicadas por esta Comissão. As Normas Técnicas contribuem em quatro aspectos: qualidade. Esta Norma apresenta também o leiaute da folha do desenho técnico com vistas a: a) posição e dimensão da legenda. existem Normas específicas para cada elemento do projeto. Svensk Standard .Entidade nacional de ensaio da área de proteção contra incêndio. assim como: caligrafia. já são parcialmente adotadas e caminham para uma adoção na íntegra pelos diversos países ou. Para tanto. está se procedendo a uma aproximação ou adaptação das normas nacionais ao texto dessas normas internacionais.Associação Austríaca de Normas Técnicas. independente da presença do autor do projeto. OVE Osterreichischer Verband fur Elektrotechnik .

1 .Formatos da série "A" Formato Dimensões (mm) A0 A1 A2 A3 A4 1189 x 841 841 x 594 594 x 420 420 x 297 297 x 210 Margens (mm) Esquerda Outras 25 25 25 25 25 10 10 7 7 7 Largura do Carimbo (mm) 175 175 178 178 178 Espessura das Linhas do Carimbo (mm) 1.7 Fonte: INEDI . A escolha do formato no tamanho original e sua reprodução são feitas nas séries de formatos apresentados na Tabela 02.4 1.2. 1.2 – Normas a Consultar Na elaboração dos desenhos tratados nesta apostila devem ser consultadas as seguintes normas publicadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT: . e) sistema de referência por malhas. devendo ser seguidas também às cópias.Formatos O original deve ser executado em menor formato possível. desde que não prejudique a sua clareza.7 0. As folhas de desenhos podem ser utilizadas tanto na posição horizontal (ver Figura 1) como na vertical (ver Figura 2). também chamados de formatos “Série A”. f) marcas de corte. Estas prescrições se aplicam aos originais.0 0.7 0.d) escala métrica de referência. Tabela 02 .2.2005 Figura 01 – Folha Horizontal Fonte: NBR 10068 Figura 02 – Folha Vertical Fonte: NBR 10068 1.

Atualmente o setor utiliza os símbolos do database das I EC 60417 .Aplicação de linhas em desenhos .Dobramento de cópia Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos . de acordo com a listagem e apresentadas nas Figuras 03 a 07a seguir:        Planta de situação Planta de localização Plantas baixas dos diversos pavimentos Cortes longitudinais e transversais Fachadas Desenhos de detalhes Outros .NBR 5444 – A norma ABNT NBR 5444:1989 está cancelada e não possui substituta.Larguras das linhas Procedimento NBR 10068:1987 – Folha de desenho – leiaute e dimensões – Padronizações NBR 13142:1999 .12-month subscription to online database comprising parts 2 to 13 of IEC 60617.Graphical symbols for use on equipment .Graphical symbols for diagrams .iais NBR 6492:1994 – Representação de projetos de arquitetura NBR 8196:1999 – Emprego de escalas NBR 8403:1984 .Desenho técnico .12-month subscription to online database comprising all graphical symbols published in IEC 60417 e IEC 60617 .Tipos de linhas .

Figura 03 – Planta de Situação Fonte: http://www.br/destec/DESTEC-LIVRO/paginas/110.br/destec/DESTEC-LIVRO/paginas/110.ufrgs.htm 18MARÇO2011 Figura 04 – Planta de Localização da Construção Fonte: http://www.ufrgs.htm 18MARÇO2011 .

br/destec/DESTEC-LIVRO/paginas/110.br/destec/DESTEC-LIVRO/paginas/110.htm 18MARÇO2011 Figura 06 – Corte Longitudinal Fonte: http://www.ufrgs.ufrgs.Figura 05 – Planta Baixa Fonte: http://www.htm 18MARÇO2011 .

1:1000.2. 1:20. Tabela 03 – Escalas dos Desenhos Planta Plantas de situação Plantas de localização Plantas baixas e cortes Desenhos de detalhes Escalas 1:200.br/destec/DESTEC-LIVRO/paginas/110. 1:500.Figura 07 – Corte Transversal Fonte: http://www. 1:100 1:10. 1:2000 1:200. as escalas usualmente empregadas nos desenhos são apresentadas.ufrgs.br/destec/DESTEC-LIVRO/paginas/110.ufrgs.htm 18MARÇO2011 . 1:25 Fonte: http://www.Escalas Utilizadas nos Desenhos de Arquitetura Na Tabela 03. 1:250. 1:500 1:50.htm 18MARÇO2011 1.3 .

de telefone e seus respectivos aparelhos. como por exemplo: para ligar uma televisão. com o endereço completo do imóvel e nome do proprietário. ao dar as explicações. Por isso. especificação técnica dos materiais elétricos a serem utilizados – elaboração do Projeto Elétrico. mais eficiência e segurança. interruptores. Tensão e número de fases dos circuitos elétricos: normalmente os aparelhos elétricos são fabricados para serem ligados e funcionarem em 127 Volts ou então em 220 Volts. O planejamento de uma instalação elétrica residencial deverá ter como base. O proprietário deverá fornecer essas informações. equipamentos elétricos. separação dos circuitos elétricos.Planejamento de uma Instalação Elétrica Para executar corretamente qualquer tipo de trabalho. tipos e as disposições dos cômodos. Quais e quantos serão os aparelhos e equipamentos elétricos que terão na residência. etc.. conforme apresentado na Figura 08. A partir daí. Neste tipo de planta é indicada a localização exata dos circuitos de luz. ver Figura 01. Um computador normalmente necessita de uma ligação de um telefone. Estes aparelhos são conhecidos normalmente como “bi-volt”. etc. . etc. iluminação. para estabelecer a tensão e o número de fases do circuito elétrico. Com isso o trabalho terá uma melhor qualidade: menor custo e tempo de execução. O dimensionamento da instalação elétrica: carga de iluminação. para que o proprietário entenda e não tenha dúvidas. tomadas de uso geral e tomadas de uso específico. traçado dos eletrodutos.1 . deverá ser feito um planejamento: o que fazer e como deverá ser feito. para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. além da tomada de uso geral. Caberá ao Projetista orientar e tirar as dúvidas do proprietário sobre as partes elétricas da residência. a localização de tomadas. Circuitos não elétricos. A localização dos móveis e utensílios (“Lay-out”). os seguintes passos:        Utilizar todo o Projeto Arquitetônico da residência. deverá ter a ligação da antena de TV a cabo ou de via Satélite ou uma antena externa comum. é sempre importante ler com atenção o Manual do aparelho elétrico que será utilizado. Analisar todo o Projeto Arquitetônico da residência. de força. Deve-se evitar o uso de termos técnicos. São poucos os aparelhos elétricos que são fabricados que podem ser ligados e funcionarem tanto em 127 Volts ou 220 Volts (ou outros valores de tensão). É importante o uso de uma linguagem bastante clara. são definidos pela norma NBR5444.CAPÍTULO 02 – LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PLANTAS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilares e nas plantas de instalações elétricas prediais. 2. para funcionar a Internet. QDC. com as respectivas dimensões. condutores.

sistemas de automação. de Controle que possibilitam comandar equipamentos à distância. ser consultadas as Normas e os procedimentos dos concessionários/empresas de serviços. Para execução desses circuitos deverão. Esses circuitos deverão ser .Figura 08 – Planta Baixa de Instalações Elétricas Prediais Fonte: NBR 5444 – ABNT . e/ou dos fabricantes dos equipamentos/aparelhos. interligação entre computadores. de Proteção contra roubos.1989 Esses circuitos não elétricos ainda podem ser: de telefone e/ou fax. assaltos e vandalismos. etc.

1989 . 2. bem como sua execução. etc. os equipamentos de som e vídeo. computadores. atendendo todas as necessidades para as quais foi projetada/especificada. poderão otimizar os Projetos. Este sistema exige um Projeto específico para esse fim. Importante: O Projeto Elétrico deverá ser elaborado. Nota: Os circuitos não elétricos mencionados. que proporciona bastante conforto. Sistemas de automação: trata-se de um recurso sofisticado. É necessário traçar um diagrama.Traçado do Projeto Elétrico O Projeto de uma Instalação Elétrica deverá seguir certos requisitos para facilitar o entendimento deste Projeto. Com isso os Projetistas de cada área. Uma instalação elétrica interna deverá funcionar perfeitamente. a seguir mostra um exemplo. sanando as dúvidas existentes e conseqüentemente. telefones. podem não ser projetados/elaborados/executados pela mesma pessoa que irá elaborar o Projeto Elétrico. por uma pessoa ou firma especializada.projetados e instalados com fiação/tubulação diferentes/separados dos demais circuitos elétricos da residência. O diagrama apresentado nas Figuras 09 e 10. Neste diagrama ou planta baixa deverão ser anotados todos os detalhes necessários para a perfeita execução do Projeto Elétrico. conforto e segurança aos usuários. Em cada etapa de construção obra da residência. segurança e proteção. Figura 09 – Planta Baixa de Instalações Elétricas Prediais Fonte: NBR 5444 – ABNT . antes de iniciar a construção civil da residência e deverá ser feito juntamente com outros projetos de circuitos não elétricos (mencionados anteriormente). pode-se comandar a distância: toda a iluminação da residência. os condicionadores de ar. aquecimento de água. reduzindo os custos e tempos. proporcionando. Mas o planejamento deles. utilizando-se dos símbolos e convenções apresentados na NBR 5444 (ver observação citada anteriormente).2 . A partir de uma “central de controle” e de pontos de comando instalados em diversos locais da residência. ou uma planta baixa com a disposição física dos elementos/componentes da instalação elétrica. deverá ser executada uma parte de cada Projeto. portão eletrônico. deverá ser feito em conjunto com o Projeto Elétrico da residência.

As pessoas têm procedimentos próprios. é que ele seja feito de acordo com as recomendações técnicas vigentes nas Normas da ABNT. deverá ser consultado e estudado novamente todos os conceitos e os vários capítulos que compõem esta apostila. de perfil. com os nomes e suas dimensões e a orientação da casa em relação à Rua. que a consulta aos livros didáticos da área elétrica também podem e/ou devem ser consultados. É importante que a pessoa sempre tenha firmeza em suas decisões. bem como as informações do Projetista. estilo. Nas “plantas baixa” deverão conter o endereço completo do imóvel. Não se deve ter dúvidas. Por isso é importante que esses conceitos estejam entendidos.Figura 10 – Planta Baixa de Instalações Elétricas Prediais Fonte: NBR 5444 – ABNT – 1989 2. bem como. deverá conter: a localização da casa no terreno.3 . . O importante na elaboração de um Projeto Elétrico. Sempre que necessário. Cabe ressaltar. Porém esses Projetos poderão estar corretos. a disposição dos cômodos. Mesmo seguindo os procedimentos técnicos estabelecidos nesta apostila. deverão ser aplicados uma variada gama de conceitos.Elaboração de um Projeto Elétrico Para a elaboração de um Projeto Elétrico de uma residência. 1) Nessa “planta baixa”. O Projeto Elétrico é elaborado a partir de desenhos da “planta baixa” de uma residência. etc. duas pessoas provavelmente elaborarão Projetos Elétricos diferentes para uma mesma residência.

deverá usar a régua com a escala conveniente – 1:100. Observação: foram suprimidos os seguintes dados nas “plantas baixa”: endereço do imóvel e as informações do Projetista. equipamentos e aparelhos elétricos. tomadas de uso geral. em centímetros (cm). etc. As pessoas estão acostumadas com a escala 1:100 – uma régua comum. que utilizou uma régua em centímetros (cm)? Significa que para cada 1 (um) centímetro medido no desenho. para localizar o ponto de iluminação. A seguir estão apresentadas as 3 “plantas baixas” de uma residência mencionada neste subitem 2. para uma melhor distribuição geral da iluminação. 1:50. interruptores. tomadas de uso específico. deverá conter: iluminação. tomadas de uso geral. etc. iluminação.2) Em outra “planta baixa” da residência. será elaborado um Projeto Elétrico. Essas escalas podem ser 1:100 (leiase um para cem). Por exemplo. Qual é o significado de uma escala 1:100 de um desenho.3. que é utilizada para desenhar e fazer medições em um papel. interruptores. 1:75. 1:50. . deverá conter: a disposição dos móveis e utensílios. não deverão ser instalados atrás de uma porta (aberta). encontra-se um lado com 3 cm e outro com 4 cm. 1:75. Os interruptores e tomadas. sem os móveis e utensílios. Na escala real. A localização adequada da iluminação. 3) Em outra “planta baixa” da residência.. 12 e 13. Um desenho feito em uma escala qualquer. 3 metros. conforme apresentado nas Figuras 11. tomadas de uso geral e tomadas de uso específico. uma parede terá 4 metros de comprimento e a outra. Se o cômodo tiver armários. tomadas de uso específico. etc. Os desenhos da “planta baixa” devem ser feitos em escalas. tem-se 100 cm ou 1 metro na escala real. etc. a partir das quais. será elaborado o Projeto Elétrico (as outras “plantas baixa” serão consultadas durante a elaboração do Projeto Elétrico). deverá ser descontado o espaço ocupado por esse armário. interruptores. Os pontos de iluminação deverão estar preferencialmente centralizados em cada cômodo. Nesta “planta”. é muito importante. medindo o comprimento de um lado da parede no desenho abaixo.

Planta com a disposição da casa e cômodos. no terreno: Fonte: CEMIG .Figura 11 .2003 .

2003 . interruptores.Planta com os móveis e utensílios. equipamentos e aparelhos elétricos. pontos de iluminação.Planta com Layout e marcação dos pontos elétricos Fonte: CEMIG . tomadas de uso geral e tomadas de uso específico: Figura 12 .

Planta com a disposição dos pontos de eletricidade Fonte: CEMIG .Planta com os pontos de iluminação. interruptores. tomadas de uso geral e tomadas de uso específico: Figura 13 .2003 .

poderá elaborar a divisão dos circuitos elétricos. É importante salientar. E lembre-se: Um Projeto Elétrico deverá proporcionar: alternativas criativas. Por exemplo. segurança. tomadas de uso específico e de iluminação. 4 . beleza. calcular o número mínimo de tomadas de uso geral para cada cômodo conforme estabelecido no subitem 2. que o proprietário poderá desejar um número maior de tomadas além do calculado. qualidade. conforto. deverão ser adotados os seguintes procedimentos: 1 .Calcular o perímetro e a área de cada cômodo. A disposição delas. Observação: existem chuveiros de potência maior. 3 . 2 .A partir do perímetro. 5 . proteção.A carga de iluminação poderá ser calculada de acordo com tabela específica.A partir do entendimento. Por isso é importante conversar com ele. a carga de um chuveiro elétrico é de 4. 6. . deverá ser de acordo com a potência de cada equipamento elétrico.Somar separadamente as cargas de tomadas de uso geral.400 VA.A partir dessa soma das cargas. deverá ser de acordo com a “planta baixa” que contenha os móveis e utensílios e equipamentos elétricos. em cada cômodo. economia. análise e compreensão das “planta baixa” da residência e seguindo também os passos definidos anteriormente.4 página 52.A carga das tomadas de uso específico.

As seções dos condutores fase estejam dentro de um intervalo de três valores normalizados sucessivos.2. inclusive o neutro (se existir). Cada circuito seja protegido separadamente contra as sobrecorrentes. A mesma Norma “exige” que os eletrodutos ou calhas contenham apenas condutores de um único circuito. B – Quando diferentes circuitos alimentarem o mesmo equipamento. desde que todos os condutores sejam isolados para a mesma tensão nominal e que cada circuito seja protegido separadamente contra as sobrecorrentes.2. sem a interposição de equipamentos que transformem a corrente elétrica. Esta situação é encontrada com maior facilidade. 3.1 – Condutos São canalizações ou dispositivos destinados a conter condutores elétricos e são divididos em:      Eletrodutos Dutos Calhas e canaletas (podem ser abertas ou fechadas) Bandejas ou leitos de cabos (condutos abertos) Molduras. existem vários materiais de uso corrente. através de explicações mais precisas.1 – Finalidades  Proteger os condutores contra ações mecânicas e contra corrosão. .2. exceto nos seguintes dois casos: A – Quando as quatro condições descritas a seguir sejam simultaneamente atendidas:     Todos os condutores sejam isolados para a mesma tensão nominal. de telecomando.1 – Eletrodutos São tubos destinados à colocação e proteção de condutores elétricos. retificadores. 6 mm2 e 10 mm2. principalmente nos circuitos alimentadores.1. que serão detalhados com mais precisão neste módulo. do mesmo circuito devem estar agrupados no mesmo conduto”. de controle e/ou medição de um equipamento comandado à distância. de sinalização. por exemplo. as exigências da Norma.CAPÍTULO 3 – MONTAGEM E INSTALAÇÃO DE COMPONENTES 3.1. 3. etc.1. Todos os circuitos tenham sua origem em um mesmo dispositivo geral de comando e proteção. 3. por exemplo: 4 mm2. rodapés e alizares A NBR 5410 estabelece que: “todos os condutores vivos.2 – Materiais empregados 3. Neste capítulo serão apresentados os mais diversos materiais e a tecnologia da utilização dos materiais e componentes utilizados nas instalações elétricas prediais. transformadores. Desta forma.1 – Introdução No módulo passado foram feitas diversas referências aos mais diversos materiais empregados em instalações elétricas. conversores.

1. Tabela 04 – Instalação dos Eletrodutos Local Lajes e Alvenaria Enterrados no Solo Enterrados – Embutidos em concreto Aparentes – fixados por braçadeiras Tipos Eletrodutos metálicos rígidos ou de plásticos rígidos Eletrodutos rígidos não metálicos ou de aço galvanizado Eletrodutos rígidos não metálicos ou metálicos galvanizados ou revestidos de epóxi Fixados nos tetos. proporcionando um percurso para a terra.1.2. Constituir um envoltório metálico aterrado para os condutores (caso o eletroduto seja metálico).4 – Proteção contra corrosão Para proteger os eletrodutos metálicos contra a corrosão.2.2.   Proteger o meio ambiente contra os perigos de incêndio. pode-se utilizar vários processos.1. provenientes do superaquecimento ou da formação de arcos por curto-circuito. caso o eletroduto seja metálico.2. paredes ou elementos estruturais Eletrodutos rígidos metálicos ou de PVC rígido .5 – Modalidades de Instalação e Tipos usados Os eletrodutos podem ser instalados conforme apresentado na Tabela 04.1.3 – Materiais Vários materiais podem ser empregados na fabricação dos eletrodutos. tais como:     Cobertura de esmalte a quente Galvanização ou banho de zinco a quente Cobertura externa de composto asfáltico ou plástico Proteção interna e/ou externa adicional de tinta epóxica 3. 3. o que evita perigos de choques elétricos.1.1. Funcionar como condutor de proteção.2 – Classificação Os eletrodutos podem ser:   Rígidos Flexíveis 3.1. tais como:       Aço Carbono Alumínio PVC Plástico com fibra de vidro Polipropileno Polietileno de alta densidade 3.1.

Eletrodutos flexíveis metálicos. também conhecidos como conduitis) formados por uma fita enrolada em hélice. Nota Importante 2: Para os eletrodutos rígidos. no caso dos tipos leves LI. esclarece que os eletrodutos metálicos flexíveis não devem ser embutidos nem utilizados nas partes externas das edificações ou de qualquer forma expostos ao tempo.Local Aparentes – em prateleiras ou suportes tipo mão francesa Aparentes – Locais com atmosfera agressiva Ligações de ramais Tipos Eletrodutos rígidos metálicos ou de PVC rígido Instalados em locais onde a atmosfera contenha gases e vapores agressivos. São encontrados eletrodutos dos seguintes tipos:      Leve Esmaltado: denominados eletrodutos comuns. a NBR 5410 menciona em seu texto a NBR 6150 aplicável para eletrodutos de PVC rígido. E. Leve II e Leve III Pesado Extra Pesado Galvanizado Leve I Galvanizado Nota Importante 3: O tamanho nominal do eletroduto. Em construções modestas e em obras de reforma. Eletrodutos de PVC rígido ou metálicos com pintura epóxica Empregados nas ligações de motores e equipamentos sujeitos a vibrações. LII e LIII refere-se ao diâmetro externo. e com uma luva em uma das extremidades. 3. podemos observar dados importantes dos eletrodutos. . variando o diâmetro interno de acordo com a espessura do tubo. quando se teme a agressividade de agentes poluentes ou líquidos agressivos. Podem ser encontrados no mercado nos tipos Leve I. Nota Importante 1: A NBR 5410 não faz referência ao uso de tubos de plástico flexível como eletrodutos.2. instaladores parem ignorar o que a Norma menciona o uso de tubos flexíveis de plástico. Na Figura 14.2 – Eletrodutos Metálicos Rígidos São normalmente encontrados no comércio em varas de 3m de comprimento. Entretanto. rosqueadas nas extremidades. não faz nenhuma referência aos eletrodutos de materiais não metálicos flexíveis. Podem ser revestidos por uma camada protetora de material plástico.

40 0.50 0. encontram-se nas Tabelas 05.40 0. não sendo permitida a utilização de condutores a prova de tempo WP e cordões flexíveis. A taxa máxima de ocupação dos eletrodutos por cabos isolados.2. na realidade a taxa de ocupação.35 .Figura 14 – Estrutura do Eletroduto Para calcularmos a seção útil dos eletrodutos.2.40 0. Tabela 05 – Taxa máxima de ocupação da seção transversal de um eletroduto por cabos isolados Número de Cabos Isolados 1 2 3 4 Mais de 4 Taxa Máxima de Ocupação Cabos sem Cobertura de Cabos com cobertura de Chumbo Chumbo 0.1 – Número de Condutores em um Eletroduto Segundo a NBR 5410.38 0. pode-se utilizar a Fórmula 1: (1) 3.31 0. 06 e 07.55 0.40 0.53 0. no interior dos eletrodutos SAP permitidos apenas condutores e cabos isolados.

5 56.3 6.5 104 13 133 15 177 16.8 / 3.5 214 18.8 47.2 / 7.1 5.1 20.7 48 1404.5 / 6.8 - .7 10.5 2.5 3.5 434 Pirastic-Flex Antiflam Diâmetro Área Total Externo (mm2) (mm) 3.4 / 4.Tabela 06 – Áreas dos eletrodutos rígidos de aço carbono.9 33.2 / 18.9 33 619.4 102 6804.8 89 5201.4 6.2 / 37.6 27 386. tipo pesado.0 6.5 269 20.7 21 221.8 5.9 / 4.9 / 13.2 7.7 4.6 34.5 4 6 10 16 25 35 50 70 95 120 150 185 240 (*) Fio / Cabo Pirastic Antiflam Diâmetro Área Total Externo* (mm2) (mm) 2.7 3.8 4.6 60 2255.7 9.2 13.7 9. ocupáveis pelos cabos Dimensão do Eletroduto Tamanho Área Útil Nominal (mm2) (mm) 17 134.1 7.6 / 5.9 24.6 / 27.8 42 1028.8 15.1 Cabos sem cobertura de chumbo 1 cabo 2 cabos 3 ou mais cabos 53% 31% 40% 71 117 205 328 545 744 1195 1784 2756 3606 41 68 119 192 381 435 699 1044 1612 2109 53 88 154 247 411 561 902 1347 2080 2721 Tabela 07 – Dimensões totais de condutores Pirelli isolados Seção Nominal (mm2) 1.2 11.5 330 23.4 / 3.4 8.1 / 10.1 3.3 73 3367.5 71 11.