You are on page 1of 16

A TÁBUA DE DELINEAR – “The Tracing Board”

DO GRAU APRENDIZ FRANCO-MAÇOM
Agradecemos:
· Ao G.A.D.U. por nos propiciar o “fio da vida” sem a qual não estaríamos onde
estamos;
· Às nossas esposas, filhos e demais entes queridos por nos apoiarem nas
inúmeras “fugas do lar” em virtude das reuniões para a confecção deste.

Dedicamos o presente trabalho:
· A todos os irmãos da nossa e de outras oficinas que nos auxiliaram nas
pesquisas e nos forneceram conteúdo para estudo;
· Aos nossos queridos Mestres pelas inúmeras “aulas” de vivência maçônica;
· Aos nossos Padrinhos que tiveram a “coragem” e a “audácia” de nos dar seu voto
de confiança para nos tornarmos “obreiros” desta “oficina”.
Que o G.A.D.U. nos ampare e proteja, hoje e sempre!
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO
AS JÓIAS MÓVEIS
O ESQUADRO
O NÍVEL E O PRUMO
AS JÓIAS FIXAS
A PEDRA BRUTA E A PEDRA ESQUADRADA OU POLIDA
A TÁBUA DE DELINEAR OU PRANCHETA
O MOBILIÁRIO OU PARAMENTOS
O VOLUME DA LEI SAGRADA
O ESQUADRO E O COMPASSO
OS ORNAMENTOS

O PAVIMENTO MOSAICO
A MOLDURA DENTEADA OU MARCHETADA
A ESTRELA BRILHANTE
O SOL E A LUA
AS ESTRELAS
AS NUVENS
O ALTAR DOS JURAMENTOS E O CÍRCULO
A ESCADA DE JACÓ: A CRUZ, A ÂNCORA, O CÁLICE E A CHAVE OCULTA
AS TRÊS GRANDES COLUNAS
O MAÇO E O CINZEL
O LEWIS
A RÉGUA DE 24 POLEGADAS
A ESPADA
AS QUATRO BORLAS.
CONCLUSÃO
BIBLIOGRAFIA

INTRODUÇÃO
Falar sobre a maçonaria nos seus conceitos históricos, primitivos e filosóficos
cabe-nos inundar o presente trabalho com conteúdo talvez inapropriado para o
presente momento, haja vista que o que importa para nós, iniciados aprendizes, é
possuirmos uma visão mais ampla e conceitual, a princípio, devido ao nosso grau
de maturidade de interpretação.
Antes de ser convidado a entrar na ordem, o profano tem uma visão exotérica da
entidade e do mundo, e quando adentra, sua visão se alterna de acordo com o seu
grau de evolução para uma visão esotérica, de interior, do coração.
Como nosso trabalho retrata a tábua de delinear do primeiro grau - ou painel do
primeiro grau em outros ritos – também denominada de “The Tracing Board” pelo
“Rito de York” ou “Emulation Ritual”, o estudo dos simbologismos ocultos e sua
devida interpretação nos conduzirão de uma visão exotérica do mundo profano
para uma visão esotérica do mundo iniciático maçônico.
A tábua de delinear retrata o templo interno da nossa loja, seus símbolos e seus
significados operativos na pura arte de edificar, de construir. Cabe a nós maçons,
interpretarmos e transportarmos tais símbolos para nossa vida cotidiana com
vistas a construção do nosso “Templo Interior”, trabalhando as nossas virtudes,
desbastando as nossas arestas mundanas com vistas a galgar os degraus da
perfeição.
Mesmo que seja utópico e fantasioso esse é o propósito do nosso trabalho.

JÓIAS MÓVEIS

São símbolos que merecem tal denominação em virtude de seu alto e precioso
conteúdo simbólico na Maçonaria, acrescido ao fato de serem insígnias dos três
Principais Oficiais de uma Loja praticante do Rito de Emulação, ou seja: Mestre da
Loja (Esquadro); 1º Vigilante (Nível) e 2º Vigilante (Prumo). Denomina-se de jóias

móveis porque elas são transmissíveis na cadeia sucessória dos Principais
Oficiais, ou seja, elas mudam de mãos na oxigenação da Loja, mas não perdem a
sua essência.
Alguns autores ilustram que as três jóias na seqüência do Prumo, do Nível e do
Esquadro formam a trilogia maçônica da Liberdade (justa, ereta), Igualdade (todos
têm os mesmos direitos) e Fraternidade (sentido de união).
O esquadro
No simbolismo operativo, o Esquadro (do latim exquadra e exquadrare, esquadrar)
é um instrumento cuja propriedade é tornar os corpos quadrados; com ele seria
impossível fazer um corpo redondo. Ajusta os lados verticais em consonância com
os horizontais para que o fruto final se torne firme e seguro, podendo-se dizer que
é a união do Prumo com o Nível.
Na simbologia especulativa, ele retrata que o Maçom deve ser o exemplo de
conduta a ser seguido, não pendendo para nem um dos lados e nem sendo
desnivelado para com os outros. A vida é traçada no plano horizontal para com o
próximo e no plano vertical para com Deus, formando uma união constante, justa e
ereta.
A jóia do Mestre de Loja possui dois braços que podem não são iguais. Em geral,
ele é adornado em seu anverso, o que implica um sentido bem definido. Se o
braço mais longo ficar do lado direito; assimila-se assim a preponderância do ativo
(lado direito) sobre o passivo (lado esquerdo); também significa que a vontade de
um Mestre de Loja só pode ter um sentido, o dos estatutos da Ordem, e que ela só
deve agir de uma maneira: a do bem.
O Esquadro tem o sentido de eqüidade, é formado pela reunião da horizontal e da
vertical. Ele simboliza o equilíbrio resultante da união do ativo com o passivo é um
dos símbolos maçônicos mais usuais e presentes em todos os graus, com o seu
simbolismo próprio.
Segundo o comentário de Oswald Wirth, a Cruz e o Quadrado podem ser
considerados como formados por dois ou quatro Esquadros de braços desiguais,
que seriam reunidos por seus vértices ou por suas extremidades.
O Nível e o Prumo
O Nível e o Prumo são jóias móveis utilizadas pelo Primeiro e Segundo Vigilantes
representando a igualdade social e a retidão de julgamento que devem sempre ser
observados pelo verdadeiro Maçom para jamais oprimir seu semelhante.
Sob o ponto de vista operativo, com o Nível é possível verificar se uma superfície
está livre de arestas, pois, a planificação do alicerce de uma obra é fundamental
para sua correta sustentação.
O Prumo permite aferir a retidão de uma parede que está sendo construída, de
forma a garantir sua estabilidade.
Na Maçonaria, os homens são considerados iguais perante as leis naturais e

sociais, sendo que, simbolicamente, é através do Nível que esta igualdade é
verificada.
É somente através da igualdade proporcionada pela tolerância e pela aplicação
das leis morais que a fraternidade torna-se possível de ser alcançada. Em suma, o
papel do Nível é controlar a força criadora do homem, direcionando sua vontade
para propósitos úteis.
Simbolicamente, o Prumo possibilita verificar a correta fundamentação do
crescimento intelectual, trazendo o conhecimento necessário para possibilitar a
aplicação precisa da força através da razão, denotando a profundidade exigida
para nossas observações e estudos, de forma a garantir a estabilidade da obra.
Em suma, o papel do Prumo é controlar a intelectualidade do homem,
fundamentando-a a luz da razão.
A horizontalidade do Nível e a verticalidade do Prumo são unidas através de um
ponto, o que determina o ângulo reto.
Desta união surge o Esquadro, jóia do Mestre de Loja, instrumento que representa
o equilíbrio entre a vontade e a razão, descrevendo aí o papel da Sabedoria, o de
aferir a retidão.

JÓIAS FIXAS
São símbolos que merecem tal denominação pelo fato de não serem móveis ou
transmissíveis, se achando sempre presentes na Loja, para refletir a divina
natureza e atuando como código moral aberto à compreensão de todos os
Maçons. Representam o Aprendiz (A Pedra Bruta), o Companheiro (A Pedra
Esquadrada, Polida ou Cúbica) e o Mestre de Loja (Tábua de Delinear ou
Prancheta).
A Pedra Bruta e A Pedra Esquadrada ou Polida
Na simbologia maçônica, a Pedra Bruta representa os Aprendizes e a Pedra
Esquadrada ou Polida, os Companheiros.
Devemos tomar como exemplo de interpretação, a “transformação” que o mineiro
artista barroco Antônio Francisco Lisboa, oAleijadinho, transformava uma pedra
sabão, numa escultura suntuosa e elevada.
A lapidação da Pedra Bruta na construção de nosso Templo Interior nos torna
capazes de desempenhar o papel da pedra talhada em nossa comunidade, aquela
em que vivemos, podendo assim contribuir na construção do Templo Exterior, qual
seja, a sociedade humana mais ética, mais justa e mais solidária.
As leis do homem nada significam sem Princípios Morais, pois não se faz uma
sociedade mais justa e fraterna sem nela haver homens mais justos e mais
fraternos. Deve-se adquirir através de uma postura pautada nessa filosofia, o
Hábito da Virtude e da interligação direta e íntima do homem e sua alma: a
comunicação da Luz Divina em seu interior para que a inteligência seja capaz de
atingir um conhecimento verdadeiro, bom e sincero.

Os diversos formatos da pedra bruta são em sua essência o início de nosso
desenvolvimento, as várias formas da pedra bruta representam as virtudes pelas
quais nós neófitos temos que aprimorar e desenvolver, cabendo a cada um
trabalhar com mais afinco as suas imperfeições sempre buscando o formato da
pedra polida ou esquadrada. Analisando a pedra bruta podemos considerar que
cada um de nós pode trabalhar seu formato, mas os estudos maçônicos
possibilitam que haja uniformidade em nosso desenvolvimento e todos possam
desbastar a pedra para um único ideal, 60
60refletindo o sentimento de igualdade. Consideramos importante que apesar do
desenvolvimento das virtudes sempre temos sempre que refletir, pois em nossa
essência continuamos sendo a mesma pedra bruta, em constante
desenvolvimento das retidões e dos sentimentos nobres ou não, dependendo do
nosso nível de conhecimento e vivência do mesmo.
A Tábua de Delinear ou Prancheta
A Tábua de Delinear ou Prancheta simboliza o Mestre da Loja e serve para traçar
os planos e projetos das obras, ou seja, é com ela que os Mestres trabalham para
guiar os aprendizes e os companheiros nos trabalhos por ela indicada, revelandolhes o significado dos símbolos essenciais figurados no painel e delineando o
caminho que eles devem seguir para o aperfeiçoamento, a fim de progredirem nos
trabalhos da arte real.
Com a Tábua, o Mestre de Loja transforma a mente tosca e ignorante do Aprendiz,
a Pedra Bruta, num homem instruído, o Companheiro, já em estágio mais
avançado em Pedra Polida, o qual poderá transmutar-se num homem perfeito,
num verdadeiro Mestre Maçom capaz de atuar como Construtor Social na
edificação de um mundo justo, perfeito e melhor.
Alguns autores retratam que o Volume da Lei Sagrada é a Tabua de Delinear do
G.A.D.U., onde ele relata todo o conteúdo moral para o homem seguir firme no
caminho da sua ascensão aos mundos superiores e felizes.

MOBILIÁRIO OU PARAMENTOS

O Mobiliário representa as três grandes Luzes Emblemáticas da Maçonaria e sua
presença no Templo é imprescindível para a realização dos trabalhos litúrgicos,
sendo definidas pelo Volume da Lei Sagrada, o Esquadro e o Compasso.
O Volume da Lei Sagrada
Representa o Código Moral que cada indivíduo deve respeitar e seguir; a filosofia
que cada qual deve adotar; é a Lei Sagrada de cada Maçom; enfim, a Fé que nos
governa e anima, o norte das nossas vidas, independente de qualquer religião que
seja, pois a princípio e até que provem o contrário, o G.A.D.U. é onipresente,
oniciente e onipotente.

Assim da mesma forma que a Tábua de Delinear serve para o Mestre traçar
objetivamente os trabalhos dos irmãos para o seu aprimoramento, o Volume da Lei
Sagrada pode ser considerado como sendo a Tábua de Delinear do G.A.D.U., na
qual são traçadas espiritualmente as Leis Divinas e Morais para o Maçom e para a
humanidade.
O Volume da Lei Sagrada deve ser aberto sobre o Altar dos Juramentos (que no
caso do Rito de Emulação está representado subjetivamente, apenas na Tábua de
Delinear e não materialmente dentro do Templo) durante os trabalhos da Loja,
como símbolo de espiritualidade e representando a Verdade. Constitui a tração
Espiritual ligando o homem a divindade, contém as palavras sagradas e serve para
que os candidatos a Franco-Maçonaria façam o seu juramento de obediência e
fortaleça a sua fé, sendo também o local onde a Escada de Jacó está apoiada,
como veremos mais adiante.

O Esquadro e O Compasso

O Esquadro e o Compasso formando um único emblema é certamente o distintivo
mais conhecido da Maçonaria no mundo profano, e o símbolo mais representativo
da filosofia maçônica, especialmente quando a eles se agrega a letra “G”, inicial de
Geometria, representando o Grande Geômetra que é Deus ou o G.A.D.U.
Como parâmetros especulativos, o Esquadro e o Compasso representam a
aspiração do homem pela Justiça e pela Retidão. Eles simbolizam a medida justa
que deve presidir todos os atos e ações do verdadeiro Maçom, não podendo se
afastar nem da Justiça, nem da Retidão, regulando as nossas vidas e as nossas
ações.
O Esquadro, com seu único ângulo reto, e sua escala de medidas fixas, é aplicado
às superfícies e aos sólidos, e relaciona-se aos estados aparentemente fixos da
matéria (a exemplo na checagem da Pedra Esquadrada ou Cúbica), enquanto que
o Compasso, com seu ângulo variável, traçam-se círculos, que representa o todo,
o infinito, a perfeição, e relaciona-se aos movimentos e revoluções. Dessa forma, o
Esquadro simboliza a Matéria, a Terra e o Compasso, o Espírito e o Céu.
O Esquadro é o símbolo da Retidão que regula nossas ações e que nos ensina a
permanecermos fiéis para com os nossos semelhantes; já o Compasso representa
a justiça, nos mantém nos devidos limites das nossas relações com todos os
homens e especialmente com os nossos irmãos, ensinando-nos onde começam e
onde terminam os nossos direitos.
No Grau de Aprendiz, o Esquadro é colocado sobre o Compasso, simbolizando
que a Matéria ainda domina o espírito.
Assim, o aprendiz não pode usar o Compasso, pois deverá trabalhar
exclusivamente na Pedra Bruta até que sua obra esteja perfeitamente acabada,

polida e esquadrejada. O Aprendiz ainda tem a mente nublada por preconceitos e
convenções que o impedem de livremente pesquisar e procurar a verdade.
ORNAMENTOS
Os Ornamentos são todos aqueles símbolos que decoram ou ornamentam uma
Loja Maçônica e que não estão classificados nem como Jóias e nem com como
Mobiliário ou Paramentos, sendo constituídos do Pavimento Mosaico, a Moldura
Denteada ou Marchetada e Estrela Brilhante.
O Pavimento Mosaico
Simbolizam a Harmonia que sempre deve haver entre todos os Maçons,
independentemente de suas diferenças étnicas, religiosas, políticas, sociais, etc.
O Pavimento Mosaico ou piso mosaico é composto de quadros pretos e brancos,
alternando as suas cores nos demonstrando a superação via contraste, via
dualidade e simbolizando a união e a igualdade entre os irmãos, assinalando a
superação de suas divergências conceituais variadas, mostrando-nos a humildade,
o desapego a preconceitos do mundo profano e nos leva a busca da harmonia
universal.
O piso tem origem na cultura sumeriana, povo oriundo da antiga mesopotâmia,
deve rigorosamente ocupar todo o piso do templo, simbolizando os opostos
encontrados na vida do homem.
No antigo Egito, o pavimento mosaico era um lugar sagrado proibido de ser pisado
com forte apelo religioso.
Segundo Ruben Schechter, “ao nos depararmos frente ao pavimento mosaico, nos
lembramos dos nossos piores defeitos: a ambição e a vaidade. A ambição de
queremos alcançar todos os graus, a ambição de nos tornarmos veneráveis,
alguns pela capacidade e pela democracia, e outros por imposição e totalitarismo,
a ambição de termo e sermos ou nos consideramos melhor que o próximo. A
vaidade é o combustível da ambição. São como dois demônios, vivendo em
bizarro concubinato nos corações dos homens desprezíveis”.
O pavimento mosaico nos ensina a nos afastar destes sentimentos abjetos, pois
representa o porto seguro de todo o homem virtuoso.
É imperioso destacar que os ladrilhos do pavimento mosaico são assentados
niveladamente sobre um “único cimento”, ou seja, nos mostrando que vivemos em
harmonia num único mundo, independente dos nossos conceitos, das nossas
crenças e de nossas posições sociais.
A Moldura Denteada ou Marchetada
Simboliza os Maçons unidos e reunidos em Loja, significando a família Maçônica
Universal.
A Moldura Denteada ou Marchetada, também sendo denominada de Orla ou Borla
são os nomes atribuídos à representação existente na tábua que serve para

demarcar os limites ao redor dos símbolos a primeira vista, mas se observarmos
com atenção iremos notar que ela representa a luz em expansão indo de encontro
às trevas, luz esta que significa os ensinamentos, a moral maçônica, o amor, a
fraternidade se expandido e ocupando o lugar da ignorância, da inimizade, da
incompreensão, da desarmonia que é o significado das trevas. A Moldura
Denteada serve também como uma muralha para nos proteger da falsidade e do
desequilíbrio do mundo profano, não permitindo que isso nos afete.
Também esta muralha composta por inúmeros dentes representa a união dos
obreiros em comunhão para aprimorar seus conhecimentos, para adquirir aquilo
que é justo e perfeito, compartilhando tais ensinamentos com o mundo profano.
Esotericamente podemos dizer que a Moldura Denteada simboliza a fraternidade
através da união dos povos, bem como, servem de barreira contra a entrada da
ignorância no Templo interior de cada um, representada pelos seus dentes pretos,
em alusão á expansão da Luz obtida com os conhecimentos, representada pelos
seus dentes brancos.
Fazemos uma alusão ao Rito de Emulação, onde a Orla representa os planetas ao
redor do sol, formando uma bela moldura que rodeia e adorna, dando beleza e
harmonia. De acordo com tal raciocínio, lembram-nos os povos reunidos em torno
de um chefe, os filhos reunidos junto ao pai, todas as raças reunidas em torno de
uma sabedoria universal.

A Estrela Brilhante

A Estrela Brilhante simboliza, nas Lojas, o Sol que é para os Maçons a
representação de Deus, o G.A.D.U., pois ele, com sua luz e com seu calor,
dispensa inúmeros benefícios ao gênero humano.
È a glória que está no centro, iluminando a terra e toda a humanidade, espalhando
a luz, as bênçãos e a vida.
Na interpretação mais apurada, é a Divindade suprema, oniciente, onipotente e
onipresente.
A Estrela Brilhante do Rito de Emulação possui sete pontas, representando para
alguns autores, as Sete Artes ou Ciências Liberais, fazendo uma alusão ao
número sete no seu significado cabalar, onde temos também as sete notas
musicais (Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá e Si), os sete continentes (América, África,
Europa, Ásia, Oceania, Lemúria e Atlântida) os sete Mestres Maçons reunidos
para abertura de uma Oficina, os sete dias da semana, enfim, todo um mistério,
magia e ocultismo representado pelo número sete.

O SOL E A LUA

O Sol e a Lua representam o antagonismo da natureza – dia e noite, afirmação e
negação, o claro e o escuro, o masculino e o feminino – que, contraditoriamente,
gera o equilíbrio justamente e sabiamente pela conciliação dos antagonismos.
O Sol simboliza a glória e o esplendor do criador, nos energizando e curando tanto
nosso corpo como nossa alma. O Sol representa aquilo que buscamos, em nossa
vida, e que quando éramos profanos, não tínhamos, e se tínhamos, era apenas um
vislumbre, devido às virtudes que alguns homens possuem; esses são chamados
de maçons profanos, e o que buscamos é a luz da verdade, do conhecimento, da
harmonia, da fraternidade, do amor ao próximo.
O Sol representa é a fonte de luz, portanto atua ativamente, masculinamente,
nascendo no Oriente de onde vieram às civilizações e as ciências, e nos fornece a
luz para o início dos nossos trabalhos em Loja, exatamente ao meio-dia quando se
encontra no zênite.
A lua representa o mundo profano, onde habita as trevas, a escuridão do
conhecimento, a falta de companheirismo e a falta de harmonia, por justamente
ser notada durante a noite.
Em outra corrente de pensamento a Lua representa o Amor, o lado feminino,
atuando passivamente, pois absorve e depende da luz do Sol para reinar nas
noites embelezando e harmonizando juntamente com as estrelas o céu.
Serve também como o divisor de águas na finalização dos trabalhos em Loja, pois
ao se encontrar no nadir os mesmos são encerrados.
Ambos exerceram um papel fundamental nas civilizações antigas, contribuindo
para a agricultura, na contagem dos tempos, na inspiração mitológica
principalmente na Grécia.
De acordo com o Rito de Emulação, o Sol e a Lua juntamente com o Mestre de
Loja sãos as Três Luzes menores da Maçonaria, estando situadas no Oriente, Sul
e Ocidente, sendo o Sol o governador do dia, a Lua o da noite e o Mestre de Loja,
o governador dirigente dos trabalhos.
Na Tábua de Delinear do Rito de Emulação, a Lua é representada na sua fase
cheia e não em quarto crescente conforme os painéis de outros ritos.
AS ESTRELAS

As Estrelas, juntamente com o Sol e a Lua simbolizam o universo iluminando a
abóbada celeste, o infinito, ao qual o iniciado chega através da escada de Jacó.
Segundo o ritual do Rito de York, as sete estrelas aludem à quantidade de irmãos
Mestres-Maçons que precisam estar presentes às sessões sem os quais nenhuma
Loja é perfeita e nenhum candidato pode ser iniciado na Ordem.

Existe um entrelaço novamente com o número sete, a visão mística e cabalar,
retratada anteriormente na explanação da Estrela Brilhante.
Igualmente, as diversas estrelas distribuídas simbolizam a universalidade da
Maçonaria e lembram que os Maçons espalhados por todos os continentes, devem
se portar como construtores sociais, distribuir a luz de seus conhecimentos
àqueles que ainda estão cegos e privados do conhecimento da Verdade.

AS NUVENS

Representam à falta de completa visibilidade da Verdade (Luz Divina) que é
inerente aos Aprendizes-Maçons no 1º Grau, demonstrando assim os momentos
de alternância na conduta do aprendiz, ou seja, a dificuldade de observar os
mistérios da Franco-Maçonaria.
A Nuvem representa as dificuldades que nós temos para visualizar a Luz Maior,
sendo que as sete estrelas circunscritas mostram-nos que praticar as sete virtudes
(cardeais e teológicas explicadas mais adiante) pode nos levar a alcançar essa
Luz, mas não devemos buscá-la fora e sim no nosso interior.
Vemos aqui mais uma vez a simbologia setenária, pois o sete é considerado um
número perfeito pelos antigos e representa os dias da criação do mundo, as sete
cores do arco-íris, os sete dias da semana, as sete notas musicais, etc.,
representa o aperfeiçoamento espiritual do homem.
Podemos dizer que as nuvens nublam os caminhos do homem na sua busca do
seu “Eu Superior”, e que tal nebulosidade pode se creditar à ignorância do ser
humano, uma das diversas arestas que devem ser aparadas no desbastar da
Pedra Bruta de cada um, de acordo com o seu grau de evolução, interpretação e
entendimento, não obstante sua fé.

O ALTAR DOS JURAMENTOS E O CÍRCULO

Temos que ter na mente que as Tábuas de Delinear surgiram primeiramente do
que a os próprios Ritos e Lojas, funcionando improvisadamente nos interiores de
tabernas devido as perseguições da época.
No Rito de Emulação não existe materialmente o Altar dos Juramentos e o Círculo,
estando os mesmos representados simbolicamente na Tábua de Delinear,
servindo como base para suportar o Volume da Lei Sagrada que ao mesmo tempo
sustenta o início da Escada de Jacob.
Materialmente utilizamos o Pedestal do Mestre de Loja para sustentar o Volume da
Lei Sagrada, que em comunhão com o Esquadro e o Compasso, formam as Três
Luzes Emblemáticas da Maçonaria.
O significado do Altar dos Juramentos é uma alusão aos povos da antiguidade,

desde os indígenas até os hebreus, que faziam as suas oferendas a um ser
superior, um Deus, em troca de graças e favores obtidos, sustentando neste ponto
o princípio do culto à divindade, que para alguns povos eram tidos como
primordiais ao agrado de Deus e para acalmar a sua ira.
O Círculo como um ponto central, representa a linha mestra da conduta moral de
todo Maçom, subjetivamente limitado entre o Norte e o Sul por duas paralelas
imaginárias simbolizando Moisés e o Rei Salomão.
Na parte superior de tal círculo, repousa o Volume da Lei Sagrada, estando
consoante com o início do Altar dos Juramentos.
Se nos mantermos circunscritos dentro do Círculo e dos limites das paralelas,
observando a conduta moral do Volume da Lei Sagrada, não poderemos errar em
nossos objetivos de vida.

A ESCADA DE JACOB
A Escada de Jacob, em diversas religiões, está sempre ligada à Evolução, à
Iniciação e ao Caminho que leva á Divindade, sendo utilizada maçonicamente para
o mesmo fim.
Simboliza o caminho por onde nós, como Maçons, esperamos chegar ao plano
que habita o Grande Arquiteto do Universo. Ela é composta por vários degraus,
que não são definidos em quantidade exata justamente por considerar o grau de
evolução de cada um, simbolizando as virtudes que o Maçom deve cultivar, para
chegar à perfeição.
Ela está apoiada sobre as Três Luzes Emblemáticas da Maçonaria, pois o Volume
da Lei Sagrada representa a lei divina, a sabedoria universal que é o Grande
Arquiteto do Universo, o código da moral e da ética. O Esquadro que representa a
retidão e o Compasso que representa a justiça. De modo que o único modo de
chegarmos até o topo da escada é sermos detentores da moral, ética, sermos
justos e andarmos em retidão.
Na escada encontramos alguns símbolos que são consideradas as três principais
virtudes teologais, de acordo com a igreja católica, relacionadas as virtudes
instintivas incrustadas no homem por Deus e que são:
ü A Cruz: simboliza a fé no G.A.D.U., pois sem fé não se chega até o topo da
Escada, não se goza os benefícios da plenitude divina;
ü A Âncora: simboliza a esperança de chegar ao topo da Escada e alcançar a
graça do G.A.D.U., a salvação e a perfeição íntima;
ü O Cálice: simboliza a caridade, o amor em ajudar o próximo, pois ajudando o
próximo estamos ajudando a nós mesmos, de forma a chegarmos à perfeição;
ü A Chave: que está subjetivamente oculta na Tábua de Delinear, simboliza os
Segredos e Mistérios da Franco-Maçonaria, nos lembrando do juramento feito e
guardado no nosso íntimo e também a discrição pertinente a cada Maçom.

O mais importante ao analisarmos a Escada de Jacob é de perguntarmos a nós
mesmos onde nos encontramos nela, se estamos subindo, se estamos descendo,
se estamos estacionados, inertes ao mundo e a todos, se eu posso ao chegar no
seu topo descer e ajudar o próximo, se estou sendo humano ou animal, caridoso
ou vaidoso na escada da vida, enfim, uma infinidade de indagações interiores e
individuais que nos fazem refletir e a repensar o nosso caminho cotidianamente.
A fase de interpretação de onde estamos na Escada é de suma importância para o
aprimoramento individual e para a contribuição de cada Maçom como Construtor
Social no mundo.
AS TRÊS GRANDES COLUNAS
Consta em nosso Rito de Emulação que o Universo é o Templo da Divindade e
que a Sabedoria, a Força e a Beleza rodeiam o trono do G.A.D.U., sendo sua
sabedoria infinita, suprema e oniciente, sua força onipotente e sua beleza
onipresente.
As Três Grandes Colunas que sustentam uma Loja representam tais atributos e
também representam o Rei Salomão na sua sabedoria de levantar um Templo de
sagração celestial, Hiram Rei de Tiro que utilizou toda a sua força – material e
humana - na sua construção e Hiram Abiff que o adornou e deu beleza, formando
um trino de supremacia.
No presente trabalho, As Três Grandes Colunas de origem grega têm significados
especiais, como os de representar a Sabedoria (Coluna Jônica – Mestre da Loja –
Salomão Rei de Israel); a Força (Coluna Dórica - 1º Vigilante – Hiram Rei de Tiro);
e Beleza (Coluna Coríntia - 2º Vigilante – Hiram Abiff – Filho da Viúva).
ü Sabedoria, simbolicamente representada pela Coluna Jônica, mais esbelta,
possui uma base e um capitel trabalhado com quatro volutas, é a personificação
da sabedoria, símbolo da sabedoria feminina atribuída à figura da deusa Atena
(Minerva para os romanos). Ela é designada ao Mestre de Loja e está situada no
Oriente, pois este dirige os obreiros fazendo uma analogia ao Rei Salomão por sua
sabedoria em criar um Templo dedicado aos desígnios de Deus, sempre
procurando a Verdade.
ü Força, simbolicamente representada pela Coluna Dórica, é a única coluna
clássica da arquitetura grega. Não possui base e com um capitel simples é a
personificação da força do homem sendo designada ao 1º Vigilante e está situada
no Ocidente, pois este paga aos obreiros o salário, que é a força e sustentação da
existência, sendo esta a representação de Hiram, Rei de Tiro, pelos seus esforços
na construção do templo de Jerusalém, fornecendo homens e materiais.
Tem sua figuração na mitologia grega e romana representada por Hércules.
ü Beleza, simbolicamente representada pela Coluna Coríntia, possui o capitel de
maiores detalhes e acabamentos e é a personificação da beleza sendo designada
ao 2º Vigilante e está situada no Ocidente, pois faz repousar os obreiros
fiscalizando-os no trabalho, sendo esta a representação de Hiram Abiff, artista

designado a criar os acabamentos primorosos do Templo de Jerusalém.
A Beleza que devemos fazer jus da palavra é a beleza moral e tem sua figuração
na mitologia romana, na Deusa Vênus, que é a Deusa do amor e da beleza.

“A SABEDORIA CRIA, A FORÇA SUSTENTA E A BELEZA ADORNA. SEM
ESTES ATRIBUTOS NADA É PERFEITO E DURÁVEL NO UNIVERSO”.

O MAÇO E O CINZEL
Operativamente, são as ferramentas utilizadas no desbaste da Pedra Bruta
transformando-as em Pedra Esquadrada ou Polida. São ferramentas do Grau de
Aprendiz, que os usará para o seu aprofundamento nas ciências ocultas da
Ordem.
O Maço e o Cinzel, a Vontade e a Inteligência, atuando sem coordenação,
funcionando de forma independente, geralmente não produzem um trabalho
satisfatório, não garantem que o trabalho se conclua, não asseguram que a meta
seja alcançada.
Estes dois símbolos estão unidos, demonstrando que ambos precisam atuar
harmonicamente para que se consiga atingir os objetivos almejados.
A associação do Maço com o Cinzel nos indica que a Vontade e a Inteligência, a
Força e o Talento, a Ciência e a Arte, A Força Física e a Força Intelectual, quando
aplicadas em doses certas, permitem que a Pedra Bruta se transforme em Pedra
Polida ou Esquadrada.
O maço possui o lado ativo, da força, e o cinzel o lado passivo, da beleza.

O LEWIS

Operativamente, o Lewis é uma peça de ferro com cunhas ajustáveis e expansivas
usado pelos pedreiros antigos para erguer e colocar grandes pedras nos devidos
lugares. Sendo assim, o Lewis está na Tábua de Delinear para representar as
nossas próprias mãos que usamos para erguer e transportar Pedras Brutas e
Cúbicas, porém, nem sempre o esforço humano é suficiente para realizar com
eficiência, a obra. Para a construção do Templo Espiritual, se as nossas mãos não
se apresentam suficientemente fortes para a tarefa, o Lewis será mentalizado e
cumprirá a sua tarefa.
Cabe nos uma ilustração a parte que devemos suportar os pesos da vida material,
principalmente na conduta da vida familiar, amparando e protegendo nossos entes
queridos, entre eles os que já estão em estágio de vida avançados. Os pais

carregam os filhos quando novos e vice-versa na idade adulta, por isso devemos
estar devidamente preparados para desempenhar tal função.

A RÉGUA DE VINTE E QUATRO POLEGADAS

Operativamente representava uma ferramenta de construção para apurar as
medidas exatas dos materiais de construção, principalmente os vergalhões e
verticais de ferro gusa e eram forjadas em metal.
Maçonicamente simboliza às 24 horas do dia, das quais devemos aplicar parte em
orações ao Grande Arquiteto do Universo, parte no trabalho e no descanso, e
parte em servir um amigo ou Irmão necessitado, sem prejuízo nossos ou de
nossos familiares. Também a régua de24 polegadas simboliza a retidão de caráter
que todo Maçom deve possuir, não envidando esforços para o ocioso e para a
inutilidade do tempo que hoje em dia voa rapidamente por entre os olhos.

A ESPADA
Operativamente, simbolizava o poder pensante, dominador, guerreiro e defensor,
muitas vezes utilizada para oprimir a classe plebéia.
Na Ordem, simboliza a Igualdade que deve existir em cada Maçom, posto que só
nobres e os titulares de determinados ofícios na Antiguidade, tinham o direito de
trazer em público, enquanto nas Lojas Maçônicas todos os irmãos sem distinção
de sua posição social, tinham o direito de portá-la. Em loja, o porte da espada
igualava o plebeu ao nobre.
A espada pela posição em que se encontra no painel pode-se dizer que representa
o guarda interno ou cobridor interno, que é encarregado do templo para proteger o
recinto contra eventuais intrusos. Podemos dizer que cada um de nós também
pode portar a espada para nos defender da ignorância e da ociosidade que teimam
em nos governar.
AS QUATRO BORLAS
Segundo a igreja católica, possuímos quatro virtudes cardeias ou morais e elas
estão estampadas nos quatro cantos da Moldura Denteada representando a
Temperança, a Fortaleza, a Prudência e a Justiça nos lembrando as ações
conduzidas em cada Maçom.
As borlas que representam à justiça e a prudência de acordo com alguns autores
são dispostas na entrada do templo, simbolizando que a maçonaria esta sempre a
procura de novos obreiros com disposição para colaborar para a evolução e
engrandecimento da humanidade.
Assim, a Temperança purifica a nossa mente e o nosso coração, a Fortaleza
sustentar a nossa fé interior, a nossa crença; A Prudência nos guia na nossa
conduta moral e de pensamento e a Justiça é o guia mestre de todas as nossas

ações.

CONCLUSÃO

Conforme o estudo apresentado concluímos que a Tábua de Delinear de qualquer
grau sempre vai simbolizar tudo o que os Maçons devem fazer na sua caminhada
para atingir os objetivos Maçônicos a ele designados.
Notamos que na Tábua do Aprendiz existem muitas referências ao número sete,
considerado pelos antigos como um número sagrado, pois representa: os sete dias
da criação, as sete notas musicais, as sete cores do arco íris, as sete virtudes para
alcançar a Luz Maior, etc.,
Vimos à simbologia de vários instrumentos utilizados na construção, com o
esquadro, compasso, prumo, nível, régua, etc., que auxiliam no aprimoramento do
Aprendiz Maçom no seu trabalho rumo à perfeição, que é a lapidação da Pedra
Bruta em Pedra em Pedra Esquadrada ou Polida.
É necessário não olharmos para a Tábua só como uma representação física, mas,
principalmente, o que está sendo mostrado de forma velada que leva cada Maçom
a aprimorar sua conduta dentro dos princípios do G.A.D.U..
Portanto se buscarmos, mesmo com muita dificuldade, subir cada degrau da
Escada de Jacob, adquirindo as quatro virtudes cardeais (Temperança, Fortaleza,
Prudência e Justiça) e as três virtudes teológicas (Fé, Esperança e Amor ou
Caridade), estaremos cumprindo com nossa missão nesse plano e assim
contribuindo um pouco para o aprimoramento de toda humanidade.
“QUE AS BENÇÃOS DO G.A.D.U. CAIAM SOBRE TODOS OS IRMÃOS E TODA
A HUMANIDADE”.

BIBLIOGRAFIA
1. CRUZ, ALMIR SANT’ANNA - Simbologia Maçônica dos Painéis: Lojas de
Aprendiz, Companheiros e Mestre - 1ª Edição - 1997 - Editora Maçônica “A
TROLHA”;
2. BOUCHER, JULES - A Simbólica Maçônica - 1ª Edição - 1979 - Editora
Pensamento;
3. CONTE, CARLOS BRASÍLIO - A Doutrina Maçônica - 1ª Edição - 2005 - Madras
Editora Ltda;
4. CORTEZ, JOAQUIM ROBERTO PINTO - Os Fundamentos da Maçonaria - 1ª
Edição - 2004 - Madras Editora Ltda;

5. Cerimônias Exatas do Rito de York - Emulation Ritual - GOB - 1999;