You are on page 1of 3

27 – A Lei 11.

719/08, fez grandes alterações ao código de processo penal
brasileiro, umas destas alterações foi o critério de determinação dos ritos, a
partir desta nova lei o rito é definido pela pena máxima do crime (art. 394, § 1º,
CPP).
Exemplos: O procedimento comum pode ser dividido em três, a depender da
quantidade da pena cominada em abstrato para o delito (art. 394, § 1º, CPP):
- Ordinário – aplicável para os crimes com pena máxima igual ou superior a 04
anos.
- Sumário – aplicável para os crimes com pena máxima inferior a 04 anos.
- Sumaríssimo – aplicável para os crimes de menor potencial ofensivo da Lei
9.099/95 (pena máxima não superior a 02 anos) ou contravenções penais.
28 – os requisitos da denuncia quanto da queixa estão estabelecidos no art. 41
do CPP;
1 - a exposição do fato criminoso, com todas as suas circunstâncias;
Fundamenta-se este requisito sob o entendimento que o réu irá defender-se
dos fatos a ele imputados. A omissão de qualquer circunstância não invalidará
a queixa ou a denúncia, podendo ser suprida até a sentença, conforme o art.
569 do CPP.
2- qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificálo,
Neste o representante do Ministério Público ou o ofendido irá individualizar o
acusado, ou seja, identificá-lo, também é admitido que sejam fornecidos dados
físicos, traços característicos ou outras informações, caso não seja possível
obter a identidade do acusado.
O artigo 259 do cpp, trás que a correta qualificação do acusado poderá ser feita
ou retificada a qualquer tempo, sem que isso retarde o andamento da ação
penal.
3- classificação do crime,
A correta classificação jurídica do fato, ou seja a capitulação legal, não é
requisito essencial, pois não vinculará o juiz, que poderá dar ao fato definição
jurídica diversa;
4- rol das testemunhas,
O representante do Ministério Público, bem como o querelante deve arrolar as
testemunhas na denúncia ou na queixa, em se tratando de crime de ação penal

normalmente coligidos do inquérito policial ou dos demais procedimentos apuratórios preliminares. 32. Essas condicionantes ficam sujeitas ao conhecimento da lide proposta. através da denúncia. A doutrina clássica subdivide as condições da ação em: Interesse de Agir. interrompe o prazo prescricional e fixa a prevenção.A citação é o ato processual por meio do qual é oferecido ao acusado conhecimento oficial acerca do teor da acusação. como também esta poderá esta maculada por uma das hipóteses esboçadas no art. Legitimidade de Parte e Possibilidade Jurídica do Pedido. 33. sendo evidente que ausência de qualquer destes também é obstáculo ao recebimento da inicial III. que servirá. 30. as condicionantes do conhecimento e posterior julgamento da pretensão levada ao judiciário. a justa causa é a necessidade do lastro mínimo de prova para o exercício da ação.719 de 08 assevera que o processo terá contemplada sua formação quando realizada a citação do acusado.faltar pressuposto processual ou condição da ação penal. que leva a sua rejeição.A denuncia é a peça que inaugura o processo. Além dos requisitos do art. ao passo que o recurso em sentido estrito se destinaria ao combate do não recebimento. 41 do CPP. apenas. fazendo coisa julgada. 31. 41 do CPP. contem a imputação formulada pelo órgão acusador nos crimes de ação pública. para a queixacrime. A apreciação do direito material (mérito) depende dessas condições de exercício da ação. Obs.A inicial acusatória não só deve esta com os requisitos do art. O recebimento da denuncia não só deflagra o processo. na ação penal pública e da queixa-crime. uma vez satisfeita a condição que a motivou. afinal esta satisfaz o próprio mérito. indícios de autoria e da materialidade. nome e assinatura.privada. na ação penal privada.41 do CPP. 44. Diante teríamos o recurso de apelação para a decisão de rejeição. é dizer. abrindo-se oportunidade para . endereçamento. mas também transforma até então quem era mero suspeito em acusado. I – for manifestadamente inepta.Segundo Antonio Paganella Boschi a rejeição da denuncia equivale a próprio julgamento de mérito antecipado. a inépcia estará caracterizada pelo desatendimento dos requisitos essenciais a petição trazidas no art. 29. tem-se incluído entre elas a Justa Causa. notadamente pela debilidade ou ausência de narrativa fática. 363 do CPP com a nova redação dada pela lei n 11. diferente do não recebimento da denuncia que não faz obstáculo para a repropositura da ação. Mais modernamente. Cabe ressaltar que a denuncia ou queixa deverá conter o pedido de condenação.São reconhecidas como CONDIÇÕES DA AÇÃO no processo penal brasileiro. sempre que preenchidos certos requisitos. porem o art.Faltar justa causa.395 do CPP. sob pena de preclusão. há também a formalidade apontada no art. II. Segundo o entendimento do STF é o recebimento da denuncia que inicia o processo.

a existência de excludente da ilicitude.719/2008 (art.Após o oferecimento da resposta escrita. 35 – A defesa escrita. somente poderia fazê-lo na sentença e não em outro momento processual. este principio determina que o magistrado que presidiu e concluiu a instrução probatória fica vinculado ao processo. ressalvados o procedimento do Júri e o dos juizados especiais. então. ser o prolator da sentença. após a citação do réu. em todos os procedimentos. o juiz deverá absolver sumariamente o réu quando verificar conforme determina o art. haverá resposta escrita da defesa. 367. 397 e incisos do CPP. quando. tem como única conseqüência. O réu terá o prazo de 10 dias para apresentar a defesa escrita (art. compreendendo os arts. 403. visto que anteriormente mesmo que o magistrado tivesse fatores para encerrar o processo de modo prematuro. deve ser observado em consonância com o art. 396.Com a inserção da defesa escrita no início do processo. 36.Admite-se no Processo Penal a revelia.Os atos instrutórios são concentrados em apenas uma audiência. introduzido no sistema penal brasileiro pela Lei n. O CPP tratou da citação em capítulo próprio. 351 ao 369. 11. 37. excludente da tipicidade. exatamente porque estará em melhores condições para analisar a questão. uma vez que colheu as provas. assim. CPP). 132 do CPC. 39. extinção da punibilidade. está é verificada a partir da ausência injustificada do acusado a realização de qualquer ato relevante do processo. devendo. citação ficta (por edital). 38 – O princípio da identidade física do juiz. § 3º. assim. § 2º. CPP). 399. a relação jurídicoprocessual. CPP). será permitida a apresentação de memoriais pelas partes e se fixará novo prazo para a sentença (art. na qual também será proferida a sentença. triangularizando.que ele produza sua defesa. ou efeito apenas a não intimação dele para a prática dos atos subsequentes. que deverá ser realizada sob quaisquer circunstâncias (art. entende-se como absolvição sumaria a possibilidade do julgamento antecipado da lide. . a exceção é feita à intimação da sentença. Podendo a citação ser de duas espécies: citação real (pessoal). excludente da culpabilidade. 34. salvo quando houver a necessidade probatória complexa que demande exame mais cuidadoso. comuns e especiais. do CPP).