You are on page 1of 26

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO MATO GROSSO – UNEMAT

ARIANY CARDOSO PEREIRA
CAMILA SILVA KLOSTER
JOÃO LUIZ DA SILVA SOBRINHO
TAMIRIS LUIZA SOARES LANINI
ÚRSULA MAÍRA MACIEL RIGON

ENGENHARIA DE TRÁFEGO
Semáforos

Sinop – MT
2014

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO MATO GROSSO – UNEMAT

ARIANY CARDOSO PEREIRA
CAMILA SILVA KLOSTER
JOÃO LUIZ DA SILVA SOBRINHO
TAMIRIS LUIZA SOARES LANINI
ÚRSULA MAÍRA MACIEL RIGON

ENGENHARIA DE TRÁFEGO
Semáforos

Trabalho apresentado à disciplina de Engenharia
de Tráfego do Curso de Engenharia Civil –
UNEMAT, Campus Universitário de Sinop-MT,
como pré-requisito para obtenção da nota da
terceira avaliação.
Prof. Maicon José Hillesheim

Sinop – MT
2014

...................... 18 Equação 16 ......................................... 14 Equação 9 .... 9 Equação 4 ..................................................................................................................................................................................... 19 Equação 17 ......................................................................................................................................................... 20 Equação 18 .................................................................... 12 Equação 7 ........................................................................................................................................ 20 Equação 19 ............................................................................................................................................................................................................................................. 14 Equação 10 ..................................................................................................................................................................................... 13 Equação 8 .................................................................................... 21 Equação 20 ............................ 8 Equação 3 ................................................................................................................................................................................................................................................I LISTA DE EQUAÇÕES Equação 1 ....................................................................................................................................................................................................... 9 Equação 5 .......... 16 Equação 12 .......... 17 Equação 15 ................................................................................... 16 Equação 13 ................................................................................... 17 Equação 14 .......................................... 8 Equação 2 ................................................................................................ 12 Equação 6 ............................ 21 ............................................. 15 Equação 11 ....................................................................................................................................................................................................................................................................................

.Consequências da implantação da sinalização semafórica ...Fator de Equivalência para Diversos Tipos de Veículos ............... 10 ........Intersecção onde será dimensionado o semáforo ......II LISTA DE FIGURAS Figura 1 ........ 5 Figura 2 .................................................. 7 Figura 3 ..

. 4 2 PROBLEMÁTICA ............................................................... 10 5.....5......................2 APROXIMAÇÃO 2 .......................2 Tempo perdido total ...........................3............... II 1 INTRODUÇÃO .....................................5............4..................................1 Somatório das Taxas de Ocupação ............................. 19 5................................... 19 5...............3 APROXIMAÇÃO 3 ...................1 Fluxo de Saturação.................................................3....................4 Determinação dos tempos de verde efetivo de cada fase do cruzamento isolado ......................2 Taxa de Ocupação .. 23 7 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO ............................................. 11 5................................1 Fluxo de Saturação...........................................................................................4 APROXIMAÇÃO 4 .............................5..............................1.................................................. 14 5.................................................... 6 4 CRITÉRIOS PARA INSTALAÇÃO DE SEMÁFOROS ...............2 Taxa de Ocupação ..........................................................5.......................2........... 16 5...................5 Determinação dos tempos de verde para implantação no controlador de tráfego (tempo de verde real) ....................1 Fluxo de Saturação................................................................................... 18 5....................2 Taxa de Ocupação .........................................................III SUMÁRIO LISTA DE EQUAÇÕES ................................ 13 5............................................................................... 21 5........................... I LISTA DE FIGURAS . 16 5..........................................................1................4.........................................................................5 DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS ..1.......... 15 5..............................................2..................................... 21 6 CONCLUSÃO . 7 5 MEMORIAL DESCRITIVO ............................................................................................1 Fluxo de Saturação................................................ 19 5..............................................1 APROXIMAÇÃO 1 ................ 24 ............. 13 5...... 19 5............ 11 5..........................................................................................................5........................ 20 5...........................5........................ 8 5.....................1 Determinação da Taxa de Ocupação Crítica ............................. 5 3 OBJETIVOS ......................................................................2 Taxa de Ocupação .....................3 Tempo Ótimo de Ciclo........................................... 8 5.......... 8 5.................................................................................................................

4 1 INTRODUÇÃO Após a Segunda Guerra Mundial. seguindo o manual do DENIT e aplicando os conceitos desenvolvidos na disciplina de Engenharia de Tráfego. o presente trabalho visa dimensionar um sistema de semáforo que melhor atenda as necessidades da problemática proposta. está diretamente relacionado com a regulagem dos semáforos existentes no sistema viário (AKISHINO). O aumento significativo da frota de carros fez com que surgisse a necessidade de implantação de alguns mecanismos criados especialmente para a organização e manutenção de um tráfego seguro e contínuo. Neste contexto. o automóvel se tornou um fenômeno de massa. em termos de fluidez e segurança. . O bom desempenho do tráfego.

através do Método de Webster e dos conhecimentos adquiridos ao longo da disciplina de Engenharia de Tráfego.5 2 PROBLEMÁTICA Fazer o dimensionamento do semáforo isolado para interseção ilustrada pela Figura 1.Intersecção onde será dimensionado o semáforo . Figura 1 .

. além de abordar alguns dos fatores que interferem no valor da capacidade e apresentar os cálculos complementares para dimensionar um sistema de semáforo.6 3 OBJETIVOS O objetivo principal deste trabalho é aplicar o Método de Webster para determinar os tempos de verdes e do comprimento do ciclo.

Figura 2 . é importante levar em consideração alguns pré-requisitos que devem ser viabilizados. quando justificada e não justificada por critérios técnicos.Consequências da implantação da sinalização semafórica .7 4 CRITÉRIOS PARA INSTALAÇÃO DE SEMÁFOROS Antes de fazer o dimensionamento de semáforos. Os critérios que justificam a implantação de um semáforo:  Volumes veiculares mínimos em todas as aproximações da interseção  Interrupção de tráfego contínuo  Volumes conflitantes em interseções de cinco ou mais aproximações  Volumes mínimos de pedestres que cruzam a via principal  Índice de acidentes e os diagramas de colisão  Melhoria de sistema progressivo  Controle de áreas congestionadas  Combinação de critérios  Situações locais específicas Na Figura 2 são apresentadas as principais consequências da implantação da sinalização semafórica.

8 5 MEMORIAL DESCRITIVO 5. em metros – m. O fluxo de saturação pode então ser estimado através da equação a seguir: ∏ Equação 1 Onde: S = fluxo de saturação em unidades de veículos de passageiros (veículos equivalentes) por hora de tempo verde – Veq/htv. Aplicando-se na equação tem-se: Spadrão = 525 L Spadrão = 525 x 10 Spadrão = 5250 Veq/htv Equação 2 . L = largura da aproximação.1 Fluxo de Saturação O fluxo de saturação depende de vários fatores como geometria da interseção.1. declividade da via. estacionamento de veículos e presença de veículos comerciais como ônibus e caminhões. F = fatores que interferem na estimativa do fluxo de saturação Parte 1: Na Aproximação 1 a largura de aproximação da interseção é de 10m.1 APROXIMAÇÃO 1 5. número de veículos que fazem conversão tanto à esquerda quanto à direita.

No entanto.5-10) sobre o total de 100 veículos. Assim. Como a interseção é possui inclinação das aproximações nulas.5) Sconv.5 x 100/(100+ 2. = 4353.85 Scorrigido = 4462.85. A Figura 3 mostra os fatores de equivalência para diversos tipos de veículos: . não há necessidade de correção para esse fator. o fluxo de saturação nessas circunstâncias é dado por: Sconv.dir. calcular o fluxo de saturação nessas circunstâncias. Cada veículo que vira à direita é equivalente a 1. o efeito de localização da interseção foi classificado como "ruim" e. motocicleta etc. determinado em função da relação do espaço ocupado entre este e o veículo-padrão. caminhão leve e/ou pesado. o que representa um acréscimo de 2.66 Veq/htv Parte 3: A cada tipo de veículo (ônibus.5 veículos que vão em frente (10 X 1.9 O fluxo de saturação encontrado refere-se a uma aproximação padrão. = 4462.25).) corresponde um fator de equivalência.25 veículos que vão em frente.5 veículos (12. = Scorrigido x 100/(100+fconv. o fluxo de saturação final (corrigido) será: Scorrigido = Spadrão x floc Equação 3 Scorrigido = 5250 x 0.dir.) Equação 4 Sconv. logo. o que não é neste caso.5 Veq/htv Parte 2: Considerando que 10% do total de veículos da aproximação fazem conversão à direita e não existe faixa exclusiva para esse movimento. 10 viram à esquerda e portanto equivalem a 12. De cada 100 veículos da aproximação.dir.dir. portanto o fator de correção (floc) será 0.

25 2.83 Os resultados obtidos mostram que para 96.27 Veic/hora 5. tem-se: Veículos Veículos Leves Bicicletas Ônibus Motocicletas Q = 95.2 Taxa de Ocupação Taxa de ocupação (y) é definida como sendo a relação entre a demanda de tráfego e o fluxo de saturação.56 = 0. 30 bicicletas.Fator de Equivalência para Diversos Tipos de Veículos Tipo de Veículo Automóvel de Passeio Caminhão Médio ou Pesado Caminhão Leve Ônibus Caminhão Conjugado (Carreta) Motocicleta Bicicleta Bonde Fator Equivalência (Veq) 1. 2 ônibus e 5 motocicletas.10 Figura 3 .3 = 0.2 2. S = 4353.60 Admitindo-se que a composição do tráfego seja de 750 veículos leves.33 0.00 1.81 x = 0.03 S = 4484.3 x = 3. aplicando-se os fatores de equivalência da Figura 3.83 veículos equivalentes correspondem 100 veículos (indistintos) e.76 = 0.75 1. Convertendo esses dados em porcentagem e. .66 x 1.00 2.25 x = 0.50 0.33 Veq = 95.20 2.1.03 logo. portanto o fator de correção é: Fcorreção = 100/ 96.21 96.25 0.83 = 1.64 x Total 100 feq 1.00 0. para conversão da composição de tráfego em unidades de veículos equivalentes.

o efeito de localização da interseção foi classificado como "ruim" e.11 y1 =Taxa de ocupação da aproximação 1. portanto o fator de correção (floc) será 0.2 APROXIMAÇÃO 2 5.1 Fluxo de Saturação Parte 1: Na Aproximação 2 a largura de aproximação da interseção é de 9 m. No entanto. Assim. (Veq/h) S1 = fluxo de saturação da aproximação 1 (Veq/htv) Com uma demanda de 787 veículos por hora e um fluxo de saturação de 4353.2.85. calcula-se: 5. q1 = demanda (fluxo horário da aproximação 1. não há necessidade de correção para esse fator. o fluxo de saturação final (corrigido) será: .66. Aplicando-se na equação tem-se: Spadrão = 525 L Spadrão = 525 x 9 Spadrão = 4725 Veq/htv Como a interseção é possui inclinação das aproximações nulas.

25 x 100/(100+ 3.dir.54 = 1. logo.58 x = 0. para conversão da composição de tráfego em unidades de veículos equivalentes.25 0.) Sconv.75 -15) sobre o total de 100 veículos.08 Veq/htv Parte 3: Admitindo-se que a composição do tráfego seja de 800 veículos leves. = 4016.18 x feq 1.12 Scorrigido = Spadrão x floc Equação 5 Scorrigido = 4725 x 0.dir.58 = 0.dir.75 veículos que vão em frente (15 X 1. Convertendo esses dados em porcentagem e. = Scorrigido x 100/(100+fconv.33 Veq = 96. 15 viram à esquerda e. De cada 100 veículos da aproximação.75) Sconv.00 2.38 . = 3871. tem-se: Veículos Veículos Leves Ônibus Motocicletas Q = 96. portanto equivale a 18.dir. o que representa um acréscimo de 3.24 x = 4. Cada veículo que vira à direita é equivalente a 1. aplicando-se os fatores de equivalência da Figura 3.85 Scorrigido = 4016. calcular o fluxo de saturação nessas circunstâncias.25 veículos que vão em frente.25 Veq/htv Parte 2: Considerando que 15% do total de veículos da aproximação fazem conversão à direita e não existe faixa exclusiva para esse movimento. 2 ônibus e 35 motocicletas. o fluxo de saturação nessas circunstâncias é dado por: Equação 6 Sconv.25).75 veículos (18.

5 = 1. S = 3871.3 APROXIMAÇÃO 3 .5 Os resultados obtidos mostram que para 98.05 Veic/hora 5. q2 = demanda (fluxo horário da aproximação 2. e portanto o fator de correção é: Fcorreção = 100/ 98.08. Equação 7 y2 =Taxa de ocupação da aproximação 2. (Veq/h) S2 = fluxo de saturação da aproximação 2 (Veq/htv) Com uma demanda de 837 veículos por hora e um fluxo de saturação de 3871.2 Taxa de Ocupação Taxa de ocupação (y) é definida como sendo a relação entre a demanda de tráfego e o fluxo de saturação.02 S = 3930.5 veículos equivalentes correspondem 100 veículos (indistintos).13 Total 100 98. calcula-se: 5.08 x 1.02 logo.2.

calcular o fluxo de saturação nessas circunstâncias. o que representa um acréscimo de 3 veículos (15-12) sobre o total de 100 veículos. Aplicando-se na equação tem-se: Equação 8 Spadrão = 525 L Spadrão = 525 x 10 Spadrão = 5250 Veq/htv Como a interseção é possui inclinação das aproximações nulas.5 Veq/htv Parte 2: Considerando que 12% do total de veículos da aproximação fazem conversão à direita e não existe faixa exclusiva para esse movimento. No entanto. De cada 100 veículos da aproximação. o fluxo de saturação nessas circunstâncias é dado por: .1 Fluxo de Saturação Parte 1: Na Aproximação 3 a largura de aproximação da interseção é de 10 m. o efeito de localização da interseção foi classificado como "ruim" e. 12 viram à esquerda e portanto equivalem a 15 veículos que vão em frente (12 X 1. portanto o fator de correção (floc) será 0.85.25 veículos que vão em frente. Cada veículo que vira à direita é equivalente a 1.85 Scorrigido = 4462.25). logo.14 5.3. o fluxo de saturação final (corrigido) será: Scorrigido = Spadrão x floc Equação 9 Scorrigido = 5250 x 0. Assim. não há necessidade de correção para esse fator.

= 4462.71 = 1.79 = 1.02 S = 4236. portanto o fator de correção é: Fcorreção = 100/ 97.dir.52 = 1. Convertendo esses dados em porcentagem e.3.79 Os resultados obtidos mostram que para 97.25 0.02 logo.76 x = 4. tem-se: Veículos Veículos Leves Ônibus Motocicletas Q = 94.73 x Total 100 feq 1. .00 2.52 x 1.52 Veq/htv Parte 3: Admitindo-se que a composição do tráfego seja de 500 veículos leves.dir.56 97. = 4332.dir. S = 4332.) Sconv.52 x = 0.15 Equação 10 Sconv.79 veículos equivalentes correspondem 100 veículos (indistintos) e. 4 ônibus e 25 motocicletas.2 Taxa de Ocupação Taxa de ocupação (y) é definida como sendo a relação entre a demanda de tráfego e o fluxo de saturação. para conversão da composição de tráfego em unidades de veículos equivalentes.81 Veic/hora 5.33 Veq = 94.5 x 100/(100+ 3) Sconv. aplicando-se os fatores de equivalência da Figura 3. = Scorrigido x 100/(100+fconv.dir.

Aplicando-se na equação tem-se: Spadrão = 525 L Equação 12 Spadrão = 525 x 9 Spadrão = 4725 Veq/htv Como a interseção é possui inclinação das aproximações nulas. calcula-se: 5. q3 = demanda (fluxo horário da aproximação 3. o efeito de localização da .4. No entanto.16 𝑦 𝑞 𝑆 Equação 11 y3 =Taxa de ocupação da aproximação 3. (Veq/h) S3 = fluxo de saturação da aproximação 3 (Veq/htv) Com uma demanda de 529 veículos por hora e um fluxo de saturação de . não há necessidade de correção para esse fator.1 Fluxo de Saturação Parte 1: Na Aproximação 4 a largura de aproximação da interseção é de 9 m.4 APROXIMAÇÃO 4 5.

25). Cada veículo que vira à direita é equivalente a 1. Convertendo esses dados em porcentagem e.20 caminhões.25 Veq/htv Parte 2: Considerando que 25% do total de veículos da aproximação fazem conversão à direita e não existe faixa exclusiva para esse movimento.dir.25 veículos que vão em frente.17 interseção foi classificado como "ruim" e. o que representa um acréscimo de 6.85.25 veículos que vão em frente (25 X 1.dir. tem-se: Veículos Q feq Veq . 25 viram à esquerda e. = 4016. 350 motocicletas e 20 bicicletas.25 x 100/(100+ 6. 2 ônibus. o fluxo de saturação nessas circunstâncias é dado por: Equação 14 Sconv.85 Scorrigido = 4016.25) Sconv. para conversão da composição de tráfego em unidades de veículos equivalentes. portanto equivale a 31.) Sconv.dir. aplicando-se os fatores de equivalência da Figura 3. = 3780 Veq/htv Parte 3: Admitindo-se que a composição do tráfego seja de 570 veículos leves. portanto o fator de correção (floc) será 0.dir. De cada 100 veículos da aproximação. = Scorrigido x 100/(100+fconv. calcular o fluxo de saturação nessas circunstâncias.25 veículos (31. logo.25 -25) sobre o total de 100 veículos. o fluxo de saturação final (corrigido) será: Scorrigido = Spadrão x floc Equação 13 Scorrigido = 4725 x 0. Assim.

08 = 0.38 x = 2.79 Os resultados obtidos mostram que para 75.6 Veic/hora 5.42 75.32 S = 4989.79 = 1.64 = 0. portanto o fator de correção é: Fcorreção = 100/ 75. (Veq/h) S4 = fluxo de saturação da aproximação 4 (Veq/htv) Com uma demanda de 962 veículos por hora e um fluxo de saturação de 3780.25 0.2 Taxa de Ocupação Taxa de ocupação (y) é definida como sendo a relação entre a demanda de tráfego e o fluxo de saturação.21 x = 36. S = 3780 x 1.18 Veículos Leves Caminhão Médio ou Pesado Ônibus Motocicletas Bicicletas = 59.75 2.25 x = 2.32 logo. Equação 15 y4 =Taxa de ocupação da aproximação 4.25 = 3. calcula-se: .33 0.47 = 12.20 = 59.08 Total 100 1.00 1.01 = 0.4.79 veículos equivalentes correspondem 100 veículos (indistintos) e. q4= demanda (fluxo horário da aproximação 4.

Se houver vermelho geral a .5. 5.1 Somatório das Taxas de Ocupação ( ) 5.5 DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS 5.5.5.1.2 ( ) Equação 16 Tempo perdido total O tempo perdido total no cruzamento durante um ciclo é equivalente à soma dos tempos perdidos para cada uma de suas fases.  Fase 2: e então.19 5.1 Determinação da Taxa de Ocupação Crítica  Fase 1: e então.

3 Tempo Ótimo de Ciclo Equação 18 Tp = Tempo perdido total (seg) Y = Somatório das taxas de ocupação de cada fase da interseção Co = Tempo de ciclo ótimo (seg) . O tempo de amarelo é igual a 3 seg e o tempo perdido por fase é 2 seg.20 expressão geral é dada abaixo. O período de entreverdes é igual ao tempo de amarelo Como o período de entreverdes é igual ao tempo de amarelo.5. têm-se: Tp = 2+ 2 Tp = 4 segundos 5. conforme diagrama de estágios dado. em segundos Tai = tempo de amarelo da fase i Considerando-se que para operação com 2 fases. 𝑛 𝑇𝑝 𝑛 𝐼𝑖 𝑖= (𝐼 𝑡𝑎𝑖 ) Equação 17 𝑖= Tp= Tempo perdido I = período de entreverdes Ii = tempo perdido da fase i.

4) gef1=6.4794 .5.4353) x (19.4353)x(19.2545/0.5.4794 .1808/0.05 seg 5.43 + 2-3 .43 seg  gef2 =(0.21 5.5 Determinação dos tempos de verde para implantação no controlador de tráfego (tempo de verde real) Equação 20 greal = duração do período de verde (verde real) da fase i (seg) gefi = tempo de verde efetivo da fase i (seg) Ii =tempo perdido na fase i (seg) tai= tempo de amarelo da fase i (seg)  grealf1 = gef1 +I1 – ta grealf1 = 6.4 Determinação dos tempos de verde efetivo de cada fase do cruzamento isolado 𝑔𝑒𝑓𝑖 𝑦 𝑖 𝑐𝑟𝑖𝑡 (𝐶 𝑌 𝑇𝑝 ) Equação 19 gefi =tempo de verde efetivo da fase I (seg) Y(i)crít = taxa de ocupação crítica da faze i Y = somatório das taxas de ocupação crítica da fase i Co = Tempo de Ciclo ótimo (Seg) Tp = tempo total perdido no ciclo (seg)  gef1 =( 0.4) gef2 = 9.

3 grealf2 = 8.05 seg .43 seg  grealf2 = gef2 + I2 –ta grealf2 = 9.22 grealf1 = 5.05 + 2 .

. Conclui-se. que através do Método de Webster e seguindo o Manual do DENATRAN é possível dimensionar semáforos isolados em qualquer tipo de intersecção contanto que essa apresente necessidades. neste contexto. se enquadram nos critérios de instalação estabelecidos na norma.23 6 CONCLUSÃO Regular um semáforo é desenvolver planos de tráfego que efetuem de melhor maneira o controle de veículos na intersecção. O dimensionamento de um sistema desse porte requer coleta de dados em campo e uma análise precisa da situação da via para que sua implementação seja benéfica ao tráfego em geral. que quando avaliadas.

2.org. Brasília. Acesso em: 06 julho 2014. Disponivel em: <http://www. Acesso em: 06 julho 2014. Semáforos Isolados. DENATRAN.. Apostila do Curso de Graduação em Engenharia Civil: Estudos de Tráfego.ufpr. CAPÍTULO 07 – SEMÁFOROS – PARTE I. P.denatran. Acesso em: 06 julho 2014.ed.pdf >. HILLESHEIM . Disponível em: < http://www. Manual de Semáforos. R.pdf>.ueg.br/eng_trafego_optativa/arquivos/SEMAFOROS. Disponível em: <http://www.pdf>. M. Uso da distribuição probabilística dos fluxos veiculares no cálculo da programação de um semáforo a Empo fixo modo isolado.br/professor_cucci/ManualSemaforos..pdff>. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA. MANUAL DE SEMÁFOROS.unucet. 1984. Disponível em: < http://meusite.com. Disponível em: < http://www.abepro. VARGAS.br/biblioteca/arquivos/monografias/TCC__Rafaela_Paula_de_Castro_Vargas. . Acesso em: 06 julho 2014.mackenzie. Universidade Federal do Paraná (UFPR).br/publicacoes/download/minuta_contran/Arquivo%202. DENATRAN.MT.gov.br/biblioteca/enegep2010_TN_STO_114_751_15346.dtt. Sinop .pdf>. Universidade dos Estado de Mato Grosso. Acesso em: 06 julho 2014.24 7 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO AKISHINO.