Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha Edição novembro/2009 Gerência de Comunicação Ana Paula Costa Transcrição: Else

Albuquerque Copidesque: Adriana Santos e William Buchacra Revisão: Adriana Santos e Nicibel Silva Capa e Diagramação: Junio Amaro

Introdução
Tempo é uma questão de preferência, creio que esta é a melhor definição para este termo. E sobre essa questão de tempo, temos duas situações, digamos que uma seja a escassez do tempo e a outra a preferência. Quando uma pessoa diz não ter tempo para realizar algo, ela pode estar ocupada ou não. Creio que você já deve ter visto uma situação semelhante; alguém que estava muito ocupado, mas parou tudo o que estava fazendo por algo que lhe chamou mais atenção. Opção de preferência. Portanto, quando você diz: “eu não tenho tempo”, você está dizendo: “eu não prefiro isso”. 5

Com isso, então, chegamos à conclusão que tempo é prioridade. É claro que existem aqueles momentos em que você não pode abrir mão de uma determinada situação, mas todos nós temos vinte e quatro horas. E, se tem uma coisa que Deus deu a todos igualmente, foi o tempo. Você, querido leitor, que está lendo este livro, optou por lê-lo. Abriu mão de outras atividades, deixando de ir ao cinema, ou de assistir um programa na televisão. Sendo assim, chegamos à conclusão de que tudo o que estamos fazendo é uma questão de preferência, ou se preferir, de prioridade.

6

nossa fé é uma escolha
A nossa fé não é religiosa, logo não somos apenas religiosos. Somos cristãos, amamos o Senhor, o queremos, e o preferimos mais que tudo. Nossa fé é uma escolha. Uma escolha que traz resultados e que comunica vida, porque vida é avivamento, e avivamento nada mais é do que a vida normal do cristão. Avivamento é saúde. E saúde é ausência de doenças. Podemos dizer que avivamento é a manifestação da presença de Deus diretamente no meio dos homens, não é uma experiência dra7

mática na vida de uma pessoa. Não é um mover de apenas um dia, ou uma vida de altos e baixos, mas uma vida plena. E essa plenitude de vida só acontece quando há um verdadeiro relacionamento com o Pai. É preciso depender totalmente dele. Jesus disse: “O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.” (João 10.10.) A palavra vida, neste texto de João, vem da palavra grega “zoe”. Existem vários significados para a palavra “vida”, mas a usada neste versículo é “zoe” e significa “a vida de Deus”. “Eu vim para que tenham vida”, disse Jesus. E esta vida é a vida de Deus, ou seja, a vida dele na sua vida, se manifestando em você. Nós somos seguidores de Cristo e Ele nos deixou as suas pegadas para que pisássemos nelas, e por onde Ele andou, nós podemos andar. E por onde Ele for nós iremos também. É Ele quem nos capacita. “Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio.” (João 20.21.) Os verdadeiros cristãos terão a mesma autoridade que o Senhor Jesus. Eles falarão como Ele. Os verdadeiros cristãos farão as mesmas obras que Ele fez 8

e obras maiores ainda, porque esta é a vontade do Senhor. “Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai.” (João 14.12.) Durante a jornada muitas pessoas acabam ficando à beira do caminho. Algumas viram as costas e voltam atrás, outras trocam de igreja, porque não querem assumir o compromisso de caminhar com Jesus, querem apenas uma religião. Deus quer realmente salvar o seu povo. Nós estamos vivendo o período do fim, porém não sabemos o dia e a hora em que tudo se findará. Por isso, é preciso assumir a fé, viver uma vida de santidade, vida que glorifique o nome de Deus. Esse é um tempo de purificação. Um tempo de pureza. Estamos vivendo um tempo de certificação, quando o poder do Senhor, a própria vida dele se manifesta pelo poder da Palavra que purifica as pessoas. E o imundo, o pecador, vai se afundando cada vez mais no pecado e na miséria. Mas se você quiser mesmo o avivamento para sua vida, preferi-lo com todas as suas forças, então, Deus fará a obra dele em você. Deus quer tirar todas as máscaras. Deus quer restaurar. Ele não quer 9

colocar um curativo apenas, Ele quer que a imagem do seu Filho, a própria imagem de Jesus com toda a sua glória e plenitude, esteja estampada em cada cristão. Talvez você não consiga vê-la em si mesmo, mas com certeza, os outros verão. Eles irão perceber que uma paz gloriosa emana de sua vida. As pessoas verão o brilho de Jesus em você, assim como acontecera com o rosto de Moisés. “Quando desceu Moisés do monte Sinai, tendo nas mãos as duas tábuas do Testemunho, sim, quando desceu do monte, não sabia Moisés que a pele do seu rosto resplandecia, depois de haver Deus falado com ele.” [...] “Tendo Moisés acabado de falar com eles, pôs um véu sobre o rosto.” (Êxodo 34. 29; 33.) E o propósito de Deus não é nada menos do que isso: a própria vida de Jesus na nossa vida. Diz a Palavra de Deus que somos transformados de glória em glória: à imagem de Jesus. “E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.” (2 Coríntios 3.18.) Meu querido leitor, deixe Deus transformá-lo. Algumas vezes, a Palavra de Deus parece que vai 10

espremer determinados tumores, ou determinados pecados, e que isso vai doer muito, mas isso não será nem por força e nem por violência, mas pelo poder da Palavra, pelo poder do Espírito. E só o Espírito de Deus pode auscultar (examinar com atenção) o nosso interior. Só Ele pode trazer à tona, a verdade. “Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam.” (Gálatas 5.19-21.) Podemos nos comparar a um espelho, ou a uma radiografia. Quando tiramos uma radiografia, ela mostra os nossos ossos, se há uma fratura ou se há algo de errado no nosso organismo. E esse “mostrar” funciona apenas como detector de uma mal, mas não traz a cura. A Palavra de Deus também nos mostra onde está a enfermidade, mas a diferença é que ela mostra o remédio, a cura para o mal que está no sangue de Jesus.

11

12

nada pode se comparar à transformação de uma vIda
Quando alguma pessoa se prostra no altar de Deus e aceita Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador, nesse momento, debaixo do poder de Deus, a vida dela é restaurada. Mas é preciso postura, atitude de arrependimento e abandono das práticas erradas, é preciso entender que uma nova vida lhe foi dada, que não se pode permanecer da 13

mesma maneira. É preciso escolher viver para Deus e de acordo com a Palavra dele. “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.” (2 Coríntios 5.17.) Estamos falando de nova vida, ou seja, da vida transformada, aquela que é contraditória ao pecado, e para dar continuidade a esse assunto, vejamos Gálatas 5.19: “Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia.” Paulo mencionou pecados de ordem sexual e, naquela época em que ele os escreveu, a sensualidade era de um domínio pleno. E, ali, na região da Galácia, existiam templos dedicados ao culto e adoração ao sexo e à sensualidade. As sacerdotisas nada mais eram do que prostitutas. E, em cada templo havia milhares de sacerdotisas. As crianças nasciam no meio daquele contexto erotizado. Mas depois a prática de determinadas coisas que se faziam naquela época, como corriqueiras e normais, não poderiam mais ser feitas, porque não condiziam com o proceder de um cristão. A Palavra de Deus afirma: “Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, 14

inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam.” (Gálatas 5.19-21.) As Escrituras dizem que “o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Romanos 14.17). Portanto, as pessoas que praticam tais coisas, não desfrutam da justiça, da paz e da alegria. Elas podem até ter uma carteirinha da igreja a qual diz que elas foram batizadas em o nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e que fazem parte do corpo de membros de uma igreja cristã. Entretanto, isso não significa que por terem essa carteirinha fazem parte do reino de Deus, e que estarão desfrutando das realidades deste Reino. Como já falamos, avivamento é saúde. Um corpo sadio é aquele que não apresenta doenças. Uma pessoa vivaz não é só aquela que grita, pula, canta e corre, pois mesmo que alguém tenha algum impedimento físico de fazer tais movimentos, ainda sim poderá viver o avivamento, pois avivamento é vida. Porém, algumas pessoas não entenderam isso. 15

Deixe-me exemplificar: creio que muitos já ouviram falar sobre o cometa Halley (segundo informações da Wikipédia a aparição desse cometa se dá a cada período de 75 a 76 anos). Eu desejei muito vê-lo passar, mas confesso que não conseguir enxergar nada quando este passou pelo céu, e não foi pela falta dos meus óculos. Pois bem, quando olhamos para o céu, vemos, também, estrelinhas, o brilho que elas produzem, quase todas as noites elas estão lá. Já o cometa Halley passa de época em época, e rapidamente. Muitos irmãos são avivados como o cometa Halley, ou seja, de época em época. É necessário passar alguns anos para ele reavivar, mas é preciso lembrar que a nossa vida é curta. Que o nosso tempo nessa terra está contado. Entretanto, existem aqueles outros irmãos que estão lá, brilhando. E o brilho deles é constante, são como as estrelas.

16

é pelo poder da palavra
A Bíblia nos ensina que a Palavra do Senhor “é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração” (Hebreus 4.12). Também, a Palavra de Deus traz luz às trevas e nos ensina o caminho em que devemos andar. Diz a Palavra de Deus que Jesus: “Levantou-se da ceia, tirou a vestimenta de cima e, tomando uma toalha, cingiu-se com ela. Depois, 17

deitou água na bacia e passou a lavar os pés aos discípulos e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, e este lhe disse: Senhor, tu me lavas os pés a mim? Respondeu-lhe Jesus: O que eu faço não o sabes agora; compreendê-lo-ás depois. Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu não te lavar, não tens parte comigo. Então, Pedro lhe pediu: Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça. Declarou-lhe Jesus: Quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés; quanto ao mais, está todo limpo. Ora, vós estais limpos, mas não todos.” (João 13.4-10.) Quando Jesus lavou os pés dos discípulos, Pedro disse: “Não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça.” (João 13.9.) Disse Jesus a Pedro: “Você não está entendendo nada, Pedro. Vocês já estão lavados pela Palavra”. Jesus disse para eles que a Palavra é o que de fato lava. Não o lavar físico, com água e sabão, mas o espiritual. Pedro não havia entendido a revelação do que significa: “Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado.” (João 15.3.) O que o Senhor quer é que todos nós tenhamos uma vida bonita e santificada como a vida que Jesus teve aqui na terra. 18

Existem no coração do homem, o despeito e a discórdia. Em nossa cultura latino-americana há uma premissa que afirma: “se há um governo, sou contra”. Infelizmente, isso é da nossa cultura. Se eu votar e colocar no poder um governo da direita, então eu deixarei de ser direitista e passarei a ser esquerdista, combatendo o governo da direita. Agora se eu votar e colocar o da esquerda passarei a ser direitista, ou seja, eu sempre estarei contra o governo. Só que agora, nós temos outro governo. E este governo não está aqui na terra. No reino de Deus existe um princípio de autoridade. Mas como você vê a autoridade delegada aqui na terra? Você tem visto a autoridade no seu professor? No seu chefe? Ou no seu patrão? Você consegue ver essa autoridade no guarda de trânsito? Você é daqueles que respeita a autoridade? Uma das coisas que o Espírito de Deus nos fala é que o avivado respeita a autoridade, e não fala mal dela. Paulo, em certa ocasião, estava no Sinédrio e havia muitas pessoas ao seu redor que estavam falando muitas coisas vãs a respeito dele. 19

“E Paulo fitando os olhos no Sinédrio, disse: Varões, irmãos, tenho andado diante de Deus com toda a boa consciência até ao dia de hoje. Mas o sumo sacerdote, Ananias, mandou aos que estavam perto dele que lhe batessem na boca. Então, lhe disse Paulo: Deus há de ferir-te, parede branqueada! Tu estás aí sentado para julgar-me segundo a lei e, contra a lei, mandas agredir-me? Os que estavam a seu lado disseram: Estás injuriando o sumo sacerdote de Deus? Respondeu Paulo: Não sabia, irmãos, que ele é sumo sacerdote; porque está escrito: Não falarás mal de uma autoridade do teu povo.” (Atos 23.1-5.) Mas, infelizmente, algumas pessoas têm esse hábito, o de falar mal. O princípio do avivado é que, em vez de ele falar contra a autoridade, ele ora por ela. “Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito. Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador.” (1 Timóteo 2.1-3.) Quando você estiver passando em uma rua, e lá 20

estiver um guarda de trânsito, levante a mão e diga: “Eu te abençoo.” Afinal, ele está ali como autoridade, portanto, você deve abençoá-lo. O texto da Epístola aos Gálatas fala a respeito da discórdia. E, discórdia, muitas vezes, é contrária aos princípios de autoridade. E Deus estabeleceu esse princípio que deve ser manifesto em todas as situações de nossa vida. Seja até mesmo no trânsito, quando há uma imensa fila de carros andando um atrás do outro, sem ferir o direito do outro que está na frente. Ou até mesmo na fila do supermercado quando você vê um caixa livre, que é para idosos, portadores de deficiência e grávidas, mas finge que não está vendo mais ninguém. Isso é sinal claro de que você não é avivado. Como cristãos, precisamos testemunhar com a nossa vida, com as nossas atitudes. A exemplo disso vou comentar algo que acontecera com um irmão. Este, certa vez, saiu para comprar carne, mas no açougue não agiu como um avivado. Foi rude com o funcionário somente porque ele não embalou a carne como o irmão queria. E pior de tudo, esse irmão iria fazer uma pregação em seguida. Agora, imagine se o funcionário tivesse ido até o local para 21

vê-lo pregar. Será que a mensagem transmitida por meio da vida do irmão, alcançaria o rapaz que fora por ele constrangido? O que ele iria dizer a respeito do nosso irmão? Outra palavra que está no texto de Gálatas é: dissensões. Dissensão nada mais é que rivalidade. Quantas vezes você se pega em franca rivalidade com outro irmão, tentando enfiar-lhe “goela abaixo” que a sua opinião é mais acertada que a dele? Ou que a cor do seu carro é mais bonita do que a dele? Ou que a cor da camisa do seu time é mais bonita? Somos rivais até na hora da oração. Já ouvi barbaridades em orações, tão fortes e mesquinhas que até para dizer o amém foi difícil. Outra palavra dita por Paulo aos Gálatas é: facções. Facções são partidos. E num sentido mais claro, facção é a parte divergente ou dissidente de um grupo ou partido. Ou seja, intrigas partidárias. Uma pessoa avivada conseguiria participar de coisas assim? E, no versículo 21 da Carta aos Gálatas, Paulo disse: invejas. Inveja é desgosto ou pesar pelo bem ou pela felicidade de outrem. Também pode ser um desejo violento de pos22

suir o bem alheio. Como uma pessoa com esse sentimento pode ser avivada? Vejamos agora sobre o termo bebedices. Bebedice é o vício da embriaguez. Muitos dos que são viciados não conseguem ficar nem um dia sem beber. Há os que dizem: “eu bebo socialmente”, isso é desculpa de beberrão. Bebedices e beber socialmente não combinam com um avivado. A Palavra diz que não devemos nos embriagar com vinho, mas que devemos nos encher com a Palavra. “E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito.” (Efésios 5.18.) Quando uma pessoa recebe a Jesus e passa a caminhar com Ele, entende que os vícios precisam ser abandonados, que não podem fazer parte da caminhada cristã. O povo de Deus não bebe nem por cortesia. Não porque lhe é proibido, mas porque é sua opção estar cheio do Espírito Santo. Aquele que nasceu de novo, espiritualmente falando, não tem os olhos vermelhos por causa da bebida, nem exala o cheiro do álcool. Quantas pessoas, homens, mulheres, jovens, e agora, até adolescentes estão presos ao vício da embriaguez? Como é triste vê-los atrelados, amar23

rados, sem direção, atados dos pés à cabeça pelo vício da bebida. Um crente no Senhor Jesus não bebe e não oferece bebida alcoólica. E, se você a tem na sua casa, e é um crente no Senhor Jesus, saiba que isso não é o mais correto. Amado, tenha em casa sucos, refrigerantes, leite ou o tradicional cafezinho para abençoar aquela visita preciosa que chegará ao seu lar. Mesmo que você vá receber alguém que ainda não foi liberto do vício do álcool, não contribua para que ele continue preso a esse maldito vício, não compre álcool para agradá-lo, compre algo saudável, que vá ajudá-lo a ficar longe da bebida pelo menos nas horas em que ele estiver na sua casa. O que Deus quer é que você tenha a própria imagem de Jesus, e que você viva em igualdade no Espírito de Deus. Você deve ter o cheiro do Espírito. Porque com o cheiro do Espírito você não conseguirá ficar perto da bebida alcoólica. Você não se prostrará diante de uma garrafa, mas diante do poder e da graça de Deus. Um crente avivado não se dá com drogas, ele se enche do Espírito de Deus. Seguindo a lista de Paulo, agora é a vez da glutonaria. A fama do crente lá fora é essa: “Crente não 24

bebe, mas o que ele come...” Eu nunca vi alguém que tenha passado mal porque comeu menos. Entretanto, já vi muitas pessoas passando mal porque comeram além do que podiam. Muitas vezes, são os glutões que ficam a acusar os beberrões: “Vocês bebem demais, e isso é pecado, a Palavra de Deus diz que não entrarão nos céus os que praticam a bebedeira”. Só que eles se esquecem que a palavra seguinte à bebedice é a glutonaria. E glutonaria é aquele que come muito e com avidez, é voraz. Quando está diante de um prato de comida, come como se não houvesse o amanhã. Comem com voracidade, como “porcos que vão ao cocho se deliciarem da sua comida”. Um glutão é totalmente sem educação e age como uma pessoa insana. Quando lidamos com pessoas assim, pensamos muito em tê-las perto de nós. Elas sempre estão com aquele prato enorme, desfilando diante das pessoas, exibindo o seu troféu. O crente avivado não é glutão. É um princípio que está na Palavra de Deus. Quando colocamos nosso coração diante do Senhor, será que Ele revela que somos glutões? Vamos voltar à Segunda Carta a Timóteo, no capítulo 3, versículo 1: “Sabe, porém, isto: nos últimos 25

dias, sobrevirão tempos difíceis.” O que a Palavra de Deus está querendo dizer com este termo “tempos difíceis”? Haverá mudanças na temperatura da Terra? O sol ficará mais quente? Acabará a água? Haverá mais uma guerra mundial? Não será o efeito estufa ou o aquecimento global, ou outras catástrofes ou calamidades que tornarão os dias mais difíceis. O que tornarão nossos dias mais difíceis são as nossas atitudes. As atitudes de cada homem. E isso é a motivação da maneira como ele age. São as nossas atitudes em relação ao que a Palavra de Deus diz. Não é porque o mundo age assim que eu tenho que agir. Porque se eu faço o que todos fazem, eu tenho que sofrer as consequências dos meus atos. Se esta é a maneira do ímpio viver, com certeza não é maneira do servo de Deus viver. Você pode viver sem este tipo de doença. A radiografia da Palavra de Deus mostra, revela o nosso espírito. E, como já mencionamos, avivamento é saúde de Deus. E saúde é ausência de doença. A imagem do Senhor é determinante para se ter a ausência dessas atitudes em nossa vida. O Senhor não quer apenas consertar o que há de errado em nós, mas nos ajudar a vencer as dificuldades. Há ocasi26

ões em que lutamos na nossa força contra os erros, contra o pecado. Chegamos a clamar: “Vem, Senhor, eu não estou conseguindo, me ajuda! Eu não consigo ficar sem isso”. Mas saiba que não há nada impossível de ser deixado, abandonado. Podemos todas as coisas naquele que nos fortalece (Filipenses 4.13). “Pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes.” (2 Timóteo 3.2.) Nesse texto, a primeira característica que Paulo citou foi o egoísmo. Egoísmo nada mais é que o exclusivismo, aquilo que faz o indivíduo referir tudo a si mesmo. É o “eu” em primeiro lugar, em segundo lugar, e, por fim, em último lugar, eu. “Eu sou o centro, e nada acontece sem mim”. Essa é a fala do egoísta. Existe um texto na Palavra de Deus muito importante para nossa meditação, que é a parábola do bom samaritano. “Jesus prosseguiu, dizendo: Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e veio a cair em mãos de salteadores, os quais, depois de tudo lhe roubarem e lhe causarem muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o semimorto. Casualmente, descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, vendo-o, passou de 27

largo. Semelhantemente, um levita descia por aquele lugar e, vendo-o, também passou de largo. Certo samaritano, que seguia o seu caminho, passou-lhe perto e, vendo-o, compadeceu-se dele. E, chegando-se, pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes óleo e vinho; e, colocando-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e tratou dele. No dia seguinte, tirou dois denários e os entregou ao hospedeiro, dizendo: Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quando voltar. Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos salteadores? Respondeu-lhe o intérprete da Lei: O que usou de misericórdia para com ele. Então, lhe disse: Vai e procede tu de igual modo.” (Lucas 10.30-37.) Jesus conta que aquele homem foi roubado, espancado, ferido e jogado no meio do caminho, à morte. Primeiro passou por ali um sacerdote. Nos dias atuais poderia ser um crente, afinal, somos todos sacerdotes, um homem sábio na Palavra, com a Bíblia debaixo do braço. Mas o sacerdote atravessou a rua para não passar perto daquele que estava precisando de ajuda. Ou seja, ele viu, e talvez tenha pensado assim: “Ah! Quem fez isso com ele pode fazer 28

comigo também. Quem sabe se esses ladrões ainda estão aqui por perto, e se eu ficar aqui com ele, eles poderão me pegar também”. Depois passou por ali um levita, levita é o cumpridor da lei, um corista, ou aquele que leva o povo a ministrar o louvor a Deus. O levita deveria ser aquele cheio do Espírito Santo, que ama, que ajuda, enfim aquele que é parecido com Jesus, porém esse levita do texto também não socorreu o pobre homem. Por último passou o samaritano. Segundo a parábola o samaritano estava de viagem, era ocupado. Não era alguém que estava fazendo turismo, mas quando ele viu o homem caído ao chão, machucado, teve compaixão. E, movido pela compaixão, aproximou-se. Ele não usou da filosofia do ladrão que diz: “o que é seu é meu” e rouba. Também não usou da filosofia do sacerdote e do levita que diz: “o que é meu é meu, não é seu”. A filosofia do samaritano era diferente e dizia assim: “o que é meu é seu”. E de acordo com o texto ele se achegou até o homem, deitoulhe vinho e azeite nas feridas, colocou-o sobre o seu cavalo, e foi a pé, levando aquele homem que não conhecia. Então foram para uma hospedaria. O bom moço deu dinheiro ao hospedeiro e pediu 29

que este cuidasse do ferido. Disse que se gastasse mais do que tinha deixado, pagaria quando voltasse. Que princípio fabuloso nos foi estampado nessa parábola. Quanto mais a pessoa retém, menos ela tem. Em contrapartida, quanto mais ela dá, mais ela tem. Nós, os mineiros, temos fama de sermos “pão duros”. Mas o povo de Deus deve ser diferente. O povo de Deus deve ter um coração generoso. Afinal, um avivado não é indiferente às necessidades do alheio. O livro “Aprenda a vencer usando as táticas de Deus”, de Loren Cunninghan, Editora Betânia, conta que no final da segunda guerra mundial, a Alemanha havia sido derrotada e destruída, e que a sua reconstrução havia sido um período muito difícil. Entretanto, havia ali um irmão, um crente, um avivado. Os judeus, na Alemanha, e em quase todo o mundo naquela época, estavam sendo perseguidos e mortos, e o homem que era crente levou para a casa dele uma família judia, escondendo-a e, durante dois anos, aqueles judeus viveram escondidos dentro da casa desse irmão. Ele sabia que estava colocando “o seu pescoço em risco”. Mas ele não era um egoísta. E aconteceu que no final de dois anos 30

um vizinho o denunciou à Gestapo. Os judeus foram pegos e presos, e ele foi preso e levado para um campo de concentração. Ali estava ele, aprisionado por uma única razão, a falta de egoísmo. Ficou magérrimo, vivendo as mais terríveis provações. O tempo passou, até que chegou o Natal. Então, o diretor do campo o chamou ao escritório. Quando ele chegou, viu que sobre a mesa havia uma saborosa ceia natalina. O diretor apenas o chamou para humilhá-lo, mostrar-lhe o quão era farta a ceia, mas não lhe ofereceu nada para comer. Imagine a cena: um diretor com ar de superioridade, orgulhoso e cruel, diante de um homem sofrido, magro, sentindo muita fome e sendo humilhado por causa de um banquete que a própria esposa fizera. “Está vendo este banquete? Esta comida foi mandada para você. Sua esposa foi quem fez, mas sabe quem vai comer esta comida? Eu”, disse o diretor. Sabe o que aquele irmão respondeu? “Tenha um bom apetite, porque a minha esposa é uma excelente cozinheira”. Pouco tempo depois, a guerra acabou e ele foi solto. E, por causa da sua fidelidade, começou a prosperar. Ele trabalhava no comércio de madeira, e na época da reconstrução da Alemanha a madeira foi muito usada. 31

Certo dia ele estava saindo da madeireira e viu que dois homens estavam roubando a madeira e a colocando em uma caminhonete. Ele se aproximou e perguntou: “Vocês estão precisando de madeira para quê? Eles responderam que era para construir uma casa”. Ele disse: “Não! Esta madeira aqui não está muito boa. Levem aquela outra. Ela é melhor.” Ele não apenas deu-lhes a madeira como também ajudou-lhes a colocá-la na caminhonete. Os dois perguntaram: “O senhor é ladrão também?” Ele respondeu: “Não!” Perguntaram novamente: “Então, como o senhor conhece esse comércio?” Ele respondeu: “Porque eu sou o dono”. Naquele momento, eles ficaram apreensivos, temerosos, trêmulos e perguntaram para ele: “Mas, por que o senhor está nos ajudando?” Então, ele começou a falar de Jesus. Pregou a Palavra de Deus para aqueles dois. Hoje, um daqueles dois ladrões é pastor e o outro é diácono da igreja. Algum tempo depois, ele chamou sua esposa e ficou sabendo onde o ex-diretor do campo de concentração morava. Logo após a guerra, houve uma caça muito forte aos nazistas e o ex-diretor do campo de concentração estava em uma situação ter32

rível, de miséria. O irmão pediu para que a esposa fizesse uma comida deliciosa. Comida que ela fizera durante o tempo em que ele estivera preso, porém quem sempre a comera fora o diretor. De posse da farta ceia, o nosso irmão a levou à casa do ex-diretor do campo de concentração. Era época de Natal, e ali estava o casal presenciando uma cena parecida com a que o irmão vivera no escritório desse diretor. Então, o cristão disse para o ex-diretor: “eu vim passar o Natal com o senhor.” E em seguida perguntou: “O senhor se lembra de mim?” O homem não se lembrava. Ele perguntou novamente: “Você me conhece?” “Não!” Respondeu o ex-diretor: “Mas, por que você está aqui?” Ele disse: “Eu estive no campo de concentração quando o senhor era o diretor, e fui convidado a comparecer em seu gabinete para contemplar a apetitosa ceia que minha esposa preparou para mim, mas o senhor decidiu comê-la sozinho, se lembra desse episódio? “Eu me lembro, e por achar que o senhor ainda é um apreciador das iguarias de Natal, pedi a minha esposa para preparar essa ceia para o senhor.” Aquele homem deu alguns passos para trás, e recuou de medo, pensando que aquele moço fora 33

matá-lo, ou fazer alguma coisa contra ele. “Nós viemos aqui porque amamos o senhor”, disse o irmão. O ex-diretor respondeu: “Mas isso é impossível!” “Nós o amamos com o amor de Jesus”, continuou o cristão. Ele pregou, falou de Jesus para aquele homem que caiu de joelhos, aceitou e confessou Jesus como seu Senhor e Salvador, e a vida dele foi totalmente transformada. NiNguém coNsegue viver a vida cristã por sua própria força Há um ditado popular que diz: “Se alguém te der um tapa, você deve dar outro”. É o famoso bateu, levou. Mas o cristianismo não é isso. Este é perdão. É oferecer a outra face. É o “Pai, perdoa, ele não sabe o que faz”. É ser parecido, em todas as coisas com o Mestre, com Jesus. Aquele que é só amor. Esse nosso irmão da história não ficou mais pobre em fazer o que fez. Muito pelo contrário, quando a pessoa age dessa maneira, Deus intervém, porque Ele age, e nos desafia a fazer prova dele. “Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para 34

que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida.” (Malaquias 3.10.) Um crente avivado é fiel nos dízimos e não retém a mão para ajudar a quem está necessitado. Um avivado vê a possibilidade de alcançar a quem precisa ser alcançado. Ele não mede esforços, simplesmente faz. Não suporta ver a injustiça, mas com suas mãos não deixa de promover a justiça. Não com partidarismo ou facções, mas com lealdade à Palavra de Deus. Sabe obedecer às autoridades e é fiel ao seu Deus. Este é o perfil do avivado. Nele não há sobra de egoísmo. E no nosso coração, qual é o nível de egoísmo que há nele? Hoje, pela nossa cultura, as casas têm muros muito altos. Mas não é tanto pelo medo de um ladrão entrar ali. Até porque ladrão entra em qualquer casa, seja de muro alto ou baixo, com grade ou sem grade, com cerca elétrica ou cheia de cacos de vidro, ou com uma dúzia de Pit Bull lá dentro, ou com uma equipe de seguranças das mais competentes. Algumas pessoas fazem muros altos porque, 35

basicamente, querem dizer assim: “Eu não quero ser incomodado”. “Que ninguém venha me perturbar”. Essa ideia também pode existir dentro da igreja e é totalmente egoísta. É inconcebível, que entre nós, não haja abertura de coração para os irmãos. Nós somos um só Corpo em Cristo, interligados, por isso o crente avivado não tem muros, ao contrário, ele constrói pontes. Ele constrói pontes e procura fazê-las para que todos possam atravessá-las e se achegarem. O que age assim pode dizer que: “O que é meu é seu”. Deus não vai deixar ninguém abusar de você. E você pode ter a certeza de que Deus põe as mãos dele nisso. Deus coloca fronteiras, porque Ele não deixa o seu povo ser escarnecido, tampouco humilhado. Entretanto, o que o Senhor Deus quer nesses dias, é ver o seu povo avivado, com total ausência de egoísmo. Porque saúde é não ter egoísmo. Saúde é ter o coração aberto para os outros. Nós temos irmãos de todos os jeitos, formas e maneiras. Agora, faça este exercício comigo: Olhe para os dedos de sua mão. Você já pensou se todos os dedos de nossa mão fossem como o dedão? 36

Como seria esquisito, não é mesmo? Mas você tem o dedo auricular que é o menor de todos, tem o anular que é o do anel, tem o médio que o maior de todos, tem o indicador e tem o polegar que é o dedão. São cinco dedos diferentes e que servem para coisas diferentes, mas, todos trabalham juntos, e, juntos, fazem uma enorme diferença. Nós, também, somos todos diferentes. Tem aquele irmão que tem um jeito de ser muito difícil. Mas quando você abre espaço para ele, as coisas mudam. Ele se mostra diferente e, muitas vezes, uma diferença tão maravilhosa que surpreende a todos. Existem irmãos que são muito liberais e, por serem assim, precisam a todo tempo ser acompanhados de perto para serem freados em suas decisões. Outros são gulosos, e é necessário que com amor, lhes sejam dirigidas palavras de incentivo até que eles consigam vencer a sua dificuldade. Outros são vaidosos ao extremo e precisam de que seus olhos sejam abertos para que a vaidade deles não lhes custe caro no futuro. E assim, se formos citar cada complexidade do ser humano aqui, este livro não comportaria todas elas. Você mesmo, querido leitor, sabe de 37

suas dificuldades, e sabe que precisa tratá-las no Senhor, porque só assim, poderá dar continuidade ao avivamento em si mesmo. É interessante notar que a primeira coisa que aparece em Gálatas é sobre a imoralidade, mas a primeira coisa que aparece aqui na Segunda Carta a Timóteo é a atitude. E, a melhor maneira de você acabar com o egoísmo é dando, doando. Você não pode reter o que Deus lhe deu, porque à medida que você dá Deus lhe dá mais ainda. Comece a se desvencilhar do egoísmo. Experimente a doar. Doe aquilo que você gosta, que lhe é útil. Isso é um bom exercício para que o egoísmo se ausente de vez da sua vida. Hoje as pessoas precisam mais do que nunca de outras coisas, elas precisam de tempo, mas, indiscutivelmente, elas precisam mais de você. Quando você passa por elas e lhes dá atenção, ou quando você cuida delas, ou quando você as ouve, saiba que você está doando amor. “Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, 38

cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes. Pois entre estes se encontram os que penetram sorrateiramente nas casas e conseguem cativar mulherinhas sobrecarregadas de pecados, conduzidas de várias paixões, que aprendem sempre e jamais podem chegar ao conhecimento da verdade. E, do modo por que Janes e Jambres resistiram a Moisés, também estes resistem à verdade. São homens de todo corrompidos na mente, réprobos quanto à fé; eles, todavia, não irão avante; porque a sua insensatez será a todos evidente, como também aconteceu com a daqueles. Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, propósito, fé, longanimidade, amor, perseverança, as minhas perseguições e os meus sofrimentos, quais me aconteceram em Antioquia, Icônio e Listra, – que variadas perseguições tenho suportado! De todas, entretanto, me livrou o Senhor. Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos. Mas os homens perversos e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, 39

sabendo de quem o aprendeste e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus. Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2 Timóteo 3.1-17.) Deus abençoe! Pr. Márcio Valadão

40

Jesus te ama e Quer vocÊ!
1º passo: deus o ama e tem um plano maravilhoso para sua vida. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.“ (Jo 3.16.) 2º passo: o Homem é pecador e está

41

separado de deus. “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus.“ (Rm 3.23b.) 3º passo: Jesus é a resposta de deus, para o conflito do homem. “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.“ (Jo 14.6.) 4º passo: é preciso receber a Jesus em nosso coração. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.“ (Jo 1.12a.) “Se, com tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo. Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação.” (Rm 10.9-10.) 5º passo: você gostaria de receber a cristo em seu coração? Faça essa oração de decisão em voz alta:

42

“Senhor Jesus eu preciso de Ti, confesso-te o meu pecado de estar longe dos teus caminhos. Abro a porta do meu coração e te recebo como meu único Salvador e Senhor. Te agradeço porque me aceita assim como eu sou e perdoa o meu pecado. Eu desejo estar sempre dentro dos teus planos para minha vida, amém”. 6º passo: procure uma igreja evangélica próxima à sua casa. Nós estamos reunidos na Igreja Batista da Lagoinha, à rua Manoel Macedo, 360, bairro São Cristóvão, Belo Horizonte, MG. Nossa igreja está pronta para lhe acompanhar neste momento tão importante da sua vida. Nossos principais cultos são realizados aos domingos, nos horários de 10h, 15h e 18h horas. Ficaremos felizes com sua visita!

43

Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha Gerência de Comunicação

Rua Manoel Macedo, 360 - São Cristóvão CEP 31110-440 - Belo Horizonte - MG www.lagoinha.com

44