O Propósito do meu Isaque Gênesis 22: 1 – 19 O que Deus pediu a Abraão? 1.

A única coisa que ele tinha – o seu filho Isaque, o filho legitimo – a única esperança que Abraão tinha de continuar tendo descendentes. VS. 2a. 2. Algo que ele amava – Abraão tinha outro filho – Ismael – com a sua concubina Agar (Cap.16). Mas o filho que ele mais amava era o filho legitimo da mulher legitima, Sara. Vs. 2. Porque Deus fez tal pedido a Abraão? 1. Para por Abraão a prova VS- 1: “Depois dessas coisas, pôs Deus Abraão à prova e lhe disse: Abraão! Este lhe respondeu: Eis-me aqui! Acrescentou Deus: Toma teu filho, teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; oferece-o ali em holocausto, sobre um dos montes, que eu te mostrarei.” O lugar do sacrifício: 1. Deus mandou Abraão sacrificar em Moriá, que em hebraico significa – “o mostrado por Deus”. 2. Foi em Moriá que Salomão edificou a casa do Senhor : “Começou Salomão a edificar a Casa do SENHOR em Jerusalém, no monte Moriá, onde o SENHOR aparecera a Davi, seu pai, lugar que Davi tinha designado na eira de Ornã, o jebuseu.” 2Cro. 3:1 Há dez anos o senhor nos mostrou esse “monte”, este terreno onde hoje está edificada, parcialmente a Igreja Ágape, e é aqui que devemos sacrificar, não só o nosso dinheiro ou um bem, mas as nossas vidas; precisamos nos doar para que o avanço desse ministério seja apressado o quanto antes, nos envolver com os cultos, as reuniões de oração (pois estamos em uma guerra espiritual e nosso inimigo não nos dá trégua); sermos lideres de células, ganhadores de almas, discipuladores, consolidadores e acima de tudo adoradores diante do trono do Pai. Cristo está às portas, a trombeta soará e a igreja deverá está pronta para apresentar o seu fruto fiel a Deus. Sacrificando o meu Isaque – Entenda o que o Espírito Santo quer fazer. Ele quer te usar para sacrificar neste lugar, no “Monte Ágape”, o monte do avivamento. Abraão sacrificou, Davi sonhou, Salomão edificou. Ah amados irmãos, como temos sonhado com esse dia em que poderemos edificar assim como Salomão o fez, creio que você também tem sonhado com isso, mas entenda uma coisa, todos que sonham sacrificam, doam, se desprendem, faz qualquer coisa para ver o seu sonho concretizado. Veja o que fez Davi para que o seu sonho se tornasse real: “Eu, pois, com todas as minhas forças já preparei para a casa de meu Deus ouro para as obras de ouro, prata para as de prata, bronze para as de bronze, ferro para as de ferro e madeira para as de madeira; pedras de ônix, pedras de engaste, pedras de várias cores, de mosaicos e toda sorte de pedras preciosas, e mármore, e tudo em abundância. E ainda, porque amo a casa de meu Deus, o ouro e a prata particulares que tenho dou para a casa de meu Deus, afora tudo quanto preparei para o santuário...” I Crô. 29:2-3. E ainda todo o povo, com coração voluntário e porque amavam a casa do Senhor contribuíram voluntariamente, porque o sonho de Davi era também o sonho de todos, de príncipes e princesas, de lideres e obreiros, do menor e do maior, do rico e do pobre, pois todos compareceram e contribuíram segundo a capacidade de cada um para a construção do templo: “Então, os chefes das famílias, os príncipes das tribos de Israel, os capitães de mil e os de cem e até os intendentes sobre as empresas do rei voluntariamente contribuíram”. I Crô. 29:6. Davi sabia mesmo o valor de um sacrifício. Em 1Crônicas 21.22 a 24 narra uma situação muito interessante: "E Davi lhe pediu: "Ceda-me o terreno da sua eira para eu construir um altar em honra ao SENHOR, para que cesse a praga sobre o povo". "Venda-me o terreno pelo preço justo". Mas Araúna disse a Davi: "Considera-o teu! Que o meu rei e senhor faça dele o que desejar. Eu darei os bois para os holocaustos, o debulhador para servir de lenha, e o trigo para a oferta de cereal. Tudo isso eu dou a ti". O rei Davi, porém, respondeu a Araúna: "Não! Faço questão de pagar o preço justo. Não darei ao SENHOR aquilo que pertence a você, nem oferecerei um holocausto que não me custe nada". Que coisa maravilhosa, Davi não quis dar nada que não que fosse sacrifício, que não lhe teria custado algo, nada que não fosse dele mesmo. Muitas pessoas levam no altar de Deus “ofertas bichadas”, “fogo estranho”, são ofertas que na realidade não foi despendido nenhum esforço ou sacrifício para consegui-la e muitas vezes é até algo que a pessoa ganhou ou comprou mas não gostou e, então, resolveu dar como “oferta” na casa de Deus. Esse tipo de “sacrifício” Deus não reconhece e não recebe. “É oferta bichada”. Por acaso Jesus foi qualquer coisa? Não! Jesus foi e é o melhor de Deus pra você e por você. Ele entregou o seu único filho e hoje Ele pode contar com muitos filhos semelhantes a Jesus. “Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos. Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará

satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si. Is. 53:10-11. Não podemos sacrificar em qualquer lugar, muitos não prosperam por não sacrificar ou semear no terreno certo. Deus indicou a Abraão o lugar do sacrifício porque sabia que ali, no monte Moriá o templo seria estabelecido. A casa de Deus, a Igreja, o lugar onde você congrega e é pastoreado, é onde você deve dar sua oferta de sacrifício. A igreja é o pasto verdejante onde o pastor alimenta seu rebanho. Um pastor de ovelhas (o animal) diz que o manejo com o animal é bastante trabalhoso, seja pelo fato de se tratar de um rebanho grande, ou por serem animais sensíveis. Mas as ovelhas retribui o esforço do seu pastor fornecendo-lhe leite, lã, couro e carne ou seja, fornece mantimento e provisão para que o pasto continue verdejante. Jesus nos chama de ovelhas, Ele é o nosso pastor. Ele disse que as ovelhas conhecem a sua voz. “Aquele, porém, que entra pela porta, esse é o pastor das ovelhas. Para este o porteiro abre, as ovelhas ouvem a sua voz, ele chama pelo nome as suas próprias ovelhas e as conduz para fora. Depois de fazer sair todas as que lhe pertencem, vai adiante delas, e elas o seguem, porque lhe reconhecem a voz... O bom pastor dá a vida pelas ovelhas..” João 10.2-11. O Isaque que Deus aceita: Amados, já falamos de “ofertas bichadas”, “ofertas estranhas” que Deus não aceita. Mas qual é a oferta que Deus de fato aceita? Seria apenas aquela que nos custe alguma coisa? Ou mesmo tudo o que possuímos (Como a oferta da viúva pobre)?. Aquilo que mais temos apego? Sim, mas não é tudo, aliás, tudo isso se tronará uma oferta vã se não atentarmos para três coisas importantes ao sacrificarmos: 1º) Reconhecer que seja qual for o meu sacrifício, estarei dando, nada mais, nada menos, o que sempre foi de Deus. Quem deu Isaque a Abraão? Quem o prometeu quando ele já era avançado em idade e Sara era uma mulher estéril? Você já parou pra analisar que muita coisa que você tem nunca imaginou, ou até achou impossível conseguir um dia? Pense: se você não o conseguiu de uma forma desonesta, não foi senão uma provisão ou até mesmo um milagre de Deus? Tudo vem dEle e é para Ele: “Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro? Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído? Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!” Rom. 11:34-36. Não quero aqui lhe convencer a dar tudo o que você tem por que tudo lhe foi dado por Deus, certamente ele te deu por que você precisa e Ele se agrada em suprir as necessidades dos seus filhos; até mesmo os injustos desfrutam da sua provisão (Mat. 5:45). Abraão certamente entendia que tudo era de Deus e que seu filho também o era e não hesitou em dar. Atente para a oração de Davi depois de ter ofertado para casa do Senhor: “Agora, pois, ó nosso Deus, graças te damos e louvamos o teu glorioso nome. Porque quem sou eu, e quem é o meu povo para que pudéssemos dar voluntariamente estas coisas? Porque tudo vem de ti, e das tuas mãos to damos. Porque somos estranhos diante de ti e peregrinos como todos os nossos pais; como a sombra são os nossos dias sobre a terra, e não temos permanência. SENHOR, nosso Deus, toda esta abundância que preparamos para te edificar uma casa ao teu santo nome vem da tua mão e é toda tua.” ICrô. 29. 13-16. 2º) A minha oferta deve ser sincera e de coração: Deus conhece o nosso coração. Em Marcos 12:41 narra um fato interessante: “assentado diante do gazofilácio, observava Jesus como o povo lançava ali o dinheiro...”. Davi assim orou: Bem sei meu Deus, que tu provas os corações e que da sinceridade te agradas; eu também, na sinceridade de meu coração, dei voluntariamente todas estas coisas; acabo de ver com alegria que o teu povo, que se acha aqui, te faz ofertas voluntariamente. SENHOR, Deus de nossos pais Abraão, Isaque e Israel, conserva para sempre no coração do teu povo estas disposições e pensamentos, inclina-lhe o coração para contigo; ICrô. 29.17-18. 3º) A minha oferta não deve ser por constrangimento: Muitas pessoas não tem um coração voluntário, Davi se alegrou porque viu que o povo ofertava voluntariamente: “acabo de ver com alegria que o teu povo, que se acha aqui, te faz ofertas voluntariamente.” Não foi porque o rei mandou, não foi porque receberam algum tipo de pressão ou ameaça. Mas sim porque tinham um coração voluntarioso, disposto a dar. Principalmente por que se tratava da edificação da Casa de Deus. Veja que Davi ainda orou: SENHOR, Deus..., conserva para sempre no coração do teu povo estas disposições e pensamentos, inclina-lhe o coração para contigo. “E isto afirmo: aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará. Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza (constrangimento) ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria. Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra,” 2Cor. 9. 6-8. “Cantem de júbilo e se alegrem os que têm prazer na minha retidão; e digam sempre: Glorificado seja o SENHOR, que se compraz na prosperidade do seu servo!” Salmos 35.27 Wellington Rodrigues