No.

02 Ano I Janeiro de 2005

Criador das Farmácias Vivas é homenageado em Brasília
No último dia 20 de janeiro o professor Emérito da UFC, Francisco José de Abreu Matos, recebeu a Comenda do Mérito Farmacêutico, no Memorial JK, em Brasília. A homenagem, no dia do Farmacêutico, foi do Conselho Federal de Farmácia. Abreu Matos é farmacêutico-químico, graduado pela UFC em 1945, e trabalha na Universidade desde 1970, onde estuda a fitoterapia, uso de plantas medicinais em tratamento de saúde. Há 21 anos, Matos criou e coordena o projeto Farmácias Vivas, presente em 40 municípios cearenses e mais cinco estados brasileiros. “Sinto orgulho de ser homenageado porque percebo que todo aquele trabalho desenvolvido por tanto tempo e com tanto sacrifício foi no caminho certo e está sendo de grande valia para a sociedade, para a Farmácia”, disse o professor, em entrevista concedida uma semana antes da premiação. Aos 80 anos, Abreu Matos descortina sua trajetória de maneira tranqüila e sábia. “A idéia de fazer esse programa assistencial com plantas medicinais foi uma conseqüência do meu trabalho desenvolvido na UFC por muitos anos”, conta. Após a aposentadoria e diante de um quadro “extremamente decepcionante” (80% da população cearense n ão tinha recursos para comprar medicamentos e se tratava com plantas medicinais), ele pensou numa aplicação da pesquisa de professores de Farmacologia, Botânica e Química Orgânica. Num levantamento das plantas que o povo utilizava, Matos encontrou cerca de 700 espécies no Nordeste. Submetendo algumas a exames comprobatórios, ele descobriu cerca de 70 plantas com ação comprovada cientificamente. “Por que não substituímos as plantas que não sabemos que servem por aquelas que sabemos que servem?”, propôs o professor. Nascia então o projeto Farmácias Vivas. Além de aproveitar o conhecimento desenvolvido pela Universidade com plantas da região, as hortas medicinais facilitariam o acesso de pessoas carentes aos medicamentos. Hoje, o projeto consiste em selecionar as plantas comprovadamente eficazes, cultivá-las no Horto de Plantas Medicinais da UFC, batizado de “Professor Francisco José de Abreu Matos”, produzir as mudas e passá-las para as hortas comunitárias. “Descobrimos uma série de aproximadamente 10 plantas que podem solucionar até 80% das doenças comuns nas comunidades, e com o custo muito mais baixo que o de medicamentos industrializados”, comemora Matos. Um grupo responsável controla não só o cultivo da planta, mas sua transformação em medicamento e sua distribuição gratuita. Os agrônomos ou farmacêuticos que trabalham nas Farmácias Vivas recebem treinamento orientado pelos livros “Farmácias Vivas” e “As plantas da Medicina Popular no nordeste do Brasil”, editados por Matos. “Os nomes populares podem levar a muitos enganos”, justifica. Esta bibliografia também integra o banco de dados do Programa Plantas do Nordeste, que dispõe na Internet informações sobre plantas medicinais e sua

aplicação em problemas primários de saúde. Lá estão catalogadas 579 espécies, além das 70 reunidas por Matos. Das 40 Farmácias Vivas do Ceará, 20 estão em pleno funcionamento, assim como as unidades no Rio Grande do Norte, Paraíba, Piauí, Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro. Além do financiamento da UFC, o projeto recebe apoio da Funcap (Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico Tecnológico) e, há um ano e meio, da empresa americana de cosméticos Aveda. Das seis Farmácias Vivas da capital, Fortaleza, quatro são administradas pela Secretaria de Saúde do Município. “Acho que a associação Farmácias Vivas e Programa Saúde da Família daria um salto nos índices de saúde de todo o Estado. Já funciona em alguns municípios e, onde ela funciona, os resultados são excelentes”, ressalta Matos. Ele também estimula a imp lantação de Farmácias Vivas em assentamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem -terra (MST) e apela para que sejam criadas condições necessárias para a expansão do projeto, inclusive com o apoio de órgãos fora da Universidade, como empresários e o Governo Federal, associando-o ao Programa Farmácia Popular. Matos acredita que seu projeto está longe de ser concluído, apesar de já ter alcançado prestígio internacional. “Ainda há muito trabalho a ser feito. É preciso formar mais gente, difundir mais essa idéia”, conclui Matos, reafirmando o sonho de implantar as Farmácias Vivas nos 184 municípios cearenses. Para os interessados no projeto, ele deseja que aconteça o mesmo que ocorreu com ele: “que elas se apaixonem pela idéia e a levem pra frente”.

UFC e Ministério das Comunicações investem em Telemedicina
O Ministério das Comunicações vai liberar R$ 6 milhões para a implantação da infra-estrutura para o exercício da Telemedicina e Telesaúde no Ceará. No dia 14 de janeiro, no auditório do Hemoce, em Fortaleza, o ministro Eunício Oliveira assinou um convênio com a UFC, viabilizando o projeto criado pelo Grupo de Estudos em Tecnologia da Informação e Teleinformática (GETITS), da Faculdade de Medicina. “O objetivo central desse projeto é criar uma intranet, uma rede fechada dedicada a ações de saúde, tendo como base o projeto de Telemedicina e Telesaúde”, explica o coordenador do grupo, Dr. Luís Roberto Oliveira. A rede ligará as Faculdades de Medicina em Fortaleza, Sobral e Barbalha, pontos estrategicamente distribuídos para garantir uma ampla cobertura ao Estado. A informática será utilizada no ensino e atendimento à saúde, com a utilização de equipamentos eletrônicos para monitoramento de pacientes, consultas para tomada de decisão em unidades de saúde da família, etc. Para viabilizar o projeto, o Conselho Regional de Medicina criou a Câmara Técnica de Informática em Saúde, assim como o Conselho Federal, que já possui sua Câmara Técnica de Informática em Saúde e Telemedicina. A criação do GETITS foi mais um passo, além da implantação de uma unidade regional da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde. Luís Roberto afirma que, embora não haja uma legislação específica para a prática, o projeto se baseia na resolução 1643/2002, do Conselho Federal de Medicina, órgão máximo da categoria, que prevê os aspectos éticos que orientam a atuação na área. “Temos, então, aqui no Ceará os preceitos básicos, pelo menos os teóricos”, disse Luís Roberto, que salientou a preocupação da equipe na abrangência e sustentabilidade do projeto. Cinco novos lugares já foram escolhidos para participar da rede, entre eles, Caucaia, Quixadá e Iguatu. O Ceará inova, entre os estados que estão implantando a Telemedicina, por implantar o projeto simultaneamente nas Secretarias de Saúde do Estado e do Município.

Em Pesquisa Práticas no Núcleo de Psicologia Comunitária
Uma pesquisa desenvolvida por bolsistas do PIBIC (Programa Institucional de Iniciação Científica) analisa as práticas nos projetos desenvolvidos pelo Núcleo de Psicologia Comunitária - Nucom. Há mais de 20 anos o Nucom é agente ativo na construção da Psicologia Comunitária no Ceará e, desde 1992, é vinculado ao Departamento de Psicologia da UFC. As acadêmicas Bárbara Barbosa Nepomuceno e Ana Ester Maria Melo More ira trabalham no estudo da práxis, identificando a relação estabelecida entre a teoria e a prática na Psicologia Comunitária realizada na UFC. O resgate e a análise da produção teórica dos últimos 12 anos de experiência do Nucom possibilita repensar sua contribuição para a prática da Extensão, um dos campos desenvolvidos pela Universidade, além do Ensino e da Pesquisa. "É uma oportunidade para parar e se olhar. Que prática estávamos produzindo e para onde ela aponta?", explica Bárbara. Elas utilizam relatórios e publicações do Nucom e um dos objetivos da pesquisa é melhorar a catalogação dos registros da Psicologia Comunitária. Elas também se baseiam em livros do educador Paulo Freire e de Cézar Wagner de Lima Góis, fundador e supervisor do Nucom, além do Plano Nacional de Extensão. O Nucom desenvolvendo projetos a partir da demanda dos moradores de uma comunidade, "pois eles é que conhecem a dinâmica do lugar". Ana Ester afirma que se trata de "uma via de mão-dupla. Tanto a academia está levando conhecimento quanto nós estamos recebendo conhecimento da população". Isso porque elas acreditam na riqueza do saber popular e trabalham o desenvolvimento do sujeito da comunidade, e o reconhecimento deste como sujeito da realidade. Atualmente o Nucom presta Assessoria psicossocial ao Fórum Popular de Saúde Mental do Grande Jangurussu, que engloba algumas entidades da cidade de Fortaleza; aos jovens das ONG´s Vilamar, no bairro Serviluz; ao Projeto Vida Jovem Agora, no Conjunto Palmeiras; à Prefeitura Municipal de Maracanaú e sua Secretaria de Trabalho e Juventude e também à Casa do Menor São Miguel Arcanjo, no bairro Castelão, desenvolvendo atividades com famílias assistidas pela entidade. Entre outras pesquisas realizadas por estudantes de Iniciação Científic a do Nucom estão a satisfação residencial na Unidade de Moradia Mista da UFC, a identidade e uso de recursos no bairro de Nossa Senhora das Graças do Pirambu, um estudo comparativo do sentimento de comunidade urbano e rural nos bairros Camará e Conjunto Palmeiras e, ainda, a história de vida de líderes comunitários do Pirambu. Para os acadêmicos de Psicologia interessados no estudo da Psicologia Comunitária, há o "Bom -dia Comunidade", com grupos de estudo e visita a projetos. O Nucom integra o Coletivo de Ensino, Pesquisa e Extensão, que reúne projetos de diferentes cursos da UFC.

Bárbara e Ana Ester comemoram a oportunidade de participar do Nucom e a "reviravolta" que tiveram no pensamento, indagando-se sobre o perfil profissional que pretendem seguir, e certas da importância de facilitar o processo de identificação da comunidade com o lugar em que vive. "Quando se fortalece a identidade do sujeito comunitário, todos os outros processos serão fortalecidos", afirma Ana Ester. Priorizando o tripé teoria, prática e compromisso social, o estudo pretende descobrir formas de intervenção comunidades os frutos da Psicologia. na sociedade e levar para as

Mais informações sobre o NUCOM - Núcleo de Psicologia Comunitáriano Departamento de Psicologia da UFC (fone: (85)3288- 7723), com a coordenadora e orientadora da pesquisa, Verônica Morais Ximenes, ou as estudantes Bárbara Nepomuceno e Ana Ester Melo (Nucom: (85) 3288- 7729; nucomufc@yahoo.com.br).

Na Agenda
Pré-inscrições para Especialização em Informática Educativa Estão abertas até o fim do mês de Março as pré-inscrições para a Especialização em Informática Educativa, na página www.multimeios.ufc.br/espie . O curso será realizado no turno da noite, na Faculdade de Educação (FACED/UFC), a partir de Agosto. Encontros Universitários 2005 XXIV Encontro Universitário de Iniciação à Pesquisa, dias 2 e 3 de junho de 2005.

Publicação quinzenal Comentários, dúvidas ou sugestões: Claudiene Costa (85) 3288-9945 claudcosta@sobral.org Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós -Graduação