You are on page 1of 6

02/11/13

Petição Inicial - Ação Declaratória de Inexistência de Débitos cc Indenização por Danos Morais com Pedido de Tutela Antecipada.

14th March

Petição Inicial - Ação Declaratória de Inexistência de
Débitos cc Indenização por Danos Morais com Pedido de
Tutela Antecipada.

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA ....... VARA CÍVEL DA COMARCA
DE BELÉM DO ESTADO DO PARÁ.

JOSÉ DA SILVA, brasileiro, casado, médico, inscrito no CRM sob o nº 7895/PA, portador da CI25020-66/SSP-ES, e do CPF-007.700.123-00, residente e domiciliado nesta cidade, à Rodovia Augusto
Montenegro, Condomínio Green Ville II, bloco 3, nº 520, Coqueiro, Belém, CEP: 66027-890 por seus
procuradores que esta subscrevem (anexo), vem respeitosamente propor perante Vossa Excelência a
presente AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITOS CC INDENIZAÇÃO POR DANOS
MORAIS COM PEDIDO TUTELA ANTECIPADA contra o SUPERMERCADO PREÇO BOM LTDA, inscrito no
CNPJ sob o nº 15.100.043/0001-38, com sede na rodovia Augusto Montenegro, nº 1050, Coqueiro, CEP:
66027-890, nesta cidade, o que faz pelos fatos e fundamentos a seguir expostos:
1 – DOS FATOS:
No dia 25 de março de 2008, José, estava com sua esposa e filho nas dependências do Supermercado
Preço Bom, realizando as compras para o seu consumo mensal, como era costumeiro.
Seu filho, João, é portador de hipoglicemia, e durante a realização das compras começou a sentir-se mal,
devido à brusca redução das taxas de açúcar no seu sangue, uma vez que fazia muito tempo que o
mesmo havia se alimentado pela última vez.
Sua mãe, Maria da Conceição, diante do ocorrido, fez com que ele consumisse alguns produtos, que
seriam pagos posteriormente, a fim de fazer com que o filho voltasse a se sentir bem e não precisasse de
um atendimento mais especializado em um hospital.
Dentre os produtos consumidos, destacam-se: um pacote de jujubas de 200 gramas, custando R$3,50
(três reais e cinquenta centavos); um refrigerante “Coca-Cola” de 600 ml, cujo preço é R$ 4,90 (quatro
reais e noventa centavos); um pacote de biscoito de chocolate da marca “Bono”, que custa R$ 1,20 (um
real e vinte centavos); um ovo de páscoa da marca “Albino”, tamanho 20, custando R$ 32,00 (trinta e dois
reais), gerando um montante a ser pago, igual a R$ 41,20 (quarenta e um reais e vinte centavos), frisese, referente aos produtos efetivamente consumidos.
Vale ressaltar que, o requerente era consumidor contumaz do referido estabelecimento, que sempre
aceitou todas as formas de pagamento das compras. Logo, ao perceber que seu filho estava passando
mal, e no ímpeto de ver sua melhora, não observou que as regras do supermercado, em relação à forma
de pagamento, haviam sido alteradas, de forma tal que agora o estabelecimento somente aceita
pagamentos em espécie.
Pelo fato de o requerente ser uma pessoa pública muito conhecida na cidade, por seus serviços
filantrópicos prestados, o mesmo, por prevenção, evita ao máximo sair de casa portando dinheiro em
espécie.
Sendo assim, ao finalizar a realização de suas compras e se encaminhar para o “Caixa” a fim de
pagar a mercadoria adquirida, fora surpreendido com a alteração nas formas de pagamento, que
passaram a ser adotadas pelo estabelecimento.
Diante do fato de o supermercado somente aceitar pagamento “em espécie”, o Senhor José, viu-se
omcpadv.blogspot.com.br/2013/03/peticao-inicial-acao-declaratoria-de.html

1/6

Após muitos constrangimentos. e o autor teve de assinar uma nota promissória com o valor correspondente às compras realizadas. de construir um consultório em um prédio próprio. requer o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela. dois meses após o ocorrido. entretanto. Desta forma é claro e evidente que o ato. a muito tempo.blogspot. no entanto o referido pedido fora sumariamente negado. haja vista que o mesmo teve de desprender valores que antes estavam destinados para outros fins. caracterizando-o como inadimplente. uma vez que diante do indeferimento do financiamento o mesmo teve de alugar um ponto comercial para estabelecer o seu consultório. providência esta de natureza cautelar requerida pelo agravante a título de antecipação de tutela. na qual permaneceram por mais de duas horas. acabou incidindo em mora com outras de suas obrigações. o mesmo teve seu pedido de financiamento negado. o autor lhe solicitou que pudesse sair para sacar o dinheiro correspondente aos valores devidos. Durante a conversa com o gerente do supermercado.DA NECESSIDADE DA ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA: Como fora exposto acima. desviando uma parte maior de seus rendimentos para o aluguel deste imóvel.com. Presença do fumus boni iuris . Frise-se que o autor resgatou a nota promissória no mesmo dia em que a concedeu. Assim. sem se olvidar da indenização devida pelos danos morais e patrimoniais sofridos. o autor. Uma vez que alguns produtos já haviam sido efetivamente consumidos. “TUTELA ANTECIPADA . Fato este que não impediu que a empresa inscreve-se seu nome nos cadastros dos órgãos de proteção ao crédito.0000.). bem como a exclusão de seu nome dos registros de inadimplentes. irresponsável do réu causou um dano irreparável ao autor que. razão pela qual se vê forçado a propor a presente ação.26. em intensidade suficiente para sua concessão (. o que fora efetivado. Desta forma a inclusão de seu nome no cadastro de inadimplente pelo supermercado réu não apenas causou um constrangimento moral ao autor. consequentemente.Admissível o deferimento de tutelar cautelar de urgência para excluir registro de devedor como inadimplente em arquivo de consumo.Efeitos negativos da inscrição em cadastro de inadimplentes bastam para o reconhecimento da presença do periculum in mora . depois de transcorrido o lapso temporal de quatro anos. quando foi buscar a possibilidade de um financiamento bancário para a aquisição de um imóvel com o fim de estabelecer no mesmo. Fato que desnecessariamente motivou a Caixa do supermercado a solicitar a presença de seu gerente para solucionar o problema. com base nos fundamentos jurídicos que serão a seguir arrolados...Ação Declaratória de Inexistência de Débitos cc Indenização por Danos Morais com Pedido de Tutela Antecipada. Diante de tais circunstâncias o autor teve de alugar um ponto comercial por um preço muito mais elevado que teria as parcelas de seu financiamento. restando dessa forma configurado o dano.br/2013/03/peticao-inicial-acao-declaratoria-de. 20ª Câmara de Direito omcpadv. Essa situação causou um enorme desconforto ao reclamante. o que lhe impossibilitou de vir a realizar seu grande sonho. para o fim de excluir o registro de devedor dos cadastros de inadimplentes identificados no pedido (. que o autor somente tomou conhecimento de sua condição. seu consultório médico. eles foram liberado.html 2/6 . por regulamentação interna do estabelecimento e o autor fora encaminhado para uma sala reservada juntamente com sua família. Ressalta-se. mas também o impediu de realizar seu grande sonho. a qual vinha economizando suas economias. na ação principal proposta... Recurso provido” (TJSP.). Agravo de instrumento nº 038832796. Nestes termos. através de seus advogados.8. sob a alegação de que era necessário esclarecer o que havia ocorrido.2010.02/11/13 Petição Inicial . visto que presentes os requisitos do fumus boni iuris e do periculum in mora. com a declaração da inexistência do débito. para este fim. evitando qualquer prejuízo ao supermercado. 2. impossibilitado de pagar as compras. devido à inclusão indevida do nome do autor no cadastro de inadimplentes.Deferida a tutela cautelar de urgência. o dano patrimonial também fora verificado nesta situação. no mínimo.

02/11/13 Petição Inicial .O consumidor.html 3/6 .blogspot. j. registros e dados pessoais e de consumo arquivados sobre ele. o autor se viu obrigado a omcpadv. Ademais a inserção do nome do senhor José em tal cadastro fora feito de forma totalmente irregular. bem como das determinações da própria súmula nº 359 do STJ. inciso I do CPC. quando não solicitada por ele. Nestes termos é gritante o ato da ré. COM URGÊNCIA. Nestes termos é notório que tal fato causa ao autor um dano grave e de difícil reparação. conforme determina o artigo 273. no mínimo. Rebello Pinho. Des. Privado. e que. devido o mesmo constar como inadimplente nos órgãos de proteção ao crédito. § 2º do CDC. por uma suposta dívida. José da Silva continua com seu nome incluso no cadastro de inadimplentes. Desta forma evidencia-se. Rel.com. mas também nas jurisprudências expressas no item da tutela antecipada desta inicial. terá acesso às informações existentes em cadastros. fichas. que na realidade nem existia.A abertura de cadastro. Como se pode observar a partir da leitura destes enunciados era obrigatório que empresa ré. quando o autor se viu impossibilitado de promover o financiamento de um imóvel. Sendo assim. sem prejuízo do disposto no Art. uma vez que resta caracterizado o “ fumus boni iuris” e o “ periculum in mora”.2. o pedido de tutela antecipada somente pode-se restar por ser deferido. haja vista que a ré não se preocupou em respeitar as determinações legais previstas no artigo 43.DO MÉRITO: 3.Do cabimento do dano material Além disso.fora negado pelo banco. 3. baseando-se não apenas nos fatos narrados. 86. ambos demonstrados a seguir: Art. pois esta além de desrespeitar os ditames legais expostos acima ainda taxou como mal pagador o senhor José . pois.Ação Declaratória de Inexistência de Débitos cc Indenização por Danos Morais com Pedido de Tutela Antecipada. conseqüentemente. que só se agrava a medida que o Sr. bem como sobre as suas respectivas fontes. requer-se a antecipação dos efeitos da tutela baseado na necessidade de se evitar com que os danos sofridos pelo autor se intensifiquem. o senhor José ___ nada deve à empresa. 20/09/2010)(destaques acrescentados) Conforme pode-se concluir da análise da jurisprudência acima arrolada. a irresponsabilidade da empresa que levou o nome do autor ao cadastro de inadimplentes sem que houvesse a possibilidade jurídica e fática para esta inclusão. § 2º . uma vez que o mesmo possui em suas mãos a nota fiscal dada pela própria empresa ré como comprovante do pagamento da conta. registro e dados pessoais e de consumo deverá ser comunicada por escrito ao consumidor. a qual poderia investir como bem lhe coubesse. ficha. Súmula 359 STJ: Cabe ao órgão mantenedor do cadastro de proteção ao crédito a notificação do devedor antes de proceder à inscrição. Além do fato de ter o mesmo restado inadimplente e incorrente em mora no que se refere às suas outras obrigações. requer-se que a ré emita uma Declaração de inexistência de débito. em decorrência da não aprovação do financiamento do imóvel.1. e anda assim está sendo penalizado como se assim fosse. notificasse o autor desta ação de que seu nome estaria sendo incluso no cadastro de proteção ao crédito caso este último não viesse a realizar o pagamento da dívida que SUPOSTAMENTE devia ao supermercado.br/2013/03/peticao-inicial-acao-declaratoria-de.DA NECESSIDADE DE SER DECLARADO INEXISTENTE O DÉBITO E DA EXCLUSÃO DO NOME DO AUTOR DO CADASTRO DE INADIMPLENTES O caso em tela possui a notoriedade de que os fatos afirmados pelo autor são dotados de veracidade. nas circunstâncias expostas acima. Para agravar ainda mais o ato desmedido da empresa ré o senhor José ficara impedido de vir a realizar o seu grande sonho de possuir um consultório em prédio próprio. haja vista que seu pedido de financiamento – que teria parcelas muito menores do que o valor do imóvel alugado pelo autor para estabelecer seu consultório . da lista de inadimplentes dos órgãos de proteção ao crédito. no mínimo. Sendo assim. 43 CDC . 3. o nome do autor seja retirado.

X-“ São invioláveis a intimidade. ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características. Aquele que. 31. Logo. Neste teor a lei máxima de nosso ordenamento jurídico. Parágrafo único.br/2013/03/peticao-inicial-acao-declaratoria-de. Art. de alguma forma. quantidade. que já é limitadíssimo. por duas horas até serem atendidos para esclarecimento do ocorrido.000. A oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas. prazos de validade e origem. Não há dúvidas que os danos causados ao autor pela indevida inclusão no cadastro de inadimplentes constitui um ato de má fé cometido pelo réu. e ter que esperar duas horas de tempo. 186. causar dano a outrem.Ação Declaratória de Inexistência de Débitos cc Indenização por Danos Morais com Pedido de Tutela Antecipada. (. referentes a seis meses de pagamento de aluguel. ofende a moral e a dignidade da pessoa”. Sendo assim. bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores. Ora. o art.. Mais constrangedor ainda é ser encaminhado para uma sala. Aquele que. garantia.5º.. por ato ilícito (art. o Sr. sofrer o embaraço de não possuir o devido dinheiro em espécie. moral ou à imagem”. Art. As informações de que trata este artigo. aferível).4 – Do cabimento do dano moral “Diz a doutrina – e confirma a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) – que a responsabilização civil exige a existência do dano. composição. por não haver nenhum aviso sobre essas mudanças espalhadas pelo recinto e. na mesma. devido a uma falha do próprio estabelecimento. O dever de indenizar existe na medida da extensão do dano. inc. o requerido violou os artigos 186 e 927 do Código Civil: Art.00 (quarenta e oito mil reais) referentes ao ressarcimento de danos materiais que lhe foram causados com a imposição da manutenção do pagamento de aluguéis. fica obrigado a repará-lo”. real. já que o mesmo não tinha documento hábil para tal inclusão. entre outros dados. 3. no valor de R$ 12. qualidades. que diz o seguinte: Art. inc.00(Doze mil reais) mensais. DO DANO MORAL SOBRE A ESPERA: No caso em análise. assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação”. portanto. Assim. que deve ser certo (possível. trata-se da doença do filho do casal e. por ação ou omissão voluntária. Art. (Incluído pela Lei nº 11. a honra e a imagem das pessoas.02/11/13 Petição Inicial . para esclarecer os motivos de ter consumido os produtos antes da efetuação do pagamento.927-“Aquele que.927 do Código Civil de 2002. fica claro a obrigação de reparação do dano. claras. fica obrigado a repará-lo. omcpadv. nos produtos refrigerados oferecidos ao consumidor.com. negligência ou imprudência. já é motivo de sofrimento para qualquer um. precisas. preço. além da indenização por dano material. 186 e 187). garante a todos o direito a ressarcimento por dano material ou moral.989 . serão gravadas de forma indelével.V-“ È assegurado o direito de resposta. violar direito e causar dano a outrem. o simples fato de ser surpreendido com novas regras. por ato ilícito (arts. de 2009 Sendo assim.5º. Sendo que tal motivo é pessoal.186 e 187) causar dano a outrem. Desta forma.html 4/6 . ainda que exclusivamente moral. proporcional ao agravo. pagar aluguel para instalação do consultório médico.) O dano moral é aquele que afeta a personalidade e. a obrigação de reparação do dano causado a outrem tem a assertiva. os constrangimentos que o requerente e sua família inteira sofreram. no momento do pagamento. mesmo que reservada. comete ato ilícito. 927. Observa-se. o supermercado Preço Bom infringiu o artigo 31 do Código de Defesa do Consumidor. o senhor José teve que se explicar. assim. pleiteia-se o valor de R$ 48.000. José e sua família foram encaminhados a uma sala reservada e foram mantidos. Art. a vida privada.blogspot. ainda assim. a Constituição Federal do Brasil.

desta forma. um abalo psicológico. sofreu uma situação que extrapolou o mero dissabor. o autor é pessoa honesta e trabalhador. sob a pena de. *Citação do réu. nos termos seguintes: X . sem distinção de qualquer natureza. ‘a expressão dano moral deve ser reservada exclusivamente para designar o agravo que não produz qualquer efeito patrimonial. resta claro que o senhor José. No entanto. In casu. Assim. por sua natureza.00 (Sete mil reais). o fato não foi apenas um aborrecimento causado ao autor e sua família. a situação por si só causou um constrangimento que acarretou danos a moral e ao emocional destas pessoas. se assim não omcpadv. nos casos especificados em lei. Complementa o autor citando o conceito do grandioso Orlando Gomes: Para Orlando Gomes. Desta maneira. O dano moral presumido é protegido pelo Superior Tribunal de Justiça na súmula: Portanto. a indenização pelos danos que o requerente sofreu é mais do que justo para amenizar a humilhação e a vergonha da situação vexatória que o mesmo passou indevidamente. não lhe resta outra alternativa senão pleitear a tutela jurisdicional. à segurança e à propriedade. não abrangendo bens materiais. uma vez que o nome do requerente foi inserido no CADIN de modo indevido. caracterizando-o como inadimplente. o requerente resgatou a nota promissória que comprova a efetuação do pagamento. requerendo: *Antecipação dos efeitos da tutela. assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação. no caso em epígrafe. ou seja. no entanto.DOS PEDIDOS: Pelas rezoes aduzidas e pelas provas ora apresentadas pelo reclamante. o dano moral é o prejuízo que ofende os direitos de personalidade. a honra e a imagem das pessoas. o constrangimento que o senhor José sentiu ao pedir o crédito de financiamento no banco é causa justificada por danos morais. devido ao desconforto de ter que passar novamente por uma situação que não fora ele que causou. Art. José incorreu em uma situação vexatória que configura os requisitos para um ressarcimento por danos morais no valor de R$ 7. p. 5º Todos são iguais perante a lei. fica nítido que o Sr. depois de dois meses. o estabelecimento insere o nome do senhor José no órgão de proteção ao crédito.000.02/11/13 Petição Inicial . estava tentando solicitar um crédito para poder construir um local de trabalho digno e. mediante a presente ação declaratória de inexistência de débitos cc indenização por danos morais com pedido tutela antecipada.com. à liberdade.00 pelos danos morais causados injustamente ao requerente. de acordo com o artigo 5º. Portanto.”. Sendo assim. independentemente de culpa. Desta forma. inciso X. o que ocasionara para a vítima. a vida privada. Haverá obrigação de reparar o dano. 4. ou seja. garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida. ainda que ainda que mediante repercussão.Ação Declaratória de Inexistência de Débitos cc Indenização por Danos Morais com Pedido de Tutela Antecipada. da Constituição Federal. a fim de que possa participar e responder a presente ação. trata-se de um dano in re ipsa. a situação já demonstra por si só um dano moral presumido. Conforme o renomado doutrinador Carlos Roberto Gonçalves (2011. ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar. Parágrafo único. a fim de que tenha o autor seu nome retirado dos registros de cadastro de inadimplentes. o dano deixa de ser extrapatrimonial’. pleiteia-se um valor de R$10.337): “O dano moral é a ofensa ao intimo da vítima. à igualdade.são invioláveis a intimidade.br/2013/03/peticao-inicial-acao-declaratoria-de. foi novamente constrangido por um ato de má-fé da parte contrária. Fato que o mesmo apenas foi descobrir quando tentou realizar um financiamento bancário. “Se há conseqüências de ordem patrimonial. Portanto. DO DANO MORAL PRESUMIDO: Após toda a delonga.000. O próprio fato já configura o dano”. “não é necessária a apresentação de provas que demonstrem a ofensa moral da pessoa. risco para os direitos de outrem.html 5/6 .blogspot.

00 (sessenta e cinco mil reais). incidir sobre revelia.Ação Declaratória de Inexistência de Débitos cc Indenização por Danos Morais com Pedido de Tutela Antecipada. indevida. como restou amplamente comprovado. Comentar como: Publicar Conta do Google Visualizar omcpadv. entre outros.br/2013/03/peticao-inicial-acao-declaratoria-de.blogspot. laudo médico. requer a produção de provas por todos os meios admitidos em direito. Até pelo mesmo pelo fato de ele sempre adimplir dentro do prazo com todas as suas obrigações. o fizer.. *Da exclusão do nome o autor do cadastro de inadimplência. 06 de março de 2013. uma vez que restou o autor impossibilitado de exercer suas liberdades de escolha e disposição de seus bens como bem lhe conviesse. especificamente por apresentação de nota promissória. Postado há 14th March por OMCP Advogados & Associados 0 Add a comment Digite seu comentário. Belém. uma vez que.com. Pede-se deferimento. *Da indenização dos danos materiais. cabíveis naquilo que tange ao dano sofrido por ter de permanecer pagando aluguel de um ponto comercial. a fim de que a reclamada arque com as despesas de honorários advocatícios e com as custas provenientes do processamento da presente ação.html 6/6 . Por fim.. *Da declaração de inexistência do débito. recibos de aluguel. devido ao seu nome estar inscrito nos cadastros de mau pagadores. Dá-se o valor da causa em R$ 65. frise-se. caracteriza o dano pleiteado. E não há razão para que seu nome conste como devedor. *Honorários e custas. *Da indenização dos danos morais sofridos dentro do supermercado e com a continuidade da cobrança. e a continuidade da cobrança.02/11/13 Petição Inicial . o débito fora efetivamente quitado.000. Nestes termos. uma vez que o mesmo está adimplente. quando teve seu financiamento negado.