You are on page 1of 11

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO – CAMPUS SEDE

DEPARTAMENTO DE AGROTECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS
CURSO: DIREITO

Relatório de Visita Técnico-Jurídica: Fórum Trabalhista Desembargador Silvério
Soares e Fórum Municipal Desembargador Silveira Martins
Relatoras: Amanda Menezes e Andressa Nascimento

Em atendimento à disciplina
Filosofia
Geral
e
Jurídica,
ministrada pelo Me. Mário Sérgio
Falcão Maia, para a obtenção da
nota da 1ª unidade.

MOSSORÓ/RN
Out./2014

Ele nos levou até a sala de audiência da sua vara e lá ficamos aguardando enquanto ele atendia um advogado no gabinete. seria assistir a uma audiência na 3ª Vara Criminal. Chegamos. Saímos de lá quase às 17h. embora houvesse expediente. sem nem pedirmos. pois o mesmo estava atarefado e foi até muito gentil em ceder parte do seu tempo em prol de nossa pesquisa. o fórum estava praticamente vazio. fomos atendidas por uma simpática recepcionista com a qual tivemos a chance de fazer uma entrevista e colher algumas informações importantes para o relatório. Após isso. ao Fórum Trabalhista antes das 13h30min e fomos em direção à 3ª Vara do Trabalho. Chegando lá. Porém. e como era feriado do servidor público. com que o juiz da 1ª Vara Criminal pudesse conversar conosco. fomos encaminhadas à sala de audiências. A nossa intenção. por volta das 15h40min. que fica logo ao lado. sem movimentação. onde estavam previstas 16 audiências com início para esse mesmo horário. o juiz chegou e gravamos também uma entrevista de um pouco mais de 10 minutos. a recepcionista acabou conseguindo. que fica vizinho. Assistimos à metade delas fazendo as devidas anotações e observações e. visitamos o Fórum Trabalhista Desembargador Silvério Soares e o Fórum Municipal Desembargador Silveira Martins. Tais entrevistas estão neste relatório. a princípio. partimos para o Fórum Silveira Martins. primeiramente. Usamos o gravador também. Usamos o gravador de voz de um celular para registrar a entrevista. Chegando até a secretaria da vara. Aproveitamos para ter uma visão geral do fórum. . Enquanto isso. conseguimos entrevistar o diretor de secretaria dessa vara. e a conversa durou em torno de 10 minutos. o que não foi possível por motivos que serão aqui expostos. A visita aconteceu na tarde do dia 28 de outubro de 2014.APRESENTAÇÃO Atendendo à solicitação do docente da disciplina em questão para a obtenção da nota da 1ª unidade.

maior do que a que visitamos no Fórum principal (a qual era bem organizada e possuía um ar moderno. descrevemos algumas impressões que também tivemos sobre a estrutura do lugar e o ambiente em si tanto do fórum como um todo quanto da vara visitada. há uma cadeira para testemunha que permite o contato “olho-aolho” entre juiz e testemunha.A VISITAÇÃO Seguindo a ordem dos acontecimentos. diferente do Fórum Silveira Martins. com salas e recepção mais nos lembrou uma rodoviária. respondendo à alguns questionamentos solicitados pelo professor. talvez essa seja a maneira de mostrar a imponência do prédio. enquanto a outra parte (demandado) fica a direita. cadeiras e bancos para as pessoas que desejam assistir a audiência. o que nos chamou bastante atenção por ser uma forma de tornar o testemunho de uma pessoa um momento de muita tensão. nos deparamos com um ambiente menos formal e elaborado do que pensávamos. suas principais funções que pudemos observar foram as de anunciar as audiências e escrever . bem em frente à mesa do juiz. onde predomina um tom de amarelo claro que dá sensação de calma. a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. o que acabou nós chamando atenção por serem cores fortes e chamativas. Como não conseguimos assistir a uma audiência no Fórum Silveira Martins porque a sala em que estava sendo realizada audiência já estava lotada e assim não tivemos nossa entrada autorizada. vamos começar falando sobre a nossa experiência com a audiência. o que dá um ar mais alegre ao local. possui uma espécie de jardim ornamentado com flores e pedras. Assim como o Fórum Silveira Martins. mas que não chega a ser tão imponente quanto o primeiro. a disposição da mesa do juiz com a mesa de cada parte é feita em formato de “U”. Ao chegar ao local onde ficam as varas e demais salas. com pequenas escadas que levavam de um nível a outro. Ao longo do relato. Ele abriga também agências de bancos como. A sala de audiências é bem confortável. Ao lado do juiz também ficam duas pessoas auxiliando-o. No meio. com cadeiras acolchoadas e microfones para as partes e o juiz). O grande salão. onde a parte que entrou com a ação (demandante) sempre fica a esquerda do juiz. As cores predominantes no prédio são branco e vermelho. com ar condicionado. talvez até para que o juiz possa fazer seu trabalho de maneira mais eficaz e evitar qualquer mentira por parte da testemunha. nós fomos ao Fórum Trabalhista Silvério Soares. o Fórum Trabalhista também ocupa uma enorme área bem cuidada. a seguir. Assistimos a algumas audiências na terceira vara.

a nosso ver. até porque ele estava vestido de forma menos formal do que esperávamos. recebemos a Pauta de Audiência com o horário e as partes de todas as audiências que ocorreriam durante a tarde. onde tanto os advogados quanto o juiz chegaram a usar ate mesmo palavras informais como “tá” no lugar de “está”. Em suma. o advogado representante da padaria mostrava-se nervoso. inicialmente. a empregada começou a chorar. Enquanto o advogado representante da moça permanecia calmo. “Vossa Excelência”. quando ainda era empregada da padaria. Durante toda a audiência. em que uma moça tinha entrado com uma ação contra a padaria em que trabalhava. a moça mostrou-se bastante nervosa. camisa e sapato social juntamente da sua toga. E foi isso o que realmente aconteceu na maioria das audiências. dando a impressão de que não estava preparado para atuar em campo. Nesse momento. achamos o momento da audiência em si bem menos formal do que esperávamos. O juiz estava vestido de maneira mais formal: calça. Suas vestimentas eram casuais: calça jeans. o que a levou a se descontrolar e fazer diversas acusações a moça só parando após seu advogado pedir pela terceira vez. o momento de “humanizar” o processo se tornava quase mecânico ao ver pessoas entrando. principalmente os momentos de diálogo. sentando e saindo rapidamente. mas. sempre olhando para baixo e tremendo tanto que não conseguia segurar um copo com água sem derramar. Basicamente.a conversa entre juiz e advogados durante esse momento. mas não podemos esquecer que pronomes de tratamento como. cada uma teria duração de dez minutos. Quando chegamos à sala de audiência. muitas vezes sem nem entender o que tinha acontecido. digamos. Vimos audiências em que os advogados sentavam. Essa situação nos deixou um pouco confusas porque. não conseguíamos entender o que estava acontecendo por conta da rapidez com que aconteciam as audiências. teria desenvolvido uma doença do trabalho decorrente de constantes humilhações e excessivas horas extras de trabalho. A representante da padaria mostrava-se um tanto frustrada e com raiva. tênis e camisa polo. não de uma forma demasiada. não foram dispensados. só falavam seus nomes ao secretário de audiência e logo o juiz marcava outra data para uma nova audiência e eles saiam. o problema era que a moça. o que acaba quebrando aquela velha ideia de que todas as pessoas que trabalham em um Fórum devem vestir ternos ou algo bastante elegante. o que não deixa de ser uma maneira de impor respeito. A audiência que mais nos chamou atenção foi uma que durou cerca de trinta minutos. e qualquer pessoa que estivesse assistindo estava livre para entrar ou . chegando a gaguejar. segundo a pauta.

já que seu perfil pessoal é mais voltado para o campo social. e que o dia mais movimentado é a segunda-feira. por pensar que. fomos até o Fórum Silveira Martins. As entrevistas estão descritas a seguir. júris e atividades afins. Ela se encarrega de fazer o encaminhamento das pessoas que chegam ao fórum interessadas em saber sobre seus processos para as devidas secretarias. o problema é mais complexo que isso. telefonistas. são muitos processos a serem julgados e muitas audiências a serem realizadas em pouco tempo. Logo em seguida. embora sua função pareça técnica. Saindo do Fórum Trabalhista. Ela é formada em Serviço Social e Ciências Sociais e nos contou que a sua atividade se restringe. Indagada sobre se gostava do seu cargo. naquele dia o fórum não funcionaria. através de uma empresa terceirizada que além da recepção. agoniados para entrar”. Leila nos falou sobre a organização do local que tem três andares em que trabalham. A recepcionista contou também que o fórum funciona das 8h às 14h. considera-a mais humanista. ao atendimento. mescladas com nossas observações e respostas a questionamentos também solicitados. de atender as pessoas e prestar as informações de que elas precisam e que não sente dificuldades nisso. pois o mesmo feriado foi transferido para a sexta-feira da mesma semana. Isso ocorre não pela vontade do juiz. o que realmente levao a passar mais tempo lendo documentos do processo no computador do que olhando para as pessoas e tendo que marcar outras audiências curtas até que o problema seja solucionado de maneira justa. existe sim uma interação entre os indivíduos envolvidos. apesar de que estava havendo expediente. portanto. o que não foi possível e já esclarecido. 22 . com o diretor de secretaria da 1ª Vara Criminal e com o juiz dessa mesma vara. A sexta-feira é o dia mais tranquilo. Como a visita foi feita no feriado que comemora o dia do funcionário público (uma terça-feira). Leila disse estar preocupada por não ter havido muito movimento no lugar e achava que as pessoas poderiam procurar atendimento na sexta-feira. exclusivamente. presta serviços com assessores. Leila Barros é recepcionista do Fórum Silveira Martins há sete anos e meio. quando as pessoas chegam “feito uns loucos. aproximadamente. conversamos com a recepcionista de lá.sair da sala no momento em que considerasse mais oportuno. ela afirmou gostar muito do que faz. auxiliares de serviços gerais etc. por motivo do feriado. como ela mesma fala. No entanto. onde o objetivo seria assistir audiência na 3ª Vara Criminal. mas o objetivo não está sendo alcançado com sucesso. Quanto ao cumprimento do seu objetivo de “humanizar” o processo. horários em que ocorrem audiências.

desde juízes até estagiários. Entrando na religiosidade. venceremos. Apesar de constatar sofrimentos diários das pessoas. sem cansaço. reciprocidade. se reunirmos forças para enfrentar problemas.juízes que se distribuem entre seis varas criminais. não passando por cima de outros. existem crônicas que falam sobre o dia a dia do fórum e sobre sua rotina de atendimentos. uma vara da fazenda. quatro juizados especiais. uma vara da infância e seis varas cíveis. Cada dia eu mergulho com vontade. vidas.” . renasço todo dia com pessoas diferentes. Nosso eterno Pai. Folheamos o seu último livro que contém crônicas em homenagem aos mais diversos profissionais que trabalham com ela. Além disso. o segundo em 2012 e o último é deste ano de 2014. filhos. mas humor é importante para atrair energia positiva. apenas renovo. Leila se mostrou tão apaixonada por sua profissão que até revelou ter produzido três livros de crônicas. tão transparente. sinceridade estímulo. quatro varas de família. todos inspirados pela sua profissão. Encontro-me com essas pessoas que busco e elas a mim com alegria. Pedimos para tirar uma foto dela com o livro. Deixamos aqui a crônica que representa Leila em sua função como recepcionista: “Meu trabalho Esse trabalho de informação é tão maravilhoso. precisamos de fé para resolver muitos problemas. famílias. a realidade cruel de violência doméstica. que ainda serão lançados. Deus me escolheu para fazer esse trabalho tão delicado com pessoas. misturo gentileza com reflexão. mas ela pediu para registrar apenas o livro. O primeiro livro foi feito em 2010. gente que merece ser feliz. sem fantasia.

Sobre a sua atividade. . anualmente estabelece metas. a vara em questão também tinha a competência das execuções penais. dessa forma. Carlos revelou que. requisitar material. para a 1ª vara criminal. cuidando da organização da secretaria como a questão de servidores. filhos dos apenados e demais parentes. exerce a função de diretor de secretaria. como mães. que cuida dos crimes de valores contra a vida na sua forma tentada ou consumada. processos sigilosos etc. acompanhar o andamento dos processos verificando. Sobre cumprimento de metas.. o CNJ estabelece as metas. como há um déficit de servidores. é técnico judiciário na 1ª vara criminal do fórum Silveira Martins há cinco anos e. ele disse que foi implementada uma rotina em que eles. no ano passado. devendo ficar em torno de 90%. organizar a pauta de audiência. que tem a competência de júri. quando o acusado é condenado e vai cumprir a pena. com a qual trabalhava antigamente. Ele tem curso superior em Agronomia e em Direito. de um total de. cartas precatórias. Carlos acrescenta que. ele vê que a sociedade verifica que realmente a justiça é feita. só na secretaria e gabinete. Então. se há algum com prazo vencido. ele disse se sentir gratificado por tentar resolver os problemas para os quais os atendidos vinham atrás de solução. assim. Carlos descreveu que sua função é basicamente gerenciar e administrar a vara como um todo. dessa forma. verificavam mensalmente se os prazos dos processos estavam vencidos para solicitar os “comportamentos” e pareceres nos órgãos competentes. sem demanda. ele também faz as atividades que ele chama de “atividades de cumprimento” que ele enumerou como sendo cumprir réu preso. o servidor enfatiza sua satisfação com o trabalho que é produzido tanto na área da execução. Carlos disse ser gratificante porque a sociedade busca o judiciário como a “última porta” e é nesse setor que tudo tem desembocado. mais uma vez. A meta não deve ser atingida 100%. assim. CNJ. E na vara onde ele trabalha. Então. Administrativamente. como no júri. ele considera seu trabalho satisfatório. evitava-se o surgimento de problemas para os atendidos. Carlos disse que. o servidor disse que o Conselho Nacional de Justiça. Ele frisa que cada vara tem uma meta.Carlos José tem 47 anos. a meta é julgar todos os processos que foram pronunciados ou recebidas as denúncias até dezembro de 2009. os conflitos têm sido solucionados. dependendo do tipo penal. que também se tornam sua incumbência. ele trabalha com mais cinco servidores e uma faixa de cinco a seis estagiários. atualmente. eles fizeram 98 júris. Falando ainda de júri. até o dia 17 de setembro. por exemplo. todos os processos em que as pessoas eram condenadas iam para lá e eles tinham um atendimento muito grande da sociedade em geral. Este ano de 2014. Hodiernamente.

volta para a secretaria. o que transparece a morosidade do andamento jurisdicional por conta do déficit de servidores. Isso é o máximo que eles podem fazer para ver a realização da sociedade quanto ao andamento da justiça. o processo é saber qual o tipo penal. o servidor nos passou que há uma informalidade entre os servidores com a população e demais servidores e funcionários do fórum. são roupas normais. precisa-se classificar. ele acredita que ainda prevalece mais o lado humano por ocasião do grande contato que há com a sociedade. normalmente. é bastante natural. Ele acredita que. ao fim do expediente. todos os dias o juiz faz despachos. são disponibilizadas rotinas padrões para processo de júri. apesar delas terem um lado muito técnico. O juiz. tiram-se as certidões negativas e faz concluso para o juiz determinar. percebe que ainda há muito a se fazer. se finalizem 70 júris. mandam ofício. eles fazem papel de psicólogos. e que o que eles podem fazer é somente acompanhar e fiscalizar a pena. Este ano. Assim. eles cumprem. para Carlos citar rapidamente os procedimentos padrões na secretaria. até o final do ano. execução e demais procedimentos. são autuados. eles tentam acelerar os processos. Quando homologado. Sobre formalidade. arma e trânsito. Segundo ele. expedem mandados. Pessoas chegam com lamento afirmando a inocência de um acusado e eles tentam explicar que eles não podem fazer mais nada. porque. Ele fala que essa é uma rotina diária. Os funcionários da secretaria e do gabinete também transparecem isso. eles já estão com 160 homicídios confirmados e eles já fizeram 50 júris. 180 homicídios. Ele nos informou também que. apenas serem ouvidas. Após isso. se o caso é julgado por outro juiz. . Nunca falta o que fazer e. Já na vara. O diretor diz que suas atividades acabam por contribuir com a sua formação enquanto ser humano.aproximadamente. por exemplo. ele diz que há muitas pessoas que lá chegam e que não querem nem exatamente resolver o problema. coloca-se capa e etiqueta nos documentos. pois sempre chega processo novo. como calça jeans e camisa ou blusa comum. finalmente. portanto. do ministério público vai para o distribuidor e daí chegam até às varas. Pelo menos. As roupas que os servidores usam. o juiz demonstra uma grande simplicidade. muitas vezes. usa uma camisa social. Por exemplo. no site do tribunal. mas. desejando apenas que tudo funcione. e fica arquivado até o dia da audiência. Ele brinca dizendo que. por exemplo. os processos são distribuídos nas delegacias. Carlos diz que “a formalidade não pode exceder o objetivo”. Pedimos. naquela vara. porque eles trabalham com júri. mas gravata.

devem estar presentes. se trabalha com crimes de furto. A sua rotina profissional é caracterizada como “puxada”. oito testemunhas de um lado. ele sugeriu imaginar uma audiência com um ou dois réus. Uma discussão interessante que tivemos com o Dr. o promotor e o advogado. crimes contra o sistema nacional de armas e. mas infelizmente. Mais uma vez. ser absolvido. em um dia. para ter que ouvir cada um. Perguntamos a ele como são as audiências. ouve a vítima (se ela estiver viva) e então faz o interrogatório. ele ouve as testemunhas. onde há as partes e as testemunhas. Só para ter uma ideia. o que levaria a uma maior saturação de processos e poderia complicar o andamento da justiça. Dessa forma. 1h para cada sentença. E como se acumulam. fosse proferida a sentença. pelo volume de processos. seria demorado. Em audiências comuns. cinco testemunhas do outro e. que não é necessariamente obrigatória sua presença. O ideal seria que se partisse para a parte das alegações finais e em seguida. Carlos diz que eles prezam pela informalidade. embora se preze pela neutralidade. nessa vara. é juiz há 10 anos e atua na 1ª vara criminal do fórum como juiz titular desde 2010. em que ele também veste a toga. pois ele cuida das atribuições do processo do júri. seriam feitas pouquíssimas audiências. sendo ainda destinado o tempo para que ele proferisse a sentença. Vagnus falou que praticamente todos os dias está havendo audiências. piorando ainda mais o seu quadro de morosidade. Dr. no mínimo. permite chegar à decisão mais justa. Questionamos qual era o seu posicionamento sobre isso e ele confessou ser impossível não haver um pouco dos valores morais de cada juiz em uma decisão. estupro e outros crimes diversos. ele ainda está substituindo a 2ª vara criminal por motivo de a juíza desta estar de licença e. sendo o ideal 2h. além das testemunhas (se for o caso de ouvi-las) e o réu. Então. sequestro. ele está trabalhando com quase 03 mil processos. obrigatoriamente. pois o objetivo é julgar e a sociedade ver o acontecer o final que é quem for culpado ser condenado e quem não for. Vagnus Kelly tem 35 anos. o juiz. crimes de trânsito. Ainda sobre a audiência de instrução. ele teria que deixar. ele disse que não é possível ser assim porque para se fazer uma audiência com alegações finais e proferir uma sentença final. no mínimo.apenas quando há júri ou audiência. pelo menos. considerando mais 20 minutos para o Ministério Público apresentar alegações finais e mais 20 minutos para a defesa. se precisaria de 1h. nela. . Dr. como se não bastasse. Vagnus foi a respeito da impessoalidade do juiz nas sentenças. ele considera interessante que isso aconteça por conta da pluralidade de ideias que. talvez. que são as que ele mais faz. Ele citou as audiências de instrução. Porém.

com alguns homicídios ocorridos em 2008. Ele disse se sentir mal por isso e tal coisa não acontece por falta de trabalho. há uma peculiaridade em que só dá para realizar um por dia. há muita coisa para se fazer. hoje. além de que a impressão que chega a ficar para as famílias é de a justiça ter falhado. então. além de que a sociedade também faz cobranças quanto aos andamentos. Dr. além disso. No caso específico do júri. . ele disse que. tendo hora para começar. a família da vítima já tem perdido as esperanças.Perguntamos também se ele achava seu trabalho mais técnico ou mais humanista. Conversando um pouco mais com o juiz. o que ele considera natural e sadio. Antes de o processo ser por júri. eram feitas. quando há um exagero na cobrança de quantidade. mas. quando chegou àquela vara. Vagnus ainda nos contou que o fato de ainda ter conseguido realizar 98 júris no ano passado foi algo extraordinário. Novamente. ele deve fazer as audiências de instrução. visto que o CNJ exige que se julguem uma quantidade “x” deles. Ele ainda revelou que só conseguiu realizar 98 júris no ano passado porque outros juízes vieram ajuda-lo dividindo as tarefas de audiência de instrução e júri com ele. em que a polícia levou um ou dois anos para desvendar os suspeitos. de 400 a 500 audiências admonitórias e de justificação. Para ele. por conta das outras atribuições. uma vez que. pegou processos para julgamento no plenário do júri da década de 90 e. ele ainda está julgando processos do ano de 2009. evidencia-se a demora nos andamentos dos processos acumulados e isso chega a ser constrangedor para ele. a questão humana vai se perdendo e tornando-se mais em números. outros em 2006 e anos anteriores também. pois a demanda de processos é enorme e não há tempo para se ater a cada um deles cuidadosamente. então ele respondeu que é algo inteiramente técnico. Até enquanto ele trabalhava com a execução penal. deve dar conta dos processos da 2ª vara criminal. em casos assim. anualmente. mas não para terminar. o CNJ foi uma das melhores coisas criadas.

que podem se sentir intimidades por um ambiente que por si só passa uma ideia de grandiosidade. moderna e um interior simples. mas que essa nem sempre é definida pelo valor do salário de cada um. elegante e elaborado em sua divisão física. Além dos profissionais que circulam no fórum. como podemos notar ao ver nos corredores um advogado de terno enquanto um juiz está apenas de camisa. não se torne algo intimidante para essas pessoas. Estudantes de Direito utilizam um olhar mais crítico e curioso para observar o mundo em que ele irá atuar profissionalmente e estar nesse ambiente. provavelmente. . percebemos que há uma espécie de divisão de classes entre os profissionais do fórum. existem elevadores e vagas de estacionamento de carro exclusivo para juízes e outras autoridades. diferente dos demais que buscam por assistência. sapato e calça social. Um fator físico que evidencia a divisão de classes é que dentro do fórum.CONSIDERAÇÕES FINAIS Em síntese. é comum encontrarmos estudantes de Direito e pessoas que buscam assistência jurídica no local. com uma faixada bela.