You are on page 1of 45

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Disciplinas
Identificação da Proposta: 4283 - Antropologia e Arqueologia
Área Básica: ANTROPOLOGIA
Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO
IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PI

ANTROPOLOGIA DA CRIANÇA E DA JUVENTUDE
Nível: MESTRADO ACADÊMICO
Obrigatória:

Não

Carga Horária:

60

Créditos: 4.0

Ementa
Noções de infância na sociedade. Teorias pioneiras e atuais em Antropologia. A sexualidade da criança. Os processos de socialização da criança. Os
cuidados na criação da criança na família. Discurso e linguagem da criança. Os jovens e sua interface com a cultura. Os signos da juventude em
contextos multiculturais. Processos grupais enquanto espaços de constituição identitária dos jovens. Metodologias e técnicas de pesquisa.
Bibliografia
Criança:
ABROMOVICH, Fanny. O Estranho Mundo que se mostra as crianças. São Paulo: Summus. 1983.
ALVIM, Maria Rosilene Barbosa e VALLADARES, Lúcia do Prado. Infância e sociedade no Brasil: Uma análise da literatura. In: BIB ? Boletim
Informativo e Bibliográfico de Ciências Sociais nº 26.1988.
ANTUNIASSI, Maria Helena Rocha. Trabalhador infantil e Escolarização no meio rural. Rio de Janeiro: Zahar. 1983.
ARIÉS, Philippe. Historia social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar.1981.
ARFOUILLOUX, J. C. A entrevista com a criança. Rio de Janeiro: Zahar. 1983.
AUGÉ, M. Os Domínios do Parentesco. Lisboa: ed. 70, 1978
AZEVEDO, Ana Vicenti. A metáfora paterna na psicanálise e na literatura. Brasília: Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado.
2001.
BADINTER, E. Um amor conquistado: O mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1985.
BANDET & SARAZANAS. A criança e os brinquedos. São Paulo: Martins Fontes. 1973.
BENJAMIM, W. A criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus. 1984.
BERGER, P. e LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Rio de Janeiro: Vozes. 1987.
CALLIGARIS, Contardo et. Alli. Educa-se uma criança ? Porto Alegre: Artes e Ofícios. 1994.
COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2006.
_____________. Crescendo como um Xikrin: Uma análise da infância e do desenvolvimento infantil entre os Kayapó-Xikrin do Bacajá. In: Revista de
Antropologia. V. 43, nº 2. 2000.
CORREA, M. et alii. Colcha de Retalhos. São Paulo: Brasiliense, 1982
DAUSTE, Tânia. Concepções de infância e pré-escola entre famílias da periferia de Niterói- Rio de Janeiro. ANPOCS. 1985.
DEMARTINI, Zeila de B.F. Educação e o trabalho infanto-juvenil nas famílias de agricultores paulistas. CERU. s/d
DINCÂO, M.A.(org). Amor e família no Brasil. São Paulo: Contexto. 1989.
DOMÁZIO, Reinaldo Luiz. O que é criança. São Paulo: Brasiliense, 1994.
DOLTO, Françoise. Destinos de crianças. São Paulo: Martins Fontes. 1998.
ERICKSON, E. H. Infância e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar. 1976.
FERNANDES, Florestan. Aspectos da educação na sociedade Tupinambá. In: SCADEN, Egon (org). Leituras de etnologia brasileira. São Paulo:
Companhia Editora Nacional. 1976.
FREITAS, Marcos Cezar (org.). Historia social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez.2001.
FREITAS, Marcos Cezar & KUHLMANN Jr., Moisés (orgs). Os intelectuais na historia da infância, São Paulo: Cortez. 2002.
FREUD, Sigmund. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade, vol.VII.1905. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de S.
Freud. Rio de Janeiro: Imago. 1996.
GREGORI, Maria filomena. Viração: Experiências de meninos de rua. São Paulo: Companhia das Letras. 2000.
21/03/2008

1

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Disciplinas
Identificação da Proposta: 4283 - Antropologia e Arqueologia
Área Básica: ANTROPOLOGIA
Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO
IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PI
KORCZAK, Janusz. Como amar uma criança. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1983.
LIMA, M.S. A cidade e a criança. São Paulo: Nobel. 1989.
LOPES DA SILVA, Aracy; MACEDO, Ana Vera da Silva Lopes e NUNES, Ângela (orgs). Crianças indígenas. Ensaios antropológicos. São Paulo:
Global/Mari/Fapesp. 2002.
MACHADO NETO, Zahidé. Meninos trabalhadores. In: Cadernos de Pesquisa. Fundação Carlos Chagas, nº 31, dez. 1975.
____________________. As meninas: Sobre o trabalho da criança e da adolescente na família proletária> Ciência e Cultura, SBPC. Vol. 32, nº 6,
julho. 1980.
MALINOWSKI, Bronislaw. A vida sexual dos selvagens. Rio de Janeiro: Francisco Alves.1983.
MANNONI, Maud. Amor, ódio e separação. Rio de Janeiro: Zahar. 1995.
MAYER, Phillip (org). Socialization: The approach from social anthropology. Londres: Tavistock Publications. 1973.
MICELA, R. Antropologia e Psicanálise. São Paulo: Brasiliense. 1984.
MEAD, M. Coming of age in Samoa. New York: Morrow Quil Paperbacks. 1928.
NAKAMURA, Eunice. Depressão infantil. In: ASSUMPÇÃO Jr., KUCZYNSKI (orgs). Tratado de psiquiatria da infância e adolescência. São Paulo:
Atheneu: 2003.
NUNES, Ângela. A sociedade das crianças A?uwe-Xavante. Por uma Antropologia da criança. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional. 1999.
OVERING, Joanna. Estruturas elementares da reciprocidade. In: Cadernos de Campo. Vol. 10.
PESSOA, Maria Lídia Medeiros de Noronha. A criança, a brincadeira e a vida: Um estudo antropológico da prática lúdica de meninas e meninos
trabalhadores do bairro São Joaquim em Teresina. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. 1992.
_______________________________________. As imagens da mãe na literatura infantil: Uma interpretação da teoria estética da recepção
psicanalítica. Tese de Doutorado. PUC-RS. 2003.
_______________________________________. Crianças: Passos para a dignidade. In: Jovens e Crianças: Outras imagens. MATOS, Kelma S.
Lopes, ADAD, Shara J. H. e FERREIRA, Maria D?Alva M. (orgs). Fortaleza: UFC.2006.
POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia. 1999.
PRIORE, Mary Del (org). Historia da criança no Brasil. São Paulo: Contexto .2000.
RIZZINI, Irene. A criança e a lei no Brasil: Revisando a história (1822-2000). Brasília/Rio de Janeiro: UNICEF-EDUSU. 2002.
______________. Levantamento bibliográfico da produção científica sobre a infância pobre no Brasil : 1970-1988. Rio de Janeiro: Editora
Universitária Santa Úrsala. 1989.
SCHADEN, Ego, Educação indígena, In: Revista Problemas Brasileiros. Ano XIV, nº 152. 1976.
SILVA, M.A.S. et. Alli. Memória e brincadeiras na cidade de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. São Paulo: Cortez. 1989.
TEDRUS, D.M. A relação adulto-criança: Um estudo antropolóico em creches e em escolinhas de Campinas. Dissertação de mestrado. UNICAMP.
1987.
TREVISAN, Lucia. Um nido per crescere. Itália: Edicione Júnior. 2000.
WINNICOTT, D. W. Conversando com pais. São Paulo: Martins Fontes. 1993.
_______________. Da pediatria a psicanálise. Rio de Janeiro: Imago. 2000.
_______________. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.1975.
VORCARO, Ângela. A criança na Clínica Psicanalítica. Rio de Janeiro: Companhia de Freud. 1997.
Juventude:
ABRAMO, Helena. Cenas juvenis: punks e darks no espetáculo urbano. São Paulo: Escrita, 1994.
ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de e EUGÊNIO, Fernanda (orgs). Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2006.
AUGÉ, Marc. Os não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. São Paulo, Papirus, 1994.
BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2005.
21/03/2008

2

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Disciplinas
Identificação da Proposta: 4283 - Antropologia e Arqueologia
Área Básica: ANTROPOLOGIA
Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO
IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PI
BOURDIEU, Pierre A juventude é apenas uma palavra. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Ed. Marco Zero Ltda., 1983. p. 112-126.
BURITY, Joanildo Albuquerque (org.) Cultura e Identidade: perspectivas interdisciplinares. Rio de Janeiro, DP&A, 2002. 187 p.
CACCIA-BAVA, Augusto e COSTA, Dora Isabel Paiva da. O lugar dos jovens na história brasileira. In: CACCIA-BAVA, Augusto, PÀMPOLS, Carlos
Feixa e CANGAS, Yanko Gonzáles (orgs.). Jovens na América Latina. São Paulo: CEBRIJ/ESCRITURAS. p. 63-114
CARDOSO, Irene. A geração dos anos 60: o peso de uma herança. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, vol. 17, nº 2. Nov/2005. p. 93-107.
CARRANO, Paulo C. Os jovens e a cidade: identidades e práticas culturais em Angra de tantos reis e rainhas. Rio de Janeiro, Relime
Dumará/FAPERJ, 2002. 233 p.
________________. Juventudes: as identidades são múltiplas. Revista Movimento-UFF, nº 1. Rio de Janeiro, DP&A Editora, 2000. p. 11-27
C
ARMO, Paulo Sérgio do. Culturas da rebeldia: a juventude em questão. São Paulo: Editora SENAC, 2001.
CASTRO, Lúcia Rabello de e CORREA, Jane (orgs). Juventude Contemporânea: perspectivas nacionais e internacionais. Rio de Janeiro: NAU
Editora e FAPERJ, 2005. 320 p. Coleção Infância e Adolescência no contemporâneo.
CASTELLS, Manuel. O poder da Identidade - Vol. II. 2ª. Ed. São Paulo, Paz e Terra, 1999).p. 21-28; 71-84; 257-285.
COUTINHO, Carlos Nelson. Cultura e sociedade no Brasil: ensaios sobre idéias e formas. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A Editores, 2000. p. 37-80.
DAYREL, Juarez. Juventude, grupos culturais e sociabilidade: comunicação, solidariedade e democracia. JOVENes. Revista de Estudios sobre
Juventud Año 9, nº 22 México-DF: enero/junio 2005. p. 314-331.
______________. Juventude, grupos de estilo e identidade. Educação em Revista. Belo Horizonte: n. 30, p. 25-39, dez. 1999.
EISENSTADT, S. N. De geração em geração. São Paulo: Perspectiva, 1976.
ELBAUM, Jorge N. ¿ Qué es ser joven?. MARGULIS, Mario e Urresti, Marcelo. La juventud es más que una palabra. Buenos Aires, Editorial Biblos, p.
157-171.
ERIKSON, Erik H. Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987. 322 p.
FORACCHI, Marialice M. A juventude na sociedade moderna. São Paulo: Pioneira, 1972.
GARCIA, Sylvia G. Antropologia, modernidade, identidade: notas sobre a tensão entre o geral e o particular. Tempo Social - Rev. Soc. USP. São
Paulo, 1993. 5(1-2): p. 123-143.
GROPPO, Luis Antonio. Juventude - ensaios sobre a sociologia e história das juventudes modernas. Rio de Janeiro: Difel, 2000. 301 p.
GROSSI, Miriam. Na busca do outro encontra-se a si mesmo? In: GROSSI, Miriam (org.) - Trabalho de campo e subjetividade. Florianópolis, UFSC,
1992.
GIDDENS, Anthony (2002). Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 233 p.
HALL, Stuart. (1998). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2ª ed, 102 p.
HORMINGOS, Jaime e CABELLO, Antonio Martín. La constructión de la identidad juvenil a través de la música. Universidad Rey Juan Carlos. RES
nº 4, 2004. p. 259-270.
JANOTTI JR, Jeder Silveira. Mídia, Cultura Juvenil e Rock and Roll: comunidades, tribos e grupamentos urbanos. Trabalho apresentado no Núcleo
de Comunicação e Cultura das Minorias. XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo Horizonte-MG: 2 a 6/09/2003.
KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2002.
LAPASSADE, George. Os rebeldes sem causa. In: BRITTO, S. de. Sociologia da juventude III ? A vida coletiva juvenil. Rio de Janeiro: Zahar, 1968,
pp.113-124.
MACIEL, Luiz Carlos. Geração em transe: memórias do tempos do tropicalismo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.
MADEIRA, Felícia R. Os jovens e as mudanças estruturais na década de 70: questionando pressupostos e sugerindo pistas. Cadernos de Pesquisa
São Paulo: n. 58, p. 15-48, agosto 1986.
MAGRO, Viviane Melo de Mendonça. Adolescentes como autores de si próprios: cotidiano, educação e o hip hop. Caderno CEDES, vol. 22, nº 57.
Campinas: agosto/02. p. 63-75. Disponível em http://scielo.br/ccedes/v22n57/12003/pdf. Acessado em 12/10/06.
MARGULIS, Mario & Urresti, Marcelo. La juventud es más que una palabra. In: La juventud es más que una palabra-Ensayos sobre cultura y
juventud. Buenos Aires: Edit. Biblos, 2000, p.13-30.
MANHEIN, Karl. Funções das gerações novas. In: FORACCHI, M. M. & PEREIRA, L. Educação e sociedade - Leituras de sociologia da educação.
São Paulo: Biblioteca Universitária, 1978, p. 1-97.
21/03/2008

3

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Disciplinas
Identificação da Proposta: 4283 - Antropologia e Arqueologia
Área Básica: ANTROPOLOGIA
Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO
IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PI
_____________. O problema da juventude na sociedade moderna. In: BRITTO, S. de. Sociologia da juventude I - da Europa de Marx à América de
hoje. Rio de Janeiro: Zahar, 1968, p. 69-94.
MARCUS, George. Identidades passadas, presentes e emergentes: requisitos para etnografias sobre a modernidade no final do século XX ao nível
mundial?. In: Revista de Antropologia. FFLCH/USP, vol. 34. 1991.
MATTA, Roberto da. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.
_________________. A casa e a rua. São Paulo: Brasiliense, 1985.
_________________. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Petrópolis: Vozes, 1984.
MATEUS, Tiago Corbisier. Ideais na adolescência: falta de perspectivas na virada do século. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2002. 200p.
MELLUCCI, Alberto. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, 2001.
_________________. Acción colectiva, vida cotidiana y democracia. México: El Colegio de Mexico, 1999. p. 1-129
_________________. Juventude, tempo e movimentos sociais. In: Revista Brasileira de Educação- ANPED - Juventude e Contemporaneidade. n. 5 e
6 , 1997, p. 5-14.
MONTERO, Paula. Globalização, identidade e diferença. Novos Estudos/CEBRAP,, nº 49, Nov/1997, p. 47-64.
PAIS, José Machado. Culturas Juvenis. Lisboa: Imprensa Nacional, 1996.
PAIVA, Rita. A constituição do eu: os imperativos da interpretação e a perda do sentido. Tempo Social, Rev. Sociologia, 10(1). São Paulo: USP,
Maio/1998. p. 83-104.
PALANGANA, Isilda Campaner, Individualidade: afirmação e negação na sociedade capitalista. São Paulo: EDUC, 1998. p. 145-192.
PASSERINI, Luisa. A América da década de 1950. In: LEVI, G. & SCHMIDT, J.C. História dos jovens II. São Paulo: Cia das Letras, 199, pp.352-381.
PERALVA, Angelina T. O jovem como modelo cultural. In: Revista Brasileira de Educação- ANPED ? Juventude e Contemporaneidade. n. 5 e 6 ,
1997, p. 15-24.
POERNER, Arthur José. O poder jovem. São Paulo: Civilização Brasileira, 1968.
QUAPPER, Klaudio Duarte. ¿Juventud o juventudes? Acerca de como mirar y remirar a las juventudes de nuestro continente. In. BURAK, Solum
Donas (Compilador). (2001). Adolescencia e Juventud em America Latina. Cartago, Costa Rica: LUR-Livro Universitário Regional , 2001. p. 57-74.
SILVA, Sérgio. Identidade e complexidade: uma sociologia para os elementos emergentes da sociedade atual. (s/d). 6 p. Mimeo.
SILVA, Tomaz Tadeu. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2002. 136p.
SILVA, Valéria. Jovens no Brasil: sujeitos de tempos, espaços e expressões múltiplas. In. Matos, Kelma Socorro Lopes de et al. (Orgs.) Jovens e
crianças: outras imagens. Fortaleza: UFC Edições, 2006. p. 83-96. Coleção Diálogos Intempestivos.
______________. Constituição identitária juvenil: o excesso como produto/resposta ao não-lugar, à efemeridade e à fluidez. Revista
Política&Sociedade-PPGSP-UFSC. 5(8). Florianópolis: julho/2006. p. 123-157.
______________. Identidade Juvenil na Modernidade Brasileira: sobre o constituir-se entre tempos, espaços e possibilidades múltiplas. Tese de
Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC. Orientadora:
Profa. Dra. Janice Tirelli Ponte de Sousa. Florianópolis: fevereiro/06. 409 p.
______________. Ações coletivas juvenis na atualidade moderna brasileira: uma análise do Movimento Contra o Aumento da Tarifa do Ônibus em
Florianópolis-SC. Trabalho apresentado no Simpósio Internacional sobre a Juventude Brasileira ? JUBRA. NIPIAC/UFRJ, Rio de Janeiro: 20 a
22/10/2004.
SOARES, Luiz Eduardo. A duplicidade da cultura brasileira. In. SOUZA, Jessé (Org.) O malandro e o protestante: a tese weberiana e a singularidade
cultural brasileira. Brasília, Edit. UNB, (1999). p. 223-235.
SOUSA, Janice Tirelli Ponte de. As insurgências juvenis e as novas narrativas políticas: identidades e novas coletividades. JOVENes. Revista de
Estudios sobre Juventud Año 9, nº 22 México-DF: enero/junio 2005. p. 268-297.
SPOSITO, Marília P. A sociabilidade juvenil e a rua; novos conflitos e ação coletiva na cidade. Tempo Social. Revista Sociologia da USP. São Paulo:
v.5 n. 1 e 2, p.161-178, 1993.
TAYLOR, Charles. As fontes do self: a construção da identidade moderna. São Paulo, Edições Loyola, 1997. 670 p.
VELHO, Gilberto. Projeto e Metamorfose: antropologia das sociedades complexas. 2ª ed. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1999. p. 7-48; 84-89;
106-137.

21/03/2008

4

Antropologia e Cinema: etnografia ou documentário? Cinema: estética da recepção e representação cultural. Revista de Antropologia. a teoria interpretativa (Geertz e outras). escolas e conceitos. 1996. Cinematografia e pesquisa etnográfica. 10. catolicismo popular (nordestino. 1997. São Paulo: EdUSP. F. 1978. Rio de Janeiro: Programa de PósGraduação em Ciências Sociais-UERJ SAMAIN. 39 (2). 1995. Antropologia. O Fotográfico. J. Antropologia e Fotografia. The Sacred Canopy: elements of a Sociological Teory of Religion. In: Revista de Antropologia. Os bastidores da imagem. G. as teorias sociológicas francesas (Durkheim e Mauss). COLLIER. encarados como sistemas de classificação e como sistema de valores. E. Antropologia e arte.1998. J. In: Religião e Sociedade. (org.). P. FELDMAN-BIANCO. n. vol. BERGER. a teoria marxista (Godelier).Jr. Imagens do outro. P. as teorias simbolistas (Mary Douglas. 1992. São Paulo: Papirus. História da Antropologia Visual e das Artes: temas. Campinas: Papirus. J. 21/03/2008 5 . 1974 BENJAMIN. Antropological Approaches to the Study of Religion. B. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais-UER LEACH.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . Rio de Janeiro: Reume-Dumará. Rio de Janeiro: Zahar. Lisboa: Vega.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Evans-Pritchard). (orgs. New York: Holt. São Paulo: Abril. imagens de si. 1982. Londres: Tavistock. & MOREIRA LEITE. 09. XLVIII. Formas contemporâneas de religiosidade brasileira: umbandismo. Cultura e Comunicação: A lógica pela qual os símbolos estão ligados. O Acto Fotográfico. 1998. 10. M. Abordagem da questão dos sistemas de crenças. Bibliografia BANTON. CER/ISER. In:Cadernos de Antropologia e Imagem. C. In: Cadernos de Antropologia e Imagem. Desafios da Imagem ? fotografia. Rio de Janeiro: Programa de PósGraduação em Ciências Sociais-UERJ PINHEIRO. 1967 COLLOMB.0 Ementa Discussão das grandes teorias sobre magia e religião: as teorias intelectualistas inglesas (Tylor e Frazer). Victor Turner). Balinese Character: A Photographic Analysis. PEIXOTO. 225-73 PEIXOTO. 1942 BARNOUW. PEIRANO. E. G. P. P. fotografia: diálogos interconexos. 45. "Rituaes e Festas Bororo". M. iconografia e vídeo nas Ciências Sociais. Bibliografia AUMONT. MENEZES. 1993 BATESON. Documentary: A History of the Non-Fiction Film. Cadernos de Antropologia e Imagem. Etnografia religiosa e probidade científica. neo-pentecostalismo. A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução. E. New York: Doubleday & company. p. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais-UERJ DUBOIS. Do diário de campo à câmera na mão ou de como virar antropólogo cineasta.PI ANTROPOLOGIA DA IMAGEM E DA ARTE Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. In: Os Pensadores. e MONTE-MÓR. A imagem. A Trama das Imagens. A favor da etnografia. C. New York: Oxford University Press.8. E. 1967. P. 07. W. P. Rio de Janeiro. A Construção da Imagem do Índio como Selvagem na Comissão Rondon. o funcionalismo britânico (Malinowski. Visual Anthropology. In: Cadernos de Antropologia e Imagem. HENLEY. arte. Firth. em particular) e seitas "terapêuticas". New York: New York Academy of Sciences. São Paulo: Hucitec. 1966. 1. 2002 VERGER.0 Ementa Antropologia e Imagem. ANTROPOLOGIA DA RELIGIÃO Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. de TACCA. a teoria de Max Weber. M.).

As Formas Elementares da Vida Religiosa. Magia. GEERTZ. 1996. São Paulo: Perspectiva. A Interpretação das Culturas. Petrópolis: Vozes. Os Ritos de Passagem. Pureza e Perigo. BOURDIEU. essencialismo e construtivismo. 2004. 1999. homoconjugalidades. C.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . Rio de Janeiro: Ed. R. M. M. Gênero.).34. 1976. ________________ O Feiticeiro e sua Magia. PRANDI. ?Brasiliana? / n°249. ANTROPOLOGIA DA SEXUALIDADE E DAS HOMOSSEXUALIDADES Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. 2002. 19749. Rio de Janeiro: Zahar. 70. LÉVI-STRAUSS. E. O Ramo de Ouro. col. 1982. 1913. 1978. E. Nuer Religion. Petrópolis: Vozes. UNBEHAUM.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . (orgs. J.G. E. Sociologia e Antropologia. 1997. comportamentos e representações sociais da sexualidade e seus aspectos políticos. 1958. 1978. C. TURNER. SãoPaulo: Hucitec. Rio de Janeiro: Círculo do Livro. religiosos. ________________ et alii. In: Actes de la Recherche en Sciencies Sociales. Rio de Janeiro: Zahar. B. Sexualidades Ocidentais. S. In: Antropologia Estrutural. Londres: Oxford University Press.) O Que Ler na Ciência Social Brasileira (1970-1995): Antropologia (Volume I). E. P. Lisboa: Ed. MAUSS. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. Cultura sexual brasileira e percepção social das diferenças de sexo e gênero. E. pp. 1974. F. K. 1979. Londres: Methuen. Religion and the Decline of Magic. DURKHEIM. F. Ladinos e Crioulos: estudos sobre o negro no Brasil. THOMAS. Londres: Oxford University Press. econômicos. 1966. The Idea of the Holy. As Culturas Negras no Novo Mundo. B. Mito e Linguagem Social.PI BOAS. A Dominação Masculina. Realidade Social das Religiões no Brasil. 2006 OTTO. A. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional / EdUFRJ. O Processo Ritual. R. Os Africanos no Brasil. gênero e sexualidades. _____________________ A Antropologia Social da Religião. PIERUCCI. & R.0 Ementa O sexo e o gênero como categorias sociológicas e antropológicas e como sistemas de classificação. São Paulo: FCC/Ed. Paris: PUF. Bibliografia ARIÈS. et alii. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. RAMOS. 2002. Nacional. Corporeidade. 100. A Formação da Antropologia Americana (1883-1911): Antologia. A. EVANS-PRITCHARD. FRAZER. The Sociology of Religion. (org. _____________________ Bruxaria. P. Dimorfismo sexual. lesbianidades. Primitive Culture. C. 1956. 1962. ____________ À Propos de la Famille como Catégorie Réalisée. NINA RODRIGUES. homoparentalidades e homocultura. São Paulo / Brasília: Editora Nacional / UNB. 1985. DOUGLAS. Ciência e Religião. São Paulo: EPU. 1993 BRUSCHINI. São Paulo: Sumaré / ANPOCS /CAPES.193-214. Rio de Janeiro: Campus. MICELI. CARNEIRO. Rio de Janeiro: Contraponto/EdUFRJ. Democracia e Sociedade Brasileira. S.. Londres: Jonh Murray. 1982. V. New York: Charles Scribner's. 1970. 1964. 1978. M. Civilização Brasileira. WEBER. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1985. sanitários etc. VAN GENNEP. São Paulo: Ed. 1971. ideológicos. São Paulo: Martins Fontes. Práticas. Homossexualidades. Oráculos e Magia entre os Azande. 21/03/2008 6 . Le Totémisme Aujourd´hui. MALINOWSKI. São Paulo: Brasiliense. 1974. __________________ O Animismo Fetichista dos Negros Baianos. A. TYLOR. 1996.

The Gay Movement and the Human Rights in Brazil. G. 1994 MELLO. W. (orgs. e em configurações de sistemas produtivos que englobam atividades agrícolas e nãoagrícolas. mulheres e o meio ambiente. __________ Sexo entre Homens: consciência da Aids e comportamento sexual entre homens homossexuais e bissexuais no Brasil. POCAHY.). In: Latin American Perspectives. novos problemas. Rio de Janeiro: Garamond. S. In: Lopes. GOLIN. Bibliografia ALMEIDA. 2002. Crônicas de um Gay Assumido. 2000. (orgs. (org. C. Rio: Record. com atenção às relações entre homens. Rio: Record. G. Lille: GKC. Chicago: University of Chicago Press. Third Gender: beyond sexual dimorphism in culture and history.).Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 2003 FOUCAULT. P. São Paulo: UNESP. Porto Alegre: Sulina. Além do Carnaval. J. FRY. Nu & Vestido: Dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. 1998 PARKER. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Análise interna dos diferentes tipos de "comunidades". L. grupos e categorias que compõem o universo rural. Novas Famílias: conjugalidade homossexual no Brasil contemporâneo. ________ The Emergence of the Brazilian Gay Liberation Movement. 1987. Third Sex. 1993. GOLDENBERG. ANTROPOLOGIA DAS POPULAÇÕES RURAIS Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. 2001 SCOTT. J. Humanidades. nas relações com o urbano. Albuquerque: New Mexico University Press. P. Corps. Genres. com atenção às novas configurações do próprio "mundo rural". E. Rio de Janeiro: Record. R. P. M. terras de índio: posse comunal e conflito.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . A. Terras de preto. (org. M. História da Sexualidade. 2004. 2003 GONTIJO.). A. inclusive. 1995 ________. (orgs. 42-48. CARRARA. Garcia (orgs. 21/03/2008 7 . M. The Construction of Homosexuality. Social Perspectives in Lesbian and Gay Studies. (org. 2000. A. GIDDENS. Porto Alegre: Livraria do Advogado/ Escola Superior da Magistratura Federal-RS. Rio: Relume-Dumará. M. MacRAE. 1977-1981. Paris: EHESS. J. (org. In: Murray. Carnaval e SIDA. 2004. D.. R. Homossexualidade: uma história. Londres: Routledge.). E.). Tese de Doutoramento. Rio de Janeiro: Graal. mimeo. S. 1991. Nova York: Zone Books.. O Que é Homossexualidade? São Paulo: Brasiliense. A.. p. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. FREYRE. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. G. 1988. A. 2002 GREEN. B. F. GREGORI.. Tese de Doutorado. M. J. Modos de Homem & Modas de Mulher. R. Recife: SOS/CORPO. Imagem e Diversidade Sexual: Estudos da Homocultura. 1994 GREENBERG. Carioquice ou Carioquidade? Ensaio etnográfico das imagens identitárias homossexuais. terras de santo. RIOS.).0 Ementa Abordagem antropológica das relações sociais e simbólicas de modos de vida e sistemas de produção agrários. 80: 21 (1): 38-55.). In: Goldenberg. M. 1994 PISCITELLI. São Paulo: UNESP. C. 1999 UZIEL. n.) A Justiça e os Direitos de Gays e Lésbicas: Jurisprudência Comentada. A Transformação da Intimidade. Prazeres e Paixões. Rio: Record. D. Sexualidades e Saberes: Convenções e Fronteiras. R. 1988 GRISOLETO. R. Família e Homossexualidade: velhas questões.F. B.PI BUTLER. na contemporaneidade. 15. Campinas: UNICAMP. 1988. 4. L. In Parker.. Uniões Homossexuais e Entidade Familiar: Contribuições do Direito Comparado e dos Tribunais do Sul do País. Brasília: UnB. A Homossexualidade no Direito. O. p. 1989 SPENCER. Posição das chamadas "comunidades" rurais nas sociedades complexas. Corpos.359-364 HERDT. W. Latin American Male Homosexualities. Rio de Janerio: Record. 1998 __________.. 2000 __________. (org. H. Rio de Janeiro: Guanabra-Koogan. 2003 NARDI. R. Apparences et Pratiques Sexuelles: socio-anthropologie des homosexualités sur une plage de Rio de Janeiro. A Aids no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond. & W. 1983. v. SCHNEIDER.) Os Novos Desejos. RIOS. São Paulo: Nojosa. F. 2005 MOTT.

21/03/2008 8 . Granada. _____________. GARCIA.estudo de uma feira de usina. Granada: Anthropos. p. F. p. Rio de Janeiro: Contracapa. 1984. FUKUI. 1974 DUQUE-ARRAZOLA. L. _____________. [196-]. p. ___________. E.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 1. G. R.. A Viagem da Volta: Etnicidade. 1981. La organización de la unidad economica campesina. 1985. M. 378 p. A condição camponesa: aparência e realidade no capitalismo. 257 p. 1995. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Terra de índio: terras de uso comum e resistência camponesa. 1996. R.. G. CARNEIRO. ALCANTUD. BRANDÃO. (Coleção Grandes Cientistas Sociais). 1988. 1990. 1972. Racionalidade e irracionalidade na economia. Excedente econômico e exploração. São paulo: àtica. A. EVANS-PRITCHARD. 37-46. 66-72. G. 400-411. Colcha de retalhos. 1980.PI ________________. 1999. 1979 (Coleção ensaios). 1998. ___________. CHAYANOV. 10 p. Campesinato de terras de uso comum e crise ecológica. (Org. Le sens pratique. H. Sertão e bairoo rural.Universidade de São Paulo. Invenção ou Renascimento? Gênese de uma sociedade indígena contemporânea no Nordeste. São Paulo: Perspectiva. Campinas: Papirus. J. M. O sul: caminho do roçado. Rio de Janeiro: Paz e terra. Rio de Janeiro: UFRJ/PPGAS. (org. Mexico: Siglo XXI. Rio de Janeiro: Marco Zero/Brasília/DF: UnB/MCT-CNPq.) Pierre Bourdieu. 46-81. El uso del espacio: condutas y discursos. M. 190 p. 194 p. E. Coloquio Internacional. MOLINA. Buenos Aires: Nueva Vison. (GT Padrões de Herança. J. Museu Nacional. (Org. GARCIA. _____________. Vidas irrigantes. São Luís: Cáritas Brasileira Estudos e Pesquisa. J. GARCIA JR. The peasant family. PPGAS. 1991. São Paulo: Ática. 12.) Carajás: desenvolvimento ou destruição? São Luís: CPT. 344 p. Basic concepts of rural sociology. _____________. S. n. cap. pp. R. 147 p. 91-136. P. 1998. Trabalho apresentado na REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. Estratégias de reprodução camponesa e tranformaçção social.. Terra de trabalho. 24. Tese (Doutorado em Antropologia) . Rio de Janeiro: Museu Nacional. C. organização social e questão ambiental no meio rural brasileiro). L. B. GODELIER. 1989. Peasant economics: farm house-holds and agrarian development. E. G. ORTIZ. v. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). 1979. M. Chayanov e la teoria de la economia campesina. GALESKI. 1994. 4. v. Rio de janeiro.) Godelier ? Antropologia. (Relatórios de Pesquisa).II Semestre. pp. 1981. Plantar. 18 p. _____________. _____________. Os Nuer: uma descrição do modo de subsistência e das instituições políticas de um povo nilota. (Coleção Elos).. 3. A. R. Curso HS 139 A . ______________. ___________. 21. T. Manchester University. A produção de carvão vegetal e o plantio de eucalipto no leste maranhense. 1982. Paris. GODELIER. ritos y realidades. Série Antropologia. Rio de Janeiro: Graal. 1979. O afeto da terra. GARCYA. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Bacurau . São Paulo: Ática. colher. 397 p. O desencantamento do mundo. 1998. p. 7-36. 1983. BOURDIEU. Parceiro e parentes. Os gaúchos descobrem o Brasil: os pequenos produtores agrícolas do sertão maranhense frente à implantação de projetos agropecuários. São Paulo: Perspectivas. Esboço de uma teoria da prática. Belém. Campinas: Editora a UNICAMP. CONCEIÇÃO. ANDRADE. BARRETO FILHO. Cambridge: Cambridge University Press. ES. 1994. n. jul. Rio de janeiro: Paz e Terra. FORMAN. comer. _____________. La tierra: mitos. M-F. Somos as águas puras. A. F. G. p. Imagens e narrativas agrárias: ementa do curso de Antropologia das Sociedades Agrárias. CARVALHO. 15-64. A farsa dos projetos de manejo florestal sustentado: fachada ecológica para a devastação e concentração fundiária. 1981. ELLIS. Minuit. M. Terra de pobreza: um estudo antropológico de uma comunidade rural piauiense. 276 p. política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. São Paulo: Brasiliense. Vitória. 15-18 de abril de 1991. Press. 340 p. 1976.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . Campinas: UNICAMP. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Universidade Federal da Paraíba. L. Camponeses: sua participação no Brasil. 1974. 1978. 1999. P. Ciência Hoje. 1986. UFRJ.

Um povo do cerrado entre baixões e chapadas (modo de vida e crise ecológica de camponeses/as nos cerrados do sudoeste piauiense). De camponês a agricultor familiar: imagens do campesinato como identidades da ordem da razão. NEVES. SDR/MA. Sociologia e antropologia. (org. A morada da vida. 121-134. Paris: L?Harmattan. n. MAUSS. n./2003. Anais. 21/03/2008 9 . Redes e enredos nas trilhas dos migrantes. com uma introdução à obra de Marcel Mauss. 1994. 1987. Revista de Ciências Sociais. R. 1980. M. Campina Grande: UFPB. 142 p. 2000. Trabalho familiar de pequenos produtores do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro. 1988. D. MARTINE. forma e razão da troca nas sociedades arcaica. 1989. São Paulo: Cortez/ANPOCS. (Org. Vaqueiros. São Paulo: Anpocs/Vértice. p.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . M. D. 1985.) Agricultura familiar: desafios para a sustentabilidade (coletânea). MALUF.. PINSKY. G. 41-57. n. M. G. 1989/1990. (org). jan. MORAES. 2002. M. São Paulo: HUCITEC. pp. POLANYI. MOTT. GARCIA. vol II. potencialidades e constrangimentos. Teresina: Projeto Petrônio Portela. A grande transformação: as origens da nossa época. narrativa e trajetória de mulheres camponesas nos cerrados piauiense. A. Diferenciação soecioeconômica do campesinato. A chegada do estranho. O. _______________. (org. 336 p. 164 p. Cadernos de Sociologia. p. de Claude Lévi-Staruss. MARTINS.) Os impactos sociais da modernização agrícola. H. 1-29. Fortaleza. POMPA. 37-184. Artigo aceito para publicação: Coletânea História Social do Campesinato. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. PORTO.) Agricultura familiar. Falas da experiência feminina: memória. n. I. atores e memórias . 475 p. 11 a 14 de Junho de 2006. Multifuncionalidade e agricultura familiar. MEYER. Um estudo de famílias de camponeses migrantes. PORTO ALEGRE. Campinas: UNICAMP. 20 p. 20/21. M. _______________. HEREDIA. 18 p. 17-37. Piauí colonial. D. M. 2007. Rio de Janeiro: Campus. campesinato e patronagem na Amazônia Oriental. O mito da terra liberta: colonização ?espontânea?. H. BIB/ANPOCS. MOURA. 10 CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL/2000. 17. 265 p. A. NEVES. M. BASTOS. CARNEIRO. 9. et al. 25-47. M.. R. S. Goiânia/GO. R. WANDERLEI. São paulo: EPU/Edusp. 1977. PALÁCIOS. C. D. S. LAMARCHE. 1979. v. Rio de Janeiro: Paz e terra. Os deserdados da terra: a lógica costumeira e judicial dos processos de expulsão e invasão de terra camponesa no sertão de Minas Gerais.N. (Ed. vol. L. São Paulo: Caetés. O econômico e o familiar: interdependências. O. (Edição especial). L´agriculture familiale: du mythe à la réalité. (org. Capital e trabalho no campo. Sociedades camponesas. 1993. Aracaju: Embrapa-CPATC. LIMA. _______________. pp. Rio de janeiro: MAUAD. (CD Rom). RAÍZES. n. Memórias de um sertão desencantado (modernização agrícola. P. D. 1985. 303 p. pp.B. M. Ensaio sobre a dadiva. 419 p.) Produção familiar. agricultores. DUQUE. São Paulo : Hucitec.35. 13-33. narrativas e atores sociais nos cerrados do sudoeste piauiense). 1978. 1998.6. K. 1994. Campina Grande: UFPB. Para além da produção. 38. 186 p. J. Campesinato e historiografia no Brasil. M. p. p. A pequena produção no Brasil: entre os conceitos teóricos e as categorias empíricas.o caso piauiense. N..). Multifuncionalidade e agricultura camponesa nos cerrados piauienses: desafios para a sustentabilidade. C. 1998. VILELA. 1974 MENDRAS. B. Os crespos do sertão. As estratégias de sobrevivência dos pequenos produtores: o caso das migrações. Rio de Janeiro. 250 p.. 75-80. Campina Grande. MENEZES. 1993. 1. R. S. Porto Alegre. E.. Raízes. P./jun. n. H. pp. M. 102-122. M. 30-45. 2000. G. artesãos: origem do trabalho escravo no Ceará colonial. (2003). N. 1997. MOTA. Rio de Janeiro ? RJ. C. 1993. B. _____________. (Org. UFPB. Parque Nacional Serra da Capivara: um drama social. (No prelo). Campinas: UNICAMP. J. M. L. comentários sobre algumas obras notáveis. Tomo IV. Raízes-Revista de Ciências Sociais e Econômicas. Campina Grande: UFCG. _______________. O trabalho volante na agricultura brasileira.). 1 /2. Rio de Janeiro: Zahar.. Agricultura camponesa e modernização agrícola nos cerrados: processos. Universidade Estadual de Campinas. Campinas: PPGAS/UNICAMP.. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Ciências sociais hoje.PI GONZALES. 22. 1988. 28 p. pp. ANAIS 25ª RBA. L. C. LAMARCHE. X CONGRESSO MUNDIAL DE SOCIOLOGIA RURAL. J. C. pp. 1994.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . D. MORAES. G. MUSUMECI. A terra dos Santos e o Mundo dos Engenhos.

B. VELHO. Repensando o Social). 05 a 09/09/05. L. SALES. M. 13. 48-71. A agricultura familiar no Brasil: um espaço em construção. 25. 141 p. et al. 192 p. _______________. O pão da terra: propriedade comunal e campesinato livre na Baixada Oriental Maranhense. 1979. Universidade Federal do Piauí. 1980.. 370 p. Sociedades camponesas. Capitalismo autoritário e campesinato: um estudo comparativo a partir da fronteira em movimento. et al. Rio de Janeiro: UFRJ/PPGAS. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. pp. J. fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. J. 1980. 370 p. O sitio camponês. Presidente Venceslau/SP: Letras à margem. revuelta y consciencia de classe: estudios sobre la crisis de la sociedad pre-industrial. 6 p. SILVA.PI QUEIROZ. G. n. 1981. Conversa bonita. FELDMAN-BIANCO.. São Paulo/Brasília: HUCITEC/EDUMB. 375-402. Rio de Janeiro: Zahar. F. SILVA. parentes e compadres: colonos do Sul e sitiantes do Nordeste. S. SILVA. S. A. J. Lisboa: Edições 70. Outubro de 1996. 261 p. 29-68. B. SABOURIN.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . n. 1999. ________. 246 p. Rio de Janeiro: Zahar. E. __________________. São Paulo: Global Universitária. 148 p. Estudos CEBRAP. N. New Hawen. 1987. 1986. WOORTMANN. 28 de outubro a 03 de novembro de 1999. Rio de Janeiro: Zahar. L. M. MG. São Paulo. 2002. A sociedade agrária como fluxo organizado: procesos de desenvolvimento passados e presentes. 150 p. 1988. SOARES. E. Campinas. M. Dissertação (Mestrado em História) Universidade Federal Fluminense.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . p. J. Antropologia do Campesinato). In:-----. (Coord. Cassacos e Corumbas. Conn: Yale University Press. V Encontro de História Oral. SÁ. SHANIN. WHITAKER. T. M. p. The idea of progress. M. São Luiz-MA. WANDERLEY. Chapel Hill: The University of North Carolina Press. In: Anuário Antropológico/81. VINCENT. E. B. 21/03/2008 10 . Seminário . São Paulo: Vozes. 1981. Raízes históricas do campesinato brasileiro. São Paulo: Fundação Editora da UNESP. mai. Maranhão. Sociedades tribais.. 2000. CARON. SILVA. SANTOS. P. A. O sitiante tradicional e a percepção do espaço. 115-20. E. P. E. Tradición. 1993a. CICLO DE ESTUDOS TEODOR SHANIN. J. 1978. Camponeses e criadores na formação social da miséria em Porto da Folha no Sertão de São Francisco (1820-1920). Campesinato: ideologia e política. 20 p. São paulo àtica. Errantes do fim do século. E./jun. W. O trabalho escravo na agricultura contemporânea brasileira e o aliciamento de camponeses na região dos cocais. J. 336. 1976. A. 1973. E. v. C.G. p. 1982. jan. action collective e intervention externe.CHRÉTIEN. Changement sociaux. A construção de um novo olhar sociológico sobre o campo. SABOURIN. Caxambu. M. M. 62-134. 1977. Herdeiros. pp.. A. ROCHA. (Cadernos de Sociologia Número Especial). Barcelona: Crítica. 1995. A modernização dolorosa: estrutura agrária. Rio de Janeiro: Zahar. 1999. T. 26. São Paulo: Global. 159 p. Teresina: UFPI. M. pp. Recife. 1984. Carta CEPRO.) Antropologia das sociedades contemporâneas: métodos. VALENSI. M. . (Org. São Paulo: DIFEL. RANDLES. 1975.). 361 p. Guerras camponesas no século XX. L. 1983. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: 1983. Montpellier: Editions du CIRAD. A definição de camponês: conceituações e desconceituações. 1976.L. G. 230 p. Sociologia rural: questões metodológicas emergentes.T. THOMPSON. V. SILVA. (2005) O lugar da narrativa no estilo de vida camponês. 1984. La economia moral de la multitud en la Inglaterra del siglo XVIII. 1995. Para uma história antropológica: a noção de reciprocidade. (2/3): 37-57. São Paulo: Editora da UNESP. GT 17 (Processos Sociais Agrários).. D. C. Paysans du Sertão: les mutations des agricultures familiales au Nordeste du Brésil. SUAREZ. I. M. O campesinato brasileiro. SAHLINS. História e Cultura. 77-84. 11 p. In: Anuário Antropológico/81. The Devil and Commodity Fetishism in South America. Curitiba. A duplicidade das regras numa colônia agrícola. (Collection Repères). 41-80. Reforma Agrária.Saber e reprodução camponesa. M. 264 p. A pequena produção rural no estado do Piauí. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) ? Museu Nacional. F. 1. 164-203. Porto Alegre: UFRGS/SBS. O./dez. SILVA. Trabalho apresentado no XX Encontro Anual da ANPOCS. J. p. 2004. 1983. SCOTT. Trabalho apresentado à XV Reunião da Associação Brasileira de Antropologia (G. Dissertação de Mestrado em Políticas Públicas. The moral economy of peasantes: rebelions and subistense in the southeast Asia. 147-209. Teresina. TAUSSIG. Errantes do fim do século. (Natureza. Mesa Redonda 03 ? Memória e Narrativa do Mundo Rural. WOLF. _________. SILVA. p. p. L..

2005. Paris: Mátailié. LE BRETON. Corpo e sociedade. FERREIRA. Pierre.: LOURO. Silvana Vilodre (orgs). In. Brasília: UNB. Humanização da saúde. saúde pública e cultura. Brasília: Ed. Sociologia da doença e da medicina. UnB. ed. 1966. Ano XII.nos rastros do sujeito. Wilson Correia. doença e diversidade cultural.5. GOELLNER. São Paulo: Duetto. In. n 2/97. Representações da morte e do envelhecimento. Paulo César & MINAYO. O lugar do íntimo na cidadania de corpo inteiro. Jane. In. 2005. Lisboa: Instituto Piaget. Rio de Janeiro: FIOCRUZ. MCCALLUM. CECCHETTO. MAUSS. In. Horace. A construção social dos corpos. Cultura. Maria Cecília de Souza (org. modismos e cultura. RODRIGUES.Saúde. Representações da dor e do sofrimento. O homem-satélite . In.Estética e mutações do corpo na sociedade tecnológica. Fátima Regina. 1998. Ijuí: Unijuí. SP: EDUSC. 2003. Rio de Janeiro: Editora FGV. Michel.Corpo. FOUCAULT. Rio de Janeiro: Graal.) A saúde e doença: um olhar antropológico. SILVA. 2004. MINNER. Saúde. American Anthropologist. GOELLNER. Marcus. Drogas e introdução à etnofarmacologia. WOORTMANN. HERZLICH. Capitulo . Maria Lúcia & CASTRO. São Paulo: Cossac & Naify Edições. O campesinato como ordem moral.: HELMAN.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . RJ: Vozes.: LOURO. Edvaldo Souza. masculinidade e violência. DOEL. São Paulo: Annablume Editora.0 Ementa Antropologia e Saúde.). Jaqueline. Corpos modificados . 1990. Edvaldo Souza. 58. DA SAÚDE E DA DOENÇA Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. Guacira Lopes. RJ: Vozes. Rio de Janeiro: Edições Graal. BOURDIEU. vol. Tomaz Tadeu da (org). Violência e estilos de masculinidade. 2004. Gláucia. Belo Horizonte: Autentica. O ritual do corpo entre os sonacirema. 2. Dimensões socioculturais do corpo. Capítulo 1 . COUTO. 1999. ANTROPOLOGIA DO CORPO. Rio de Janeiro: Fiocruz. Cecil G. (org. 1983. Corpos sem órgãos: esquizoanálise e desconstrução. Bibliografia Corpo: ADAM. FELIPE. In. Paulo César & RABELO. Rio de Janeiro: Relume Dumará.Uma imagem ampliada. Percursos terapêuticos entre "tradição" e "modernidade". Nunca fomos humanos . 2003. In. Claudine.As técnicas do corpo. 2003. 2001. ________________. Técnicas e tecnologias corporais. Miriam Cristina (orgs. 2001. 2ª edição.: ALVES. Philipppe. Bauru. O corpo que sabe: da epistemologia kaxinawá para uma antropologia médica das terras baixas sul-americanas. A produção cultural do corpo. . Genética e bioética. setembro/2005. Marcel. Jane. Silvana Vilodre. FELIPE. Revista Estudos Feministas. Paulo César. 2003. Rio de Janeiro: Achiamé. 2006. Antropologia da saúde: traçando identidade e explorando fronteiras. As classes sociais e o corpo. A Dominação Masculina. Capítulo 4 . Cecília. Danielle. gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação / Petrópolis. Corpo: território da cultura. David. Com parente não se neguceia. 1985. 2001. RJ: Vozes. Saúde & Doença. 2004. Representações sociais e sistemas simbólicos. Terapias alternativas. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Capitulo 2 . Maria Cecília de Souza (orgs. K. 1994. Porto Alegre: Artmed. nº 152. gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação / Petrópolis. 21/03/2008 11 .Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . COUTO. Silvana Vilodre (orgs). ARDAILLON. 4ª ed.Definições culturais de anatomia e de fisiologia. Anuário antropológico/87. F. doença e suas interpretações culturais e sociais. Guacira Lopes. Cecil G. Tabu do corpo. LEAL. A sociologia do corpo. O corpo sígnico.Dor e Cultura. Capítulo 2 .Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. BUENO. Corpo. Você tem fome de quê? In. Capítulo 7 . Produção cultural e usos do corpo.: ALVES. Saúde e doença: um olhar antropológico.: Revista Viver mente & Cérebro. 2002. ALVES. Vol. 1984.PI WOORTMANN. Petrópolis. HELMAN. L´adieu au corps. RJ: IFCS/UFRJ. Causas externas de morbimortalidade. José Carlos. Ana Lúcia de. GOELLNER. Representações da doença. MINAYO. E.) Significados da terra. Sociologia e Antropologia. ABREU. BOLTANSKI.). Corpo. Luc.O saudável e o doente na cibercultura.

1994 BARROS JR. In. Febrônio Índio do Brasil: Onde cruzam a psiquiatria. Rio de Janeiro: Fiocruz.). M. Tomaz Tadeu da.F. 1984.W.J. pp. Estigma: Notas sobre manipulação de identidade deteriorada. C.E. F. Críticas e Atuantes: Ciências Sociais e Humanas em Saúde na América Latina. R.. Rio de Janeiro: Graal.) Aids e seus Desnudamentos. (orgs. políticas e revolta.S.S. BOLTANSKI.. 1994 PERLONGER. 2000 GOFFMAN. a profecia. J. Belo Horizonte: Autentica. 1982. 2001 HELMAN. AIDS no Brasil: A agenda de construção de uma epidemia. As Classes Sociais e o Corpo. Construção Social da Enfermidade. Uma História da Saúde Pública. São Paulo: Martins Fontes. 1975 GONTIJO. 1995 SCLIAR. Carioquice ou Carioquidade? Ensaio etnográfico das imagens identitárias cariocas.115-128 DUARTE.P. Saúde e Doença. 1991 MINAYO. São Paulo: Brasiliense. LEAL.) Saúde Pública: Histórias.F. O Controle das Endemias no Brasil e sua História. No Universo da Beleza: Notas de campo sobre cirurgia plástica no Rio de Janeiro. 55. In: Ciência e Cultura..). (org.).. Rio de Janeiro. AIDS no Feminino: Por que a cada dia mais mulheres contraem AIDs no Brasil? Rio de Janeiro: EdUFRJ. E. C. (org. Saúde Pública.41-77. Nu & Vestido. 3. L. A Doença como Metáfora.)..327-358 PARKER. In: FRY. As Ciências da AIDS & a AIDS das Ciências: O discurso médico e a construção da AIDS. Porto Alegre: Globo. F. pp. Saúde e Doença: um olhar antropológico. 2002 SILVA. G. In: Goldenberg. 2002. 1998. Rio: Fiocruz. Anabolizantes: Droga de Apolo. 1983 GALVÃO. jul/set. In: Saúde e Sociedade.D. L.F. 37. 1994 COELHO. Nós. Médicos. V. Saúde e Doença: ADORNO. Políticas do Corpo: Elementos para uma história das práticas corporais. pp. M. 1983 FRY. 34. 189-261 FREYRE. Rio de Janeiro: EdUFRJ..A. Cultura. 3. P. 139-188 SANT´ANNA. 1994 RUSSO. (orgs. (orgs. G. (org. 1993 SABINO. 2007. Nu & Vestido. 9(3): 349-363. J. P. São Paulo: Scipione. K. (orgs. P.). O Corpo da Bruxa.11-24 ALVES. Doentes e Contextos Sociais. A Construção da Solidariedade: AIDS. Rio de Janeiro: Graal.A.: SILVA. Interesses e Instituições na Política de Saúde. R. 1984 21/03/2008 12 . São Paulo: Hucitec. 1998 EDMONDS.. Perturbação: perspectivas etnográficas. N. Sofrimento. M.65-80 FRY. R. R. Rio de Janeiro: Fiocruz. GUIMARÃES. Caminhos Cruzados: Linguagem. 1993. CAMARGO Jr. In: Goldenberg. Rio de Janeiro: Relume-Dumará / ABIA / IMS-UERJ. Porto Alegre: Artes Médicas. In: Goldenberg. Rio de Janeiro / São Paulo: ABIA / Ed. Rio de Janeiro: Record. 1994. TAVARES. pp. Cad. sexualidade e política no Brasil.44-47 SONTAG.B.C. M. 2. Movimento Social e Participação: A saúde na esfera pública. L. Tomaz Tadeu da.).8-23 ROSEN. Rio de Janeiro: Booklink. A. 2000. (org. C.. SILVA. 2002. In: Goldenberg. 2002. Antropologia do Ciborgue as vertigens do pós-humano. (org. In: Religião e Sociedade. A. 1992.G. Rio de Janeiro: Relume-Dumará / ABIA / IMS-UERJ.S. Rio de Janeiro: Record..PI SEVALHO. S. E. O Que é Homossexualidade? São Paulo: Brasiliense. F. MINAYO. São Paulo: Cortez & Moraes. 2003.. Corpo contra a Palavra: As terapias corporais no campo psicológico. MaCRAE. Antropologia da Doença.C.). J. Rio de Janeiro: Record. Doença. ciborgues: o corpo elétrico e a dissolução do humano.). P. O.D. pp. M. F. 1978 OSÓRIO. Rio de Janeiro: Record. pp. COIMBRA Jr. pp.C. 1. & C.C. (orgs. Nu & Vestido. Droga e Êxtase. (org). antropologia e ciências naturais. Rio de Janeiro: Zahar.. 2002.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 .O. pp. (org.). 1994 LAPLANTINE.R. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. a homossexualidade e a lei.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Saúde e Sociedade no Brasil: Anos 80. 13. D. Gil. São Paulo: Estação Liberdade. 1994. Rio de Janeiro: ABRASCO / IMS-UERJ / Relume-Dumará. GUIMARÃES. Nu & Veestido. pp. 2005 MORAIS. 1. M. M.R. Uma abordagem histórica das representações sociais de saúde e doença.

Qualidade de vida e idade madura. 2002. M. BRUNO. BERQUÓ. Rio de Janeiro. FFLCH/USP. Campinas: Papirus. E. V. 14. Sesc. In: Revista A Terceira Idade. 1998. Guita G. São Paulo: Editora 34. n.) Cidadania e Violência. 1992 VELHO. Bauru. Considerações sobre o envelhecimento da população no Brasil. (org. Dimensões analíticas de classe. O curso da vida. corpo e imagens do processo de envelhecimento. S.). 1997. Vera (Org.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Rio de Janeiro: EdUFRJ / Ed. Maria Coleta de. Velhice e culltura. In: LIBERALESSO.). Representações sociais da velhice.W. Zahar. Algumas considerações demográficas sobre o envelhecimento populacional. Famílias contemporâneas: geração. Claude. n. Ano X. GEERTZ. 1989 SOUSA. Terapeutas e Educação em Saúde na Pós-Modernidade. Antropologia e Feminismo. Terapias. São Paulo. Cristina (Org. Anita. Estudos de gênero no Brasil. Didice G. São Paulo: Cortez. 1999. BERQUÓ. N. p. Paola. grupo doméstico. DEBERT. chefia feminina e famílias homossexuais. 1999. Elza. Mitologia e envelhecimento.). Campinas: Papirus.). Edusp. O nascimento da velhice. pós-modernismo e desconstrução. Campinas. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. BERQUÓ.PI __________ AIDS e suas Metáforas. Imagens da Velhice: o olhar antropológico. (orgs.B. Perfil demográfico das chefias femininas no Brasil. A. NERI. Pesquisa Social em Saúde. A interpretação das culturas.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . parentesco. Ecléa.. Elza. (org. trabalho. ano X. CACHIONE.F. BEAUVOIR. A velhice. sexualidade. Bibliografia ALMEIDA. "Antropologia e velhice". Família no Brasil: análise demográfica e tendências recentes. A reinvenção da velhice. Velhice e Sociedade. 1993. CAPPELLIN. 1990. Meire. In: Ciências Sociais Hoje. SP: EDUSC. In:____ (org. 1975. FEATHERSTONE. L. Família: velhos e novos modelos. _________. SP: Alínea. movimentos sociais e violência.P. OLIEVENSTEIN. 1994. São Paulo. OLIVEIRA. Epistemologia e abordagens teóricas feministas. Anita Liberalesso. São Paulo: Companhia de Letras. ANTROPOLOGIA DO GÊNERO E DA FAMÍLIA Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. democracia e sociedade brasileira. São Paulo. A velhice como uma construção social. Rio de Janeiro. São Paulo: Boitempo Editorial. In: BRUSCHINI. 2001. das Letras. Bibliografia ABRAMO. p. V. São 21/03/2008 13 . ALVITO. G. p.). C. Brasília. Sesc. Conflitos de gerações. 2003. 1996. Relações sociais de poder: microfísica e teoria da prática.0 Ementa Produção de sentidos e envelhecimento. 1994. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 11-40. M. Rio de Janeiro. FGV. A situação da mulher Latino-Americana. 1978. Mulher e trabalho: experiências de ação afirmativa. 13. A identidade estigmatizada dos velhos. 15. GOFFMAN./1998. Dissertação de mestrado. _______________. Gênero. São Paulo. São Paulo: Cia. A velhice e o envelhecimento na pós-modernidade. Zahar Editores. 2000 SPINOLA. In: DELGADO. IFCH/Unicamp. Qualidade de Vida no Adulto Maduro: interpretações teóricas e evidencias de pesquisa. G. São Paulo PUC-SP. In: A Terceira Idade. Quem educa os idosos? Um estudo sobre professores da Universidade da Terceira Idade. 9-55.. Autonomia e cidadania: caminhos e possibilidades para o ser idoso. E. MPAS (mimeo.). Gênero. SOARES. 2000 ANTROPOLOGIA DO ENVELHECIMENTO Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. Leonardo. 2000. BOSI. dez. Nova Fronteira. nº. matrifocalidade. In: Textos Didáticos. G. Tese de Doutorado.0 Ementa Gênero como perspectiva de análise. DEBERT. Laís. 30-64.

FOUCAULT. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano.Campinas. Teoría Sociológica Contemporanea. 1995. 2000.C. Diciembre de 1994. 1993. p. 20. Famílias e gênero: uma proposta para avaliar (des)igualdades. Maria Luiza. Michel. In: MARUANI. As novas fronteiras da desigualdade. Campinas. A transformação da intimidade: sexualidade. Patricia Madoo. CAVALCANTI. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. HEILBORN. 1995. HARAWAY. 2004. HEILBORN. FRANCHETTO. Rio de Janeiro: Graal. p.8. FONSECA. In: Cadernos PAGU. MACHADO. Maria Luiza. Gloria.1. 1999. 67-110. Maria Isabel Baltar da. 10 palabras clave sobre mujer. 3. Enrique. Centro de Género. In: Interface . Família e sexualidade. 2. 83-110. George (org. Campinas. Lia Zanota. Belo Horizonte: Autêntica. p.). BOURDIEU. amor e erotismo nas sociedades modernas. Saúde. p. 1997. RJ: IFCS/UFRJ. Bruna. género y mujer. 141-155. p. Recife: UFPE. Interamerica.183-221. HEILBORN. Feminismos. La Categoría de Género en las Ciencias Sociales Contemporáneas. Campinas. GIRALDO. Ana Maria. Estudos de gênero no Brasil. 1993. 17. In: Discurso. 1992. DEBERT. 1990. Adriana. 1993. Fin de Siglo: Género y Cambio Civilizatório. Anthony. Uma Genealogia do Gênero.: SCOTT. Gabriela. Celia (Coord). Razões práticas: sobre a teoria da ação. ed. GOLDANI. nº 2. 2000. Revista de Antropologia. 1997. 2003. 1995. 2000. S. Rio de Janeiro: Zahar Editores. In: RITZER. dez. Brasília: CAPES. Helena. A reinvenção da velhice. Las famílias en América Latina. 1981. NIEBRUGGE-BRANTLEY. MENDES. Famílias e individualismo: tendências contemporâneas no Brasil. Pierre. In: Cadernos Pagu.). In: Perspectivas Antropológicas da Mulher. HARDING. Fernando Urrea. Isis Internacional ? Ediciones de las Mujeres. Mulheres e homens no mercado de trabalho brasileiro: um retrato dos anos 1990. Judith. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. SP.1. BUTLER. n. (Série Família e Gênero).Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. n. Sobre la Categoría de Género . 2. Margaret. In: SILVA. permanências e desafios. Ediciones de las Mujeres. Manifesto ciborgue: ciência. Navarra. ed. RIBEIRO. Gênero em perspectiva. 1993. 1996. Trabalho e gênero: mudanças. Teresita.. ISIS Internacional ? Ediciones de las mujeres. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Ivete. Tomaz Tadeu da. 1994.) Pesquisando Gênero e Família. Mulheres no PREZEIS: conquistando a cidadania e redefinindo as relações de gênero. Isis Internacional. Editorial Facultad de Humanidades.). São Paulo: Editora 34. HIRATA. São Paulo: Sumaré/ANPOCS. Revista Horizontes Antropológicos. Maria Rosa.PI Paulo: Vértice/ANPOCS. CARVALHO. 1. v.Comunicação. Teoria Feminista Contemporanea. In: AMOROS. 21/03/2008 14 . Educação. tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. LENGERMANN. . ROCHA. São Paulo: EDUC/Cortez. n. Sérgio (Org). Los estudios de género y sus fuentes epistemológicas: periodización y perspectivas. 2002a. v. 1. GIDDENS. 17. n. MIGUEL. 2000. La Manzana de la Discordia.11-26. Eud. Antropologia e Feminismo. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. São Paulo: Editora Senac. Bila. Santiago-Chile: Editora Regina Rodríguez. n. Maria Luiza (Org). As famílias no Brasil contemporâneo e o mito da desestruturação. DE BARBIERI. (orgs. n. 1998. In: Revista Estudos Feministas. BRUSCHINI. 1994. São Paulo: Papirus. Universidade Federal de Pernambuco. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Cristina. 48. A Família contemporânea em debate. Família em processos contemporâneos: inovações culturais na sociedade brasileira.A. 4. Jill. ed. In. ROSALDO. 2001. Textos Didáticos . O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural. Russell Parry (Org. Recife. ________________. 75-103. Elizabeth. Maria Laura V. RIBEIRO. São Paulo: Loyola. LOMBARDI. Rio de janeiro: FGV. SORJ. Espãna. Maria do Carmo Brant (Org). São Paulo: UNESP.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 .A prática feminista e o conceito de gênero. 1999. PISCITELLI. p. 2003. 1992. ACCORSI. Ana Clara Torres (Orgs. JELIN. Michelle Zimbalist. Mary Alves. v.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 2002. VELASCO. Mc Graw-Hill. In: MICELI. Sandra. CASTELLANOS. Simone. 11. Microfísica do Poder. Donna. O que ler na ciência social brasileira (1970-1995) Sociologia.Una Introducción Teórico-Metodológica. Guita Grin. GOMÁRIZ. Ana de. Cláudia. n. 1(1): 11-36. De trajetórias e sentimentos. A Dominação Masculina. SP. Mujer y Sociedad. __________________. Santiago de Cali.

450 p. C. Eni de Mesquita. quando a biotecnologia. DA MATTA. MATOS. 1994. São Paulo: Autores Associados. 1995. L. Institut Français d'Études Andines-Éditions Abya-Yala. Meio Ambiente Brasil. MOREIRA. Flexíveis e plurais: identidade. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi . percepção e experiências do domínio doméstico. Somos as águas puras. não apenas como epifenômenos da vida material. P. 87-132. (Série Família e Gênero). P. 1994. 13. M. Uma introdução à antropologia social. Em torno da representação de natureza no Brasil: pensamentos. violência. L. 1994. McG. F. Rachel. 2001. Contribuição à questão das famílias monoparentais. 2002. Semear outras soluções . P. 2000. Cynthia Andersen. O afeto da terra. 24-28 de set. pp. poder e a inversão do público e do privado. 21/03/2008 15 . SCOTT. A. A. R. C. SAMARA..PI SAFFIOTI. Bila. Recife: UFPE. _____________. Cenários e momentos da vida camponesa: três dias de caderno de campo em uma pesquisa no Pretos de Baixo do Bairro dos Pretos. SCOTT. A. nos diversos ambientes naturais e processos socioculturais. In: NIEMEYER. A Família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. In: SCOTT. WOORTMANN. 1999. VAISTMAN. grupos e classes e os diferentes sentidos das práticas sociais. 2002.17-57 DA MATTA. ANTROPOLOGIA DO MEIO . F. 1988). São Paulo: Companhia das Letras. Natureza. P. a partir da dinâmica de relacionamento entre indivíduos. (traduction en espagnol: Quito-Lima. 107-124.) Pesquisando Gênero e Família. Recife: SOS/CORPO. 2. 2005. E.Mulheres Chefes de Família. O que mudou na família brasileira? (da Colônia à Atualidade). 13 (2).) A outra margem do Ocidente. São Paulo. 267-278. São Paulo: maio. Relativizando. n. G. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. a. In: CAMARGO. pp.1. P. In: Pré-evento do ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Avanços e obstáculos pós Rio 92. Heleieth Iara Bongiovani. C. 49-56. Rio de Janeiro: UERJ. WOORTMANN. R. (Dir. 91-124. P. pp. Revista de Antropologia. GOLDENBERG. Klass. Joan W. (73) 38-47. Psicologia USP. Nessa perspectiva.0 Ementa A vida social consubstanciada nas relações entre sociedade e natureza tem a dimensão simbólica e imaginária do mundo social e natural inscrita nos habitus e práticas.). A viabilidade da reserva de lago como unidade de manejo sustentável dos recursos da várzea amazônica. J. patriarcado. Ouro Preto. Campinas: Papirus. DESCOLA.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . 1999. Rio de Janeiro: Rocco. Gênero. CAJKA. Russell Parry (Org. pp. 287. (orgs. Rio de Janeiro: Rocco. 1998. 11(1). e seus significados. v. 2004. em Joanópolis. Ellen F. J. O Homem na Matrifocalidade: gênero. Espaços e recursos naturais de uso comum. R. Vol. SARTI. In: DIEGUES.. Paris: Fondation Singer-Polignac et Éditions de la Maison des Sciences de l'Homme. Proteção do conhecimento tradicional? In: SANTOS. 2002. pp. p. (org. DESCOLA. In: NOVAES. 27-48. In: Interseções: revista de estudos interdisciplinares. casamento e família em circunstâncias pós-modernas. 1997. Civilização Brasileira. Campinas: UNICAMP. fantasias e divagações. pp. Russell Parry. A antropologia no quadro das ciências sociais. pp. 2001.133-166. Conselho Nacional de População e Desenvolvimento. as tecnologias reprodutivas e outros fenômenos técnicos complexificam ainda mais a referida oposição no pensamento antropológico e submetem a temática a uma abordagem interdisciplinar. culturas e identidades são apreendidas de forma não-essencialista. São Paulo: Estação Liberdade: Instituto Socioambiental. A selvageria culta. C. E. S. Sete ensaios de antropologia brasileira. ____________________. à contemporaneidade.) Além dos territórios. CÂMARA. Maria Izilda S de. Bibliografia ALONSO. Jeni. 1996.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . NAPE. Conta de mentiroso. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Ouro Preto. Rio de Janeiro. M. OLIVEIRA.AMBIENTE Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. São Paulo: Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras/USP. A. A. SORJ. Mirian. Antropologia ecológica: uma maneira de ver o mundo. pp. 1989. SAMARA. julho de 1995. 1990. B.).316 BOFF. 1996. Um ethos para salvar a terra. A etnografia da família de camadas médias e de pobres urbanos: trabalho. Eni de Mesquita.Antropologia. Rio de Janeiro. D. Cadernos de Pesquisa.2.. GODOI. 2002. La Nature domestique: symbolisme et praxis dans l'écologie des Achuar. Gênero em debate: trajetória e perspectivas na historiografia contemporânea.. CAPOBIANCO. (orgs. Campinas: Mercado de letras. SOIHET..Os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. _____________. 1986. cultura e tecnologia põem-se no debate indo da clássica oposição entre natureza e cultura. Ano 3. Um novo modelo de família: coesão e centramento nos filhos. São Paulo: Editora Perseu Abramo. n. R. BRANDÃO. GT . São Paulo: EDUC.

dezembro de 1995.PI DIEGUES.) Espaços e recursos naturais de uso comum. Annual Review of Anthropology. mimeo. Vol. B. ano XVIII. Estudos da filosofia da cultura.. J. Dizer marítimo: a antropologia e os pescadores em algumas notas. Campina Grande: UFPB. Epistemologia ambiental. Nova ideologia/utopia do desenvolvimento. C. O trabalho da memória: cotidiano e história no sertão do Piauí. 124-136.F. maio/99. 21. STROH. C. 1996. DUARTE. 165 p. n. pp./dez. L.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . E. M. São Paulo: HUCITEC. D. _______. pp. In: O método 5. MORIN. Nature & the Geography of Difference. Porto Alegre: Sulina. 1992. Os Nuer: uma descrição do modo de subsistência e das instituições políticas de um povo nilota. DIEGUES. 1983. 2007. In: SCHNITMAN. S. GUIVANT. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. São Paulo: Perspectiva. CEMAR. 1996. LEFF. cultura e subjetividade. 1994. 323 p. 21/03/2008 16 . 16-30 REDCLIFF. Aspectos éticos da questão ecológica. D. Brasília: UnB. M. Vivências entre o baixão e a chapada (saber ambiental. A. fev. ______________. P. S. 1991. Teresina: UFPI. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente. American Ethnology. n. 16. As populações tradicionais: conflitos e ambigüidades. C. 95-112 HARVEY. v. E. 25. São Paulo:Hucitec. EVANS-PRITCHARD. L. 276 p. MORAES. 1992. C. História da idéia de natureza. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Antropologia . C. 4555. Anthropology and the conservation of Biodiversity. 2001. Teresina: PRODEMA/TROPEN/UFPI. Pós-sustentabilidade e os novos discursos de sustentabilidade. R. T. 137-144.) Ecologia e cultura. S. globalização e fragmentação. E. LÉVI-STRAUSS. MORIN. A realidade da cultura. Belo Horizonte: Imprensa Oficial.]. 9-26. São Paulo: NUPAUB. 19-37.) Território. São Paulo: Loyola. pp. abril 2001. 2002. GODOI. 1992. pp. In: CAVALCANTI. vol. 3-38. pp. pp. Campinas: Papirus. 182-190 RAMALHO. In: Ciência & Ambiente III (5) jul. C. C .P.. Ambientalismo e desenvolvimento sustentado. 1996. S. B. 1996 DIEGUES. vida. A lógica da periferização em áreas metropolitanas. E. Sustentabilidade sociocultural. O Nosso Lugar Virou Parque: Estudo Sócio-Ambiental do Saco de Mamanguá-Parati-Rio de Janeiro. R. E. C. R. NOGARA. 2005. R. 1989. 11(2). M. 1995. pp. Saber ambiental. A. jan/jun/2002 RIBEIRO. costumes. São Paulo: HUCITEC. A teoria da sociedade de risco de Ulrick Beck: entre o diagnóstico e a profecia. MALDONADO. M. B. Porto Alegre: Artes Médicas. 55 p SOUSA. n. J. LENOBLE. 1. Campinas: UNICAMP. R. Raízes . M. D. O mito moderno da natureza intocada. ORLOVE.. de 20 a 23 de maio de 2002. pp. .Campina Grande. PAVIANI.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . S.) Novos paradigmas. Porto Alegre: Sulina. A noção de sujeito. Florianópolis. 1978. Y. Justice. O pensamento selvagem. NEVES. Mapping reeds and reading maps: the politics of representation in Lake Titicaca.1. LIMA. Habitat.34.d. 2004. A. MORIN. [196-]. Rio de Janeiro. 19-34. pp. As idéias. D. O pensamento dissimulado (paradigmatologia). R. Racionalidade e irracionalidade na economia. In: Raízes . degradação ambiental urbana e pobreza: a percepção dos riscos.revista de Ciências Sociais e Econômicas. São Paulo: NUPAUB-USP. 19. 1996. 193 p. (org. Santa Catarina (CD Rom) MORAIS. (org. pp. p. A. São Paulo: Cortez. G.258-295. et al (orgs. In: DUARTE. O conceito de natureza na história do pensamento ocidental. 1996. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente. UFRJ. 25: 329-52. As ciências sociais na interdisciplinaridade do planejamento ambiental para o desenvolvimento sustentável. In: SANTOS. In: O método 4. Antropologia Ecológica. In: Estudos: sociedade e agricultura. práticas e usos do espaço entre camponeses dos cerrados piauienses e os desafios ante a crise ecológica) ANAIS V Simpósio IESA/SBSP. 2003. E. W. E. econômica e ambiental do Assentamento Caxirimbu. 2001. A humanidade da humanidade. 1999. São Paulo: Cortez. MOREIRA. 397 p. S. Do enraizamento cósmico à emergência humana. A. GODELIER. P. (org. 18. pp. Rio de Janeiro: Edições 70 [s. Oxford: Blackwell KESSELRING. ORLOVE. Petrópolis: Vozes. B. Imaginário social de semi-árido e o processo de construção de saberes ambientais: o caso do município de Coronel José DiasPiauí. n. organização. Brush.

J. Lisboa: Editorial Estampa. Cultura pós-moderna. F. 276-292 VEIGA. & PELEGRINI. I. A Fabricação do Imortal. R. A Retórica da Perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. F. São Paulo: Brasiliense. 150 p. ANAIS 25ª RBA. S. F. 2202 ADORNO. Rio de Janeiro: EdUFRJ/IPHAN. & CHAGAS. B. Brasília: UnB. Conceituação de patrimônio . Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.C. n° 22(p. M. A Invenção de um Patrimônio. São Paulo: Brasiliense. J. A Alegoria do Patrimônio. WOORTMANN. E F. Proteção do Patrimônio na Unesco: Brasília: Unesco. Bibliografia ABREU. pp. São Paulo: Loyola. Memória e Patrimônio. A. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.P. T. Cartas de trabalho. E. Teoria estética. São Paulo: EdUNESP. São Paulo: Edusp. considerando os impactos da globalização. R. 2003. Rio de Janeiro. S. 1985 ANDRADE.A. O sitio camponês. et all. P. 1993 _________. Goiânia. Documentos de Cultura. 1996 JEUDY. sd. A. G.UFRJ. WALLERSTEIN. História da Estética.PI (org. A sociedade transbordante. 2001 COELHO.).L. Sociedades camponesas. WOLF.48-55) _____________. Guia da história da arte. H. 14 p. 1990 ___________. Lisboa: XXI. São Paulo: Cortez. S. 1976. Brasília: MEC/SPHAN/Pró-Memória. Obras escolhidas.-P. 1999 CONNOR.L. 103132. Rio de Janeiro: Forense. 1985 __________.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . 164-203. W. A ilusão especular. 1987 BASTOS. 11 a 14 de Junho de 2006.C. Lisboa: Editorial Estampa. Patrimoines en folie. 1983. Panorama das idéias estéticas do Ocidente. 1995 LEWGOY. São Paulo: Loyola. B. 1994 FONSECA. 1992 MACHADO. 1984 ARGAN. p. Th. Rio de Janeiro: DP&A. A. BENJAMIN. Memórias do social. 2005 FUNARI. 1996.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 2006 GONÇALVES. 1996 ABREU.). R. São Paulo: Iluminuras. O. São Paulo: Brasiliense. de. Rio de Janeiro: Zahar. ANTROPOLOGIA DO PATRIMÔNIO CULTURAL Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4.A. São Paulo: Cortez. Dicionário crítico de política cultural. Dissertação de Mestrado. Para abrir as ciências sociais. Produzindo o passado. pp. Rio de Janeiro: Ed. (org. 1993 21/03/2008 17 . 1990 ___________. M.0 Ementa Exame teórico dos diálogos atuais centrados no tema das políticas culturais. Ed. São Paulo: Martins Fontes. In: Anuário Antropológico/81. Paris: Maison des Sciences de l'Homme. 2003 CHOAY. R. Patrimônio Histórico e Cultural. (orgs. Rocco. UFRGS. Que tipo de ciências sociais nos cabe hoje construir? In:. O Patrimônio em Processo. M. 1972 BO. Enfoque direcionado para as questões sociais dos novos patrimônios e das memórias sociais na cena cultural. Profetamento dos Bichos: visões e reminiscências de viagens em busca do sertão de Goiás. A condição teórica do valor cultural e da arte em campos e gêneros variados.B.) Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Teoria e valor cultural.material e imaterial. Documentos Históricos. 1981 ARANTES. A máquina e o imaginário. GO. 1987 BAYER. Rio de Janeiro: Zahar.

Marcel Mauss: une science en devenir. V. e F. (org). 1970 REVISTA TEMPO BRASILEIRO 147 . CARDOSO DE OLIVEIRA. Obras Completas. São Paulo: Tempo Brasileiro. Sociogênese dos Conceitos de ?Civilização e ?Cultura??. Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. 2003. A. Evolucionismo. CORREA. ELIAS. São Paulo: Martins Fonte. A Escola de Chicago. Cambridge: Cambridge University Press. L.0 Área(s) de Concentração: Antropologia Ementa Introdução geral a algumas das principais vertentes que informam o debate antropológico contemporâneo através do estudo das formulações que marcaram a constituição e a história da disciplina entre o fim do século XIX e a década de 1950. A sociologia do Brasil indígena. 1975. ZEITEL. Patterns of Culture. Madrid: Aguilar Ed. 1944. Patrimônio Cultural de Teresina: o processo de preservação nas décadas de 1980 e 1990. DURKHEIM. Entre a destruição e a preservação. As Formas Elementares da Vida Religiosa. 1978 PEDRAZZANI. São Paulo: Ed. Bibliografia BASTIDE. francesa. Preservação dos patrimônios culturais: direitos antinômicos. FERNANDES.Paulo: Perspectiva. (org. História da Antropologia no Brasil (1930-1960). M. Ensaios de Sociologia. I.. com um exame de problemáticas específicas. Escola de Chicago e Antropologia Social Britânica. Campinas: Ed. Unicamp. 2004 CANDIDO. F. 1972. 2005 PLATÃO.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . R. 1987. situações ambíguas. 1959. 1996.. 1978. DaMATTA. Petrópolis: Vozes. In: Mauss. DUMONT. In: O Processo Civilizador. De quem é o patrimônio? IN: Revista do IPHAN TOLSTOI. 21/03/2008 18 . In : Essais sur l?individualisme. Brancos e Negros em São Paulo. CORREA. a problematização das relações indivíduo e sociedade na interrogação fenomenológica. R. Paris: Seuil. 2003. CARDOSO DE OLIVEIRA.Patrimônio Imaterial. 1981. E. estrutral-funcionalismo. a atenção sobre os processos de socialização e os sentidos da noção de cultura. 1990. Rio de Janeiro: EdUERJ/IPHAN. Unicamp / São Paulo: Vértice. M. R. Cidade e Cultura.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . como a discussão sobre as relações entre história e cultura no debate com o evolucionismo. Nacional. a discussão a respeito da dimensão ritual da vida social e o lugar das trocas na constituição da sociedade. In: Mana. H. britânica e norte-americana). Paulo: Duas Cidades.). BOAS. culturalismo (escola norte-americana). G. 1972. Teresina: UFPI. 1997 OSBORNE. S. funcionalismo (escolas francesa e britânica). Rio: Zahar. S. Out/Dez 2001 RODRIGUES. Memória. J. 1958. São Paulo: Cultrix. O programa combina uma atenção especial sobre as tradições nacionais (alemã.PI MARQUES DOS SANTOS. Une perspective anthropologique sur l?ideologie moderne. M. Antropólogas e Antropologia. Unicamp / Brasília: ABA. DURKHEIM. 2000. 2. Algumas formas primitivas de classificação. The mind of primitive man. Dissertação Mestrado em Políticas Públicas. Boston: Houghton Mifflin. R. H. 2002 ANTROPOLOGIA I Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4. N. ________ Antropologia Cultural. 2. Naven: a Survey of the Problems Suggested by a Composite Picture of the Culture of a New guinea Tribe drawn from Three Points of View. M. Campinas: Ed. Estética e teoria da arte. BECKER. Rio de Janediro: Tempo Brasileiro. e o estatuto da experiência etnográfica e do método comparativo. 2002 TAMASO. A antropologia de Rivers. & MAUSS. E. Rio de Janeiro: Zahar. BATESON. A C. Belo Horizonte: EdUFMG. M. In: SCHIAVO. L. 1932. Parceiros do Rio Bonito. Nova York: The Macmillan Company. Campinas: Ed. ___________ As Reuniões Brasileiras de Antropologia: 50 anos (1953-2003). R. O que é a arte? São Paulo: Ediouro. In: Anuário Antropológico/98. BENEDICT. C.

C. E. Petrópolis: Vozes. E. New York: The Free Press. 1974. 1982. 3. 1970. 43-58.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . _________________ A Vida Sexual dos Selvagens. RADCLIFFE-BROWN.-P. Etnologia-Antropologia. B. pp. 55. Antropologia das Sociedades Complexas. São Paulo: Perspectiva. SAPIR. 1978. LAPLANTINE.). 1974. e J. pp. P. 1976 _________ Coming of age in Samoa. M. Brasília: Ed. Franz Boas. Sol (org.) Theories of Society. Londres: Oxford University Press. African political systems..R. In: Tax. Foundations of Modern Sociological Theory. F. São Paulo: Ática. LABURTHE-TOLRA. Os Nuer. E. _________________ O pensamento selvagem. São Paulo: Martins. 2005. In: The American Journal of Sociology. In: MELATTI. G. 3. 1987. R. pp. Sistemas Políticos da Alta Birmânia. São Paulo: Abril Cultural. 1992. São Paulo: Perspectiva.). (org). WARNIER. Chicago: Chicago University Press. Argonautas do Pacífico Ocidental. 15. pp. Brasília. Rio de Janeiro: Francisco Alves. GLUCKMAN. pp.E. 21/03/2008 19 . Primitive Culture. In: The American Journal of Sociology. 1978. Rio de Janeiro: Vozes _______________________ ?O Método Comparativo em Antropologia Social?. 282-311. R. 1970. 22.). São Paulo: Global. The Problem of Sociology. Uma Antropologia no Plural. FRAZER. E. 1970.Evans-Pritchard e Meyer Fortes (orgs. FIRTH. _________________ Crime e Castigo na Sociedade Selvagem. 289-320.UnB. M. In: The American Journal of Sociology. M. Cultura Autêntica e Espúria. London/Boston: Faber & Faber. KUPER. Radcliffe-Brown. 1982. Tristes Trópicos. et alii. Aspects of Social Relationships among Urban Africans in Northern Rhodesia.). 1997. MITCHELL. Kalela Dance. Rio de Janeiro: Zahar. On Culture. 1-56. The kingdom of the Zulu of South Africa. 3. 2004. MAUSS. 1962. pp. Estudos de Organização SociaI. Rio: Contraponto/EdUFRJ. ________________________ A History of Anthropological Thought. LÉVI-STRAUSS. G. São Paulo: Brasiliense. Oráculos e Magia entre os Azande. (org. 396-421. _________ (1910). A Formação da Antropologia Americana (1883-1911): Antologia. In: Feldman-Bianco. ____________ Análise de uma Situação Social na Zululândia Moderna. pp. 16. __________ Ensaios de Sociologia. W. A. 1980. How is Society Possible. Estrutura e Função na Sociedade Primitiva. São Paulo: EPU. Elementos de Oreganização Social. 1956. New York: Harper & Row. SIMMEL. São Paulo: EDUSP. Rio de Janeiro: Zahar. 254-261. STOCKING Jr. D. _________ (1949 [1910]). (orgs. MEAD. São Paulo: Cia das Letras. KROBER. The Sociology of Sociability. 1974. Antropólogos e Antropologia. Aprender Antropologia. E. J. 1996. 227-305. A. Selections. 2000. São Paulo: Papirus. pp. 1997. C. LEACH. 1032-1036. Rio de Janeiro: Guanabara.PI EVANS-PRITCHARD. 372-39. ________________________ Bruxaria. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1999. B. Júlio César (org. National Character. PEIRANO. TYLOR. Nova York: Mentor Book. O Ramo de Ouro. MALINOWSKI. M. 1978. Anthropology Today. In: The Rhodes-Livingstone Papers. In: Parsons. Sociologia e Antropologia. In: E. São Paulo: Perspectiva. (1909). T. 1963. _________ Sexo e Temperamento. In: Pierson. 1952. pp.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . UnB: 2003.

HANNERZ. HARAWAY. DaMATTA. 1982. 2001. C. 1980.). Introdução aos debates teórico-metodológicos atuais. 1979. marxismos. __________ Homo Hierarchicus: le système des castes et ses implications. COMAROF. 21. ASAD. Paris: Fayard. R. 21/03/2008 20 . Rio: EdUFRJ. em particular durante a segunda metade do século XX. (org. 1988. J. 1987. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Une perspective anthropologique sur l?ideologie moderne. 4. Estruturalismo. ____________ O Poder Simbólico. __________ Nova Luz Sobre a Antropologia. P. 1994. G.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . London: Tavistock. De l?Ethnographie à l?Anthropologie Réflexive: nouveaux terrains. A presença do autor e a pós-modernidade na antropologia. 147-179. CARDOSO DE OLIVEIRA. La Distinction.0 Área(s) de Concentração: Antropologia Ementa Continuação da introdução geral a algumas das principais vertentes que informam o debate antropológico contemporâneo através do estudo das formulações que marcaram a constituição e a história da disciplina. AUGÉ. 1973. From the History of Colonial Anthropology to the Anthropology of Western Hegemony. D. Paris: Maspéro. COMAROFF. 2000. A Interpretação das Culturas. (org. (org. (org. A Sociedade Contra o Estado. GEERTZ. Berkeley: University of California Press. (orgs. 2003. ____________ La Production des Grands Homnes. nouveaux enjeux. A Experiência Etnográfica. In: Overing. pp. Ethnography on an Awkward Scale: Postcolonial Anthropology and the Violence of Abstraction. 1986. Connections. J. 2003. On the writing of ethnography. and Imaginations in a Postmodern World. In: Novos Estudos. In: Stocking Jr. 1992. 1977. Simians. Rio de Janeiro: EdUFRJ. CLASTRES. Cyborgs.). DUMONT. Global Ethnography. ____________ Briser le Miroir du Soi. 1998. Social Anthropology and the Decline of Modernism.PI ANTROPOLOGIA II Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4. ________ Por Uma Antropologia dos Mundos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.. 314-324. Interpretativismo e perspectivas 'pós-modernas'. and Women: The Reinvention of Nature. J. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan.). Londres: Routledge. 2. 2003. Campinas: Papirus.. and There!: Reflections on Multi-Site. Reason and Morality. & MARCUS. 1972. 4:. J. E. 1991. 1992. Paris: Gallimard. Paris: Armand Colin. J. T. Sobre o pensamento antropológico. CLIFFORD. 1997. GODELIER. BOURDIEU. R. Forces. G. Cebrap. Retoricas de la antropologia. Relativizando. Paris: Seuil. Essais sur l?individualisme. __________ Obras e Vidas: O Antropólogo como Autor. Bibliografia ARDENER. In: Ethnography.). 1989. Being There. 2000. In: Ethnography. 1985. Não-Lugares: Introdução a uma Antropologia da Super-Moderniddade. CALDEIRA. Horizon. Paris: Seuil. pp.. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. M. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Antropologia Crítica. C. 201-216. M. BURAWOY. In: Dialectical Anthropology. M. In: Ghasarian.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . 2002. U. ____________ Le Sens Pratique. and There. ____________ La Misère du Monde. Madison: The University of Wisconsin Press. Paris: Minuit. 1991. 1988. Rio de Janeiro: Rocco.) Colonial Situations: essays on the contextualization of ethnographic knowledge. Rio: Zahar... Trajets Marxistes en Anthropologie. CLIFFORD. V. Madrid: Júcar.. Paris: Minuit. CRAMPAZANO. L. nouvelles pratiques. T. P. pp.

Ilhas de História. Tübingen: Publications in Prehistory. Mummies in a New Millenium. Nacional. (Actes du Colloque international de Liège. Antropólogos e Antropologia. In: Antes . SPERBER. São Paulo: Cia. TUSHABRAMISHVILI. W. Liège: Université de Liège (ERAUL 106). D. 27-54. 1990 ___________ Cultura na Prática. H. M. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 97-98. Adaptação e diversificação cultural. In: N.0 Área(s) de Concentração: Arqueologia Ementa Origens do homem na África.). MARCUS. pp. Copenhague: Greenland National Museum and Archives. Berglund (orgs. COHEN. 1969 ARQUEOLOGIA I Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4. Les Microbes: guerre et paix suivi de irreductions. 11: 125-128. Les chasseurs-cueilleurs de la Péninsule Ibérique face à la mort: Une révision des données sur les contextes funéraires du Paléolithique supérieur et du Mésolithique. M. Paris: Hermann. S. Andreasen. & CUSCHMAN. São Paulo: Cia. 1976. Chicago: Aldine Publishing. Kerns Verlag Tübingen. La crisis alimentária en la prehistoria. Lynnerup. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. __________ Jamais Fomos Modernos. pp. 2002. 91?132. C. Rio: Zahar. TURNER. Petrópolis: Vozes. São Paulo: Melhoramentos. J. In: T. O Homem de Neanderthal. 1995. Annette. 1994. Do primeiro ser vivo até o Homo Sapiens. 10-12 déc. 1978. Atapuerca. 2004. Paris: Métailié.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . Mark Nathan.Histórias da Pré-história. SAHLINS. 1984. Ed. _________ Cultura: a visão dos antropólogos. In: Annual Review of Anthropology.. Martine. das Letras. Rio de Janeiro: Imago. Bauru: EDUSC. Rio de Janeiro: EdUFRJ. In: Marcel Otte (org. p. Claude & FAURE. G. V. Conard (org. FERNÁNDEZ. D. A. The Ritual Process. 2004. B. D. Ethnographies as texts. O Homo Sapiens e a periodização cultural no Velho Mundo. O'ROURKE. 1978. ________________ O Pensamento Selvagem. B. PEIRANO. and Aleut Skeletal Samples from the Prehistoric North American Arctic. Antropóides e hominídeos. Antropologia Estrutural. Evans and P. Digital Archaeology and the Scalar Structure of Space and Time: Modeling Mobile Societies of Prehistoric Central Asia. A. 2004. 2004. Rio de Janeiro: Relume Dumará. Ondas migratórias Afro-Eurásia. LATOUR. 2005.. Rio de Janeiro: Banco do Brasil. Madrid: Alianza. Cultura e Imperialismo. Middle Palaeolithic Patterns of Settlement and Subsistence in the Southern Caucasus. 1981. M.Revue Française d´Anthropologie. 11.E. Danish Polar Center Publication No. (Separata). M. HAYES. 1986. Londres: Routledge. Número temático de L´Homme . L?Anthropologie: états des lieux. 2003. Hermenêutica e estruturalismo. Círculo do Livro.).) Middle Palaeolithic Settlement Dynamics. SAID.PI KUPER. LÉVI-STRAUSS. DEREVIANKO. 2001. Daly (orgs). p 12-23. Bibliografia ADLER. LEAKEY. Pablo. 34. A evolução da humanidade. 2003). G. 1995 RICOEUR.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 21/03/2008 21 . Os principais sítios na África. Le Savoir des Anthropologues. P.. GUÉRIN. Anatoly P. 1982. Art rupestre et organisation sociale. FRACHETTI. 1993. 1972 (Actas del Symposium Internacional de Arte Prehistórico). COLTRAIN. 1975. N. Sadlermuit. Mitochondrial DNA Analysis of Dorset. ________________ Antropologia Estrutural II. C. La Spiritualité. Santander: Santander Symposium. J. pp. Rio de Janeiro: Ed.25-69. 221-236. In: Conflito das interpretações. A Favor da Etnografia. 1982. E. ________________ As Estruturas Elementares do Parentesco. D. CABAL. LAMING-EMPERAIRE. 1982. Richard Erskine. 1984. Proceedings of the 4th World Congress on Mummy Studies. The Middle to Upper Palaeolithic Transition in the Altai (Mongolia and Siberia). Esteban Álvarez. In: N. 3ª ed. Thule. EDUNB. Digital Archaeology.

ARAÚJO. São Paulo. S. BAUER. . S. 1992. C. Late Pleistocene/ Holocene climatic and vegetation history of the Brazilian caatinga: the fossil dunes of the middle São Francisco River. Handbook of North American Indians. ALENCASTRE. Paulo E. 2.C. Periodização da pré-história na América. Revista do IHGB. 2005. Julian H. . Manuela (org. 152: 319-337. fac-similar 1º trim.). 21/03/2008 22 . ALDENDERFER. Brasília: EDUNB. Os vestígios dos povos pré-colombianos no Sudoeste e nas planícies americanas. Mario A. V.Thomson Organization Limited. As ocupações mais antigas das Américas.) The Explanation of Culture Change. SMITH. BARRETO. Memoria chronologica.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 .Os "habitantes das cavernas" (abrigos sob rocha). 1. Os restos culturais das altas civilizações andinas. 2ª ed. RENFREW. LEROI-GOURHAN. 5164. 1994. . 1. A. CALMON. BIRD. Ritual and Pilgrimage in the Ancient Andes: The Islands of the Sun and the Moon. A. 1973. A pré-história. . 221-236.PI LEAKEY. M. STEWARD. Adauto & FERREIRA. Rio de Janeiro: Record.Os povos dos sambaquis./1857. O Diretório dos Índios. Valdelice. Bibliografia AB´SABER. Paleoparasitologia e o povoamento da América. BAZIN. Brasília: EDUnB. il. O contato com o colonizador e adaptações. 1999. Urnas. Hans. Rio de Janeiro: Banco do Brasil. RIVERA.(Documentos Brasileiros. B. 84-129. Migrazioni preistoriche nell´America meridionale e condizioni paleoecologiche del Pleistocene e Olocene nel Brasile. Jacques. Indios del Brasile. tomo 20.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . In: Ben Fitzhugh and Junko Habu (org.Os construtores das casas subterrâneas. 1985. 1946.) História dos índios no Brasil. 22)..). v. p. The marginal tribes. [1855]. Junius B. Nendel. (Actes du Colloque international de Liège. CARNEIRO GIRÃO. (org. Roger. Palaeogeography. p. LEWIN. Beyond Foraging and Collecting: Evolutionary Change in Hunter-Gatherer Settlement Systems. Palaeoclimatology. Rita Heloísa de. Palaeoecology. Um projeto de 'civilização' no Brasil do século XVIII. História do Ceará. London: Duckworth. Santiago: Ediciones Universidad Bolivariana. Liège: Université de Liège (ERAUL 106). ARQUEOLOGIA II Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4. p. 2ª ed. 2ª ed. estatuetas e tangas marajoaras. (org. O Povo do Lago. LARDY. GALL. Michel. STANISH.). The Environmental Adaptation of Nomads in the West African Sahel. Ed. A. Alcina Magnólia Franca. C. Cia das Letras.As tradições culturais ceramistas. de. Mouton: Weisleder. OTTE.). p.As tradições dos artefatos de pedra. São Paulo: USP. . 2001. BARRETO. La Spiritualité. Cristiana. 1973. Excavaciones en el Norte de Chile. N. Washington D.: Smithsonian Institution. Os traços culturais das civilizações no México e América Central. Ed. História da Casa da Torre. Vol. Luiz Fernando. 10-12 déc. p 387-412. In: The Nomadic Alternative. 1996. In: Antes .. Pedro. Simbolismo sexual na antiga Amazônia. OLIVEIRA. 25-44. In: Simone Souza (org. 79-86. Marcel (dir. Le grand atlas de l´Archéologie. Austin: University of Texas Press.Os amazônidas. Arquitetura religiosa barroca no Brasil. Jean.0 Área(s) de Concentração: Arqueologia Ementa Correntes teóricas sobre a colonização da América na pré-história. São Raimundo Nonato (PI): FUMDHAM. v. ALMEIDA. (1): 105-114p. Explaining changes in settlement dynamics across transformations of modes of production: From hunting to herding in the southcentral Andes. José Martins Pereira. 2003). Roma: Ministério per i Beni Culturali. FUMDHAMENTOS.Histórias da Pré-história. 1983. . Germain. Kluwer Academic Publishers. 1978. Kenitiro. 2004. Richard Erskine. p. 1958. Liechtenstein: Kraus . SUGUIO. 1997. O homem pré-histórico brasileiro e principais ocupações: . Os sítios do período paleoíndio.LOM. CARNEIRO DA CUNHA. Fortaleza: Fund.Os ocupantes das dunas. 1958. Rio de Janeiro: José Olympio. il. 2002.As tradições de arte rupestre. Demócrito Rocha. SCWEZER. Nova York: Elsevier Science. 1996. 1983. BERSANI. . Paris: Enciclopaedia Universalis (França). historica e corographica da Provincia do Piauhy. Da conquista à implantação dos primeiros núcleos urbanos na Capitania do Siará Grande.

. v. LIMA. Sheila M. Petrolândia. 1989. MME. do Globo. CLIO . Os jesuítas. Olavo de. 2ª ed. 15. MEDEIROS. 1981 PESSIS.. CARVALHO. v. M. Daniela. Pré-história do nordeste do Brasil. Odilon. Paris. Niède. G. Odilon. Jacionira S. FEINMAN. F. (Anais da VI Reunião Científica da Sociedade Brasileira de Arqueologia-SAB. ROCHA. FERNANDES. MIRANDA. O uso do Espaço no Cemitério Pré-Histórico da Furna do Estrago: aspectos demográficos e sócio-culturais. 1991. FAURE.. 2002. G.. v. 1972 (Monografias do Piauí. Índios do Açu e Seridó. Rio de Janeiro: SAB. Tese de Doutorado. de F. Odilon. São Paulo: Companhia das Letras. FEINMAN. Journal de la Société des Américanistes. Technical report of the 2004 field season prepared for the Instituto Nacional de Antropología e Historia de Mexico. 1993. 2 vol. MEDEIROS FILHO. Larousse. CALEFFO. G. 2ª ed. Le plus ancien peuplement de l´Amérique: le Nordeste brésilien.-Eletrobrás/ CHESF. Pe. 21-25 nov. 21/03/2008 23 . In: Manuela CARNEIRO da CUNHA. Brasília: IHG-RN. Rio de Janeiro: Artenova. 1998. ETCHEVARNE. Étude de l?appropriation des ressources du milieu: les populations pré-coloniales sanfranciscaines. 2002. La préhistoire d´un continent à l´autre. Alfred. Devassamento e conquista do Piauí. il. El Palmillo: Una perspectiva doméstica del período Clásico en el Valle de Oaxaca. Jeannette M. O homem do vale do São Francisco. L.143. Bahia. 1995. CISNEIROS. Cláudia A. G. C.Série Arqueológica. J.. 1987. M. PELLERIN.A Tradição Itaparica de caçadores-coletores no médio São Francisco. Recife: UFPE. Os franciscanos e a formação do Brasil.COELHO. G. Pernambuco.). El Palmillo: A Classic-Postclassic Period Oaxacan Town.. 1986. Gabriela.. nº 15. ETCHEVARNE. C. Nº Extraordinário. 1935. Maria do Carmo Tavares de. Recife: UFPE. série histórica). F. MÉTRAUX. Quando os índios não eram índios: reflexão sobre as origens do homem pré-histórico no Brasil. Sítios dunares: contribuição à arqueologia do submédio São Francisco. 1990. ROCHA. Center for Study of the First Americans. GUERIN. GUIDON. The First Summit Conference in the Peopling of the Américas. ETCHEVARNE. Final report of the 2002 field season prepared for the National Geographic Society. Washington. Jacionira. (org. NUNES. 1998. CLIO Arqueológica. MARTIN.. 2002. 91(4-5):246-250. DC: NGS. CLIO . 1994. Os primeiros currais. Anne-Marie. Rio de Janeiro. May. 1994. v. NUNES. 1972. 1:205-233. 1987. 4ª ed.Série Arqueológica .1: 61-88. ETCHEVARNE. nº 6: 31-68. MARTIN. v. MARTIN. 1. [1697]. Miguel. CLIO Série Arqueológica. Nanterre: Université de Paris X. Niède. PARENTI. Pesquisas para a história do Piauí. (Tese de Doutorado). In: BRASIL. Myriam E.. Gabriela. v. Teresina: COMEPI. 2002. Jacionira S. GUIDON. (Anais do I Simpósio de Pré-história do Nordeste Brasileiro). Marcos G. René Fülöp. Art rupestre préhistorique: premiers registres de la mise em scène. 1. Anne-Marie. L. Bahia. NUNES. nº 4: 47-50.Recife: UFPE. XIX. Descrição do Sertão do Piauí. 2006. CLIO Arqueológica. nº 15. Bulletin de la Sociétè Préhistorique Française. dans l´État de Bahia (Brésil). NICHOLAS.Institut de Paleontologie Humaine. 1: 137 . p. Recife: UFPE. D. Indústrias líticas em Itaparica no vale do Médio São Francisco (Pernambuco . G. Petrolândia-PE. 1974. Recife: UFPE. Recife: UFPE. 1989. Deep in South American Past the Toca do Boqueirão do Sítio da Pedra Furada and the Brazilian Prehistory. F. As ocupações pré-históricas do Brasil (excetuando a Amazônia). Odilon. O Abrigo Letreiro do Sobrado. PARENTI. n. 1991). 1:13-27. Ambiente e ocupação humana em uma região do submédio São Francisco.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Art rupestre préhistorique: premiers registres de la mise em scène. 1989. C. CLIO Arqueológica. Ricardo Pinto de. Niède. Nanterre: Université de Paris X.. MARTIN. GUILANE. (Tese de Doutorado). 3: 99-135. GUIDON. DA LUZ. Teresina: COMEPI/APL. MENDONÇA DE SOUZA. Teresina: IHG Piauiense. México: INAH. 1969. NUNES. O rio São Francisco. Migrations historiques des Tupi-Guarani. v.1992. OLIVEIRA.. LIMA.Brasil). C. C. Paris: Museum National d´Histoire Naturelle . University of Maine. Depoimentos históricos.. História dos povos indígenas do sertão nordestino no período colonial: problemas. metodologia e fontes.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . MARTIN. Jacionira S. III Congresso da Associação Latinoamericana de Antropologia Biológica / II Reunião da Sociedade Brasileira de Paleopatologia. Teresina: Comepi. O adeus à Gruta do Padre. V. Paris: Nouvelle Série. 2004. Suzana C.PI CARVALHO. Olívia A. Recife: UFPE. G. 1984.. Dissertação de Mestrado. Jean. São Paulo: USP. Série Arqueológica.. 1927. A natureza e o homem. 37-52. Sítios dunares no sub-médio São Francisco. MARTIN. PESSIS. Porto Alegre: Liv. NICHOLAS. História dos índios no Brasil.Recife: UFPE. MILLER. ROCHA.

O homem americano. Cláudia O. PETROBRAS. v. OLIVEIRA. 2000.C. -Morfologia.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . Sonhos em pedra. 1980. MIRANDA. 1943. Julian H. 2005.Aspectos técnicos. 1.Identificação. ARTEFATOS CERÂMICOS Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. OLIVEIRA. T. -Função. Betty J. Sergipe. NORTON. 1946. Proenza. CHESF. ARTEFATOS LÍTICOS Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. Avelino F. Pedro Ignacio.PI SENA.P. 1991. Como interpretar a linguagem da cerâmica. Canindé do São Francisco-SE. Tratamento e análise do material em laboratório: -Identificação.Revista do Museu Arqueológico de Xingó. CLIO . Maira B. O. CANINDÉ . Recife: UFPE. RIVET. Elaboração de planilhas. Clifford. Pedro Ignacio. 3. MELLO. n.: Smithsonian Institution. SCHMITZ. Tese de Doutoramento em Arqueologia. PEREIRA. 1. 2001. Mariza de O. CHESF. 1: 9-36. Washington D. Caiapônia. n. RYE. Paul.: Australian National University. SILVA. Prehistoric Hunters and Gatherers of Brazil. . São Leopoldo (RS): UNISINOS. Los Orígenes del Hombre Americano. Vol. BARBOSA. MEGGERS. S. PETROBRAS. Região de Xingó.. Pottery technology. de.). (ed. 2006.Revista do Curso de Mestrado em História. Journal of World Prehistory. Tratamento em laboratório. Um estudo de cadeias operatórias de Xingó. Bibliografia ALVES. Manual para arqueólogos. A cerâmica pré-histórica no Brasil: avaliação e proposta. 2007.E. Washington D. Cláudia A. A arte rupestre na Amazônia: Pará. SCHMITZ. Aracaju: MAX-UFS.. Railda N. 1: 53 ? 126. Estilos tecnológicos da cerâmica pré-histórica no Sudeste do Piauí. Aspectos tecnológicos. 1970. Série Arqueológica.. Frederich Harwood. EVANS. Canindé do São Francisco. Pausa para um banquete.: Smithsonian Institution.0 Ementa Teorias do estudo da cerâmica pré-histórica. Registro fotográfico e gráfico. Elaboração de planilhas. CLIO ? Série Arqueológica. Análise de marcas de uso em vasilhames cerâmicos pré-históricos do Sítio Justino. Edithe. A Tradição Cerâmica Tupiguarani na América do Sul. 1986. São Paulo: Edgard. Belém: M.47-60.. Cláudia A. il. 1987. BROCHADO. São Cristóvão: MAX-UFS. Registro fotográfico e gráfico. São Cristóvão: MAX-UFS. Recife: UFPE.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Introdução à tecnologia cerâmica. Abordagens teóricas dos grupos pré-históricos ceramistas no Nordeste. Estudos anlíticos: .. 2006. (Manuals on Archaeology. 1981. FOGAÇA. 4).Goeldi. p. São Paulo: USP. Anchietano de Pesquisas. RIBEIRO. Handbook of South American Indians. . Bibliografia 21/03/2008 24 . Washington D. BARBOSA. RIVET.0 Ementa Teorias do estudo dos instrumentos líticos. il. DANTAS. STEWARD. Vivian K de. Mexico: Cuadernos Americanos 5. Adilson C. São Cristóvão: MAX/UFS-PETROBRAS -CHESF.Morfologia. The marginal tribes. Altair Sales. Inst. Paul. Vladimir J. EDUSP. 1973. ANDRADE LIMA.. (7):11-88. J.C. Grupos pré-históricos do Sítio Jerimum. Principles on reconstrution. Emílio. C.

il. A. 2. 1984. 1984.). M. Caracteristiques techniques des chaînes opératoires lithiques dês niveaux Micoquiens de Külna (Tchecoslovaquie). BOËDA. supplément 1. Os artefatos de pedra. Reading Material Culture.Técnica e linguagem. 21/03/2008 25 . JERÔNIMO. Paleo. il. 28. As culturas pré-históricas no vale do São Francisco (Pernambuco-Brasil). methods et technique. E. C. São Cristóvão (SE): MAX-UFS / PETROBRAS / CHESF. ROCHE. (org. Os artefatos de pedra no Sudeste do Piauí. Dibble & O. n. 17. 17/18: 211-42. da FISC. v. POZZI. ______________. 1995. San Sebastián: S.5. 1990. dezembro. D. Henrique A. XAVIER. INIZAN.PI BOCANEGRA. ________________.000 . (X Reunião Científica da SAB 1999. 7.(Anais da V Reunião Científica da SAB).. CLIO . SILVA.Série Arqueológica. Análise preliminar do material lítico. Paris: Ed. The Study of Technological Organization.. ROCHA. 2004. Tipologia lítica.terminologie et technologie. Universidad de Antioquia. Eric. il. p. vol.(orgs). ROCHA. Francisco Javier Aceituno. Levallois: a volumetric construction.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . (20): 249-258. 1980. Jean-Luc. 17-18:37-79. Brasil). Aracaju: MAX-UFS. PROUS.Revista do MAX. Eric. Nanterre: Universidade de Paris X. n. Teresina: Conselho Estadual de Cultura / FUNDEC-PI. 14: 161. 3: 57 ? 100. Boletin de Antropologia. 09-53. Anais). il. Santa Cruz do Sul (RS): Ed. S. __________________.L. 2000. 11-35. I . 2ª ed. il. MERINO. Madrid: Akal /Universitaria. São Cristóvão: MAX/UFS. M. Evolução e técnicas. In: H. Onésimo. BOUCARD. SCHIFFER (ed). Canindé . Monographs in World Archaeology. 1990. Jean-Cyrille Godefroy. Techniques et culture. Uma reflexão sobre a noção "tradição" e sua aplicação às indústrias líticas da Área de Itaparica. CANINDÉ ? Revista do Museu Arqueológico de Xingó. Salvamento Aqueológico de Xingó. L. 23. 2ª ed. 70. TILLEY. Canindé.174. Prehistory Press. Emílio. 1. 1997. LEROI-GOURHAN. Paleo. Approche de la variabilité des systèmes de production lithique dês industries du paléolithique inferieur et moyen:chronique d?une variabilité attendue. BOËDA. Recife: UFPE. Relatório final. nº 9. Tipologia lítica. L. ALONSO. C.UFS/ CHESF. S. B. n. Eric. S. SILVA. CISNEIROS. p. The definition and interpretation of Levallois Thechnology. 2002. Belo Horizonte: UFMG. Technogenèse de systèmes de production lithique au Paléolithique et moyen em Europe occidentale et au Proche-Orient. M. M. Jacionira C. Prehistoire de la Pierre taillée I . Munibe . 1991./97. il. n. San Sebastián: S. 1994. Revista Presença. no médio São Francisco (Pernambuco. FOGAÇA. Jacionira C. Instrumentos líticos unifaciais da transição Pleistoceno-Holoceno no Planalto Central do Brasil: individualidade e especificidade dos objetos técnicos. SEMENOV. Lisboa: Ed. p. M. 70. I .. Archaeological Method and Theory. VERNE. As indústrias líticas recentes da região de Montalvânia... 2o sem. Canindé de São Francisco-SE. BOËDA. il. n. Munibe . Piauí (10. 2001. Reflexões sobre as técnicas de confecção dos artefatos líticos do Sítio Justino. 2001. Eric. PIEL-DESRUISSEAUX. La cadena tecnológica: modelo de análisis de los conjuntos líticos.Supl. 1991.Supl. BIARD. 1997. Eric. 1981. 3. et al. J. Recife: UFPE -História. Daniela. n. Arquivos do Museu de História Natural. 1996/97. Arazandi. a estrutura. In: M. 1989..O homem e a matéria. L. Identification de chaînes opératoires lithiques des niveaux Micoquiens et Moyen. 1: 117-128. Revista do CEPA. n. 1990. BOËDA. Tecnologia prehistórica. Cleonice. 1995.000 anos AP). Barcelona: Masson. 1985. O gesto e a palavra.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . A tecnologia pré-histórica em São Raimundo Nonato. RODET. 1980. Instrumental prehistórico. Arazandi. Jacionira Silva.. Jacionira Coelho. C. nº 4. José Maria. TIXIER. Aracaju: Museu Arqueológico de Xingó . 2006. Dissertação de Mestrado. NELSON. Bar-Yosef (orgs). BOËDA. Cercle de Recherches et Études Préhistoriques. SILVA. Oxford: Blackwell. Jacionira Silva. 139-148. Um objeto lítico além da forma. Les outils taillant. n. v.. A. Habilitation à diriger des recherches. A. 25:19-22. p. 146-167. C. 2ª ed. Lisboa: Ed. Ano XIII. il.

Análises em laboratório. Meneses. I. FREUD. PEREIRA. FUMDHAMENTOS. Análises laboratoriais e intervenções de conservação no Parque Nacional de Sete Cidades. 1991. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Estudar e discutir as diferentes formações culturais (arte. Zygmunt: O Mal-estar da PósModernidade. XIV Cong. Psicanálise em tempos de violência.0 Ementa Técnicas e procedimentos básicos.. Dating and the earlist known Rock Art. Maria Conceição Soares Menezes. C. Mikail. MARQUES. OLIVEIRA.2007 CULTURA E SUBJETIVIDADE Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. port.10. D. Utopia e Mal-estar na cultura: perspectivas psicanalíticas. Rio de Janeiro. Oxford: Oxbow Books. DP&A. LAGE. Relatório Final. 1996. 2000.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . A ética e o espelho da cultura. Procedimentos de restauro e conservação. Marcélia. ___________. M. Rio de Janeiro. O vestígio e a aura. Freud. Le Monde Diplomatique. Investigar os sentidos de sintoma social enquanto conceito operacional. Florianópolis-SC. Grafismos rupestres da Região do Sertão Central do Ceará: análise técnica e estado de conservação. da SAB. Maria Conceição S. Marcélia.) Psicanálise e o contemporâneo. 49-52. Stuart: A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. 2004. K.psicanálise do vínculo social. Crônicas do individualismo Contemporâneo. IPHAN. J. Dissertação de Mestrado. Jacionira Coêlho.Bauman. MARQUES. Recife: UFPE-PPGH. (Trad. LAGE. Ática. 1930. Da horda ao estado . MAGALHÃES. S. 21/03/2008 26 . Rio de Janeiro. (org. Maria Conceição S. ________________. Birman. Paulette. Paris. In: Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de S. S.09 a 04. III Encontro do IPHAN e Arqueólogos.Dufour. 2003. Meneses. Bibliografia BAKHTIN. Chalub. Cardoso. P. 1994. Dany-Robert. S. p. Rio de Janeiro: Garamond. Costa. norte do Piauí. ___________. FABRIS. XXI. da SAB. J. Oferecer subsídios para estudantes de pós-graduação na realização de pesquisas e dissertações com aporte teórico interdisciplinar nas ciências sociais. Análise química de pigmentos do Sítio Arco do Covão. mitos) e sua recepção dialógica nas subjetividades humanas. Rocco. Terra de ninguém. Geertz.. 2002. Avaliação e etapas da conservação. Rio de Janeiro: Forense Universitário. Intern. B.PI CONSERVAÇÃO DE SÍTIOS E GRAFISMOS Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. F. C. 1998. Rio de Janeiro: Imago. (12). Graal.1986. Porto Alegre. J. Rio de Janeiro. L. 2007. LAGE. (Comunicação). Luís Carlos D. Assmann) Enriquez. Bibliografia LAGE. D. & Silveira. de 30. ________________.0 Ementa Analisar as relações entre psicanálise e cultura marcando os diferentes lugares do sujeito na sociedade contemporânea. Os pigmentos pré-históricos de grafismos rupestres do sertão central do Ceará: análise química e reconstituição da técnica de realização. São Raimundo Nonato (PI): FUMDHAM. Hall. São Paulo. 1996. 2001. 1997. 1994. Jorge Zahar. Os extravios do indivíduo-sujeito. 1999. Maria Conceição S. E. Sônia Maria C. Fevereiro 2001. literatura. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2004. Jorge Zahar Editor. São Paulo: Companhia das Letras. cinema. Sigmund. Vol. Meneses. O mal-estar na civilização. CAVALCANTE. HUGON. 1996. Calligaris. In: Matthias Strecker and Paul Bahn (orgs. Nova luz sobre a antropologia.). Violência e psicanálise.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Teresina: NAP-UFPI. Revista da APPOA. São Paulo: s/ed. SILVA. Anais do I Cong. São Paulo: Hacker/Cespuc. C. 1997. Dating of the Prehistoric Paintings of the Archaeological Área of the Serra da Capivara National Park. Psicanálise ciência e cultura. (s/d). nº 3:147-162. Problemas da poética de Dostoievski.

197 _________ Súmula da História do Piauí. Maria Lídia M. E.M.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Rio de Janeiro.) Piauí: formação.). Meios de comunicação. O Piauí no folclore. Recursos produtivos. 2003.saberes nômades. Tese de doutorado. Interfaces da psicanálise. Leig. W. Mudança Social no Piauí. L. (org). Cultura e Subjetividade . Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves. Mulheres plurais: a condição feminina em Teresina na Primeira República. R. 1995 SANTANA. F. 1987. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves. 1984 QUEIROZ. Wilson Carvalho. Cultura OLIVEIRA. literatura. São Paulo. de (org. Coisas piauienses na visão cabocla. História.PI Lacan. O mito individual do neurótico. MEZAN. Lisboa: Assírio e Alvim. Dora. Função fraterna. Lévi-Strauss. Cultura e subjetividade. Porto Alegre. Cultura local. pp. Ed. Lins. 2000 INSTITUTO CAMILO FILHO. Papirus. de Noronha. In: Cadernos de Teresina. Teresina: 1. M. L. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. M. E. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves. Teresina: subsídios para a história do Piauí. Piauí : evolução. A questão do meio ambiente e a estrutura agrária. desenvolvimento. PESSOA.PIAUÍ Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. (org.]. 2000. Artes Médicas. S. Teresina: [s. 1999. Revan. Pedro. Cultura e Subjetividade. T. (org.) Histórias de vário feitio e circunstância. M. 1973. São Leopoldo. R. S) Novos Paradigmas . K. Teresina: Ceptro. Teresina _______________ (org. 3. 21/03/2008 27 . Teresina: COMEPI. 2002 NUNES. In: Antropologia Estrutural . Teresina. História da arte e da arquitetura no Piauí. F. J. 1997 _______________ (org.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . atividades de produção. 1998. 2005 MARTINS. D. Renato. 1996 DOURADO FILHO. A noção de sujeito. Habitação. D & Fuks. realidade e desenvolvimento. F. Teresina: Fundapi. Bibliografia BONFIM. Schnitman. 2001 GONÇALVES. Geografia humana do Piauí. 1966. ______________. Souza. 2003 SILVA. A. alimentação. Folclore piauiense: vida e morte. perspectivas. 2000. 1987. Campinas.V. 1994 CASTELO BRANCO. Teresina: Academia Piauiense de Letras. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves. identidade nacional e "globalização". UNISINOS. 2004 CHAVES. São Paulo: Companhia das letras. 2002. 1998. Pesquisa para História do Piauí. O estádio do espelho como formador da função do eu. R. P. 1996.n. Teresina: ICF. A estrutura dos mitos. (org). PUC-RS. Psicanálise e sintoma social. A. O.) Apontamentos para a História Cultural do Piauí. Novos paradigmas. Introdução à realidade social piauiense através de sua produção cultural e artística. A dança de São Gonçalo. As imagens da mãe na literatura infantil: uma interpretação da teoria estética da recepção psicanalítica. Psicanálise e Colonização: leituras do sintoma social do Brasil.). Antologia da Academia Piauiense de Letras. sociabilidades. Evolução Histórica da Economia Piauiense. Kehl. Edgar. ETNOHISTÓRIA DOS POVOS TRADICIONAIS . J. elementos de sustentação e instituições políticas e econômicas piauienses. Morin. 1998 ROCHA. vestuário.N. (org). 1997. de S. 25-27 EUGÊNIO. Relume-Dumará. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves. Porto Alegre:Artes Médicas. Jacques. Teresina: Instituto Dom Barreto. Porto Alegre. In: Escritos. In: Schnitman.0 Ementa História da formação social do Piauí: o negro e o índio. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro.

A. Antropologia Pré-Histórica. (org. World Anthropologies. (orgs. A. G. GEERTZ. MICELI. Campinas: Ed.) História dos Índios no Brasil.V. História das Ciências Sociais no Brasil. R. 1992. Antropólogas e Antropologia. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. The Pictographics of Tristesse: an anthropology of nation-building in the tropics and its aftermath. Rio de Janeiro: EdUFRJ/Museu do Índio/FUNAI. 1964. XI e XVI). São Paulo: Brasiliense. M. 1996. 1979 (caps. Ciência e Sociedade. Rio: Livraria Editora da Casa do Estudante do Brasil. _______________ A Sociologia do Brasil indígena. Rio de Janeiro: Fiocruz/CCBB. R. 1987. São Paulo: Difusão Européia dos Livros. In: Ribeiro. _________ As Culturas Indígenas. MAIO. Rio de Janeiro: Contra Capa/ABA.. 1943. 2006. 2000 PRADO JR. 1989. PEIRANO.0 Área(s) de Concentração: Antropologia Arqueologia Ementa Antropologia e Ciências Humanas. DaMATTA. Antropologia Cultural e Arqueologia. Unicamp / Brasília: ABA. Campinas: Ed. Belo Horizonte: EdUFMG. das Letras. A interpretação das culturas. M. São Paulo: Sumaré / ANPOCS /CAPES. (org. L. 21/03/2008 28 . (org.PI HISTÓRIA SOCIAL DA ANTROPOLOGIA Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4.). ECKERT. 1978. Campos de atuação do antropólogo no Brasil. In: Etnográfica. _________ As Culturas Européias e Europeizadas. S. Rio: Livraria Editora da Casa do Estudante do Brasil. RAMOS. 1995. Casa-Grande e Senzala.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . C. São Paulo: Companhia das Letras. Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. (org. 1996. 2003. (orgs. 2004. São Paulo: Ed. 2006. (orgs. FREYRE. G. Nacional. Florianópolis: ABA. SANTOS.) O Que Ler na Ciência Social Brasileira (1970-1995): Sociologia (Volume II). O Índio e o Mundo dos Brancos. A Guide to Anthropology in Brazil. C. CORREA. C. Unicamp / São Paulo: Vértice. CORREA. Oxford: Berg Publishers. R. São Paulo: Sumaré / ANPOCS /CAPES. TRAJANO FILHO. col. Rio de Janeiro: José Olympio. Introdução à formação do povo brasileiro. E. História da Literatura Brasileira. 1996. Rio de Janeiro: LTC. 2.. (orgs. A. e Escobar. ROMERO. Raça. Formação e institucionalização dos campos disciplinares. Associação Brasileira de Antropologia. RIBEIRO.). VELHO.).). 1953 (Tomo Primeiro). 2005 ____________ A Antropologia como Ciência Social no Brasil. G. 1999 OLIVEIRA. 1975.). Rio: Livraria Editora da Casa do Estudante do Brasil. 1971. M. G..Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ .. M.). Petrópolis: Vozes. PIETRAFESA DE GODOI. 2003. Homenagens. M. Antecedentes e surgimento da antropologia no Brasil. In: Vibrant. W. D. O Povo Brasileiro: a formação e o sentido do Brasil.) Diários de Campo de Eduardo Galvão. vol. São Paulo: Cia. História da Antropologia no Brasil (1930-1960).C. S. Bibliografia CARNEIRO DA CUNHA. São Paulo: Sumaré / Fapesp. 50 anos. L. (org. MICELI. C. As Culturas Negras no Novo Mundo. M. Rio de Janeiro: Zahar. GONÇALVES. O Campo da Antropologia no Brasil. 1981. RIBEIRO. 1995. Lisboa. 2001. ___________ As Reuniões Brasileiras de Antropologia: 50 anos (1953-2003). __________. Nova luz sobre a Antropologia. 1996. S. Rio de Janeiro / São Paulo: Record. ?Brasiliana? / n°249. Rio de Janeiro:Tempo Brasileiro. Disciplinary Transformations in Systems of Power. __________ Introdução à Antropologia Brasileira. 1999 __________ (org.) O Que Ler na Ciência Social Brasileira (1970-1995): Antropologia (Volume I).

Scientific American (Readings from). 2ª ed. G. Rio de Janeiro: EAB. Arqueologia brasileira. ano II. 244-247. História da Arqueologia Brasileira.1972. Roger. seja na capital. In: Pinsky (org. José Luiz de. Ribeirão Preto: Funpec. A interpretação das culturas. (orgs). A arqueologia no Brasil.. 1974. H. il (Arqueologia). S. GOULART. À luz da compreensão de imagens e narrativas de sertão. Pré-história do nordeste do Brasil. MORAIS. Antonio Carlos Robert. na contemporaneidade. 1ª. seja por viajantes naturalistas. Approache méthodique des cultures préhistoriques amérindiennes. do ser Nordeste. ________________ Nova luz sobre a Antropologia . 2001. & Ronaldo Vainfas. J. LAMING-EMPERAIRE. il. FRITZ. Tradução (de Rita de Cássia Amaral). FLAMARION CARDOSO. 1996. na perspectiva de uma etnosertania. a partir da sua história e de suas memórias. Lina Maria. Paris: Ed. música. seja por uma sociografia voltada para a questão nacional e regional . Formação de coleções museológicas. In: Antes . p. Revista do CEPA. il. 5. Pesquisas. São Leopoldo (RS): Inst. REDMAN. Madrid: Alianza. PROUS. Do pioneirismo romântico à ciência. SOUZA. 1982.. construídas no pensamento social brasileiro. p. Ensaios de arqueologia brasileira. Luciana. il. hier et aujourd?hui.). Recife: UFPE. Annette. Os Historiadores e a Cultura Material. Ivan Dórea Cancio. Maria Lúcia. As pesquisas de salvamento no recôncavo baiano. A. ou por outras linguagens (literatura. p. Fontes Históricas. 1992. Cadernos de Campo. FUNARI. p. GEERTZ. desconstruções e reelaborações de sentidos são desafios teórico-empíricos contemporâneos em um debate ainda incipiente no Piauí.. interpeladores de subjetividades e produtores de sentidos para a "nação piauiense". 4ª ed. Pedro Paulo. ZUBROW. J. P. WATSON. Rio de Janeiro: Campus. 1989. O sagrado selvagem. outras expressões artísticas. El método científico en arqueología. v. Pensar genealogias piauienses e suas ressignificações à luz da categoria sertão. CHIARA. 81-110. ante signos difusos de sertão que afloram na vida sociocultural local. GUIDON.0 Área(s) de Concentração: Antropologia Arqueologia Ementa Introdução à Arqueologia. (2). tradições orais). Homo Brasilis. Curitiba: UPR/CHLA. Niède. Alfredo Mendonça de.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . História e paradigmas rivais. 671-684. Ciro. Sérgio Danilo (org. Arqueologia. Bruce G. TRIGGER. (ed). MORAES.Histórias da Pré-história. Cujas ? CNRS. 17-22. PENA. A arqueologia de resultados. 143157. LEBLANC. São Paulo: Contexto. Clifford. Margaret C. Teresina. Anchietano de Pesquisas/ UNISINOS. Domínios da História. 2006. Arqueologia e preservação do patrimônio. John M. 2002. no imaginário do ser Brasil. Ideologias geográficas. In: Ciro Flamarion Cardoso. Ezra B.expressa na conhecida oposição litoral/sertão . IMAGENS E NARRATIVAS DE SERTÃO Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. 1992. lida-se com elementos culturais. São Paulo: USP-PGA. MARTIN. 1991. 3ª ed. Antropologia. PALLESTRINI. cujas identificações. C.). Historia del pensamiento arqueológico. Vol. Rio de Janeiro: LTC. L. n. 1997. cinema. KNEIP. Brasília: EdUnB.PI HISTÓRIA SOCIAL DA ARQUEOLOGIA Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4. Fritz. São Francisco: W. Arqueologia e compromisso social..Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . L?homme. 21/03/2008 29 . 46. 1992. 1974. I. p. 2005.0 Ementa Refletir antropologicamente sobre como o Piauí é interpelado pelos signos de sertão. SOARES. il. 1-23. Freemean and Co. seja no interior do estado. New World Archaeology: Theorethical and Cultural Transformations. São Paulo: Hucitec. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Bibliografia BASTIDE. Barcelona: Crítica. Philomena. do ser Piauí.

113-167. Uberaba: Cone Sul/Universidade de Uberaba. 1924. Rio de Janeiro: Ediouro. Encontro regional de história. Mulheres do sertão nordestino. 1992. 17-37. pp. ALENCAR. D´ALMEIDA. 2ª edição. A invenção do Nordeste e outras artes. Brasília: Editora Universidade de Brasília. 2 e 3) _________________. 147 p. ed. CUNHA. 171181. CARVALHO. AMADO. Construindo mitos: a conquista do oeste no Brasil e nos EUA. 1999. 1984. P. São Paulo: Difusão européia do Livro. R. J.) Passando dos limites. Renato. D. Rio de Janeiro: Ediouro. T. A. (org. 471 p. 8. Memória sertão. 3ª edição. João. Fortaleza. Ataliba. C. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). A. 1959 21/03/2008 30 . pp. O coronel e o lobisomem. vol. A. Sargento Getúlio. C. A. In: CHIAPPINI. de. C. J. Rio de janeiro: ISEB. 8ª edição. 1998. F. 164 p. 409-414. São Paulo: Quatro Artes. Brasil: terra de contrastes.PI Bibliografia ABREU. São Paulo. 12-13. Colonização e empresas de descobrimentos de ouro e diamantes nas Minas. O povoamento do Piauí pelos criadores de gado: Domingos Afonso sertão. PIMENTEL. Queiroz. Goiânia: UFG.) História das mulheres no Brasil.) Literatura e cultura no Brasil. Uma história do gênero masculino.. CARVALHO. Teresina: Imprensa Oficial. v. Capítulos de História Colonial (1500-1800) & Os Caminhos Antigos e o Povoamento do Brasil. Rio de Janeiro: Rio Fundo. CARRARA. H. ANAIS. Nordeste . Boletim Geográfico. 185 p. F. R. Poesia reunida. 40-48. L. M. 1988. AZEVEDO. BARREIRA. 2004. Mariana: LPH/UFOP. 1969. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro/MEC. Os Guaianãs. Viajando o sertão. 1-2. II). _____________. Poemas do grande sertão. [19--]. S. 1962 (Vol. n. pp. S. Teresina. FACÓ. 2002. A. Rio de janeiro: Ediouro. K. 157-176. O Piauí. AMADO. pp. ALBUQUERQUE. Tipos constitutivos do homem nordestino. de. Rio de Janeiro: Paulo de Azevedo. E. Linguagem Regional e Fala Popular. 1965. Folhetos: a literatura de cordel no Nordeste brasileiro. _____________. São Paulo: T. J. 1996. 9-12. 2. 3ª edição. Rachel de Queiroz: invenção do Nordeste e muito mais. T.. Chapada do Corisco. BASTIDE. R.Universidade de Campinas. Rio de Janeiro: Empresa Editora de Obras Scientíficas e Literárias. C. DOBAL. [19--]. O ´sertão´ no espaço econômico da mineração. São Paulo: Mercado Aberto. Cangaceiros e fanáticos. 1968. Perspectiva histórica do século XVIII. pp. (org. n. 241276. o homem. C. DACANAL. FURTADO. FALCI. Revista de Ciências Sociais. 1993 CHIAPPINI. pp. BRANDÃO. O escravo na formação social do Piauí. Teresina: Editora da UFPI. a terra. R. 1982. Nova narrativa épica no Brasil: Grande sertão: veredas. Universidade Federal do Ceará. 344 p. W. H. 1979. G. M. ALMEIDA. BRANDÃO. C Dicionário do Folclore Brasileiro. I-VI. B. São Paulo: Cortez. O vaqueiro.. p. BRESCHIANI. Fundação Cultural Monsenhor Chaves. R. n. 1995. 189 p. Vaqueiros e cantadores. ANDRADE.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Nordestino uma invenção do falo. pp..d. (org. o meio. 2005. Conflitos sociais no sertão. B. Teresina: Corisco. PRIORI. ANAIS. Recife: FJN/Massagana. L. O sertão. ALMEIDA. CASTELO BRANCO. CASTELO BRANCO.(1920-1940) 205-23. M. O sertanejo. 1962.1998. A harpa do caçador. M. pp. 20. M. 01-49. J. 1996. J. O sertão. Os sertões. 2002. 1958. 6. Trilhas e atalhos do poder. O outro Nordeste: a civilização do gado e do couro. O. Contexto/UNESP. E. CASTELO BRANCO. São Paulo: Cortez. Teresina: Oficina da Palavra. Natal: Fundação José Augusto. Rio de janeiro: civilização Brasileira.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . CASCUDO. Natal: Fundação José Augusto. FERRY. G. 169.. 1984. 51-78. A operação Nordeste. Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR. 1999 (cap. 27 ed. Identidades e fronteiras. Poesias completas de Álvares de Azevedo. 1982. L. pp. s. 1970.. Seminário sobre economia mineira.

HOLANDA. 21/03/2008 31 . A. LIMA. Campinas: Mercado de Letras. 2000/2004/2006. 123-136. KUJAWSKI. 222. 1.) Além dos territórios. Tudo era seco: fome.87-130. Rito. Goiânia. 1999. E. NASCIMENTO. Campinas: UNICAMP. O. B. MOTT. 1997. Tese (Doutorado em Sociologia) Universidade de Brasilia. Teresina. O sistema do lugar: história.. V. São Paulo. Artigo apresentado no GT 50 "Sertão: sentidos e re-sentidos" da 25ª RBA. São Paulo: ASESP/CEBRAP. A. pp. território e memória no sertão. 2004. F. 1984. 25ª RBA. 2000/2004/2006. 1985. C. Universidade Estadual de Campinas. N. cidade. S. 11 a 14 de Junho de 2006.. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). I. Guimarães Rosa? ANAIS.tão?? (reflexões sobre identidade cultural e imaginário de sertão no Piauí). Teresina. _______________. Teresina: CARTACEPRO. Teresina. 25ª RBA. 2000/2004/2006. C. W. 97-131. Revista Ciência e Cultura. C. Goiânia: UFG. 11 a 14 de Junho de 2006. Goiânia. 1971. 3p. Estrutura demográfica das fazendas de gado do Piauí colonial: um caso de povoamento rural centrífugo. n. No prelo. (org. _______________. O trabalho da memória: cotidiano e história no sertão do Piauí. [Caderno Cultura]. M. F. V. 1998. memória e performance em uma festa rural no estado de São Paulo. n. Goiânia: UFG. Sertão e litoral: o espaço na construção nacional./2003. 24 p. 155-166. 2000/2004/2006. Teresina. M. B. ano IV. Trinta e dois. II. ANAIS. (org. Cidade. 441-460. 1980. _______________. Teresina. A morada da solidão: família escrava nas fazendas públicas de pastoreio no Piauí (1711-1871).. ___________. 30-45. _______________. história e memória. 1997. J. ANAIS. 20 p. Teresina: corisco. pp. fala e poder em "Vidas Secas". Conferência: ?Euclides da Cunha. Aceito e. Goiânia: UFG. São Paulo: Clube do Livro. PINHEIRO A. 475 p. 8 a 10/10/2005. A pátria geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro. O Caldeirão da Santa Cruz do Deserto.. 2000/2004/2006. 24 a 27/10/2000. A. São Paulo: Companhia das Letras.. Nota de aula nº 6: Nota de aula n. Texto apresentado no XI Ciclo de Estudos sobre o imaginário. Chico Vaqueiro do meu Piauí. 1196-1210. Teresina. GODOI. 6: Imagens de sertão a partir da leitura do texto: SOUZA. GO. pp.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . PINHEIRO. _________. Seminário sobre Patrimônio Cultura (I)material coordenado pela FUNDAC e UESPI. 4 p. História: cultura. A. UESPI. Fontes populares na inspiração roseana. A figura do bandido no imaginário da região Nordeste. Nota de aula nº 2: Veredas do grande sertão na construção do Brasil como ?comunidade Imaginada? . JACINTO. Teresina. Nota de aula nº 1: Nas trilhas da categoria sertão. (Org. 11 a 14 de Junho de 2006. F. _______________.. 131-154. 20 p. outubro. Goiânia: UFG. F. G. Nota de aula nº 3: Imagens de sertão a partir da leitura do texto: SOUZA. IBIAPINA. pp. 30. 84-98 GAMEIRO. de 9 setembro de 1984. Campina Grande: UFCG. M.PI FURTADO. A pátria geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro.. 165 p. Nota de aula nº 5: Imagens de sertão a partir da leitura do texto: SOUZA. G.35-86. narrativas e atores sociais nos cerrados do sudoeste piauiense).) Teresina: EDUFPI. A. 20 p. LIMA.. III.. A. A incorporação do sertão: para fazer outro Brasil. 2000/2004/2006. v. V. morada de foliões. 4 p. jan. Brsaília: UNB. Goiânia. Raízes-Revista de Ciências Sociais e Econômicas. E. 2007. A pátria geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro.) Recife: Bagaço. GO. Jornal o Estado de São Paulo. Nota de aula nº 4: Imagens de sertão a partir da leitura do texto: SOUZA.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . ANAIS. NASCIMENTO. C. A fronteira no Brasil: desdobramentos do imaginário sobre o vazio-sertão. P. Vida gemida em Sambambaia. Rio de Janeiro: Editorial Nórdica LTDA. Margens Escritas: versões da capital antes de Brasília.. Curral de serras. A. 25ª RBA. Ainda queremos ser. GO. ANAIS. n. p. Graciliano Ramos. F. 2002. 2000. 1997. 18 p. Falas da experiência feminina: memória. LOPES. pp. Os crespos do sertão. P. IV. Caminhos e fronteiras. 2003.../jun. narrativa e trajetória de mulheres camponesas nos cerrados piauiense. posteriormente. 1978. 22. 2p. R. C. Memórias de um sertão desencantado (modernização agrícola. pp. In: NIEMEYER. C. MENDES. MORAES. M. B. Trilhas e enredos no imaginário social de sertão no Piauí. L. São Paulo. sociedade. A pátria geográfica: o espaço vazio e a nacionalidade. _______________. _______________. Deus salve casa santa. M. Fortaleza: Editora Henriqueta Galeno. P. R. E. revisto para publicação na Revista ?O público e o privado? (no prelo). Recife. 1997.. F.. de 11 a 14 de junho/2006. 2 p. D. C. A cultura popular em Grande Sertão: Veredas. IBIAPINA. Seminário Revisão crítica da produção sociológica voltada para a agricultura. 2p. GALVÂO. P. vol.. C. pp. B. pp. _______________. MARTINS. 2005. A pátria geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro.. GODOI. em Goiânia-GO. V. M. Piauí. 10. S. 25ª RBA. Campinas: UNICAMP. _______________. pp.. 1994. CASTELO BRANCO. pp.

GO. A cidade não mora mais em mim. Bandeirantes e pioneiros. 1986. 11 a 14 de Junho de 2006. 37. O chão é o limite. B. 11 a 14 de Junho de 2006. 20 p. 123-138 OLIVEIRA..Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . pp. 1989/90. pp. SÁ. In: História. artesãos: origens do trabalho livre no Ceará colonial. 2004. Brasil sertanejo. 1998. ANAIS. M. 7. A conquista do espaço: sertão e fronteira no pensamento brasileiro. recompondo tradições: um estudo etnográfico de memórias junto a velhos moradores de um contexto rural ? Região do Médio Alto Uruguai (RS). TOP. pp.. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. é bem destacada no filme. G.. Franlklin. (Série 5ª . 25ª RBA. 101 p. TE. 1932. 25ª RBA. F. C. Final do século XVIII. pp. Cidade. 2004.vol. PORTO ALEGRE. A. A pecuária e o progresso do povoamento no Nordeste. para o qual eram enviadas órfãs portuguesas. A pintura de corpo dos kadiwéus. 11 a 14 de Junho de 2006. __________________. M. São Paulo: Global. Coleção Contar. CAVALCANTE. Tema principal: dificuldade de compreensão cultural.Ficção. A. [2005] 16 p. 2003. 99-108. São Paulo. coração feliz. 2000) Direção: Lúcia Murat. Grande sertão: veredas. iluminista influenciado por Rousseau. pp. A invenção da brasilidade sertaneja. 68. 1937 (tomo primeiro). 25ª RBA. 1956. Goiânia. P. I. julho de 1998. pp. Colorido. 339-363.brasiliana . SAINT-HILAIRE. VERBUM. et al. Imagem do sertão: bravura e fé na cinematografia cearense. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil.. 1/2. UFRGS: Porto Alegre. PIMENTEL. 11 a 14 de Junho de 2006. quando brincavam e mergulhavam durante um banho. www. (org. 1997.br/~humanas/. Vol.ufrj. 242 p. B. vol. escreve um livro. Inventário histórico político da canção popular moderna brasileira. Decantando a república. Inventário histórico político da canção popular moderna brasileira. Goiânia. NASCIMENTO. pp. R.O ?Profetamento dos Bichos?: visões e reminiscências de viagens em busca do sertão de Goiás. S. Vaqueiros. V. Nordeste: a invenção pela música. Uma das principais e terríveis cenas do filme é a do estupro e massacre de um grupo de mulheres guaicurus. 214-224 OLIVEIRA. Manguetronic. ANAIS. Do espírito pioneiro ao empreendedor: o caso do migrante ?gaúcho? em Mato Grosso. um grupo de portugueses designados para fazer um levantamento topográfico na região do Pantanal se envolve com estupro de índias da tribo kadiwéus. Ciências. R. quando o personagem português Diogo de Castro e Albuquerque. S. São Paulo: Companhia das Letras. OLIVEIRA. et al. C. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. R.. Construindo tempos. pp. PROENÇA. 66-68 QUEIROZ. Biblioteca Pedagógica Brasileira). RIBEIRO. Conceito de Cidade Nova de Fronteira ou Teses para a Construção de um Tipo Ideal de Cidade Nova de Fronteira. pp. GO. ROSA. Desmundo fala de um Brasil dos primeiros anos da colonização. 11 a 14 de Junho de 2006. P. SOUZA. 25ª RBA. C. com sua complexidade e simetria. A cidade não mora mais em mim. S. D. Novos estudos CEBRAP. M. 20 p. RUBERT. atual Mato Grosso do Sul. São Paulo: Editora Três. Chagas abertas. V. Fortaleza. SANTOS. A. ANAIS. N. REGIS. história e memória. país ainda primitivo. 3. Filmografia (ficção/documentários) Ficção a/"Desmundo". que tanto impressionou Lévi-Strauss. Goiânia. O cabeleira. GO. B. J. 195-215. SANTOS.(Brasil. Beato Lourenço. O sertão (en)cantado: cores e sonoridades. por falta de mulheres brancas. Manguinhos. Companhia Editora Nacional. L. Goiânia.. WALSH NETO. 2002. PRADO JUNIOR. Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura. 594 p. 1-29. 236 p. S. habitado por homens e mulheres rudes. A pátria geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro. 93-111. Vol. Teresina. Segunda viagem do Rio de Janeiro a Minas Geras e a São Paulo (1822).Viagens às nascentes do Rio São Francisco e pela província de Goyaz. Corisco. A festa do peão de boiadeiro e a domesticação do sertão. Goiânia: UFG. Cinéas. L. F. vol V (suplemento). MP3. Baseado no romance de Ana Miranda. 3. 14 p. Goiânia. 21/03/2008 32 . Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). M. nov. Mail. um ramo dos guaicurus.. P. L. O filme focaliza o conflito cultural entre brancos (colonizadores) e nativos (colonizados). F. 307 p. Expedient. São Paulo: Brasil: Brasiliense. X. Rio de Janeiro: Nacional. Decantando a república. O. In: CAVALCANTE. L. v. História econômica do Brasil. GO. Ficção. 12 p. Direção: Alain Fresnat.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . outubro de 1998. para se casarem com os colonizadores que viviam ?em pecado? com as índias. ROCHA. 2000. 461-479. 2021. I. agricultores. História do cangaço. 13 p.ifcs. SILVA. L. Trilhas no Grande Sertão. 114). longa-metragem. (Os Cadernos da Cultura. 1973. L. VEIGA. D. Rio de Janeiro: José Olympio. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. b/"Brava gente brasileira" .) Teresina: EDUFPI. Revista de Ciências Sociais. A. 2004.PI NEVES. de 1993. Saúde. M. n. 25ª RBA. 1958. B.. TÁVORA. N. A Folia de Reis e os versos cantados: movimento ritual e evocação de crenças populares. GO. PINHEIRO A.

O romance de Riobaldo por Diadorim?. 30 min. Longa metragem. Narração: Sergio Chapelin. Brasil. http://www. ganhou um prêmio em Cannes como melhor filme de aventura. eles". e a poesia popular. h/O sertão mundo de Ariano Suassuna . Produzido por Gilberto Gil.DVD de Antônio Nóbrega. Rio de Janeiro. vídeo. Música: Villa-Lobos. Direção e produção: Aníbal Massaíni Neto. que morava pacificamente com seus três homens. 1999 GEERTZ. Colorido. k/No sertão eu vi. José Roberto Beto Novaes. 1997. 1978/79.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Conta com várias participações especiais e com captação de imagens em todo o Brasil. 35mm. como convidado especial em novembro de 1993.sesc. longa-metragem. invasores e a Bandeira de Fernão Dias. d/ "O Cangaceiro". No meio da viagem. i/ O que eu conto do sertão é isto . Colorido. seguindo o roteiro de um mapa recém-descoberto. do Rio Grande do Sul e do Estado de São Paulo. José Umbelino. B. considerando seus objetivos. C. Ficção. Produção: Thomas Farkas. 35 m. Produção: Myriam Taubkin Produções Artísticas/Galvani/SESC São Paulo. Cor. Direção. Ficção. J.sesc. Longa metragem. LAUDOS ANTROPOLÓGICOS . História baseada na vida da dupla de cantores da música sertaneja Zezé de Carmargo e Luciano. Contextualização da produção de laudos antropológicos no Piauí . Narração:Sergio Chapellin. narra a saga de uma família do sertão de Goiás e a perseguição do sonho de transformar seus filhos em artistas da música sertaneja..INTRODUÇÃO Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. Superam-se assim. Rio de Janeiro : Zahar. Direção: Francisco Alves.PI ilustrado com as pinturas. relações culturais e sociais.) Faces da Tradição Afro-Brasileira. TV Cultura. e gravações populares da literatura de cordel. Baseado na obra de Darcy Ribeiro: O povo Brasileiro. datado do século XVII.Produção: Central Globo de Jornalismo. em 1936. Euclides da cunha. Direção: Douglas Machado. Produzido por Rosemberg Cariri. Ficção. Maria Rita Assumpção.com. Co-produção da Superfilmes. longa-metragem. Destaque para o próprio tema: "lunário perpétuo?". Esta é a razão fundamental para a inclusão do debate e do conhecimento já acumulado sobre o assunto no currículo de formação de novos antropólogos. Locações: Monte Santo. C. uma mulher no sertão nordestino que se casa com três maridos. GNT e a Fundar. E para a canção . Originalmente. Diretor: Andrucha Waddington. Produtor: Luiz Augusto Mendes.com. c/ "No coração dos deuses" Ficção. Departamento de Cinema do Patrimônio Histórico e artístico Nacional. http://www. Apresenta a arte da sanfona do Nordeste.. de Antônio Nóbrega e Wilson Freire. Produção: Central Globo de Jornalismo. A. José Otávio Paz de Barros. Bibliografia ALMEIDA. de. Rio de Janeiro / Salvador : Pallas/Ceao. O objetivo do curso é discutir alguns laudos já produzidos. 1998. 120 m.Lançado em première mundial no Latin American Festival da Carolina do Norte (USA). b/ São João vivo . e se projeta com criatividade (Mostra de Filme Etnográfico Brasil Plural. Glauber Rocha (letra). Documentário. UFPB. g/ "Os dois filhos de Francisco". Colorido. In : O'DWYER. A história nasceu quando o diretor viu no programa Fantástico da TV Globo.classicvideos. vídeo. reportagem sobre uma sertaneja. O sertão é enfocado em seus aspectos culturais a partir de depoimentos de importantes personalidades desse cenário. Direção: Hermano Penna. 1999. 78 min. o Caldeirão de Santa Cruz é o seu primeiro longa metragem. Monte Santo e Uauá. colorido.br d/A mulher no cangaço . Conta a epopéia sertaneja de Canudos de forma ampla e aprofundada. Brasil. SESC (www. Maurice Capovila.territórios de quilombos e territórios indígenas. os atores e as instituições envolvidas.classicvideos. Canché (Cocorobó). Conta a história de Darlene Linhares (Regina Casé). este documentário foi gravado nas cidades de Canudos. Canudos (BA).com.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . Direção: Geraldo Moraes. e/ "Deus e o diabo na terra do sol". 95 m. tu..Colorido. SESC (www. Colorido. filme em preto e branco produzido em 1953 e dirigido por Lima Barreto. Glauber. O pensamento como ato moral: dimensões éticas do trabalho de campo antropológico nos países novos. um documentário histórico permeado de influências que passam por Eisenstein. terminam indo parar no tempo dos bandeirantes. dramaturgo e pensador que transforma o sertão no palco das questões humanas. conta a história do movimento messiânico liderado pelo beato José Lourenço. Colorido. 2001 21/03/2008 33 . Salvador. Quilombos identidade étnica e territorialidade. Canções: Sérgio Ricardo (melodia). célebre protegido de Padre Cícero. (org. onde encontram índios.classicvideos. Colorido. fotografias e versos de Virgulino Ferreira da Silva. Filme-pesquisa apresentando trechos do documentário sobre cangaceiros feito. Programa Globo Repórter. C.. http://www. Divisão do Itamaraty. o Lampião. E. Kátia Maciel. 1964.br) e Interior Produções). tendo as feiras livres como cenário. DVD. 27 min. assim como com materiais de arquivos.0 Ementa A participação em perícias e elaboração de laudos antropológicos tem sido uma freqüente atividade desenvolvida pelos antropólogos na atualidade.Um grupo de aventureiros parte em busca do tesouro dos martírios. Betacam. com participações do próprio Gilberto Gil cantando e falando. m/O Brasil da sanfona. Romero Azevedo. BACELAR. Companhia produtora: Copacabana Filmes. sua identidade. In: Nova luz sobre a Antropologia. 1993. 2006. Cyntia Nogueira e Danilo Scaldaferri. Aventura.com. c/ O último dia de Lampião. Direção e Roteiro: Antonio Olavo. 1999. n/ Lunário Perpétuo . Direção: Breno. Brasil.com. O modo de viver e de ver o mundo do sertanejo. preto e branco. 2002 CAROSO. Documentários a/O Brasil sertanejo . Dividido em quatro blocos temáticos de aproximadamente 7 minutos. as adversidades naturais.. j/Paixão e Guerra no Sertão de Canudos. no sertão baiano? (Mostra de Filme Etnográfico Brasil Plural. do Brasil central.br g/O Caldeirão de Santa Cruz . A concepção de sertão de Ariano Suassuna. ficcionista.br) e Interior Produções) l/Dias de feira: Ana Rosa Marques. Quilombos e as Novas Etnias. Rio de Janeiro : FGV. Bahia. poeta. Longa metragem. Brasil. o contexto em que são produzidos. 80 m.?Uma equipe de jornalistas e geógrafos percorre o sertão e propõe nova maneira de enxergar o semi-árido nordestino. Ficção. W. f/ "Eu. abordados a partir de seu cotidiano. apresenta festas juninas de vários estados do Nordeste. pelo mascate Abraão Benjamin. Feira de Santana.br f/Memórias do cangaço . 125 minutos.

In: OLIVEIRA. Rio de Janeiro : Relume Dumará/ Faperj. P.PI Laudo Antropológico de Identificação e Delimitação do Quilombo Tapuio. (org. BLOEMER. Textos de Antropologia Urbana.. Rio de Janeiro: Paz e Terra CLIFFORD. T. Manuela Carneiro da Cunha. Rio: Relume-Dumará. Rio.abant. Um Discurso sobre as Ciências. Populações Locais e Hidrelétricas. O Dito e o Feito.. O.. Oráculos e Magia entre os Azande.org. 2) _________ ?A Análise Antropológica de Rituais?.L. São Paulo: Cortez.) A Aventura Antropológica. Piauí. A. J. 2004 LIMA. Bibliografia AUGÉ. 2002. Cap 1 REIS. MILLER. Rio: Guanabara.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . Na Metrópole. Banco de Laudos disponibilizados no site da Associação Brasileira de Antropologia (www. impérios estados nacionais. A Aventura de Antropólogos em Campo ou Como Escapar das Armadilhas do Método. -Tristes Trópicos. 1990 OLIVEIRA. A.L. 3 e 4) CARDOSO. 1. O Fenômeno Urbano. B. -Crônica dos Índios Guayaki. São Paulo: Edusp. SIGAUD. 1998 (caps. Rio de Janeiro : Contra-Capa. UFRN. Rio: Relume-Dumará. Notas para o estudo da relação entre Antropologia e Indigenismo. A Experiência Etnográfica: Antropologia e Literatura no Século XX. 1997 (caps. 1997 NIMUENDAJÚ. 1978 MAGNANI.L. 1987 21/03/2008 34 . 2002. Indigenismo e territorialização: poderes. 2002 KUPER. M.. 2001. C. In : O método Científico e seus dados: Epistemologia e Ética.C. M. de Benedict. N. Ilhas de História. Rio: Zahar. -Nós. F. J. (org. de Malinowski. P. de Landes. J. de. M. -Os Nuers e Bruxaria. As Lendas da Criação e Destruição do Mundo. 1995 (cap. de Evans-Pritchard. O Desafio da Cidade: Novas Perspectivas da Antropologia Brasileira. 2. de Firth. R. de Geertz. A Ética na pesquisa. de Mead. Rio: Zahar. In: L'ESTOILE. 1980 VELHO. Torres (orgs.C. 3. 2001 (caps. A Favor da Etnografia. pp. Rio de Janeiro: Campus. G.G. 3) a produção de etnografias no contexto piauiense. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.. 4 e 5) ________ Obras e Vidas: O Antropólogo como Autor. 4) SANTOS. Antropólogos e Antropologia. Por Uma Antropologia dos Mundos Contemporâneos. Florianópolis : EDUFSC. B. NEIBURG. 1987 PEIRANO. Os relatórios antropológicos de identificação de terras indígenas da Fundação Nacional do Índio. B. S. os Tikopia. de S. de. C. de Lévi-Strauss. M. L.). -Sexo e Temperamento.C.). -O Crisântemo e a Espada.).17-40 SAHLINS.. São Paulo: Cortez. O antropólogo como perito: entre o indianismo e indigenismo.). -Um Jogo Absorvente: Notas sobre a Briga de Galos Balinesa. 3 e 7) GEERTZ. Brasília: Fundação Palmares/UnB. Francisco Alves.0 Ementa Temas a serem discutidos: 1) objetivismo versus subjetivismo = intersubjetividade? 2) a etnografia como marca distintiva da Antropologia. Rio: EdUFRJ. Rio: EdUFRJ. 1987 _____________ Pela Mão de Alice: O Social e o Político na Pós-Modernidade. 2. Nova Luz Sobre a Antropologia. Antropologia. Hucitec / EdUSP. de Clastres. J. O. (org. São Paulo. 1996 MALINOWSKI. C. e L. J. -A Cidade das Mulheres. (org. 1 e 9) VELHO. Um Diário no Sentido Estrito do Termo. 1998. In: Peirano. Rio: Record.br). 1995 (caps. In: Cardoso. M. rotinas e saberes coloniais no Brasil Contemporâneo. -Os Mortos e os Outros. Exemplo de etnografias a serem trabalhadas: -Os Argonautas do Pacífico Ocidental e A Vida Sexual dos Selvagens. LEITURAS DIRIGIDAS DE ETNOGRAFIAS CLÁSSICAS Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. 1990 (cap. R.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ .

Oeiras: Celta Editora. A memória coletiva. Social memory. et al. 1-7. (Coord. 740-741. A segunda: Walter Benjamin. D. Rio de Janeiro: Ed. p. H. DUVIGNAUD.) Docência.L. p. R. F. (org. objeto de análise. provocando quem as analisa a tentar compreender memória social como campo de disputas. 15-48. [199-]. a variabilidade. H. FENTRESS. FERREIRA. nem reais. (Org. AMADO.Como as sociedades recordam. (org. História. SILVA. trajetórias individuais e coletivas metodologicamente tratadas como campos fluidos. e no tempo. São Paulo: Companhia das Letras. ed.1998. memória e autobiografia na pesquisa educacional e na formação. etc). Rio de Janeiro: FGV. (Org. -----------. J. C.. 61-84. ancorados pela memória como construção social de significados. a multivocalidade. Rio de Janeiro: FGV.). p. In: Cardoso.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . Campinas: CMU. Rio de Janeiro: Martins Fontes. Memória sertão. 1990 FABIAN. MEMÓRIA SOCIAL Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. E. 126 p.PI ZALUAR. BOSI. In: BRANDÃO.C. trajetórias de vida (re)construções de identidade feminina na intersecção de culturas. Teoria e Prática do Trabalho de Campo: Alguns Problemas.) As faces da memória. Campinas: CMU. Convite à filosofia. 35-45. ainda: deixai-me lembrar. _____________. _____________. nem verdadeiras. 63-81. B. São Paulo: Atelier Editorial. pp. Memória e sociedade: lembranças de velhos. H. 25-34. Sobre o Conceito de História. GONDAR. 2003. Matéria e memória. Uberaba: Cone Sul/Universidade de Uberaba. e a busca do fio que ajuda a tecer o itinerário narrado e referente ao âmago da experiência e da auto-reflexão constitutivos do ato narrativo. [199-]. Identidades culturais. 1996. New York: Columbia University Press.. evidenciado pela narração. 1994. 109-114. destino e cenários de vida entre errantes mineiros. A ilusão biográfica.. A interpretação antropológica focaliza os sentidos sociais da experiência. -------.. p. Contracapa Livraria Ltda. O narrador. 2. B. SP).) Introducion. S. J.. 1990. Memória e patrimônio.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 1985. pp. Prefácio. p. 222 -234.Time and other: how anthropology makes his object. 25-60. 229 p. Observações acerca da obra de Nicolau Lescov. Cambridge: Blackwell. pp. 1986. p. E. em si mesma. Uberaba: Cone Sul/Universidade de Uberaba. O tempo vivo da memória: ensaio de psicologia social. M. 2005. Memórias e narrativas reportam-se a identidades as quais não são falsas.) As faces da memória. Narrativas orais e inscritas (escritas. Bibliografia ABREU. W. Volume I. pp. Obras Escolhidas. Space and memory: Topoi of discourse. P. 1985. 1975. 1993. numa síntese do heterogêneo. CATANI. 1992. EDITORA BRASILIENSE (São Paulo. São Paulo: Ática. (Org. HALBWACHS.1998.) Usos e abusos da história oral. 27-34. L. a descontinuidade. (Tradução de Sérgio Paulo Rouanet). R. M. Rio: Paz e Terra. BOSI. Dicionário de Ciências Sociais. O trabalho teórico/empírico de lidar com métodos e ferramentas que mediam a criação de sentido elaborada no ato narrativo é referido ao próprio trabalho da memória. pp. BERGSON. e identidades narrativas como construções dos sujeitos que integram na permanência. BRANDÃO. memória e gênero: estudos sobre formação. imagéticas. B. Lisboa: DIFEL. Entre a saudade da terra e a América: memória cultural. BURKE. J. 183-191. WICKHAM. P. monumentais. Estudos de antropologia histórica. São Paulo. Sete visitas à casa da memória: a primeira ? Walter Benjamin: a dívida solidária com o passado. Nation and narration. Memória sertão. A Aventura Antropológica. C. CHAUÍ. DODEBEI. (Ed. Rio de Janeiro: DPIA. B. R. M. London: Routledge. M. D. Ensaios contemporâneos. do passado ou do acontecendo. São Paulo: Escrituras. BOURDIEU.). SP). HUSE. FELDMAN-BIANCO. M. DUARTE. ___________. operada por sentimentos pessoais/grupais de continuidade e estabilidade. Os pensadores. CHAGAS. D. . V. 484 p. P. p. 1995. R. 21/03/2008 35 . A memória. 2003. Memória social. (Tradução Erwin Theodor Rosental). São Paulo. O mundo como teatro.) O que é memória social? Programa de pós-graduação em e memória social da UFRJ. (Org. 1994. BHABHA. ABRIL CULTURAL (São Paulo. CONNERTON.. e a instabilidade. O sentimento do mundo: memória. J. São Paulo: Vértice. C. J. CATANI. nem aparentes. 1994. mas performativas. D. A.0 Ementa Memória como fonte de conhecimento da vida social. BENJAMIN. deixai-me narrar. 1997. 1983.

O sertão desencantado (memórias. Projeto História. O. 1992. _______________. 67-76. 1975. T. Campinas: CMU [199-]. p.) Ensaios: desenvolvimento rural e transformações na agricultura. Fronteiras da memória: atores e memórias no sudoeste piauiense. M. pp. Entre memória e história: a problemática dos lugares.) Imagem e memória.) Os desafios contemporâneos da história oral . ADORNO. HORKHEIMER. L. ritos y IZQUIERDO. 475. São Paulo. v. n. 353 p. M. área temática: Memória e sociedade. História em campo minado (a história popular revisitada). jan. Rio de Janeiro: Imago. 2000. (org. 3. E. A. A. pp. Desafios do milênio. 309-320. n. Antropologia. 128 p. M.. Memória. História.PI FOUCAULT. M. jan-Jun. H. IV Congresso de Ciências Humanas. número Especial. Memórias de cativeiro: narrativas e etnotexto. jan. MAUAD. O sistema do lugar: história.).. A. Casa da Moeda. Memória e prática docente. Imprensa nacional. 59-75. FREUD. C. C. p. Horizontes Antropológicos. W. narrativas e atores sociais nos cerrados do sudoeste piauiense). 1. Os pensadores. 2002. 553 p. C. R. E. MOTA. Granada: Anthropos. São Paulo: Associação Brasileira de História oral. J. MOLINA. narrativa e trajetória de mulheres camponesas nos cerrados piauiense. 1990. C. HISTÓRIA ORAL: Revista da Associação Brasileira de História Oral. Jun. 97-124. LE GOFF. 1991. 1984. SIMSON. pp. Campinas: UNICAMP. 1. vol. (org. p. Campinas: Mercado de Letras. M. K. KENSKI. 76. São Paulo: Vértice. SHARNBERG. 1991. Universidade Estadual de Campinas. BRANDÃO. M. O que e um autor? Lisboa: Veja. 2000. ANAIS. 253-94. pp. Encontro com o contador de histórias: um processo de aprendizado mútuo. HARTMANN. D. Coloquio Internacional. ________. 1999. C. M. GODOI. G.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . pp. P. pp. Algumas reflexões sobre histórias de vida. BRANDÃO. SILVA. n. 3. pp. La tierra: mitos. ABRIL CULTURAL (São Paulo. repetir e elaborar (novas recomendações sobre a técnica da psicanálise).. [199-]. Campinas: CMU. Imagens do Nordeste: a construção da memória regional. R. Lembranças de infância e lembranças encobridoras. Oralidade. Campina Grande: UFCG. NEVES. (Org. As faces da memória. 1992. pp. dezembro de 1999 (Número temático: Cultura Oral e Narrativas). São Paulo. 12. Memória: matéria de mimese. MORAES. v. MENESES. M. 353 p. NEVES. 12. 191-203. S. história e sujeito: substratos da identidade. F. 1997. 2001. P. Campinas: UNICAMP. Enciclopédia Einaudi. PEREIRA. Letras e Artes. S. F. El olvido. 22. território e memória no sertão. G. História e memória. 43. n.250. _______________. Obras psicológicas completas. 2000./jun. Cd-Rom. A. Raízes-Revista de Ciências Sociais e Econômicas. 2001. v. corpo e memória entre contadores e contadoras de causo gaúchos. Falas da experiência feminina: memória. 190 p. HARRITS. 12. Horizontes Antropológicos. B. Rio de Janeiro: Imago. 15-18 de abril. ITURRA. La representación ritual de la memoria oral en el trabajo de la tierra. v. Campinas: UNICAMP/CMU. São Paulo: Associação Brasileira de História oral. 8. 101-114. ___________. Tese (Doutorado em História). ___________. As ciências sociais. 97-131. 6. Ensaios de antropologia visual. v. 1990. São Paulo: Associação Brasileira de História oral. KOURY. LOPES. A memória coletiva. 20 p. HISTÓRIA ORAL: Revista da Associação Brasileira de História Oral. M. Campinas: UNICAMP. O trabalho da memória: cotidiano e história no sertão do Piauí. Qué es la memoria? Buenos Aires: Fondo de Cultura Economica. D. 15 p. Obras completas. 1976. L. SP). P. 1976a. n. Universidade Estadual de Campinas. E. 109-116. narrativas e atores sociais nos cerrados do sudoeste piauiense).). T. realidades. 11-24. (org. MALUF. 69-82..26-34. Memórias do cárcere de Graciliano Ramos sob a perspectiva da memória. p. M. p. Sergipe: Embrapa. ano 5. 165 p. Jun. 1994. p. Campinas: UNICAMP.. 1998. biografias e autobiografias. Natal: EDUFRN. R. MATOS. Rio de Janeiro: Gramond. dezembro de 1999 (Número temático: Cultura Oral e Narrativas). 3. n. _______________. pp. n. Recordar. In: NIEMEYER./2003. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). M. 234. 3. D. Conceito de iluminismo. Memórias de um sertão desencantado (modernização agrícola. M. A. S. 268-280. HISTÓRIA ORAL: Revista da Associação Brasileira de 21/03/2008 36 . GODOI.) Além dos territórios. 1991.. HISTÓRIA ORAL: Revista da Associação Brasileira de História Oral. M. Passagens. L. T. V. Fortaleza: SECULT/RCV. (Org. iconografia e memória. A escrita de si. G. PEIXE.. Memória. E. narrativas e a busca de sentido. Granada. L. R. MONTENEGRO. NORA. As faces da memória. 386-409. ano 5. ALCANTUD. J. p. A. 2000. 2005. 30-45. HALBWACHS.60. (Org. p.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . I.

n. Os debates sobre memória e história: alguns aspectos internacionais. 14-16. [Paris]: Galimard. Dissertação (Mestrado em História). 1973. M.. A. F. Memória. R. H. ano 5. SOUSA. 3. 1998.-Rs. n. THOMSON. Memória. O encontro com Deus. história oral. Elaboração de projetos de pesquisa. P. pp. A.0 Área(s) de Concentração: Antropologia Ementa Questões básicas de epistemologia em Ciências Humanas e em Antropologia.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . 14-16. Tradição. v. S. HAMILTON. P. Trajetórias e memórias de negros migrantes. M. 65-91. Rio de Janeiro: FGV. pp. Jun. FERREIRA. H. pp.) Usos e abusos da história oral. VERGARA. TRAVESSIA . 1997. 1975. VIII Jornadas sobre Alternativas Religiosas na América Latina. 2004. p. Abordagem de fenômenos complexos inapreensíveis pela observação direta. 355./dez. M.103-130.Revista do Migrante. SILVA. M. p. AMADO. A árvore da memória. FRISCH. p. A memória não é mais o que era. 15 p. Quadros de referência (interacionismo simbólico. RATTS. A. Horizontes Antropológicos.. J. IV Congresso de Ciências Humanas. SIMSON. Anita Xavier da Costa: memórias da filha de um pioneiro do socialismo no Rio Grande do sul ? da fogueira das lembranças ao álbum de recordações. Anuário Antropológico/92. A. Memórias de ANZAC: colocando em prática a teoria da memória popular na Austrália. Confissões. 1999. Dissertação (mestrado em Antropologia Social). pp. 113-131. 2000. pp. J. 32. Migrantes canudenses em São Paulo: a memória num contexto de discriminação. BERNARD. SANTO AGOSTINHO. 1996. N../dez. R. v.1995. Universidade Federal do Rio Grande do Sul..) Usos e abusos da história oral. Cotidiano e memória na cidade histórica de Piratini. B. 195 p. SCHMIDT.J.). SILVA. S. Letras e Artes. 1996. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). São Paulo: Associação Brasileira de História oral. California: Altamira Press.br.Revista do Migrante. 2001. São Paulo: CEM. (Coleção "Os Pensadores"). 353 p. E F. 27 p. ANAIS. V. São Paulo: Hucitec.. AMADO. O Método nas Ciências Naturais e Sociais. dezembro de 1999 (Número temático: Cultura Oral e Narrativas). A. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. H. área temática: Memória e sociedade. 12. TRAVESSIA ? Revista do Migrante.. V. v. http//:jornadas@sociologia-usp. A. (Orgs. M.PI História Oral. O massacre de Civitella Val di Chiana (Toscana: 29 de junho de 1944): mito. P. 117-127 PORTELLI. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Campinas: UNICAMP. THOMSON. dramaturgia social. 277 p. política. 1994. GEWANDSZNAJDER. 2000. Cultura de falas e gestos (histórias de memórias). TRAVESSIA . A. São Paulo.. J. B. YATES.) Usos e abusos da história oral. etnometodologia. Memória. n. sujeito e ação social: das regularidades estruturais à multiplicidade. AMADO. 1997. set. imaginação e dialogismo em algumas narrativas cordelistas do nordeste brasileiro. MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA EM ANTROPOLOGIA I Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4. 250 p. à experimentação e à mensuração. O. n. F. M.. memória e modernidade: a precariedade da memória religiosa contemporânea. M.. 195-229. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais. 432 p. recompondo tradições: um estudo etnográfico de memórias junto a velhos moradores de um contexto rural ? Região do Médio Alto Uruguai (RS). 168-182. 4.11. Universidade estadual de Campinas. 185 p. E. FERREIRA.4. Cd-Rom. ROUSSO. set. (Orgs. (Orgs. Jun. Bibliografia ALVES-MAZZOTI. A. Memória. BECKER. (org. M. pesquisa participante e pesquisa-ação) e a relação entre natureza do problema de pesquisa e as ferramentas utilizadas./dez. Rio de Janeiro: FGV. fenomenologia. São Paulo: Associação Brasileira de História oral. Hermenêutica da relação entre estrutura. 32. 1988.11. v. J. FERREIRA. Research Method in Anthropology. M. Porto Alegre: UFGRS. RUPERT. 236 p. 99-101. UFRGS: Porto Alegre. B. 32. pp. São Paulo: Abril Cultural. p. 1998. n. São Paulo: CEM. Rio de Janeiro: FGV. São Paulo: Pioneira. n. HISTÓRIA ORAL: Revista da Associação Brasileira de História Oral. 1998. L´art de la mémoire. Perspectiva idiográfica não-empirista e suas possibilidades comparativas. luto e senso comum. n. Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil) São Paulo: Vértice. São Paulo: CEM. Construindo tempos. v. De Magistro. R. 21/03/2008 37 . RIVERA. 183.85-101. WOORTMANN. 1996.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 3. pp. Qualitative and Quantitative Approaches. Livro X . set.11. de 22 a 25 de setembro de 1998. da objetividade à interpretação dos significados dos aspectos subjetivos da ação social. M. J.

____________ A Miséria do Mundo. Petrópolis: Vozes.PI BITTENCOURT.626-638. RICHARDSON. GOLDENBERG. pp.1986. RAMOS. 1978. HAGUETTE. Porto Alegre: EdUFRGS. POLLAK. Petrópolis: Vozes. Diferentes linguagens fotográficas. Rio de Janeiro: EdUFRJ. 1987. Fronteiras da Cultura: Horizontes e Territórios da Antropologia. Observers. antropólogos. W. CLIFFORD. M. Contatos Fotográficos: nativos. A. 1981. São Paulo: Ática. M. 1996. 1986 BRANDÃO. BOAS. In: Koury.Métodos. (org. M. Rio de Janeiro: Record.) Marcel Mauss. P. G.C. 1998. Esquecimento e Silêncio. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.) Desenvolvimento e Direitos Humanos: A Responsabilidade do Antropólogo. In: Actes de la Recherche em Sciences Sociales. STOCKING. M. (org. A.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . R. 1994. SAHLINS. 1987. In: Estudos Históricos. Madison: The University of Wisconsin. 1979. pp. F. Edusp. (org). Ofício de Etnógrafo. (org. Para Abrir as Ciências Sociais. M. G. Questões de Sociologia. M. O Antropólogo como Ator Político. Pesquisa Social. São Paulo: Martins Fontes. São Paulo: Brasiliense. OLIVEIRA. 2.). pp. João Pessoa: EdUFPB. GEERTZ. MAUSS. G. Metodologias Qualitativas na Sociologia. OLIVEIRA. 1997. M. PEREIRA. 21/03/2008 38 . Grandes Cientistas Sociais. 1994.). In: Arantes. V. GREIMAS. 225-241. LANDOWSKI. The Aims of Ethnology (1888). Petrópolis: Vozes.J. 1999. P. 1998. Análise do Discurso em Ciências Sociais. M.(1902). 3-15. LUNA. 1983. In: Fonseca. J. juin. Memória. 1992. São Paulo: Global Editora. In: Race. _______ Interpretação e Superinterpretação. FEDLMAN-BIANCO. Antropologia das Sociedades Contemporâneas .S. J. São Paulo: Perspectiva. 1978. DEMO. R. Como se Faz uma Tese. Cultura na Prática. C. BOURDIEU. 1993. O Trabalho do Antropólogo. A Fotografia como Instrumento Etnográfico. São Paulo: McGrill-Hill do Brasil.). Imagens & Ciências Sociais. 1986. I. Language and Culture. C. ZALUAR. T. Metodologia das Ciências Humanas. São Paulo: EdUNESP. 1979. Campinas: EdUnicamp. E. A Prática da Pesquisa. 1983. 1982 CASTRO. Rio de Janeiro: Zahar. Aventura Antropológica. A. 3. São Paulo: Educ.R. Análise de Dados Qualitativos. DEBERT. P. 224-231. C. C. P. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. C. In: Anuário Antropológico 92. L. 1998. et alii.M. 2002. Método Sociológico. 2001. H. 1989. R. São Paulo: Atlas.). et. pp.M.C. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Hucitec. pp.155-162. __________ Obras e Vidas: o antropólogo como autor. (org. (org. R. S. jornalista e turistas. alli (orgs. 1998. p. São Paulo: Global. col. ____________ L'Illusion Biographique. S. F. J.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Pesquisa Social. 1980. A. Rio de Janeiro: EdUFRJ. Essays on Ethnographic Fieldwork. Trabalho de Campo: Território e Fronteiras de Gênero. R. Observed. Rio de Janeiro: EdUFRJ.146-156. WALLERSTEIN. A.R.C. Rio de Janeiro: Marco Zero. 1993. 1979 MINAYO. Desvendando Máscaras Sociais. B. A Arte de Pesquisar. A Interpretação das Culturas. In: Cardoso. In: Oliveira. RIAL. 1966.. 62/63. New York/London: The Free Express/Macmillan. A Experiência Etnográfica. 1999. São Paulo: Atlas. ECO. São Paulo. Diário de Campo. GROSSI. 2004. São Paulo: Cortez. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Problemas Relativos à Utilização de História de Vida e História Oral. Planejamento em Pesquisa. C.

__________ Obras e Vidas: o antropólogo como autor. New York/London: The Free Express/Macmillan.PI MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA EM ANTROPOLOGIA II Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4. Questões de Sociologia. M. Rio de Janeiro: Record. GREIMAS. L. 1999. ____________ A Miséria do Mundo. 2002. ____________ L'Illusion Biographique. entrevista nãodiretiva. 1991. BERNARD. T. On the writing of ethnography.1995. 225-241.M. J. Análise do Discurso em Ciências Sociais. 1979. M. Qualitative and Quantitative Approaches. Madrid: Júcar. 1993. P. A Prática da Pesquisa. S. V. 1983. J. 2003. Como se Faz uma Tese. DEMO.R. Petrópolis: Vozes. São Paulo: McGrill-Hill do Brasil.R. BOURDIEU. GOLDENBERG. Rio de Janeiro: Paz e Terra.1986. 62/63. Complementaridade entre ferramentas do campo das metodologias qualitativas e quantitativas. 2. Language and Culture. CLIFFORD. Antropologia das Sociedades Contemporâneas . A Fotografia como Instrumento Etnográfico. The Aims of Ethnology (1888). Retoricas de la antropologia. 1978. In: Race. J. 1999. In: Ethnography. A Arte de Pesquisar. (org. Objetivação. GROSSI.. pp. Amostragem na abordagem qualitativa. J. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. São Paulo: Educ. FEDLMAN-BIANCO. 4. juin. Bibliografia ALVES-MAZZOTI. São Paulo: Global. São Paulo: Hucitec. Processamento das informações e apresentação dos resultados. J. A. H. 21/03/2008 39 . São Paulo: Pioneira. São Paulo: Martins Fontes. Porto Alegre: EdUFRGS. Ethnography on an Awkward Scale: Postcolonial Anthropology and the Violence of Abstraction. São Paulo: Brasiliense. California: Altamira Press. P. Petrópolis: Vozes. Rio de Janeiro: EdUFRJ. 1997. Metodologias Qualitativas na Sociologia. Metodologia Científica em Ciências Sociais. C. morais e éticos. Problemas Relativos à Utilização de História de Vida e História Oral. São Paulo: Perspectiva. _______ Interpretação e Superinterpretação. 1999. BECKER. S. A Pré-História: uma abordagem ecológica. diário de campo. 1998. Reflexividade: o trabalho de campo em seus aspectos epistemológicos. F.Métodos. H.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 .146-156. círculos de pesquisa. (orgs. LANDOWSKI. Planejamento em Pesquisa. A. 1987. M. E F. E. In: Anuário Antropológico 92.. Aventura Antropológica. p. 1966. GEERTZ. problemas teóricometodológicos e controle do bias. São Paulo: Global Editora. V. G. A Interpretação das Culturas. CRAMPAZANO. C. BITTENCOURT. B. São Paulo: Atlas. A Experiência Etnográfica.J.). 2004. COMAROFF.0 Área(s) de Concentração: Antropologia Ementa Análise do processo de pesquisa. Research Method in Anthropology. 1986. C. pp.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . LUNA. seus textos e "hors-textes". 1977. 1986 BRANDÃO. In: Dialectical Anthropology. Diário de Campo. 2001. In: Cardoso. & MARCUS. BOAS. G. Estudo de caso pela perspectiva etnográfica: observação participante. Rio de Janeiro: EdUFRJ. ECO. O Método nas Ciências Naturais e Sociais. In: Fonseca. Trabalho de Campo: Território e Fronteiras de Gênero. HAGUETTE. R. Rio de Janeiro: Marco Zero. 1981. 224-231. A. 1993. 1994. COMAROF. GEWANDSZNAJDER. F. 1987. Rio de Janeiro: Zahar. São Paulo: Brasiliense. DEBERT. 147-179. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais.). In: Actes de la Recherche em Sciences Sociales. pp. C.626-638. história de vida. R. Fronteiras da Cultura: Horizontes e Territórios da Antropologia. pp. H. GUGLIELMO. 1982 CASTRO. CLIFFORD. 1978.

RAMOS. LAGE. O uso do ocre em práticas funerárias Préhistóricas. Análise de Dados Qualitativos. DUARTE. CHIARA.1997. São Paulo: Hucitec. Arnold. Proenza.M. Rio de Janeiro: Record. 1996. 1994. . In: Estudos Históricos. 1998. 2ª ed. BRANDÃO. Campinas: EdUnicamp. J. Madison: The University of Wisconsin. Vilma. MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA EM ARQUEOLOGIA I Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4. ano 2. 3ª ed. (Col. São Paulo. São paulo: Ática. In: Oliveira. En busca del pasado. 1999. 1992. 3-15. Ofício de Etnógrafo. Procedimentos (tradicionais) em locais pontuais. Maria Conceição S. NASCIMENTO. Early Man in America. L´art rupestre du Piauí s le contexte sud-américain. Tratamento dos registros gráficos.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Rev. (org. João Pessoa: EdUFPB.).C.S. STOCKING. São Paulo: Atlas.. Systematics and Archaeology. P. W. Identidade & etnia. A. El proceso de investigación en arqueología. Pesquisa Social. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.155-162. 1984. Luis Filipe. Edusp. & SABLOFF. Lewis R. In: Alan Lyle BRYAN. POLLAK. Surface evidence of early man arid lands. Paradigms. M. Grandes Cientistas Sociais.PI MALINOWSKI. Sorbonne. Os procedimentos de reconhecimento (prospecção) de sítios arqueológicos pré-históricos e históricos. 1998. R. RICHARDSON. SAHLINS. 1998. 2. BINFORD. (org). 3.). identificação. Meneses. BINFORD. 1979. Memória. J. Para Abrir as Ciências Sociais. I. jornalista e turistas. espaço amplo e restrito (escavações) e em ambiente aquático (coletas). 1980. registro e acondicionamento para reserva técnica e exposição). (org. 2005. (org. A.C. Os métodos de escavação e coleta de material.C. A. 1982. São Paulo: Brasiliense. OLIVEIRA. Imagens & Ciências Sociais. O Trabalho do Antropólogo. Desvendando Máscaras Sociais. antropólogos. RIAL. BORGES. do IFCH. 1983. Ana Clélia. Luís Carlos. Observed.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . pp.J. Normas técnicas e legais para registro de sítios arqueológicos. cartográficos e fotográficos. 1978. M. Metodologia das Ciências Humanas. Os métodos de datação. OLIVEIRA. Adaptação dos procedimentos tradicionais a amplas distâncias circulares. Método Sociológico. Edmonton. Pesquisa Social. A. BROCHADO. R. M. Grandes Textos).) Marcel Mauss. Observers.SAB. G. 1989. MAUSS. R. Teresina: FUNDAPI. ZALUAR. 1986. Tratamento do material arqueológico em laboratório (limpeza.0 Área(s) de Concentração: Arqueologia Ementa As correntes teórico-metodológicas da pesquisa arqueológica. 2: 11-47. Adequação dos procedimentos tradicionais a amplas distâncias lineares. Thèse pour Doctorat d´Etat e Lettres et Sciences Humaines. Esquecimento e Silêncio. In: XIII Congresso da Sociedade Brasileira de Arqueologia . Petrópolis: Vozes.).) Desenvolvimento e Direitos Humanos: A Responsabilidade do Antropólogo. Um Diário no Sentido Estrito do Termo. S. Contatos entre europeus e indígenas: um estudo de aculturação através das mudanças na cultura material. 1994. et alii. 38: 137-153. Tratamento e acondicionamento do material gráfico (desenhos) e cartográfico. Carlos Rodrigues. M. 1974. Barcelona: Crítica. alli (orgs. 5 vol. WALLERSTEIN. Contatos Fotográficos: nativos. Journal of Anthropological Research. Lewis R. As técnicas de registro e elaboração de banco de dados. Barcelona: Crítica. B. Université de Paris I. A história negada: em busca de novos caminhos. Occasional Papers nº 1: 181 ? 217. 21/03/2008 40 . Campo Grande .(1902). GUIDON. Diferentes linguagens fotográficas. In: Arantes. Alberta: University of Alberta. J. Bibliografia BATE. In: Koury. (org. G. col. Porto Alegre: UFRGS. 2004. Levantamento circunstancial. 1979 MINAYO.R. pp. P. M.Mato Grosso do Sul. Joina Freitas. Os métodos conservacionistas. Niède. Os procedimentos de resgate dos vestígios arqueológicos: m ambiente terrestre. São Paulo: EdUNESP. Rio de Janeiro: EdUFRJ. From a Circum-Pacific Perspective. Essays on Ethnographic Fieldwork. Une première proposition concernent métodes et terminologie. O Antropólogo como Ator Político. 2004. Cultura na Prática. A. R. Paris: Panthéon. C. 1998. São Paulo: Cortez. et. PEREIRA. C. BRIGHAM.

Clive. RIBEIRO. (org. LAGE. In: MEGERS. Paris: Université de Paris I.). Intern. da SAB. Betty J. 1990. G.. Meneses. 2001. SILVA. 1. MEGGERS.) Prehistoria sudamericana. Histórias e memórias. Intern.2007. 1999.. Dating of the Prehistoric Paintings of the Archaeological Área of the Serra da Capivara National Park. Étude archéométrique de l?art rupestre du sud-est du Piauí . 1986. v.. Maria Sylvia et al.. de 30. ROWLANDS. Luís Carlos D.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 1993. Análise química de pigmento vermelho em osso humano. Spacial Analysis in Archaeology.10. Theory and Explanation in Archaeology. RIBEIRO.PI GUIDON. Alice. Meneses. Maria Conceição S.2007. III Encontro do IPHAN e Arqueólogos. XIV Cong. RIBEIRO. escavação e registro das estruturas. LUCENA. Jacionira C. D. 3ª ed. XIV Cong. III Encontro do IPHAN e Arqueólogos. Nova York: Academic Press. FABRIS. 1987. Teorias. Ocupações pré-históricas sobre terraços fluviais no vale médio do São Francisco. Presença da Casa da Torre no Piauí. p. Prehistoria sudamericana. 2003. Cláudia A. Bibliografia AGUIAR. Aracaju: MAX-UFS. A Tradição Agreste em Pernambuco. Rio de Janeiro: UNIBRADE. Antonio Carlos Robert. Leituras acompanhadas. n. Ciências Sociais Hoje.09 a 04. JACONE. Alberico de. Marcos. MAGALHÃES. J. p. A ocupação humana e os processos deposicionais. p. Dating and the earlist known Rock Art. Análise de 20 sítios. MORAES.CHESF. HODDER. XIV Cong. (org. da SAB. em TacaratuPE. CLIO . Berta G. 1991. Estudo paleoantropológico de duas necrópoles da região de Xingó.2007. Jacionira S.Série Arqueológica. MARTIN. n. M. Teresina: Halley. Berta G. São Raimundo Nonato (PI): FUMDHAM. Recife: UFPE / CHESF / CNPq. Ancient Titicaca: the evolution of complex society in southern Peru and northern Bolivia. CAVALCANTE. Florianópolis-SC. Ian & ORTON. A.Série Arqueológica. São Paulo: Hucitec. Luís Carlos D. 1982. MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA EM ARQUEOLOGIA II Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 3. LAGE. 2002. V.). 193-218. 1992. Maria Conceição Soares Menezes. Taraxacum: Universidad Católica del Norte (Chile). São Paulo: Hucitec. Nº extraordinário. Ocupação Tupiguarani no Estado de Pernambuco. Levantamento arqueológico na área da Barragem de Castelo do Piauí.10. Contribuição ao estudo da paleogeografia da área do Parque Nacional Serra da Capivara. O Sítio Antenor. Betty J. Estado de Sergipe. 2003. n. CARVALHO. Berkeley: University of California Press. BAHN. Gente de longe. da SAB. Salvador: AAPHBA . Florianópolis-SC. LAGE. da SAB. A. métodos y práctica.). (Comunicação). Recife: UFPE. Abordagens teóricas dos grupos pré-históricos ceramistas no Nordeste. SOARES. Recife: Sociedade de Arqueologia Brasileira. 1996. 1977. Paul. ROCHA. Intern. 21/03/2008 41 .Brésil. 1: 9-36. Nuevas perspectivas. Vol 3:7-34. 3). Etnobiologia. Ivan Dórea Cansio. Ana Luisa M. Florianópolis-SC. 2006. C. RENFREW. 1992. Colin. O índio na cultura brasileira. Fumdhamentos.09 a 04. (Comunicação). In: Maria Mafalda Baldoino. Anais do I Cong.. Taraxacum: Universidad Católica del Norte (Chile).. 3: 169-175. de 30. OLIVEIRA. PORTO ALEGRE. de 30. Niède.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . (coord. QUEIROZ. João Kennedy Eugênio (orgs. Nuevas perspectivas. Yara Dulce Bandeira de Ataide. CLIO . Suma Etnológica Brasileira. Veleda. (Comunicação). v. nº 1545-60. RENFREW. C. da SAB. Relatório das atividades de campo realizadas pelo Projeto Sobradinho de salvamento arqueológico. 1986. ANPOCS. ALBUQUERQUE. 29-46. Ideologias geográficas. da SAB. FINEP. LAGE. 2ª ed. Nordeste do Brasil. III Encontro do IPHAN e Arqueólogos. Aldeias indígenas e povoamento do Nordeste no final do século XVIII: aspectos demográficos da ?cultura de contato?. LAGE. B. CALDERÓN. Anais do I Cong. Maria Conceição Soares Menezes. Madri: Akal. UNESCO. Arqueología. Perspectivas etnológicas (1957-1988) para arqueólogos.0 Área(s) de Concentração: Arqueologia Ementa Práticas de campo: utilização de instrumentos em prospecção. (Tese de Doutoramento). 4.Revista do Museu Arqueológico de Xingó. Anais do I Cong. J.). Sônia Maria C. Jacionira Coêlho. Clio . 1987. 1993. SEGRAVES.113-142. CANINDÉ . Berta G. STANISH. Recife: UFPE. In: Matthias Strecker & Paul Bahn (orgs). Oxford: Oxbow Books.Série Arqueológica. Petrópolis: Vozes. 49-52. p. Maria Conceição S. CAVALCANTE. de. (ed. Olívia A. Cambridge: Cambridge University Press.09 a 04. 1987. (Pequena Enciclopédia da Cultura Brasileira.10. SILVA.

Flávio Silva. Estudo sobre ritualidade funerária em Xingó. n. Recife. Rosiane. Clio ? Série Arqueológica. Jacionira Silva. 21/03/2008 42 . Curso de Mestrado em História. UNICAP.PE I Seminário Regional de Ecodesenvolvimento.24 jan. LIMA. Application of the Biological Model of Diversification to Cultural Distributions in Tropical Lowland South America. Marcélia. Alice. 2002. Rock paintings of mammals at Central. de. Piaui. Jacionira C Arqueologia no médio São Francisco. publ. Sônia Maria C. Maria Conceição S. v. p.. Recife: UFPE-PPGH. Técnicas de registro. Étude d´un cas: La Toca do Boqueirão do Sítio da Pedra Furada. (Anais. IPHAN. n.Série Arqueológica. 10. 2006. 1. Jacionira Coêlho. Brazil. v. CARVALHO.estudo de um caso: a Toca da Entrada do Baixão da Vaca. 1993. Adauto J. Dissertação de Mestrado. Brazil): Studying Their Association. 2002 PEREIRA DA SILVA. 2007. 1999. Jeanette M. 1986. Revista Brasileira de Zoologia. L. Dias de. Análise da paisagem e do conjunto das estruturas e suportes rochosos. 4980. Maria da Conceição de Moraes Coutinho. Fortaleza. Bahia. LAGE. A sobrevivência humana na pré-história do Piauí. MENDONÇA. Belo Horizonte: Ed. José Ossian Gadelha de. 2006. Pantheon Sorbonne. Sheila M. 1988. AGUIAR. LIMAVERDE. ROCHA. BELTRÃO. 5: 91-104. S. 2007. SILVA. n. Bibliografia AGUIAR. Recife. Jeannette M. Análises laboratoriais e intervenções de conservação no Parque Nacional de Sete Cidades. Suzana. 1994. CAMPELO. Maria da Conceição de Moraes Coutinho. 7.Série Arqueológica.Rev. Valencia: v. da SAB. p. MENDONÇA DE SOUZA. il. de Química-UFMG. Recife: UFPE. FAURE. SILVA. 15. CLIO . BELTRÃO. Luiz F.2007.10. Sheila M.PETROBRAS-CHESF. XVIII. Fátima. Estudo químico comparativo de ossadas humanas pré-históricas. C. p.. Olavo. Archivo de Prehistória Levantina. LOCKS. Análise dos traços de identificação. LIMA. Arquivos do Museu de História Natural. REGISTROS RUPESTRES Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. S. Aracaju: MAX/UFS . D. Saúde e Doença em Grupos Indígenas Pré-Históricos do Brasil: Paleopatologia e Paleoparasitologia. Belo Horizonte: Dep. Biotropica. A Tradição Agreste: estudo sobre arte rupestre em Pernambuco. VERGNE. MONZON. 3 vol. FARIA. Washington D. Autor. Betty J. SILVA. Suzana. Rio de Janeiro. Jacionira Coêlho. Florianópolis-SC.PI LIMA. Martha.p. 1986. 20 . Ceará. v. Teresina: NAP-UFPI. Indígenas. Sônia Maria.. Olívia A. 109-129.353-364. XIV Cong.139-145. V. pedra e barro na Capitania de São José do Piauí. Gabriela. SOUZA. G. da SAB. 21 ? 42. UFPE. Alice. eletrônica). 19: 89-91. Levantamento dos problemas de conservação dos sítios do PARNA Sete Cidades. (Comunicação). 1981-1982. Formação e estratigrafia da Furna do Estrago. Paris: Université de Paris I. Brejo da Madre de Deus . n. Sergipe. MARQUES. Tradições e estilos na arte rupestre no nordeste brasileiro. de 30. BARBOSA. FERREIRA.. Métodos de análise dos grafismos de ação. Martine. XII Congresso da ABRACOR. 3: 7-78.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . GUÉRIN C. ARAÚJO. Restos humanos calcinados: cremação em abrigo ou sepultamento em cinzas. Anais do I Cong.. Saúde e Povos Indígenas.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ .09 a 04. 1986. Prehistoria del Nordeste de Brasil: Estado actual de la investigación. Relatório Final. Meneses. Rio de Janeiro: SAB. Recife: UFRPE. MAGALHÃES. F. PARENTI F. de. 6-7.C. 11: 107-124. (3): 141-161. MARTIN. Grafismos rupestres da Região do Sertão Central do Ceará: análise técnica e estado de conservação. vaqueiros e missionários. Intern. Recife: UFPE. Recife: UFPE-PPGH. p. L. 1975. Current Research in the Pleistocene. FIOCRUZ. Tese de Doutoramento. Le traitement formel de l´art rupestre. Tese de Doutorado. 1982. Os registros rupestres da Chapada do Araripe. (Comunicação). MEGGERS. n.1998. MONZON.0 Ementa Teorias do estudo de arte rupestre. Revista de Arqueologia. Mémoire. DA LUZ. 2002. CLIO .. Pleistocene Faunas and Lithic Industries in the Antonião Rockshelter (Coronel José Dias. Carnaúba. 2003. III Encontro do IPHAN e Arqueólogos. A transformação em animal e a representação do felino no registro rupestre do médio São Francisco. Clio . Cemitério do Justino. Belo Horizonte: UFMG. 1997. Brasil. il. (Anais do I Congresso Nordestino de Ecologia). Estudo técnico-estilístico: tradições e culturas. R. 4: 727-745.

2005 FRY. linguísticos. et alii. S. CARNEIRO DA CUNHA.. 147-186. Mobilidade e Raça.35-62. Lisboa: Edições 70. N. 2007 MAIO. Rio de Janeiro: Zahar. (orgs.63-80. O Negro no Rio de Janeiro. FRY. G. P. P. VALLE SILVA. 2001. (orgs. Fazendo Antropologia no Brasil. PESSIS. pp. Rio de Janeiro: Fiocruz/CCBB. FRY. 58-85. Raça. M. nº 15. 1987. C. Ação Afirmativa e Rediscussão do Mito da Democracia Racial no Brasil. In: Relativizando. FREYRE. PRADO. 1998. A formação do povo brasileiro. Rio de Janeiro/São Paulo: Pallas/EDUC. COSTA PINTO. das Letras. Racismo e anti-racismo no Brasil.) História dos Índios no Brasil. Homo Brasilis: aspectos genéticos. 1:29 -44. 1988. 2002. Laurance. GOMES. São Paulo: Cia. 1. COSTA.247-274 BUARQUE DE HOLLANDA. São Paulo: Brasiliense. Casa-Grande e senzala. P. Série Antropológica III.S. Petrópolis: Vozes.. O Índio e o Mundo dos Brancos. Y. p. FERNANDES. pp. São Paulo. P. das Letras. Teorias da Etnicidade. P. 1999.. 1980. SãoPaulo: Nacional Brasiliana. São Paulo/Rio de Janeiro: Vértice/IUPERJ. 1991. M. 1964. Recife: Imprensa Oficial. FERREIRA. 1998. Recife: UFPE. Rio de Janeiro: Zahar. ou o problema do racismo à brasileira. J. S. Para Inglês Ver: Identidade e Política na Cultura Brasileira. L. A noção de sub-tradição aplicada a um sítio de arte rupestre pré-histórica. As políticas de ação afirmativa Bibliografia BANTON.35-54. Feijoada e soul food 25 anos depois. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. O escravismo e sua herança para a cultura brasileira.C.. Rio de Janeiro: DP&A. Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. POUTIGNAT. _______________________ A Sociologia do Brasil indígena. P. Rocco. C. CLIO . Rio. P.. In: ESTERCI. BERNARDINO. OGEL-ROS. F. RELAÇÕES INTERÉTNICAS. MAGGIE.F.V. 2001.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . FRY. Cor e Desigualdades sociais.). In: Estudos Afro-Asiáticos. HASENBALG. 1996. (org. pp.. Martins Fontes. Do estudo das gravuras rupestres pré-históricas no Nordeste do Brasil.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . 1977. Raízes do Brasil. Raça.0 Ementa Raça e Cultura. Digressão: A fábula das três raças . 200. São Paulo: Cia. R. v. M. FAUSTO. das Letras. Raça. São Paulo: Cia.PI Recife: UFPE. J. Rio de Janeiro: EdUFRJ. FRY. Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro:Tempo Brasileiro. São Paulo: EdUNESP. 1996. 2000. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército. Da MATTA. A Construção Sociológica da Raça no Brasil. Retrato do Brasil: Ensaio sobre a tristeza brasileira. Afro-Descente: Identidade em construção. 1982. 21/03/2008 43 . R. pp. RAÇA E NAÇÃO Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. A Persistência da Raça. Os Índios antes do Brasil. Etnicidade e Nacionalismo. DIEGUES Jr. 2. BASTIDE. P. 1970. 1959. Racismo e Anti-Racismo no Brasil. R. D. C. STREIFF-FENART. A. 1985. p. S. R. 2002. 1978. Os Índios e o Brasil. M. GOLDENBERG. 1992. PENA. M. M. Estrutura Social. Teresina: UFPI.) Divisões Perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Etnias e Culturas no Brasil. SANTOS. 1984. 1995. In: Estudos Afro-Asiáticos.Série Arqueológica. históricos e socioantropológicos da formação do povo brasileiro. Anne-Marie. A Idéia de Raça. 24. PRADO Jr. CARDOSO DE OLIVEIRA. São Paulo: Difusão Européia dos Livros. R.4. 2000. A. 2002. Cadernos de Pesquisa . N. São Paulo: Editora 34. 24. GUIMARÃES. Ribeirão Preto: Funpec. Brancos e Negros em São Paulo.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

In: Sociologia e Antropologia. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Nacional. A Festa no Pedaço. B (org. C. ________________ Racismo no Brasil. (org. In: Antropologia Estrutural. 1995. Preto e Branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. GEERTZ. TURRA. 1993. M.C. São Paulo/Rio de Janeiro: EDUC/Fapesp/Pallas. 1976. Rio de Janeiro: UNIBRADE/UNESCO. São Paulo: Brasiliense. 1979. In: Rhodes-Livingstone Papers. O Povo Brasileiro. São Paulo: Cia.193-214 ________________ O Pensamento Selvagem. São Paulo: Publifolha. 1976 PEIRANO. G. In: A Interpretação das Culturas. 1982. Malandros e Heróis.G.). O Espetáculo das Raças: cientistas. São Paulo: Nacional. Les Rites d´Interaction. Londres: Cambridge University Press. Naven. Porto: Ed. RITUAIS E SIMBOLISMO Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. Dito e Feito. Sociologia da Rito. In: Feldman-Bianco. s/d. Racismo Cordial. 1988. pp. Manchester University Press.. O Feiticeiro e sua Magia. SCHWARCZ. 2002 21/03/2008 44 . In: Terrain. São Paulo: Global Universitária. M. 27. VENTURI. Rio de Janeiro: Paz e Terra.37-176 MITCHELL.E. GOFFMAN. G. Dramas sociais. ?Brasiliana? / n°249. das Letras. 1974 LÉVI-STRAUSS. RIBEIRO. SANTOS. vol. Petrópolis: Vozes.). Ensaios de Antropologia EStrutural. L. B. pp. C. 2001 SKIDMORE. Rio de Janeiro: Zahar. col. O Sentido dos Outros. Paris: Minuit. Esboço de uma Teoria Geral da Magia. In: Afro-Ásia. C. J. M.. E. I. Petrópolis: Vozes. Briga de Galo em Bali. Rio de Janeiro: Zahar. R. 12. Rés. Bibliografia AUGÉ. 1987. 1978. 1984 MAUSS. Antropologia das Sociedades Contemporâneas. Análise de uma Situação Social na Zululândia Moderna. 1999. 8. C. J. 1996. 1976 MAGNANI.3-7 FRAZER.A. São Paulo: Perspectiva.M. E. (orgs. São Paulo: Ática/FSP/DataFolha.PI RAMOS. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . 1995. 1987.0 Ementa Teorias do ritual. 2002. H. J. pp. SANSONE. 1936 DOUGLAS. Pureza e Perigo. A Invenção do Ser Negro: um percurso das idéias quem naturalizaram a inferioridade dos negros. São Paulo: Paulinas. REIS. The Kalela Dance. 1989 CAZENEUVE.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . 1973 ___________ Carnavais. 1985. R. O Ramo de Ouro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. A. performances e ritos de interação. 1980 FABRE. Rio de Janeiro: Círculo do Livro. 1974. BATESON. São Paulo: EdUSP. Ritual e sociedade na contemporaneidade. 1976 DURKHEIM. T. das Letras. Nem somente preto ou negro: o sistema de classificação racial no Brasil que muda. A contribuição da Escola Sociológica Francesa e da Antropologia Social Britânica. G. M. 1987. D. São Paulo: Ed. GLUCKMAN. São Paulo: Cia. M. L. D. DaMATTA.J. instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). Reflexões sobre o Carnaval. O Índio na Cultura Brasileira. J. Le Rite et sés Raisons.) Escravidão e Invenção da Liberdade: estudos sobre o negro no Brasil. In: Ciência e Cultura. 18. As Formas Elementares da Vida Religiosa. 1956 ORTIZ. HUBERT. As Culturas Negras no Novo Mundo. RIBEIRO.

123-166 TURNER. 2002 TAMBIAH. S. São Paulo: Brasiliense. Apresentação dos projetos dos alunos. 1987 VAN GENNEP. In: Dramas. Bibliografia Bibliografia a ser definida. Harvard University Press. Petrópolis: Vozes. 1992 RADCLIFFE-BROWN. A Perfomartive Approach to Ritual. Metodologia da pesquisa. 1974 __________ Social Dramas and Metapohors.0 Ementa Disciplina dedicada à abordagem de temas específicos em Arqueologia definidos de acordo com os interesses dos alunos e das atividades de pesquisa dos docentes. Carnaval Brasileiro.PI ___________ Rituais: Ontem e Hoje. Ritos e Rituais Contemporâneos. 1968 SCHNEIDER. New York: PAJ Publications. R.0 Ementa Disciplina dedicada à abordagem de temas específicos em Antropologia definidos de acordo com os interesses dos alunos e das atividades de pesquisa dos docentes. In: Culture. 21/03/2008 45 . V. SEMINÁRIO DE PESQUISA Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4.Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Disciplinas Identificação da Proposta: 4283 . A. Londres: The Free Press. D. and Metaphors. Os Ritos de Passagem.M. New York: Cornell University Press. A Critique of the Study of Kinship. Bibliografia Bibliografia a ser definida.Antropologia e Arqueologia Área Básica: ANTROPOLOGIA Nível (is): MESTRADO ACADÊMICO IES: FUFPI / FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ . Petrópolis: Vozes.R. TÓPICOS ESPECIAIS EM ANTROPOLOGIA Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4. O Processo Ritual. The Andaman Islanders. Rio de Janeiro: Zahar. 1985. Fields. Ann Arbor: The University of Michigan Press. M. pp.P. Rio de Janeiro: EdFGV. Thought and Social Action.0 Área(s) de Concentração: Antropologia Arqueologia Ementa A pesquisa antropológica e arqueológica realizada pelos alunos: relações entre conceitos e dados empíricos. Bibliografia Bibliografia a ser definida TÓPICOS ESPECIAIS EM ARQUEOLOGIA Nível: MESTRADO ACADÊMICO Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4.I. 2004 QUEIROZ. o trabalho de campo. 1977. 1974 ___________ Anthropology of Performance. 1984 SEGALEN. M.