You are on page 1of 64

DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03

PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA

Olá, concurseiro(a),
Você se lembra do nosso compatriota maratonista, medalha de ouro nos
Jogos Pan-Americanos do Rio-2007? Eu (Luiz Henrique) estava lá, pois morava
no bairro do Flamengo, o melhor do Rio de Janeiro como o nome já diz, e vi
como Franck Caldeira venceu; como, nos últimos dois quilômetros da
desgastante prova, superou a si mesmo, encontrando reservas de energia na
alma, para uma arrancada final na qual ultrapassou os competidores que já se
julgavam vitoriosos. Aos 95% do percurso ele não estava nem no pódio e ao
final foi o grande vencedor!
Que ele seja um exemplo inspirador para todos nós.
Os alunos estão se dedicando bastante neste curso. O número de
respostas supera a expectativa e, em média, a qualidade dos textos já evoluiu
do primeiro exercício para o mais recente, principalmente em termos de
estrutura e organização das ideias.
Vamos então rever e reforçar alguns pontos importantes para as provas
discursivas.
Em nossa aula de hoje, primeiramente destacaremos diversas dúvidas,
bastante relevantes, do fórum dos alunos, inclusive de cursos passados. Temos
observado que nem todos os alunos leem as questões dos outros colegas, ou
pelo menos não leem nossas respostas, porque algumas questões se repetem.
Para nós, isso não é problema, pois ser professor é responder sempre,
muitas vezes, a perguntas parecidas. No entanto, por serem perguntas de
interesse geral, serão postadas aqui na aula. Desenvolvendo melhor as
respostas, poderemos atingir um número maior de alunos. No entanto, nosso
conselho é: leiam também as perguntas dos demais colegas no fórum.
Além disso, continuaremos a análise das questões dissertativas das
provas de concursos. Na aula que vem (a última!), faremos uma coletânea
geral de temas e questões de diversas matérias, dos mais variados
assuntos. Afinal, como já anunciamos no início de nossos trabalhos, este curso
vale por muitos: ensina técnicas de redação e apresenta questões e revisa
assuntos de diversas matérias. Isso sem falar na aplicação dos simulados,
corrigidos segundo a grade da banca, e na apresentação do ranking de notas
dos alunos.
Nesta aula, veremos também a proposta de solução dos exercícios da
aula 2, com comentários acerca de técnicas para melhorar a qualidade do
texto.
Em prosseguimento, falaremos sobre algumas falhas frequentes na
elaboração de textos.

www.pontodosconcursos.com.br

1

DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03
PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA
Ao final, será proposto o exercício 4.
I – DÚVIDAS SELECIONADAS DO FÓRUM DOS ALUNOS
Vamos agora à nossa já tradicional seção. Note que nem todas as
dúvidas são desta turma, mas também de outros cursos on-line e presenciais,
bem como de e-mails que recebemos de alunos.
1) Estou tendo uma dificuldade terrível em atender aos requisitos da pergunta
e ao mesmo tempo dar coerência ao meu texto, parece que estou entrando de
"supetão" nos itens da pergunta sem fazer uma ligação coerente de
parágrafos. Como posso fazer para melhorar este aspecto da minha
dissertação?
O encadeamento entre os parágrafos pode ser feito pelos "elementos de
coesão textual". Ao encerrarmos um tópico e iniciarmos outro parágrafo
abordando tema distinto, podemos utilizar:
No que concerne a...
No que diz respeito a...
Quanto ao tema...
Por sua vez, no que tange a...
etc. etc.
2) Professores, ao me deparar com questões objetivas, consigo com êxito (na
grande maioria dos casos) dizer se ela é correta ou incorreta, assim como ter
uma “visão” meio nebulosa dos dispositivos legais as quais se referem. No
entanto, chega na hora das questões discursivas, não consigo lembrar com
precisão dos termos utilizados e aí a caneta “tranca”. Acha que eu deveria dar
ênfase na decoreba da literalidade dos artigos? Será que tem alguma coisa
errada? Talvez pouco estudo... ou estudando de forma indevida... Teria
alguma sugestão?
O “branco” é um fenômeno natural e ninguém escapa dele. Eu (Luiz
Henrique) quase sempre tenho um branco na primeira leitura de uma questão
(exceto quando é muito fácil). Claro que, quanto mais estudamos, mais fáceis
ficam as questões, não é mesmo? O problema é treinarmos para vencer o
branco. Não podemos nos apavorar e fugir ou, pior, ficarmos paralisados,
estáticos, olhando a página vazia. Temos que cumprimentá-lo e informá-lo
educadamente de que iremos derrotá-lo. Para isso, usaremos a primeira etapa
do MANTRA: PENSAR!
Refletindo e concentrando-nos, buscaremos no "hard disk" de nossa
memória os arquivos com as informações necessárias à resolução da questão.

www.pontodosconcursos.com.br

2

DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03
PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA
Não recomendamos aos alunos a decoreba de artigos legais. O
importante é conhecer a estrutura da lei, o seu sentido, a sua articulação com
outras normas correlatas. O mais correto é ilustrar as principais situações com
exemplos, porque são mais fáceis de recordar; e, lembrando-nos dos
exemplos, lembramos o conteúdo.
Em suma, muito treino, pois nada é impossível!
3) Quando estivermos lá escrevendo nossas questões de 30 linhas e os temas
de 60, podemos/devemos fazer aquele recuo na primeira linha do parágrafo?
É importante que fique claro para o leitor/corretor onde você terminou
um parágrafo e onde começou o outro. Para isso, o recuo de cerca de 1 a 2 cm
é útil.
4) Posso fazer citações legais, jurisprudenciais ou de algum doutrinador na
prova, transcrevendo o texto da citação?
Sim, mas cuidado! A citação tem que ser literal, o que vai exigir de você
boa memória. Melhor citar o pensamento de fulano, de modo genérico, do que
uma citação específica. E mais: o fulano tem que ser um autor consagrado,
não serve qualquer autor. De todo modo, em textos de até 30 linhas, não é
recomendável de modo algum, por falta de espaço.
5) Caso a resposta seja positiva, posso usar aspas, ou parênteses?
Aspas.
6) Quando eu tiver que mencionar sequencialmente citações legais posso usar
no início de cada citação o hífen?
Em qualquer enumeração, o ideal é usar dois pontos e separar os itens
enumerados por ponto e vírgula.
7) Em um dos foros o Sr. (Luiz Henrique) deu depoimento de que também tem
dificuldade com a caligrafia, disse inclusive, que na prova do CESPE teve de
usar letra de forma. Na oportunidade o Sr. nos deu duas orientações quanto ao
uso de letra de forma: prestar atenção na acentuação gráfica e diferenciar
maiúsculas de minúsculas. Minha dúvida é como, em uma prova discursiva em
letra de forma, vou poder diferenciar letra maiúscula de minúscula, se todas
são iguais. Pelo tamanho, por exemplo?
Você pode diferenciar o padrão maiúsculo do minúsculo, embora escreva
tudo em letra de forma (letra de imprensa). Evite escrever tudo no padrão
maiúsculo (EVITE ESCREVER ASSIM). Um macete é escrever bem juntinho,
parecendo que as letras estão “coladinhas” umas nas outras.
8) “Weberiano” deve estar entre parênteses ou entre aspas?

www.pontodosconcursos.com.br

3

Você não teria muito a dizer.” “Cabe aos Tribunais de Contas e aos sistemas de controle interno fiscalizar a boa e regular aplicação dos recursos públicos investidos em pesquisas de micologia. Por exemplo. que não entendemos nada do assunto. a nota seria. Trata-se do estudo dos fungos.br 4 . não é mesmo? Pois diga assim mesmo! Nós. boa noite! No caso de falta de conhecimento do assunto tratado na questão qual a melhor opção: deixar a questão em branco sem resposta ou tentar responder de forma mais “prolixa” ou retórica? Na prova discursiva. Você já ouviu falar de micologia? Provavelmente não. princípios constitucionais etc. Mesmo que você não domine o tema. shakeaspeareano etc. Daí vem a palavra micose. 9) Olá Professores.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Nenhum dos dois e a inicial em minúsculas. da seguinte maneira: “Os pesquisadores reivindicam maior apoio governamental para as pesquisas.. www. “in dubio pro reo” “erga omnes” etc. zero. poderemos conseguir mais um. machadiano. NUNCA deixe nada em branco. Todavia. por exemplo. tenta defender alguns pontinhos falando de assuntos correlatos. dois ou mais décimos que podem ser decisivos na classificação final. Agora. sobre algo que desconhecemos totalmente.. O mesmo serve para freudiano. Repetindo: NUNCA DEIXE A QUESTÃO EM BRANCO! Lute por décimos.com. “homepage”.” E assim por diante. mesmo que generalidades. É possível a correção deste exercício com algum modelo de redação “perfeito”? Não existe modelo perfeito para questões discursivas. com absoluta certeza.pontodosconcursos.. começaríamos assim: “Há controvérsias quanto aos avanços recentes no desenvolvimento da micologia no Brasil. Pronto! Se deixássemos a questão em branco. Escrevendo alguma coisa.. palavras de origem estrangeira devem ser colocadas entre aspas: “en passant”. tive muita dificuldade em alguns pontos dos exercícios. mas lute! 10) Professores.” Continuaríamos. imagine que o tema da questão seja algo como “Avanços recentes no desenvolvimento da micologia no Brasil”.

FAÇA AMIZADE COM A MATÉRIA! www. você poderá aumentar o tempo dedicado à resolução das questões discursivas. não consegui fazer a redação do exercício dentro de prazo razoável. inicie o seguinte numa nova linha. deduzindo do tempo dedicado às questões objetivas.br 5 .pontodosconcursos. 13) Professores. mas não deixe nenhuma linha em branco entre eles. quando identificados. tratando de assuntos distintos ou do mesmo assunto de forma desconexa ou incoerente. sugerir uma ordem de exposição. apresentação ou o desenvolvimento de uma idéia. Esse conhecimento é fundamental para o planejamento da gerência do tempo nos dias das provas. Assim. cuja leitura é cansativa e cuja compreensão é confusa.  3) parágrafos excessivamente longos. insuficientes para a Fique atento a esses aspectos e procure sempre corrigi-los.  2) inconsistência interna do parágrafo. estando na época em que se digita textos mais em computador do que se escreve. nosso papel é: indicar os pontos que deveriam ser abordados nas respostas e os conceitos apropriados de determinados temas.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Se você pedir a dois Ministros do STF ou a dois imortais da Academia de Letras que escrevam o mesmo número de linhas sobre um mesmo tema. Nesses. Há quatro tipos de falhas na estrutura:  1) ausência de elemento essencial (um dos tópicos requeridos no enunciado da questão). não tenha dúvidas de que você terá quatro textos muito diferentes e todos brilhantes! Um não estará mais “perfeito” que o outro.com. estou com a seguinte dúvida: Na prova. 11) Professores. destacar os erros mais frequentes e mostrar como corrigi-los. quando se passar a escrever o parágrafo seguinte o certo é pular uma linha ou não? Ao concluir um parágrafo. pode parecer estranha a pergunta mas. na correção. e apontar alguns exemplos de textos com boas respostas. A prática de nossos exercícios traz a vantagem de o aluno conhecer o seu próprio ritmo e as suas limitações. 12) Como podemos melhorar a estrutura dos parágrafos? Grato. gostaria de saber se existe uma dica para que eu consiga diminuir este tempo.  4) parágrafos excessivamente curtos.

quando querem que você responda “5”. dependendo da forma como é apresentado. aquelas de cuja resposta temos certa idéia. mau humor ou receoso por se tratar de uma disciplina “difícil” ou “chata”. ficam sem sentido. Sua resolução é mais trabalhosa. www. devem ter sujeito. e aquelas das quais não temos a menor noção de por onde começar a responder.pontodosconcursos. Assim. As frases. “capengas”. tendem a utilizar enunciados parecidos com o da letra b. não é recomendável. a segunda fórmula “assusta”. chamar a LIA de “Lei Infinitamente Absurda” ou o parecer de “desaparecer” ou outros nomes jocosos que os concurseiros sempre inventam. o resultado será muito melhor do que se você já abrir os livros com má vontade. é prudente cultivar uma boa amizade com as matérias.000 / 3) x (4 / 12)} x {1 / [( 25 x 103) x 22]} = ? O resultado é o mesmo para as letras a e b e as operações matemáticas são simples.br 6 . Em suma. em suma. numa prova não existem questões fáceis ou difíceis. verbo e objetos ou complementos. exatamente como as pessoas de que gostamos. na vida profissional como Analista de Finanças e Controle da CGU. Existem aquelas cuja resposta conhecemos. Como tudo na vida. especialmente a ESAF. Isso não significa que todas as questões tenham o mesmo grau de complexidade. que devem ser as nossas “melhores amigas” até o dia da prova e depois. exatamente porque não começamos os estudos. se você enfrentar as matérias – mesmo as que têm fama de “mais difíceis” – com otimismo.com. quando a encaramos pela primeira vez. No entanto. Para utilizar um exemplo matemático: a) 3 + 2 = ? b) {(900. II – ELEMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE TEXTOS TÉCNICOS Não deixe a sua frase “capenga” Um dos erros mais comuns que temos observado é o defeito na construção de frases. em geral. Portanto.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Devemos tratar as disciplinas com carinho e pensar nelas todos os dias. Frases construídas com a ausência de um elemento essencial perdem o equilíbrio. Um mesmo problema pode aparentar ser mais complexo que outro. disposição para o aprendizado e humildade. quando a encontrarmos no dia da prova. Na realidade. mas não se pode dizer que é mais difícil. porque estudamos bem. ainda que brincando. Algumas bancas. ficaremos felizes. porque já passamos pelo assunto um dia desses.

formando um conjunto harmonioso.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Muitas vezes escrevemos como se estivéssemos falando. “Tendo como principais características: normas e regulamentos. www. sem equilíbrio e harmonia. formalidade nas comunicações. entre outras. No entanto. impessoalidade nas relações. temos recomendado aos alunos que “arrumem” melhor o seu texto.pontodosconcursos.com. Já as mulheres gostam que a sua bolsa. não se submetendo às mesmas regras. Também a linguagem apressada que utilizamos em correios eletrônicos. a linguagem oral é mais coloquial e flexível que a linguagem escrita. não podem estar com a camisa desabotoada. hierarquização da autoridade. O que significa isso? Pense que estamos nos aprontando para ir a um evento importante: uma festa ou uma cerimônia. não é mesmo? Os homens. com a sua gradação prevista em lei. Queremos ficar bem arrumados. seu colar e seus brincos combinem com o restante do traje.br 7 . principalmente se estão de gravata. exibindo a barriga. sendo o pagamento da multa de sua responsabilidade.” (A multa é cabível em quais circunstâncias?) “Considerando que a Lei de Improbidade Administrativa (LIA) estabelece as penalidades aplicáveis aos agentes públicos. redes sociais ou “torpedos” não é adequada para nossas dissertações. Observem alguns exemplos de frases que ficaram “capengas”.” (E daí? Qual a consequência desse “considerando”?) Abrange inclusive entidades da administração indireta e sua desobediência implica pesadas punições para os administradores que nelas incorrem. rotinas e procedimentos padronizados.” (Quem tem essas características?) “Sendo cabível multa de trinta por cento dos vencimentos anuais do agente que lhe der causa. Não se sabe quem é o sujeito ou qual é a mensagem. (Quem abrange? O sujeito oculto é singular – sua desobediência – ou plural – nelas incorrem?) Dê amparo às frases “capengas”! A “arrumação” da frase Em algumas correções.

DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03
PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA
Agora, pense nas frases de suas respostas nas provas do concurso. Você
também não gostaria que elas ficassem bem arrumadas? Para isso, devemos
fazer uma revisão, antes de passar a limpo a resposta no caderno de provas.
Tanto homens como mulheres não dão aquela última olhadinha no
espelho antes de sair, para conferirem se está tudo OK? Pois dê uma última
olhadinha no seu texto antes de começar a escrever a resposta definitiva.
Vejamos o exemplo de uma frase mal arrumada extraída do jornal O
GLOBO, de 25/08/2007, página 2:
“Ao lado do filho Rodrigo, Roberto Dinamite mostra a camisa que
usou pela seleção brasileira na Copa do Mundo de 1978, na
Argentina, que faz 15 anos hoje.”
Leia de novo. Como é que a Copa da Argentina, que foi em 1978, podia
estar fazendo 15 anos em 2007? Felizmente, o texto vinha acompanhado de
uma foto e, olhando-a, era possível concluir que quem completava 15 anos
naquela data era o Rodrigo, filho do ex-jogador. Então, a frase ficaria bem
arrumada assim:
“Ao lado do filho Rodrigo, que faz 15 anos hoje, Roberto Dinamite
mostra a camisa que usou pela seleção brasileira na Copa do Mundo
de 1978, na Argentina.”
Percebeu a diferença entre uma frase mal arrumada e uma bem
arrumada? A última é mais elegante, transmite a mensagem com precisão.
Às vezes, encontramos exemplos de frases mal arrumadas, como essa:
A legislação superveniente, como forma de permitir maior
flexibilização, ao problema apresentado, surgindo a parceria públicoprivada.
Ficaria bem melhor assim:
Como forma de permitir maior flexibilização ao problema acima
apresentado, surgiu a legislação das parcerias público-privadas.
Evitem as frases monstrengas
Frases monstrengas são as que têm várias cabeças e múltiplos membros
em completa descoordenação.
Um exemplo:
É verdade que a gestão atual mantém características do primeiro
como atuação impessoal dos agentes e o mérito, afinal, o ingresso na
Administração continua por concurso público.
Essa frase ficaria bem melhor dividida em duas e com substituição de
algumas palavras:
www.pontodosconcursos.com.br

8

DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03
PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA
É verdade que a gestão atual mantém características do primeiro
modelo, como a atuação impessoal dos agentes e a promoção por
mérito. Além disso, o ingresso na Administração continua ocorrendo
por concurso público.
Porém, se quiséssemos dizer o mesmo numa única frase, deveríamos
introduzir vírgulas e elementos de coesão textual, para coordenar os vários
pedaços da mensagem:
É verdade que a gestão atual mantém características do primeiro
modelo, como a atuação impessoal dos agentes e a promoção por
mérito, além de o ingresso na Administração continuar ocorrendo por
concurso público.
Outro exemplo:
O modelo gerencial, nasce com o objetivo de corrigir algumas
distorções causadas pela burocracia, a administração gerencial busca
combater as formas rígidas do setor público e a lentidão das
decisões, incompatíveis com a rápida transformação do mundo e a
globalização.
Nesse caso, o monstrengo surgiu dos vários erros de pontuação, a
começar pela separação por uma vírgula entre o sujeito e o verbo. A passagem
poderia ter sido escrita assim:
O modelo gerencial nasce com o objetivo de corrigir algumas
distorções causadas pela burocracia. Por sua vez, a administração
gerencial busca combater as formas rígidas do setor público e a
lentidão das decisões, incompatíveis com a rápida transformação do
mundo e a globalização.
Não economize vírgulas!
A pontuação com vírgulas facilita a leitura e a compreensão do texto.
Compare os dois trechos abaixo:
O mandato do Presidente da República atualmente é de quatro
anos, a Constituição Federal havia fixado originalmente a duração do
mandato presidencial em cinco anos porém em virtude de emenda
constitucional ficou estabelecido que esse mandato passaria a ser de
quatro anos sempre vedada a reeleição para o período seguinte.
Posteriormente uma nova alteração constitucional suprimiu a vedação à
reeleição, que passou a ser permitida para um único período
subsequente.

www.pontodosconcursos.com.br

9

DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03
PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA
O mandato do Presidente da República, atualmente, é de quatro
anos. A Constituição Federal havia fixado, originalmente, a duração do
mandato presidencial em cinco anos, porém, em virtude de emenda
constitucional, ficou estabelecido que esse mandato passaria a ser de
quatro anos, sempre vedada a reeleição para o período seguinte.
Posteriormente, uma nova alteração constitucional suprimiu a vedação à
reeleição, que passou a ser permitida para um único período
subsequente.
Imagine uma frase longa como a primeira, sem as vírgulas assinaladas.
No caso, a divisão do texto em dois períodos (com o uso do ponto final)
também facilitou a compreensão. Na revisão do texto, não se esqueça de
verificar a necessidade de vírgulas. Você não precisa economizá-las no
concurso. A banca não cobra taxa extra pelo uso de vírgulas e pontos! Podem
usá-las à vontade. De maneira geral, a banca examinadora adora vírgulas.
Utilize-as mesmo quando forem facultativas. Só não as coloque separando
o sujeito do verbo!
Despersonalize as respostas
Lembre-se: evite menções pessoais, pois sempre carregam uma boa
dose de subjetividade, que não é adequada numa prova de concurso público,
especialmente em dissertações. Recorde o art. 37 da CF/88 e o princípio da
impessoalidade.
Cuidado com termos impróprios
... através da racionalização das funções e dos cargos ...
Nunca use “através”, a não ser que você vá atravessar algo! Use “por
meio de”, “por intermédio de” ou, ainda, “mediante”.

A escrita para a Administração Pública
Para ser valorizado, um texto não tem de ser necessariamente longo. E
tampouco são os termos rebuscados ou os preciosismos que determinam a
qualidade de um texto. Ao contrário, os principais atributos da redação eficaz
são a simplicidade, a clareza, a objetividade e a concisão, especialmente para
nossas dissertações.
A boa técnica redacional obedece aos seguintes princípios:
- Princípio da Economia Linguística:
www.pontodosconcursos.com.br

10

. eis alguns exemplos de como melhorar nossa escrita: EM VEZ DE QUE TAL Embora tenham sido definidas metas. Grice ensina que o princípio básico que rege a comunicação humana é o princípio da cooperação (sejamos cooperativos). P. como estratégia argumentativa. De grande utilidade para o redator da dissertação. por óbvias/concisão. objetividade. Com base nos princípios resumidamente apresentados. O princípio da cooperação e as máximas de Grice O filósofo americano H.com. pois perturba a clareza e a compreensão do texto.br 11 . . As seguintes quatro máximas estão compreendidas nesse princípio: . embora utilizado em alguns contextos. este princípio revela que os interlocutores cooperam para que a comunicação transcorra de maneira adequada.pontodosconcursos.Máxima da quantidade: diga o necessário. nem a comunicabilidade pode justificar a prolixidade dos enunciados. Embora tenham sido definidas metas. www. a prolixidade. não há indicadores de efetividade. . é quase sempre indesejável. A aplicação deste princípio assegura a clareza. nem mais.Máxima da relevância: diga somente o que é relevante. obviamente sem prejudicar a completude da informação.Máxima do modo: seja claro e conciso. BREVE ANÁLISE Eliminação de palavra rebuscada e de sentido inadequado/ simplicidade Eliminação de informações desnecessárias. O rompimento de qualquer dessas máximas. .DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Relaciona-se à lei universal do menor esforço – Tanto melhor será um enunciado ou texto quanto mais econômica for a forma de comunicação. não vislumbramos indicadores definidos que se refiram à efetividade. Economia e comunicabilidade se auto-regulam. evite a obscuridade. nem menos. a economia linguística não pode prejudicar a comunicabilidade da informação.Máxima da qualidade: diga apenas o que sabe ser verdadeiro.Princípio da Comunicabilidade: Diz respeito à completude da informação. o que pode ser comprovado.

concluiu que Grupo de palavras por palavra correspondente/ concisão [economia x comunicabilidade. máxima do modo] Mediante diligência. Vejamos alguns exemplos de chavões muito comuns. foi juntado) pela forma sintética (juntou-se)/ concisão [máxima do modo] Esse quadro – com as devidas adaptações – foi publicado no boletim interno do Tribunal de Contas da União.. O Tribunal de Contas da solicitou-se comprovação União realizou diligência. máxima do modo] .. simplicidade...com. objetividade [máxima do modo] Substituição da voz passiva analítica (O relatório.. Alteração da ordem/ clareza... contêm redundâncias.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA simplicidade [economia x comunicabilidade.. Vamos fugir dos “chavões” Os chavões e os clichês empobrecem a linguagem. objetividade... com o objetivo de ser enviado documento comprobatório da situação econômica do gestor.. clareza. objetividade etc. [economia x comunicabilidade. foi juntado.br 12 . além das que foram verificadas no Distrito Federal. máxima do modo (concisão)] O artigo 20 daquela resolução possibilitava fazer a atualização do valor da avaliação. organização [máxima do modo.. Observem que as recomendações são muito semelhantes às que temos insistentemente repetido nas aulas e nas correções individuais: concisão... O artigo 20 daquela resolução possibilitava atualizar a avaliação.. Simplificação. vulgarizam o texto e obscurecem o conteúdo.chegou à conclusão de que .consideradas como irregulares. de situação econômica. Substituição de grupos de palavras por palavras únicas/concisão..) Eliminação de palavra desnecessária/ [economia x comunicabilidade.. Juntou-se aos autos o relatório que consolida as ocorrências registradas pela equipe de auditoria e as verificadas no Distrito Federal. economia x comunicabilidade] .... do modo e da relevância] O relatório que consolida as ocorrências registradas no relatório da equipe de auditoria. as atividades foram registradas pelo Auditor Federal...consideradas irregulares (.. simplicidade [máximas do modo] A CPI dirige pedido a esta Corte de Contas no sentido de . retirados do livro “A Arte de Escrever Bem”: Calorosa recepção www. . Máximas da qualidade.....pontodosconcursos. Substituição de grupos de palavras por vocábulos correspondentes ou de sentido mais exato/ concisão. A CPI pede a esta Corte de Contas que ..

extraímos o seguinte exemplo de cacofonia a ser evitada: O rigor do calor de Salvador lhe causava mais pavor. escreva: O forte calor da capital baiana lhe causava pânico. Melhor seria: O estado do Governador era crítico após a manifestação.com. Em vez disso.br 13 . Eis outro exemplo: O estado do Governador do Estado era crítico após ele ter estado na manifestação. mas pensa que causam boa impressão www.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Fortuna incalculável Inflação galopante Perda irreparável Sonora vaia Vitória esmagadora Experiência anterior Pontapé inicial Último adeus A céu aberto No fundo do poço Perdidamente apaixonado Propriamente dito Sentir na pele Leque de opções Erro indesculpável Evite cacofonias e repetições Do mesmo livro. Não use palavras difíceis que você não conhece.pontodosconcursos.

.. de alta envergadura no conjunto hermenêutico de nosso Estado. a propósito de seu centenário. nobre decisão. Aceito obrigado. prolataram nobilíssima decisão nos autos em testilha. 2.pontodosconcursos. Foi muito bem feita a campanha dos 100 anos da ABI. Não espere. Voltando à importância da vírgula Você deve insistir no uso das vírgulas. Traduzindo para o português: Os Ministros do Supremo Tribunal Federal.br 14 .4. Muitos exercícios corrigidos receberam a anotação “Atenção às vírgulas!”. e que. Não. 23. após a apresentação das questões preliminares. hoje colega Auditor Federal do TCU. ao auxiliar um ex-aluno. Por coincidência.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Cuidado com palavras difíceis. Aceito. Certa vez. o Luiz recebera e-mail da campanha institucional da Associação Brasileira de Imprensa – ABI. o amigo Luiz Henrique. supostamente técnicas. Vejamos o texto: A vírgula pode ser uma pausa. www. acabam sendo empregadas erroneamente em sua redação: Os eminentes Ministros da Tertúlia Excelsa.34. E serve para nos lembrar que vírgula não é só problema de gramática. proferiram. observou que ele fora penalizado duas vezes numa só questão pelo emprego indevido da vírgula. cuja ênfase estava na vírgula. muitas vezes. Ela pode sumir com seu dinheiro. espere. Pode ser autoritária.com. a preparar um recurso para a prova discursiva. nos autos em análise. obrigado. de grande importância para nosso Estado. após os prolegômenos de praxe. mas de informação. à época. ou não.

E vilões. Se você é mulher.. Esse. Isso só ele resolve. não acha? Pois é. Isso só.com. colocou-a depois da palavra “tem”. A vírgula muda uma opinião. ☺ A coesão textual Outras falhas frequentes constatadas dizem respeito à coesão textual. apenas para descontrair. Não queremos saber. Esse juiz é corrupto.pontodosconcursos. é corrupto.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Pode criar heróis. Para que ninguém mude uma vírgula da sua informação. queremos saber. Coloque a vírgula no local correto: Se o homem soubesse o valor que tem a mulher andaria “de quatro” à sua procura. uma vírgula pode mudar a sua nota. cada erro de pontuação é penalizado com 0.br 15 . Se é homem. www. Vamos perder. Ela pode ser a solução. Legal.. juiz. Uma vírgula muda tudo. uma piadinha envolvendo a vírgula e a guerra dos sexos. nada foi resolvido. certamente colocou a vírgula depois da palavra “mulher”. Não. ele resolve. Vamos perder nada. Na grade de correção da Esaf.5 ponto! Vamos estudá-la com carinho! Agora. foi resolvido.

de acordo com. por isso. em razão de. mais adiante. antes de tudo. comparação: igualmente. duração. finalmente. sem inegavelmente. posterioridade. em conclusão. com efeito.  Resumo. por conseguinte.  Propósito.  Ilustração. em virtude de. indubitavelmente.  Contraste.  Adição. logo após. relevância: em primeiro lugar. dúvida. por outro lado. com a finalidade de. além. portanto. inquestionavelmente. com certeza.pontodosconcursos.  Semelhança. de uma oração a outra. enfim.  Lugar: perto de. ademais. em síntese. a saber. como resultado. assim também. intenção. para que. esclarecimento: por exemplo. próximo a  Causa. enfim. constantemente. frequentemente. em resumo. longe de. não é certo que. da mesma forma.com. hipótese: provavelmente.br 16 . daí. ainda mais. de um período a outro. continuação: além disso.  Certeza. é provável que. se é que. analogamente. antes de tudo.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA A coesão textual consiste no encadeamento das idéias por meio de elementos de ligação entre um parágrafo e outro. sob o mesmo ponto de vista. assim. por analogia. enquanto isso. simultaneidade. intencionalmente. recapitulação: em suma. ênfase: decerto. ao mesmo tempo. exceto por.  Dúvida. oposição: pelo contrário. Esses termos devem ser adequados às ideias que se quer transmitir para que seja mantida a coerência. em contraste com. a fim de. de fato.  Tempo (anterioridade. finalidade: com o fim de. antes de qualquer coisa. quer dizer que. em outras palavras. Conheça os principais elementos de coesão:  Prioridade. atualmente. eventualmente. possivelmente. consequência: por consequência. A poção mágica de Asterix www. outrossim. ordem): antes. a princípio. junto a. primeiramente. por fim.

também. ainda... que. Coloque no seu frasco estas expressões.... Tenha-se presente que... De igual modo. Vale ressaltar. Asterix bebia um frasco de uma poção mágica que lhe dava muita força.. aplicava uns sopapos nos legionários e tudo acabava bem. da falta de inspiração. sempre acompanhado de seu fiel e fortão amigo Obelix. chamadas de “elementos de transição”: À guisa de exemplo. . um “frasco de poção mágica”.. De outro lado. Na hora da dúvida. Vale mencionar. Em suas aventuras. Ante o exposto.com.. Cumpre observar. Pondere-se.. pode-se citar. que. do cansaço... ideais para iniciar períodos e parágrafos. Assinale-se. use as frases e expressões retiradas desse frasco e seus textos recobrarão energia e tornar-se-ão invencíveis... quando em dificuldade e cercado por numerosos e bem armados soldados das legiões romanas.. mas recomendamos guardar sempre. Em virtude dessas considerações.... sublinhe-se que.br 17 .. tenha sempre com você o frasco da poção mágica de Asterix! Detalhes tão pequenos que nos tiram pontos www. preliminarmente.... Neste sentido. contudo. Em consonância com tais argumentos..... mas um dos personagens mais populares das histórias em quadrinhos é o gaulês Asterix. na hora das provas discursivas. baixinho e narigudo.. Cabe registrar que.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Não sabemos se você o conhece. Não pretendemos que você distribua sopapos em ninguém.pontodosconcursos. que. Não esqueça..... Verifica-se.. Como se depreende.

” Crítica: falta de vírgula no início de circunstância interposta. ilidir emenda vs. o novo entendimento. mandado prescrever vs. Daí. capriche na letra! Vamos melhorar nosso texto? É impressionante a quantidade de erros que cometemos ao escrever. ementa emitir vs. essa coluna fica na página 2. verifique num bom dicionário o significado de cada vocábulo! absolver vs. retificar Fique atento(a): já houve casos de candidatos que perderam pontos. proscrever ratificar vs. a importância da revisão. No livro “Curso de Português Jurídico”. Vejamos alguns desses erros: Página 11: “diz que ao responder a uma consulta. mesmo escrevendo as palavras corretas.br 18 ..DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Os parônimos são palavras de escrita e pronúncia bastante semelhante. por ilegibilidade da escrita. Ocorreu que. Leia-os e. há alguns exemplos de parônimos que provocam dúvidas na hora de redigir. Certo: “Diz que.. distratar elidir vs. Portanto. No jornal “O GLOBO”. imitir flagrante vs. com o título “Autocrítica”. diferimento destratar vs. o novo entendimento do TSE só valerá para frente.” www. os termo foram lidos pelo examinador como seus respectivos parônimos. infringir mandato vs.pontodosconcursos. sem retroagir. absorver deferimento vs. mas de significados distintos. se tiver dúvidas. É frequente confundi-las. fragrante infligir vs. Observe que os principais jornais do país têm uma coluna diária na qual informam aos leitores os erros detectados na edição do dia anterior. ao responder a uma consulta. mas tais erros podem nos custar caro na prova.com.

De fato... alguns até mesmo antes de tomar posse. e não conseguiu.” Página 12: “Renan tem levantando suspeitas sobre a venda. 26/04/2008. mas o partido perdeu dois deputados. www. uma foto foi apresentada com a seguinte legenda: “Manifestantes reagem à absolvição dos policiais que mataram Sean Bell do lado de fora do tribunal”.” Crítica: “de” a mais.” Crítica: período mal construído. foi que a manifestação contra a absolvição dos policiais ocorreu do lado de fora do tribunal. manifestantes reagem à absolvição dos policiais que mataram Sean Bell. alguns até mesmo antes de tomar posse. no chamado copidesque. cuja principal matéria-prima é o idioma! E. 17 ingressam no PR.br 19 .com. numa matéria da página 38.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Página 11: “Ao todo.. mas perdeu dois deputados.. 17 ingressam no PR...” Agora. considere que os textos foram elaborados por jornalistas. Certo: “O principal argumento é que os cursos oferecidos. A legenda mais apropriada seria: “Do lado de fora do tribunal. do lado de fora do tribunal.pontodosconcursos. ainda.” ou “Manifestantes.. Todos profissionais de comunicação. Certo: “Renan tem levantado suspeitas sobre a venda. reagem à absolvição dos policiais que mataram Sean Bell”. é o que está escrito. Certo: “Ao todo. O que você entendeu? Que Sean Bell foi morto por policiais do lado de fora do tribunal e que os manifestantes reagiram à absolvição daqueles. lidos e aprovados por pelo menos um editor e. Mas o que o jornal quis dizer..” Crítica: erro na forma do verbo. antes da publicação.” Página 14: “O principal argumento é de que os cursos oferecidos pelas duas instituições são de nível superior. há casos que nem a “Autocrítica” do GLOBO percebe! No jornal O GLOBO de sábado. revisados por um especialista.

aplicadas por várias ilustres bancas organizadoras. na revisão.br 20 . Nesta aula. que todo ato praticado no exercício da função administrativa é ato da Administração. com uma caneta vermelha na mão. antes de “passar a limpo” o rascunho e começar a escrever o texto definitivo no caderno de respostas. em minha opinião. Com certeza. você eliminará erros. Na aula que vem (a última). vamos começar hoje mesmo! III – ANÁLISE DE PROVAS DISCURSIVAS Prosseguimos com a análise de questões discursivas. será a hora de apresentarmos questões diversas das matérias do concurso. você deve distanciar-se da qualidade de autor. Você deve tentar ler o seu texto “com os olhos do examinador”. Começa com a leitura crítica. Direito Constitucional e Direito Administrativo. Vamos combinar uma coisa? Vamos treinar revisar textos! Revisar não é difícil. www. procurei (Luiz Henrique) pela correção na seção “Autocrítica” e nada! Insisto nesse ponto para enfatizar que. assim. Significa dizer que você vai tentar ler aquilo que de fato escreveu e não o que você quis escrever ou pensou ter escrito. desenvolva. isto é. b) o “motivo” do ato administrativo e os conceitos jurídicos indeterminados. traremos questões de AFO. aprimorará a forma e o estilo e conseguirá um resultado melhor.com. Vamos ver agora esta questão da Esaf do recente concurso de Auditor Fiscal da Receita Federal (prova aplicada em 24/01/2010): (ESAF/AFRFB/2009-2010) Considerando as atribuições inerentes aos ocupantes do cargo de Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil e partindo-se da ideia da divisão de funções entre os três Poderes do Estado.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Na edição de domingo. afirmar. objetivamente. a revisão do texto da prova discursiva é etapa indispensável para o êxito! Reserve sempre alguns momentos para a revisão. paciência e persistência.pontodosconcursos. Costumamos dizer que. em sentido amplo. E como escrever requer prática! Muita prática! Por isso. podendo-se. Revisar requer humildade. um texto abordando os seguintes tópicos: a) produção de efeitos jurídicos do ato administrativo.

Vale frisar que eu (Luciano) tive a oportunidade de examinar mais de cem respostas a essa questão. não é mesmo? Um primeiro parágrafo com afirmações que contextualizam o tema principal. essa questão é bastante vaga em seu enunciado.br 21 . b1) o motivo do ato administrativo. no segundo parágrafo.com. o examinador revela o que pretende dos candidatos. aspectos que obrigatoriamente devem constar da resposta. inclusive. c2) os efeitos dessa convalidação. Extensão: de 15 a 30 linhas Já estamos ficando acostumados com esse estilo de questão. Note que o candidato que deixar de falar de qualquer um desses tópicos perderá pontos por omissão parcial ou total de tópico (OPT ou OTT). inicialmente.º parágrafo para o item “b”. pois realizei o atendimento de apoio aos recursos das discursivas aos candidatos desse concurso. fixando. abordando os seguintes tópicos: a) a produção de efeitos jurídicos do ato administrativo.º parágrafo para o item “a”. o 2. A divisão dos parágrafos poderia ser feita da seguinte maneira: o 1. uma vez que pede apenas que se disserte sobre os tópicos dos itens de “a” a “c”. Vamos.º parágrafo para o item “c”. www. pude perceber exatamente o que o examinador queria que se escrevesse como resposta. entender o enunciado: ele pede para desenvolver um texto (entenda-se: dissertar sobre). Não obstante.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA c) a convalidação do ato administrativo e seus efeitos.pontodosconcursos. b2) os conceitos jurídicos indeterminados. Portanto. sem especificar exatamente o que o candidato deve escrever sobre tais pontos. nos dias que se seguiram à divulgação do resultado preliminar dessa prova. c1) a convalidação do ato administrativo. e. e o 3.

mesmo diante de um caso concreto. em relação ao caso concreto ao qual será aplicado. mesmo que possua vícios que acarretem sua invalidade. Pressuposto de direito é o dispositivo da lei que autoriza ou determina a prática do ato administrativo. No tocante aos conceitos jurídicos indeterminados. elemento discricionário.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Em relação à produção de efeitos jurídicos do ato administrativo. “calamidade pública”. vago. “decoro”.com. São exemplos: “boa-fé”. em que ele certamente não se configura. modificar. Quanto ao motivo do ato administrativo. Nos atos vinculados. Um exemplo esclarecerá a questão. atenção!) que representa o pressuposto de fato e de direito que serve de fundamento à prática do ato. Imagine agora três situações concretas. extinguir ou declarar direitos ou. relembre-se que eles são aquelas palavras e expressões constantes das leis e que possuem um significado fluido. Quanto ao assunto. ele é considerado válido e eficaz. Tais efeitos podem ser adquirir. todas ocorridas no recinto do órgão público: 1) O servidor tira a roupa e começa a correr nu pelo corredor. resguardar. Pressuposto de fato. 3) O servidor dá um beijo na boca da namorada (também servidora do órgão) na frente de todos. Imagine que a lei preveja que o servidor público será punido por falta de decoro na repartição. Ou seja. enquanto não declarada a nulidade do ato. 2) O servidor cumprimenta a colega de trabalho com um beijo no rosto na frente de todos. “prazo razoável”. em função dos atributos de presunção de legitimidade e presunção de veracidade. vale lembrar que ele é o elemento (e não o atributo. integrante do chamado mérito administrativo. ainda. na qual não há dúvidas de que ele está presente. transferir. Era interessante dizer também que.pontodosconcursos. “desídia”. remanesce a dúvida quanto à existência ou não da ocorrência do conceito fluido.br 22 . nos atos discricionários. www. o motivo é elemento vinculado. uma zona de certeza negativa. era interessante dizer que o ato administrativo tem por objetivo produzir efeitos jurídicos em relação aos administrados e/ou à Administração. vale lembrar que todo conceito jurídico indeterminado possui. e uma zona de incerteza. uma zona de certeza positiva. na qual. dependente da interpretação do administrador para sua completa compreensão. o acontecimento no plano material que leva a Administração a praticar o ato. impor obrigações aos administrados ou à própria Administração. o ato administrativo produz efeitos desde a sua edição.

Seja qual for a decisão do superior hierárquico (punir ou não os servidores que se beijaram por falta de decoro). outros dirão que não. Ou seja. o ato inicialmente ilegal passa a ser válido.br 23 . Muito bem! Esses eram os tópicos que o candidato deveria escrever na redação para abordar todos os tópicos do enunciado. o ato administrativo produz efeitos desde a sua edição. encontra uma situação concreta que se insere na zona de incerteza. cujo objetivo é produzir efeitos jurídicos em relação aos administrados e/ou à Administração. mesmo que possua vícios de legitimidade. regida pelo direito público. Não se esqueça dos efeitos da convalidação: ela tem efeitos “ex tunc”. enquanto não declarada sua nulidade. Já na situação 2. abstratamente previsto em lei. na situação 1. era importante falar que a convalidação é o ato administrativo que supre o vício sanável existente em um ato viciado. Alguns dirão que sim. futuros Auditores de Controle Externo em busca do contracheque gêmeo: cuidado com os beijos na boca na repartição! Nunca se sabe quando seu chefe enquadrará a situação como falta de decoro. na tentativa de “salvar” o ato e tendo em vista que é fator de eficiência tentar aproveitar um ato já praticado.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Pode-se dizer que. a convalidação deve ser feita pela Administração. Muito bem. Em função dos atributos de presunção de legitimidade e presunção de veracidade. que decidirá se aplica ou não ao caso concreto aquela hipótese legal. www. o ato deve ser considerado válido e eficaz. E quanto à convalidação (item “c” do enunciado)? Bem. não há como dizer se a decisão foi ou não acertada (atenção.) Quando um conceito jurídico indeterminado. certamente houve falta de decoro na repartição (a situação encontra-se na zona de certeza positiva). Em geral. mas que contém ilegalidade. Tudo bem até aqui? Então veja a nossa proposta de solução: Ato administrativo é toda manifestação unilateral de vontade da Administração. A convalidação é cabível quando o vício que macula o ato for de competência (desde que não exclusiva do agente) ou de forma (desde que não essencial ao ato). entra em cena a discricionariedade do administrador. Com a convalidação. com certeza não houve (o fato está dentro da zona de certeza negativa).com. E na situação 3? Houve ou não houve falta de decoro? Não há como chegar a uma conclusão definitiva.pontodosconcursos. isto é. retroativos ao momento da prática do ato. neste caso.

a proposta é dever de casa! Isso mesmo.com. nos atos discricionários. se aplica ou não ao caso a hipótese legal. o administrador pode se deparar com conceitos jurídicos indeterminados. na qual não há dúvidas de que tal conceito está presente.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA O motivo do ato administrativo é o pressuposto de fato e de direito que serve de fundamento à sua prática. não tendo havido manifestação de qualquer interessado. (OAB – UNIFICADO/CESPE/2009) O defensor público geral da União apresentou. caso o vício que o macule seja sanável. palavras e expressões constantes das leis e que possuem um significado fluido. vocês terão a tarefa de desenhar a própria redação. o ato inicialmente ilegal passa a ser válido. Os efeitos da convalidação são “ex tunc”. retroativos ao momento da prática do ato. os autos foram enviados à comissão de jurisprudência do STF. então. integrante do chamado mérito administrativo. pressuposto de fato. ou em uma zona de incerteza. em que a definição não se aplica.br 24 . oferecidas a seguir. após a oitiva do procurador-geral da República. com sua discricionariedade. Com isso. Pressuposto de direito é o dispositivo da lei que autoriza ou determina a prática do ato. Por fim. o motivo é elemento vinculado. Nesta hipótese. o caso concreto pode se situar em uma zona de certeza positiva. o acontecimento no plano material que leva a Administração a praticar o ato. remanesce a dúvida quanto à incidência ou não do conceito fluido. Ao praticar um ato administrativo. Autuada a proposta. publicada no Diário Oficial da União. a partir de breves dicas. “decoro” e “prazo razoável”. que aprovou. em uma zona de certeza negativa. mesmo diante do caso concreto. Nos atos vinculados. a proposta. obviamente. um ato administrativo ilegal pode ser convalidado. o administrador deve decidir. São exemplos: “boa-fé”. logo. Decorrido o prazo de 5 dias. proposta de edição de súmula vinculante em matéria penal. no qual era estabelecido o prazo de 5 dias para a manifestação de interessados. elemento discricionário. no Supremo Tribunal Federal (STF). dependente da interpretação do administrador para sua exata compreensão. Que tal uma questão de direito constitucional? Anda na moda (termo de maior incidência em um rol de dados) a cobrança de temas atuais. A súmula vinculante foi. isto é.pontodosconcursos. por unanimidade. que tal uma questão sobre as súmulas vinculantes? No entanto. Quando um conceito jurídico indeterminado encontra uma situação concreta na zona de incerteza. na qual. A convalidação é cabível quando o vício do ato for de competência (desde que não exclusiva do agente) ou de forma (desde que não essencial ao ato). foi publicado o edital. www.

devemos ultrapassar as seguintes etapas: 1) O defensor público é parte legítima para a propositura de súmulas vinculantes? 2) Para a edição das súmulas é admitida a intervenção de terceiros? 3) Há necessidade de oitiva do Procurador-Geral? 4) Qual o quórum para aprovação das súmulas? Terceira tarefa: redação do texto A tarefa de escrever a dissertação é de vocês. . a resposta não deve se resumir a sim ou não. aplicada pela (querida) banca Cespe. . Você deve dissertar. Segunda tarefa: elaboração do plano ou roteiro do texto Para o correto posicionamento. como prometido. no que diz respeito: . porém. de forma fundamentada. Extensão máxima: 30 linhas Primeira tarefa: leitura e interpretação do enunciado Essa questão segue exatamente o modelo da anterior aplicada pela ESAF. seguem detalhes acerca das súmulas vinculantes: www.à possibilidade de manifestação de interessados.à legitimidade para a propositura. no entanto.ao quorum para aprovação da referida súmula.ao papel do procurador-geral da República. . responda.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Considerando a situação hipotética apresentada.br 25 . se está correto o procedimento adotado para a elaboração da súmula vinculante.com. em especial.pontodosconcursos. Vocês devem se posicionar acerca de situação hipotética. vencer os quesitos propostos pela organizadora. Pergunta-se: está correto o procedimento para a edição da súmula? Decerto.

 atos administrativos podem ser anulados e decisões judiciais. www.br: Instrumento que visa garantir a autoridade das decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) perante os órgãos da administração pública e do Poder Judiciário. 103-A da CF/88 e da Lei 11.  cabe a modulação temporal dos efeitos da súmula.com. com acréscimo. despacho irrecorrível). a não ser que esse tenha sugerido o cancelamento. acrescentado pela Emenda 45 (Reforma do Judiciário). Os julgados que poderão servir de base para edição de súmulas vinculantes serão aqueles nos quais a controvérsia sobre a aplicação da norma constitucional apresente grave insegurança jurídica e relevante multiplicação de processos sobre idêntica questão. Leia também o texto motivador abaixo.br 26 . TJ. O verbete vinculante está previsto para aquelas situações em que ainda haja controvérsia quanto à interpretação de uma norma legal. a súmula atende ao princípio da segurança jurídica. TRF). militares.  o rol de legitimados é idêntico àquele das ações diretas.com.º da Lei 11.  a edição da súmula é precedida de reiteradas decisões sobre a matéria constitucional. por exemplo: dos Tribunais (Superiores.  o quorum de aprovação é de dois terços dos membros do STF (oito ministros). sem alcançar a atividade legiferante do Poder Legislativo Federal.  DICA: leitura do art. TJDFT.  haverá oitiva prévia do PGR. portanto. do município (incidentalmente) e do Defensor Público Geral da União (art. Prevista no artigo 103-A. a fim de se afastar controvérsia atual entre órgãos judiciários ou entre esses e a administração pública. cassadas.417.jusbrasil. de 2006. a súmula vinculante refletirá um resumo do posicionamento do STF em relação à determinada matéria.417/2006).pontodosconcursos. na qualidade de “amicus curiae” (acesso franqueado ou não pelo Relator. 3. no entanto. a matéria foi regulamentada pela Lei 11.  entre os objetivos. depois de procedência de reclamação pelo STF. extraído do sítio eletrônico www.  o efeito é vinculante para os demais órgãos do Poder Judiciário e a administração direta e indireta.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA  o STF atua de ofício ou por provocação para a edição das súmulas vinculantes.417/2006.  há possibilidade de oitiva de terceiros. a edição ou a revisão do enunciado da súmula.

os juízes ou tribunais não aplicarem a súmula vinculante. aprovada pela maioria de seus membros. os ministros terão que aprovar novamente o verbete e.417. a) É possível o controle jurisdicional preventivo de normas constitucionais derivadas? www. garantido assim a liberdade do magistrado de apreciar os elementos para definir se a conclusão do processo deve ser harmônica ou não com o verbete. ao longo de sua existência. A única hipótese plausível para que os tribunais não apliquem a súmula vinculante se dará quando houver. as súmulas deverão ser aplicadas. de 2006. não dispõe sobre qualquer sanção aplicável aos membros do Judiciário. Entretanto. revisão e cancelamento dos verbetes. com eficácia vinculante e que. DESAFIOS! NCE/UFRJ – 2006 – Cartório/RJ É possível o Supremo Tribunal Federal realizar controle constitucionalidade concentrado e ao mesmo tempo concreto? (15 linhas) de NCE/UFRJ – 2001 – Delegado Responda com apoio na doutrina e na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. deverá ser observada. A Corte. quando a Administração. tribunais inferiores e superiores e órgãos da Administração.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA O objetivo desse instrumento é evitar que o STF receba recursos sobre matérias que já foram apreciadas. pela qual a Corte analisará se a decisão judicial ou do ato administrativo contrariou enunciado de súmula vinculante. por juízes. No entanto. ainda. a regra deverá ser a sua aplicação. conforme a norma regulamentadora. Portanto. bem como pela garantia de sua aplicabilidade. Para que esse efeito seja atribuído. por parte do magistrado. não possuem o “efeito vinculante”. pois deriva de uma decisão do STF. ouvir a opinião do procurador-geral da República. o cidadão interessado na causa poderá recorrer ao STF. prevê a responsabilização civil. até mesmo penal. negou-lhe vigência ou foi aplicado indevidamente. em regra. dos órgãos da Administração Pública que não observarem o comando da súmula vinculante. Todavia. O Supremo será responsável pela edição. ajuizando Reclamação (RCL).br 27 . e não pelo próprio STF.com. A Lei 11. conforme a Constituição. a percepção de alguma peculiaridade no caso concreto. já editou diversas súmulas. administrativa e. Entretanto.pontodosconcursos.

com.conceito e requisitos. unilateralidade (afastam-se da definição os contratos administrativos. pode-se dizer que os atos administrativos são declarações unilaterais de vontade do Estado ou de seus delegados.pontodosconcursos. são relevantes para o alcance da finalidade pública. Você deve escrever tudo que lembrar sobre os temas propostos. imediata e concreta sobre os fatos (afasta-se a lei. Mas fique tranquilo(a): se não conseguir completar todas as linhas. Várias são as definições doutrinárias de ato administrativo.atributos. regime de direito público (não são abrangidos os atos de direito privado da Administração). os quais. disserte a respeito dos atos administrativos. que pressupõem um acordo de vontades). que aplicam a lei direta e imediatamente aos casos concretos. . vamos trabalhar. não é? Portanto. Extensão: 40 a 60 linhas Temos aqui uma redação para ser resolvida em até 60 linhas. os seguintes aspectos: . De um modo geral. é melhor deixar espaço sobrando a se desviar do tema. .DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA b) Quais são os mecanismos de controle de constitucionalidade capazes de aferir a compatibilidade material e formal de uma emenda constitucional com a Constituição da República? (30 linhas) Alguém aí gosta de Direito Administrativo? Claro que sim. (CESPE/TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR/MMA/2009) Considerando que a atuação da administração pública se desenvolve por intermédio de atos jurídicos denominados atos administrativos. Na verdade. correndo o risco de perder pontos preciosos na correção.diferenças entre revogação e anulação dos atos administrativos. necessariamente.br 28 . abordando. você está gostando é de tudo. www. duas questões dissertativas dessa matéria. e sujeição ao controle jurisdicional (excluem-se os atos políticos ou de Governo). a esta altura do campeonato. abaixo. como laudos e pareceres). sob regime de direito público e sujeitos ao controle de legitimidade do Poder Judiciário. ação direta. que é ato geral e abstrato). Estas são as características do ato administrativo: declaração de vontade (excluem-se do conceito os meros atos de opinião. portanto.

geralmente escrita. A manifestação unilateral de vontade exclui do conceito os contratos administrativos. tenha por fim imediato adquirir. ou impor obrigações aos administrados ou a si própria. etc. esses elementos são mais bem explicados.com. o chamado regime jurídico administrativo.pontodosconcursos. que pressupõem um acordo de vontades. ato administrativo é toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que. A revogação pressupõe um ato válido e eficaz. pictórica. www. A finalidade do ato é o atendimento ao interesse público. Já o fim imediato afasta da definição as leis. Vejamos a solução proposta e aproveitemos para relembrar alguns pontos do assunto atos administrativos. qualidades do ato administrativo. finalidade. Competência é o poder-dever de agir do administrador e deve ser conferida pela lei. forma.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Os requisitos ou elementos do ato administrativo são as suas partes estruturantes. motivo e objeto. O objeto é o conteúdo do ato. Por fim. imperatividade. Destaque-se ainda que os atos administrativos podem ser praticados também por quem represente o Estado (como um concessionário de serviço público) e estão sujeitos ao controle de legitimidade do Poder Judiciário. sonora. Normalmente são elencados os seguintes elementos pela doutrina: competência. agindo nessa qualidade. Segundo Hely Lopes Meirelles. auto-executoriedade (que se divide em exigibilidade e executoriedade propriamente dita) e tipicidade. que se tornou inconveniente ou inoportuno para a Administração. revogação e anulação são formas de extinção do ato administrativo. que participam de sua formação. Uma característica fundamental dos atos administrativos é que eles são regidos pelo regime jurídico de direito público. atos normativos abstratos de aplicação mediata. Na proposta de solução abaixo. presunção de veracidade. extinguir e declarar direitos. A forma é a maneira pela qual se exterioriza a vontade da Administração. e a anulação atinge atos que contenham ilegalidade em sua formação. A doutrina cita as seguintes: presunção de legitimidade. A solução abaixo sugerida define cada atributo. modificar. resguardar transferir. O motivo é representado pelas razões de fato e de direito que levam a Administração à prática do ato. mas podendo também ser verbal.br 29 . Vamos lá? Os atos administrativos são espécies de atos jurídicos informados pela finalidade pública. Atributos são características.

a maneira como a vontade da Administração se manifesta no mundo jurídico. Não se concebe ato administrativo sem finalidade pública. deve ser feita. como regra. Atributos dos atos administrativos são características a eles inerentes.br 30 . que. A competência deve ser exercida nos termos e limites definidos em lei. podendo assumir formatos específicos. Esta é a declaração expressa dos motivos do ato. A presunção de veracidade diz respeito ao conteúdo do ato. Competência é o poder atribuído por lei ao agente público para a prática do ato administrativo.com. a qual deve vir expressa na lei que autoriza a prática do ato. de forma prévia ou concomitante à edição do ato. prescreve ou sobre a qual dispõe. Em alguns casos. Pressuposto de fato. Forma é o revestimento externo do ato administrativo. Esse atributo tem o condão de inverter o ônus da prova da veracidade dos fatos em desfavor dos administrados. finalidade. Pela presunção de legitimidade. Presumese que são verdadeiros os fatos alegadas pela Administração.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Requisitos ou elementos são as partes componentes do ato administrativo. o efeito jurídico imediato que ele produz. etc. Por fim.pontodosconcursos. escrita. instrução. São eles: presunção de legitimidade. e que os diferenciam dos atos privados em geral. Em sentido estrito. A forma do ato administrativo é. é o resultado específico definido em lei que cada ato deve alcançar. Em sentido amplo. portaria. no direito comum. Não se confundem motivo e motivação. portanto. sob pena de se praticar atos arbitrários e. salvo prova em contrário. em função de seu regime de direito público. Motivo é o pressuposto de fato e de direito que serve de fundamento à prática do ato. É a matéria que o ato enuncia. como regra. ilegais. motivo e objeto. como decreto. presunção de veracidade. Finalidade é o objetivo de interesse público que o ato visa atingir. já que a regra. o acontecimento no plano material que leva a Administração a praticar o ato. objeto é o conteúdo do ato administrativo. é a de que quem alega deve provar os fatos. visual (sinal de trânsito) e outras. Pressuposto de direito é o dispositivo da lei que autoriza ou determina a prática do ato administrativo. forma. considera-se que os atos administrativos. foram editados em conformidade com a lei e os princípios administrativos. a finalidade corresponde à realização de um resultado de interesse público. a forma pode ser também verbal (ordem de superior a subordinado). Costuma-se elencar como requisitos do ato administrativo os seguintes: competência. imperatividade. autoexecutoriedade e tipicidade. www.

por razões de segurança jurídica. e executoriedade propriamente dita. a fim de evitar um mal maior. mas que se tornou inconveniente ao interesse público. Assim. independentemente de sua concordância. a anulação. a revogação pressupõe um ato legal. a anulação com efeitos “ex nunc” ou mesmo a convalidação. que veda a prática de atos administrativos sem autorização legal. possui efeitos “ex tunc” (retroativos ao momento da prática do ato). quando o Estado emprega meios diretos de coerção. Sua existência depende de expressa previsão legal ou da configuração de uma situação de emergência. admite-se. A auto-executoriedade é a possibilidade de certos atos administrativos acarretarem sua execução direta pela própria Administração. como multas ou outras sanções administrativas. o ato era apto a produzir seus efeitos regularmente. A revogação é o desfazimento de um ato legítimo por motivo de conveniência ou oportunidade da Administração. Entre as formas de extinção do ato administrativo. para que a Administração possa realizá-lo.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA A imperatividade é o atributo pelo qual os atos administrativos impõem obrigações legais aos administrados.br 31 .pontodosconcursos. se necessário. Não obstante. caracterizando a força impositiva do Poder Público. em alguns casos. pois o ato sobre qual incide nasceu viciado e não deveria produzir efeitos.com. para forçar o administrado ao cumprimento do ato. Decorre do princípio da legalidade. compelindo materialmente o administrado a cumprir o ordenado. A revogação. Finalmente. independentemente de ordem judicial. Pode-se dividir a auto-executoriedade em: exigibilidade. com o emprego da força. Ela existe apenas nos atos que expressam obrigações. por ser desnecessária à eficácia destes. www. já que. a tipicidade é o atributo pelo qual o ato administrativo deve estar previsto em lei. quando a Administração se vale de meios indiretos de coerção. possui efeitos “ex nunc” (não-retroativos). A anulação. a extinção por razões de ilegalidade na formação do ato. Já a anulação incide sobre atos ilegais. por sua vez. até então. as principais são a revogação e a anulação. como no caso da interdição de um edifício prestes a desmoronar. por dirigir-se a um ato válido. não nos que conferem direitos aos destinatários. que fundamente a execução forçada do ato.

expressamente. de determinados atos administrativos. estabelecida na Constituição. do regime jurídico único. No entanto. relativas aos servidores públicos. com um pouco de calma e de método. “O que o examinador quer que eu faça?” Resposta: “dissertar sobre. www. Gostou? Beleza. regidos por aquele diploma legal.112/90). Extensão máxima: 60 linhas Primeira tarefa: leitura e interpretação do enunciado Como dissemos na aula demonstrativa. Vamos a outra? Veja. de forma a se descobrir o que o examinador queria que o candidato escrevesse em sua resposta. o enunciado desta questão não favoreceu o candidato.com. para aferir a legalidade. A anulação e a revogação dos atos pela própria Administração podem ocorrer de ofício ou por provocação e representam o exercício do poder de autotutela administrativa. e quanto às normas constitucionais. só pode ser feita pela Administração que edita o ato.”. estabelecido na Lei n. concernentes a suas relações jurídico-funcionais.112/90. haja vista a omissão da ilustre banca: 1) âmbito de âmbito de incidência do Regime Jurídico Único (Lei n. Segunda tarefa: elaboração do plano ou roteiro do texto Vamos montar nosso roteiro virtual. 8.br 32 .. disciplina Direito Administrativo. poderá ser compreendida. este quando provocado pelo interessado. Já a revogação. 8. por pressupor razões de mérito administrativo. O que exatamente? Vejamos.pontodosconcursos. sobre o âmbito de incidência. Lembra dela? Veja: (ESAF/ACE/TCU/2006) Dissertar. a seguir. suas garantias fundamentais e fiscalização específica. em janeiro de 2006.. uma questão discursiva aplicada pela Esaf para Analista (atual Auditor Federal) de Controle Externo do TCU.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA A anulação do ato administrativo pode ser feita pela Administração ou pelo Poder Judiciário.

Reforçamos que este é apenas uma sugestão de parágrafo introdutório. juntamente com as normas constitucionais relativas a esses agentes. nesse último caso. 8. 8. 8. compreendidas. 4) a fiscalização específica. Vocês devem treinar bastante e aperfeiçoar o próprio estilo de redação. desenvolvimento. inclusive as sob regime especial.br 33 . assim entendidos os detentores de cargos efetivos e comissionados. conclusão. a qual.112/90. Com esse parágrafo. Devemos coletar as informações do enunciado para montarmos nosso tópico frasal. o diploma normativo que rege as relações jurídico-funcionais dos servidores públicos federais é a Lei n. Item 1 – Incidência É ampla a incidência do referido diploma legal. a exemplo das agências reguladoras e executivas. www.pontodosconcursos. nossa missão está parcialmente cumprida. Agora não ficou bem mais fácil entender o enunciado? Agora é suficiente seguir o B-A-BÁ: introdução.112/90.112. concernentes às relações jurídico-funcionais dos servidores públicos regidos pela Lei n. apenas as fundações públicas e as autarquias federais.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA 2) as normas constitucionais relativas aos servidores públicos regidos pela Lei n. lotados na administração direta e indireta. os deveres e as garantias dos servidores. estabelecida expressamente na Constituição. de 1990 (Estatuto dos servidores). aplicando-se a todos os servidores públicos federais. 3) as garantias fundamentais dos servidores públicos regidos pela Lei n. 8.112/90. para aferir a legalidade de determinados atos administrativos. constitui o regime jurídico responsável por delinear os direitos. Por exemplo: No âmbito da União. Terceira tarefa: redação do texto Introdução Atenção: a cola é permitida na prova dissertativa! Isso mesmo.com.

direito à aposentadoria. por exemplo: dever de probidade. destacando-se. direito a férias. em nítido fortalecimento dos princípios da Administração Pública e do Estado Democrático de Direito. em termos constitucionais. deveres e garantias dos servidores públicos. legais e constitucionais. não há dúvida de que a existência de um regime jurídico para os servidores públicos civis. pois o texto constitucional possui capítulo próprio repleto de dispositivos atinentes às relações jurídico-funcionais desses agentes. para a aplicação de penalidades administrativas aos servidores. cumpre observar que tanto o início (admissão) como o término (aposentadorias e pensões) da relação funcional dos servidores estatutários não ficam imunes à fiscalização.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Item 2 – Normas constitucionais Apesar de sua larga abrangência. Ainda em termos de garantias. Conclusão Por todo o exposto. com esse objetivo. e a irredutibilidade de vencimentos. com contraditório e ampla defesa. Uma das principais garantias dos servidores públicos estatutários efetivos é a estabilidade. há a previsão de garantias.com.br 34 . a qual é adquirida após o decurso de três anos de efetivo exercício e avaliação positiva de desempenho por comissão constituída com essa finalidade. o Estatuto dos servidores não esgota o rol de direitos. dever de eficiência.pontodosconcursos. www. Item 4 – Fiscalização específica Por fim. a atividade de registro a cargo do Tribunal de Contas da União. Item 3 – Garantias fundamentais Além dos deveres e dos direitos. pode ser citada a necessidade de instauração de processo administrativo (em sentido amplo). contribui para a transparência das relações jurídicas travadas entre esses agentes e o Estado. tanto em nível constitucional como em âmbito legal.

a abordagem é obrigatória. compreendidas. o Estatuto dos servidores não esgota o rol de direitos. Além dos deveres e dos direitos. de 1990 (Estatuto dos servidores). para a aplicação de penalidades administrativas aos servidores. aplicando-se a todos os servidores públicos federais. lotados na administração direta e indireta. Uma das principais garantias dos servidores públicos estatutários efetivos é a estabilidade. direito a férias. Cada tópico não citado ou citado de forma inadequada. nesse último caso. inclusive as sob regime especial. dever de eficiência. e a irredutibilidade de vencimentos. apenas as fundações públicas e as autarquias federais. deveres e garantias dos servidores públicos. Ainda em termos de garantias. o diploma normativo que rege as relações jurídico-funcionais dos servidores públicos federais é a Lei n. legais e constitucionais. há a previsão de garantias.br 35 . direito à aposentadoria. É ampla a incidência do referido diploma legal. 8.com.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Quarta tarefa: revisão da resposta Agora responda: cada um dos tópicos foi citado? A resposta deve ser positiva. a qual. com contraditório e ampla defesa. juntamente com as normas constitucionais relativas a esses agentes.112. assim entendidos os detentores de cargos efetivos e comissionados. pois o texto constitucional possui capítulo próprio repleto de dispositivos atinentes às relações jurídico-funcionais desses agentes. incompleta. os deveres e as garantias dos servidores.pontodosconcursos. pode ser citada a necessidade de instauração de processo administrativo (em sentido amplo). a qual é adquirida após o decurso de três anos de efetivo exercício e avaliação positiva de desempenho por comissão constituída com essa finalidade. PROPOSTA DE SOLUÇÃO No âmbito da União. Apesar de sua larga abrangência. gerará descontos. a exemplo das agências reguladoras e executivas. www. por exemplo: dever de probidade. isso porque a pontuação de vocês depende disso. constitui o regime jurídico responsável por delinear os direitos.

contribui para a transparência das relações jurídicas travadas entre esses agentes e o Estado. em termos constitucionais. foi exonerado durante o período do estágio probatório. você pode ir pensando em como responder a questão a seguir. com esse objetivo. Vamos lá! Não queremos ninguém parado! Eis outra questão: www. responda. servidor público efetivo. de forma fundamentada.pontodosconcursos. A título de relaxamento. Por todo o exposto. Em face dessa situação hipotética. a atividade de registro a cargo do Tribunal de Contas da União. tanto em nível constitucional como em âmbito legal.112/1990.A exoneração de servidor público ocupante de cargo efetivo em estágio probatório demanda a instauração de procedimento administrativo? .com. mencionando as hipóteses de cabimento do ato de exoneração.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Por fim.O ato de exoneração de servidor público em estágio probatório tem natureza jurídica de penalidade? Justifique a sua resposta. Dica: leitura da Súmula 21 do STF e dos artigos 20 e 34 da Lei 8. em nítido fortalecimento dos princípios da Administração Pública e do Estado Democrático de Direito. destacando-se. . cumpre observar que tanto o início (admissão) como o término (aposentadorias e pensões) da relação funcional dos servidores estatutários não ficam imunes à fiscalização. não há dúvida de que a existência de um regime jurídico para os servidores públicos civis.br 36 . às seguintes perguntas. (OAB/CESPE/2009) Joaquim. sem que tivesse sido instaurado procedimento administrativo e sem que lhe fosse concedida oportunidade de exercer o direito ao contraditório e à ampla defesa.

nestes casos. por demais.relação com a Súmula vinculante n. é uma “canja” do amigo Luciano. o que lhe foi concedido. os livros de concursos públicos são mais seletivos. o secretário de Estado da Administração consultou a Procuradoria do Estado para que esta o informasse da (im)possibilidade de imediato cancelamento ou desconto da referida parcela nos proventos de Maria. e passou a receber os respectivos proventos.parcelas recebidas de boa-fé pelos servidores públicos. A solução a seguir. Apreciem com moderação! www.br 37 . 4 anos depois. sobre questões discursivas comentadas de Direito Administrativo (Ed. por meio de desconto nos proventos futuros da servidora aposentada. . aliás. na qualidade de procurador do estado da Paraíba.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA (CESPE/PROCURADOR/PB/2008) Maria. do farmacêutico ao advogado. são atributos essenciais para o sucesso. Impetus). A didática. Recebida a decisão do TCE. Quando do registro dessa aposentadoria pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). do professor de educação física ao profissional de tecnologia da informação. a linguagem leve e direta.com. afinal de contas. . requereu a sua aposentadoria no regime próprio de previdência social. Considerando a situação hipotética acima.º 3 do STF.pontodosconcursos. que dispensa o contraditório e a ampla defesa para a análise do ato de aposentadoria. um pronunciamento (não é necessária a elaboração de parecer) acerca da informação solicitada pelo secretário de Estado da Administração. com os argumentos jurídicos constitucionais pertinentes. Extensão: 15 a 30 linhas Certamente. motivo pelo qual o TCE determinou o imediato cancelamento e restituição dessa parcela. heterogêneo: do dentista ao engenheiro. então servidora do estado da Paraíba. Essas características estão presentes em incontáveis livros.legalidade do desconto imediato. verificou-se indevido o recebimento de certa parcela remuneratória. entre os quais destacamos o de Controle Externo do amigo Luiz Henrique (Ed. redija. abordando os seguintes aspectos: . Campus) e o do Luciano Oliveira. o público é.

aborde. Em seu texto. posterior à edição da citada Súmula Vinculante. previsto na Lei 9. Em função da natureza complexa do ato. Tem alguém cansado aí? Claro que não! Vamos a outra: (CESPE/PROCURADOR FEDERAL/2007) Redija. não determina.pontodosconcursos.br 38 .DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA PROPOSTA DE SOLUÇÃO Diante da existência indevida de parcela remuneratória nos proventos da servidora aposentada. também não se aplica o prazo decadencial de cinco anos. texto dissertativo acerca da contratação de empregados pela administração pública direta federal. Conforme jurisprudência do STF. De acordo com a Súmula Vinculante n. a fim de adequar o benefício aos ditames da lei. os seguintes aspectos: - possibilidade jurídica da referida contratação. de forma fundamentada. Segundo o Supremo Tribunal federal – STF. garantias contra a dispensa e existência de estabilidade. o ressarcimento ao erário. automaticamente. nesse caso. é indevida a realização de desconto dos valores recebidos de boa-fé pela servidora até o momento em que ela tenha sido oficialmente comunicada pela Administração do fato. conforme entendimento do STF. necessariamente. não há necessidade do contraditório e da ampla defesa nesse caso.com. cumpre efetuar o imediato cancelamento da referida parcela. em que surgiria a obrigatoriedade do exercício do contraditório e da ampla defesa pela servidora. salvo comprovada má-fé. que apenas se aperfeiçoa com o registro do Tribunal de Contas. www. Todavia.º 3. quando já houvesse transcorrido o prazo de cinco anos entre a data da concessão do benefício e a de registro do ato pelo Tribunal de Contas. a aposentadoria de servidor é ato complexo. requisitos constitucionais para a validade da contratação e conseqüências da não-observância desses requisitos. salvo se ficar comprovada a má-fé da servidora em seu recebimento. o reconhecimento da ilegalidade da parcela.784/1999. para que a Administração possa anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários. constatada pelo Tribunal de Contas do Estado. razão pela qual não é preciso a prévia oitiva da servidora para a interrupção do pagamento. É de se notar que tampouco se configurou a excepcional hipótese.

37). da CF/88.com. disciplinando o regime de emprego público do pessoal da Administração federal direta. Vejamos uma proposta de solução: A Emenda Constitucional 19/1998 extinguiu a obrigatoriedade de adoção de regime jurídico único (RJU) para o pessoal da administração direta. sendo vedada a transformação de cargos em comissão em empregos.135. Desse modo. a União publicou a Lei 9. que prevê os casos em que tais empregados podem ser dispensados do serviço público.962/2000.962/2000.135/00). restaurando a redação original do “caput” do art. autárquica e fundacional de cada ente federativo. devem ser seguidas todas as regras constitucionais aplicáveis à Administração Pública (art. por suposta ocorrência de inconstitucionalidade formal na tramitação da emenda. feita pela Emenda Constitucional 19/1998. Desse modo. é preciso saber que as causas que envolvam relações de emprego (celetistas) devem ser julgadas pela Justiça do Trabalho. até então. era o regime estatutário da Lei 8. www. as contratações realizadas até então. o Estatuto dos Servidores Públicos Civis Federais. como a vedação à acumulação de cargos e empregos e a submissão ao teto remuneratório constitucional. e conhecer. a questão da flexibilização da obrigatoriedade de adoção do Regime Jurídico único (RJU). a União passou a poder admitir empregados públicos (regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho) no âmbito de sua administração direta. Não obstante. não podendo a União realizar contratações com base na Lei 9. portanto. o Supremo Tribunal Federal resolveu conceder medida cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) 2.pontodosconcursos. ainda. Finalmente. em consonância com o art. II. É necessário também conhecer o teor da Lei 9. Você precisa saber toda a discussão que envolve a possibilidade de contratação de empregados públicos na Administração direta.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA - competência para apreciar as controvérsias decorrentes desse contrato de trabalho. sendo válidas.br 39 . Além disso. É prevista ainda a realização de prévio concurso público para a contratação dos novos empregados. a decisão liminar do STF quanto à inconstitucionalidade da referida emenda (Adin 2.112/1990. autárquica e fundacional. O novo diploma prevê que a criação de empregos e a transformação de cargos em empregos devem ser feitas por lei específica. atualmente voltou a vigorar o RJU. Extensão: 40 a 60 linhas Essa questão aborda o assunto sobre regime jurídico dos servidores públicos. Em função disso.962/2000. 39 da CF/88. por não estar mais vinculada à existência de um único regime. que. 37. A medida tem efeito “ex nunc”.

§ 2. CF/88 e Lei 8. 71.com. necessidade de redução de quadro de pessoal por excesso de despesa. Até 20 linhas Devido à peculiaridade do assunto.429/1992). www. LEVA À PERFEIÇÃO! Vamos agora a algumas de AFO: (ANTT/2008 – NCE/UFRJ) ENUNCIADO O orçamento público é um instrumento de planejamento governamental e divide-se em orçamento fiscal. não acaba.962/2000 prevê que a rescisão unilateral do contrato de trabalho só será feita nos seguintes casos: prática de falta grave. 37.br 40 . COM CORREÇÃO. mas é importante destacar que o Tribunal Superior do Trabalho entende (Súmula 390) que o servidor público celetista da administração direta. abaixo. professor. autárquica ou fundacional é beneficiário da estabilidade prevista no art. Não é prevista a estabilidade do empregado. responsabilizado. empregos ou funções públicas. a) Analise as principais características do orçamento público. ela deverá ser declarada nula e o responsável pela ilegalidade. pois compete à Justiça do Trabalho apreciar as controvérsias decorrentes desses contratos de trabalho (art. I.º. acumulação ilegal de cargos. b) Dê exemplos de receitas e despesas integrantes do orçamento fiscal e da seguridade social. da seguridade social e de investimentos das estatais. e insuficiência de desempenho. O fato poderá ainda caracterizar improbidade administrativa (art. nos termos da lei (art. 41 da CF/1988. III. reproduzimos. A ilegalidade implicará também a negativa de registro da admissão pelo Tribunal de Contas da União (art.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Em caso de não-observância dos requisitos constitucionais para a contratação.pontodosconcursos. § 4. não?” Negativo! Como o Luciano dizia na Marinha: REPETIÇÃO. A Lei 9. CF/88). Esse entendimento é relevante. 37. da CF/88). ATÉ A EXAUSTÃO. E então? Pronto(a) pra outra? “Pô. proposta de solução. 114. CF/88). apurada em procedimento administrativo.º.

leia-se. Apresente as principais diretrizes da Lei de Responsabilidade Fiscal. passando pela apreciação. e como despesas. para execução a posteriori.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA O orçamento público constitui-se em uma única peça. de iniciativa do Chefe do Executivo. Isso ocorre em todos os Entes Federados (União. c) o que é compatível com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. tão logo aprovado. apesar de dividido funcionalmente em orçamento: fiscal. www. instalações e materiais permanentes. b) o que é adequado à lei orçamentária anual. discussão e votação do Poder Legislativo. ganha a forma de lei. contemplando todos os Poderes e o Ministério Público dos entes federados. e. e as despesas de pessoal. em observância ao princípio da unidade. da seguridade social e de investimento das estatais. obras. temos como exemplo de receitas as oriundas de contribuições sociais de empregadores e empregados. é encaminhado para a sanção e promulgação pelo Chefe do Executivo.pontodosconcursos. O orçamento. e municípios). Com fundamento no princípio da universalidade. novos procedimentos para a geração da despesa e expansão da ação governamental. ANTT/2008 – NCE/UFRJ ENUNCIADO A Lei de Responsabilidade Fiscal estabeleceu. como determina o princípio da anualidade. estados.br 41 . para execução no exercício financeiro subsequente. patrimoniais. os pagamentos de benefícios previdenciários e auxílios-doença. sobre as despesas públicas. Distrito Federal. enquanto instrumento de planejamento. Acerca dos exemplos de receitas e de despesas integrantes da peça orçamentária. Já do orçamento da seguridade social. no sentido de impedir que o gestor promova o desequilíbrio fiscal. industriais e outras. podemos extrair do orçamento fiscal as receitas tributárias.com. expansão ou aperfeiçoamento de ação governamental que acarrete aumento da despesa. destacando: a) o que deve acompanhar a criação. a lei orçamentária contempla a totalidade das receitas e despesas de todos os órgãos e entidades vinculados ao ente político.

abordando. fiquem sem pagamentos. Esse modelo é bem próximo da questão a ser enfrentada de 15 a 30 linhas. Por adequação com a Lei Orçamentária. os seguintes aspectos: – prestação direta e indireta de serviços públicos. por falta de recursos. de modo que somadas todas as despesas de mesma espécie. não ultrapassem os limites fixados para o exercício. e lesivas ao patrimônio público. com Lei de Diretrizes Orçamentária – LDO. logo. os atributos da eficácia e da eficiência devem estar juntos. – prestação centralizada e descentralizada de serviços públicos. finalmente.pontodosconcursos. irregulares. e. A não-observância dos preceitos mencionados caracterizará a geração de despesas como não-autorizadas. ou seja.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Até 20 linhas. prioridades. entende-se aquela despesa que tenha dotação específica e suficiente ou que esteja abrangida por crédito genérico. deverá conter declaração do ordenador de despesas de que o aumento tem adequação orçamentária e financeira com a lei orçamentária anual e compatibilidade com o Plano Plurianual – PPA. Já a compatibilidade com o PPA e a LDO ocorre quando há conformidade com os dispositivos definidos nestes instrumentos. ou aperfeiçoamento da ação governamental que acarrete aumento de despesas deverão ser acompanhados de estimativa de impacto orçamentário-financeiro no exercício em que deva entrar em vigor. Um dos principiais requisitos trazidos pela LRF consiste em demonstrar a efetiva disponibilidade financeira. Além disso. a expansão.br 42 . objetivos. necessariamente. foram estabelecidos critérios para a geração de despesas públicas. QUESTÃO INÉDITA Discorra sobre as formas como o Estado pode realizar a prestação de serviços públicos. De acordo com a LRF. e www. evitando-se a realização de gastos que. e metas. – formas de descentralização de serviços públicos. PROPOSTA DE SOLUÇÃO Com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF –. no que tange a diretrizes. a criação. e nos dois subsequentes.com.

175 da Constituição Federal. exercendo-o sob supervisão da Administração direta. concessão patrocinada. uma contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado. As concessões de serviços públicos podem ser de três espécies: concessão comum. adicionalmente à tarifa cobrada dos usuários. denominados órgãos. A prestação direta descentralizada surge quando o serviço é transferido a uma pessoa jurídica da Administração indireta. em que a entidade descentralizada torna-se titular do serviço. As duas últimas são tipos de parcerias público-privadas – PPP. que realizam a atividade. de forma centralizada ou descentralizada. regidas pela Lei n o 11. É o fenômeno da desconcentração. em que a própria Administração é a usuária direta ou indireta do serviço. por meio de delegação a particulares. o Poder Público pode realizar diretamente a prestação de serviços públicos. Segue uma de Direito Administrativo: (DELEGADO DE POLÍCIA DO DISTRITO FEDERAL 2005) Acerca do “Princípio da Razoabilidade”. A prestação direta centralizada ocorre quando o próprio ente estatal realiza o serviço. Nesse caso. deslocando-se apenas a execução do serviço e permanecendo a sua titularidade com o Estado. Extensão máxima: 20 linhas. externas à Administração.079/04.pontodosconcursos. diferenciando-se da primeira por envolver. Vamos a outras questões. por ser necessária a celebração de um negócio jurídico (o contrato de concessão ou permissão de serviço público). a Carta Magna exige que se realize prévia licitação. por meio da descentralização por delegação. ocorrendo a sua repartição interna em centros de competência despersonalizados. ou indiretamente. Segundo o art. chamada também de delegação negocial.com. o serviço é realizado por entidades privadas.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA – espécies de concessão de serviços públicos. Na prestação indireta. e concessão administrativa. nos moldes da Lei no 8. também descentralizada.br 43 . responda (máximo 30 linhas): a) está consagrado em alguma norma de direito positivo como mecanismo e como critério de controle de atos administrativos? www.987/95. É a denominada descentralização por outorga ou delegação legal (por ser necessária uma lei para criar ou autorizar a criação do ente administrativo).

3º PARÁGRAFO (desenvolvimento – aspectos do princípio) Esse quesito é. no texto constitucional. 2º PARÁGRAFO (desenvolvimento – consagração em alguma norma de direito positivo e dispositivos. É recomendável breve exposição conceitual dos referidos aspectos (adequação – os meios são adequados aos fins públicos perseguidos. e de proporcionalidade em sentido estrito. na CF/1988. pois os princípios podem ser deduzidos. como legalidade e impessoalidade. o candidato pode citar a previsão expressa na Constituição Estadual de São Paulo e no art. LXXVIII. estes traduzem os vetores fundamentais que sustentam os atos da Administração. extraídos. como ocorre com o princípio implícito da razoabilidade. concentração e planejamento. qual(is) dispositivo(s) legal(is) o consagra(m) expressamente? c) em que aspectos desdobra-se o princípio? d) formule exemplo de um ato administrativo desprovido de razoabilidade. A resposta correta a essa questão poderia ser distribuída nos seguintes parágrafos: 1º PARÁGRAFO (introdução) O tópico frasal (ou abre-alas) é o cartão de visita.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA b) em caso afirmativo. o mais difícil. da CF/1988. da Lei 9. por exemplo).784/1999 (Lei do Processo Administrativo Federal). www. e outros implícitos (segurança jurídica e continuidade do serviço público. e proporcionalidade – equilíbrio entre meios e fins públicos a serem alcançados). encontrado. caput. necessidade – a medida deve ser menos onerosa ou prejudicial. havendo. provavelmente.com. o qual exige a razoável duração dos processos administrativos e judiciais. do sistema jurídico-constitucional. O candidato deve apresentar os aspectos de adequação.pontodosconcursos. Apesar de.br 44 . no art. O examinador deve ser conquistado desde o início da dissertação. 2º. logo. o princípio da razoabilidade permanecer implícito. entre outras disposições. 5º. O candidato pode registrar que a Administração Pública é regida por um conjunto de leis e de princípios. previsão expressa para alguns. de necessidade. acaso existentes) Exposição de que a CF/1988 nos fornece rol exemplificativo de princípios expressos.

o princípio da razoabilidade permanece implícito na CF/1988. 2º da Lei 9.com. mais recentemente. PROPOSTA DE SOLUÇÃO A Administração Pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União. pode expor situações discrepantes que autorizariam. na Lei de Processo Administrativo Federal (art. do Distrito Federal e dos Municípios será regida por um conjunto de normas e de princípios de Direito Público. servindo como garantia da legitimidade da ação administrativa. Nesse contexto. Quanto aos aspectos do princípio da razoabilidade podem ser apontadas a adequação. sendo reconhecido. bem como na aplicação no exercício da discricionariedade administrativa. 5º. www. a necessidade e a proporcionalidade em sentido estrito. São exemplos de atos desarrazoados: a concessão de adicional de férias para aposentados e a mora de dez anos da Administração em analisar a autorização para o funcionamento de estabelecimento comercial. A adequação refere-se à aferição da eficácia do meio escolhido em alcançar o fim público objetivado. dos Estados. introduzido com a EC 45/2004. encontra previsão expressa na Constituição Estadual do Estado de São Paulo e. a anulação pela Administração ou pelo Poder Judiciário. e. do concurso público. o qual exige a duração razoável dos processos judiciais e administrativos. menos oneroso e prejudicial aos administrados. inciso LXXVIII. porém. estes verdadeiros vetores fundamentais dos atos Estatais. entre outras passagens. a proporcionalidade quer significar equilíbrio entre os meios e os fins públicos a serem alcançados. enquanto que a necessidade traduz-se na escolha do melhor meio. no entanto. restrições e sanções superiores àquelas estritamente necessárias.pontodosconcursos. Referido princípio. por vezes. evitando-se a prática de atos arbitrários e com desvio de finalidade. na qual o princípio pode ser traduzido como a vedação de obrigações.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA 4º PARÁGRAFO (desenvolvimento – conclusão – caso prático desprovido de razoabilidade) O candidato. em outros momentos implícitos (segurança jurídica e concurso público).784/1999). da licitação. Tal como os princípios da segurança jurídica. o princípio da razoabilidade destaca-se como importante instrumento de controle da atividade legislativa. em tese. por fim. expressos no texto constitucional (legalidade e eficiência). no art.br 45 . depois de enfatizar que a razoabilidade restringe a atividade discricionária do administrador.

mas no dia da prova não é não. há situações discrepantes que autorizam a anulação dos atos por arbitrariedade. abordando os seguintes aspectos: a) natureza da norma constitucional que prevê o direito de greve dos servidores. adaptada da lista constante do blog do amigo Luciano Oliveira (www. Muito bem! Segue uma questão inédita. MI 670/ES e Rcl 6. viu?): dê uma espiada nos seguintes julgados do STF: MI 712/PA.blogspot.568/SP (este último para responder à letra “c”). a atividade discricionária se submete ao binômio da conveniência e da oportunidade. Por exemplo: a exigência de pesagem de botijões de gás no momento da compra não é adequada à finalidade de garantir que o consumidor pague exatamente pela quantidade de gás existente no botijão e a concessão de adicional de férias para aposentados.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Se.br). enfim.diretoriojuridico.com. Extensão: até 20 linhas  Dica (aqui é de graça. por falta de razoabilidade. b) possibilidade de exercício do direito de greve dos servidores públicos. MI 708/DF. c) direito de greve dos servidores públicos que exercem serviços ou atividades públicas essenciais. por um lado.br 46 .pontodosconcursos. porém. SOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS 2 e 3 Simulado 02 – Direito Administrativo: www. Discorra sobre o direito de greve dos servidores públicos.com.

na mesma cidade em que exercia o cargo de AFC. Tendo em vista a situação apresentada. o servidor foi exonerado de ofício. ocupante do cargo de Analista de Finanças e Controle (AFC) da Controladoria-Geral da União (CGU). Em razão do fato.com. A exoneração afeta o interesse do servidor. fundamentada. www. Contraditório e ampla defesa. quando foi constatado que ele acumulava o cargo de AFC com o de professor efetivo de universidade federal. a Administração entendeu que tal acumulação era incompatível com a Constituição Federal. Embora houvesse compatibilidade de horários.br 47 . Não é processo administrativo disciplinar (PAD). estava ainda em estágio probatório. aos questionamentos a seguir. responda. bem como respeito ao teto remuneratório constitucional. neste caso? Em que situações o servidor público pode exercer dois cargos públicos cumulativamente? Extensão: 40 a 60 linhas Tempo sugerido: 60 minutos BRAINSTORM: a) Exoneração de servidor em estágio probatório: procedimento administrativo.pontodosconcursos. de forma a) A exoneração de servidor público ocupante de cargo efetivo em estágio probatório demanda a instauração de procedimento administrativo? b) O ato de exoneração de servidor público em estágio probatório tem natureza jurídica de penalidade? Exoneração é a mesma coisa que demissão? c) Quais as hipóteses de cabimento de exoneração de ofício de servidor público federal ocupante de cargo efetivo? d) Foi correto o entendimento da Administração quanto à ilicitude da acumulação. cargo para cujo exercício se exige formação de nível superior em qualquer área de conhecimento.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Um servidor público federal. em que lhe fosse concedido o direito ao contraditório e à ampla defesa. sem a instauração de processo administrativo.

insuficiência em avaliação periódica de desempenho. na forma de lei complementar. pois admite qualquer nível superior. exceto: . PROPOSTA DE SOLUÇÃO: www. . Em qualquer constitucional caso: compatibilidade de horários e teto remuneratório STJ: cargo técnico ou científico é o que exige conhecimentos específicos e habilitação legal. Foi correta a decisão da Administração.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Reza a Súmula 21 do STF: “Funcionário em estágio probatório não pode ser exonerado nem demitido sem inquérito ou sem as formalidades legais de apuração de sua capacidade. Demissão é. . 37.” b) Exoneração não é penalidade.com. assegurada ampla defesa. Procedimento a adotar: art.dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde. com profissões regulamentadas. não necessariamente de nível superior. 133 da Lei 8.um cargo de professor com outro técnico ou científico. XVI.112/1990: . d) Art. c) Exoneração de ofício: Na Lei 8.pontodosconcursos. CF/88: vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. Em caso de omissão: PAD sumário e demissão.112/1990: notificar o servidor para optar por um dos cargos. . Na CF/88: .excesso de despesas com pessoal.servidor que toma posse e não entra em exercício no prazo.inabilitação em estágio probatório (salvo se estável: recondução).br 48 .dois cargos de professor. . AFC/CGU não se enquadra no conceito.

DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Conforme entende o Supremo Tribunal Federal. porque a exoneração não tem caráter punitivo.112/1990. 37. Não se trata do processo administrativo disciplinar previsto na Lei 8. pois esta. a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde. é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. na forma de lei complementar. A exoneração de ofício de servidor público federal efetivo estão previstas na Lei 8. embora seja também uma forma de vacância. Outras duas hipóteses de exoneração de ofício estão na Constituição Federal (CF/88): por insuficiência em avaliação periódica de desempenho. XVI. com profissões regulamentadas. a exoneração de servidor público efetivo em estágio probatório exige procedimento administrativo. assegurada ampla defesa (art. se o servidor já for estável. não tem natureza jurídica de penalidade. mas deve haver um procedimento administrativo no qual sejam assegurados ao servidor o contraditório e a ampla defesa. Segundo o art. 169).pontodosconcursos. em princípio. Segundo o art. cabível. Nisso a exoneração se diferencia da demissão. Assim. mas reconduzido ao cargo anteriormente ocupado. 41). o servidor não entrar em exercício no prazo legal. No primeiro caso. pois a exoneração afetará seu interesse de permanecer no cargo. e por excesso de despesas com pessoal (art. da CF/88. 34 da Lei.112/1990. quando houver compatibilidade de horários. www.com. observado o teto remuneratório constitucional: a de dois cargos de professor. independentemente de o servidor estar ou não em estágio probatório. a de um cargo de professor com outro técnico ou científico. exceto. a exoneração de ofício dar-se-á: quando não satisfeitas as condições do estágio probatório. a situação atende à compatibilidade de horários e ao teto remuneratório constitucional. ele não será exonerado.br 49 . é uma penalidade disciplinar aplicável ao servidor efetivo que cometa determinadas faltas funcionais. e quando. única hipótese. tendo tomado posse. No caso do enunciado. A exoneração. é de se verificar se a acumulação do cargo de Analista de Finanças e Controle (AFC) com o de professor efetivo de universidade federal enquadra-se no caso de um cargo de professor com outro técnico ou científico.

Primeiramente porque.0: PRIMEIRO VOCÊ FALA QUE A EXONERAÇÃO TEM NATUREZA DE PENALIDADE. A EXONERAÇÃO.5: FALTA DE VÍRGULA admite-se a abertura de procedimento administrativo. No entanto. DEPOIS DIZ QUE ELA NÃO É SANÇÃO uma vez que não se encontra elencada no rol de penalidades disposto na Lei Federal nº. F – 0.0: A EXONERAÇÃO NUNCA POSSUI NATUREZA DE PENALIDADE não constitui uma sanção. TRECHOS SELECIONADOS COMENTADOS: O servidor ao ser admitido em cargo público sujeita-se a um período de avaliação denominado estágio probatório. cargo técnico ou científico. a penalidade deveria ser a demissão. COM AMPLA DEFESA. Desse modo.5: FALTA DE VÍRGULA de 1990.5 (USE VÍRGULA) Haja vista que o servidor pode ser exonerado em face de não atingimento de pontuação mínima em avaliação de desempenho. PO – 0. não se enquadra no conceito um cargo que exige formação superior em qualquer área do conhecimento.112/1990. a justificativa dada pela Administração Pública para a exoneração da servidora não encontra fundamento no ordenamento jurídico brasileiro. conforme já apontado. 133 DA LEI 8112 Além disso.com. caso a acumulação de cargos fosse ilegal. foi correto o entendimento da Administração. nos termos do art. XXXXXXX Diante desta situação é possível identificar uma série de irregularidades no processo que conduziu à quebra do vínculo entre o poder público e a servidora. natureza jurídica de penalidade.0: EXIGE-SE PROCEDIMENTO ADM. A DEMISSÃO É PENALIDADE. é aquele para cujo exercício são exigidos conhecimentos técnicos específicos e habilitação legal.0: ACUMULAÇÃO ILÍCITA DE CARGOS PÚBLICOS: ART. Neste período. deveria ter sido instaurado um processo administrativo disciplinar (PAD) sumário para a apuração da ocorrência e a consequente demissão do servidor em situação de acumulação ilícita de cargos públicos. que na prática é ato administrativo dotado dos mesmos efeitos que a exoneração. CO – 1. porém a exoneração não está condicionada a sua instauração. AE – 1. Cumpre esclarecer que. PO – 0. a exoneração.25: O PONTO É ANTES DO “ º ” 8.br 50 . 133 da Lei 8. neste caso concreto. NÃO só que aquela é expressamente designada como sanção pela legislação pátria. o servidor deveria ter sido notificado para apresentar opção por um dos cargos e. quanto à ilicitude da acumulação.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA De acordo com o Superior Tribunal de Justiça (STJ). www. A mais dezarrazoada O – 0. em caso de omissão.25 (DESARRAZOADA) é o flagrante descabimento da exoneração da analista. para fins de acumulação com o de professor. não necessariamente de nível superior. AE – 1. a despeito de possuir. MACULA O HISTÓRICO DO INDIVÍDUO.112.pontodosconcursos.0: OS EFEITOS SÃO COMPLETAMENTE DIFERENTES. Assim. AE – 1. AE – 1. PO – 0.

ou ainda a de oficio com vistas a reduzir os gastos de pessoal acima do limite imposto pela Lei Complementar 101/2000. CUIDADO.0: FALTOU FALAR DA EXONERAÇÃO POR INSUFICIÊNCIA EM AVALIAÇÃO PERIÓDICA DE DESEMPENHO. ou seja. Visto que a exoneração nada mais é do que o desligamento do servidor daquele cargo. ESTÁ NA CF/88 E DEMANDA A EDIÇÃO DE LEI COMPLEMENTAR XXXXXXX www. Neste caso.112/90). O servidor exonerado nesta condição será ressarcido com uma remuneração por ano trabalhado e seu cargo será impossibilitado de provimento por quatro anos. XXXXXXX O servidor público ocupante de cargo efetivo pode ser exonerado de ofício caso haja situação de redução de gastos.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA XXXXXXX O ato de exoneração do servidor público em estágio probatório diferencia-se da demissão.pontodosconcursos. a exemplo da exoneração a pedido do servidor. AI – 1. ASSEGURADA AMPLA DEFESA. a exoneração do servidor efetivo somente será realizada após o corte de despesa com servidores em estágio probatório e caso persista a inconformidade com o limite pré-estabelecido. FPT – 1. nos termos do Estatuto dos Servidores Federais (Lei 8.com. NA FORMA DE LEI COMPLEMENTAR. abarca outras situações que ensejam a vacância do cargo. OPT – 1. que pode ocorrer por: exoneração a pedido. enquanto aquele apresenta natureza diversa. de ofício pela administração e por avaliação periódica de desempenho. conforme preconizado na Lei de Responsabilidade Fiscal.br 51 . uma vez que esta possui natureza jurídica punitiva.0: A QUESTÃO NÃO PEDE QUE SE FALE DISSO. ou a de ofício em virtude da não entrada em exercício no tempo máximo previsto após o provimento. XXXXXXX A exoneração de servidor público em cargo efetivo não tem caráter de punição ou qualquer tipo de sanção.0: A LEI 8812 NÃO PREVÊ ISSO.

75 (USE APENAS UMA: “COMO” OU “POR EXEMPLO”.25 (LETRA MINÚSCULA) dois cargos privativos da área de saúde. Dois cargos ou empregos privativos de profissional da saúde e outro cargo. II. conclui-se que a Administração teve entendimento errôneo acerca da acumulação apresentada. AFC/CGU NÃO SE ENQUADRA NO CONCEITO.25 (LETRA MINÚSCULA APÓS DOIS PONTOS) cargos de professor. Dois cargos de professor. XVI. III. POIS SÃO EQUIVALENTES) médico. POIS ADMITE QUALQUER NÍVEL SUPERIOR.25 (LETRA MINÚSCULA) 37. Um F – 0. por ser de natureza técnica.com. AE – 1. AE – 1. E FALTOU FALAR QUE AS PROFISSÕES DEVEM SER REGULAMENTADAS PAR – 0. E F – 0. E mesmo assim deverá ser aberto um procedimento de acumulação lícita de cargos. A regra é que o servidor ocupe somente um cargo público. pois o cargo de AFC. FOI CORRETO O ENTENDIMENTO QUANTO À ILICITUDE DA ACUMULAÇÃO. exceto nos casos elencados no artigo citado anteriormente: Dois F – 0.25 (LETRA MINÚSCULA) cargo de professor com outro. como por exemplo: COV – 0. Pois.5: FALTA DE VÍRGULA esta acumulação contraria o referido diploma legal.br 52 . NÃO NECESSARIAMENTE DE NÍVEL SUPERIOR.75 (NÃO PULE LINHAS ASSIM NA REDAÇÃO. FICARAM 3 CARGOS. técnico ou científico. XXXXXXX www. enfermeiro. é compatível com um cargo de professor efetivo em universidade federal. o artigo 37 da Constituição Federal (CF) excepciona a acumulação para os seguintes casos. XXXXXXX Quanto à acumulação de cargos.0: DO JEITO QUE VOCÊ ESCREVEU. PO – 0.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA No caso apresentado a administração acertou em avaliar a acumulação como ilícita. PO – 0. F – 0.5: FALTA DE VÍRGULA da CF (Constituição Federal) .5: FALTA DE VÍRGULA de acordo com o Art. Um cargo de professor e outro de natureza técnica ou científica. ESCREVA DIRETO) XXXXXXX Confrontando o caso em tela com as disposições constitucionais e legais já elencadas.pontodosconcursos.0: O STJ ENTENDE QUE CARGO TÉCNICO OU CIENTÍFICO É O QUE EXIGE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS E HABILITAÇÃO LEGAL. havendo compatibilidade de horários e respeitando-se o teto salarial estabelecido na CF: I. para que os mesmos possam ser exercidos. PO – 0. auxiliar de enfermagem e outros.

nenhuma irregularidade. PO – 0. PO – 0. NOTIFICAR O SERVIDOR PARA OPTAR POR UM DOS CARGOS.5: FALTA DE VÍRGULA não se constata como de natureza de penalidade. COM PROFISSÕES REGULAMENTADAS Em tais situações.75 forma de penalidade devido a alguma irregularidade realizada pelo agente público.25 (DIANTE) do exposto. www. não se aplica para o servidor em questão a exoneração de ofício. MELHOR: “NÃO REPRESENTA UMA PENALIDADE” ao contrário da demissão. 133 DA LEI 8.0: NÃO PRECISA SER NA MESMA CIDADE Como o servidor exerce o cargo de científico. EM CASO DE OMISSÃO: PAD SUMÁRIO E DEMISSÃO.5 (NÃO DEMANDA.br 53 .5: FALTA DE VÍRGULA vale citá-los: quando servidor exerce a função de professor e técnico ou científico.75 (ACEITOS) acúmulos de cargo.5 (NA) licitude do acúmulo de cargo do referido servidor. na CGU. mais de um cargo na área da saúde. AE – 1. a exoneração. PO – 0. não há desta forma nenhuma incompatibilidade EC – 0. neste caso ilicitude. XXXXXXX De ante O – 0.75 (EXERCE UM CARGO CIENTÍFICO) uma vez que é de nível superior. a decisão da Administração em exonerar se demonstra equivocada.75: ESTILO.5: FALTA DE VÍRGULA fundamentado da RG – 0. AFC/CGU QUALQUER NÍVEL SUPERIOR. CARGO TÉCNICO OU CIENTÍFICO É O QUE EXIGE E HABILITAÇÃO LEGAL.112/1990.5: FALTA DE VÍRGULA para tanto. Portanto.5: FALTA DE VÍRGULA havendo compatibilidade de horário e na mesma cidade. COV – 0. Sem possibilitar o contraditório e a ampla defesa.0: O STJ ENTENDE QUE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS DE NÍVEL SUPERIOR. XXXXXXX Trata a situação apresentada de exoneração de ofício de servidor ocupante do cargo de Analista de Finanças e Controle (AFC) que acumulava este com o de professor efetivo de universidade federal.0: DOIS CARGOS DE PROFESSOR. a exoneração não cabe EC – 0. PO – 0. ocorre mediante processo administrativo ou judicial com ampla defesa e direito ao contraditório por parte do servidor. NÃO EXIGE) instauração de procedimento administrativo.pontodosconcursos. POIS ADMITE FOI CORRETO O ENTENDIMENTO QUANTO À XXXXXXX Por todo o exposto.com. Neste caso.0: A DEMISSÃO NÃO É ATO VOLUNTÁRIO DO SERVIDOR e.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA No entanto. ou seja. Em relação aos casos em que são aceitas COV – 0. DI – 1.5: FALTA DE VÍRGULA e o cargo de professor em uma instituição de ensino federal e em horário compatíveis.5 constitucional.0: PROCEDIMENTO A ADOTAR: ART. será diferente da exoneração. a demissão é uma COV – 0. pois a demissão é uma desvinculação voluntária do servidor. PO – 0. que é involuntário COV – 0. não se aplicando perda de cargo. COV – 0.75 (INVOLUNTÁRIA) do servidor e é uma forma de penalidade da Administração em relação aos seus agentes públicos. DOIS CARGOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE. AF – 1. como é voluntária. entendeu a Administração que tal situação era incompatível com a Constituição Federal. AI – 1. AE – 1. NÃO NECESSARIAMENTE NÃO SE ENQUADRA NO CONCEITO. PO – 0. Desta forma. ILICITUDE DA ACUMULAÇÃO. mais de um cargo de professor. Não houve.

0: A QUESTÃO NÃO PEDE QUE SE FALE DISSO. A ESAF É BEM RIGOROSA COM ESSE ASPECTO. Em caso de inércia da Administração em EC – 0. este constitui-se inadequado como modalidade de aplicação de penalidade. garantia estendida a todo servidor vinculado ao sobredito regime jurídico. DI – 1. MUITO BEM! Ainda sobre o ato de exoneração. com profissões regulamentadas.112/90. a mesma enumera algumas exceções. A exoneração é a perda do cargo nos demais casos. apesar do incorreto procedimento adotado pela Administração. e a de dois cargos privativos de profissionais de saúde.25: LETRA MAIÚSCULA no 8. a de dois cargos de professor. de um cargo de professor e outro técnico ou científico ou de dois cargos exclusivos de profissionais de saúde.112/90. posto que. conforme entendimento sumulado do Supremo Tribunal Federal. ressalte-se – para que se apure a acumulação ilegal ou não de cargos públicos. NA FORMA DE LEI COMPLEMENTAR.5 proceder com a anulação (de ofício ou mediante requerimento).DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Diante dessa circunstância. verifica-se que o ato de exoneração está em desacordo com aquilo que prevê a lei F – 0. Essas exceções permitem a acumulação de dois cargos de professor.0: FALTOU CITAR OS CASOS DE EXONERAÇÃO DE OFÍCIO NA CF/88: INSUFICIÊNCIA EM AVALIAÇÃO PERIÓDICA DE DESEMPENHO. a qual normatiza o EC – 0. XXXXXXX A CF/88 institui que a avaliação de desempenho será condição para o servidor adquirir a estabilidade. CUIDADO. a falta de defesa técnica por advogado não ofende a Constituição.5: FALTA DE VÍRGULA tendo sempre caráter punitivo. EXCELENTE REDAÇÃO! XXXXXXX Importante destacar que. Nesse diploma legal. podemos afirmar que tal medida tem caráter de penalidade. AF – 1.5 regime jurídico dos servidores da União. motivos pelos quais pode a Administração anular seu próprio ato – com fundamento no princípio da autotutela. incluindo a exoneração por insuficiência na avaliação de desempenho.br 54 . de caráter diverso da exoneração de ofício. Mencione-se ainda que o ato de exoneração não possui caráter punitivo. Nesse sentido. XXXXXXX A CF/88 estabelece como regra a vedação de cargos públicos. FPT – 1.pontodosconcursos.com. OPT – 1. seu entendimento de que a acumulação figurava-se inconstitucional foi acertado. Postas essas considerações. a qual se dá apenas em dois casos. está taxativamente estabelecido o procedimento sumário que deve ser adotado no procedimento administrativo disciplinar (PAD) – de imprescindível instauração. caso o PAD tivesse sido instaurado e resultasse em condenação. pois aplicado nesses dois casos devido a mera inobservância dos requisitos legais. pode o servidor impetrar a adequada ação junto ao Poder Judiciário para que este anule o ato ilegal.0 (COM PROFISSÕES REGULAMENTADAS) www. das autarquias e fundações públicas federais. E EXCESSO DE DESPESAS COM PESSOAL. isso porque a Carta Magna estabelece os casos possíveis de acumulação: a de professor com técnico. PO – 0. PO – 0. mesmo ao que esteja em estágio probatório. ASSEGURADA AMPLA DEFESA.0: A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NÃO TEM CARÁTER DE PENALIDADE A demissão é a perda do cargo resultante de falta grave. é patente o desrespeito ao princípio do contraditório e ampla defesa e ao que prevê a Lei no 8. segundo o regime estatutário: inabilitação em estágio probatório e não início do exercício no prazo de quinze dias após a posse. No entanto. a única pena possível seria a de demissão.5: FALTA DE VÍRGULA já que é garantido ao servidor o contraditório e a ampla defesa. Mas.

tornando-se ineficiente. A corrupção e o nepotismo são presentes. Os funcionários integram a esfera pessoal do governante. por Getulio Vargas. burocrático e gerencial. Controles rígidos em todos os processos.br 55 . Desconfiança prévia dos administradores públicos e dos cidadãos. Extensão: 40 a 60 linhas Tempo sugerido: 60 minutos BRAINSTORM: Modelos clássicos de administração pública: patrimonialista. Ênfase nos resultados e aumento da governança. qualidade dos serviços e redução dos custos. autorreferente e incapaz de atender aos cidadãos. carreira pública. Marco da administração burocrática no Brasil: criação do Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP). Predominou no Brasil até 1930. em 1995. Os cargos são prebendas. Administração burocrática pode transformar o controle em verdadeiro fim do Estado. profissionalização. O patrimônio do Estado confunde-se com o do seu dirigente. Marcos da administração gerencial no Brasil: Decreto-Lei 200/1967.com. hierarquia. em 1938. e Emenda Constitucional 19/1998 (Reforma Administrativa). Administração burocrática: impessoalidade. Poder racional-legal.pontodosconcursos. Controles administrativos prévios. www. formalismo. Administração gerencial: eficiência. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (PDRAE). Administração patrimonialista: aparelho do Estado é extensão do poder do governante.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Simulado 03 – Administração Pública: Comente sobre os três modelos clássicos de Administração Pública e as medidas que foram tomadas para sua implementação no Brasil. Cidadão como cliente dos serviços públicos. A máquina administrativa pode voltar-se para si mesmo.

Procura-se dar mais autonomia ao servidor. É o interesse dos cidadãos. autorreferente e incapaz de atender aos anseios dos cidadãos. tornando-se ineficiente. o formalismo. www. as avaliações de desempenho e o aperfeiçoamento profissional. Priorizam-se aqui a impessoalidade. a hierarquia funcional. a administração burocrática e a administração gerencial. Esse modelo predominou no Brasil até 1930. O patrimônio do Estado confunde-se com o do seu dirigente e os cargos são tidos como prebendas.pontodosconcursos. PROPOSTA DE SOLUÇÃO: A evolução da administração pública em nosso país passou por três modelos diferentes: a administração patrimonialista. que alguma delas tenha sido definitivamente abandonada. No Brasil. a ideia de carreira pública e a profissionalização do servidor. para evitar a corrupção. Na administração patrimonialista. em 1938. Mas o controle é feito sobre os resultados. Interesse público na administração gerencial: não é o interesse do próprio Estado (como na burocracia). Conserva a meritocracia. e não um simples meio para atingir seus objetivos. na gestão de Getulio Vargas. Existe uma desconfiança prévia dos administradores públicos e dos cidadãos. porém.com. A administração burocrática vem combater os problemas do modelo anterior. Os controles administrativos funcionam previamente. A administração burocrática. embora seja efetiva no controle dos abusos. não nos processos. não significando.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA A administração gerencial não rompe com a administração burocrática. o aparelho do Estado é a extensão do poder do governante e os seus funcionários integram sua esfera pessoal.br 56 . o grande marco da administração burocrática foi a criação do Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP). A corrupção e o nepotismo são inerentes a esse tipo de administração. Com isso. São necessários controles rígidos em todos os processos administrativos. pode transformar o controle em um verdadeiro fim do Estado. Essas modalidades surgiram sucessivamente ao longo do tempo. a máquina administrativa volta-se para si mesmo. consubstanciando a ideia de poder racional-legal.

A administração gerencial não rompe com a administração burocrática. a redução da máquina estatal. a noção de interesse público é diferente da que existe no modelo burocrático.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA A administração gerencial apresenta-se como um aperfeiçoamento da burocracia. O cidadão passa a ser considerado cliente dos serviços públicos. a criação das agências reguladoras para zelar pela adequada prestação dos serviços etc.pontodosconcursos. e a Emenda Constitucional 19/1998 (Reforma Administrativa). o estabelecimento de metas a alcançar. Na administração gerencial. A corrupção e o nepotismo são também características inerentes a esse modelo.com. fato comum nos governos absolutistas do século XIX. a descentralização dos serviços públicos. e o aumento da governança do Estado. conservando seus preceitos básicos. Prioriza-se a eficiência. A diferença reside na maneira como é feito o controle. O patrimonialismo tinha como principal característica a falta de distinção entre o patrimônio público e o privado. com ênfase nos resultados. Busca-se uma cultura gerencial. www. não nega seus métodos e princípios. a administração gerencial começou a ser implementada com a edição do Decreto-Lei 200/1967 e ganhou força com o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (PDRAE). não mais nos processos em si. com a mudança de estruturas organizacionais. A administração gerencial identifica este interesse com o dos cidadãos. como a meritocracia. O novo modelo propõe-se a promover o aumento da qualidade e da eficiência dos serviços oferecidos pelo Estado aos seus clientes: os cidadãos. ela se apoia na burocracia. o modelo burocrático e o gerencialismo. Em nosso país. as avaliações de desempenho e o aperfeiçoamento profissional. a qualidade dos serviços e a redução dos custos. em 1995. A burocracia vê o interesse público como o interesse do próprio Estado. que passa a concentrar-se nos resultados. Na verdade. procurando-se garantir a autonomia do servidor para atingir tais resultados. O modelo gerencial na Administração Pública vem cada vez mais se consolidando. que predominou no Brasil até 1930.br 57 . TRECHOS SELECIONADOS COMENTADOS: Os três modelos clássicos de Administração Pública que acompanharam a evolução do Estado Moderno são o patrimonialismo.

a surgir o modelo gerencialista de Administração Pública. prevista no Plano Diretor de Reforma do Aparelho do Estado. No primeiro momento. No segundo momento. houve um fortalecimento da Administração Indireta. visando à busca pela eficiência e ao maior controle sobre os resultados. PO – 0. visto que os contribuintes estavam insatisfeitos com a forma como se dava a aplicação de recursos públicos pelo Estado. incentivando a capacitação profissional. No último momento. 1938 O DASP priorizou a divisão das funções administrativas. e a ineficiência provocada pelo modelo burocrático precisava ser combatida.pontodosconcursos. havia a ideia de busca pela eficiência. no Brasil. No Brasil.5: FALTA DE VÍRGULA houve grande dificuldade em implantar o modelo burocrático. surge a denominada Nova Gestão Pública. foi consolidada a ideia de que os contribuintes eram cidadãos que exigiam de seus governantes a adequada prestação de contas dos recursos aplicados. Seu foco era o controle sobre os processos em si. devido ao excesso de normatização. a profissionalização dos gestores e a hierarquia.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Como EC – 0. porém algumas características do modelo burocrático ainda estão presentes na Administração Pública. Com esses três momentos do gerencialismo. a edição do Decreto-Lei 200. a impessoalidade e a profissionalização dos gestores. o consumerismo e o PSO – Public Service Orientation. AI – 1. Entretanto. a impessoalidade. Entretanto. as bases desse modelo foram fortemente lançadas. então. mas. Começa. com foco na hierarquização administrativa e na unidade de comando. a saber: o gerencialismo puro. MUITO BEM! Com ele. EM 1938. e não sobre os resultados. mas também de qualidade.com. Os cargos foram ocupados com base em critérios específicos que permitiram a maior profissionalização de seus ocupantes.5 (COM O) fortalecimento do capitalismo e da democracia. a pesar O – 0.0: MARCO DA ADMINISTRAÇÃO BUROCRÁTICA NO BRASIL: CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO DO SERVIÇO PÚBLICO (DASP). POR GETULIO VARGAS. As principais características da burocracia eram o formalismo. o Brasil começou a sofrer os efeitos da crise econômica e fiscal. surgiu o modelo burocrático idealizado por Max Weber.br 58 . XXXXXXXXX www. o objetivo principal da burocracia era a busca pela eficiência. Cabe destacar que esse modelo gerencialista predomina até os dias atuais. o que gerava lentidão e ineficiência. de 1967. o surgimento da burocracia se deu com a criação do DASP – Departamento de Administração de Serviços Públicos. esses contribuintes passaram a ser vistos como clientes que demandavam serviços públicos não só eficientes. normas e regulamentos bem definidos foram estabelecidos. que teve como marco.25 (APESAR) disso. publicado em 1995 pelo então Presidente da República Fernando Henrique Cardoso.0 (DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO DO SERVIÇO PÚBLICO) em 1937. OPT – 1. PARABÉNS! XXXXXXXXX Durante todo o governo de Getúlio Vargas. O gerencialismo pode ser definido em três momentos. Na teoria. tais como a de recursos humanos e a de finanças. Assim. esse modelo apresentou diversas disfunções. tais como a divisão do trabalho. durante as décadas de 70 e 80.

0: O PDRAE INAUGURA EFETIVAMENTE A ADM.0: O PREDOMÍNIO HOJE É DO MODELO GERENCIAL. AI – 1. AI – 1. XXXXXXXXX Atualmente os três modelos de administração pública são identificados nas estruturas do governo brasileiro. Marcada pela descentralização da administração. PÚBLICA BRASILEIRA XXXXXXXXX www. A PRIMEIRA TENTATIVA DE IMPLANTAR O GERENCIALISMO NA ADM. XXXXXXXXX A administração burocrática surgia por volta de 1938 com a criação do DASPDepartamento Administrativo do Serviço Público. e a implantação da meritocracia para a progressão funcional dos servidores do estado. MAS MUITOS AUTORES CITAM O DL 200/67 COMO MARCO INICIAL.br 59 . MUITO BEM! A principal atribuição do DASP era contratar pessoal por meio de concurso público e acabar com o nepotismo de então. É CARACTERÍSTICA DA BUROCRACIA. EMBORA CONTINUE PRESENTE NO GERENCIALISMO. empresas e institutos dotados de maior autonomia gerencial. XXXXXXXXX Contudo. o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado inaugura a administração gerencial no Brasil tentando afastar o patrimonialismo e a burocracia negativa que havia surgido.0: ESTA ÚLTIMA.0: PODERIA TER CITADO O DECRETO-LEI 200/1967 COMO MARCO INICIAL DO GERENCIALISMO NO BRASIL XXXXXXXXX Assim. foi no governo JK que surgiram as primeiras bases para a 3ª fase: a administração gerencial.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA O modelo Gerencial tem como objetivos: o atendimento eficiente aos cidadãos. DI – 1. AI – 1. o uso adequado dos recursos públicos. com predomínio do modelo Burocrático.com. GERENCIAL.pontodosconcursos. surgem as autarquias.

a impessoalidade. PO – 0. XXXXXXXXX www. PO – 0. ERA UM DEFEITO DESSE MODELO. AI . Esse modelo foi aceito pela população por sempre existir e a população já estar acostumada com a forma de governo e administração da época. Com o surgimento da mobilização social.5: FALTA DE VÍRGULA apesar da evolução.5: FALTA DE VÍRGULA de 1967.5: USE PONTO FINAL AQUI preponderante no Brasil até meados de 1850.5: FALTA DE VÍRGULA que tinha como princípio confundir o patrimônio público com o particular. a meritocracia e o controle sobre processos e procedimentos. PO – 0. PO – 0. Esse normativo é expoente principal da administração burocrática brasileira evidenciando como principais características da burocracia o formalismo. O MODELO PATRIMONIALISTA PASSOU A SER COMBATIDO.0: NÃO É QUE TINHA ISSO COMO PRINCÍPIO.5: FALTA DE VÍRGULA os modelos não deixaram de existir à medida que outro surgia. OCORRE QUE MUITOS NEM SABIAM O QUE SE PASSAVA NOS ALTOS ESCALÕES DO GOVERNO. predominante no país até a República Velha. a profissionalização. AF – 1. A inauguração do modelo Gerencial deu-se somente no Governo Fernando Henrique Cardoso com o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (PDRAE). PO – 0. Dentre tais medidas pode-se elencar a criação do Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP) em 1938 MUITO BEM! e a do decreto número 200.5: FALTA DE VÍRGULA o patrimonialismo. XXXXXXXXX No Brasil. o modelo Patrimonialista prevaleceu na República Velha. foram tomadas medidas para a implementação do modelo burocrático na Administração Pública. AI – 1. Esses três modelos prevaleceram em épocas diferentes.com. a burocracia e o gerencialismo. O modelo gerencial é considerado o modelo mais evoluído dos três. QUANDO O POVO PASSOU A FICAR MAIS ESCLARECIDO. PO – 0. GERENCIAL NO PAÍS XXXXXXXXX A administração pública é composta por três modelos clássicos.br 60 . no Governo de Getúlio Vargas.0: A POPULAÇÃO NÃO ACEITAVA ISSO. esse modelo foi difundido pela forma de governo Monarquia .pontodosconcursos. GANHANDO FORÇA COM O PDRAE. iniciou-se EC – 0. AINDA QUE SOMENTE O PDRAE (1995) TENHA EFETIVAMENTE INICIADO A IMPLANTAÇÃO DA ADM. O modelo patrimonial foi o primeiro modelo difundido. PO – 0.1.5: FALTA DE VÍRGULA que foram criados para atender a evolução do setor público ao longo do tempo.0: O DL 200/67 É CONSIDERADO POR MUITOS O MARCO INICIAL DO GERENCIALISMO. mas ainda são encontrados resquícios de patrimonialismo e burocracia. mas.5 a implantação da Burocracia. AI – 1.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Em resposta ao primeiro modelo.0: O DECRETO-LEI 200/1967 FOI O INÍCIO DO GERENCIALISMO NO BRASIL.

a mais contundente medida de implantação do modelo gerencialista foi a Reforma Administrativa de 1995. Esses funcionários devem obediência aos chefes em função do cargo. PO – 0. de acordo com suas especialidades. Os funcionários públicos normalmente não são escolhidos por critérios técnicos e também não são organizados em carreiras. Algumas dessas características são: descentralização. são três os modelos clássicos de gestão. na Administração Pública. pouca flexibilidade para adaptação a mudanças do meio externo. Entretanto. o modelo burocrático foi proposto por Max Weber para substituir o modelo patrimonialista. Para corrigir esses problemas. na década de 1970. Esses problemas ficaram evidentes após a crise do petróleo.com. Por fim. foco na qualidade e nos usuários dos serviços públicos. maior grau de autonomia conferido aos agentes públicos. o modelo gerencialista. surgiu após a crise do Estado de Bem-Estar Social. O modelo patrimonialista é característico das monarquias medievais. o patrimonialismo foi introduzido pelos portugueses durante o período colonial e predominou na Administração Pública Brasileira até o período da República Velha. O modelo patrimonialista. A implantação de um modelo não substituiu totalmente o modelo anterior. de alguma forma. No Brasil. primeiro a existir. não há uma clara distinção entre o público e o privado. mais recente. Alguns autores consideram a criação do Decreto-Lei 200. PO – 0. MUITO BEM! O DL 200/1967 conferiu maior autonomia e flexibilidade à Administração Indireta. características dos três modelos.br 61 . a hierarquia. organizando-os em carreiras. constata-se que os três modelos clássicos de Administração Pública foram. algumas disfunções.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Em relação à Administração Pública. Entretanto. As primeiras medidas de implantação do modelo burocrático no Brasil ocorreram na década de 1930. durante o governo de Getúlio Vargas. Além disso. O segundo. EXCELENTE REDAÇÃO! XXXXXXXXX www. como preocupação somente com os procedimentos e não com os resultados. esses modelos não existiram em suas formas puras. o burocrático. Após a crise. a qual buscou reduzir a participação do Estado em diversos setores da economia e também reposicioná-lo como regulador e como criador das políticas públicas. aplicados no Brasil. não havendo qualquer dependência pessoal entre eles.5: FALTA DE VÍRGULA como a primeira tentativa de implantação do modelo gerencialista no Brasil. o formalismo e o controle dos processos. Nesse modelo. na prática. pode-se dizer que convivem atualmente. Esse modelo buscou profissionalizar os funcionários públicos. os governos tiveram dificuldades em manter o Estado de Bem-Estar Social. Entre as principais características do modelo burocrático estão a centralização. Entretanto. Dessa forma. MUITO BEM! Essas medidas foram necessárias para superar os efeitos da crise de 1929 e para tentar substituir o modelo de administração patrimonialista. a aplicação do modelo burocrático apresentou. O nepotismo e a corrupção são características marcantes desse modelo. controle sobre os resultados e não sobre os procedimentos.5: FALTA DE VÍRGULA de 1967. gastos excessivos e pouca qualidade dos serviços prestados. está mais associado aos estados nacionais modernos. o modelo gerencial procurou incorporar à Administração Pública algumas das características dos modelos de gestão usados na iniciativa privada. com a criação do Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP). é típico das monarquias absolutistas.pontodosconcursos. Por outro lado.

pontodosconcursos. Nele os cargos públicos são vistos como propriedade e usados em benefício de interesses individuais. atribuições definidas em lei. No Brasil. podemos observar características dos três modelos citados. Todavia. houve preocupação com a capacitação e com a organização da carreira do servidor. Além disso. o burocrático e o gerencial. criado em meados da década de 30. por sua vez.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Existem três modelos clássicos de Administração Pública. Típico de monarquias absolutistas. Pela primeira vez na história do país. Assim. controle sobre os gastos. em 1930. como a rigidez.. mas sim a preponderância de determinados aspectos. a lentidão. hierarquia. O Departamento de Administração (ADMINISTRATIVO) do Serviço Público – DASP . A principal característica do modelo patrimonialista é a confusão entre a esfera pública e a privada.br 62 . No Brasil. foi um órgão fundamental na implementação de princípios burocráticos. tem como principal base literária o modelo racional-legal de Max Weber. foi implementado sistema de concurso para ingresso no funcionalismo público. meritocracia. o baixo desempenho e uma Administração autoreferida. O modelo burocrático. Embora na teoria cada modelo tenha características bem definidas. em 1930. a saber: o patrimonial. formalismo. ocorrem tentativas de implementação do modelo burocrático a partir do Governo Vargas. as quais adquirem maior ou menor intensidade conforme a época e o contexto estudados.com. na prática não ocorre a substituição integral de um modelo pelo outro. pode-se observar que há um esforço para racionalização das atividades estatais. MUITO BEM! www. O autor estabelece como princípios fundamentais: impessoalidade. pode-se dizer que esse modelo foi preponderante no Brasil até o fim da República Velha. a implementação de medidas burocráticas também é passível de gerar uma série de disfunções. separação entre o público e o privado.

a falta de impessoalidade na contratação de empresas. devendo governar para o bem da sociedade. mesmo com o fim da monarquia. não possuem mandatos fixos e não são responsabilizados por seus atos.com. visão do cidadão como cliente. impessoalidade. os governantes não são eleitos. Porém. por elementos como a eficiência. estabeleça medidas relacionadas sobretudo à descentralização administrativa. na década de 60. Embora o Decreto-Lei F – 0.com o fim do regime jurídico único – e ampliar a autonomia da Administração Indireta. os governantes O – 0. controle de resultados.25 (organizações sociais). muitas práticas do patrimonialismo ainda existiam na Administração Pública brasileira. aumentava cada vez mais a demanda por um Estado mais rápido. o gerencialismo busca melhorar o desempenho da máquina estatal. a Administração Pública passou a se valer de características da administração privada (considerada mais eficiente). XXXXXXXXX www. leve e efetivo.pontodosconcursos.br 63 . como o nepotismo. foram enfatizados instrumentos de contratualização de resultados tanto com o poder público (Agências Executivas) quanto com o terceiro setor O – 0.25 (USE ASPAS PARA EXPRESSÕES ESTRANGEIRAS). é que se busca a implementação do modelo de forma consistente. FIQUE ATENTA! Entretanto. premissa de que o administrador merece confiança.25 (HÍFEN) 200. Seus princípios fundamentais são: descentralização política e administrativa. ênfase na efetividade e na “accountability”. então. com o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. após a independência do Brasil e adoção da república (palavra grega que significa O – 0. Desta maneira. buscou-se flexibilizar a Administração Pública .DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA Embora o modelo burocrático apresente vantagens em relação ao seu antecessor. MUITO BEM! O modelo gerencial é caracterizado. FPT – 1. Esta transição – para o modelo chamado gerencial – foi marcada por várias práticas. ao mesmo tempo em oferece soluções para redução dos gastos. controle “a posteriori” F – 0. na república. MUITO BEM! o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado em 1995 e a emenda constitucional que incluiu entre os princípios da Administração Pública (até então a legalidade. por meio da verificação dos resultados. publicização. apenas em 1995. o patrimonialismo deixou de fazer sentido no país. ainda que limitada. XXXXXXXXX Para mudar esta visão negativa. Assim. MUITO BEM! Nesse sentido.25 coisa pública). dentre as quais se destacam o Decreto-Lei 200/67. entre outras práticas. moralidade e publicidade) o princípio da eficiência. Além disso.0: VOCÊ FICOU FALANDO MUITO DAS CARACTERÍSTICAS DA MONARQUIA E DA REPÚBLICA E ACABOU FUGINDO UM POUCO AO ASSUNTO.25 são eleitos com mandato fixo e eleição periódica e são responsabilizados por seus atos. EXCELENTE REDAÇÃO! XXXXXXXXX Na monarquia. descentralização e desconcentração.

Você é o seu próprio examinador! Até a próxima! Luiz Henrique Lima Luciano Oliveira www.DISCURSIVAS PARA A CGU 2012 – AULA 03 PROFESSORES: LUIZ HENRIQUE LIMA E LUCIANO OLIVEIRA HORA DA VERDADE: EXERCÍCIO 04 (O DERRADEIRO!) Vamos ao nosso exercício 04? É o último simulado do nosso curso.pontodosconcursos.br 64 .AFO: À luz de seus conhecimentos. conceituando. cinco desses princípios. Simulado 04 . disserte sobre os princípios orçamentários previstos na Constituição da República. pelo menos.com. Extensão: 40 a 60 linhas Tempo sugerido: 60 minutos Boa sorte! PRAZO PARA ENVIO DAS RESPOSTAS: 28 de maio – 24:00 (horário de Brasília) Lembre-se de todas as regras que já que combinamos.