You are on page 1of 68

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – UECE

CENTRO DE CIENCIAS E TECNOLOGIA – CCT
CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM FÍSICA
DOMINGOS SÁVIO DE SOUZA E SILVA

A VERSATILIDADE DA BOBINA DE TESLA NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO
DO ELETROMAGNETISMO

FORTALEZA-CE
2012

S586v

Silva, Domingos Sávio de Souza
A versatilidade da bobina de Tesla na prática docente do ensino do
eletromagnetismo / Domingos Sávio de Souza Silva . – 2012.
66f. : il. color, enc. ; 30 cm.
Monografia (Graduação) – Universidade Estadual do Ceará,
Centro de Ciências e Tecnologia, Curso de Física, Fortaleza, 2012.
Orientação: Profª. Drª. Eloisa Maia Vidal.
1. Ensino. 2. Eletromagnetismo. 3. Fenômenos de alta-tensão. 4.
Eletrostática. 5. Eletrodinâmica. 6. Bobina de Tesla. Título.
CDD: 530.11

DOMINGOS SÁVIO DE SOUZA E SILVA

A VERSATILIDADE DA BOBINA DE TESLA NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO
DE FÍSICA

Monografia
apresentada
ao
Curso
Acadêmico de Licenciatura Plena de
Física do Centro de Ciência e Tecnologia
da Universidade Estadual do Ceará, como
requisito parcial para obtenção do grau de
licenciado em Física.
Orientadora: Profª. Drª. Eloísa Maia Vidal

FORTALEZA - CEARÁ
2012

DOMINGOS SÁVIO DE SOUZA E SILVA

A VERSATILIDADE DA BOBINA DE TESLA NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO
DE FÍSICA

Monografia submetida à Coordenação do Curso
de Licenciatura de Física do Centro de Ciência e
Tecnologia da Universidade Estadual do Ceará,
como requisito parcial para obtenção do grau de
licenciado em Física.

Conceito Obtido: _______________

Defesa em: 28/06/2012

BANCA EXAMINADORA

________________________________________
Profª. Drª. Eloísa Maia Vidal (Orientadora)
Universidade Estadual do Ceará – UECE
Orientadora

________________________________________
Prof. Dr. Emerson Mariano da Silva
Universidade Estadual do Ceará – UECE

________________________________________
Prof. Dr. Antônio Carlos Santana dos Santos
Universidade Estadual do Ceará – UECE

DEDICATÓRIA
A Deus, à minha querida mãe que nunca
me deixou desistir, à minha amada
esposa e aos meus filhos que, às suas
maneiras, me mostraram que amar não é
anular-se pelo outro.

AGRADECIMENTOS

A Deus, por me levar nos braços a maior parte da minha estrada.
À minha querida mãe Luiza, pelo incentivo em todos os momentos,
principalmente naqueles em os revezes da vida me faziam pensar em desistir.
Ao meu inesquecível pai Gerardo, pelo legado de ensinamentos e valores
que hoje norteiam minha vida.
À minha amada esposa Neide, minha metade boa, minha inseparável
companheira, amiga presente e auxiliadora, na saúde e na doença, na alegria e na
tristeza.
Aos meus filhos Samuel, Sâmia e Sara, pela ajuda decisiva no trabalho
manual do protótipo da Bobina de Tesla.
Ao meu irmão José Maria, primeiro incentivador e apoiador e a todos os
outros irmãos, pois todos me ajudaram e estimularam, cada um de sua forma, e de
maneira relevante.
À Profª. Drª. Eloísa Maia Vidal, que me orientou neste trabalho, com
paciência e profissionalismo.
Meus agradecimentos especiais a Universidade Estadual do Ceará e aos
seus professores, que nos incentivam na caminhada da produção científica e na
continuação dos alunos na vida acadêmica.
A todos que aqui não foram citados, mas de algum modo contribuíram
para que este trabalho fosse concluído da melhor maneira possível.

“Há muito tempo resolvi estudar Física
para, racionalmente, negar a existência de Deus,
desmascarar os crédulos e zombar dos gnósticos.
Efeito inverso! A lógica da causa e efeito me revelou,
muito
claramente,
uma
inteligência
infinita
sobrejacente a cada Lei da Física que torna possível
a existência do universo. Hoje percebo Deus em
cada maravilha da natureza que me cerca, e, mais
nitidamente, o vejo nas lentes dos telescópios e dos
microscópios.”
John Nobody

RESUMO

Na expectativa de contribuir de alguma forma para facilitar a aquisição de métodos e
recursos didáticos para munir os professores de Física do ensino médio, no que se
refere ao desafio contemporâneo de buscar propostas interessantes de tornar esse
ensino mais atrativo e dinâmico, elaborou-se esse trabalho, cujo cerne é apresentar
um aparelho elétrico que provou ser, não só um importante subsídio no que diz
respeito a motivar os alunos, mas também muito interessante a partir de um ponto
de vista científico. Para o desenvolvimento do projeto, fundamentou-se na teoria de
aprendizagem de Piaget, inteligências múltiplas de Gardner, LDB e PCNs, técnicas
de ensino de práticas experimentais, com ênfase na abordagem pedagógica do uso
de experimentos físicos na escola. Nesta proposta, mostra-se, embasado em
experiência em sala de aula, que a Bobina de Tesla, instrumento há muito conhecido
pelos aficionados pela eletricidade e praticamente desconhecido em sala de aula,
vem se adequar perfeitamente ao ensino de Física na área de Eletromagnetismo e
que a confecção desse dispositivo pelos alunos, a teoria do seu funcionamento geral
e modular, assim como a demonstração de seu funcionamento, auxiliará
sobremaneira a apropriação dos conhecimentos do Eletromagnetismo por parte dos
alunos.
PALAVRAS CHAVE: Ensino, Eletromagnetismo, fenômenos de alta-tensão,
eletrostática, eletrodinâmica, Bobina de Tesla..

ABSTRACT

Hoping to contribute in some way to facilitate the acquisition of methods and teaching
resources to equip teachers of physics in high school, with regard to the
contemporary challenge of interesting proposals seek to make this teaching more
attractive and dynamic, this was elaborated work, whose core is to provide an
electrical device which proved to be not only an important allowance in respect of
motivate students, but also very interesting from a scientific point of view. To develop
the project, was based on learning theory of Piaget, Gardner's multiple intelligences,
LDB and PCNs, teaching techniques of experimental practices, with emphasis on the
pedagogical approach of using physical experiments in school. In this proposal, it is
shown, based on experience in the classroom, the Tesla coil, an instrument long
known by aficionados for electricity and virtually unknown in the classroom, has fit
perfectly into the teaching of physics in the area of Electromagnetism and the
manufacture of this device by the students, the general theory of its operation and
modular, as well as demonstration of its operation, greatly assist the appropriation of
knowledge of electromagnetism by the students.
KEYWORDS: Teaching, electromagnetics, high-voltage phenomena, electrostatics,
electrodynamics, Tesla Coil.

LISTA DE FIGURAS

Figura 1
Figura 2
Figura 3
Figura 4
Figura 5
Figura 6
Figura 7
Figura 8
Figura 9
Figura 10
Figura 11
Figura 12
Figura 13
Figura 14
Figura 15
Figura 16
Figura 17
Figura 18
Figura 19
Figura 20

Esquema Modular da Bobina de Tesla ................................................
Indicação das dimensões do toróide ...................................................
Janela do Software Tesla Map (Parâmetros de Entrada e
Características do Circuito Primário) ...................................................
Janela do Software Tesla Map (Características do Circuito
Secundário e da Carga Capacitiva do Topo) .......................................
Janela do Software Wintesla (Parâmetros de Entrada e
Características do NST) ......................................................................
Janela do Software Wintesla (Características do Primário) ................
Janela do Software Wintesla (Características do Faiscador) ..............
Janela do Software Wintesla (Características do Secundário) ............
Janela do Software Tesla Map (Características Carga de Topo).........
Janela do Software Tesla Coil Cad (Parâmetros de Entrada) .............
Janela do Software Tesla Coil Cad (Características do Primário).......
Janela do Software Tesla Coil Cad (Características do Secundário)..
Janela de Software Tesla Coil Cad (Janela de Resumo).....................
Diagrama esquemático do experimento da “ressonância” ..................
Esquema do assessório para incrementar o efeito corona .................
Esquema do experimento “para-raios” ................................................
Diagrama esquemático do circuito de uma BT convencional .............
Carregamento do capacitor do primário ..............................................
Disparo do faiscador e descarga do capacitor pela bobina primária...
Indução de alta tensão no secundário e efeito corona ........................

34
40
44
44
45
45
46
46
47
47
48
48
49
50
51
52
60
61
62
63

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

AC
AO
BT
EAD
EUA
IES
MIT
MPD
NST
PCN
PCNEM
PFC
PSSC
PUC/SP
SEE/BA
SG
UFSC
UNIVASF

– Alternative Current (Corrente Alternada)
– Objeto de Aprendizagem
– Bobina de Tesla
– Ensino à Distância
– Estados Unidos da América
– Instituto de Ensino Superior
– Massachusetts Institute of Technology (Instituto de Tecnologia de
Massachusetts)
– Material Paradidático
– Neon Signal Transformer (Transformador de Letreiro Neon)
– Parâmetros Curriculares Nacionais
– Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
– Fator de Correção de Potência
– Physical Science Study Committee (Comitê de Estudo de Ciências
Físicas)
– Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
– Secretaria de Estado de Educação da Bahia
– Spark Gap (Centelhador ou Faiscador)
– Universidade Federal de Santa Catarina
– Universidade Federal do Vale do São Francisco

LISTA DE FOTOS

Foto 1
Foto 2
Foto 3
Foto 4
Foto 5

Centelhador .....................................................................................
Capacitor de garrafas ......................................................................
Primário, secundário e carga de topo ..............................................
Transformadores NST .....................................................................
Protótipo da Bobina de Tesla montada e operacional ...................

64
64
65
65
66

SUMÁRIO

RESUMO .................................................................................................
ABSTRACT .............................................................................................
LISTA DE FIGURAS ...............................................................................
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS...................................................
LISTA DE FOTOS ...................................................................................
1
INTRODUÇÃO .......................................................................................
1.1
O projeto ..................................................................................................
1.2
Descrição dos capítulos...........................................................................
1.3
Objetivos .................................................................................................
1.3.1 Objetivo geral ..........................................................................................
1.3.2 Objetivos específicos ..............................................................................
2
REVISÃO DE LITERATURA ..................................................................
2.1
A formação de professores de Física e a importância do ensino de
Física na educação básica ......................................................................
2.2
Uso de experimentos de baixo custo no ensino de Física ......................
2.3
Um breve panorama sobre o uso de novas tecnologias no ensino de
Física .......................................................................................................
2.4
Alternativas inovadoras e criativas para o ensino de Física ...................
3
MATERIAIS E MÉTODOS ......................................................................
3.1
Aplicação do projeto numa escola pública ..............................................
3.2
Segurança ...............................................................................................
3.2.1 Perigos mais significativos ......................................................................
3.2.2 Cuidados e precauções ...........................................................................
3.3
Descrição e Cálculos de uma Bobina de Tesla genérica ........................
3.3.1 Descrição de cada módulo ......................................................................
3.3.2 Calculando a Bobina de Tesla ................................................................
3.3.3 Lista do material principal .......................................................................
3.4
Softwares para os cálculos de uma Bobina de Tesla .............................
3.4.1 Janelas do Software TeslaMap ...............................................................
3.4.2 Janelas do Software WinTesla ................................................................
3.4.3 Janelas do Software Tesla Coil Cad .......................................................
3.4.4 Criando uma planilha específica .............................................................
3.5
Sugestões de experimentos com o uso da Bobina de Tesla ..................
4
CONSIDERAÇÕES FINAIS ....................................................................
REFERÊNCIAS .......................................................................................
ANEXOS
I – Teoria Básica de uma Bobina de Tesla ..................................................
II – Fotos do protótipo ...................................................................................

6
7
8
9
10
12
12
13
14
14
14
16
16
19
21
24
29
29
31
32
33
33
34
37
41
42
43
45
47
49
50
54
56
59
64

12

1 INTRODUÇÃO

O conceito que, em geral, as pessoas têm da Física é criado na escola e
é consequência do ensino praticado nesta disciplina. Na prática pedagógica da
maioria dos professores, o que prevalece é o caráter formal, em detrimento do
contato com a fenomenologia. Justamente esse lado da Física que mais atrai as
pessoas, é pouco apreciado e, por vezes, até mesmo completamente omitido.
Focaliza-se excessivamente a Física matemática em detrimento de uma Física mais
conceitual, mais experimental e com mais significado para a vida das pessoas.
Esse padrão de ensino é um dos fatores responsáveis pelo fato de os
alunos pouco ou nada aprenderem da Física. O que comumente aprendem é a não
gostar dela, levando esse estigma consigo para o resto da vida. Para muitas
pessoas, falar em Física significa resgatar recordações desagradáveis, sendo até
muito comum ouvir-se expressões como esta: “Física é coisa para louco!”,
reveladora da imagem que os estudantes formam da Física na escola.
No domínio do que poderia ser feito no sentido de fornecer recursos para
que as pessoas formem uma imagem mais positiva da Física, para que os
estudantes tenham mais interesse pelo seu estudo e, assim, melhorem seu
aprendizado, são de grande importância fatores de cunho metodológico, que têm a
ver com a maneira como a Física é ensinada. Muitas das dificuldades enfrentadas
pelo professor de Física em sala de aula, principalmente as relacionadas com a
questão do gostar e do aprender, a meu ver podem ser contornadas por ele mesmo,
com o auxílio de uma metodologia adequada de ensino.

1.1 O projeto
Uma estratégia de ensino compatível com essa visão de ensinoaprendizagem constitui-se da construção e demonstração do funcionamento de uma
Bobina de Tesla (BT). Trata-se de uma ferramenta de relativo baixo custo e com um
incrível potencial didático, que envolve ampla interdisciplinaridade e transversalidade
no ensino de Física. Perfeitamente adequada à didática do eletromagnetismo, uma
BT é um poderoso instrumento didático, nas mãos de um professor que domine o
conhecimento no âmbito da fenomenologia eletromagnética. Um catalizador eficaz

13

para o ensino de conceitos que, geralmente, são transmitidos pelo professor de
maneira abstrata, como indução eletromagnética, corrente alternada, ressonância,
capacitância, rigidez dielétrica do ar, efeitos fisiológicos do choque elétrico, campo
eletromagnético, altas tensões com as altas frequências, emissão de ondas de rádio,
circuitos ressonantes, ionizações de gases, produção de ozona, etc.
Com uma BT são possíveis demonstrações elétricas das mais
empolgantes. Devido ao campo eletromagnético formado, uma BT pode acender
lâmpadas fluorescentes e lâmpadas de néon a vários metros de distância do
aparelho, só dependendo da potência. Produz visíveis efeitos elétricos como, efeito
corona, faíscas brilhantes e ruidosas, as descargas idênticas a relâmpagos e
brilhantes descargas corona proporcionam um efeito espetacular e digno de um
laboratório de filmes de ficção científica. Por causa de sua alta frequência, uma BT
provê um modo relativamente seguro para demonstrar fenômenos que envolvem
alta tensão.
É um aparelho ideal para explorar nos alunos e no público leigo
dimensões emocionais de modo motivador e desafiador. Contribuindo e servindo,
assim, como facilitador da aprendizagem formal e informal.

1.2 Descrição dos capítulos
Os próximos capítulos compõem a estrutura do trabalho que está assim
disposto:
No capítulo 2 foi desenvolvida a revisão bibliográfica, que resume
importantes abordagens teóricas e metodológicas de conceituados autores, nas
quais é embasado o escopo deste trabalho. O primeiro subitem do capítulo tece
algumas reflexões sobre a formação de professores de física no Brasil e a
importância do ensino de física no ensino básico. O segundo subitem aborda
referências sobre o uso de experimentos de baixo custo no ensino de Física. No
terceiro subitem é feito um breve panorama sobre o uso de novas tecnologias
aplicadas ao ensino de Física. O quarto subitem tem como assunto as alternativas
inovadoras e criativas para o ensino de Física.

14

O capítulo 3 discorre sobre a metodologia e como se processa a
aplicação do projeto em uma escola pública, apresentando os recursos teóricos que
embasarão o projeto e sugerindo todas as etapas práticas desde o começo até a
avaliação do projeto pelo professor. No primeiro subitem priorizamos importantes
recomendações no que diz respeito à segurança na construção e operação da BT,
visto que trata-se de um equipamento que opera com altas tensões elétricas e,
portanto, requer cuidados mais exacerbados. O segundo subitem descreve a
topologia, características e parâmetros de um BT genérica, assim como apresenta e
aplica as fórmulas para se determinar essas propriedades. O terceiro subitem do
capítulo

3

apresenta

três

softwares

que

auxiliam

na

determinação

das

características de uma BT a partir de alguns parâmetros de entrada. O quarto
subitem finaliza o capítulo sugerindo e descrevendo alguns experimentos que
podem ser realizados com o auxílio de uma BT.
No quarto capítulo, apresenta-se as conclusões qualitativas, perspectivas
e expectativas quanto a aplicação do projeto.
Finaliza-se com a apresentação da bibliografia e anexos.

1.3 Objetivos

1.3.2

Objetivo geral
Apresentar alternativas metodológicas e recursos que venham a contribuir

para formar uma nova visão do ensino de Física, com ferramentas que valorizem os
conteúdos e a criação de atividades de aprendizagem significativa, por meio do uso
de experimentos mais motivadores.

2.3.2

Objetivos específicos
Projetar e construir um equipamento e utilizá-lo em demonstrações

experimentais e cálculos de equações de eletricidade.

15

Conceber propostas metodológicas que auxiliem na compreensão dos
conteúdos de ensino e aprendizagem de Física, especialmente eletrostática,
eletrodinâmica e eletromagnetismo.
Despertar a investigação crítica, criatividade, interesse, participação e
pesquisa nos assuntos científicos e tecnológicos.
Desenvolver competências e habilidades dos alunos no aprendizado de
Física, como visualizar e manusear o experimento para entender os conceitos e
problemas propostos.

16

2 REVISÃO DE LITERATURA

2.1 A formação de professores de física e a importância do ensino de Física na
educação básica
Não há como falar sobre ensino de Física no Brasil sem mencionar
também o cenário internacional (MOREIRA, 2000). A partir de referências nas
experiências de outros países, o autor cita que um bom exemplo para a mudança de
paradigma no que diz respeito ao ensino de Física no ensino médio é o curso de
Física do PSSC (Physical Science Study Committee) nos EUA. Trata-se de um
projeto de renovação do currículo de Física no ensino médio iniciado em 1956, no
MIT, fruto de uma grande insatisfação, particularmente entre os físicos, com o
ensino da disciplina naquela época, nas escolas desse mesmo país.
Por influência do PSSC, na mesma época surgiram em outros lugares,
projetos curriculares para o ensino médio. No entanto o paradigma dos projetos não
durou muito, pois, segundo Moreira, o ensino e aprendizagem são interdependentes;
por mais que sejam os materiais instrucionais do ponto de vista de quem os elabora,
a aprendizagem não é uma consequência natural.
Ele mostra outro paradigma na questão da aprendizagem que é em
relação a pesquisa do ensino de Física, em que ocorre várias mudanças durante as
décadas, além de iniciativas e contribuições importantes como a utilização de
abordagens que enfocassem a Física do cotidiano, o uso de equipamentos de baixo
custo, as relações Ciência, Tecnologia e Sociedade, a História e Filosofia da
Ciência, e recentemente Física contemporânea e novas tecnologias. Nesta parte o
autor explica que cada uma dessas vertentes tem seu valor, mas também suas
limitações, e até mesmo prejuízos para o ensino da Física, na medida em que sejam
trabalhadas de modo exclusivo.
O autor ainda sugere uma significativa mudança curricular na graduação
em Física com urgência, pois é uma questão de sobrevivência, e completa
afirmando que as perspectivas para o ensino de Física no Brasil são de grandes e
necessárias mudanças no ensino de graduação e no ensino médio.

17

Além das mudanças radicais sugeridas por Moreira (2000) nos currículos
de Física também se torna necessária uma análise profunda no processo de
formação de professores de Física do ensino básico. Segundo Borges (2006), é
imperativo aumentar a quantidade de professores formados anualmente, bem como
qualificá-los melhor. Mas no caminho da melhoria do ensino de Física, há problemas
e resistências que podemos e devemos enfrentar. Para contornar esses problemas o
autor sugere um currículo cujos propósitos sejam fazer com que o estudante possa
i.

conhecer os principais modelos da ciência,

ii.

ter aprendido a modelar fenômenos, eventos e situações e

iii.

ter desenvolvido a capacidade e adquirido o hábito de buscar, avaliar e
julgar a qualidade dos argumentos e das evidências disponíveis para a
produção de conhecimento novo sobre os fenômenos e problemas
tratados.
Mas o autor reconhece que existem muitas fontes de dificuldades para se

implementar esse tipo de currículo, das quais pode-se destacar o fato de que os
professores de Física enfatizam demais a memorização de fatos e fórmulas, assim
como a sua aplicação na resolução de exercícios de fim de capítulo, em detrimento
do desenvolvimento do pensar científico.
Outra das dificuldades está ligada à abordagem e ao uso dos modelos
nos materiais de ensino e na sala de aula. Raramente os modelos são usados como
ferramentas efetivas para se pensar sobre sistemas e fenômenos físicos. Os
modelos não são explorados como ferramentas para o raciocínio, mas como meros
recursos auxiliares para o ensino de fatos e teorias científicas.
Uma terceira dificuldade é que em sala de aula, em geral, os professores
não se empenham em desenvolver o pensar científico e em ensinar sobre como
planejar e conduzir investigações, em desenvolver as habilidades de argumentação
e de comunicação de ideias científicas para pessoas do mesmo nível cultural.
Mostrando as raízes desse problema, Borges (2006) se apoia em citações
de físicos reconhecidos na comunidade norte-americana, como Wieman, Hestenes,
Mazur e DeHaan que estão a clamar por mudanças na forma de ensinar para formar
não apenas cientistas, mas também aqueles que não atuarão em carreiras
científicas nas ciências naturais.

18

Para superar essas dificuldades, o autor refere os caminhos apontados
por esses mesmos físicos: basear o ensino em métodos e técnicas cientificamente
pesquisados,

bem

como

utilizar,

de

forma

mais

vigorosa,

os

recursos

proporcionados pelas modernas tecnologias.
Na esteira dessas constatações, boas iniciativas têm eclodido em
diversos setores acadêmicos, onde destacamos as que Angotti (2006) apresenta,
contextualiza e discute. São projetos inovadores para formação do Educador em
Física nos regimes presencial e à distância, a saber:
 Projeto Complementação em Licenciatura para Docentes graduados
em áreas afins de Matemática, Química, Biologia e Física, Estado da
Bahia, Convênio UFSC - Secretaria de Estado da Educação da Bahia
(SEE/BA);
 Projeto Licenciatura Plena em Física a Distância, sediado na UFSC;
 Produção de material paradidático (MDP) digital livre e aberto, a partir
de originais de licenciandos em Física da UFSC.
Frisa o autor que essas iniciativas não tratam de "cumprir tabela ou cobrir
lacunas", mas sim de garantir o acesso à licenciatura, aos sujeitos interessados,
com o mesmo potencial daqueles que frequentam nossos IES, excluídos porque
residem e trabalham em locais distantes dos centros formadores desta área.
Outros autores, como Schroeder (2007) em seu artigo, extrapola a
importância das aulas de Física desde as primeiras séries do ensino fundamental.
Infere que esta importância está muito mais no auxílio ao desenvolvimento da
autoestima e da capacidade de aprender a aprender das crianças do que em
aspectos utilitários, tais como preparar os estudantes para os conteúdos do ensino
médio. O autor propõe alguns exemplos de atividades que podem ser indicadas a
crianças com idades entre sete e dez anos, nas quais a possibilidade de explorar a
física pode ser útil para o desenvolvimento da capacidade de aprender a aprender.
Destaca que a possibilidade de participar de atividades nas quais os
estudantes manipulem, explorem, interajam com materiais concretos, ao invés de
somente se dedicar a aulas expositivas e leituras de textos, é essencial para o
desenvolvimento e o aprendizado das crianças. Ainda, segundo Schroeder, a física
ainda está longe das salas de aula das quatro primeiras séries, fato esse que

19

determina a visão distorcida que os alunos do ensino médio têm em relação à
Física.
Esse mesmo tipo de constatação é abordada em um artigo de Ricardo e
Freire, (2007) que apresenta e discute os resultados de um estudo exploratório
realizado com alunos do nível médio de duas escolas do Distrito Federal. O objetivo
do estudo foi identificar as concepções dos alunos a respeito do ensino da física e
elaborar um cenário de investigação para futuros professores de física.

2.2 Uso de experimentos de baixo custo no ensino de Física
É muito comum, nas escolas do ensino médio, depararmo-nos com
professores de Física com dificuldades em construir, de forma prazerosa,
contextualizada e funcional, o conhecimento físico em suas salas de aula. Por causa
da não assimilação dos conceitos físicos no decorrer do curso, a Física é vista como
uma disciplina complexa de ser lecionada, gerando o desinteresse dos educandos e
muitas dificuldades na aprendizagem dos conteúdos.
É complicado para o professor ensinar conceitos físicos com aulas
exclusivamente expositivas, uma vez que estes conceitos exigem cada vez mais do
professor e só com aulas dinâmicas e criativas é que é possível despertar o
interesse dos alunos. Além disso, mesmo que o aluno aprenda a física na escola,
ele não consegue associar o conhecimento assimilado à sua realidade, com isso,
não assimila os conceitos e, por consequência, não aprende o conteúdo.
Esta observação é reiterada por Araujo e Abib (2003), que afirmam que
as dificuldades e problemas que afetam o sistema de ensino em geral e
particularmente o ensino de Física não são recentes e têm sido diagnosticados há
muitos anos, levando diferentes grupos de estudiosos e pesquisadores a refletirem
sobre suas causas e consequências.
Os autores ainda apontam que, o uso de atividades experimentais como
estratégia de ensino de Física tem sido apontado por professores e alunos como
uma das maneiras mais frutíferas de se minimizar as dificuldades de se aprender e
de se ensinar Física de modo significativo e consistente.

20

A introdução da física, através da experimentação de fácil compreensão,
pode dar aos alunos a motivação para aprenderem essa disciplina, além de colocálos em contato com a ciência, despertando o pensamento crítico e aperfeiçoando a
percepção dos fenômenos por meio da observação. Mas é fundamental a utilização
de estratégias metodológicas adequadas, que privilegiem a reflexão e a formulação
de hipóteses por parte dos alunos. Segundo Araújo e Abib,
A utilização adequada de diferentes metodologias experimentais, tenham
elas a natureza de demonstração, verificação ou investigação, pode
possibilitar a formação de um ambiente propício ao aprendizado de diversos
conceitos científicos sem que sejam desvalorizados ou desprezados os
conceitos prévios dos estudantes. Assim, mesmo as atividades de caráter
demonstrativo, (...) que visam principalmente à ilustração de diversos
aspectos dos fenômenos estudados, podem contribuir para o aprendizado
dos conceitos físicos abordados, na medida em que essa modalidade pode
ser empregada através de procedimentos que vão desde uma mera
observação de fenômenos até a criação de situações que permitam uma
participação mais ativa dos estudantes, incluindo a exploração dos seus
conceitos alternativos de modo a haver maiores possibilidades de que
venham a refletir e reestruturar esses conceitos (p. 190).

Nessa linha, Catelli et al. (2010) sugerem, para o estudo da cinemática do
ensino médio, onde estuda-se os movimentos uniformes e acelerados, com sua
invariável coleção de fórmulas e gráficos, o uso de câmeras digitais comuns,
substituindo a utilização de equipamentos didáticos sofisticados de alto custo e que
necessitam de treinamento para operá-los, como equipamentos com fotocélula,
detectores de movimento de ultrassom, polias informatizadas, e outros.
Outros conceitos difíceis de transmitir são os princípios da Ondulatória,
cuja aprendizagem e compreensão das propriedades é grandemente facilitada, com
os aparatos desenvolvidos em Piubelli et al. (2010).
Acreditamos que as demonstrações, que podem ser realizadas com o
dispositivo que desenvolvemos, facilitarão a aprendizagem e a
compreensão das propriedades das ondas mecânicas e da dependência da
velocidade de propagação destas com o meio.(p. 1501-1)

Proposta também interessante e didaticamente atraente é o trabalho de
Iachel et al. (2009) para o ramo da Astronomia, cujo propósito é utilizar-se da
montagem e aplicação de instrumentos simples, como é o caso de uma luneta
astronômica, para apresentar e discutir ações que promovam o ensino de
Astronomia de maneira eficiente, pouco dispendiosa e, sobretudo motivadora.
Destacamos também o artigo de Monteiro et al. (2009), que propõe uma
atividade de baixo custo, de simples construção e de fácil utilização em sala de aula,

21

para uma abordagem de conceitos relativos à Segunda Lei da Termodinâmica
(entropia), conteúdo esse que é normalmente abstrato.
Essas abordagens fazem com que os alunos consigam contextualizar o
conhecimento que estão aprendendo e interagindo, saindo da postura de quem
somente recebe informação para construir seu próprio conhecimento. As aulas
provavelmente serão mais proveitosas e interativas além do professor estar
contribuindo para a formação de pessoas mais críticas.

2.3 Um breve panorama sobre o uso de novas tecnologias no ensino de Física
Nas últimas quatro décadas as mídias tornaram-se parte de nossa rotina
e estão presentes na vida de professores e estudantes, porém seu uso no ensino
ainda é muito limitado ou, muitas vezes, inexistente. Desde a década de 70, muitas
coisas mudaram em termos do uso das tecnologias da informação e comunicação
na vida das pessoas, principalmente em relação às mídias, mas pouca coisa mudou
em relação ao seu uso no ensino de física.
O fracasso no ensino-aprendizagem da física, tanto no ensino médio
como no ensino superior, motivou várias pesquisas sobre novas metodologias de
ensino. Entre elas as metodologias que empregam as mídias para tentar superar o
método tradicional de ensino, no qual o professor deve falar e os alunos devem ouvir
e copiar as anotações feitas no quadro.
As mídias nos permitem compreender conceitos mobilizando vários tipos
de inteligências que possuímos, estimulando as habilidades potenciais que temos,
não só a inteligência lógico-matemática, como também todos os níveis das múltiplas
inteligências1, por meio de estímulos visuais e auditivos.
Existem inúmeros trabalhos que procuram discutir o uso das mídias –
tendo como máximo representante o computador – de forma mais efetiva para o
ensino de física. Sabe-se que seu uso somente não garante a aprendizagem dos
conceitos físicos por parte dos estudantes. É necessário desenvolver software,

1

Howard Gardner e sua equipe da Universidade de Harvard quando, nos anos 80, descobriu e
propôs que o ser humano teria não uma ou duas, mas várias inteligências, relacionadas a
habilidades específicas que iam da montagem de blocos à música, à pintura e ao autoconhecimento.

22

vídeos, simulações ou ambientes virtuais de aprendizagem baseados nas teorias da
aprendizagem mais recentes.
Para arrefecer o dogmatismo de que o computador seria o “santo graal”
do sistema de ensino-aprendizagem no que diz respeito principalmente à Física,
Dwyer et al. (2008) vem nos mostrar um estudo cujos resultados demonstram que,
para os alunos de todas as séries e para todas as classes sociais o uso intenso do
computador diminui o desempenho escolar.
Para alunos da 4ª série, das classes sociais mais pobres, mesmo o uso
moderado do computador piora o desempenho nos exames de português e
matemática. Esses resultados também indicam claramente que é preciso repensar o
papel do computador no ensino, sobretudo para os alunos mais pobres, para quem o
uso do computador, ainda segundo os autores, está surpreendentemente associado
a uma piora nas suas notas. O referido estudo teve como foco a resposta da
questão: “O investimento em informática tem trazido melhoras no desempenho dos
alunos?”.
Outro agravante é que, por falta de informação e/ou formação de
professores, o uso dos recursos do computador nas metodologias de ensinoaprendizagem é ainda extremamente subestimado, principalmente nos laboratórios
das escolas. No entanto, Cavalcante et al. (2009) relata que desde 2005 é
desenvolvido na disciplina de Instrumentação para o Ensino de Física do curso de
Licenciatura em Física da PUC/SP sistemas de aquisição extremamente simples em
que

os

sinais

são

coletados

através

da

entrada

de

microfone

dos

microcomputadores. A análise e coleta de dados são realizadas através de versões
shareware e/ou freeware de softwares de análise de som disponíveis na rede
mundial de computadores.
No trabalho dos autores dois experimentos são propostos: um deles
possibilita determinar a frequência da rede elétrica e o outro é destinado ao estudo
de lançamento horizontal e a determinação da aceleração da gravidade local. Os
resultados obtidos são bastante satisfatórios principalmente se levarmos em conta a
relação custo benefício do sistema proposto. Considerando a simplicidade e os bons
resultados apresentados, o sistema proposto, segundo os autores, contribui de
maneira significativa para uma nova abordagem no ensino de física no século XXI

23

permitindo transformar a sala de aula em um ambiente de investigação, valorizando
os objetivos educacionais e não meramente instrucionais.
Outro trabalho que merece destaque é o estudo de Veit e Teodoro (2002)
que discute a importância da modelagem no ensino-aprendizagem de Física em
conexão com os novos parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio
(PCNEM). O estudo apresenta as características essenciais do software Modellus,
concebido principalmente para modelagem em ciências físicas e matemática sob
uma visão de ensino que destaca, no processo de aprendizagem, a exploração e a
criação de múltiplas representações de fenômenos físicos e de objetos matemáticos.
Na mesma linha de exploração de Objetos de Aprendizagem (OA), Sales
et al. (2008) nos apresenta o Pato Quântico, software destinado à modelagem
exploratória aplicada ao ensino de Física Quântica. O estudo apresenta resultados
da utilização do software como metáfora para a compreensão das leis quânticas
envolvendo o efeito fotoelétrico e possibilita o cálculo da constante de Planck. Os
autores, utilizando o software Pato Quântico, realizaram um experimento com
estudantes do ensino médio. Como resultado, ficou perceptível que a construção ou
a manipulação de um modelo não depende exclusivamente de como os alunos
dominam a lógica empregada na ferramenta computacional, mas sim do
entendimento sobre o fenômeno físico e suas habilidades em relacioná-lo com o
objetivo da atividade desenvolvida.
Ainda no mesmo foco, destacamos a contribuição de Werlang et al.
(2008). Utilizando como referencial teórico a teoria L. S. Vygotsky sobre a interação
entre os alunos e entre os alunos e o professor, respeitando a zona de
desenvolvimento proximal2 dos alunos, os autores criaram um hipertexto que utiliza
recursos tecnológicos como vídeos, animações em Flash, Applets Java, figuras,
textos e atividades práticas que tratam da física de fluidos.
Segundo os autores foi observado que os alunos que utilizaram este
material didático estavam mais predispostos ao processo ensino-aprendizagem do
que os alunos que não o utilizaram, obtendo em um teste sobre os conteúdos

2

É a distância entre as práticas que uma criança já domina e as atividades nas quais ela ainda
depende de ajuda. Para Vygotsky, é no caminho entre esses dois pontos que ela pode se
desenvolver mentalmente por meio da interação e da troca de experiências. Não basta, portanto,
determinar o que um aluno já aprendeu para avaliar seu desempenho.

24

desenvolvidos um ganho maior do que os alunos que não utilizaram o material
didático.
Nesse contexto, é fundamental que os professores se adaptem às novas
tecnologias, fazendo cursos de capacitação, a fim de poder utilizá-las com todo o
seu potencial promissor sem cometer equívocos na sua utilização como ferramenta
pedagógica. As novas tecnologias já fazem parte das vivências dos alunos e
tornaram-se um sistema de signos para eles. Portanto, cabe ao professor adequarse a essa nova realidade e utilizá-la em favor do processo ensino-aprendizagem.
Quanto ao papel da escola, apesar de alguns autores em artigos
apontarem para problemas relacionados ao uso dos computadores, acredita-se que
a escola não pode ignorar as contribuições que podem advir dos possíveis usos das
ferramentas computacionais para o ensino em geral e, em especial, para o ensino
de Física. Entretanto, para que esses recursos possam ser adequadamente
inseridos nesses ambientes devem ser adotadas metodologias de ensino que se
apoiem na utilização dos computadores como meros instrumentos para expor
conteúdos substituindo o giz e a lousa, reproduzindo, assim, o ensino tradicional.

2.4 Alternativas inovadoras e criativas para o ensino de Física
São muitas e as mais variadas possíveis as dificuldades encontradas
pelos professores de Física, em nível fundamental e médio, no que diz respeito à
escolha de condições de aprendizagem que sejam apropriadas à sua proposta e à
realidade de seus alunos. É certo que se deve admitir que a baixa variedade de
materiais disponíveis inclui-se, sem dúvida, entre elas. O problema se torna ainda
maior quando o professor decide adotar estratégias de ensino que proporcionem a
obtenção do conhecimento de forma divertida e agradável, ou seja, permita que o
aluno associe o aprendizado ao prazer.
O professor possui um papel importante no processo educativo, no qual
deve propiciar aos seus alunos o desenvolvimento físico e intelectual e promover
situações de aprendizagem em que o estudante possa expor o que sabe, de
maneira a compreender e familiarizar-se com os conteúdos estudados. Porém, para
que estas expectativas sejam atingidas é indispensável a utilização de atividades de
ensino.

25

No entanto a seleção de atividades que atendam a essa perspectiva não
é um processo simples, pois muitos professores preferem continuar usando métodos
poucos eficientes a tentar algo novo que não estejam preparados. Outra situação
que torna o ensino pouco produtivo é a resistência dos alunos, principalmente
aquelas relacionadas com a questão da implantação de inovações didáticas.
Porém essa situação pode ser contornada com o auxílio de uma
metodologia compatível, principalmente, com seus interesses e conhecimentos. É
nesse sentido que este trabalho procura destacar alguns exemplos de alternativas
para apresentar uma saída possível para que isto ocorra trazendo ao professor
propostas pedagógicas que cativem os alunos para que se engajem ativamente no
processo de mudança.
Comecemos por referir um projeto que traz uma abordagem diferenciada
para o ensino do conceito de “campo” em sala de aula. Trata-se de uma mudança
paradigmática quanto à abordagem desse conceito, dando destaque ao enfoque
histórico-conceitual ao que tradicionalmente era abordado com o crivo matemáticoconceitual.
Segundo Rocha (2006), o conceito de campo é uma das ideias
fundamentais da Física e pode produzir um proveitoso debate em sala de aula sobre
as noções básicas desta ciência. Apesar de sua importância, numa aula sobre o
mesmo, geralmente somente seus aspectos matemático-conceituais são enfatizados
deixando-se em segundo plano os aspectos histórico-conceituais, quando estes não
são simplesmente ignorados.
O autor ainda frisa que uma apresentação com ênfase apenas
matemático-conceitual deste conceito não explora toda a sua potencialidade. Mostra
que o conceito de campo, na forma que o entendemos hoje, derivou de um
complexo processo de fusão de duas concepções: a noção de campo como algo
responsável pela mediação de interação entre os corpos e a noção de campo como
uma função matemática das coordenadas e do tempo.
Igualmente podemos ver a criatividade de Oliveira (2006), num projeto
inovador em que o autor leva em consideração que super-heróis sempre foi um tema
que “circulou” na mente dos adolescentes. Possivelmente todos nós temos o nosso
“super-herói preferido”. Com o aumento de filmes envolvendo super-heróis exibidos

26

nos cinemas nos últimos anos, esse tema se tornou ainda mais presente na vida dos
adolescentes.
Dessa forma, sabendo que o aluno constrói o conhecimento com
propriedade quando a sua aprendizagem é significativa, o projeto visou relacionar a
disciplina de Física com os super-heróis, mais especificamente com o HomemAranha, tendo como objetivo principal permitir a construção de conhecimentos de
Física por parte dos estudantes através da análise das cenas do filme e sua
associação com conceitos, princípios e leis da Física, bem como propiciar atitudes
de investigação, pesquisa e socialização de conhecimento.
Ainda considerando as abordagens lúdicas na exposição de temas de
Física, vale a pena citar o projeto de Carvalho (2006), em que a Física e, mais
especificamente, a Astronomia é examinada de maneira empolgante em forma de
peça teatral. Com esse projeto, que já foi transformado na adaptação “Uma Viagem
pelas Estrelas”, a autora mostra que o teatro científico é mais uma possibilidade de
fazer educação de forma diferente e criativa e tem atingido o objetivo de promover
inovações nas interpretações de peças que buscam uma estreita relação entre arte
e ciência. A peça, em sua forma adaptada, tornou-se itinerante como o grupo
“Ciência Cênica” e acompanhada por educadores do Espaço de Ciência e Cultura
da UNIVASF (Universidade Federal do Vale do São Francisco).
Dando continuidade as alternativas às abordagens tradicionais no ensino
de Física, vale a pena comentar um artigo que mostra que deficiência visual não é
um empecilho para o aprendizado de Física. Camargo (2007), mostra que é possível
ensinar, utilizando-se de abordagens adequadas, a Física para alunos com
deficiência visual parcial ou total. Segundo o autor, é compreensível que estudantes
com

deficiência

visual

apresentem

dificuldades

com

os

procedimentos

metodológicos do ensino de Física, visto que os mesmos, em boa parte
fundamentam-se em referenciais funcionais visuais.
Apesar dos outros sentidos serem importantes para os indivíduos, o
sentido visão parece ser pré-requisito para toda e qualquer atividade que se realize
no ambiente escolar. Anotações no caderno, a utilização da lousa para a realização
de tarefas como transcrição de textos ou explicações de exercícios, provas escritas,

27

medições, entre outras, sentenciam o aluno com deficiência visual ao fracasso
escolar e à não socialização.
O referido artigo apresenta atividades que por meio de questões abertas,
textos falados e equipamentos de referencial observacional tátil e auditivo, abordam
o conceito de aceleração. É apresentada também uma análise da aplicação dessas
atividades a um grupo de alunos com deficiência visual. O autor também entende
que as atividades e os materiais expostos no artigo, não fornecem “fórmulas
prontas” ao que se refere à generalização de tal prática, pois são os contextos de
sala de aula que indicarão aos seus participantes o “caminho a seguir”.
Pode-se reportar ainda, considerando o contexto multimidiático que
permeia atualmente, com facilidade, o nosso cotidiano, um artigo (Rohling et al.
2002) que apresenta formas de produzir filmes didáticos e CD-ROMs para o ensino
de Física. Comenta o autor que, não são poucos os filmes disponíveis no mercado
que tratam de conceitos da Física. Tais filmes normalmente possuem uma mesma
linha diretiva: procuram ser autossuficientes na comunicação direta com os alunos,
ou seja, autoexplicativos, desconsiderando a necessidade da presença do professor.
Os filmes de média e longa metragem são comumente baseados numa longa série
de ideias, onde alguns buscam desenvolver vários conteúdos de Física, como a
série “O Universo Mecânico”.
Tais vídeos já trazem o modelo de aula pronto, e deixam duas alternativas
ao professor: adaptar sua estrutura de aula ao material audiovisual, ou adaptar o
vídeo para o conteúdo de sua disciplina. Tanto em um caso, como em outro, os
vídeos são apenas um instrumento de trabalho pouco flexíveis.
Essa forma de trabalho com vídeoaula pode ter sido interessante no
passado, pois os professores não tinham condições de produzir os próprios vídeos,
que atendessem diretamente seus interesses. Hoje em dia, com o desenvolvimento
e o barateamento dos computadores pessoais, os elevados custos que se tinha na
produção de vídeos já não são mais problema intransponível, não há também a
necessidade de trabalhar com uma grande equipe para se produzir um vídeo. Neste
trabalho pretende-se mostrar que os meios de produção estão disponíveis e
acessíveis a qualquer professor que se interesse pelo assunto.

28

Pode-se esperar diversas vantagens educativas quando o professor
passa a trabalhar com a construção do próprio material audiovisual de apoio. Por
exemplo, dada a realidade cultural de determinada escola, um vídeo ali desenvolvido
por um professor pode, além de atender imediatamente suas necessidades, ser
difundido e usado por outros colegas, em contextos e condições de trabalho
semelhantes. Desta forma, cada escola pode ter disponível uma videoteca virtual
que atenda diretamente as necessidades dos planos curriculares adotados por elas
e, até mesmo, difundida pela Rede Mundial de Computadores (Internet), segundo
Rohling et al (2002).
Assim, apresentou-se novas alternativas e a necessidade de abordagens
metodológicas inovadoras para o ensino de ciências, mais especificamente de física
e a importância de vincular ciência com arte. A escolha das abordagens
apresentadas tem como objetivo principal o fato de tornar o processo de ensino e
aprendizagem mais atrativo e prazeroso, no sentido de despertar o interesse e a
motivação dos estudantes pela Física.

29

3 MATERIAIS E MÉTODOS

3.1 Aplicando o projeto numa escola pública
De acordo com as orientações contidas nos PCN's, mais especificamente,
Ciências da Natureza – Física (2008),
[...] que os jovens adquiram competências para lidar com as situações que
vivenciam ou que venham a vivenciar no futuro, muitas delas novas e
inéditas. Nada mais natural, portanto, que substituir a preocupação central
com os conteúdos por uma identificação das competências que, se imagina,
eles terão necessidade de adquirir em seu processo de escolaridade média
(p. 61)

Neste sentido pode-se afirmar que para que haja o desenvolvimento das
competências analiticamente e com criticidade, serão necessárias outras práticas
implementadas pelo professor em sala de aula, que despertem as discussões,
análises e realização de demonstrações para gerar habilidades em investigação e
pesquisa científica, bem como criatividade para elaboração e construção de
experimentos.
O projeto tem como recursos didáticos as aulas expositivas que incluirão
conceitos de eletrostática e eletrodinâmica da Física do 3º ano, constando:
Conteúdos de Eletrostática:

força elétrica;

campo elétrico;

trabalho e potencial elétrico;

capacidade de condutores;

capacitores.

Conteúdos de Eletrodinâmica:
 corrente elétrica;
 resistores;
 geradores e receptores.
Em seguida o professor usará de suas habilidades e competências para
que os alunos possam se envolver e compreender as orientações, dar início aos

30

preparativos, iniciar a construção do experimento, e determinar o prazo para
entrega, cuja avaliação ocorrerá dentro do 3º período letivo (bimestre).
Dessa forma, na continuidade das aulas, os alunos, sob um rigoroso
monitoramento e presença constante do professor, poderão manuseá-lo e aplicá-lo
nos seus conhecimentos e cálculos das equações ou fórmulas de Física que serão
ensinadas no eletromagnetismo e em cujo programa deverão constar os conteúdos:
 Campo Magnético;
 Força Magnética
 Indução Eletromagnética.
O início da construção da BT se dará quando os alunos já estiverem com
as suas habilidades desenvolvidas nas aulas de eletrostática e eletrodinâmica,
distribuídos em tantas equipes quanto forem necessárias, que construirão
(adquirirão) separadamente as seguintes partes:
 Capacitor de topo.
 Bobina primária.
 Bobina secundária.
 Plataforma do Experimento.
 Faiscador.
 Aspirador do Faiscador.
 Capacitor de vidro.
 Transformador de entrada (NST).
Todas as equipes receberão um plano geral da Bobina, definido em duas
ou três reuniões específicas para deliberar todos os detalhes de dimensões e
características elétricas de todo o equipamento. Depois dessas reuniões, as equipes
serão separadas e incumbidas de suas contribuições no plano geral, quando
receberão, cada uma, um plano detalhando sua tarefa. As equipes também
receberão um cronograma para a realização das etapas da construção e
apresentação do experimento.
É necessária também a orientação do professor aos grupos, para a
aquisição dos materiais, do local ou dos locais que tenham os materiais
padronizados, procurando investigar e pesquisar com antecedência onde conseguilos e trazer comprovantes, que facilitem a localização dos objetos e peças.

31

3.2 Segurança
Antes de iniciar o desenvolvimento propriamente dito do projeto, é
recomendável ponderar sobre um dos aspectos mais importantes no que diz
respeito à construção e operação de uma BT: a segurança.
Bobinas de Tesla são potencialmente fatais. No que se refere a esse tipo
de equipamento, jamais subestime essa característica e nunca superestime sua
própria experiência. Assim, enfatiza-se veementemente que a construção de um
dispositivo como uma BT necessita da presença ostensiva e monitoramento rigoroso
de pessoal qualificado em operações de circuitos de altas voltagens.
A não observação destas recomendações pode resultar em acidentes
fatais. Portanto, é importante advertir aos professores que tenham a intenção de por
em prática este projeto, encetar esforços em capacitar-se para adquirirem o
conhecimento necessário no que diz respeito aos imprescindíveis procedimentos de
segurança em operações com equipamentos de alta-tensão. Para tal, recomendo o
estudo dos documentos Electrical Safety (Segurança Elétrica) e Tesla Coils Safety
Information (Bobinas de Tesla – Informações de Segurança).
Ao se trabalhar com Bobinas de Tesla é provável que se esteja exposto a
tensões e correntes muito altas, capacitores carregados, fiação exposta, fortes
campos elétricos e magnéticos, correntes induzidas, perigos de incêndio, perigos
químicos e explosão, ozônio, luz ultravioleta e ruído alto.
Ao operar uma BT deve-se ter certeza de ter ventilação adequada,
proteção auditiva e evitar olhar diretamente para os faiscadores quando estes
estiverem em ignição. Tentar não trabalhar sozinho e nunca manusear uma BT
quando estiver cansado ou sob a influência de álcool, drogas ou medicamentos. Ter
sempre um extintor de incêndio e óculos de segurança perto. Bobinas de Tesla
podem interferir com marca-passos.
Os arcos elétricos gerados por uma BT são perigosos. Eventualmente,
podem-se ver pessoas que tocam os arcos ou, em contato com a bobina, lançando
arcos para fora de seus dedos, mas eles são especialistas experientes usando
condições cuidadosamente controladas. Sem as devidas precauções, os arcos
podem facilmente queimar ou matar. O "efeito pele" vai oferecer alguma proteção,

32

mas não a proteção completa em todas as situações. Pode-se olhá-la, mas não se
deve tocá-la!
Bobinas de Tesla podem gerar forte interferência de Radio Frequência.
Geralmente isso não é um problema, mas pode ser um problema em potencial, e
que deve ser levado em consideração, quando se operar uma BT nas proximidades
de aeroportos, onde o campo eletromagnético pode interferir nos sinais de
navegação. Nesse caso, a interferência pode ser reduzida ou eliminada com ligação
à terra adequada e da utilização de uma gaiola de Faraday.

3.2.1 Perigos mais significativos
Alta tensão: a principal precaução que se deve ter é com a saída do
transformador (NST). Nessa parte, como em todo o circuito primário existem
corrente elétricas consideráveis que podem acarretar choques fatais. O NST é
especialmente perigoso, pois fornece vários milhares de volts e, ao operar uma BT,
se estará trabalhando em estreita proximidade com ele. É fácil acidentalmente deixálo ligado, pois, exceto por um zumbido quase imperceptível, não há nenhuma
indicação de que está ligado. Em relação à tensão de saída em L2 os riscos são
menores. A corrente é de alta frequência (MHz) e, embora da ordem de 100 a 1000
kV, não é mortal. Porém, dependendo da potência de saída (variável com a maior ou
menor aproximação entre os terminais do faiscador) ela pode queimar a pele.
Ozônio: Quando em operação, os terminais de L2 ionizam o ar
circundante e, consequentemente, produzem ozônio; um gás que, em grande
concentração, é altamente tóxico para seres humanos. A produção de ozônio é
decorrência da alternância da liberação e captura de elétrons nos terminais de L2. É
aconselhável se fazer as demonstrações em lugar ventilado e não deixar a bobina
ligada mais que alguns minutos. (O ideal seria aspirar o ar vizinho à bobina com um
exaustor.)

33

3.2.2 Cuidados e precauções
A seguir, enumera-se uma série de precauções para minimizar o risco de
acidentes:
 Nunca ajustar uma BT quando o aparelho estiver ligado.
 Capacitores de alta tensão pode manter a carga por muito tempo após
alimentação ser desligada. Sempre descarregue os capacitores antes de ajustar um
circuito primário.
 Verifique se as caixas de metal de transformadores, motores, painéis
de controle e outros itens associados com bobinas de Tesla estão devidamente
aterrada.
 Certifique-se de que você esteja suficientemente longe da descarga
corona para que ela não possa atingir você. Não entrar em contato com objetos
metálicos que podem estar sujeitos a uma indução elétrica a partir do secundário.
 O circuito de baixa tensão primária é extremamente perigoso! Estas
voltagens são especialmente letais para os seres humanos. Certifique-se que esses
circuitos estão bem isolados para que os usuários não entrem em contato com a
tensão da linha AC.
 Uma chave de segurança deve ser usada no circuito de baixa tensão
para evitar a utilização não autorizada.
 Use fusível adequado na alimentação e/ou disjuntores para limitar a
corrente máxima do circuito. Não confie em seu fusível ou disjuntor doméstico para
garantir uma proteção adequada!
 Nunca utilize uma BT em chão molhado.
 Não utilize uma BT quando animais de estimação ou crianças
estiverem por perto.
 Gaste algum tempo isolando adequadamente os circuitos da BT. Cola
quente, fitas adesivas ou deixar fios elétricos expostos são métodos rápidos e fáceis,
mas podem ser fatais.

3.3 Descrição e Cálculos de uma Bobina de Tesla genérica
A seguir, procura-se descrever as partes do equipamento e os cálculos para a
construção de uma BT de tamanho médio, que servirá como base para a efetivação

34

do projeto pelos professores alvos deste trabalho. O diagrama a seguir mostra o
circuito completo da BT dividido em módulos, para auxiliar uma eventual divisão das
atribuições aos grupos de trabalho.

Figura 1 – Esquema modular da Bobina de Tesla

3.3.1 Descrição de cada módulo

Módulo 1 – Alimentação
É o sistema de fornecimento de energia para o circuito primário (indutor).
O principal componente é um transformador para letreiros neon (NST). A tensão
típica do NST é de 15kV por 30mA. O capacitor para correção de fator de potência
(PFC) é utilizado para otimizar a transferência de potência e minimizar a carga
indutiva sobre a rede elétrica externa. É recomendado o uso de um interruptor duplo
paralelo na entrada, para ligar/desligar ambos os lados da linha de alimentação CA,
por razões de segurança.

35

Módulo 2 – Faiscador Estático
O Faiscador é o interruptor para transferir a energia do capacitor para a
bobina primária (indutor). Consiste, geralmente, de dois cilindros de latão presos a
suportes isolantes (de acrílico, p. ex.), sendo um deles fixo e o outro ajustável
(acoplado a um cabo isolante de vidro ou acrílico), de modo que a separação entre
eles possa ser regulada. Variando-se a distância entre os cilindros, altera-se a
potência de saída da bobina (a qual diminui com a aproximação das mesmas) e
pode-se regular o aparelho de acordo com a experiência que vai ser realizada.
Embora o faiscador possa ser exposto, é melhor encerrá-lo em um recipiente (tipo
redoma) para diminuir o ruído do faiscamento.

Módulo 3 – Capacitor do primário
Esse capacitor é usado para armazenar a energia do transformador e, em
seguida, rapidamente, transferi-la para o enrolamento primário (indutor) pelo
faiscador (interruptor). Os cálculos para a determinação dos valores do capacitor
serão discutidos mais adiante. Os requisitos principais para a escolha do capacitor
são: resistência dielétrica à alta tensão, baixa perda em altas frequências,
capacidade para suportar pulsos elevados de corrente e variação de temperatura.
Existem quatro técnicas principais para se construir um capacitor que
satisfaça essas exigências:
1. Um tipo bastante eficiente é o capacitor de placas planas com camadas
de folhas de plástico polivinil, alternado com folhas de papel-alumínio e
imerso em um óleo de alta tensão. Desvantagem: trata-se de um
processo muito demorado.
2. Capacitores de garrafa – Podem ser feitos com garrafa de cerveja (tipo
A) com uma folha de alumínio em torno dela do lado de fora, cheio de
água salgada concentrada e imerso em um tanque cheio de água
salgada. A vantagem é que é simples e barato para construir. A
principal desvantagem é que se trata de um dielétrico pobre e que, por
isso, pode proporcionar grandes perdas.
3. MMC (Multi-Mini-Capacitores) Este é o processo mais utilizado
atualmente pelos aficionados pela construção de Bobinas de Tesla.

36

Consiste no uso de vários capacitores de pulso de alta tensão, opção
que sai bem mais barato do que se usar um só capacitor de pulso
equivalente. Eles são colocados em série e em paralelo, até que a
tensão de isolamento necessária e a capacitância sejam alcançadas.
4. Uma das alternativas mais baratas, porém de razoável eficiência, é a
confecção de um capacitor plano com placas de folhas de alumínio
com dielétrico de lâmina de vidro. O vidro deve ser de boa qualidade
(sem bolhas) para que não haja uma eventual ruptura do dielétrico.

Módulo 4 – Bobina Primária (indutor)
Esta, combinada com o capacitor primário, forma o circuito de
ressonância primária da BT. É geralmente construída utilizando-se tubos de cobre
para ar condicionado, mas outros tipos de fios podem ser utilizados. O fator principal
para o bom desempenho da bobina primário é utilizar um fio com uma grande área
de superfície devido à elevada frequência envolvida. Isso, devido ao efeito pelicular
da alta frequência que determina um maior fluxo de corrente elétrica na superfície do
condutor e pequeno e até desprezível fluxo através do núcleo central. É por isso que
um tubo de cobre oco, mas de diâmetro considerável (grande área de superfície),
além de mais barato, é mais eficiente.

Módulo 5 – Bobina Secundária (induzido)
Esta, combinada com o módulo 6 (carga de topo), formam o segundo
circuito ressonante. Tanto o sistema primário como o secundário tem de ser
calculados para terem a mesma frequência de ressonância, para que ocorra a
máxima transferência de potência. Os passos para esses cálculos também serão
discutidos mais adiante. Esta bobina é constituída por muitas voltas (800-1500)
numa única camada de espiras em oposição aos 8-15 espiras do primário. Uma BT
não se comporta da mesma maneira que um transformador convencional. Em
primeiro lugar, a transferência de energia não é feita através da permeabilidade
magnética do ferro como em um transformador de núcleo de ferro, mas baseia-se no
acoplamento de campos eletromagnéticos entre o primário e o secundário,
característica

dos

transformadores

ressonantes

com

núcleo

de

ar.

Essa

37

característica possibilita menores perdas devido ao acoplamento ferromagnético em
altas frequências de operação. Em um transformador convencional a relação
potência de entrada/potência de saída é proporcional ao número de espiras do
primário e do secundário. Porém, em uma BT essa relação está conexa ao fator de
acoplamento (k) entre o primário e o secundário. Quanto maior o fator k mais
eficiente é a transferência de energia entre as bobinas e maior rendimento de
energia será obtido. No entanto, é necessário considerar um intervalo adequado
para a aplicação prática do fator k. Um acoplamento muito estreito (fator k alto) vai
produzir “arcos” elétricos entre as duas bobinas que poderão literalmente queimar o
secundário. Se for muito aberto (fator k baixo), a transferência de potencia decairá.
O enrolamento primário deve ser colocado no nível mais inferior do secundário. A
partir daí, vai-se movendo o primário e para cima para baixo em relação a esta
posição, para sintonizar a bobina para o melhor fator k.

Módulo 6 - Carga Superior ou Carga de Topo (capacitor toróide ou esférico).
Fornece parte da carga capacitiva do secundário e, junto com este,
estabelece a frequência de ressonância do secundário. A forma toroidal é ideal
devido à maior área de superfície, um melhor controle do campo e menor fuga de
eletricidade através de flâmulas corona.

3.3.2 Calculando a Bobina de Tesla
Duas técnicas principais são utilizados para se construir uma BT. Uma
delas é projetar o sistema secundário primeiro e depois o primário (de cima para
baixo). A segunda é a concepção da fonte de alta tensão para o secundário (de
baixo para cima). A primeira escolha é baseada na concepção de uma bobina com
uma potência de saída específica ou um comprimento desejado de raios elétricos.
No entanto, este é um problema se você não tem acesso aos componentes
requeridos para o projeto. Em outras palavras, você pode acabar com um projeto
que requer um transformador de tamanho específico que é difícil de obter. O método
2 é utilizado quando você já tiver um NST (como no nosso caso). Esta estratégia faz
com que o projeto torne-se mais simples de ser efetivado.

38

Especificações do NST:
V (tensão de entrada) = 220V
E (tensão de saída) = 15kV
P (potência) = 450W
I = 30mA (450VA)
f = 60Hz

Passo 1: Módulo 1 e Módulo 2 – Determinando a capacitância do capacitor do
circuito primário. Neste projeto utilizamos um faiscador estático. Por isso devemos
calcular a capacitância do capacitor do circuito primário em função da frequência de
trabalho do NST (60Hz), assim, temos:

Determinação da impedância (Z) do NST:

Determinação da reatância capacitiva (C):

Passo 2: Neste momento, vamos omitir a concepção da bobina primária, pois o
tamanho e a forma da bobina secundária já são conhecidas, e são essas
características que irão basear a frequência de ressonância do primário no
secundário.
Cálculos da bobina secundária:
Parâmetros de forma de bobina secundária:

Diâmetro externo = 11,0cm

Comprimento (altura) da bobina = 52,8cm.

Estes parâmetros são baseados em uma razão 4,8:1 (comprimento da
bobina / diâmetro exterior), proporção empírica para dimensionamento ideal,

39

baseada em projetos de outras BTs. AWG (bitola do fio) = 24 (0,02246pol ou
0,57054mm). voltas/centímetro = 1/0,057054 centímetros = 17,52725 voltas/cm.

Onde:
L = Comprimento do fio de cobre em metros.
D = Diâmetro externo da bobina secundária em centímetros.
H = Altura da bobina em centímetros.
A = Números de voltas por centímetros.
T = Total de voltas (espiras).

Passo 3: Cálculo da indutância da bobina secundária e auto-capacitância, baseado
nos valores do passo 2:.

Onde:
L = Indutância da bobina em microhenrys (µH).
N = Número de espiras = 924 (equação 4)
R = Raio da bobina em polegadas = (110 mm/25,4) / 2 = 2,165354”.
H = Altura da bobina em polegadas = (528 mm/25,4) = 20,7874".
C (auto-capacitância) =

40

Passo 4: Cálculo para frequência de

:

1/(comprimento do fio/(186000 5280))/4 = 234,391kHz

(7)

Onde:
Comprimento do fio = 319,3553 3,27997933pé/m = 1047,48pés.
Utiliza-se essa frequência de ¼ de comprimento de onda para determinar
a capacitância requerida da carga capacitiva de topo.
Reatância Capacitiva de ressonância do secundário:

L = 17,6025mH ( da equação 5)
F = 234,391kHz (da equação 7)
Capacitância necessário à carga de topo = 26,19281pF – 8,27194pF =
17,92pF
Dimensões de um capacitor toroidal para ~17,92pf
Diâmetro externo (maior) – d1=406 mm
Diâmetro interno (menor) – d2= 127 mm
A capacitância do toróide em função dos diâmetros interno e externo é
dada por:
(

)√

Figura 2 – Dimensões do toróide

41

Passo

5:

Cálculo

da

indutância

necessária

à

bobina

primária:

Onde:
F = 234,391kHz ( da equação 7)
C = 0,005305F ( da equação 2)
Especificações físicas da bobina primária:

Diâmetro de tubo de cobre – 6,3mm

Número de espiras – 16

Distância entre as espiras – 8mm

Distância entre o primário e o secundário – 25mm

Diâmetro interno da bobina primária – 160mm

Diâmetro total ~ 60cm

Indutância máxima na 15ª espira – 79.5895H

Tomada entre a 14ª e 15ª espira para obter a indutância de 72.423H

3.3.3 Lista do material principal

Módulo 1:
1) Transformador para letreiros Neon (NST) 15kV/30mA.
2) Interruptor duplo.
3) Fusível de 3A.
6) Cabo de força e tomada.
9) Capacitor para correção de fator de potência – 29,6uF/350V

Módulo 2:
1) Hastes de tungstênio ou latão para o faiscador (ajustável).
2) Ventilador ou ventoinha para resfriar os eletrodos do faiscador (opcional
mas recomendado).
3) Lâminas de Acrílico, PVC ou PETg para confeccionar a base.

42

Módulo 3:
1) 19 capacitores de pulso para alta tensão 0,1uF/1500V
2) 19 resistores 10M ohms/ ½ watt
3) Placa de fenolite para circuito impresso.

Módulo 4:
1) ~21 metros de tubo de cobre para ar condicionado de 6,3mm de diâmetro.
2) Espaçadores de Nylon para a montagem das espiras.
3) Placa para a base (madeira, PVC, PETg ou acrílico) da montagem das
bobinas primária e secundária.
4) Fios para conexões de alta voltagem (10-14 AWG).

Módulo 5:
1) 60cm de Tubo de PVC 110mm de diâmetro.
2) 2 tampas de PVC para o tubo de 110mm.
3) Verniz de poliuretano e pincel fino.
4) 400 metros de fio de cobre esmaltado 24AWG.
5) Suporte para a montagem do toróide.

Módulo 6:
1) Toróide: 406mm (diâmetro maior), 127mm (diâmetro menor).
2) Tubo de alumínio corrugado para ar condicionado.
3) Peça central de madeira, PETg, Acrílico ou PVC (cobertos com folha de
alumínio) para a montagem do toróide à bobina secundária.

3.4 Softwares para os cálculos de uma Bobinas de Tesla
Existem disponíveis na internet vários bons softwares para cálculos dos
parâmetros de uma BT. A base do funcionamento de todos esses programas é uma
planilha eletrônica programada com as diversas fórmulas que vinculam as diversas
características interdependentes da BT, fórmulas essas que por sua vez são
derivações e adaptações das fórmulas do eletromagnetismo.
As diferenças observadas nos parâmetros de saída dos diferentes softwares,
ao inserirmos os mesmos parâmetros de entrada, devem-se às características das
arquiteturas dos programas que podem multiplicar ou potencializar erros gerados
pelos arredondamentos nas variáveis das fórmulas devido aos encadeamentos das

43

fórmulas na planilha. Para cálculos mais confiáveis sugiro usar manualmente cada
fórmula.
Em seguida, destaco três desses softwares, TeslaMap, WinTesla e Tesla Coil
Cad, que foram usados para determinar as características da bobina projetada.
Esses programas podem ser baixados nos respectivos sites referidos nas
referências deste trabalho. As janelas mostradas a seguir são somente as principais,
pois todos esses programas trazem recursos acessórios que facilitam enormemente
a determinação das características físicas e elétricas de uma BT. Um exemplo disso
é o programa TeslaMap que traz o recurso (na guia Ajuda MMC) do cálculo e do
esquema da malha série paralelo dos capacitores MMC, bem como o valor e tensão
de isolamento de cada um desses capacitores, dado o valor do capacitor do primário
e a tensão de saída do NST.

3.4.1 Janelas do Software TeslaMap
Insere-se arbitrariamente os parâmetros da BT no painel da esquerda
(campos ativos) e obtém-se os resultados no painel da direita da janela (campos
passivos). O programa só aceita os parâmetros dentro dos limites teóricos de uma
BT funcional.

44

Figura 3 – Parâmetros de Entrada e Características do Circuito Primário

Figura 4 – Características do Circuito Secundário e da Carga Capacitiva do Topo

45

3.4.2 Janelas do Software WinTesla
Os parâmetros desejados são inseridos mudando-se os valores de entrada
com as setas para cima ou para baixo. Os outros campos são os campos passivos
que retornam os valores dependentes.

Figura 5 – Parâmetros de Entrada e Características do NST

Observar que já é sugerido o valor do capacitor de fator de correção de
potência para o NST, dados seus parâmetros de entrada e saída.

Figura 6 – Características do Primário

46

Figura 7 – Características do Faiscador

Figura 8 – Características do Secundário

47

Figura 9 – Características da Carga de Topo

3.4.3 Janelas do Software Tesla Coil Cad

Figura 10 – Parâmetros de Entrada

48

Figura 11 – Características do Primário

Figura 12 – Características do Secundário

49

Figura 13 – Tela Resumo

3.4.4 Criando a uma planilha específica
Sugere-se como um excelente exercício de interdisciplinaridade e o,
atualmente, imprescindível aprendizado e familiarização dos alunos com os
princípios das planilhas eletrônicas, a criação, com a intervenção de um professor de
informática, de uma planilha eletrônica específica para o projeto. As fórmulas para a
programação dessa planilha serão as referidas no tópico 3.3: Descrição e Cálculos
de uma BT genérica.

50

3.5 Sugestões de Experimentos com o uso da Bobina de Tesla
As possíveis demonstrações que podem ser feitas com a BT são tantas
que, praticamente, só dependem do nível de conhecimento, pesquisa e criatividade
do professor. Enumeraremos algumas a seguir:

a) Ressonância
Se confeccionarmos outra bobina com as características de L2 da bobina
ativa (diâmetro, altura, quantidade de espiras, diâmetro do fio, toróide com as
mesmas características), e colocarmos essa nova bobina nas proximidades de L2,
ela, por ressonância, se comportará da mesma maneira que L2 lançando arcos
elétricos e raios corona. É o princípio da antena transmissora e receptora.

Figura 14 – Diagrama esquemático do experimento da “ressonância”

b) Ionização de gases
Aproximando-se do secundário (L2) uma lâmpada fluorescente (que pode
estar queimada) ou um tubo de vidro com ar rarefeito, representando um gás à baixa
pressão, observa-se que a lâmpada (ou o tubo de vidro) se ilumina. Quanto maior a
proximidade do secundário, maior é a intensidade da luminosidade do gás. Essa

51

luminescência da lâmpada é decorrente da ionização do gás em seu interior, é
provocada pelo campo eletromagnético de alta frequência emitido pelo secundário.

c) A blindagem eletrostática ou eletromagnética
Prenda, com fita adesiva, duas pequenas lâmpadas néon, uma dentro e
outra fora, em uma pequena lata metálica ou rede metálica. Segure a lata com as
mãos, formando o terra, próximo ao terminal de saída da bobina. Constata-se que a
lâmpada de néon interna, contrariamente à externa à lata, não acende. Logo, a lata
cria uma espécie de blindagem ao campo elétrico na parte interna da lata, não
acendendo a lâmpada.

d) O efeito corona (efeito de pontas)
Só pelo fato da bobina estar ligada, já se pode observar o efeito nos
terminais de saída no secundário L2.
Para incrementar e tornar o efeito mais nítido, usar os seguintes
acessórios:
i.

Acessório 1: Adaptado ao toróide da bobina. Construído de fios de

cobre com a seguinte forma:
Figura 15 – Esquema do acessório para incrementar o efeito corona

ii. Acessório 2: Fixar uma lâmpada incandescente (mesmo queimada) a
uma haste de vidro ou material isolante. Ao aproximar a lâmpada do toróide,
observa-se o efeito no interior da lâmpada.

52

e) Descargas elétricas de alta tensão

i.

Para-raios
Adaptar uma pequena plataforma de papelão duro, colocando-se um

alfinete de pé no centro da plataforma. O alfinete deve estar aterrado. Na saída da
BT liga-se um fio de cobre duro com ponta na extremidade livre. Esse fio
representará a nuvem carregada que liberará o “raio”.

Figura 16 – Esquema do experimento “para-raios”

Notar que a tendência da descarga não é atingir a plataforma e, sim, o
alfinete (para-raios). Observar que há uma região de proteção em torno do pararaios – que é aproximadamente 2,5 vezes a altura do para-raios – onde não há
descargas quando realizamos um movimento com a plataforma em torno do fio de
descarga.
ii.

Isolantes e altas tensões
Acople um fio isolado na saída da bobina com o faiscador no mínimo de

funcionamento. Aproxime a palma da mão do fio. Se, nesse momento, escurecer-se
temporariamente a sala, observar-se-á que há fugas (descargas) do fio para a mão
através do isolante do fio.

iii.

Descargas elétricas em água doce e salgada
Usando um fio de cobre conectado a um dos terminais do secundário

(L2), como na experiência com o para-raios, pode-se estudar as diferenças entre as

53

descargas elétricas em água doce e água salgada contidas, por exemplo, em dois
béqueres. Observa-se que as descargas em água doce espalham-se mais sobre a
superfície do que as descargas em água salgada. A situação simula relâmpagos que
caem em rios ou no mar e indica maiores riscos para o primeiro caso.

54

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A iniciativa de desenvolver esse projeto seguiu as orientações dos PCN's,
que é o de promover melhor qualidade no ensino-aprendizagem no ensejo da
motivação do aluno desde os preparativos do trabalho, durante, que sempre
proporciona uma salutar ansiedade e expectativa do aluno em querer ver concluído
o trabalho em equipe, a montagem final e o seu funcionamento, no qual aspira
desde o começo para ver a tarefa cumprida com êxito.
O aluno, ao desenvolver as habilidades e as competências, tende a
absorver com mais facilidade os conceitos mais abstratos, a compreender, intuir,
visualizar e realizar o manuseio do experimento. Adquirirá mais familiaridade com a
Física, tornando-se mais preparado para aplicação de seus conhecimentos em sua
vida futura após a conclusão do Ensino Médio.
Assim, procurou-se apresentar uma proposta motivadora para o ensino de
eletrostática e eletrodinâmica para o ensino médio e/ou superior. Seu principal
objetivo encontra-se em facilitar a compreensão de fenômenos elétricos, mediante
visualização, a fim de reforçar os conceitos que foram ou que serão vistos na teoria
e motivar os alunos para o estudo posterior dos referidos temas.
A proposta se baseia numa da construção de uma BT, o que por si só é
um excelente exercício didático, como também na implementação de uma série de
experimentos práticos com materiais acessórios para a visualização de fenômenos
elétricos com o auxílio da BT construída para esse fim.
Os experimentos podem ser feitos em sala de aula, sem a necessidade
de máquinas acessórias de elevadas potências e sofisticados sistemas de
segurança. Simplesmente se emprega uma ferramenta didática de grande
versatilidade capaz de reproduzir qualitativamente fenômenos associados à
eletricidade.
Após sua idealização e execução, a experiência tem provado ser positiva
para os estudantes, principalmente em dois aspectos relevantes:
a) subsídio na compreensão dos fenômenos elétricos e

55

b) motivação.
Embora este projeto tenha cumprido seus objetivos levantados desde a
sua criação, permanece o desafio de continuar nos aspectos metodológicos desta e
de outras experiências que possibilitem que um maior número de alunos
compreendam corretamente a manifestação de fenômenos a partir de sua
visualização e que esse fato é visto totalmente refletido no aproveitamento da
disciplina e nas avaliações.
Deseja-se também, que este trabalho tenha convencido aos professores
de Física de que o interesse dos alunos pela disciplina pode ser estimulado não só
por apresentar uma experiência de caráter espetaculoso, mas também por uma
apresentação adequada de ideias históricas. Esperamos, também, ter aberto os
olhos para algumas possibilidades educacionais de envolver antigos e praticamente
desconhecidos equipamentos didáticos no ensino da Física.

56

REFERÊNCIAS

ANGOTTI, J. A. P. Desafios para a formação presencial e à distância do físico
educador. Revista Brasileira do Ensino de Física, Porto Alegre, v. 28, n. 2, p.143150, 2006.
ARAÚJO, M. S. T; ABIB, M. L. V. S. Atividades Experimentais no Ensino de Física:
Diferentes Enfoques, Diferentes Finalidades. Revista Brasileira do Ensino de
Física, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p.176-194, 2003.
BORGES, O. Formação inicial de professores de Física: Formar mais! Formar
melhor! Revista Brasileira do Ensino de Física, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p.135142, 2006.
CAMARGO, E. P.; SILVA, D. É possível ensinar Físicas a alunos cegos ou com
pouca visão? Proposta de atividades de ensino de Física que enfocam o conceito de
aceleração Física na Escola, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p.30, 2007.
CARVALHO, S. H. M. Uma viagem pela Física e Astronomia através do teatro e da
dança. Revista Brasileira de Física, Porto Alegre, v. 7, n. 1, 2006.
CATELLI, F.; MARTINS, J. A.; SILVA, F. S. Um estudo de cinemática com câmara
digital. Revista Brasileira de Ensino de Física, Porto Alegre, v.32, n.1, 2010.
CAVALCANTE, M.; BONIZZIA, A.; GOMES, L. C. P.. O ensino e aprendizagem de
física no Século XXI: sistemas de aquisição de dados nas escolas brasileiras, uma
possibilidade real. Revista Brasileira de Ensino de Física, Porto Alegre, v. 31, n. 4,
p. 4501, dez. 2009.
CHIQUITO, A. J.; LANCIOTTI JR, F.. Bobina de Tesla: dos circuitos ressonantes LC
aos princípios das telecomunicações. Revista Brasileira de Ensino de Física,
Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 69, mar, 2000.
DWYER, T.; WAINER, J.; DUTRA R. S.; COVIC, A.; MAGALHÃES, V. B.;
FERREIRA, L. R. R.; PIMENTA, V. A. & CLÁUDIO, K. Desvendando mitos: os

57

computadores e o desempenho no sistema escolar. Revista Educação e
Sociedade, Porto Alegre, vol. 28, n.101, p.1303-1328, set/dez.2007.
ELECTRICAL SAFETY. < Disponível em:
http://www.allaboutcircuits.com/vol_1/chpt_3/index.html > Acesso em: 08/06/2012
IACHEL, G.; BACHA, M. G.; PAULA, M. P.; SCALVI, R. M. F. A montagem e a
utilização de lunetas de baixo custo como experiência motivadora ao ensino de
astronomia. Revista Brasileira de Ensino de Física. Porto Alegre, v. 31, n. 4, p.
4502-4508. Out./Dec. 2009.
MONTEIRO, M. A. A.; MONTEIRO, I. C.C.; GASPAR, A.; GERMANO, J. S. E.
Proposta de Atividade para Abordagem do Conceito de Entropia no Ensino Médio.
Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 26, p. 367-378, 2009.
MOREIRA, M. A. Ensino de física no Brasil: retrospectiva e perspectiva. Revista
Brasileira de Ensino de Física, Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 94-99, mar. 2000.
OLIVEIRA, L. D. Aprendendo Física com o Homem Aranha: utilizando cenas de
filmes para discutir conceitos de Física no ensino médio. Física na Escola, v. 7, n.
2, 2006.
Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio (PCNEM). Ciências da
Natureza, Matemática e suas Tecnologias, 1999. < Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf >.Acesso em: 01/06/2012.
PIUBELLI, S. L.; ERROBIDART, H. A.; GOBARA, S. T.; ERROBIDART, N. C. G.
Simulador de propagação de ondas mecânicas em meios sólidos para o ensino da
Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, v.32, n.1, p.1501-1506, 2010.
RICARDO, E. C.; FREIRE, J. C. A. A concepção dos alunos sobre a física do ensino
médio: um estudo exploratório. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 29, n. 2,
p.251-266, 2007.
ROCHA, J. F. M. O conceito de “campo” em sala de aula - uma abordagem históricoconceitual. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 31, n. 1, p.1604, 2009.

58

ROHLING, J. H.; NEVES, M. C. D.; SAVI, A. A.; SAKAI, F. S.; RANIERO, L. J.;
BERNABE, H. S.. Produção de Filmes Didáticos de Curta Metragem e CD-ROMs
para o Ensino de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, jun.
2002.
SALES, G.; VASCONCELOS, F. H. L.; FILHO, J. A. C; PEQUENO, M. C. Atividades
de modelagem exploratória aplicada ao ensino de física moderna com a utilização
do objeto de aprendizagem pato quântico. Revista Brasileira de Ensino de Física,
v. 30, n. 3, p.3501.1-3501, set. 2008.
SCHROEDER, C. A importância da física nas quatro primeiras séries do ensino
fundamental. Revista Brasileira de Ensino de Física, v 19, n.1, p.89-94, 2007.
VEIT, E. A.; TEODORO, V. D. Modelagem no ensino/aprendizagem de física e os
novos parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio. Revista Brasileira de
Ensino de Física, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 87-96, jun. 2002.
VYGOTSKY, L. A Formação Social da Mente: O Desenvolvimento dos
Processos Psicológicos Superiores, 4ª edição, São Paulo: Martins Fontes, 1991.
WERLANG, R.; SCHNEIDER, R. S.; SILVEIRA, F. L. Uma experiência de ensino de
física de fluidos com o uso de novas tecnologias no contexto de uma escola técnica.
Revista Brasileira de Ensino de Física. v. 30, n. 1, p.1503-1509, mar. 2008.

59

ANEXO 1 – TEORIA BÁSICA DE UMA BOBINA DE TESLA
Para ampliar a compreensão e dar respaldo teórico aos leitores, este
anexo explora a teoria eletromagnética do funcionamento bem como informa alguns
detalhes técnicos necessários à construção de uma BT convencional.

Introdução
A Bobina de Tesla foi inventada por Nikola Tesla, engenheiro iuguslavo
radicado nos Estados Unidos, na segunda metade do século XIX. O invento foi
desenvolvido com a intenção de realizar experiências com correntes alternadas de
altas frequências (acima de 100kHz), buscando inicialmente uma forma de gerar e
transmitir correntes elétricas a grandes distâncias sem o inconveniente das enormes
perdas causadas pelo efeito Joule associada à utilização de corrente contínua em
materiais condutores.
A Bobina de Tesla é essencialmente um transmissor de rádio sem antena,
e assim Tesla merece algum crédito no que concerne à invenção do rádio, embora
seu interesse estivesse mais relacionado à transmissão de energia elétrica do que à
comunicação. Tesla também foi o responsável pela construção dos primeiros
alternadores e, ironicamente, sempre foi desencorajado em seu trabalho por
Thomas A. Edison que dizia ser impossível o uso de correntes alternadas na
geração e distribuição de eletricidade em escala comercial.

Descrição do equipamento
A Bobina de Tesla é um transformador ressonante com núcleo de ar que
permite alcançar altíssimas tensões em alta frequência com relativa facilidade. De
acordo com a Figura A1.1, o sistema está composto por dois circuitos básicos: o
circuito primário e o circuito secundário.
Podemos observar que o primário está composto por elementos discretos:
o transformador elevador de tensão T1, o centelhador (faiscador) SG, o capacitor
primário C1 e a bobina primária L1.

60

O

secundário

compõe-se

da

bobina

secundária L2,

do

terminal

secundário CT e da conexão à terra GND; neste circuito o único elemento discreto é
a

conexão

a

terra

GND.

Tanto

o

terminal

CT

e

a

bobina

secundária L2 possuem parâmetros distribuídos.

Figura 17 – Diagrama esquemático do circuito de uma BT convencional

Funcionamento
A energia acumulada no capacitor primário C1 depende de 2 valores: a
capacidade do mesmo e o quadrado da tensão de carga (lembrando que [E]=Joule,
[C]=Farad e [V]=Volt), ou seja:

O valor máximo da capacidade do capacitor primário C1 está determinado
pela impedância de saída do transformador T1, à frequência de linha, que, no nosso
sistema de distribuição é 60 Hz, de forma que para maximizar a energia armazenada
devemos aumentar a tensão de carga. Como o sistema toma energia da linha, no
nosso sistema, 220 VCA, a única solução para aumentar a tensão de carga é
precisamente o emprego do transformador elevador de tensão T1.

61

Figura 18 – Carregamento do capacitor primário

Partindo agora de T1 observamos que a tensão de linha, digamos 220
VCA, 60 Hz, é aumentada, por exemplo, para 15.000 volts (15kV). Assim, o
capacitor primário C1 é carregado 2 vezes durante cada ciclo a uma
tensão eficaz de 15 kV. É importante assinalar aqui que a frequência da onda que
carrega o capacitor é a frequência de linha (60 Hz) e que não guarda relação direta
com a frequência de ressonância do sistema em questão.
Vejamos

agora

o

funcionamento

propriamente

dito

do

circuito:

Observando a Figura A1.2, o capacitor C1 é carregado pelo secundário do
transformador T1 (12 kVrms a 60 Hz) através da bobina primária L1 que possui uma
indutância muito pequena.
Como o valor da frequência de linha é muito baixo resulta que a
resistência de L1 à passagem da corrente de carga é também muito pequena.
De acordo com isto, o casamento de impedâncias se faz entre o
secundário de T1 e o capacitor C1 (que de fato é a carga vista por T1).

62

Figura 19 – Disparo do faiscador e descarga do capacitor pela bobina primária

De acordo com a Figura A1.3, quando a tensão instantânea entre os
terminais do faiscador SG atinge o valor necessário para conduzir, o arco se
estabelece e agora a carga acumulada em C1 flui para L1. O circuito formado por
C1, L1 e SG é um circuito ressonante que produz ondas amortecidas. O
amortecimento é devido principalmente à resistência dinâmica do faiscador SG.
O campo elétrico de C1 transforma-se em magnético em L1 e vice-versa.
O campo em L1 produz uma tensão induzida na bobina secundária L2.
Se não existisse resistência no circuito primário teríamos ondas contínuas
(CW – Continuous Waves), porém, como essa resistência sempre existe, devido
principalmente ao faiscador SG, introduz perdas gerando assim ondas amortecidas
(DW – Dampened Waves), pois cada pico sucessivo tem uma intensidade menor
(amortecimento).

63

Figura 20 – Indução de alta tensão no secundário provocando o efeito corona

Supondo agora que a tensão no faiscador seja insuficiente para mantê-lo
conduzindo (Figura A1.4), a energia transferida ao secundário fica livre para interagir
com os parâmetros do circuito oscilante formado por L2 e CT (lembrar que a bobina
secundária já é por si mesma um circuito oscilante).
O terminal do secundário CT é na verdade um capacitor, funcionando
como uma das armaduras e o plano terra fazendo a papel da restante armadura (por
isso para calcular seu valor costuma-se empregar fórmulas que indicam a
capacitância isotrópica correspondente à forma física do terminal CT.

64

ANEXO 2 – FOTOS DO PROTÓTIPO

Foto 1 – Faiscador (Centelhador)

FONTE PRÓPRIA

Foto 2 – Capacitor de garrafas

FONTE PRÓPRIA

65

Foto 3 – Primário, secundário e carga de topo

FONTE PRÓPRIA

Foto 4 – Transformadores NST

FONTE PRÓPRIA

66

Foto 5 – Protótipo da Bobina de Tesla montada e operacional

FONTE PRÓPRIA