You are on page 1of 5

Panorama do Sistema Adutor Integrado de Água Bruta de Salvador, Lauro

de Freitas e Simões Filho, Bahia.
OBJETIVO
Este artigo possui o objetivo de expor o panorama atual do SIAA de Salvador, Lauro de Freitas e
Simões Filho, buscando mostrar os mananciais que o abastece e suas demandas ofertadas de água
bruta, bem como apresentar a configuração geral dos seus sistemas de adução, verificando a atual
situação deste sistema.
METODOLOGIA
Este trabalho é resultado de uma revisão bibliográfica realizada no Plano Diretor de Abastecimento
de Água da Região Metropolitana de Salvador elaborado pela Embasa e no Plano Municipal de
Saneamento Básico de Salvador, sobre os principais aspectos do SIAA de Salvador, Lauro de Freitas
e Simões Filho. Também foram utilizadas informações disponibilizadas pela Embasa.
RESULTADOS OBTIDOS
MANANCIAIS
O SIAA de Salvador, Lauro de Freitas e Simões Filho utiliza como mananciais superficiais os
seguintes rios: (i) Joanes, por meio dos reservatórios Joanes I e Joanes II; (ii) Ipitanga, através das
barragens Ipitanga I, II e III; (iii) Pituaçu por meio da represa homônima; (iv) do Cobre, também por
barragem homônima; (v) Jacuípe, por meio da barragem de Santa Helena e, por fim, (vi) o
Paraguaçu, com aproveitamento da barragem de Pedra do Cavalo, que estão inseridos nas Áreas de
Proteção Ambiental - APA englobando diversas Bacias Hidrográficas. Atualmente a represa de
Pituaçu encontra-se desativada (PMS, 2012). O Quadro 1 mostra as vazões de regularização dos
reservatórios e as vazões captadas no sistema.
MANANCIAL

BARRAGEM

Joanes I
Joanes II
Rio do Cobre
Cobre
Rio Ipitanga
Ipitanga I, II e III
Rio Jacuípe
Santa Helena
Rio Paraguaçu
Pedra do Cavalo
Totais
Rio Joanes

VAZÃO REGULARIZADA MÁXIMA
(m³/s)
1,0
4,0
0,1
0,8
10,0
21,0
36,9

VAZÃO DISPONÍVEL 2009
(m³/s)
1,0
4,0
0,1
0,8
3,0
7,0
15,9

Quadro 1 - Mananciais utilizados e capacidades para o SIAA de Salvador, Lauro de Freitas e Simões
Filho (PMS, 2012).

Na Figura 1 é apresentado o diagrama do sistema de produção, de maneira esquemática, e
Quadro 1 mostra as vazões de regularização dos reservatórios e as vazões captadas no
sistema.

Esquema do sistema de produção do SIAA Salvador.1º trecho. O Sistema adutor de Santa Helena/ Joanes II é composto de captação. 2012). com capacidade nominal de 7.2º trecho.00 m³/s cada.Figura 1 . (v) Canal. até a chegada de água na ETA Principal: (i) Captação e estação elevatória. os dois recalques destinados a promover a reversão entre as duas bacias (EMBASA. (iii) Stand-pipe. um que foi implantado para reverter água para o Joanes II e outro que era para abastecer o Polo Petroquímico (Braskem). dispostas em série desde a captação. Lauro de Freitas e Simões Filho (Adaptado Embasa 200-? apud PMS. na barragem de Pedra do Cavalo. por meio do reservatório do morro do Caulim. A elevatória conjugada à captação em Santa Helena/Joanes II consiste de dois sistemas de recalque independentes. estação elevatória e adutoras por recalque e gravidade. onde a Embasa decidiu prolongar a adutora que o alimentava até o lago do Joanes II. . embora as obras do stand-pipe e do canal tenham capacidade para a vazão final prevista de 21. portanto.00 m³/s (EMBASA. Este reservatório foi desativado por problemas estruturais. CAPTAÇÕES E ADUTORAS DE ÁGUA BRUTA BARRAGEM PEDRA DO CAVALO O Sistema Adutor Pedra do Cavalo é composto pelas seguintes unidades. (ii) Adutora por recalque até o stand-pipe. (iv) Adutora por gravidade . 1998). ficando. e (vi) Adutora por gravidade . O sistema de Pedra do Cavalo foi modulado em três etapas. BARRAGEM SANTA HELENA A Barragem Santa Helena é utilizada para alimentação da barragem Joanes II. 1998). e para abastecer a indústria Braskem. tendo sido construída até o momento a 1ª etapa. de cujo lago é efetuado a adução de reforço para a ETA Principal.

entretanto a operação da barragem está localizada no município de Dias D’Ávila. e alimenta a represa Ipitanga I por meio do próprio leito do rio (PMS. 2012. no município de Salvador. Ela abastece a ETA Suburbana. BARRAGEM IPITANGA III A represa Ipitanga III fica localizada na Estrada CIA – Aeroporto. situada entre as barragens Ipitanga I e III.BARRAGEM JOANES II A barragem Joanes II está localizada nas proximidades da estrada Salvador-Alagoinhas. Nome da Barragem Pedra do Cavalo (Recalque) Pedra do Cavalo (Recalque) Pedra do Cavalo (Stand-Pipe) Trecho Material Diâmetro (mm) Extensão (m) Extensão total (m) Capacidade Conjuntos Motobombas Conjuntos Motobombas em operação Q (m3/s) Captação Poço Seco - - - 10 04 6. BARRAGEM JOANES I A Barragem Joanes I fica localizada em Areia Branca. dentro da cidade de Salvador. no município de Salvador. indústria localizada próxima ao Centro Industrial de Aratu (CIA). Lauro de Freitas e Simões Filho. 1998). estação elevatória e adutora por recalque. 2012). 2012).8 Adutora Aço 1800 37 Adutora Aço 2300 403 440 - 04 8. O sistema adutor Joanes II alimenta o Polo Petroquímico. a montante de Ipitanga I. encontrando-se atualmente com elevado grau de degradação ambiental devido às ações antrópicas (PMS. Segue no Quadro 2 as características gerais das adutoras e quantidade de estações elevatórias de água bruta do SIAA de Salvador. a 3 km da BR-324. no município de Simões Filho. no município de Simões Filho. O sistema de Ipitanga I abastece Parque da Bolandeira. 2012). no município de Lauro de Freitas. onde estão localizadas as ETA Vieira de Melo e Teodoro Sampaio (PMS.9 Torre de Equilíbrio Concreto 12500 24 (altura) - - - 21 . BARRAGEM DO COBRE A barragem do Cobre está situada próxima ao subúrbio de Pirajá. sendo uma por recalque e a outra por gravidade. ambas aduzindo água bruta para o Parque da Bolandeira onde estão localizadas as ETA Vieira de Melo e Teodoro Sampaio (PMS. A ETA do Cobre fica situada próxima a Barragem do rio do Cobre e atende parte do subúrbio de Salvador. A água acumulada em sua bacia é encaminhada a bacia de acumulação da barragem de Ipitanga II através do próprio canal do rio (PMS. BARRAGEM IPITANGA I A represa de Ipitanga I está situada nas proximidades da estrada Velha do Aeroporto. a Gerdau (antiga USIBA). e abastece a ETA da Bolandeira. O sistema é constituído de captação. situada à montante das barragens Ipitanga I e II. a ETA Principal e o lago do Joanes I (PMS. 2012). O sistema Joanes I é constituído de duas captações. BARRAGEM IPITANGA II A represa Ipitanga II fica situada na estrada CIA – Aeroporto. EMBASA. 2012).

Além disso.32 m³/s.682 - - 11capacidade de 21 6.500 7.4 m³/s de Santa Helena para o SIAA de Salvador.500 3. onde possuem fortes interações no sistema adutor de água bruta.7 ETA Principal 1200 1200 3.75 632 12 06 1.800 Adutora F°F° 400 200 12.Superintendência da Região Metropolitana. indústrias e polo petroquímico que são abastecidos por esse sistema maior. possuindo uma grande variedade de mananciais e.600 - 02 0.812 Canal aberto Terra/ Cimento - 41.789 8.000 3. o que permitirá aumentar a capacidade de regularização atual de 6.350 Adutora Adutora Adutora Adutora Adutora Adutora Aço Aço Aço F°F° F°F° F°F° 2000 1300 1500 900 900 1200 12. concluindo-se que a vazão de oferta é maior que a demandada.3 Adutora Concreto 1500 22.500 22.520 316 316 10. e modificação na estrutura de captação para uma cota mais baixa.400 - 02 0. por consequência. e que a demanda total de água bruta projetada para 2030 é de 18.Unidade Setorial de Apoio Técnico apud PMS.000 Adutora Aço 1500 Adutora Aço F°F° Adutora Extensão total (m) Capacidade Conjuntos Motobombas Conjuntos Motobombas em operação Q (m3/s) 66. De acordo com os dados publicados no Plano Municipal de Salvador de Saneamento Básico.12 Adutora F°F° 750 9. Os estudos de demandas elaborados pela Embasa no plano diretor de abastecimento de água de 98 e municipal de saneamento de Salvador mostram que os mananciais atualmente utilizados para .4 Adutora F°F° 600 4. A vazão ofertada foi estimada baseando-se na disponibilidade de 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS O SIAA de Salvador. ficou comprovado que os mananciais do sistema integrado da RMS possuem vazão disponível de 20. se constituindo num dos maiores problemas dos sistemas de abastecimento de água e de difícil solução.5 21.8 m³/s para 8. pois representam volumes significantes. 2012).52 recalque 200 - - 0. qualquer alteração na oferta de água bruta ou interrupção em alguma das captações o problema é refletidos em todos os municípios pertencentes ao sistema.661 4.10 Quadro 2 – Quadro-resumo: Características Gerais das Adutoras e Elevatórias de Água Bruta (Adaptado Embasa.600 4. Lauro de Freitas e Simões Filho possui elevada complexidade.000 - - - 800 800 07 + 01 reserva 03 1.500 - 03 3.500 - - - Adutora F°F° 500/550 3.450 - - - Aço 1500 22.600 Adutora F°F° 900 2. Além das ações estruturais.8 m³/s.Nome da Barragem Pedra do Cavalo (Gravidade) Santa Helena (Recalque) Santa Helena (Gravidade) Joanes II (Recalque) Joanes II (Gravidade) Joanes I (Recalque) Joanes I (Gravidade) Ipitanga II (ETA Suburbana) Ipitanga II (GERDAU) Ipitanga I (Recalque/ Gravidade) Cobre (Gravidade) Trecho Material Diâmetro (mm) Extensão (m) Adutora Aço 2300 12. é necessário preocupar-se com as perdas físicas no sistema.500 22.87 m³/s.000 - 02 0.37 gravidade 0. Para ofertar esta demandada é necessária ampliação do sistema adutor Santa Helena/Joanes II. diferentes vazões de regularização.

Revisão e Atualização do Plano Diretor de Abastecimento de Água da Grande Salvador.br >. Acesso em ago.br >. Recomenda-se a realização dos estudos hidrológicos com a finalidade de confirmar a capacidade de regularização do conjunto de barragens do SIIA de Salvador. Atualmente. EMBASA. Histórico. em especial de Pedra do Cavalo. prevendo a ampliação de suas vazões. 2012. Plano Municipal De Saneamento Básico. exige muito investimento neste sistema adutor integrado. Disponível em: <www. Acessado: julho 2012.PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR.abastecimento de Salvador e outros sistemas da RMS poderão atender as demandas previstas para 2030. deverão considerar os usos múltiplos previstos para o seu aproveitamento. 2008. PMS . 2012). Salvador.. conforme estabelecido na Política Federal de Saneamento Básico (Lei n. Extensivo aos Demais Municípios da Região Metropolitana. especificamente a barragem de Pedra do Cavalo. Disponível em: <www. que existem dúvidas quanto a sua real capacidade de regularização.gov.cidades. Acesso em jul.. REFERÊNCIAS MINISTÉRIO DAS CIDADES. assim como na prestação dos serviços das unidades a serem implantadas.infraestrutura. EMBASA. não descartando a necessidade de novos estudos hidrológicos. que podem atuar junto aos órgãos públicos competentes na cobrança dos investimentos necessários em saneamento. É importante informar que além destas obras. Em uma avaliação preliminar.gov.ba. Pituaçu. 2012). para serem contemplados pelo PAC projetos de estudo de setores deste sistema de abastecimento de água (PMS. o SIAA de Salvador. Lauro de Freitas e Simões Filho está sofrendo algumas melhorias estruturais. 2012. com destaque para o conflito de uso da água do reservatório para fins de abastecimento humano e produção de energia elétrica.gov.embasa. Disponível em: <www. Diante do exposto. existem em andamento.salvador. estes estudos indicam a postergação da necessidade de se recorrer a novos mananciais após o ano de projeção. na minimização dos possíveis impactos socioambientais negativos causados (MINISTÉRIO. Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento – PEAMSS. Os estudos hidrológicos. Assim como os inúmeros grupos e instituições constituintes da sociedade civil organizada.445/07). garantindo uma gestão adequada dos programas e projetos. Maio. Ipitanga I e II. buscando o aumento de vazão para se atingir a universalização do acesso aos serviços públicos de saneamento básico. com as tendências futuras de algumas localidades e as mudanças apresentadas no novo PDDU de Salvador quanto à ocupação do solo. pois as outras barragens possuem estudos elaborados recentemente pela Embasa (reservatórios de Cobre.br >. no monitoramento e fiscalização das ações e empreendimentos. na luta pela eficiência dos serviços prestados ou. . O Estado tem o dever de promover os avanços na execução de projetos e/ou obras para Sistemas de Abastecimento de Água (SAA).ba..º 11. conclui-se que devido à magnitude dos empreendimentos recentemente implantados e em implantação. Joanes I e II e Santa Helena). ainda.