O que é o nacional-socialismo?

O regime nazista não alterou o processo de produção, cuja matriz continuou nas mãos dos grupos
que controlavam os meios de produção. Seu objetivo era abolir a distinção entre Estado e
sociedade, transferindo as funções políticas aos que detinham o poder
por Herbert Marcuse

Hoje em dia, não é mais necessário rebater a falsa idéia de que o nacional-socialismo
teria constituído uma revolução. Sabe-se hoje que esse movimento não transformou a
organização fundamental do processo de produção, cuja matriz permaneceu nas mãos
de grupos sociais específicos que controlam os meios de produção sem se preocuparem
com as necessidades e interesses da sociedade em seu conjunto. [1] A atividade
econômica do III Reich apóia-se nos grandes conglomerados industriais que, antes
mesmo da ascensão de Hitler ao poder e aproveitando-se grandemente do apoio
governamental, tinham reforçado sua posição. Conservaram esse papel-chave numa
economia da guerra e de conquista. Após 1933, seus dirigentes se misturaram à nova
elite recrutada ao mais alto nível do Partido Nacional-Socialista, mas não abandonaram
suas importantes funções sociais e econômicas. [2]
O nacional-socialismo também não é uma restauração social e política, ainda que tenha,
em grande medida, reinstalado no poder forças e grupos de interesse que a República
de Weimar tinha ameaçado ou contido: o exército tornou-se um Estado dentro do
Estado, a autoridade do chefe de empresa foi submetida a diversas restrições e a classe
operária passou por uma subordinação verdadeiramente totalitária. No entanto, estes
fatores não significaram a restauração de velhas formas de dominação e de
hierarquização.
Os novos métodos de governo
O Estado nacional-socialista, tal como se apresenta, tem poucos pontos em comum com
a organização política do antigo Reich. O exército, tradicional terreno do feudalismo e do
predomínio prussiano, foi reorganizado segundo princípios de recrutamento mais
abertos, à medida que um conjunto de medidas pseudo-democráticas passa a reger as
relações sociais. Patrões e empregados, reunidos no interior da Frente Alemã do
Trabalho, participam lado a lado dos mesmos desfiles e manifestações e observam as
mesmas regras de comportamento. Inúmeros privilégios e títulos honoríficos, vestígios
da ordem feudal, foram abolidos. Além disso, e mais importante, a antiga burocracia e as
mais altas instâncias da indústria e das finanças reconheceram o novo mestre e os
novos métodos de governo. (...)
Desenvolveremos aqui a idéia segundo a qual o Estado nacional-socialista se afastou de
características essenciais do Estado moderno. Este regime tende a abolir qualquer
distinção entre Estado e sociedade, transferindo as funções políticas aos grupos sociais
que detêm efetivamente o poder. (...)
O Estado como máquina
O Estado moderno — e este é o ponto que nos interessa aqui — foi construído e
organizado fora do campo das relações interpessoais, domínio considerado como nãopolítico, segundo leis e modelos próprios. A vida privada, a família, a Igreja e grandes
setores da vida econômica e cultural faziam parte deste domínio. (...) O Estado
reconhecia que certos direitos sociais específicos preexistiam a ele, e sua intervenção
só se justificava para preservá-los, promovê-los ou restaurá-los. (...) O nacional-

. só pode liberar. quando e onde ela surgirá. Enquanto nesses países a intervenção governamental tem por objetivo atenuar os efeitos negativos da concentração de poder econômico. torna-se a criança mimada do regime nacionalsocialista.socialismo aboliu essa distinção entre Estado e sociedade. Não é demais repetir que o poder supremo não se concentra num certo industrial. a Luftwaffe e a Frente de Trabalho. A "criança mimada" do nazismo Embora o nacional-socialismo tenha pretendido apresentar o Estado como uma estrutura dirigida pessoalmente por determinados indivíduos todo-poderosos. em nível individual. Ninguém sabe.. eve-se insistir no fato de que a organização nacional-socialista da vida pública e econômica é fundamentalmente diferente daquela que conhecemos ou preconizamos nos países democráticos. Todas as atividades humanas são submetidas aos objetivos imperiosos de controle e de expansão. que controla todas as dimensões da vida dos indivíduos.) O Estado como uma máquina. general ou líder político. É então — quando o bom funcionamento do aparelho se apóia em fatores essencialmente subjetivos — que a opressão terrorista encontra seus limites. Essa máquina. Aliás. O Estado nacionalsocialista é. Para atingir esse objetivo. Na realidade. a mais preciosa fonte de energia e de poder. pela importância conferida ao indivíduo enquanto fonte primeira da força de trabalho. (. Essa concepção materialista reflete bem melhor a realidade nacional-socialista do que as teorias sobre a comunidade racial ou sobre o Estado-guia. estes também são submetidos à mecânica do aparelho de Estado. Um sistema social em plena expansão. nem Göring.) O autoritarismo nacional-socialista Tudo isso sem falar da filosofia individualista da grande época do liberalismo. não são Himmler. social e político. portanto. O ser humano. o fato deste princípio ter feito crescer as desigualdades econômicas levou o governo liberal a disciplinar o livre jogo das forças econômicas. Segundo o princípio de base dessa sociedade. Estes elementos concorrentes se encontram em torno de um objetivo comum preciso: a expansão imperialista em escala intercontinental. e sim a Gestapo. nem Ley [3] que atacam e comandam efetivamente.. a existência de uma vasta reserva de mão-de-obra e a formação intelectual e física necessária à exploração de quaisquer novos recursos humanos e naturais conquistados. (. fundado na maior eficiência tecnológica e industrial possível. exceto talvez uns poucos "iniciados". do aparelho militar e da função política. o nacional-socialismo tornou concretas certas tendências fundamentais da sociedade individualista. quanto aos do exército e do partido.. o regime exige a máxima exploração da força de trabalho. o governo de três hipóstases que são os poderes econômico. As diversas máquinas administrativas formam um aparelho burocrático que tanto serve aos interesses da indústria. as competências e pulsões que a tornam possível. a disciplina nacional-socialista tende a suprimir ou corrigir os mecanismos que poderiam impedi- . Ela parece operar somente em virtude de leis que lhe são próprias e se adapta com suavidade e diligência à mais leve mudança na composição dos grupos dirigentes. No entanto. mas é exercido através dos grandes conglomerados industriais. cada um recebe segundo o seu papel na divisão social do trabalho e todos os atos devem ser motivados pela busca do interesse pessoal. é a mais terrível de todas. uma vez que — reconhecidamente eficaz e precisa — permanece totalmente imprevisível e caprichosa.

em torno de dois pólos que formam. conduziu a atividade industrial. essa evolução concretiza — mas não contradiz — certas tendências da sociedade individualista. [5] Mas essa massa não é unificada por uma consciência ou um interesse comum.. direta ou indiretamente. e seu agrupamento só se torna possível na medida em que esse interesse se confunde com o instinto bruto da conservação. e sim o seu clímax. A aglomeração dos indivíduos numa multidão exacerba sua singularidade e seu isolamento. proporcionando grandes lucros aos conglomerados mais poderosos — leva também à mobilização geral de todas as forças de trabalho (. Indivíduo e Estado de massas Como qualquer sociedade individualista. individualmente. o indivíduo foi consideravelmente reduzido ao nível de simples elemento da "multidão". é o estatuto do indivíduo enquanto maioria da população que sofre as transformações mais profundas. a sociedade se dirige como um todo contra os interesses particulares. idêntico entre todos.) A "gestão científica" do trabalho O mesmo princípio de eficiência — que. de modo cego e anárquico. por um lado. no setor de negócios. em grande medida. mesmo aí. Na realidade. O III Reich é evidentemente um "Estado de massas". Os seres que a compõem não buscam. o exercício da força de trabalho é a única liberdade concedida ao indivíduo situado na base da pirâmide social. ao invés de os abolir. Ele critica o desperdício e o atraso provocados por uma competitividade descontrolada e a ineficiência de fábricas e oficinas tecnicamente inadaptadas. prepara-se para conquistar o mercado mundial. Poderíamos comparar este sistema a um gigantesco complexo monopolista que. cujo bem-estar social é um desafio. conseqüentemente.. No entanto. Libera as pulsões brutas de interesse pessoal que as democracias tentaram controlar e adaptar à exigência da liberdade. Na base da pirâmide social. nada além de seus interesses pessoais mais elementares. a grande maioria da população que. Individualismo competitivo No contexto desta convergência de visões em torno do projeto de expansão imperialista. que deve gerar sempre mais lucros para os que o controlam. Ele subordina a rentabilidade da empresa individual à utilização máxima do aparelho industrial. e por outro. [4] O autoritarismo nacional-socialista aboliu.la. instituição através da qual.. e seu nivelamento não faz senão reproduzir o roteiro segundo o qual sua individualidade foi anteriormente modelada. é uma sociedade fundada na continuação da pobreza e da opressão. O Estado nacional-socialista não é o contrário do individualismo competitivo. Ele se apóia no mercado. conseguindo controlar a competição econômica interna e dominando as massas trabalhadoras. No entanto.. do . essa sociedade. no qual as forças e interesses particulares fundem-se numa massa humana irracional habilmente manipulada pelo regime.). inúmeros vestígios do passado liberal. O bem mais precioso do povo é a sua "força de trabalho. uma tal subordinação poderia passar por um triunfo do interesse geral sobre os particulares. (. a sociedade nacional-socialista funda-se na propriedade privada dos meios de produção e organiza-se. depende dele. que tinham por função impedir o exercício impiedoso do poder econômico. Com o nacional-socialismo. o pequeno grupo dos que controlam o processo de produção. O advento do III Reich é o do mais eficiente e impiedoso dos concorrentes.

Desde 1923.) Arregimentando também o lazer. da guerra e da penúria. É claro que o terror aberto só atinge os inimigos. que a liberdade tenha pesado tão pouco diante de um sistema que oferecia plena segurança a cada membro da família alemã. é de uma importância crucial. O regime não pode garantir uma segurança econômica que se possa tornar o fermento da liberdade. em lugar de liberdade A mobilização total derruba a última muralha que o protegia da sociedade e do Estado: ela viola o domínio privado do seu lazer. A segurança econômica.) A mobilização geral da força de trabalho da força de trabalho não teria sido possível sem que o indivíduo recebesse uma compensação pela perda de sua independência. Não é de espantar. instituições culturais e de lazer transformam-se em laboratórios de "gestão científica" do trabalho. Preservá-la e fazê-la crescer é o primeiro dever do movimento nacional-socialista e a tarefa mais urgente das empresas alemãs. esta separação — como aquela que existia entre a sociedade e o Estado — é abolida. contrabalançada por uma insegurança permanente.. A retórica nacional-socialista em torno do dever do sacrifício ultrapassa a simples ideologia. porém.qual dependem a grandeza e o poder da nação. Uma tal emancipação seria incompatível com a dominação social exigida pela economia imperialista. Não se trata de um mero princípio propagandista. Segurança. [6] O nacional-socialismo elaborou um sistema complexo de educação moral. A liberdade da qual gozava o indivíduo ao longo do período pré-fascista era.. as vias de manifestação de suas faculdades e satisfação de seus desejos. deve ser . oferecendo ao mesmo tempo uma segurança econômica elementar a seus cidadãos. Sob o nacional-socialismo. se é que se pode considerá-la uma compensação.. A segurança nacional-socialista está associada à penúria e à opressão. intelectual e física cujo objetivo é aumentar o rendimento do trabalho através dos métodos e técnicas científicos mais elaborados. O dever do sacrifício Essa segurança. para a maioria dos alemães. O salário depende do rendimento pessoal do trabalhador. escolas. a vontade consciente de instaurar uma sociedade realmente democrática tinha dado lugar a uma atmosfera penetrante de resignação e desespero. aprisiona o indivíduo ao aparelho mais opressivo que a sociedade moderna já conheceu. a realidade da segurança econômica eclipsa o perigoso ideal da liberdade. pois. atinge todo o mundo. (. [7] Criam-se institutos de psicologia e de tecnologia para estudar os métodos mais apropriados à individualização do trabalho em oposição aos efeitos nefastos da mecanização. estádios. o nacionalsocialismo atinge a última muralha protetora dos aspectos progressistas do individualismo. por si próprio. os "estrangeiros" e os que não podem ou não querem cooperar. Mas o terror surdo da vigilância e da mobilização geral. Não pode melhorar o nível de vida a ponto do indivíduo encontrar. O nacional-socialismo transforma o sujeito livre em sujeito economicamente estável. o indivíduo se diferenciava da sociedade pela distinção estabelecida entre seu trabalho e seu lazer. campos de treinamento. Fábricas. e sim de um princípio econômico.. cuja sobrevivência e eficiência se apóiam ao mesmo tempo no número e no nível de qualificação dos trabalhadores". (. O nacional-socialismo oferece duas: uma nova segurança econômica e um novo privilégio. O fato de que a economia imperialista do III Reich tenha garantido o pleno emprego. Durante o período liberal.

Ernest R.). O charme.) Diversões na prisão O regime nacional-socialista revelou sua frustração aos que o sustentam (.).. (.... nos adornos minimalistas das Musas.. são os jovens alemães de 1939.acompanhada por uma forma qualquer de liberdade que o nacional-socialismo procura fornecer levantando alguns tabus sociais fundamentais. das m? . a beleza e a licenciosidade dos faustos nacional-socialistas carregam. traídos e frustrados em seus desejos e aptidões.) Os que exultam. levados pelo entusiasmo alegre de um espetáculo de que participam e contemplam.. a participar e contemplar maravilhas antes proibidas. em si próprios. (. Eles foram sacudidos.... se oferece a todos neste grande dia na magia noturna do Parque de Nymphenburg.". na liberdade nua de corpos maravilhosos. mas são hoje os senhores e podem fazer o que seus antigos senhores raramente ousaram fazer.. das fábricas. a se liberar nos jardins de seus antigos reis. longe dos olhares. a alguns iniciados cuidadosamente escolhidos. As belas jovens nuas e as paisagens coloridas por artistas nazistas respondem perfeitamente ao classicismo dos espaços de reunião. Pope cita uma passagem esclarecedora do programa oficial da famosa "Noite das Amazonas": "O que era anteriormente estritamente reservado e apresentado. [8] Esse é o espetáculo que se oferece a quem for autorizado a divertir-se em sua prisão. os traços da submissão e da opressão. (.