Disciplina: Português Técnico

Profª Jurema
HOMÔNIMOS E PARÔNIMOS
São muito comuns os erros de grafia e pronúncia de palavras semelhantes na Língua
Portuguesa. A seguir, alguns mais corriqueiros, a partir dos quais vamos esclarecer
algumas dúvidas relativas ao assunto.
COMO SE FALA E SE ESCREVE?
cumprimento ou comprimento?
descrição ou discrição?
a fim ou afim?
acento ou assento?
Às vezes, ouvimos uma pessoa dizer “que tem muitos homônimos”, ou seja, que há
outras pessoas com o nome igual ao dela. Para entendermos melhor como isto ocorre, é
necessário que conheçamos um pouco da formação das palavras.
HOMÔNIMO (ou palavras homônimas) quer dizer:
(do grego) HOMOS = igual + ONYMA = nome
São vocábulos que se pronunciam ou se escrevem da mesma forma, mas têm sentidos
diferentes. Ou seja, são palavras polissêmicas.
Exemplo: manga de camisa e a fruta manga.
POLISSEMIA
(do grego) POLYS = muitos + SEMA = significação / sinal
Ocorre quando fazemos uso de um termo com vários sentidos. É o caso dos homônimos.
Cecília Meireles faz uso de homônimos em sua poesia “Moda da menina trombuda”.
Utiliza a palavra “muda” com dois sentidos: adjetivo / sem voz e verbo mudar.
E a moda
da menina muda
da menina trombuda
que muda de modos
e dá medo. (…)
Entre os homônimos, há dois tipos especiais: os homógrafos (palavras homógrafas) e os
homófonos (palavras homófonas). E, claro, os homônimos perfeitos (que são homógrafos
e homófonos ao mesmo tempo). Vejamos:
Homônimo HOMÓGRAFO (ou palavras homógrafas) quer dizer:
(do grego) HOMOS = igual + GRAPHEIN = escrita
São vocábulos que se escrevem da mesma forma, mas a pronúncia é diferente.
Exemplos:
Vou colher as frutas. (recolher)
A colher de chá está suja. (utensílio de mesa e cozinha)
No seguinte trava-línguas, podemos observar o uso ambíguo de maria-mole como
palavra homógrafa. Ou seja, a mesma palavra utilizada como nome de um doce e, por
associação de idéia, como atributo de uma pessoa preguiçosa.
Maria-Mole é molenga, se não é molenga,
Não é Maria-Mole. É coisa malemolente,

interpretada por Chico Buarque de Hollanda. . A brincadeira lingüística consiste no uso da palavra “nós” como substantivo (laço apertado) e como pronome (1ª pessoa do plural). interpretada por Gilberto Gil. de madeira. Exemplos: • (a)cerca de 100 metros (a uma certa distância de) • (a) cerca de um quintal (o que está em torno de um terreno. Homônimo HOMÓFONO (ou palavras homófonas) quer dizer: (do grego) HOMOS = igual + PHONE = som São vocábulos que têm a mesma pronúncia. nem mola. (…) Éramos nós Estreitos nós Enquanto tu És laço frouxo (…) PARÔNIMOS (ou palavras parônimas) quer dizer: PARA = a lado de + ONYMA = nome São vocábulos que têm grafia e pronúncia semelhantes / parecidas. O Pensador faz uso de um parônimo como forma de se referir a uma composição de Chico Buarque e Gil: “cale-se” (verbo no imperativo) e “cálice”(substantivo/taça). mas significados diferentes.Nem mala. nem Maria. torna-se interessante com o uso de um homônimo homófono bastante criativo: “regue” (verbo regar) e “reggae” (ritmo musical). Exemplo: • comprimento da camisa (tamanho) • cumprimento ao professor (saudação) Observe como Gabriel. mas têm sentidos diferentes. (…) Vamos fugir Pr’onde haja um tobogã Onde a gente escorregue Todo dia de manhã Flores que a gente regue Uma banda de maçã Outra banda de reggae…(…) HOMÔNIMOS PERFEITOS São vocábulos que se pronunciam e se escrevem da mesma forma. de plantas) • cerca de 14h (aproximadamente) • cumprimento ao mestre (saudação) • cumprimento das tarefas (realização) Observe o uso dos homônimos perfeitos nos versos da canção “Tire as mãos de mim”. nem mole. mas a grafia e o sentido são diferentes. Exemplo: Acerca de um assunto (a respeito de) Há cerca de dois anos (há um certo tempo) Observe como a letra de “Vamos fugir”.

dsignos.Alguns exemplos mais usados de Homônimos e Parônimos: (Obs: lista completa no site www.com.br) .

Os jogos de adivinhas e os ditados populares também brincam com o duplo sentido das palavras: .Erros diversos relacionados à pronúncia ou à escrita das palavras: A publicidade e a literatura utilizam-se muito da homonímia ou polissemia para criar a ambigüidade da mensagem (palavras iguais que levam à possibilidades de interpretação pela aproximação dos diferentes sentidos).

.

.

citamos um exemplo literário de Francisco Maciel Silveira – de seu livro “Palimpsestos: uma história intertextual da Literatura Portuguesa” – quando se refere à atividade de pregar do Padre Antônio Vieira: “Ventríloquo de Deus Semeador de muitos passos além do Paço [aproximação das palavras "passo" (andar) e "paço" (palácio)].a oralidade vocaliza o L em U. Sempre a pregar no deserto do olvido…” [olvidar = esquecer | ouvido de ouvir .Para terminar. portanto a polissemia está em se poder ler: no deserto do esquecimento e no isolamento de quem não sabe ouvir] * Rosana Morais Weg e Virgínia Maria Antunes de Jesus são professoras universitárias e consultoras empresariais da DSignos – Soluções e Desenvolvimento em Linguagens. . empresa que fornece soluções na área de Comunicação Empresarial e Pedagógica.