UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

ESCOLA POLITÉCNICA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes
________________________________________________________________________________________________

Estática dos fluidos

Definição:
Um fluido é considerado estático se todos os elementos do fluido estão parados ou
se movem com uma velocidade constante, relativamente a um sistema de referência.
Para que esta condição seja satisfeita, é necessário que exista um equilíbrio entre
as forças que agem sobre o elemento do fluido considerado.
A ciência da estática dos fluidos será tratada em duas partes:
1. O estudo da pressão e sua variação no interior de um fluido;
2. O estudo das forças de pressão em superfícies finitas.
Como não há movimento de uma camada de fluido em relação à outra adjacente, não
haverá desenvolvimento de tensões de cisalhamento no fluido.
Dentre as forças de superfície as forças tangenciais (responsáveis pela tensão de
cisalhamento) não são consideradas pois está se estudando estática dos fluidos e a ação
deste tipo de força colocaria o fluido em movimento. Resta então as forças normais
responsáveis pela tensão normal, tensão de pressão ou simplesmente pressão.
Desta forma, em todos os sistemas estudados pela estática dos fluidos, agirão
somente forças normais de pressão.

Pressão em um ponto:
A pressão média é calculada dividindo-se a força normal que age contra uma
superfície plana, pela área desta.
A pressão em um ponto M qualquer é definida como o limite da relação entre a
força normal e a área, quando fazemos a área tender a zero no entorno do ponto.

P = lim

δA → 0

δF
δA

A pressão em um ponto de um fluido em repouso é a mesma em qualquer direção,
seu valor independe da direção sendo portanto uma grandeza escalar.
80

y. Como não podem existir tensões de cisalhamento as únicas forças são as normais: de contato e o peso (campo).UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ Deste modo. a pressão no seio de um fluido é uma função de posição (função de ponto).y) de um fluido em repouso.z). adotando um pequeno corpo em forma de cunha. no ponto (x. ou seja p = p(x. peso = ? x volume volume = área da base x altura área da base = área do triângulo altura = 1 81 . de comprimento unitário. Pode-se demonstrar este fato.

2 p x δ y − p s δ y = 0 ∴ (p x − p s ) δ y = 0 ∴ p x − p s = 0 ∴ p x = p s p y δ x − p s δ x = 0 ∴ (p y − p s ) δ x = 0 ∴ p y − p s = 0 ∴ p y = p s Se p x = p s e p y = p s . esta equação prova que a pressão é a mesma em todas as direções em um ponto de um fluido em repouso. 82 .UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ ∑ Fx = p x δ y − (p s δ S)x ∑ Fy = p y δ x − (p s δ S)y − γ δy δx δy 2 δS δ x = δ S cos θ θ δ y = δ S sen θ δx ps δ S θ (p s δ S )y (p s δ S )x (ps δ S)x = p s δ S sen θ = p s δ y (ps δ S)y = ps δ S cos θ = ps δ x ∑ Fx = p x δ y − (ps δ S)x = p x δ y − p s δ y δx δy δx δy = p y δ x − ps δ x − γ ∑ Fy = p y δ x − (p s δ S)y − γ 2 2 Se um fluido está em repouso a força resultante que age sobre ele é zero. temos: p x = p y = ps Como θ é um ângulo arbitrário. logo isto implica também em dizer que as componentes da força resultante são nulas. ∑ Fx = p x δ y − p s δ y = 0 δx δy =0 ∑ Fy = p y δ x − ps δ x − γ 2 γ δ x δ y é um infinitésimo de ordem superior e pode ser desprezado.

mutuamente perpendiculares em um ponto. forças de campo (peso) 2. p= px + py + pz 3 ( ) Em um fluido ideal ou perfeito µ = 0 . Vamos considerar um elemento diferencial de massa dm com dimensões dx. dy e dz:  ∂p d y  p +  d x d z ∂ y 2   y (− j) no centro a pressão é p dy 0 dz dx  ∂ p d y  p −  d x d z ∂ y 2   ( j) x z 83 . Equação básica da estática dos fluidos Variação da pressão em um fluido em repouso. ocorrerão tensões de cisalhamento. e as tensões normais não terão o mesmo valor em qualquer direção em torno de um ponto. neste caso a pressão será a mesma em todas as direções. não ocorrerão tensões de cisalhamento. mesmo quando o fluido está sujeito a qualquer movimento. A pressão neste caso (não estático) será definida como sendo a média das três tensões de compressão normais quaisquer.UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ Se o fluido estiver em movimento de forma que uma camada se mova em relação a outra adjacente. forças de contato ou superfície (pressão) Objetivo: Obter uma equação que permita determinar o campo de pressão no fluido. As forças que agem em um elemento de fluido em repouso são: 1.

y. Seja a pressão no centro 0 do elemento igual a p. é: onde: g .z). Então: pL = p + ∂p ∂p dy ∂p dy ( yL − y) = p +  −  = p − ∂y ∂y 2  ∂y 2 Teorema do valor médio: f ( y + ∆ y ) = f ( y) + f ′ ( y ) ∆ y pR = p + ∂p (y R − y ) = p + ∂ p  d y  = p + ∂ p d y ∂y ∂y 2  ∂y 2 84 . A força de pressão resultante pode ser calculada somando-se as forças que agem nas seis faces do elemento de fluido.massa específica d ∀ . a força de campo d FB = g d m = g ρ d ∀ d F B .vetor gravidade local ρ .UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ d F = d Fs + d F B d F = d m a = a d m = a ρ d∀ dF =ρa d∀ Fluido estático: a = 0 ⇒ d F = 0 d∀ Para um elemento diferencial de fluido.volume do elemento em coordenadas cartesianas: Assim: d∀ = dx dy dz d FB = ρ g d x d y d z ou: d FB = γ d ∀ sendo γ = ρ g e d ∀ = d x d y d z Logo: d FB = ρ g d x d y d z Inicialmente vamos considerar que p = p(x.

com sinal negativo. então: dF =ρa=0 d∀ Substituindo-se: − grad p + ρ g = 0 85 . a = 0. a segunda lei de Newton fornece: d F = d m a = a d m = a ρ d∀ Para um fluido estático.UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________  ∂p dx  ∂p dx d FS =  p −  d y d z (i) +  p +  d y d z (− i ) + ∂ x 2 ∂ x 2      ∂p d y  ∂ p d y  p −  d x d z ( j) +  p +  d x d z (− j) + ∂ y 2 ∂ y 2      ∂ p d z  ∂p dz  p −  d x d y (k ) +  p +  d x d y ( − k ) ∂ z 2 ∂ z 2      ∂p ∂p ∂p  d F S =  − i− j− k  d x d y d z ∂ x ∂ y ∂ z   ou ∂p ∂p ∂p  d F S = −  i+ j+ k  d x d y d z ∂ x ∂ y ∂ z   − grad p = − ∇ p d FS = − grad p (d x d y d z ) = − ∇ p d x d y d z d FS grad p = ∇ p = − dx d y d z O gradiente de pressão é a força de superfície por unidade de volume devido à pressão. d F = d Fs + d F B (− grad p + ρ g ) d x d y d z Em termos de volume unitário: dF dF = = − grad p + ρ g d∀ d x d y d z Para uma partícula de fluido.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ − grad p  força de pressão por    unidade de volume em    um ponto    Componente-x: Componente-y: Componente-x: Tem-se que: ρg + =  força de campo por    unidade de volume em    um ponto    0 = 0 ∂p + ρ gx = 0 ∂x ∂p − + ρ gy = 0 ∂y ∂p − + ρ gz = 0 ∂z − gx = 0 gz = 0 gy = − g Logo: ∂p =0 ∂x ∂p =−ρg ∂y ∂p =0 ∂z dp =−ρg= −γ dy (1) Foi considerado o eixo y sendo vertical. Para fluidos que podem ser considerados como homogêneos e incompressíveis. sendo válida tanto fluidos compressíveis como para incompressíveis. Para o fluido estático a gravidade é a única força de corpo. Esta equação diferencial simples relaciona a variação de pressão com o peso específico e a variação de cota. pode-se integrar a equação (1): γ 86 . = constante.

área A h c A pressão p no ponto c deve-se ao peso da coluna de líquido dividido pela área: p= F A ∴ p= mg A Multiplicando e dividindo por h: p= mgh mgh = Ah V 87 . Exemplo: Obter a equação (3) adotando-se como sistema fluido uma coluna vertical de líquido de altura finita h.UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ p=−γ y+c (2) onde c – constante de integração A lei básica da hidrostática só computa valores para a pressão devidos à coluna de líquido. na superfície: Para y = 0. Portanto. p = 0 ⇒ c = 0 ⇒ p=−γ y y p aumenta com h h A lei da hidrostática da variação de pressão é escrita freqüentemente na forma: p= γh (3) na qual h é medida verticalmente para baixo. tendo sua face superior na superfície livre.

0 kgf m 2 + 103 kgf m3 × 0. as pressões são chamadas absolutas.61 m = = 859. p0 = 0 óleo h1 = 0.83. os manômetros de pressão na verdade lêem uma diferença de pressão – a diferença entre o nível de pressão medido e o nível ambiental (normalmente. Determinar a pressão na interface e no fundo do tanque.30 m de óleo de densidade 0. 31: Um tanque aberto contém 0. 88 .1 – Streeter. Em sua maioria. pág. Se o nível de referência for um vácuo.UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ Mas: m g=ρg= γ V Então: p= γh Exemplo 2. a pressão atmosférica).0 kgf m 2 Pressões instrumentais e absolutas Valores de pressão devem ser dados relativos a um nível de pressão de referência.61 m de água coberto por 0.0 kgf m 2 p 2 = p1 + γ H 2 O h 2 = 249.30 m = 249.61 m p1 p2 γ H 2 O = 10 3 kgf m 3 γ óleo = 0.3 × 10 2 kgf m3 × 0.3 × 10 2 kgf m3 p1 = γ óleo h 1 = 8.30 m água h2 = 0. Níveis de pressão medidos com relação à pressão atmosférica são denominados pressões instrumentais ou manométricas.83 × 10 3 kgf m3 γ óleo = 8.

mm de Hg 6. in de Hg 5. lbf/in2 = psi 2. Unidades típicas de pressão: 1. (é a leitura do manômetro).9869 atm) 89 . Ø Pressão efetiva ou relativa ou instrumental – quando é expressa como sendo a diferença entre o seu valor e o da pressão atmosférica. o zero absoluto e a pressão atmosférica local. ft de H2 O ou m de H2O 7. Usualmente. N/m2 = Pa 8.696 lbf/in2 abs 1 kPa = 1000 Pa → Pa [=] N/m2 Pressões absolutas devem ser usadas em todos os cálculos com a equação do gás ideal e outras equações de estado. pabsoluta = p instrumental + patmosférica Vimos então que a pressão pode ser expressa em relação a qualquer referência arbitrária. sucção) Nível de pressão 1 Patm nas condições padrões ao nível do mar vácuo patm = 101. adota -se como tal.UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ Nível de pressão 2 Pinstrumental ou manométrica 2 Pabsoluta 2 Pabsoluta 1 Pefetiva negativa (depressão. lbf/ft2 3. kgf/m2 4. Ø Pressão absoluta – quando a medida de pressão é expressa como sendo a diferença entre o seu valor e o vácuo absoluto. Assim. vácuo.3 kPa = 14. bar (1 bar = 0. atm.

independentemente de seu valor. de forma análoga que no tipo Bourdon. fazendo com que o mecanismo seja acionado. A pressão é lida diretamente em um mostrador previamente calibrado.33 m de H2 O = 101. O lado aberto fica em contato com o fluido que se quer medir a pressão. p=γh ? expressão para a variação da pressão com a profundidade do líquido. O fluido sob pressão entra na parte aberta do tubo e tende a estica-lo. Manômetro de Bourdon: Um dos dispositivos típicos para a medida de pressões efetivas. refere-se à força por unidade de área na base da coluna.92 in Hg (30 in Hg) = 760 mm Hg = 14.7 psi = 2116 lbf/ft2 = 34 ft de H2O = 1 atm = 1. O zero será indicado no mostrador sempre que as pressões internas e externas do tubo forem iguais.033 x 104 kgf/m2 = 10. ao passo que a extremidade fechada é ligada a um mecanismo capaz de acionar um ponteiro. Patm = 29.3 kPa 1 kPa = 1000 Pa Pa [=] N/m2 Observação: Uma pressão expressa em termos de coluna de um líquido. Estes manômetros consistem de um tubo curvo aberto em uma extremidade e fechado na outra. 90 .UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ Pressão atmosférica normal ou padrão É a pressão média ao nível do mar. exceto pelo fato de que o tubo é esvaziado e selado. Pressão atmosférica local É a medida por um barômetro ou um aneróide que mede a diferença de pressão entre a atmosfera e um reservatório no qual foi feito o vácuo.

Se o tubo for emborcado dentro da cuba de modo a não entrar ar o líquido irá descer e estabilizar-se a uma certa altura h. 91 . BARÔMETRO: Considerando um tubo e uma cuba cheia de um líquido (de preferência com pressão de vapor baixa).UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ Barômetro Aneróide ? medidas de pressões absolutas vácuo Patm 0 1 As pressões exercidas fora do diafragma causam uma deflexão para dentro. e estas deflexões fornecem uma medida direta das pressões aplicadas.

11 in Hg 11 in Hg de depressão 11 in Hg de sucção 11 in Hg de vácuo psi – unidade de pressão 1 psi = 1 lbf in 2 1 atmosfera = 14.UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ Se o líquido apresentar uma pressão de vapor realmente pequena.7 lbf = 14.7 psi h (in) γ HG  lbf 3  in Na convenção adotada no livro texto nada se indica quando a pressão for efetiva . a pressão p 1 pode ser considerada nula (vácuo) e tem-se: p A = p atm = γ L h OBSERVAÇÃO: Em relação ao gráfico de pressões. 92 .7 lbf in 2 = 14.6 × 13. pressão barométrica → 29 in Hg. a pressão efetiva será: . com exceção da pressão atmosférica que estará sempre na escala absoluta. 4 lbf ft 3 d Hg = 13. suponhamos que: ponto 1 → 18 in de Hg abs.6 × 1 ft 3 (12 )3 in 3 × 30 in = 14. como o mercúrio. indicando sempre que for absoluta .7 psi in 2 p=γh patm = 30 in Hg p = 62. Então. para fixar o conceito de pressão efetiva.

66 in Hg abs × 6) 1.7 psi 1 atm II) Na escala absoluta 4) De (2) 8.7 psi 1 atm 1 atm 34 ft H 2 O 3) 4 psi × × = 9.7 psi = 18.222 atm abs 30 in Hg 14.16 lbf ft 2 abs 1 atm 8) 1.3: Expressar 4 psi de oito maneiras usuais.66 in Hg abs 5) 36.UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 – Fenômenos de Transporte I A – Profª Fátima Lopes ________________________________________________________________________________________________ EXEMPLO 2.16 in Hg 14. 222 atm abs × 1 atm = 1.25 ft H 2 O 14.16 in Hg (ef ) + 28. 222 atm abs × 34 ft H 2O = 41. 222 atm abs × = 2583.6 ft H 2O abs 1 atm 93 .0 psia 1 atm 2116 lbf ft 2 7) 1.5 in Hg (bar) = 36. I) Supondo a pressão efetiva de 4 psi = 4 lbf/in2 1) 4 lbf in 2 × 144 in 2 2 = 576 lbf ft 2 1 ft 1 atm 30 in Hg 2) 4 psi × × = 8.