fls.

1

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL,
COMERCIAL E DAS RELAÇÕES DE CONSUMO DA COMARCA DO

DIEGO ALMEIDA DE CARVALHO, brasileiro, casado, Bacharel em Sistemas de
Informação, inscrito no CPF/MF: 008.567.495-83, portador do RG. Nº 754160505 SSP-BA,
ambos residente e domiciliado à Rua Engenheiro Antônio G. Soares, n.º 480, Residencial
Avant. Life, Bloco B, apartamento 704, Luzia, CEP: 490.45-250, Aracaju/SE, por intermédio
de seu advogado (procuração anexa), com endereço profissional à Rua Horácio Cesar, nº 64,
Dois de Julho, perante Vossa Excelência, propor a presente:

AÇÃO ORDINÁRIA COM PEDIDO LIMINAR
contra BRF EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA., pessoa jurídica de
direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob o n° 03.812.505/0001-49, sediada na Av. Tancredo
Neves, n.º 274, Ed. Centro Empresarial Iguatemi, Bloco A, sala 415, CEP: 41.820-020,
Salvador/BA; com fulcro nos arts. 282 e seguintes do CPC c/c os arts. 4º, 6º, 18º e 39º do
CDC, pelos motivos fáticos e jurídicos que desde já passa a demonstrar.
DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA
O Requerente solicita, nos termos do art. 2º, 4º e 6º da Lei 1.060/50, o benefício da justiça
gratuita, visto que sua situação econômica não lhe permite pagar as custas processuais, bem
como suportar a sucumbência sem prejuízo do sustento próprio ou de sua família, pois,
conforme faz prova o comprovante de rescisão do contrato de trabalho (anexo 06), o Autor
encontra-se DESEMPREGADO, além dos fatos a serem expostos na demanda, tendo o
orçamento financeiro no limite do que pode manter sem causar prejuízos a si e à sua família.
Diante do exposto, requer a V. Exa. que lhe seja deferida a assistência judiciária gratuita, nos
termos dos dispositivos acima citados.

Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.
Se impresso, para conferência acesse o site http://esaj.tjba.jus.br/esaj, informe o processo 0552378-67.2014.8.05.0001 e o código 10D5932.

SALVADOR DO ESTADO DA BAHIA.

fls. 2

DOS FATOS
Em 28/06/2011, devido a diversos anúncios (anexo 02) veiculados pela Requerida com a
promessa de imóveis de qualidade e entrega garantida no prazo fixado, o Requerente celebrou
Contrato Particular de Promessa de Compra e Venda (com alienação fiduciária) (anexo 01) do
empreendimento EDIFÍCIO FRANCISCO JORGE, apartamento nº. 1304, com uma (01)
vaga privativa de garagem, localizado no bairro de Brotas (nesta capital), no valor de R$
165.395,67 (cento e sessenta e cinco mil, trezentos e noventa e cinco reais e sessenta e sete

Assim, o Requerente sempre cumpriu sua obrigação pontualmente e, do valor pactuado,
já pagou R$ 101.992,26 (cento e um mil, novecentos e noventa e dois reais e vinte e seis
centavos), restando uma prestação vincenda que contabiliza R$ 27.300,00 (vinte e sete mil e
trezentos reais) – referente à parcela das “chaves” (HABITE-SE) - bem como 62 parcelas
fixas no valor mensal de R$ 1.052,87, conforme Extrato Financeiro (anexo 03). No entanto,
as obras estão atrasadas e sem previsão de entrega.
A escolha do imóvel tinha como requisito o conjunto: preço, localização, prazo de entrega, e é
claro, a qualidade do bem, conforme características constantes no projeto (portfólio: anexo
02).
Com efeito, o Requerente ficou encantado com a proposta do prédio, e convencido da
seriedade do empreendimento, estava consciente que fizera um bom negócio.
Assim, no referido instrumento contratual (anexo 01), mais precisamente no PONTO 8 –
PRAZO DE CONCLUSÃO DA OBRA - consta o prazo de entrega de 30 de outubro de
2013. Além deste prazo, foi fixado, na Cláusula Vigésima Quinta, o prazo de tolerância
noventa (90) dias (este, como se verá a seguir, ilegal).
Desta forma, as obras deveriam ter sido concluídas em outubro/2013, e com acréscimo do
prazo de tolerância, o prazo seria janeiro/2014. Porém, além do imóvel não ter sido entregue,
a Requerida não informa uma data concreta para conclusão das obras, tampouco apresenta
justificativa sobre o atraso, configurando inequívoca ofensa ao dever de transparência (art. 4º,
caput do CDC) e ao direito de informação clara e adequada (art. 6º, inciso III do CDC).

Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.
Se impresso, para conferência acesse o site http://esaj.tjba.jus.br/esaj, informe o processo 0552378-67.2014.8.05.0001 e o código 10D5932.

centavos), com previsão de entrega para 30 de outubro de 2013. (página 05 do anexo 01).

deixando bem claro a Ré que o valor da parcela seria corrigido e majorado até a data de pagamento. alterando de forma abrupta os patamares financeiros e sociais ao qual estava condicionado. haja vista que está necessitando pagar aluguel em razão da não fruição do bem em mora. prejuízo este que somado ao valor pago de parcela do imóvel gera inchaço nos gastos familiares. abril . como marcos para que a Requerida encaminhasse boletos de cobrança da parcela das chaves . a respeito dos atendimentos psicológicos em razão do quadro depressivo e de ansiedade acentuada pelo qual o Requerente foi acometido. necessitando de tratamento com psicólogo. por não poderem usufruírem do imóvel. 3 Em virtude disto. informe o processo 0552378-67.00 (um mil e quinhentos reais). principalmente diante do desemprego e dos problemas financeiros.500. porém.tjba. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. o que demonstra não só o problema emocional gerado pela situação como comprova mais prejuízo financeiro. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.2014.8.br/esaj. Frisa-se ainda que nenhuma informação é passada ao Requerente. servindo apenas (encaminhou em outubro . que só possui informações quando entra em contato com a Requerida.prazo com a tolerância de 90 dias. o Autor começou a sofrer de depressão.fls. Encontra-se em anexo o relatório médico (anexo 04) relativo ao Requerente.prazo inicial da entrega.jus. sendo que. Note-se que caso o imóvel tivesse sido entregue. No interstício do tempo até o presente momento o Autor ainda ficou desempregado. como por exemplo o mês de abril/2014. em condições bem melhores que o vivido atualmente. com um gasto não programado. o Requerente vem sofrendo prejuízo de ordem material. Com todos os fatos descritos.05. conforme avaliação feita por corretor especializado (anexo 05). Se impresso. para conferência acesse o site http://esaj. porém nunca cumpridos. que quando contestados sob o argumento do imóvel não ter sido entregue deixavam de serem cobrados. No interstício do atraso alguns prazos foram estipulados pela Requerida para entrega do imóvel. janeiro . este certamente estaria recebendo o valor dos aluguéis devidos. logicamente.outro prazo estipulado). o provisionamento financeiro do Autor seria outro. Caso o imóvel fosse entregue ao Requerente. nas vezes que conseguiu contato foi destratado. e.0001 e o código 10D5932. obtendo sempre respostas vagas e imprecisas. avaliado em R$ 1.

a parcela das chaves. a conduta da Requerida transformou o sonho da casa própria numa enorme decepção. representando obrigação iníqua e desproporcional. incerteza e em intenso calvário na busca de informações e soluções. inciso VIII do CDC).br/esaj. pois o Requerente está sendo penalizado com a majoração do saldo devedor (parcela das chaves) desde outubro de 2013.jus. o Requerente ainda é penalizados com o aumento. Sobretudo porque o Requerente reuniu suas reservas. SENDO QUE TAL AUMENTO INDEPENDE DA CONDUTA DOS CONSUMIDORES. além desta insegurança que impede a programação da sua vida e de sua família. não foi estipulada qualquer cláusula com sanção à Requerida pelo atraso na entrega do imóvel. e tão somente. que o Acionante busca socorro perante o Poder Judiciário.0001 e o código 10D5932. a fim de minorar os efeitos funestos da conduta do fornecedor. São por estes motivos. mensal e frenético.2014. deixando a consumidora totalmente desprovida de proteção contratual. prática que é repudiada pelo art. que depende da entrega do imóvel. apesar do Requerente não ter praticado qualquer ato para a majoração do seu débito. do saldo devedor (parcela das chaves). do Requerente por culpa exclusiva da Requerida. informe o processo 0552378-67. mormente através de métodos coercitivos e desleais. multa.fls. Se impresso. ser congelada desde a data prevista para entrega.8. é atualizado mês a mês (e consequentemente. mas sim.05. E pior.tjba. para conferência acesse o site http://esaj. 6º. inciso IV do CDC. isto é. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. pelo que se faz necessária a intervenção do Poder Judiciário. inciso I do CDC) e a sua hipossuficiência em face à postura imperiosa dos fornecedores (art. 6º do CDC) e atenta contra a boa fé contratual. Tais situações explanadas apenas evidenciam a vulnerabilidade do consumidor no mercado de consumo (art. honorários advocatícios e outros) em virtude de atraso de pagamento pelo Requerente (Cláusula Sétima). escolheu Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. é elevado!) em virtude da mora da Requerida. que depende de ato da Requerida para ser quitada. 4º. a referida majoração é provocada pelo atraso das obras conduzidas pela Requerida. Sem falsas denotações. programou suas finanças. devendo citada parcela. 6º. Outro ponto nevrálgico e absurdo é o aumento do saldo devedor (parcela das chaves) . embora o contrato (anexo 01) estabeleça penalidades (juros. 4 Vale ressaltar que. Tal cenário configura inaceitável violação dos direitos básicos do consumidor (art.

lealdade. os consumidores elegem o fornecedor concatenando os planejamentos pessoais com a data prevista para recebimento do imóvel. Tratase de uma conquista pessoal que celebra os esforços de toda uma vida. insta destacar os seguintes preceitos do CDC: “Art. não tendo logrado êxito nas diversas tentativas de solução amigável diretamente com a Requerida. visando assim o ressarcimento não só material. porém a Requerida. Com efeito. nos contratos desta natureza. nem buscam minimizar os prejuízos sofridos.8. o respeito à sua dignidade. Sabe-se que. DA OFENSA À DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR. Neste contexto.tjba. o imóvel não é apenas um imóvel. mas sim a concretização de um projeto. bem como a Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.05. desprezando parâmetros de transparência. para conferência acesse o site http://esaj. Notadamente. além de macular os direitos básicos dos consumidores.br/esaj. também esquecem os efeitos funestos das ilegalidades cometidas. o atraso na entrega do imóvel configurou prática repudiada pelo Código de Defesa do Consumidor. mormente por não cumprir o quanto lançado na oferta publicitária.2014. na medida em que não oferecem qualquer resposta satisfatória. fazendo com que outro caminho não restasse aos mesmos senão o ajuizamento da presente demanda. informe o processo 0552378-67. Se impresso.jus. o prazo para conclusão e entrega das obras é elemento essencial e diferenciador dentre as diversas opções do mercado. seriedade. Sobre o assunto.0001 e o código 10D5932. a proteção de seus interesses econômicos. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. Não à toa. DO DIREITO DA PUBLICIDADE ENGANOSA. mas o sonho se transformou em pesadelo com o calvário sofrido. embora estes continuem exigindo o cumprimento da obrigação por parte do Requerente. bem como constante em cláusula contratual. probidade e boa fé. a melhoria da sua qualidade de vida.fls. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores. saúde e segurança. bem como moral dos danos que vêm sofrendo. . 5 criteriosamente o empreendimento.

preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços. origem. o litígio ora narrado evidencia o desrespeito a direito básico do consumidor e a publicidade enganosa praticada pela Requerida. 37.. informe o processo 0552378-67. demonstra o descaso e descompromisso. capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza.reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de consumo. mesmo por omissão. .tjba.” Deste modo. ou. por qualquer outro modo.05. bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços.) métodos comerciais coercitivos ou desleais. como. até o presente momento.a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva. por exemplo. 6 transparência e harmonia das relações de consumo..8. para conferência acesse o site http://esaj. Além disto. destacando que. atendidos os seguintes princípios: I . IV . § 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário.0001 e o código 10D5932.2014.” Sobre a publicidade enganosa.jus. características. 6º São direitos básicos do consumidor: (.. uma vez que não foi tomada nenhuma providência a fim de minorar os prejuízos sofridos pelo consumidor. a suspensão do pagamento das prestações e congelamento do saldo devedor do imóvel. inteira ou parcialmente falsa. propriedades.. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. (.)” E mais: “Art.fls.br/esaj. qualidade. Se impresso. o CDC dispõe que: “Art. quantidade. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva. não foi prestada qualquer satisfação a respeito do atraso do empreendimento.

estariam sujeitos à tolerância de noventa (90) dias. não possuem o mesmo prazo de tolerância para. em que pese a obrigatoriedade dos contratos. 51.br/esaj.estabeleçam obrigações consideradas iníquas. por exemplo. que. para conferência acesse o site http://esaj. especialmente quando o prejudicado é o consumidor. tal cláusula é ilegal também por trazer vantagem excessiva à Requerida que elaborou de modo unilateral o contrato de adesão.0001 e o código 10D5932. Além disso.) IV . muitos consumidores pensam que se trata de prazo legal de tolerância. em seu artigo 51. e ilegal.. é abusiva Hodiernamente. . na cláusula de pagamento. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.tjba. além do prazo inicial – outubro/2013 . vejamos: “Art. sendo ainda imposto juros abusivos casa haja atrasos.2014. que coloquem o consumidor em desvantagem Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.jus. atrasar o pagamento das parcelas por eventual problema financeiro que surja. exige que tanto na contratação. 7 NULIDADE DO PRAZO DE TOLERÂNCIA DE NOVENTA (90) DIAS Está presente no Instrumento Particular de Promessa de Compra e Venda.05. as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que: (. Se impresso. haja vista ser o detentor do conhecimento técnico necessário para preverem eventuais problemas na entrega. Cláusula Vigésima Quinta. quanto na execução do pactuado. A cláusula que prevê prorrogação do prazo de entrega de imóveis comprados por meio de contratos de promessa de compra e venda de imóveis em construção. exista equilíbrio entres as partes. A moderna visão do direito. por tão disseminada pelas incorporadoras. São nulas de pleno direito. abusivas. embora muito comuns na maioria dos contratos firmados. informe o processo 0552378-67. característicos da incorporação imobiliária. que são nulas de pleno direito as cláusulas que estabelecem obrigações desproporcionais entre as partes e tragam excessiva vantagem a uma delas.fls. entre outras. porém a lei não estipula nenhum prazo nem faculta às empresas nenhuma carência para que cumpram o contratado. E mais. A lei de defesa do consumidor também traz de forma taxativa. estipulando um prazo que já deveria estar contido no prazo de entrega. os consumidores..8.

a vontade que: I . já manifestado pelos nossos Tribunais.) § 1º Presume-se exagerada. a exemplo do TJ/DF que já decidiu que “afigura-se abusiva a cláusula contratual que estabelece uma tolerância de 180 dias úteis para a entrega de unidade imobiliária em benefício da construtora vendedora sem qualquer contraprestação ao adquirente” e também que “são nulas e de nenhum efeito cláusulas insertas em contrato de adesão.br/esaj... Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. como chuva. conceituados como aquelas situações imprevisíveis e inevitáveis.restringe direitos ou obrigações fundamentais . Em recente decisão. (. inclusive. o Tribunal de Justiça de São Paulo. II . asseverando que é “pior ainda quando fica a exclusivo critério da vendedora a prorrogação do prazo de conclusão da edificação”.) XV . pela doutrina e jurisprudência pátria. ao julgar a apelação 6690387/7-00 considerou ilegal a cláusula de prorrogação assim decidindo a questão: “demasiado prazo para entrega do imóvel conflita com o objetivo da contratação”. tanto mais quando contraditórias”.tjba.2014. Tal entendimento está multiplicado por outros tribunais do país. A única exceção que vem sendo admitida. que importem em situação extremamente desfavorável ao aderente. de tal modo a ameaçar seu objeto ou equilíbrio contratual. inerentes à natureza do contrato. ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade. (. 8 exagerada. evidente fica a ilegalidade e abusividade da cláusula que autoriza as incorporadoras a prorrogarem o prazo de entrega dos imóveis.fls.ofende os princípios fundamentais do sistema jurídico a que pertence.. entendimento este. considerando-se a natureza e conteúdo do contrato.0001 e o código 10D5932. faltas de material.se mostra excessivamente onerosa para o consumidor. o interesse das partes e outras circunstâncias peculiares ao caso.” Desta forma. para conferência acesse o site http://esaj.. são nos casos de caso fortuito e força maior.05. diante dos argumentos aqui trazidos. problemas com terreno de construção. não estando inclusas nestas situações os usuais argumentos das construtoras para atraso. greves. III .jus. informe o processo 0552378-67. entre outros casos.estejam em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor. todos Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. Se impresso.8.

jus. o fornecedor é detentor do conhecimento técnico sobre o imóvel colocado no mercado de consumo. em essência. logo.fls. e.tjba. Diante dos esclarecimentos. desproporcional. e com isso. devendo a mesma ser considerada nula. . diferentemente do consumidor. evidente a abusividade de tal cláusula.8. são capazes de notar tais infortúnios. que. Ora. por tal razão. como detentoras do conhecimento técnico. ou seja. fica configurada uma transferência de obrigações. sobretudo. e mais. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. afastando a equidade retributiva dos negócios jurídicos. inclusive atendo-se ao fato que nem mesmo tal prazo foi respeitado. E. contabilizar tal período e adversidades no prazo informado ao consumidor. nota-se que o consumidor acaba arcando os prejuízos advindos do risco da atividade do fornecedor. o legislador reconheceu a vulnerabilidade e hipossuficiência técnica do deste. é este ente que possui expertise sobre o projeto e construção.0001 e o código 10D5932. não se verifica qualquer Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. Com efeito. sem semelhante prerrogativa ao consumidor.05. transferindo o ônus do risco da atividade à consumidora. a Requerida agiu de forma maliciosa. a Requerida elencou diversas penalidades por eventual mora do consumidor. sendo o imóvel não entregue até a presente data. Notadamente. após leitura apurada. sobretudo em face de exagerado período de atraso. demonstrando assim a total falta de preparo da Requerida. DA AUSÊNCIA DE MULTA E JUROS PELO ATRASO NA ENTREGA DO IMÓVEL Além de ser um contrato de adesão. contudo. 9 fatos previsíveis e que já deveriam ser abarcados no prazo da entrega pelas construtoras. informe o processo 0552378-67.br/esaj. as eventualidades rotineiras capazes de atrasar o empreendimento. uma vez que estipulou prazo de tolerância de noventa (90) dias sem outorgar igual ou semelhante prerrogativa ao consumidor. Excelência. Sendo assim.2014. deve o fornecedor saber as peculiaridades do produto vendido. Se impresso. verifica-se que se trata de cláusula totalmente ilegítima. para conferência acesse o site http://esaj. conforme abaixo desenvolvido.

2011. ora Requerida. para conferência acesse o site http://esaj. No fornecimento de produtos ou serviços que envolva outorga de crédito ou concessão de financiamento ao consumidor. por ora. só dispondo acerca das multas e penalidades devidas ao comprador. 8ª Câmara de Direito Privado. informá-lo prévia e adequadamente sobre: (. fato este que. Recurso improvido. Data de Publicação: 31/01/2012) O próprio CDC.0001 e o código 10D5932. não fora estipulada nenhuma multa por .jus. no contrato aqui já citado. 10 penalidade pelo atraso na entrega do imóvel – objeto principal ..) § 1° As multas de mora decorrentes do inadimplemento de obrigações no seu termo não poderão ser superiores a dois por cento do valor da prestação.0000.tjba. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.26. não demonstrados. o fornecedor deverá. em seu art.br/esaj.fls. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.8. fere o Código Consumerista..05. § 1º afirma: Art.(mesmo após ao prazo de tolerância!) Impende destacar que na Cláusula Sétima – DA MORA E INADIMPLEMENTO – do contrato em comento. descumprimento por parte da Requerida. Data de Julgamento: 31/01/2012. Atraso na entrega do imóvel. Relator: Caetano Lagrasta. informe o processo 0552378-67. entre outros requisitos. nada é tratado acerca do inadimplemento por parte do incorporador.8. mais uma vez. (2626632120118260000 SP 026266321. Se impresso. por inadimplemento. Decisão mantida. Antecipação de tutela com imposição de multa para o caso de não entrega da unidade no prazo de 10 dias. já que coloca os Consumidores em posição inferiorizada em relação aos fornecedores. Sendo assim. Alegação de fenômenos negativos a justificar o atraso. ora Requerente. 52. 52.2014. Este vem sendo a postura dos nossos julgadores pátrios para coibir tal conduta abusiva: Compromisso de compra e venda.

Deste modo.8. requer a aplicação de multa de 0. como legítimo direito de proprietário. para que a mesma penalidade de mora do consumidor seja aplicada para mora do fornecedor.fls.2014. é pacífico no sentido de serem. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. Ou seja. a ser somada aos danos materiais e morais sofridos. visando assim minimizar a abusividade do contrato de adesão apresentado ao Requerente. Do mesmo modo. DO DANO MATERIAL. bem como juros de mora de 1% (um por cento) ao mês. DOS LUCROS CESSANTES Diante do princípio da reparação integral. não se está pleiteando nem mais.jus. o STJ. Inclusive nosso Tribunal Superior. 6º.0667% (zero vírgula seiscentos e sessenta e sete por cento) ao dia até completar 2% (dois por cento). sim. devidos os aluguéis do imóvel com atraso na entrega.0001 e o código 10D5932. em obediência ao princípio da boa-fé contratual e equidade retributiva dos negócios jurídicos.0667% (zero vírgula seiscentos e sessenta e sete por cento) ao dia até completar 2% (dois por cento). de suas obrigações.05. Neste diapasão. pelo período do atraso. informe o processo 0552378-67. deve sim ser passível de punição. 11 O atraso existente na entrega do imóvel. a ser fixado nos mesmos moldes previstos para a mora da consumidora. Se impresso. nem menos. o fornecedor poderá exigir a aplicação de multa de 0. inciso VI da Lei 8.tjba. integralmente. para conferência acesse o site http://esaj. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.br/esaj. a título de lucros cessantes (quando o imóvel fosse direcionado a locação) ou a título de restituição (quando houver valor gasto para locação do bem). todos os prejuízos causados pelos fornecedores aos consumidores devem ser. também abarcado pelo nosso código consumerista (art. tais penalidades também deverão ser aplicadas para o atraso do fornecedor no cumprimento . Assim. caso o consumidor atrase uma prestação. reparados. de juros de mora de um por cento (1%) ao mês sobre o valor atualizado do imóvel (objeto da obrigação não cumprida). haja vista que ninguém adquire um imóvel para não dar alguma finalidade ao mesmo. o dano material se consubstancia nos valores de aluguéis que o Requerente deixou de auferir em razão da mora da Requerida. Busca-se apenas um TRATAMENTO EQÜITATIVO para ambas partes.078/1990).

PARÁGRAFO ÚNICO. Direito Civil Obrigações e Contratos. INAPLICABILIDADE. RESTITUIÇÃO DA Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. mas o cronograma original não foi cumprido e os clientes não tinham conhecimento sequer da data efetiva da entrega do imóvel.ª ed. 4. DO CÓDIGO CIVIL/1916.jus. 335 do Código de Processo civil). RESOLUÇÃO POR CULPA DA CONSTRUTORA. Arnoldo Wald.2014. para conferência acesse o site http://esaj. Sugestões Literárias. obrigações a indenizar a outra parte. não necessita de prova (art. CONTRATO. 12 De acordo com os autos. como é sabido: “O inadimplemento obriga o contratante que não executou as se a prestação tivesse sido tempestivamente cumprida. Ora. figurado nos valores das parcelas pagas. COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL. além do dano emergente. Pois bem. o cliente celebrou. DO CÓDIGO CIVIL/1916.” (Cfr. pois esta seria a situação econômica em que se encontrariam se a prestação da recorrente tivesse sidotempestivamente cumprida.br/esaj. informe o processo 0552378-67.tjba. com a construtora citada “Contrato Particular de Promessa de Compra e Venda de imóvel”. supondo-a na situação econômica em que se encontraria . APLICAÇÃO DO ART.. que tem por objeto prometido a aquisição um apartamento (como no presente caso). 110).RJ (2004/00556558) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : CARVALHO HOSKEN S/A ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES ADVOGADO : KARINA DE OLIVEIRA MARTINS FERREIRA E OUTROS RECORRIDO : CARLOS ALBERTO DA SILVA E CÔNJUGE ADVOGADOS : LUIZ MAURO GUIMARÃES COELHO E OUTROS TÚLIO MÁRCIO CUNHA E CRUZ ARANTES E OUTROS EMENTA CIVIL. 1974. desde 28 de junho de 2011. O prazo de entrega do empreendimento foi estipulado originalmente para 30 de outubro de 2013.984 . vinda da experiência comum.092. São Paulo: Ed. Se impresso. com a inexecução do contrato pela Requerida. é mais do que óbvio ter o Requerente sofrido danos materiais a título de alugueres que deixou de receber em razão do inadimplemento contratual por parte da Requerida. 1. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.8.fls.0001 e o código 10D5932. p. Trata-se de situação que. ARTIGO 924.05. O STJ inclusive vem decidindo desta forma: RECURSO ESPECIAL Nº 644.

e.br/esaj. 1. conseqüentemente. vinda da experiência comum. .jus.745 .2014. 335 do Código de Processo Civil). OCORRÊNCIA.092 do Código Civil/1916. Presume-se a ocorrência de lucros Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.RJ (2006/0035354-6) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA AGRAVANTE : CIMA EMPREENDIMENTOS DO BRASIL LTDA ADVOGADO : JOSÉ GAGLIARDI E OUTRO(S) AGRAVADO : WALDYR DUARTE DE FREITAS E CÔNJUGE ADVOGADO : AMAURY FONSECA E OUTRO(S) CIVIL. . PRECEDENTES. EMENTA RESCISÃO. PRESUNÇÃO. LUCROS CESSANTES.fls. 1.tjba. que não entrega o imóvel na data estipulada.05. figurado nos valores das parcelas pagas pelo promitente-comprador. causa. para conferência acesse o site http://esaj.A inexecução do contrato pelo promitente-vendedor. Trata-se de situação que.8. por culpa do promitentevendedor. cabendo ao promitente-comprador o reembolso da integralidade das parcelas já pagas.não necessita de prova (art. 13 INTEGRALIDADE DAS PARCELAS PAGAS E DOS LUCROS CESSANTES PELO VALOR DO ALUGUEL MENSAL QUE IMÓVEL PODERIA TER RENDIDO. . além do dano emergente.Na resolução de compromisso de compra e venda de imóvel. mas sim o parágrafo único do art. AGRAVO COMPRA REGIMENTAL. Recurso não conhecido. Se impresso. E VENDA DE IMÓVEL. a relação obrigacional por culpa do promitente vendedor . devolvendo-se ao promitente vendedor faltoso o direito de livremente dispor do imóvel. 924 do Código Civil/1916. está o promitente-vendedor obrigado a devolver integralmente a quantia paga pelo promitente-comprador.0001 e o código 10D5932. não é aplicável o disposto no art.Resolvida que não cumpriu a sua obrigação. E mais: AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 826. as partes envolvidas deverão retornar ao estágio anterior à concretização do negócio. informe o processo 0552378-67. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. acrescida dos lucros cessantes. lucros cessantes a título de alugueres que poderia o imóvel ter rendido se tivesse sido entregue na data contratada.

o que demonstra a linha que vem seguindo os Nobres Julgadores diante da hipossuficiência dos consumidores. mesma. PRESUNÇAO. Agravo regimental provido.0001 e o código 10D5932. (AgRg no Ag 1036023/RJ. há presunção relativa do prejuízo do promitente-comprador pelo atraso na entrega de imóvel pelo promitentevendedor. ATRASO NA ENTREGA DO IMÓVEL. MIN. 14 cessantes em razão da não entrega de imóvel na data estipulada. COMPRA ENTREGA. DJe 03/12/2010)” “PROCESSUAL. Como nota-se. PROVIMENTO. Precedentes. EMBARGOS DE DECLARAÇAO. PREJUÍZO.tjba. . fazer prova de que a mora contratual não lhe é imputável. inclusive. Nos termos da mais recente jurisprudência do STJ.br/esaj. relapsa quanto às inúmeras reclamações feitas. I.2014. Se impresso. COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA. cabendo a este. QUITAÇAO Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. CABIMENTO. LUCROS CESSANTES. FUNGIBILIDADE DOS RECURSOS. QUARTA TURMA. ATRASO NA LUCROS CESSANTES. inclusive demonstrando que o STJ possui mesmo entendimento: “CIVIL E PROCESSUAL. informe o processo 0552378-67. APRECIAÇAO. IMÓVEL. que nossos tribunais pátrios vêm fixando sim valores para pagamento de aluguel aos consumidores que não possuem local para morar enquanto o imóvel não é entregue por atraso das construtoras. ACÓRDAO. INTERPOSIÇAO. para conferência acesse o site http://esaj. JULGAMENTO MONOCRÁTICO.fls. DECLARATÓRIOS CUJAS EMBARGOS RAZÕES EXCLUSIVAMENTE SÃO INFRINGENTES. como já dito. ainda. Agravo regimental improvido. AUSÊNCIA. AGRAVO COLEGIADO. RECEBIMENTO COMO AGRAVO REGIMENTAL. se eximiu do atraso ocorrido. durante o percalço sofrido. II.8. INTERNO. para se eximir do dever de indenizar. ALDIR PASSARINHO JUNIOR.jus.05. E VENDA. julgado em 23/11/2010. Rel. CIVIL. 2. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. a Requerida. sendo a Prosseguindo os julgados que norteiam a mesma empreitada. Impende salientar.

Recurso não conhecido. informe o processo 0552378-67.807.) III . contratual não lhe é imputável.8. PROPORCIONALIDADE.RESPONSABILIDADE DA CONSTRUTORA ATRASO NA - SENTENÇA ENTREGA DO MANTIDA. Se impresso.Conforme entendimento desta Corte. ENRIQUECIMENTO SEM CAUSA. o que aumenta ainda mais a sensação de injustiça ultrapassada: INDENIZAÇÃO . cabendo ao vendedor. p. em .2014. para conferência acesse o site http://esaj.fls. APÓS COMPLETAMENTE TER QUITADO SUA PRESTAÇÃO NO CONTRATO.05. TERCEIRA TURMA. 0066640-40. Nesse caso. julgado em 24/08/2006. adimplindo sua parte no contrato firmado.0001. A SITUAÇÃO EM QUE SE VIU ENVOLVIDA A AUTORA. POIS SUPERIORES AOS MEROS DISSABORES (666404020058070001 DA DF VIDA MODERNA. Não há falar. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. há presunção de prejuízo do promitente-comprador. (REsp 808446/RJ. 15 PARCIAL.jus. IMÓVEL O PELA REQUERIDA GERA OS LUCROS CESSANTES CORRESPONDENTES AOS ALUGUERES QUE A AUTORA PODERIA TER AUFERIDO COM A LOCAÇÃO DO IMÓVEL CASO ESTE TIVESSE SIDO ENTREGUE NA DATA CONTRATADA. Ministro CASTRO FILHO. (. INEXISTÊNCIA. para se eximir do dever de indenizar.2005. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. 312)” Há que se destacar ainda que o Requerente vem realizando os pagamentos corretamente. fazer prova de que a mora enriquecimento sem causa. descumprido o prazo para entrega do imóvel objeto do compromisso de compra e venda.DANOS MATERIAIS E DANOS MORAIS . é cabível a condenação por lucros cessantes. DJ 23/10/2006. Rel. com ressalva quanto à terminologia.ATRASO NA ENTREGA DE IMÓVEL LUCROS CESSANTES .br/esaj. CAUSOU ANGÚSTIA E INSEGURANÇA CAPAZES DE CONFIGURAR DANOS MORAIS. pois...0001 e o código 10D5932.tjba.

Data de Julgamento: 14/10/2009. métodos comerciais coercitivos ou desleais. para a configuração do dever de indenizar. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.. Notadamente. na seara da responsabilidade civil objetiva. DJ-e Pág.fls. a legislação invocada não deixa qualquer dúvida a respeito da responsabilidade da Requerida no evento descrito. também. (.0001 e o código 10D5932. 05.tjba.jus. Em virtude da natureza consumerista. 12 e 18. consubstanciando ofensa aos dispositivos do art. de acordo com a avaliação do corretor.500. no valor de R$ 1. na forma apresentada pelo corretor constante no anexo DO DEVER DE INDENIZAÇÃO MORAL – DA MORA NA ENTREGA DO IMÓVEL A regra geral do dever de indenizar está prevista nos artigos 186 e 927 do Código Civil..) IV – a proteção contra publicidade enganosa e abusiva. fundamentando-se na teoria do risco.br/esaj. cumpre destacar. a qual prescinde da vontade do agente (dolo ou culpa). os quais estão devidamente comprovados.. Se impresso. basta a comprovação: A) do dano e B) do nexo de causalidade entre o fato e dano. 6º do CDC – São direitos básicos do consumidor: (. 44) Sendo assim. determina o CDC que devem ser respeitados os requisitos da responsabilidade civil objetiva. 1ª Turma Cível.)” Neste ínterim. informe o processo 0552378-67.05. justo a imposição de pagamento pelos danos materiais.00 (um mil e quinhentos reais). que a Requerida não agiu como contratualmente esperado. prevista no art. 6º. . (..2014. vejamos: “Art. coletivos e difusos. bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços. por todo período de atraso. incisos IV e VI do CDC. individuais. 16 Relator: LÉCIO RESENDE. Sobre o tema..8.. para conferência acesse o site http://esaj. representados pelo valor dos aluguéis que deixaram de ser recebidos até o presente momento por culpa exclusiva da Requerida. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.) VI – a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais. Data de Publicação: 03/11/2009.

como também no lado médico. Inclusive todos os fatos narrados – desemprego do Requerente. falta de dinheiro.8. em nenhum momento. 17 A Requerida não só estipularou certo prazo para entrega do imóvel.tjba. estipuladas com respeito a sua vida social. Requerente não vingaram.jus. Sendo tais prazos dispostos contratualmente. haja vista estar tendo que arcar com .2014. superior até mesmo ao prazo ilegal pré-estipulado pela Requerida. não apenas na esfera pessoal e patrimonial.br/esaj. de acordo com a conjuntura a qual estavam. que. com o atraso imposto na entrega do imóvel. a distância na realização do sonho de conquista deste imóvel.fls. pagando para isso valores mensais. ajusta-se o tormento passado pelo Requerente. profissional. com a diminuição da receita. com a incerteza se o imóvel será ou não entregue. como dito. ou seja. e quando isso ocorrerá realmente. Não se deve perder de mente. todas as programações financeiras e sociais feitas pelo os valores relativos ao aluguel do atual imóvel em que residem. para conferência acesse o site http://esaj. incertezas com a entrega do imóvel. etc. dia a dia. como também um prazo de tolerância. A doutrina mais moderna. investimentos. valor este que não estava programado para entrar nas despesas do mesmo. que o Requerente. moradia. ao ponto de estar sob tratamento médico em razão de depressão – conforme relatório médico (anexo 04) – mal este. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. além do desgaste sofrido com o abalo psiquíco sofrido pelo Autor. vem aumentando o valor dado aos fatos que desrespeitam ou prejudicam as programações e projeções realizadas pelos consumidores. assiste. de saúde. Se impresso.05. com altos padrões de sofisticação e qualidade. Ocorre que. pessoal. Concomitante a esta realidade fática.0001 e o código 10D5932. juntamente com sua família. bem como os atuais julgados vêm levando muito em consideração a velocidade e a complexidade da vida atual. tempo. informe o processo 0552378-67. podendo assim organizar suas finanças. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. agravado pelo comportamento da Requerida. decepção com a Requerida – foi que levaram o Requerente à depressão e necessidade de cuidados médicos. para abarcar as eventualidades que pudessem surgir durante a execução das obras. após enormes esforços para adquirir o imóvel do sonho. o Requerente programou suas vida baseada nestes prazos. que causou imensa decepção e transtorno. não consegue dar nenhuma finalidade ao mesmo. que vem sofrendo de forma profunda com o caso em questão.

para conferência acesse o site http://esaj. um atraso excessivo e sem justificativa de um imóvel. em explanação esclarecedora. a aplicação dos danos morais se torna imperioso pelo fato do Requerente ter experimentado enorme transtorno.2006. Data de Julgamento: 18/01/2012. disse que “o direito de moradia. Luis Felipe Salomão. clarividente. prejudicando todo o andar dos elementos essenciais dos consumidores. informe o processo 0552378-67. Destarte. 18 Sendo assim. na medida em que. Relator: Erickson Gavazza Marques. 5ª Câmara de Direito Privado. visa à promoção de cada um dos componentes do Estado.FIXAÇÃO QUE DEVE SER PROCEDIDA PRINCÍPIOS COM DA OBSERVÂNCIA RAZOABILIDADE PROPORCIONALIDADE - DOS E DA RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. com influência . Os prejuízos emocionais e financeiros abarcados pelo atraso merecem sim uma reparação de natureza compensatória e inibitória por parte dos seus responsáveis. influência esta negativa. Se impresso. (1401571920068260000 SP 0140157-19.br/esaj.05.0000. O dano moral ainda. o então ministro do STJ.8. bem essencial e basilar na vida de qualquer casal. entre outros direitos sociais.tjba.jus. altera e influi em todo andamento corriqueiro diário. Prosseguindo com os julgados que coadunam ao aqui transposto: COOPERATIVA HABITACIONAL . neste caso. sendo totalmente justificável a reparação por este abuso praticado.fls. VISANDO MORAIS TEM - CARÁTER COIBIR A REINCIDÊNCIA DO CAUSADOR DO DANO VERBA DEVIDA . entrega do imóvel. evitando a reincidência de tal fato. durante todo esse período de atraso de direta em suas esferas familiar e pessoal.26. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. possui caráter pedagógico. com o insigne propósito instrumental de torná-los aptos a realizar os atributos de sua personalidade e afirmar a sua dignidade como pessoa humana”. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.8.2014. Data de Publicação: 19/01/2012) Em recurso no qual foi relator.0001 e o código 10D5932. Não vem sendo poucos os percalços sofridos pelo Autor.ATRASO NA ENTREGA DO IMÓVEL COMPROMISSADO REPARAÇÃO DOS DANOS CONDENAÇÃO QUE PEDAGÓGICO.

jus. Em suma. não só pelo simples fato do atraso na entrega do imóvel. mas pelos transtornos sofrido pelo consumidor vem convivendo com o descaso e falta de preparo destes. a exceção de contrato não cumprido ou inexecução contratual é um mecanismo de defesa de boa-fé. isto é. não mais devendo prosseguir tal cenário. Requerente. O inadimplemento da obrigação. de forma nefasta. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.fls.br/esaj. na oferta de seus produtos e na prestação de seus serviços. diante da teoria do risco. E mais. fato este que ainda não ocorreu. ainda. informe o processo 0552378-67. 476. para conferência acesse o site http://esaj. DA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA INDEVIDA. como amplamente exposto durante esta peça inicial. 19 Sem dúvidas. importante ressaltar o caráter punitivo-educativo-repressor da condenação por dano moral. Nos contratos bilaterais. no seu termo. nota-se que tais fatos atrapalharam. visando. pode exigir o implemento da do outro. Neste cenário. que por si. já deveria ser passível de reparação. 397. fazem sim jus a ressarcimento pecuniário por dano moral. sendo que o . dispõe nosso Código Civil que: Art. bem como o desleixo em solucionar alguma forma para minimizar os problemas gerados. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.2014. nenhum dos contratantes.0001 e o código 10D5932. ao ponto que a parte pertinente à Requerida já deveria ter sido finalizada. uma política de desestímulo à repetição da ilicitude.8. coibir futuros problemas com outros consumidores.05. através da justiça privada. Nota-se que a parte contratual que condiz ao Requerente vem sendo cumprida normalmente. positiva e líquida. que faz com que um contratante não possa reclamar a execução do que lhe é devido pelo outro contratante. que aqui não se confundem com perturbações normais do dia a dia. a rotina do Requerente. Sendo assim. A EXCEÇÃO DO CONTRATO NÃO CUMPRIDO. constitui de pleno direito em mora o devedor.tjba. sem antes pagar o que deve. Art. Se impresso. compelindo o infrator a agir com mais cautela no exercício de sua atividade. antes de cumprida a sua obrigação. DO CONGELAMENTO E SUSPENSÃO DO VALOR REMANESCENTE PARA QUITAÇÃO DO IMÓVEL.

REsp 1. mesmo que temporariamente.fls. antes de cumprida a sua obrigação.8. Já a parcela das chaves. . até que se preste garantia de que o sinalagma será cumprido. Esse possui todos os atributos de um direito potestativo que se exerce somente pela vontade de seu titular. acordada para a data de entrega do imóvel – outubro de 2013 – deve ser congelada até essa data. pois. que exigir do promitente comprador a sua parte na obrigação. Isso porque se tem a "exceptio non adimpleti contractus" como um meio de defesa. que o descumprimento parcial na entrega da unidade imobiliária. Como percebe-se. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. para conferência acesse o site http://esaj.739-SP. por meio da sua Terceira Turma . quando.br/esaj. nenhum dos contraentes. o STJ já decidiu. 20 Inclusive. pode exigir o E se. colocando seu contratante num estado de sujeição. em especial nos contratos de prestação continuada. Consequentemente. depois de concluído o contrato. um direito temporário de não executar sua obrigação. retornará o promitente comprador ao seu status de devedor dos valores para quitação do bem. Se impresso. Massami Uyeda.05. que foram acordadas no momento da assinatura do contrato. nesse caso. Rel. No caso das parcelas fixas e mensais.Informativo STJ 496. julgado em 03/05/2012 .193.2014. assim como o receio concreto de que o promitente vendedor não transferirá o imóvel ao promitente comprador impõe a aplicação do instituto da exceção do contrato não cumprido. não mais equânime. estes valores devem manter-se congelados até a efetiva entrega do imóvel. informe o processo 0552378-67. que este perca o direito. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. poderá ser recusada a prestação que lhe cabe. que diante da não efetivação pelo promitente vendedor de sua parte da obrigação.tjba. nos contratos bilaterais. quitar os valores que ainda faltam (parcela das chaves e parcelas fixas). qual seja. só então.0001 e o código 10D5932. Min. o Requerente adquiriu. e comprovada a dificuldade do outro contratante em adimplir a sua obrigação. Sendo assim.jus. devem ter seus valores congelados até suas datas de vencimento. implemento da do outro. 04/05/2012.

pelo menos. prazo inicial da entrega do imóvel. informe o processo 0552378-67. requer. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. atualizados monetariamente quando da entrega do imóvel (entrega das chaves). porém cogita-se em apreço ao debate.tjba. Requerida. Tais valores. sendo que tal majoração decorre. que o congelamento do saldo devedor (parcela das chaves) ocorra desde outubro/2013.0001 e o código 10D5932. além de não usufruir do imóvel. até a efetiva entrega do imóvel. DA TUTELA ANTECIPADA Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. devem se manter congelados nos moldes já informados acima até o cumprimento da parte obrigacional que cabe à Requerida (entrega do imóvel). então. somados ao valor remanescente para quitação do bem. Diante das tratativas objetivas trazidas no presente tópico. Destarte.8. Em outras palavras.05. 21 No caso em tela.br/esaj. para que o Consumidor não arque com duplo ônus (não recebimento dos lucros cessantes desde a data do atraso e majoração do seu saldo devedor). diante do não cumprimento da parte obrigacional correspondente à Requerida. Perceba-se ainda que a não concretização da parte obrigacional que lhe cabe. devendo a cobrança dessas serem suspensas até entrega do imóvel. caso entenda legal o prazo de tolerância de noventa (90) dias. restam as parcelas fixas e a parcela das chaves. Se impresso. para conferência acesse o site http://esaj. exclusivamente. requer o congelamento dos valores ainda devidos para quitação do bem (parcela fixa e parcela das chaves). são estipulados valores fixos. o que não espera. além do montante já pago.jus.fls. o Requerente está arcando com prejuízos advindos do inadimplemento da Requerida! Destarte. o saldo devedor do Requerente (parcela das chaves) vem sofrendo aumento em virtude da aplicação da atualização monetária (após a data prevista para entrega). eventualmente e subsidiariamente. sendo quitados só após tal evento. da mora da Requerida. geram também o aumento dos encargos que decai sobre o Requerente. por parte da . em respeito ao princípio da eventualidade.2014. mais um tópico repudiado pelo Código Cível e leis afins. sem que esta tenha dado causa. Ou seja. segundo Extrato Financeiro (anexo 03) retirado perante o site da Requerida.

informe o processo 0552378-67. de fato. certamente. pela natural demora do provimento final. a prova que dá ao magistrado certa segurança para deferir a antecipação dos efeitos da tutela.0001 e o código 10D5932. não restam dúvidas acerca do preenchimento dos requisitos. aproxime. senão. Sendo assim. ainda. 273 do Código de Processo Civil e a cabal comprovação do preenchimento dos referidos requisitos.8. 22 Em que pese todos os argumentos já trazidos nessa exordial. “Assim. clara é a percepção que. prova da verdade absoluta -. Saraiva. em segura medida. Com efeito. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. Teori Albino. CPC). diz respeito ao juízo de probabilidade que o julgador deve alcançar para deferir a medida antecipatória. (a) prova inequívoca e verossimilhança das alegações (art. 273.fls. nada mais é. toda a fundamentação trazida ao longo dessa preambular – avalizada pela melhor doutrina – e os documentos acostados levam à inafastável conclusão da existência dos requisitos. embora no âmbito de cognição sumária. Posto isso. causar dano irreparável ou de difícil reparação. caput. A prova inequívoca é aquela prova com substância. do que a segunda. P. Se impresso.2014. Ed. por sua vez. Veja. os efeitos trazidos desde já são aqueles fáticos.br/esaj. essas iniciais considerações. o que a lei exige não é. 2000.tjba.jus. A verossimilhança. art. formular o pleito liminar de antecipação dos efeitos da tutela. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. para conferência acesse o site http://esaj. 76. 273 do Código de Ritos brasileiro.05. as palavras de Teori Albino Zavascki. Feitas. 3ª Edição. se a declaração perseguida aqui não é antecipada. robusta. então. De logo. tendo em vista as peculiaridades do caso em tela e com fulcro no art. no caso em tela. pois leva a ele um juízo de probabilidade e esse juízo é perfeitamente compatível com a cognição sumária. que. que. mesmo quando concluída a instrução – mas uma prova robusta. cumpre ao Requerente. aqueles que. percebe-se a relação indissociável presente entre a prova inequívoca e a verossimilhança: a existência da primeira deve levar o magistrado a um juízo de probabilidade. Antecipação da Tutela. que sempre será relativa. são capazes de. passa-se à análise detida dos requisitos exigidos pelo . o juízo de probabilidade” ZAVASCKI.

8. com a atualização concernente. Excelência. não consegue dar nenhuma finalidade ao mesmo. com altos padrões de sofisticação e qualidade. sem que este tenha dado causa. pois desembolsa valores das prestações mensais para quitação. que por mais que tivesse condição de realizar tal pagamento.jus. .2014. Sendo assim. informe o processo 0552378-67. por culpa dos fornecedor. que o Requerente. que dizer isso é dizer que a não concessão do provimento liminar de imediato gera o risco de perecimento do próprio objeto da lide com a demora natural do provimento final.fls. Impende destacar ainda. Além disso. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. ter gastos com o imóvel enquanto o mesmo encontra-se com a entrega atrasada por culpa alheia (que dizer. 23 Provada a existência dos elementos estudados aqui.br/esaj. ora Requerida).0001 e o código 10D5932. Destaca-se. 273. injusto seria pagar por um imóvel e não poder dar nenhuma finalidade ao mesmo. mensalmente o Requerente vem tendo que ajustar seu orçamento para arcarem com valores de manutenção (mensalidades) de dois imóveis. após enormes esforço para adquirir o imóvel do sonho. a não concretização da parte obrigacional que lhe cabe. passa-se à análise do receio de dano irreparável ou de difícil reparação. Se impresso. está tendo prejuízo de grande monta. Não se deve perder de mente. o fato que. Perceba. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. mais um tópico repudiado pelo Código Civil e leis afins. fora outras despesas decorrentes de ordem médica em razão do atraso da Requerida. juntamente com o aluguel do imóvel atual. ou seja. dano irreparável na esfera patrimonial dos mesmos.tjba. em nenhum momento. Em primeiro lugar. gera também o aumento dos encargos que decaem sobre o Requerente. CPC).05. para conferência acesse o site http://esaj. o valor que pagam para quitação do imóvel juntamente com o do aluguel do imóvel em que reside em decorrência do atraso da Requerida incha o orçamento. (b)existência de fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação (art. por parte da Requerida. ainda. como já explanado no tópico anterior. I. pagando para isso valores mensais.

Com efeito.8. o Requerente está arcando com prejuízos advindos do inadimplemento da Requerida. e b) o periculum in mora nos inúmeros prejuízos financeiros já mencionados. sendo que tal majoração decorre.0001 e o código 10D5932. evitando que os encargos seja onerado ao Requerente. somados ao valor remanescente para quitação do bem.br/esaj. em razão do exposto. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. para no mínimo. faz-se imperiosa a concessão da antecipação perseguida. Diante das tratativas objetivas trazidas no presente tópico. aumentando consideravelmente o saldo devedor do Requerente. causando ainda mais prejuízo ao Requerente. com o atraso na entrega do bem. e só lhe trazem severos prejuízos financeiros. 24 Destarte. pois o Em outras palavras. Ocorre que. Assim. Ou seja. atualizados monetariamente quando da entrega do imóvel (entrega das chaves). inciso V e art. o valor da parcela das chaves sofrem uma maior correção monetária. além de não usufruír do imóvel. restando evidenciado: a) o fumus bonis juris na prova documental anexa e dispositivos legais pertinentes ao tema. Se impresso. Vossa Excelência. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. imóvel não fora recebido. diante do não cumprimento da parte obrigacional correspondente à Requerida. que normalmente é financiado.fls. uma vez que tal situação independe de seus atos e/ou vontade.tjba. para conferência acesse o site http://esaj. até a efetiva entrega do imóvel. que necessitam ser cessados de imediato. diminuir os efeitos dos diversos danos já causados em razão do descumprimento contratual por parte da Requerida. informe o processo 0552378-67. como acordado. bem como que sejam revistas as taxas de atualização devidas. da mora da Requerida. § 3º do CDC e art. a exemplo da majoração das prestações vincendas em razão da mora da Requerida. financiamento este aprovado com a entrega do habite-se. exclusivamente. sendo que o não pagamento só não ocorreu. 335. são estipulados valores fixos. 84. 337 do Código Civil. e nos termos do art.2014. o saldo devedor do Requerente vem sofrendo aumento em virtude da aplicação da atualização monetária (após a data prevista para entrega).05. . necessário não só o congelamento dos valores ainda devidos para quitação do bem. considerando que a Requerida não entregou o imóvel na data prevista. resta incongruente ser o Requerente obrigado a pagar as prestações com a mencionada atualização.jus.

De acordo com o dispositivo indicado acima. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. A reversibilidade diz respeito a possibilidade de retornar ao status quo ante. mais ainda. que vem arcando em dia com todas as suas obrigações não recebam valores que lhe são devidos. a discussão do dever de entrega do imóvel (que já findou-se).fls.05.2014. Além disso. § 2°. o seu interesse limita-se a este . que além de estarem com o imóvel sob sua posse (em construção). Concedida ou não a antecipação. continua-se. 273. tendo em vista que a concessão de medida antecipatória não afetará. Evidencia-se. a longa espera pela entrega do imóvel. nem há que se falar em retorno ao status quo ante. em relação à empresa Requerida. grande parte do bem já foi pago. que. informe o processo 0552378-67. bem como gera segurança à Requerida. ainda possuem os valores já arcados. a falta de preparo dos mesmos em gerir seus negócios.8. Não há. 25 (c) da plena reversibilidade dos efeitos do provimento antecipado (art. Com isso. o que demonstra.jus. por simples desídia da Requerida. para conferência acesse o site http://esaj. § 2o do Código de Processo Civil. não é justo que o Requerente. porém. aqui. ainda. pelo que demonstra a empresa. Neste caso.tjba. sob pena de ser entregue o bem sem as características e qualidade ofertadas. Veja. sob posse da empresa. garante não só a boa fé do Requerente.br/esaj. que em momento algum a Requerida justificou o atraso. em nada. tal valor. não há que se falar em irreversibilidade do provimento – caso conveniente. CPC). por razão que não se pode imaginar. então. 273. não é o caso da presente questão. caso entenda o magistrado pela alteração ou revogação da decisão concedente da antecipação.0001 e o código 10D5932. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. como já informado. Portanto. Se impresso. em quitar honrosamente o seu imóvel. a possibilidade disso ser feito de imediato. a antecipação não será concedida quando for irreversível o provimento antecipado. Excelência. Com efeito. sob nenhuma hipótese. o perigo de irreversibilidade constante do art. a referida discussão permanece rigorosamente a mesma. Porém. não há. entregar o imóvel o mais rápido possível. Ora.

BACEN. diante do princípio da “exceção do contrato não cumprido”. desde a data de atraso de entrega do mesmo (outubro de 2013). a responsabilidade objetiva.2014. REQUER a Vossa Excelência: 1) O provimento do pleito de antecipação dos efeitos da tutela. DO PEDIDO Pelo exposto. a 2) congelamento dos valores ainda devidos para quitação do imóvel. até a efetiva entrega das chaves (HABITE-SE). o seguinte: 1) a suspensão da exigibilidade das prestações vincendas (parcelas fixas mensais e parcela das chaves). no valores de: R$ 1. em caso de descumprimento. também. Se impresso. o Requerente pugna pelo deferimento do pleito antecipatório. informe o processo 0552378-67. notadamente SERASA. o risco da atividade do fornecedor. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. cobrança das penalidades.060/50. para conferência acesse o site http://esaj. sob pena de multa diária de hum mil reais (R$ 1. 4º e 6º da Lei 1. RENIC e similares.05. ainda. 4) pagamento de valor compatível ao aluguel de imóveis semelhante ao adquirido.8.000. evitando os efeitos da mora contratual e afastando. com atualização das parcelas fixas mensais até a data prevista para pagamento de cada parcela. considerando.000. sob pena diária de R$ 1. no caso da parcela das chaves. com espeque nas disposições do Código de Defesa do Consumidor e demais dispositivos legais que regem o tema. nos termos do art.00 (mil e quinhentos reais) o qual faz prova por atestado de especialista na área.500. SPC. nos moldes especificados nessa exordial. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. da data prevista para entrega do imóvel. devendo estas serem pagas após a entrega das chaves (HABITE-SE).0001 e o código 10D5932. multa e juros no período de atraso.jus. LIMINARMENTE.fls. . inaudita altera pars.00). 2) A concessão do benefício da gratuidade de justiça. (outubro/2013). e. 3) que a Requerida se abstenha de efetuar atos de cobrança e de incluir os dados do Requerente em todo e qualquer órgão de proteção ao crédito. com fulcro no art. 26 Diante de todos os argumentos trazidos no presente tópico. 461 do CPC.tjba.br/esaj.00 (um mil reais) para o caso de descumprimento. para que esse respeitável juízo determine. 2º.

4) A inversão do ônus da prova. (outubro/2013).500. até a efetiva entrega das chaves (HABITESE). no valores de: R$ 1. 6º. e da data prevista para entrega do imóvel. confirmando os pedidos antecipatórios: A) declarar a nulidade do prazo de tolerância de noventa (90) dias no atraso de entrega do imóvel. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. D) suspensão da exigibilidade da prestações vincendas (fixas e das chaves). desde a data de atraso de entrega do mesmo (outubro de 2013). C) condenar a Requerida ao pagamento de indenização por danos materiais referente aos aluguéis valor compatível ao aluguel de imóveis semelhante ao adquirido.jus. alternativa e subsidiariamente. no caso das parcelas fixas.2014. sob pena de confissão ficta e revelia.05. apresentar defesa que melhor lhe convier. E) congelamento dos valores ainda devidos para quitação do imóvel. 4) . de juros de mora de um por cento (1%) ao mês sobre o valor atualizado do imóvel (objeto da obrigação não cumprida). requer o congelamento do saldo devedor desde outubro/2013. para todos os efeitos. até a efetiva data de entrega do imóvel. Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. nos termos do art. nos termos do art. no caso da parcela das chaves. em virtude da verossimilhança das alegações e da hipossuficiência do Requerente. 285 e 297 do CPC. O julgamento procedente da ação para. reconhecendo o prazo máximo para entrega do imóvel até outubro/2013.0667% (zero vírgula seiscentos e sessenta e sete por cento) ao dia até completar 2% (dois por cento).0001 e o código 10D5932. informe o processo 0552378-67. na remota hipótese de manutenção do prazo de tolerância. 27 3) A citação da Requerida para tomar conhecimento de todos os termos da ação. inciso VIII do CDC. Se impresso. e. prazo inicial da entrega do imóvel.tjba. com atualização somente até a data prevista para pagamento de cada parcela.br/esaj. e querendo.00 (mil e quinhentos reais) o qual faz prova por atestado de especialista na área. para conferência acesse o site http://esaj.8. B) estabelecer penalidade contratual à Requerida no valor de multa de 0.fls.

fls. 06) Em caso de não pagamento da condenação.2014. declara a autenticidade dos documentos anexados à presente.tjba.8. o valor de R$ 165. 544. informe o processo 0552378-67.05. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29.0001 e o código 10D5932. 05) Condenar a Requerida ao pagamento das custas. LEONARDO SILVA BARBOSA OAB/BA 21. DO VALOR DA CAUSA Atribui-se à presente causa. documental. Se impresso. através do sistema Bacen-Jud.432 Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA.000. com aplicação da multa de 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação. que seja determinado o cumprimento da sentença.395. despesas processuais e honorários . 02 de setembro de 2014. também de forma solidária. para conferência acesse o site http://esaj.br/esaj.00 (cinquenta mil reais). bem como a exclusão da incidência de juros no período de atraso do imóvel. trezentos e noventa e cinco reais e sessenta e sete centavos). mantendo apenas a aplicação do INCC até a data prevista para conclusão (outubro/2013). para fins de recolhimento de custas iniciais. G) determinar a exclusão da incidência do IGPM nas parcelas vencidas no período de construção do imóvel. 655-A do CPC.67 (cento e sessenta e cinco mil. conforme aplicação analógica e subsidiária do art. Protesta provar o alegado por todos os meios de prova em Direitos admitidos. advocatícios. nos termos do art. Pede deferimento. testemunhal.jus. em valor que sugere não inferior a R$ 50. e por conseguinte. conforme art. notadamente depoimento pessoal do representante legal da Requerida. § 1º do CPC. a realização de penhora on-line. estes fixados em 20% (vinte por cento) do valor da condenação. 475 – J do CPC. Em tempo. Salvador/BA. 28 F) condenar a Requerida ao pagamento de indenização por danos morais.

nº. 5ª Vara Cível de Salvador/BA. 27ª Vara Cível de Salvador/BA.8.8.05.8.0001 e o código 10D5932.fls. informe o processo 0552378-67.0001 Este documento foi assinado digitalmente por LEONARDO SILVA BARBOSA. nº. 0321388-14.2014.05.2014.br/esaj. nº. 0360717-33. 29ª Vara Cível de Salvador/BA. para conferência acesse o site http://esaj.0001 DOC.05. Protocolado em 19/09/2014 às 17:30:29. 29: SENTENÇA.05.8. 28: LIMINAR.05. DOC. 2ª Câmara Cível do TJ/BA.2013. 27: LIMINAR.tjba. 29 JULGADOS SEMELHANTES DOC. 5ª Câmara Cível do TJ/BA.0001 DOC. 31: ACÓRDÃO.jus. nº. Se impresso. 30: SENTENÇA. nº.0000 DOC.8.05.2013. 0316761-64.2013. 0321388-14.8.2013.0001 . 0002822-59.