RESENHA MODENESI 1

A presente resenha é uma tentativa de desnudar as principais características teóricas que
dão embasamento ao regime de metas monetárias. Como será visto adiante tal regime tem como
base o monetarismo e que, em última instância, compreende a inflação como um fenômeno
meramente monetário. Outro aspecto importante é a retomada da teoria quantitativa da moeda
(TQM) com uma nova roupagem.
Tendo em vista o arcabouço teórico presente no regime de metas de monetárias,
partiremos para a descrição dos elementos constitutivos de tais princípios. O monetarismo,
tendo como expoente M. Friedman, lança mão de basicamente dois conceitos, são eles: taxa
natural de desemprego e expectativas adaptativas dos agentes. Tais concepções, no limite,
implicam na neutralidade da moeda à longo prazo. Antes de prosseguir nossa análise,
discutiremos cada um dos conceitos citados anteriormente, iniciando pela taxa de desemprego
natural.
Por taxa de desemprego natural, entende-se como a taxa a qual a economia converge
quando não ocorrem distúrbios gerados pela política monetária. Tal conceito incorpora outros
dois, são ele: desemprego voluntário e desemprego friccional. Como é possível notar, a ideia de
desemprego involuntário não está incluída.
Seguiremos então para a ideia de expectativas adaptativas dos agentes. Segundo essa
concepção, os agentes “reinventam” suas expectativas tendo como base experiências passadas.
A adoção desse fenômeno possibilita o surgimento de ilusões monetárias, formando inflaçõessurpresa. Dessa forma, tanto o desemprego se situa em um nível diferente do natural quanto
impede que os agentes maximizem suas funções-objetivos.
Este princípio junto do anterior configuram a concepção de neutralidade da moeda.
Soma-se a isso a retomada da TQM e temos uma nova possibilidade de análise. Sob as luzes
dessa teoria, no longo prazo, o nível de emprego é determinado por fatores reais, e variações no
estoque monetário afetam apenas o nível geral de preços. Em outras palavras, variações no
estoque de moeda implicam somente em mudanças nominais na renda.
Tendo em mãos as ideias acima apresentadas, a concepção monetarista interpreta que a
condução de política monetária deve adotar uma regra monetária. Dessa maneira, objetiva-se
dirimir os distúrbios causados pela política monetária. É devido a presença de defasagens e a
falta de conhecimento teórico em sua plenitude que, segundo Friedman, os resultados da política
monetária podem ser tanto positivos quanto negativos e por isso devem ser evitados.
Por meio do apresentado acima, é possível notar a influência latente da teoria monetarista
no regime de metas monetárias. Sob essa óptica, a inflação é vista como um fenômeno
unicamente monetário. Partindo das ideias de taxa de desemprego natural e expectativas
adaptativas, chega-se a ideia de neutralidade da moeda. Assim sendo, variações nos estoques
monetários implicam invariavelmente em alterações na renda nominal. Logo, a estabilidade do
nível de preços só pode ser alcançada mediante a evolução pari passu do estoque monetário com
o PIB real. E por fim, ao munir-se desse arcabouço teórico, entende-se que deve ser adotada
uma regra monetária, visando afastar os distúrbios causados pela política monetária e, por
consequência, estabilidade.