JUNHO de 2009 | ANO 31 | Nº 6 | RS 3,50

O Noivo Real

e Suas Bodas

Índice
PR ez Ad O S A m ig O S d e iSRAel

04
O NO i vO Re A l e S UA S bO dAS

É uma publicação mensal da “Obra Missionária Chamada da Meia-Noite” com licença da “Verein für Bibelstudium in Israel, Beth-Shalom” (Associação Beth-Shalom para Estudo Bíblico em Israel), da Suíça. Administração e Impressão: Rua Erechim, 978 • Bairro Nonoai 90830-000 • Porto Alegre/RS • Brasil Fone: (51) 3241-5050 Fax: (51) 3249-7385 E-mail: mail@chamada.com.br www.chamada.com.br Endereço Postal: Caixa Postal, 1688 90001-970 • PORTO ALEGRE/RS • Brasil Fundador: Dr. Wim Malgo (1922 - 1992)

05
PO R qUe S AcRif íciO S l i t eRAi S d U RAN t e O mi lêN i O ?

Conselho Diretor: Dieter Steiger, Ingo Haake, Markus Steiger, Reinoldo Federolf Editor e Diretor Responsável: Ingo Haake Diagramação & Arte: Roberto Reinke & Julia Wiesenger Assinatura - anual ............................... 31,50 - semestral ......................... 19,00 Exemplar Avulso ................................... 3,50 Exterior: Assin. anual (Via Aérea)... US$ 35.00 Edições Internacionais A revista “Notícias de Israel” é publicada também em espanhol, inglês, alemão, holandês e francês.

11
HO R i z O Nt e

15 16 18

PRO N tO S PARA d U RbAN iii

As opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade dos autores. INPI nº 040614 Registro nº 50 do Cartório Especial O objetivo da Associação Beth-Shalom para Estudo Bíblico em Israel é despertar e fomentar entre os cristãos o amor pelo Estado de Israel e pelos judeus. Ela demonstra o amor de Jesus pelo Seu povo de maneira prática, através da realização de projetos sociais e de auxílio a Israel. Além disso, promove também Congressos sobre a Palavra Profética em Jerusalém e viagens, com a intenção de levar maior número possível de peregrinos cristãos a Israel, onde mantém a Casa de Hóspedes “Beth-Shalom” (no monte Carmelo, em Haifa).

v eN d i d O em fAvO R d e iSRA e l : O “PeRi g O ” d O Si O N i SmO cRiStã O?

Si O N i StAS d e JeSU S

p rez a d o s a m ig o s

de israel
Obviamente não foi por acaso que o presidente Barack Obama escolheu justamente a Turquia como primeiro país islâmico a visitar. Afinal, esse país junto ao Bósforo é um dos mais importantes e influentes do mundo islâmico. Logo, os árabes elogiaram Obama por essa aproximação com o islã. Por desejar melhorar as relações dos EUA com o mundo islâmico, o presidente discursou diante do Parlamento turco, dizendo: “Quero expressar nosso grande apreço pela fé islâmica. No decorrer dos séculos, essa religião contribuiu muito para melhorar o mundo, inclusive meu próprio país”. Obama já provou que domina perfeitamente a linguagem da diplomacia. Mas resta esperar se suas palavras serão seguidas de atos concretos. Yehia Moussa, do Hamas, referiu-se justamente a isso, quando disse: “O que importa não são as palavras bonitas, são os atos. Todos os árabes concordam que isso ficará evidente em seu engajamento pela causa palestina”. O presidente Obama, em seu discurso diante do Parlamento turco, também mencionou que buscará ativamente a criação de um Estado palestino. Ele explicou: “Quero dizê-lo com toda a clareza: os Estados Unidos querem e apóiam energicamente a solução que prevê a existência de dois países, Israel e a Palestina, coexistindo pacificamente lado a lado”. Por isso, o mundo islâmico espera de Obama que os EUA abram mão de sua posição “parcial” em favor de Israel e pressionem o governo israelense a concordar com a criação de um Estado palestino. Saeb Erekat, representante palestino nas negociações com Israel, opinou a respeito: “Espero que o novo governo israelense entenda que a criação de um Estado palestino é o único caminho para uma paz duradoura”. O gabinete do primeiro-ministro israelense respondeu que Israel trabalhará em afinidade com os EUA para buscar a paz com os palestinos. Mas essa declaração não mencionou a solução que advoga dois Estados. Enquanto isso, em seu discurso de posse, o novo ministro do Exterior de Israel, Avigdor Lieberman, classificou as resoluções da Conferência de Paz de Annapolis (realizada em 2007, quando foi articulada pela primeira vez a solução de dois Estados) como um fracasso e deu a entender que o novo governo israelense não se sentia comprometido com elas. O primeiroministro Benjamin Netanyahu reagiu às manifestações de Lieberman, que poderiam desencadear uma séria crise nas relações entre Israel e os EUA, dizendo que seu desejo era alcançar uma paz justa e permanente com os palestinos. Mas um fato já é claramente previsível: Netanyahu e seu governo sofrerão enormes pressões. Pode-se ter opiniões divergentes acerca do caminho para uma paz justa e permanente. Se acreditarmos nas palavras do presidente Obama e de representantes do mundo árabe, esse caminho conduzirá obrigatoriamente à criação de um Estado palestino. Somente o futuro mostrará se o novo governo israelense suportará as pressões a que estará exposto. O que parece garantido é que o processo em direção a um Estado palestino não pode ser interrompido. O que permanece em aberto, porém, é como será estruturado esse país. Muitos leitores da Bíblia que se baseiam em declarações proféticas pensam que não chegaremos até esse ponto. Entretanto, é justamente essa situação de aparente paz e segurança que deverá se instalar para que se cumpra o que, conforme as palavras do apóstolo Paulo em 2 Tessalonicenses 5, desencadeará os acontecimentos finais. Em Seu Sermão Profético no Monte das Oliveiras, o Senhor Jesus não aconselhou em vão que prestemos atenção aos sinais dos tempos. Unidos nessa vigilância diante dos fatos atuais e analisando como eles se encaixam nas profecias divinas, saúdo com um cordial Shalom!! r

le Fredi Wink

P.S.: Conforme nota do Ministério das Relações Exteriores, a visita do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ao Brasil (prevista para 6 de maio) foi adiada para depois das eleições iranianas (12/6). Somos gratos a Deus porque, ao menos temporariamente, não ocorreu a vinda ao país desse declarado negador do Holocausto e ferrenho anti-semita. Por outro lado, é preocupante que a diplomacia brasileira continua aproximando-se cada vez mais daqueles que se opõem a Israel.

4 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

ARTIGO 01

O Noivo Real e Suas Bodas
em ge RAl AS múSicAS e POeSiAS fAlAm dA NOivA. mAS O SAlmO 45, q Ue é Um SAlmO meSSiâ Nic O, exA ltA mAiS O NOivO. POR qUê?
NORBERT LIETH

Lemos no Salmo 45: “Ao mestre de canto, segundo a melodia ‘Os lírios’. Dos filhos de Corá. Salmo didático. Cântico de amor. De boas palavras transborda o meu coração. Ao Rei consagro o que compus; a minha língua é como a pena de habilidoso escritor. Tu és o mais formoso dos filhos dos homens; nos teus lábios se extravasou a graça; por isso, Deus te abençoou para sempre. Cinge a espada no teu flanco, herói; cinge a tua glória e a tua majestade! E nessa majestade cavalga prosperamente, pela causa da verdade e da justiça; e a tua destra te ensinará proezas. As tuas setas são agudas, penetram o coração dos inimigos do Rei; os povos caem submissos a ti. O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; cetro de eqüidade é o cetro do teu reino. Amas a justiça e odeias a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria, como a nenhum dos teus companheiros. Todas as tuas vestes recendem a mirra, aloés e cássia; de palácios de marfim ressoam instrumentos de cordas que te alegram. Filhas de reis se encontram entre

as tuas damas de honra; à tua direita está a rainha adornada de ouro finíssimo de Ofir. Ouve, filha; vê, dá atenção; esquece o teu povo e a casa de teu pai. Então, o Rei cobiçará a tua formosura; pois ele é o teu senhor; inclina-te perante ele. A ti virá a filha de Tiro trazendo donativos; os mais ricos do povo te pedirão favores. Toda formosura é a filha do Rei no interior do palácio; a sua vestidura é recamada de ouro. Em roupagens bordadas conduzem-na perante o Rei; as virgens, suas companheiras que a seguem, serão trazidas à tua presença. Serão dirigidas com alegria e regozijo; entrarão no palácio do Rei. Em vez de teus pais, serão teus filhos, os quais farás príncipes por toda a terra. O teu nome, eu o farei celebrado de geração a geração, e, assim, os povos te louvarão para todo o sempre”. Aqueles que sabem escrever e estiveram apaixonados certamente já escreveram cartas de amor. Quando me encontrava embarcado em alto mar durante meu tempo de serviço na Marinha, às vezes o navio ficava semanas no mar, e só recebía-

mos correspondências quando outro navio vinha nos abastecer. Aí chegavam pilhas de cartas das nossas amadas esposas, noivas ou namoradas. Essas cartas se acumulavam no porto e eram trazidas até nós pelo navio de abastecimento. Nunca havia tanto silêncio a bordo quanto nas horas que se seguiam ao recebimento das cartas, quando cada um descia para sua cabine para lê-las. Cada carta recebia total atenção, e naquele momento nada era mais importante ou mais sagrado que as palavras da pessoa amada. O Salmo 45 é uma carta de amor em forma de canção, e agora dedicaremos a ele toda a nossa atenção. Ele transborda de sentimentos, emoções e pensamentos que o autor tenta expressar em palavras. Ele está bastante entusiasmado: “De boas palavras transborda o meu coração. Ao Rei consagro o que compus; a minha língua é como a pena de habilidoso escritor” (Sl 45.1). Essa carta de amor retrata uma cerimônia de casamento no Oriente. O noivo real, sua beleza perfeita, seu porte majesto-

notÍcias de israel, JUnHo de 2009 | 5

d eU S N ã O J Ul gA S U m ARi A meN te O S f i lH O S d e PA iS ím Pi OS : POR m e iO d e Um A c ON ve RSã O l e g ítim A e U m c lARO AfA S tAm e NtO d O S P ecA dOS d OS PA iS , e l e S P Od e m e xPeR ime N tAR U m Re c O meç O tOtAl.

so, sua pureza e dignidade são descritos; da mesma forma, são relatados o amor a ele, o anseio pelo dia do casamento e considerações sobre a cerimônia. Esse salmo concentra a atenção no noivo, e não na noiva, como é costume. Até hoje, nos casamentos judaicos, o noivo e a noiva são considerados rei e rainha. A beleza desta canção de amor não está na sua popularidade momentânea mas por tratar-se de realidade cheia de esperança. Um dia a noiva será chamada para as núpcias e conduzida até o Noivo celestial. Ela entrará nos Seus aposentos e desfrutará eternamente do Seu amor. Esse amor nunca envelhecerá, pois crescerá por toda eternidade.

A BELEzA DO NOIvO REAL
Analisemos o prólogo do Salmo 45: “Ao mestre de canto, segundo a melodia ‘Os lírios’. Dos filhos de Corá. Salmo didático. Cântico de amor. De boas palavras transborda o meu coração. Ao Rei consagro o que compus; a minha língua é como a pena de habilidoso escritor” (v.1). Quem descreve esse amoroso relacionamento íntimo com o Rei de Israel? Justamente os filhos de Corá! Esse fato já constitui uma mensagem por si só.

Enquanto o povo de Israel peregrinava pelo deserto, o levita Corá (ou Coré) liderou uma rebelião contra Moisés e Arão, apoiado por várias pessoas influentes de Israel. Movido por insatisfação, raiva, inveja e ciúmes, Corá incitou muitas pessoas do povo contra a liderança instituída por Deus; mas isso era rebelião contra o próprio Senhor: “Pelo que tu e todo o teu grupo juntos estais contra o Senhor; e Arão, que é ele para que murmureis contra ele?” (Nm 16.11). A rebelião e a blasfêmia foram tão graves que o Senhor abriu o chão debaixo deles e tragou Corá e os outros rebeldes, junto com todos os seus bens e grande parte de suas famílias; eles desceram vivos para o mundo dos mortos (vv. 31-33). Porém, a Bíblia registra: “Mas os filhos de Corá não morreram” (Nm 26.11). Justamente a esses filhos de Corá é atribuída a autoria de onze salmos bíblicos, entre eles o cântico de amor do Salmo 45, que demonstra seu relacionamento íntimo com Deus. Apesar dos pais terem se rebelado contra o Senhor, os filhos se tornaram servos de Deus, testemunhavam de seu amor por Ele e colocavam toda sua confiança nEle. São chamados de “filhos de Corá”, o que demonstra a infinita graça de Deus. Nos versos 10 e 16 eles escrevem: “Esquece o teu povo e a casa de teu pai... Em vez de teus pais, serão teus filhos,

os quais farás príncipes por toda a terra”. Isso significa que Deus não julga sumariamente os filhos de pais ímpios: por meio de uma conversão legítima e de um claro afastamento dos pecados dos pais, os filhos podem experimentar um recomeço total. Deus não é rancoroso. Samuel, por exemplo, o grande e irrepreensível profeta, era descendente de Corá (1 Cr 6.16-23). Do ponto de vista do Novo Testamento, isso significa: • “Se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2 Co 5.17). • “Sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo” (1 Pe 1.18-19). • “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Cl 1.13). No grego a palavra “libertou” está na forma de “aoristo”, que exprime uma ação definitivamente encerrada. O texto do Salmo 45 continua: “Tu és o mais formoso dos filhos dos homens; nos teus lábios se extravasou a graça; por isso, Deus te abençoou para sempre” (v.2). O coração dos salmistas transborda, eles tentam expressar seus sentimentos em

6 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

palavras e estão maravilhados com a beleza do rei. A quem se dirigem? Com quem os filhos de Corá estão falando? Sem dúvida, esse Rei e Noivo é o Messias de Israel, Jesus Cristo. “Tu és o mais formoso dos filhos dos homens...” Jesus não tinha pecado (2 Co 5.21), o que certamente Lhe conferia uma personalidade especialmente expressiva e atraente durante Seu tempo na terra. Mas aqui Ele é descrito como o mais formoso de todos os homens em Sua glória futura. vale lembrar que na Antigüidade a formosura era pré-requisito para a dignidade real: Saul deve ter sido extraordinariamente belo (1 Sm 9.2); Davi tinha boa aparência (1 Sm 16.12); sobre Absalão lemos: “Não havia, porém, em todo o Israel homem tão celebrado por sua beleza como Absalão; da planta do pé ao alto da cabeça, não havia nele defeito algum” (2 Sm 14.25); e de acordo com a descrição do Cântico dos Cânticos, Salomão também era muito formoso. Mas Jesus Cristo ultrapassará em beleza e personalidade qualquer pessoa que jamais tenha vivido. Isso é profetizado no Cântico dos Cânticos: “O meu amado é alvo e rosado, o mais distinguido entre dez mil” (Ct 5.10ss.; veja também Gn 49.11-12). O espanto de Israel custará a terminar quando se cumprir a profecia de Isaías: “Os teus olhos verão o rei na sua formosura, verão a terra que se estende até longe” (Is 33.17). Isso vale

também para qualquer pessoa que crê no Senhor Jesus. Quando virmos Jesus Cristo pela primeira vez, este será um momento insuperável. “...nos teus lábios se extravasou a graça...” (Sl 45.2b). Quando Jesus veio ao mundo pela primeira vez, foi escrito a respeito dEle: “Todos lhe davam testemunho, e se maravilhavam das palavras de graça que lhe saíam dos lábios...” (Lc 4.22). E: “Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo” (Jo 1.17). Afinal, graça também é “dignar-se”. Jesus Cristo saiu da eternidade para “dignar-se” a nos trazer a graça de Deus. “...por isso, Deus te abençoou para sempre” (v. 2c). Jesus completou a obra da redenção na cruz. Como Filho do Homem, Ele tinha a plena bênção de Deus, e foi feito bênção para nós: “Pois o puseste por bênção para sempre e o encheste de gozo com a tua presença” (Sl 21.6). Por isso, no século 20 alguém escreveu sobre Jesus Cristo: Dezenove séculos vieram e passaram, e hoje Ele é o centro da humanidade e o principal sustentáculo do progresso. É mais do que justificado dizer que nenhum dos exércitos que marcharam, nenhuma das esquadras já construídas, nenhum dos parlamentos já estabelecidos e nenhum dos reis já entronizados influenciou mais a existência das pessoas deste mundo do que a vida deste Um”.[1]

Quando o Senhor Jesus voltar, reinará eternamente e seu reino nunca terá fim: “...o seu reino será reino eterno, e todos os domínios o servirão e lhe obedecerão” (Dn 7.27).

A CHEGADA DO NOIvO REAL
No Salmo 45.3-5 lemos: “Cinge a espada no teu flanco, herói; cinge a tua glória e a tua majestade! E nessa majestade cavalga prosperamente, pela causa da verdade e da justiça; e a tua destra te ensinará proezas. As tuas setas são agudas, penetram o coração dos inimigos do Rei; os povos caem submissos a ti”. Aqui temos uma profecia a respeito da volta de Jesus como herói vitorioso, como rei em glória e majestade. Algumas expressões saltam aos olhos: “espada”, “majestade”, “glória”, “prosperamente”, “verdade”, “justiça” e “tuas setas são agudas”. Elas apontam para Apocalipse 19.6-9, que trata das bodas do Cordeiro e da vinda do Rei: “Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso. Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro.

A e SPOSA e Stá à diRe itA dO NOi vO. à diRe itA SigN i f i cA qUe el A eStá deS tiNAdA A Se R c ONSORte e cO-Re ge Nte

notÍcias de israel, JUnHo de 2009 | 7

Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos. Então, me falou o anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E acrescentou: São estas as verdadeiras palavras de Deus”. Lemos acerca da volta triunfante do Filho de Deus: “Vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro se chama Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça. Os seus olhos são chama de fogo; na sua cabeça, há muitos diademas; tem um nome escrito que ninguém conhece, senão ele mesmo. Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome se chama o Verbo de Deus; e seguiam-no os exércitos que há no céu, montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro. Sai da sua boca uma espada afiada, para com ela ferir as nações; e ele mesmo as regerá com cetro de ferro e, pessoalmente, pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso. Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: r ei doS reiS e Senhor doS S enhoreS ” (Ap 19.11-16).

A DIVINDADE DO NOIVO REAL
qUAN d O J e S U S cH AmA, Nã O imPO RtA m m Ai S l A çO S fA m il iA ReS, S O me N t e O cH A m Ad O d O N O i vO.
No Salmo 45.6-7 encontramos uma prova de que Jesus Cristo é Deus e deseja ser reconhecido como divino: “O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; cetro de eqüidade é o cetro do teu reino. Amas a justiça e odeias a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria, como a nenhum dos teus companheiros”. O Salmo 46.10 diz: “Parem de lutar! Saibam que eu sou Deus! Serei exaltado entre as nações, serei exaltado na terra” (NVI). A Carta aos Hebreus deixa claro que o Salmo 45 é de natureza messiânica e tem o Senhor Jesus como tema principal. Essa epístola toma os versos 6 e 7 do Salmo e aplica-os a Jesus: “Ainda, quanto aos anjos, diz: Aquele que a seus anjos faz ventos, e a seus ministros, labareda de fogo; mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de eqüidade é o cetro do seu reino. Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos teus companheiros” (Hb 1.7-9).

8 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

Essa festa é descrita no Salmo 45.915: “Filhas de reis se encontram entre as tuas damas de honra; à tua direita está a rainha adornada de ouro finíssimo de Ofir. Ouve, filha; vê, dá atenção; esquece o teu povo e a casa de teu pai. Então, o Rei cobiçará a tua formosura; pois ele é o teu senhor; inclina-te perante ele. A ti virá a filha de Tiro trazendo donativos; os mais ricos do povo te pedirão favores. Toda formosura é a filha do Rei no interior do palácio; a sua vestidura é recamada de ouro. Em roupagens bordadas conduzem-na perante o Rei; as virgens, suas companheiras que a seguem, serão trazidas à tua presença. Serão dirigidas com alegria e regozijo; entrarão no palácio do Rei”. Esses versículos mencionam quatro pessoas ou grupos de pessoas: a rainha (esposa), filhas de reis, a filha do Rei e as virgens. É claro que não podemos enquadrar doutrinariamente cada um dos personagens apenas com base nestes versículos de um salmo. Mas trata-se de simbolismos que reencontramos no Novo Testamento e no contexto geral da Bíblia. • A rainha (esposa). O noivo real surge com sua esposa (cônjuge) para chamar para si também a filha do Rei. Ele volta com sua esposa, já está casado com ela, que está à sua direita. De onde ela vem tão de repente? Por que ela está ao Seu lado quando Ele chama a filha do rei? Onde a esposa estava antes disso? Ela parece um mistério, e isso pode ser uma indicação a respeito do mistério da Igreja. Lendo o Novo Testamento, reconhecemos que a noiva foi buscada e casou com Ele antes disso (pelo Arrebatamento, cf 1Ts 4.16-17; Ap 19.7). Por isso ela já estava junto dEle e agora retorna com Ele. A Igreja é a Noiva (esposa) do Senhor Jesus. O apóstolo Paulo, por exemplo, escreveu aos coríntios: “Porque zelo por vós com zelo de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, que é Cristo” (2 Co 11.2). E aos efésios ele dirige estas significativas palavras: “Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne. Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja” (Ef 5.31-32). Vamos comparar

AS BODAS DO NOIVO REAL

também Efésios 1.22 e 3.6, onde a Igreja é descrita como “corpo” de Cristo. O mesmo acontece num casamento, quando um homem e uma mulher se tornam “uma só carne”, um só corpo (Mc 10.78). No que diz respeito aos discípulos de Jesus antes do Pentecostes, eles incorporavam o verdadeiro Israel; por isso o Senhor os chamou de “convidados das bodas”, e não de Noiva (Mt 9.14-15). Em Romanos 7, Paulo fala sobre a lei do casamento e no versículo 4 escreve que nós – quando cremos no Filho de Deus – nos tornamos propriedade de Jesus. Em Apocalipse 22.17 ouvimos o Espírito e a noiva chamarem: “Vem!”. O Espírito de Deus testifica o Evangelho através da Igreja, e por meio dela chama as pessoas à salvação em Cristo. A esposa à direita do Noivo está adornada de ouro finíssimo de Ofir. À direita significa que ela está destinada a ser consorte e co-regente. Assim como Jesus está à direita de Deus (At 7.56), a Igreja estará à direita de Jesus. Este também é o sentido de Mateus 25.33: “...e porá as ovelhas à sua direita”. Ouro simboliza a glória de Deus. A Igreja será adornada com a glória de Jesus: “Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória” (Cl 3.4). Ofir era conhecido como o lugar de origem do ouro mais puro, apesar de hoje não ser possível determinar com certeza sua localização geográfica. Também pode ser uma indicação do mistério da salvação em Jesus e do mistério da sua Igreja, eleita antes da fundação do mundo. Agora vem o Noivo real para convidar a filha do rei para entrar, mas Sua esposa já está a seu lado. • A filha do Rei. Quando o Noivo real chama sua filha para junto de si, sua esposa já está a seu lado (Sl 45.9). Ele lhe diz: “Ouve, filha; vê, dá atenção; esquece o teu povo e a casa de teu pai. Então, o Rei cobiçará a tua formosura; pois ele é o teu senhor; inclina-te perante ele. A ti virá a filha de Tiro trazendo donativos; os mais ricos do povo te pedirão favores. Toda formosura é a filha do Rei no interior do palácio; a sua vestidura é recamada de ouro. Em roupagens bordadas conduzemna perante o Rei...” (vv.10-14). Parece que a filha do Rei é o remanescente salvo e santificado de Israel. O

Rei faz um apelo para que ouça, que preste atenção. Lembramos da passagem: “Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro!” (Mt 25.6). As palavras: “...esquece o teu povo e a casa de teu pai” (v.10), são um pedido para que a filha do Rei se separe definitivamente de seus compatriotas e parentes. Quando Jesus chama, não importam mais laços familiares, somente o chamado do Noivo. Lembremos dos filhos de Corá. E hoje? Quem ainda leva a sério o chamado de Jesus, um chamado que muitas vezes pode ser muito doloroso? As palavras: “...o Rei cobiçará a tua formosura; pois ele é o teu senhor, inclinate perante ele...” (v.11), são uma convocação para a santificação em vista da iminente aparição do Noivo real. Quando o Noivo chegar tudo será revelado e virá à tona, tanto no Arrebatamento da noiva, a Igreja, quanto no retorno visível de Jesus para Israel. O versículo 12 promete recompensa e honra à filha do Rei. Naquele dia as nações se voltarão para o povo de Israel e lhe trarão seus presentes. Então Israel se tornará a cabeça das nações (Dt 28.13). A filha do Rei entrará nos aposentos do Noivo real (v. 13-14). A frase: “...a sua vestidura é recamada de ouro...”, significa que ela também foi glorificada e santificada e que pode alegrar-se na glória do Senhor. Alguns intérpretes entendem que no final, quando Deus for tudo em todos (1 Co 15.28), o remanescente crente de Israel também será incorporado à noiva. • As virgens (ou filhas dos reis). “...as virgens, suas companheiras que a seguem, serão trazidas à tua presença. Serão dirigidas com alegria e regozijo; entrarão no palácio do Rei” (vv. 14-15). Somos imediatamente remetidos à parábola de Jesus sobre as dez virgens. As virgens do Salmo 45 parecem representar as virgens sábias que entram no palácio do rei, pois está escrito: “...chegou o noivo, e as que estavam apercebidas entraram com ele para as bodas; e fechou-se a porta” (Mt 25.10). Na minha opinião, não podemos, do ponto de vista dogmático, separar as virgens das filhas do rei, pois são apenas duas facetas distintas do mesmo grupo de pessoas. Essas virgens também são mencionadas no Salmo 68.25-26.

notÍcias de israel, JUnHo de 2009 | 9

O Salmo 45.16-17 fala profeticamente desse reinado: “Em vez de teus pais, serão teus filhos, os quais farás príncipes por toda a terra. O teu nome, eu o farei celebrado de geração a geração, e, assim, os povos te louvarão para todo o sempre”. Quando o Senhor Jesus Cristo voltar com Sua noiva celestial, que é a Igreja, para convidar Israel a entrar em Seu reino na terra, surgirá uma geração completamente nova. “Em vez de teus pais, serão teus filhos...” Desde 1948 já temos uma nova geração em Israel. A velha geração sucumbiu no ano 70 d.C. Mas nem todo judeu ou israelita participará automaticamente do reinado do Noivo real; somente aqueles que aceitaram Seu chamado, o que também fica evidente na parábola das dez virgens. Essa nova geração participará do reinado no Milênio, o Reino de Mil Anos, e sairá para anunciar o nome do Senhor a todas as nações, e os povos louvarão ao Senhor Jesus Cristo, o Noivo real, para sempre e eternamente.

O REINADO DO NOIVO REAL

No livro de Cantares encontramos um símbolo muito significativo no casa-

PENSAMENTOS FINAIS

mento de Salomão, que é uma indicação profética para Jesus Cristo: “O rei Salomão fez para si um palanquim de madeira do Líbano. Fez-lhe as colunas de prata, a espalda de ouro, o assento de púrpura, e tudo interiormente ornado com amor pelas filhas de Jerusalém. Saí, ó filhas de Sião, e contemplai ao rei Salomão com a coroa com que sua mãe o coroou no dia do seu desposório, no dia do júbilo do seu coração” (Ct 3.9-11). • O palanquim de madeira representa o sacrifício de Jesus na cruz (madeiro), quando Ele tomou tudo sobre Si. • As colunas de prata indicam a solidez, a segurança e a garantia da salvação. • A espalda de ouro mostra que na glória do Senhor encontramos descanso; nessa espalda é possível relaxar. • O assento de púrpura lembra a base do perdão no sangue de Jesus. • O interior amorosamente decorado: a plenitude do amor, que é eterno, abrange tudo, “porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado (aos crentes em Jesus Cristo)” (Rm 5.5). O amor de Deus, o amor em Jesus Cristo, quer preencher nosso interior. Fomos levados a Ele (Cl 1.13) e por Ele vivemos (1 Jo 4.9; Hb 1.3).

Somos chamados a sair e a permitir que sejamos carregados no palanquim da eternidade. Só assim veremos o Senhor Jesus Cristo em toda a Sua nobreza, beleza e glória. Isso também corresponde à Sua vontade soberana: “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo” (Jo 17.24). Somos chamados a participar do dia do júbilo do Seu coração! No Salmo 45.10-11 lemos: “Ouve, filha; vê, dá atenção; esquece o teu povo e a casa de teu pai. Então, o Rei cobiçará a tua formosura; pois ele é o teu senhor; inclina-te perante ele”. você está disposto a vestir-se e andar de forma que possa adorá-lO se Ele o chamar repentinamente para Si? Se quiser saber mais sobre a Igreja de Jesus e Israel, como também sobre a parábola das dez virgens, recomendo o livro O Sermão Profético de Jesus. Faça seu pedido pelo telefone 0300 789.5152 ou pelo site www.chamada.com.br.

Nota: 1.No ensaio “One Solitary Life”; Factum 9/2004.

S Om OS c HAmA dOS A SAi R e A PeR miti R q Ue Se JAm OS cARR egAd OS NO PAlAN q U i m dA et eRN i dAd e. Só ASS im ve RemOS O SeN H O R JeSU S cR i StO em tOdA A SUA N O bRez A, belez A e g ló Ri A.

10 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

tHOmAS ice

ARTIGO 02

Por Que Sacrifícios Literais
Durante o Milênio?

Uma das mais freqüentes objeções à interpretação consistentemente literal da profecia bíblica diz respeito à visão que o profeta Ezequiel teve do templo (Ezequiel 40-48). Os que contestam essa perspectiva de interpretação argumentam: se o templo, descrito na referida profecia, for um templo literal a ser edificado no futuro, isso exigiria um retorno ao sistema sacrificial que Cristo tornou obsoleto, visto que o profeta faz alusão à “expiação” (do hebraico kiper) em passagens como Ezequiel 43.13,27; 45.15,17,20. Na verdade, esses críticos interpretam a idéia de um futuro templo como uma contradição blasfema à obra consumada de Cristo, segundo consta no capítulo 10 da Epístola aos Hebreus. Hank Hanegraaff chega a declarar que “Thomas Ice piorou a situação quando afirmou que sem sacrifícios de animais durante o Milênio a santidade de Yahweh [i.e., Javé] seria profanada. Isso obviamente é uma blasfêmia”. Ele acrescenta que tal ponto de vista

representa um retrocesso “aos sacrifícios da Antiga Aliança”.[1] John Schmitt e Carl Laney levantam a seguinte questão: Seria uma heresia acreditar que um templo e sacrifícios voltarão a existir? O próprio Ezequiel acreditava na realidade desse templo e que o Messias faria dele o Seu futuro lar. Portanto, a crença de que no futuro ainda haverá um templo e sacrifícios não é uma heresia; ao contrário, não acreditar nisso é que chega a ser uma heresia, principalmente porque tal predição é parte integrante da infalível Palavra de Deus. O que nos cabe não é questionar a realidade de um futuro templo e de sacrifícios, mas saber o modo pelo qual isso se harmoniza no plano de Deus.[2] Pelo menos quatro outros profetas se unem a Ezequiel para afirmar que haverá um sistema sacrificial no templo do Milênio (Is 56.7; Is 66.20-23; Jr 33.18; zc 14.1621; Ml 3.3-4), o que apóia a interpretação

literal e, por conseguinte, futurista da predição de Ezequiel.

SACRIFíCIOS DA NOVA ALIANçA
Não cremos que o restabelecimento de sacrifícios em uma futura dispensação seria uma volta ao sistema mosaico da Antiga Aliança. A Lei Mosaica cumpriu-se de uma vez para sempre por meio de Jesus Cristo e foi descontinuada (Rm 6.14-15; Rm 7.1-6; 1 Co 9.20-21; 2 Co 3.7-11; Gl 4.17; 5.18; Ef 2-3; Hb 7.12; Hb 8.6-7,13; Hb 10.1-14). O Milênio será um período em que a Nova Aliança se constituirá no código governamental em vigor (Dt 29.4; 30.6; Is 59.20-21; Is 61.8-9; Jr 31.31-40; Jr 32.3740; Jr 50.4-5; Ez 11.19-20; Ez 16.60-63; Ez 34.25-26; Ez 36.24-32; Ez 37.21-28; zc 9.11; zc 12.10-14). Portanto, não será um tempo de retorno ao que é antigo, mas de avanço

notÍcias de israel, JUnHo de 2009 | 11

para o que é novo, “pois, quando se muda o sacerdócio, necessariamente há também mudança de lei” (Hb 7.12). A nova constituição do Milênio conterá uma mescla de leis tipicamente mosaicas com leis totalmente novas, que não se encontram nos 613 preceitos da Lei Mosaica, as quais estarão em vigor na Nova Aliança. Em vez da presença da glória Shekinah junto à arca da aliança, Jesus, o próprio Messias, estará fisicamente presente; em lugar dos outros levitas, uma nova ordem sacerdotal dos filhos de zadoque (Ez 40.46; Ez 43.19; Ez 48.11); um novo templo com medidas muito maiores do que as medidas do templo de Salomão (Ez 40.48-41.26). Randall Price comenta: A seção anterior referente ao altar do holocausto (Ez 43.13-27) apresentou o restabelecimento do serviço sacrificial, assunto esse que continua nos capítulos seguintes (44-46) com a regulamentação acerca dos sacerdotes levitas e de vários sacrifícios que deviam ser oferecidos pela expiação da culpa de Israel. Embora instruções detalhadas sobre a instituição do sistema sacrificial apareçam, pela primeira vez, nesses capítulos, referências à prática sacrificial freqüentemente são feitas desde o início da profecia (Ez 40.38-43,46-47; Ez 41.22; Ez 42.13-14). Além disso, tais referências não são casuais, mas fazem parte da essência de toda a descrição da visão de Ezequiel nos capítulos 40-48. Por exemplo, há pelo menos uma menção do sistema sacrificial em quase todos esses capítulos, com exceção do capítulo 47. Tais referências mencionam o seguinte: “...Festas da Lua Nova e nos sábados, em todas as festas fixas...” (Ez 44.24; Ez 45.17; Ez 46.3,11-12); “...em holocausto ao Senhor, cada dia...” (Ez 46.13-14); “...a oferta pelo pecado, e a oferta de manjares, e o holocausto, e os sacrifícios pacíficos...” (Ez 45.17; Ez 46.2,4,11-15); “Tomarás do seu sangue [...] assim, farás a purificação e a expiação” (Ez 43.20); “...altar [...] para oferecerem sobre ele holocausto” (Ez 40.47; Ez 43.13-27); “O altar de madeira...” (Ez 41.22) para a oferta do incenso; “havia lugares para cozer [...] o sacrifício do povo” (Ez 46.23-24); “... os sacerdotes levitas, os filhos de Zadoque, que cumpriram as prescrições do meu santuário [...] estarão diante de mim, para me oferecerem a gordura e o sangue...” (Ez 40.46; Ez 42.13-14; Ez 43.19; Ez 44.15-16; Ez 48.11); “Os levitas, porém, que se apartaram para longe de mim, quando Israel andava errado,

[...] servirão no meu santuário como guardas nas portas do templo e ministros dele; eles imolarão o holocausto...” (Ez 44.10-11). Além disso, as ofertas são designadas como “oferta pelo pecado” (Ez 43.22,25; Ez 44.24,29) e têm por finalidade fazer “a expiação” (Ez 43.20; Ez 45.25). Em virtude de os sacrifícios e as pessoas deles encarregadas estarem tão evidentes em todos esses capítulos, não se pode evitar a consideração de tais sacrifícios.[3]

POR QUE UM TEMPLO E SACRIFíCIOS?
Do começo ao fim das Escrituras, o propósito de um templo sempre foi o de estabelecer um local para a presença de Deus na Terra (esta que se encontra sob a maldição do pecado), lugar esse cujo cerimonial de culto revelasse a extraordinária santidade de Deus. O plano de Deus para Israel envolve um relacionamento com os judeus através da utilização de um templo, visto que Ele, o Senhor, deseja habitar no meio de Seu povo. Na era atual, a Igreja é o templo espiritual de Deus, um santuário constituído de pedras vivas (1 Co 3.16-17; Ef 2.19-22). O Milênio levará a história a voltar no tempo, para que Israel seja o povo designado por Deus como mediador, porém, será um período em que o pecado ainda se fará presente na Terra. Por isso, nessa época por vir, Deus há de estabelecer um novo templo, um novo sacerdócio, uma nova Lei, entre outras instituições, porque Ele estará presente em Israel e continuará a ensinar que santidade é uma condição obrigatória para todo aquele que dEle se aproxima. Isso contrasta com o fato de que na eternidade não haverá nenhum templo (Ap 21.22), porque Deus e o Cordeiro são o Templo; uma vez que no céu não existirá pecado, também não haverá necessidade de um cerimonial de purificação. O detalhamento meticuloso observado nos capítulos 40-48 do livro de Ezequiel assemelha-se à instrução dada por Deus a Moisés para a construção do tabernáculo e, posteriormente, a outros para a construção do templo de Salomão. Tal detalhamento não faria o menor sentido se não fosse interpretado literalmente como aconteceu no caso do tabernáculo e dos dois primeiros templos. Se

12 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

SOme Nte O SAcRifíci O de Je SUS cRiStO, Re A l izA dO NA cRUz dO cA lváR iO, Rem Ove e f e tivA m e Nte O Pe cA dO.

as instruções pormenorizadas tinham o propósito de ser simbólicas, os símbolos a que se referem nunca foram explicados, de modo diferente do que geralmente ocorre no caso da autêntica simbologia bíblica. Pelo fato de não haver nenhuma base textual para uma interpretação não-literal, aqueles que adotam esse tipo de interpretação simbólica se tornam subjetivos em seus muitos e diversificados “chutes” quanto ao significado dessa passagem bíblica. Também é preciso lembrar a declaração bíblica de que os sacrifícios levíticos do sistema mosaico eram para fazer “expiação” (por exemplo, Levítico 4.20,26,31, 35, etc.). Se esses sacrifícios do passado realmente tivessem expiado a culpa dos pecados das pessoas (o que obviamente não aconteceu), da mesma forma seriam uma ofensa à luz do perfeito sacrifício de Cristo. Em Hebreus 10.4 está escrito: “Porque é impossível que o sangue de touros e de bodes remova pecados”. Além do mais, se aqueles sacrifícios do passado tivessem cumprido a finalidade de fazer a expiação e remover pecados, não haveria necessidade do sacrifício expiatório definitivo de Jesus Cristo. Nesse caso, qual seria a finalidade dos sacrifícios, tanto os do passado quanto os do futuro, já que eles, de fato,

não removem o pecado? Esses sacrifícios efetuam a purificação cerimonial dos sacerdotes, do santuário e de seus utensílios. Somente o sacrifício de Jesus Cristo, realizado na cruz do Calvário, remove efetivamente o pecado. Jerry Hullinger apresenta esta solução que “lida honestamente com o texto de Ezequiel e de modo nenhum desmerece a obra de Cristo efetuada na cruz”: O presente estudo sugere que os sacrifícios de animais oferecidos durante o Milênio servirão fundamentalmente para remover a impureza cerimonial e evitar que qualquer contaminação profane o templo previsto por Ezequiel. Isso se fará necessário porque a gloriosa presença de Yahweh habitará outra vez na Terra no meio de um povo pecaminoso e impuro. Em virtude da promessa feita por Deus de habitar na Terra durante o Milênio (conforme consta nos termos da Nova Aliança), é necessário que Ele proteja Sua presença através de sacrifícios [...] Além do mais, deve-se acrescentar que tal sistema sacrificial ainda será temporário, pelo fato de que o Milênio (com parte de sua população composta de seres humanos em seus corpos naturais nãoglorificados) durará somente mil anos.[4] Os que levantam objeções aos futuros sacrifícios do Milênio parecem assumir

que todos os sacrifícios, tanto passados quanto futuros, sempre representam o sacrifício perfeito e definitivo de Cristo pelo pecado. Essa, entretanto, não é a verdade sobre os sacrifícios! Na Bíblia há vários propósitos para o sacrifício. Sob a Lei Mosaica, muitos sacrifícios eram cerimoniais de purificação. Essa é a razão pela qual se pode afirmar que a expiação fora eficaz no passado, contudo ainda requeria o futuro sacrifício de Cristo, porque muitos sacrifícios, na realidade, proporcionaram expiação cerimonial, purificando os participantes e objetos do ritual do templo. No texto de Ezequiel 43.20 e 26, a expiação destina-se especificamente à purificação do altar, a fim de torná-lo ritualmente limpo. Os outros usos da expiação também se referem à purificação de objetos e utensílios para que se preserve a pureza cerimonial na correta adoração (Ez 45.15,17,20).

Muitos dos que adotam uma interpretação literal desses sacrifícios do Milênio também acreditam que eles servirão como um memorial da obra expiatória de Cristo efetuada de uma vez para sempre. Entretanto, os críticos de tal in-

UM MEMORIAL

notÍcias de israel, JUnHo de 2009 | 13

NO m il ê NiO, de US H á de e StA be l e ce R Um NOvO te mP l O, Um NOvO SAce RdóciO, UmA NOvA l e i, e NtRe OUt R A S iNStitUiçõe S, PORqUe e l e e StAR á PReS eNte em iSRA e l e cONtiNUA Rá A e NSiNA R q Ue SA NtidA de é Um A cONd i çã O ObRigAtóRiA PA RA tOdO A qUe l e qUe de l e Se A PROx i mA .

recomendamos

livros

confira confira
14 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

terpretação crêem ser essa uma conclusão incoerente, que não procede. A base de defesa do aspecto memorial futuro pode advir do fato de que nossa atual compreensão da Ceia do Senhor incorpora esse aspecto memorial (1 Co 11.2326). Sob a Lei Mosaica – cuja perspectiva contemplava o futuro – há vários casos de sacrifícios no templo que são especificamente denominados “memoriais” (Êx 30.16; Lv 2.2,9; Lv 5.12; Lv 6.15; Lv 24.7; Nm 5.15,18,26). Tal terminologia pode, de fato, ser a base de nosso entendimento, nesta atual era da Igreja, acerca da recordação da morte do Senhor, conforme adotada pelo apóstolo Paulo. O aspecto memorial mosaico oferece nítido suporte para essa interpretação dos futuros sacrifícios no templo, a saber, a de que crentes do Milênio rememorarão a provisão sacrificial de Cristo.

CONCLUSãO
A realidade e o propósito dos sacrifícios do Milênio não depreciam a obra consumada de Cristo nem violam a interpretação literal desses textos proféticos. Não há nada em Ezequiel 40-48 que entre em conflito com a morte de Jesus Cristo ou com o ensino do Novo Testamento. As supostas contradições entre uma compreensão literal da profecia de Ezequiel e a doutrina do Novo Testamento acabam por se dissipar quando meticulosamente examinadas e harmonizadas. A despeito da ocorrência de futuros sacrifícios no Milênio, o foco central de toda a adoração continuará na pessoa e na obra do Salvador. O templo do Milênio e seu cerimonial de culto servirão diariamente como uma lembrança da necessidade do ser humano corrupto diante de um Deus santo; também servirão de lição sobre o modo pelo qual esse mesmo

Deus atua amorosamente para remover o obstáculo do pecado humano em favor daqueles que nEle confiam. Maranata! (PreTrib Perspectives)
Thomas Ice é diretor-executivo do Pre-Trib Research Center em Lynchburg, VA (EUA). Ele é autor de muitos livros e um dos editores da Bíblia de Estudo Profética.

Notas: 1. Hank Hanegraaff, The Apocalypse Code, Nashville: Thomas Nelson, 2007, p. 268-9. 2. John Schmitt e Carl Laney, Messiah’s Coming Temple: Ezekiel’s Prophetic Vision of the Future Temple, Grand Rapids: Kregel Publications, 1997, p. 181. 3. Randall Price, Unpublished Notes on the Prophecies of Ezekiel, 2007, p. 70-71. 4. Jerry Hullinger, “The Problem of Animal Sacrifices in Ezekiel 40 48”, publicado na Bibliotheca Sacra, edição de julho setembro de 1995, vol. 152, nº 607, p. 281-89.

pedidos:  0300 789.5152 | www.chamada.com.br

HorizonteHorizonte
HORIzONTe
HORizONte

Prontos para durban iii
Eu havia sido avisado, antes da “Conferência de Revisão de Durban” em Genebra, que os judeus não deveriam caminhar pelos arredores das Nações Unidas (ONU) sozinhos, mas em duplas, para sua própria segurança. Esse foi um conselho que ignorei, e estou grato porque saí de Durban II sem arranhões. O mesmo não pode ser dito sobre a reputação do Conselho dos Direitos Humanos da ONU. Chegamos a Genebra com certo temor. Esperávamos as cenas horríveis que havíamos testemunhado na Conferência Durban I, em 2001, quando manifestações anti-semitas ferozes do lado de fora da conferência espelhavam a bílis derramada sobre Israel no interior da ONU. Mesmo assim, estávamos determinados. Desta vez, prometemos solenemente, não seríamos pegos de surpresa, e não subestimaríamos as tentativas odiosas de apresentar Israel como bode expiatório, por parte de alguns dos piores abusadores dos direitos humanos. Os países que compõem o Conselho dos Direitos Humanos da ONU demonstraram mais uma vez que preferem vociferar contra Israel ao invés de abordar os reais abusos que estão ocorrendo em seus próprios quintais. Na Conferência Durban II, voltamos a luz para essas nações e o clarão foi testemunhado pelo mundo inteiro. Em Genebra, ativistas dos direitos humanos, estudantes e aqueles cujas reivindicações estavam sendo ignoradas, inclusive refugiados de Darfur, levantaram-se e disseram: Chega! Antes da abertura da conferência, o presidente da Suíça encontrou-se com Mahmoud Ahmadinejad, o presidente do Irã, mencionando a liberdade de expressão como justificativa. Isso fez com que Alan Dershowitz, o conhecido defensor das liberdades civis, comentasse: “Se Hitler ainda fosse chance-

R e PRe Se NtA Nte S dOS PA íSe S e UROPe US SA e m dO Pl e NáR i O e m PR Ote StO cONtRA O PRONUNciA m e NtO dO PRe Side Nte iRA N i A N O m A Hm OUd A Hm A diNe J A d NA dURbA N i i .

notÍcias de israel, JUnHo de 2009 | 15

ler da Alemanha, ele seria bem-vindo à Suíça”. Tendo isso como pano de fundo, encenamos nossa própria abertura de Durban II: um protesto silencioso, liderado por estudantes. Eles caminharam em direção ao Palais Des Nations [Palácio das Nações] com esparadrapo sobre suas bocas para refletir o silêncio da ONU com relação a questões como a violenta opressão das mulheres, o genocídio em Darfur, que reclama uma vida a cada oito minutos, a opressão dos estudantes, minorias e gays no Irã – e tudo por causa do enfoque obsessivo sobre Israel. Essa foi uma conferência sobre direitos humanos aberta por um ditador genocida [Ahmadinejad]. Uma reunião sobre racismo na qual Elie Wiesel, o [conhecido autor] sobrevivente do Holocausto, foi agredido por membros da delegação

iraniana nos corredores da ONU como sendo um “ZioNazi”. O comentário de um jornalista que conheci e que estava cobrindo Durban II foi: “Não seria possível inventar uma coisa dessas”. Durban II – uma conferência para revisão – jamais conseguiria remover as manchas de Durban I. O processo de Durban foi um desvio de atenção em massa. Mudar de assunto é o passatempo favorito de muitos dos países que dirigem o Conselho dos Direitos Humanos, que traem os nobres objetivos sobre os quais o Conselho foi fundado. Seus membros ofuscam a pauta das reuniões para evitarem responder a perguntas sobre eles mesmos. Eles engrenam a retórica contra Israel quando, na realidade, o Estado judeu, uma democracia livre, aberta e liberal, tem um histórico de direitos humanos do qual pode se orgulhar.

Os esforços dos ativistas anti-Durban e a retirada em massa dos diplomatas, em virtude do violento discurso racista de Ahmadinejad, marcaram o evento como um divisor de águas. A lição de Durban II é a seguinte: as palavras “Nunca Mais!” têm significado para nós. Há muitas nações que merecem sanções – Israel não é uma delas. Não permaneceremos inertes enquanto atrocidades são cometidas por regimes hipócritas e despóticos, e Israel é selecionado para levar a culpa. Que os países que seqüestraram a luta contra o racismo fiquem avisados: estamos prontos para Durban III (Michael Dickson, The Jerusalem Post).
O autor é o diretor de StandWithUs em Israel. Essa organização promove educação sobre Israel através de bolsas de estudo, programas com seminários e palestras, conferências, materiais escritos e recursos de internet – seu site é www.StandWithUs.com.

HORizONte

Vendido em favor de israel: o “perigo” do sionismo cristão
O “sionismo cristão” é um movimento perigoso que distorce os ensinamentos da Igreja, fomenta o medo e o ódio contra muçulmanos e contra cristãos não-ocidentais, e traz conseqüências negativas para a paz no Oriente Médio.

É o que está escrito nas primeiras linhas de um boletim de notícias do Conselho Nacional de Igrejas (CNI) dos EUA. Essa federação liberal de denominações históricas, que diz representar em torno de 35 igrejas, é tão engajada que sua Comissão de Relações Inter-Religiosas publicou um panfleto intitulado “Porque Deveríamos Nos Preocupar Com o Sionismo Cristão”.

Definido de maneira mais estrita, o sionismo cristão é uma ideologia embasada em crenças que consideram o Estado de Israel como sendo ordenado por Deus e determinado pelas Escrituras, com o papel central de prenunciar o final da história, em que os judeus não-convertidos e os

O panfleto pretende definir o sionismo cristão tanto de maneira ampla quanto de maneira estrita. O quadro mais amplo diz: os sionistas cristãos reconhecem e, portanto, defendem o reavivamento nacional do povo judeu e o moderno Estado de Israel como um fator legítimo no plano divino. O texto continua:

incrédulos (incluindo aqueles cristãos considerados como tendo um status questionável) serão julgados pela ira divina. É a forma mais estrita que causa preocupação. – É um movimento com conseqüências negativas para a paz no Oriente Médio. – Fomenta o medo e o ódio contra os muçulmanos e os cristãos não-ocidentais. – Ele pode levar à desumanização de israelenses e palestinos. – Não é baseado em ensinos ou doutrinas tradicionais da igreja. – Cristãos evangélicos [tradicionais] estão preocupados.

Cinco alertas são apresentados:

16 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

Em suma, os cristãos evangélicos que defendem a existência do moderno Estado de Israel como sendo biblicamente documentado, internacionalmente legal, e moralmente justificado são, de acordo com o CNI, os verdadeiros causadores de problemas no mundo da religião e, mais especificamente, em Israel e no Oriente Médio. Poucas acusações daqueles que afirmam ser os campeões entre os que buscam a paz e a tranqüilidade poderiam ser mais caluniadoras e perversas. E, além de outras incorreções grosseiras no panfleto, há a que segue: os sionistas cristãos “tratam os israelenses e os palestinos não como vizinhos a serem amados, mas como garantias da vingança e retribuição divinas em um drama cósmico. A conclusão desse drama envolve a morte de todos os não-cristãos, inclusive dos judeus, através de uma batalha apocalíptica ou de juízos divinos”. Nenhum verdadeiro sionista cristão pode ser justamente acusado da “desumanização de israelenses e palestinos”. Até a sugestão de tal acusação é absurda. Infelizmente, os parágrafos esclarecedores do panfleto revelam as entranhas de uma agenda baseada mais em intolerância reacionária do que em pesquisas acadêmicas e em observações genuínas. Esse é nada mais nada menos que um exemplo de uma organização que tem consistentemente apoiado, defendido e fomentado os elementos mais radicais da sociedade, enquanto alveja aqueles de quem discorda. Não importam as suas juras de um envolvimento inclusivo e amoroso de todas as pessoas de fé, classe ou diversidade. Mark D. Tooley, diretor da Comissão Metodista Unida do Instituto de Religião e Democracia (dos EUA), colocou o dedo na ferida. Em um artigo intitulado “Sionistas Cristãos: Os Verdadeiros Terroristas”, publicado em dezembro na FrontPageMagazine.com, ele escreveu:

O que, de fato, frustra o CNI é que o sentimento pró-Israel nos Estados Unidos – que inclui, mas está longe de ser restrito aos evangélicos – impediu os EUA de forçarem Israel a se render e a aceitar um acordo desastroso. Uma pesquisa de opinião de 2003 mostrou que os evangélicos brancos dos EUA favoreciam Israel em relação aos palestinos em 54 a 6 por cento, comparados com o apoio americano em geral, que se inclina para Israel com um vigoroso 41 a 13 por cento. Protestantes de igrejas históricas e católicos favoreceram a Israel por uma margem de 2 a 1. Mais que 60 por cento dos evangélicos pensavam que Israel teria uma influência na Segunda Vinda, juntamente com 21 por cento das igrejas protestantes históricas e um quarto dos católicos romanos. Que os americanos como um todo... pendem mais para Israel do que para a causa palestina é devido não apenas ao papel de Israel na Bíblia, mas à história moderna. O Israel democrático é visto como um reajuntamento miraculoso de um povo da Antigüidade em um Estado nacional bem-sucedido. Facções terroristas geralmente parecem mais entusiasmadas em destruir seus vizinhos judeus do que em criar uma nação própria.

E com relação à afirmação de que os sionistas cristãos ignoram ou minimizam o sofrimento dos cristãos palestinos, dos crentes no Iraque e no Irã, e de muçulmanos que vivem sob o domínio de radicais islâmicos como os do Hamas, do Hezb’allah (Partido de Alá), além dos monstruosos assassinos islamitas sudaneses: repare em quem está orando, auxiliando, resgatando e defendendo esses povos oprimidos. Você verificará que a grande maioria que faz isso é de sionistas cristãos que entendem o que está acontecendo, e de outros crentes, muitos das igrejas históricas, cujas convicções compassivas estão em desacordo com os preconceitos de seus líderes. (Elwood McQuaid, The Jerusalem Post)

de Ac ORdO c Om O cN i , O S veRdA dei ROS cAUSA dO Re S d e PROblem AS NO m UNd O dA Re l igiã O Sã O OS cRiStã OS evANgélic OS qUe defe N d e m A exiStê NciA dO m O d eR N O eS tAdO de iSRA el c Om O Se N d O bibl icA m e Nte dOcUm e N tA dO, iNte RNAci ONAlme Nte le g A l , e m ORA l m e Nte J UStifi cA dO.

Elwood McQuaid é editor-executivo de The Friends of Israel.

notÍcias de israel, JUnHo de 2009 | 17

HORizONte

sionistas de Jesus
Como a maioria dos sionistas religiosos, Aryeh Bar-David vê a mão de Deus no estabelecimento do Estado de Israel e nas repetidas vitórias do povo judeu contra seus inimigos. Yom Há’atzmaut (o Dia da Independência) tem significado religioso como um sinal tangível de que Deus está cumprindo Suas promessas bíblicas para o povo judeu. “A intervenção de Deus no curso da história é tão clara que, para mim, é um absurdo que o povo pense que somos apenas um país democrático secular”, disse Bar-David, que se encontrou comigo no Yom Hazikaron (Dia da Recordação dos Tombados) do lado de fora da Porta de Damasco, na Cidade Velha [de Jerusalém]. “Esta”, disse Bar-David, gesticulando em direção ao muro externo da Cidade Velha, “é a manifestação das profecias de Deus, como estão escritas em Ezequiel, Jeremias e em outros lugares na Bíblia”, referindo-se à vitória da Guerra dos Seis Dias, que deu a Israel o controle sobre o lado leste de Jerusalém, inclusive sobre a Cidade Velha. De modo semelhante a muitos sionistas religiosos, Bar-David, um veterano de quatro guerras, também está convencido de que sua fé religiosa o ajudou a enfrentar as situações de vida ou morte pelas quais passou quando estava em combate. Sob a direção de Ariel Sharon, ele participou de algumas das batalhas mais sangrentas pelo controle do Canal de Suez durante a Guerra do Yom Kippur. Como sargento de um pelotão, Bar-David foi forçado a assumir o controle quando o comandante do pelotão foi morto em uma emboscada. “Não importa quão perigosas as situações fossem ficando, nunca tive medo de nada. De certa forma, eu sentia vontade de es-

c eRcA de 2 m il J Ude US m e SSiâ NicOS e cRiStã OS e vA Ngé l ic OS de tOdA A e UROPA Se e NcONtRA RA m e m ge Ne bRA PA RA fA ze R e m Um A m A Nif e StA çã O cONtRA A [cONf e Rê NciA ] dURbA N i i .
tar no céu, mais perto de Deus. Portanto, nunca fiquei com medo diante da possibilidade de morrer”. Mas, diferentemente da maioria dos sionistas religiosos judeus – que vêem o estabelecimento do Estado como um precursor do Messias ainda a ser revelado – Bar-David possui uma escatologia radicalmente diferente. Isso acontece porque Bar-David é um judeu messiânico. “Estão chegando os dias em que o povo judeu será forçado a perceber que Yeshua é a única solução para todos os nossos problemas”, disse Bar-David, usando o nome hebraico para Jesus. Bar-David, 62, é um judeu messiânico da segunda geração. Seu pai, um judeu búlgaro, “abraçou a fé” enquanto estava estudando na Suíça e mudou-se para Israel antes do Holocausto. Bar-David é um dos 10 mil judeus messiânicos que vivem em Israel e crêem que Jesus é o Messias e o Filho de Deus, e que aceitá-lO como tal é uma precondição para a redenção espiritual. Eles se denominam judeus porque a maioria nasceu de pai judeu ou mãe judia. Mesmo assim, a crença de que Jesus é o Messias que já se revelou uma vez e que virá pela segunda vez, normalmente leva à exclusão total de uma pessoa da comunidade judaica. Na verdade, é difícil imaginar algo que seja menos judaico do que isso. Historicamente, uma das peças centrais da fé judaica era sua rejeição categórica ao Cristianismo. Ao longo dos tempos, desde o advento do Cris-

18 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

tianismo, milhares de judeus preferiram ser martirizados a aceitar Jesus. Mas Bar-David e outros membros da comunidade messiânica se vêem não apenas como judeus, mas também como sionistas ardorosos e israelenses patrióticos. Eles rejeitam a Teologia da Substituição cristã que vê, por exemplo, a Igreja Católica como o novo povo escolhido. Para a comunidade messiânica, o povo judeu ainda é o povo escolhido por Deus, mesmo tendo rejeitado Jesus. O estabelecimento de Israel é uma manifestação tangível das profecias contidas na Bíblia. A reunião dos exilados e o retorno do povo judeu para a terra de Israel são parte do plano-mestre de Deus para a redenção final. Lutar nas Forças de Defesa de Israel (FDI) contra os inimigos do país é a mesma coisa que tomar parte no cumprimento das profecias bíblicas. Estar do lado de Israel significa estar do lado de Deus. Esse sionismo “baseado na fé” foi o que motivou cerca de 2 mil judeus messiânicos e cristãos evangélicos de toda a Europa, inclusive da Finlândia, Noruega, Suíça, França, Alemanha, Itália e Chipre, a se encontrarem em Genebra na semana passada para fazerem uma manifestação contra a [Conferência] Durban II. “Eu diria que fomos provavelmente o maior contingente pró-Israel em Genebra”, disse Caley Myers, um advogado radicado em Jerusalém que chefia o Instituto de Justiça de Jerusalém, um grupo de advocacia legal em favor de direitos religiosos, que representa a maior parte dos cristãos evangélicos e dos judeus messiânicos. Myers, que trabalha na firma de Direito estabelecida por Gideon Hausner, o advogado-geral que processou Adolf Eichmann, fez um discurso em Genebra, no qual defendeu fortemente o sionismo e chamou o Irã, a China, a Líbia e outros países que participaram da Durban II, de membros do “Quarto Reich”. Mas a variedade de sionismo religioso dos judeus messiânicos não é sempre bem-quista. Num ataque aos judeus messiânicos que foi, provavelmente, o mais violento que já aconteceu, Ami Ortiz, 15 anos, um cidadão

americano-israelense, filho de um pastor judeu-messiânico, ficou seriamente ferido quando uma bomba explodiu em sua casa, na cidade de Ariel, no dia do Purim, em 20 de março de 2008. A bomba estava camuflada em uma caixa de presente colocada na soleira da porta. Esse não foi um incidente isolado. O Relatório Anual do Departamento de Estado dos EUA Sobre Liberdade Religiosa Internacional, publicado em setembro de 2008, apontou uma sensível escalada na violência contra os judeus messiânicos. Alguns dos incidentes mencionados [no relatório] incluíram a queima pública do Novo Testamento em Or Yehuda em maio de 2008 e a explosão de uma bomba na Igreja Batista em Rehov Narkiss em Jerusalém, lugar de encontro de uma congregação de judeus messiânicos de fala russa. Membros da comunidade messiânica também são observados pelo Ministério do Interior. Por exemplo, um casal de cristãos chineses, que veio para uma peregrinação, foi recentemente detido no Aeroporto BenGurion depois que deram aos funcionários de controle de bordo o nome de um judeu messiânico como a pessoa de contato em Israel. Foram liberados apenas depois que assinaram um termo afirmando que não fariam proselitismo durante sua visita. Como resultado disso, homens como Daniel Yahav, filho de sobreviventes do Holocausto e que “abraçou a fé” ainda quando jovem e agora serve como pastor em uma congregação messiânica em Tiberíades, são cautelosos quanto à exposição na mídia, que poderia atrair atenção indesejada. Yahav preferiu não divulgar o nome nem o número de membros de sua congregação. Yahav disse que a animosidade aberta que alguns israelenses evidenciam contra os judeus messiânicos não diminui seu fervor nem o de outros sionistas. “Estamos dispostos a defender nossa fé, mesmo que a maior parte dos israelenses a rejeite, e isso mostra nossa sinceridade e confiança”, disse Yahav, que afirmou

qUe im A Públ icA dO N OvO te StA m e NtO e m OR YeHUdA e m m A iO de 2008.
ser o primeiro judeu messiânico a se tornar oficial depois que as FDI mudaram suas políticas de exclusão nos anos 1980. Será que os judeus messiânicos querem sofrer pela fé como uma maneira de imitar Jesus? “Ninguém quer sofrer”, disse Yahav. “Queremos viver uma vida confortável como qualquer outra pessoa. Mesmo assim, quando vem o sofrimento, ele é um mérito e haverá recompensa nos céus por causa dele”. Um fenômeno interessante que surge vez após vez nas conversações com os judeus messiânicos é seu forte compromisso com o serviço militar como parte de sua lealdade ao Estado. Yahav disse que há dois pilotos da Força Aérea de Israel que são membros de sua congregação, e vá-

notÍcias de israel, JUnHo de 2009 | 19

H á At UA l me N t e e N t Re 200 e 300 JU d eU S meSS iâ NicOS S e Rvi N d O N A S f d i.

DvD

recomendamos

pedidos:  0300 789.5152 | www.chamada.com.br

20 | notÍcias de israel, JUnHo de 2009

livros

confira confira

rios outros que pertencem às unidades de combate de elite. A situação é semelhante no moshav Yad Hashmona (localizado a oeste de Jerusalém), um pequeno povoado cooperativo de cerca de 20 famílias, a maior parte de judeus messiânicos, de acordo com Ayelet Ronen, seu secretário. Como os sionistas religiosos ortodoxos, que vêem o serviço militar como um mitzva (boa ação), os judeus messiânicos também o vêem em termos religiosos. Na verdade, vários judeus messiânicos afirmaram que respeitavam os sionistas religiosos por seu serviço altruísta ao Estado, e sentiam que tinham muitas coisas em comum com eles – exceto, logicamente, pela fé em Jesus. A dedicação dos judeus messiânicos ao serviço militar está baseada na sua convicção de que devem ser bons cidadãos e orar pelo sucesso do

Estado, não importando onde vivem. Mas isso também tem a ver com um tipo de sionismo religioso. “Parte do sucesso da comunidade messiânica no serviço militar se deve à disciplina”, disse Ronen. “Colocamos grande ênfase no comportamento e na conduta. Por exemplo, o sexo antes do casamento não é aceito, e esperamos que os jovens ajam de maneira responsável. Esses valores parecem ajudá-los quando chegam às FDI. “Da mesma forma, nossos jovens são estimulados a alcançar um nível profundo de convicção religiosa de forma independente. A fé não lhes é imposta. Portanto, quando alguém se compromete com ela, esse é o resultado de um processo interior, não exterior. E isso lhes dá muita força. Mais importante, porém, é a convicção de que, ao lutarmos pelo povo judeu, estamos lutando pelo lado de Deus”.

De acordo com Michael – que ajuda a dirigir a Netiva Mercaz, uma organização de jovens para judeus messiânicos de 13 a 17 anos, que inclui um curso preparatório preliminar de um mês denominado Netzor – há atualmente entre 200 e 300 judeus messiânicos servindo nas FDI. Os judeus messiânicos não vêem nenhuma contradição entre os ensinamentos pacifistas de Jesus, por exemplo, os expressos no Sermão do Monte, que ensina aos fiéis que devem oferecer a outra face a seus inimigos, e o serviço militar dos judeus messiânicos nas FDI. Michael, que é oficial na Brigada Givati, crê que os ensinamentos de Jesus tornam o serviço militar um desafio. “Como crentes, somos obrigados a amar e a respeitar nossos inimigos. Mas também somos cidadãos de Israel, o que nos obriga a servir nas FDI. Cada crente deve se perguntar se o que está fazendo é correto e bom. O teste mais difícil é quando estamos trabalhando no policiamento da população palestina nos postos de controle nas fronteiras ou durante as patrulhas dentro dos vilarejos palestinos. “Pessoalmente, vejo isso como oportunidade de me comportar de maneira compassiva e ética, e de servir como testemunha dos ensinamentos de Jesus. Há cerca de 200 ou 300 de nós espalhados por todas as FDI, tendo um impacto positivo e servindo como exemplos. “Todavia, cremos que este estado de coisas não durará para sempre. No final, haverá um tempo de paz proporcionado pelo Príncipe da Paz. Naquele dia, todos reconhecerão que Jesus é o Messias”. (Matthew Wagner, The Jerusalem Post)

O DVD É Tempo de Acordar– O Perigo da Sedução é de Daniel Yahav (citado no artigo), pastor em Tiberíades.

O DVD Obadias – O Julgamento de Edom e o livro Venha Conhecer o Que Acontecerá no Futuro são de Meno Kalisher, pastor em Jerusalém.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful