You are on page 1of 2

TAMANHO DO TEXTO: A A

Conceitos e a história da Auditoria

A auditoria prática teve seu início na área contábil
11297

principalmente a partir da Revolução Industrial no século XVIII, com o
surgimento das indústrias e do capitalismo, sendo consolidada e
conceituada na Inglaterra como um meio para garantir a estabilidade
econômica e financeira das empresas que surgiram neste período.
Segundo Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, no Novo Dicionário da
Língua Portuguesa, as palavras “auditoria” e “auditor” vêm do latim
“auditore” e significam auditoria: cargo de auditor, lugar ou
repartição onde o auditor exerce suas funções, exame analítico ou
pericial que segue o desenvolvimento das ações contábeis, desde o
início até o balanço, auditagem; auditor: aquele que houve – ouvidor;
(...); perito-contador encarregado da auditoria (...).
A evolução do termo auditoria e as questões práticas que lhe
envolvem, veio como consequência das mudanças nos padrões de
vida e conquistas do próprio ser humano, então é impossível falar da
história da auditoria sem entender as modificações e evoluções que
ocorreram até a criação e manutenção das indústrias.
Nos milhões de anos que precederam a mesopotâmia, o progresso foi
muito lento. Em uma primeira longa fase, o homem dedicou suas
energias principalmente a colocar em funcionamento as técnicas
elementares para sua sobrevivência através da defesa e ataques
contra agruras da natureza e outros seres vivos hostis.
Mais tarde, a partir do então homem de Neanderthal, o homem
consegue elaborar sistemas culturais mais refinados e abstratos, com
o objetivo de compensar as frustrações, dores e inseguranças por
meio de ilusões como o culto aos mortos e a magia, o erotismo
desvinculado com a procriação e o acúmulo de bens de qualidade.
No final desta fase evolutiva, o homem aprendeu a caminhar em
posição ereta, transformando os membros superiores em ágeis
utensílios e produtores de utensílios; aprendeu a cultivar a terra, em
vez de esperar a disponibilidade dos frutos; aprendeu a dominar o
fogo; facilitou o transporte, aprendendo a desfrutar do menor atrito

dos corpos redondos quando giram em torno de um eixo.
O desenvolvimento psíquico do ser humano teve como consequência
o impulso gerador de invenções materiais, organizações de
comunidades e avanços tecnológicos. Foram fundadas as primeiras
cidades e as primeiras escolas e inventada a escrita, a matemática e
a astronomia. No final do século XVIII surge a indústria, milhões de
camponeses e artesãos se transformam em trabalhadores
“subordinados”, os tempos e os locais de trabalho passam a não
depender mais da natureza, mas das regras empresariais e dos ritmos
da máquina.
Os detentores do poder, ou, donos das indústrias tinham preocupação
fundamental com aquilo que era produzido (produto) e o retorno
daquilo que era vendido (bens), foi nesse cenário que a contabilidade
começou a criar formas e um tempo depois a auditoria, que passou a
fiscalizar todos os processos envolvidos na industrialização
principalmente no que dizia respeito ao retorno econômico.
A AUDIBRA – Instituto de Auditoria Interna do Brasil – que fala sobre a
função da auditoria dentro das organizações, denominada como
auditoria interna, descreve a auditoria