You are on page 1of 60

Dejetos Sólidos

A caminho do mar

Samuel Hermínio

Ficha técnica
Dejetos sólidos a caminho do mar
Samuel Hermínio, maio 2006

Livro publicado por confecção artesanal, independente
de qualquer editora. Encadernação: Samuel Hermínio,
shldias@ig.com.br

(33)8806-8992,

Governador

Valadares-MG

Texto, capa, imagens, digitação, diagramação e
encadernação: Samuel Hermínio
(shldias@ig.com.br)

O autor permite a cópia e uso deste material para
fins não comerciais sem restrições. Uso comercial é
permitido se feito por pessoa física participando de
redes colaborativas de editoração, desde que as
páginas 2 a 8 sejam incluídas na íntegra (o autor
pede a gentileza de ser avisado). Reprodução para
fins que envolvam lucro efetuada por pessoa
jurídica não é permitido sem autorização escrita do
autor.

Dimensões: 105mm X 148,5mm X 5mm
Miolo: Papel sulfite branco 75 g/m2
Capa: Couche 210g/m2
Data da publicação: Jun/2006

2

Modelo editorial colaborativo1
Este livro foi impresso em um modelo de
editoração coletivo, que funciona por meio de
grupos de pessoas se ajudando mutuamente.
Editora, no sentido tradicional do termo, é
uma instituição que ajuda a produzir e divulgar
livros. Uma editora colaborativa é uma cooperativa
de publicação caseira: pequenos grupos locais
trocando informações sobre publicação e pouco a
pouco montando pequenos “negócios”, sem chefes,
sem centralizações, talvez até compartilhando seus
trabalhos.
É uma rede de pessoas que querem
publicar seus livros, querem ver seus livros
publicados em outras partes, e se dispõem a
publicar livros de outras pessoas como forma de
troca, ou edições livres e em domínio público .
Uma editora colaborativa é formada por
comunidades. Grupos de pessoas com capacidade
de escrever se unindo a pessoas que utilizam
técnicas de encadernação caseira para distribuir os
trabalhos da rede aos leitores. É uma relação
polarizada em três atores principais: o leitor, o
autor e o encadernador. O leitor compra livros para
ler; o autor escreve os livros; o encadernador
imprime o livro, encaderna e envia ao leitor.
São atribuições dinâmicas, já que uma
pessoa pode estar atuando ao mesmo tempo nas
1 Este texto é uma adaptação do manifesto oficial do grupo,
montado a partir de discussões da lista do projeto
(http://br.groups.yahoo.com/group/editora_livre/).
Créditos a Anarcovírus, Dr. Gorilla, Eskimó e Janos Biro.

3

br Pedir ajuda para digitalizar seu trabalho: edl_digitalizadoressubscribe@yahoogrupos. É um lugar onde o leitor pode escolher e comprar os livros. visite nossas listas de discussão: Discutir a estrutura da editora: editora_livre-subscribe@yahoogrupos.com.br Mais informações: br.br Encontrar autores e fechar negócios ponto a ponto: edl_autores-subscribe@yahoogrupos. é um lugar onde o encadernador pode ser solicitado para fazer seu trabalho.com.com/herminio_dias/ 4 .com. e pode estar encadernando obras próprias ou de outrem.geocities. A editora colaborativa é apenas a ponte entre os pontos da pirâmide autor-leitorencadernador. Se te interessa conhecer melhor nosso modelo editorial. é um lugar onde o autor pode exibir sua obra.três posições: um escritor também lê obras de outros autores.

.......................................................41 Relax....................................................................... 34 Águas de março........................................................ 50 Muito Além do Horizonte sem fim....................................7 A dor da palavra "se".......................26 A suprema expressão da arte.....................47 Encontro com e fuga dos comedores de cérebro...........10 Momento de dualidade mental................................ 20 De Javu.............................58 5 ............................................Sumário Devaneios.

6 .

dando ao momento um leve toque de melancolia. talvez. nunca mais. Páginas em branco passando ante olhos que não liam. e é assim que se vai. Impressões multicoloridas e um senão.. cerveja e outro cigarro. vai. Poucos passos o tiraram do recinto. Assim é a vida. vai. tirando a percepção das cores das paredes e mudando a impressão do recinto. a fumaça do cigarro contrastando com o frio e a escuridão mal dispersada pelas lâmpadas da rua vazia. Uma moça tentou tira-lo da 7 . abria um livro. Finalmente o bar. Uma dose de pinga.. Outro cigarro.Devaneios S entado ao sofá. Era como se o lugar estivesse vazio. Novamente ideias tolas derivavam de lembranças de paixões mal resolvidas. apesar da casa cheia. desviados por lembranças que apontavam noutro rumo. porque. Cerveja.

Cruzou com umas prostitutas: . Enquanto andava via a vida. cerveja. Quem o olhasse não perceberia que estava em fuga. meu bem. outro dia. Meditava nela. . não percebeu que ela estava sem amigas. até mais. Apenas levantou. simulando acariciar a própria boceta. apenas indo. Pagou a conta e saiu.. Nem olhou a nova companheira. bonita talvez e com certeza carente. obrigado. apenas ia. Ele passou.Vem..Pode! Outro cigarro. quem sabe. Ia. mera troca de cortesias. o sorriso das putas é a salvação dos tímidos! Continuava a passos lentos.Posso sentar com o senhor? é que não tem mais mesas vazias e. mais um gole de pinga. não há de quê. pensou e seguiu. Talvez depois. engolia. ia. a mastigava. sem rumo. Nem ele 8 .melancolia: . sorriu. bate uma siririca em mim! E fez um gesto pornográfico.

uma sucessão de idéias mortas e descabidas coloriam o amanhecer. Vida. E seguia. Vida.. Pelo caminho.vida! 9 . pensava. Vida. Vida.mesmo se dava conta de que na verdade fugia..

duelara contra si. ainda sou virgem! Em uma fração de segundos um milhão de pensamentos atravessaram a cabeça do pai. digerindo a informação primeira e 10 . nem se alguém percebeu. talvez nem ele mesmo. a dúvida o paralisou. As cabeças ainda estavam pensando. ao que a esposa o socorreu quase que instantaneamente. Não importa se foi rápido. oscilando entre sua condição de homem e sua posição social frente à família.Papai. De tão grande.A dor da palavra "se" A menina apareceu nua na sala: . Ninguém percebeu. Antes que ele mesmo percebesse.

deixando o problema sob responsabilidade da esposa. Reparou até na quantidade de cabelos no púbis. O pai. enquanto falava: 11 . anos a fio de convivência social já o havia condicionado. e devagar foi encarando a mãe. de forma que não processou estes dados: corria o risco de desejar possuir a filha. ficou doida? Já levantou dando safanão na garota. vozinha inocente.O que deu em você? o que está acontecendo. menina. e com total violência a arrastou para o quarto.Que é isto. apenas ergueu-se e mememou a cabeça. Mas foi suficiente para ver os detalhes. já recomposto (passaram-se apenas alguns poucos segundos da primeira cena).tentando formular uma reação convincente. A mãe gritou: . Esta já fazia sua obrigação. menina? A garota olhava para baixo. ao ponto em que tinha que lutar para ignora-los. No entanto. nada mal para uma menina de dezesseis anos. tal como fora ensinada desde criança: . inclusive a mãe.

está entendendo.Freud diria que tenho alguma coisa reprimida..Mas ora.Mas mamãe. enquanto gritava . . de outra forma. os traumas existem.. . São um monte de problemas que se escondem lá na sub consciência das pessoas e ressurgem em algum momento depois. fazendo-a olhar nos olhos . Se continuar assim vamos leva-la ao médico. mamãe. é isto? é para isto que te mando para a escola? é isto o que te ensinam lá? .. pára de falar 12 . sou tão normal quanto a senhora e o papai. menina. Talvez seja algum trauma.agora quer usar ciência para justificar suas safadezas? é isto? responde. . veja se eu ou o seu pai andamos nus por aí falando em virgindade! olha aqui pegou no cabelo da menina e puxou com força. seja ele científico ou não. Nunca mais vai ler estes livros .Deixa de falar bobagens. menina.estou falando sério..Calada! suas palavras me dão nojo! você está sujando a honra da nossa família com este seu comportamento.pegou um exemplar de psicanálise que estava em cima da cama e rasgou. se precisar vamos até interna-la! .tenha o devido respeito.Mas..

. E agradeço até pelas surras que levei. Sempre deixam. .Eu não tenho seqüela nenhuma. mamãe. atrevida. Você fala como se fosse um desastre fazer o que é certo..bobagens. Aliás. Você já viu um de nós fazendo uma coisa destas? . encara de uma forma diferente de mim.É sim.Eu sou sua mãe! Tenho a obrigação de me preocupar com o que você anda fazendo. Agora vai dizer que as pessoas devem ser mal comportadas? É isto o que você quer dizer? .A senhora tem seus traumas também. porque se não hoje estaria assim como você. tantas oportunidades jogadas fora em nome das boas maneiras e do comportamento correto devem ter deixado algumas seqüelas. . mas se reprime.Como é que é!? . . Tanto tempo se reprimindo para aprender a ser comportadinha. .O problema é a forma como as pessoas reagem. como se preocupam demais com o comportamento dos outros.Mesmo quando não prejudico ninguém? 13 . agradeço a Deus e minha mãe por ter tido uma família que me educasse.

. 14 . O que a senhora acha. não é? .Faz mal ao espírito.Aluna de quê? . .Como não prejudica ninguém? Você acha que é certo andar nua pelo meio da casa? Daqui a pouco vai dizer que é melhor andar nua pelas ruas também.A senhora foi uma boa aluna.E você deveria seguir o exemplo. se não nós vamos ter que tomar alguma atitude! .Que mal isto faria às pessoas? .Sabe. . . é? Me respeite! Vê se eu vou querer sair pelada na frente dos outros! E vê se pára de falar estas bobagens. Uma menina exemplar. Vai fazer com que as pessoas fiquem pensando bobagens.Da vida. não sei se as pessoas têm medo de me desejarem ou de desejarem fazer o que fiz. mamãe? .Isso foi uma provocação? Quem é que está te desejando aqui? Quem está desejando fazer o que você faz? Você quer ser desejada. Deste jeito você prejudica a imagem da nossa família. que aprendeu direitinho a melhor maneira de se comportar.

o olhar era devastador e profano.. menina! .Minha filha. Transformar o sentimento em ódio é melhor do que senti-lo. Podem até estar mascarados. você esta louca! nunca mais fale assim comigo! .Cala esta boca. guardados.Exemplo? A senhora fala como se não sentisse desejos. . mas ainda estão todos aí.Está com medo de que minha atitude acenda o pavio? . 15 . e então gritou ainda mais alto do que já estava: .Agora foi demais! vou mostrar como é que se deve falar com sua mãe . Estava ficando nervosa.Ah. ficou ressentida? .abriu o guarda roupas e foi retirando um cinturão de couro para bater na filha – o seu problema é mesmo falta de surra! . Mas por melhor que tenha sido sua educação estes desejos existem. como pólvora que espera apenas alguém para acender o pavio.Tantos anos reprimindo a felicidade em prol de uma moral que não te sacia. A mãe a esbofeteou no rosto.

mamãe? . cuidando de você. Ousadia deste nível não podia passar sem punição. recebia as lapadas e ignorava a dor. A garota correu e se refugiou no canto da parede. não era apenas a mãe. protegendo o rosto e mostrando apenas as costas. Os estalos cantavam tão ou até mesmo mais altos do que os gritos da mulher que batia. em sua função de carrasco. A mãe furiosa fechara os olhos.Sua vadia! como pode falar isto da sua mãe? esta foi a educação que te dei? hem? Fala! fala agora.Chega! . A menina ultrapassara os limites. quem estava querendo sentir um prazer proibido. mas a justiça. Tanto tempo te educando. apenas arfava. vai. e é assim que me retribui? Isto é coisa que se faça com sua mãe? A menina. . o braço de Deus usando a dor para sublinhar o amor que sentia. ou se o 16 . calada. Não chorava nem gritava. para concentrar todas as forças e ódio nas mãos que batiam. Naquele momento.Jogou a filha no chão com tanta força que se batesse a cabeça ficaria um hematoma.não é mesmo. Este pensamento a fazia trabalhar sem piedade.

sentimento
nascia
era
imediatamente
ignorado, ou deixado ao longe como
sobremesa para o momento de angustia após o
ato punitivo.
Abriu os olhos quando ouviu os
gemidos da filha. não eram gemidos de dor.
Viu então que no seu canto a menina
encolhida sentia prazer enquanto se
masturbava. A cinta apenas dava um toque
sadomazoquista ao momento proibido,
aumentando a sensação de gozo. Não, ela não
era mais virgem! Pela força com a qual se
penetrava já teria rompido o hímen, e não
haviam sinais de sangue.
Mas que puta provocação!... Pausa... O
poder da blasfêmia foi capaz de interromper
os estalos da cinta. A menina nem aí,
continuando o ato. Ah, meu Deus, o demônio!
só podia estar possuída, ou que outra criatura
poderia ter tamanha ousadia? não, nem
possuída nem louca, mas sim suja. Ou não?
Foi um nada, a fração de um instante,
um momento em que as idéias não dão tempo
de se transformar em palavras. No milésimo
de segundo seguinte já não havia mais dúvida.
A sucessão de imagens mentais fora
aterradora. A vida passou como um filme, na
hora em que as fraquezas relaxaram a vigília: a
vontade de dar quando menina, frustrada em
sucessivos relacionamentos onde a moral

17

superava o desejo; o casamento hipócrita,
fingindo ser uma boa família enquanto
desejava possuir a liberdade de solteira; a
vontade de transar com o vizinho, os astros da
tv ou os colegas de trabalho; o pudor
mascarando aquilo que ela realmente queria
fazer, levando-a para longe de onde realmente
gostaria de estar.
O vazio que seguiu o momento foi
como se alguém estourasse seu rosto contra a
parede. Depois disto estava recomposta,
apesar de abalada, dos momentos de encontro
consigo mesma. A dor a fizera coitada, logo o
peso da sua vida em sociedade e o medo de
enfrentar a si mesma ajudaram-na a ignorar a
verdade e recuperar a hipocrisia. Apenas o
cérebro humano é capaz de conviver com a
dualidade irreconciliável de duas afirmativas
opostas e conflitantes, e ainda assim
considera-las ambas como válidas.
Mas apenas o conforto psicológico de
estar fazendo o certo não bastaram para a
mulher. Outro choque a faria despertar, e não
correria este risco. Não era agora que iria
acordar e enfrentar o mundo, porque não
tinha coragem nem de admitir isto a si
mesma. A sua frente, a menina já quase
gozando. Não!
Atacou então o objeto que a esmagou.
O fez com tanta fúria que quando parou suas

18

mãos já estavam sujas de sangue. Estava
acabado! Apenas sentou na cama e chorou.
Uma hora depois a polícia a levava algemada,
presa em flagrante.
Em casa estavam todos tão abalados
que os vizinhos foram obrigados a cuidar dos
trâmites legais do enterro. Um sentimento de
culpa os tomava. As cabeças perguntavam se
seria esta a única alternativa, mas ninguém
teve coragem de falar, como se fosse um
segredo que devesse ser guardado até a morte.
Pensamentos
perseguindo
o
melhor
argumento, capaz de amenizar a dor e ao
mesmo tempo inocentar a mãe. Os devaneios
rodeavam a palavra se. A dúvida sempre
buscando a pergunta, mas nunca encontrando
resposta.

19

deixou de ser homem?". sim. e feio! já demorou demais para fazer. rapaz. estou pensando. pensando". está tudo aí. mas não agora". apenas o momento me faz assumir este tipo de atitude".. 20 . porra. não enche". Tem que aceitar a verdade: você broxou. e só". "Filho da puta!". "Mas você jurou que faria. Agora basta uma decisão sua.. O simples fato de estar aqui. disse que era a hora. "Não preciso fazer isto para ser homem”. só isto. foi você quem decidiu e agora esta aí. eu sei o que falei. "É o caralho! não sou assim.. "Deixe-me pensar. "Não sou nem mais e nem menos do que o que você é!". "já esta pensando. eu não vou fazer isto". "Chega! não quero agora. "Porra. tudo pronto. Sei que consigo fazer. "Não!". "Qual é. Simboliza muito para você. não é isto que sou. "Então! você quis. "Vai desistir?". não. "Não era isto o que diria dos outros? mudou porque é sua vez? não. e agora não tem mais coragem". Prefiro não pensar mais neste assunto".. "Então broxou?".Momento de dualidade mental "O lha aqui.

não está ajudando. é?". lidar consigo mesmo a partir de hoje?". "Não sei. não é mesmo?". eu sei.". "Vamos porra. "Realidade o caralho!".. mas vou conseguir superar".". quanto mais depois". Pelo menos não do jeito que está vivendo... "Você tem que voltar para a realidade".. vamos logo!". "Eu.. "Mas eu não consigo fazer. "Fazer isto não vai resolver".. "Se pudesse admitir alguma coisa não estaria aqui dentro. "O que vai fazer a partir de agora? como vai conseguir viver. "Vai!?". não está 21 . "Quanto mais demorar mais vai ficando difícil". "Não conseguem nem se dar com a própria consciência agora. homem.". é uma questão de tempo". "E daí? vou admitir que não tive mesmo". Não vê que o problema é ficar aí pensando?". "Sim. "E se não conseguir?". "Eu sei. então".. Mudar de vida é difícil para você. me dá mais um tempo". "Se demorar vai ser pior. "Sei que consigo.". "Mas vai saber que não teve coragem. "Se tivesse feito logo já teria acabado.. mas não precisa passar tudo na cara". "Eu não sei se consigo.. "Porra. algo que não pode ignorar nem agora e nem nunca".. "Vou superar isto.Tudo tem um peso emocional incrível. "Espera. "Pára de chorar e vê se anda logo! Quer bancar o coitadinho agora. Eu. meditando se é hora de fazer ou não. Eu não tenho coragem!". faz logo!". "Tem admitir que broxou... "Não sei se quero fazer. eu sei.. "Claro que vou".". eu consigo".. "Se não fizer também não vai. Se não fizer vai ficar muito frustrado".

o que vai fazer com a arma?". Eu tenho que fazer. já teria saído por aquela porta". sei lá". é por isto está aqui.ajudando. então". Se quisesse... 22 . "E a arma. "Depois não importa.. "Porra. como é frio. "Não precisa passar tudo na cara". tem mais esta então". "Faça antes de desistir. nada vai ajuda-lo e é isto que te dá mais medo". Assim. Daqui a pouco vai saber". "Vamos logo.. vamos. vamos!". "É mesmo! Eu tenho que fazer. posso parar quando quiser". ". "Deixa de curtir o frio na espinha. "A alternativa esta aí em suas mãos".. Eu vou fazer. vai ser muito pior". "Calma. "Então decide logo. "Mas eu ainda não fiz. "Está sozinho agora. vamos.. Ninguém vai acreditar se disser. "O tempo está contra você. Não pode enfrenta-lo... se não vai perder a coragem". "E se eu não quiser mais fazer? e se eu desistisse agora?".. "Porra. encosta bem o cano". vai!". Então vê se pára de bancar o coitado e faz logo esta porra de serviço". estou preparado". e nem pode dizer. Isto..". Vamos. a arma é ilegal. "Que será que vem depois?". calma".. "Tudo bem. Atrás daquela porta existe algo muito maior do que você. está difícil até para arrancar o traseiro do chão. Se pudesse não estaria nem pensando no assunto. é melhor não pensar. "Mas será que não há outra alternativa?". "Puxa. "Vou joga-la no rio.".". agora. "Não é só a arma. caralho. Se te pegarem vai ficar um tempão preso. cada momento diminui tua coragem". "É..

pergunta a mulher desesperada. Veja.Os vizinhos ouviram o tiro e chamaram a policia.Meu filho nunca teria coragem de fazer uma coisa destas! . não tem como sair sem ser visto. não pode ser. a casa é de laje.Sinto muito. A mulher procura o policial: . tem gente ali o tempo todo. . as janelas possuem grades. sinto muito. mas a porta estava trancada por dentro.Tudo indica que se suicidou. Muito difícil de ser assassinato.Senhor policial.não. . nenhum sinal de arrombamento e os vizinhos não viram sair ninguém depois que ele entrou. o que aconteceu com meu filho? . deve haver algum engano! 23 . .O que aconteceu? .--X-- . mas estamos esperando o legista para confirmar.

. que já entrava em desespero.Ah.Algumas pessoas levaram a mulher. o seu também já fez feio alguma vez na vida.. .Viu o jogo de ontem? .Vai se foder. O outro continuou provocando: 24 .Vi. não entendo como alguém torce para um time que levou de três a zero. ... todos fazem. . Saiu de perto..Claro que sim! . apenas.Má sorte. .Cuidado! Excesso de desgosto pode te levar a fazer como o garoto.Vai continuar torcendo para aquele time? .Pois é. . O guarda ficou conversando com seu colega de turno: .Não jogando em casa. cara.

Três a zero. Como alguém pode torcer por um time destes.... 25 ...

Debby! . e era isto o que estava acontecendo.Oi.Ele mesmo. quem está aqui! Mas não é o Bob em pessoa? . despejava seu estresse em um copo de bebida. cansada de lidar com clientes chatos. como tenho sorte! é realmente um milagre encontrar mulher tão linda desacompanhada em um noite como esta. Mas enquanto nada acontecia sua mente estava em outro mundo.De Javu A noite transcorria lentamente dentro daquela boate. se e que e possível encontrar tranqüilidade neste tipo de lugar. . Estava pensando: puxa. Mas para quem está lá dentro tranqüilidade é estar se divertindo.Olha só. Deborah. garota. esperando que alguém interessante a fizesse relaxar ainda mais em um fim de noite na cama. 26 .

por aí.Então acho que teremos uma longa noite juntos.Tá brincando. Pura hipocrisia! ..não entendo esta estória de você querer que os homens sejam certinhos.Sabe.Ainda vive dando em cima de todas as mulheres que encontra pela frente? ... .Por aí. menino? .É o melhor que pode inventar para justificar seu comportamento.Sério? 27 .Por enquanto só estou cantando as mais interessantes. Acha que eu vou cair? . Debby.. .Porque acharia? você fez uma pergunta sem cabimento algum e eu apenas respondi à altura. e uma conversa interessante para me convencer a continuar bebendo. . . .Onde andou este tempo todo? estava sumido. ..Talvez estivesse esperando que alguém se animasse a pagar uma bebida para mim.

. querida. vocês falam como se os homens fossem todos malvados e vocês boazinhas.Acho que desta vez você vai perder a viagem. Não vai querer se abrir com um amigo? .Esta sua cara de mulher solitária. .Quem te disse que tenho problemas? . garota. vai com calma! não estou afim de ser sua 28 .. Vamos sair daqui. juro.Seu apartamento é um ótimo lugar.Está vendo alguma coisa melhor por aqui? . Nunca obriguei ninguém a sair comigo.. .Se a mulherada está assim.Onde? Acho que a esta hora vai ser muito difícil arranjar seja lá o que for. porque eu sei o que você esta pensando. Tem lugar muito melhor para conversar.Relaxa. Alem do mais. As mulheres também são insaciáveis. este copo de whisky não faz muito seu tipo. .Homens não transam sozinhos.. . então o que está fazendo aqui comigo? não conseguiu nada melhor para esta noite? . Estou com você apenas para ouvir seus problemas. mas já vou adiantar que está errada.Ei. e não faz esta carinha não.

Subiram pelo elevador e por fim entraram.Está de carro? ótimo. . o carro está no seguro.Ei. O apartamento de Deborah ficava do outro lado da cidade. vai com calma! deste jeito vai acabar se envolvendo em um acidente. Era um apartamento muito bem mobiliado. Bob conduzia como se os sinais vermelhos não existissem.Até parece que você é o dono da casa e não 29 . Procurou nos CD's dela e colocou um de Janis Jopplin para tocar como música de fundo. . e como se fosse o anfitrião dirigiu-se à cozinha em busca de uma bebida para os dois. . Acho que ainda me lembro onde você mora.vítima outra vez. cometendo várias ultrapassagens perigosas. Bob a sentou no sofá. Bob! E vê se diminui a velocidade. em alta velocidade. porque vamos no meu. mas de forma simples e agradável. . A casa não vai sair do lugar.Não se preocupe.Vai se danar. . saíram da boate no carro de Bob.

. te reencontrei hoje depois de muito tempo sem nenhum contato.Como assim? . e relaxe. não vai rolar nada entre nós. sem telefonema. mas não foi isto o que te trouxe aqui. Somos adultos.Sente-se aí. rapaz. você não está me entendendo. temos histórias para dividir e tudo o mais. Temos muito o que conversar.eu. mas que você É mulher. não com você e não agora.Vai com calma. então vou direto ao assunto: não estou afim de sexo.Você fala como aquelas garotinhas que prometem casar virgem e já se entregam no primeiro namorado. Eu não acho nem nunca achei que você fosse DAQUELAS mulheres. sabe disto.Olha. Somos apenas amigos. Debby. . . .Espera. Temos muito o que conversar sim.Não sou como aquele tipo de mulher que você está acostumado a pegar por aí. Por favor. não insista porque não estou afim de ser desagradável com você! . nada. muito experientes os 30 . . cara. sou uma mulher sentimental. você me conhece.

tá. é algo que nem mesmo você gostaria de fazer. você nunca amou ninguém. cantar.Ei. em primeiro lugar as mulheres também sentem prazer na cama.Deveria ser diferente? .Olha. .dois. Alias. não entendo porque você mistifica tanto. o que vale mesmo é ter um companheiro. e você pensa então que é só chegar. vai com calma. quero companhia. Este tipo de coisa deveria ser absolutamente natural.Ah. . Quero alguém para amar. Não é esse o seu modo. transar e depois ir embora? sem nenhuma responsabilidade com a mulher que deixou na cama? . Não importa se vai ser com ou sem sexo. .Claro que sim! . você não é assim tão diferente de mim quanto está tentando dar a entender. rapaz. acho que provavelmente é isto. Ou será que estou 31 . então responde para mim: o que é amar para você? . e em segundo lugar esta historia de casar para transar é coisa que não cola há muito tempo e aliás. bom.Ah. já passei desta fase.Você fala como se nunca tivesse amado.

Isto para você foi um ato de amor? .enganada? .Não. Agarrou-a com 32 . apenas um tocar de lábios.Você não me entende. já amei muitas vezes.Você é uma piada. Bob levantou-se. Ele então a esbofeteou. E agora estou te amando o suficiente para que possamos vir aqui e se entregar um ao outro. devagar. até que a soltou. sem reagir e totalmente entregue aos braços dele. . E vai continuar sendo assim enquanto for usado em fim de noite como complemento de cachaça por pessoas iguais a você.Não. Só quando se permitir amar é que vai entender o que estou dizendo. Sei o que é amor. Sexo pode ser tudo menos uma expressão de amor. Ela sentiu o toque como de veludo e arrepiou-se toda. não e? . você é quem não está me entendendo. .Está enganada. Pegou-a nos braços suavemente e a beijou nos lábios. .

33 . Ela gemia.Para mim foi maravilhoso. arrancando-lhe as peças intimas. Subiu o zíper da calça e saiu devagar. querida. assoviando Janis Jopplin até chegar na porta do carro. Batia nela enquanto se movimentava. Será que esta foi sua forma de mostrar que me ama? . porém ela permanecia calada. Para mim foi apenas uma noite de sexo.Não.força e de forma rude. Suspirava. sequer pedia. Retribuía o prazer que sentia com mais bofetadas e arranhões. Penetrou-a através da saia como um animal. . Bob levantou-se e começou a se arrumar. Aos poucos se recompunham ambos.Bob! Virou-se para ela. . Até que ele caiu finalmente exausto sobre ela. Jogou-a no chão. mas não o fazia parar.

O assunto: interlocutor quis ir direto ao .disse o maitre.A suprema expressão da arte O grupo sentou-se à mesa para discutir o menu: .No máximo cinco pessoas. Exímios apreciadores da degustação. .Quantos irão me comer? .Nunca tive dúvidas de que a culinária fosse uma forma de arte . podes ter certeza.Ainda resta alguma dúvida sobre como meu corpo deverá ser servido? 34 .

. Irás acompanhado de arroz branco e champagne. senhor. Alguns pensadores..Sim. O senhor está pronto? . Fazia parte da preparação. o vinho e as iguarias da índia. que foi logo arreada pelos assistentes. analisando os prejuízos causados pelo homem à natureza e a si mesmo. Temendo que a evolução social humana chegasse ao ponto de extinguir toda a vida na terra. Já separamos o tempero. . claro que estou..Não. Depois sentou-se em uma cadeira.Queria que incluísse azeitonas. Bebeu então o líqüido que estava em seu copo. As panelas estão preparadas e o forno devidamente aquecido. cujo objetivo era dar 35 . Adoro azeitonas. alguns propuseram que a humanidade se extinguisse voluntariamente.Iremos providenciar. para que o ocupante ficasse deitado. concluíram que o planeta ficaria em melhores condições se as pessoas simplesmente não tivessem existido. Era relaxante e delicioso. . A guilhotina então cortou seu pescoço. Um grupo de intelectuais criou então uma confraria secreta.

Os primeiros trabalhos. Era necessário transformar o fim da existência em uma forma de expressão. não seria mais 36 . pura e simplesmente. empalhado na mesma forma que morrera. e ajudado por assistentes. mas a era por si mesma. Chegou-se ao ápice quando a obra não apenas buscava retratar o fim da existência. descobriram ali que morrer. encantados.suporte aqueles que se dispusessem a morrer. Mas aconteceu que um artista optou expontaneamente por ser torturado. A reviravolta foi imensa em todos os setores da sociedade. Mas não de uma morte qualquer: morrer de forma natural ou parecida nunca chegou a ser excitante. A obra foi escondida para evitar apreensão pelo governo. pela aura de mistério que a circunda. algum tipo de arte. A idéia surgiu de artistas interessados em quebrar paradigmas e retratar as diversas faces da alma humana com a maior precisão possível. Tornou-se uma busca pessoal entre o ser e sua realização mais bela. A morte sempre foi um tema recorrente. concentraram-se na forma de morrer. Logo os defensores da autoaniqüilação sentiram-se atraídos em usa-la para seduzir e chocar. talvez por serem pioneiros. Os artistas. a obra prima que significaria a suprema expressão de si mesmo. a face deformada e o rosto assustado transmitindo a dor em toda sua plenitude.

Uma página 37 . Os menos ousados mutilavam-se e exibiam apenas algumas partes do corpo. Homens pregados em telas. Assim. o artista ainda vivo poderia ter uma idéia do impacto que sua criação faria no imaginário de outras pessoas. que o artista não poderia levar adiante sozinho. Era necessário um acabamento posterior. de cultura exótica e governos totalitaristas adequadamente comprados. nomeando assistentes para concluir o serviço. que forneciam uma opinião com antecedência e fiscalizavam a obra depois de pronta. Surgiram então obras dos mais variados tipos. mumificados em posições diversas. Sem a notícia. explorando o tema até a exaustão. Para evitar o ataque dos conservadores. A confraria tinha sócios ricos e influentes. Para os casos extremos o trabalho refinou-se. O plano ficava um tempo à disposição dos críticos. dificilmente o resto do mundo ficaria sabendo onde este se localizava. Ele então planejava a obra e realizava parte dela.satisfatório: As concepções precisavam fazer com que o artista (e não apenas o ato) fosse a própria arte a ser exibida. as obras eram guardadas em museus espalhados por países pobres. e não era difícil para eles manter os jornalistas distantes.

Durante muitos anos a arte foi apreciada na forma auditiva. Muitos chegaram perto. Com o ato do morrer artístico chegou-se à certeza de que qualquer forma de expressão poderia ser arte. Livre do medo o ser humano é capaz de ultrapassar todos os limites da inovação. visual e escrita. um meio que a transmite e um receptor em condições de entende-la.na internet foi então criada. sempre como resultado do trabalho do artista. onde o tempo. para divulgar os trabalhos aos não sócios que se interessavam no assunto. porém desconectado deste. Surgiu daí o conceito de arte extremamente pura. descrita nos termos do belo. havia uma quebra de paradigmas. o espaço e a conexão com a matéria deveriam ser quebrados. assumindo sua função de condutora da mensagem. Esta seria um modo de passar a informação. Para que uma informação tenha sentido é necessário que exista uma fonte. e sócios que não tinham ousadia de se envolver diretamente. Naquele 38 . hábeis conhecedores dos segredos de cozinhar e exímios apreciadores do comer. O homem à mesa era servido a um conjunto de especialistas. na mesa. mas ninguém conseguiu realmente: a obra sempre deveria estar no mundo físico. Ali. Ali o artista se apresentava a um grupo restrito.

À mesa. A arte se tornaria então infinita. genial! 39 . singular. ou pelo menos mudava sua perspectiva. superando a interpretação crítica. as lembranças se transformariam em sensações. O valor da obra seria então medido pela provocação. Depois da degustação. a arte deixava de objetivar o encontro com as massas. a fim de explorar a contradição: uma experiência sensorial para poucos. a realização a partir dela. A intenção era provocar cada um a usar sua mente e imaginar o conteúdo que o artista havia representado. que deixava como herança para os demais as conseqüências da dúvida. O momento seria único. mesmo para quem estava na mesa. os participantes conversavam: .momento.Este é um momento histórico: o artista superou o encontro com a arte. após o brinde tradicional. que seriam imaginadas de maneiras diferentes em relação ao momento e o estado de espírito. para tornar-se superior aquilo que ela própria representa.Muito criativo! sublime. multiforme. . ou a capacidade de fazer com que os outros imaginassem a maior quantidade possível de formas.

.Mas neste caso em particular o artista é a própria obra. também o apreciavam como arte imaginativa. vai estar presente nas cabeças que o apreciarem e mesmo nas dos que não gostarem..A arte finalmente está livre do objeto! as pessoas poderão conceber nuances que o artista nunca iria imaginar. No dia seguinte a informação sobre o sabor do artista corria o mundo.. É um homem transformado em milhões! A conversa atravessou a noite. ou seja. Cabeças vivas. 40 . . apreciando sua obra prima. ele também vai estar sendo imaginado.

A avenida larga onde se encontrava a esta hora deveria estar movimentada. Prova de que 41 . Apenas o clarão dos relâmpagos ousavam iluminar o caminho. Ruas desertas. Talvez houvesse algum acesso inundado e nem tão cedo passaria alma viva naquele lugar. onde vez ou outra acendia ou apagava alguma luz. mas nem mesmo os gatunos da noite foram tão ousados em sair de suas casas. Encostou-se na parede de concreto. procurando algum lugar onde não escorresse água. Ficou ali apenas observando a chuva banhar os prédios. O frio. procurava esquivar-se da tempestade que o pegara de surpresa. dando a impressão de que o oceano inteiro havia virado de cabeça para baixo e escorria sobre a terra. pois do contrário nada poderia amenizar seu estado. Todo molhado.Águas de março A chuva caía forte. Sorte de estar perto de um viaduto.

. Tinha corpo de mulher. moço? . Vê. .. Não parecia ser daquele lugar.Apenas me abraça! Olhou fixamente aquela figura.Quem não estaria com frio. já estou tremendo. molhado e exposto ao vento numa noite como esta? . porque usava boas roupas.nem todos os lugares da cidade estavam sem energia. mas seu rosto. 42 . . Era bonita.. jeito e voz lembravam algo de uma garota. Ela se aproximou. moço. por favor.Como posso? até mesmo eu estou todo molhado. Também não parecia estar drogada nem alcoolizada. Estou com muito frio. Olhava-o fixamente.Estou com frio! esta chuva me deixou completamente molhada.O senhor me aquece. Uma voz o assustou: .Me abraça.

. Perdeu-se em pensamentos obscenos.Me aquece. . Dava para ver a calcinha dela sobressair-se da roupa molhada. Ainda estou com frio.Beije-me! Aumentará o calor do teu corpo e do meu. começou a acariciar-lhe as costas. . . garota? não tenho nada que possa te aquecer agora. .Só agora deu para perceber os fartos seios incrustados em um corpo escultural. Os olhos acostumados com a escuridão. Ao invés disto. Abraçou-a. Um rosto de anjinho caído do céu tornava o conjunto perfeito.Qual o seu nome? Ela não respondeu. os clarões do relâmpago constantemente. ajeitando-se para que o volume na calça não o denunciasse à menina.Porque não quer me dizer seu nome? Ela apertou mais o corpo. que por pouco não se tornou transparente. 43 . moço.O que quer que eu faça.

aquela voz. e talvez pela impressão do momento ou pela leveza do toque agora insurgiam nele toda dimensão da fraqueza. . A tensão moral em sua mente o impulsionou a repreende-la. Apenas tremeu. e o corpo do homem tremeu. ao alcance das mãos Um pequeno movimento e poderia toca-los. aqueles seios. Ela ainda o acariciava. As idéias pararam. A fitou com feição severa. Segurou-a meio rude e a arrastou para que pudesse falar olho no olho.A proposta soou indecente. o rosto dela evidenciava uma beleza rara de menina que se torna mulher. E aqueles dedos percorrendo suas costas. fartos. Os olhos dele nos dela. Foi pior. cara a cara. Mas assim. Desviou os olhos para baixo. principalmente quando deu para perceber que ela não usava sutiã. O mundo parou. A blusa transparente piorou tudo. algo de que ele não poderia se esquivar. pois do ângulo em que estava conseguia ver os seios de maneira privilegiada.Beije-me! A voz agora soou como uma ordem. buscando fugir de si mesmo. Seios duros. 44 . Aquelas mãos.. parou tudo.. Não reagiu.

A rua estava deserta. O vento soprava e unia-se ao bradar dos trovões para tornar-se assustador. Ele então a deitou. um momento de liberdade. mas saiu facilmente. 45 . Mesmo assim o lugar ainda impunha algum respeito. Ele a beijava. Ali eram animais. Seu corpo quente contrastava com o frio. Uma ruptura que os tornava animais. estes muito além do que seus corpos desejavam. gritava mesmo antes que a penetrasse. Ela então o beijou. E por isto foi brutal: por pouco a teria rasgado. Ela o azunhava. O beijar acompanhado de mãos. Nem um transeunte. não ligavam mais para delicadezas nem para padrões pré-determinados. Beijou seu ouvido e enfim penetrou. apoiada na laje. em cima do lixo. O mundo ali era apenas eles. gemia. nem um automóvel. ardentemente e sem nenhuma forma de controle. Apenas os limites naturais se impunham. logo estava acariciando por debaixo da saia e arrancando a calcinha.numa última tentativa. Uma quebra de regras. era gata no cio e arfava. em posição que evidenciava as nádegas Acariciou-a pelas costas e nas partes intimas. lambeu a genitália e continuou subindo até chegar ao pescoço.

46 . Seu comportamento elevava o desejo sexual ao máximo. o calor.Fizeram amor como ele nunca havia experimentado em toda sua vida. Movimentava-se bem. o frio e enfim o orgasmo. de nada mais se lembrava. Tinha muita experiência para a idade que demonstrava. a chuva. Sozinho. Ela sabia gemer. Tudo era parte de um momento único. o sexo. A mulher. embaixo do viaduto em uma rua movimentada. Depois disto. Exceto que acordou no outro dia. os gemidos. jogado semi nu em cima de um monte de lixo.

rebelar-se contra seu criador e se materializar no mundo físico. e nunca sozinho. Há muito pouca diferença entre o real e o imaginário quando se desfruta (completamente entregue) de informações que estão dentro de sua própria cabeça. em algum lugar. porém muito complicado se é devaneio individual. Loucura é aperitivo para ser consumido em grupo. puras crias de sua própria imaginação. Algo que arreganha as portas da percepção e engana os sentidos.Relax E stava ali. Era como um convite. parado. Nada mal se coletivo. forçando a vítima a um tipo de “saia justa” frente aos que contemplarem a cena. Ao redor via cores. 47 . Acontece de algumas vezes a criatura insistir em tomar vida. um ingresso para circular em devaneios deslumbrantes e devastadores. circulando em gradações que vez ou outra subtamente o impressionavam.

talvez na forma de estupro. Um após o outro. em nuances que apenas se consegue pela soma. talvez vinda de um passante.A sensação de prazer. ali. E ele via. Na multidão de vez em quando uma ou outra bolha de sabão pulava e pipocava. coloridos. nunca pela construção de apenas um. Era como se a natureza estivesse ali. sentindo toda a plenitude da mistura de todos. Estuprar um sentimento seu pode não conduzi-lo ao orgasmo. Ao redor quase nada importava. à procura do encontro de outras sensações que alimentassem sua sede de ter mais daquilo que já tinha. mas não as pessoas. Um rosto anônimo entre a multidão. fazendo poesia ante 48 . Para observar só se usando lentes especiais. via apenas o que queria ver e ignorava o resto. sem saber. E desta forma a alegria agora pipocava feito bolhas de sabão. Fez amor com o prazer. devagarinho o fazia borbulhar em si mesmo como água já fervendo em um caldeirão. era um sentimento que o tomava lentamente. porém satisfaz. aos poucos concluíam o trabalho coletivo. Em torpor tomou as ruas. via bolhas de sabão. formulando um colorido geral.

de uma hora para outra. 49 . transformando em real tudo aquilo que nunca existira.seus próprios olhos e apenas para ele. Ou talvez fosse apenas sua própria consciência navegando em universos paralelos. Talvez estivesse no céu. Talvez. todos tenham se tornado diferentes.

A turma chegou em casa com um litro de whisky na mão. então tive que cair na putaria. Acho que foi a bebida. No começo hesitei. 50 . num beco escuro. mas convenhamos: ninguém é de ferro e a mulherada estava em cima. A merda agora era saber quem havia me trazido até este monte de lixo. Vou andando.Encontro com e fuga dos comedores de cérebro N ão sei como tudo começou. com iluminação quase zero e apenas uma luz clareando a esquina a uns passos de mim. fedorento. mas antes de mudar de rua me deparo com um vulto que se aproxima. mas quando fui beber era pinga. se não fosse a cor e o gosto que não eram lá muito familiares. Não seria um problema.

e quando chegou perto vi que era mesmo uma. Era real. e ele nem e importava. Afastei-me dele. mas a mão ficou ainda presa no meu ombro. dava até para sentir.Olha.ele pediu. Mudei de idéia quando ele colocou as mãos no meu ombro. cara. logo pus a culpa na bebida. vomite em cima de mim . Era meio ridículo.Por favor. A verdade é que alguma coisa estava me alucinando. Pouco importava também. desconectado do resto. Eu estava ficando assustado: 51 . aquele cotoco de mão do antebraço para a frente segurando em mim. porque numa situação como estas o que interessa mesmo é achar um jeito de sumir dali. me fazendo ver o que não existia. Como não havia usado drogas pesadas. de onde saiu isto? De longe o sujeito mais parecia com uma alma penada. O corpo em decomposição deixava alguns membros e ossos à mostra.Puta merda. sinto muito mas infelizmente não vou poder ajuda-lo. Mas ele começou a conversar comigo: . soltando-se do braço. . os orgãos vitais já querendo sair.

Também era assim quando estava vivo.. . .. .Mas é a sua mão.perguntei. Nada pessoal.. Você prefere ficar num lugar conversando com outras pessoas. você sabe... enfio o dedo na sua goela e você na minha. ou outra coisa que você imaginar. bebendo e paquerando mulheres. Me ofendi. vomitar nunca foi diversão para nenhum dos vivos que conheço..Já saquei. aliás. 52 . Porque vamos ficar aqui pensando em coisas sem graça e de pouca utilidade? veja! está uma noite linda..Acho que ela gostou de você. .eu disse . beber e flertar com mulheres. Não vamos mais perder tempo com estas bobagens. não é. deveria estar presa no seu braço e não no meu ombro como está agora! .não é bem este tipo de coisa que me diverte.Olha . mas ainda bem que morri. não vejo nada de mal em conversar. Se quiser.Porra.... ideal para se divertir..Que é isto? .Isto é o que menos interessa. .

.Talvez não para você. O cheiro era horrível. Mas as casas de toda a rua 53 . . Minhas mãos ainda estavam sujas. nada contra as mulheres. sujando minhas mãos com alguma coisa viscosa. enquanto jogava a mão dele para longe de mim.perguntei e logo depois me arrependi. se fosse inteligente de verdade não perderia seu tempo conversando com um morto-vivo feito eu. maluco é você! Afinal. Mas quanto a conversar a coisa muda totalmente de figura. Vendo aquilo em minhas mãos fiquei com nojo. Sabe.. Foi o limite. Fiz em cima dele. precisava limpa-las o quanto antes. Mas ele me deixou curioso. Passa menos porcaria pela garganta e não corre o risco de contaminar o seu cérebro. mas sou um pouco mais exigente. é que no meu caso não estou mais em condições de ir atrás delas. .Não. e fiquei desesperado.Como assim? .Prefiro vomitar.disse. que caiu como quem estava gostando. . Ele ria enquanto eu batia. Comecei a soca-lo com tanta força que em pouco tempo suas vísceras estouraram. Fui embora dali.Você e maluco! . e então vomitei.

os cabelinhos da xana.levantou e me mostrou a posição . os seios. La dentro.Se agacha e estende as mãos assim . . Colocou a porra da xereca em minha frente. e nela uma mulher esperava nua. bem em cima das minhas mãos: 54 . e os cabelinhos. se minhas mãos estivessem limpas seria capaz de estupra-la. Ah. nenhum papel mais limpo do que minhas mãos estava bolando pelo chão... nenhum passante.que vou providenciar. mas aquela coisa gosmenta em minhas mãos me fizeram vencer qualquer forma de medo. principalmente ao vivo. Receei que estivesse acompanhada. a cores e sem roupas... perto demais. gelei. Aproximou-se de mim.Moça. E estava perto. e entrei sem esperar ser atendido pelo dono. será que poderia me arrumar alguma coisa para lavar as mãos? . Fiz como ela mandou. Jamais tinha visto uma mulher assim em toda a minha vida. afinal não seria normal ficar daquele jeito sozinha.estavam fechadas. será que.. Havia uma cama. Finalmente encontrei uma porta aberta.. Puta merda! como era linda! Caralho.

A água que cair vai limpar suas mãos . Logo percebi que não seria futuro esperar. então levantei e saí. se masturbando como se nada tivesse ocorrido. Putz. ignorando completamente o que estava ao redor. será que vão sobrar seqüelas? peguei na torneira. Botei o pênis para fora e penetrei com o dedo dela e tudo. Ela continuou. Viajei! penetrei-a até o útero com a imaginação. Nestas horas homem pensa com a cabeça de baixo. fui em frente e usei. nem aí. 55 . pensei enquanto me dirigia até ela. como se eu ainda estivesse lá. A mulher ainda estava lá. e não queria perder a oportunidade: quando ela saísse do transe já seria tarde demais. A água jorrou. Deixei-a ainda no mesmo lugar. mas ela derreteu com o toque. Achei uma toda suja. Se soubesse que seria tão ruim a teria enrabado. Quando terminei meu cacete doía. mas como eu estava pior do que aquilo. Me lavei e saí. Agora ela vai ver só.. ela gritando por mim.e começou a se masturbar. O problema era a gosma me incomodando e me trazendo de volta. Fui até o banheiro à procura de uma pia. se masturbando.

Um último olhar a registrou definitivamente na memória e me fez filosofar. Um deles gritou: . Mas era certo que estavam vivas ou pelo menos pareciam. . e por pouco não rolou uma orgia entre as idéias de Descartes. o sujeito esta pensando! E apontou para mim.Fui embora. Num momento o pornô já havia se transformado em conceitos metafísicos. Todos pararam e me olharam também. É incrível o que uma boceta faz com a cabeça de um homem. Não dava para saber se eram pobres ou ricas.Mas é claro.perguntei não sei para quê. Ou não está percebendo? 56 . Não tem mais ninguém pensando aqui além de você. umas bem e outras mal vestidas. La haviam pessoas.E daí. e proibido pensar? . Platão e Nietzche. seu imbecil. Estava tão maravilhado com ela que nem percebi quando entrei em um beco sem saída. talvez dos dois. .Olhem. o que me tranqüilizou um pouco.

e poderei manda-lo pessoalmente à merda! 57 . Por isto alcancei o perdão dos pecados. mas eles me pegaram. ao que a busca pelas respostas me fizeram pensar ainda mais. Foram injustos comigo. Quis correr. Em breve estarei cara a cara com Deus. e agora sou um anjo indo rumo ao paraíso. Vi quando estavam despedaçando meu corpo. logo eu era um mártir que perdera a vida em nome de uma revolução. O céu se abriu.A afirmação me trouxe à frente uma série de dúvidas. e então concluí que estava morto.

no topo da colina.Muito Além do Horizonte sem fim S entado. até onde a curvatura da terra permitia. De onde estava. Para ele era tarde. Lá embaixo tinha uma pequena vila. um bosque e um jardim. apesar das poucas horas da manhã. mas não prejudicavam a qualidade do cartão postal nem diminuíam a beleza. o qual perdia força ao encontrar-se com uma represa. Os raios solares refletiam em um espelho d'água que se formava de um rio. Soldados do exército inimigo marchavam e circulavam no cenário. olhando o sol que nascia. Já deveria ter cumprido as 58 . e nem mesmo o foram quando esteve lá embaixo. ali. contemplava. Não representavam perigo para o lugar onde estava escondido. tinha vista privilegiada: dava para enxergar muito longe.

mas logo uma revoada de pássaros mais ao norte o distraiu. naquele lugar. Queria que o tempo parasse naquele lugar. com a intenção de reforçar posteriormente a memória. Não. nenhuma outra sensação poderia superar o sentimento de paz. se tivesse a certeza de sentir eternamente o que estava sentindo. o calor já 59 . Ali. A observou com um binóculo. e como era linda! Imaginou-se com ela por um curto espaço de tempo.ordens e ido embora. destilava o espírito. Não ficaria infeliz deixando tudo para trás. Por fim levantou. Mas o tempo passava. Ali. Acreditava estar segura dos olhares indiscretos. Ah. esquentando um pouco a brisa do amanhecer que se tornava dia. enquanto entregue à contemplação. como que a livra-se de impurezas. Tirou uma foto.. Como poderia existir um ambiente tão perfeito? ou seria um devaneio. Seu relógio denunciava o atraso. a mistura entre a percepção sensorial e as divagaçoes da mente? Pouco importava. mas ignorava os dele. desviando o olhar e a imaginação.. Uma garota aproveitou a manhã para se banhar na represa. a natureza. Aquele momento único merecia ser contemplado. Perdeu mais uns vinte minutos vendo o sol escalar o horizonte.

Um último olhar. Lá embaixo. destruíram o cenário. quentinho. Revisou os planos. Já descia a colina pelo lado oposto quando as bombas. as fumaças nas chaminés anunciavam que o café estava saindo do fogo. Simbolicamente abraçou-a. 60 .dominando a brisa fresca da manhã. Tudo estava perfeito. estourando. O lugar e o momento eram agora simples lembranças. um beijo e um respirar. conforme fora planejado. sentindo o cheiro da grama e da natureza. Por fim apertou o botão. registradas em sua mente e em um filme fotográfico.

Related Interests