You are on page 1of 3

Medições de som e vibração: Guia prático

Publicação: Ago 21, 2013

Visão geral
Esta página é parte do portal de recursos centralizados Guia prático para as medições mais comuns

Índice
1. Visão geral de som, vibração e sensores piezoelétricos (IEPE)
2. Como fazer medições de som e vibração
3. A conexão do sensor ao instrumento
4. Hardware e software recomendados
5. Webcasts, tutoriais e outros recursos práticos referentes ao som e vibração

1. Visão geral de som, vibração e sensores piezoelétricos (IEPE)
A vibração ocorre quando uma massa oscila mecanicamente ao redor de um ponto de equilíbrio. Um exemplo comum de sistema mecânico vibratório
é o sistema de massa-mola-amortecedor, ilustrado na figura 1. A vibração também ocorre em superfícies, como em asas de aviões ou gongos. Em
muitos casos, as vibrações são indesejáveis, porque gastam energia e provocam estresse e ruído - normalmente os sistemas são projetados de
forma a minimizar esses tipos de vibrações. Por outro lado, estruturas vibratórias geram ondas de pressão, ou som, o que pode ser desejável no
caso de instrumentos musicais.

Figura 1. Sistema de massa-mola-amortecedor
Som e vibração são basicamente oscilações em meios diferentes; da mesma forma que vibrações podem criar som, ondas acústicas que se propagam pelo ar também podem gerar oscilações
em materiais sólidos. Como as teorias subjacentes aos dois fenômenos estão relacionadas, as medições de som e vibração também têm naturezas similares.
Podemos representar o som e a vibração como oscilações; as oscilações mais simples são formas de onda senoidas, expressas no tempo como [fórmula], que têm a frequência angular ω e a
fase φ como constantes. A frequência angular ω é representada em radianos por segundo (rads); ela é relacionada à frequência (Hz ou s-1) pela seguinte fórmula:
ω =2πƒ. A frequência angular sempre é descrita em relação a uma fase φ, que descreve o deslocamento da onda a partir de um ponto de referência específico no tempo inicial t0, normalmente
expressa em graus ou radianos.
Análise de medições de som e vibração
Em aplicações reais, os sinais de tensão medidos são formas de onda complexas, que contêm muitas componentes de frequência. A análise do som e da vibração normalmente envolve a
identificação e análise dessas componentes de frequência. Para fazer isso, precisamos converter matematicamente os sinais do domínio do tempo ao domínio da frequência, usando
transformadas de Laplace, Z- ou Fourier. A análise de Fourier é a mais comumente usada para essa aplicação, por fornecer a magnitude em decibeis (dB) e a fase ω associada (graus ou
radianos) de cada componente de frequência presente em um sinal.
Sensores IEPE
Os indicadores típicos para as medições de som e vibração são respectivamente a aceleração e o nível de pressão sonora. Esses indicadores são comumente medidos com o uso de dispositivos
como acelerômetros (choque e vibração) e microfones (som).
Muitos sensores usados para medir aceleração e pressão são baseados no princípio da geração piezoelétrica. O efeito piezoelétrico indica a capacidade de materiais cerâmicos ou cristais de
quartzo de gerar potencial elétrico ao sofrerem esforços de compressão. Esses esforços mecânicos são disparados por forças tais como aceleração, strain ou pressão. No caso dos microfones,
ondas de pressão acústica provocam vibrações em um diafragma ou membrana fina, que transfere esses esforços a cristais piezoelétricos colocados ao seu redor. Os acelerômetros, por outro
lado, contém uma massa sísmica que aplica forças diretamente a cristais colocados ao seu redor em resposta a choques e vibrações. A tensão gerada é proporcional aos estresses internos dos
cristais.
Uma classe particular de sensores piezoelétricos, conhecida como sensores piezoelétricos eletrônicos integrais (IEPE), incorpora em seu projeto um amplificador, colocado próximo dos cristais
piezoelétricos. Como a carga produzida por um transdutor piezoelétrico é muito pequena, o sinal elétrico produzido pelo sensor é susceptível ao ruído; dessa forma precisamos usar circuitos
eletrônicos sensíveis para amplificar e condicionar o sinal e reduzir a impedância de saída do sensor. Dessa forma, é claro que o IEPE integrará seus circuitos eletrônicos sensíveis o mais
próximo possível do transdutor, para garantir uma melhor imunidade ao ruído e facilitar o encapsulamento. Um sensor IEPE típico é alimentado por uma fonte de corrente constante externa e
modula a sua tensão de saída conforme a variação da carga aplicada ao cristal piezoelétrico. O sensor IEPE usa apenas um ou dois fios, usados simultaneamente para a excitação do sensor
(corrente) e a saída do sinal (tensão).

2. Como fazer medições de som e vibração
Os circuitos de condicionamento de sinal usados na medição de som e vibração são relativamente simples. Um sistema de medição de aceleração ou nível de pressão sonora típico contém os
seguintes componentes:
Sensor
Fonte de corrente, para excitar o sensor
Aterramento adequado, para eliminar a captação do ruído
Acoplamento CA, para remover offsets CC do sistema
Um amplificador de instrumentação, para elevar o nível do sinal do sensor
Um filtro passa-baixa, para reduzir o ruído e evitar o aliasing no sistema de aquisição de dados
Circuito de retenção e amostragem simultâneas, para manter o timing adequado entre os diversos sinais
Como mencionado na seção acima, as medições de som e vibração são altamente susceptíveis ao ruído. É possível reduzir esse efeito, entretanto, aterrando adequadamente o sistema. Você
pode evitar o aterramento inadequado resultante de loops de terra ou nós flutuantes, aterrando apenas a entrada do condicionamento do sinal ou o sensor, mas não os dois simultaneamente. Se
o sensor estiver aterrado, você precisará conectá-lo de maneira diferencial. Se o sensor estiver flutuante, você deverá conectar o sistema de condicionamento de sinais invertendo a entrada com
o terra.

O sinal adquirido do sensor é formado por componentes CC e CA, sendo que a parte CC desloca a parte CA com relação ao zero. O acoplamento CC remove o deslocamento CC do sistema

1/3

www.ni.com

a taxa de amostragem do sistema deve ser de pelo menos duas vezes a frequência dos sinais que estão sendo adquiridos. 3. Isso garantirá a atenuação do ruído das frequências mais altas e que os componentes de aliasing que estão acima da taxa de amostragem não distorcerão a medição. Acelerômetros triaxiais têm três saídas e um eixo para cada canal de aquisição. Para termos medições exatas.2 k/s e ainda oferecer o condicionamento de sinais do IEPE selecionável por software. Para garantir que está amostrando a faixa de frequências correta. A conexão do sensor ao instrumento Como exemplo. para evitar a entrada de ruído do terra. Al+ fornece a excitação CC e a conexão do sinal CA. como a NI Sound and Vibration Suite. que podem ser individualmente conectados a um sensor IEPE (veja a figura 3.com . Podemos executar um processamento de software mais avançado nos dados. O acoplamento CC remove o deslocamento CC do sistema usando um capacitor em série com o sinal. Módulo NI 9234 série C com chassi NI CompactDAQ Esse módulo tem quatro conectores BNC. Um exemplo simples é a transformada rápida de Fourier. Pinagem do conector BNC do NI 9234 Figura 3. Sensores IEPE tipicamente têm invólucro eletricamente isolado dos circuitos eletrônicos do IEPE. dessa forma. inclua um filtro passa-baixa antes do amostrador e do conversor analógico-digital. vejamos o módulo NI 9234 série C. Figura 3. acoplamento CA/CC e filtragem antialiasing. Você pode conectar sensores IEPE flutuantes ou que tenham referência ao terra no NI 9234. Pinagem do conector BNC do NI 9234 Um sensor IEPE precisa de cabo e/ou conector adequado para ser conectado nas entradas BNC do módulo série C. sendo que a parte CC desloca a parte CA com relação ao zero.ni. você pode adquirir e visualizar os dados usando o ambiente de programação gráfica LabVIEW (veja a figura 4). 2/3 www. mesmo se o sensor estiver aterrado. A parte externa do conector Al.) O pino central do conector. mas a sua conexão precisa ser flutuante. podemos converter a tensão adquirida em dados de frequência. sua conexão no NI 9234 será flutuante. No software. usando funções de análise espectral (domínio da frequência). projetado para medições de acelerômetros e microfones (veja a figura 2). Veja a sua medição: NI LabVIEW Após ter configurado o sistema corretamente. O NI 9234 pode ser usado em um chassi NI cDAQ-9172.O sinal adquirido do sensor é formado por componentes CC e CA. ou função FFT.fornece o caminho de retorno da excitação e a referência de terra para o sinal CA. usando uma das muitas ferramentas que a National Instruments tem a oferecer. Figura 2. onde cada canal exige o seu próprio condicionamento de sinal individual. O NI 9234 pode amostrar simultaneamente quatro entradas analógicas a 51. o que aumenta drasticamente a resolução e a faixa dinâmica utilizável do sistema. Um sistema de sensor com acoplamento CA elimina a deriva CC de longo prazo dos sensores provocada pelo envelhecimento e temperatura.

Espectro de potência com o NI Sound and Vibration Toolkit 4.com . demonstrações de produto e estudos de caso relacionados ao som e vibração Novo em som e vibração? Novo treinamento online com instrutor disponível na NI 3/3 www. Hardware e software recomendados Exemplo de sistema de medição de som e vibração NI CompactDAQ: Vídeo de três minutos do instrumento Faça um tour virtual do NI CompactDAQ Saiba mais e teste o software LabVIEW sem pagar nada 5.ni. Webcasts. tutoriais e outros recursos práticos referentes ao som e vibração 10 Perguntas a serem feitas na escolha de seu sistema de medição de som e vibração Tutoriais interativos de aplicação.Figura 4.