You are on page 1of 57

'-------~

--

HORTA EM - - - --

-

-

PEQUENOS ESPAÇOS

FLÁVIA M. V. T. CLEMENTE
LENITA UMA HABER
t:nIT"n~s TÉCNICAS

-

-

- - -- - -- - - - -- - - - -

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Embrapa Hortaliças
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Horta em
pequenos espaços
Flávia M. V. T. Clemente
Lenita Uma Haber
Editoras Técnicas

Embrapa
Brasllia, DF
2,012

E xc mpl él r e~ dessa publi cação pod em se r adqu lrlcl os na :

Embrap a Hort ali ças
BR 060 Rodovi a Bra sília
An ápoll s, Km 9
Cai xa Po st al 2 18, CE P: 70 .35 1-970
Br asfl la - DF
Telefone (6 11 3385 -9105
E-ma": sac@c nph .embr apa .br
Com itê Loca l de Publicações da Embrap a Hortali ças
Pr es id ent e : Warley M arcos Nasc im ento
Editor téc ni co: Fáb io Ak lyo shl SUlnaga
Supervisor ed it ort al: Geo rg e J ames
M emb ro s: h alo M oraes Roc ha Guede s
J adir Borg es Pinh eir o
M artan e Carva lho Vidal
Agnald o Donl ze te Ferr eir a d e Carvalho
Ca rlos A lbert o Lope s
Norm aliza ção blbllog ráltca : Antonla Ve ras de Souza
Re v isão de Texto : Fábio Akiyo shi Sutnaga
Supervisão editorta l: Wa rley Marcos Na sc imento
Projeto gráfico e editora ção eletrônica : And ré LU Iz Ga rc ia
Re visão final: Fl áv ia M . V . T . Clemente
Impressão: Graciosa Informática e Prowamação Visual Ltda .
Capa: Leand ro Santos Lobo
Foto s: ArquI vo da Embrapa Hortaliças
, . edi çã o
1 a impressão (20 12 ): 1000 exe mplares
Todo s os direüos re se rv ado s
A rep rodução não -autorIZada des ta publi caçã o , no todo ou em parte , co n stit ui
violação do s di reitos auto rais (Lei nO 9 .6 10)
Dado s Internacionais de Cataloga ç ão na Publicação (CIPI
Emb rapa Horta liça s
Hort a em pequeno s espa ços I Flávia M . V . T. Clemente , Lenita Lima Haber, edi toras
técnica s. Bras ili a, DF : Embrapa, 2012 .
56 p. : 11. co lar .: 17 cm x 24 cm.
ISBN 978 -85- 7035-04 7-3
1. Horta s casei ra s. 2. Hortaliças . 3. Pr odu ção de alime nto s. 4 . Saúde . 5 . Segu ran ça
alimentar . I. Clemente, Fl ávia M. V . T. 11. Haber, Lentl a Lima .
COO 635

Emb rapa 20 1 2

Ao colega Adejar Gualberto Marinho ,
pelos anos de trabalho dedicados à Embrapa e,
com singular carisma, a este projeto,
Dedicamos
SIPT - Embrapa Hortaliças

br lenita lima Haber Bióloga .embrapa . Ora .br Patrícia Gonçalves Baptista de Carvalho Bióloga .br Flávia M. Analista .emb rapa . Embrapa Hortaliças e-mail : adejar@cnph . Ora .br .. Assistente . Pesquisadora . Ora. Embrapa Hortaliças e-mail: clemente@cnph. Embrapa Hortaliças e-mail: patricia@cnph.. Embrapa Hortaliças e-mail: lenita.haber@cnph. Analista . Clemente Engenheira Agrônoma ..embrapa .Autores Adejar Gualberto Marinho Técnico Agrícola . T. V.embrapa.

..... 38 Cravo-de-defunto .... 9 Ca pítulo 1.............. ........ . ............ 15 J\ importância do solo ... ............... ....... ........ ... ... . ... .. ... . .... ....... .................... .............. ... ..... .... ............... ... .... ............... .. 11 In trod ução ...... .......... ....... ......... . . ...... .... ... ... ......... .............. ..... ........ ... 39 Calda de camo mila ..................... . . ......... . .......... ..... 28 C apítulo 3..... . ........... ....... .... ...... ... . ... ... 33 Recomend ações para o cultivo de ho rtaliças: dicas ge rai s para o plantio em pequ enos espaços e plantio convencionaL .. ... . .... ..... . ... .............. ......... .. ...................... ........... . .. ....... ..... 39 Leite cr u e água.. . ...... .... 31 I ntrodução .... ........ ................ . . .. . .... .... ......... . . .............. ......... ....... ... . . . . ..... . ......... .... ...... ....... . ... . .... ........ .. ......... ...... .................. . . .. ........ . .... ... ......... Descrição das hortaliças . ......... . . ....... .... . ......... ....... .... ... .................. .. .. . .. . ....... ...... . . . ......... . . . ........ . .. .. ......... . .. ....... ..... ........... .. .. 38 Calda de cebola ............... ..... ...... .. ......... ............... ... .. ..... . ...................... . ... ......... ........ .. 13 J\ importância da água na irrigação .... ..... 26 Pragas e doe nças . ...... ........... ........................................... ... ... 40 Planta do gergelim .. 23 Preparo do solo ........ .. . . ...... ..... . ....... .... .... ...... ....... ......... ... .. ..... ...... .. . . ... . . .... .. .. .... .... 17 Capítulo 2.... ............ .. ........... ....... . ...... ........ . .................. ....... . .. ........ .. ............ ... .. .. ....... ....... ... . ...... .. . .... . .. . 37 Extrato de folha de //eCII/ .. ........ . ... ... ... ..... Produzindo as hortaliças .......... ... . ...... .... .... . . .... . . ...... .... .. .............. . ... . ........ .................. .... .. ...... .. 39 Calda bo rdalesa ......... ... ..... ... .. .......... ..... 21 Introdução .. ........... .......... .... ..... ............... ......... .. ..... ... 38 Calda de fum o com pimenta .. ... ....... ..... ..... . 39 Calda sul focálcica . ... ............. ........ .... . .... .......... ... .. ... ............. ... . ................. .. ..... .. .................. .................... ....... ... ..... ..... ... . .... ........ ... . ...... ............. .. .... .. ..... ........... ............. .......... ......... ... .... ......... . ...... .. ... .. . ... . . .............. ........ ... ............. .. . ........ . 13 t\ importância da lum inosidade ............... ... ...... ..... ... . ..... ..... ........... ..... ........ .. 15 t\ im portância dos nu tri entes .......... .. .. ... .. ...... . ... ... .... .. ... . ... ............. .. ..... . ...... ... 34 Controle de pragas e doenças ......... .... .... . ... ............ .... ... ... ........ 25 Escolha c plantio da ho rtaliças ................................. . ........ ...... . ...... . .. . ... 38 Preparados com sabão .................. ... ... ..... . .. .. .............. . 37 Calda de fum o ....... . 40 .......... ............ ....... .. ......... .................... ...... ....... . ... .. ... 39 Preparo com leite .. ............. .. ......................... ... . ...... .. .......... .. .. . ... ... .......... . ..... ....... ...... .. .. ..... ........... . ........ .. .. ............... .......... .. 37 Ó leo de lleetll (Azadiracbta illdica) .......................... .... ........ .. . . ... ...... ...... .. .... . ........... . ........ .. .................. .. .... 23 i\ lateriais utili zados .............. ..... ... . . ........ ....... ........... ... . ........ ...... ... ..... . ... ...... . ....................... ............... .......... . ...... .. .. ........ ... Fatores que afeta m o d ese nvo lvi m e nto d as plantas . ... ......... ........................ .. ....... . .Sumário Aprese ntação .... ... .

..... . ..... ...... 53 ...... ............. ....... .. ..... .... ......... ........ .......... 46 Pro teínas ...... . .. ...... .... . ................ ....... . .... ..... ......... .. ....... ........ . ......... ... ... .... . ............... ............ . . 49 Organossulfu rados .. .......... . ...... . .. .. ..... .... ...... 43 Impo rtà nci ~ das ho rtali ças ........ ..... ........ ......... ............ ...... ...... . .... ....... ... . . 50 Conservação das ho rtali ças . ...... ..................... .... ..... ..... .................... . ...... .. 51 D icas : co res e sa úde .. .. nutri ção e saúde .... ..................... ...... ............ ...... . ................... . .................. . .... .... ...... ........ .......... ............. 45 Fib ras ............ . .. ... H o rtaüças .. ...... ..... ....... ..... .... ...... ... .. .... ....... .............. .. ...... ....Capitulo 4.. ... .... ............ .. ............ . ... .. ......... ............... . .. ............ ........... ...... . . .......... . 48 Antiox....... ... .... . ... ........... 46 Lipídeos ..... ...... .... ..... . ... 49 Fla\'o nó ides ... . ...... 47 Minerai s ........... .... . . . ...... 4 1 In trodução ... ....... .. .. .... ............ ... ...... ........... ............. ..... ........ .. ... ... ........ . .. . ........... . . .... ........ ... . ..... ............. ..... . .. .......... .... .. .. ... .... . . .............. 49 Polifenó is . ..... . ..... ............ . .. ........... ...... . ... .. ...... . ............... 48 Carotenóides . .. ... ...... ..................cores.. ..... .... ................................. ... .. ... ........... .... ............ ..... . .... ..... .... .... 45 Ca rbo idratos ..... . ... .. ... ...... ....... ........ .... ..... . ..... ..... .. . .. ........... ......... . . ..... ........... ........ .. 50 Glicosinolatos ...................... .. ... . ... ........ .... .......... ......... 51 Referências ...... .................. ... .......... ...... . ...... ....... ..... ....... ..... .......... ........ ........ ............. ....... ............ ............... .. ....idantes ........... ... ............. 46 \'itamin as ....................... ......... . ..... .... . . ........ ......... .. .......... .... ........ ...... ....... ..... .. ... ....... .. ....... ... ......... ..... ...... ..... ............... ... ...... ........ ......... 43 D ieta c saúde .... ........ .. .... ........ ...... ............ ....... ............ ........ ..... ..... . .. .... ...... ... ............ .. ... . .... .................... .. ... ... . ............................ .... ...... .. .. .. ...... ...... ....... .. ................... .. ..... .. ............. ..... .. . .... ..................... 50 Co nsumo da s ho rtaliças .. ........ ........ .. .. ........ ..... .. ........ ..... ................ . . . .......

sacadas e quintais para produzir alimentos saudáveis. A iniciativa tem como objetivo a transferência de tecnologia de produção de ho rtali ças em pequenas áreas. é possível aproveitar espaços vazios de corredores. Com ISSO. condução e manutenção de hortas em espaços urbanos reduzidos. o livro "H orta em Pequenos Espaços" abo rda os co nhecimentos básicos que auxiliarão nas etapas de plantio. a E mbrap a Ho rtali ças.Apresentação o ri tmo de vid a acelerado das cidades. principalm ente metró poles. atividade que pode funci o nar co mo coadjuvante na prevenção do estresse cotidiano. desenvolvimento e inovação em olericultura tro pical. inicio u em 2004 um programa para cultivo de ho rtas em pequenos espaços voltado para o público urbano. Dividido em quatro capítulos. varandas. além de propiciar maior contato com a natureza. info rmando de maneira simples como interagem os diferentes fatores 9 . criando a possibilid ade de um a maior interação co m as plantas. referência mundial em pesqui sa. Co m cuidados diários e imaginação. Considerando-se o crescente interesse das pessoas em COnSUffilr alimentos frescos e saudáveis. o cultivo de hortas no ambiente do méstico torna-se uma boa opção para quem possui locais ociosos e está interessado em produzir hortaliças para consumo próprio. para o co nsumo familiar. carga de trabalho extenuante e po uco tempo di spo nível para o lazer faz co m que a sociedade urbana contempo rânea dedique tempo redu zid o aos cuid ados neces sários co m a alimentação e a saúde. caracterizado por trânsito intenso. livres de agrotóxicos. o leitor constatará que é possível colher ho rtaliças de qualidade em sua casa o u apartamento. alimentando-se melho r e co m muito mais prazer. Ciente deste cenário.

C()L'nl l'() e ce h()linh :\.:l(l de . 11lI1l'il'llle ~ pl' e~L' nle ~ n : \ ~ IHlrI : di ~' :\ ~ ~t )I() e Iu /.\. Pur nlL' i() de Ulll:\ lin g uage Ill UI1l pri\'ikg io d e ~ il1lpk ~ L' direl :1.1~~oci:1 d o s :1 pl'lldu(. /\ (lhl':\ L' U H1) () L' k ~ p(llklll contri huir p:\r:1 UIll :\ \'id :\ Ill :\i s s:\ud :i\'el. f()lh osa~ C() Ill() l1l o r ad()rl'~ cu lri\":\r tl'lllperos CO Ill(l sa l ~ : \ . C() n1() :'\. p()de L'st:\r :Hl :dca nce de I()d os.. () kitor \'crifi cani llUL' a produ ç:l() e o c()nSU!1lO d e di\'n sas h()rI :di ç:IS. ()U alf:lcL'.Cnal I ~ mbl'apa 10 Il ona li ças .IC. saulh\'e is e segura s. u:\.\I/o/'(!lIi C hefe . 1': 1ll ~ UIll : \. Celso LI/i::: . n 'lc uLI e ag l'l :)() n:\() seci 11l :1i ~ (Lt árc:\ rllr:d. pl :\111.\h() l'tI :\ :\ind :\ ()s h()rI : di ~' : \ ~.

CAPÍTULO 1 Fatores que afetam o desenvolvimento das plantas Lenita Lima Haber Flávia M. Clemente . V T.

.

35% nos lagos e pântanos e 2. 97. '\ 0 p()ten c ial ge nético podem se r at ribuíd as as ca rac te rísti cas ge néticas da pn')p ri a pl anta. ao transporte d e nutriente s. irrigação e adubação (nutri ção d.() nos pó los. . necessitam de água para a sua sobrevivência. com o as árvo res.Introduç ão () c r e~ciment() relaci()n a d() ~ l' () c!e se nl'oh-imenro das plantas . l lue determin am sua ca pac id ade de d ese nl'o h'er nu me io ambi ente. é res po nsáve l pela rig id ez d as raízes. se rão di sc uti lo s alg un s dos fato res que exe rcem maior inAu ênci a no cu lti\'() de ho rtaliça s. D esses 3/ 4. o u se ja. Quanto à estrutura. () manejo cultu ral e far() res a mbientais. \'a ri ál ' ei~ : e~tão di retamente () pmenc ial genético. o percentual fica próximo d e 50% . ao m e tabo li sm o e crescimento.ls planta s). () m anejo cu ltural está rel ac io nado aos tratos rea li n d()s na s plantas. O transpo rte d os nutrie n tes é feito em m eio aquoso.3% é de água salgada. os nutrie n tes tem que estar di ssolvidos na água p ara se rem u'an spo rtados e ab sor vidos . 0. com exceção aos fa tore s ge néticos. a partir de então to rnam-se di spo níveis para agir no m etabo li sm o e ge rar o co n sequente crescimento d as plan tas. fo lhas e fru tos.0 1% nos ri os. 13 . To dos os seres VIVOS.i combinaçào de trt:. temperatura e umidade. com o m anejo do so lo. que são p ar ticu lares a cada espéci e. animais o u vege ta. desenvo hri m ento e rep rod ução.\ bai xo.7"/0 de água d o ce. vind a de m ares e oceanos. e es tá di stribuída da seguinte fo rma: 0. dentre outros. O res tante. O s fato re s ambi entais re ferem -se à lu z. co m o a m aioria d as ho rtaliças. direta ou indire tamente. As principais funções da água nas plantas es tão relac io nad as à estrutura. que é a aprop ri ada para con sumo hum ano. caules. ge leiras e icebergs.t s. A importância da água na irrigação Nosso p laneta é formad o p o r 3 / 4 de água e ape nas 1/ 4 de terra. em p lantas len hosas. a água representa cerca de 80% do se u peso. Nas plantas herbáceas.34°. tem -se ap enas 2.

E m relação à temperatura. deve ndo-se irrigar as p lanras com m aIS fre quência para suprir a necess idade. o u seja. na avaliação para irrigação os parâm etros co n siderados são os físico -químicos.r o solo. a abso rção de água é maio r. manganês. a irrigação deve ser realizada diariam ente. plantas frescas e cruas. com deficiência em oxigê nio (ar no so lo). Quando as temperaturas estão m aIS elevadas. sólidos em suspensão e co ndutividade elétrica). a necessidade de irrigação é constante. cor. isto é. dureza. À medida que as p lantas vão se dese nvolve ndo. a frequência de irrigação de\'e ser me no r. Os testes que avaliam sua qualidade estão relacio nados às características físicas (temperatura. ão som ente pela frequência de uso no cultivo. químicas (PH. qua ndo o clima es tá m ai s am eno (tem pe raturas maI S baixas) a q uantidade de água ab so rvida pelas p lantas é m eno r. dentre o utroS fato res. sab o r e o do r. N o entan to. D urante a fase de prod ução de m udas. 14 . do arejamenro e da temperatura do solo. m as também p elo fato do co nsumo de ho rtaliças i ll flatllra. coli for m es fecais. utilizando po uca água e uma frequência maio r. po r isso é mui to impo rtante ter um bo m co ntro le e m anejo da irrigação. a água utilizada para irrigação deve ser de boa qualidade. podendo -se irrigar as plantas jovens uma vez ao dia. variando con fo rme a idade das plantas. Cabe salientar que as condições de temperatura. nitrogênio) e biológicas (colifo rmes e algas). dentre o utros. a irrigação deve ser diminuída em frequência e aumentada em volume. devem ser levadas em consideração. a prod ução de energia para a absorção do s nutrientes. turbidez. m até ria o rgânica. ferro.ibilidade da água vai d iminuindo á m ediela que é utilizada pela planta. três "ezes po r dia. mencio nadas no parág rafo anterio r. fato que pre judica o processo de respiração das plantas e consequenremenre. isto é. E m relação ao cul tivo de ho rtaliças. entretanto. alcalinidade. de\'e-se es tar atenro para não encharca. resíduos q uímico s. uma vez que solos encharcados p rejudicam a absorção dos nu trienres.fós foro.A maIo r pan e da água uti lizada pelas plantas é absoly ida pelas raízes e depende. A di spo n. assim . po r se rem po uco arejados. da quantidade di spo ní\'el. m atéri a o rgânica e presença de elementos químicos . e plantas adul tas de três a quatro vezes po r sem ana. po r se tratar de plantas de ciclo curto. sem co ntaminação po r agrotóxicos. oxigênio.

15 . plantas de dia curtos e as neutras. meruante a prese nça da luz solar. s pl antas de ruas longos prec isam de um maio r tempo de expos ição para seu dese nvo lvim ento. enquanto que as neutras dese nvolve m-se bem em qualquer conrução. . como a agricultura e. na produção e Aoração das plantas. cste co ntexto. a produção de hortaliças. A importância do solo O solo desempenha ruversas funções vitais. provavelmentc. constiruindo um impo rtante elemento paisagístico. são os fatore s que mai s contro lam a adaptação das cu ltura s (espécies). social e econômico. não se desenvolveriam. Neste processo.A importância da luminosidade A luminosid adc. precisam de cerca de cinco horas de lu z para a produção. A cebola e o alh o são exemplos de plantas de djas longos. convertendo-os em glicose e oxigêruo. O fato da luz estar ruretamente relacionada ao cresCImento e desenvo lvimento das plantas. end o a luz. dentro dela. fonte de energia necessária para o seu desenvolvimento. de 10 a 12 ho ras de lu z para a produção. como para atividades humanas. qu e precisam em médja. de caráter ambiental. absorve água. sendo co nsid eradas pl antas de ruas curtos. Sem a realização deste processo. minerais e o illóxido de carbono (gás carbô ruco) do ar. que é liberado para a atmos fera. tcmos as plantas di vididas em pl antas de djas lo ngo. As hortaüças fo lhosas. as pimentas e os pimentões. as de djas curtos preci sam de menos h ra s de lu z. ecológico. em geral. as plantas não produziriam sua energia e. se dá fundamentalmente pelo processo de fo tossíntese. e o to mate e o qwabo podem ser consid erados como plantas neutras. hospitai s e escolas). através do qual a ocorre a o btenção de glicose (açúcar). tanto para o desenvo lvimento de infraestruturas (moraruas. juntamcnte com a te mperatura. o fator ambi ental mais importantc que interfcre djretamcnte no crcsc imento. a planta. consequentemente. patrimorual e físico.

podenel o se r classificad os em: • Arenoso: solo mui to permeável. sendo muito utilizad o em plantações. send o geraJmente enco ntrado em lugares mais úmidos. podendo chegar até preto. facilitanel o ainel a a penetração elas raízes e o elesenvol\rimento das plantas. Essa variação depende do material ele origem deste solo. fo rmigas. • Calcário: solo com paróculas g randes. transfo rm anelo-a em húmus. desde tons de marrom. brancas e permeávei s. quanto maior a quantidade de matéria orgânica. fo rnecim cnto dc água e nutrientes. Esses animais. larvas c o utro . dentre outros fatores. Po ucas plantas conseguem se desenvolver. scndo ai nela b ' b abrigo e morarua para ru ve rsos animais como minh ocas. Estes o rganismos. poss w paróculas mui to grandes e que não retém água e também é po bre em nitrogênio (N). • J\![isto: solo com paróculas de vários tamanhos. ao se mo\"imentarem pelo so lo. o que pode inrucar sua boa fertilidade e que este solo é bom para o cultivo. fonte de o utras maté ri as-primas como a argila. Além disso. bastante permeável. da quantidade de matéria orgânica e dos minerais presentes. A cor do solo também pode variar muito. retém mwta água. mais escura é a cor do solo. geralmente encontrado em florestas e matas. fa zem pequenos canais que servem para a circul ação elo ar e ela água.A agricultura dcpendc do solo pa ra a fix ação dc raízes. ITunerais e turfa. • Argiloso: solo com menor perm eabilidade de água. a água penetra facilmente. 16 . sendo elc. água matéria orgânica e ruversas substâncias quimicas. também. se ndo que cada um pOSS UI sua importância e característica única. que to rna os solos mais fo fos e férteis e se n 'e ele nutriente para as plantas. amarelo e acinzentado. não retém muita água e possui pouquissimos seres vivos. Os solos podem ser ele di\'ersos tipos. Por exemplo. areias. o so lo ar maze na c tran sfo rma parciaJmcnte lrunerais. trituram e elecompõem a matéria o rgânica. • Humífero: possui paróculas de tamanh o intermeruário. passand o pelo vermelho. com paróculas minúsculas que retém muita água. aLL-ciliaelos por bactérias e fungos. retém muita água e tem uma biologia particular. O ideal para as plantas é a mistura de um pouco de so lo arenoso e uma quantidade maior do solo argiloso.

em muitos casos. em o utros. que podem se r o rgâ ni cos o u químicos. como cascas de frutas e legum es. o caso do solo nào ser férti l. podem ser usados co mo adubos de cobertura no decorrer do plantio e de acordo co m a reco mendação técnica.No entanto. principalmente nitrogênio (N). dentre o utros. elas não co nseguem completar o seu ciclo de vida. na o rdem N-P-K. te rra virgem o u so lo virge m. como a cama de fran go e o es terco de curral o u ainda de res tos de vege tai s. retiram o dióxido de carbono (COJ. ou mi stu rá-lo a so los mais férte is e com alto teo r de matéri a o rgâ ni ca. da água. ho rtaliças fo lhosas. respectivamente. se ndo impo rtante regá -lo frequentemente. sendo que. Os o rgânjcos são proveni entes de fezes de anim ais. a falta o u insuficiência deles causa um atraso no desenvolvimento das plantas e. Outros adubos químjcos. o oxigênio (OJ e o hidrogênio (H) e. os adubos podem ser rgânj cos o u químicos. para esta rem prontos para o uso. Um so lo fértil deve ap resentar uma qua ntidade razoáve l de maté ria o rgâni ca. em 100 kg. fós foro (P) e potássio (K). contendo. 17 . Esses números indicam a po rcentagem de cada nutriente.·o. geralmente de co lo raçào vermel ha o u amarelada e de baixa ferti lidade. se ndo os mais comuns para o cultivo de hortaliças os chamados " 4-14-8" e o "4-30-16". do solo. A importância dos nutrientes Alguns nutriente s são indispensáveis à vida vegetal. constituídos po r o utro s nutrientes. deve reter água e se r perm eáve l. Como já menci o nado. a maio r pan e dos so lo s utili zados para () cu ltivo de horta liça s são os chamados te rra de barra nco. chamados de adubos verdes. É impo rtante saLi entar que esses adubos preci sam passar po r um processo de curtimento. co mo os mjcro nutrientes. e aind a apresentar os minerais essenciais para o cu lti. g ramineas o u leguminosas usadas para esse fim. é recomendado ac rescentar ad ubos. que será dj scutido no capítulo 2. Os adubos químicos são compostos pelos rruneraJs necessan os para o desenvolvimento das plantas e são muito so lúveis. As plantas podem obter esses nutrientes de três fontes: do ar. Existem diversas formulações desses ad ubos reco mend adas para o pl antio.

C. magnés io I 1fT e e nxofre (5). água e à prop n a dispo nibilidade dos nu trie ntes.5 e m ostra a impo rtânci a de e co rrigi r so los ácidos (abaixo de 5. os nutrIentes . co m o a intensidade de transpiração e a m o rfo logia d as pl antas interferem na ab sorção dos nutrientes. O ~ e H são retirados do ar e da água. Como \"isto. • di spo ni bilidade dos nutrie ntes no solo : necessária para a abso rção dos mesm os . e.rctl ram S nutri entes mincr:1is. caracterís ticas intrín secas às plantas (fato res ge néticos). cobre (C u). P e K são os de m aior exigência no cultivo de ho rtali ças. Além dos fato res relacio nados ao solo. são di\1did os em dois g ru pos. tem pera tura. clo ro (Cl).~c n c i ai~ à~ plant:l~. po is se o pH do solo não esti \'er em uma faixa adequada. necessá ri os em m eno res quan tidades. zinco (Z n). a função e os SInto m as de de ficiência dos nutrientes m ais necessários às pla ntas. [sses nutricnte~ mincr:li~. 18 . c hamado de m acro nutrientc s. fósforo (P). m anga nês m o libdênio I j In). 1 o segund o g rupo temos os mic ro nutrientes. D e m aneira geral. é composro po r nitrog~ n i o (N ). cuj a necessidade va ria de aco rdo co m a espécie e co m a fase de desenvolvimento .5) po r meio da calage m . a raiz não co nsegue abso rver os nutrientes. p r ISSO o solo de\'e estar semp re úmido para fac ilitar a so lubiJi zaçâo. Essa faix a adequ ad a de abso rção está entre 5. se ndo constituido po r boro (8). A seguir serão discutidos a impo rtância. • te m peratu ra do solo: a faixa fm'o rá\'el de ab so rção está e ntre 20°C e 35°C. sendo q ue te m peraturas ab aixo de 10°C e superio res a 45°C red uzem a absorção. po tássio (I( ). po r se rem necessá rios em m aio res lluantid ades. é preci so cuidar d s seguintes fato res: • p H (índice de acidez) do so lo : é o fator que mais afe ta a ai so rção dos nutrientes. [o) e ferro (Fe).5 e 6. • água: é o " eículo que coloca os nutri entes e m co ntato as raízes. • aeração: o O 2 é necessá rio para a respiração das raízes . enquanto que do solo é retirada uma enorme parccla dos nutrientes qu e as plantas preci sam . cálcio (Ca). O primciro g rupo. Para (l ue isto aconteça de maneira efi ciente.

o bser va-se bro nzeamento da fo lhas. J\ deficiência desse extremamente pro blem ática para a pl anta. e ca racre ri za-se pela presença de uma c l o ro~e (am arelec imento) das fo lhas m a. vi sua lmente. 19 . a falta de K leva a uma c1 orose nas ~ lh as m ru ve lh as. das extre mjdades das raízes e Aacid ez dos tecidos dos fr utos. seguida po r necrose (morte) das po ntas e marge ns das fo lh as.is velh a. mo rte das gemas apicrus. vegetaiS. além de participa r da ativaçã de talos e raízes fo rtes de m wtas enzim as. A deficiência desse nutri ente mos tra uma clorose entre as ner vuras das fo lh as velhas da planta. sendo indj spensável para a m atu ração do pólen e crescimento do tubo po líruco. ta deficiência . as áreas am arelas vão escurecendo. em condições de ma.io r g rav id ade de. que evolw para uma necrose funda. • Magnésio (Mg) : é o elem ento principal na fo rmação da cloro fi la. O s into m a de deficiência se re Aetem nu m meno r cre cimento da s I lantas. é um Lmportante c m p nente da parede celul ar. poi ~ ~ componente de aminoác idos e o utras molécu las. desde os primeiro s es tágio de desenvolvim ento. D e maneira se melhante à deficiência de N. além de ser um impo rtante ati vad o r de enzimas do metabo lismo das plantas. A deficiênci a em Ca aparece c mo de fo rmações na fo lhas novas. A infecção causada po r vírus causa sinto m as parecidos. contribuj para ~ rm ação e am adurecimento dos fru tos e é indi spensável na fo rmação de emente .• Itrogenlo I ) : a l ~m de ~ cr re~po n ~á ve l pel a co lo ra ão ve rd e d a~ [o lh a" dese mpenh a um papel fun lamentai. sem a qual as p lantas não produzem carbo idratos. • Cálcjo (Ca): ajuda no cresci mento da rruz e do talo. fato q ue não ocorre com a de fi ciência de N. como enzim as. neste caso. • Fósfo ro (P): ajuda a fo rm ar raízes fo nes e abundante s. deve-se estar atento à presença de insetos elou ácaros transmissores de viroses. Quando a de fi ciência é m rus severa. do proce o de fotoss íntese e do tra nspo rte de ca rbo idratos. proteína s e ho rm ô nio impo rtantes para o meta bo li smo nutri ente ~ da ~ pl anta~ . seca e negra. a clo rose e tend ese po r roda a planta. po dendo ser co nfunillda co m defici ência de magnésio. • Po táss io (K) : está relacio nado co m a t rmaçã e vigoras s. to rnando-se pos terio rmente necrosadas.

t.C l1ll Cnto da llLTI' ur:1 prillcipal.I '.. L' nlrL' I11 'I " ... t1 . . Lk 1l1 .:L I I1Lk. fo lh :l .\l ' d.\In ) : .I 1111>L'I11 11l1I'tlrl. .l11IL' ~ 1' .1'. llL'1'l'llr:l '. .t.lIldll .\I ll) : (l'. 1'.. .'r111 :\I. I)L" L'Ill I'L' l1h.. 111 l rr"lllllriL' I1IL' ~ . lk("r111 .l~.ld c 1'l'1'Lk L'' '' UI'1I.'1l ~ d ..1 .'r. I'ndc -c l:lr:I '. L' l11tlrtL' d ..\ " "' 111clh . o.' .tll .I !'''IO'.IU '. I ~. L' )(l rL'111.t1..' . • I. . • .1 L' 111CIIlll11 11... .'''' ~ L' 1ll. I :1 1ll:tn hl I.1111. LTI':ld :1 UIll:1 c lo ('() .1 ' L'Il lllP .i nrolll a C: lu . l 'c lh :l ' c po " il'l' i .. l.I 11.L' L' .1' IX'Clll tl. pcrm :lllc cL' ndo apcll :l ' a.1i ~ Ihll':I .11l1il1ll..I'. nOI'a.('I1 / L':IIllL' 11111 L' 1'l l'.I kl':1 .1 ~II1IC~C ...1. lllIL'~:1 c1dicll' l1rl.1'..{l'1'ill r dcf.l11ll' C"I11I'''l1l' llIl' lk L' II111I'tl ~ ll" IIrg. l ~ ..rl1 .l . .\ I (llibd é11i o ( .ICIlll" (l '.\ll d.. I 'L'lh :I " 'L' lll c lhantc :'1 C:lu ' :ld a pcla f:!l u dc "': n a.c ndo C:l r :l c tl'1'i l.iC:I'. .\I:tng:lnl' .I L' 111 rllh rL' . ll ccnl.l r :11ll um :11ll:HCle c iIllC1lfO d :l '. 11(1\'. lll :1i .l lk 11lln'.>l11. (lllh :l. I rl'tIUI..i 11 I C'.I11CiLI .':\1 1 c cloro.'.lI :1 f:!l1. ().l ' 1111 " I'"rl'111. br:i.:ldo.I rL" I. ( . :\ :1' Iegulllil1(l. 1 d .n) : "' . C'llll UIll . .I !'.ll1h" d.lcido L' UI11 :1 Itll1 :tli d . d :l'. C l ll rtl ~L' .1111 .tll.1111.111..II11 11 n : l~ I 'c lh .:lP d :!:.1 c l() r o. ( ) ~ ~ 11111 11 11.I lklicil' l1CI.c n :l .. l'll lh :!:. . l ~ 1'1..i1lflll1l:l . ll U.(rc l ~ \ : c Ul 11 1111I'"rl. CO Ill() r L' polho L' CI1 UI'\" o .II11Cl1l11. :ll'i c :l i" • CohrL' (('U ) : .11l1CI1IL' .iLI!.t.rl''. l'r"IL' 111.I111 :l1lhll.l'..tllcLI II l.lI :1 f :tll.ob rc UIll fUl1do :11ll:lrL' I(). dc dciicIl' n c i:1 I ':tn :lm dc :Ic () rd ll Cll ll1 :1 c'pL'Cic.1 ~ .c d a. I'l 'Llel1du ' L' 1ll:lnitc .. • I\llnl \ 1\ ): ~U.I1ll 11. pclo CrC . l ~ 1'1.\lI 111u r ch ..adu L' co nhc c ido por "r:lbo dc chicotL' ''.1 L' :I Clllllr. inrolll :l' 1ll 0'.li .1111.l ' !'.I Ic )( l u r. 20 .k ~ ~ .I rl'tlu (i..: L't'.1111k.I rl..:I. Il .1~ (1.:Ill c.\.I C.\ll... CI lI110 :1 LTI ' ilh :1 L' :1 Iel1tilh :l .I ~ d .:I ( IOnl 'L' cnl r c :l:i nLTI ' ur:l ..l' gL'11 1.kl1l r c 11111 r . ti H .1 '.L'I1IL' Illl~ .: lI11 ~ 1'1" 1(L" ~ 1 l ~ 111 L'I.k 1l1l1krul.• l ' I1'\. Ctll11tl L' l1 / i111:1 '.l.:ldll :lp\' n :l . 111.\ll dll 1. d :l ' folh :I'.IU ~.1 (.. Ij'L'I ~ L' m .l!.. h(..incll ( I.111111111.I'.\ 1 :1" dL' lll :t n ci r :1 gLTa l.m ll ll11 :" dc cn clI rt :IIll CI1I 11 d. I11IL'. 11' 'I ' . • .I C.. d ci)(:l lld o UIll :1 :lp:lrl'nci :1 dc um a r cdc l 'cHIe c I-illa . I'clo d C!'1 Irm :I!.ll 11 1. • C!ll('(l (U ): . foi h :!:.. ICll1.IL' ld" .tI.l r :IClni l. 1ll:l rg in :li " • Fnro ( FL'): C:1l1 '..c..1. é ob '.1!. I :lr LII1 I '1 11:" f(llh. !'lllh .I Lklicil' l1CI. :I'. . fo l h :l.

hortaliças Adejar Gualberto Marinho Lenita Lima Haber .

.

Figura 1. p aço s é uma alte rn ativa pa ra pessoas llue não poss uem e m suas casas o u apa rtam en to s espaço sufic ie nte para o p reparo de uma h o rta em ca nteiros. garagen s e fund os d e quintal. vasilh am es de m anteiga. terraços. sacadas e beirais d e apartam e nto s. co m o m os trado na Fig ura 1. CJue é o m étodo tradi cio n al. va rand as. Recipientes que p odem ser utilizados como canteiros em ho rtas em p equenos esp aço s. cano s de PVC. po d em ser pne us. canteiro d e m adeira susp enso. jardineira d e alve naria. que se rão os mjni cante iros p ara o pl antio das ho rtaliças. 23 . Materiais utilizados f\ esco lha d o mini ca nteiro depe nde rá do espaço di sp o nivel e do que se adequar melho r a ele. J::sse s espaços po d em ser o s co rredo res exte rn os das ca sas. tambo r de latão ef o u de plás tico. jane las.Introdução () pl an tio de hor tas em pequ e nos c. garrafas pet. Os recipie ntes. baldes. latas. para CJue as pl antas rea lj ze m a foto ss íntese para co mple tar se u ciclo de d ese nvo lvimen to. 1':5te c ul tivo deve se r fe ito em luga res o nd e ha ja so l em pe lo m enos um pe río do do di a (ap rox im adam e nte 5 ho ras) e qu e te nh a luminos idad e.

fix a-se made iras nas late rais. Os demais materiais. D epois de ste procedimento. co m o demon strado na Figura 3. de mo do q ue se asse m elh em a calhas. cortando-os em d uas partes. devem ser feitos furos para drenage m do excesso de água. pneus de\-cr:l o se r C01T ldos :lO meio. se ndo p refe ríve is os de 200 o u 300 mm de diâmetro. As garrafa s per de\'em se r cortac. O . no 1111C10 do gargalo. Canos de PVC utili zados para a co nfecção dos mi ni canteiros. jardineiras de alvenari a e tambo res de latão o u plás tico podem ser utili zados sem um preparo especial. Poste rio rmente.bs em um a altura de 20 cm . Esses recipientes podem ser m an tidos no chão o u em supo rtes. d etalhe para os furos de drenage m de água. no entanto. Esses supo rtes devem ser confeccio nados nas medidas dos recipi entes que serão utili zados. na parte inferio r do cano. É necessário que se faça m furo s em cada uma da s partes de apoio (fund o). latas (1 a 20 litros). Ca nos de P\'C também podem se r uti lizados. fo rm:lndo uma espécie de bac ia (Figura I). o canteiro de madeira suspenso po de ser construído de aco rdo co m a necessidade e espaço existente. de\-c-se inverte-los e fixa r ao fundo (pa n e de menor diâmetro) uma tábua de madei ra.O s m:l reriai s que serào uti lizados del"l'!11 se r p repa rado s antes do p lantio. --' ~ Figura 2. devendo ser apenas bem higienizados. E m todos eles. para drenage m do excesso da águ. a profundidade deve se r de 20 cm.1 de irrigaçào. 24 . como baldes plâsticos do mésticos. llue de\-c ser cortada um pouco maio r llUl: o fund o do pneu. fo rmando o canteiro no tama nho desejado (Figu ra 2). para não causar danos às raízes.

Como mencio nado anteriormente. adubo orgânico e quirnico (N PK 4. para evitar a 25 . D epois de coletada. sendo coletada de 20 a 30 cm de pro fundid ade. os mesm os têm qu e es tar bem curtidos. é importante atentar para a p rofu ndi dade do mesmo.14-8) e calcário. co m pH baixo e liv re de sementes de ervas daninhas (plantas invasoras). o ideal é que te nha aproxi madamente 20 cm. Suportes para ho rta em pequ enos espaços. a terra tem que ser peneirada para separar as particulas mais finas dos torrões. N o e ntanto. Preparo do solo Para encher os canteiros fo rmados com os pneus.Figura 3. se ja qual for o recipiente. garrafas pet e os demais recipientes serão necessários: terra. co nsiderada solo po bre. O adubo o rgânico pode ser tanto o es terco de bo i com o a cama de frango. A terra a ser utilizada e a de barranco. canos. que podem prejudicar o plantio e o desenvolvimento das plantas.

colher na época certa. contro le de p ragas e doenças e ainda. ele s eSLlo prDcntes na po rção de terra logo :-Ib. o caJcítico e o magnesiano.'ma químico. D epois de preparado. D e posse dos materi ajs.:-se co mplementar a co m uréia . Llue l: o riundo de rochas.lç. 26 . Escolha e plantio das hortaliças o passo seguin te é a escolh a d e q uais hortabças serão plantadas.ire:1 de m . :\ mi ~tur.lixo d . lI1i ~ mo~ prc .lí7CS e conLlm in. O pro cesso dc curtimcnto t' feito peLI :l . pa ra as plantas. acrescentad os ao l' d croi~ de colerad os. plantá-Ias da maneira m a. nas segull1 tes propo rções: para 50 li tros de te rra de barranco. como fo nte desse nutri ente. • • 200 gramas de NPI.itrogC: nio e o clo reto de po táss io.l~ fo lh a~.mo. o riunda dos com po t s o rgân.ll o1 na ti. cau~:1 d o re' de doe nça'. adubaçã ::--:0 caso de utilj zação deste fertib za nte.e o prepa ro do solo. tendo sempre a atenção de comprar sementes de boa quaüdade.1 da~ r. d I'C. 4.':!.. o so lo já está férti l e ri co em mac ro e mi cronu trie ntes.como fo nte de n. inicia. em fu nção da I'iab il id ade. melhoram a parte físic a do so lo. cntc ~ no so lo que po dem se r cokra dos em um el . bem como em maté ria o rgân.o u sulfato de am ô njo . l. ac rescenta-se: • 100 gramas de calcário o u cal hi d ratada.l del'c ~ cr m o lh ad a c cobe rLl co m um pl ásti co para que o procc sso se inic ie.10 dc microrg. no entanto pos uj quanti lacles mui to pequena de nürogc:nio e po táss io. 34 btros de es terco de gado o u 17 litros de este rco de galinha. ter cilldados com a irrigação. t\ o p ões de calcário a serem utili zadas são o do lo míti co.icos.. pode ndo-se utili za r também a caJ h. Em relação ao a lub l':PK +-1-+. dCI'Cm ' er ste rco.ica. a indicação é de tlue se use o g ranulado pçào a es te ad ubo é o rerm ofo~fara d o .10 por micro rga ni . mas que.lJuein1.is ap ropriada. O ~ adubos o rgà nico~ cu rtid o" além dc di spo nibili za rem mais eficie nteme ntc nutri ente. seja djreto no canteiro o u po r mudas respeita ndo os espaçamentos recomendados.idratad a.14-8 o u 200 g rama s de adubo te r mo fos fatad o.

chi có ri a. embo ra cja po sível. Varia nd entre as e pécies. e multo Impo rtante colocar o numero de plan tas que é inilicado para a cultura esco Lhida. fru ro como pimentão. e ap rc enta rem em sua g rande maio ri a um cicl o de desenl'olvimento mai. E m relação ao espaçamento. Para i so. entre as ho rtaliça.Sugcn:.e meada dire to n recipiente (mini canteiro) ou po r mu de mud a . Para o plantio de hortas em peq uenos espaços o espaçamento reco mendado é 70% do plantio co nvencio nal. nos mercados e hipermercados e ainda nas CEASAs. No entanto. hortel ã. ou (r a~. tanto na fase de se meadura quanto na fase de mudas. coloca-se até três se mente po r COl'a. pocjo. alfavaca. as sementes são colo cadas em ba ndejas de iso po r o u copi nh os desca rtáveis. deve ser reali zada duas vezes ao dia. pois as plantas necess itam desse espaço para se dese nvolver e completar o seu ciclo. co nfo rme a necessid ade. é necessário fazer a muda com antecedência. pela m anhã e à tarde. cebo li nha . c m profundid ade máx ima de 1 cm. Para plantas jovens. o caso da fo r mação da ho rta em peque nos espaços a parti r de mudas. CO UI'C fo lh a.5 cm ou ili stribuídos em ulcos. e'pin afre. toma le e pim enta ~ . arrancam-se as plantas mais fracas e deixam-se as ma is l 1'1 o ro a . almeirào. manjericão. E m relação à compra de sementes. confo rme demo nstrado na Tabela 2 do Capítul o 3. l o ca so do emei o di reto no canteiro. Quando as mud a apre entarem de rrês a quatro fo lhas definiti vas. e as adultas de quatro a cinco vezes po r semana.~e co me ~ ú\'C1 llu C ~ elam pl anrad:I\ e um cicl o de I' ida a~ honali a~ q ue p()s\ uem a parte aerea Ur! O como () coentro. usa ndo ubstrato apropriado para e sa atividade. erva cid reira. longo. reco menda-se irrigar todos os ilias. rLlcu la. r\ sementeS podem er . não é recomendado pelo faro de neces 'ica rem de ca nteiros de majo r profundidade. as mudas deve m ser transplantadas para o canteiro q uando aprese ntarem em torno de trê a quatro pares de fo lh as defi nitiva s. uma vez ao dia. com uma pro fundidade de até 1. caso o clima es teja muito quente. algumas condimenlares como alecrim . I ~ m relaçã() às e ainda raíi'e~ e tubé rculo s. ~a lsa. Recomenda-se 27 . o plantio em pelluenos espa ço. esta pode ser realizada em casas agropecuárias. quando compa radas às demai s horta liça s citada. no amanhecer e no fim da tarde. A irrigação. a lface.

• Percevejos: são também con hecidos por barbeiros. vivem em colônias nos caules.comprar poucas sementes. como a lagarta-rosca. podem transmitir vírus patogênicos. • Besouros: são mastigado res. vivem em colônias nos brotos ou no lado inferior das folh as. de preferencia. bo rbo letas e mariposas. brotos o u no lado inferior das folhas. em embalagens bem vedadas. fo lhas e brotos. Além de sugarem seiva. são sugado res. que ataca a planta quando esta é bem nova. Po dem variar muito de tam anho. beso uros. enquanto que as de maio r tamanho co mem as fo Lh as. que comem folhas e talos mais finos. • Pulgões: são conhecidos também po r pio Lhos. Pragas e doenças f\ partir do plantio realizado. • Cochonilhas: são insetos sugadores de pouca mobilidade. deixando-as doentes. além de sugarem a seiva das plantas. • Mosca branca: são in setos sugadores que atacam praticamente todas as plantas cultivadas no Brasil. são mas tigado res. as plantas começam a se desenvolver e to rnam-se suscetiveis ao ataque de pragas e doenças. pod endo derrubá-Ia. não arm aze nar por mais de um ano. além de sugarem a seiva das plantas. e as que sobra rem devem se r armazenadas em lugares frescos sem a presença de luz o u na gelade ira. pois o tempo de armazenamen to diminui o poder germin ativo das sementes. vivem em colônias nos brotos o u no lado inferior das folhas. são sugadores. sendo que as meno res podem penetrar nos fruto s. além de sugarem a seiva das plantas podem injetar vírus patogênicos. 28 . Existem também algumas que vivem no solo. podem transmitir viroses para as plantas. transmitem Viroses. As mudas podem ser enco ntradas em casas agro pecuárias e nas CEASAs. As que mais atacam as hortaliças são: • Larvas e laga rtas: são fases de vida de moscas. dentre eles temos os chamados burrinhos e vaquinhas.

Em relação às doenças das ho rtaliças. carvões e ferrugens. não têm controle. As plantas contaminadas devem ser destruídas por meio do arranquio e posterior queima. • Cupins: cortam raizes e caules. • Lesmas e caracóis: raspam as folhas e ramos novos das ho rtaliças. As doenças viróticas. uso de cultivares resistentes e sementes certificadas. g rilo s e gafanhotos e formigas: são in setos mastigadores e cortadores que comem os ramos e as fo lhas das plantas. A prevenção dessas doenças pode ser realizada po r meio de um manejo adequado. sugam a seiva das pl antas e podem transmitir viroses. eliminação de restos de culturas contaminadas (plantas doentes) . Neste caso.• Paq uinh as. são caracterizadas por cloroses e mosaicos. a calda sulfocálcica e ainda com a aplicação de leite cru. no rmalmente caracterizadas por manchas e pintas foliares. sugadores. pode ser realizado co m o uso de defensivos naturais como a calda bordalesa. No caso de doenças bacterianas. geralmente murchas e podridões. que na maioria das ocorrências são transmitidas po r insetos. Geralmente são doenças que. • Ácaros: são pragas microscópicas. das pragas que transmitem essas 29 . deve-se realizar o controle dos vetores. O combate às doenças fúngicas. como medida preventiva. vírus e nematóides. sendo enco ntrados mai s frequentemente em condições de elevada umidade. controle de irrigações. deve-se evitar a introdução da doença po r meio de materiais contaminados como sementes ou partes vegetativas de multiplicação. as de maior ocorrência são provocadas principalmente por fungos. tanto nas folhas quanto nas partes novas das plantas. vivem em colô nias no lado inferi o r das fo Lhas o nde fo rmam peq uenas teias. rotação de culturas e plantio em épocas favoráveis a cada espécie de ho rtaliça. Estas partes ficam enrugadas e com diversas tonalidades que variam de amarelo a verde escuro. após aparecimento. isto é. que se alimentam da seiva das plantas e podem transmitir viroses. • Tripes: são in setos minú sc ulos. O excesso de umidade favorece o seu aparecimento. como adubações equilibradas. bactérias.

I I.I<.IL' 'L'!l1L'lllL" .ltll.1.ilclc\' PudL' .I J LI UL' II.I r . ). .I' I'L'I' . \.u hq :"lnci :l ' ' luL aluam no co ntrok d a puga ou d OL'll<.\I g uma s r L'CLila s de dctcn ..i l '()'.I (L' b ol.lr" CI'L'ir(. 1 111\ L'I . n :llurai .t .' .l' ()U L'tll t()J'no d o pLll1tio.l.\I 11 .1I1. 111 ..l. () ( ') k ( ) ()UL"l r.ld .L I' colhid :1 L'm m ed ia ante s dc cinco dia " dl'I'L'lldo .IC.lg.1 .llI' .I.Ir. 111 (L" I.IU . 1 " . il'o s natu r al.I() L" IL'I.ILlLIUC 1iL.l().:t.l CI li 11 h.llu r ai. \ 1I . L' 1.IIllIIut!1 h.l .1 tltl cuhl\t) LI<.1'. .IIO dL' de(u nl(). " I" "I<-nl L".I c.11" (.r . .> ti L l k (U I 11 I >I )U .I" 1""1<-. ' l' ul~".I<. L ti.1.l (l c()nlrok lk pr. l l UL' d ema nd .'I " '.I' 'L'I1I.C."')" .IIU I'. l 111.ll' tl L'" L' (Otll rt )1<-.l d".lInd. C. 'f.l . :\ 0 CISO do U'O dL' dL'fL'n .tl " lk f uml'. hOl.d.h"I'I.1' 1111"L'(l. cr. rL'C"IIlL'II. LI ~ . cm tun~"ã o do p r o d u t o utilizado.l.11ll (Otll.illllll.I' pl. . li 11' ) 1)( .11.sc atcnta l' p ar a o prazo.1 1'. . t1d .1 I .tlllh"IIl .11.l' . c()m() do. " .ltlllll. I r lIltl. P.ld.)I(). po"ul'm .1 dL' "th.I.lt1t o n .I.ulf()c.l L' ..\111 .I lo.tp!icaç. n .t1gUIll. L' II1CII1l-11C1. lllll<-.l1' 1'.'r L" IL' tl l "II\t'.l.I t"t >I. li .I L" . I.1 I'n l u / lr .I'. (L'h()linh .I li I dl/.ld( .d l.I.lll.1 dL' C'1I11 1'uiL' L' 'L' ." L' IL'I r. . .lr ~ r .l.lIL' llI. .I<- r. l' in dicado SL'gui l' o pnio d () d L' ca r é' nci a. llue sà o u t i l i za d o s no co ntro le d c p r agas c docn ças c!'t. dI> clIhl\l) dL' 111)1'1.lr.<'r ut ili / .llll()!llil.I' dL'I'L'lllknd" .l\ () d L' dL'futll(). CO!110 por L"\L'mplo: COCl1t l'O.I C!'IH.tI. \ Ii-'Utl.lI'''1' lI l11I'L'l'Il"I" dL' .1 .II1 IL'III.I' L" )lll.li .1 L" rL" I .I L' lltlllll.III'IIlI".I c.I C. 1ll' .ltllL'lt"th 1'.olktll .lnu. L' '111..lIill).t r .!.I' I L'lll 'L'ndl) tllUllO Ul dl/.t1 tL' l'tl. !'I'"dul()' tl.lO d c sc r ita s no capitu lo 30 3.1"Lllll".\' \ 1. C( )tllO (l 11(.l. () n.":I() lI<. P.I IllL' lh" r 1llL'l1td .1111.II"IL" dL' 1.lm cui d :ldo.l' I'"r IIlL'I" d . I I~' I.llr.I' L" q 1. I.'.dlll' .1 'L' . L' .1çào a hortali ça n ào dn'L' . .'11l I'.I" Lk c lIh li r . t1d . I" "I L 'L' rn I r.qll. ( ). L' t n caut L' LI.I\L ' .l'' L' .tlll'I" ll .llll.lc.I u. pr()d uto.ui >1\ 1L' IL' I" .l. L' 11<-1' .1.lll de ouro L' c.. " I L' 1'.ll.1" L" L' I Ill' I.l i-'.l() nl' u tl'() L' . I '. .lm()mil.I. mo o.I 1" L" I" "I' .1' L'IIl !'L'LIUL'!lI)' L" I'.1111.i\"C" ' luimico. IL' tllL" .111. d.".ttllhell1 o cultllo dc 1'1.tlll.n. I 1L nl.lo dL' dl'fcn.IIICI' L'Ill C.I11l1"' 11l I'L' I. IL IT.l lU l'.1 Ik t! t>L'I1(.p r .I'. .II' tlU11<. d el 'L' .r .ol'cl.1....lr I.I I'ttllL'nl. ICrllllL Ill.I<.l.1" I't"t .I' . ou 'L' ia.t I I L" d.Il.I 1'''plIl. n. L'IIl 'l' 11'.ua utili/aç. 11. () .I ' L'.1 .II'!. .l~ I I. "I'l'lln. ' LI .I'. depoi s da :lplic. I' 1. !'LTII L'I I) Ct >111 rt )k . l'rL'llIl/'" .I d li h.lUldl / .I' .I UIll. c I'I'L. poi s mL'. 1J c'1 ' O dc .I' Ct '111 C1'.1' J'L'I'L' kntL" c()n.Ido t.I.1 .l LIUL' ltll.1. " .lt"III IIllL'lI!.

.Descrição Adejar Flávia. .

.

podendo-se citar. podem ser visualizados na Tabela 1. sendo divididas em: tubérculos (batata e cará). Todas as plantas possuem uma classificação botânica. almeirão. dentre outras). as Aores e inAorescências (couve-Aor. a batara-docl:. beterraba. batata-doce. taioba. espinafre. o jiló. exigem trat()s culturais intensivos l: sàu utilizadas na alimentação humana sem necl:ssidade dl: preparo industrial. as hortaliças sào cnnhl:cidas co mo \·erduras e legume s. isto é. todo ou em parte. Popularmente. em família. os talos e hastes (aspargo. Exemplos dessa classificação. espécie ou nome científico. Esta classificação agrupa as plantas em função de suas características que as tornam semelhantes. um nome científico pelo qual são conhecidas em todo o mundo. gênero. 33 . rúcula. rizomas (inhame e gengibre).únria ciclo biológico curto. a berinjela e a abóbora. como as folhosas (alface. consistência tenra de folhas. são cultivadas em árl:as ml:llUn:s LJuandn comparadas a grandl:s culturas como o milho e a soja. podendo este ser consumido verde ou maduro. o pimentão. de modo geral. repolho. o quiabo. aipo). • Hortaliças-fruto: são aquelas em que a parte comestível é o fruto. o morango e a mdancia. mandioquinha-salsa). funcho.~ l: ali grupo c!l: plantas llUl: aprl:sl:ntam em sua m. o mdão. O Sistema Nacional de Centrais de Abastecimento classifica as hortaliças em três grupos: • Hortaliças tuberosas: sao aLJuelas em que as partes comestíveis desenvolvem-se dentro do solo. para algumas hortaliças. nào sào lenhnsas.Introdução () t<:rmo hortaliças rl:f<:rl: . como exemplos a melancia. brócolis. li milho doce e verde. a ervilha. sl:ndo incluídas nesse grupo a batata. bulbos (cebola e alho) e raízes (cenoura. o tomate. alcachofra). • Hortaliças herbáceas: são aquelas cujas partes comestíveis encontramse acima do solo.

estão di spos tas alg um as info rmações impo rtan tes para ini ciar o cultivo de ho rtaliças. uma vez que diminuindo o espaço d e plantio tem -se que diminuir também o es paçam ento entre as plantas. 34 . tuberosum l.I Kuntze So/anum tuberosum ssp . Eruca sativa IMill ) Thell So/anum /yeopersicum L. a ada ptação das espécies o u cul tiva res. o ciclo da cultura desd e o planti o d as mudas o u sem eadura direta até a colh eita. Allium fistu/osum l. Nome popular A lface Al cac hofra Chicória Abobrinha Melancia Chu chu Cou ve-flor Repolho Rúcu la Tomate Pimenta Bat ata Alho Cebola Ceboli nha Famnia Gênero Nome cientIfico Asteracea e Asteraceae Astera ceae Cucurbitaceae Cucurb itaceae Cucurbitaceae Brassicaceae Bras sicaceae Brassi caceae Solana ceae Solanaceae Solanaceae Aliaceae Aliaceae Aliaceae Laetuea Cynara Chicorium Cucurb ita Citrullus Sechium Brassica Brassica Eru ea So/anum Capsicum So/anum Allium A/lium Allium Laeruea sa tiva L. o espaçam ento para pl antio conve nci o nal e também o espaçam ento para ho rta em pequenos espaços. Recomendações para o cultivo de hortaliças: dicas gerais para o plantio em pequenos espaços e plantio convencional Cada espécie de ho rtaliça exige uma deter minada co ndição climática pa ra o seu melhor desem·o lvimento. os m ate riais utili zados para o p lan tio. para cerca de 70% d o usado no pl anti o co nvencio nal.Tabela 1. bem como os Clúdados que deve m er to mados. resu mi da. Brassica o/eraeea varo capitata l. no rte da região Sul e sul d o Nordes te. Allium sa tivum L. Cueurbita pepo l.) Mat sun & Nakai Sechium edu/e IJacq . Chieorium endlvia L. Assim sendo. Capsicum frutescens Il. principalmente em relação a pragas e doenças. o espaçamento das pl antas. re ferentes à época d e planti o para o Sudeste e Centro-Oes te. o tempo necessá ri o para a pro d ução de mudas. Citrullus /anatus IThun d.) SW Brassiea o/eracea varo botrytis l. é importa nte levar em co nsideração a região. Cynara seo/ymus l. Na Tabela 2. EC\e mp los da classi ticaçiio bo tánic a. a época e o ti po de plantio (mudas o u sementes). Allium eepa l. de algum as ho rtaliças. o preparo d o solo.

70 x 0 . 25xO .25 45 . 18 x 0 . 18 x 0 .20xO. é necessário o preparo de mudas 35 .90 x 0.63 x 0 .35 • l-l o na em p equen os esp aços. 11 0 .30 0. 25 0.égano Pepino Pimenta Plm enl ão QUIabo Rabanete Repolho Rucula Salsinha T oma te Ab r-Ma.100 60-70 70-80 60-70 30-40 70-80 100.0 7 0 .25 20 . tanto no culti"o co n"en cio nal co mo em h o rt a ~ em peq ue nos e ~ p aç () s . 18 x 0 .70 0.84 x 0 .20 x 0.50 20 . -Jun Abr -Jun Abr -Jun Abr -Jun Ago-Fev Ab r-Jun Abr -Jun Ab.120 70-90 50-70 100. 15 1.11 0 90.80 0 .28 0 . l nfo rm açô(: ~ t é c ni ca ~ necessári as pa ra o plantio de ho rtaliças.40 x 0.20 x 0 .00 x 0 .90 x 0 .35 0 .20 0 .05 0 .40 0 .35 30 . 25 x 0 .105 60-90 90.04 0 .90 x 0.40 x 0 .2 5 x 0 . 28 x 0 .25 x 0 . 10 0 .28 0 . 10 O.30 x 0 .35 0.05 0.50 1.50 0 .25 D ireto D ireto M udas 20 . 14 0 . 14 x 0 .Tabe la 2.70 0 .30 x 0 . Para arrancar o u desbastar as plantas. 20 x 1. 25 x 0 .100 60-80 90-100 100. depois de um determjnado período de tempo deve-se realizar o desbaste o u raleio das plantas.25 x 0 . -Jun Mar·Abr Mar-Abr Abr -Jun Ago-Fev Abr-Jun Duelo Muda s Du e lo Mudas Mudas Mudas Direto M udas Abr -Jun Espinafre Ab.2 1 0 . 20 x 0 .25 x 0 .63 x 0 . ócollS Cebol.14 x 0 .0 7 0.120 70-90 90. é necessário ter o cujdado para não afetar as raízes.3 5 0 . I 5 0 .50 D ueto /mu da s Mudas Muda s Dir eto/ m udas D ireto Ano todo Abr -Jun Abr -Jun Mudas 35 30 20 20 . 18 x 0 .20 x 0. Para as ho rtali ças cujo planti o é realizado po r meio da semeadura direta. puxando as mais fracas lentamente pela base. 18 x 0 .25 Cicio d.120 100-110 90.20 x 3 . 18 x 0 .80 x 0.05 0 . 28 x 0 . Indica-se também gue seja realizada uma rega logo após o procedimento para gue as plantas gue permanecerem se recuperem mais rapidamente.50 0 .20 x 0.0 7 0 . 18 x 0 .00 x 0 .84 x 0.30 30 .50 0 .ando as demais num espaçamento próxi mo ao reco mendado.42 x 0 . para o utras.00 x 0 . 18 x 0 . cul tura Idia.ló Ag o-Fev Mudas M anj eri cã o M orango Ano t odo Mudas Mudas Mos tarda O.28 x 0 .63 x 0 .20x l . 10 0 .180 100.35 0 .07 0 .25 40 30 30 20 - 50 35 35 30 40 . 50 1. 56 x 0 . 18 0 . -Jun Otreto Ag ri do Alocrlm Abr-Jun Ano todo Dir eto Mudas Mudas Hortaliça Alf aco Alho Alho POII Ó Alme ir ão Beru1Jola B l elf aba B.40 0 .07 0 .00 x 5.0 7 0 .42 0 .11 0 70-90 100-110 60-70 90.70 0 .40 x 0 .40 0 . 28 0 .28 x 0 .28 O.-Jun Ab r-Jun Abr-Jun Ab r-Jun Drr eto Du eto Mudas Otr eto Mudas Du eto Dueto Direto Cenoura C hi CÓ ri a Chuchu Couve Coen tr o Couve-flor Er vi lh a tort a Ervilha gr ão D ire to M udas Hort elã Ano ta do Di reto/Mudas J. 10 0 . algumas são semeadas diretamente em canteiros o u covas.30 1.100 30-35 85-95 25-30 65-70 90-100 E'e .40 x 0 .00 0 .70 x 0 . nto Im) Convencionai HPE' 1.50 l O . 10 1.07 0 . 00 0 .40 20 .40 0 .50 1.00 x 0 .50 0 . 40 0 .04 0 .60 x 0.25 30 20 .~a m.70 x 0 . Cebolrnha pl antio Ab.11 0 80-90 90. E m relação ao plantio co nvencio nal das ho rtaliças.25 6. 2 1 x O.0 7 0 .20 x 0 . 14 x 0 .70 x 0.56 0 .60 1.35 0 .25 1. 11 0 . 18 4 . 2 1 0. 50 x 1.49 0.OO 0 . 28 0 .20 1. 14 x 0 .25 x 0 . 14 0 .8 4 x 0.28 x 0 .05 x 0. 14 x 0 . 18 x 0 .50 0 . arrancando as mais fracas e deL. 0 5 0 . 10 0 . 14 x 1. Abobrinha Ago Fev Dire to Ace lga Ab.70 x 0 . 18 0 . Época de plantio Tipo d.63 x 0 .90 x 0 .) 6090 60-70 5070 60-70 60-90 150. 10 0.00 x 0 .25 x 0 . Abr-Jun Ab r-Jun Ago-Fev Ag o-Fev Ag o-Fev Ago-Fev Abr -Jun Abr-Jun Direto Due to /Muda s ProduçA o de mudas Idi•• ) 40 .

5-1 cm e. efetuandose o de sbas te assim que as plantinhas atinjam 5 cm de altura. depois de terem lançado as bro tações. se ndo realmente plantados em sulcos. depois que as brotações ati ngirem cerca de 12 cm. A co uve. plantam-se também os chuchus-sementes. devem ser semeadas numa profundidade de 3-4 cm. o plantio pode ser reaEzado a partir de mudas. No caso das ho rtas em pequenos espaços. em função do risco de deformidade s nas raízes.as definitivas. 36 .se o rabanete. sendo impo rtante ressal tar que em algumas espécies o cultivo em pequenos espaços pode ser inviabiJjzado justamente pela redução de área de plantio.para posterio r transplantio no loca l definitivo. E les são colocados superficialmente nos canteiros. possui raízes sem ramificação lateral e mai s profundas. caso haja interesse. devend o ser se meadas diretamente nos canteiro s. deve-se realizar o desbaste. Não é indicado cobrir os chuchus com terra. Algumas ho rtaE ças não suportam o transplantio. Como exempl os tem. A salsinha e o coentro também são semeados diretamente numa profundidade de 0. que diferentemente da alface e da chicória. também conhecida po r couve manteIga. quando apresentarem de três a quatro foU. a semead ura das hortaEças pode ser feita diretamente. A cenoura é totalmente into lerante a qualquer tipo de transplantio. sendo então plantadas no local definitivo. No entanto. lado a lado. tanto a to rta como em grão. retirando-se as brotações laterais que se desenvolvem no caule.5 cm. tem sido propagada vegetativamente. se ndo indicada a semeadura direta na profundidade de 1-1. Na cultura do chuchu. O almeirão. para evitar o apodrecimento. o planti o é reali zado por meio de bulbilhos (dente do aUlo) que são plantados inteiros. colocando-se de duas a três sementes por sulco ou cerca de 16 sementes por metro linear. o u mesmo as foUlas mais jovens. E m relação às ervillias. Abaixo serão desc ritas info rmações para o cultivo de ho rtaEças que ap resentam algumas especifi cid ades. com o áp ice (ponta mais fina) para cima.5 cm de profundidade. por essa razão não suporta o tran splantio. Para o cultivo do alho. qu e de ve ser semeado em sulc os com 1-1.

mas preco niza um controle satisfató rio para que se possa produzir e co nsumir alimentos mais saudáveis. b) Extrato de folha de neem Para o preparo do extrato de neem. além de manter a umidade no local.5 a 1. Possui atividade inseticida e fungicida. U ma alternativa à co bertura das covas/s ulcos com solo é a utilização de casca de arroz o u palhada. Coloque cerca de 60 g de folhas moídas em um litro de água. o que pode acarretar uma gemi nação demorada e emergência irregular. colha as folhas. deve ser semeada diretamente em sulcos o u covas. reco menda-se colocar de duas a três sementes no sulco. por isso recomenda-se colocar as sementes em um saquinho de pano e deixá-Ias imersas em água por um período de 24 horas. As raízes da abo brinha quando danifi cadas não se rec uperam. 37 . Controle de pragas e doenças o controle de pragas e doenças pode ser realizado com produtos naturais e que necessariamente não implica na erradicação destes p roblemas. colocando-se de três a cinco sementes espaçadas umas das o utras cobertas por 2 a 3 cm de solo. deixe-as secar e dep ois faça a moagem o u triture-as. a) Óleo de neem (Azadirachta indica) O óleo extraído da semente da árvore de neem pode ser enco ntrado no mercado agrícola. D eve-se semear de três a cinco por vez. co ntrolando a maioria dos insetos e algumas doenças. No caso da semeadura direta.0 rnL/ litro. numa pro fundidade de 2-3 cm. N o caso do uso de mudas. por essa razão. D eixe em repo uso por 24 ho ras e depois coe. sendo recomendado utilizá-lo na dosagem de 0. A aplicação pode ser feita na forma de pulverizações para o controle de pragas. numa profundidade de 2 cm e no espaçamento recomendado. As sementes de quiabo aprese ntam dormência. um dia antes do plantio. o que favorece a germinação e a emergência das plântulas. durante o transplantio deve-se ter cuidado para não danificar o sistema radicular.o pepino pode ser semeado düetamente no canteiro o u pode ser feito o transplantio de mudas.

D e modo geral não apresentam restrições. r\ pLicar na fo rm a de pu lverizações para controle de vaqui nhas. pulgões. Apli car na fo rm a de pulveri zaçõe_ para o controle de \'aquin has. Coar e colocar meio litro em 1. D eixar curtir por uma semana . dilua novamente o preparado em 9. enquanto que em outros recomenda-se a associação com querose ne. cochonühas e lagartas. f) Calda de cebola Colocar 500 g de cebola picada em cinco litros de água. cocho nilhas. tripes. porem após seu emprego aconselha-se respeitar um intervalo de aproximadamente duas semanas para se proceder à colheita. lagartas e pulgões. Depois. Para a aplicação.c) Calda de fumo Picar 100 bo. 38 . cochonilhas. Dissolver 100 g de sabão neutro em melO litro de água quente. Curtir po r 10 ruas. acresce ntand o meio litro de água. e) Preparados com sabão Os ru"ersos preparados em que se emprega o sabão aprese ntam indjcações para o controle de lagartas. Age como repelente a pulgões. Deixar curtir po r 15 di as. Podem-se utilizar também pulverizações com detergente neutro o u óleo mineral a 1% nas horas mais frescas do rua. Pode ser utili zado no co ntrole de tripes. l\lisnl rar em 10 lüros de água + 250 g de sabão neutro o u deterge nte neutro. lagartas e vaquinhas. d) Calda de fumo com pimenta Colocar 50 g de fumo picado e 50 g de pimenta dentro de um litro de álcool. pulgões e ácaros.de fumo e co loca r em mei o li tro de álcoo l. disso lve r 100 g le sabiio neutro em 10 litros de água e acresce ntar à mi snml. Alguns são preparados exclusi\'amente com sabão. lagartas e cocho njJhas.5 litros de água para aplicar na form a de pulverizações.5 litros de água.

5 litros de água morna. 1 litro (100 rnL) do produto em 2 ljtros de água.g) Cravo-de-defunto Co loca r 0. . Ao esfriar.25 kg) lentamente. 39 . i) Calda sulfocálcica Tem ação protetora co ntra ácaros. Para o preparo dessa calda. h) Calda de camomila Co locar 50 g de A rcs de ca momila em um litro de água.risando o contro le de doe nças fúngicas. água e leite. Coe e pul verize visando o co ntro le de pulgões.xofre (1. Distribuir no chão ao redor das plantas a estopa ou saco de aniagem molhado com água e um pouco de leite. áca ros e algum as laga rtas.8 kg cal hidratada em 2. Na aplicação diluir 0. deixando de molho durante 24 horas. in se tos-pragas e algumas doenças. mi sture em um recipiente 0.. sempre agitando com um ba tão de madeira e completando o volume até 5 litros.5 kg de fo lh as e ta los em cinco li tros de água. Coar a mistura e despejar no pulverizador para aplicação. k) Preparo com leite Utilizar estopa ou saco de aruagem. Coloque o en. D eixar de molh o po r três dia. j) Calda bordalesa Colocar 100 g de sulfato de co bre em um saco de pano e merg ulhar em cinco litros de água quente. vire a estopa ou o saco e colete as lesmas que se reuniram em bruxo para serem queimadas ou enterradas longe da área de cultivo. visando contro le de fungo s. guarde em lugar sem iluminação por um período de até uma sem ana. Coar e aplicar três vezes por emana. Ferver po r meia ho ra o u deixar em infu são fria po r 2 hora . Deixe ferver até ficar com a coloração avermelh ada. Colocar 100 g de cal virgem na solução de sulfato de cobre. agitando quatro vezes po r dia. Pela manhã.

l .' rI lI11 .lr.uh'1. . D l' pr.llldl) .l ')Id l " .1 . L'!t1ll dL' 'l'llll' lllL' p rl' 1.~.1 cru e111 .l' dL'''.. 'l l! " ~.1 CI l1l1l' 1ll UIll .lllllll.IlLl\L" d(" \L' ~L' 1.iIlCI.'LT ultIl /.I" clU'.1 \'.H' ~ LT.'Igua L 111.\ .lgl'lruli.llll.1() c r l.1 I " fUIl .I ~II "" de !c' lll' lle. clu'. 'lle. m) Planta do gergclilll . lel. .1 .I ' .1 p1.I 'lu.1I' In.l' pl.I'" .ll.lIld() I' lilll d(" f(lrllli~ul'tr<)'.1.lr.ld().~1 )'.. 40 .l d (" 1")1' fl) rllll . \ ~ folh. d(lL'IlCI'IUL' .l' L' prl' lul/(l' .I) Lcitc cru c . lI'l" .H" ele.1I11.111l1 )rt L' d .uluci" P.' fnl' IlCl.I' ruliu l'.1 dl\l' r '.ILl C'lI11n)I.l gU .l!.

nutrição e saúde 8 nça1ves Baptista de Carvalho .CAPÍTULO J ~~Patrícia_ 4 Hortaliças .cores.

.

óleos. importantes para o bom funcionamento do organismo. frango. A mais simples é a que os separa em três grandes grupos de acordo com a sua principal função no organismo. leite e derivados. mandioca. como os cereais.Introdução Alimentos são substâncias que nós ingerimos e que fornecem todos os componentes que o nosso corpo necessita para se manter vivo. como as carnes. aveia. vitaminas. Os alimentos podem ser classificados de várias formas. batata. como as carnes. leite e derivados. doenças neurodegenerativas (demência. cuja principal função é fornecer energia para o nosso corpo realizar as atividades diárias. lipídeos (gorduras). Dieta e saúde O aumento da expectativa de vida observado nos últimos anos lançou um novo desafio. ataque cardíaco). arroz. proteínas. como é o caso do pão. sendo responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento do organismo. ovos. Hoje existem conhecimento científico e novas 43 . formação dos tecidos e manutenção do nosso organismo. O terceiro grupo é o dos reguladores. macarrão. Os nutrientes são os carboidratos (açúcares). minerais e agua. mandioquinha. o de melhorar a qualidade de vida durante o envelhecimento. os nutrientes. o crescimento e a prevenção de doenças. crescer e realizar as atividades do dia a dia. Os alimentos também podem ser construtores. gorduras e manteiga. hortaliças e leguminosas ou mineral. constituintes dos alimentos responsáveis pelo fornecimento de energia. como a água. Essa melhoria inclui a prevenção ou controle de doenças crônicas associadas ao envelhecimento. peixes. frutas. inhame. Desse modo. como doenças cardiovasculares (hipertensão. peixes. leguminosas e cereais. isquemia. osteoporose. vegetal. Eles podem ser de origem animal. os alimentos podem ser energéticos. cará. neste grupo são encontradas as frutas e hortaliças. ovos. doença de Parkinson) e câncer. diabetes. fubá. A classificação dos alimentos é feita em função dos seus componentes.

E mbo ra remo nte às o rige ns da cil·ili zação. peixes e carnes magras. entre outras coisas. O Ministério da Saúde. diabetes. seis porções de cereai s. go rduras. não só aumenta a sa úde e o bem esta r co mo reduz o ri sco de doenças" O consumo de alimentos variados é con siderado a m elhor maneIra de garantir a ingestão recomendada de nutrientes e o aporte de quantidades adequadas dos compostos benéfico s presente s nos alimentos. colesterol. carbo idratos. ela de ve ser pobre em alimentos ricos em ácidos g raxos saturados (gordura animal) e trans (gordura hidrogenada). três porções 44 . rato re~ co mo estilo c1e vida s:1 ud ál"e l. variada e moderada. vitaminas. incluir ruariamente pelo menos três porções de hortaliças e frutas. fibra s.tecno l ogi :1~ qu e :1j ud am :1S pe sso:1~ a I"il"er melh o r. minerais e água. osteoporose e cáncer. são respo nsáveis pelo au men to das doenças ligadas à má alimentação. sal e açúcar e pobre em carboidratos co mpl exos. atil"id ade física e não fum ar inAuenci am ma. com doses balanceadas de proteínas. doenças cardiovasc ul ares. e\e vada fu nção física e mental e uma \·ida ativa. qu e inclui baixo ri sc de adoecer o u ter algum problema relac io nado a doe nças. hipertensão. Por o utro lado. laticínios desnatados o u semidesnatados. grãos integ rais. Po r outro lado. vitamin as e min erai s.is do que fato res gen éticos na pre\·e nção de doe nças associadas ao envclhecimento" t\ boa :1 lim entação é um dos fato res determinantes do c!1I"elhec imento sa ud ável.istente entre rueta e doença " r\tu almcnte se sa be que um a dieta inadequada. de preferência integrais. di agnós tico precoce de doenças. como uma c1i eta sa ud ál"e l. sal e açúcar. como hortaliças. uma rueta saudável deve co nter uma variedade de alimentos nutritivos c1e todos os g rupos. co mo o besidade. recomenda. frutas. Estudos tem mostrado que fato res Ligados ao esti lo de "ida. na Política Nacional de Alimentação e Nutrição. aliada a um es tilo de \-ida sedentári o. uma dieta equilibrada. Confo rm e as recomendações da Associação Americana do Coração (AHA). rica em go rdura (principalmente go rdura saturada e co les tero l). imuni zação e meclic:1 mentOs ~ão fundam entais pan e!1l"elh ece r com saúde. a relação entre alimentação e saúde nunca fo i tão e treita quanto nos c1ias c1e ho je.l\luitos estudos co mpro varam a relação ex.

um a po rção de ó leo s \'ege: tai s. t s <'Iu e auxili am o co rpo a combater bl oqu ea nd o o u re ve rtend o os e tágios inici ais do processo de ca rcinogê nese. minerais e fitoquímicos. Eles podem ser classificados em simples. sendo tradici onalmente servidas junto com um a[jm ento pro téico (carne o u peixe) e um carbo idrato (massa o u arroz). Fruta e ho rtali ça contem nutrIente. peixe ou ovo t . aze: ite. mas também na cenoura e batata-doce. O In tituto Ame ricano de Pc Cjui sa do áncer (f\I CR) reco menda o consum o de uma ru eta rica em ho rtali ças e fruta va riadas. Importância das hortaliças A ho rtali ças sào um lInpo rtante componente da rueta. mante: iga o u marga rin a. A ingestão recomendada é de pelo menos três porções ruárias. Os açúcares simples. de absorção rápida. mas também nutrientes impo rtantes. e o utrOS comi substâncias ca n c<:ríge n a~. E las fo rnecem nào apenas variedade de cor e textura às refeições. no máx imo. preferencialmente cruas. Vári os estud os já mo straram qu e: o co nsum o elevado de: fruta s e ho rtali ças re:du z o ri sco de: câ nce r. e po rtanto devem er co n umidos com frequência. Hoje já está estabe lecido clu e uma alim entação rica ne sses alimentos ajuda a dim inuir o ri sco le câncer de pulm ào e do trato gas trointestinal e. be x.iga. para redu zir de 60% a 70% o ri sco de de senvo lver algum a forma de câncer. provavelmente. também ri sco de câncer de mama. fibras. Uma porção corresponde a 80 g ou a uma unidade o u fatia ou meio copo de suco concentrado ou uma xicara de fo lhas cruas picadas. Carboidratos Os carboidratos (açúcares) fornecem a maior parte da energia que o corpo utiliza ruariamente. As hortaliças são po bres em cal orias e ricas em água. nças crô ni cas e ca rdi ovasc ul an:s. vitaminas. um a po rçào de ca rn e~. estão presentes principalmente nas frutas. ou complexos. du(. como glicose e frutose. laringe e pâncreas.de leite e deri vado. n\'es. 45 . substâncias bioativas que auxiliam na redução do risco de doenças como o câncer e doenças do coração. de absorção lenta.

E rvilh a.idos e sub stâncias quími cas. úlceras e doenças coronari anas. principalm nte n1 beterraba . proteção dos ó rgãos e regulação da temperatura. mas cuj a passagem pe lo trato gas tro inte tin al traz benefíc ios impo rtantes par a o o rga n. coagulação. têm ação amünA am ató ri a. As fib ras d ão se nsação de saciedade. Lipídeos Os lipídeos o u go rduras são respo n áveis pelo ar m aze namento de energia. que atua no controle da pressão sanguínea. inh am e e ca rá. presente em ho rtaliç:ls com o barara -doce. defesa do o rga ru smo e tran spo rte de substâncias. 46 . porém algumas contêm Lipídeos importantes como o ácido lino leico (ômega-6). estimulam o funci o nam ento do in testin o e absorve m Líqu.is integrais. As ho rtaliças são p o bres em lipídeos. câncer de có lo n.·cget1. O co nsumo ad equ ado de fib ras previne a pri são de . é encontrado na s frutas e ho rraLi ç:ts. do ponto de . Fibras r\ S fib ras sao co mpo nentes dos alim e ntos Llue não são dige ri dos nem abso n -idos. Proteínas As pro teínas são respo nsávei s pela construção e m anute nção dos tecid os. é o :mudo.i sm o. o nmriente mai s facilme nte digerid o e tra ns fo rm ad o em e nergia pe lo co rpo hum ano. quebra d e gordura e resposta imunológica. au:üli and o na redu ção lo co lesterol e gLicose no sang ue.f\ S1GlrOSe. g rão de bi co e so ja ve rde são exemplos de hortaliças ricas em proteínas. As sem entes de ho rtaliças como a abóbora são ricas em lipídeos.·enção da obes idade. O mais importante . di abete. () s açúca res comp lexos es tão presente s cm rodos os .·ista nu tri ciuna l.·entre e as hem o rro id as e pode auxili ar na pre. o açúca r dc meS1 extraíd o da C:lI1 :l-de -:tçúca r.

As h rta liças contêm também vitam in a E. cicatrização. A vita min a B2. participa da produção de energia. além de ser antioxidante. abso rção de fe rro. o u ri bo Aav'ina. p ro teção contra rad ica is li vre ). síntese e reparo de DNA. As frutas e ho rtali ças são ri cas em Vitamina s. sa úde do o lhos e da pele. gengivas. que atua na manu te nção da pe le e na p ro teç ão contra radicais Li vres e \'ita min a K. A vitamina B9. trans mi ssão de impul sos nervosos. 47 . atua no fun cio namento do sistema diges tó rio. metabo li mo de p ro tetnas e go rd uras e decompos ição de drogas e substâncias tóxi cas. pri ncipalmente p ró-v itam in a f\ (crescimento e de se nvo lvimento do c rpo. As vitamin as são substâ ncias ex trem amente lábeis (fac ilm en te deco m po ta ) e deve m er co nsumid as de fo rm a regld ar. tomate. prod uçào de energia). As ho rtaliças ricas nessa vitamina são as fo lh osas escuras e o tomate. e do complexo B (cre cimento. o u fo lato. absorção de ferro. di visão celular. nece ssá ri os vitam inas sào co mpo tos essenciais para tod as as reações que oco rrem no o rga ni smo. já q ue a mai o ri a não pode ser arm aze nada . E la também está presente em todas as ho rtaliças. pro teção co ntra radicais li vre ). formação de colágeno. funci onamento do sistema imunológico e redução do risco de infecções. memó ria. A vitamina K participa da coagulação sanguinea e está presente em fo lhosas como brócolis. A vitamin a B I. nas vitamina s C (cicatri zação.Vitamin as !\ s vitaminas e os min eraiS ão nutri entes nào ca ló rico em pequen a qu antid ade. o u ti amin a. Es tá prese nte em todas as ho rtaliça. repolho e alface. além de o ferecer p ro teção contra câncer de có lo n e doenças coronarianas. fo rmação de anticorpos e do sangue. mas principalm ente nas folhosas. morango e melão. ar e luz. atua na formação das células do sang ue. pulmões e vasos sanguineos. pimentão. metaboli sm o de carbo idratos. ~~ I as são faci lmente deg radadas na pre sença de ca lo r. manutenção do sistema ner voso. Está presente nas folhosas. A vitamina C e Importante para a saúde da pele.

o ferro é fundamental para o transporte de oxigê nio e gás carbônico. crescimento. fundamental para o funcionamento do sistema nervoso e produção de energia. manutenção do eq uilibrio hídrico e transmissão dos impul sos nervosos. vitaminas e minerais que atuam como antioxidantes. Antioxidantes Muitos de nossos problemas de saúde devem-se à ação de formas tóxicas do oxigênio. D entre outros nutrientes. que resultam de processos metabólicos normais (respiração) o u provêm do ambiente (poluentes do ar. Este mineral está presente em hortaliças como brócolis. para o sistema imuno lógico. proteção do DNA.á1cio atua na formação e manutenção dos ossos e dentes. câncer. O r. inibindo a ação dos oxidantes. cebola e rabanete. ho rmô nio responsável pela entrada de glicose na s células.Minerais Os minerais desempenham diversas funções no organi smo. importante para os ossos. alho. couve. As frutas e hortaliças são rIcas em potássio. regulação do metaboli smo. dentre elas composição da estrutura do corpo. além de reduzir o risco de câncer de cólon. drogas) e que contribuem para os processos que levam a aterosclerose. pesticidas. aipo. As frutas também contêm manganês. câncer de próstata e de cólon. transmissão nervosa e regulação do ri tmo cardíaco. pepino. que é o mineral mais abundante no organi smo. O magnésio tem ação na atividade neuromusc uJar. fumo. dentre eles o cálcio. problemas nas articulações e no sistema nervoso e envelhecimento precoce. a função cerebral normal e a degradação de drogas. O selênio participa na regulação da expressão gênica. 48 . As frutas e hortaliças são ricas em fitoquímicos. os oxidantes. estímulo à regulação e reparo do cicl o celular e apoptose (morte celular programada). As hortaliças de foLhas verdes esc uras são fontes importantes destes nutrientes. além de oferecer proteção contra doenças cardiovasculares. além de reduzir o risco de câncer de cólon e melho rar a sensi bilidade à insulina.

hortaliças. Além desta. melhorando a glicemia. Hortaliças como cebola. mama e estômago. Cores mais escuras estão associadas a maiores teores desses pigmentos. enquanto salsa. 49 . Os principais carotenóides sem atividade pró-vitamina A são o licopeno. couve. aipo e pimentão vermelho são ricas em apigenina.Carotenóides Carotenóides são pigmentos que possuem diferentes colorações. presentes em ho rtaliças cor de laranja e folhosas verde escuras. rúcula. brócolis e tomate são ricas no flavonóide querceuna. variando entre o amarelo. eles podem ser convertidos em vitamina A no organi smo conforme a necessidade.e o beta-caroteno. antiviral e anticarcinogênica. tem atividade pró-vitamina A. temperos e ervas. Polifenóis Os polifenóis são os antioxidantes maIS abundantes na dieta. presentes em folha s verdes e no pimentão. de alguns tipos de câncer e de processos inflamatórios. esses compostos também possuem atividade antialérgica. antünflamatória. quase todos com atividade antioxidante. pigmento vermelho presente em tomate e derivados e na melancia. relacio nado à redução do risco de câncer de próstata. Uma importante função de algu ns carotenóides é o seu papel como precursores de vitamina A. que dão a cor de várias frutas. relacionadas à redução do risco de degeneração macular. Flavonóides Existem maIS de 6. além de reduzir a absorção de glicose. Carotenóides como o alfa. ou seja. Neste as pecto. reduz o risco de doenças do coração.000 flavonóides conhecidos. estando presentes em todas as hortaliças e frutas. alaranjado e vermelh o. Uma dieta rica em polifenóis tem impacto positivo na pressão sanguínea. os caro tenóides podem ser agrupados em dois grupos: com e sem atividade de pró-vitamina A. e a luteína e a zeaxantina.

depois de colhida. an ticancerígena e antibac teriana. 50 « . O tempo e a temperatura são fa to res impo rtantes para a sua conservação. po r exemplo. não deve ser conservada em baixa temperatura para não apresentar sabor adocicado. além de pro teger co ntra artrose. melho r.Organossulfurados Os organossulfurados presentes em hortaliças como cebola e alho poss uem atividade antioxidante. Quanto menor o tempo entre a colheita e o co nsumo. E m geral. também ajudam na prevenção do câncer de estô mago e de doenças cardiovasculares. brócolis. O Ministério da Saúde reco menda que sejam lavadas em água corrente e deixadas 15 minutos de molho em solução de hipoclorito de sódio. abó bo ra e tomate so frem danos pelo fri o se armazenadas abaixo de 7. cólo n e pulmão. J á a batata. principalmente de bexiga. que pode ser preparada adicio nando-se uma colh er de sopa de água sanitária a um litro de água filtrada. A higiene também é fundamental para a conservação das ho rtaliças. quanto maior a temperatura. O consumo de cinco o u mais porções dessas hortaliças por semana está associado a uma redução signi fi cativa no risco de câncer. por isso são muito perecíveis. reco mendando-se armazená-las entre O e 10°e. Hortaliças co mo pepino. berinjela. Glicosinolatos Os glicosinolatos presentes em brássicas co mo co uve. meno r o tempo de co nservação. liberada após esmagamento do alho. geralmente macios e ricos em água. Além disso. co uveRor. Compostos como a alicina.5°e. Conservação das hortaliças As hortaliças são alimentos vivos. a planta co meça a utilizar os nutrientes que fo ram armazenados durante o seu cultivo. reduzindo a sua qualidade nutricio nal. mostarda. agrião e repolho são induto res de enzimas detoxi ficantes.

Muitas dessas substâncias são responsáveis pela cor das frutas e hortaliças. selênio e organossulfurados. O cozimento das hortaliças no vapor é preferível ao cozimento em água. vitamina B2. folato. luteína. que auxiliam no crescimento. alface. Caso isso não seja possível. É interessante também consumir as hortaliças logo após o preparo. de acordo com a cor da sua parte com estível. Portanto. agrião. pode-se enxaguar com água fi ltrada para tirar o gosto e o cheiro do cloro. ossos. Dicas: cores e saúde Diferentes alimentos fornecem cliferentes substâncias vitais para a saúde. no bom funcio nam ento dos sistemas 51 . cruas ou levemente cozidas.Verdes: couve.Posterio rmente. fortalecem os sistem as imunológico e circulatório. O cozimento em microondas reduz essa p erda. é essencial para a manutenção da saúde. vitamina K. com frutas e hortaliças de todas as cores. que atuam contra processos inflamatórios e alergias. As hortaliças podem ser agrupadas. . protegem contra doenças crônicas associadas ao envelhecimento (ex.Brancas : as hortaliças como cebola. artrose). cabelo e visão. moderada e equilibrad a. m agnésio e po tássio. rupo e co uve-flor contêm fl avonóides. ferro. na manutenção da pele. Consumo das hortaliças As hortaliças devem ser consumidas de preferê ncia frescas. alho. N utrientes como as vitaminas e minerais e o utras substâncias benéfi cas podem ser destruido s pelo calo r e/ ou perclidos na água. ocasio nando perda do valor nutrici on al. vitamina BS. uma dieta alimentar variada. indóis. em: . cálcio. zeaxantina. vitamina C. pois es tes nutrientes podem ser afetados pelo oxigênio e pela luz. As hortaliças devem ser guardadas em embalagens limpas. as hortaliças cozidas podem ser acondicionadas em recipientes tampados e armazenadas em ambiente escuro e refrigerado. brócolis e pimentão contêm pró-vitamina A. porque a água dilui nutrientes.

imu no lo).. n. d - d oe n ça~ C: lrdi ()vaSC lll <Hc~ . O suco de bete rrab a.a l a r:l n iada~: e de ce rtos ripos de câ n c r. m elho ram a mcm ó ri a c pr tege m co ntra doe nças do co ração.ri o c ~cxua l . abóbora. .co de ate rosc le rose. po r exe mpl o. na ma nutenção da sa úde d a pe!c. na manuten ão d a \' isão e pele.Roxas: a ho rtaliças de co r roxa co ntêm an toc ianina. e mama. 52 .Vermelh a: t mate. gengiva e~tô m ago e vasos sa ng uín co .digestó rio. \m a rcl o .l reduç:l o do co!cqe r{J l. que atu am na redução d o risco de câ nce r de I róstata. e ácid o fcnó li cos. na redução do co le [cro l. vitamin a C e ácid os fenó ljcos.. melancia e pim enta contem li copc no. . p im cnt:io c m cl iio cO l1! em prc'> - \-itam ina r\ . do ri sco de a tero cl erose c de doenças carru o vascuJa res e no fo rtalecim en to do sist ma imuno lógico. \·ita min a C. no bo m fun io nam en to dos siste mas imun o lógico e sex ual. ne r\"()so. d(J ri. na pro teção co mra doe nça ca rdíacas e ce rtos tipos de d nce r. redu z a pressão arteri al e melh o ra a circulação. que têm pro priedades anticance ríge nas. ce nou r:l. caro tenó ides c Aavo nóides.yue auxiliam no croc im en to. na fo rmação de co láge no.

.1 28. 616-633. p. (Embrapa Agroindústria Tropical. 10. Dispo nive l em: < http: / / www. 2007 . 99. br/ pagi nas / scri e_documentOs/seri e_doc um entOs. E. MORETTI. M. CARVALH O.n. j ou rn al of the American Dietetic Associat ion . In: HORTA: cultivo de ho rtali ças. F. 2012. pdf> Acesso em: 15 mar. B. Circul ar Técnica 47) . . iVLJ\RJ HO. 1278-1285. D F: Embrapa Horta li ças. E . Ai\LJ\RO. DM. 2003. p. BEVJLACQUA.cnph. P. H ortaliças com o alimentos funcionais. G. Produção de Mudas de Hortaliças em Ambiente Protegido.28. v. 105. MAC HADO. ASClME T O. Alimentos: o melhor remédio para a boa saúde.br/ cidade / secretarias/ upl oad / 02manualh orta_1253891788. 1999.p.: ri ca n Di eteti c .htm#circ_tec_2007 > Acesso em: 02 mar.: . Pos itio n paper o f th e American Di etetic t\ ssoc iati on: nu tri tion across rhe spectrum af aging.2006. C. Recomendações técnicas para o cultivo de hortaliças em agricultura familiar. M. D ocumentos 72). . de. Alime nt ação saud áve l para todos . 53 V. 1995. 632 p. H.. FONSECA. lLVA. 16 I.\m e. Brasíli a. de N.100/ nutri cao / docs/ ge ral/ IOpa sso sJ\d ul tOs'l d f> Acesso em: 02 ab ro 20 12. C. M. R. 1-6.. C. 20 12..Referências J\ I\ II ~ RI C J\ DII ~T I ~T I C . i\ I\ IE RI f\ N D II-:T I:T IC i\ O C I/\ T IO . Rio de Janeiro : Campus. n. p. Di ponívcl em: < Imp: / / www.4.\ SSO C IJ\TI O . P()~ iti o n o f the. n. A. 22 p.397-404. (Embrapa Hortaliças. Fo rtaleza: E mbrapa Agroindústria Tropical. Horticultura Brasileira. sp. C . São Paulo: P refeitura do Município de São Paulo. Classifi cação das hortaliças. W M. 24.prefeitura. Di sp nível em: < http:// 189. journ al of the American Di e te tic Association . BEZERRA. 2006. C. 2005.gov. B. J.e mbrapa. v. CARPE R. C. 4.\ ssoc iation: fu nctio nal food '. L.

.pdf> Acesso em: 16 mar.AL D I:: PO RTL' GJ\ L .175 6. 7. t\. B.\ \:o. ed. Journal of the Science of Food and Agriculture. CRl R E PLAN TAR.com. Disponivel em: < http: //www1. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comerciaJjzação de honaJjças. Nutrição mineral e djagnose do estado nutricional das hortaliças.pdf> Acesso em: 15 mar. php?categoria=85&id= 7 5 ~ > cesso em: 16 mar. J. J.br/ produtosl manual_feltrin.Inca. Água nas plantas. 2000.() . Fundação de Apoio ao E nsin o. R.asp?ID=18>.co m. S. 2008. Disponí\'el em: < hrtp:/ I \\. 576 p. 2008. La\'fas: UFLr\: C Er\P D esign. 2012. 1744.ceapdesign . C. 20 12. Importância do so lo..com l ~O(). ~O I ~. 88 f. Rio de Janeiro: Campus. 53 p. GERMAN. 80. HEN DLE R. 54 . p. Di'poní\'cl t. Dispo nivel em : < lmp:1 I w\Vw.\ S t\ G Rí CO Lt\ S E D O CRÉ DITO RL' R..I I I I im portnc i a .br/ comeudo_view. Especi alização. 20 12. Pesqui sa e Extensão. com . 421 p. L B. 1994.do . v.CIÊ0:Cl:\ \ 'lRTL'AL 6° .CONFAG RI.gov. FILGUEIRA. Monografia final do curso de pósgraduação "Latu Sensu" à distânci a: produção de hortaliças.~() lo -t.cri areplantar. ed. 3.Ji\L DAS COO PERr\TI". ANDRADE.p tl Ambi entei AreasTematicas / So lo/ Tex wS inte sel Ante.inca. Ph!·tochemicaJs: nutraceuocals and hum an health.confagri. 2012.:q presente_ I. A. MG: UFV. Acesso em: 02 abr. F. Dispo ní\'el em: < hrrp:/ I \\'\\'w.spseeds.~ ()Io . V. CO:\lFEDERr\ '-\0 N :\ C IO. 2012.honl> i\ ce~ so em: ~8 fn·.:m: < lmp: 1 I respi r1nd o cit. Disponíve l em: < hrrp:1 I W\\\\·. H ábitos aJjmentares. [home pagej. DILLARD. Catálogo de hortaliças.:ncia~.. A importância do solo e suas funções . blo g~p ü r.br/ horticulrura/ le rTexto. 2004. FAQUlN. T.\\o\\'. Viçosa. Universidade Federal de Lavras. FELTRIN SEMENTES. A enciclopéwa de vitaroffias e minerais.br I pd fi monografia sl mo nografia_agua_nas _plantas_lucia. S. as px > Acesso em: 2 fev. INSTITUTO NACIONAL D O CÂNCER .-. DIAS.

Sistemas de consórcio na produção de hortabças. G lobal view o n functional foods: european perspectives. :. J\fON T EZANO. p. Ca rote noid content of fruir and vegetables: an evaluation of anal)'tic data.. LLlEN GO. p. C/\LBO. v. J\ lt\ NGELS. t\ . . PO RTES. . 1993. p.2002. 11. RO BE RFROID.. PI-': I-:TZ. Armazen amento de Hortaliças. 21. v. 20 12. M. . S. J.239. R. K.. LA) 01. p. PO TTE R. 1. 284-96. p. 10. 1998.132. 11 8. j\1. M. E. / jun. LA ZA. F. 242 p.150. Journal of the American Dietetic Association. Krau se: abm enros. Briti sh Jo urn al of Nutrition . abr. 3.I L: i\: C 13. .. . 227. v. M.0. 9. N. CAMPAGNA. SlO-S12. S133-S138. F 1\ I. 12. 145.html> Acesso em: 29 fev. 88. A. p. Revista Brasileira d e Agrociência. S.br/ cienci as/recursos/ solo. L . R. A. n. 2012. BEECHER. Functional foü cl ~ : Latin . \'. 7 1.\ 11 ~ DJt\ 1. 9. anel 'pice~ I hal amcliorale the d fe t~ oí melabo li c ~y nelrom t. Fome oc ulta..T Ui\ fP. p. Mr\ !--It\ N. Dispo nivel em: < http: // ed ucar. Belo Hori zonte. B. 2006. 8. 129. F. i\ l. t\ . 11 79 p. R.200 I. E. Informe Agropecuário.\ . 55 . nutrição e c1j erote rapia. A. t\ n Li -in f1amm aror )' propt:rtie. Agroanalys is. Bras íLia. A. DF: I-:mbrapa Il on ali ça . .. R. !io Paulo: Roca. J.\ LI I~ R. Recursos naturais: água. P EIL. M.\m eri ca n perspccti vcs. T. SANTOS. i\. G. 30-34.. t\ . oí cu lin ar}' ht:rb. Asia Pacific Journal of Clinicai Nutrition. de A. Aspectos ecoflsioJógicos do COnsOrcIO milh o x feijão. G. FO RMA . uplc:m enro 2. 2. eel . Your mother was right: ear your vegetabJes. S. ESCOTT. D. v. sc. usp. n. 1:). solo e ar. Suplemento. v. n. British Journal of Nutrition. . M. R. 2002. 1984. v. MORAES. n. Suplemento.. 200 I. L. ( )\ ' IC. 11 -: 11 L. v. 93. p. Maturitas. ) 1Q U R. 88. Pelo tas. R. 2000.12. HOLDEN.

p. LO P I::S. (>4 p. J. S./.. BRAN CO. p. The Medica] Clinics of North America. F 1-1. D. rvIA ROUE LLI.AN E. 2011. v. A. \Y. Nutrition & Food Science. 3. A guide to carotenoids analysis In food. N utricio nal Strategies fo r Successful J\ging. 95. 0. L.. v. WI 1\/l. 200 I. n. D eficiênc ias nutricionais . WOO. TH. . N ASC lMENT O . FRANÇA .i zacao/ deficie ncias_nu tricio nais. . Processing o f fruit and vege tables: effect 0 11 carotc no id s. S ILVA.. r UR UiVIO T O ... L. B. M. P E REl RA. S ILVA. 2012.i ngton: Internatio naJ Life Scienccs Inscirute Press. WI L. 1997. 58-65. REDDY. C. 477 -493. m ai. M... A. A. .R DRI GUb2-f\ lvU\YA. \X1. v. B. Di spo nível em: < hrrp :/ / \Vww. G IO RDA O . L. AVIU \ . BÔAS.embrapa. Was h. C.cnph. J. C. br / pagin as / sistem as_p roducao/ c ul tivo_ to m ate_indu striaJ. C. 56 .h tm > Acesso em: 05 m ar. BO IT EUX. C . S. MEDE IROS. 2.. G.

. Pec uária e Abas teci m ent o I.OOV ~ .h'f ia Ag ric ult ur a. (O(II' '' ~ .':II'N O .