You are on page 1of 14

 DO TESTAMENTO.

Art. 1.857 e seguintes do Cc.
 “Testamentum est mentis nostrae iusta contestatio, in id solemniter factum, ut pos
mortem nostra valent” (Ulpiano).
 O testamento é o testemunho justo de nossa mente feito de forma solene para que
valha depois de nossa morte
 Art. 1626 – considera-se testamento o ato revogável pelo qual alguém, de
conformidade com a lei, dispõe, no todo ou em parte, de seu patrimônio, para depois
de sua morte (Código Civil de 1916)
 Obs. O atual código civil preferiu não definir.
 Criticas – Art. 1857, §2º Cc.
 “Diz-se testamento o ato unilateral e revogável pelo qual uma pessoa dispõe, para
depois de sua morte, de todos os seus bens ou de parte deles. As disposições de
caráter não patrimonial que a lei permite inserir no testamento são válidas se fizerem
parte de um ato revestido de forma testamentária, ainda que nele não figurem
disposições de caráter patrimonial” (Código Civil Português, art. 2.179)
 Negócio Jurídico.
 Por se tratar de uma manifestação de vontade destinada à produção de
efeitos jurídicos mortis causa, o testamento é um negócio jurídico.
 Ato Solene.
 É a única declaração de vontade que lhe dá vida. A do testador.
 É um Ato de Última Vontade ou Causa Mortis.
 Os efeitos do negócio jurídico (testamento) principiam unicamente após a
morte do testador, por maior que tenha sido o intervalo entre a manifestação
de vontade e sua eficácia.
Revogável.
 A possibilidade de se revogar o testamento, é elemento básico desse instituto.
 Entende-se nula qualquer disposição que vise eliminar a revogabilidade do ato
de última vontade, não se admitindo a renúncia à liberdade de revogar.
 Obs. Mesmo sendo um negócio jurídico revogável, disposições não
patrimoniais podem não ser revogadas, como o reconhecimento de
paternidade.
 Ato Solene.
 O testamento deve ser efetivado por meio de formalidades determinadas na
lei.
 Tais formalidades tem por escopo de dar o máximo de garantia e certeza à
vontade do testador.

é um ato que deve ser elaborado unicamente pelo testador.  Apenas as pessoas físicas podem instituir por testamento. etc. Maiores de 16 anos – no dia da feitura do testamento. não são que podem testar..  O vício de vontade gera a anulabilidade do testamento.  Art. uma vez que não se impõe ao beneficiado qualquer contraprestação.  Tendo o testamento disposições patrimoniais ou não patrimoniais.  Nomeação de tutores ou curadores. etc.  CAPACIDADE PARA TESTAR Art.960 – “ Alem dos absolutamente incapazes.  Obs.  Disposições Não Patrimoniais do Testamento.  O testamento poderá conter disposições de caráter não patrimonial.  O testamento. 2.  Distinção entre Incapacidade de Testar e Vícios de Vontade – Art. como:  Reconhecimento de filhos... o ato é de natureza gratuita.  Gratuidade do Testamento. Ato Personalíssimo. não tiverem o devido discernimento”.  Desse caso.  A incapacidade de testar gera a nulidade do testamento. minutas. não podem testar os que. no ato de fazê-lo. o menor deve ter completado a idade legal. Cc  Projeto de Lei 6.  Doação de orgãos. 1909 Cc. . 1860 Cc  A capacidade para testar não se confunde com a capacidade em geral para os atos da vida civil. O encardo imposto ao beneficiado não retira tal característica. 1860.  Não pode ser elaborado por mandatário. podendo o mesmo se munir de apontamentos.  São capazes para instituir em testamento: 1.. Incapacidade por falta de discernimento ou enfermidade mental – o testador deve ter a capacidade de entender o ato e seu alcance. não pode ser coletivo.  Administração dos bens herdados (curador de bens).  Não se admite a interferência de outra vontade que não seja a do testador..

aptidão para receber pelo testamento.1801 Cc).  Público – Art. Art. 2. 1876. 1873 Cc. 1. Pessoas jurídicas. Fundações. e em quatro anos o de pleitear a anulação do testamento ou a disposição testamentária”  Surdos-Mudos. sob certas condições.). 1.Art.960 tenta suprimir o prazo de 5 anos do inciso III  FORMAS DE TESTAMENTOS  A nossa legislação civil descreve três formas ordinárias e tradicionais de testamento: 1. 1866 Cc. O surdo-mudo não poderá testar sob a forma particular ( Art. 1799 Cc.  Capacidade de testar do Cego e Analfabeto – Poderão testar apenas na forma pública. é necessário que o surdo-mudo saiba manifestar uma vontade testamentária idônea. 3. Cerrado.  . Os filhos. em que determinadas pessoas. em qualquer momento de sua vida.Art. 4. 1859 Cc. 3. Particular.  Obs.  Consiste na capacidade passiva.  Para fazer testamento. Nascituro.  Cerrado – Art. não podem receber em determinado testamento ( Art. ainda não concebidos.867 Cc. . Obs.  Projeto de Lei 6. ou seja. 2.960 (sugeriu nova redação ao artigo 1859 Cc.  DA CAPACIDADE PARA ADQUIRIR EM TESTAMENTO. 1. § 1º Cc). é imprescindível que o surdomudo saiba escrever. Prazo para interpor a competente ação de nulidade ou anulabilidade do testamento – Art. ser utilizadas por qualquer pessoa. Desse modo.  Existem certas situações.  Modalidades de Testamento possíveis ao surdo-mudo.865 Cc. Público.  .  Projeto de Lei 6. Essas formas regra geral podem.  “ Extingue-se em cinco anos o direito de requerer a declaração de nulidade do testamento ou de disposição testamentária.

 O deficiente visual.  A leitura poderá ser efetuada pelo próprio testador ou pelo oficial. que requererá ao juiz que ordene seu cumprimento (Art. 2.  O testamento público é um ato aberto. mas dentro do âmbito de atuação judiciária do oficial.  O ato deve ser elaborado pelo titular do cartório.  O testador poderá ditar ou declarar de própria voz suas disposições. devem permanecer atentas a tudo que acontece.Testamento Público. Aeronáutico. 4. conforme artigo 18 da LICC. . não mandará cumprir.  O testamento público pode ser lavrado fora do recinto do cartório. como pessoas essenciais ao ato.  As testemunhas devem assistir a todo o ato.  As autoridades consulares brasileiras também podem lavrar testamento público. Nada impede que traga minuta para ser copiada pelo notário. uma vez que o mesmo consta em escritura pública. militar.. no qual um oficial público exara a última vontade do testador. o testamento deve ser apresentado a juízo por qualquer interessado. Marítimo.  Do Registro e Cumprimento do Testamento Público. conforme suas declarações espontâneas. sempre na presença das testemunhas.  Sua maior desvantagem é não guardar segredo sobre a vontade do testador. só poderá testar na forma pública ( art. enumera os requisitos essenciais do testamento público. Nuncupativo. Se uma das testemunhas se recusar a assinar o testamento será inválido. O ato só se completa com a assinatura de todas.  As testemunhas.  Essa forma testamentária apresenta maior segurança.  Não há restrição quanto ao horário ou dias da semana.  Se o juízo verificar a presença de nulidade. Testamentos Especiais: 1. 1867 Cc). 118 Cpc).  Após a morte do testador.  O artigo 1864 Cc.  Qualquer pessoa poderá ter acesso ao teor do testamento. 3.  O testamento público só poderá ser lavrado em língua portuguesa (nacional).  1.

 Só o juiz poderá abrir o testamento cerrado (art.  O testamento cerrado é entregue ao testador.  A leitura do auto de aprovação é obrigatória perante o testador e testemunhas. . 1872 Cc).  O auto de aprovação deverá ficar no interior do envelope.  O tabelião deverá examinar a certa distância. rasura ou entrelinha digna de ser ressalvada.  Após o auto de aprovação.  Não é necessário que o testamento cerrado seja escrito pelo próprio testador (Art.1126 Cpc).  O juiz tem o poder de ofício. de determinar ao detentor que apresente o testamento. não há testamento.  O testamento cerrado só poderá ser utilizado por quem saiba ler (Art. 1125 Cpc).  O tabelião não deve ler o testamento. arquivar e cumprir o testamento (Art.  Também denominado de hológrafo. 1129 Cpc). é entregue ao testador (art. o testamento ficará na posse do testador. 1873 Cc). 1876 Cc).  Não admite assinatura a rogo. o juiz mandará registrar.  A cédula testamentária.)  Da Abertura. não poderá conter rasuras ou espaços em branco. após encerrado o ato. junto com a declaração de vontade.  Se elaborado por meio mecânico.Testamento Particular (Art. 1875 Cc). Estando em ordem e.  2 . ou a requerimento de interessado. 1868 e 1870 Cc. é adequada aqueles que desejam manter sua última declaração de vontade em segredo.se existe redação na cédula. mandará registrar e arquivar e determinará seu cumprimento (art. podendo determinar a busca e apreensão do mesmo (Art.  Esta modalidade ordinária de testamento. Nada impede que o testador autorize a leitura.  Os requisitos essenciais do testamento cerrado constam do artigo 1868 do Cc.  Antes do auto de aprovação.  O surdo-mudo que souber ler e escrever poderá testar na forma cerrada (Art. se há borrão.  Lavrar-se-á auto de abertura.  3. cumpridas as formalidades de validade.  Pode ser escrito de próprio punho ou mediante processo mecânico.  Estando em ordem. 1874 Cc). Registro e Cumprimento do Testamento Cerrado. Secreto ou Místico.Testamento Cerrado.

 Legado de Crédito – Art. Deve ser assinado pelo testador. desde que as testemunhas a compreendam (art. sem com isso descaracterizar o legado. etc.  A interpretação de um testamento faz-se nos mesmos moldes. Testemunhas no Testamento – A regra geral das incapacidades para servir como testemunhas está prevista no artigo 228 do Cc.  Só existe legado por via de testamento. 1880 Cc.  Legado de coisa alheia é ineficaz nos termos do artigo 1912 do Cc.  Interpretação das Disposições Testamentárias  O testador deve ser claro quanto a sua vontade. para disposição de pequena monta.  Legado de imóvel – Art. 2.1920 Cc). 4. Testamento Militar – Art.)  Testamentos Especiais 1.Art. não sendo necessário testemunhas.). 1912 Cc  Consiste na deixa testamentária determinada dentro do acervo transmitido pelo autor da herança. uma biblioteca. 1918 Cc. 1889 Cc. 1922 Cc. depois de lido na presença de 3 testemunhas. . uma coleção.. 3. Testamento Marítimo – Art.  O legatário poderá receber uma universalidade de fato (Ex.  CODICILO Art.  Processualmente o codicilo será cumprido nos termos do artigo 1125 do Cpc. Testamento Aeronáutico . Testamento Nuncupativo – Art. 1879 Cc. 1888 Cc.  LEGADO Art. 1893 Cc. um rebanho.  A nossa legislação exige que o codicilo seja escrito pelo próprio disponente e inserida data. princípios de qualquer ato ou negócio jurídico..  Legado de Alimentos – trata-se de legado de prestações periódicas ( Art.  Consiste num ato simplificado de ultima vontade.1881 Cc.  O testamento particular pode ser elaborado em língua estrangeira.1899 e 112 do Cc.  O intérprete deve procurar a real intenção do testador – Art.

o legatário não poderá pedir o legado – Art. se. o fideicomissário. Fideicomissário = O segundo herdeiro para quem o bem será transferido.  Art. 1951 Cc. 2. ou até a sua morte. 3. 1948 e 1949 Cc  Fideicomisso Art. Indignidade do legatário. Perecimento da coisa legada. basta que tenham sido aquinhoados com a mesma coisa. titular da propriedade resolúvel. Fiduciário = primeiro herdeiro. Evicção da coisa legada. 4. 1924 Cc. 1923 Cc. Pré-morte do legatário.  Não confundir o fideicomisso com a substituição testamentária.  Caducar significa decair.  Se houver litígio acerca da validade do testamento. 1947. a partir da morte do autor da herança – Art. 1939 Cc.  Partes: 1. por certo tempo ou condição. Modificação da coisa legada. o qual recebe os bens em propriedade resolúvel. enfraquecer. passe os bens a outro nomeado. denominado fiduciário. 1942 Cc. perder a força. Alienação da coisa legada. por qualquer razão . não há uma substituição propriamente. 2.  Substituições  O testador poderá nomear um segundo herdeiro ou legatário.  Direito de acrescer no Usufruto – Art.  Caducidade dos Legados Art. a eficácia. não se operar a transmissão do benefício ao indicado originalmente. Existe uma disposição testamentária complexa por meio da qual o testador institui alguém. O legatário deve requerer o legado aos herdeiros.  Direito de acrescer entre legatários – Art. 3. 6. para substituir o primeiro nomeado. 5. para que. . Fideicomitente = Testador. com o implemento da condição.  No fideicomisso. advento do termo ou de sua morte. seu herdeiro ou legatário. 1. 1946 Cc.  Para que os legatários possam acrescer .

 Procedimento para Redução. na verdade. 1972 Cc.  Obs.  Revogação presumida – Art. 1973 Cc. 1140 Cpc.  A redução da deixa testamentária deverá ocorrer no curso do processo de inventário.  Só um testamento poderá revogar outro.  Sonegar consiste em ocultar maliciosamente bens do processo de inventário. não sendo possível. deve-se recorrer a ação própria de Redução de deixa Testamentária. um executor do testamento.  Revogação do Testamento – Art.  Remuneração do Testamenteiro – Art. 1127 do Cpc.  Escolha e Nomeação do Testamenteiro.  Procedimento – Art. . Redução das Disposições Testamentárias – Art.  O testamenteiro é.1976 Cc.  A conduta de sonegar bens é do herdeiro.  O testamenteiro deve ser escolhido primordialmente pelo testador.  Havendo herdeiros necessários . Na sua falta o juiz nomeará alguém de sua confiança (testamenteiro dativo). o testador não pode atribuir no testamento senão metade de seu patrimônio.  O inventário tem por escopo relacionar e descrever todos os bens inclusos no patrimônio hereditário.  Tal revogação pode ser parcial ou total. O herdeiro q não se interessar pela redução e não mover ou participar da redução. 1978 Cc e Art.  Escusa do Testamenteiro – Art.  Bens Sonegados Art. 1969 Cc. 1966 Cc. 1984 Cc.  Da Remoção do testamenteiro – Art. 1137 Cpc.  Revogação nos termos do art.  Cálculo da parte Inoficiosa – Art. não será atingido pela coisa julgada.  Obrigações do Testamenteiro – Art.  Ordem de nomeação do testamenteiro dativo – Art.1992 Cc. 1847 Cc. 1141 Cpc.  A redução deverá aproveitar somente os herdeiros que exigirem a redução.  Do Testamenteiro Art. 1987 Cc ( Vintena).

2015 Cc. 2013 Cc. § único Cpc.  Qualquer interessado no inventário e na herança poderá propor a competente ação de sonegados (art.  Desse modo.  Do momento em que ocorre a sonegação .  Prazo para colacionar – Art. 2003 Cc. homologado pelo juiz. seguir-se-á a partilha. presume-se como adiantamento da herança.  O valor dos bens colacionados – Art. 2002 Cc. 2021 Cc e Art.  Dispensa da colação – Art. 1992 Cc.  Ação Cabível – Ação de Sonegados (rito Ordinário). 2018 Cc. 1996 Cc.  Espécies de Partilha – Art.  Finalidade – Art. 1014 e 1000 Cpc. 2010 e 2011 do Cc.Partilha feita em vida – Art. 1040 do Cpc  Colações Art.Art.Judicial – Art.Art.  . que recebeu doação do autor da herança.  A finalidade da partilha é dividir o patrimônio apurado do falecido.  DA PARTILHA Art. Obs. toda doação feita em vida pelo autor da herança a um de seus herdeiros necessários.  Pena – Art.441/07 – Permite a partilha extrajudicial efetuada por meio de escritura pública  2. compensando-se com os demais herdeiros do mesmo grau. a doação efetuada se computará dentro da legítima desse herdeiro.  A colação é obrigação do herdeiro necessário. 1494 Cc). 1041 e 1041 Cpc .  Salvo vontade expressa do testador. 1.  Doações que não entram na colação – Art. Lei 11. 1014. 2005 e 2006 Cc. a divisão dos bens entre os herdeiros e legatários. Da Sobrepartilha – Art. ou seja. 2016 Cc. Requisitos da Sonegação – Art.  3. 1992 e 1993 Cc.  Terminado o inventário.Amigável – por escritura pública ou escrito particular .

trata do inventário e partilha efetuado por escritura pública.  Do Inventário Art. contadores. Débitos propriamente ditos – são aqueles contraídos pelo morto.  O estatuto processual (art.. restarem bens impartilhados. podendo recorrer diretamente às vias ordinárias de acordo com seus títulos.441/07. 1017 § 4º Cpc).  No inventário a satisfação dos credores se dará de maneira menos onerosa para as partes.  Obs. No entanto. avaliadores. 982 Cpc  Do Inventário e partilha Extrajudicial – Lei 11. etc.  Após a partilha.  Se a dívida não for líquida.  Espécies de débitos: 1. Nesse caso o juiz mandará que se faça uma reserva de bens para o futuro pagamento.  O herdeiro não pode impedir que a dívida do de cujus seja paga.  A habilitação dos credores deve ser efetuada antes da partilha.  Existe a necessidade de inventário judicial se houver testamento ou interessado incapaz. Será efetuada a sobrepartilha quando por qualquer razão.  Os credores não têm obrigação de habilitar-se nos autos de inventário.. Débitos póstumos – são dívidas contraídas pelo próprio processo do inventário (custas processuais. 1017) refere-se às dívidas vencidas e exigíveis. 2. como também cobrar as dívidas pendentes do de cujos e zelar para que os credores do espólio sejam atendidos.  Tal dispositivo legal. . 1997 Cc.  É possível a adjudicação pelo credor dos bens separados (Art. deve o credor propor a presente liquidação para habilitar seus créditos perante o inventário. feita a partilha. honorários advocatícios. se o credor possuir créditos por vencer (desde que seja líquido e certo).a qual constituirá título hábil para o registro no CRI.  Encargos da Herança Art. 2001 Cc. poderá habilitar-se no processo de inventário.  Entre os deveres do inventariante incluem-se aqueles de não só descrever.  Da responsabilidade dos herdeiros – Art. impostos. o credor deverá propor ação cabível para a satisfação de seus créditos contra cada herdeiro. Cautelar para reserva de bens. proporcionalmente ao que cada um recebeu do montante. vintena.)  Do procedimento para o pagamento das Dívidas do Cpc.

 - RG.  DO CONJUGE  - RG .  - Pacto Antenupcial e registro (se for o caso -. comuns ou não (art. neste caso. A escritura pública só será lavrada se todos os interessados estiverem assistidos por advogados.  - Certidão Negativa de Tributos Federais expedida pela Receita Federal do Brasil.original ou autenticada).  A resolução nº 35 do Conselho Nacional de Justiça padronizou os procedimentos desta lei. CPF (original ou cópia autenticada). CPF (original ou cópia autenticada).  - não ter herdeiros menores (de 18 anos) ou incapazes. devidamente emancipados.  - Pacto Antenupcial e registro (se for o caso -.  - podem participar herdeiros menores de 18 anos.B ( original ou cópia autenticada). 982.  DOS BENS .  - Prova de inexistência de testamento (atualizada até a data do óbito). com poderes específicos  - constituir advogado  - não pode o advogado acumular o cargo de procurador  DOCUMENTOS :   DO INVENTARIADO - Certidão de Óbito (original ou autenticada)  - R.  - Certidão de Casamento (original ou autenticada).original ou autenticada).  - Certidão de Casamento (original ou autenticada).  - pode haver representação por procuração. Não há necessidade de procuração.G. § único Cpc).A.  Obs.  DO ADVOGADO  - Carteira da O.  DOS HEDEIROS  Certidão de Nascimento (original ou cópia autenticada se casado apenas a de casamento). CPF (original ou cópia autenticada).  PROCEDIMENTOS PARA LAVRATURA DE INVENTÁRIO E PARTILHA EM CARTÓRIO  REQUISITOS :  - não ter testamento.

etc.  Foro competente – Art. Lei 7019/82 – dispõe sobre a liberação por alvará de contas bancárias. . 1043 e 1044 Cpc. as partes terão 10 dias para se manifestar sobre as primeiras declarações (Art. sendo necessário apenas um pedido de alvará para a liberação dos valores ou do bem. 988 Cpc.Certidão de Valor Venal ou IPTU presente exercício - Se apartamento juntar declaração de quitação de despesas condominiais assinada pelo síndico.  Prazo – Art. . face a falta de interesse do fisco. poupanças.  Legislação competente: 1.  Inventário Conjunto – Art.993 Cpc). Lei 6858/80 – dispõe sobre a liberação de valores(saldo de salário.  Primeiras Declarações Art. 1785 Cc.). pensões. 987 Cpc.  Dispensa do Processo de Inventário.  Após as primeiras declarações. com firma reconhecida e cópia autenticada da Ata de Assembléia que o elegeu. FGTS.  Cumpre ressaltar que o alvará contém mera autorização e não um mandado.  Legitimação concorrente – Art. PIS...imóveis : Certidão do Cartório de Registro de Imóveis (a qual tem validade de 30 dias e deve estar atualizada. 983 Cpc.  Legitimidade – Art. etc..Certidão Negativa de Débitos Municipais.  Após a citação dos interessados. 1000 Cpc). o juiz mandará citar todos os interessados nos termos do artigo 999 do Cpc. . ações.  Das Impugnações.  Tal situação geralmente ocorre quando a herança é composta de valores mobiliários ou de um único bem móvel. Comprovante de propriedade dos bens.móveis : (automóveis. 993 Cpc  O inventariante deverá efetuar as primeiras declarações no prazo de 20 dias.  Existem certas situações em que o inventário pode ser dispensado.) 2. a partir da data de seu compromisso (Art. . contas bancárias..  Legitimidade para Requerer o Inventário.

 c) havendo herdeiro preterido ou reconhecido posteriormente a sentença de homologação da partilha. o prazo é de 2 anos.441/2007. não podendo existir vício que altere o desejo do herdeiro e. 1031/ 1038 Cpc. Obs.  Possibilidades: a) Quando há vícios ou defeitos que invalidariam a partilha. distingue a partilha amigável da judicial é a natureza da intervenção do juiz: a amigável é apenas homologada por sentença” Humberto Theodoro Júnior. 1029 e 1030 do CPC. livremente sua vontade. Sem finalidade face o disposto na lei 11. se não foi respeitada a forma prescrita em lei. contados do trânsito em julgado. b) Havendo litígio entre as partes ou sendo judicial a partilha. De pequeno valor – Art. 205 do CC. 1032/1035 Cpc.  Modalidades de Arrolamento: 1. por meio de ação rescisória. poderá ser anulada.  Distinção entre partilha anulável e partilha nula : Art.  Ação Própria. é a ação anulatória a competente.  A declaração de nulidade ou anulação do ato ou negócio jurídico será proferida por juiz competente em ação própria.  Nulidade e Anulação da Partilha  Art. ou teve preterida solenidade que a lei considera essencial.  “ Sentença homologatória que se limita a chancelar unicamente a vontade das partes. contestações. nos termos do Art. 1. coação ou simulação. estando todos de acordo com a partilha amigável (Art.  “o que.209 CPC.  a) Ação Anulatória – Se no processo de inventário não houve contrariedade de direitos ou. 1036 Cpc ( 2.  Arrolamento Art. fundamentalmente. 1. mais especificamente.  O arrolamento é a modalidade simplificada de inventário.. apresentando-se como mero ato formal que apenas sacramenta o conteúdo . dolo. o prazo de 1 ano é contado a partir da sentença que homologa o ato.).000 BTNs).  Se a partilha tiver sido viciada por erro. nos termos dos artigos 166 e 171 CC.  A partilha é um ato jurídico que requer agente capaz de manifestar. será nula. autoridade judiciária competente. o magistrado nomeará perito para avaliar bens do espólio (se necessário). Sumário – deve ser utilizado quando todos os interessados forem maiores e capazes.o prazo seria de 10 anos. Superada a fase das impugnações.

Cada qual receberá seu quinhão e seus direitos circunscritos aos bens de seu quinhão (art. avaliação dos bens.  Se o herdeiro não tiver a coisa recebida. não é necessária). terá de repor ao montante seu valor.  Garantia de Quinhões Hereditários  Julgada a partilha. que tem força executiva contra o inventariante.  Art. 1040 CPC. cumulada com petição de herança. podendo postulá-la quem foi parte no processo.  Cada herdeiro receberá seu formal de partilha e tomará as providências necessárias para salvaguardar seus interesses. bem como quando a sentença é o efeito de colusão das partes visando fraudar a lei.  Julgada procedente a ação de anulação de partilha ou rescisória. ou seu sucessor a título universal ou singular.  O herdeiro excluído. em futuro próximo. aufere todos os direitos e vantagens desde a abertura da sucessão. 2021 e 2022 CC. os demais herdeiros e seus sucessores. 2023 CC).  Sobrepartilha  Casos em que deve ser aplicada a sobrepartilha – Art. todas aquelas pessoas que foram atingidas pelo julgado e o MP. 1085 CC). . somente cabe ação rescisória” Pontes de Miranda. com habilitação de todos os herdeiros. postulada no prazo de 2 anos. a ação será a rescisória. certidões negativas de ônus fiscais (quando argüida anos após a partilha. perdem os herdeiros a qualidade de comunheiros e o monte deixa de ser indivisível. rescindibilidade ou anulabilidade (art.estipulado pelos interessados. devem os herdeiros devolver para o montante todos os bens e os frutos que tenham auferido. que teve sua condição reconhecida em ação de investigação de paternidade. em que seria obrigatória sua intervenção. pagamento de imposto. observadas as formalidades e solenidades legais. quer pela omissão deliberada de algum herdeiro ou pela inclusão de quem não o seja. cessa a comunhão. para que se faça nova partilha.  A sobrepartilha obedece às mesmas normas do inventário. Se existe e vale e se não há anulabilidade por vício comum aos negócios jurídicos. se não foi ouvido no processo. devidamente corrigido.  B) Ação Rescisória – Por ter sido preterida formalidades legais.  A ação rescisória está prevista nos artigos 485 a 495 do CPC. é ato judicial que desafia a ação anulatória e não a rescisória” RT 608/91.  “ À sentença de partilha pode-se arguir inexistência.  Efeitos da Sentença. nulidade.