You are on page 1of 4

Tipos de discurso

Nos textos narrativos, é através da voz do narrador que conhecemos o desenrolar da história e as
ações das personagens, mas é através da voz das personagens que conhecemos as suas ideias,
opiniões e sentimentos. A forma como a voz das personagens é introduzida na voz do narrador é
chamada de discurso.
Através de uma correta utilização dos tipos de discurso, a narrativa poderá assumir um caráter mais
ou menos dinâmico, mais ou menos natural, mais ou menos interessante, mais ou menos objetivo,
contribuindo decisivamente para o sucesso do texto narrativo.
Existem três tipos de discurso, ou seja, três formas de introdução das falas das personagens na
narrativa: o discurso direto, o discurso indireto e o discurso indireto livre.

1

sendo ele o responsável por falar na vez da personagem. Como podemos verificar nos exemplos supracitados. Assim. observar. o discurso indireto é também introduzido por verbos de elocução que anunciam o discurso. havendo mudança de linha para o início da voz da personagem. bem como suas reações e personalidade. existia. visto que as falas das personagens se encontram inseridas no discurso do narrador. logo. entre outros. responder. falar.já sem saber como reagir. aconselhar. A seguir a estes verbos aparecem os dois pontos. 2 .ª . A seguir a esses verbos aparecem conjunções que marcam a separação da fala do narrador da fala da personagem. o discurso direto pode ser também colocado entre aspas ou travessões. exclamar. replicar.  Descartes afirmou que pensava. geralmente. sem a participação do narrador. Através de sua utilização. Discurso indireto livre É o mais difícil e o mais dinâmico dos tipos de discurso.ª pessoa. utilizando suas próprias palavras para reproduzir a essência das falas delas.”  E a menina perguntou . as falas das personagens são apresentadas pelo narrador. Discurso indireto No discurso indireto. logo existo. Como podemos verificar nos exemplos supracitados. o discurso direto é. perguntar. Além do travessão. normalmente.O que posso fazer para ajudar?  Descartes afirmou: “Penso. comentar. indicando assim uma citação ou transcrição.o que fazer numa situação como esta? . o discurso indireto é sempre feito na 3. mas também a mudança de interlocutores e a mudança da voz da personagem para a voz do narrador. nunca na 1. A voz da personagem é iniciada. o narrador permite que as personagens se exprimam livremente.Discurso direto É o mais natural e comum dos tipos de discurso. Caracteriza-se por ser uma transcrição exata das falas das personagens. murmurar. gritar. por um travessão. Exemplos de discurso direto:  Mariana perguntou:  . introduzido por verbos de elocução (dicendi) que anunciam o discurso como os verbos: dizer. como as conjunções que e se. retrucar. ganhando vida própria na narração. Exemplos de discurso indireto:  Mariana perguntou o que podia fazer para ajudar. que indica não só o começo da fala de uma personagem.

tendo em vista o envolvimento emocional mediante o desenrolar dos fatos. Nessa condição podemos afirmar que a narrativa assume um caráter mais objetivo. o foco assume distintas funções. Assim sendo. assumindo a condição de narrador protagonista ou narrador coadjuvante. O foco narrativo se define pela perspectiva por meio da qual esse narrador opta para relatar os acontecimentos inerentes ao enredo. manifesta-se sob dois aspectos: . entre as quais podemos citar: * Foco narrativo de terceira pessoa – nele o narrador não participa ativamente dos fatos relatados. ou seja. não é concedida a ele nenhuma atitude que porventura possa nos adiantar o que ocorrerá. como tudo isso decorrerá? De acordo com seu posicionamento.Narrador onisciente – é o tipo de narrador que conhece toda a história.Narrador observador – ele não conhece toda a história. Foco Narrativo Tendo em vista que o narrador representa um ser fictício do qual o autor se utiliza para nos repassar sua habilidade inventiva. o discurso indireto livre não é introduzido por verbos de elocução. uma vez que se confunde. * Foco narrativo de primeira pessoa – nesta modalidade. afirma-se que traços subjetivos tendem a se manifestar. apenas se limita a narrar os fatos à medida que eles acontecem. como o próprio nome nos indica. 3 . será ele um mero espectador. Logo a mim. Assim sendo. logo a mim isso tinha que acontecer! Ela não sabia se conseguiria chegar a tempo e resolver aquela confusão. enfim.Exemplo de discurso indireto livre:  Então Paula corria. com o discurso do narrador. por vezes. corria o mais que podia para tentar resolver a situação. o narrador se abstém de quaisquer intervenções. (narrador personagem). Ele participará da história. que é onisciente de todas as falas e sentimentos das personagens. torna-se imprescindível compreender os pontos que demarcam o chamado foco narrativo. sendo assim difícil delimitar o início e o fim do discurso da personagem. nem sinais de pontuação ou conjunções. até mesmo o pensamento dos personagens. . limitando-se somente a nos repassar o que vê. Por essa razão. o narrador se torna também um personagem. tendo em vista que ele permanece “do lado de fora”. Tomara que eu consiga! Como podemos verificar no exemplo supracitado.

4 .