You are on page 1of 4

ENGRENAGENS – PARAFUSO E COROA

SEM-FIM

PRINCIPAIS
PARÂMETROS
GEOMÉTRICOS

b ≤ bw

L – avanço do sem-fim - DUAS ENTRADAS DOBRA O AVANÇO
λ- ângulo de avanço do sem-fim
px – passo axial do sem-fim
dg = dp2 – diâmetro primitivo da coroa dw = dp1 – diâmetro primitivo do
3

PRINCIPAIS PARÂMETROS
GEOMÉTRICOS

dg =

tan λ =

4

PARAFUSO COROA SEM-FIM –
DIÂMETROS ENVOLVIDOS

z 2p t

π

sem-fim b – largura do sem-fim

Diâmetro externo do sem-fim:

d 0 = dp 1 + 2 .hc

Diâmetro de raiz do sem-fim:

d r = dp 1 − 2 .hr

Diâmetro de garganta da coroa:

D t = dp 2 + 2 .hc

L
π dp 1

L = p x z1

z2 – número de dentes da coroa

Diâmetro de raiz da coroa:

Dr = dp 2 − 2.hr

z1 – número de entradas do sem-fim
• o passo axial px do parafuso é sempre igual ao passo circular transversal pt
da engrenagem, para ângulos entre eixos de 90º!!

hr – dedendum
hc – adendum

5

6

RESTRIÇÕES IMPORTANTES

RESTRIÇÕES IMPORTANTES

Número mínimo de dentes
para a coroa
Tab. 15-8

a 0,875
a 0,875
≤ dp1 ≤
3,0
1,7

diâmetro sem-fim x distância entre eixos

λmax

7

8

16 in 2dp 2 /3 b= 2 2 1.(cos φ .16 in c = folga do dente = hr .103exp(−0.senλ + f .COROA E SEMFIM Largura de face (máxima) do sem-fim: (b w )max = 2 2  D   dp   t  −  1 − hc   2   2  18/11/2014 2 Largura de face da coroa: ⇒ p x > 0.645 ) 0 < Vs ≤ 10  0.dp1 .110Vs vs = vs = Vs = vel deslizamento (ft/min) v1 = π .senφ Ft1 Ft2 Fa = W.074Vs 0.força resultante 12 11 PARAFUSO COROA E SEM-FIM – VELOCIDADE DE DESLIZAMENTO PARAFUSO COROA E SEM-FIM – COEFICIENTE DE ATRITO AGMA Vs = 0 0.15  f = 0.450 ) + 0.(cosφ .senλ ) Ft1 = Fa2 Ft2 = Fa1 W .cosλ − f.124exp(−0.hc 9 PARAFUSO COROA E SEM-FIM ESFORÇOS Wf .força de atrito f – coeficiente de atrito 10 PARAFUSO COROA E SEM-FIM ESFORÇOS Fr2 Fa2 Ft = W.n2 12 14 .125 (d 0 + 2c ) − (d 0 − 4hc ) ⇒ p x ≤ 0.PARAFUSO COROA E SEM-FIM ESFORÇOS LARGURA DE FACE .012 Vs > 10 0.cos λ ) Fa1 Fr1 Fr = W.dp2 .n1 v2 = 12 13 v2 senλ v1 cos λ π .

46 ⇒ 3 < i ≤ 20   C m = 0.Cv FATOR DE CORREÇÃO DA RAZÃO DE VELOCIDADES .5in 1000 Cs =  1190 − 477log(dp 2 ) ⇒ a > 3 in dp 2 > 2.8 Coroa governando o conjunto: eG = cos φ − f cot gλ cos φ + f tan λ Cs = fator de material. Cv = fator de velocidade. mediante a expressão: cos φ − f .659exp(− 0.5in Para engrenagens fundidas com resfriamento: ⇒ a > 3 in dp 2 ≤ 8in 1000 Cs =  1412 − 456log(dp 2 ) ⇒ a > 3 in dp 2 > 8in 18 17 FATOR DE VELOCIDADES .Cs Para engrenagens fundidas em centrifugadora: Cs = 270 + 10.C v 0.Cm .02 − i 2 + 40i − 76 + 0.b.PARAFUSO COROA SEM-FIM DIMENSIONAMENTO PARAFUSO COROA E SEM-FIM EFICIÊNCIA e= Segundo a AGMA.31Vs −0. o projeto de um sistema coroa parafuso sem-fim encontra-se diretamente relacionado com a força tangencial admissível atuante no dente da coroa.00658i  Vs = vel deslizamento (ft/min) 19 20 .0011Vs ) ⇒ Vs < 700  C v = 13. dp2 = diâmetro primitivo da coroa.Cm 0. 16 15 FATOR DE MATERIAL .37a ⇒ a ≤ 3 in 3 ⇒ a > 3 in dp 2 ≤ 25in 1000 Cs =  1251 − 180log(dp 2 ) ⇒ a > 3 in dp 2 > 25in Para engrenagens fundidas em areia: ⇒ a > 3 in dp 2 ≤ 2.774 ⇒ Vs > 3000 65.571 ⇒ 700 ≤ Vs ≤ 3000  −0.Cs FATOR DE MATERIAL .0107 − i 2 + 56i + 5145 ⇒ 20 < i ≤ 76  ⇒ i > 76 1. b = largura efetiva de face da coroa.(dp 2 ) .cotgλ Ft adm = Cs . Cm = fator de correção da razão de velocidades.52 Vs ( ) 0.1483 − 0.tgλ cos φ + f .

.cosλ N0 = potencia de saida e = eficiencia do sistema ' 23 24 ANÁLISE TERMODINÂMICA ANÁLISE TERMODINÂMICA A razão de perda de calor (entre as potências envolvidas) pela carcaça da coroa sem-fim.A ts(max) = 200ºF ~93ºC (lbf/min) h cr = Área mínima da carcaça segundo a AGMA: A min = 43.Ft 2 f.7 (in2) 25 n1 + 0.oF)) A = área lateral da carcaça (in2). N 0 K a v 2 .a 1. 26 ta = temp.13 6494 onde: hcr = coef. ambiente (oF).Vs (hp) 33000 f. Assim: Ft1 = Ft 2 Potência no pinhão: H1 = cos φ senλ + f cos λ cos φ cos λ − f senλ Ft1 v 1 33000 = π dp 1 n1Ft 1 12(33000 ) [hp ] iguala Ft2adm a Ft2 22 21 POTÊNCIA DE ATRITO FORÇA TANGENCIAL x POTÊNCIA A magnitude da força transmitida pela coroa pode ser relacionada à potência de saída N0.cosφ .20. Assim: Ft 2 = 33000. ao fator de aplicação Ka.in2.senλ .H1 Enquanto que a temperatura do reservatório de óleo vale: tS = ta + H loss h cr .FORÇA TANGENCIAL x POTÊNCIA FORÇAS TANGENCIAIS Como a parcela de força tangencial atuante no sem-fim é diferente da parcela da força tangencial atuante na coroa.transferência calor por condução e convecção (lbf/(min.CS. torna-se conveniente explicitar uma equação que faça a relação direta entre essas componentes. a eficiência e ao fator de projeto CS.e Nf = Wf = Wf . vale: H loss = 33000(1− e).