You are on page 1of 58

RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE

ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO
COMPLEMENTAR / 2016
PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
ÁREA: ADMINISTRAÇÃO

RELAÇÃO DE ASSUNTOS
1. Teorias Organizacionais
a. Histórico da Administração.
b. Abordagens da Administração: Clássica, Humanística, Estruturalista, Burocrática, Sistêmica,
Neoclássica, Contingencial e das Teorias Ambientais.
c. Planejamento: Definição; Características, Objetivos, Tipos de Planejamento: Estratégico,
Tático e Operacional, Ferramentas para o Planejamento.
d. Organização: Definição, Desenho Organizacional, Estrutura, Processos, Divisão do Trabalho,
Departamentalização; Formalidade e Informalidade.
e. Direção: Definição, Poder e Autoridade, Estilos, Motivação, Comunicação, Liderança.
f. Controle: Definição, Fases, Tipos, Sistemas, Processos, o Desempenho e suas Medidas.
2. Políticas Públicas, Cidadania e Gestão Pública.
a. Estado, Governo e Sociedade.
b. Fundamentos e Princípios Constitucionais da Gestão Pública.
c. Organização da Administração Pública Federal.
d. Ferramentas de Gestão Aplicadas ao Setor Público.
e. Planejamento e Políticas Públicas.
f. Formulação de políticas públicas
g. Gestão de Políticas Públicas.
h. Políticas Públicas e Cidadania.
i. Cidadania e Direitos Sociais.
3. O Sistema de Planejamento do Setor Público Brasileiro
a. Planejamento no Setor Público (PPA; LDO; LOA).
b. Dívida e Endividamento Público.
c. Receita Pública.
d. Despesa Pública.
4. Gestão Patrimonial no Setor Público
a. Conceito.
b. A Gestão dos Bens Públicos.
c. Inventário dos Bens Patrimoniais Móveis e Imóveis.
d. Controle dos Bens Patrimoniais.
5. Controle e Fiscalização da Gestão Pública
a. Fundamentos.
b. Prestação de contas.
c. Sistemas e tipos de controles no Governo Federal.
d. Controle Interno.
e. Controle Externo
f. Papel do Tribunal de Contas da União.
g. Controle Social.
h. Processo administrativo.
6. Organização, Sistemas e Métodos e Tecnologia da Informação
a. Processos e Atividades.
b. Racionalidade e Controle do Trabalho.

c. Instrumentos de Levantamento de Informações.
d. Elaboração e Uso de Manuais e Formulários.
e. Estruturas e Processos Organizacionais.
f. Sistemas Integrados de Informação e Gestão.
g. Desempenho Organizacional: Produtividade, Eficiência e Eficácia.
7. Gestão de Pessoas
a. Gerenciamento de Pessoas em Ambientes Desafiadores
b. Uso do Planejamento Estratégico na Gestão de Pessoas;
b. Atração de Talentos: Recrutamento e Seleção;
c. Orientação de Pessoas, Modelagem de Cargos e Avaliação do Desempenho Humano.
d. Remuneração, Programas de Incentivos e Serviços e Benefícios.
e. Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas e de Organizações.
f. Relações com colaboradores, Higiene, Segurança e Qualidade de Vida no Trabalho.
g. Gerenciamento de Banco de Dados de Pessoas e Sistemas de Informações relacionados.
h. Liderança e Motivação de Pessoas;
i. Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, das Autarquias e das Fundações
Públicas Federais.
8. Dimensões e Critérios Decisórios da Estratégia e a Gestão pela Qualidade
a. Conceitos, Métodos e Estruturas da Gestão da Qualidade.
b. Ações Estratégicas: Estruturais, Comportamentais e Operacionais voltadas para a Qualidade
c. Processos, Agentes e Ambientes da Gestão da Qualidade.
d. Instrumentos de Análise e Ferramentas da Qualidade.
e. Indicadores de Desempenho e Indicadores de Gestão.
f. Processos de Melhoria Contínua.
g. Dimensões da Qualidade.
h. Critérios Estratégicos de Decisão.
i. Qualidade Padrão Classe Mundial.
9. Gestão de Operações De Serviço e Logística
a. O Planejamento e a Estratégia de Operações de Serviço.
b. A Gestão das Organizações de Serviço.
c. A Tecnologia da Informação Aplicada a Serviços.
d. A Gestão de Serviços Públicos.
e. Planejamento da Logística: Suprimento, Transportes, Armazenagem, Distribuição e Custos.
f. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos.
g. Logística dos Fluxos.
h. Tecnologia da Informação Aplicada à Logística e à Administração de Materiais.
i. Fundamentos e Sistemas de Gerenciamento de Estoques.
j. Almoxarifado: Organização, Recebimento e Armazenagem e Distribuição de Materiais.
k. Licitações.
10. Administração por Projetos e Projetos no Setor Público
a. Conceito, Tipos e Etapas.
b. Ciclo de Vida de um Projeto.
c. Elementos Básicos de um Projeto.
d. Ferramentas Para Elaboração e Acompanhamento de Projetos.
e. Estruturas Organizacionais e o gerenciamento por Projetos.
f. Escritório de Projetos.
g. O Gestor de Projetos.
h. Inovação em Projetos.
i. Avaliação em projetos.
11. Ética e Transparência
a) Fundamentos, Conceito, Histórico e Classificações da Ética.
b) Ética e Moral na Administração Pública.

c) Transparência na Administração Pública.
BIBLIOGRAFIA
ALBUQUERQUE, Claudiano Manoel de Albuquerque; MEDEIROS. Márcio Bastos Medeiros;
SILVA. Paulo Henrique Feijó da. Gestão de finanças públicas. 3. ed. Vol. 1. Brasília: Gestão
Pública Editora e Treinamento, 2013.
ARAÚJO, Luis César. G. de. Organização, sistemas e métodos e as modernas ferramentas de
gestão organizacional. Volume 1, 5. ed. São Paulo: Atlas, 2011.
_____.Organização, sistemas e métodos e as modernas ferramentas de gestão organizacional.
Volume 2, 4. ed. São Paulo: Atlas, 2012.
ARAÚJO, Luis César G.; GARCIA, Adriana A. Teoria geral da administração: orientação para
escolha de um caminho profissional. São Paulo: Atlas, 2010.
ARRETCHE, Marta. Estado Federativo e Políticas Sociais: determinantes da descentralização.
São Paulo: FAPESP, 2011.
BOWERSOX, Donald, J; CLOSS, David, J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, 2007.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.
______. Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967 e suas atualizações. Dispõe sobre a
organização da administração federal, estabelece diretrizes para a reforma administrativa e dá outras
providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1967.
______. Decreto nº 1.171 de 22 de junho de 1994. Código de Ética Profissional do Servidor
Público Civil do Poder Executivo Federal e suas atualizações. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1994.
______. Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005. Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para
aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2005.
______. Lei no 10.180, de 6 de fevereiro de 2001. Organiza e disciplina os Sistemas de
Planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira Federal, de Contabilidade
Federal e de Controle Interno do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. Diário Oficial
da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2001.
______. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011 e suas atualizações. Regula o acesso à
informação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2011.
______. Lei Complementar n° 101, de 4 de maio de 2000. Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e
suas atualizações. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na
gestão fiscal e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília,
DF, 2000.
______. Lei Complementar nº 131, de 27 de maio de 2009. Acrescenta dispositivos à Lei de
Responsabilidade Fiscal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2009.
______. Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990 e suas atualizações. Dispõe sobre o regime
jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações federais. Diário
Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1990.
______. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e suas atualizações. Estabelece normas gerais sobre
licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços (inclusive de publicidade),
compras, alienações e locações no âmbito dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e
dos Municípios. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1993.

______. Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002 e suas atualizações. Institui, no âmbito da União,
Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal,
modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras
providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2002.
______. Lei nº 9.784 de 29 de janeiro de 1999 e suas atualizações. Regula o processo
administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1999.
CARNEIRO, Margareth F. Santos e colaboradores. Gestão Pública. O papel do Planejamento
Estratégico, Gerenciamento de Portfólio, Programas e Projetos e dos Escritórios de Projetos na
modernização da Gestão Pública. Rio de Janeiro: Brasport, 2010.
CARVALHO, Marly Monteiro de; PALADINI, Carvalho, Edson Pacheco. Gestão da Qualidade.
Teoria e casos. 2 ed., Rio de janeiro: Elsevier-Campus, 2012.
CASTRO, Domingos Poubel de. Auditoria, Contabilidade e Controle Interno: integração das
áreas do ciclo de gestão. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2013.
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas
organizações. São Paulo: Manole, 2014.
______. Teoria Geral da Administração. Introdução á Teoria Geral da Administração. São
Paulo: Manole, 2014.
CHRISTOPHER, Martin. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. 2. ed. São
Paulo: Thomson, 2007.
CHOPRA, Sunil; MEINDL, Peter. Gestão da Cadeia de Suprimentos: estratégia, planejamento e operações.
4. ed. São Paulo: Pearson, 2011.
CORRÊA, Henrique, L; CAON, Mauro. Gestão de Serviços. São Paulo: Atlas, 2012.
CURY, Antônio. Organização e Métodos: uma visão holística. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
DAFT, Richard, L. Organizações: Teoria e Processos. São Paulo: Pioneira, 2002.
DIAS, Reinaldo; MATOS, Fernanda. Políticas Públicas. São Paulo: Atlas, 2012.
DORNIER, Philippe-Pierre; ERNST, Ricardo; FENDER, Michel; KOUVELIS, Panos. Logística e
Operações Globais. São Paulo: Atlas, 2010.
FALCONI, Vicente. TQC Controle de Qualidade Total: no estilo japonês. 8. ed. Belo Horizonte:
Editora IDNG, 2004.
FLEURY, Paulo, F.; WANKE, Peter; FIGUEIREDO, Kleber, Fossati. Logística Empresarial: a
perspectiva Brasileira. São Paulo: Atlas, 2009.
GIACOMONI, James. Orçamento Público. 12ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.
GIANESI, Irineu, G. N.; CORRÊA, Henrique L. Administração Estratégica de Serviços. São
Paulo: Atlas, 1994.
HOPP, Wallace, J.; SPEARMAN, Mark, L. A Ciência da Fábrica. Porto Alegre: Bookman, 2013.
KANAANE, Roberto; FIEL FILHO, Alécio; FERREIRA, Maria das Graças (Org.). Gestão
Pública: planejamento, processos, sistemas de informação e pessoas. São Paulo: Editora Atlas,
2010.
MATIAS-PEREIRA, J. Curso de Administração Pública. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
______. Manual de gestão pública contemporânea. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2012.
______. Curso de gestão estratégica na administração pública. São Paulo: Atlas, 2012.

MAXIMIANO, A. C. Amaru. Introdução à Administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.
MILESKI, Hélio Saul. O Controle da Gestão Pública. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2011.
MOTTA, Fernando Cláudio P. Teoria das Organizações: evolução e crítica. 2. ed. São Paulo:
Thomson Learning, 2001.
MOTTA, Fernando C. Prestes Motta e VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria Geral da
Administração. 3. ed. Revista: Thompson, 2006.
MUNIZ, A. J. O. Teoria Geral da Administração: noções básicas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2001.
PALADINI, Edson P. Gestão da qualidade: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2003.
PASTORINI, Alejandra; ALVES, Andrea Moraes; GALIZIA, Silvina, V. Estado e Cidadania:
reflexões sobre políticas públicas no Brasil contemporâneo. Rio de janeiro: FGV, 2012.
PMI. Project Management Institute. Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos
- (Guia PMBOK). 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
QUINTANA, Alexandre C.; MACHADO, Daiane P.; QUARESMA, Jozi Cristiane da C.;
MENDES, Roselaine da Cruz. Contabilidade Pública. De acordo com as novas Normas
Brasileiras de Contabilidade aplicadas ao setor público e a Lei de Responsabilidade Fiscal. São
Paulo: Atlas, 2011.
RODRIGUES, Marcus V. Carvalho. Ações para a qualidade. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier: 2015.
______. Qualidade de vida no trabalho: evolução e análise no nível gerencial. 4. ed. Rio de
Janeiro, Editora Vozes, 2011.
SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas. São Paulo: Cengage Learning, 2010.
SILVA, Valmir Leôncio da. A Nova Contabilidade aplicada ao setor pública: uma abordagem
prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2013.
SLACK, Nigel. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2004.
VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
VERGARA, Sylvia Constant. Gestão de Pessoas. 14. ed. São Paulo, Atlas, 2013.

RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL RELAÇÃO DE ASSUNTOS: 1. críticas à Reconceituação e o Serviço Social na atualidade. Avaliação de programas sociais. 4. . Instrumental técnico para realização de atendimentos. técnicooperativa e ético-política. grupos e família. Questão social e defesa de direitos no horizonte da ética profissional. questão social. Gestão de responsabilidade social . pesquisa social. A dimensão investigativa dos processos de planejamento e de intervenção profissional. visita institucional. A questão social no Brasil. 3. Serviço Social: dimensões históricas. Vulnerabilidade e risco social. a dinâmica institucional. ação socioeducativa com indivíduos. O Serviço Social no Processo de reprodução de Relações Sociais. referenciais normativos e indicadores. primeiras contribuições teóricas e principais autores. Concepção. teórico-metodológicas e ético-políticas no contexto atual do serviço social: Principais correntes filosóficas do século XX e sua influência na construção teórico-metodológica do Serviço Social: marxismo. Estatística aplicada à pesquisa em Serviço Social. elaboração e realização de projetos de pesquisa. monitoramento e avaliação: Planejamento.Conceitos. Fundamentos históricos e teórico-metodológicos do serviço social e a dimensão política da profissão. Os impactos no Serviço Social brasileiro. Concepção. A reforma do Estado Brasileiro e as configurações das políticas sociais no neoliberalismo: o serviço social e a saúde do trabalhador diante das mudanças na produção. monitoramento e avaliação de projetos sociais. reunião. surgimento do Serviço Social no Brasil e as influências europeia e norte-americana. As transformações no mundo o trabalho. Responsabilidade social das empresas. Movimento de Reconceituação na América Latina e no Brasil. Planejamento em Serviço Social: alternativas metodológicas de processos de planejamento. Gestão e financiamento das políticas de assistência social. demandas e exigências para o trabalho do serviço social em empresas. 2. parecer social. Leitura e interpretação de indicadores socioeconômicos. neopositivismo. social. visita domiciliar. políticas e movimentos sociais. desenvolvimento. relatório social. O processo de trabalho e relações sociais na sociedade contemporânea. ético-político e técnico-operativo do Serviço Social e as respostas profissionais aos desafios de hoje. projetos e planos. Consultoria e Serviço Social. As teorias do desenvolvimento humano e de grupos sociais. Crise capitalista e transformações no mundo do trabalho. Gestão de serviços nas diversas áreas sociais. reestruturação produtiva e os impactos no Serviço Social. elaboração de documentos técnicos. conhecimentos. trabalho em rede. fenomenologia. entrevista. Gestão de benefícios e transferência de renda. laudo social. Questão social e direitos de cidadania. Atuação em equipe multiprofissional e interdisciplinar. estudo de caso. perícia social. Fundamentos. a questão social e serviço social: Pobreza e desigualdade social no Brasil. 5. A inserção do Assistente Social nos processos de trabalho. Debate teórico-metodológico. Participação e controle social: relações institucionais com a sociedade. neotomismo. A construção das identidades sociais e das subjetividades. Administração. Estudo social. A institucionalização e o processo de profissionalização do Serviço Social nos contextos sociais da América Latina e do Brasil. abordagens individual e coletiva. Métodos e técnicas qualitativas e quantitativas. programas. Concepções e debates sobre instrumentos e técnicas. Processo de trabalho do assistente social em suas dimensões teórico-metodológico. instrumentos e técnicas de pesquisa social. Planejamento Estratégico e Planejamento Participativo. Assessoria. Condicionantes. processo de trabalho do Assistente Social. mobilização social. O Serviço Social como especialização do trabalho coletivo. organização e gestão do trabalho. serviço social. Instrumentalidade do Serviço Social.

Gestão de benefícios e transferência de renda. Movimentos Sociais e Serviço Social: uma relação necessária. São Paulo: Cortez. ACOSTA. Mª Beatriz e DURIGUETTO. VITALE.Norma Operacional Básica – NOB/SUAS. Cortez.Controle social no SUS. . 2011.010/06 – “Nova Lei de Adoção.098. Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social. 2014. Plano Nacional de Promoção. meio ambiente. Lei de Regulamentação da Profissão de Assistente Social. Política Nacional de Saúde Mental. Lei n. homens. 5.) Família: redes. Proteção e defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Plano Nacional de Promoção. Estatuto do Idoso. Estatuto da Pessoa com Deficiência. de assistência social e de previdência social. Orientações do CFESS sobre o trabalho profissional na área da Saúde e da Assistência Social. 7. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS – NOB-RH/SUAS. Projeto Ético Político do Serviço Social: possibilidades e desafios. Política Nacional de Assistência Social (PNAS/2004). pessoas vítimas de violência. Legislação do Sistema Único de Saúde – SUS. moradores de rua. mulheres. Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).6. habitação. Lei Orgânica da Seguridade Social). A. Resoluções do Conselho Federal de Serviço Social.A. Lei 10. Legislação Social: Constituição Federal de 1988. Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado de Orientações técnicas Centro Pop/ CREAS/ CRAS.4. Avaliação de programas sociais. Código de Ética Profissional do Assistente Social. 3 ed. BIBLIOGRAFIA: ABRAMIDES. Lei 7. Conselho Nacional de Combate à Discriminação – CNCD. Seguridade social no Brasil. adolescentes. Gestão e financiamento das políticas de assistência social. Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. laços e políticas públicas. 2007.Novas regras para o trabalho social. Estatuto da Cidade . SUAS – Sistema Único da Assistência Social. AGUIAR. Lei Maria da Penha. Orientações Técnicas Sobre o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Crianças e Adolescentes. M. São Paulo: Ed.853 dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência. proteção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária.Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. SINASE . da cidadania e dos direitos sociais. Participação e controle social. usuários de álcool e outras drogas.º 12. LOAS – Lei Orgânica da Assistência Social. Intersetorialidade das políticas públicas. jovens.. Antônio Geraldo de. A autonomia relativa do assistente social e as estratégias profissionais para materialização dos princípios do Código de Ética do Serviço Social no cotidiano profissional. 6. Regras básicas de comportamento profissional para o trato diário com o público interno e externo e colegas de trabalho. Minha Vida. sua integração social. critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. indígenas. afrodescendentes. Políticas sociais: A questão da assistência social. pessoas com deficiência. Mª Lúcia. Política Nacional de Educação Permanente do SUAS. São Paulo: Cortez.010 que dispõe sobre adoção. idosos. (Orgs. Programa Bolsa Família . Estatuto da Juventude.R. urbanas e rurais. Política Nacional de Humanização (PNH). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. ed. ”. 8. trabalho.(orgs). portadores de HIV. Serviço Social e Filosofia: das origens à Araxá. Lei 12. neoliberalismo e as políticas sociais brasileiras. Políticas de saúde. Políticas e programas sociais dirigidas aos segmentos: crianças. Gestão social das políticas públicas. Programa Minha Casa. Estatuto da Criança e do Adolescente. Políticas sociais setoriais: educação.F. pessoas com transtorno mental.

ed. 2010. Política Nacional de Educação Permanente do SUAS. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade no mundo do trabalho.). ed. ______. ed. São Paulo: Saraiva.L. define crimes. São Paulo: Cortez. e dá outras providências. 226 da Constituição Federal. sua integração social. BAYMA. Planejamento Social: intencionalidade e instrumentação.Título VIII . II . da Criança. e BOSCHETTI.M. Dilséa A. São Paulo: Cortez. Elaine R. 2012. altera o Código de Processo Penal. 8. N. 2010. Brasília: Editora UnB. Serviço Social: trabalho e políticas públicas.720/1998. de 7 de dezembro de 1993. São Paulo: Estação Liberdade.). Istvan. nos termos do § 8o do art. . do Jovem e do Idoso. SP:Cortez. Ivanete. do Adolescente. Saúde e Previdência Social: desafios para o terceiro milênio. Planejamento e Serviço Social.Cap. e dá outras providências.T. BRANDÃO. BEHRING. BRASIL. disciplina à atuação do Ministério Público. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. BOSCHETTI. 1991. BONETTI. Seguridade Social e Trabalho: paradoxos na construção das políticas de previdência e Assistência Social no Brasil. ed. G. BARROCO.742.853/1989.I. BEHRING.Cap. 2009.340/2006. 2014. M. ______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Sistema Único de Assistência Social. Lisboa: CPIHTS. Brasília: Secretaria Nacional de Assistência Social. M. dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. ______. institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas. Pesquisa Participante: o saber da partilha. ed. São Paulo: Editora Ideias e Letras. ANTUNES. São Paulo: Pearson Education. Câncer. A Prática Profissional do Assistente Social. São Paulo: Cortez. BATTINI. 2004. Lei nº 9. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. que dispõe sobre a Organização da Assistência Social. Origens da Habitação Social no Brasil.Da Seguridade Social . Mário da Costa. 2. São Paulo: Veras. 2013. 2011. R. São Paulo: Atlas. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência. BARBOSA. Dá nova redação a dispositivos da Lei nº 8. ALENCAR. São Paulo: Cortez. 2006. 2002. M V. Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. BAPTISTA. Brasil em Contra-Reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. Carlos Rodrigues. ______. Lei nº 11. da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir. 13. Fátima e KASZNAR. Myrian Veras. sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – Corde. SP: Cortez. BONDUKI. 2006. São Paulo: Veras Editora . Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. Constituição Federal (1988) . 15 ed.ALMEIDA. 2002. 14ª. O (Orgs. 2. N. Lei nº 7. 4 ed. Política Social: Fundamentos e história. BAPTISTA. et al (org. Antonieta. 4 ed.T.L.Da Ordem Social . 2003. Elaine R. BARBOSA. Direito e Cidadania: como a lei pode beneficiar paciente e familiares. o Código Penal e a Lei de Execução Penal. e dá outras providências.. VII – Da Família.

Gestão Social e Trabalho Social: desafios e percursos metodológicos. Antonio. Maceió: EDUFAL. 2008. CHACUR. São Paulo:Cortez. Aprova a Norma Operacional Básica da Assistência Social.741.2015. ed. 11. penitenciário e na previdência social. São Paulo: Cortez.M. FALEIROS. Brasília. em: _______. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas Sisnad.B.2015. RJ: Vozes. prescreve medidas para prevenção do uso indevido. de 07/06/1993. Acesso em 15. 10. COUTO. DF.br/2013/03/livro-servico-social-direitos-sociaise. Acesso em 15. Consultoria e Serviço Social. estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas. Maria do Carmo Brant de. M. Vicente de Paula.cfess. CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. V. 2003.org. Alice. Resolução n° 145/CNAS. ______. Código de Ética do/a Assistente Social. Lúcia Mária Freire. Avaliação de Projetos Sociais.com. Estratégias em serviço social.O. Serviço Social Organizacional: teoria e prática em empresa. Maria Inês Souza e MATOS. 7. de 15 de outubro de 2004. __________. ed. Resolução n° 130/CNAS. Maurílio Castro de.R. FALEIROS. Lei Orgânica da Assistência Social. Manuel Manrique.Lei n 8662. CASTRO. __________. 1983. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. _______. COSTA. ed. Gilmaisa Macedo da e SOUZA. 2013. São Paulo: Cortez. O Sistema Único de Assistência Social no Brasil: uma realidade em movimento. 7 ed. 4 ed. Petrópolis.. . (LOAS).742 de 07/12/1993. 2006. acesso em 15.org. CARVALHO. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil). Lei de Regulamentação da Profissão de Assistente Social. Ernesto e FRANCO.pdf. de 2003.pdf. São Paulo: Cortez. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. Rolando. Disponível http://www. define crimes e dá outras providências. ______. direitos e emancipação humana. 2010. História do Serviço Social na América Latina.. São Paulo: Cortez. CAMPELO. COHEN. SILVA. __________.343/2006. laudos e pareceres técnicos: contribuição ao debate no judiciário.cfess. São Paulo: Cortez. ABEPSS.05. Construção do Objeto no Serviço Social. 1983.S. 2011.br/arquivos/LEGISLACAO_E_RESOLUCOES_AS.RAICHELIS. São Paulo: Cortez. Ed.2015.05. 2014. Lei n 8069. CHIZZOTTI. Estatuto do Idoso. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) BRAVO.R. 2010. Cortez.html.05. (orgs) Curso de Serviço Social: 50 anos em Alagoas – educação. São Paulo: Cortez. _______. 11. O Estudo social em perícias. ______.______. Disponível em: http://flaviaseso.blogspot. Lei n° 11. Reivan Marinho de. Lei 8. de 13/07/1990. de 15 de julho de 2005. atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas. 2009. Legislação e Resoluções Sobre o Trabalho do/a Assitente Social Disponível em: http://www.. Lei no 10. Brasilia. P. 2014.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE. Assessoria. Aprova a Política Nacional de Assistência Social e anexo I. YASBEK. ed. 2011.C. São Paulo: Cortez. Saber profissional e poder institucional.

O debate contemporâneo da questão social. M. 4° edição. 2013. Maria Cecília de Souza. Petrópolis: Vozes. 4 ed. São Paulo.Cortez. Brasília. C. Coleção Temas Sociais 18ª ed. trabalho e questão social. O Impasse da Política Urbana no Brasil. UFRJ 2005. Marilda V. 2009. São Paulo: Cortez. 2013. Rio de Janeiro: Lumen Juris. São Paulo: Cortez. 12. 23. Edinilsa Ramos. São Paulo: Cortez. 2009.São Paulo: 2005 . Serviço Social: Temas. 2011. ___________. __________. SOUZA. (Org. São Paulo: Cortez. FORTI. 2001.. A. São Paulo: Cortez.FORTI. ed. GUERRA. S. ed. Método e Criatividade.Y A. Leila Vello. In: Revista Praia Vermelha. política e sociedade. Textos e Contextos. B. GUERRA. Ana Elizabete (org). In: Revista Inscrita. A nova fábrica de consensos. Medidas de Cidades: entre territórios de vida e territórios vividos. São Paulo: Cortez. KALOUSTIAN. n° 12. ed. 1978. ERMINIA.). Serviço social. Belo Horizonte: Interlivros. 12.google. Rio de Janeiro: Lumen Juris. NETTO. Rio de Janeiro. LIMA. 2010.) Família brasileira: a base de tudo. ASSIS. F. GOHN. O projeto profissional e o projeto societário. Contribuição à Metodologia do Serviço Social. São Paulo: Loyola. 2012. Ana Elizabeth e AMARAL. Serviço Social em tempo de capital fetiche: Capital financeiro. 2008. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. Cortez. S. 38. 2010. O Serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. J. MAGALHÃES.(orgs) Ética e Direitos: ensaios críticos.com/file/d/0B0--tS_Kbeq-TWpNOWdsWVZ6bjA/edit.P. Ensaios críticos. A Instrumentalidade do Serviço Social. 2014 GUERRA. ed. Petrópolis: Vozes. MOTA. Disponível em: https://docs. M. VL. Serviço Social: identidade e alienação. 1982. MG. São Paulo: Cortez. Simone Gonçalves de. L. FREIRE. 2008. São Paulo. MOTA. 2 reimpr. 3 ed. 10 ed. Y.D. Ed. V. São Paulo: Cortez. Ed. Avaliação por Triangulação de Métodos: Abordagem de Programas Sociais. 2008. 4 ed. IAMAMOTTO. A Metodologia do Serviço Social na América Latina. M. 2012. FIALHO. MARICATO. MINAYO. MARTINELLI. KOGA. M.2008. CFESS. Serviço Social e Sociedade Brasileira. N. política social e trabalho: desafios e perspectivas para o século XXI. J. E (Org). D. Acesso em 15/0572015. 2011. São Paulo: Cortez. MINAYO. GRAVE. ed. 3. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. n. 3 ed. Boris Alexis. Ditadura e Serviço Social. Mª Helena Almeida. O Mito da Assistência Social: ensaios sobre o Estado. Lúcia M. Novas Teorias dos Movimentos Sociais. 3. Valéria e GUERRA. LIMA. et al (org. 3° Edição. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 8. MOTA. Rio de Janeiro: UERJ. ed. Pesquisa Social: Teoria. __________. VALENTE. Y. Ângela. 2005. Y. Renovação e conservadorismo no Serviço Social. 1987. Ed. 2013.

A gestão da seguridade social brasileira: entre a política pública e o mercado. Fúlvia. 2010. Teoria do Serviço Social de Empresa: objeto e objetivos. 2008. 10.___________. Resolução N. Sistema Único de Assistência Social (SUAS). SILVA. (2010) Disponível em http://www.google.R. Vol. de 22 de junho de 2004. 6. MS. Claudia Mônica. 2011. 1987. Rio de janeiro: UFRJ. A. Política social. et al. Elisabeth de Melo. Acesso em: 15/05/2015. São Paulo: Cortez. 8. PINTO. Responsabilidade Social das empresas e Balanço Social: meios propulsores do desenvolvimento econômico e Social. Jeanete L. 2004. ed. 2011. SILVA. Política Social e Serviço Social: elementos históricos e debate atual.A. Rio de Janeiro: CBCISS.Cortez.com/file/d/0B0--tS_KbeqUHRFY0UtMm5lc0U/edit.o 78.gov.J.capacidades. Lúmen Juris. 2010. 2003. REIS. Regina Pahim e ROSEMBERG. Serviço Social e interdisciplinaridade: dos fundamentos filosóficos à prática interdisciplinar no ensino. PMS. de O. São Paulo: Cortez. 3 ed.. SILVERIO. MINISTÉRIO DAS CIDADES. Assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras. 2008.).PPGESS. (orgs). Mione Apolinário et al (org). São Paulo. São Paulo:Cortez. 1998. 2010. Questão Social e Serviço Social: Fundamentos e Práticas. Ronalda Barreto. São Paulo: Cortez.com/file/d/0B0-tS_Kbeq-VS1rM0xwTkROV1E/edit. SILVA.K. 2005. REVISTA PRAIA VERMELHA. Brasília. RAICHELIS. Disponível em: https://docs. SILVA. Disponível em: https://docs. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do Sistema Único de Assistência Social (NOB/RH SUAS). (Org) PAZ. Política Nacional de Assistência Social (PNAS). Ilda L. 2010. Assistência Social e Seus Usuários: entre a rebeldia e o conformismo. Educação Comunitária: além do Estado e do mercado? Campinas-Sp: Autores Associados. família e juventude: uma questão de direitos. TABOADA. SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO. A.PPGESS. Valter Roberto. prática. 2004. Ed. A construção do projeto ético político do Serviço Social.google. ed. 3° Ed. RICO. São Paulo: Cortez. 2006. SALES. São Paulo:Contexto. 2014.br/media/doc/biblioteca/SNH004. 6. Ed. R. Rio de janeiro: UFRJ. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social (NOB SUAS). São Paulo: Atlas. São Paulo: Cortez. Mary Richmond: um olhar sobre os fundamentos do serviço social. 2010. ed. DF: OPAS. In: Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. Relações Raciais no Brasil: pesquisas contemporâneas. pesquisa e extensão. Marta Borba. Trabalho Social em Programas e Projetos de Habitação de Interesse Social. Na pratica a teoria é outra? Mitos e dilemas na Relação entre teoria. Vol. SPOSATI. Martins (org. Esfera Pública e conselhos de assistência social: caminhos da construção democrática. _________.pdf consultado em 13/10/2014. . R. São Paulo:Cortez. 18. instrumentos e técnicas no Serviço Social. SANTOS. Acesso em: 15/05/2015. SÁ. Carlos Nelson dos. 3 reimpr.

Rio de Janeiro: Agir.C. 1969. Belo Horizonte: Argvmentvm. Metodologia do Serviço Social: contribuição para sua elaboração. Edição revista e ampliada. Classes Subalternas e Assistência Social. Desigualdade e Questão Social. 2009. VIEIRA. M. _______. YAZBEK. Rio de Janeiro: Agir. ed. C.. L. A Cidade Nas Fronteiras do Legal e Ilegal. . formação e alternativas na área da saúde. M. São Paulo: Cortez. RAICHELIS Raquel. 1980. Lúcia. São Paul: EDUC. M. 1981. A prática do serviço social: cotidiano. YAZBEK. Modelos de Supervisão em Serviço Social. MARTINELLI. M. 1982. In: Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. _______.. S. Rio de Janeiro: Agir. _______. V. 1979. M. M. 2012. BOGUS. Serviço Social: processos e técnicas. Balbina Otonni. 2011. Especial. _______. Ana Maria de. B. 3 ed.TELLES. 2013. Carmelita. YAZBEK. “O Serviço Social brasileiro em movimento: fortalecendo a profissão na defesa de direitos”. nº 95. Serviço Social: visão internacional 1928-1978. WANDERLEY. Rio de Janeiro: Agir. 2 ed. 4ª. VASCONCELOS. M. 2008. História do Serviço Social: contribuição para a construção de sua teoria. Rio de Janeiro: Agir. 8.

Visão Geral do Processo de Alocação de Recursos no Brasil. f. Lei De Diretrizes Orçamentárias (LDO). c. Lei de Diretrizes Orçamentárias-LDO. Orçamento Tradicional Versus Orçamento-Programa. Limites.LOA: Fundamentos e Evolução do Orçamento Público. 4) Das Compras. as Comissões e os Departamentos de Serviços. Lei Orçamentária Anual (LOA). d. c. c. poder. Departamentalização. Licitações Públicas (Lei Nº 8. 3. Direção de Pessoal: a Essência da Direção. Tipologia de controle. Lei Complementar Nº 123/06. d. Aspectos do Orçamento. Lei Federal Nº 11.Institui Normas Gerais para Licitação e Contratação da Parceria Público-Privada no Âmbito da Administração Pública. 3) Profissionais Especializados. Objetivos da Política Orçamentária. 2. liderança e cultura organizacional sobre o planejamento. A Prática Brasileira do Orçamento-Programa. Evolução Histórica do Orçamento e sua Correlação com o Planejamento e os Modelos de Administração Pública. Objetivos. o Modelo de Controle. Organização: a Natureza da Organização. Competências Constitucionais e Previstas na LRF. Técnicas Orçamentárias. Ciclo de Gestão dos Recursos Públicos: Plano Plurianual (PPA). 2) Das Definições Dos Serviços Técnicos.079 De 30/12/2004. Princípios Orçamentários. Administração Direta e Indireta. 6) Da Licitação: Modalidades.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIA INDICADAS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS RELAÇÃO DE ASSUNTOS 1. Funções do Orçamento Público. A Administração e a Contabilidade. . Coordenação: a Essência da Coordenação. Elaboração. a Motivação. Administração Pública Federal a. O Papel Intermediário entre Plano e Orçamento. Orçamento Público a. a Comunicação e Liderança e Direção Consultiva. Decreto-Lei Nº 200: Estrutura Administrativa Atual. Dispensa. Autoridades de Linha e Assessoria.666 / 93. Lei Orçamentária Anual. Controle: o Sistema de Controle. Orçamento Programa e Orçamento Base Zero. o Planejamento Estratégico e Operacional. Tipos de Orçamento. 5) Da Alienação. b. Princípios de um Sistema de Controle. e. Unidades Estratégicas de Negócios. Competências da LDO. e. Parceria Público Privada: Lei Federal Nº 11. Classificação do Orçamento: Orçamento Tradicional. f. PPA: A Sistemática do Plano Plurianual. Tipos de Autoridade. b. O impacto da estrutura organizacional. g. Descentralização de Autoridade. a Dinâmica do Planejamento na Estrutura Organizacional. o Controle de Desempenho. a Coordenação e Administração. b. Habilitação.598/07 e Alterações Posteriores): 1) Dos Princípios. Procedimentos e Julgamento. Administração a. Planejamento: a Natureza do Planejamento.

Contabilidade Pública a.137/08: NBCT 16. Consolidação das Contas Públicas. Regimes Contábeis. Créditos Orçamentários e Adicionais. l. Recursos para Execução dos Programas: Exercício Financeiro. Desfazimento. Cauções. Despesas não Submetidas ao Processo Normal de Realização: Conceitos. m. o. Objetivos. 4. Patrimônios na Administração Pública: Bens Públicos. Conceitos. Demonstração das Variações Patrimoniais e Análise de Balanços Públicos. Definição de Restos a Pagar. Amortização. Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público – NBCASP. Programação e Execução Financeira: Programação Anual. Mecanismos de Transparência Fiscal. Execução e Prestação de Contas. Classificação. O Processo de Elaboração da Proposta Orçamentária . Deduções da Receita Orçamentária. Classificação Legal e Estágios da Receita. Diversos Responsáveis). Escrituração Contábil no Setor Público. Votação. Demonstrações Contábeis: Balanço Orçamentário. Avaliação dos Bens Patrimoniais. Descentralização Orçamentária e Financeira. Inscrição em Restos a Pagar em Final de Mandato. Classificação. Limitação de Empenho. g. Reserva de Contingência e Passivos Contingentes. h. Liberação de Recursos. j. Balanço Patrimonial. Receitas Públicas: Definição. Campo de Aplicação. e. Geração de Despesas e sua Continuidade. Concessão de Suprimento de Fundos. Despesas Extra orçamentárias. Princípios de Contabilidade Sob a Perspectiva do Setor Público. A Lei de Diretrizes Orçamentária e a Lei Orçamentária Anual.1 a 16.Ciclo Orçamentário: Elaboração. Reconhecimento da Receita Orçamentária. Avaliação e Mensuração de Ativo do Setor Público. Gerenciamento do Cartão de Pagamento do Governo Federal. Lei de Responsabilidade Fiscal e suas Atualizações. Inventário. Despesas Públicas: Definição. Reconhecimento da Despesa Orçamentária. i. Variações Patrimoniais. Realização da Receita e Despesa. Conceitos. Execução Orçamentária e Financeira. Registro das Principais Operações Típicas. Classificação Legal e Estágios da Despesa. Remanejamento. Créditos Ordinários e Créditos Adicionais. Convênios E Instrumentos Similares. Convênios. Balanço Financeiro.CPGP. Limites para Despesas de Pessoal. Sistema de Contabilidade Federal. Aprovação.128/08 a 1.CPGF.CFC Números 1. Fixação da Despesa. i. Acompanhamento da Execução. Objetivos.180/2001). n. O Plano Plurianual. Execução. Divisão. Limites para a Divida Pública. Alterações Orçamentárias. Competências e Prazos Constitucionais. Reconhecimento da Despesa sob o Enfoque Patrimonial Versus Legalidade da Despesa. Discussão. Receitas Extra orçamentárias. b. h.10.872/86). dos Restos a Pagar e Contas com Função Precípua de Controle (Contratos. Adiantamentos e Suprimento de Fundos. Gestões Organizacionais da Contabilidade Pública no Brasil: Papeis de Secretaria do Tesouro Nacional-STN e dos Órgãos Setoriais de Contabilidade (Lei Nº 10. k. Programação Financeira. Descentralização de Créditos. Liberação Financeira. Contabilizações dos Principais Fatos Contábeis: Previsão da Receita. c. Principais Documentos. Relatório Resumido da Execução Orçamentária e Relatório de Gestão Fiscal. d. Exaustão e Recuperabilidade. Celebração. Princípios. Cartão de Pagamento do Governo Federal . Contingenciamento de Despesas e Orçamento Impositivo. Transposições e Transferências. Endividamento e Operações de Crédito. Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI): Conceito. . Legislação Básica (Lei 4. Alteração e Prestação de Contas. Encerramento do Exercício e Restos a Pagar: Fundamentos. Transações no Setor Público. Programação de Desembolsos Mensais. f. Efeitos no Planejamento e no Processo Orçamentário.A Relação da LOA com o PPA e a LDO.320/64 Lei Complementar Nº 101/2000 e Decreto Federal 93. Depreciação. Emendas Parlamentares. Incorporação e Baixa de Bens. Resoluções do Conselho Federal de Contabilidade . Prestação de Contas do Suprimento de Fundos e do Cartão de Pagamento do Governo Federal .

e. Processos. 43/2002 E 48/2007. Ajustamento. Natureza das Contas Patrimoniais. Constituição. Contabilidade de custos a. f. Parte I .Introdução ao MCASP. Os Elementos de Custos. b. Repasse e Sub-Repasse. n. Normas Fundamentais de Auditoria. Registro de Operações Típicas. Estrutura da Contabilidade Pública: Plano de Contas e Tabela de Eventos. Parte IV . m. Prazos e Tomada de Contas Especial. Operações de Crédito. r. Elaboração das Demonstrações Contábeis. 6. Tomada e Prestação de Contas: Responsáveis. Cancelamento e Baixas. Processo de Auditoria. Técnicas de Auditoria. b.válido para 2015: Parte Geral . Cancelamento. Achados e Evidencia de Auditoria. p. Composição.(PCASP) e Parte V . Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público – 6ª Edição . . Parecer e Relatório de Auditoria. Cobrança. c. n. Princípios contábeis. Parte I . s. Órgãos de Controle Externo e Interno e Vinculação do Controle Externo e Interno. Despesas de Exercícios Anteriores Versus Restos a Pagar. Medidas Preliminares à Elaboração de Balanços. Equação Patrimonial. Renuncia de Receitas. i. q. 5. Cancelamento.j. Parte III . d.638/07 e Lei 11941/09. Auditoria Governamental: Finalidades. Destinação de Recursos para o Setor Privado. k. Classificação dos Custos.Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público. Estudo de Casos de Auditoria. m.Procedimentos Contábeis Orçamentários. Consolidação de Demonstrações Contábeis. Fundamentação Legal. Programa de Auditoria. Controle na Administração Pública (Externo e Interno). Avaliação dos Ativos e Passivos. k. A Execução Financeira Através da Fixação de Limites de Saque dom Vinculação de Pagamento. Limites. Programação de Desembolsos de Mecanismos Retificadores do Orçamento. Condições Gerais e Relação dos Restos a Pagar com a Dívida Pública. Pagamento.LRF e suas Atualizações: Princípios. Tipos. Transferências Voluntárias. Planejamento. Resoluções do Senado Números 40/2001. o. Formas de Execução. Classificação e Conceitos dos Fatos Contábeis. Geração de Despesas. Alterações introduzidas com a Lei 11. Abrangência. Noções Preliminares. Objetivos. Dívida Pública Passiva: Divida Flutuante e Divida Fundada. j. Inventários. Transparência da Gestão Fiscal. Modelo do Plano de Contas e Codificação do Plano de Contas ( PCASP). Lei de Responsabilidade Fiscal . Proposta de Programação Financeira (PPF) e Programação Financeira Aprovada (PFA): Cota. Papéis de Trabalho. l. Apuração do resultado. Conceitos. c. Conceitos.Plano de Contas Aplicado ao Setor Público. Natureza das Contas de Resultado. l. Lançamentos e os Métodos das Partidas Dobradas. Contabilidade Geral a. Prestação de Contas e Fiscalização da Gestão Fiscal. Divida Ativa: Inscrição. As Contas de Resultado e Patrimoniais. Tipos de Auditoria. A Estrutura do Plano de Contas. g. o. Restos a Pagar: Inscrição.Procedimentos Contábeis Patrimoniais. Pronunciamentos Técnicos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis. h.Procedimentos Contábeis Específicos. Resgate.

Descargas Unidirecionais e Recíprocas i. 8ª ed. DF. c. Análise da Situação Financeira. c. ______. Alavancagem Financeira e Operacional. Os Custos Indiretos de Fabricação. Balanced Scorecard e outros modelos. Índices de Endividamento. j. Orçamento Estratégico. Gestão Estratégica. g. Dispõe sobre a organização da Administração Federal. b. Demonstrações Financeiras. de 04 de maio de 2000 e suas atualizações. g. i. f. BIBLIOGRAFIA ALMEIDA. BACKER & JACOBSEN – Contabilidade de Custos. Contabilidade gerencial a. g.um enfoque de administração de empresas. ASSAF NETO. 6ª ed. 10 ed São Paulo: Atlas. f. Apropriação e Contabilização dos Custos. Alexandre. Estrutura e Análise de Balanços: Um enfoque econômico-financeiro. Análise do Fluxo de Caixa. Brasília. de 25 de fevereiro de 1967 e suas atualizações. estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Análise da Situação Econômica. Promulgada em 05 de outubro de 1988 e suas Emendas. Orçamentos Flexíveis e Contínuos. Relatórios. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. b. Encerramento do Exercício. Introdução – Registro e Solução dos Problemas. Relações Custo-Volume-Lucro. Índices de Liquidez. Análise de Investimentos. . Demonstração do Fluxo de Caixa. Índices Combinados. ______. Lei Complementar nº 101. Apuração de Custos: Custeio por Absorção. São Paulo: Atlas. Marcelo Cavalcanti. 2012. Avaliação de Desempenho. 2012. i. Variável ou Direto. m. e. Custos das Matérias-Primas e. Índices de Rotatividade. Auditoria: um curso moderno e prático. Taxas Departamentais. O Orçamento Geral. BRASIL. d. k. Vols. Controle Orçamentário.d. Baseado em Atividades e Padrão. j. Relatórios Financeiros da Empresa. São Paulo: Atlas. Custos nas Decisões Empresariais. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil. Análise de balanço a. Orçamento Base Zero. 1 e 2. Centros de Lucro e Preços de Transferência. d. h. Método UEP e Kaizen. Curso Básico de Contabilidade. 2010. Constituição da República Federativa do Brasil. h. Decreto-Lei nº 200. f. Contabilidade de Ganhos. l. Índices de Lucratividade. ______. 1967. Custo da Mão-de-Obra. Índices de Estrutura Patrimonial. 8. h. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. e. 1979. Orçamento por Atividades. Beyond Budgeting. Custos nas Entidades Públicas 7. j.

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público. V. Decreto Federal nº 6. Portaria STN nº 733 de 26/12/2014 – Estabelece regras de transição referentes às Demonstrações Contábeis aplicadas ao Setor Público para o exercício de 2014.Demonstrações Contábeis do Setor Público da 6ª edição do MCASP. serviços (inclusive de publicidade).Das Aquisições Públicas. DF. do Distrito Federal e dos Municípios. (Publicada no D. dos Estados.872 de 23/12/86. Portaria Interministerial nº 163.2012 e Anexos.901 de 11/07/2009. Decreto Federal nº 7. Dispõe sobre normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União. páginas 15 a 20).079 de 30/12/2004 – Institui Normas gerais para licitação e contratação da parceira público-privada no âmbito da administração pública. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. ______. Aprova as Partes IIProcedimentos Contábeis Patrimoniais.Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. ______. Estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras. ______. Lei Complementar nº 123/ de 14/12/2006.Acrescenta dispositivos à Lei Complementar nº 101 de 04/05/2000. nº 87-E. Disponível em: <http://www. ______.br> ______. dos Estados.370/08. Dispõe sobre o Sistema de Contabilidade Federal.641 de 12/12/2011 – Altera Decreto nº 6.O. Portaria Conjunta nº 02 de 10/12/2014 – Altera a Portaria Interministerial STN/SOF nº 163 de 04/05/2001. Capítulo V. Altera o Decreto federal nº 6. Distrito Federal e Municípios.U. Portaria da Secretaria do Tesouro Nacional-STN nº 438 de 12. compras.Procedimentos Contábeis Específicos.654 de 23/11/2011. Portaria da Secretaria do Tesouro Nacional-STN nº 700 de 10/12/2014. Decreto Federal nº 6. de 21 de junho de 1993 e suas atualizações. Portaria da Secretaria do Tesouro Nacional – STN nº 439 de 12/07/2012 – Estabelece o . Aprova a alteração dos Anexos 12. ______. III.976 de 07/10/2009. Estados. alienações e locações no âmbito dos Poderes da União. Lei federal nº 11. Dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União.320. de 4 de maio de 2001 atualizada até 23/12/2011.stn. Decreto Federal nº 6. ______. Lei nº 8. e dá outras providências e suas alterações. Decreto Federal nº 6. IV. ______. ______. de 17 de março de 1964 e suas atualizações. atualiza e consolida a legislação pertinente.Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios e contratos de repasses. ______. ______. ______. ______.872 de 23/12/1986 – Dispõe sobre a unificação dos recursos de Caixa do Tesouro Nacional. Seção Única .170/2007.666. dos Municípios e do Distrito Federal. ______. 1993.170 de 25/07/2007 . Seção 1. DF. ______. de 07 de maio de 2001.07. Brasília. Brasília. Decreto Federal nº 93.Lei Complementar nº 131 de 27/05/2009 . Altera o Decreto nº 93.gov. Decreto Federal nº 7. 2000. Dispõe sobre a utilização do Cartão de Pagamento do Governo Federal – CPGF. 13.320/64 e nº 18 (Demonstração do Fluxo de Caixa) e nº 19 (Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido). ______. ______. Portaria nº 42 de 14/04/1999 do MOG – Atualiza a Discriminação da Despesa por Funções e Subfunções.14 e 15 da lei 4. Portaria Conjunta nº 01 de 10/12/2014 – Aprova a Parte I – Procedimentos Contábeis Orçamentários da 6ª Edição do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público ______.370 de 01/02/2008. Lei nº 4. ______.

Rio: LTC Editora. 2012. LTC. BERENICE Maria Rosa. Contabilidade Gerencial.2ª edição Editora ATLAS 2. São Paulo: Pearson. normas e procedimentos contábeis aplicáveis aos entes da Federação. 2004. São Paulo: Nobel. Controle Gerencial: uma abordagem da Contabilidade Gerencial no contexto econômico. L. . et al. et al. 6ª ed. COSTA. Rio: Campus. Planejamento e Controle Orçamentário: Manual de Orçamento Empresarial. São Paulo: Atlas. 2013. Resolução do Senado nº 43 de 21/12/2001. 16ª edição 2012. 2ª ed. no âmbito da União. Editora Campus.Arantes – Gestão Estratégica: da empresa que temos para a empresa que queremos.013. ELDENBURG. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS: Pronunciamentos técnicos. ______. Finanças Públicas. Rio: Ed. R.011 GIACOMONI. São Paulo: Atlas. Fábio e Além. 2000.2. GARRISON. HORNGREN. Rene Gomes. ed. ______. Silvio Aparecido. 7ª ed. 2011. Contabilidade Gerencial: Teoria e Prática. E. 2007.H. Resolução do Senado nº 40 de 20/12/2001. Contabilidade Gerencial – 11ª ed. 2009. J. ______. São Paulo: Atlas. comportamental e sociológico. Atlas. São Paulo: Atlas.G. Resolução do Senado nº 48 de 21/12/2007. 6ª ed.cronograma de ações a adotar até 2. Flávio da. Auditoria Governamental. Manual de Contabilidade Societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC. 5ª ed. CREPALDI. e NOREEN. HORNGREN. São Paulo: Atlas. Thomas – Contabilidade de Ganhos: a nova Contabilidade Gerencial de acordo com a TOC.014. Controle Externo das Contas Públicas: O Processo nos Tribunais de Contas do Brasil. São Paulo: Atlas. 2007 FIPECAFI. sob a mesma base conceitual. 2009. Eric W. São Paulo: Editora Atlas. 12. São Paulo: Ed. Portaria MP nº 90 de 24/04/2009 . Jocildo Figueiredo. Portaria Interministerial STN/SOF nº 163 de 04/05/2001. Cláudia. com vistas à consolidação das contas públicas da União. 2007. e WOLCOTT. Portaria Interministerial STN/SOF nº 163 de 04/05/2001 e suas alterações. monitorar e motivar o desempenho.K. FREZATTI. S. 4. do Distrito Federal e dos Municípios. dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais Específicos. ______.SCP.Institui o Sistema do Cartão de Pagamento . ______. DUTRA. Orçamento Empresarial: Planejamento e Controle Gerencial.STN nº 01 de 13/07/2012. CORBETT NETO. CREPALDI. Curso Básico de Contabilidade. Portaria STN nº 634/2013 – Dispõe sobre as regras acerca das diretrizes. FOSTER & DATAR – Contabilidade de Custos 9ª ed. Charles T.Contabilidade do Setor Público. Portaria Conjunta da Secretaria do Tesouro Nacional . ______. Editora ATLAS 1ª edição 2014. Orçamento Público. CORREIA NETO. Altera a ______. 2013. Silvio Aparecido. ______. 1997. 2011. Custos: uma abordagem prática. 2008. Rio: LTC. FREZATTI. Fábio. GIAMBIAGI. CRUZ. São Paulo: Saraiva. Gestão de Custos: Como medir. dos Estados. Ed. 3ª ed.

São Paulo: Atlas. José Carlos. (válido para 2014): Disponível em http://www. LEONCIO. ______. 2012. PISCITELLI. São Paulo: Atlas.gov. Luciene. 2ª edição 2009. São Paulo: Atlas. 11. 16ª ed. 2010. São Paulo: Atlas. MARQUES. 10. 2011 KOHAMA. São Paulo: Prentice.stn. ______. 2007. Contabilidade Pública: Teoria e Prática. São Paulo: Atlas. São Paulo: Atlas. Gestão Estratégica de Custos. . Ed. Evandir. MARION. PARTE III . 2010. ed. Controle e Análise. PARTE IV .br PARTE GERAL: Introdução ao MCASP. 3ª. São Paulo: Atlas. ed. Métodos de Custeio Comparados – Custos e Margens analisados sob diferentes perspectivas. PEREZ JR. MEGLIORINI. 2010. São Paulo: Atlas. Domingos de Castro et al. et. 2006. ed. São Paulo: Atlas. São Paulo: Atlas. PARTE II . OLIVEIRA e COSTA. 2009. Contabilidade de Custos. 7ª. 2ª Ed. Análise das Demonstrações Contábeis. 2015. Valnei César – Análise das Demonstrações Contábeis Governamentais. 6ª. 2012. Curso de Auditoria Governamental – Ed. Balanços Públicos: Teoria e Prática. Contabilidade Pública no Governo Federal.br Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público – 6ªª Ed. São Paulo: Atlas. REGINATO. Sergio de et al Contabilidade Introdutória. NASCIMENTO. PARTE V – Demonstrações contábeis aplicadas ao Setor Público. POUBEL. Mauss.. São Paulo: Atlas. 2009. Contabilidade Empresarial. ed. Disponível em: http://www. VALMIR DA SILVA. MARTINS. São Paulo: Atlas. 11ª. 2ª ed. Raimundo N. PARTE I . 3ªª edição 2014. São Paulo: Atlas. São Paulo. 14ª. 2012.. S. 2014. PEREIRA. 2013. 6. MOACIR DA SILVA. A Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público. ______. LINS.gov. São Paulo: Atlas.Plano de Contas aplicado ao Setor Público. 2009. Luis dos Santos e SILVA. Dante C. al. 2010.IUDICIBUS. ed. São Paulo: Atlas. Abordagem Básica e Gerencial. ed. stn. 10ª ed. Eliseu. 2012. Editora ATLAS 1ª Edição 2012. Contabilidade Básica. LIMA. PETER. José Matias. Análise Financeira de Balanços. Maria da Gloria Arrais et al. 2ª ed. Finanças Públicas: A Política Orçamentária no Brasil. Controladoria: Um enfoque na eficácia organizacional. 7ª ed. Manual de Classificação da Receita e da Despesa Pública. Editora ATLAS. Auster M. São Paulo. MATARAZZO. Gestão de Custos: Contabilidade. Fundamentos da Auditoria Governamental e Empresarial. Custos: Analise e Gestão. ed. ______. Diana Vaz de. Atlas.Procedimentos contábeis específicos.Procedimentos Contábeis Orçamentários. Roberto Bocaccio et al. Heilio.Procedimentos Contábeis Patrimoniais. Manual de Auditoria Governamental. Ed. Contabilidade Pública: Uma Abordagem da Administração Financeira Federal.

Editora Atlas. 4ª ed.Controladoria e Governança na Gestão Pública .ATLAS. 2007. RIBEIRO. 2009. 2000. . José Antonio. São Paulo: Saraiva. KROLL & PARNELL. G. São Paulo: Atlas. STARK. 2001. Contabilidade de Custos. São Paulo: Pioneira. Contabilidade Básica 2ª ed. VANDERBECK & NAGY – Contabilidade de Custos – 11ª ed. Atlas. Administração Estratégica: Conceitos. A. Finanças Públicas. 2. WELSCH. 2ª edição 2008. São Paulo. F. São Paulo: Atlas. ed. SLOMSKI. 1ª edição 2005. Osni Moura. VALMOR . São Paulo: Pearson. WRIGHT. 2001. 2002. Orçamento Empresarial. REZENDE.

Normas constitucionais relativas à proteção ambiental. Tipologia: associações. Concessão de serviços públicos. Administração Pública Direta e Indireta e Organizações Sociais. k. Organização Administrativa Federal. Lei 12. permissão e autorização. m. Responsabilidade civil da administração pública. O controle de constitucionalidade no Brasil: modalidades.527/2011. c. h. objeto e elementos. d. Direito Ambiental a. sociedades. d. s. Direito Civil a. 2. Contratos e suas espécies. d. Constituição: conceito. t. Função pública e regime jurídico dos servidores públicos da União civis e militares. b. Bens públicos: classificação e caracteres. j. Pessoa jurídica. Sistema administrativo brasileiro. 1) Controle difuso: características. organizações religiosas e partidos políticos. fundações. Consórcios públicos e parcerias público-privadas. g. Regulamento Disciplinar do Exército. Improbidade administrativa. f. civil e penal. Princípios da Administração Pública. n.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: DIREITO RELAÇÃO DE ASSUNTOS: 1. l. c. Sucessões. Agências reguladoras. e. Emendas Constitucionais 19 a 24 à CF/88 e o Direito Administrativo. Processo Administrativo. Repartiç ê .846/2013 o. g. Direito Constitucional a. Responsabilidade fiscal dos entes federados. r. p. d. Dano Ambiental e as responsabilidades administrativa. 3. Princípios fundamentais do Direito Ambiental. 4. Lei 12. q. f. b. Direito Administrativo a. c. Sujeitos de direitos e deveres: pessoa física e pessoa jurídica. c. Hermenêutica constitucional. b. Família. Supremacia da Constituição. Obrigações. Intervenção na propriedade e atuação no domínio público. Responsabilidade civil. e. Atos Administrativos: conceituação e classificação. Poder de polícia. Domínio público. b. O Direito Ambiental Positivo. i. Licitações e Contratos Administrativos. . e. Controle da administração.

Estado de sítio. Sistema de freios e contrapesos. Imputabilidade Penal. Conselho da República. o. n. União Federal: competências. p. 5. Poder Constituinte Originário e Poder Constituinte Derivado. Princípio do contraditório. 3) Controle das omissões inconstitucionais: ADIn por omissão e mandado de injunção. Espécies legislativas. Tipicidade (tipo legal do crime). j. Estado-membro: autonomia. l. Normas constitucionais: classificação. limitações expressas e implícitas ao poder de reforma constitucional. Processo legislativo. restritiva de direito. Direitos individuais e coletivos. Atos preparatórios e de execução. Ação (relação de causalidade). Exaurimento. Direitos políticos. Poder Judiciário: organização. Circunstâncias agravantes. Regime constitucional da propriedade. Consumação. Superior Tribunal de Justiça. g. Culpabilidade: 1) erro de tipo 2) erro de proibição 3) dolo 4) culpa e causas legais de exclusão g. k. Conselho de Defesa Nacional. Livramento condicional. Poder Executivo: atribuições. Ordem econômica e financeira. j. l. Conselho Nacional de Justiça. e. Direitos sociais. n. Atividades essenciais a justiça. Crime impossível. Aplicação da lei: 1) princípios da legalidade e da anterioridade 2) interpretação 3) analogia 4) a lei penal no tempo e a lei penal no espaço b. Estado de defesa. Presidente da República e Ministros de Estado. Intervenção do Estado no domínio econômico. Superior Tribunal Militar: organização e competência. f. Tribunais e juízes militares. Tribunal Superior Eleitoral. m. f. Crime: 1) conceito 2) divisão ou espécie 3) elementos. o. Poder Legislativo: organização. Concurso de crimes e concurso de leis. competências e poder constituinte estadual. ADC e ADPF). Forças Armadas. da ampla defesa e do devido processo legal. Arrependimento posterior. atribuições. Direito Penal a. h. h. Supremo Tribunal Federal. i. l. Direito à nacionalidade. p. Federação e sistema constitucional de repartição de competências. Tentativa. Intervenção federal. c. multa e aplicação da pena. e. q. Princípio da legalidade e da reserva legal. . Tribunal Superior do Trabalho. Concurso de pessoas. Efeitos da condenação. m. i. Licitude (causas legais de exclusão). Pena: privativa de liberdade. Direitos e interesses das populações indígenas. Desistência voluntária e arrependimento eficaz.2) Controle concentrado: características e principais ações (ADIn. Suspensão condicional da pena. Princípio da isonomia. Tribunais superiores: organização e competência. d. k.

Normas das convenções e dos tratados de Direito Internacional relativos ao Processo Penal e tratados bilaterais de . o. Aplicação da lei processual penal. bb. Conceito. Providências preliminares e julgamento conforme o estado do processo. h. órgãos auxiliares. lugar. Crimes contra a pessoa: 1) crimes contra a vida 2) lesões corporais 3) rixa 4) crimes contra a honra e crimes contra a liberdade individual t. u. Processo e procedimento: conceito. embargos infringentes. teoria. Princípios gerais. princípios. recurso adesivo. Fontes. Crimes de lavagem de dinheiro. 7. g. requisitos. assistência e intervenção de terceiros. peculiaridades. embargos de declaração. tempo. restauração de autos e ação monitória. Crimes contra a Administração Pública. execução e recurso. habeas data. Crimes de tráfico de entorpecentes. apelação. n. objeto. espécies e limites. Garantias constitucionais do processo. classificação. Mandado de segurança. r. Crimes de abuso de autoridade. condições. 6. Crimes políticos. ação de anulação e substituição de títulos ao portador. ônus e valoração. embargos de terceiro. y. Sujeitos da relação processual: o juiz. Direito Processual Civil a. Extinção da punibilidade: 1) renúncia 2) perdão 3) perempção 4) decadência e prescrição (ação e pretensão executória) s. pressupostos. substituição processual. habilitação. Princípios gerais do Direito Processual: fontes e eficácia da Lei Processual. representação e correição. Crimes contra a fé pública. ações possessórias. aa. A Prova: espécies. causa de pedir. formas. Execuções Especiais: execução fiscal e execução de crédito hipotecário vinculado ao Sistema Financeiro de Habitação. modificações. p. Sentença e coisa julgada: estrutura. representação. procedimentos sumário e ordinário. v. formação. r. Procedimentos especiais de jurisdição contenciosa: ação de consignação em pagamento. Atos processuais: forma. agravo. c. Petição Inicial: pedido. Crimes contra o patrimônio. k. princípios. capacidade. i. Competência: espécies. Juizado Especial Federal. partes. m. espécies. elementos e cumulação de ações. Finalidade. litisconsórcio e suas espécies. z. reconvenção e revelia. desapropriação e usucapião especial. Repartição constitucional de competência. ação de prestação de contas. perpetuação. s. duplo grau. classificação e defeitos da sentença. pressupostos processuais. Crimes hediondos. b. w. exceções. q. espécies. Medidas de segurança. Crime organizado. comunicação e nulidades. Resposta do réu: contestação. l. modificações do pedido e indeferimento da inicial. liminar. Processo de execução. prazo.q. Jurisdição: conceito. Recursos: generalidades. mandado de injunção. j. ação de depósito. Direito Processual Penal a. x. Caracteres. Processo Cautelar: estrutura. suspensão e extinção do processo. incompetência e conflito de competência. d. f. ação popular. e. Ação: conceito. ação civil pública.

infiltração de agente policial em organizações criminosas. Prova testemunhal. decretos regulamentares. Protesto por novo júri. reabilitação. Requisitos. Alienação antecipada de bens. Impedimentos e suspeições. d.auxílio direto. prisão especial. Homologação de sentença estrangeira. Súmulas dos Tribunais Superiores. O Conciliador. Execução penal: evolução e regressão. Provas. Tributo: conceito. Perdimento. crimes contra o meio ambiente. entorpecentes. Princípio da necessidade. regimes de cumprimento da pena e incidentes. Prevenção. b. prisão domiciliar e liberdade provisória. natureza jurídica. Garantias do investigado. 8. Inquérito e ação penal. Competência. Competência. imposto. Conflito de competência. Juiz. Lugar. Convenção da ONU contra a corrupção. Cartas rogatórias. Questões prejudiciais. Interceptações de comunicação. Procedimento. suspensão condicional da pena. Recurso em sentido estrito. Preventiva. e. Forma. isenção e não incidência. tratados internacionais. Questões e processos incidentes. contravenções. crimes contra a economia popular. Intervenção do Ministério Público. Competência tributaria: classificação. Despachos. Incidentes de falsidade e de insanidade mental do acusado. espécies. de entorpecentes. Procedimento da ação penal originária nos tribunais. Fontes do direito tributário: Constituição Federal. Procedimentos: crimes apenados com reclusão. hipoteca legal e arresto. capacidade tributaria ativa. Fiança. Perpetuatio jurisdictionis. Comunicações. crimes contra o sistema financeiro nacional. Juizados Especiais Federais Penais. i. Medidas cautelares diversas da prisão. c. lugar. dos Tribunais Regionais Federais. Habeas corpus. anistia. Temporária. crimes de abuso de autoridade. c. crimes contra a honra. Execução das penas e das medidas de segurança. Curador do réu menor.694/2012): competência e estrutura de funcionamento. Relações jurisdicionais com autoridade estrangeira. Competência da Justiça Federal. Prisão. Classificação.aplicação na Justiça Federal. empréstimo compulsório. contribuições. Natureza jurídica. Decisões interlocutórias. Deportação. Procedimento probatório. crimes apenados com detenção. do STJ e do STF. Cabimento. Material. atos exclusivos do poder legislativo. crimes de imprensa.tratados bilaterais celebrados pelo Brasil em matéria penal. de falência. ação controlada. Fixação da pena. Quebra de sigilo fiscal. indulto. Disposições gerais. d. convênios. Quebra de sigilo: requisitos e limites. Persecução penal. Cooperação Internacional . Nulidades. Jurisdição. Objeto. Julgamento por colegiado de juízes (Lei nº 12. . Processo nos crimes de abuso de autoridade. Restituição das coisas apreendidas. homicídio e lesão corporal culposos. Recursos. Ônus. Indícios. Medidas assecuratórias: sequestro. Auxiliares da justiça. Exceções. princípios do direito tributário. h. Legitimidade. Decorrente de pronúncia. Instrumentos legais de obtenção de prova: delação premiada. Revisão criminal. repartição das receitas tributarias. Conexão e continência. normas complementares. Outros meios de colheita de indícios da infração. Rol legal. Nulidades. Atos processuais. Inclusão e transferência de presos para presídios federais. Acusado e seu defensor. Recurso especial e extraordinário. prisão albergue. Assistentes. Revelia. pressupostos e sistemas. Tempo. Incidentes da execução. atos do poder executivo federal com forca de lei material. leis ordinárias e atos equivalentes. Peritos e intérpretes. leis complementares. Sistema Tributário Nacional: limitações do poder de tributar. Direito Tributário a. Documental. Provas ilícitas. Presunções. Embargos infringentes e de nulidade. Apelação. g. contribuição de melhoria. b. graça. imunidade tributaria. j. Carta testemunhável. Mandado de segurança em matéria penal. imunidades em espécie. exercício da competência tributaria. Expulsão. livramento condicional. Citações e intimações. Ministério Público. Extradição. Agravo em execução penal. Serventuários da justiça. Procedimento. crimes de responsabilidade. Assistente. contra a honra. Questões e procedimentos incidentes. taxa. Processo: finalidade. distinção entre imunidade. forma. Atribuições da autoridade policial. Flagrante. Sentenças. Cautelar em matéria penal. bancário e de dados. júri. Valoração. Coisa julgada. de responsabilidade dos funcionários públicos. Remição. prazo. Os Juizados Especiais Federais Criminais . decorrente de sentença. Sujeitos do processo. f.

Crimes militares em tempo de paz. bem como cessão de direitos a sua aquisição.830/1980. Processo judicial tributário: ação de execução fiscal. Culpabilidade. ação anulatória de débito fiscal. Rejeição. imposto sobre produtos industrializados. representação fiscal para fins penais. imposto sobre a propriedade territorial rural. responsabilidade dos sucessores. Deserção e insubmissão. acepções e espécies. Lei n. Câmara Superior de Recursos Fiscais. h. Condições gerais. conceito e definição doutrinária e legal de crime militar. aplicação. Direito Penal Militar a. ação de repetição de indébito. Da Lei de Processo Penal Militar e sua aplicação. imposto sobre serviços de qualquer natureza. Lei penal militar nas prerrogativas de função.e. obrigação principal e acessória. Lei Penal Militar no Tempo. Obrigação tributaria: definição e natureza jurídica. cambio. a qualquer titulo. e. Aplicação da Lei Penal Militar. Espécies.Tipos penais. Parte geral e especial. Impostos da União: imposto sobre a importação de produtos estrangeiros. Processo administrativo tributário: princípios básicos. ilícito penal tributário. garantias e privilégios do crédito tributário. Impostos dos estados e do Distrito Federal: imposto sobre transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens ou direitos. e de direitos reais sobre imóveis. l. ação cautelar fiscal. Direito Penal Militar e Direito Disciplinar militar. parte geral e especial. Erro. delegacias da Receita Federal de Julgamento. Lei Penal Militar no Espaço. por ato oneroso.o 8. Administração tributaria: fiscalização. imposto sobre renda e proventos de qualquer natureza. Diferenças e semelhanças entre o Direito Penal Militar e o Comum. ações de controle de constitucionalidade. 9. Disposições finais sobre a aplicação da lei penal militar c. Ação penal militar. imposto sobre operações de crédito. exclusão de crédito tributário. fato gerador. m. Crédito tributário: constituição de crédito tributário. suspensão do crédito tributário. g. k. domicilio tributário. Vigência. de bens imóveis. seguro ou relativas a títulos e valores mobiliários. imposto sobre a exportação de produtos estrangeiros. Iter criminis e Concurso de pessoas d. Ação penal militar. Das penas e medidas de segurança e efeitos da condenação. ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior. Teoria Geral do Crime MILITAR: Fato típico militar. ação declaratória da inexistência de relação jurídico-tributaria. capacidade tributaria. h. imposto sobre operações relativas a circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação. 15 Ilícito tributário: ilícito administrativo tributário. lançamento. atos probatórios e disposições a serem observadas no inquérito. sujeito passivo. responsabilidade tributaria. conselhos de contribuintes.137/1990. exceto os de garantia. . Generalidades. crimes contra a ordem tributaria. ação civil pública. g. imposto sobre grandes fortunas. Princípios. divida ativa. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (Lei Complementar n. por natureza ou acessão física. imposto sobre transmissão inter vivos. i. b. f. Polícia judiciária militar e inquérito policial militar. Diferenciação. responsabilidade de terceiros. Crimes militares em tempo de guerra.o 123/2006). j. Conceito e definição doutrinária e legal de crime militar. exercício. ação de consignação em pagamento. Lei n. certidões negativas. Direito Processual Penal Militar a. i. j. f. solidariedade. n. determinação e exigência do crédito tributário. As conseqüências jurídicas do crime militar. Extinção de punibilidade. c. modalidades de lançamento. denúncia. interpretação e integração da legislação tributária. responsabilidade por infrações. extinção do crédito tributário.tipos penais. 10.o 6. sujeito ativo. imposto sobre propriedade de veículos automotores. mandado de segurança. Antijuridicidade. Impostos dos municípios: imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana. Do crime. b.

Competência da justiça do trabalho. l. h. autônomo. Nulidades. impugnação do exequente. prova técnica. Parcelas não-salariais. partes e procuradores. Empregado. Espécies. Diferenças e semelhanças entre o Direito Processual Penal Militar e o Comum 11. Processos de execução: liquidação. testemunhas. Conceito. Grupo de empresas. Processos especiais: insubmissão e deserção. Distinção dos demais trabalhadores (eventual. conflitos de competência. j. e. exceções. Alteração do contrato de trabalho. m. e. competência das justiças militares (federal. distrital e estaduais). p. Contrato individual do trabalho: conceito. controle externo da atividade policial judiciária militar. Rito sumaríssimo no dissidio individual. justiça gratuita. 13º salário. embargos do executado.75: das disposições gerais (título i) e dos ramos do Ministério Público da União (título ii). c. contestação. Empregador. Jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho: sumulas e orientações jurisprudenciais. i. Prescrição e decadência no processo do trabalho. Direito do Trabalho e Previdência a. Controle externo da atividade policial em geral. i. Renúncia e transação no direito do trabalho. Relação de emprego. Cooperativas. audiência. Conceito. g. hierarquia e solução de conflitos. Suspensão e interrupção do contrato de trabalho. oportunidade de juntada. h. Fontes: classificação. recursos no processo de execução. Do foro militar. elementos e modalidades. recursos no processo de cognição. Distinção. k. f. das disposições gerais. Juiz. representação comercial e parceria rural). . de empreitada). g. b. Ministério Público da União na Lei Complementar n. d. o. Atos probatórios. mandato. Contratos especiais e profissões regulamentadas. Equiparação salarial. Direito Processual Trabalhista a. f. da estrutura da justiça militar da união: apenas títulos i a iv. conciliação. d. Responsabilidade solidária e subsidiária. revelia. j. Procedimentos nos dissídios individuais: reclamação. Das medidas preventivas e assecuratórias. Remuneração e salário. Comissão previa de conciliação nos dissídios individuais. l. 12. jus postulandi. c. Princípios do direito do trabalho. Dissídios coletivos. Provas no processo do trabalho: interrogatórios. Componentes do salário. partes e auxiliares. sociedade. Participação nos lucros e resultados. f. processo ordinário. h. reconvenção. Disposições finais e transitórias do CPPM. Ação rescisória no processo do trabalho. Lei de organização judiciária militar: parte i. justiças militares na constituição em vigor. b.d. Contrato de trabalho e contratos afins (locação de serviços. Sujeitos da relação de emprego. transitórias e finais: integral. i. Relação de trabalho. Desconsideração da personalidade jurídica. empreitada. Efeitos. Força maior no direito do trabalho. Comissões de conciliação prévia. Justiça militar em tempo de guerra. Paralisação temporária ou definitiva do trabalho em decorrência do factum principis. Investigação direta pelo ministério público. Mandado de segurança: cabimento no processo do trabalho. da organização da justiça militar em tempo de guerra: integral. Sucessão. prestação de serviços. documentos. n. instrução e julgamento. modalidades da execução. Direito do trabalho. Modalidades. parte iii. sistemática da realização das pericias. Recursos no processo do trabalho: disposições gerais: efeitos suspensivo e devolutivo. parte iv. confissão e consequências. e. g. k. organização judiciária militar.

Carência. Prescrição. Fontes. s. Direito Internacional dos Conflitos Armados a. Justificação. Princípios. Férias. O Direito de Haia e o Direito de Genebra. Direito de greve. k. O jus postulandi. 14. Distinções. b. Qualidade de segurado. l. Reajustes. Direitos do empregado decorrentes da extinção. Saúde. Espécies. 24. reabilitação e serviço social.º 45/2004. Natureza e espécies. Cálculo de benefícios. Duração do trabalho. Reintegração. Direito internacional penal. Prestação. Direitos Humanos e Direito Internacional dos Conflitos Armados. Dispensa arbitrária. Trabalho extraordinário e trabalho noturno. r. Intervalos. O uso da força na Carta das Nações Unidas. x. Acordos e convenções coletivas de trabalho. Juizado Especial Federal: questões previdenciárias. Reajustes. y. Despedida do empregado estável. Trabalho em regime de tempo parcial. Custeio. Culpa recíproca. Tribunal Penal Internacional. FGTS. Benefícios. Sistemas de prorrogação e compensação de horas. d. Previdência e Assistência. Insalubridade e periculosidade. Valor mínimo e máximo. Seguridade. Acordos assinados pelo Brasil sobre Conflitos Armados. épocas de concessão e remuneração. Serviços. fontes e princípios. ae. Evolução histórica da criação dos crimes internacionais. Contribuições sociais. t. Renda Mensal Inicial. Seguridade Social. Eficácia e interpretação das normas de Seguridade. revisões e valor real. Previdência complementar. Extinção do contrato de trabalho. n. Segurados e dependentes. Ação previdenciária. Garantia no emprego. b. Habilitação. Organizações sindicais: natureza jurídica. q. Condutas antissindicais e consequências. Estabilidade. 13. . u. Trabalho do menor. criação. Previdência Social Rural e Previdência Social Privada. Estatuto de Roma. o. Organização. Mediação e arbitragem. Limites. readmissão e indenização. Jornada de trabalho. m. p. c. Programas de demissão voluntária. Competência. ad. Manutenção e perda. Competência e penas. Justiça do Trabalho. Tempo de serviço e tempo de contribuição. Direito Internacional Penal a. Regimes especiais. Segurança e higiene do trabalho. v. ab. Aposentadorias. Serviços essenciais. Salário de contribuição. Inscrição e filiação. z. Direito processual do Trabalho. Natureza. ac. Conceito. As alterações introduzidas pela Emenda Constitucional n. Trabalho da mulher. Direitos do empregado. Descanso semanal remunerado. Regime previdenciário do servidor estatutário. Justas causas de despedida do empregado. Aviso prévio. administração e dissolução de sindicatos. Regime geral. Direito coletivo. Adicionais. aa. Despedida indireta.j. auxílios e pensões.

Lei nº 6. 2009. Luciano. Direito Penal Militar. 1. e dá outras providências. 27.l. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil.BIBLIOGRAFIA: ALEXANDRE.830. Celso Antonio. Constituição Federativa do Brasil – 1998. DF. Brasília. 2010. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. 12. 1980. ______.336. Lei nº 12. Curso de Direito do Trabalho. Lei nº 7. e dá outras providências. FREITAS.172. 3. 2012. de 25 de outubro de 1966. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Paulo de Bessa. v.880.292. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. 2 set. Brasília. 24 set. BARROS.869. 2015. farmácia. 1988. 6. Rio de Janeiro: Lumen Júris. Direito Tributário Brasileiro. ______.375. de 11 de janeiro de 1973. Lei nº 5. ed. Organiza a Justiça Federal de primeira instância.]: Editora Saraiva. 13 jul. 4. Brasília. de 17 de agosto de 1964 e n. São Paulo: Método.292 de 8 de junho de 1967. São Paulo: Saraiva. Direito Ambiental. ______. ed. ______. de 11 de julho de 1984. 15.1º Volume.938.010. Brasília. DF. Editora Método. Teoria Crítica & Prática. Direito Tributário Esquematizado. 6. [S. Brasília. São Paulo: Malheiros. Institui a Lei de Execução Penal. Dispõe sobre a cobrança judicial da dívida Ativa da Fazenda Pública e dá outras providências. turístico e paisagístico (VETADO) e dá outras providências.210. Lei 5. 1966. ed. 1985. ASSIS. Adriano. BARROSO. 2010. Controle de constitucionalidade no direito brasileiro. Lei n° 4375 de 17 de agosto de 1964. 4. ______. de 22 de setembro de 1980. de 26 de outubro de 2010 que altera as Leis n. DF.2010. São Paulo: Saraiva. Código de Processo Penal Militar Anotado: Artigos 1º a 383 . BANDEIRA DE MELO. Curso de Direito Administrativo. Lei nº 5. DF. estético. ed. ______. ______. Jorge César de. Lei do Serviço Militar. Brasília. ROCHA. ed. 1981. ao consumidor. 5. 2010. BRASIL. 11 dez.347. ______. 1984. a bens e direitos de valor artístico. ______. Luís Roberto. Ed. odontologia e veterinária e dá outras providências ______. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Dispõe sobre os Estatutos dos Militares. de 30 de maio de 1966. 17 jan. . 1a Edição. Lei nº 6. Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União. Lei nº 5. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Alice Monteiro de. Juruá. BITENCOURT. Ricardo. AMARO. 25 jul. seus fins e mecanismos de formulação e aplicação. DF. parte geral. DF. histórico. ALVES-MARREIROS. ______. DF. 16. ed. Estados e municípios. 4a Ed-Revista e atualizada. de 24 de julho de 1985. Guilherme. 27 out. de 9 de dezembro de 1980. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente. 1973. Institui o Código Processo Civil. ANTUNES. de 8 de junho de 1967 que dispõe sobre a prestação do serviço militar pelos estudantes de medicina. com suas últimas Emendas. Cezar Roberto. São Paulo. Ricardo. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. São Paulo: LTr. Tratado de Direito Penal. Lei nº 7. 2009. ed. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Brasília. de 31 de agosto de 1981. Lei nº.

Lei nº 8. 1999. 1992. DF. Brasília. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Brasília. DF. Lei nº 9. Lei nº 8. Lei nº 11. de 23 de agosto de 2006. de 10 de novembro de 1999. de 3 de dezembro de 1999. de 11 de maio de 1990. define crimes e dá outras providências. da Constituição Federal.213. Brasília. DF. da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir. 25 jul. Brasília. Lei nº 8. de 10 de janeiro de 2002. 1991. Lei nº 8. de 21 de junho de 1993. 11 jan. Regulamenta o art. atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil.868. Brasília. DF. ______. e dá outras providências.666. 11 nov. altera o Código de Processo Penal. Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher.882. Dispõe sobre o fundo de garantia do tempo de serviço. posse e comercialização de armas de fogo e munição. 1991. Lei nº 10. Institui o Código Civil. 226 da Constituição Federal. Brasília. e dá outras providências. inciso XXI. 6 dez. das autarquias e das fundações públicas federais. sobre o Sistema Nacional de Armas – SINARM.212. ______. Lei nº 8. DF. 8 set. em 14 de agosto de 1998. institui normas para licitações e contratos da administração pública e dá outras providências. o Código Penal e a Lei de Execução Penal. Lei nº 8. DF. 2002. 22 jun. 13 fev. Organiza a Justiça Militar da União e regula o funcionamento de seus Serviços Auxiliares. ______. ______. 2006. de 4 de setembro de 1992.406. nos termos do § 8o do art. Brasília. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Dispõe sobre o processo e julgamento da ação direta de inconstitucionalidade e da ação declaratória de constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. 1991 e Republicado no Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil. ______. estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao . DF. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. e dá outras providências. 14 maio 1990. Lei nº 9. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. de 24 de julho de 1991. Lei nº 9. ______.457. DF. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. DF. ______. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas . 1993.______. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. de 12 de fevereiro de 1998. prescreve medidas para prevenção do uso indevido. Brasília. de 11 de dezembro de 1990. ______. 11 mar. Lei 10. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. DF.340. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Lei nº 11. 102 da Constituição Federal. 37. 1999.343. Brasília. ______. Brasília. institui Plano de Custeio. nos termos do § 1o do art. dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Lei nº 9. 19 abr. de 29 de janeiro de 1999. Dispõe sobre o processo e julgamento da argüição de descumprimento de preceito fundamental. Dispõe sobre registro. republicado e retificado em 6 jul.Sisnad.826/2003. Brasília.112. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente. Brasília. ______. 1998. e dá outras providências. de 7 de agosto de 2006. Brasília. ______. ______. de 24 de julho de 1991.784. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Dispõe sobre a organização da Seguridade Social. Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. 25 jul. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. 1999.036. DF. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União.605. DF. 8 ago. ______. 1994.

19 jul. as atribuições e o estatuto do Ministério Público da União. ______. 2002. 6 dez. DF. define crimes e dá outras providências. DF. ______. altera as Leis nos 3. . DF. ______. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. DF. nos termos do § 1o do art. Regulamenta a Medida Provisória no 2.tráfico ilícito de drogas. Brasília. Tratado de direito internacional dos direitos humanos. ______. Lei Complementar 75. CANÇADO TRINDADE. que dispõe sobre a reestruturação da remuneração dos militares das Forças Armadas. Roque Antônio. 1999. DF. de 9 de junho de 1999 (atualizada pelas Leis Complementares n. Aprova o Regulamento Disciplinar do Exército (R-4) e dá outras providências. de 4 de maio de 2000. de 3 de dezembro de 1999. Decreto nº 57.21510. de 31 de agosto de 2001. DF. Brasília. Regulamenta a Lei do serviço Militar. e 6. DF. II e III. 1940. Lei complementar nº 101.048. Brasília. 21 out.001.235. 31 dez. Brasília. Decreto nº 4. ______. Dispõe sobre a organização.346. ______. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. DF. DF. Decreto-lei nº 2. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. 1972. ______. Código de Processo Penal. 117 e 136) ______. de 3 de outubro de 1941. Decreto-lei nº 5. Decreto-lei nº 1. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil.452. Decreto nº 70. Aprova o Regulamento da Previdência Social. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. e dá outras providências. de 6 de maio de 1999. 1969.765. CARRAZA. Dispõe sobre o processo e julgamento da argüição de descumprimento de preceito fundamental. de 9 de dezembro de 1980. de 7 de agosto de 2009. Decreto-lei nº 4. Brasília. Curso de Direito Constitucional Tributário. Disciplina o mandato de segurança individual e coletivo e dá outras providências. de 4 de maio de 1960. Decreto-lei nº 3. 2010. Dispõe sobre o processo administrativo Fiscal e dá outras providências. de 06 de março de 1972. 7 ago.016. Brasília. Lei Complementar Nº 97.417. 21 out. 2009. 1943. Código Penal. Antônio Augusto. Volumes I. 14 ago. ______. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. ______. 1969. ______. 1998 e Retificado no Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Brasília. 24 ago. 5 maio 2000. Brasília. 26. e dá outras providências. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. DF. DF. Porto Alegre: SAFE. 102 da Constituição Federal.848. de 21 de outubro de 1969.689.654 de 20 de janeiro de 1966. de 26 de agosto de 2002. Código Penal Militar. 1941. Decreto nº 3. Brasília. de 20 de maio de 1993. de 21 de outubro de 1969. Código de Processo Penal Militar. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. ______. 13 out.DF. de 7 de dezembro de 1940. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. 7 mar.880.307. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Lei nº 12. São Paulo: Malheiros. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. de 1º de maio de 1943. Decreto-lei nº 1. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Lei nº 11. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. 7 maio 1999 e Republicado no Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil.002. ______. 18 jun. 1999. de 18 de julho de 2002. Brasília. Brasília. 2003. DF. 1999 e 21 jun. DF. Brasília. Brasília. ______. 2006. ______. Brasília. ed.

23. Curso de Direito do Trabalho.org. ed. Maurício Godinho. 2007. 8. 2a Ed. Luiz Flávio. 2010. ed. Carlos Alberto Pereira de. Niterói: Impetus.mpm. DINIZ. LAZZARI. FIORILLO. Direito Ambiental Brasileiro. JUSTEN FILHO. A inconstitucionalidade do monopólio das investigações. 14. 3 v. v. GAGLIANO. Curso Prático de Processo Administrativo Disciplinar e Sindicância. no link Controle Externo da Atividade Policial. Editora Forense. ed. PAMPLONA. 3. São Paulo: Malheiros. 2ª ed. Rodolfo Filho. São Paulo: LTR. ed. Contemplar. MACHADO. DI PIETRO. São Paulo: RT. COUTO. Salvador: Juspodivm.gov. Fábio Ianni. ed. 35. Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos. GOMES. Curso de Direito Administrativo. Curso de Direito Processual do Trabalho. Celso Antonio Pacheco. 2012. ed. São Paulo. IBRAHIM. Curso de Direito Constitucional. 12. 2009. 2010. José dos Santos. Célio. 2009. São Paulo: Malheiros. Dialética.l. São Paulo: LTR. COUTO. Introdução ao Direito Civil. DELGADO. ed.16. Curso de Direito Previdenciário. Curso Prático de Direito Previdenciário. ed. Rio de Janeiro: Lumen Júris. Salvador: Podium. 2010. São Paulo: Saraiva.CARRION. 2011. ed. ed. A instrumentalidade do processo. LEITE. Curso de Direito Civil. v. ed. São Paulo: Malheiros. Disponível em: <http://www. Ed. São Paulo: Saraiva. [S.cnpj. Pablo Stolze. João Batista. Fábio Zambitte. Carlos Henrique Bezerra. DINAMARCO. 2009. Wagner. rev. 7. CUNHA Jr. São Paulo: Atlas. 30. Reinaldo. ed. 2011.]: Editora Lumen Júris. Campo Grande. Cândido Rangel. São Paulo: LTr. Novo Curso de Direito Civil.. Manual de Direito Administrativo. Rio de Janeiro. MACHADO. São Paulo: Forense. Reinaldo. Vicente. Lei de Drogas Comentada. 2010. ed. Direito Administrativo. 2010. 2. 2008. Direito Processual Penal Militar. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. Hugo de Brito. Aury. Maria Helena. 2007. 2. Orlando. São Paulo: Saraiva. ed. São Paulo: Atlas. CASTRO. 2010. 20. Direito Processual Civil Brasileiro. 14. Valentin. 2010. 18. Direito Processual do Trabalho. 2014.br. KERTZMAN. O Papel do Ministério Público nas Investigações Criminais no Mundo Moderno.. São Paulo: Saraiva. e http://www. ed. São Paulo: Atlas. 15. Ivan. GIGLIO. Dirley da. 8. 2010. GOMES. 2010. 3 v. São Paulo: Saraiva. CARVALHO FILHO. 9. 20. 5. GOLDFINGER. no link Grupo Nacional de efetivação do Controle . Paulo Affonso Leme. ed. 2009. Maria Silvia Zanella. 2010. Curso de Direito Tributário. e ampl.br>. 2010.1a edição. LOBÃO. 1 e 2. Manual de Direito Previdenciário. GRECO FILHO. Marçal. Manual Nacional do Controle Externo da atividade policial do CNPG. ed. Revista e atualizada. 23. 2009. 2012. 2010.Salvador: Ministério Público. ed. Direito Processual Penal e sua conformidade constitucional. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. LOPES JÚNIOR. São Paulo: Saraiva. .

2. Calmon de. Curso de Processo Penal.Externo da Atividade Policial. [S. Teoria Geral do Processo. Edições Trabalhistas. ed. São Paulo: RT. ______. São Paulo: Saraiva. SCHIAVI. ______. 3. 2010.l. São Paulo: Atlas.l. Manoel Antônio.com e outros sítios de Ministérios Públicos. 3 v. José Augusto. ed. Nelson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery. ed. 9. J. 2003. TORRES. ______. NUCCI. Execução.l. 3 v. Theotonio. ed. TORRES. Manual de Direito Processual do Trabalho. Curso de Direito Financeiro e Tributário. 2010. ed. ______. 1 ______. José Afonso da. São Paulo: Saraiva. Marinoni e Sérgio Cruz Arenhart. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais. Rio de Janeiro: Forense. 25. São Paulo: Malheiros.]. Silvio.]: Editora Revista dos Tribunais. Eugenio. Luiz G.gov. São Paulo: RT. 2009. Processo Trabalhista de Conhecimento. 2010. MORAES. Rio de Janeiro: Renovar. Amauri Mascaro. Comentários ao CPC. v. Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva. 2010. Curso de Direito Processual do Trabalho. NASCIMENTO. Luiz G.]: Ed. Nelson. NERY JÚNIOR. 2. 33. [S.l. 14. Processo de Conhecimento. ed. São Paulo: LTr. v. Curso de Direito Constitucional Positivo.l. Direitos humanos e justiça internacional. Rio de Janeiro: Forense. Ricardo Lobo. 2010.2015.gov. [S. LTr.wordpress. SILVA. 16.: s. Curso de Direito Processual Civil.br/mpm/servicos/assessoria-de-comunicacao/atuacao-dompm/recomendacoes Recomendação da Procuradora-Geral de Justiça Militar de 10 de julho de 2008 disponível em http://www. Guilherme de Souza. Humberto.mpm. 3. São Paulo: RT. Luiz Guilherme. .mpm. Luiz G.br/mpm/servicos/assessoria-de-comunicacao/atuacao-dompm/recomendacoes RODRIGUES. RODRIGUES PINTO.gov. 2010. v.]: Editora Lumen Júris. [19?]. São Paulo: RT. THEODORO JUNIOR. Recomendação da Procuradora-Geral de Justiça Militar de 31 de maio de 2005 disponível em http://www. PASSOS. Código Penal Comentado. [S. José Carlos Barbosa. 3. Direito Previdenciário Militar. PACELLI. ed. v. Marinoni e Sérgio Cruz Arenhart. 2010.mpm. Marinoni e Sérgio Cruz Arenhart. J. NEGRÃO. ed.n. LTr. 4. Luiz G. Alexandre de. Curso de Direito Processual do Trabalho. ed. ed. PIOVESAN. 7. Código de Processo Civil comentado: e legislação extravagante: atualizado até 7 jul. Luis Cláudio Alves. Direito Civil. ed. 3. Saraiva. 2011.]: Ed. O novo processo civil brasileiro. Curso de Direito do Trabalho. em http//mpmbahiaesergipe. 2004.br/mpm/servicos/assessoria-de-comunicacao/atuacao-dompm/recomendacoes Recomendação da Procuradora-Geral de Justiça Militar de 29 de abril de 2008 disponível em http://www. 2010. 29. 51. TEIXEIRA FILHO. MARINONI. ed.]: Ed. São Paulo: LTr. Marinoni e Sérgio Cruz Arenhart. 10. ed. ed. [S. Rio de Janeiro: Forense. Flávia. Código Civil e Legislação em Vigor. [S. ed. 6. São Paulo: Saraiva. MOREIRA. Mauro.l. 25. v. Processo Cautelar. Direito Sindical e Coletivo do Trabalho. 25.

O Estatuto de Roma. relativo à Proteção das Vítimas dos Conflitos Armados Internacionais. I Convenção de Genebra de 1949 – Proteção aos feridos e doentes das Forças Armadas em campanha. às Convenções de Genebra. doentes e náufragos das Forças Armadas no mar. do Tribunal Penal Internacional.196 de 01 de junho de 2010 e Decreto Legislativo nº 348.wordpress. relativo à Proteção das Vítimas dos Conflitos Armados Não Internacionais. Convenção das Nações Unidas de 10 de outubro de 1980. As Convenções de Haia de 1907 sobre as leis e costumes da guerra terrestre e seu anexo. firmado em 08 de junho de 1977. sobre a proteção de bens culturais em caso de conflito armado e o Protocolo Adicional de 1999. I V Convenção de Genebra de 1949 – Relativa à proteção das pessoas civis em tempo de guerra. III Convenção de Genebra de 1949 – Relativa ao tratamento dos prisioneiros de guerra. TST. firmado em 08 de junho de 1977. às Convenções de Genebra. Carta das Nações Unidas de 26 de junho de 1945. O Protocolo Adicional II.com Súmulas dos Tribunais Superiores.mpmbahiaesergipe. produção e estocagem de armas bacteriológicas (biológicas) e à base de toxinas e sua destruição (1972). sobre a interdição ou a limitação do emprego de certas armas convencionais. Convenção sobre a proibição do desenvolvimento. firmado em 08 de dezembro de 2005. de 26 de junho de 2009). sobre a interdição do desenvolvimento. . estocagem e uso de armas químicas. Convenção de Haia de 14 de maio de 1954. STJ. fabricação. II Convenção de Genebra de 1949 – Proteção aos feridos. O Protocolo Adicional III às Convenções de Genebra de 12 de agosto de 1949. Jurisprudências do STF. relativo à adoção do Emblema Cristal Vermelho (Decreto nº 7. Convenção de Haia de 1981 + 3 protocolos: limitação do recurso a armas não nucleares cruéis ou indiscriminadas. Convenção de Paris de 1993. O Protocolo Adicional I.

utilização. 3. endócrino. 4) instrumentos e meios de trabalho. Saúde do trabalhador de enfermagem. Segurança do paciente. f. e. digestório. cálculos. cardiovascular. e 7) liderança. Biossegurança. vias e cuidados na administração de medicamentos. 2) cálculo. Semiologia e Semiotécnica aplicadas em Enfermagem. 5) relações de trabalho. musculoesquelético e dermatológico. Teoria e prática do cuidado de feridas e ostomias. ginecológico. 6) comunicação. controle e combate à infecção hospitalar. b. Métodos. c. controle e avaliação. d. g. Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) para pacientes com alterações clínicas e cirúrgicas. capacitação e supervisão como processo de desenvolvimento permanente da equipe. Organização e gerenciamento de serviços de enfermagem no hospital. f. d.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIA INDICADAS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: ENFERMAGEM RELAÇÃO DE ASSUNTOS 1. Fundamentos teóricos e práticos de enfermagem a. planejamento. e. respiratório. b. d. e 2) sistema de Informação em Saúde. Seleção de pessoal. c. Administração em saúde e administração aplicada à enfermagem a. hematológico. Sistematização da Assistência de Enfermagem. Ações de enfermagem na prevenção. Auditoria em enfermagem. . e. renal. 2. b. Assistência de Enfermagem perioperatória. Assistência de enfermagem em centro cirúrgico e centro de material esterilizado. urológico. requisição. distribuição e dimensionamento de pessoal de enfermagem nos diferentes setores de um hospital. 3) trabalho em equipe. hemoderivados e soluções. g. Administração de recursos materiais. c. Enfermagem na atenção médico cirúrgica a. hemocomponentes. Cuidados de enfermagem ao paciente com problemas nos sistemas orgânicos neurológico. Qualidade dos serviços de saúde: 1) indicadores de qualidade em saúde. Processamento de artigos médico-hospitalares. Gestão do processo de trabalho: 1) gestão de pessoas.

Atendimento de urgência e emergência em desastres naturais e catástrofes. 9) Política Nacional de Atenção às Urgências. e 11) suporte de vida em situações de acidente ofídico. Programas de Saúde: 1) Saúde da Família. f. Legislação de enfermagem. 4) suporte de vida em situações de edema agudo de pulmão. Perfil epidemiológico da população brasileira. A rede de cuidados em saúde mental. c. Deontologia e ética de enfermagem a. 8. b. 5) Controle da tuberculose. e. c. Assistência de Enfermagem em Unidades de Terapia Intensiva. e 11) Práticas Integrativas e Complementares em Saúde. A vigilância sanitária. 7. Condutas de enfermagem para o paciente grave e em fase terminal. 3) suporte de vida em situações de dores torácica-abdominais. Assistência de enfermagem ao paciente com transtorno mental. Atuação do Enfermeiro no atendimento pré-hospitalar. 10) suporte de vida em situações de intoxicações exógenas. 9) suporte de vida em situações de parada cardiorrespiratória. 5) suporte de vida em situações de crise hipertensiva. Ética e a bioética na enfermagem . Sistematização da assistência de enfermagem ao idoso com alterações da saúde em situações clínicas e cirúrgicas. 2) Hipertensão e Diabetes. b. d. 6) suporte de vida em situações de infarto agudo do miocárdio. Acolhimento com avaliação e classificação de risco 5. Processos patológicos e contexto psicossocial da doença mental. 10) Saúde Ambiental. Emergências psiquiátricas.4. b. e. 3) DST/AIDS. Evolução histórica da saúde pública e das políticas de saúde no Brasil. Enfermagem em saúde coletiva e políticas públicas a. 6) Programa Nacional de Combate à Dengue. Política Nacional de Saúde Mental. 7) suporte de vida em situações de acidente vascular encefálico. 6. 7) Saúde do Trabalhador. b. e. Enfermagem em emergência e cuidados intensivos a. c. Assistência de enfermagem em situações de urgência e emergência: 1) suporte de vida em situações de traumatismos em geral. Política Nacional do Idoso. 8) suporte de vida em situações de estados de choque. Enfermagem em saúde mental a. b. Enfermagem na saúde do idoso a. 4) Programa Nacional de Imunização. c. 2) suporte de vida em situações de queimaduras. epidemiológica e vigilância à saúde. O cuidado em enfermagem a pessoa idosa e sua família no ambiente doméstico e na institucionalização. Doenças transmissíveis mais prevalentes no Brasil. d. 8) Doação de Sangue e Órgãos. d.

Brasília. Brasília: Ministério da Saúde. Saúde mental.. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Manual de Medicina de Desastres. Brasília. 37). Brasília. Brasília: Ministério da Saúde. SUE. Secretaria de Atenção a Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Declaração Universal dos Direitos Humanos. DF: MI. 3. 128 p. MICHELS JR. 176 p.Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Departamento de Atenção Especializada. BONGARD. Ministério da Saúde. 8. Secretaria de Vigilância em Saúde. Porto Alegre: Artmed. Política nacional do idoso. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. 2001. (Cadernos de Atenção Básica. Porto Alegre: Artmed.B.l.Suporte Avançado de Vida no Trauma para Médicos.. _______. 160 p.. _______.L. 8. Doenças Relacionadas ao Trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde. Ministério da Saúde. 2013. ______.S.ed. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. 2014. D. ______.] 2009. _______. Brasília. 36) ______. G. Ministério da Saúde. 44p. Departamento de Atenção Especializada. (org). 192. 2006. 2010. Anamnese e exame físico: avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto. Brasília: Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. 2a ed. Ministério da Saúde.Y. 2005. Departamento de Atenção Básica.BIBLIOGRAFIA ATLS . . 7. Programa Nacional de Direitos Humanos. 2007. Ministério da Saúde.L. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Secretaria Nacional dos Direitos Humanos. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação. Brasília: Ministério Saúde. n.Departamento de Atenção Básica. Ministério da Saúde. Tradução: OLIVEIRA. 1998.: il. v. Ministério da Saúde. V.L. BARROS. A. Secretaria Nacional de Defesa Civil. DF: [S. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Ministério da Justiça. Ministério da Integração Nacional.. ______. MICHELS. 2010. DF: Editora do Ministério da Saúde. _______. G. (Série Pactos pela Saúde. ed.12). Brasília: Ministério da Saúde. 2010. Terapia intensiva: diagnóstico e tratamento. Editora Elsevier. v. 2013. Secretaria de Vigilância em Saúde.A. Secretaria Nacional de Defesa Civil. BRASIL. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. ______. F.p. 444p. Ministério da Saúde. 2a ed. 2007. DF: Ministério da Saúde do Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. BUCHELE. (Cadernos de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde . 2008. O.ed.1. n. _______. Guia para o uso de hemocomponentes / Ministério da Saúde. 2010. Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil. Doenças Infecto Parasitárias: Guia de Bolso. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde .L. Brasília. Guia de Vigilância Epidemiológica. Ministério da Saúde. 2013.: il. ed. / Ministério da Integração Nacional. _______..

COFEN. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. SUDDARTH. 2014. Ensinando a Cuidar em Saúde Pública. Brasília.ed. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.M. 2006. CARPENITO-MOYET. M.A. CHIAVENATO. 2006. 2004. FIGUEIREDO. Z. 2404p. Secretaria de Vigilância em Saúde . Ministério da Saúde. Fundamentos de Enfermagem Saúde e Função Humanas. L.. 2011. DF: Ministério da Saúde. 2012. OPAS. C. Resolução 293 de 21 de setembro de 2004.ed.. S. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2012. 2004. São Paulo: Manole. F. Brasília. _______. em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem. ______. 3. Secretaria de Vigilância em Saúde. 4 . 2011. 3ª ed. Brasília: ANVISA. Resolução COFEN 358/2009.ed. D. públicos ou privados. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. ed. 48p. Tratado de Geriatria e Gerontologia. L. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. Rio de Janeiro. S. Ministério da Saúde. 116p. Secretaria Executiva . J. 2010. COFEN. I. Ministério da Saúde. Introdução à Epidemiologia. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes.. N. DAPE.. CRAVEN. N. RS: Artmed. Secretaria de Atenção à Saúde. . J. Elizabete Viana et al. Porto Alegre. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Coordenação Geral de Saúde Mental. _______. Humaniza SUS .Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. BRUNNER. FREITAS. Secretaria de Atenção à Saúde. de 27 de agosto de 2002. SP: Yendis Editora. Fixa e Estabelece Parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde e Assemelhados.Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco: um Paradigma Ético-estético no Fazer em Saúde. FILHO. Agência Nacional de vigilância Sanitária. Manual de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-vacinação. Vigilância ambiental em saúde: textos de epidemiologia / Ministério da Saúde.. 2012.Departamento de Vigilância Epidemiológica. ed. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfície. 12._______. Resolução COFEN 311/2007. 13. Teoria Geral da Administração: abordagens prescritivas e normativas. 4. 2008. – Brasília: Ministério da Saúde. e dá outras providências. 2005. Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. _______. _______. 2. A. Ministério da Saúde. R. 184p. ROUQUAYROL. Diagnósticos de Enfermagem Aplicação à Prática Clínica. COFEN. Brasília: Ministério da Saúde. ed. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. São Caetano do Sul. 7ª ed. HIRNLE. RJ: Guanabara Koogan. Brasília: Ministério da Saúde. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. Departamento de Atenção Básica.

ed. A. S. Atendimento Pré-hospitalar ao Traumatizado: Básico e Avançado / Comitê do PHTLS da National Association of Emergency Medical Technicians. Rio de Janeiro: Elsevier. Terapia Intensiva: Enfermagem.ed. ed. J. KNOBEL. ed. OGUISSO. A. 2009. Gerenciamento em Enfermagem / Coordenadora Paulina Kurcgant. 544p SOBECC. V. C. N. I. J. Centro Cirúrgico. ROTHROCK.ed.. 9ªed. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.J. MORTON. J. N. 2009. SCHIMIDT. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2011. R. Manual de Psiquiatria Clínica Referência Rápida. 344p. A. 3. E. N. Tradução: SALES.ed. S. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. SP: Manole. Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana de Saúde. Cuidados Críticos de Enfermagem: uma abordagem holística. Enfermagem em saúde mental e psiquiatria.S. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. FIGUEIREDO.ed. Porto Alegre: Artmed. 5. SILVA. T.. . Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. MEEKER. 2008. M. Práticas Recomendadas SOBECC.. 2008. VIRIATO.V. O Exercício da Enfermagem: uma Abordagem Ético-legal. 2012. O Hospital: manual do ambiente hospitalar. et al.L. Feridas: Fundamentos e Atualizações em Enfermagem. 5. 2007. MOURA. 2012.. M. MEIRELLES. Ministério da Saúde. TOURINHO F. SADOCK.. 9. B.C. Enfermagem no cuidado ao idoso hospitalizado. M. Barueri: Manole.H. SANTOS. SADOCK. R. ed. HUSTON. ed. 2010. M. Gestão Hospitalar da Organização ao Serviço de Apoio Diagnóstico e Terapêutico. Colégio Americano de Cirurgiões. ARTMED. Urgência e emergência para a enfermagem: do atendimento préhospitalar (APH) à sala de emergência. 3.). São Paulo: SOBECC.M. 6.T. 13. RS: Artmed. 535p. Administração e Liderança em Enfermagem: Teoria e Prática. 2011. MOZACHI. São Paulo: Editora Atheneu. 5ed. 2012. GARCEZ. S. 2. B. 7. H. 2010. Curitiba: Os Autores. MARQUIS. São Paulo: Iátria.. 3 ed. 2012. 2012. R. Organização Mundial da Saúde. Administração Aplicada à Enfermagem.R.GONÇALVES L. São Paulo: Yendis. TROCHIN. M. Segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente: Cirurgias Seguras Salvam Vidas (orientações para cirurgia segura da OMS) /Organização Mundial da Saúde. 2006. D. 2007. C. R. (trad. A.. 6ªed. L. POGGETTI. D. 2012. Porto Alegre. VIDEBECK. L. Barueri. SANTOS. Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização. João Pessoas: Ideia. B. R.. C. Cuidados de enfermagem ao paciente cirúrgico. Patricia Gonce et al.

3. 2008. J. KNUTZEN. 2. Ed. 12ª ed. Intervenção fisioterapêutica em lesões encefálicas. S. termoterapia e fototerapia. S. 2006 CARR. LEVY. Métodos e técnicas de avaliação em Fisioterapia. 6. medulares e lesões do sistema nervoso periférico no adulto e na criança. 2003. 10. J.. Biomecânica e anatomia do movimento articular. Técnicas e recursos de expansão pulmonar e remoção de secreção. 2. 1ª ed. 2010.ed. 1ª ed. C. Rio de Janeiro: HAMILL. 5ª ed. Fisioterapia em pediatria. eletroterapia. 2008. 13. 5.. OLIVEIRA. KISNER. J. São Paulo: Atheneu. K. Plasticidade neural pós-lesão e implicações para a Fisioterapia. 9. Fisiopatologia geral. São Paulo: Manole. 8. E.. Intervenção fisioterapêutica em disfunções uroginecológicas e vasculares periféricas de origem arterial. 15. A. 2009. 12ª ed. A. Controle Motor e Aprendizado Motor. Prevenção e tratamento de agravos ortopédicos e traumatológicos através de suas abordagens clínicas fisioterapêutica. E. Fisioterapia em geriatria e gerontologia: Implicações do envelhecimento da população na reabilitação. GUYTON. cinesioterapia. Recursos terapêuticos manuais. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. DUTTON M. M. Q. São Paulo: Manole. SHEPHERD. Fisioterapia Ortopédica: exame. avaliação e intervenção. 14. 12. Tecnologia Assistiva específica da terapia intensiva. Porto Alegre: ARTMED. 11. Elsevier. Reabilitação Neurológica – otimizando o desempenho motor. Anatomia humana descritiva e palpatória. A. A. Bases Biomecânicas do Movimento Humano. B. L. venosa e linfática. C. Aspectos gerais e tecnológicos da Terapia Intensiva. HALL. 16. R. C. Tratado de Flebologia e Linfologia. J. Tratado de Fisiologia Médica. Treinamento muscular respiratório e recondicionamento físico funcional. KITCHEN. São Paulo: Ed. 7. exames complementares. Anatomia geral dos órgãos e sistemas. Fisiologia geral e do exercício.. Eletroterapia prática baseada em evidências. Barueri: Manole. . Reabilitação em doenças neurológicas – guia terapêutico prático. COLBY. Rubio. 2009. Suporte ventilatório invasivo ou não invasivo.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: FISIOTERAPIA RELAÇÃO DE ASSUNTOS: 1. BIBLIOGRAFIA: BELZAK. 4. os 5 IS e os 3DS da geriatria.

MAGEE.ed. 4. PRENTICE. Anatomia Orientada para a Clínica. 3. M. Recursos em fisioterapia cardiorrespiratória. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2003. S. Fisioterapia Pediátrica. A. J. 5ª ed. SARMENTO. O’SULLIVAN. J.ed. LOPES. H. CARLSTON. M. Ortopedia e Traumatologia: Princípios e Prática. SARMENTO. Porto Alegre: Artmed. J. NELSON. Bases da Fisioterapia Respiratória: terapia intensiva e reabilitação. Tratado de fisioterapia hospitalar: assistência integral ao paciente. UMPHRED. 2012. Dean P. V. MODERNO. A. 1ª ed.ed. CURRIER. L. VEJA. . RODRIGUES-MACHADO. Fisioterapia em UTI. 2010 MOORE. M. Karen W.. Reabilitação Neurológica Prática. J. Porto Alegre: Artmed. Thomas J. K. VEJA. SIZÍNIO. 3ª ed. F. São Paulo: Manole.. 2010. 2012. 1ª ed. L. PALMA. G. TECKLIN. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2001.. David J. São Paulo: Editora Manole. O. Chad. W. 2009.. São Paulo: Editora Atheneu.ed. V.. São Paulo: Editora Manole. N. P. SCHMITZ.. 2009.. SARMENTO. Susan B. Roger M. 2014. 2010. 1ª ed. São Paulo: Editora Atheneu. Eletroterapia Clínica. 2007. HAYES. São Paulo: Personal Link Comunicações. V. 5. Fisioterapia: avaliação e tratamento. STARKEY. D. S. Avaliação Musculoesquelética. 2009. J. Recursos fisioterapêuticos em Fisioterapia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan. G. 1º Ed. São Paulo: Manole. R. Aplicações clínicas das técnicas fisioterapêuticas nas disfunções miccionais e do assoalho pélvico. XAVIER. J. 5ª ed.. 2007. G. LUQUE. São Paulo: Editora Manole. Modalidades Terapêuticas para Fisioterapeutas. C. 1ª ed. Porto Alegre: Artmed. 2008. Urofisioterapia. G. 4.

Rio de Janeiro: Revinter. Disfunções Temporomandibulares: avaliação. Dislexia. Rio de Janeiro: Revinter. D. Disfagia na Paralisia Cerebral e Atuação do Fonoaudiólogo em pacientes submetidos a cirurgias de cabeça e pescoço e ortognática. diagnóstico e terapia. Emissões Otoacústicas: aspectos teóricos. J.1. Síndromes e Autismo e Linguagem e Gerontologia. da deglutição. A. 2013. Gagueira. (organizadores) Deglutição. São Paulo: Santos. S. A voz e a terapia vocal. neurogênica e mecânica. Avaliação Eletrofisiológica da Audição. M. PINHEIRO.P. Classificação das disfonias. programa de conservação auditiva e Próteses Auditivas. S. BEHLAU. Avaliação e tratamento das disfonias em adultos e crianças. Audiologia Ocupacional. diagnóstico e terapia. Aspectos teóricos. Noções de Saúde Pública: planejamento e programas preventivos. v.. Avaliação. . C. nos distúrbios neurológicos e na terceira idade. Voz: O Livro do Especialista. BEVILAQUA. L. (Org). Audiologia clínica: métodos e procedimentos de avaliação auditiva. Discalculia. Audiologia Ocupacional: aspectos gerais. B. logoaudiometria. São José dos Campos: Pulso Editorial. BARROS. Disgrafias. A..H. BOONE. Diagnóstico e Terapia das alterações de: mastigação. SANTANA. aplicação clínica e análise de resultados. P. interpretação de exames e avaliação auditiva infantil. Neonatal: aspectos da sucção. deglutição. Tópicos em Transtornos de Aprendizagem. Audiologia Fundamental. Dispraxias. avaliação e intervenção fonoaudiológica. HUMES. C. 4ed. Rio de Janeiro.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: FONOAUDIOLOGIA RELAÇÃO DE ASSUNTOS: 1.C. O Código de Ética Profissional em Fonoaudiologia. CORTELETTI. Paralisia Facial: avaliação. Disartrias. & McFARLANE.2. Desenvolvimento e alterações neurológicas. R. no câncer de cabeça e pescoço.E. v. 1998. SILVA. F. O Mascaramento na Avalição Audiológica. 6. diagnóstico e terapia dos transtornos da linguagem oral. 3. São José dos Campos: Pulso Editorial. K. 2012. imitanciometria. H. Voz: O Livro do Especialista. 2001. Voz esofágica: intervenção fonoaudiológica pré e pós-operatória. F. avaliação. da linguagem escrita e da fala: Distúrbio Específico de Linguagem (DEL). São Paulo: Dilivros. 2011. audiometria tonal liminar. perda auditiva induzida por ruído. Disfagias orofaríngea. respiração e fala de origem musculoesquelética. 2. Afasias. orientação e prevenção das alterações da voz. 4. Distúrbios Fonéticos e Fonológicos. São José dos Campos: Pulso Editorial. Anatomia e fisiologia da audição. A. ______. Porto Alegre: Artes Médicas. R. CAPELLINI. C. Tratado de Audiologia. Revinter. DEDIVITIS. 2003. BERNARDI.B. Voz profissional.. BIBLIOGRAFIA: ALVARENGA. 5.A.B. Aspectos teóricos. classificação e etiologia dos distúrbios da audição. 2011. voz e fala nas alterações neurológicas. Anatomia e fisiologia da voz. Aspectos anatomofisiológicos. M. 2006. 2005. F. BESS. Distúrbios de Aprendizagem.. R. A. L. desenvolvimento e alterações das funções estomatognáticas.

M. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. ABRAMO. Tratado de deglutição e disfagia no adulto e na criança. C. 2010. Rio de Janeiro: Revinter. ORTIZ.ed.ed. K. Intervenção Fonoaudiológica nas Alterações da Linguagem Infantil. 2013 LAZARINI.B. Avaliação em Motricidade Orofacial. 2001. Barueri: Pró-Fono. 2014 ZORZI. L. M. Tratamento.). L. Ed. Fundamentos em Fonoaudiologia . Distúrbios de Leitura e Escrita . M. J. 2002. Tratado de Fonoaudiologia.P. D. Compreendendo os problemas de voz. M. TESSITORE. J. 2003. Tratado de deglutição e disfagia. Z.). I. 1 ed. (org). J. 2001. B. ZORZI. P. I.P.. Porto Alegre: Artmed. M. rev. P.H. 2012.Audiologia. e ampl. Revinter. E.ed. 2ª ed. Distúrbios Neurológicos Adquiridos . 2011. BRANCO. SANTOS. L. Rio de Janeiro: Guanabara. MURDOCH.ed. P. São Paulo: Lovise. Fonocologia. COLTON. Manole. 1 ed. Práticas Clínicas em Motricidade Orofacial. K. REHDER. Distúrbios Neurológicos Adquiridos . Novo Tratado de Fonoaudiologia. 2005.T. A. 2. BARROS A. 5ª. 2010.P. L.C. Pratica da audiologia Clínica. Z. São Paulo: Cortez. São Paulo: Manole. Paralisia Facial .. 2003. A. 2. Rio de Janeiro: Revinter. I. 1 ed.ed. 2009 JOTZ. A. Q. S. Porto Alegre: Artmed. KLEIN. NAVAS. 2013 FROTA.Avaliação. 2003. Atuação Fonoaudiológica no Ambiente Hospitalar. G. Rio de Janeiro: Revinter. HERNANDEZ. A. FERREIRA. C. Aprendizagem e Distúrbios da Linguagem Escrita. L.L. 2. São Paulo: Manole. A. Beffi-Lopes DM. 2. ABRAMO. 2012 CHEVRIE-Muller. D. 2006. RUSSO.P. O. Porto Alegre: Artmed. A.. Planos terapêuticos Fonoaudiológicos (PIEs): 1ed. Tópicos em Deglutição e Disfagia.Teoria e Prática. 3ed. 2009. São Paulo: Manole. CASTRO.. Q. Limongi. 2002.M. (Org. A linguagem da criança: aspectos normais e patológicos. São Paulo: Roca. (Org. P. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. JOTZ. G. Narbona. I. . Pró-fono. B. ORTIZ.P. 3ed. M. M.). (org) – Tratado de Fonoaudiologia.. São Paulo: Lovise. 2005. Fundamentos em Fonoaudiologia . L.Fala e Deglutição. 2. S. M. 2005. Rio de Janeiro: Revinter. 2004.Uma Abordagem Fisiológica para Avaliação e Tratamento.. CARRARA-DE ANGELIS E. Reabilitação. SCO. 2010.Linguagem e Cognição. SANTOS.Interface. D.. BEFI-LOPES. FILHO.. T. LIMONGI. Atualização e Prática Clínica. MARCHESAN. R. 2005. G. O. R. YAVAS. FOUQUET. Revinter. 1 ed.). Revinter. V.CARVALHO. Disartria ..Aspectos Clínicos da Motricidade Oral.M. FERREIRA. (Org. Avaliação fonológica da criança: reeducação e terapias.et al. M. L. Disfonia e Disfagia . 2009 COSTA. MARCHESAN.. São Paulo: Roca. (Org.

d. Firmware (BIOS). Redes sem fio.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIA INDICADAS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: INFORMÁTICA RELAÇÃO DE ASSUNTOS 1. duplex e half-duplex. resolução de problemas. ROM. Barramentos. incluindo configurações de RAID). Ambientes e linguagens para programação em arquiteturas de alto desempenho (incluindo MPI. componentes e topologia. instalação. sincronização e intercomunicação de processos. Microcomputadores compatíveis com arquitetura IBM-PC (microprocessadores Intel): Conceitos sobre os principais periféricos (monitor de vídeo. Técnicas de programação a. gerenciamento de entrada/saída. Sistema de memória (organização. dispositivos de áudio). árvores. interface com usuário. escalonamento. Protocolos de roteamento. Desenvolvimento de Aplicações. c. Arquiteturas avançadas de processadores (multicore e GPU). e. Políticas e Protocolos de segurança. VoIP e Protocolos para streaming de áudio e vídeo. aplicações e níveis de qualidade serviços. Teleprocessamento e redes de computadores a. listas lineares. 4. b. pilhas. grafos. eficiência e complexidade. Modos de endereçamento. gerenciamento de memória. Mecanismos de detecção e proteção contra ataques e invasões. Certificação digital. estruturas e tipos abstratos de dados. recursividade. Criptografia. Redes de transmissão de dados: conceitos. OpenMP. Virtualização. b. Tipos de serviço. Sistemas de numeração aritmética em diversas bases numéricas. Sistemas operacionais locais e distribuídos: gerenciamento de processos. tipos e hierarquia). OpenCL. síncrono e assíncrono). dispositivos apontadores. decimal zonado e decimal compactado. energia e nobreak. Interfaces de comunicação de dados (incluindo USB. configuração e gerência de dispositivos de armazenamento de dados. impressoras. Monitoramento e análise de tráfego. c. HDMI. principais componentes. Segurança de redes: Virtual Private Network (VPN). Protocolos de comunicação (incluindo os padrões OSI/ISO. Projeto da Unidade de Controle. Registradores. Estrutura e Arquitetura de Computadores: Álgebra booleana e Lógica binária. classificação de dados. filas. Antivírus e Firewall. VGA. DisplayPort e Thunderbolt). configuração e administração. Segurança. Lógica aplicada: algoritmos. EPROM. FLASH). Redes de computadores: conceitos. matrizes. DVI. Estrutura de dados: vetores. cadeia de caracteres. . Interfaces para unidades de armazenamento (IDE. Normas de Segurança da Informação no âmbito nacional (aprovadas pela ABNT). Bluetooth. teclado. Ethernet. comandos básicos e avançados (incluindo shell script e expressões regulares). Sistemas de refrigeração. DVD). gerenciamento de processos. representação de dados. Computação de alto desempenho: Conceitos. administração de rede e comunicação de dados. pesquisa de dados. Sistema de entrada/saída. 3. Computação em nuvem: Conceitos. magnética (discos e fitas) e ópticas (CD. modulação. usuários e grupos. SCSI. gerenciamento de arquivos. símbolos e caracteres. SAS. incluindo arquivos e diretórios. OpenGL e CUDA). TCP/IP e ITUT). Paradigmas RISC e CISC. Microinformática a. serial/paralelo. administração de periféricos. Sistema operacional Linux: instalação. câmeras de vídeo. b. modos de transmissão de dados (simples. técnicas de construção de algoritmos. b. Arquiteturas paralelas (incluindo multicore. Portas lógicas. 2. SATA. scanners. administração de segurança. Sistemas de computação a. clusters e GPU). Conceitos sobre memórias eletrônica (RAM. Barramentos. topologias. conversão entre bases. Representação e aritmética binária de números inteiros (ponto fixo) e reais (ponto fixo e ponto flutuante).

Gerenciamento de projetos com PMBOK. estruturas em blocos. coesão. procedimentos e funções (Linguagem C). d. tabelas e árvores de decisão. acoplamento.c.observação pessoal. c. entrevista e JAD. Projeto estruturado de sistemas: conceitos e definições básicas. . g. PHP e JSP. Sistemas de informação: conceitos e definições básicas. Modelagem Multidimensional e Conceitos de Datawarehouse. estruturas de armazenamento de dados. arquivos com organização seqüencial. Arquivos e banco de dados a. gerenciamento de transações e controle de concorrência. b. relativo. OLAP. análise de transação. estratégias e ferramentas da modelagem essencial. h. otimização de consultas. subrotinas. atividades essenciais. Descoberta de Conhecimento e Mineração de Dados (Data Mining). Definições: Fatos. Análise. qualidade (ISO). sistema de apoio a decisão. especificação estruturada. Bancos de Dados Multidimensionais: BD Relacionais x BD Multidimensionais. usuários de bancos de dados. b. árvore B e compressão de dados. Administração de sistemas de banco de dados: componentes do SGBD. programação modular. Programação estruturada: refinamentos sucessivos. Diagrama de Fluxo de Dados (DFD). Atos normativos do MPOG/SLTI: Instrução Normativa nº 4/2010. mapeamento de projetos de banco de dados ER em um projeto relacional. polimorfismo. Qualidade de Software: Processo de Software (CMM. Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD): princípios. Linguagens de programação para a internet: JAVA. packaging. interface. estruturas de controle de fluxo. Análise e projeto orientados a objeto: Linguagem UML (UnifiedModelingLanguage) e diagramas relacionados. Python e Java). Análise essencial de sistemas: conceitos e definições básicas. e. d. comparação entre os três modelos. 5. seqüencial indexado. modelo hierárquico. análise de transformação. Levantamento de sistemas: técnicas de levantamento . metodologias e padrões. modelo de rede. teste de software. c. k. Programação orientada a objetos: classes e objetos. e. modelo relacional. implementação. segurança de dados. ferramentas do projeto estruturado. Dimensões. conceitos e objetivos dos sistemas de banco de dados. Organização de arquivos: conceito e definições. MOLAP. Governança de TI: Modelo COBIT i. CMMI e desenvolvimento ágil). otimização e administração do projeto estruturado. linguagem de definição e manipulação de dados – SQL. projeto de sistemas e serviços de TI a. sistemas de informação operacional e gerencial. normalização (formas normais). e. indexação. Conceitos de OLTP. modelo orientado a objetos. rotinas. métodos para especificação de módulos. direto. construção e utilização de dicionário de dados. linguagens orientadas a objetos (Linguagens C++. ROLAP. Modelo de dados: modelagem de dados: modelagem semântica. ciclo de vida de sistemas de informação. invertido. Análise de pontos de função. herança. questionário. f. recuperação à falhas. d. 6. componentes de sistemas de informação. Gerenciamento de Serviços de TI: Conceitos da Biblioteca ITIL. j.

l. 2005. Aurelio Marinho. Interligação em rede com TCP/IP – VOL. Ângelo de Moura. PEÑUELAS. Editora Campus. I.A. Ivar. 2005.. Medicina. JR.ufu. . CARVALHO. MPOG/SLTI.]: Editora Campus. FEDELI. KIMBALL. SEI Series. Datamining: a mineração de dados no Marketing. JAVA Como Programar. 2008. Larman. 1994. E. Jan van. Economia.]: Novatec Editora. CRAIG. CMMI®: Guidelines for Process Integration and Product Improvement. S. SHRUM.l. A Business Framework for the Governance and Management of Enterprise IT. 2002. B. Engenharia e Administração..]: Editora LTC.[S. M. – Rio de Janeiro: Elsevier. DEITEL. LECHETA.]: Bookman. Erich et al. [S. 2007. FEDELI. AWS para desenvolvedores. 6. – São Paulo: Novatec Editora. Ciência Moderna. 2014.]:Editora Campus.br/files/IN-SLTI-04-12Nov2010-Contratacao-de-TI. ed.. 2006. W. [S. S.cti. ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Brian J. PINHEIRO. Enrico Giulio Franco. JACOBSON. H. Padrões de Projeto: Soluções Reutilizáveis de Software Orientado a Objetos. ITIL: Guia de Referência.br/sites/cti.l. GAMMA. JARGAS. Brazilian Portuguese Version. DATE.]:Bookman. protocolos e arquitetura – 6. ALCADE. 1991. M. Gerência de Projetos: Guia para o Exame Oficial do PMI.1]: Editora Campus.l. L. ed. EUA: Addison-Wesley. ed. COBIT 5. S. 3. BOM. 2006. Pericia Forense Computacional – Teoria e Pratica. M. Gerenciamento de Serviços de TI na Prática: uma abordagem com base na ITIL. Books. Ralph.]: Editora Bookman.BIBLIOGRAFIA ATO NORMATIVO 4/2010. C. ed. Algoritmos Estruturados de Dados. 2006. HELDMAN. RUMBAUCH. James. M. Computação em Nuvem – Cloud Computing. BOOCH. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas. [S. Acessado em: 01 de maio de 2015. São Paulo: Novatec Editora. L. Disponível em: <https://www. CHEE.. Ricardo Daniel. Introdução à ciência da computação – 2. Ricardo Daniel. – São Paulo: Cengage Learning. 2013 CHRISSIS. 2006. [S. GUIMARÃES. 2012. LAGES. São Paulo: Makron Books.V. ________. NBR ISO/IEC 27002:2013 – Tecnologia da informação – Técnicas de segurança – Código de prática para controles de segurança da informação. POLLONI. 2003.pdf>. Introdução ao Sistema de Banco de Dados.. 2010. 1: princípios. FARMER. COMER. Utilizando UML e Padrões: uma introdução à análise e projeto orientados a objetos. 2012. [S. ed. ed. Kim. Shell Script Profissional. Editora Prentice Hall Brasil. Data warehouse multidimensional. Curtis Franklin. 8. 3. CAMPUS. 2013. 2004.ufu. 2014. J. Dan. São Paulo: Novatec Editora. 2007. Newton de Castilho. KONRAD.l. GARCIA. UML: Guia do Usuário. Expressões regulares: Uma abordagem divertida – 4. [S. M. Rio de Janeiro: Ed. Grady.l. [S. ed. Ricardo R. toolkit: o guia completo para modelagem MAGALHÃES.l. ISACA.. Informática Básica. Douglas.

Larry L.]: Editora Ciência Moderna. 4. e KORTH. João E. São Paulo: Editora Novatec. – São Paulo: Novatec Editora. TANENBAUM.]: Editora Campus. São Paulo: Editora Novatec. SILBERSCHATZ. Organização e Projeto de Computadores: interface hardware/software – 3. VEIGA. 2004. [S. 2007. 1990. 2014. James A. ed. Andrew S. Arquitetura de Computadores: Uma abordagem quantitativa – 5. WARD. 2013. Redes de Computadores: uma abordagem de sistemas – 5. Análise Essencial de Sistemas. HEIN. Segurança de computadores: princípios e práticas – 2. 2007. ed. Criptografia e Segurança de redes – 4. Descobrindo o Linux: Entenda o sistema operacional GNU/Linux – 3. 2012. PRADO. MORGAN. ______ e WETHERAAL. ed. S. SAAD. PETERSON. ed. [S. – São Paulo: Pearson Prentice Hall. e SUDARSHAN.[S.]: Editora Makron Books. Sistema de Banco de Dados. ed. Roger S.]: Editora Campus. A. MONTEIRO. JAVA 2 para Programadores Profissionais.. 1994.ed. – Rio de Janeiro: Campus. W.l. 2014. Mario A. Sthephen M. [S. 2008. MOTA FILHO. ed. – Rio de Janeiro: Elsevier. ed. Sistemas Operacionais Modernos – 3. CONSTANTINE. . _______ e BROWN. e HENNESSY. Roberto G. Evi. 2004. VELOSO. C++: guia de consulta rápida. e SNYDER. Ronald J. Organização Estruturada de Computadores – 5. e DE SOUZA. S. Sistema de Informação e as decisões Gerenciais na Era da Internet – 2. 2010.l. PALMER. 2015.]: Editora Mc Graw-Hill. 2012.l. Cesar A. John F. Rio de Janeiro: Elsevier. [S. John L. – São Paulo: Pearson Education. – Rio de Janeiro: Elsevier. Larry L. 2014. YOURDON. Bryan. TOCCI.l.V. [S.. LANGSAM. Garth. ed. Bruce S. Michael.A. Manual Completo do Linux: Guia do Administrador – 2. 2005. – São Paulo: Pearson Prentice Hall. NEMETH. ed. ed. ed. São Paulo: Editora Novatec. ______. ed. Engenharia de Software. – Rio de Janeiro: Elsevier. 1995.]: Makron Books. STALLINGS. Yedidyah. 6. David J. Introdução à Organização de Computadores – 5. AUGENSTEIN. – Rio de Janeiro: LTC. 1983. – São Paulo: Pearson Prentice Hall. WIDMER. Estrutura de Dados. – Rio de Janeiro: LTC. L.. Trend R. Como o Linux Funciona: O que todo superusuário deveria saber. Projeto Estruturado de Sistemas. 2006. Edmir P. Makron Books. OBREIN. Sistemas digitais: princípios e aplicações – 10. David A. Estruturas de Dados Usando C. e DAVIE. 2006. PRESSMAN. – São Paulo: Pearson Prentice Hall. Neal S. Comandos do Linux: guia de consulta rápida. 2001. ed. _________. Edward. Moshe J. – São Paulo: Pearson Prentice Hall. Joel.. TANENBAUM.MENAMIN. ed. 2005.l. Paulo et al. Fundamentos de Sistemas de Informação.l. e Redes de Computadores – 5. Aaron M. PATTERSON. 2010. 2011.

NELZIR TRINDADE (Org. BIBLIOGRAFIA: ARAÚJO.saude. Departamento de Atenção Básica.). São Paulo: volume IX. BOTELHO.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: NUTRIÇÃO RELAÇÃO DE ASSUNTOS: 1.http://bvsms. São Paulo: AC Farmacêutica. : il. Dislipidemias.pdf CALIXTO-LIMA. 1a ed. W.pdf ______. N. Secretaria de Atenção à Saúde. ed. 156 p.sgc. 2014. vitaminas e minerais: funções. absorção e metabolismo dos macronutrientes. 2014. Projeto Diretrizes.). P. Código de Ética do Nutricionista. A. . 3.128. Terapia Nutricional das Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Rio de Janeiro: INCA. 7. BORGO. 1a ed. 878p.br/bvs/publicacoes/consenso_nacional_nutricao_oncologico. Avaliação nutricional e terapia nutricional oral e enteral nas condições de Diabetes Mellitus.gov. ______. Sérgio Vencio]. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP/Escola Paulista de Medicina. 126p. M. 569p. Tecnologia e Toxicologia de Alimentos. L. MONTEBELLO. REIS. LILIAN. recomendações. A. Microbiologia.28. 2014.Brasília: Ed. LARISSA. Alquimia dos alimentos. Consenso nacional de nutrição oncológica. 2 . Síndrome Metabólica. 2012.goias. Triagem e diagnostico nutricional nas diversas faixas etárias. http://189. 2009. 3a ed. BRASIL. Projeto Diretrizes. Promoção da alimentação adequada e saudável. Senac Distrito Federal. Nutrição Clínica do Adulto. Planejamento e Gestão de Unidades de Alimentação. RJ: Guanabara Koogan.pdf DOMENE. 2. Câncer e Desnutrição. Interpretação de Exames Laboratoriais Aplicados à Nutrição Clínica. 2007.C. R. São Paulo: Manole. Guia alimentar para a população brasileira. M. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina (Org. 8. 5. Características. B.. São Paulo: Manole. 2005. 515p. S. 2014. Instituto Nacional de Câncer.). Ministério da Saúde. 2009. Rio de Janeiro: Editora Rubio Ltda. 6. Instituto Nacional de Câncer.br/upload/arquivos/2014-05/diretrizes-sbd-2014. SILVIA MARIA FRANCISCATO (org. Biodisponibilidade de Nutrientes. 490p.. A. São Paulo: Manole. Vigilância Sanitária e Controle de Qualidade de Alimentos. CUPPARI. Ministério da Saúde. Hepatopatias. Técnica Dietética: teoria e aplicações. Brasília: Ministério da Saúde. Higiene. digestão. 494p. 4.). Técnica Dietética. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2013-2014/Sociedade Brasileira de Diabetes .. (Org.gov. 2. http://www.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira. carências e excessos. COZZOLINO. Hipertensão. [organização José Egidio Paulo de Oliveira. 2011. Nefropatias.

SP: Editora Atheneu. Bioquímica da nutrição.br www. G. 2011. – Rio de Janeiro: Editora Rubio. L.1): 1-51. J. WANDERLEY MARQUES (Coordenação do projeto). RIELLA. ROCHA V. http://publicacoes.. C. Suplemento I.br/consenso/2005/sindromemetabolica. et al.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados. Guanabara Koogan. http://bvsms.pdf Sociedade Brasileira de Cardiologia/Sociedade Brasileira de Hipertensão/Sociedade Brasileira de Nefrologia.br www.). V Diretriz Brasileira De Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Toxicologia de Alimentos.cardiol. SAMPAIO. ed.Volume 84. A. 100p. Projeto Diretrizes. M. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. A. 2014. 2000. Barueri.gov. SP: Metha.Instituto Nacional de Câncer (Brasil). S.cardiol. G. I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arquivos Brasileiros de Cardiologia.cfn. São Paulo e Conselho Federal de Medicina. SP: Manole.saude. 2009. IZAR M. medidas caseiras e composição química dos alimentos. et al. M. e SPOSITO A. SILVA JUNIOR. SP: Varela. R. E. Volume 101. 2008. (Org.. C. Rio de Janeiro : Rúbio. Instalação e administração de restaurantes.gov.. Z. 2011. 2007. Coordenação Geral de Gestão Assistencial. Salvador: EDUFBA. 95(1 supl. 2011. 1995.br/bvs/publicacoes/inca/Consenso_Nutricao_vol_2.). E. LÍLIAN RAMOS (Org. Avaliação Nutricional. M. Abril 2005. FABIO BISCEGLI. LUCIVALDA PEREIRA MAGALHÃES DE e LYRA. MIGUEL CARLOS. ASSAD M. 157p. www.org. F. BERNARDO. XAVIER H. F. M. 449p. 396p.br . http://publicacoes.cardiol. JESUS. Consenso nacional de nutrição oncológica. Suplemento 1.br/consenso/2013/V_Diretriz_Brasileira_de_Dislipidemias. C. vol. D. Rio de Janeiro: INCA. PACHECO.gov. OLIVEIRA. Nutrição moderna na saúde e na doença. Arq Bras Cardiol 2010.. R. 2012. 2. http://publicacoes.anvisa. Arquivos Brasileiros de Cardiologia .gov. Brasília: volume IX. Associação Médica Brasileira. Fundamentos da ciência e tecnologia de alimentos. MARTINS. Sociedade Brasileira de Cardiologia. H. Nutrição e o Rim.pdf JATENE. SHILS. Serviço de Nutrição e Dietética. 2013. OETTERER. L. 494p.br www.pdf ZANELLA. 2007.. Outubro 2013. SP: Editora Atheneu. 2008.. PALERMO. T. Nº 4. Administração aplicada a Unidades de Alimentação e Nutrição. C. Instituto Nacional de Câncer. MIDIO. Manual de controle higienico-sanitário em Serviços de Alimentação. ROSÂNGELA PASSOS DE. MARTINS. Rio de Janeiro: 2a ed.mte. FARIA NETO J.saude. 2. SP: Manole. Tabela de equivalentes. São Paulo: Varela. Hospital do Câncer I. Nutrição e Hepatologia: Abordagem Terapêutica Clínica e Cirúrgica. CRISTINA.pdf TEIXEIRA. I. Barueri.

Objetos. Ciclos de vida na família. Desenvolvimento psicossocial ao longo das etapas desenvolvimentais. Contribuições recíprocas da psicologia social e outras áreas da psicologia. d. Comportamento organizacional. Problemas clínico-psicoterápicos . Psicologia social a. c. normas e padronização. b. b. Problemas e avaliação da personalidade. Psicopatologia a. As relações entre psicologia e educação. c.aplicações clínicas e de ensino. métodos de estudo e determinantes da personalidade . métodos e finalidades da psicologia social.limitações e vantagens. abordagens e intervenções terapêuticas. b. Psicologia da personalidade a. Processos de mensuração . Psicologia do desenvolvimento a. As grandes síndromes psiquiátricas. pesquisas e teorias. b. b. Ideologia. A delimitação da psicoterapia. d. d. d. Psicologia organizacional e do trabalho a. Avaliação do paciente e as funções psíquicas alteradas. 9. Aplicações do estudo da aprendizagem: escola. c. Atuação profissional no contexto organizacional. b. c. Aspectos gerais da psicopatologia. Saúde mental e trabalho. Psicologia da aprendizagem e da educação a. Grupos e equipes de trabalho nas organizações. validade e fidedignidade das medidas. Metodologia da investigação psicológica a. 4. e. d. 7. Psicologia hospitalar a. 5. linguagem e identidade. trabalho e clínica . b. 2. Definições. métodos e objetivos do estudo da aprendizagem. Os objetos de estudo e os conteúdos da psicologia da aprendizagem e da psicologia da educação. representações sociais. Eficácia das psicoterapias.definições. 8. Clínica psicoterápica a. Problemas. 6. Resoluções do Conselho Federal de Psicologia. Desenvolvimento físico e cognitivo nas diversas fases do desenvolvimento humano. Pesquisas e teorias . delineamentos e etapas de pesquisa.a psicometria. b. Legislação a. A atuação clínico-psicoterápica: análises de casos. avaliações. 10.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: PSICOLOGIA RELAÇÃO DE ASSUNTOS 1. Exclusão social e subjetividade. . 3. Técnicas e instrumentos de medida psicológica. afetivos e psicomotores e aprendizagem: pesquisas e teorias. Objeto. c. b. Processos cognitivos. b. c. Histórico da psicologia hospitalar no Brasil. e. c. c. Análise de itens.o ensino. Tipos de pesquisa: os objetivos e métodos . Código de ética profissional do psicólogo.fatores biológicos e sociais. A tarefa do psicólogo na instituição hospitalar.

Piaget. Rio de Janeiro: Imago. O caso de Schreber. 1998. VALLE. 1992. FREUD. Regina Helena de Freitas.L. Froma e MCGOLDRICK.P. Manual de Terapia Familiar. São Paulo: Martins Fontes. 2008. M. Manual do Exame Psíquico: uma introdução prática à psicopatologia. 2007 AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION DSM-IV . Rio de Janeiro: Zahar. FRIEDMAN.C. CUNHA. D. Rio de Janeiro: Revinter. 1997. JACQUES. O que é Psicologia Social. PATO. Desenvolvimento humano. Morte na Família: sobrevivendo às perdas. S. São Paulo: Martins Fontes. M. Artmed. In: E. 2008. A.c. Psicologia Social Contemporânea. Petrópolis: Vozes. Introdução à Psicologia Escolar. 2000. A. Porto Alegre: Artes Médicas. CAMPOS. CANGUILHEM. A cura e o significado da morte.. S. M. 1987.TR.C. S. 1 e 2. XII. Porto Alegre: Artmed.TR. Manual de Psicologia Clínica para Hospitais. Código de Ética Profissional do Psicólogo. S. Testagem Psicológica. (Org. d. SHUSTACK. ANGERAMI CAMON. Valdemar Augusto. URBINA. 1995. 2002. Vozes. Jurema A. 2000. Bellkiss Wilma. Monica. São Paulo: Cengage Learning. Psicologia da Saúde: um novo significado para prática clínica. 3ª ed. WALSH. 4ª ed.L. GARRIDO. Psicodiagnóstico – V.W. Yvies de. H. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. J. 2001. Porto Alegre: Artmed. L. São Paulo: Prentice Hall. 2011. G. S. 8ª ed. O papel da família no processo do adoecer. B. Porto Alegre: ArtMed. ROMANO. São Paulo: Casa do Psicólogo. Maria Helena Souza. John. Cuidados Maternos e Saúde Mental. BOWLBY. 2011. Paradigmas em Psicologia Social: a perspectiva latino-americana. Psicologia Social: o homem em movimento. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais . Rio de Janeiro: Forense Universitária. São Paulo: Casa do Psicólogo.. Atheneu. 2011 BASTOS.E. BLEGER. . 2006 LA TAILLE. T. v. 2000. São Paulo: Brasiliense. LANE. São Paulo: Summos. C. 2000. 2004. T. O normal e o patológico. 2001. ERTHAL. Artmed.1. Sigmund. 1998. Temas de Psicologia: entrevistas e grupos. Teorias da Personalidade: da teoria clássica à pesquisa moderna. RANGÉ. São Paulo: Brasiliense. 1984 LANE. artigos sobre técnica e outros trabalhos. ANASTASI. Vygostky e Wallon: Teorias psicogenéticas em discussão.E.G. T. OSORIO.). CFP 07/2003 Institui o Manual de Elaboração de Documentos Escritos produzidos pelo psicólogo.. W (org). Vols. Porto Alegre: Artes Médicas. BIBLIOGRAFIA: ALVARO. PAPALIA. B. José. 1974. 2ª ed. Vol. C.M e CODO. Porto Alegre: Artes Médicas. Manual de Psicometria. Psicologia Social. decorrentes da avaliação psicológica e revoga a Resolução CFP 17/2002. Psicopatologia Geral. M. JASPERS.

1998.E. São Paulo: Casa do psicólogo. O psicólogo nas organizações de trabalho. São Paulo: Martins Fontes.P. (Org. D. São Paulo: Cortez. Trabalho e Desgaste Mental: o direito de ser dono de si mesmo. P. São Paulo: Casa do Psicólogo. Alfredo.. O Primeiro Ano de Vida. 2006. 2004. E. Psicoterapia de Grupo: Teoria e Prática. B. e SHULTZ S. René Arpard. SPITZ. Manual de Psicologia Hospitalar: O Mapa da Doença. Teorias da Personalidade. 5ª Edição. . 2002.). São Paulo: Cengage Learning. Porto Alegre: Artmed. 2013. 2011. 2014. Orientação à queixa escolar. Porto Alegre: Artmed. TAMAYO.D. I. Artmed. 2011. M.C. A. SHULTZ. LESZCZ. YALOM. J.SELIGMANN-SILVA. SOUZA. (Org. ZANELLI.) Cultura e saúde nas organizações. SIMONETTI.

São Paulo: Guanabara Koogan. NEISTADT. 3. 2005. BIBLIOGRAFIA: DE CARLO. J. FAZIO.) Intervenções da Terapia Ocupacional. 2005.. Terapia Ocupacional. ortopedia e traumatologia e psiquiátrica) que podem acometer o ser humano em suas etapas de vida: infância. CREPEAU. C. vida adulta e velhice. 2a Ed. 2003. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. São Paulo: Roca.2001.. REZENDE.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: TERAPIA OCUPACIONAL RELAÇÃO DE ASSUNTOS: 1. São Paulo. L.. GRIVIEVE. Estruturas de referência da terapia ocupacional. PEDRETTI. CAVALCANTI. 2a Ed. 2. São Paulo: Santos. Terapia Ocupacional. WILLARD & SPACKMAN. EARLY. RADOMSKI.. Terapia Ocupacional. doenças reumáticas. Terapia Ocupacional: fundamentação & prática. 5. amputados. M. HAGEDORN. Marysia do Prado. Rosemary.B. ed. TROMBLY. 2003. A recreação na Terapia Ocupacional pediátrica. L. 5a Ed. 2006. lesão medular. 2002. GALVÃO. 9. Maureen. prescrição e confecção de recursos da tecnologia assistiva: órteses de MMSS. DRUMMOND. São Paulo: Santos.B. 9a Ed. S. 4. TEIXEIRA. Terapia Ocupacional no Brasil: fundamentos e perspectivas. Catherine A. Belo Horizonte: Editora UFMG.) Terapia Ocupacional na reabilitação física. L. paralisia obstétrica. Avaliação. Terapia Ocupacional: Capacidades práticas para as disfunções físicas. 2. História e fundamentos da Terapia Ocupacional. R. adaptações de ambiente. ed. princípios e prática.São Paulo: Roca. queimados. adolescência. mobiliário. (et al. São Paulo: Roca. M. 2002. . 3. Mary Vining. Terapia Ocupacional para disfunções físicas. Elizabeth Blesedell. Neuropiscologia em Terapia Ocupacional: Exame da percepção e cognição. ed. BARTALOTTI. B. FRANCISCO. 2007. ed. W. Campinas: Papirus. Celina C.. A. 2001. cadeira de rodas e utensílios para AVD e AIVD. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. São Paulo: Plexus. Terapia Ocupacional aplicada à avaliação e tratamento das diferentes patologias da área física e mental (neurologia adulto e infantil. E.. A. PARHAM. (org. D. Fundamentos para a prática em terapia ocupacional. 2008. Modelos e teorias da Terapia Ocupacional. 2002.

nematodioses gastrintestinais. brucelose. b. Defesa Sanitária Animal. 2) caninos: traqueobronquite infecciosa. sintomatologia. b. Princípios e diretrizes das inspeções industrial e sanitária da carne e leite e seus derivados. Vigilância epidemiológica. profilaxia e controle das seguintes doenças: 1) equinos: anemia infecciosa. febre catarral maligna. Etiologia. botulismo. b. raiva. doença de Newcastle. cinomose. epidemiologia. Ecologia da doença. d. Diretrizes para o trabalho em contenção com agentes biológicos. Segurança em laboratórios e estabelecimentos médicos veterinários e nas indústrias e estabelecimentos de produtos de origem animal. patogenia. laringotraqueíte infecciosa e influenza aviária. tratamento. Mecanismos patogênicos. demodiciose. Manejo sanitário. biosseguridade e imunoprofilaxia. pulicose. linfadenite. Biossegurança: conceitos e princípios. Classificação de risco de agentes biológicos. manejo. Acidentes por animais peçonhentos: ofidismo. inspeção e segurança de alimentos a. Conceitos básicos da epidemiologia. Controle de qualidade de produtos de origem animal. influenza. comportamento e bem-estar animal a. ixodidose. Métodos empregados em epidemiologia b.febre aftosa. leptospirose. ectima contagioso. babesiose. comportamento social e de reprodução. araneísmo e lepidopterismo 4. Ética e bioética. encefalites virais. Organismos geneticamente modificados (OGM) 3. profilaxia e controle das principais doenças de defesa sanitária animal: . Maedi-visna. erliquiose. e. imunologia. c. transporte e controle humanitário. carbúnculo hemático. Biossegurança a. c. Sanidade animal a. 5. diagnóstico. Comportamento e bem-estar animal: avaliação de bem-estar. tratamento. Etiologia. leptospirose. Fauna silvestre a. escorpionismo. fisiopatologia. c. estomatite vesicular. diagnóstico. imunologia. patogenia. fisiopatologia. tétano. Vigilância em saúde: zoonoses. Técnicas de captura e contenção físico-química. b. epidemiologia. d. c. Dinâmica de transmissão de doenças. . parvovirose.RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIA INDICADAS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2015 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR / 2016 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: VETERINÁRIA RELAÇÃO DE ASSUNTOS 1. 6. Bioética. sintomatologia. 2. comportamento anormal. encefalopatia espongiforme bovina. leishmaniose. Higiene. mormo. Boas práticas para eutanásia em animais. b. Procedimentos para destinação de animais silvestres. artrite encefalite caprina. fontes de contaminação e vias de transmissão dos microrganismos aos alimentos. raiva. Indicadores de saúde. Epidemiologia e saúde pública a. tuberculose. c. d.

Funções e deficiências de vitaminas e minerais. tegumentar e locomotor. análise de perigos e pontos críticos de controle (APPCC). Clínica médica veterinária (caninos e equinos) Afecções dos sistemas digestório. Portaria Nº 036-DGS.COLOG. reprodutor e locomotor. 7. J. carboidratos e lipídeos. b. Portaria nº 18 COLOG. g. Nutrição e alimentação (caninos e equinos) a. Forragens e pastagens para equinos. Equinos: 1) Ciclo estral e seu controle 2) Problemas de fertilidade no garanhão 3) Biotécnicas aplicadas à reprodução 4) Enfermidades da esfera reprodutiva b. Portaria nº 006. Aprova as Instruções Reguladoras das Atividades de Remonta e Veterinária. 2012. c. Aprova o Regulamento de Segurança dos Alimentos das Forças Armadas – MD42-R-01. Alimentação em diversas atividades e fases de vida. 4th ed. Aprova as Normas para Controle de Caninos no Exército Brasileiro (NORCCAN). boas práticas de fabricação (BPF). d. b. Rio de Janeiro: Revinter. 960p. Caninos: 1) Ciclo estral e seu controle 2) Interpretação da citologia vaginal para fins de diagnóstico reprodutivo 3) Enfermidades da esfera reprodutiva 12. Aprova Normas para Inspeção de Alimentos e Bromatologia (NIAB). 9. STICK. minerais e plantas tóxicas.. funções e metabolismo de proteínas. b. Portaria Normativa nº 219/MD. Legislações. endócrino.. Aprova o Manual de alimentação das Forças Armadas. d. Philadelphia: W B Saunders Company.ed. c.. . 2003. e. substâncias controladas para equinos e funcionamento dos testes antidoping. Portaria N º 02-D Log. Toxicantes: metais. de 14 de dezembro de 2010. em Tempo de Paz (IR 70-19). Aprova as Normas para Controle de Equinos no Exército Brasileiro (NORCE). POBER. 8. Choque: fisiopatologia e tratamento. d. A. a. respiratório. 4. A. Equine Surgery. BIBLIOGRAFIA ABBAS. J. Portaria Normativa nº 753/MD de 30 de março de 2015. Reprodução Animal (equinos e caninos) a. neurológico. A. Infecção cirúrgica: fisiopatologia. profilaxia e tratamento. Segurança alimentar: doenças transmitidas por alimentos (DTA). Anti-inflamatórios esteroidais e não esteroidais. 486p. Imunologia Celular e Molecular. Instruções e Normas do Exército relacionadas à Medicina Veterinária.d. renal. de 22 de julho de 2013. de 16 de outubro de 2008. de 16 de dezembro de 1999. de 12 de fevereiro de 2010. Fontes. Agentes antimicrobianos e antiparasitários. Aprova Aprovar o Catalogo de Especificações dos Artigos de Subsistência (CEAS). Cirurgia veterinária (caninos e equinos) a. Portaria Nº 6 . Patologia e técnicas cirúrgicas dos sistemas digestório. J. de 16 de outubro de 2012. LICHTMAN. AUER. hematopoiético. H. Doping. controle antidoping. 11. c. b. S. c. 10. f. Farmacologia e Toxicologia veterinária a.A.

Portaria Normativa nº 219/MD.agricultura. Exército Brasileiro.eb. Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Resolução Normativa Nº 2. Secretaria de Defesa Agropecuária. Exército Brasileiro. Exército Brasileiro. Portaria N º 02-D Log.pdf>. Aprova as Normas para Controle de Equinos no Exército Brasileiro (NORCE).br/index.php/biblioteca-de-normas-tecnicas/remonta-e-veterinaria/94>. 440 p.br/secoes/sgls/PASA/sepbe50ceas-Nova-Vercao. de 2 de agosto de 2013. Ministério da Defesa. BRASIL. Manual de Legislação: programas nacionais de saúde animal do Brasil / Ministério da Agricultura. de 27 de novembro de 2006.br/6_legislacao. Dispõe sobre a . Aprova Aprovar o Catalogo de Especificações dos Artigos de Subsistência (CEAS).br/index.COLOG. Portaria Nº 6 . Brasília – DF.www. Disponível em: <http://www.mil.BRASIL. de 22 de julho de 2013. Instrução Normativa nº 62 de 29 de dezembro de 2011 do MAPA. Acesso em: abril 2015.br/sislegis/action/detalhaAto. Ministério da Agricultura.pdf>.br/sistemas/be/copiar. Ministério da Defesa.agricultura. Ministério da Defesa. Brasília – DF. Ministério da Defesa. Ministério de Ciência.eb. Brasília – DF. Disponível em: <http://www. o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado. Comando Logístico. Departamento Logístico. Acesso em abril 2015.gov.mil.gov.br/_upados/_secoes/_sgls/_legislacao/por_normatica_219_md_de_alimen tacao_2010. BRASIL. de 12 de fevereiro de 2010.pdf>.mil. BRASIL. Acesso em: abril 2015. Portaria nº 18 COLOG. Pecuária e Abastecimento. Exército Brasileiro. Aprova as Normas para Controle de Caninos no Exército Brasileiro (NORCCAN). de 16 de outubro de 2008. BRASIL. 2009. Aprova o Regulamento de Segurança dos Alimentos das Forças Armadas – MD42-R-01. Departamento de Saúde Animal. Exército Brasileiro.br/arq_editor/file/Animal/Manual%20de%20Legisla%C3%A7%C3% A3o%20-%20Sa%C3%BAde%20Animal%20-%20low.dabst. de 17 de dezembro de 2010. Portaria Nº 036-DGS. Ministério da Defesa. Disponível em: <http://www. Disponível em: <http://www.eb. Aprova o Manual de alimentação das Forças Armadas. de 16 de dezembro de 1999. Disponível em: http://www.sgex. Boletim do Exército. Pecuária e Abastecimento.mil.mil. de 5 de dezembro de 2008.eb. BRASIL. de 16 de outubro de 2012. Exército Brasileiro. Boletim do Exército nr 49/2008.mil.pdf >. – Brasília : MAPA/SDA/DSA. Tecnologia e Inovação. nº 50. Aprova Normas para Inspeção de Alimentos e Bromatologia para a Força Terrestre.eb. Disponível em: <http://www. Portaria nº 006.eb. Acesso em: abril 2015. Ministério da Defesa. Comando Logístico. Disponível em: <http://www. Pecuária e Abastecimento. Acesso em: abril 2015. Brasília – DF. Identidade e Qualidade do Leite tipo A. nº 31. Secretaria de Defesa Agropecuária. Acesso em: abril 2015. em Tempo de Paz (IR 70-19). Acesso em: abril 2015. Comando Logístico.dabst. Disponível em: http://sistemasweb.1-31.dabst. BRASIL. Aprova as Instruções Reguladoras das Atividades de Remonta e Veterinária. Departamento-Geral de Serviços. BRASIL.do?method=consultarLegislacaoFe deral.com.php/biblioteca-de-normas-tecnicas/remonta-e-veterinaria/94>. BRASIL. altera IN 51/2002. Separata do Boletim do Exército. p. Aprovar o Regulamento Técnico de Produção.pdf>. o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado e o Regulamento Técnico da Coleta de Leite Cru Refrigerado e seu Transporte a Granel. Brasília – DF.br/secoes/sglrv/SEPBE50-10_NORCCAN_2010%5B1%5D.php?codarquivo=631&act. Portaria Normativa nº 753/MD de 30 de março de 2015. de 14 de dezembro de 2010.dabst. Ministério da Agricultura.dabst. Ministério da Defesa. Disponível em: <http.php?id=1. Acesso em: abril 2015 BRASIL. Acesso em: abril 2015.fooddesign.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.html. Acesso em: abril 2015.saude. Ministério da Saúde. 2003. Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Instrução Normativa nº 179. Secretaria de Atenção à Saúde. 2010. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde. A. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde. 44p. resgatados ou entregues espontaneamente às autoridades competentes. Diretrizes gerais para o trabalho em contenção com agentes biológicos / Ministério da Saúde. Classificação de risco dos agentes biológicos / Ministério da Saúde. 158 p.mprs.saude. MALAQUE. L. F..br/ministerio_saude/atencao_basica/cadernos_atencao_basica_22_vigil ancia_saude_zoonoses. Acesso em: abril 2015. Departamento de Vigilância epidemiológica. D. 3.M.br/bvs. Ed. Tecnologia e Insumos Estratégicos. SIZ / Ministério da Agricultura. Secretaria de Ciência. BRASIL. Secretaria de Ciência. BRASIL. Disponível em: http://www. CARDOSO. Brasília. Clínica e Terapêutica dos Acidentes. Pecuária e Abastecimento. M. HADDAD JR. BRASIL. 228 p. Departamento de Atenção Básica. São Paulo: Sarvier. Define as diretrizes e procedimentos para destinação dos animais da fauna silvestre nativa e exótica apreendidos. Brasília: Ministério da Saúde. Animais Peçonhentos no Brasil: Biologia.ctnbio.gov.cfmv. S.. 2013. Ministério da Agricultura. Vigilância em saúde: zoonoses / Ministério da Saúde. 438p. Brasília. Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência. Acesso em: abril 2015.br/ambiente/legislacao/id4757. Acesso em: abril 2015. de 25 de junho de 2008. 2010.medlearn. Ministério da Saúde. Acesso em: abril 2015. V. Disponível em: http://www... Ministério do Meio Ambiente. Acesso em: abril 2015. Brasília: Editora do Ministério da Saúde..ed. Disponível em: http://www. Ministério da Saúde. H. Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Vigilância epidemiológica.br/index.php/content/view/3913. Brasília: 2014. Disponível em: http://portal.gov. Acesso em: abril 2015.agricultura. Disponível em: http://www. Manual integrado de vigilância.br/bvs. BROOM. prevenção e controle de doenças transmitidas por alimentos / Ministério da Saúde. Brasília: MAPA/ACS. BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde.gov. BRASIL.br/portal/pagina/index/id/100/secao/1. Disponível em: www. C. Manual do sistema nacional de informação zoossanitária. 2009.pdf>.mp. J. 2010. 2010. Tecnologia e Insumos Estratégicos. Acesso em: abril 2015. 40p. Disponível em: <http://www. Guia de vigilância em saúde / Ministério da Saúde.gov.gov. Acesso em: abril 2015..F.gov. Secretaria de Vigilância em Saúde. . 812 p. – 2ª ed. Ministério da Saúde. BRASIL. Tecnologia e Insumos Estratégicos.classificação de riscos de Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e os níveis de biossegurança a serem aplicados nas atividades e projetos com OGM e seus derivados em contenção. BRASIL.br/portal/page/portal/Internet-MAPA/paginainicial/animal/sanidade-animal/informacoes-epidemiologicas. FRASER.saude. Disponível em: http://www.gov.br/bvs. F. WEN.br/bvs. 2. 468p. Brasília. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Secretaria de Ciência. Departamento de Atenção Básica. C..saude. ed. Disponível em: http://www. Barueri: Manole. 4. O. Guia brasileiro de boas práticas em eutanásia em animais – conceitos e procedimentos. Secretaria de Atenção à Saúde.com. Comportamento e bem estar de animais domésticos. 62p. FRANÇA.htm. 2012. S. 64p.

PALERNO-NETO. Porto Alegre: EDIPUCRS. ALESSI. G. L. R. O. A. 1737p. Patologia Veterinária. S. QUINN. Brasília.. J. BERNARDI. 4. S. K. 2010.: São Paulo. Manual de Controle higiênico-sanitário em alimentos. Rio de Janeiro: Elsevier. em exames orais e escritos. Microbiologia veterinária e doenças infecciosas. Nutrição e alimentação de equinos. P. J. 2011. 2015. A. SMITH. S. A.. 512p.]. E. 602p.. C. H. 356p.ed. ANDRADE NETO. J. Z. Disponível em: http://portal. ed. Porto Alegre: Artmed. M. R. SANTOS. Rio de Janeiro: Elsevier. Epidemiologia: teoria e prática.C. FEIJÓ. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Acesso em: abril 2015. S. Aprova o código de ética do médico veterinário. 1476 p. S. Porto Alegre: Artmed. 2010. L. L. M.. Resolução Nº 722. SILVA JÚNIOR. A. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. São Paulo: Roca. 2ª ed. R. 693p. J.H. NELSON. R. ARUNDEL. 2007. RADOSTITS. SILVA. 7ª ed. 2013.google.. <Disponível em books. S. L. JERICÓ. de 16 de Agosto de 2002. SPINOSA. suínos. 2008. R. São Paulo: Roca. M. Animais na pesquisa e no ensino: aspectos éticos e técnicos. 2011. 2011. M. Aline Santana da Hora et al.. FRAPE. M. M. B.ed. Fundamentos de Patologia Clínica Veterinária. C. 2014. M. [trad. Rio de Janeiro: Roca.br/portal/pagina/index/id/62/secao/2.. 2004. V. A. GÓRNIAK.. COUTO. Bases da patologia em veterinária. 1504p. J. 2010. São Paulo: Roca. 729p. J. 2007. G.G. 472p.. FORSYTHE. 4.com. 2008. PEREIRA. R.. São Paulo: Atheneu. 824p. SP: Manole. P. Microbiologia da segurança dos alimentos. Medicina interna de grandes animais. ed. M. BRAGA. McGAVIN.gov. D. P. 2394p. 493p.. S.br/books?isbn=8574309281>. W.ed. LUIZ. . Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos: qualidade das matérias primas. caprinos e equinos. Co-editores CARVALHO. na clínica. Porto Alegre: Artmed. HARARI. J. Parasitologia na medicina veterinária. 2009.G. STOCKHAM. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. ZACHARY. 2006. D.]. 2011. MEDRONHO. M. Manole.. 2010. L. GERMANO. J. GERMANO. 596p.. SPINOSA. BLOCH. [trad. M. G.]. M. C. Epidemiologia. 5. 3.. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. ovinos. G.L. KOGIKA. L. Augusto Langleloh et al. Tratado de Animais Selvagens – Medicina Veterinária. M. 892p. 2002... CATÃO-DIAS. S. 3. L. F. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 1034p. 1354p. MONTEIRO. M. 2. Fernanda Maria de Carvalho e Clarisse Simões Coelho]. GORNIAK. Barueri: Manole..ed. Medicina interna de pequenos animais. Acesso em: maio 2014. S. [trad. [trad. São Paulo: Roca. Toxicologia aplicada à Medicina Veterinária. ed.. Adriana de Souza Coutinho et al. Segredos em Cirurgia de pequenos animais: resposta necessária ao dia-a-dia em rounds. PITREZ. CUBAS.M. doenças transmitidas por alimentos.. 2005. Varela. 4.CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. WERNECK. I. Farmacologia aplicada à medicina veterinária. M. D. SCOTT. Barueri. M. J. H. Clínica veterinária: um tratado de doenças dos bovinos. P. 942p. 421p. S. 607p. treinamento de recursos humanos.cfmv. P. 1728p.

R. POTIER. TIZARD. Imunologia Veterinária: Uma Introdução. I. São Paulo: MedVet. 587p. G.M. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.TAYLOR. R.A. TUDURY. A. São Paulo: Roca. 2009. M.ed. 2008.. 447p.ed. 236p. Tratado de Técnica Cirúrgica Veterinária.. 8. 2010. Nutrição para cães e gatos. São Paulo: Roca.A. R. WORTINGER. COOP.. A. Parasitologia Veterinária 3.. 2009. . 642 p. WALL. E. L.