1

FPB - FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA
GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

ALYNNE PONTES BERNARDO
ANA TÉRCIA MUNIZ DE LIMA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO
LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA CONSTRUÇÃO DE UM HOSPITAL

JOÃO PESSOA – PB
DEZEMBRO/2014

JOÃO PESSOA – PB DEZEMBRO/2014 . Professor Orientador: Ivanhoé Bezerra Período: 12 de Agosto de 2014 a 02 de Dezembro de 2014.2 ALYNNE PONTES BERNARDO ANA TÉRCIA MUNIZ DE LIMA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA CONSTRUÇÃO DE UM HOSPITAL Relatório de Estágio apresentado à Faculdade Internacional da Paraíba como requisito para a conclusão do Estágio Supervisionado.

aprovada em: ______/______/______. da Faculdade Internacional da Paraíba. Williams da Silva Guimarães de Lima .3 ALYNNE PONTES BERNARDO ANA TÉRCIA MUNIZ DE LIMA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA CONSTRUÇÃO DE UM HOSPITAL Relatório submetido ao corpo docente do Curso de Engenharia Ambiental. Williams da Silva Guimarães ______________________________________________________________________ Avaliador (a): Professor Me. BANCA EXAMINADORA ______________________________________________________________________ Orientador (a): Professor Me.

com o fito de atender o mercado da construção civil.4 IDENTIFICAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGIO Identificação da Empresa: Engeform – Comércio e Construções Ltda Filial: Bairro: Várzea Nova CEP: 58038-220 Endereço: Rodovia BR 230/SN – km 36 Cidade: Santa Rita/PB Telefone: (83) 3229-8694 SETOR DE EXECUÇÃO DE OBRA Data de início: 12/08/2014 Data de término: 02/12/2014 Duração em horas: 30 horas semanais Nome dos profissionais: Alynne Pontes Bernardo/ Ana Tércia Muniz de Lima Supervisor de Estágio: Maurício Machado Pereira/André Luiz de Marchi Colino APRESENTAÇÃO DA EMPRESA . . (ENGEFORM. Portanto para que atinja suas finalidades básicas. com capacidade de suportar choques. crescer e manter-se sustentável. sendo que isto é condição necessária para o desenvolvimento humano e a inovação da gestão a que hoje é exigida pelo mercado. mesmo sob dificuldades prolongadas. a mesma vem se adequando as novas exigências do mercado. por isso há uma qualificação de saberes e aprendizagem por meio de práticas e intercâmbio de conhecimentos. porém diante da mobilidade social. prioritariamente mantendo uma equipe qualificada. 2014). é uma empresa atuante na área da Construção Civil. o mundo e o mercado estão sempre em constante modificação. visto que. criada no dia 25 de março de 1977. adaptável. o social. de forma que suas ações apresentem-se economicamente viáveis e que não comprometam os recursos naturais. ou seja. ou seja. se faz necessário obedecer ao tripé da sustentabilidade. Assim requer sua atuação de forma a conservar uma organização que prospere nesta realidade. comprometida com o meio ambiente.Redefinição da apresentação da empresa A Engeform – Comércio e Construções Ltda. o econômico e o ambiental. vem atuando de forma a executar ações no âmbito de gestão ambiental. baseada em valores comuns. Procurando respeitar o meio ambiente.

......................................... Verificações Técnicas:.................................. REFERÊNCIAL TEÓRICO..................................................................6 2......................... INTRODUÇÃO...................................................................................16 REFERÊNCIAS.................... CONSIDERAÇÕES FINAIS........................................1 Check list para obtenção da LI........................................................................................................................14 3.............................. ANÁLISE E DISCUSSÃO..........................7 3...................1............5 SUMÁRIO 1..........................................1........................................17 ....................................................................................................15 4.....15 5........... ATIVIDADES DESENVOLVIDAS..................14 3...........................

particularmente de hospitais vem sendo discutidos desde 2002. destacando-se a aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS nas instâncias competentes. Acredita-se que a sustentabilidade ambiental pode ser afetada pela regularização ambiental dos empreendimentos do setor saúde. principalmente no que tange ao correto manejo dos resíduos de serviços de saúde produzidos em seus hospitais.6 1. Neste sentido. O procedimento inicia-se com o requerimento da guia de Orientação ao Licenciamento Ambiental – OLA que aponta a listagem da documentação necessária que o gestor deve apresentar. o qual corresponde à etapa inicial da obra e que apresenta maior vínculo com a área ambiental. e especificar as experiências vividas durante este período. INTRODUÇÃO O presente documento tem como objetivo apresentar as atividades do estágio supervisionado. o qual é responsável por planejar e executar as obras de construção civil do Hospital Metropolitano de Santa Rita. As atividades realizadas durante o estágio incluem a obtenção de licença de instalação da obra. o presente trabalho objetivou analisar a situação do Licenciamento Ambiental do setor saúde e verificar se o estudo das dificuldades apontadas no licenciamento dos hospitais poderia representar um avanço para a sustentabilidade ambiental. Considerando a diversidade de atividades realizadas. . como também a implantação do PCMAT. a fim de estabelecer um vínculo entre o conteúdo teórico apresentado em sala de aula e a prática vivenciada na empresa. implantação do PCMAT e a elaboração de medições e aditivos de serviços. O licenciamento de estabelecimentos de saúde. optou-se por dar enfoque à etapa de obtenção de licenciamento da obra. quando do estabelecimento das novas legislações da Agencia Nacional de Vigilância SanitáriaANVISA (2004) e Conselho Nacional de Meio Ambiente .CONAMA (2005). com a tentativa de adequações. O desenvolvimento do estágio foi realizado no setor de execução de obras.

. compatibilizando desenvolvimento econômico social com preservação da qualidade do meio-ambiente. O licenciamento ambiental é ainda e antes de tudo. considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis. equilíbrio ecológico e desenvolvimento sustentável. A principal intenção do Licenciamento Ambiental é tornar legais as atividades causadoras de impacto negativo sobre o meio ambiente. recursos e autonomias. independente de concessão ambiental. em que compete ao órgão responsável. para a localização. O controle é realizado através de um procedimento executado pelo poder público. Este tipo de administração tem por objetivo repartir adequadamente responsabilidades. adequação ou correção de técnicas de produção. Foi a Constituição Federal de 1988. Para tanto. a gestão ambiental pública é estudada de maneira sistemática. Este tipo de arranjo político e administrativo demonstra o arcabouço institucional do poder público de consolidar o processo de gestão compartilhada. manejo de matérias-primas ou substâncias utilizadas. criado pela Lei 6. enquadra estas atividades através de mecanismos de controle. Quando um ente federativo. que estabeleceu serviços comuns a todos os entes federativos.938/81 e direcionado especificamente para controlar as atividades que têm o potencial de causar degradação ambiental. REFERENCIAL TEÓRICO Por ser um tema bastante amplo e de interesse social. como é o caso das unidades federadas. dar a permissão ou não. um instrumento administrativo. instalação.( Qualquer atividade econômica que utilize recursos naturais e seja capaz de alterar negativamente as condições ambientais deve atentar e atender ao que está observado na legislação de proteção ao meio ambiente. entre eles a preservação do meio ambiente. trazem consigo uma série de benefícios para minimizar as dificuldades como acesso de usuários até o favorecimento da participação da população envolvida e as condições para mediar conflitos. assumem seu papel constitucional. ampliação e operação de empreendimentos que possam ser considerados efetivos ou potencialmente poluidores. representado pelos órgãos ambientais. criando uma característica de complementaridade.7 2. chamado licenciamento ambiental.

O produto do licenciamento ambiental são Alvarás Ambientais que estão fundamentados sem normas e princípios do Direito Administrativo e podem ser de diferentes tipos. Durante o processo de licenciamento se estabelece mecanismos de controle ambiental que buscam fazer intervenções setoriais visando a melhoria e/ou a recuperação da qualidade ambiental. de 19 de dezembro de 1997. no inciso IV do . ficando as leis federais como complemento às lacunas dos recursos locais. restrições e medidas de controle ambiental que deverão ser obedecidas pelo empreendedor. ou aquelas que. para pessoas físicas ou jurídicas. instalar. sob qualquer forma. da Resolução Conama n° 237. A Constituição da República não traz expressamente o termo “licenciamento ambiental”. Neste caso. mediante proposta do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). antes se utilizam de suas próprias normas. para localizar. da aludida Resolução. os Estados não se submetem as normas federais. desde licenças até autorizações. O artigo 1º. possam causar degradação ambiental”. sendo concedido por cada Unidade Federada. ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais. traz o seguinte conceito de licenciamento ambiental: “Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização. define licença ambiental como: “Ato administrativo pelo qual o órgão ambiental competente. possam causar degradação ambiental. estabelece as condições. instalação. As normas gerais e critérios para o licenciamento são de competência do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA). públicas ou privadas que se utilizem de recursos naturais.8 Para a condução do licenciamento ambiental é feito um processo de avaliações preventivas e que examinam os aspectos ambientais do projeto em suas diferentes fases. embora muitos Estados tenham suas próprias leis. inciso II. exigidos durante as fases do Licenciamento. inciso I. pessoa física ou jurídica. considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis ao caso” O artigo 1º. A exigência de licenciamento tem amparo na Constituição Federal e está regulada pela legislação ordinária. mas. Estes são os Estudos Ambientais. mas impõe ao Poder Público. consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras. ampliar e operar empreendimentos ou atividades utilizadoras dos recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou aquelas que. sob qualquer forma.

ampliar. bem como os capazes.938.detenção. . da Lei 6. instalar ou fazer funcionar. instalação. ou ambas as penas cumulativamente). de . a que se refere o artigo 10 da Lei nº 6.A previsão do licenciamento na legislação ordinária surgiu com a edição da Lei nº 6. ou multa.A construção. instalação. em caráter supletivo. Construir.IBAMA. e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis . 10 . de 1989) A regulamentação dessa competência originária do IBAMA é feita pelo art.938/81 Art. de causar degradação ambiental.9 parágrafo único do artigo 225. Art.938. de 31 de agosto de 1981. Conforme a Lei 6.804. Resolução 237/97 Art. de causar degradação ambiental. que comina pena de detenção. 5º. 4º. integrante do Sistema Nacional do Meio Ambiente . considerados efetiva ou potencialmente poluidores. sob qualquer forma. de um a seis meses. para a instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente”. “o dever de exigir e dar publicidade ao estudo prévio de impactos ambientais. 60. Estados. o licenciamento ambiental. 60. (Redação dada pela Lei nº 7. ampliação e funcionamento de estabelecimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais.605/98.IBAMA. da Lei 9.SISNAMA. sob qualquer forma. de 31 de agosto de 1981. integrante do Sisnama sem prejuízo de outras licenças exigíveis. dependerão de prévio licenciamento por órgão estadual competente. Municípios e DF) estão habilitadas a conceder licença ambiental.Compete ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis . dependerão de prévio licenciamento de órgão estadual competente. ampliação e funcionamento de estabelecimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais. órgão executor do SISNAMA. estabelecimentos. obras ou serviços potencialmente poluidores. 7º da Resolução 237/97 do Conama é do órgão ambiental estadual. Como regra a competência (atribuição legal) para a concessão do licenciamento ambiental. em qualquer parte do território nacional. reformar. 10.938/81 e artigos 4º. ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes (Pena . 4º .” Todas as esferas governamentais (União. 6º. bem como os capazes. O licenciamento é obrigatório e isso vem expresso no art. conforme dispositivos legais dispostos no art. considerados efetiva e potencialmente poluidores. sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes. que em seu artigo 10 estabelece: “A construção. sem prejuízo de outras licenças exigíveis.

às expensas do empreendedor. A não observação dos prazos estipulados sujeitará o licenciamento à ação do órgão que detenha competência para atuar supletivamente e. 16). tendo como limite máximo o prazo de 6 (seis) meses a contar do protocolo do requerimento. desde que devidamente justificados. Caberão ao empreendedor os custos do licenciamento. Há possibilidade de alteração dos prazos estabelecidos acima. Art. ouvidos os órgãos competentes da União. É o que determina de forma clara o art. da Resolução 237. 14 . 11 da Resolução 237/97. quando couber.O órgão ambiental competente poderá estabelecer prazos de análise diferenciados para cada modalidade de licença (LP. Quanto à competência dos órgãos ambientais municipais. ressalvados os casos em que houver EIA/RIMA e/ou audiência pública.Compete ao órgão ambiental municipal. nos seguintes termos: Art. para o empreendedor. LI e LO). 6º. o licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades de impacto ambiental local e daquelas que lhe forem delegadas pelo Estado por instrumento legal ou convênio. quando o prazo será de até 12 (doze) meses.10 empreendimentos e atividades com significativo impacto ambiental de âmbito nacional ou regional. 2. há o disciplinamento estabelecido pelo art. em função das peculiaridades da atividade ou empreendimento. Se o empreendimento ou atividade demandar EIA/RIMA e/ou audiências públicas o limite máximo é de 12 meses. dos Estados e do Distrito Federal. 11 . Prazos: Art. o arquivamento de seu pedido de licença (art. 6º . Licenciamento Ambiental .Os estudos necessários ao processo de licenciamento deverão ser realizados por profissionais legalmente habilitados. desde que observado o prazo máximo de 6 (seis) meses a contar do ato de protocolar o requerimento até seu deferimento ou indeferimento. bem como para a formulação de exigências complementares. Poderão existir prazos diferenciados para o encerramento do procedimento em razão da singularidade de cada empreendimento ou atividade.1.

ou que sejam potencialmente poluidores ou que possam causar degradação ambiental. explosões e incêndios. ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais. É importante lembrar que as licenças ambientais estabelecem as condições para que a atividade ou o empreendimento cause o menor impacto possível ao meio ambiente. Por isso.11 É o procedimento administrativo realizado pelo órgão ambiental competente. o licenciamento ambiental é um procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização. emissões atmosféricas. ruídos e o potencial de risco. a Resolução nº 237 do CONAMA . Sendo assim. possam causar degradação ambiental. O licenciamento é um dos instrumentos de gestão ambiental estabelecido pela lei Federal n. também conhecida como Lei da Política Nacional do Meio Ambiente. instalação. como por exemplo. o qual é composto por diversas modalidades de licenças. para licenciar a instalação. com a solicitação de Licença Prévia.Conselho Nacional do Meio Ambiente definiu as competências da União. de 31/08/81. estadual ou municipal. No licenciamento ambiental são avaliados impactos causados pelo empreendimento. sob qualquer forma. . modificação e operação de atividades e empreendimentos que utilizam recursos naturais. Estados e Municípios e determinou que o licenciamento deverá ser sempre feito em um único nível de competência. considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis ao caso. ampliação. Para o Estado da Paraíba os procedimentos relacionados a licenciamento ambiental são regulamentados pelo Sistema Estadual de Licenciamento de Atividades Poluidoras – SELAP. . resíduos sólidos. consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que.º 6938. tais como: seu potencial ou sua capacidade de gerar líquidos poluentes (despejos e efluentes). qualquer alteração deve ser submetida a novo licenciamento.Em 1997. que pode ser federal.

Esta licença não autoriza o funcionamento do empreendimento ou atividade.° 237 de 19 de dezembro de 1997 . Prazo: prazo de validade mínima estabelecida no cronograma e não podendo ser superior a dois anos. com as medidas de controle ambiental e condicionantes determinados para a operação". b) Licença de Instalação (LI) Definida no Inciso II do Art. programas e projetos aprovados. após a verificação do efetivo cumprimento do que consta das licenças anteriores.12 2. aprovando sua localização e concepção.2. Modalidades de Licenças Ambientais a) Licença Prévia (LP) Definida no Inciso I do Art. 8° da Resolução CONAMA N. . Prazo: Terá prazo igual ao estabelecido no cronograma dos planos. não autoriza o início de obras físicas.° 237 de 19 de dezembro de 1997 . programas e projetos pertinentes ao empreendimento ou atividade objeto do licenciamento. incluindo as medidas de controle ambiental e demais condicionantes. c) Licença de Operação (LO) Definida no Inciso III do Art. não podendo ser superior a dois anos. atestando a viabilidade ambiental e estabelecendo os requisitos básicos e condicionantes a serem atendidos nas próximas fases de sua implementação"."autoriza a instalação do empreendimento ou atividade de acordo com as especificações constantes dos planos. 8° da Resolução CONAMA N. É importante observar que a Licença Prévia como é concedida na fase preliminar do planejamento do empreendimento. da qual constituem motivo determinante". 8° da Resolução CONAMA N."autoriza a operação da atividade ou empreendimento.° 237 de 19 de dezembro de 1997 - "concedida na fase preliminar do planejamento do empreendimento ou atividade. Prazo não podendo ser superior de dois anos.

plantas. atividades. g) Autorização Ambiental (AA) Será concedida para estabelecer as condições de realização ou operação de empreendimentos. Prazo: seu prazo de validade ou renovação será no mínimo aquele estabelecido no cronograma operacional.). portarias de lavra etc. obedecendo obrigatoriamente a compatibilidade do processo de licenciamento com suas etapas e instrumentos de planejamento. implantação e operação de empreendimentos ou atividades exclusivamente de porte micro. e no máximo não superior a dois anos. memoriais. pesquisa. conforme exigidos pela órgão ambiental. Caso o empreendimento. e) Licença Simplificada (LS) Será concedida para localização. pesquisas e serviços de caráter temporário ou para execução de obras que não caracterizem instalações permanentes. passe a . Prazo: Seu prazo de validade mínima será estabelecido no cronograma operacional. Prazo: prazo de validade mínima estabelecida no cronograma e não podendo exceder ao prazo da licença da operação vigente. f) Licença de Instalação e Operação (LIO) Será concedida exclusivamente para autorizar ou regularizar a implantação de projetos de assentamento de reforma agrária conforme as especificações do projeto básico. medidas e condições de controle ambiental estabelecidas pelo órgão ambiental. autoriza a ampliação ou alteração do empreendimento ou atividade. normas. serviço ou obra de caráter temporário. atividade.13 d) Licença de Alteração (LA) Condicionada à existência e validade da Licença de Operação (LO). e máximo não superior a três anos. implantação e operação (roteiros de caracterização.

1 Check list para obtenção da LI Foi realizada uma análise na LP para identificar as condicionantes exigidas pelo órgão ambiental. será exigida a licença ambiental correspondente em substituição à Autorização expedida. o mesmo ficará responsável pela obtenção da Licença de Instalação para poder dar início à execução da obra. Após o certame ser concluído e ter sido proclamado o vencedor. Prazo: prazo de validade mínima estabelecida no cronograma operacional. Vale ressaltar que por ser uma obra pública a Licença Prévia foi adquirida na fase de planejamento pelo órgão responsável pela fiscalização da execução da obra. Após a análise foi feita a junção da documentação necessária para obtenção da LI. e máximo não superior a um ano. 4. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 3. a inspeção técnica para fins de averiguação das conformidades da determinada atividade em questão. 3. Verificações técnicas: Para obtenção de licenças ambientais de atividades ou empreendimentos potencialmente poluidores.14 configurar situação permanente. 3. foi possível estabelecer um vínculo entre o conteúdo teórico apresentado em sala de aula e a prática vivenciada na empresa. onde foram realizada as nossas atividades.1. especialmente no que se refere ao Licenciamento Ambiental. . ANÁLISE E DISCUSSÃO Durante o período de estágio. como também a implantação do PCMAT. é preciso requerer junto à SUDEMA.1. conforme exigido pelo órgão ambiental.

. devem obedecer à legislação ambiental com o intuito não apenas de alcançar suas licenças. O estágio supervisionado é primordial na formação de um Engenheiro Ambiental. foi uma experiência de suma importância para a vida profissional. sendo estes requisitos adquiridos ao longo da vida acadêmica e a vivência no período de estágio. sob qualquer forma. bem como os procedimentos que devem ser seguidos.15 O objetivo foi acompanhar o processo para a obtenção da licença de instalação do empreendimento. que constitui o principal mecanismo estatal de controle e defesa do meio ambiente. A teoria vista em sala de aula. mas também como uma maneira de minimizar os impactos causados ao meio ambiente. é possível identificar e mensurar riscos que o exercício das mais variadas atividades econômicas pode trazer para o desequilíbrio das características ambientais de determinado espaço territorial. bem como assegurar o cumprimento da legislação em vigor. consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que. tendo em vista que. a aplicação das leis ambientais pertinentes ao empreendimento. Foi possível constatar na prática. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Durante a elaboração desse relatório compreendemos a importância do Licenciamento Ambiental. atendendo as leis ambientais exigidas pelo órgão licenciador. Corretamente aplicado. e concretizada na prática. Foi constatado que todas as atividades utilizadoras de recursos ambientais. possam causar degradação ambiental. o mercado de trabalho exige cada vez mais profissionais preparados e qualificados.

2014.mma. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível: http://www.d.htm. de 07 de setembro de 2004 – Dispõe sobre o regulamento técnico para gerenciamento de resíduos de serviços de saúde.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado. Secretaria de Fiscalização de Obras e Patrimônio da União.gov.br/novosite/site/page/view/identidade-corporativa. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. Licenciamento Ambiental: documentos e formulários para requerimento de licenças. 2004. 2014. Secretaria dos Recursos Hídricos. Disponível em: http://www. do Meio Ambiente.com.planalto. Superintendência de Administração do Meio Ambiente.br%2Fhotsite%2Fsegurancadopaciente%2Fdocumentos%2Frdcs %2FRDC%2520N%25C2%25BA%2520306-2004. Identidade cooperativa.80642063. Resolução RDC nº 306.gov.br/estruturas/sqa_pnla/_arquivos/cart_tcu. Acesso em: 25 nov. Acesso: 28 nov.google.pdf&ei=YKR4VIPcLYWWNq6gZAH&usg=AFQjCNFvL4fSMNM4W12rV9SAyVQrWzxyAw&bvm=bv. Disponível em: http://www.engeform.sudema.2014.Constituição Federal (1988). ANVISA. Acesso em: 25 nov. 2014. ESTADO. 2014.com. ENGEFORM. Disponível em: http://www. Cartilha de licenciamento ambiental / Tribunal de Contas da União .16 REFERÊNCIAS BRASIL.br/url? sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&sqi=2&ved=0CB0QFjAA&url=http%3A%2F %2Fwww. Acesso em: 25 nov.anvisa.PDF. DF: Senado 1988. .php? option=com_wrapper&view=wrapper&ltemid=100043. da Ciência e da Tecnologia do Estado da Paraíba. ___________. Disponível em: http://www.br/index.pb.Brasília: TCU.eXY.gov. Acesso: 05 dez.

de 2014. . Resolução Nº 237.pdf. ___________. de 2014.mma.mma. Acesso em: 25 de nov. de 19 de dezembro de 1997. Disponível em: http://www.html.br/port/conama/res/res97/res23797.gov.gov. março de 2004. Acesso em: 25 de nov.Manual de Licenciamento Ambiental. Disponível em: http://www.br/estruturas/sqa_pnla/_arquivos/cart_sebrae.17 Ministério do Meio Ambiente .