You are on page 1of 82

MÁRCIA LIE ITO

ESTRUTURAS METÁLICAS
ESTUDO DE VIABILIDADE EM
EDIFÍCIOS COMERCIAIS

Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado
à
Universidade
Anhembi Morumbi no âmbito do
Curso de Engenharia Civil com
ênfase Ambiental.

SÃO PAULO
2005

ESTRUTURAS METÁLICAS
ESTUDO DE VIABILIDADE EM
EDIFÍCIOS COMERCIAIS

Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado à Universidade
Anhembi Morumbi no âmbito do
Curso de Engenharia Civil com
ênfase Ambiental.
Orientador:
Prof. Tiago Garcia Carmona

SÃO PAULO
2005

i

Aos meus queridos pais Hiroshi e Yuriko

ii

AGRADECIMENTOS
Aos meus colegas de faculdade e serviço que colaboraram na busca de informações
e contatos para elaboração deste trabalho, em especial aos meus amigos Emerson,
Penha e Luciano.

Ao CBCA – Centro Brasileiro da Construção em Aço, COSIPA (Companhia
Siderúrgica Paulista), Açominas e ABCEM (Associação Brasileira da Construção
Metálica) pelo apoio e materiais fornecidos.

Aos professores da Universidade Anhembi Morumbi, especialmente ao prof. Tiago
Garcia Carmona e Dr. Antônio Carlos da Fonseca Bragança Pinheiro que coordenou
as idéias e orientou na busca de informações para elaboração deste trabalho e a
professora mestra Jane Luchtenberg Vieira, professor mestre Célio Daroncho e Dr.
Wilson Shoji Iyomasa sempre nos incentivando e contribuindo com todas as normas
e conhecimentos para elaboração e formatação deste documento.

A Construtora Inpar, a Codeme e ao Escritório de arquitetura Roberto Candusso, em
especial a arquiteta Malu e ao engenheiro Faversani, pelas informações e imagens
cedidas e ao Fagner por toda a paciência, o incentivo e a colaboração às visitas e
fotos da obra estudada.

portanto. porém quanto a execução da estrutura. são apresentadas as vantagens proporcionadas com a utilização do sistema de estrutura metálica em diversas atividades executadas em uma obra. Este trabalho visou apresentar fatores que devem ser analisados na escolha do método estrutural de estruturas metálicas para construção de prédios comerciais.3 RESUMO As edificações tem apresentado sistemas industrializados de construção em vários segmentos. No estudo de caso apresentado neste trabalho. a rapidez da construção em estruturas metálicas não foi a característica que motivou a construtora a optar por este sistema e sim a redução do consumo de concreto devido a dificuldade de logística de acesso dos caminhões betoneira. Palavras Chave: Estruturas Metálicas. Construção em Aço . Os sistemas de estruturas de concreto armado e as estruturas metálicas não devem ser comparadas de modo competitivo mas sim a de tirar proveito do melhor de cada um dos sistemas. é comum a utilização do concreto armado.

the speed of the construction in metallic structures was not the characteristic that motivated the constructor to choose this system and yes. Steel building . the reduction in the concrete consumption because the access of the concrete truck mixer was too difficulty and restricted. how ever the execution of the structure is common the use of the armed concrete. The systems of structures of armed concrete and the metallic structures do not have to be compared in competitive way but to take off advantage of the best of each one of the systems.ABSTRACT The building have presented industrialized systems of construction in some segments. This work aimed at to present factors that must be analyzed in the choice of the structural method of metallic structures for construction of commercial building. In the study of case presented in this work. Key Worlds: Metallic structures. the proportionate advantages with the use of the system of metallic structure in diverse activities executed in a workmanship are presented. therefore.

53 Figura 6. soldadas nos pilares.8: Projeto de Montagem.5: Comparativo de custo entre as estrutura de aço e convencional em relação aos itens comuns.10: Execução da estrutura metálica.4: Lajes de painéis armados de concreto celular . 61 Figura 6. 26 Figura 5.LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 5. 46 Figura 6. 61 Figura 6. 62 Figura 6.2: Comparativo de custo entre as estrutura quanto ao tipo. 27 Figura 5. 43 Figura 5. 64 Figura 6. 25 Figura 5.7: Detalhe da marquise.1: Fachada frontal do Hotel Íbis Paulista.2: Balizamento da alvenaria pelos pilares de aço.6: Economia obtida entre as estrutura de aço e concreto armado 59 Figura 6.3: Assentamento de alvenaria com blocos de concreto.11: Montagem da cobertura em estruturas metálicas.7: Ilustração da laje Steel Deck. 64 65 .9: Cobertura em policarbonato e estrutura metálica.4: Comparativo de custo entre as estrutura de aço e convencional. considerando as instalações e manutenção de canteiro de obra. 56 Figura 6. 49 Figura 6.8: Concretagem de laje Steel Deck.1: Treliças telescópicas apoiadas na mesa superior do perfil. utilizando barras de espera. 26 Figura 5. planta da marquise. 52 Figura 6. Figura 6. 63 Figura 6.13: Ambiente fachada pré-fabricada GFRC.12: Ambiente limpo em estrutura steel frame para receber placas de gesso acartonado. 57 Figura 6.3: Comparativo de custo entre as estrutura quanto a fundação.

LISTA DE TABELAS

Tabela 2.1: Consumo de aço bruto de alguns países.................................................17
Tabela 5.1: Comparativo quanto a administração da obra.........................................30
Tabela 5.2: Comparativo quanto a Fundação.............................................................31
Tabela 5.3: Comparativo quanto a execução das lajes..............................................32
Tabela 5.4: Comparativo quanto a execução das paredes.........................................33
Tabela 5.5: Comparativo quanto a execução dos revestimentos...............................33
Tabela 5.6: Comparativo quanto as Instalações.........................................................34
Tabela 5.7: Comparativo quanto aos prazos de execução.........................................34
Tabela 5.8: Comparativo quanto aos custos financeiros............................................35
Tabela 5.9: Critérios para utilização do aço................................................................36

vii

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS
a.C

Antes de Cristo

CET

Companhia de Engenharia de Tráfego

CSN

Companhia Siderúrgica Nacional

FEM

Fábrica de Estruturas Metálicas

GFRC

Glass Fiber Reinforced Concrete

SMT

Secretaria Municipal dos Transportes

SPEM

São Paulo Estruturas Metálicas

PMSP

Prefeitura do Município de São Paulo

PVC

Policloreto de Vinila

8

SUMÁRIO

1

INTRODUÇÃO................................................................................................. 10

1.1

Primeiras Evidências da Utilização do Aço.................................................10

1.2

Construções em Aço dos Séculos 19 e 20.................................................. 11

1.3

Construções em Aço no Brasil..................................................................... 13

2

OBJETIVOS.....................................................................................................17

2.1

Objetivo Geral................................................................................................. 18

2.2

Objetivos Específicos.................................................................................... 18

3

METODOLOGIA DO TRABALHO...................................................................19

4

JUSTIFICATIVA............................................................................................... 20

5

ESTRUTURAS METÁLICAS...........................................................................22

5.1

Vantagens no Uso do Aço.............................................................................23

5.2

Comparação entre Estruturas Metálicas com Estruturas de Concreto
Armado ........................................................................................................... 29

5.3

Critérios para a Utilização de uma Estrutura de Aço................................. 35

5.4

Critérios de Viabilidade Econômica............................................................. 36

5.5

Projeto da Estrutura.......................................................................................37

5.5.1

Projeto de Engenharia.............................................................................. 38

5.5.2

Projeto de Fabricação............................................................................... 41

5.5.3

Projeto de Montagem................................................................................45

9

6

ESTUDO DE CASO.........................................................................................49

6.1

Apresentação..................................................................................................49

6.2

Custo das estruturas......................................................................................51

6.3

Custo de fundações....................................................................................... 52

6.4

Custo de alvenarias e revestimentos...........................................................53

6.5

Custo de instalações de unidades, equipamentos e manutenção de
canteiro .......................................................................................................... 54

6.6

Custos comuns...............................................................................................56

6.7

Custos financeiros......................................................................................... 58

6.8

Logistica da obra............................................................................................59

6.9

Fornecimento e montagem da estrutura..................................................... 62

6.10

Fechamentos internos e externos................................................................64

7

CONCLUSÕES................................................................................................ 66

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......................................................................... 70
APÊNDICE.................................................................................................................. 74
ANEXO........................................................................................................................78

Babilônia e Índia. aproximase a 30 kg de aço estrutural por habitante (FREITAS. com a Revolução Industrial. devido às vantagens proporcionadas e a boa performance construtiva em vários tipos de edificações. . na França surgem os perfis de seção I de ferro forjável. em meados do século 19. eram laminadas para utilização em trilhos para estradas de ferro e. Paralelamente. a Europa e o Japão. .C. principalmente em regiões desenvolvidas como os Estados Unidos. ou como elemento de adorno nas construções. o consumo na Europa é de 20 kg de aço estrutural por habitante e nos Estados Unidos. encontraram-se as primeiras evidências da obtenção do ferro para fins militares. 2004). 1. a utilização de sistemas de estruturas metálicas em aço. em civilizações como as do Egito. pois era considerado um material nobre devido a sua raridade (BELLEI et al. não passa de 5 kg de aço estrutural por habitante. Porém. ocorreu um aumento da utilização do ferro em escala industrial.1 0 1 INTRODUÇÃO No início do século 21. a utilização de aço no Brasil ainda é pequena se comparada com estes países.1 Primeiras Evidências da Utilização do Aço Aproximadamente a 6 mil anos a. França e Alemanha. em 1854. 2005). Em média. desenvolveram-se progressos na elaboração e conformação deste metal. em países mais desenvolvidos como Inglaterra. Em 1830. vem sendo implementada em grande escala. peça fundamental na construção civil em aço.. Muito tempo depois.

na Ingleterra.. 2004). que foi considerada como a primeira obra importante em ferro. apresentou um sistema estrutural pioneiro das modernas estruturas de aço do ano 2005. Em 1851. em 1879. 2004). inicia-se a era dos grandes edifícios metálicos. construído sobre quatro pilares da antiga ponte sobre o rio Marne.Em 1779. . Willian le Baron Jenney. o que não era possível de se obter anteriormente com parafusos comuns (BELLEI et al. 1. em 1884. o Tocama Building. projetado por Jenney em 1885. de forma a aproveitar a energia hidráulica do rio. com o Palácio de Cristal em Paris. O Home Insurance Building. 2004). Este edifício antecipa alguns elementos estruturais da construção em aço.. o primeiro edifício com ligações rebitadas que resultaram maior rigidez nas estruturas metálicas. em 1872. provou suas teorias sobre a estrutura de ferro.. no Leiter Bulding 1. o peso das paredes era transferido para um vigamento de ferro e respectivas colunas embutidas em alvenaria que. abriu seu escritório de Arquitetura em Chicago e. só serviu de enchimento do vão livre (BELLEI et al. Holaird e Roche construíram. Jules Saulnier construiu a fábrica de chocolates de Noisiel-Sur-Name. Neste projeto. devido à estabilidade lateral do prédio garantida por uma rede de diagonais. fundador e líder da Escola de Chicago. foi construída a ponte sobre a Severn em Coalbrokdale. e em Londres. O sistema é idêntico ao de contraventamento encontrado em construções em estruturas metálicas existentes no ano de 2005 (BELLEI et al. Trata-se de um edifício de andares múltiplos. por sua vez.2 Construções em Aço dos Séculos 19 e 20 Em 1868.

Muitos progressos foram feitos nos métodos de executar ligações nas estruturas de aço. O maior edifício do mundo foi construído em Chicago. Entre 1890 e 1930. (BELLEI et al. devido às condições materiais e intelectuais favoráveis na França e na Bélgica. se desenvolveram as primeiras construções em aço de edifícios de vários andares. os contraventamentos verticais e janelas salientes. as vigas de ferro forjado foram substituídas pelas vigas laminadas de aço doce. bem como os perfis complexos de colunas compostas de perfis padronizados. 2004). Em 1913 foi construído o Woolworth Tower.. o Sears Tower. a posição de liderança na construção de edifícios altos foi assumida por Nova York.As estruturas metálicas construídas em Chicago nos anos de 1890 a 1893. antes das pontes em ferro fundido terem sido construídos na Inglaterra. a coluna de ferro fundido caiu rapidamente na obsolência. em 1972 com 109 andares e 445 metros de altura. projetado por B. produzidas pela primeira vez nos Estados Unidos pela Carnegie Steel Company.. apresentavam características típicas como as ligações rebitadas. Graham. batendo recordes de altura e mérito arquitetônico. com 320 metros de altura e 75 andares e em 1931 o Empire State. Na França. . Com o salto tecnológico em 1885. quando se fez a transição do rebite para a solda e para os parafusos de alta resistência (BELLEI et al. com 380 metros de altura e 102 andares. Nos Estados Unidos. Após essa inovação. 2004). com 234 metros de altura e 55 andares. laminados ou caixão. Em 1929 foi construído o Chrysler Building. foram construídas as primeiras estruturas de cobertura em ferro forjado.

perto de 25 milhões de toneladas de aço. em 2005.. para produção de chapas. passou a exportar. entraram em operação na década de 60 as usinas da Usiminas e Cosipa. Em plena segunda guerra mundial. Para consolidar o mercado. trilhos e perfis. No final da década. já alcançava a casa de 96 mil toneladas (BELLEI et al. 2004).Companhia Siderúrgica Nacional. devido ao baixo consumo interno. . e mais recentemente a entrada da Açominas para produção de perfis laminados de abas paralelas.3 Construções em Aço no Brasil Na década de 20. que até a década de 70 ainda importava. que entrou em operação em 12 de outubro de 1945. com a finalidade de produzir chapas. A partir daí. com 101 andares e 508 metros de altura. foi fundada a CSN . a produção de aço atingiu a casa de 35 mil toneladas. grandes expansões foram realizadas no setor siderúrgico. 2005). produzindo o Brasil. O Brasil. com 110 andares e 417 metros de altura no centro de Manhatan que foram alvo de um ataque terrorista em 11 de setembro de 2001 e em 2005 o prédio considerado como mais alto construído em estrutura metálica foi a Torre Taipei 101 em Taiwan. Nesta mesma década. foram construídas as torres gêmeas do World Trade Center. o Brasil começou realmente a desenvolver sua incipiente indústria siderúrgica. com a criação da Companhia Siderúrgica Belgo Mineira.Em 1973. 1. nas bitolas americanas. concluída sua construção no final do ano de 2004 (CAMBRIDGE. considerando-se também a produção de outras pequenas fundições.

. com fabricação e montagem pela FEM. é construído o Edifício Avenida Central. toda a estrutura é rebitada e foi executada em noventa e três dias efetivos de trabalho. como um dos seus departamentos. chapa de alma e chapas de mesa. ao lado do Teatro Municipal. A estrutura metálica compreende colunas compostas de quatro perfis “L” laminados. Foi a primeira garagem coletiva de grande proporções construída em São Paulo na década de 50 e o primeiro edifício de andares múltiplos pavimentos de estruturas metálicas do país fabricado pela FEM. primeiro edifício comercial em estruturas metálicas construído no País pelo arquiteto Lucjan Korngold e estrutura projetada por Paulo R. no pavimento térreo. de dois perfis “U” interligados por chapas reforçadas na alma e por vigas. com frente para duas vias públicas. projetado pelo arquiteto Rino Levi e Paulo R. trata-se de uma garagem coletiva construída em terreno de 1024 m². bem como do ciclo completo de produção das estruturas metálicas (BELLEI et al. Fragoso. com montagem e fabricação pela FEM. que situa na Avenida 23 de Maio. ergue-se o Palácio do Comércio. Com vinte e quatro pavimentos e 73 m de altura. foi construído o Edifício Garagem América. Fragoso. A estabilidade vertical do edifício é garantida por contraventamentos . Em 1957.Para difundir o uso do aço nas construções. a CSN criou em 1953. Ainda em São Paulo. na sua maioria de perfis “I” laminados. Fragoso. em alguns casos. em 1959. apresentando um desnível de 17 m entre a entrada principal. pelo arquiteto Henrique E. no Rio de Janeiro. Em 1961. 2004). sua montagem foi iniciada em 24 de setembro de 1956. a FEM – Fábrica de Estruturas Metálicas (desativada em 1998). Mindlin e estrutura por Paulo R. que iniciou a formação de mão-de-obra especializada.

e junto aos elevadores. Foi estruturado com aço desde as fundações com fabricação e montagem pela FEM. dos pilares internos com tijolos furados e dos pilares e vigas externos com asbesto projetado (DIAS. A estrutura está protegida contra incêndio pelo revestimento das vigas com concreto. Em 1966 é construído o escritório central da CSN. No centro da cidade de Porto Alegre.localizados nas paredes divisórias de lojas e salas. em Volta Redonda. arquitetado por Affonso Eduardo Reidy e projeto estrutural por Paulo R. Nesta obra foram empregados pela primeira vez. .5 m de altura. foi construído no centro do Rio de Janeiro o edifício sede do IPERJ. sede de instituição destinada a conceder pensão e benefícios de assistência social aos empregados municipais. 1999). no sentido transversal. Foi executada em duas etapas: a primeira. revestidas na parte superior com mantas de lãs-de-rocha ensacadas. em 1964. Fragoso. com fabricação e montagem pela FEM. A arquitetura é de Glauco do Couto Oliveira com estrutura. encerrando-se em 8 de março do ano seguinte. foi construído o Edifício Santa Cruz. Em 1965. iniciada em 25 de fevereiro de 1962. forros de bandeja de aço perfuradas. no sentido longitudinal. o edifício tem 24 pavimentos e 76. para dar proteção acústica aos ambientes de trabalho. no Rio de Janeiro. terminado em 20 de agosto de 1961. iniciada em 4 de abril de 1960. no Rio Grande do Sul. fabricação e montagem pela FEM. Fragoso. e a segunda. com trinta e três pavimentos para fins comerciais pelo arquiteto Jayme Luna dos Santos e estrutura por Paulo R.

Foram surgindo em todo o país um grande número de fabricantes.. de outro. enquanto as extremidades se apóiam. Tem seu sistema estrutural constituído por duas grandes treliças que se desenvolvem paralelamente ao eixo longitudinal. o Palácio de Congressos da Bahia projetado pelos arquitetos Jader Tavares. com estrutura em concreto armada até o quarto pavimento e estrutura metálica nos pavimentos superiores. projetistas. de um lado nas torres e. desenhistas e outros profissionais do ramo e o Brasil chegou. na década de 1970. é construído na Praia da Armação. na Bahia. Oton Gomes. . distantes 38. mas totalmente voltada para o setor industrial (BELLEI et al. em 1973 é construído em Brasília o edifício Palácio do Desenvolvimento. 2004). apoiando-se em duas linhas de quatro torres de circulação vertical de concreto armado formando três vãos de 50 m. Em 1979. estrutura de Carlos Emílio Strauch com fabricação e montagem pela Fichet. em Salvador. 1999).Projetado por Oscar Niemeyer e estrutura por Paulo Franco Rocha. com vãos de 60 a 70 m (DIAS. a produzir cerca de 500 mil toneladas de estruturas metálicas. Fernando Frank e Márcio Roberto.5 m entre si. nas sobrelevações artificiais do terreno.

1). não apresenta níveis de utilização de estruturas metálicas significativos (Tabela 2. Tabela 2. 1998). . isto pode ser devido a fatores como a não existência de uma cultura voltada para o uso de estruturas metálicas (DIAS.1: Consumo de aço bruto de alguns países CONSUMO PER CAPITA DE AÇO BRUTO – 2001 Países Consumo Per Capita de Aço Bruto (Kg/hab) Japão 557 EUA 458 Alemanha 469 Coréia do Sul 757 Itália 552 Espanha 469 Brasil 105 México 123 Argentina 91 Chile 122 Fonte: Anuário Estatístico IBS 2001 A elaboração deste trabalho visa apresentar as estruturas metálicas incentivando a sua utilização como sistema estrutural para edifícios comerciais. apesar de ser o sétimo maior produtor em aço do mundo.2 OBJETIVOS O Brasil.

Comparar as vantagens e desvantagens principais de uma estrutura metálica com a estrutura de concreto armado. conceituando suas principais características para aplicações em edifícios comerciais construídos no Brasil. .Indicar fatores para o reaproveitamento de materiais e a conseqüente redução no impacto ambiental ao utilizar as estruturas metálicas. .1 Objetivo Geral Este Trabalho de Conclusão de Curso.2 Objetivos Específicos Os objetivos específicos deste trabalho são: . tem como objetivo geral apresentar os sistemas estruturais em aço.Apresentar as principais características mecânicas e geométricas dos sistemas de estruturas metálicas.Identificar parâmetros para relação custo x benefício em edifícios comerciais. 2. .2. .

livros técnicos. catálogos de empresas e sites da Internet. Para realização do estudo de caso. .3 METODOLOGIA DO TRABALHO Este Trabalho de Conclusão de Curso. ao escritório de arquitetura que desenvolveu a concepção do projeto. trabalhos de conclusão de curso. também. citando as vantagens e desvantagens na utilização deste sistema. foi baseado em teses de doutorado. dissertações de mestrado. a construtora Inpar e correspondências via correio eletrônico com a empresa fabricante da estrutura metálica CODEME. foi desenvolvida considerando visitas as obras para verificação de sistemas utilizados na atualidade e entrevistas com profissionais e empresas que executam obras utilizando sistemas de estruturas metálicas em edificações comerciais. A pesquisa. foram realizadas visitas ao local da obra.

que é feita com equipamentos e mão de obra especializada do fabricante. Com a utilização do sistema de estruturas metálicas. com este alívio de cargas temos uma redução nas fundações (SPEM. areia e brita no canteiro de obras ficam reduzidos consideravelmente além de reduzir. resumindo apenas na montagem da estrutura no canteiro de obras. Segundo Rezende (2003). Apesar de todas as vantagens proporcionadas pela utilização dos sistemas em estruturas metálicas são poucas as obras já executadas até o ano de 2005. A cultura. pois é comprovado que adotando este processo construtivo as etapas de construção são simplificadas. a movimentação de pessoas na obra. assim como nas próprias universidades. também. Os estoques de cimento. de acordo com Dias (1998). A estrutura é fabricada nas instalações metalúrgicas. a construção em estruturas metálicas apresentou um suave crescimento até 1998 e a tendência no aumento de construções em estruturas metálicas para os próximos anos é aumentar. além de executadas rapidamente em relação ao processo convencional em concreto armado. Em outros países desenvolvidos.20 4 JUSTIFICATIVA Nas metrópoles brasileiras. o peso próprio da edificação é reduzida a 1/5 da estrutura convencional. deixando o canteiro de obras livre. o sistema metálico é muito mais utilizado. a enfatização nas estruturas de concreto armado e protendido são maiores em comparação com a cadeira de estruturas metálicas (DIAS. 1998). 2004). a grande maioria das edificações são de concreto armado. .

2004). fazem com que um edifício comercial seja executado num prazo bastante curto e com estes meses ganhos na execução da obra. as argamassas de nivelamento e regularização são dispensadas (SPEM. Estes sistemas apesar de ainda apresentarem um custo elevado. .2 1 A inexistência de formas para as colunas e vigas. conseqüentemente uma redução em custos de formas e mão-de-obra. bota-foras. Devido a precisão milimétrica de prumo e nível. o aço tem sido utilizado em grande escala nos países europeus e asiáticos. o retorno financeiro para o cliente representa substancial vantagem (SPEM. as construções em aço ainda possuem custo elevado devido à falta de mão de obra especializada e produção da estruturas em si. proporcionam um prazo de entrega inferior além de minimizar os impactos ambientais devido a mínima utilização de madeira e proporcionar menos perdas e desperdícios de materiais durante a obra (SPEM. a grande maioria dos projetistas e engenheiros de estruturas optam pelo método tradicional de concreto armado devido ao fator custo da obra. No Brasil. 2004). pois. Todas as facilidades construtivas apresentadas. países estes que apresentaram grande desenvolvimento e avanços tecnológicos. reduzindo números de pilares e aumento de vagas na garagem. Devido as grandes vantagens apresentadas na utilização do sistema construtivo em estruturas metálicas e a tendência em industrializar as etapas de execução das obras. 2004). reduz entulhos. O sistema de estrutura metálica proporciona melhor aproveitamento das áreas úteis.

segundo Andrade (2000) existe para cada tipo de construção. Cada caso deve ser examinado tecnicamente. Canadá e Estados Unidos. a disponibilidade e o custo dos terrenos em suas áreas mais centrais. passaram a exigir a implantação de edifícios cada vez mais altos e para a viabilização destas edificações. de onde vêm os grandes exemplos de edificações construídas em aço. É uma solução largamente utilizada e consagrada nos países industrializados. onde cada material é adequadamente utilizado num trabalho conjunto. a utilização de estruturas metálicas é mais antiga que o concreto armado. transporte vertical de cargas e pessoas como elevadores. ainda carente no Brasil por um fato cultural e histórico” (ANDRADE. 1999). escadas rolantes. mas sim a de se tirar proveito do melhor de cada um dos sistemas. França. não devendo existir uma mentalidade competitiva. esgoto. megalópoles. condicionamento de ar etc (SALÉS.5 ESTRUTURAS METÁLICAS “A tendência na área de construção é de aumentar a utilização da estrutura metálica. Japão. água. visando o satisfatório resultado custobenefício. podendo ainda as soluções mistas serem as mais proveitosas. e de sistemas adequados de utilidades prediais como a energia elétrica. Segundo Dias (1999). . 2000). A comparação entre os sistemas de estruturas de concreto armado e as estruturas metálicas. Em modernas cidades. como Inglaterra. com o avanço tecnológico foram desenvolvidos esqueletos metálicos. telecomunicações.

eficientes e de alta qualidade segundo Inaba (2003).1 Vantagens no Uso do Aço A utilização de estruturas metálicas na construção civil tem possibilitado aos arquitetos.5. resultando em melhor aproveitamento do espaço interno e aumento da área útil. Devido as seções das colunas e vigas de aço apresentarem seções mais esbeltas do que as equivalentes em concreto. redução do tempo de construção. segundo Inaba (2003). passaram a ser fatores-chave para o sucesso de qualquer empreendimento. 2003). para cada tipo de construção existiram vantagens e desvantagens podendo as soluções mistas serem as mais proveitosas (ANDRADE. Segundo Inaba (2003). engenheiros e construtores. soluções arrojadas. traduzida em obras de grande expressão arquitetônica e que invariavelmente traziam o aço aparente. A arquitetura em aço sempre esteve associada à idéia de modernidade. 2000). . as vantagens na utilização de sistemas construtivos em aço vão muito além da linguagem estética de expressão marcante. O sistema construtivo em aço apresenta vantagens significativas sobre o sistema construtivo convencional. racionalização no uso de materiais e mão de obra e aumento da produtividade. A tecnologia do aço confere aos arquitetos liberdade no projeto de arquitetura. inovação e vanguarda. mas a simples comparação entre as estruturas metálicas ou de concreto. fator muito importantes principalmente em garagens (INABA. permitindo a elaboração de projetos arrojados e de expressão arquitetônica marcante.

Torna mais fácil a passagem de utilidades como água. A estrutura metálica tem peso próprio aproximadamente 1/5 da estrutura convencional de concreto armado. ou mais em casos específicos. informática etc (COSIPA. do fabricante. A empresa SPEM – São Paulo Estruturas Metálicas (2004). esgoto. A movimentação de pessoas e materiais no canteiro é extremamente reduzida com a conseqüente redução do custo administrativo. deixando o canteiro de obras livre.1. a estrutura metálica mostra-se especialmente indicada nos casos onde há necessidade de adaptações. através de treliças telescópios apoiadas diretamente nas abas inferiores ou superiores das vigas conforme figura 5. o que deve ser analisado caso a caso. 2003). permite que as formas sejam executadas imediatamente após sua montagem. A estrutura metálica. ampliações. A construção se resume apenas na montagem da estrutura no canteiro de obras. reformas e mudança de ocupação de edifícios.Quanto a flexibilidade. em condições normais. telefonia. areia e brita no canteiro de obras ficam reduzidos consideravelmente. o que permite uma redução nas cargas de fundações. ou mesmo utilizando pré-lajes apoiadas diretamente sobre as . verificou que utilizando o sistema de estruturas metálicas. as etapas de construção ficaram muito bem definidas e simplificadas. para a execução das fundações. além de executadas muito mais rapidamente do que no processo convencional em concreto armado. Como no processo convencional. Os estoques de cimento. Esta economia pode ser quantificada em torno de 25%. eletricidade. pois a estrutura é executada nas instalações do fabricante. que é feita com equipamentos e mão-de-obra especializada. ar condicionado. as lajes podem ser moldadas in loco ou prémoldadas.

Fonte: Dias (1998) A precisão milimétrica de prumo e nível. reduz entulhos e bota-foras. O uso de pontaletes pode ser dispensado.3). reduzindo os custos de formas e mão-de-obra (SPEM. Figura 5. 2004). que são embutidos entre os tijolos da parede de elevação (Figura 5. soldando-se nos pilares metálicos vergalhões com comprimento de aproximadamente 30 cm. A fixação das alvenarias à estrutura metálica é feita com simplicidade. A inexistência de formas para as colunas e vigas.1: Treliças telescópicas apoiadas na mesa superior do perfil. permite que a estrutura metálica já sirva como referência para se estabelecer o prumo das alvenarias (Figura 5.abas superiores.2). . Tudo isso imprime maior velocidade e facilidade na execução das lajes.

2: Balizamento da alvenaria pelos pilares de aço. Fonte: Dias (1998) Como as lajes ficam niveladas com grande precisão.3: Assentamento de alvenaria com blocos de concreto.5 cm. soldadas nos pilares.Figura 5. a argamassa de nivelamento da parte superior é dispensada e a argamassa de revestimento inferior pode ser feita com espessura de até 0. No sistema de lajes de painéis de concreto celular . utilizando barras de espera. Fonte: Dias (1998) Figura 5.

Excessos na obra.4: Lajes de painéis armados de concreto celular . Fonte: Dias (1998) A economia nesta argamassa de nivelamento e revestimento da laje é considerável. necessitam receber um capeamento de argamassa da ordem de 25 a 40 mm de espessura. dando acabamento perfeito. as alvenarias podem ser revestidas com argamassa de espessura 0. para maior solidarização. que irá servir também como contrapiso (DIAS.(Figura 5. quando no processo convencional utiliza-se centímetro. 1998). de até 10 cm de espessura. É importante salientar que utiliza-se a precisão em milímetros na estrutura metálica.4).5 cm. Da mesma forma. devido ao prumo. seja reduzido à quinta parte do que se gasta no processo convencional. não só trazem como conseqüência a perda de materiais e mão-de-obra . Figura 5. ao final. onde é comum se observar excesso de argamassa de regularização em paredes externas. Isto faz com que o volume de argamassa de nivelamento e revestimento de um edifício.

Quando da elaboração dos projetos estrutural. Todas as vantagens apresentadas anteriormente. proporcionam melhor aproveitamento das áreas úteis. As vigas metálicas podem vir de fábrica com estas passagens. onde as formas são elaboradas num processo artesanal de carpintaria. vários metros cúbicos de entulhos gerados na obra. hidráulico.desnecessária. demandando tempo a custos elevadíssimos. permitindo o seu uso imediato durante a execução da obra. evitando-se improvisações na obra. ar condicionado. em comparação a outros processos construtivos. As escadas são pré-fabricadas e de extrema facilidade de montagem. evitando-se desperdícios e agilizando sua execução. 2000):  De mão-de-obra  De materiais  De prazo de construção Fabricada em paralelo aos serviços de movimentação de terra e fundações. aumentando número de vagas na garagem. traduzem sistematicamente em três fatores de economia (ANDRADE. reduzindo números de pilares e. deve-se à localização das passagens de dutos. a estrutura metálica tem sua montagem iniciada imediatamente após o término das . elétrico. As vigas e colunas metálicas. como fatalmente. o que dificilmente ocorre na construção convencional. além de inúmeras outras que são observadas durante o andamento da obra. conseqüentemente. telefonia etc. racionalizando o emprego de materiais.

simultaneamente. informa que é quase impossível afirmar que a estrutura metálica seja melhor ou pior que a de concreto armado pois para cada caso deverá ser examinado tecnicamente. há um investimento antecipado deste capital. o capital investido na construção tem um menor custo. fazem com que um edifício seja executado num prazo bastante reduzido.2 Comparação entre Estruturas Metálicas com Estruturas de Concreto Armado Andrade (2000). fechamento e instalações. escoramentos e tempo de cura. à medida que este avanço lhe permite dispor das instalações mais cedo que o previsto. . A ocupação antecipada do imóvel tem que ser considerada. através de um estudo comparativo de custo X benefício. A execução das lajes. para cada processo construtivo. Logo. todas as facilidades construtivas apresentadas. 5. sobre o tempo normal de construção representam substancial vantagem para o cliente. dispensando formas. Segundo a empresa SPEM (2004).fundações. Alem disso. decorrente da antecipação da exploração do imóvel. implica em redução no prazo final da obra. visando o satisfatório resultado custo-benefício. Os meses ganhos.

Qualidade garantida das matérias etc. ferros. (menos problemas trabalhistas) com com menor qualificação (mais do dobro maior qualificação ou triplo) Canteiro diminuto (material chega pronto Canteiro maior para matérias primas no tempo certo) e manuseio Simplificação do canteiro (minimização ou Canteiro mais completo. areia. fazendo com que o desperdício seja sensivelmente reduzido. água. eletrodos) (tintas) (cimento. Tabela 5.maior controle necessário Uniformidade das matérias primas Variedade dependendo da procedência Pouca quantidade de homens na obra Maior quantidade de pessoal na obra. é um sistema industrializado. Edifício Estruturas metálicas Edifício com estruturas de concreto Na administração da obra Execução em fábrica Apenas montada no canteiro Grande precisão dimensional Grande precisão quantitativa dos materiais Execução predominantemente no canteiro Menor precisão dimensional Maior dificuldade de precisão de quantidades Poucos itens de materiais (aço. Maior diversificação de materiais parafusos. existência exclusão de escoramento para forros de de escoramento com pontaletes laje) Obra seca Obra com muito uso de água Maior facilidade de fiscalização Fiscalização mais completa Fonte: ANDRADE (2000).1 é apresentado um comparativo entre um edifício de estruturas metálicas e de concreto armado quanto a administração da obra. brita.1: Comparativo quanto a administração da obra.30 Na tabela 5. aceleradores. . A execução da estrutura é realizada na fábrica e montada no canteiro de obra. formas de madeira.) Dificuldade de garantia de qualidade primas (pelas usinas) .

. Devido a leveza estrutural da estrutura metálica. Edifício Estruturas metálicas Edifício com estruturas de concreto Nas fundações Leveza estrutural Peso estrutural maior 40 a 80 kg/m2 (vigas e colunas) 250 a 350 kg/m2 (vigas e colunas) Menores cargas nas bases Bases mais solicitadas Volumes menores nos blocos Maiores volumes Sistemas mais econômicos Sistemas mais onerosos Fonte: ANDRADE (2000). Tabela 5. as cargas nas bases de fundação são menores proporcionando volumes menores de blocos e sistemas de fundações mais econômicos.3 1 Na tabela 5.2: Comparativo quanto a Fundação.2 são apresentados os benefícios proporcionados pelo uso do sistema de estruturas metálicas na fundação.

Tabela 5. Edifício Estruturas metálicas Edifício com estruturas de concreto Nas lajes As fôrmas são apoiadas direto nas vigas metálicas podendo ser dispensando o uso Necessita maior escoramento para fôrmas de pontaletes Grande rigor nos níveis Menor rigor nos níveis Liberação antecipada dos pavimentos Impedimento de trânsito para outras operações enquanto escorado Maior velocidade da construção Velocidade dependendo da cura do concreto das colunas Facilidade de escadas pré-fabricadas Dificuldade na execução de formas para escadas Fonte: ANDRADE (2000).3: Comparativo quanto a execução das lajes. .3. A estrutura metálica aceita praticamente qualquer sistema de laje. dispensando o uso de pontaletes (DIAS. 1998).As lajes são executadas com maior rapidez conforme apresentado na tabela 5. Para o cimbramento das fôrmas podem ser empregados sistemas de treliças telescópicas como apoios dos caibros e dos compensados. Estas se apóiam diretamente sobre as vigas de aço da laje a ser concretada. industrializada ou não.

com esquadro.5: Comparativo quanto a execução dos revestimentos.fabricados (painéis. aumentando o tempo de tempo reduzido execução com enchimentos Sensível economia na mão de obra Custo de execução mais onerosa em de execução vista de imperfeições Fonte: ANDRADE (2000). Tabela 5. Tabela 5.5. forros.) elementos de regulagem na Fonte: ANDRADE (2000). Edifício Estruturas metálicas Edifício com estruturas de concreto Nas paredes (alvenarias ou outros materiais) Precisão milimétrica Maior variação dimensional Esquadros e prumos exatos resultando Irregularidade de prumos e em maior perfeição da execução. etc. A nivelação das lajes e prumos são precisas proporcionando economia conforme tabela 5.4 são apresentadas as vantagens proporcionadas quanto a alvenaria ao utilizar o sistemas de estruturas metálicas. fixação .Na tabela 5. Edifício Estruturas metálicas Edifício com estruturas de concreto Nos revestimentos Níveis precisos nas lajes e prumos exatos.4: Comparativo quanto a execução das paredes. Necessidade de maior espessura minimiza massas de revestimento em pisos de revestimento em lajes e e paredes com economia do peso morto paredes Facilita o uso de materiais completares Necessita aplicação de insertes e pré.

Edifício Estruturas metálicas Edifício com estruturas de concreto Prazos Simultaneidade de execução da estrutura Dependência de terminar as e fundações fundações para iniciar execução da Avanços da montagem de 3 em 3 pavimentos estrutura Avanços de um em um pavimento Possibilidade de alvenarias acompanharem Dificuldade de execução de paredes a montagem enquanto a estrutura estiver Fonte: ANDRADE (2000). Tabela 5.6 é apresentado as facilidades proporcionadas quanto as instalações.Na tabela 5.hidráulicas . Tabela 5. O sistema de estruturas metálicas otimiza o tempo de execução em várias etapas da obra conforme apresentado na tabela 5.7: Comparativo quanto aos prazos de execução.7. Edifício Estruturas metálicas Edifício com estruturas de concreto Instalações elétricas .6: Comparativo quanto as Instalações.proteção contra fogo e instalação do canteiro Pilares e vigas podem ser furados na Dificuldade de execução de furos fábrica ou na obra nas colunas e vigas Facilita passagem de tubulações. escorada . Impossibilidade de alteração após permite alteração nas instalações na a execução da estrutura obra Necessita proteções contra fogo Proteção contra fogo simplificada mais sofisticadas Fonte: ANDRADE (2000).

Além das vantagens citadas acima.8: Comparativo quanto aos custos financeiros. 2004).9 for necessário ser atendidos (SALÉS. antecipando o uso da edificação proporcionando um retorno financeiro antecipado. .8 é apresentado que a utilização de estruturas metálicas. 1999).Na tabela 5. O aço é 100% reciclável e as estruturas podem ser desmontadas e reaproveitadas com menor geração de rejeitos.3 Critérios para a Utilização de uma Estrutura de Aço A estrutura de aço é a alternativa mais econômica quando um ou mais requisitos listados na tabela 5. A estrutura metálica é menos agressiva ao meio ambiente pois além de reduzir o consumo de madeira na obra. reduz o prazo de execução. Tabela 5. diminui a emissão de material particulado e poluição sonora geradas pelas serras e outros equipamentos destinados a trabalhar a madeira (COSIPA. Edifício Estruturas metálicas Edifício com estruturas de concreto Custo financeiro Prazos finais reduzidos Maiores prazos aumentam os custos Antecipação de utilização Retorno mais rápido e utilização antecipada - Fonte: ANDRADE (2000). 5. a utilização do sistema de estruturas metálicas proporciona um reaproveitamento das estruturas em aço e a preservação do meio ambiente.

Esse peso depende de muitos fatores. o tipo de estrutura de piso. os espaçamentos de pilares nas duas direções. 5. paredes. considerando solos de baixa qualidade Quando um sistema complexo de utilidade deve ser instalado em cada andar Grandes esforços nos pilares Flexibilidade no layout interno Sistemas de escritórios panorâmicos Possibilidades de alterar a estrutura Redução nos prazos de construção Montagem. etc. praticamente sob quaisquer condições meteorológicas Tolerâncias restritas nos acabamentos Montagem em áreas restritas com pequena área ou sem área de armazenamento Fonte: SALÉS (1999). A otimização de custos depende.) .Tabela 5. as cargas impostas. o método de enrijecimento ou contraventamento da estrutura e a qualidade do aço escolhido. sistemas de circulação vertical.4 Critérios de Viabilidade Econômica Para Salés (1999). como o número de andares. a altura total dos pisos. Critérios para utilização da estrutura em aço Grandes vãos de pisos Grande altura do edifício Baixo peso próprio. da escolha correta dos elementos de fechamentos (pisos. coberturas.9: Critérios para utilização do aço. também. a medida de economia de uma estrutura de aço é expressa pela quantidade de aço consumido na estrutura em kg/m² de área de piso ou por m³ de volume de construção.

O sistema estrutural e o layout das instalações são de certa forma interdependentes.  sejam adaptáveis a um layout interno flexível e as modificações de seus componentes. um projeto cuidadoso de todos esses componentes. de modo a acompanhar a velocidade de montagem que é peculiar às estruturas de aço. 5.  sejam condizentes com um sistema econômico de proteção ao fogo. uma vez adotado o sistema estrutural metálico. É. portanto. Um arranjo amplo e aberto da estrutura de aço. resultando no encurtamento do prazo global da construção. permite otimizar o custo do edifício como um todo.  sejam leves.1999):  sejam constituídos de unidades com um máximo de pré-fabricação. de modo a minimizar o peso global do edifício. Para Salés (1999).compatíveis com a estrutura de aço. necessário que esses elementos preencham certas condições (SALÉS.  sejam projetados de modo a se adaptar às propriedades e às características específicas da estrutura de aço. facilita a instalação de utilidades e serviços tanto na vertical quanto na horizontal. o projeto das estruturas é a escolha dos arranjos e dimensões dos elementos estruturais de forma que as cargas de serviço decorrentes estejam dentro de limites aceitáveis. Segundo Romano (2003). deverá ser elaborado o projeto estrutural mostrando todas as indicações para locação dos .5 Projeto da Estrutura Para Bellei (2004).

5. o plano de carga nas fundações.5. a estimativa aproximada do consumo de aço. a caracterização teórica dos vínculos. num projeto de engenharia básico é representado na figura 5. o projeto de fabricação e o projeto de montagem. detalhes típicos de interfaces e interferências com outros componentes de obra. lista preliminar de materiais por tipo de material e por conjunto estrutural. Como exemplo ilustrativo. por meio de desenhos unifilares elaborados por escritórios de engenharia especializados em estruturas metálicas (DIAS.1 Projeto de Engenharia No projeto de engenharia de uma estrutura são definidos os carregamentos e a concepção estrutural onde serão discriminados os tipos de perfis a serem utilizados. que deverão corresponder à realidade física da estrutura.5. cortes e detalhes executivos dos chumbadores e insertos. o projeto de engenharia. é apresentado a seguir um desenho de elevação de uma marquise. são elaborados os desenhos de acordo com o nível desejado de projeto. detalhes típicos de ligações com indicações dos esforços a serem transmitidos. com os comprimentos correspondentes e as características geométricas das seções transversais. com a representação da definição estrutural. segundo Dias (1998). Ao final. envolve três atividades distintas. chumbadores e cargas. o dimensionamento. plantas e elevações. O procedimento para projeto completo da estrutura de uma obra em aço. o cálculo dos esforços atuantes nas seções ou nos pontos mais importantes da estrutura.insertos. desenhos unifilares com representação esquemática dos perfis componentes e seu posicionamento. etc. consiste . 1998).

os rufos e perfis definidos para a construção da estrutura da marquise.numa elevação de duas marquises iguais F1 e F2. projetado pela empresa Poliaço. . onde são indicadas as chapas trapezoidais de aço galvanizado como cobertura.

Figura 5.5: Desenho de elevação da marquise. Fonte: Dias (1998) 40 .

os parafusos. a localização dos furos. critério adotado por muitos fabricantes para obter maior precisão de marcação. Na figura 5. As peças são mostradas isoladamente ou em conjunto. comprimento das barras. . Por isso. a ampliação de um trecho da estrutura da marquise com as indicações dos diâmetros para furação. são indicados os comprimentos das peças. Toda a representação gráfica normalmente vem acompanhada de medidas não-acumuladas e acumuladas.7. esses desenhos são elaborados sem escala (DIAS. dimensões das peças e especificações de um projeto de fabricação executado pela empresa Poliaço.6 são apresentados o desenho de elevação com as marcações de furos para parafuso.41 5. Para uma treliça. 1998). as listas de materiais. as cantoneiras e materiais para montagem da estrutura e na figura 5.5. por exemplo. etc.2 Projeto de Fabricação No projeto de fabricação é elaborado o detalhamento de todos os elementos componentes da estrutura.

Figura 5. Fonte: Dias (1998) 42 .6: Projeto de execução da marquise.

que se caracteriza pela mecanização e racionalização. detalhes das chapas de ligação e das demais chaparias envolvidas. custos. e menor desperdício de material (DIAS.4 3 Figura 5.7: Detalhe da marquise. os componentes estruturais são produzidos segundo um processo industrializado. A partir dos desenhos detalhados para fabricação. 1998). com todas as informações necessárias para a fabricação. prazos. tais como: linhas de centro. linhas de furação. Esses detalhes são executados em tamanho real para que na fábrica possam servir de moldes para a fabricação. Fonte: Dias (1998) Nas fábricas de estruturas. com conseqüentes ganhos de produtividade. linhas de corte devidamente cotadas. são preparados os traçados das peças. . posicionamentos das furações.

bobinas e perfis. dobramentos. arruelas. . Essa operação deve ser coordenada com as necessidades da execução da obra. esmerilhamento das bordas. segundo Dias (1998).  acabamento. e marcação dos centros dos furos. correção das peças empenadas. pois as chapas são comercializadas no mercado nas dimensões-padrão de comprimento.  preparação das chapas para corte racionalizado. mediante puncionamento. as operações típicas no processo de fabricação das estruturas metálicas consiste em:  verificar a disponibilidade de estoque.  usinagem ou preparação das peças é a seção em que são gerados os cortes. parafusos. furações. eletrodos.  pré-montagem ou agrupamento dos componentes de um mesmo subconjunto. porcas. evitando estocagens desnecessárias no canteiro ou a remessa de peças em ordem não adequada à montagem. arames.  expedição para o local onde a estrutura será montada.  tratamento da superfície e pintura e.  soldagem. etc. largura e espessura pelas usinas siderúrgicas. pois as operações são quase sempre muito trabalhosas e demoradas. esta etapa envolve um grande contingente de soldadores.De maneira geral. desempenos e ajustes que forem requeridos.  traçagem sobre a superfície da chapa com riscadores de giz ou de pedra sabão. dando forma final às peças da estrutura. com o abastecimento de matériasprimas e o suprimento às linhas de fábrica tais como: o aço. na forma de chapas. recortes.

a metodologia de montagem. mostrando o sistema estrutural. etc (Figura 5. a indicação das numerações ou marcas de cada peça.5. o seu posicionamento e a seqüência de montagem. .5. sob a forma de diagramas.8).3 Projeto de Montagem O projeto de montagem é elaborado pela empresa fabricante e montadora da estrutura segundo Dias (1998). Nesse projeto é apresentado uma representação mais esquemática.

indicações de solda. elevações. . recomendações especiais sobre os procedimentos de montagem.Figura 5. planta da marquise. detalhes. seqüências de montagem. referências. notas.8: Projeto de Montagem. Fonte: Dias (1998) Geralmente os desenhos de montagem contém marcas de todas as peças a serem montadas.

todas as informações necessárias para que a estrutura seja montada rapidamente e sem erro. É menos agressiva ao meio ambiente pois além de reduzir o . locação dos chumbadores.enfim. Mais da metade do aço produzido na França e na União Européia e 40% da produção mundial de aço é obtida de aço reciclado. preservando recursos e o meioambiente (LEMOINE. A vida útil de qualquer edificação não é ilimitada. outras providencias podem ser tomadas. Estes problemas são evitados com a utilização de edificações em aço por serem facilmente desmontáveis. permitindo despojo seletivo. escolha de equipamentos. etc (SALÉS. estocagem das peças. 2002). As estruturas metálicas podem ser desmontadas e reaproveitadas com menor geração de rejeitos. O baixo peso das estruturas previne a deterioração do solo e quando um prédio é demolido. correlacionadas com o acesso externo e interno à obra. de acordo com Lemoine (2002). poeira. Feita com uma pá mecânica. implantação do canteiro. de maneira segura e limpa. Em decorrência destas informações. uma britadeira ou explosivos. 5. 1999). o peso dos materiais a serem removidos é mais baixo e os custos com aterro são reduzidos. execução das bases. poluição e outros aspectos adversos prejudiciais ao ambiente.6 Estruturas metálicas e o Meio Ambiente O aço é 100% reciclável. pode ser indefinidamente reciclado em sua totalidade sem perder nenhuma de suas qualidades. Este índice vem aumentando ano após ano. a demolição gera ruídos. programação de embarques prioritários.

No total.e. a análise do ciclo vital de uma edificação feita em aço comparada à de uma feita em concreto armado revela uma redução de 41% no consumo de água durante a construção. 92% da energia consumida) contribui para um balanço ecológico altamente favorável ao aço. devido a valiosas técnicas de isolamento externo. a economia gerada durante a vida útil de uma edificação (i.consumo de madeira na obra. facilidade de manutenção e adaptabilidade. A construção em aço faz cair pela metade o movimento de caminhões na locação e resulta em menos de 57% de detritos inertes. . Apresenta um balanço ecológico positivo. Ao final de sua vida útil. 2004). é facilmente reciclável. o aço possibilita economia significativa de energia. diminui a emissão de material particulado e a poluição sonora geradas pelas serras e outros equipamentos destinados a trabalhar a madeira (COSIPA. para Lemoine (2002). Ao longo da vida útil da edificação.

pois. foi totalmente construído em estrutura metálica com exceção da fundação. . com canteiro bastante complicado e localização problemática. Fonte: MENEGHETTI (2005).° 2345 em São Paulo (Figura 6.6 ESTUDO DE CASO 6. O prédio de 11 andares e dois subsolos. o Hotel Íbis Paulista apresentou desafios quanto a sua execução.1 Apresentação Construído no ano de 2003. situado na Avenida Paulista no n.1: Fachada frontal do Hotel Íbis Paulista. trata-se de uma obra de média altura. Figura 6.1).

esquadrias.50 Segundo Candusso (2005). responsável pelo projeto e coordenação geral. A rapidez da construção em estruturas metálicas não foi a característica que motivou a construtora Inpar a optar por este sistema. elevadores. implicando em uma redução do número de pilares necessários proporcionando. flexibilidade de utilização dos espaços e condições de projetar grandes vãos livres e facilidades na utilização de materiais complementares préfabricados. foi levantado pela construtora Inpar quanto a economia nos prazos de execução da obra. foi procedido uma criteriosa avaliação e . a construção transformou-se em uma simples tarefa de montagem e devido a precisão das estruturas. etc. principalmente nas garagens. Em entrevista com Maradei. realizou dois estudos que comparavam os resultados em caso de utilização de aço e de concreto e a estrutura metálica apresentou várias vantagens. proporcionou liberdade de formas. uma maior área líquida para a comercialização. a construtora responsável pela obra. item de extrema importância em edifícios comerciais. Arquitetonicamente. e em outras obras. a concepção do projeto em estruturas metálicas. as colunas de aço ocupam um menor espaço em relação aos pilares de concreto armado. revestimentos das alvenarias. Outro fator decisivo para a concepção do projeto desta obra em estruturas metálicas. colaboradora no projeto do Hotel Íbis Paulista. transmitidas aos demais itens como redução de insumos para regularização das lajes. pois.

.2 Custo das estruturas Nesta etapa foram comparadas percentualmente sobre o valor total da obra. sendo a primeira delas a que se refere aos custos das estruturas. pode-se concluir erroneamente que um edifício estrutura em aço tenha o seu custo final superior ao do mesmo edifício estruturado convencionalmente . leveza. esquadro. nível. Em uma análise superficial. vigas.5 1 análise da obra. porque o preço da estrutura metálica é superior ao preço das estruturas de concreto armado.2. Não se trata de uma simples substituição do sistema estrutural. com lajes. A análise foi dividida em 6 etapas. 6. e sim de uma troca de sistema construtivo. vigas e pilares de concreto armado como pode ser visto na figura 6. rapidez e principalmente pela possibilidade de abordagem industrial com grande planejamento e racionalização do processo construtivo. pilares e os contraventamentos metálicos. o custo de lajes. prumo. sendo necessário aproveitar a alta qualidade do aço e das características das estruturas obtidas a partir dele: resistência.

Devido as condições encontradas do terreno. Na figura 6. Fonte: ARQUIVOS INPAR (2003). com uma maior relação carga suportada / peso da estrutura de aço traduzido numa edificação mais leve.Figura 6. verificou-se que devido ao custo elevado das estruturas metálicas de 29%. Considerando o custo total da obra 100%.3 são indicados em porcentagens relativas ao custo total da obra os custos para fundações devido as . 6. nesta etapa foi constatado que a estrutura convencional em concreto armado seria mais viável. O alivio das cargas de fundações obtido com a utilização de Estrutura Metálica permitiu que se utilizassem tubulões a céu aberto. 10% mais barato que a estrutura metálica.3 Custo de fundações O aço é um produto nobre. obteve-se reduções de até 30% no custo das fundações.2: Comparativo de custo entre as estrutura quanto ao tipo.

3: Comparativo de custo entre as estrutura quanto a fundação. Fonte: ARQUIVOS INPAR (2003). 6. propiciando assim. Para execução da alvenaria. para .4 Custo de alvenarias e revestimentos A precisão construtiva da estrutura de aço proporcionou ausência de desvios de posição das formas para concretagem.cargas de fundações e proporcionadas pelas estruturas em aço e estruturas de concreto armado. os consumos dos insumos de mão-de-obra e material regularização foram reduzidos. Figura 6. a economia de mão-deobra e argamassas de retificação de prumo e nivelamento de pisos.

Os projetos de instalações de dutos (hidráulicos – sanitários. Pôde-se assim. se apresentam como ferramentas para racionalização do processo construtivo.5 Custo de instalações de unidades. equipamentos e manutenção de canteiro As estruturas de aço. foi estimado a utilização de argamassas de nivelamento com até 8 cm de espessura. para reduzir custos e evitar a improvisação de canteiro pois o terreno é de pequenas proporções impossibilitando este serviço no local da obra. para a planificação de fachadas e pisos. assim . necessários para a execução de uma estrutura convencional. A aquisição das estruturas metálicas montadas. representou neste estudo uma redução na contratação e manutenção de equipes de coordenação e apoio administrativo.No sistema de estrutura em concreto armado. elétricos. obter uma economia de 25% no custo das instalações. aumentando o consumo de material e horas de mão-de-obra elevando nesta etapa o custo da obra. ar condicionado e outros equipamentos) devem estar concluídos antes da elaboração do detalhamento de fabrica das estruturas de aço. 6. tanto na redução de desperdício como na elevada produtividade decorrente da racionalização do processo. telefonia. como elementos pré-fabricados. As passagens para os dutos devem ser executados na fábrica. através de uma concepção industrial do ato de construir.

4 é comparado os custos gerados devido a estrutura. eliminando desperdícios e riscos de desvios orçamentários. alvenarias e revestimentos. . instalações e unidades e manutenção de canteiro utilizando construções em aço e em concreto convencional. Na figura 6. Contribuem também na redução de custos para manutenção do canteiro.como dos custos decorrentes da elevada rotatividade de recursos humanos. permitindo a aplicação de técnicas modernas de administração de materiais. limpeza e racionalização da construção. fundação.

atingindo valores de 15 a 20% do valor total da obra. considerando as instalações e manutenção de canteiro de obra. etc. No sistema convencional de estrutura de concreto armado. tais como: esquadrias. Na figura 6. limpeza. 6. considerando os custos comuns.6 Custos comuns Os custos dos demais componentes da edificação.5 é apresentado um comparativo de custo entre as estruturas de concreto armado e as estruturas metálicas. vidros. foi denominado como itens comuns que representam 30% dos custos diretos de construção. Fonte: ARQUIVOS INPAR (2003).4: Comparativo de custo entre as estrutura de aço e convencional. . são previstos perdas de materiais além de proporcionar desperdícios e entulhos..Figura 6.

Figura 6.5: Comparativo de custo entre as estrutura de aço e convencional em relação aos itens comuns. Fonte: ARQUIVOS INPAR (2003). .

Entretanto.6.  Giro rápido do capital empregado.7 Custos financeiros Para conclusão do estudo comparativo de custos. foram agregados o custo financeiro referente a mobilização dos recursos aplicados na construção do hotel. minimizando os riscos do empreendimento.  Antecipação da ocupação do imóvel permitindo o rápido atendimento às condições de mercado. . não é somente a redução de custos que define a viabilidade da utilização das estruturas em aço. proporcionando maior número de quartos e vagas de estacionamento de veículos. é necessário que se proceda às quantificações e respectivas valorizações dos benefícios que se podem esperar:  Aumento da área líquida construída.6 são apresentados os resultados finais do estudo de comparação de custo entre a estrutura de aço e a estrutura convencional em concreto armado onde é constatado uma economia de 8% na utilização dos sistemas estruturais metálicos. Na figura 6.

8 Logística da obra Definida a concepção do projeto estrutural. 6. buscaram-se diversas opções tecnológicas e sistemáticas construtivas industrializadas para viabilização da obra pois o abastecimento de materiais só podia ser realizado no período noturno devido .Figura 6.6: Economia obtida entre as estrutura de aço e concreto armado Fonte: ARQUIVOS INPAR (2003).

elevando os custos e o tempo de execução da obra. a concretagem de uma laje em estrutura convencional de concreto armado demoraria de três a quatro dias e a solução encontrada para driblar o problema foi construir o prédio com estrutura metálica. com lajes do tipo steel deck (Figura 6. A localização na Avenida Paulista é ótima do ponto de vista empresarial. se a construtora optasse pela estrutura de concreto. As lajes foram concretadas aos poucos. num período de 3 horas por dia. 15 m³ de concreto bombeado foram lançados por . para momentos fletores positivos além de funcionar como plataforma de serviço e proteção aos operários que trabalham nos andares inferiores. SMT (Secretaria Municipal dos Transportes) e PMSP (Prefeitura Municipal de São Paulo). propiciando maior segurança. Segundo o coordenador Faversani (2003).7) que consiste em uma fôrma metálica que suporta o concreto e trabalha também como armadura positiva da laje. principalmente as betoneiras. A obra poderia ser executada das oito horas da noite até às sete horas da manhã.60 a localização e restrições de acesso impostos pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). esta laje substitui a armadura de tração. Dessa forma. os serviços de concretagem poderiam ser realizados apenas entre sete e dez horas da manhã devido a Portaria 27 – artigo 2 (Anexo 1). que só poderiam circular entre sete e dez horas da manhã. mas a existência de um prédio residencial no terreno ao lado impossibilitou a realização dos trabalhos à noite. mas representava um desafio logístico pela dificuldade de acesso para caminhões com suprimentos.

8: Concretagem de laje Steel Deck. a chapa de aço tem esta função inicialmente e após a concretagem substitui a armadura (Figura 6. Figura 6. pois. Sua montagem é realizada independente das condições atmosféricas e permite incorporar facilmente canalizações.8). fios elétricos. muito menos formas. Fonte: PEGORARO (2005) Não foi necessário utilizar escoramentos. bem como tirantes sustentação de forro.6 1 dia. Fonte: PEGORARO (2005) para .7: Ilustração da laje Steel Deck. Figura 6. devido as restrições de horário conforme Portaria 27 – artigo 2 (Anexo 1) e a impossibilidade de estacionar mais de 1 caminhão devido as dimensões da obra.

. CODEME Estruturas Metálicas.Assim foi possível executar antes a estrutura fornecida e montada pela Codeme. seguindo as restrições de horário. diminuindo consideravelmente suas etapas.9 Fornecimento e montagem da estrutura A empresa responsável pela fabricação e montagem da estrutura de aço (Figura 6. a obra tornou-se mais rápida e simples. Com o aço. Fonte: MENEGHETTI (2005). 6. utilizou o aço ASTM A-36 (Aço carbono estrutural comum). ao contrário do que exigiria uma obra convencional. responsável também pelo projeto estrutural em apenas 75 dias.9: Cobertura em policarbonato e estrutura metálica. e concretar as lajes aos poucos conforme mencionado anteriormente. Figura 6.9).

reduzindo também o inevitável desperdício desses materiais. Figura 6. A medida que o prédio é construído.11.10: Execução da estrutura metálica. há uma melhor organização do canteiro devido. As datas de entrega dos conjuntos em estruturas metálicas são combinadas com a empresa fabricante de acordo com o andamento da obra. Fonte: CBCA (2005).Como a estrutura metálica (Figura 6.10) é totalmente pré-fabricada. As peças são erguidas por gruas conforme figura 6. à ausência de grandes depósitos de areia. cimento. brita. . a estrutura é entregue na obra em peças e o canteiro de obras é utilizado apenas para sua montagem. madeiras e ferragens.

Figura 6.11: Montagem da cobertura em estruturas metálicas. Fonte: CBCA (2005).10 Fechamentos internos e externos O ambiente limpo com menor geração de entulho. ofereceu ainda melhores condições de segurança ao trabalhador contribuindo para a redução dos acidentes na obra.12: Ambiente limpo em estrutura steel frame para receber placas de gesso acartonado. foram utilizadas paredes em drywall fixadas a estruturas steel frame e fachada pré-fabricada GFRC (Glass Fiber Reinforced Concrete). Fonte: CBCA (2005). Figura 6. e externos. 6. Para otimização do tempo de execução da obra quanto aos fechamentos internos (figura 6.12). um .

O piso é cerâmico nas áreas frias e carpete nos quartos. A construtora optou pelo banheiro pronto.concreto de alto desempenho reforçado com fibra de vidro. mas a diferença de custo não se justificou nesta obra. . a hélice contínua que é atualmente o sistema mais moderno e seguro. por exemplo. mais leve e que permite uma espessura menor. O forro é em gesso acartonado e as esquadrias são de PVC (policloreto de vinila ). As placas já possuem o acabamento final (Figura 6. As fundações foram executadas por sistemas de tubulões a céu aberto. cada uma com 1 cm. pois. e miolo de fibra de lã-de-rocha.13). Figura 6. um monobloco em GFRC. Fonte: MENEGHETTI (2005). A parede possui 9 cm de largura e é constituída por duas placas de GFRC. para proporcionar melhor isolamento termoacústico.13: Ambiente fachada pré-fabricada GFRC. foram estudados outros tipos de fundações.

as construções estão frequentemente sendo executadas em prazos menores com a elaboração de processos industrializados. Com o avanço tecnológico. a grande maioria das obras no Brasil. instalações elétricas e hidráulicas. reduzindo o número de pessoas circulando na obra como também a quantidade de madeira utilizada para montagem das fôrmas e seu escoramento. ferreiros para corte e dobra das barras de aço. bastando o seu encaixe na estrutura. louças sanitárias. desafiando a logística para entrega de insumos para a realização da obra como também a possibilidade de sua estocagem no canteiro de obras. as obras em estruturas metálicas são modulares facilitando a ampliação do edifício sem afetar o setor que já se encontra em . ainda são executadas no modo convencional. ou seja. As fachadas com molduras. em estruturas de concreto armado. Há uma maior precisão milimétrica diminuindo gastos argamassas para regularização e nivelamento das paredes.7 CONCLUSÕES As construções de edifícios comerciais requerem uma entrega rápida da obra e geralmente apresentam-se em locais de difícil acesso ou intensa densidade demográfica. exigindo um trabalho artesanal por parte da marcenaria para montagem de formas. Geralmente. Em relação à estrutura. já pronto com revestimentos. paredes texturizadas também são entregues em placas prontas transformando a obra em um processo somente de montagem. A estrutura metálica é um dos sistemas que poderia substituir este trabalho artesanal de concreto armado. Banheiros são entregues como monoblocos. além da montagem das peças (vigas e pilares). além de aliviar com as cargas nas fundações.

apenas porque. É um sistema estrutural que possibilita a desmontagem da estrutura e montagem em outro local como também reaproveitar o aço proporcionando menores impactos ao meio ambiente. chegando prontas bastando executar as ligações soldadas ou parafusadas das peças que compõe a estrutura no todo. reduzindo o tempo de execução da obra. ou pelo menos não sofrem a interferência de setores especializados . racionalização do processo construtivo. os métodos convencionais são mais baratos. onde a estrutura metálica é descartada logo de início por apresentar custos entorno de 10% mais caro que a estrutura de concreto armado.funcionamento. ilusoriamente. Infelizmente a cultura da sociedade é visar benefícios quanto ao custo financeiro. sem analisar outros benefícios como redução no tempo de execução proporcionando aos investidores retorno mais rápido do capital investido. onde notadamente tem sido empregado um conservadorismo muito grande em termos de processos construtivos. concretagem e cura para início dos próximos pavimentos. não dependendo mais das condições do tempo para montagem de fôrmas. Os elementos estruturais como colunas e vigas em aço são fabricadas fora da obra. vencendo grandes vãos que em projetos arquitetônicos bem elaborados traduzem em aspectos de arrojo e modernidade. reduzindo custos de mão-de-obra e material e possibilitar diversas formas estruturais com leveza. como se pode perceber claramente no Brasil. Não se tem o costume de analisar novas técnicas e métodos. O desenvolvimento e a aplicação da arquitetura não devem ser barrados por limitações de cunho histórico ou técnico.

Isto tem bloqueado o avanço da estrutura metálica pois cada método tem o seu campo de atuação. Esta tradição construtiva. os materiais. possuem em prazo de execução maior. As estruturas de concreto em geral. não é verdade. corre-se o risco de criar uma nova tradição de uso do aço. pois ele estará menos sujeito a reajustes e correções devidos a um cenário econômico instável. Conseqüentemente o retorno de seu investimento será mais breve. caso contrário. mesmo porque.da construção. numa economia como a do Brasil. Deve ficar bem claro que o uso da estrutura metálica deve necessariamente estar associado a casos onde ela de fato seja economicamente mais viável que outras técnicas. Analisando-se financeiramente a estrutura metálica em comparação com a estrutura de concreto. quando comparadas com as de aço. mais em nível de investimento. balanços e formas de difícil execução em concreto. que mesmo nos casos onde seria recomendado o uso da estrutura metálica. . o investidor verá seus recursos aplicados ao longo de um período mais curto em relação às construções convencionais. Portanto. Em nenhum instante deverá ser dita a frase “a estrutura metálica é mais barata que a de concreto”. usa-se a de concreto com conseqüente aumento de custo. que emprega basicamente o concreto como elemento estrutural tem sido tão forte. em detrimento do uso destas outras técnicas. a estrutura de concreto passa a ser economicamente vantajosa. o que gera uma segurança maior. de maneira absoluta. sem que tenha que bloquear ou prejudicar o outro. já que para obras simples onde a arquitetura não exige o uso da esbeltez do aço ou não seja necessário o uso de grandes vãos. pela rapidez da estrutura metálica.

técnica bastante utilizada na engenharia e na arquitetura.principalmente o cimento. dá-se preferência a um arranjo estrutural com pilares periféricos e grandes vãos. a montagem. . outro fator que caracterizou a viabilidade do uso de estruturas metálicas foi devido à redução nas dimensões do canteiro de obras e a redução no consumo de concreto pois o acesso de veículos de grande porte. assim como outras obras comerciais localizadas no centro urbano da cidade de São Paulo. além das vantagens apresentadas anteriormente. Outro ponto a ser considerado é que frente a repetitividade causada pela modulação. No estudo de caso apresentado. onde a esbeltez e a leveza são importantes. conseqüentemente. fica mais fácil e ágil. distorções no custo total da obra num volume muito grande. Em edifícios comerciais em geral. também repetitiva. principalmente caminhões betoneiras. que não é estocado. a arquitetura busca compatibilizar os espaços de maneira que haja o maior aproveitamento da área. a produção em série de peças estruturais em aço barateia ainda mais a estrutura e conseqüentemente. são restritos em função de lei municipal que impede a circulação desses veículos em determinados horários. portanto a estrutura metálica é recomendada. ficam sujeitos à grande variação de preços. o que leva a correções. do edifício comercial Hotel íbis Paulista. diminuindo o gasto com mão-de-obra e com o tempo de uso de equipamentos em geral.

2005. U. Roberto. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. BELLEI.. NBR 6023: Informação e documentação – Referências . Disponível em: <http://www. CANDUSSO. Ildoney H. Edifícios de múltiplos andares em aço.com. Sobre obra em estrutura metálica [mensagem pessoal]. CAMBRIDGE.br/frameset_links_artigos. São Paulo.msm. Porque construir com estruturas metálicas. NBR 10520: apresentação de citações em documentos: procedimento. Rio de Janeiro.. PINHO.uk/phase-trans/2005/t101/t101. 2005. 2004.pauloandrade. Rio de Janeiro. 2002.br> em 25 agosto 2005. 2000. The Taipei 101 Tower. 454 p. Disponível em <http://www.html>. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. PINHO.lucia@candusso. São Paulo: Pini.cam. 1988. . Paulo Alcides .ac. Acesso em: 20 nov..70 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE. Acesso em: 02 mar. Mauro O. Fernando O.htm>. Mensagem recebida por <m..com.Elaboração.

Luís Andrade de Mattos. Estruturas de Aço – Conceitos.asp>. Vantagens do uso do aço na Construção Civil – S.cbcaibs. Acesso em: 17 ago.br/metalicasvantagens. Engenharia .org. 21 fev. Centro brasileiro da construção em aço. São Paulo. Paulo: Catálogo. SP).7 1 CBCA. Rinaldo Maciel de. Edificações de Aço no Brasil. Luís Andrade de Mattos. FREITAS. 2005. 165 p. Infomet.php?id=95>. 2005. O Empreiteiro. março 2003. 2005. Minas Gerais. Estruturas Metálicas Vantagens. COSIPA.sitengenharia.infomet. 2003. 2004. São Paulo: Zigurate Editora. FAVERSANI.br/index. DIAS.com. A essencialidade do aço na construção civil e a tributação com o IPI. São Paulo: Zigurate Editora. . DIAS.htm. Acesso em: 03 mar.com. Disponível em <http://www. Rio de Janeiro. técnicas e linguagem. 1999.br/vista_opinioes. 207 p. São Paulo. 2005.Portal da Engenharia. Nelson. 1998. Disponível em: http://www. Acesso em: 13 fev. Disponível em: <http://www. Companhia Siderúrgica Paulista (São Paulo. Aço no lugar do concreto – Restrições ao tráfego de caminhões na Avenida Paulista em São Paulo e prédio residencial vizinho levam construtora a modificar método construtivo.

300 p. Estruturas Metálicas – Cálculos. Estruturas Metálicas. PINHEIRO.projetoconstrucao. Power Point for Win.ig. exercícios e projetos.com> em 25 jul. 2003. A.php?id_pag=140. INABA. Antônio C. Rio de Janeiro.Instituto Brasileiro de Siderurgia. Bragança. P. 1999. São Paulo. . São Paulo. Inovação tecnológica nas edificações e a introdução da estrutura metálica em Minas Gerais. M. São Paulo. 2005. LEMOINE. 2005.Arquitetura em Aço. Aço. 226p. 2003. Tese (Doutorado) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Disponível em: <http://www.org.com/pg_dinamica/bin/pg_dinamica. 2005. Fagner. São Paulo: Editora Edgard Blucher Ltda. 2003.br/metalicasintroducao.metalica.IBS .htm>. Acesso em: 25 jul. Acesso em 24 mai. em: Acesso em 21 mai. Roberto. 23 mar. Foto da obra [mensagem pessoal]. 2005. 2003. Mensagem recebida por <fagdume@hotmail. REZENDE. F.ibs. Detalhes. um material de construção ecológico para um desenvolvimento sustentável. Disponível em: <http://www. MENEGHETTI. Bertrand. 1 arquivo (1473kbytes).com. Disponível <http://www.asp>. Construções Metálicas . 2002.br/estatisticas2. Projeto & Construção – O Portal do Construtor. Produção mundial de aço bruto .hpg.

F. 306 p. Construções em Aço – Projeto. Rodney. Acesso em: 13 mar. Florianópolis. MALITE. Roberto Martins. PRELOURENTZOU.São Paulo Estruturas Metálicas. Fotos Íbis Paulista [mensagem pessoal].com.br/vantagens/index.uol. 1999. José Jairo de. 2003. Vantagens na utilização de estruturas metálicas nas construções.vilabol. SPEM . SALÉS. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina.html. São Carlos: USP Escola de Engenharia de São Carlos.br> em 16 agosto 2005. Disponível em: <http://saopauloestruturas. 2004.PEGORARO. GONÇALVES. . Pierre Antoine.V. ROMANO.com. 2005. 2003. 381p. São Paulo. Modelo de referência para o gerenciamento do processo de projeto integrado de edificações. Maximiliano. Mensagem recebida por <comercial@codeme.

00 ~ 315.00 / Kg Inclui: • Transporte e montagem no local da obra até uma distancia máxima de 50 Km.metalica.com.00 Kg / m² R$ / m² R$ / kg 40 ~ 45 280.APÊNDICE COTAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS http://www.00 Kg / m² R$ / m² R$ / kg 32 ~ 36 240. acessórios estruturais: R$ 10.00 7.00 8. acabamentos.00 7.00 ~ 270. Não inclui: • Fundações • Fornecimento e colocação de pisos COTAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO valores atualizados em 01/03/2005 .00 7.00 Entre 3 e 10 pavimentos Elementos de ligação.php?id_pag=178 valores atualizados em 26/04/2005 EDIFÍCIOS Até 3 pavimentos Vão até (m) 6.00 7.00~ 350.00 ~ 315.br/pg_dinamica/bin/pg_dinamica.00 45 ~ 50 315.00 Vão (m) 6.50 8.00 40 ~ 45 280.

Características. com 10 mm de espessura e ligadas entre si por uma manta de fibra de lã de vidro.baixo relevo impossiveis de obter com outros materiais.. à tração puro ao impacto. garantem a ventilação e evitam o risco de condensações no seu interior.R. bem como a manta interna de fibra de vidro.000m² de painéis O SISTEMA Cada painel é constituído por duas lâminas de G. aditivos e fibras de vidro alcali-resistentes são dispersas no produto.com.metalica.C. apresenta uma massa que é cerca de ¼ da habitual para um painel equivalente em concreto tradicional. Uma das qualidades do GFRC é sua plasticidade. além de tensões provocadas pelo diferencial térmico entre o interior e o exterior. bem como um comportamento térmico e acústico muito superior. desta forma. . A presença de aberturas nas bordas dos painéis. elimina-se totalmente o risco de aparecimento de fissuras no painel. Deste modo.php?id_pag=822 Tecnologia. Um painel pronto. Desta forma é possível moldar painéis de fachada extamente de acordo com o projeto de arquitetura. Flat Vila Nova Marriot 6. Deste modo. água. obtem-se um funcionamento homogêneo na compressão e na flexão das duas lâminas. ao envelhecimento e uma elevada resistência à compressão. Aplicações O que é GFRC G.Painéis Arquitetônicos de GFRC http://www.br/pg_dinamica/bin/pg_dinamica.R. Este produto possui uma excelente resistência à tração na flexão.C. que propicia efeitos arquitetônicos de alto . constituído de cimento. são as iniciais da designação em inglês Glass Fiber Reinforced Concrete.F. areia silicosa. Trata-se de um microconcreto de alta resistência. garantindo-se um componente único e estável. ou Concreto Reforçado com Fibras de Vidro.F.

Vila Clementino 13. Com o objetivo de simplificar a obra.Por outro lado. . os painéis poderão ser dotados internamente com as tubulações das redes hidráulicas e elétricas previstas no projeto. Hotel e Flat Live & Lodge . reduz as forças equivalentes à ação sísmica. estes painéis poderão incorporar as aberturas: portas. De igual modo. arcondicionado. janelas. etc. a face exterior de cada painel já sai da fábrica com o acabamento final.500m² de painéis OS ACABAMENTOS Flat Vila Nova Marriot Vila Nova Conceição 6.000m² de painéis Com vista à redução dos custos de acabamento em obra. uma vez que permite aliviar as cargas sobre estrutura.

Detalhe da cornija Detalhe do arco na fachada posterior DETALHES Sistema de Fixação Detalhe fixação inferior Detalhe fixação superior Os painéis são fixados por meio de acessórios metálicos de aço inoxidável ou galvanizado à fogo. . que em função do tamanho e cor da granilha pode ter um relevo semelhante ao fulget. Montagem O painel é içado até sua posição definitiva Lavagem A lavagem revela a textura final do painel. parafusados diretamente na estrutura.

ANEXO I .

.

8 0 .