Jornalismo cidadão e conteúdo gerado pelo usuário

Overmundo Lab módulo B: Instituto Overmundo (cc) Alguns direitos reservados.

aula B2 Escrita e autopublicação na rede «

1 2 3 4 5 6 7

O que é “jornalismo cidadão”? Como surge esta expressão? E em que contexto ela é aplicada?

As origens do conceito: discussão sobre os modelos de “jornalismo cívico” e “jornalismo público”.

Outras variantes: jornalismo hiperlocal, jornalismo popular, jornalismo opensource, jornalismo participativo, jornalismo colaborativo. O jornalista-cidadão e o cidadão-jornalista.

O jornalismo cidadão e a web. Novas tecnologias a serviço da informação. O que significa a expressão “conteúdo gerado pelo usuário”? O ciberespaço como fonte, o ciberespaço ferramenta de produção e o ciberespaço como escoadouro.

Ferramentas para o cidadão-jornalista. Entrevistas e coberturas colaborativas. O jornalismo cidadão na prática.

Overmundo Lab Instituto Overmundo (cc) Alguns direitos reservados.

» aula B2 // resumo

Jornalismo cidadão e conteúdo gerado pelo usuário
O professor discute aprofundadamente o conceito de “jornalismo cidadão” e sua origem, mapeando correntes e práticas jornalísticas que culminaram nesta compreensão sobre o fenômeno do cidadão-jornalista. A partir de casos diversos, a aula procura apresentar modelos de jornalismo participativo, notadamente a partir das experiências do jornalismo cidadão, do jornalismo cívico, do jornalismo público e do jornalismo hiperlocal. A sessão ainda debate com os alunos a tendência generalizada de aproveitamento do conteúdo gerado pelo próprio usuário na rede, inclu-sive por grandes meios de comunicação.

Overmundo Lab Instituto Overmundo (cc) Alguns direitos reservados.

3

metodologia
Aula constituída de exposição oral em torno de 50 minutos, com abertura para debate e comentários sobre as referências citadas e utilizadas. O professor pode ainda realizar com os alunos a dinâmica proposta abaixo.

debate
A origem do conceito “jornalismo cidadão” aponta para meados da década de 1990, quando uma série de jornalistas (e pesquisadores) como Dan Gillmor, Jay Rosen e outros defendiam que a adoção generalizada da internet e das novas tecnologias poderia favorecer a prática jornalística, inclusive introduzindo novos atores como mediadores. A corrente do jornalismo cidadão, contudo, deriva, em grande medida, de outras vertentes históricas, como as do jornalismo público e do jornalismo cívico. Já em fins do século XIX, a imprensa aposta na cobertura de cidades, para fugir da padronização das agências de notícias. Em 1920, um grande debate entre o jornalista Walter Lippmann e o filósofo John Dewey procurou investigar o papel dos cidadãos nas democracias modernas. Debate este que foi, de certa forma, complementado pelas conclusões da Comissão Hutchins para a Liberdade de Imprensa entre as décadas de 1940 e 1950, que levantou questões relacionadas à responsabilidade social da imprensa no pósGuerra. A partir daí, a corrente do chamado jornalismo público se apresenta também como resposta da imprensa tradicional à perda de leitores por conta da concorrência com a televisão. E, na década de 1970, o jornalismo cívico é responsável por tentar “mobilizar” e dar a palavra a cidadãos comuns. O jornalismo cidadão perpetua esta tradição, radicalizando o papel do público, agora compreendido também como “produtor” de conteúdo jornalístico. Nesse sentido, o jornalismo cidadão pode ser entendido também fora do contexto da internet, mas são justamente as novas mídias sociais que facilitam o acesso do cidadão comum a estes meios de produção, possibilitando o surgimento de novos mediadores, como blogueiros, podcasters e cineastas amadores. 4

sugestões de dinâmica
Ao início da aula, o professor apresenta os alunos ao Twitter (ou outro serviço de microblogging) e instrui cada um deles a criar sua conta particular, demonstrando os comandos e convenções básicas da ferramenta. Em seguida, o professor propõe que os alunos façam uma espécie de “cobertura colaborativa” da própria aula, substituindo seus cadernos pela comunicação em rede e abraçando a ideia de um grande “caderno colaborativo”. Ao fim da exposição oral, professor e alunos discutem o resultado da dinâmica.

critérios de avaliação
Uma cobertura colaborativa é distinta de uma cobertura jornalística tradicional em uma série de aspectos. O professor pode avaliar a atuação dos alunos na dinâmica proposta a partir de seu grau de interação com os demais participantes e do conteúdo de suas mensagens, contextualizando o grau de subjetividade, atualidade e teor informativo dos posts.

Overmundo Lab Instituto Overmundo (cc) Alguns direitos reservados.

leitura recomendada
ABREU, Alzira Alves de. Jornalismo cidadão. In: Estudos Históricos, “Mídia”, n. 31, 2003/1. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br>. ▪ CHAGAS, Viktor. Por que é cidadão o jornalista cidadão? (História das mídias e jornalismo cidadão de base comunitária na Maré). Dissertação de mestrado. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br>. ▪ FOSCHINI, Ana Carmen; TADDEI, Roberto Romano. Jornalismo cidadão: você faz a notícia. (Coleção “Conquiste a Rede”) In: Overmundo, 2006. Disponível em: <http://www.overmundo.com.br>. ▪ GILLMOR, Dan. We the media: grassroots journalism by the people, for the people. Sebastopol (EEUU): O'Reilly, 2004. Disponível em: <http://wethemedia.oreilly.com>. ▪ ▪ KEEN, Andrew. “Jornalismo cidadão”. In: _____. O culto do amador. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

leitura complementar
BOWMAN, Shayne; WILLIS, Chris. We media: how audiences are shaping the future of news and information. In: The Media Center (American Press Institute), 2007. Disponível em: <http://hypergene.net/wemedia>. ▪ ▪ HASS, Tanni. The pursuit of public journalism: theory, practice, and criticism. Nova Iorque (EEUU): Routledge / Taylor & Francis Group, 2007. MACHADO, Elias. O ciberespaço como fonte para os jornalistas. Salvador: Calandra, 2003. (Coleção Biblioteca J). ROSEN, Jay. What are journalists for? New Haven (EEUU): Yale University Press, 1999. WEBER, Max. Sociologia da imprensa: um programa de pesquisa. In: Lua Nova, n. 55-56. São Paulo: CEDEC, 2002.

Overmundo Lab Instituto Overmundo (cc) Alguns direitos reservados.

5

créditos
Overmundo Lab um projeto Instituto Overmundo planejamento didático Viktor Chagas (coordenação) Helena Aragão Olívia Bandeira Oona Castro Thiago Camelo identidade visual Viktor Chagas rede de oficineiros Viktor Chagas (coordenação) Douglas Vieira Helena Aragão Olívia Bandeira Oona Castro Saulo Frauches Thiago Camelo + Claudia Rangel Daniel Duende Marcelo Cabral Sergio Rosa Thiago Skárnio Yusseff Abrahim

websites
▪ AgoraVox. <http://www.agoravox.com/> ▪ CitizenSide. <http://www.citizenside.com> ▪ EveryBlock. <http://www.everyblock.com/> ▪ Independent Media Center. <http://www.indymedia.org> ▪ NewsVine. <http://www.newsvine.com/> ▪ NowPublic. <http://www.nowpublic.com/> ▪ OhMyNews International. <http://english.ohmynews.com/> ▪ SOS Periodista. <http://www.sosperiodista.com.ar/> ▪ Spot.Us. <http://www.spot.us/> ▪ Ushahidi. <http://www.ushahidi.com> ▪ YouTube CitizenNews. <http://www.youtube.com/watch? v=yQkON7NN6WY>

Overmundo Lab Instituto Overmundo (cc) Alguns direitos reservados.

6

• <http://lab.overmundo.org.br>

• <http://delicious.com/overmundo>

Creative Commons <CC BY-NC-SA 3.0> •

atribuição •

uso não-comercial •

compartilhamento pela mesma licença •
Overmundo Lab Instituto Overmundo (cc) Alguns direitos reservados.

Secretaria de Cidadania Cultural

Overmundo Lab Instituto Overmundo (cc) Alguns direitos reservados.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful

Master Your Semester with Scribd & The New York Times

Special offer for students: Only $4.99/month.

Master Your Semester with a Special Offer from Scribd & The New York Times

Cancel anytime.