C M Y K 12

Brasília, terça-feira, 13 de julho de 1999 CORREIO BRAZILIENSE

MARIA CLARICE DIAS & RUBENS PAIVA saude@cbdata.com.br

SAÚDE

Editoria de Arte: ediarte@cbdata.com.br

DIABETES NA INFÂNCIA
Excesso de peso nos filhos é perigoso. Está provado que crianças obesas podem desenvolver diabetes muito antes do previsto

C
O DIABETES É um distúrbio do metabolismo dos açúcares (glicose). Existem dois tipos: Tipo I causado por uma deficiência do pâncreas. O órgão tornase incapaz de produzir o hormônio insulina, responsável pela entrada do açúcar nas células. É comum em crianças Tipo II relacionado à obesidade, esse tipo de doença manifestase mesmo com o pâncreas ainda funcionando. Mais comum em adultos
Criança com peso normal Criança com excesso de peso

MÁ NOTÍCIA Pesquisas desenvolvidas nos Estados Unidos, Canadá e Japão mostraram que o número de casos de diabetes tipo II aumentou 200 vezes nos últimos 13 anos No Brasil, estima-se que 30% da população tenha algum excesso de peso As crianças com propensão genética a sofrer diabetes estão desenvolvendo o mal muito mais cedo que o esperado

ORGANISMO SAUDÁVEL CAUSAS POSSÍVEIS História familiar (tendência genética)

COMO SURGE O DIABETES TIPO II

Excesso de peso (20% acima do índice tolerado)

O pâncreas é o órgão responsável pela produção de insulina

No começo, o pâncreas produz insulina exageradamente

Vida sedentária

Má alimentação (comidas com muita gordura e fast foods)

O hormônio da insulina, quando entra em contato com seus receptores na célula, permite a entrada da glicose. A insulina é como uma chave que abre cada célula para receber o açúcar

Em volta das células do organismo, cria-se uma carapaça que dificulta a entrada da insulina. Isso acontece devido ao excesso de gordura. É o que se chama resistência à insulina

PRIMEIROS SINTOMAS DO DIABETES s Excesso de urina s Muita sede s Muita fome s Feridas que não cicatrizam s Alterações visuais A glicose é a fonte de energia (combustível) indispensável para o bom funcionamento do organismo. Sem ela, o corpo não trabalha. Está presente em alimentos como: doces, massas, grãos, entre outros Por isso, as células não conseguem absorver a glicose e ficam enviando permanentemente mensagens para que o pâncreas produza insulina. O órgão obedece ao pedido até entrar em exaustão

COMPLICAÇÕES DA DOENÇA Se não for diagnosticado e tratado desde cedo, o mal pode causar:

riança cheia de gordurinhas pelo corpo pode até ser sinal de saúde. Mas tem limite. Gordurinha demais pode virar sinal de preocupação. Pesquisas recentes realizadas nos Estados Unidos, Canadá e Japão mostram que o índice de diabetes tipo II em crianças aumentou 200 vezes nos últimos 13 anos. Pelos levantamentos, em 1985 a média de crianças com a doença (tipo II) era de 0,8 casos ao ano. Em 1998, os números subiram para 8,4 casos anuais. Para a médica Valéria Guimarães, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia, regional Brasília, os números apresentados obrigam os médicos a prestar muita atenção nos índices de glicose nas crianças. ‘‘Pensávamos até então que o diabetes tipo II era raro em pessoas muito novas. Os estudos, infelizmente, provaram o contrário’’, diz. O tipo II do diabetes manifesta-se com o tempo. Os hábitos de vida e de alimentação, somados à herança familiar, estão entre os principais responsáveis pelo desenvolvimento do mal. ‘‘É a mistura de comidas gordurosas com sedentarismo, vício de televisão ou videogame e falta de informação que está aumentando assustadoramente o número de doentes’’, avisa Valéria. Uma das indicações da doença no corpo é sutil, mas determinante. Nos locais onde há maior acúmulo das ‘‘gordurinhas’’ nos meninos e meninas — pescoço, barriga, braços e pernas — pode começar a aparecer o que os especialistas conhecem por acantose nigricans ou hiperpigmentação. É uma sujeirinha permanente que, por mais que se esfregue, não sai. ‘‘O diabetes tipo II em crianças é muito incomum e, às vezes, nem os médicos estão condicionados a investigá-la’’, diz a endocrinologista infantil Mariangela Sampaio, do Hospital Regional do Gama, que falará sobre diabetes em crianças no VI Congresso Médico de Brasília, que acontece entre 19 e 22 de agosto. A qualquer sinal de problema, seja na pele ou por meio dos sintomas mais clássicos da doença, é bom procurar o médico e melhorar a qualidade de vida o quanto antes. É a única maneira de evitar que a descoberta da doença só aconteça quando a criança chegar ao hospital apresentando as complicações do mal. Quando já pode ser tarde.
SERVIÇO
VALÉRIA GUIMARÃES Endocrinologista Tel.: (061) 346-9191 MARIANGELA SAMPAIO Endocrinologista infantil Tel.: (061) 364-1155

Uma dieta saudável é um hábito que deve ser estabelecido desde cedo.Assim, a criança com propensão genética a sofrer diabetes pode evitar o mal com boa alimentação

Um dos melhores tratamentos do diabetes tipo II é voltado para tentar quebrar a resistência à insulina abrindo a célula

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful