You are on page 1of 86

Manual de Tubulações Telefônicas e Rede Interna em Edificações

Série 2 - Projeto de tubulação

Grupo: "Edificações com mais de cinco pontos telefônicos"

Esquema geral da tubulação telefônica

Objetivo

Este módulo apresenta o esquema geral da tubulação telefônica.

Composição da tubulação telefônica

A tubulação telefônica é composta de: secundária, primária, de entrada e de

aterramento, exemplificadas nas figuras 1 e 2.

Figura 1 - Tubulação em edifício com prumada convencional

Manual de Tubulações Telefônicas e Rede Interna em Edificações Série 2 - Projeto de tubulação Grupo:

Figura 2 - Tubulação em edifício com poço de elevação

Figura 2 - Tubulação em edifício com poço de elevação Critérios para previsão de pontos telefônicos

Critérios para previsão de pontos telefônicos

Objetivo

Este módulo define os critérios para o cálculo do número de pontos telefônicos.

Composição da tubulação telefônica

O número de pontos telefônicos para residências, apartamentos, lojas e escritórios,

deve ser definido com base na tabela 1.

Tabela 1 - Definição da quantidade de pontos telefônicos.

Figura 2 - Tubulação em edifício com poço de elevação Critérios para previsão de pontos telefônicos

NOTA:

O número de pontos telefônicos para agências bancárias, indústrias,

cinemas, teatros, hospitais, supermercados, hotéis, motéis, depósitos, escolas, igrejas, estádios de futebol, autódromos, hipódromos e outros, devem ser objeto de estudos em conjunto com a filial. Quando se tratar de apartamentos populares, e com área inferior a 60 m2, deve ser previsto 1 ponto telefônico, independentemente da quantidade de dormitórios. Deve ser comprovado pelo cliente através de documento pertinente que se trata de apartamento popular.

Caixas de saída

 

Objetivo

Este módulo orienta como definir a quantidade, localização e utilização das caixas

de saída.

O número de caixas de saída pode ser superior ao número de pontos telefônicos, prevendo as possíveis extensões e outros serviços especiais.

Tipos e dimensões

As caixas de saída de parede devem ser de chapa metálica estampada, com furações para eletrodutos, própria para instalação embutida em parede. As caixas de saída podem ser de dois tipos:

a) Caixa no 0, com as dimensões 10 x 5 x 5 cm (ver figura 1).

Figura 1 - Caixa de saída de parede

NOTA: O número de pontos telefônicos para agências bancárias, indústrias, cinemas, teatros, hospitais, supermercados, hotéis, motéis,

b) Caixa no 1, com as dimensões 10 x 10 x 5 cm (ver figura 2).

Figura 2 - Caixa de saída de parede

NOTA: O número de pontos telefônicos para agências bancárias, indústrias, cinemas, teatros, hospitais, supermercados, hotéis, motéis,

Utilização

A primeira caixa para tomada deve ser sempre a de número 1. As demais caixas devem ser determinadas de acordo com a tabela 1 a seguir.

Tabela 1 - Dimensões das caixas de saída em função do número de pontos

telefônicos.

Utilização A primeira caixa para tomada deve ser sempre a de número 1. As demais caixas

A figura 3 apresenta uma caixa de saída no 0 utilizada como caixa de passagem.

Figura 3 - Caixa de saída – Passagem

Utilização A primeira caixa para tomada deve ser sempre a de número 1. As demais caixas

A figura 4 apresenta uma caixa de saída no 1 utilizada para a instalação de tomada telefônica, padrão Telebrás.

Figura 4 - Caixa de saída no 1 com tomada padrão Telebrás

Utilização A primeira caixa para tomada deve ser sempre a de número 1. As demais caixas

A figura 5 apresenta uma caixa de saída, com a tomada telefônica, com o terminal

RJ-11.

Figura 5 - Caixa de saída com tomada e terminal RJ-11

Localização
Localização

Nos apartamentos e residências geralmente são utilizadas caixas de saída de

parede, devendo ser previsto no mínimo uma caixa de saída na sala, uma em cada quarto, uma na copa e uma na cozinha conforme segue:

  • a) Sala: a caixa de saída deve ser localizada em paredes e a 30 cm do piso

acabado. Em função das características da sala é recomendável a previsão de mais

de uma caixa de saída, posicionadas preferencialmente equidistantes entre si;

  • b) Quartos: a caixa deve ser localizada ao lado da provável posição da cabeceira

das camas, na parede e a 30 cm do piso acabado;

  • c) Cozinha: a caixa de saída deve ser localizada a uma altura de 130 a 150 cm do

piso acabado para instalação de telefone de parede e não deve ficar em locais onde

provavelmente serão instalados o fogão, a geladeira, a pia ou os armários;

  • d) Copa: de acordo com as características da copa, a caixa de saída pode ser

instalada a uma altura de 130 a 150 cm do piso acabado para instalação de telefone

da parede, ou a 30 cm do piso acabado para instalação de telefone de mesa;

  • e) As caixas de saída não podem ser instaladas em banheiros, nem localizadas

atrás de portas.

Nos apartamentos caracterizados como populares, e com área inferior a 60 m2

devem ser previstas duas caixas de saída de 10 x 10 x 5 cm, localizadas uma na sala e outra em um dos quartos. Nas lojas são utilizadas caixas de saída de parede ou de piso, de acordo com as características internas, conforme segue:

  • a) Para caixas de piso, projetar em locais onde estiverem previstos balcões, caixas,

mesas de escritório, etc.;

  • b) Evitar paredes onde estiverem previstas prateleiras ou vitrines.

Nos escritórios são utilizadas caixas de saída de parede ou de piso conforme segue:

  • a) Projetar as caixas de saída de parede distribuídas equidistantemente, ao longo

das paredes e a 30 cm do piso acabado; b) Projetar as caixas de saída de piso, distribuídas uniformemente na área a ser atendida. Projetar também uma malha de piso, com tubulação convencional ou canaleta.

Para edificações com outras finalidades (indústrias, bancos, cinemas, teatros, supermercados, depósitos, armazéns, hotéis, corpo de bombeiros, delegacias e outros), elaborar o projeto em conjunto com a filial. Durante os trabalhos de acabamento e pintura, as caixas devem ser devidamente protegidas com papel, de forma que fiquem isentas de restos de argamassa e devidamente limpas.

Caixas de distribuição, distribuição geral e passagem

Objetivo

Este módulo define os critérios para dimensionamento, localização e instalação das

caixas de distribuição geral, de distribuição e de passagem.

Características

As caixas devem ser confeccionadas utilizando-se aço ou alumínio, providas de uma ou duas portas com dobradiças, fechaduras e barra de aterramento. As de aço são adequadas para uso interno e em ambientes secos; as de alumínio para uso interno ou externo, em ambientes sujeitos a intempéries, zona industrial, orla marítima ou locais úmidos (ver figura 1).

Figura 1 - Caixas de parede

das paredes e a 30 cm do piso acabado; b) Projetar as caixas de saída de

As caixas são de três tipos e utilizadas conforme segue:

a) Caixa de distribuição geral: instalar blocos terminais, fios e cabos telefônicos da rede externa e da rede interna da edificação (ver figura 2);

Figura 2 - Caixa de distribuição geral

Figura 2 - Caixa de distribuição geral b) Caixa de distribuição: instalar blocos terminais, fios e

b) Caixa de distribuição: instalar blocos terminais, fios e cabos telefônicos da rede interna (ver figura 3);

Figura 3 - Caixa de distribuição.

Figura 2 - Caixa de distribuição geral b) Caixa de distribuição: instalar blocos terminais, fios e

c) Caixa de passagem: passagem de cabos telefônicos (ver figura 4).

Figura 4 - Caixa de passagem.

Figura 2 - Caixa de distribuição geral b) Caixa de distribuição: instalar blocos terminais, fios e

Dimensões

As dimensões das caixas devem ser padronizadas de acordo com a tabela 1 e

identificadas através de numeração específica.

Tabela 1 - Dimensões das caixas.

Dimensões As dimensões das caixas devem ser padronizadas de acordo com a tabela 1 e identificadas

As caixas de distribuição geral, de distribuição e de passagem devem ser definidas em função do número de pontos telefônicos nelas acumulados, conforme tabela 2. O dimensionamento das caixas é feito prevendo-se a utilização de BER (Blocos de Engate Rápido). Para o dimensionamento de caixa de distribuição geral compartilhada com CPCT, considerar a quantidade total de linhas de entrada e de saída como: tronco, linha direta, FAX, linha de dados e ramais internos.

Tabela 2 - Dimensionamento de caixas internas.

Dimensões As dimensões das caixas devem ser padronizadas de acordo com a tabela 1 e identificadas

As pranchas de madeira compensada das caixas devem ter a espessura mínima de 16 mm. A caixa de passagem pertencente à tubulação de entrada subterrânea deve ter a dimensão mínima de 40 x 40 x 12 cm (caixa n.º 3). As caixas utilizadas em prumada residencial dirigida devem ser dimensionadas conforme a tabela 2.

Localização

As caixas devem ser localizadas conforme segue:

  • a) Em áreas comuns;

  • b) Preferencialmene em áreas internas e cobertas da edificação;

  • c) Em "halls" de serviços, se houverem;

  • d) Locais devidamente iluminados.

As caixas não devem ser localizadas:

  • a) Em "halls" sociais;

  • b) Em áreas que dificultam o acesso às mesmas;

  • c) No interior de salão de festas;

  • d) Em cubículos de lixeiras;

  • e) Embutidas em paredes à prova de fogo;

  • f) Atrás de portas;

  • g) Em escada enclausurada.

As caixas de distribuição e de passagem não pertencentes à prumada telefônica podem ser projetadas dentro de uma área privativa, desde que estejam previstas para atendimento específico dessa área. A regra geral é cada caixa de distribuição atender o andar em que está localizada, um andar acima e um andar abaixo, porém as últimas caixas da prumada podem atender dois andares acima.

A tabela 3 pode ser usada como guia para a localização das caixas de distribuição nos andares de um edifício.

Tabela 3 - Orientação para localização das caixas.

As caixas devem ser localizadas conforme segue: a) Em áreas comuns; b) Preferencialmene em áreas internas

Detalhes de Instalação

As caixas de distribuição geral, de distribuição e de passagem devem ser instaladas a uma altura de 130 a 150 cm do piso acabado, ao centro das mesmas e devidamente niveladas (ver figura 5).

Figura 5 - Detalhes de instalação.

Figura 5 - Detalhes de instalação. Em frente a cada caixa deve haver um espaço suficiente

Em frente a cada caixa deve haver um espaço suficiente para abrir sua porta num ângulo mínimo de 900 (ver figura 6).

Figura 5 - Detalhes de instalação. Em frente a cada caixa deve haver um espaço suficiente

Figura 6 - Abertura da porta > 90 0 .

Figura 5 - Detalhes de instalação. Em frente a cada caixa deve haver um espaço suficiente

As caixas devem estar isentas de restos de argamassa e devidamente limpas. Em área não coberta, a caixa deve ser de alumínio e ter uma proteção conforme mostra a figura 7. Em paredes onde a face oposta esteja sujeita a intempéries a caixa deve ser de alumínio.

Figura 7 - Detalhe da caixa instalada no muro.

Figura 5 - Detalhes de instalação. Em frente a cada caixa deve haver um espaço suficiente

Tubulação secundária e primária

Objetivo

Este módulo define os tipos de eletrodutos e detalha a sua instalação.

Tipos de eletrodutos utilizados

O eletroduto rígido metálico galvanizado é utilizado em instalações externas, expostos ao tempo ou em instalações internas, embutidas ou aparentes O eletroduto de PVC rígido é utilizado em instalações internas e externas embutidas ou aparentes. Não devem ser utilizados eletrodutos corrugados e mangueiras, em nenhuma parte da tubulação telefônica da edificação.

Utilização

A tubulação primária e secundária, compostas de eletrodutos, destinam-se a:

  • a) Instalar fios e cabos telefônicos;

  • b) Interligar caixas de saída entre si;

  • c) Interligar caixas de saída com caixas de distribuição, distribuição geral e salas de

D.G.;

  • d) Interligar caixas de distribuição com sistemas de canaletas de piso.

Em apartamentos e residências, a tubulação secundária interliga as caixas de saída

entre si, podendo ser de forma seqüencial ou não (ver figura 1).

Figura 1 - Tubulação secundária em apartamentos e residências.

Tubulação secundária e primária Objetivo Este módulo define os tipos de eletrodutos e detalha a sua

Em prédios não residenciais, constituídos de várias salas independentes, a tubulação secundária deve ser específica para cada uma delas e interligadas diretamente da caixa de distribuição ou de passagem do respectivo andar (ver figura 2). As salas são consideradas independentes, quando separadas entre si por paredes.

Figura 2 - Tubulação secundária em prédios comerciais.

Figura 2 - Tubulação secundária em prédios comerciais. Dimensões dos eletrodutos O diâmetro interno mínimo da

Dimensões dos eletrodutos

O diâmetro interno mínimo da tubulação secundária e primária deve ser determinado em função do número de pontos telefônicos acumulados, conforme a tabela 1.

Tabela 1 - Dimensionamento da tubulação.

Figura 2 - Tubulação secundária em prédios comerciais. Dimensões dos eletrodutos O diâmetro interno mínimo da

Detalhamento de instalação

O eletroduto deve ser cortado perpendicularmente ao seu eixo, confeccionada nova rosca na extremidade a ser aproveitada e retiradas cuidadosamente todas as rebarbas deixadas na operação de corte e confecção da rosca. As emendas dos eletrodutos devem ser feitas com luvas, atarrachadas em ambas as extremidades a serem ligadas, as quais devem ser introduzidas na luva até se tocarem, assegurando a continuidade da superfície interna (ver figura 3).

Figura 3 - Emendas de eletrodutos.

Figura 3 - Emendas de eletrodutos . As luvas, curvas, buchas e arruelas devem ter as

As luvas, curvas, buchas e arruelas devem ter as mesmas dimensões dos eletrodutos aos quais devem ser ligados (ver figura 4).

Figura 4 – Acessórios.

Figura 3 - Emendas de eletrodutos . As luvas, curvas, buchas e arruelas devem ter as

Os eletrodutos devem ser fixados nas caixas por meio de arruelas e buchas de proteção (ver figura 5).

Figura 5 - Fixação de eletrodutos.

Figura 3 - Emendas de eletrodutos . As luvas, curvas, buchas e arruelas devem ter as

Os eletrodutos não devem ser curvados. Quando necessário utilizar curvas pré- fabricadas, as quais devem ser de padrão comercial e de acordo com o eletroduto empregado. Entre duas caixas podem ser utilizadas, no máximo, duas curvas de 90º, sendo de 2 metros a distância mínima entre as duas curvas (ver figura 6).

Figura 6 - Distância entre curvas.

Os eletrodutos não devem ser curvados. Quando necessário utilizar curvas pré- fabricadas, as quais devem ser

Não devem ser empregadas curvas deflexas maiores que 90º (ver figura 7) ou reversas (curvas em planos diferentes).

Figura 7 - Curvas deflexas.

Os eletrodutos não devem ser curvados. Quando necessário utilizar curvas pré- fabricadas, as quais devem ser

A tubulação telefônica deve ter o comprimento de seus lances limitado para facilitar o puxamento dos cabos e fios, observando que a quantidade de curvas entre as caixas deve ser de no máximo duas. A tabela 2 determina o comprimento máximo para a tubulação em função das curvas existentes.

Tabela 2 - Comprimento dos lances.

A tubulação telefônica deve ter o comprimento de seus lances limitado para facilitar o puxamento dos

Os eletrodutos, sempre que possível, devem ser assentados em linha reta e observado o seguinte:

a) Não deve haver sobras de eletroduto na caixa (ver figura 8);

Figura 8 - Terminação dos eletrodutos.

A tubulação telefônica deve ter o comprimento de seus lances limitado para facilitar o puxamento dos

b) Não devem terminar inclinados na caixa (ver figura 9);

Figura 9 - Terminação dos eletrodutos.

c) Devem estar posicionados na parte superior e/ou inferior da caixa, a uma distância de 25
  • c) Devem estar posicionados na parte superior e/ou inferior da caixa, a uma

distância de 25 mm da lateral e a 25 mm da prancha de madeira (ver figura 10);

Figura 10 - Posicionamento dos eletrodutos.

c) Devem estar posicionados na parte superior e/ou inferior da caixa, a uma distância de 25
  • d) Quando houver numa caixa mais de uma tubulação primária, deve haver uma

distância de 25 mm entre elas;

  • e) A entrada e saída da tubulação primária pertencente à prumada devem ser

posicionadas em lados alternados da caixa conforme figura 11;

  • f) A tubulação secundária deve ser instalada na parede inferior ou superior da caixa;

  • g) A tubulação secundária não pertencente à prumada (destinada a atender as

caixas de saída do próprio andar) deve ser instalada do meio da caixa de

distribuição em direção às laterais, conforme exemplo e detalhe da figura 11;

  • h) A tubulação secundária pertencente à prumada (que atende caixas de saída de

outros andares), deve ser instalada nos cantos da caixa de distribuição, conforme exemplo e detalhe da figura 11.

Figura 11 - Posicionamento dos eletrodutos nas caixas.

outros andares), deve ser instalada nos cantos da caixa de distribuição, conforme exemplo e detalhe da

Nas estruturas de concreto armado, observar os seguintes aspectos:

i) A tubulação embutida em peças estruturais de concreto armado deve ser construída de modo que não fique sujeita a esforços, bem como adequadamente assentada evitando sua deformação durante os trabalhos de concretagem; j) As extremidades dos eletrodutos devem ser fechadas com tampões ou peças apropriadas impedindo a entrada de argamassa ou nata de concreto durante a concretagem; k) Nas juntas de dilatação a tubulação deve ser seccionada, colocando-se no ponto de interseção uma luva sem rosca em um dos lados (ver figura 12).

Figura 12 - Detalhes das juntas de dilatação.

outros andares), deve ser instalada nos cantos da caixa de distribuição, conforme exemplo e detalhe da

Os eletrodutos aparentes devem ser adequadamente fixados, de modo a constituírem um sistema de boa aparência e de firmeza suficiente para suportar o

peso dos cabos e os esforços no seu puxamento.

Em todos os lances da tubulação deve ser instalado arame galvanizado de 1,3 mm2 que servirá como guia.

Canaletas de piso

A canaleta, construída em seção retangular de chapa de aço, latão ou PVC, é um duto apropriado para instalar no piso. As dimensões, formato e características construtivas variam de acordo com cada fabricante. Os desenhos detalhados e catálogos devem fazer parte integrante dos projetos de tubulação telefônica.

Poço de elevação

Objetivo

Este módulo define as características do projeto de um poço de elevação.

O poço de elevação substitui o sistema de prumada convencional (tubulação e caixas) nas edificações em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada for superior a 300. Nas edificações comerciais recomenda-se a utilização de poço de elevação, independentemente do número de pontos telefônicos, visando facilitar a instalação de CPCT.

Caracterésticas

O poço de elevação deve ser constituído por uma série de cubículos alinhados e

dispostos verticalmente, com a altura de cada um deles correspondendo à altura do andar. A continuidade do poço de elevação deve ser estabelecida através das duas aberturas quadradas nas lajes, feitas junto ao fundo e nas paredes laterais do cubículo. Entre as aberturas quadradas deve ser instalado um leito tipo escada, interligando o distribuidor geral até o último cubículo. Os cubículos devem possuir porta de madeira ou metálica com soleira reforçada,

abrir para o lado de fora, estar provida de fechadura e aberturas para ventilação. Na parede do fundo de cada cubículo deve ter afixada uma prancha de madeira compensada.

Dimensões e detalhes

As dimensões e suas partes devem ser as seguintes:

  • a) Cubículo:

altura: corresponde à altura do andar;

largura: mínimo de 80 cm;

profundidade: mínimo de 30 cm;

  • b) Abertura na laje:

duas aberturas quadradas de 20 x 20 cm.

  • c) Porta do cubículo:

altura de 200 cm;

largura: igual à largura do cubículo; espessura: de acordo com o material empregado na porta.

  • d) Soleira da porta com 10 cm de altura;

  • e) Prancha de madeira:

dimensões: mínimo de 80 cm x 100 cm; espessura: 25 mm. O leito tipo escada deve ser de 1250 cm x 150 cm, confeccionada com ferro tipo "L"

de 19 mm x 3 mm, com as transversais de ferro de 19 mm x 3 mm e, podendo os degraus serem montados em solda. A ferragem deve ser pintada na cor cinza claro. (ver figura 1).

Figura 1 - Leito tipo escada.

de 19 mm x 3 mm, com as transversais de ferro de 19 mm x 3

A figura 2 apresenta as dimensões e detalhes de um cubículo.

Figura 2 - Dimensões e detalhes do cubículo.

de 19 mm x 3 mm, com as transversais de ferro de 19 mm x 3

Localização

Os cubículos do poço de elevação devem ser localizados em áreas comuns, em "halls" de serviço, ou em áreas de fácil acesso, obrigatoriamente internas e cobertas. Os cubículos do poço de elevação não devem ser localizados em "halls" sociais, em

áreas que dificultam o acesso aos mesmos, no interior de salão de festas ou em cubículos de lixeiras.

Detalhes de construção

As aberturas nas lajes devem estar completamente livres de ferragens da estrutura

do concreto armado, canos, etc. e revestidas internamente com argamassa. As paredes internas do cubículo devem ser devidamente acabadas. O piso deve ser nivelado e devidamente acabado. A prancha de madeira deve obedecer às seguintes características:

  • a) Madeira compensada, aparelhada, à prova d'água e tratada contra o ataque de

cupim;

  • b) Deve ser colocada centralizada na parede do fundo do cubículo ficando seu

centro a 130 cm do piso acabado;

  • c) Deve ser firmemente fixada com buchas e parafusos adequados;

  • d) Deve ser pintada com tinta a óleo ou esmalte semi-opaco na cor cinza claro.

A ferragem deve ser fixada na parede lateral do cubículo com afastamento de 5 cm, conforme figura 2. Colocar buchas nas terminações da tubulação. Os cubículos devem ser interligados quando:

  • a) Não forem alinhados (ver figura 4);

  • b) Terminar numa caixa de distribuição geral (ver figura 4).

A interligação de cubículos não alinhados deve ser feita conforme segue:

  • a) Três eletrodutos de 75 mm em cada lado do cubículo;

  • b) Um eletroduto de 13 mm em um dos lados do cubículo;

  • c) Os eletrodutos devem ser metálicos ou de PVC rígido;

  • d) As extremidades dos eletrodutos devem estar posicionadas conforme mostra a

figura 4.

Figura 3 - Interligação com a caixa de distribuição geral.

Figura 3 - Interligação com a caixa de distribuição geral . Figura 4 - Interligação de

Figura 4 - Interligação de cubículos não alinhados.

Figura 3 - Interligação com a caixa de distribuição geral . Figura 4 - Interligação de

Sala do distribuidor geral

Objetivo

Este módulo define as características do projeto da sala do distribuidor geral. A sala do distribuidor geral, também denominada sala do DG, substitui a caixa de distribuição geral nas edificações em que o número de pontos telefônicos

acumulados é superior a 280, exigindo a instalação e terminação de cabos telefônicos de grande capacidade.

Características

A sala do DG é uma área de uso exclusivo da filial, construída em alvenaria, de

altura igual à do andar onde está localizada, tendo porta de madeira ou metálica, vitrô do tipo basculante e iluminação interna. Numa das paredes internas deve ser instalada uma prancha de madeira destinada à fixação de blocos terminais, fios e cabos telefônicos da rede interna e externa da edificação.

A sala do DG substitui em alguns casos a caixa de distribuição geral n.º 7 (150 x 150 x 15 cm).

Dimensões

A sala do DG deve ser determinada observando-se os seguintes critérios:

  • a) O número de pontos telefônicos acumulados determina a capacidade dos cabos

telefônicos que devem ser utilizados;

  • b) As características construtivas da área disponível na edificação;

  • c) O posicionamento da tubulação de entrada primária e secundária do andar;

  • d) A localização e posição da sala em relação à prumada telefônica ou poço de

elevação;

  • e) A sala deve ter uma largura mínima de 2 m, o que permite um espaço livre interno

para circulação de pelo menos uma pessoa.

De acordo com o número de pontos telefônicos acumulados e servindo apenas

como orientação, as áreas mínimas da sala do DG devem ser obtidas conforme segue:

  • a) Nos edifícios com quantidade acumulada de até 1000 pontos telefônicos, a sala

deve ter 6 m2;

  • b) Nos edifícios com quantidade acumulada superior a 1000 pontos telefônicos,

adicionar 1 m2 para cada 500 pontos telefônicos ou a fração que ultrapassar os 1000 pontos.

Localização

A sala do DG deve ser localizada preferencialmente no pavimento térreo, eventualmente em subsolos que não estejam sujeitos a inundações e sejam bem ventilados, ou no primeiro andar, de acordo com as características da edificação. O acesso à sala de DG deve ser através das áreas de uso comum da edificação. Sempre que possível, a sala deve ser posicionada imediatamente abaixo do poço de elevação ou da prumada telefônica convencional (ver figura 1).

Figura 1 - Posicionamento da sala do DG.

Figura 1 - Posicionamento da sala do DG. Detalhes de construção As paredes devem ser construídas

Detalhes de construção

As paredes devem ser construídas em alvenaria, revestidas com argamassa, acabamento liso e pintadas. O piso deve ser elevado em relação ao piso da área externa à sala, nivelado e revestido com piso vinílico, cerâmica ou similar. O vitrô, do tipo basculante, deve ser instalado em uma das paredes, próximo ao teto. A prancha deve ser de madeira compensada, aparelhada, à prova d'água, tratada contra cupim, pintada com tinta a óleo ou esmalte sintético, na cor cinza claro. A prancha de madeira deve ter 200 cm de altura, largura de acordo com as dimensões da sala, espessura de 25 mm. Deve ser fixada com buchas e parafusos apropriados e compatíveis com a parede, ficar com a frente livre e não possuir frestas ou saliências. A iluminação interna deve ser com lâmpada do tipo fluorescente e compatível com a área da sala, devendo o interruptor estar localizado dentro da sala. A luminária deve ser posicionada de modo a não fazer sombra de objetos ou pessoas na prancha de madeira. Instalar uma tomada elétrica, próximo à prancha de madeira, de 110 ou 220 V, conforme a tensão da localidade. A porta deve ser de madeira ou metálica, equipada com fechadura, altura de 210 cm e largura de 70 cm, sendo a abertura mínima de 90O. A tubulação telefônica, quando instalada no piso, deve terminar rente ao piso. Colocar no interior da sala, em uma das paredes, um extintor de incêndio com gás carbônico (CO2) e com capacidade de 4 quilos. A sala não deve possuir tubulação de esgoto ou água expostas no teto ou parede. Devem ser instaladas ferragens específicas na sala de DG, ao redor da prancha, conforme a figura 1 do módulo 25.18. As figuras 2, 3 e 4 apresentam as características, dimensões e alguns detalhes da sala do DG.

Figura 2 - Detalhes da sala do DG.

Figura 2 - Detalhes da sala do DG. Figura 3 - Detalhes da sala do DG

Figura 3 - Detalhes da sala do DG - Corte A – A.

Figura 2 - Detalhes da sala do DG. Figura 3 - Detalhes da sala do DG

Figura 4 - Detalhes da sala do DG - Corte B – B.

Figura 4 - Detalhes da sala do DG - Corte B – B. As figuras 5

As figuras 5 e 6 mostram a sala do DG no mesmo alinhamento vertical do poço de elevação e no andar imediatamente abaixo do cubículo, situação em que a interligação deve ser feita pelo leito tipo escada, através das aberturas na laje do cubículo.

Figura 5 - Sala do DG alinhada ao poço de elevação.

Figura 4 - Detalhes da sala do DG - Corte B – B. As figuras 5

Figura 6 - Detalhes da interligação da sala do DG alinhada com o cubículo.

Figura 6 - Detalhes da interligação da sala do DG alinhada com o cubículo. A figura

A figura 7 mostra uma sala de DG não alinhada verticalmente com o poço de elevação, onde a interligação também deve ser feita através de eletrodutos de 75 mm.

Figura 7 - Interligação do cubículo não alinhado com a sala do DG.

Figura 6 - Detalhes da interligação da sala do DG alinhada com o cubículo. A figura

A figura 8 mostra uma sala de DG no mesmo alinhamento vertical do poço de elevação e em andar não imediatamente abaixo do cubículo, cuja interligação deve ser feita através de eletrodutos de 75 mm.

Figura 8 - Interligação do cubículo alinhado com a sala do DG.

Figura 8 - Interligação do cubículo alinhado com a sala do DG. Prumada Telefônica Objetivo Este

Prumada Telefônica

Objetivo

Este módulo define a forma de projetar e construir uma prumada telefônica.

Caracterésticas

A prumada telefônica de um prédio corresponde a um conjunto de meios físicos, dispostos verticalmente e destinados à instalação de blocos e cabos telefônicos.

As prumadas, de acordo com as características, finalidade do prédio e o número de pontos telefônicos acumulados, podem ser do tipo: convencional, poço de elevação ou dirigida.

Localização

A prumada telefônica deve localizar-se em áreas comuns do prédio e que apresentam maior continuidade vertical, do último andar até o andar térreo, onde geralmente está situada a caixa de distribuição geral ou sala do DG (ver figura 1).

Figura 1 - Prumada Telefônica.

Figura 1 - Prumada Telefônica. O prédio pode ter mais de uma prumada quando: a) Existem

O prédio pode ter mais de uma prumada quando:

a) Existem obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical gerando desvios na prumada (ver figura 2);

Figura 2 - Desvios na prumada.

Figura 2 - Desvios na prumada. b) A edificação for construída em vários blocos separados sobre

b) A edificação for construída em vários blocos separados sobre uma mesma base (ver figura 3).

Figura 3 - Prumada em edificações em blocos.

Figura 2 - Desvios na prumada. b) A edificação for construída em vários blocos separados sobre

c) O edifício possui várias entradas com áreas de circulação independentes.

Tipos de prumadas telefônicas Prumada Convencional

A prumada convencional, constituída de caixas e tubulações interligadas entre si, deve ser utilizada em prédios comerciais, residenciais e industriais com três ou mais andares, onde o número de pontos telefônicos acumulados for igual ou inferior a 280 (ver figura 4).

Figura 4 - Prumada convencional.

c) O edifício possui várias entradas com áreas de circulação independentes. Tipos de prumadas telefônicas Prumada

O atendimento aos andares deve ser feito de uma das seguintes formas:

  • a) Diretamente da caixa de distribuição pertencente à prumada, até a caixa de saída onde deve ser ligado o ponto telefônico (ver figura 5).

Figura 5 - Atendimento direto da caixa de distribuição.

Figura 5 - Atendimento direto da caixa de distribuição . b) Através de caixa de distribuição

b) Através de caixa de distribuição ou de passagem derivada da caixa pertencente à prumada (ver figura 6).

Figura 6 - Atendimento com caixa de passagem.

Figura 5 - Atendimento direto da caixa de distribuição . b) Através de caixa de distribuição

Poço de elevação

É um tipo de prumada constituída de cubículos e aberturas nas lajes alinhados verticalmente (ver figura 7). O poço de elevação deve ser utilizado em prédios comerciais, onde o número de pontos telefônicos acumulados for superior a 280.

Figura 7 - Poço de elevação.

O atendimento aos andares deve ser feito através de caixas de distribuição derivadas do cubículo pertencente

O atendimento aos andares deve ser feito através de caixas de distribuição derivadas do cubículo pertencente à prumada (ver figura 8). Devido às características arquitetônicas do prédio ou a falta de espaço físico para instalação das caixas de distribuição, o atendimento aos andares pode ser feito diretamente do cubículo do poço de elevação até as caixas de saída ou canaletas.

Figura 8 - Atendimento direto pelo cubículo do poço de elevação.

Figura 8 - Atendimento direto pelo cubículo do poço de elevação. Prumada Dirigida A prumada dirigida

Prumada Dirigida

A prumada dirigida deve ser constituída de caixas e tubulações convencionais

interligadas entre si através dos andares.

Para prédios comerciais, deve ser utilizada caixa de distribuição ou passagem em todos os andares (ver figura 9). Para prédios residenciais, deve ser utilizada caixa de distribuição ou passagem para cada três andares (ver figura 10). As características básicas da prumada dirigida são as seguintes:

  • a) Caixas telefônicas de um único tamanho;

  • b) Utilização de caixas de menores dimensões do que as usadas na prumada

convencional;

  • c) Tubulações primárias e secundárias, devidamente alinhadas na vertical,

interligando todas as caixas entre si;

  • d) Rede de cabos internos dirigida, onde a quantidade de cabos telefônicos é igual à

quantidade de caixas de distribuição;

Neste tipo de prumada, a rede telefônica é constituída de vários cabos telefônicos instalados numa única tubulação, diretamente da caixa de distribuição geral do prédio até as caixas de distribuição em andares pré-determinados (ver figura 10). Cada caixa de distribuição deve atender de 1 a 3 andares sendo:

  • a) Para três andares, a caixa de distribuição deve atender um andar acima e um

andar abaixo daquele em que está localizada (ver figura 10);

  • b) Para dois andares, a caixa de distribuição deve atender um andar acima daquele

em que está localizada;

  • c) Para um andar, a caixa de distribuição deve atender somente o andar onde está

localizada. A contagem dos andares, para efeito de posicionamento das caixas e definição dos andares atendidos em cada caixa, deve ser feita de cima para baixo. O andar térreo pode ser atendido pela caixa de distribuição geral do prédio.

Figura 9 - Prumada dirigida – Comercial.

Figura 9 - Prumada dirigida – Comercial .

Figura 10 - Prumada dirigida – Residencial.

Figura 10 - Prumada dirigida – Residencial . A prumada dirigida é dimensionada como segue: a)

A prumada dirigida é dimensionada como segue:

  • a) As caixas de distribuição e distribuição geral devem ser determinadas no

esquemático da prumada e dimensionadas de acordo com a quantidade de pontos telefônicos acumulados nas mesmas (ver tabela 2 do módulo 25.12);

  • b) A tubulação primária deve ser dimensionada de acordo com a capacidade e

quantidade de cabos telefônicos a serem utilizados na prumada (ver tabela 1 do módulo 25.15);

  • c) A capacidade dos cabos telefônicos deve ser determinada de acordo com a

quantidade de pontos telefônicos acumulados, conforme definido no módulo 45.12,

item 2.2;

  • d) A tubulação secundária deve ser dimensionada a partir da respectiva caixa de

distribuição e de acordo com a quantidade de fios telefônicos acumulados que

devem atender aos andares;

A seqüência básica para elaboração de um projeto de prumada dirigida deve ser a seguinte:

  • a) Desenhar a prumada no esquemático vertical conforme figura 9;

  • b) Determinar na prumada o lado das tubulações primária e secundária;

  • c) Anotar no projeto a quantidade de pontos telefônicos acumulados em cada andar;

d)

Determinar a quantidade de andares a serem atendidos em cada caixa de

distribuição;

e)

Dimensionar a caixa de distribuição ou de passagem utilizando a tabela 2 do

módulo 25.12;

f)

Anotar no projeto a quantidade de pontos telefônicos acumulados nos andares

onde foram posicionadas as caixas de distribuição, bem como o total acumulado na

caixa de distribuição geral;

g)

Determinar a capacidade do cabo telefônico que deve ser utilizado em cada caixa

de distribuição conforme definido no módulo 45.12, item 2.2;

h)

Dimensionar as tubulações primária e secundária de acordo com tabela 1 do

módulo 25.15.

A figura 11 apresenta um projeto de prumada residencial dirigida, onde foram previstos:

a)

Prédio com 16 andares;

b)

Três pontos telefônicos por andar;

c)

Cinco caixas de distribuição posicionadas na prumada (15º, 12º, 9º, 6º e 3º

andares);

d)

Cada caixa atende três andares;

e)

Cada caixa com 9 pontos telefônicos acumulados;

f)

Caixas CIE-3 (40 x 40 x 12 cm), conforme a tabela 2 do módulo 25.12;

g)

Cinco cabos de 20 pares;

h)

Tubulação primária de 50 mm (o tubo de 50 mm comporta seis cabos de 20

pares;

i)

Tubulação secundária de 19 mm;

j)

Tubulação primária duplicada (2 x 50 mm) devido ao desvio da prumada no andar

térreo.

Figura 11 - Prumada residencial dirigida.

Figura 11 - Prumada residencial dirigida . Detalhes de instalação A interligação das caixas entre si

Detalhes de instalação

A interligação das caixas entre si deve ser feita através da tubulação primária localizada junto aos cantos da caixa, em todos os andares. Observar que se a tubulação primária estiver do lado esquerdo da caixa, a tubulação secundária deverá estar do lado direito e vice-versa. As extremidades da tubulação nas caixas devem estar alinhadas entre si (ver figura

12).

Figura 12 - Detalhes da tubulação.

Figura 12 - Detalhes da tubulação . A tubulação secundária que interliga a caixa da prumada

A tubulação secundária que interliga a caixa da prumada com as caixas de saída dos apartamentos deve ser instalada na parte inferior ou superior da caixa. Nos casos de desvio da prumada, deve ser projetada uma tubulação primária adicional no trecho correspondente. Estes desvios geralmente ocorrem nas interligações da prumada com a caixa de distribuição geral do prédio (ver figura 13).

Figura 13 - Detalhe de desvio de prumada.

Aterramento Objetivo
Aterramento
Objetivo

Este módulo define os critérios para o projeto de aterramento das caixas internas de distribuição e rede interna das edificações.

Referência normativa

Os critérios a serem adotados para a proteção elétrica e aterramento da edificação devem ser os descritos na NBR 5410 - Instalações elétricas de baixa tensão.

Características

O aterramento tem a finalidade de proteger os usuários e operadores, bem como a

rede telefônica, de correntes provenientes de descargas elétricas e atmosféricas.

Detalhes de construção

Todas as caixas de distribuição dos andares devem ser interligadas, até a caixa de

distribuição geral ou sala de DG do prédio através de um condutor de interligação. Este condutor de interligação deve estar devidamente tubulado, através de um eletroduto com diâmetro interno de 13 mm (ver figura 1).

Figura 1 - Eletrodutos para condutor de interligação das caixas

Figura 1 - Eletrodutos para condutor de interligação das caixas Em edifícios comerciais deve ser projetado

Em edifícios comerciais deve ser projetado um eletroduto com diâmetro interno de 13 mm interligando a caixa interna da sala à caixa de distribuição ou poço de elevação no andar (ver figura 2).

Figura 2 - Eletroduto de aterramento.

Figura 1 - Eletrodutos para condutor de interligação das caixas Em edifícios comerciais deve ser projetado

No poço de elevação o condutor de interligação deve ser conectado diretamente no leito de cabos tipo escada. O condutor de interligação das caixas de distribuição deve estar conectado à barra

de aterramento da caixa de distribuição geral. Esta barra é definida como TAT - Terminal de Aterramento de Telecomunicações. Do TAT, deve ser feita a interligação da rede interna ao aterramento da rede de energia elétrica, através de um condutor de equipotencialidade, o qual deve estar devidamente tubulado, através de um eletroduto com diâmetro interno de 19 mm. As duas formas de interligação são as seguintes:

a) Interligação da rede interna ao TAP - Terminal de Aterramento Principal , na caixa de distribuição de energia do prédio. Neste caso, a caixa de distribuição geral deve estar localizada o mais próximo possível do quadro de distribuição de energia (ver figura 3). Esta instalação somente poderá ser feita se a concessionária de energia disponibilizar o TAP - Terminal de Aterramento Principal no Quadro de Distribuição de Energia.

Figura 3 - Interligação do TAT ao TAP

de aterramento da caixa de distribuição geral. Esta barra é definida como TAT - Terminal de

b) Diretamente à primeira haste do aterramento da rede de energia elétrica, através de um condutor de equipotencialidade (ver figura 4).

Figura 4 - Interligação do TAT à haste de aterramento da rede de energia elétrica

Materiais O condutor de interligação deve ser de cobre rígido ou isolado, e com seção nominal

Materiais

O condutor de interligação deve ser de cobre rígido ou isolado, e com seção nominal

mínima de 6 mm2.

O condutor de equipotencialidade deve ser de cobre rígido, isolado, e com seção nominal mínima de 16 mm2.

Os condutores de interligação devem ser conectados às barras de aterramento de todas as caixas de distribuição e DG, através de conector mecânico ou conexão exotérmica. O condutor de equipotencialidade deve ser conectado ao sistema de aterramento da rede de energia elétrica, através dos conectores especificados para o sistema de aterramento da rede de energia elétrica.

Caixa de Entrada Subterrânea

Objetivo

Este módulo define as características da caixa de entrada subterrânea.

A caixa subterrânea tem a finalidade de permitir a entrada e facilitar a passagem do cabo telefônico da rede externa.

Características

A caixa subterrânea deve ter as seguintes características:

  • a) Construída em alvenaria, revestida com cimento e areia ou em concreto;

  • b) Equipada com ferragens para sustentação dos cabos telefônicos;

  • c) Ter furos para passagem dos cabos telefônicos;

  • d) Devem ser construídos poços de esgotamento (drenos) para esgotamento das

águas pluviais. Em locais onde haja aparecimento do lençol freático, construir a

caixa sem o dreno;

e) Os pisos das caixas devem ter inclinação mínima de 3 % no sentido do poço de esgotamento (dreno); f) Ter tampão de ferro.

e) Os pisos das caixas devem ter inclinação mínima de 3 % no sentido do poço

Localização

A localização da caixa na calçada obedece aos seguintes critérios:

Deve ficar paralela ao alinhamento predial, sendo de aproximadamente 2,5 m a distância do alinhamento predial ao centro da caixa;

Deve ficar afastada 1 m de outras caixas subterrâneas e de postes;

Não deve ser instalada em local de acesso de veículos.

Dimensionamento

O dimensionamento deve ser feito em função do número de pontos telefônicos

acumulados na caixa de distribuição geral ou DG, conforme tabela 1.

Tabela 1 - Dimensionamento

e) Os pisos das caixas devem ter inclinação mínima de 3 % no sentido do poço

Detalhes de construção

As figuras 1, 2, 3 e 4, apresentam os detalhes de construção da caixa subterrânea.

Figura 1 - Detalhes da caixa subterrânea tipo R1

Figura 2 - Detalhes da caixa subterrânea tipo R2

Figura 2 - Detalhes da caixa subterrânea tipo R2

Figura 3 - Detalhes da caixa subterrânea tipo R3

Figura 3 - Detalhes da caixa subterrânea tipo R3

Figura 4 - Detalhes da caixa subterrânea tipo R4

Figura 4 - Detalhes da caixa subterrânea tipo R4

Canalização Subterrânea Objetivo Este módulo define critérios para elaboração do projeto e construção da canalização subterrânea.

Canalização Subterrânea

Objetivo

Este módulo define critérios para elaboração do projeto e construção da canalização subterrânea.

Características

A canalização subterrânea, utilizada para passagem de cabos, deve ser constituída

de caixas e dutos subterrâneos.

A canalização entre caixas subterrâneas deve ser executada pelo construtor. A construção dos dutos deve ser feita conforme mostra a figura 1.

Figura 1 - Formação dos dutos e detalhes (exemplo com eletroduto de diâmetro = 75 mm)

Os dutos podem ser de três tipos: a) Duto corrugado de polietileno de alta densidade e

Os dutos podem ser de três tipos:

  • a) Duto corrugado de polietileno de alta densidade e de seção circular;

  • b) Eletroduto de PVC rígido, de seção circular com extremidades rosqueadas e sem

rebarbas;

  • c) Duto de PVC rígido, impermeável, com superfície lisa e emendas feitas no

sistema ponta e bolsa soldadas a frio.

As características das caixas subterrâneas estão definidas no módulo 25.30 deste manual.

Dimensionamento

A canalização subterrânea deve ser dimensionada em função do número de pontos

telefônicos, conforme mostra a tabela 1.

Tabela 1 - Dimensionamento de tubulações de entrada telefônica subterrânea

Os dutos podem ser de três tipos: a) Duto corrugado de polietileno de alta densidade e

Detalhes de construção

O serviço de vala deve ser executado como segue:

  • a) Deve ter uma profundidade que permita revestir 40 cm acima da face superior da

linha de dutos, para caixas do tipo R1 e R2, e 60 cm para os demais tipos de caixas;

  • b) O leito deve ser preparado de tal forma que o peso dos dutos fique distribuído ao

longo de seu comprimento.

O assentamento dos dutos deve ser feito conforme segue:

  • a) Dutos com parede de 2,4 mm de espessura, assentados em terrenos firmes ou

meio firmes (terrenos que suportam a si mesmos), devem ser envolvidos com terra,

areia e proteção superior de lajotas de concreto, conforme mostra a figura 1. Quando forem assentados em terrenos fluídos (terrenos que não suportam a si mesmos), revestir os trechos com concreto ao longo de toda a vala;

  • b) Os dutos em locais sujeitos à tráfego pesado e travessias devem ser assentados

com revestimento de concreto, conforme figura 1;

  • c) Os dutos corrugados devem ser assentados alinhados para facilitar o puxamento

dos cabos, utilizando espaçadores a cada 80 cm quando o trecho for em curva e, a

cada l50 cm quando o trecho for reto;

  • d) Na subida lateral o duto deve chegar junto ao poste e rente à calçada. Usar

acessórios compatíveis com o material a ser empregado;

  • e) Em casos de dois ou mais dutos em paralelo, estes devem ficar espaçados entre

si numa distância de 2,5 cm;

  • f) Em todo trajeto da canalização subterrânea, colar fita de aviso.

A emenda deve ser confeccionada com material e acessórios compatíveis aos tipos de dutos empregados.

Edificações Construídas em Blocos

 

Objetivo

Este módulo define critérios para projetos em edificações construídas em vários

blocos.

As edificações podem ser constituídas de vários blocos sobre uma mesma base, contíguos ou não (geralmente são os edifícios residenciais), ou de vários blocos independentes num mesmos terreno (ver figuras 1 e 2).

Figura 1 - Edificações em vários blocos sobre uma mesma base

Figura 2 - Edificações em vários blocos independentes num mesmo terreno

Figura 2 - Edificações em vários blocos independentes num mesmo terreno

Características Os prédios devem possuir caixas de distribuição geral específicas e interligadas a uma única caixa

Características

Os prédios devem possuir caixas de distribuição geral específicas e interligadas a uma única caixa geral ou sala de DG, onde devem estar instaladas as tubulações de

entrada da edificação. Dependendo do tipo de construção, a interligação pode ser feita conforme segue:

a) Externamente, através de tubulação e caixas subterrâneas (ver figura 3);

Figura 3 - Interligação externa através de canalização subterrânea

b) Internamente, através de tubulação primária e caixas de passagem (ver figura 4). Figura 4 -

b) Internamente, através de tubulação primária e caixas de passagem (ver figura 4).

Figura 4 - Interligação interna da tubulação primária

b) Internamente, através de tubulação primária e caixas de passagem (ver figura 4). Figura 4 -

Dimensionamento

A caixa de distribuição geral ou sala de DG da edificação deve ser dimensionada

pelo somatório dos pontos telefônicos acumulados na caixa de distribuição geral de cada bloco.

Tomando como exemplo a figura 4 e supondo 60 pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição geral dos blocos, o total de pontos telefônicos acumulados na caixa de distribuição geral da edificação é de 180 pontos. Assim, a caixa de distribuição geral da edificação deve ter as dimensões 120 x 120 x 12 cm (ver tabelas 1 e 2 do módulo 25.12).

A sala de DG deve ser dimensionada de acordo com o módulo 25.21.

As caixas de passagem devem ser dimensionadas de acordo com as tabelas 1 e 2 do módulo 25.12.

A tubulação de interligação interna das caixas de distribuição geral dos blocos à caixa de distribuição geral da edificação ou sala de DG, deve ser dimensionada de acordo com a NBR 13726 (Norma ABNT).

As caixas de passagem devem ser dimensionadas para limitar o comprimento da tubulação ou eliminar curvas, de acordo com a tabela 2 do módulo 25.15.

A figura 5 mostra detalhes de dimensionamento do exemplo dado na figura 3.

As caixas internas devem ser dimensionadas de acordo com as tabelas 1 e 2 do módulo 25.12.

A canalização interna subterrânea deve ser dimensionada conforme tabela 1 do módulo 25.33.

Figura 5 - Detalhes de dimensionamento

A sala de DG deve ser dimensionada de acordo com o módulo 25.21. As caixas de

Grupo: "Instalação"

Instalação de fiação, tomadas e acessórios

Objetivo

Este módulo define os critérios para instalação da fiação, tomadas e acessórios.

Instalação Fiação
Instalação
Fiação

A instalação dos fios telefônicos deve ser feita em todos os lances de tubulação secundária, da caixa de distribuição do andar até a primeira caixa de saída da edificação.

Da caixa de distribuição do andar até a primeira tomada, pode ser utilizado o fio telefônico FI-60-R, com os dois condutores de 0,60 mm de diâmetro, trançados, estanhados e com isolamento reforçado de PVC na cor cinza, ou cabo CCI 2 pares.

Os fios devem ser contínuos e sem emenda nos lances de tubulação.

A partir da primeira caixa de saída, deve ser utilizado o cabo CCI de dois pares, codificado por cores.

Nas caixas de saída deve ser deixada uma sobra de 40 cm de cabo.

Os fios devem ser conectados em todas as tomadas instaladas, de forma que possibilite a ligação dos aparelhos telefônicos sem a necessidade de remoção dos espelhos, de acordo com o esquema apresentado na figura 2.

Ao conectar os fios nos bornes da primeira tomada, o condutor deve dar uma volta no parafuso, no sentido do aperto (ver figura 1).

Conectar no borne L1 da tomada o condutor cujo isolamento possui uma saliência indicando a polaridade.

Cabe ao construtor indicar os pares dos fios correspondentes a cada apartamento nas caixas de distribuição dos andares.

Figura 1 - Conexão dos fios na tomada

A partir da primeira caixa de saída, deve ser utilizado o cabo CCI de dois pares,

Para ligações das demais tomadas, deve-se seguir o procedimento abaixo:

  • a) As tomadas, via de regra, não tem o indicativo necessário para o devido

posicionamento da fiação. Visto isto, devemos considerar as indicações de fiação,

incluindo padrão de cores, como as do pino padrão.

  • b) A linha de entrada deve ser ligada na primeira tomada considerando o pólo "a" no

borne correspondente ao pino L1 indicado como VM/AZ (vermelho/azul) e o pólo "b"

no borne correspondente ao pino L2 indicado como BC (branco).

  • c) Considerando as indicações do pino padrão como referência da fiação: VM

(vermelho), AZ (azul) e BC (branco), as ligações das demais tomadas deverão ser realizadas conforme a figura 2.

  • d) Deve-se ligar no máximo dois aparelhos como extensões com a campainha ativa.

As demais deverão ter obrigatoriamente as campainhas desligadas (fio azul do

aparelho desligado de qualquer pino).

Figura 2 - Ligação de tomadas na extensão interna

Tomadas
Tomadas

Todas as caixas de saída devem ser equipadas com tomada padrão Telebrás (TPP) e interligadas entre si.

Todas as tomadas devem ser instaladas de tal forma que os bornes L1 e L2 fiquem localizados na parte superior da tomada.

Os espelhos devem ser de dois furos, na medida 4 x 4 polegadas, com duas

tomadas, ou uma tomada e um obturador, conforme mostra a figura 3.

Figura 3 - Fixação da tomada padrão

tomadas, ou uma tomada e um obturador, conforme mostra a figura 3. Figura 3 - Fixação

Série 4 - Projeto de Rede Interna

Grupo: "Descrição de projeto"

Materiais usados em rede interna

Objetivo

Especificar e quantificar a relação de materiais que devem constar de um projeto de

rede interna, necessários à sua execução.

tomadas, ou uma tomada e um obturador, conforme mostra a figura 3. Figura 3 - Fixação

Materiais

A tubulação telefônica é composta de: secundária, primária, de entrada e de aterramento, exemplificadas nas figuras 1 e 2. Devem ser relacionados os seguintes materiais:

  • a) Cabos internos;

  • b) Fios FI;

  • c) Abraçadeiras para cabo;

  • d) Argolas para jumper;

d) Argolas para jumper;
  • e) Blocos terminais;

  • f) Bastidores;

  • g) Tomadas telefônicas;

  • h) Espelhos.

Os materiais descritos nos itens seguintes, padronizados pela filial, são aqueles que devem ser especificados nos projetos.

a) Argolas para jumper (anéis-guia) - devem utilizadas na caixa de distribuição e de distribuição geral como auxiliares na instalação e arrumação dos fios jumper e FI. São fixadas com dois parafusos de rosca soberba, diretamente nas pranchas de madeira existentes no fundo das caixas (ver figura 1).

Figura 1 - Anéis-guia

a) Argolas para jumper (anéis-guia) - devem utilizadas na caixa de distribuição e de distribuição geral

b) Blocos terminais M-10-P e M-10-B - devem ser feitas conexões dos pares do cabo interno com os fios FI. Cada bloco tem a capacidade para conectar dez pares (ver figura 2).

Figura 2.1 - Blocos terminais M-10-P

a) Argolas para jumper (anéis-guia) - devem utilizadas na caixa de distribuição e de distribuição geral

Figura 2.2 - Blocos terminais M-10-B

NOTA: O bloco M-10 B com selante deve ser utilizado em áreas sujeitas à salinidade e

NOTA: O bloco M-10 B com selante deve ser utilizado em áreas sujeitas à salinidade e poluição industrial.

  • c) Bastidores - devem ser utilizados para fixar o bloco M-10-B, podendo sustentar de

um a quinze blocos (ver figura 3).

Figura 3 - Bastidor Observação:
Figura 3 - Bastidor
Observação:

Na utilização de um ou dois blocos em uma caixa de distribuição deve-se afixar o bloco M-10-P diretamente parafusado na prancha.

  • d) Abraçadeiras para cabo - devem ser utilizadas para prender cabos telefônicos às

pranchas de madeira das caixas de distribuição ou de distribuição geral. Existem diversos tamanhos de abraçadeiras, adequadas aos diversos diâmetros externos dos cabos. São fabricadas em ferro galvanizado (ver figura 4 e tabela 1).

Figura 4 - Abraçadeira para cabo (BC)

Tabela 1 - Dimensões das abraçadeiras

Tabela 1 - Dimensões das abraçadeiras

Tabela 1 - Dimensões das abraçadeiras

e) Cabos telefônicos para rede interna (CI) - cabo que interliga a caixa de distribuição geral às caixas de distribuição. Devem ser com condutores de cobre estanhado, de 0,5 mm de diâmetro. As principais caraterísticas deste tipo de cabo estão na tabela 2.

Tabela 2 - Características do cabo CI

 

Designação

Número de

Diâmetro externo

Comprimento nominal da

pares

máximo (mm)

bobina (m)

CI-50-10

10

10

1000

CI-50-20

20

20

1000

CI-50-30

30

15

1000

CI-50-50

50

18,5

1000

CI-50-100

100

24,5

1000

CI-50-200

200

34

500

CI-50-300

300

40

500

f) Cabos Telefônicos CCE-APL - devem ser utilizados em instalações aéreas ou subterrâneas para interligar edificações. São constituídos de condutores de cobre de 0,5 mm de diâmetro, isolados em polietileno e protegido por uma capa APL. Suas características dimensionais estão apresentadas na tabela 3.

Tabela 3 - Características dimensionais do cabo CCE-APL

 

Código de

Indicação em

Número de

Diâmetro externo

Compr-mento

fabricação

projeto

pares

máximo (mm)

nominal bobina (m)

CCE-APL-50-2

CCE-2

2

7,5

500

CCE-APL-50-3

CCE-3

3

8,0

500

CCE-APL-50-4

CCE-4

4

8,5

500

CCE-APL-50-5

CCE-5

5

9,0

500

CCE-APL-50-6

CCE-6

6

9,5

500

g) Cabo telefônico CTP-APL - devem ser instalados aéreos ou subterrâneos, interligando edificações construídas dentro de um mesmo terreno. É constituído de condutores de cobre isolados com polietileno e polipropileno e protegido por uma capa APL. Suas características estão apresentadas na tabela 4.

Tabela 4 - Características dimensionais do cabo CTP-APL-40

Código de

Indicação em

Número de

Diâmetro externo

Comprimento

fabricação

projeto

pares

máximo (mm)

nominal bobina (m)

CTP-APL-40-

10 CA-40-10

10

11,5

1000

CTP-APL-40-

20 CA-40-20

20

14,0

1000

CTP-APL-40-

30 CA-40-30

30

15,5

1000

CTP-APL-40-

50 CA-40-50

50

18,0

1000

CTP-APL-40-

100 CA-40-100

100

24,0

500

CTP-APL-40-

200 CA-40-200

200

31,5

500

CTP-APL-40-

300 CA-40-300

300

38,0

500

CTP-APL-40-

400 CA-40-400

400

43,0

500

CTP-APL-40-

600 CA-40-600

600

52,0

500

NOTA: Os cabos acima de 200 pares são feitos sob encomenda (fabricação especial).

h) Cabo CCI - deve ser utilizado para interligar as caixas de saída, conforme demonstrado no módulo 26.03. i) Fio FI 60-R - deve ser utilizado para interligação da tomada telefônica, instalada nas caixas de saída, com os blocos terminais internos instalados nas caixas de distribuição. É constituído de um par de condutores de cobre estanhado de 0,65 mm de diâmetro, isolados em PVC na cor cinza. j) Espelhos para caixas de saída - devem ser utilizados para tapamento das caixas de saída, dando condições de acesso às tomadas instaladas nas caixas de saída (ver figuras 5 e 6).

Figura 5- Tampa da caixa de saída

CTP-APL-40- 30 CA-40-30 30 15,5 1000 CTP-APL-40- 50 CA-40-50 50 18,0 1000 CTP-APL-40- 100 CA-40-100 100

Figura 6- Tampa da caixa de passagem

k) Tomadas-padrão para telefone - devem ser empregadas na instalação dos aparelhos telefônicos, conforme mostrado nos

k) Tomadas-padrão para telefone - devem ser empregadas na instalação dos aparelhos telefônicos, conforme mostrado nos itens 2.1 e 2.2 do módulo 26.03.

Projeto de rede interna em unidades habitacionais

Objetivo

Este módulo tem por objetivo definir os critérios de projeto para unidades

habitacionais tipo residências e casas geminadas.

k) Tomadas-padrão para telefone - devem ser empregadas na instalação dos aparelhos telefônicos, conforme mostrado nos

Unidades habitacionais

Projeto em residências

O projeto de rede interna em unidades habitacionais individuais se resume em prever tomadas padrão e cabo CCI dois pares, interligando as caixas de saída de forma seqüencial, conforme mostra a figura 1.

Figura 1 - Distribuição de fios em residências

k) Tomadas-padrão para telefone - devem ser empregadas na instalação dos aparelhos telefônicos, conforme mostrado nos

Projeto em casas geminadas

O projeto da rede secundária para casas geminadas consiste em definir para cada moradia, um fio FI 60-R (ou cabo CCI) passando por toda tubulação e interligando todas as caixas de saída de forma seqüencial. Em cada caixa de saída deve ser instalada uma tomada padrão (ver figura 2).

Figura 2 - Distribuição de fios nas caixas

A rede de interligação é a que estabelece a ligação entre a caixa de saída principal

A rede de interligação é a que estabelece a ligação entre a caixa de saída principal de cada unidade residencial com a caixa de distribuição geral do conjunto. A ligação da caixa de saída principal de cada uma das unidades residenciais à caixa de distribuição geral do conjunto é feita através de um cabo CCE-APL de dois pares (ver figura 3).

Figura 3 - Rede de interligação

A rede de interligação é a que estabelece a ligação entre a caixa de saída principal

O comprimento dos cabos CCE-APL deve ser calculado da seguinte forma:

a) Calcular o comprimento do lance (CL) de cada cabo CCE-APL, desde a caixa de saída principal de cada unidade residencial até a caixa de distribuição geral, levando-se em consideração os seguintes critérios:

Comprimento dos lances (CL) de tubulação existentes entre a caixa de saída principal e a caixa de distribuição geral; Folga de 20 cm na caixa de saída; Folga de um comprimento e uma largura da caixa tipo R-1, ou seja 60+35 = 95 cm; Folga de duas vezes o lado da caixa de distribuição geral; Determinado o valor do CL, este deve ser lançado no projeto.

b) Posteriormente, somar todos os CL encontrados e obter o comprimento total do cabo CCE-APL que deve ser utilizado na execução do projeto.

A definição do número de blocos internos a serem instalados na caixa de distribuição geral deve ser feita com base na seguinte equação:

n = 0,2 u onde: n = quantidade de blocos u = quantidade de unidades habitacionais

Observação: O valor de "n" obtido pela equação deve ser arredondado sempre para o número inteiro superior imediato.

A distribuição dos pares na rede interna consiste na identificação dos contatos do bloco interno que atendem a cada uma das unidades residenciais. Os blocos M-10-B e M-10-P são constituídos de 20 engates rápidos ou 10 pares de engates numerados de 1 a 10 (ver figura 2 do módulo 45.03).

O critério para a ocupação dos contatos deve ser o seguinte: a unidade residencial mais afastada da caixa de distribuição geral deve ocupar os primeiros contatos, enquanto que a unidade residencial mais próxima da caixa de distribuição geral deve ocupar os últimos contatos do bloco interno.

Os blocos internos devem ocupar a metade inferior da caixa de distribuição geral e ser distribuído conforme a figura 5.

Figura 4 - Distribuição dos blocos dentro das caixas internas

A definição do número de blocos internos a serem instalados na caixa de distribuição geral deve

Projeto de rede secundária em edifícios residenciais

 

Objetivo

Definir como projetar a rede secundária em edifícios residenciais.

Projeto

Projeto

O projeto de rede secundária em edifícios residenciais consiste em prever fios FI-60 R para interligação de cada apartamento à caixa de distribuição. A quantidade de fios FI 60-R para alimentação de cada apartamento deve ser igual ao número de pontos telefônicos previstos para aquele apartamento.

Os cabos CCI-2P previstos para um apartamento devem interligar as caixas de saída desse apartamento de forma seqüencial e devem estar ligados nas tomadas em todas as caixas. Cada um dos pares de fios do cabo CCI-2P deve ter uma identificação (numeração ou contagem) específica. (ver figura 1 e item 2.7 do

módulo 45.12).

Toda caixa que atende até 5 pontos telefônicos é considerada parte da rede secundária.

Figura 1 - Identificação dos pares de fios (exemplo com cabo CCI)

módulo 45.12). Toda caixa que atende até 5 pontos telefônicos é considerada parte da rede secundária.

Projeto de rede primária em edifícios residenciais

Objetivo

Definir os critérios para o projeto de rede primária em edifícios residenciais.

módulo 45.12). Toda caixa que atende até 5 pontos telefônicos é considerada parte da rede secundária.

Projeto

Configuração da Rede

O projeto da rede primária de um prédio deve ser desenvolvido passo a passo,

independentemente do tipo de prumada prevista (poço de elevação ou tubulação convencional).

Como primeira parte deste trabalho deve-se definir a configuração da rede primária, que pode ter basicamente dois tipos de configuração:

Figura 1 - Prumada Direcionada

) Prumada Semidirecionada - Um cabo partindo do distribuidor geral para atender a três pavimentos. O

) Prumada Semidirecionada - Um cabo partindo do distribuidor geral para atender a três pavimentos. O cabo deve atender o próprio andar, um andar acima, e outro abaixo. (ver figura 2);

Figura 2 - Prumada Semidirecionada

Toda caixa que tenha mais de seis pontos telefônicos sendo atendidos diretamente por ela, faz parte

Toda caixa que tenha mais de seis pontos telefônicos sendo atendidos diretamente por ela, faz parte da rede primária e nela deve ser distribuído um cabo telefônico.

Os pontos telefônicos previstos para um pavimento podem estar distribuídos, dentro do pavimento, entre diversas caixas de distribuição. Estas caixas de distribuição são ligadas à caixa principal da prumada. Estas ramificações que partem da caixa principal da prumada são partes integrantes da rede primária do prédio (ver figura 3 e 4).

Figura 3 - Ramificações da caixa principal direcionada

Figura 4 - Ramificações da caixa principal semidirecionada Quantidade Ideal de Pares em Cada Caixa de

Figura 4 - Ramificações da caixa principal semidirecionada

Figura 4 - Ramificações da caixa principal semidirecionada Quantidade Ideal de Pares em Cada Caixa de

Quantidade Ideal de Pares em Cada Caixa de Distribuição

Após dfinir o tipo de configuração que a rede terá, o próximo passo do desenvolvimento do projeto da rede primária é a definição da quantidade de pares terminados em cada caixa de distribuição.

De posse da quantidade de pontos que cada caixa de distribuição deve atender e/ou que está nela acumulada (dado obtido no projeto de tubulação), obtém-se a

quantidade de pares que devem alimentar aquela caixa e também a quantidade de pares que devem ser nela distribuídos. Para isto basta dividir estes dois valores (pontos acumulados na caixa e pontos atendidos pela caixa) por 0,8. Em projeto deve ser indicado através de contagem A B C D onde:

A

B

C

D

A - Quantidade de pontos atendidos pela caixa;

B - Quantidade de pares previstos a serem distribuídos na caixa;

  • C - Quantidade de pontos acumulados na caixa;

  • D - Quantidade de pares para alimentar a caixa.

Figura 5 - Indicação de contagem

Legenda:
Legenda:

Caixa A a - Quantidade de pares a serem distribuídos na caixa:

quantidade de pares que devem alimentar aquela caixa e também a quantidade de pares que devem

b - Quantidade de pares para alimentar a caixa:

quantidade de pares que devem alimentar aquela caixa e também a quantidade de pares que devem

Caixa B a - Quantidade de pares a serem distribuídos na caixa:

b - Quantidade de pares para alimentar a caixa: Caixa C a - Quantidade de pares

b - Quantidade de pares para alimentar a caixa:

b - Quantidade de pares para alimentar a caixa: Caixa C a - Quantidade de pares

Caixa C a - Quantidade de pares a serem distribuídos na caixa:

b - Quantidade de pares para alimentar a caixa: Caixa C a - Quantidade de pares

b - Quantidade de pares para alimentar a caixa:

Comentários sobre a figura 5:

  • a) Na caixa "A" a quantidade de pares a serem distribuídos é igual à quantidade de

pares que devem alimentá-la. Isto porque a caixa "A" é a última caixa da rede primária do pavimento. Ela não alimenta nenhuma outra caixa.

  • b) Na caixa "B" a quantidade de pares a serem nela distribuídos é zero. Isto significa

que a caixa "B" será utilizada apenas como caixa de passagem para cabo. Nenhum

ponto estará sendo atendido diretamente por ela.

  • c) Na caixa "C" a quantidade de pares a serem distribuídos é igual à quantidade de

pares que devem alimentá-la. Esta caixa serve também como caixa de passagem

para a caixa A.

Os valores calculados e mostrados na figura 5 são teóricos e representam a quantidade ideal de pares a serem distribuídos em cada caixa e a quantidade ideal de pares que devem alimentar também aquela caixa. Os cabos existentes são fabricados com capacidades padronizadas (ver tabela 2 do módulo 45.03).

De posse dos valores calculados conforme legenda da figura 5 e da tabela 2 do módulo 45.03, define-se a capacidade mínima do cabo a ser utilizado em cada trecho da rede primária.

O cabo interno deve ter capacidade igual ou imediatamente superior ao valor determinado como quantidade ideal de pares para alimentar a caixa (ver figura 6).

Figura 6 - Exemplo definindo a capacidade dos cabos

b - Quantidade de pares para alimentar a caixa: Caixa C a - Quantidade de pares

LEGENDA:

Trecho 1 Cabo a ser distribuído:

Valor calculado = 12 pares Cabo a ser utilizado = 20 pares

Trecho 2 = Trecho 3 = Trecho 4 Cabo alimentador:

Valor calculado = 12 pares Cabo a ser utilizado = 20 pares

Trecho 5 Cabo a ser distribuído:

Valor calculado = 10 pares Cabo a ser utilizado = 10 pares

Trecho 6 Cabo alimentador:

Valor calculado = 10 pares Cabo a ser utilizado = 10 pares

A figura 7 apresenta de forma esquemática a figura 6.

Figura 7 - Forma esquemática da figura 6

LEGENDA: Trecho 1 Cabo a ser distribuído: Valor calculado = 12 pares Cabo a ser utilizado

O interior de cada caixa deve apresentar a configuração física indicada na figura 8.

Figura 8 - Configuração física

Determinação do Número de Blocos Internos nas Caixas de Distribuição As extremidades (1 e 5), mostradas

Determinação do Número de Blocos Internos nas Caixas de Distribuição

As extremidades (1 e 5), mostradas na figura 8, devem ser distribuídas em blocos internos (M-10-P). Para determinar a quantidade necessária de blocos, basta dividir a capacidade do cabo por 10. Para a ponta 1 serão necessários 2 blocos M-10-P, para a ponta 5 será necessário 1 bloco M-10-P.

Quando a quantidade de blocos internos for de 1 ou 2, os mesmos devem ser fixados diretamente na prancha de madeira. Para este caso utilizar o bloco tipo M- 10-P. Se necessitar 3 ou mais blocos em uma mesma caixa utilizar a fixação em bastidores. Para este caso utilizar o tipo M-10-B.

As figuras 9 e 10 ilustram o exemplo anterior, já com os blocos M-10-P previstos.

Figura 9 - Aplicação do bloco M-10-P

Figura 10 - Configuração física Contagem dos Pares e Numeração das Caixas de Distribuição Os cabos

Figura 10 - Configuração física

Figura 10 - Configuração física Contagem dos Pares e Numeração das Caixas de Distribuição Os cabos

Contagem dos Pares e Numeração das Caixas de Distribuição

Os cabos telefônicos são constituídos de pares de fios telefônicos isolados. A identificação dos pares é feita mediante utilização dos códigos de cores, ou seja, de acordo com a cor do isolamento de cada par. A cada par corresponde uma cor e a cada cor associa-se um número. Os pares de um cabo devem ser numerados no projeto.

A numeração dos cabos deve ser feita considerando que os cabos mais afastados da caixa de distribuição geral devem receber a numeração mais baixa. Esta numeração vai crescendo à medida que se aproxima da caixa de distribuição geral.

Os dois blocos internos da caixa "A", da figura 10, devem receber a contagem de 1 a 20, e o bloco interno da caixa "C" deve receber a contagem de 21 a 30. Todos os pares devem ser distribuídos.

Cálculo do Comprimento do Cabo

Finalmente deve ser calculado o comprimento do cabo necessário a todos os lances.

Nesta previsão de cabos deve-se considerar:

  • a) Comprimento do lance entre caixas;

  • b) Folga dos cabos nas caixas;

O comprimento do lance entre caixas deve ser preciso, levando-se em consideração as distâncias horizontais e verticais.

As folgas de cabo devem ser previstas da seguinte forma:

  • a) Prumada convencional:

Em caixas de passagem e de distribuição deve-se prever uma folga de cabo equivalente a 3 e 2,5 vezes o lado da caixa, respectivamente (ver figura 11).

Figura 11 - Folgas de cabo

Nesta previsão de cabos deve-se considerar: a) Comprimento do lance entre caixas; b) Folga dos cabos
  • b) Poço de elevação:

Passagem - considerar somente o "pé-direito" dos pavimentos, isto é, centro a centro das lajes inferior e superior (ver figura 12).

Figura 12 - Poço de elevação

Distribuição sem emenda com o cabo chegando por baixo - considerar folga na prancha de 2,5

Distribuição sem emenda com o cabo chegando por baixo - considerar folga na prancha de 2,5 L mais a distância entre o piso e a extremidade inferior da prancha e ainda a metade da espessura da laje de piso (ver figura 13).

Figura 13 - Distribuição

LEGENDA:
LEGENDA:
  • C = 2,5L + d + 0,5e, onde:

LEGENDA: C = 2,5L + d + 0,5e, onde: L = largura da prancha de madeira
  • L = largura da prancha de madeira = 0,80 m;

  • d = distância entre piso e prancha = 0,70 m; e = espessura da laje;

  • C = (2,5 x 0,80) + 0,70 + 0,5e;

  • C = (2 + 0,5e) m.

Distribuição com o cabo chegando por cima - considerar folga na prancha de 1,5L mais a distância entre o teto e a extremidade superior da prancha e ainda a metade da espessura da laje de teto (ver figura 14).

Figura 14 – Distribuição

a) Sala do distribuidor geral: Chegada dos eletrodutos pelo teto ou abertura na laje - considerar

a) Sala do distribuidor geral:

Chegada dos eletrodutos pelo teto ou abertura na laje - considerar folga na prancha de 1,5L (largura) mais 1,0 D (comprimento) e ainda a distância entre a extremidade superior da prancha e o centro da laje do teto (ver figura 15).

Figura 15 - Sala do DG

LEGENDA:
LEGENDA:
  • C = 1,5L + 1,0D + d

  • C = (3,00 + D + d) m

Chegada dos eletrodutos pelo piso -considerar a folga na prancha de 0,5L (largura) mais 1,0 de comprimento e ainda a distância entre a extremidade inferior da prancha e os eletrodutos (ver figura 16).

Figura 16 - Chegada dos eletrodutos

LEGENDA:
LEGENDA:
  • C = 0,5L + D + d

  • C = (1,30 + D) m

Determinação do Número de Blocos Internos nas Caixas de Distribuição Geral

A quantidade de blocos internos a serem instalados na caixa ou sala de distribuição geral é obtida dividindo-se por 10 o somatório das capacidades dos cabos que terminam naquela caixa ou sala.

Distribuição da Contagem na Rede Secundária

Todo fio FI 60-R que chega em uma caixa de distribuição deve ter definido o par no qual deverá ser conectado. Isto é possível já que em cada caixa de distribuição existe uma contagem determinada, conforme exemplo da figura 17.

Figura 17 - Contagem primária

A quantidade de blocos internos a serem instalados na caixa ou sala de distribuição geral é

Rede de Interligação de Prédios

A rede de interligação deve ser utilizada quando a edificação for constituída de mais de um bloco (conjunto de prédios).

A princípio somente um dos prédios deve ser ligado à rede externa da filial. Os demais prédios devem ser interligados a ele. O cabo de interligação dos prédios deve ser do tipo CTP-APL (cabo CA).

O cabo de interligação deve ser independente para cada um dos prédios, ou em ligação seqüencial, dependendo da disposição dos blocos.

Devem ser previstos blocos para interligar o cabo CTP-APL na primeira caixa interna de distribuição desse prédio com o cabo CI da prumada, conforme figura 18.

Figura 18 - Caixa de distribuição interna

O dimensionamento desses cabos deve ser feito conforme descrito no item 2.2. Exemplos de Instalação dos

O dimensionamento desses cabos deve ser feito conforme descrito no item 2.2.

Exemplos de Instalação dos Blocos Internos

Os blocos internos devem ser instalados nas caixas de distribuição, conforme a figura 19.

Figura 19 - Instalação de blocos internos nas caixas de distribuição

O dimensionamento desses cabos deve ser feito conforme descrito no item 2.2. Exemplos de Instalação dos

Nas caixas de distribuição geral os blocos da rede interna devem ser projetados conforme apresentado na figura 20.

Figura 20 - Instalação de blocos internos nas caixas de distribuição geral

Projeto de rede interna em edifícios residenciais Objetivo Definir os critérios para o projeto de rede

Projeto de rede interna em edifícios residenciais

 

Objetivo

Definir os critérios para o projeto de rede primária em edifícios comerciais.

Projeto

Projeto

Para o desenvolvimento de um projeto de rede interna, para prédios comerciais,

deve-se observar as mesmas etapas indicadas na elaboração de um projeto de prédio residencial.

Projeto da Rede Secundária

O projeto da rede secundária consiste em prever um cabo CCI-2 pares para cada caixa de saída, independentemente da quantidade de pontos necessários para atender a área.

A previsão da quantidade de pontos deve ser utilizada para dimensionar os cabos da rede primária.

Com o objetivo de organizar estes cabos dentro da caixa de distribuição, eles devem ser terminados também em blocos internos.

Projeto de rede interna em edifícios residenciais Objetivo Definir os critérios para o projeto de rede

A figura 1 exemplifica o projeto de rede secundária em uma área até 70 m 2 .

Figura 1 - Projeto de rede secundária

a) Sua área é de 70 m2. Isto quer dizer que será necessário distribuir um cabo
  • a) Sua área é de 70 m2. Isto quer dizer que será necessário distribuir um cabo de 10

pares (rede primária) na caixa "A" para atendê-lo.

  • b) Em cada trecho da tubulação será mostrada a quantidade de cabos nele contido.

Projeto da Rede Primária

A seqüência para elaboração de um projeto da rede primária para edifícios comerciais é semelhante à adotada para edifícios residenciais, excetuando-se alguns itens que sofrem alterações.

Na configuração da rede adotar os procedimentos descritos no item 2.1 do módulo

45.12.

De posse da quantidade de pontos telefônicos atendidos e acumulados em uma caixa de distribuição, calcula-se a quantidade ideal de pares que devem ser distribuídos e que devem alimentar esta caixa. Para isto, basta dividir estes valores por 0,7. Estes valores devem ser indicados em projeto através do sumário de contagem mostrado no item 2.2 do módulo 45.12.

A determinação do número de blocos internos nas caixas de distribuição geral deve ser idêntica a exposta no item 2.6 do módulo 45.12. Eventualmente alguns cabos CCI podem ser ligados diretamente à caixa de distribuição geral. Se eles forem em número maior ou igual a 6, devem ser terminados em blocos internos específicos.

Os anéis-guia para caixas de distribuição geral devem ser assim determinados:

  • a) Para até 3 blocos M-10-P, instalar anéis-guia (35,3 mm).

  • b) De 4 a 20 blocos, instalar anéis-guia (51,3mm).

  • c) Para mais de 20 blocos, instalar anéis-guia (51,3 mm) ao lado dos bastidores e

anéis (88 mm) na linha horizontal do centro da caixa.

 

Objetivo

Definir os critérios para o projeto de rede primária em edifícios comerciais.

Projeto

Projeto

Definir os critérios para o projeto de rede interna em edificações com características especiais.

Edificações Constituídas de Vários Blocos

Normalmente este tipo de edificação é encontrado em indústrias e campus universitários que, freqüentemente, são atendidos por uma CPCT.

Para este tipo de edificação deve haver uma única rede para atender à CPCT, bem como, linhas individuais.

Indústrias

As indústrias normalmente dividem-se em áreas de administração e de produção. O desenvolvimento do projeto da rede secundária para a área administrativa é feito conforme exposto no item 2.1 do módulo 45.15.

A área de produção normalmente é extensa e possui poucos pontos telefônicos, os quais são previamente localizados.

O projeto de rede secundária para estas áreas consiste em prever um cabo CCI-2 pares para cada um destes pontos, desde que exista uma caixa de distribuição dentro deste galpão ou prédio.

Se a quantidade de pontos telefônicos previstos para um prédio for igual ou menor a 5, este prédio deve ser atendido por cabo CCE com capacidade para seis pares com um par reserva. Este cabo CCE deve ser interligado à caixa de distribuição da edificação mais próxima.

A rede primária é composta pela rede interna do prédio e rede de interligação.

O projeto de rede primária para o interior do prédio deve ser desenvolvido conforme descrito no item 2.2 do módulo 45.15.

Quanto ao projeto da rede de interligação, proceder conforme descrito no item 2.8 do módulo 45.12.

Campus Universitários

Um campus universitário é caracterizado por uma área extensa, na qual vários prédios se encontram espalhados. Outra característica observada é que poucos pontos telefônicos são necessários para atender a cada um dos blocos. Normalmente a comunicação interna fica restrita à comunicação entre gabinetes administrativos.

Além da comunicação interna é importante prever a instalação de telefones públicos

em posições estratégicas.

Como a quantidade de telefones públicos é irrelevante em relação à necessidade de comunicação interna, admite-se prever uma única rede interna que deve atender a todas as necessidades.

O projeto pode ser desenvolvido conforme as orientações descritas no item 2.2.

Edifício com Prumadas Independentes

Às vezes torna-se necessário prever mais de uma prumada telefônica para uma edificação. Isto ocorre por exemplo, quando se trata de um prédio com pavimentos com área muito grande, ou ainda pela existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da prumada ideal.

Estas prumadas devem ser ligadas a uma mesma caixa de distribuição geral.

O projeto para este tipo de edificação deve ser desenvolvido conforme descrito no módulo 45.15.

A distribuição da contagem primária nas prumadas deve ser feita de forma contínua. O primeiro par primário a ser distribuído em uma prumada deve ser aquele que vem após o último par distribuído na prumada anterior.

Hotéis e Hospitais

Estes dois tipos de edificações são bastante parecidos no tocante à rede telefônica, ou seja:

a) Normalmente são atendidos por uma CPCT; b) Com relação ao porte da edificação, uma pequena área é destinada à administração; c) A maior parte da edificação é destinada a quartos e apartamentos.

O projeto da rede primária e secundária da área administrativa deve ser concebido conforme orientações contidas no módulo 45.15.

O projeto da rede primária e secundária da área destinada aos quartos e apartamentos deve ser concebido conforme orientações contidas no módulo 45.12.

Uma única rede telefônica é necessária e suficiente para atender as necessidades de comunicação de uma edificação deste tipo.

Série 6 - Aprovação

Grupo: "Aprovação e vistoria"

Memorial descritivo do projeto de tubulação telefônica e rede interna

Objetivo

Este módulo orienta como deve ser elaborado o memorial descritivo do projeto de tubulação telefônica.

Características O memorial descritivo é um documento integrante do projeto de tubulação telefônica. Deve conter informações

Características

O memorial descritivo é um documento integrante do projeto de tubulação telefônica.

Deve conter informações específicas e complementares. É utilizado pela filial para estudos de previsão de demanda telefônica, dimensionamento da rede telefônica externa e, sobretudo, para a análise completa do projeto apresentado para aprovação.

A seguir o roteiro para elaboração do memorial:

  • a) Dados básicos

• Endereço (rua, avenida, bairro, cidade, etc.); • Nome do edifício (se houver);

Características O memorial descritivo é um documento integrante do projeto de tubulação telefônica. Deve conter informações

• Proprietário (pessoa física ou jurídica); • Construtora: (nome, endereço e telefone); • Engenheiro responsável: (nome, endereço e telefone); • Responsável pelo projeto de tubulação telefônica: (nome, endereço e telefone); • Responsável pela instalação da tubulação telefônica: (nome, endereço e telefone); • Previsão para início e término da construção da edificação.

Características O memorial descritivo é um documento integrante do projeto de tubulação telefônica. Deve conter informações
  • b) Informações gerais e dados estatísticos

• Tipo do edifício (residencial, popular, de interesse social, comercial, industrial e outros); • Número de andares; • Número total de unidades construídas com suas respectivas áreas (residenciais ou comerciais); • Número total de pontos telefônicos previstos, por unidade construída, por andar e para o edifício; • Previsão para instalações de CPCT, FAX, e linhas para processamento de dados, considerando a demanda final.

  • c) Documentação do projeto

• Plantas dos andares; • Planta geral de localização e de situação; • Desenho esquemático da prumada telefônica; • Folha de detalhes; • Planta de cortes e de fachadas.

  • d) Descrição geral do projeto

• Canalização subterrânea ou posteação interna; • Tubulação de entrada; • Sala de distribuição geral (se houver); • Sistema de aterramento; • Tubulação primária; • Tubulação secundária; • Prumada telefônica; • CPCT, FAX, e linha de dados; • Cabeação interna; • Rede secundária; • Outros.

Características O memorial descritivo é um documento integrante do projeto de tubulação telefônica. Deve conter informações
Características O memorial descritivo é um documento integrante do projeto de tubulação telefônica. Deve conter informações