Boletim informativo - Janeiro de 2009 - Edição 1, nº 07

http://rotaractolimpico.googlepages.com

INFOLÍMPIC
Rotaract Club São Caetano do Sul - Olímpico

´S ´S

Israel sem controle
As ações da ONU para tentar mediar o conflito estão se frustrando e o Brasil se destaca como próximo representante político
Pág. 05

Mortalidade Infantil
Rotary de Belo Horizonte é reconhecido pela campanha feita aos empresarios, médicos e gestantes. Pág. 03

Cobrança indevida
Os bancos estão cobrando taxas para o recadastramento de clientes, saiba como se proteger. Pág. 04

Rotaract São Caetano do Sul Olímpico
Os TOCHAS!
Nossas reuniões acontecem aos 2º e 4º domingos, às 19:00 horas, na Casa da Amizade de São Caetano do Sul Endereço: Rua. Cavalheiro Ernesto Giuliano, 1253 - São Caetano do Sul / SP - CEP 09570-400 Mais informações pelo telefone de contato: 4368-6686 / 9497-9238 E-mail: rotaractolimpico@gmail.com

Editorial
o meio de tantos problemas diários, às vezes, percebemos que os nossos problemas não se comparam com os dos demais. Existe tanta gente que precisa de apoio que não podemos nos deixar abalar pelo cotidiano, e temos que estar prontos para a qualquer momento ter uma palavra de consolo e uma mão amiga para estender. Neste edição trouxemos assuntos de âmbito local, nacional e mundial, cada um deles com sua devida importância dentro do seu contexto. Mas o que podemos tirar de lição é que somos dependentes uns dos outros. Os recentes conflitos no Oriente Médio, causando a morte de milhares de civis, mostra como ainda temos um caminho muito grande a trilhar para nos tornarmos uma sociedade mais justa e mais igual. A defesa pelos direitos dos mais fracos é a bandeira levantada pelo ONU, seja no conflito armado ou na falta de condições básicas de saúde para os recém-nascidos.

N

Sócios:
Dimy Barozzi Presidente 2008-2009 Paula de Barros Casagrande Secretária Edwin Kohei de Campos Sato Tesoureiro Ariane R. de Moraes e C. Sato Protocolo Edson José Silva DQS William Almeida do Lago Desenvolvimento Profissional Leonardo Soares de Oliveira Presidente de serviços internos Carlos Alexandre Franco Alves Eventos Felipe Alan Rifa Relações Públicas Welber Lepore Sócio Vinícius Severiano “Melão” Serviços Internacionais Ana Paula Rodrigues Sócia Allan Gonçalves Monteiro da Silva Projetos e prestação de serviços

A defesa pelos direitos dos mais fracos é uma luta diária.
No entanto, são as pequenas ações individuais que fortalecem o todo. A defesa dos nossos direitos é uma luta constante que começa com a taxa indevida cobrada pelo seu banco, que muitas vezes não questionamos por se tratar de um valor pequeno, mas permite que este tipo de abuso continue. Se tentarmos resolver todos os problemas do mundo em um único dia, parece algo impossível, mas se estabelecermos metas e objetivos concretos e compartilharmos com os outros esses desejo, poderemos nos surpreender com os resultados. Felipe Rifa

Calendário ::

:: :: :: ::

08 de fevereiro - 3º Fórum Distrital Tema:MARKETING DO ROTARACT Anfitrião: Rotaract Club de Cubatão Carnaval - Distribuição de camisinhas "Você que tem cabeça Proteja” Projeto distrital 22 de março - Rotaractíadas Anfitrião: Rotaract São Caetano do Sul - Olímpico 17 de maio - 4º Fórum Distrital DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Em São Bernardo do Campo

Campanha contra a mortalidade infantil
Na Convenção do Rotary em junho de 2008, o Presidente Dong K. Lee dedicou o projeto de redução da mortalidade infantil, como prioritário para 2008-09 e pediu a cada rotariano que criasse algo para conseguir contribuição para a Fundação Rotária com essa finalidade. Regressei alarmado e preocupado com as informações da plenária de que a mortalidade infantil NO LIMITE DA SOBREVIVÊNCIA atinge mais de dez milhões Revista Veja, 22 de Dezembro Foto: Jehad Nga/Corbis/Latinstock e meio de crianças por ano. Durante o XXXI Instituto Rotário do Brasil em Belo Horizonte, no Grupo de Trabalho 04, Tema Redução da Mortalidade Infantil, presidido pelo EDRI Carlos Henrique Speroni, Expositor EGD George Pinheiro e Relator EGD Wadir Olivetti, apresentei o Certificado de contribuição para a redução da mortalidade infantil, que pode ser fornecido a qualquer cidadão rotariano ou não, podendo ser fixado na parede de escritório ou residência, o que é motivo de orgulho por contribuir com tão nobre causa. A idéia foi aplaudida pelos presentes e o EDRI Carlos Speroni levou a mesma para a Argentina. Durante a visita oficial do governador do distrito João Petrolitano Gonçalves de Assis ao Rotary Club Belém-Sul, apresentei o Certificado de contribuição para a redução da mortalidade infantil e o governador e o presidente do clube Luiz Alberto Penna de Carvalho aprovaram a idéia, me designando para coordenar a campanha e nomear uma comissão para angariar os fundos. Mediante isso, indiquei os companheiros Roberto Gatasse Kalume Filho e Francisco Omar Fernandes, respectivamente Tesoureiro e Relações Públicas do Rotary Club Belém Sul, para compor a comissão e agradeço a todos os que colaborarem nesta tarefa. A exemplo da campanha que coordenei no distrito na gestão do Gov. George Pinheiro para erradicação da Pólio Plus, apoiar a Fundação Rotária, contribuindo financeiramente é uma obrigação moral de todo rotariano. Caros companheiros, a campanha é realizável e todos conscientemente devem colaborar. Nós rotarianos, somos capazes e podemos através dos nossos esforços e contribuições dar um mundo melhor para as crianças. Estamos enc-minhando este projeto a todas as classes sociais, empresariais, médicas, hospitais e à mídia para divulgação. Quem tiver sensibilidade de contribuir com a Fundação Rotária, entregaremos o certificado.
EGD NABIH ABOU EL HOSN Coordenador da Campanha de Redução da Mortalidade Infantil 2008-09 - Rotary Club Belém-Su - Distrito 4720

DAR DE SI ANTES DE PENSAR EM SI OLHANDO MAIS ALÉM DE SI MESMO

A ONU no conflito do Oriente Médio
No ano da conveção de PAZ do Rotary, o que percebemos são ações isoladas e individuais
Aviões de Israel atacam constantemente a cidade de Rafah na fronteira entre a faixa de Gaza e o Egito. O local é tido como estratégico, pois o Hamas utiliza túneis na região para traficar armas. Ontem um bombardeio israelense atacou a sede de ONU. Dois jornalistas palestinos e três funcionários da ONU se feriram. A explosão, provocada por um projétil israelense, ocorreu no 13º andar da torre Al-Shurouq Tower, no bairro de mesmo nome. O governo israelense afirmou ter cometido um erro. Desde que o conflito começou, em dezembro, já morreram mais de mil pessoas em menos de 20 dias. Talvez nós já estejamos apáticos com toda essa situação, mas este tem sido o conflito mais intenso e violento desde 1994. O cessar fogo, firmado em junho de 2008, foi quebrado por ambos, em 18 de dezembro. Sem tomar posição de nenhum dos lados. Pois Israel esta lutando contra um movimento, uma ideologia e por isso tem sido tão difícil evitar a morte de civis, pois o mesmo homem que tem um trabalha digno é quem pega em armas durante a noite. Porém, a consequência destes constantes conflitos tem sido a morte de muitas pessoas, inocentes ou não. O papel da ONU no oriente médio e no mundo é conciliar os interesses e buscar uma solução, pondo fim a este barbárie. No momento a ONU parece os ambientalistas do Greenpeace se jogando na frente dos arpões, para evitar a extinção das baleias. Em uma última tentativa de vencer ao menos uma batalha de uma guerra perdida. No entanto, seria a ONU o conselho de ética do mundo, defendendo os nossos interesses dos mais fracos, seja na linha de frente com remédios e mantimentos ou na grande cúpula do G8. Mesmo que o Brasil ainda não faça parte do conselho de segurança, o nosso militante, Celso Amorim, ministro de Relações

Mulher palestina ferida durante ataque aéreo israelita em Gaza

Exteriores está fazendo um ótimo trabalho nos representando. Infelizmente, Em função do ataque, a principal agência da ONU de ajuda aos refugiados palestinos anunciou que irá suspender as atividades em Gaza. Agora, o Brasil tem por que provar que sua missão é humanitária e que não enviou 14 toneladas de mantimento para fazer média, como no foi no Haiti. Companheiro Felipe Rifa - Jornalista

Banqueteria
Pimenta Rosa
Adelaide Valéria
Tel. 11 8531-2254 / 4226-1541

Bancos cobram taxas indevidas
A ilegalidade da cobrança da tarifa de renovação de cadastro bancário
ecentemente muitos clientes bancários foram surpreendidos com o recebimento de uma correspondência, por parte do banco mantedor de suas contas correntes, avisando acerca de uma nova cobrança a ser efetuada, cujo nome é “tarifa de renovação de cadastro”. Nesta correspondência a instituição financeira afirma que, em virtude de “determinação” do Banco Central, o banco poderá descontar a tal tarifa de renovação de cadastro, diretamente da conta corrente do cliente, independentemente da autorização deste. O que mais nos chama a atenção é que, contrariamente ao que é afirmado pelos Bancos, o Banco Central do Brasil não autorizou a cobrança de tal tarifa, tendo, apenas, regularizado os limites para tais cobranças, pois aqueles estavam realizando uma verdadeira “farra” na cobrança de supostos “serviços”. Vale esclarecer que a Resolução n°. 3.518 de 06.12.2007, por meio de seu artigo 1°, realmente possibilita a cobrança da tarifa de renovação de cadastro, mas somente se o contrato celebrado com o banco autorizar expressamente tal cobrança, ou mesmo se o serviço tiver sido solicitado pelo cliente: “cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil deve estar prevista no contrato firmado entre a instituição e o cliente ou ter sido o respectivo serviço previamente autorizado ou solicitado pelo cliente ou pelo usuário” Ou seja, se o contrato bancário não autorizar tal cobrança, bem como se o cliente não tiver

R

solicitado renovação cobrança banco é indevida.

o serviço de de cadastro, a efetuada pelo completamente

Diante de tal condição, é preciso ter cuidado com a distorção da verdade apresentada pelo banco, o qual, com toda certeza, está muito mais compromissado com a sua própria arrecadação, do que com o correto cumprimento da legislação em vigor. Caso os Bancos insistam em descontar da conta corrente dos clientes valores referentes a tal tarifa de renovação de cadastro, é direito do cliente exigir a devolução, em dobro, do valor subtraído, conforme estipula o parágrafo único, do artigo 42, do Código de Defesa do Consumidor. Os clientes têm, também, a possibilidade de efetuar reclamações ao PROCON, ou ao Banco Central e caso estes não consigam resolver o problema, poderão ingressar na Justiça, por meio Juizado Especial Cível, ou mesmo ir à Delegacia de Polícia e registrar Boletim de Ocorrência pelo crime de apropriação indébita, previsto no artigo 168 do Código Penal. O mais importante é que os clientes sempre exijam que seus direitos sejam cumpridos, pois só assim será possível coibir a “farra” bancária na cobrança de tarifas ilegais.
William de Almeida do Lago, sócio fundador do Rotaract São Caetano do Sul Olímpico, advogado pós-graduando em Processo Civil pela PUC/SP ;

Fuja das promessas de fim de ano
Fim de ano. Tempo de festas, comemorações, confraternizações. Mas, também é tempo de reflexão. Quando chega natal e ano novo, é normal, ficarmos mais emotivos e reflexivos. E também é muito comum pararmos para avaliar como foi o ano e fazer promessas para o futuro. Porém só 12% das promessas de fim de ano são cumpridas. Mas o psicólogo Eduardo Santos aconselha fugir das promessas de fim de ano e criar metas claras. "Tem uma analogia que ouvi certa vez de que objetivos são como um mapa no porta-luvas do carro. Enquanto você sabe onde está, ele fica lá guardadinho. Quando você se perde, é só consultá-lo para reencontrar o rumo certo.” Gastamos muito tempo lembrando-se de quantas promessas não foram cumpridas, do que queríamos ter feito, e na maioria das vezes, ficamos frustrados por não termos "feito mais" ou ter deixado alguns coisas para lá, principalmente no que se refere a nossa auto-estima. Um psicólogo britânico, Richard Wiseman, realizou uma pesquisa sobre as promessas de final de ano e ouviu a três mil pessoas. Ao termino de um ano, chegou a conclusão. Apenas 12% das pessoas conseguem cumprir com as resoluções definidas no fim do ano. Entre os desejos mais freqüentes estão parar de fumar, emagrecer, fazer mais exercícios ou beber menos. No início da pesquisa, 52% dos participantes afirmaram que estavam confiantes de que conseguiriam cumprir com as metas. No entanto, no ano seguinte apenas 12% conseguiu manter as promessas e alcançar os objetivos que haviam definido. A promessa mais difícil de ser cumprida, novamente, é pára de fumar - apenas 24% dos voluntários conseguiram deixar de fumar. Entre homens e mulheres também há diferença. 22% dos homens que conseguiram atingir seus objetivos, e fizeram ao definir metas específicas, como perder um quilo por semana ao invés de apenas "perder peso". Para o pesquisador "os homens tendem a adotar uma postura machista e têm expectativas fora da realidade, portanto, definir objetivos simples os ajuda a cumprir as metas", afirma Wiseman. Já para as mulheres, o estudo indica que a chance de manter as promessas aumenta em 10% quando elas contam para a família e para os amigos sobre a resolução. E apesar das mulheres relutarem em contar para os amigos

Seis passos para a criação de metas:
Saiba qual é o propósito da sua vida; Estabeleça objetivos que valham à pena; Anote, escreva; Administre seu tempo; Estimule sua criatividade; Desenvolva sua intuição e meça seu crescimento.
sobre as promessas, "o apoio de parentes e amigos as auxilia a manter suas metas, depois de torná-las públicas". Wiseman sugere que a regra geral para atingir os objetivos é decidir qual será a meta durante o ano antes da chegada do réveillon. Muitas pessoas perdem no dia a dia a motivação de perseguirem seus ideais. Segundo John Robson (Técnica de Vendas, set/99), os principais motivos que levam as pessoas ao não cumprimento de suas metas são a falta de sinceridade, não aceitam responsabilidade pela sua própria vida, atitudes negativas, o medo de críticas e do fracasso. Para o psicoterapeuta Chris Allmeida, fundador e presidente da Fundação Mundo Novo, uma ONG de desenvolvimento pessoal, o ser humano deve se conscientizar de que, para viver bem, deve ter um equilíbrio entre três aspectos básicos da vida: saúde, amor e dinheiro. "Se qualquer um deles faltar, o restante de nada adianta, a torre humana perde a sustentação...” Allmeida aconselha as pessoas buscarem a felicidade dentro de si. "Meu trabalho é levar justamente o equilíbrio às pessoas, mostrar a força que têm dentro delas para conquistarem tudo o que quiserem". Para as mulheres que precisarem de uma ajudinha para cumprir suas metas, no site euprometo.com são contabilizadas as promessas cumpridas, em andamento ou fracassadas. No site as pessoas participam de grupos com a mesma promessa, e o site te envia avisos por e-mail, periodicamente, mensagens para motivar e ajudar a não se esquecer da promessa. O mais interessante é acompanhar os resultados das pesquisas no site que comprovam a tese do psicólogo britânico.
Felipe Rifa