CMYK

Nintendo/Divulgação

Informática
CORREIO BRAZILIENSE • Brasília, terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Editor: Renato Ferraz renatoferraz.df@dabr.com.br e-mail: informatica.df@dabr.com.br Tel: 3214 1184

TÉCNICAS & TRUQUES
Coluna do B. Piropo mostra como proteger documentos do Office. Saiba, por exemplo, que o programa permite vários níveis de segurança, inclusive de criptografia. PÁGINA 2

» SUPER MARIO BROS
Herói retorna ao Wii. E no estilo dos games que o consagraram. A jogabilidade, felizmente, continua idêntica a dos antigos. PÁGINA 5

Tecnologia

verde
» ATAIDE DE ALMEIDA JR. » Especial para o Correio

Mais de 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico se acumulam por ano em todo o planeta. Para amenizar os impactos ao meio ambiente, indústrias do setor apostam em alternativas sustentáveis

O

meio ambiente ganhou um grande aliado contra as mudanças climáticas e o aquecimento global: as empresas de eletroeletrônicos. Elas começam a se conscientizar dos problemas que os aparelhos podem causar em um futuro próximo e a produzir alternativas sustentáveis para agradar tanto aos ecologistas quanto aos fissurados por tecnologia. Celulares produzidos com garrafas PET e vendidos em embalagens de papel reciclado, computadores feitos de material reciclável e televisores livres de metais pesados (para consumir menos energia) são alguns exemplos do que as indústrias preparam de modo a amenizar os danos ao planeta. As ações para a preservação da natureza começam nas fábricas. “Temos planilhas de controle dos aspectos e impactos, ou seja, todos os tipos de atividade são mapeados e têm o impacto medido. Além disso, há o controle de gases emitidos, de ruídos e de todos os resíduos que saem do local”, explica Carlos Werner, diretor de marketing corporativo da Samsung. Luvas com elementos tóxicos à natureza (como graxas), lâmpadas fluorescentes e sobras de solda também são encaminhados para descarte ecológico consciente. Essa preocupação nas fábricas tem reflexo nos produtos. Uma das metas da Samsung, que investe 9% do faturamento em desenvolvimento, é fazer produtos ecologicamente corretos. “Os televisores contam com uma tecnologia de acabamento chamada de touch of color, que não pinta o aparelho e, portanto, não utilizamos sprays que possam ter produtos prejudiciais à natureza”, explica Carlos. Além disso, os aparelhos possuem várias peças recicláveis e são desenvolvidos para economizar energia. O melhor exemplo no campo dos aparelhos de tevê são os que possuem a tecnologia LED (sigla em inglês que significa diodo emissor de luz) e consomem até 40% menos energia que uma de LCD com as mesmas características. “É uma economia para o meio ambiente e o país, que acaba sendo paga a longo prazo”, afirma. Esses equipamentos ainda estão livres de substâncias prejudiciais, como os gases da iluminação fluorescente. “Queremos que os consumidores sejam capazes de discernir entre produtos que agridem e os que não danificam o meio ambiente. Com esse conhecimento, as pessoas passam a ter cada vez mais a preocupação com a natureza”, avalia Carlos.

Economia de energia
Na área da informática, a preocupação é produzir equipamentos com o maior número de materiais reciclados e também reduzir o consumo de energia e gases prejudiciais ao meio ambiente. A HP tem como metas para este ano a redução de 25% do consumo de energia associado à emissão de gás carbônico em operações e produtos, como notebooks e desktops. Além disso, há preocupação de eliminar completamente o uso de mercúrio das telas de notebooks. “Entre os focos da empresa, estão o desenvolvimento de soluções e serviços que ajudem os clientes na redução dos danos ambientais”, explica Kami Saidi, diretor do Programa Integrado de Sustentabilidade Ambiental da HP Brasil. Computadores menores e sustentáveis também fazem parte das iniciativas para a preservação do meio ambiente. A Dell possui a linha Studio Hybrid, que, além de ser 80% menor que um desktop normal, tem 95% do material feito de produtos que podem ser reciclados. O tamanho pequeno também é responsável pelo baixo consumo de energia. No quesito configuração, o Studio Hybrid não deixa a desejar. Ele pode vir equipado com um processador Intel Pentium T4300 Dual Core, até 4GB de memória, disco rígido de até 320GB, gravador de CD/DVD e Blu-Ray, além de porta para conexão de vídeo HDMI. Não adianta ter um desktop sem mouse nem teclado. Pensando em uma proposta sustentável, a Genius criou um kit com os dois equipamentos. O teclado da linha SlimStar 820 Solargizer funciona a energia solar. Além de economizar, o aparelho traz funções avançadas, como as 17 teclas programáveis para a acesso à internet e documento de textos. Se a luz solar não estiver presente, há um cabo USB para conectá-lo diretamente ao computador. O mouse que acompanha o kit também é sem fio e possui tecnologia que permite estender a vida útil das baterias por até 15 meses. Os pen drives também entraram no clima da sustentabilidade. O Earth Drive é o primeiro drive USB feito a partir da mistura de milho fermentado com poliéster biodegradável. A ATP, empresa responsável pela fabricação do pen drive, firmou ainda uma parceria com uma organização não governamental para o plantio de árvores a cada aparelho vendido. Além de ser amigo da natureza, o drive é à prova d’água e de choques. A capacidade de armazenamento é de 4GB.

» Leia mais nas páginas 3 e 4

CMYK CMYK