E STA D O D E M I N A S

Q U I N T A - F E I R A ,

1 8

D E

F E V E R E I R O

D E

2 0 1 0

4
NA REDE

INFORMÁTICA

Google mostra que redes sociais e e-mail podem conviver pacificamente, colocando uma pausa nas especulações sobre o fim dos serviços do popular correio eletrônico

O novo barulho:
ao usuário e recomendar por meio do Buzz. A ferramenta ainda permite saber o porquê da recomendação do post. A função trouxeàtonaoproblemadosspams que atingem os usuários das redes sociais. O novo serviço também estará integrado com os smartphones. O Buzz poderá ser acessado a partirdatelainicialdositedebuscas. O serviço mostrará a localização geográfica do usuário e indicará,peloGPSdoaparelho,umestabelecimento próximo com as características detalhadas. O vicepresidentedeengenhariadoGoogle,VicGundotra,anunciouainda a atualização do Google Mobile Maps. Com ela, o usuário encontrará um estabelecimento próximo. Além disso, vários balões de fala estarão espalhados pelo mapa, mostrando aqueles que utilizam o Buzz por perto. original”, dizia a mensagem. A Microsoft também não achou graça. “Pessoas ocupadas não querem mais uma rede social, elas querem a conveniência do conteúdo agregado. Nós fizemos isso. Usuários do Hotmail se beneficiam com acordos da Microsoft com o Flickr, o Facebook, o Twitter e 75 outros parceiros desde 2008”, disse a empresa. Carolina Aranha, gerente-geral da divisão On-line da Microsoft Brasil,afirmaqueousuáriopoderealizarasmesmasatividadesdoBuzznoWindowsLive.“AMicrosoft cada vez mais vai oferecer essa oportunidade de interação de uma forma mais intuitiva e rápida do ponto de vista do usuário”.

ATAIDE DE ALMEIDA JR. Ameaçadopelapopularização dasredessociais,oe-mailparteparaumareaproximaçãodopúblico ao utilizar uma única palavra de ordem: convergência. É nesse espírito de integrar ao máximo que o Google promete zumbir com a concorrência e dar um gás no Gmail com o anúncio do Google Buzz, mistura de e-mail, mensagem instantânea e Twitter. “Esse é o resultado de como a empresa podeajudaracompartilharotempo real”, afirmou Bradley Horowitz, vice-presidente de gerenciamentodeprodutosdoGoogle,durante o lançamento do serviço. Asinovaçõessãobaseadasem cinco pontos principais: seguidores automáticos, compartilhamento privado e público, compartilhamentorápido,integração com o Gmail e o chamado “somente as coisas boas”. O fato de nãoprecisarinstalarnadaeserseguido automaticamente promete ser uma das ferramentas mais úteis para quem está cansado de ter que adicionar um a um todos os seguidores, cada vez que é lançada uma nova rede social. Afunçãofazcomquesejaadicionado aquele com quem o usuáriomaistrocoue-mailoubateu papo pelo Gtalk. Essa função está atrelada a outra, o compartilhamento privado e público. Ao escrever um post ou anexar uma foto ou um vídeo, o Buzz dá a opçãodeenviarapenasparaumcerto grupo, como amigos e familia-

res, ou torna o conteúdo aberto a todos. Caso a segunda opção seja marcada,opostseráindexadopelo site de buscas. A velocidade também é uma das promessas do novo serviço. De acordo com Todd Jackson, gerente de produto do Google, além de manter os atalhos do teclado utilizados no Gmail, o Buzz vai tornar o compartilhamento de fotos e vídeos mais rápido, pois estarão integrados aos outros serviços, como os álbuns do Picasa, o Flickr, feeds, links, localização geográfica e até mesmo tweets do Twitter. Os vídeos abrem na mesma janela e no mesmoespaçodopost.Jáasimagens abrem em tela inteira. “As fotos serão um cidadão de primeira classe no Buzz”, afirmou. No entanto, a integração com oGmailéochamarizdonovoserviço. Em outras redes sociais, devido ao grande número de seguidores que uma pessoa pode ter, uma pergunta feita a outro usuáriopoderánãoservista.Pararesolver,oBuzziráenviararespostaou ocomentáriodopostparaacaixa de entrada. “Quando você tem poucosamigoséfácilencontraro que quer, mas quando tem algo como 5 mil é difícil”, afirmou Horowitz. Os e-mails enviados pelo Buzz aparecerão identificados com um balão de fala colorido, a logomarca do serviço. Ainda como parte da integraçãoestáafunção“somenteascoisas boas”. Com ela, o Google promete filtrar o que mais interessa

BUZZ/REPRODUÇÃO DA INTERNET -16/2/2010

ACONCORRÊNCIA Asmaiorescríticas foram quanto às semelhanças com produtos já existentes. Um deles, o FriendFeed, foi criado por quatro ex-funcionários do Google e tem praticamente a mesma interface e as possibilidades de compartilhamento. “Isso me parece bem familiar”, disse no Buzz Paul Buchheit, um dos fundadores do FriendFeed. No perfil oficial no Twitter, o Yahoo! declarou que já tem um serviço desse tipo, inclusive com o mesmo nome. “Dois anos depois do Yahoo! ter lançado o Buzz, Google segue o exemplo. Confira o
YAHOO!/DIVULGAÇÃO

E O GOOGLE WAVE? Lançado em maiode2009,oGoogleWaveprometia ser o matador dos serviços de e-mails. Assim como o Buzz, forneceinteratividadeecolaboraçãoemtemporeal,alémdainserção de fotos e vídeos e uma série de gadgets como mapas, quiz, previsão do tempo e videochat. Apesar de ter causado muito barulho, o projeto não caiu no gosto popular. Ao serem questionados sobre o Wave, os executivos prometeram uma convergência com o novo serviço. “Muitas coisas foram inspiradas no Wave e haverá integração”, afirmou Vic Gundotra, vice-presidente de engenharia do Google. Enquanto ficam só na promessa, o e-mail pode respirar aliviado com a sobrevida que conquistou.

O Gmail agora traz o Buzz como novidade: novo fôlego ao serviço, pelo menos no Brasil

Terceiro lugar na pesquisa, o Yahoo! Mail mostra que espaço não é problema

PESQUISAS

90 TRILHÕES
NÚMERO DE E-MAILS ENVIADOS EM 2009

247 BILHÕES
MÉDIA DE E-MAILS POR DIA

1,4 BILHÃO
USUÁRIOS DE E-MAIL NO MUNDO

100 MILHÕES
NOVOS USUÁRIOS DE E-MAIL EM RELAÇÃO A 2008

200 BILHÕES
NÚMERO DE SPAMS RECEBIDOS POR DIA

AUMENTO DO NÚMERO DE SPAMS EM RELAÇÃO A 2008 Fonte: Radicati Group

24%

O ano passado foi de terror e poucas esperanças para a continuidade dos serviços de e-mail. Em maio, o Google lançou o GoogleWave,plataformaquepermite comunicaçãoecolaboraçãoon-line instantânea e que previa o fim do e-mail até 2015. Um pouco maistarde,umapesquisadaUniversidade de Kent, do Reino Unido,apontouqueoserviçodetroca de mensagens estaria fadado ao esquecimento e seria substituído pelas redes sociais, como o Twitter, ou pelos programas de batepapo,poisapenas51%dosjovens o adotavam como primeira opção para o envio de mensagens. No entanto, o anúncio do Google Buzz e uma nova pesquisa, agora da consultoria norte-americana comScore, dão novo fôlego ao serviço, pelo menos no Brasil. O Windows Live Hotmail, adquirido pela Microsoft em 2007 pela quantia estimada de US$ 400 milhões, teve um aumento de 18% nos acessos em dezembro de 2009 em relação ao mesmo período do ano anterior, o que representa 24 milhões de brasileiros com mais de 15 anos que enviam, recebem e leem e-mails. O serviço aparece como líder no ranking da comScore. “O Windows Live Hotmail é o e-mail que tem a maior familiaridade e favorabilidade dos usuários da internet no Brasil. Mesmo as pessoas que apresentam mais de um e-mail, a maior parte delas concentra o seu uso primário no Hotmail”, afirma Carolina Aranha, gerente-geral da divisão online da Microsoft Brasil. Para ani-

atrair você
mar ainda mais os usuários, a Microsoft deve anunciar nos próximos meses uma atualização do Hotmail e do Messenger, mas ainda não há detalhes sobre as novas funções dos produtos. A busca contra o fim do email faz com que apareçam vantagens para atrair os consumidores, como mais espaço, integração com programas de bate-papo e até a possibilidade de organizar compromissos e ser lembrado dos horários agendados. Os dois mais populares serviços de e-mail travam brigas constantes com relação ao armazenamento e funcionalidades. De um lado o Gmail, segundo no ranking, traz mais de 7GB e a possibilidade de utilizar com um só login a rede social Orkut, YouTube, Gtalk e, agora, o Buzz. Do outro lado, o Hotmail, com mais de 5GB e complementado com o acesso ao Messenger. Lançado para o público em fevereiro de 2007, o Gmail, que no começo oferecia a insuperável marca de 1GB de armazenamento, teve em dezembro de 2009 8,4 milhões de visitas – um crescimento de 51% em relação ao ano passado. A assessoria de imprensa do Google Brasil limitou-se a dizer que a empresa não comenta nenhum tipo de pesquisa, nem mesmo as que eles aparecem como líderes e tampouco números de usuários cadastrados. ainda que 34% dos usuários do Hotmail também visitaram o Gmail, enquanto que 81% fize-

Mais gigas para

OBJETIVOS A pesquisa revelou

ram o caminho contrário. Para Carolina Aranha, da Microsoft Brasil, o uso de diferentes emails é para atender diferentes objetivos. “Os usuários muitas vezes usam produtos concorrentes, mas observamos que, para a grande maioria, o Hotmail continua sendo o e-mail principal”, afirma. “A Microsoft continua a ter um forte controle de muitos aplicativos para consumidores no mercado da América Latina,” – disse Alex Banks, diretor de gestão da comScore na divulgação da pesquisa – “no entanto, outras marcas também estão se exercitando nesse mercado de desenvolvimento”. Quem também tem se esforçado para atrair os usuários é a Yahoo!, que alcançou o terceiro lugar na pesquisa, com 7,1 milhões de acessos ao e-mail. Na comparação com os estrangeiros, os serviços de e-mail do Brasil não fazem feio e dominam o restante da lista a partir do quarto lugar. Em relação aos serviços de e-mail pagos, o UOL Mail teve em dezembro de 2009 quase 4 milhões de visitas, com um aumento de 14% em relação ao ano anterior. Em seguida vem o e-mail do portal Terra, com pouco mais de 1 milhão de acessos. Na lista dos serviços gratuitos, o primeiro lugar ficou com o iG Mail, que oferece 2GB de armazenamento e possibilidade de uso atrelado ao Microsoft Outlook, que teve quase 2 milhões de acessos, seguido pelo Globo Mail (732 mil) e Oi Mail (337 mil).