CMYK

Informática
CORREIO BRAZILIENSE • Brasília, terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Editor: Renato Ferraz renatoferraz.df@dabr.com.br e-mail: informatica.df@dabr.com.br Tel: 3214 1184

»

O NOVO BARULHO DO

GOOGLE
Com o lançamento do Buzz, o Google mostra que redes sociais e e-mail podem conviver pacificamente, colocando uma pausa nas especulações sobre o fim dos serviços de correio eletrônico
» ATAIDE DE ALMEIDA JR. meaçado pela popularização das redes sociais, o e-mail parte para uma reaproximação do público ao utilizar uma única palavra de ordem: convergência. É nesse espírito de integrar ao máximo que o Google promete zumbir com a concorrência e dar um gás no Gmail com o anúncio do Google Buzz, uma mistura de e-mail, mensagem instantânea e Twitter. “Esse é o resultado de como a empresa pode ajudar a compartilhar o tempo real”, afirmou Bradley Horowitz, vice-presidente de gerenciamento de produtos do Google, durante o lançamento do serviço. As inovação são baseadas em cinco pontos principais: seguidores automáticos, compartilhamento privado e público, compartilhamento rápido, integração com o Gmail e o chamado “somente as coisas boas”. O fato de não precisar instalar nada e ser seguido automaticamente promete ser uma das ferramentas mais úteis para quem está cansado de ter que adicionar um a um todos os seguidores cada vez que é lançada uma nova rede social. A função faz com que seja adicionado aquele com quem o usuário mais trocou e-mail ou bateu papo pelo Gtalk. Essa função está atrelada a outra, o compartilhamento privado e público. Ao escrever um post ou anexar uma foto ou um vídeo, o Buzz dá a opção de enviar apenas para um certo grupo, como amigos e familiares, ou torna o conteúdo aberto a todos. Caso a segunda opção seja marcada, o post será indexado pelo site de buscas. A velocidade também é uma das promessas do novo serviço. De acordo com Todd Jackson, gerente de produto do Google, além de manter os atalhos do teclado utilizados no Gmail, o Buzz vai tornar o compartilhamento de fotos e vídeos mais rápido, pois estarão integrados aos outros serviços, como os álbuns do Picasa, o Flickr, feeds, links, localização geográfica e até mesmo tweets do Twitter. Os vídeos abrem na mesma janela e no mesmo espaço do post. Já as imagens abrem em tela inteira. “As fotos serão um cidadão de primeira classe no Buzz”, afirmou. No entanto, a integração com o Gmail é o chamariz do novo serviço. Em outras redes sociais, devido ao grande número de seguidores que uma pessoa pode ter, uma pergunta feita a outro usuário poderá não ser vista. Para resolver, o Buzz irá enviar a resposta ou o comentário do post para a caixa de entrada. “Quando você tem poucos amigos é fácil encontrar o que quer, mas quando tem algo como 5 mil é difícil”, afirmou Horowitz. Os e-mails enviados pelo Buzz aparecerão identificados com um balão de fala colorido, a logomarca do serviço. Ainda como parte da integração está a função “somente as coisas boas”. Com ela, o Google promete filtrar o que mais interessa ao usuário e recomendar por meio do Buzz. A ferramenta ainda permite saber o porquê da recomendação do post. A função trouxe à tona o problema dos spams que atingem os usuários das redes sociais.

A

O novo serviço também estará integrado com os smartphones. O Buzz poderá ser acessado a partir da tela inicial do site de buscas. O serviço mostrará a localização geográfica do usuário e indicará, pelo GPS do aparelho, um estabelecimento próximo com as características detalhadas. O vice-presidente de engenharia do Google, Vic Gundotra, anunciou ainda a atualização do Google Mobile Maps. Com ela, o usuário encontrará um estabelecimento próximo, além disso, vários balões de fala estarão espalhados pelo mapa, mostrando aqueles que utilizam o Buzz por perto.

A concorrência
As maiores críticas foram quanto às semelhanças com produtos já existentes. Um deles, o FriendFeed, foi criado por quatro ex-funcionários do Google e possui praticamente a mesma interface e as possibilidades de compartilhamento. “Isso me parece bem familiar”, disse no Buzz Paul Buchheit, um dos fundadores do FriendFeed. No perfil oficial no Twitter, o Yahoo! declarou que já possui um serviço desse tipo, inclusive com o mesmo nome. “Dois anos depois do Yahoo! ter lançado o Buzz, Google segue o exemplo. Confira o original”, dizia a mensagem. A Microsoft também não achou graça. “Pessoas ocupadas não querem mais uma rede social, elas querem a conveniência do conteúdo agregado. Nós fizemos isso. Usuários do Hotmail se beneficiam com acordos da Microsoft com o Flickr, o Facebook, o Twitter e 75 outros parceiros desde 2008”, disse a empresa. Carolina Aranha, gerente-geral da divisão Online da Microsoft Brasil, afirma que o usuário pode realizar as mesmas atividades do Buzz no Windows Live. “A Microsoft cada vez mais vai oferecer essa oportunidade de interação de uma forma mais intuitiva e rápida do ponto de vista do usuário”.

E o Google Wave?
Lançado em maio de 2009, o Google Wave prometia ser o matador dos serviços de e-mails. Assim como o Buzz, fornece interatividade e colaboração em tempo real, além da inserção de fotos e vídeos e uma série de gadgets como mapas, quiz, previsão do tempo e vídeo chat. Apesar de ter causado muito barulho, o projeto não caiu no gosto popular. Ao serem questionados sobre o Wave, os executivos prometeram uma convergência com o novo serviço. “Muitas coisas foram inspiradas no Wave e haverá integração”, afirmou Vic Gundotra, vice-presidente de engenharia do Google. Enquanto ficam só na promessa, o e-mail pode respirar aliviado com a sobrevida que conquistou.

» Leia mais na página 3

CMYK CMYK