R E T R O S P E C T I V A das edições já publicadas.

Tubarão (SC) junho de 2004

14

Tubarão (SC) junho de 2004

03

abitat - o progresso põe em risco os testemunhos da História. Esse foi o assunto de primeiro plano da edição do ECOLÓGICO. O assunto discutia a degradação dos pontos turísticos no Oriente Médio. As causas citadas foram: a mundança climática, causada pela maior fornecedora de energia elétrica do Egito, inaugurada em 1975, onde o lago possui cerca de 500

H

quilômetros quadrados, acarretando a retenção da lama fértil, causando o empobrecimento da agricultura local, influenciando o solo, que pela ausência de inundações, torna-se mais úmido e salino contribuindo com a degradação dos monumentos históricos, pois causaram a mudança do clima que antes era seco; Outro fator que causa a depedração do patrimônio, é também uma grande geradora de recursos, ou seja, o turismo, uma vez que todos os turistas desejam ver o famoso túmulo de Tutancamon, e a abertura completa da entrada de acesso, lasaltera a umidade da tumba causando a sua destruição; E como não poderia deixar de ser, a poluição é mais uma vez a vilã, pois é sabido que ela coloca em suspensão monóxido de carbono, cinzas e outros poluentes provocando então chuvas ácidas que acabam destruindo os monu-

mentos A reportagem encerrava, deixando claro que seria preciso um esforço de emergência e que a colaboração internacional mostrasse seu poder. Os problemas graves dos monumentos do Egito mereciam atenção, já que uma obra de arte perdida é problema de todos nós, seja onde for. Falava também sobre Habitat, em uma entrevista com Claudete Bortoluzzi, bióloga, formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul que trazia algumas informações interessantes que nos ajudavam a entender a relação entre os seres vivos. A bióloga explicava que cada espécie delimita seu território num espaço capaz de garantir abrigo, proteção e ao mesmo tempo, a competição interna pelo alimento. Esclarecia ainda que chama-se habitat o espaço que oferece abrigo e condições de reprodução e nicho as relações entre os indivíduos da mesma, e de outras espécies. Essas

relações podem ser harmônicas ou desarmônicas. Habitat para o homem, por exemplo, é a casa onde se abriga e se protege, tem normas sociais em nível de pequeno grupo, tem sua prole e desenvolve um sistema de proteção e educação afinadas ao grupo familiar. Enquanto o nicho é relacionado com desempenho da profissão no grande grupo. Na sociedade, o indivíduo ajusta-se ou desajusta-se em nível de competição, o que o leva à evolução permanente. Para Claudete, o homem, para melhorar sua existência e obter melhores resultados deveria se voltar para a natureza e olhá-la como um sistema dinâmico e vivo. Foi aberto, naquela edição, o Espaço Terra, um espaço reservado para Vilmar Antunes falar naturalmente, sobre todas as questões voltadas ao nosso planeta. Outros assuntos também foram divulgados como: “A pesquisa chega em sua casa”. Que começou em Caçador, hoje

pertencente ao município de Capivari de Baixo, essa pesquisa científica, era inédita, e a comunidade realizava o trabalho de campo, na coleta de amostras da chuva que caía naquele local. As amostras eram enviadas ao laboratório integrado UFSC/FATMA. Foi um trabalho realizado de forma inédita que contou ainda com a participação da APREBART Associações de Preservação e Recuperação da Bacia do Rio Tubarão. A partir desta ação, foi possível concluir que os componentes que a chuva carregava e banhava a nossa região, comprovavam então a ocorrência de chuva ácida e, principalmente, localizavam quem a havia causado. O documento encerrava afirmando que de posse destes dados, poderia ser elaborado projeto que minimizasse e eliminasse focos causadores da chuva ácida. “Cuidar de Si mesmo e Educação ambiental - começa em casa” foram assuntos que encerraram este boletim.

Luiz Fernando De Carvalho

ECOLÓGICO EDIÇÃO 11

Um Show da natureza para nossos olhos.

A natureza é nossa maior riqueza, preserve-a. PRAIA DO GRAVATÁ - Laguna/SC

Cachoeira em São Joaquim
As

Depoimento de um colaborador da primeira fase do Boletim Ecológico: Jonas Brasil
Jonas Brasil participou da primeira fase do Boletim Ecológico como art/diagramador. Ele afirma que antes era muito trabalhoso montar um informativo, uma vez que os recursos eram limitados, poucas eram as pessoas que possuíam um computador.”Hoje com a tecnologia, tudo se tornou mais fácil”. Brasil se mostrou entusiasmado com a volta do Boletim Ecológico, pois acredita que deveria haver um movimento ecológico mais forte, onde as pessoas pudessem discutir e pôr em prática ações relevantes à preservação do meio ambiente. Ele também acredita que é por falta de conhecimento, que muitas pessoas acabam cometendo danos ao meio ambiente, e que o Boletim Ecológico pode contribuir positivamente, com discussões de preservação, levando ao maior número de pessoas assuntos ligados ao meio ambiente.

ECOLÓGICO EDIÇÃO 12
Além de abordar e discutir os temas àcima, a Strallo's Publicidade Ltda., continuava recebendo várias correspondências de pessoas e entidades preocupadas com o meio ambiente. Entre elas estava Marco Antônio, de Mogi Guaçu, São Paulo que pedia para que o Boletim Ecológico fosse enviado para sua residência. Recebemos outras correspondências entre elas, a da Secretaria de Estado da Educação e Escola Básica Governador Aderbal Ramos da Silva, onde o documento informava que os alunos do mencionado estabelecimento de ensino haviam iniciado no dia 12 de junho de 1990 as atividades do CEDET - Clube Estudantil de Defesa Ecológica de Tubarão. Que tinha como objetivo desenvolver o Programa de Educação Ambiental nas Escolas com atividades de conscientização e pela conquista por um melhor lugar para viver, e viver com saúde. Uma matéria escrita por Jacira M. Melo, com fotografia de Luiz Medeiros Jr., vinha com a afirmação que as águas na Bacia do Rio Tubarão, encontravam -se afetadas pela deterioração de sua qualidade, pelo histórico de perturbações desastrosas, tais como a enchente de 1974, e pela ausência de condições institucionais e técnico-científicas que asseguram o uso racional e múltiplo desse importante recurso natural.Neste sentido, segundo a autora, cabia a implementação de um dispositivo de planejamento, controle e licenciamento, eficaz, que regulasse a sua utilização em benefício do bem comum, que restabelecesse as condições de pureza, essenciais à proteção da saúde humana, da flora e da fauna, e que permitissem a manutenção de um processo equilibrado de desenvolvimento. A reportagem feita em meados de 1990 destacava ainda: "Tendo em vista a atual classificação, em termos constitucionais das águas superficiais e subterrâneas da bacia do Rio Tubarão, como bens do Estado de Santa Catarina, a Unisul se prontificava a elaborar uma proposta de organização e operacionalização desse sistema para o Governo Estadual, com o objetivo de analisar, compatibilizar e atualizar os dados disponíveis; elaborando um diagnóstico da situação presente e das perspectivas de médio prazo. Propor um sistema de gerenciamento de recursos hídricos para a bacia, compreendendo os mecanismos institucionais tais como o Comitê da Bacia Hidrográfica, uma rede de monitoramento hidrometeorológico e de qualidade ambiental, bem como a utilização de modelos matemáticos adaptados ao caso particular da bacia". A iniciativa também se propunha, entre outras ações, realizar o levantamento das observações efetuadas sobre a qualidade das águas: origem e caracterização de poluentes; levantamento das séries históricas de dados hidrometeorológicos referentes às estações situadas na bacia e áreas contíguas. E também uma proposta de instalação de uma rede de monitoramento ambiental hídrico e atmosférico, dando-se atenção especial às águas. Um exemplo a ser seguido: Walter Schmitz, então supervisor do departamento de Recursos Humanos da CEDISA - Indústria de telhas esmaltadas, adquirida na época pela Brasilit, quando entrevistado pelo ECOLÓGICO, relatou a preocupação da empresa com a área social e a qualidade de vida de seus funcionários.

V

ale a pena viver!

Empresa ecologicamente responsável
Em 2002 a AFUBRA (Associação dos Fumicultores do Brasil) em parceria com 60 municípios e 174 escolas dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina (16 EscolasPólo) e Paraná, criou o Programa de Ação Socio-ambiental que tem por objetivo desenvolver ações conjuntas e

...”Fumaça dos automóveis, um dos problemas urbanos”; “A situação do Meio Ambiente”; “Um exemplo a ser seguido” e “Unisul encaminha estudo das águas”. Foram os temas do ECOLÓGICO de número 12.

contínuas com escolas e comunidades na identificação de problemas ambientais e na busca de soluções para esses problemas. Esse Programa de Ação Sócio-ambiental é desenvolvido através de cartilhas, fitas, cd’s, informativos e palestras, que trazem informações pertinentes `a questões de preservação ambiental, e são distribuídos nas EscolasPõlo que participam do Programa. Em Santa Catarina o programa atende `as Micro Regiões de Tubarão, Braço do Norte, Orleans, Armazém e Urussanga. Além da consciência ambiental, desenvolvimento sustentável e diagnóstico ambiental, a AFUBRA junto com seus parceiros e a Universidade Federal de Santa Maria UFSM/RS, desenvolve um programa inédito no Brasil que é o “Bolsa de Sementes”: Nesse programa as escolas coletam sementes de árvores nativas em extinção e as encaminham para a UFSM/RS, que as beneficia e as armazena em câmara fria para que possam ser doadas para as escolas que participam do projeto e também para entidades interessadas em produzir mudas de árvores nativas, buscando a recuperação florestal de áreas degradadas. Entre as atividades desenvolvidas pelo projeto, também está a coleta seletiva de lixo que é uma das alternativas para diminuir o acúmulo de lixo nos depósitos, diminuindo a proliferação de roedores e doenças causadas pelo acúmulo de lixo. Esta é uma iniciativa que tem um valor inestimável para a natureza e conseqüentemente para nós, pois através da conscientização haverá a conservação dos recursos naturais

Boletim ECOLÓGICO é uma publicação da Comissão Pró-Fundação Sabor Natureza da Strallo’s Com. Rep. Ltda. CNPJ 95.823.191/0001-06 Rua Rui Barbosa, 275 - Centro - Tubarão - SC - Brasil Fones: (48) 626-6648 - Fone/Fax: 632-3254 E-mail: ecologico@strallos.com.br Site: www.strallos.com.br/boletim Editor Chefe: Luiz Fernando De Carvalho Diagramação e Artes: Dilton dos Santos Fotografias: Luiz Fernando De Carvalho

hoe cac las be
d iras

e nossa região estarão em evid

ência em

nos sas p á gi nas .

Expediente:
Redação: Vilson Silva Reportagens: Veridiana Kfouri de Souza Revisão: Gerda Petry Jornalista Responsável: Iberê Aguiar Jaques - CRJ 513 DRT/SC Colaboradores: Marta Fogaça / Maria Clenir L. Kniest Fenanda De Carvalho Bratti Comercialização: Denise de Carvalho / Helena B. Bojikian Impressão: Comercial Gráfico Diário Catarinense Tiragem: 15.000 exemplares Edição Nº 15 - Junho/2004