Tubarão (SC) junho de 2004

06

R E T R O S P E C T I V A das edições já publicadas.

Tubarão (SC) junho de 2004

11

Luiz Fernando De Carvalho

A semana do meio ambiente no Brasil
Veridiana Kfouri de Souza

ECOLÓGICO EDIÇÃO 03
Carvalho, que será transcrito a seguir: "Porque não aprender com a natureza? A resposta está na terra, no ar, na água. É certo que já imitamos a mãe natureza muitas vezes, há muito tempo e algumas vezes com sucesso. Então, porque não viver conforme a natureza? A resposta está na vida natural de onde podemos aproveitar tudo desde nossa alimentação, até as plantas medicinais que curam todas doenças, crescendo em qualquer cantinho da terra. A natureza se governa, se dirige e a sua organização é perfeita, equilibrada e tudo nela é aproveitável. O Sol, nossa maior fonte de energia, que não se esgota jamais, muito pelo contrário, se recicla constantemente. Há uma coisa que ocorre quando, homem e natureza se relacionam. O homem age e a natureza reage. Esta reação tanto pode ser benéfica, quanto catastrófica, tudo depende exclusivamente do homem. A natureza retribui de maneira mais perfeita e harmoniosa, principalmente quando lhe dedicamos respeito e amor. Amor à natureza, será que cultivamos este sentimento? A humanidade tem a natureza como grande modelo. Para viver naturalmente devemos mudar nossos hábitos, atitudes e, principalmente pensamentos aprofundando nosso conhecimento na obra biológica da natureza. Para tanto temos que evoluir, despoluir antes nossas mentes, assim será o início de uma nova geração, tecnicamente natural". Trazia ainda nesta edição uma entrevista com o professor Ismael Bortoluzzi com o título “As questões ecológicas de Tubarao”; (esta entrevista você encontra na integra no site:
www.strallos.com.br/boletim

ECOLÓGICO EDIÇÃO 05
realizou mais uma etapa do projeto em defesa do Rio Tubarão. A iniciativa da Strallo's Publicidade teve também o apoio da Casa das Tintas. Aquela edição afirmava ainda que o Rio Tubarão ainda iria ganhar muitos espaços em muros, paredes, out-door etc. “Mas o espaço mais importante é o seu coração. “ABRA SEU CORAÇÃO AO RIO TUBARÃO” e descubra uma maneira de demonstrar seu amor. Não permita que joguem lixo, cuide das árvores e mudas. Projeto Sabor Natureza, é junto que se vence”. Para recordar algumas atuações em defesa da natureza, durante a Semana do Meio Ambiente de 1988 foi realizada entre outras atividades o “VOTE NA ÁRVORE”. Que em apenas dois dias foram registrados 3.252 votos. Foram registrados diversos tipos de manifestações, mas a principal foi a busca de uma vida melhor com mais espaço para o verde e cuidado com as praças. “O VOTE NA ÁRVORE” demonstrou o aumento na consciêntização ecológica daquelas pessoas que participaram do evento. A Comissão PróAssociação Ambiental, com apoio da D’Paschoal, RFFSA e Sabor Natureza, foram os realizadores do evento. O resultado da eleição mostrou a preferência pelas seguintes árvores: 1º Lugar: Figueira da Praça 7, próxima do Banco Itaú, com 572 votos: 2º Lugar: Figueira da Praça 7 (hoje Praça Walter Zumblick)), proximidades da pista de skate, registrou 448 votos; 3º Lugar: Ipê Amarelo, na Escola Básica Mauá, bairro Oficinas, com 149 votos.

A natureza é nossa maior riqueza, preserve-a. TUBARÃO/SC

A CURA
duzir todo o resto, não tem a consciência de que, sem esses fatores essenciais, ele não pode criar, muito menos sobreviver! A inteligência tão estimFernanda de Carvalho Bratti

marcada por manifestações em todo o território brasileiro. A questão da preservação do meio ambiente, está em crescente evolução, sendo capaz de modificar hábitos tão arraigados nas pessoas. Hoje, por exemplo, podemos ver empresas, tanto nacionais, como internacionais, buscando soluções para que seus produtos passem a agredir em menores proporções o meio ambiente, pois a cada dia que passa, aumenta o número de consumidores conscientes, que buscam produtos “ ecologicamente corretos”, pois há a certeza de que o ecossistema precisa ser preservado para que possamos continuar vivendo. Mas, parece que tal preocupação, não atinge as nossas autoridades políticas.

A

Semana

do

programa nuclear brasileiro, ora, sabe-se que a emissão dos poluentes de Usinas

vítimas da indústria do carvão no sul do Estado de Santa Catarina, cerca de 20 ambientalistas caminharam do t e r c e i r a edição do B o l e t i m Ecológico estava repleta de matérias interessantes, e denúnciava que, mesmo sofrendo alguns percalços como, boicotes e passividade de algumas autoridades, afirmava que estava decidido a agir por conta própria em defesa do Rio Tubarão, uma vez que estava realmente preocupado com a questão ambiental. Esta edição trouxe um artigo intitulado: “Toda forma de natureza” escrito por Gerda de

Meio Ambiente, este ano foi

Termelétricas, como é o caso da usina Jorge Lacerda, compromete seriamente os recursos hídricos, a Mata Atlântica, o solo e o ar da região sul de Santa Catarina. De acordo com Tadeu Santos (coordenador da Ong Sócios da Natureza de Araranguá), as usinas em funcionamento ainda não estão regularizadas, então porque insistir em algo que traz danos enormes à natureza?. Este ano, as manifestações não giraram só nesta questão das usinas termelétricas e nuncleares. Em Brasília, a Universidade da Paz (Unipaz) e a Secretaria Nacional do Meio Ambiente do Partido dos

Mercado Público até a sede da Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma), pelo controle de poluição das usinas Jorge Lacerda 1 e 2 (Capivari de Baixo, SC), e pelo licenciamento ambiental da planejada usina Usitesc (Treviso-SC), as manifestações não pararam por aí, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais Gerais também realizaram seus

A

ulada para curar doenças, criar maquinários fantásticos, não vale mais que uma consciência, digamos, infantil da preservação do meio ambiente. De que vale tantos estudos, tantos doutores, gênios que dizem-se capazes de criar um ser humano, se não existir ambientes para que eles cresçam, de que adianta tanta inteligência se não buscam a preservação do meio ambiente que é a vacina e a cura para a palidez da terra, para a sede do verde e a falta do ar puro. Quanto vale uma vida cinza, colorida artificialmente? Quanto vale nosso planeta? Vale a pena refletir sobre o futuro! Precisamos encontrar essa cura no nosso interior, e a cada dia lutar para que sejamos porta-vozes dessa nova consciência ambientalista, para nos tornarmos doutores, quem sabe gênios ao fazermos parte da salvação da humanidade. O lugar onde nós e nossos descendentes viveremos está dependendo somente de nós mesmos. do Vamos ajudar uns aos outros!

natureza na vida cotidiana: seja subliminar, nos produtos recicláveis, seja na decoração, nas tendências, nas campanhas, na moda e até nas artes. Cada vez mais o homem IMITA e DESTRÓI a natureza. Cada vez mais a natureza artificial alegra nossos olhos e a natureza primitiva os entristece. Entristece por estar desaparecendo do nosso planeta o verde da nossa bandeira. A dádiva que Deus preparou para o homem perdeu o valor para a humanidade. O chão Terra perdeu sua cor para o cinza do concreto. A água doce já tem prazo para se findar e o verde está sendo dizimado, mas não por um vírus, uma doença, e sim pelo próprio homem, que com tanta inteligência para recriar, não é capaz de criar sequer uma só árvore sem semente, sem um punhado de terra fértil, ou criar a água que alimenta a vida. Porém, apesar homem possuir uma inteligência absurda, capaz de repro-

C

ada vez mais da

vemos a presença

protestos em busca de um país, e consequentemente um

mundo melhor. Será que em Tubarão, a situação do meio ambiente está às mil maravilhas? Será que os problemas daquí serão solucionados com a simples distribuição de mudas de árvores? Pois na comemoração do dia nacional do meio ambiente, aqui, em Tubarão, não vimos sequer uma manifestação de protesto, não se lembraram nem da situação caótica do nosso Rio Tubarão. Vamos exercer com responsabilidade nosso papel social, mudando para melhor, nossas próprias atitudes, pois só assim poderemos exigir que o mundo mude.

ECOLÓGICO EDIÇÃO 04
A Última Floresta"; "Seminário do Carvão Catarinense" e "Convênio Sudesul/Município de Tubarão". Nesta edição foi lançada a “Sala de Leituras e Dados Ecológicos” que era um local destinado `a discussão e pesquisa de assuntos relacionados ao meio ambiente. Hoje esse banco de dados foi substituído pelo “Fórum de discussões” encontrado no site :

Trabalhadores,

promoveram

um ato público em defesa da criação de novas áreas de proteção ambiental e o Partido Verde promoveu a distribuição de sementes do cerrado. Em Florianópolis (SC), o

Embora muito se tenha falado sobre o enorme potencial

brasileiro na produção de energia “limpa” ( eólica, solar, biomassa, entre outras), o nosso presidente Luís Inácio Lula da Silva, anunciou, um acordo para a construção de uma usina a carvão mineral em Cachoeira do Sul (RS) e aventou com a possibilidade da retomada do

Greenpeace e diversas ongs e movimentos promoveram manifestação de rua para chamar a atenção para os problemas que a instalação de novas termelétricas a carvão pode trazer ao meio ambiente e à saúde das pessoas, representando as

ireito à vida e liberdade, este era o tema principal da quarta edição do Boletim Ecológico. Outros temas também obtiveram destaques entre eles estavam:

D

www.strallos.com.br/boletim onde voce poderá consultar de forma rápida e fácil temas de relevância no quesito meio ambiente. Ainda naquele ECOLÓGICO, foram destacados slogans como: ”Meu Coração Bate Forte Pelo Rio Tubarão” e “Ajude a Preservar o Rio Tubarão. Ele é importante para nossa vida”.

quinta edição do ECOLÓGICO, anunciava 1989 como o “Ano Verde”, onde já no editorial, Fernando De Carvalho destacava o "Verde de esperança no sorriso das crianças. 89 chega e traz consigo a mais importante renovação à consciência ecológica”. O novo ano prometia ser decisivo na conquista de uma qualidade de vida melhor para a nossa região, através da renovação política da administração municipal, a esperança e expectativa de participação das pessoas . A certeza destas conquistas foi noticiada em jornais, nas TVs e revistas. A preservação deixava de ser a luta de poucos em busca da vida, mas uma luta de toda uma nação, que assistiu emocionada a tanta destruição. Estava na hora da virada, de um basta aos desmatamentos e queimadas, de águas contaminadas. Com suas margens limpas e floridas, Tubarão ganharia mais vida, voltando a ser conhecida como a estrela do Cruzeiro do Sul. Nossa edição nº 5 foi dedicada às crianças que tinham a poluição como lembrança de um tempo que passou. Muros ganhavam mensagens e em função da colaboração da família Miranda que cedeu seu muro ao Projeto Sabor Natureza, nossa equipe

A

BOLETIM