You are on page 1of 5

DORATIOTO, FRANCISCO.

Maldita Guerra
Fichamento: Cap. I “Tempestade no Prata”

TESE: “A Guerra do Paraguai foi resultado do processo de construção os
Estados nacionais no Rio da Prata e, ao mesmo tempo, marco nas suas
consolidações”
“A guerra do Paraguai foi fruto das contradições platinas, tendo como razão
última a consolidação dos Estados nacionais na região. Contudo, isso não
significa que o conflito fosse a única saída para o difícil quadro regional. A
guerra era umas opções possíveis” P.93
Dinâmica de interesses:

Solano López: guerra era oportunidade de colocar seu país como potêncial
regional e ter acesso ao mar pelo porto de Montevidéu, devido à aliança com os
blancos uruguaios e os federalistas argentinos
Bartolomeu Mitre: forma de consolidar o Estado centralizado argentino,
eliminando os apoios externos aos federalistas, proporcionado pelos blancos e por
López
Blancos: apoio militar paraguaio contra argentinos e brasileiros impediria que os
vizinhos continuassem a intervir no Uruguai
Império: guerra contra o Paraguai não era esperada nem desejada. Pensou-se a
vitória brasileira seria rápidae colocaria fim ao litígio fronteiriço e às ameças à livre
navegação. Deporia Solano López

Autonomia paraguaia 1811-62
Paraguai de Francia e Carlos López: ISOLAMENTO
1811. Elite paraguaias, reivindicando autonomia, derrota tropas portenha
1811-40. País foi governado pelo ditador perpétuo José Gaspar Rodriguez de
Francia, que implementa projeto isolacionista, com diminuto comércio com
o exterior (monopólio comercial de mate, madeira e tabaco), exploração da
terra pelo Estado e expulsão da Igreja e
1829. Expulssão do cônsul brasileiro no Paraguai (Brasil queria demarcar terras
pelo uti possidetis, enquanto Paraguai baseava-se no Tratado de Santo ildelfonso de 1777)

1842. Proclamação oficial da independência paraguaia (Brasil é o 1º a
reconhecer, em 1844; Rosas se recusava a aceitar independência)
1844. Carlos López “eleito” presidente da República pelo Congresso
Aproximação do Império com o Paraguai buscava isolar Rosas, que era visto
pelo Brasil como uma ameaça às independências de Uruguai e Paraguai
“A existência desses dois Estados era a garantia de que os rios platinos não
seriam nacionalizados pela Argentina, o que seria uma ameaça à livre
navegação” p.28
1952. Apoiando os liberais, Brasil aliou-se aos colarados do Ururguai e a ao
governador de Entre Ríos Urquiza para derrotar ROSAS.

Era da Inglaterra que o país importava produtos. em caso de guerra contra o Paraguai Fev. convocando cidadãos para o serviço militar e chefes de todos os pontos do país. Francisco Solano López vai à Europa comprar armamentos (tecnologia inglesa) e estabelecer contatos comerciais. PARAGUAI: convênio de livre navegação e definição de fronteiras no Chaco. Aproximação com Uruguai pela saída ao Atlântico . Família López tornou-se a mais rica do país. o Paraguai implementa estratégia de “crescimento para fora”. Derrota das tropas federalistas de Urquiza (aliado do Paraguai) para Bartolomeu Mirtre. Batalha de Pavón. assume a Presidência. Território litigioso produz erva-mate e há disputa de mercados de consumo do produto na região. ministro da Guerra. Filho de Carlos. Paraguai inicia mobilização militar. MILITARIZAÇÃO: Garantido o acesso ao mar. Em 1957. Importou mais de 200 técnicos europeus. em outubro Solano busca aumentar a presença paraguaia no Prata. Brasil reivindicava rio Apa como marco fronteiriço. Também é equivocado pensar o Paraguai como igualitário e avançado na educação. 1857. Período de “PAZ ARMADA” ***Doriatoto: é fantasiosa e imagem de que o Paraguai industrializou-se a partir de dentro. Disputa territorial entre Brasil.1958. → López cria obstáculos à navegação do rio Paraguai para navios brasileiros. Rio de Janeiro envia Paranhos à região Dez. Década de 1850. baseada nas exportações e na modernização militar 1854. No entanto. armamentos e mão de obra. a ponto de tornar-se uma ameaça aos interesses ingleses. Os López estavam convencidos de que a Argentina atentaria contra sua independência e que o Império também entraria em conflito devido às questões fluviais. PARANÁ (Confederação): acordo de livre navegação dos rios e protocolo de aliança com Urquiza – governador de Entre Ríos. Tensão regional 1862-64 1862. 1861.Década de 1850. líderes paraguaios temiam que Brasil utilizasse a livre navegação para armar o Mato Grosso. que queria o uti possidetis. Francisco Solano López. e Paraguai. PARAGUAI: Solano López ascende ao poder após a morte de seu pai. que baseava seu pleito no Tratado de Santo Ildefonso de 1777. de Buenos Aires (auxiliado pelo Colorado Venâncio Flores) 1862.

mas Aguirre recua e acaba nomeando ministros blancos ainda mais radicais. aumentando a tensão. 1864: Missão Saraiva: Conselheiro José Antônio Saraiva é enviado ao Uruguai com instruções de exigir respeito aos direitos dos brasileiros residentes no país. mas desconfiam de Aguirre após as promessas descumpridas. ARGENTINA: Reunificação nacional sob liderança de Buenos Aires (Mitre ). Rufino de Elizalde. BRASIL: Partido Liberal no poder. Paraguai e Argentina rompem relações no início de 1964 Guerra civil uruguaia impede eleição. a solução estaria na flexibilização do poder blanco aos colorados. em navio inglês. para selar a paz com o Uruguai. e Argentina Argentina e Brasil 1963. punição de funcionários uruguaios por abuso e indenizações pelo prejuízos dos proprietários brasileiros.A. abril. negando participação e intenção de anexar o Uruguai Argentina indica Pedro II como árbitro da questão. Brasil envia esquadra sob o comando do vice-almirante Tamandaré Também Mitre enviou seu chanceler. instituiu impostos de exportação aos estancieiros gaúchos 1862. em detrimento de López. que têm respeito a Flores.1862. procura enfraquecer hegemonia brasileira no Uruguai Fechou a navegação de rios. Presidente do Senado Aguirre assume o Executivo em 1964 BRASIL: tensão Rompimento de relações com a inglaterra em 1963 (bloqueio da Guanabara) Perseguição a súditos do Império no Uruguai e prejuízo dos pecuaristas na fronteira Império tenta criar boas condições políticas com a Argentina para eventual intervenção no Uruguai Em busca de PACIFICAÇÃO URUGUAIA Abril. Ao mesmo tempo. 1º gabinete liberal desde 1948 Disputas internas deram sequência a 6 gabinetes liberais (ligas progressistas) URUGUAI: Berro. . Cria-se clima de confiança entre Brasil e Argentina. Para Brasil e Argentina. no poder desde 1861. Negocia-se acordo de paz. Estabelece-se um armistício para a Guerra Civil. Fim da moratória para definir limites entre PARAGUAI e Brasil. Edwar Thornton. Representantes do governo Aguirre vão ao acampamento de Flores. aumentando seu poder de barganha na região! Paraguai envia nota de preocupação à Argentina sobre apoio à invasão de Flores Argentina explica-se ao Brasil. Venâncio Flores invade o Uruguai com tropas recrutadas em Buenos Aires Berro acelera aproximação com Paraguai (perigo enfrentado pelos países menores) Uruguai tenta aliança com Paraguai para estabelecer NOVO EQUILÍBRIO DE PODER REGIONAL Paraguai deixa possibilidade aberta. Federalistas da oposição articulam-se com blancos do Uruguai (Bernardo Berro) Entreríos e Corrientes utilizavam porto de Montevidéu como alternativa a Buenos Aires 1862. Esse foi acompanhado do representante britânico em B.

do diplomata Calógeras Fevereiro: Tamandaré bloqueia Montevidéu e seu porto Obs: Para Doratioto. pois temia reação interna. estabelecendo cooperação entre as forças de ambos. Mitre recusa aliança (apesar da simpatia pelo Império). melindrada com a Questão Christie PARAGUAI REAGE Outubro. que levava à bordo o novo presidente do Mato Grosso pois “Brasil havia declarado guerra ao Paraguai’ ao invadir Uruguai. Relatórios dos diplomatas brasileiros em Assunção minimizavam a capacidade militar e a agressividade do Paraguai.Agosto. Gal. No entanto. 1864: representante uruguaio solicita apoio militar de Solano López. Confirmado que a embarcação não transportava armas. Mena Barreto invade território uruguaio e toma as vila de Melo e de Salto. Esta era a província mais isolada do Brasil e tornou-se alvo fácil para a invasão paraguaia Protocolo de Paz de Villa Unión: fev. e reconhecessem Flores como parte beligerante. 1864: Brasil apresenta ao Uruguai um ultimato! Montevidéu rompe relações com o Império Protesto paraguaio: Assunção ameaça retaliar qualquer ocupação do Império em território uruguaio (ameaça paraguaia não era sequer levada a sério nem pelo Brasil nem pela Argentina. Outubro: Tamandaré assina acordo de Santa Lúcia com Venâncio Flores. 1965: Venâncio Flores assume presidência do Uruguai  Flores promete ateder a todas as exigências do ultimatum brasileiro . Brasil apenas consegue revidar seis meses depois. Dezembro: tropas do RS comandadas pelo Gal Osório cercam Paissandu e seguem para Montevidéu Críticas à invasão: Marques de Caxias. Paraguai rompe relações com o Brasil Mas não envia tropas em dezembro ao RS conforme esperava Aguirre Marinha brasileira bloqueia o Prata para navios destinados a Assunção BRASIL APROXIMA-SE DA ARGENTINA Político José Maria da Silva Paranhos é enviado a Buenos Aires. Solano López interpretou a invasão ao Uruguai como prenúncio de ataque ao Paraguai. setembro de 1965: Paraguai invade território brasileiro e argentino Surpreendido com o ataque de López no Mato Grosso. 1864: Império dá ordens para tropas brasileiras ocuparem vila de Salto e Paissandu. Solano López verdadeiramente preparava-se para a GUERRA e esperava apenas a invasão brasileira) BRASIL INVADE URUGUAI Setembro. esta foi levada a Buenos Aires. que afirma que a notícia da invasão carecia de caráter oficial Novembro: Paraguai apreende navio brasileiro Marquês de Olinda. Dezembro de 1864. a campanha no uruguai tb foi uma maneira de o Partido Liberal forrtalecer-se perante a opinião pública. mantendo-se neutro. do senador Paranhos.

. não corresponde à realidade que o exército paraguaio era bem treinado e armado.  Sob as três décadas de ditadura de Alfredo Stroessner (1954-89). que prejudicaria seus interesses comerciais na região.   Suprime a legação uruguaia em Assunção e colocou-se ao lado do Brasil contra López Paranhos é demitido ao voltar do Uruguai pois não conseguira que o acordo reparasse a “honra brasileira” devido aos atos hostis contra a bandeira brasileira (arrastada pelo chão) → demissão elima saída diplomática para tensão Cresce sentimento bélico na opinião pública brasileira Para Doratioto.a como o confronto entre as estratégias de crescimento paraguaia. Solano López: de tirano a herói antiimperialista No imediato pós-guerra. que havia tomado o poder paraguaio por golpe. o coronel Rafael Franco. López era visto com um ditador imprudente que lançou o país em uma guerra contra vizinhos mais poderosos (historiografia da região. editou decreto que tornava López “herói nacional”. o lopizmo tornou-se onipresente No Brasil. inimigos do regime monárquico. não interessava a guerra. inclusive paraguaia) Final do século XIX. no entanto. vítima de agressão da Tríplice Aliança. o revisionismo sobre a guerra tratou. e de Argentina e Brasil. sem dependência de centros capitalistas. Aos ingleses. revisionismo histórico lopizta (de Juan Emiliano O´Leary – El Reivindicador) transforma imagem de ditador na figura de um herói da Pátria. os positivistas. dependente de recursos estrangeiros e que teriam sido manipulados pela Grã-Bretanha .  Em 1936. Carência não impediu que forças paraguais lutassem bravamento durante os cinco anos de conflito. foram os maiores críticos da Guerra do Paraguai Nas décadas de 1960-70 (contexto anti-liberal das ditaduras militares latinas).