You are on page 1of 9

CONGRESSO SOBRE DOUTRINAS

BATISTAS
30/08/2012Doutrinas Distintivas, Sã Doutrinabatistas clássicos, Pastor Wagner Antonio
de AraújoPr. Wagner Antonio de Araújo

Igreja Batista Sinai - Freguesia do Ó – São Paulo – SP
Pr. Aparecido Donizete Fernandes - Pastor titular da igreja
Palestrante convidado: Wagner Antonio de Araújo
Pastor da Igreja Batista Boas Novas de Osasco, SP
OPBB 1036, OPBB-SSP 1402.
Palestra proferida em 2009.
Reflexões sobre a História, os Princípios e as Doutrinas Batistas
Reflexões sobre as Novidades Invasoras
Diz o Presidente da CBESP, Pr. Eli Fernandes de Oliveira:
“Começamos por dizer que, neste ano de 2009, os batistas estão completando 400 anos. A Aliança Batista Mundial,
organização que congrega batistas de todos os segmentos, está promovendo uma grande celebração por ocasião da
reunião do seu Conselho Geral, de 27 de julho a 1 de agosto de 2009, em Ede, a 50 Km de Amsterdam, Holanda.
A história dos Batistas começou em 1608, quando John Smyth e Thomas Helwys, junto com outros irmãos da
congregação puritana de Lincolnshire, Inglaterra, migraram (na verdade fugiram) para Amsterdam, porque naquela
época não havia liberdade religiosa na Inglaterra, ao contrário da Holanda. Já em Amsterdam, em 1609, o Pr. John
Smith se autobatizou (imersão) e em seguida batizou todo aquele grupo, em virtude da compreensão do ensino
bíblico de que jamais poderia ser válida qualquer forma de batismo anterior à experiencia de conversão. Surgem
assim, segundo os historiadores, os batistas, os primeiros com esse nome, há 400 anos.” (Boletim comemorativo da
Igreja Batista da Liberdade, 2009)
Dados históricos da Wikipédia
“A igreja batista é uma denominação cristã caracterizada pela rejeição ao batismo infantil, optando em seu lugar
pelo batismo de fé, geralmente através da imersão. O nome é derivado de uma comissão para que os seguidores
de Jesus Cristo fossem batizados, os batistas interpretam o batismo – imergir em água – como uma exposição pública
de sua fé. Enquanto o termo “batista” tem suas origens com os anabatistas, e às vezes foi visto como pejorativo, a
denominação historicamente é ligada aos dissidentes ingleses, ou movimentos de anticonformismo do século XVI. O
movimento batista surgiu na Inglaterra, num tempo de reforma religiosa intensa.
Os batistas tipicamente são considerados protestantes. Alguns batistas rejeitam essa associação.
A maior associação batista é a Convenção Batista do Sul dos Estados Unidos, mas, há muitas outras associações de
batistas no mundo. No Brasil, as maiores são a Convenção Batista Brasileira e a Convenção Batista Nacional.
As Igrejas Batistas formam uma família denominacional protestante de origem inglesa. Estão presentes em quase
todos os países do globo. No ano de 2007 existiam 37 milhões de membros e 170 mil igrejas espalhados pelo mundo,
sendo que 21 milhões apenas nos Estados Unidos e Canadá, e cerca de 2 milhões no Brasil.”
Origem
A história academicamente aceita sobre a origem das Igrejas Batistas é a sua incepção como um grupo de dissidentes
ingleses no século XVII. A primeira igreja batista nasceu quando um grupo de refugiados ingleses que foram para
a Holanda em busca da liberdade religiosa em 1608, liderados por John Smyth, um clérigo e Thomas Helwys,
um advogado, organizaram em Amsterdã, em 1609 uma igreja de doutrinas batistas. John Smyth discordava da
política e de alguns pontos da doutrina da Igreja Anglicana da qual ele era pastor após uma aproximação com
os menonitas e, examinando a Bíblia, creu na necessidade de batizar-se com consciência e em seguida batizou os
demais fundadores da igreja, constituindo-se assim a primeira igreja batista organizada. Até então, o batismo não era

Logo em 1881 chegam. Entre os emigrados muitos eram evangélicos e entre esses. onde atualmente se localiza a cidade de Americana. sua terra natal. nos arredores de Londres. bogomilos. Existem ainda outras teorias sobre a origem dos batistas. albigenses e cátaros. Ambas são rejeitadas pelos historiadores batistas Henry C. a igreja organizada na Holanda desfez-se e parte dos seus membros uniram-se aos menonitas. cuja família havia sido ganha para Jesus. novacianos. dos Estados Unidos. por ação de Thomas Jefferson Bowne. Os Batistas de então. fez com que muitos emigrassem. o envio de missionários ao Brasil. só os batistas particulares por volta de 1642 adotaram oficialmente essa prática tornando-se comum depois a todos os batistas. Nos Estados Unidos. em 1867. Também. a Confissão de Londres de 1644. então nos Estados Unidos. para adquirirem terras e fixarem residências. A teoria anabatista é aquela que afirma que os batistas descendem dos anabatistas. onde em 1882. no Cemitério do Campo em Santa Bárbara d’Oeste. por providência divina. grupos de americanos que somaram mais de 50. também foi a primeira a defender o imersionismo no batismo. e John Clark que organizou a Igreja Batista de Newport. igrejas como a dos valdenses (que desde a Reforma é uma denominação Calvinista) ou dos paulicianos. em 1879. vindo a falecer aos 46 anos . Torbet. O Pastor Antonio Teixeira de Albuquerque. sendo a maior igreja evangélica dos Estados Unidos. Em razão do trabalho de evangelização intenso que já realizavam entre os nativos. que pregaram sua mensagem no período da Reforma Protestante. se unem para solicitar a Junta de Richmond. aceita o Batismo. organizaram a Primeira Igreja Batista em Salvador. outro grupo de emigrados americanos fazem surgir a segunda Igreja Batista em solo brasileiro em Santa Bárbara d’Oeste. Congregacionais e. ganhava para Jesus um Sacerdote Romano. São elas a teoria de Sucessão Apostólica. conta com quase 15 milhões de membros. que organizou a Primeira Igreja Batista de Providence em 1639. A primeira confissão dos particulares. vale lembrar que a cidade de Salvador também possuia uma comunidade de imigrantes americanos que fugiram da Guerra de Secessão. valdenses e anabatistas. os Batistas emigrados dos Estados Unidos organizam a Primeira Igreja Batista do Brasil em Santa Bárbara d’Oeste. um dos emigrados. atuando na formação de forte agricultura. casado. percebem a abertura dos brasileiros para receberem o evangelho.000 pessoas desembarcam nos portos brasileiros. Já em 1870 os evangélicos fizeram publicar um “Manifesto para Evangelização do Brasil. Metodistas. os os cidadãos dos Estados Unidos começam a buscar outras terras onde pudessem tentar a vida. na colônia que ele fundou com o nome de Rhode Island. Os batistas landmarkistas utilizam este ponto de vista para se auto-proclamar única igreja verdadeira. no Bairro da Estação. Pastor Smith. alguns desses grupos que sobrevivem até o presente. publicado na imprensa contou com assinaturas de Presbiterianos. Em um ano aquela igreja já contava 70 membros. Em terras americanas os batistas cresceram principalmente no sul. Enquanto isto. A teoria de sucessão apostólica postula que os batistas atuais descendem de João Batista e que a igreja continuou através de uma sucessão de igrejas (ou grupos) que batizavam apenas adultos. Thomas Helwys organizou a Igreja Batista em Spitalfields. onde organiza a Primeira Igreja Batista e onde ganhara seus pais para Jesus. por um Batista.” Tal manifesto. Zacarias Taylor e Katarin Taylor. Em 1871. diante da perseguição romana. paulícianos. Teixeira de Albuquerque tentou refugiar-se em Maceió. rumou para Maceió. O Brasil é um dos países escolhidos. é ordenado como Pastor Batista e ajuda a comandar a evangelização que se iniciava entre brasileiros. tendo Antonio Teixeira de Albuquerque como professor. Vedder e Robert G. mas que são rejeitadas pela historiografia oficial. Após a conversão. não se identificam com os batistas. onde hoje sua principal denominação. muitos eram Batistas. que escreveu sua obraprima O Peregrino enquanto estava preso.por imersão. donatistas. Anos mais tarde. Na foto a Capela do Campo. e. a primeira igreja batista nasceu através de Roger Williams. A perseguição aos batistas e a outros dissidentes ingleses. um Presbiteriano. Pouco tardou para que os dois casais de missionários americanos. como os montanistas. Batistas no Brasil Os imigrantes dos Estados Unidos fundaram a primeira igreja batista do Brasil. ingleses e americanos. unindo-se a Antonio Teixeira de Albuquerque rumassem para o Estado da Bahia. em 1612. em Santa Bárbara d’Oeste. O mais famoso foi John Bunyan. no Recife. Os primeiros missionários são recebidos em Santa Bárbara d’Oeste e logo filiam-se à Igreja Batista existente e começam a estudar a língua portuguesa. o jovem Pastor Richard Raticliff. com cartas de transferência das igrejas em Santa Bárbara d’Oeste. a Convenção Batista do Sul. ou JJJ (João – Jordão . Avançando para o continente escolhem a cidade de Santa Bárbara d’Oeste. A vida de Teixeira de Albuquerque foi curta.Jerusalém) e a teoria anabaptista. no Estado de São Paulo. Essa teoria apresenta alguns problemas. Antonio Teixeira de Albuquerque. acode-se em Capivari. William Buck Bagby e Ana Luther Bagby. Por força da Guerra Civil Americana ocorrida nos Estados Unidos em 1865. mas. Depois da morte de John Smyth e da decisão de Thomas Helwys e seus seguidores de regressarem para a Inglaterra. também em Rhode Island em 1648. franceses. Vindo a conhecer os Batistas em Santa Bárbara d’Oeste. como o fato que grupos como bogomilos e cátaros seguiam doutrinas gnósticas e o gnosticismo é contrário às doutrinas batistas de hoje.

apenas. apenas no papel. incluindo a libertação dos escravos. O cristão e o seu lar: o lar é básico. A Salvação pela Graça: a salvação é dádiva de Deus através de Jesus Cristo. pela fé em Cristo e rendição à Soberania Divina. Já em 1904 eram 7 Igrejas Batistas no Estado de São Paulo. contribuindo para o crescimento de seguidores de Jesus no Brasil. por enquanto. e. sendo proclamada a República. O cristão como cidadão: o cristão é cidadão de dois mundos – o Reino de Deus e o Estado – e deve ser obediente à lei do seu país tanto quanto a lei suprema de Deus. com um grande avanço na agricultura. é seu próprio sacerdote e tem a obrigação de servir de sacerdote de Cristo em benefício de outras pessoas. aportam por aqui muitos protestantes. 2. As exigências do discipulado cristão: estão baseadas no reconhecimento da soberania de Cristo. Campinas. com outros missionários recém-chegados foram organizando outras novas igrejas a partir de 1899 em São Paulo. merece respeito e consideração como uma pessoa de valor e dignidade infinita. os missionários seguiram para outras capitais. plantando igrejas. O Brasil não resiste as pressões sociais e políticas. visando levar os brasileiros aos pés de Jesus Cristo. condicionada. em 1889. vendo capitular o Império. vê muitos de seus habitantes saírem em busca de novas terras. O Brasil. Somaram-se a eles as dezenas de casais de missionários americanos que continuavam chegando. III – Vida cristã 1. reunindo-se em Jundiaí. tendo acesso direto a Deus através de Cristo. Santos. eclode a Primeira Guerra Mundial. 2. A influência evangélica era forte em todas as grandes decisões da nação. internas e externas. ainda que. (café. no propósito de Deus para o bem estar da humanidade. Sua competência: cada pessoa é competente e responsável perante Deus. São José dos Campos. cana de açúcar e cereais) torna-se alvo de muitos desses europeus. Sua liberdade: cada pessoa é livre perante Deus em todas as questões de consciência e tem o direito de abraçar ou rejeitar a religião. 2. é a nossa regra autorizada de fé e prática. II – O indivíduo 1. principalmente o Estado de São Paulo. 5. portanto interpreta e confirma a voz da autoridade divina. IV – A igreja . que faria ferver até 1918 toda a Europa. Nela a liberdade religiosa estava consagrada na Constituição. organizaram em 1904 a Convenção Batista do Estado de São Paulo. Em 1914. De volta a São Paulo. cumprida e completada na vida e nos ensinamentos de Jesus Cristo. Seu valor: cada indivíduo foi criado à imagem de Deus e. portanto. a última. e o desenvolvimento da família deve ser de supremo interesse para todos os cristãos. e toda a esfera da vida está sujeita a Sua soberania. destruída. então chamada de União Baptista Paulistana. As Escrituras: a Bíblia como revelação inspirada da vontade divina. Ele. O Espírito Santo: é o próprio Deus revelando Sua pessoa e vontade aos homens. relacionam-se com a vida em um todo e exigem obediência e devoção completas. bem como de testemunhar sua fé religiosa. O Sacerdócio do crente: cada cristão. Cristo como Senhor: a suprema fonte de autoridade é o Senhor Jesus Cristo. 4. A Europa. 3. De Salvador. em 1888. PRINCÍPIOS BATISTAS (SÍNTESE) I – Autoridade 1. Jundiaí.de idade. 3. prevalecendo quando incompatíveis. respeitando os direitos dos outros. Essas. Fugindo da guerra. 3. nas próprias decisões e questões morais e religiosas.

voluntariamente unidos para o culto. 2. Seu governo democrático. mas sua observância envolve realidades espirituais na experiência cristã. 2. dado exclusivamente a pessoas regeneradas que voluntariamente aceitam o batismo e se entregam ao discipulado fiel. Seu governo: uma igreja é um corpo autônomo. majestade. chama várias pessoas de um modo singular para dedicarem sua vida de tempo integral. Mesmo entre essas pode haver alguma diferença de batista para batista. Vejamos quais são as principais doutrinas defendidas pelos batistas: . porém. desenvolvimento espiritual e serviço. suas necessidades. 3. 8. na sua sabedoria. através do evangelismo. e exige o emprego responsável de vida. sua missão é para com o mundo. no sentido próprio. são símbolos da redenção. segundo o preceito cristão. no propósito de cumprir-se a função divina. a consciência da santidade. 4. Suas ordenanças: o batismo e a ceia do Senhor. 7. Os batistas possuem doutrinas em comum com outras denominações cristãs-evangélicas. tempo. Ensino e treinamento: a natureza da fé e experiência cristãs e a natureza e necessidades das pessoas fazem do ensino e treinamento um imperativo. 5. A centralidade do indivíduo: primordial na vida e no trabalho de nossas igrejas com seu valor. Autocrítica: todo grupo de cristãos. mas têm a obrigação do reconhecimento e reforço mútuos. 3. mas seu caráter e ministério são espirituais. as duas ordenanças da igreja. no sentido local é a companhia fraterna de crentes batizados. O ministério cristão: cada cristão tem o dever de ministrar ou servir com abnegação completa. 6. Sua natureza: no sentido lato. Seus membros: ser membro de igreja é um privilégio. reflete a igualdade e responsabilidade de todos os crentes. 4.1. 6. e exige de nós dedicação máxima.php?option=com_content&view=article&id=64&Itemid=109 AS DOUTRINAS BATISTAS – SÍNTESE A doutrina fundamental dos batistas é da autoridade das Sagradas Escrituras. exige uma apreciação maior sobre a reverência e a ordem. da educação e do serviço cristão. porém existem interpretações que são distintivas dos batistas. sujeito unicamente a Cristo. Evangelismo: é básico no ministério da igreja e na vocação do crente. ao ministério relacionado com a obra da igreja. confiado por Deus. para conservar sua produtividade. graça e propósito de Deus. Educação cristã: emerge da relação da fé e da razão e exige excelência e liberdade acadêmicas que são tanto reais quanto responsáveis. terá que aceitar a responsabilidade da autocrítica construtiva. V – Nossa tarefa contínua 1. sua cabeça. Sua relação para com o Estado: a igreja e o estado são constituídos por Deus e perante Ele responsáveis. a confissão e a humildade. A igreja. Mordomia: a mordomia cristão concebe toda a vida como um encargo sagrado. 9. Missões: procuram a extensão do propósito redentor que Deus tem em toda a parte. Deus. 5. Devem permanecer distintos. O único credo das igrejas batistas é o Novo Testamento. sua liberdade moral e seu potencial perante Cristo. É a proclamação do juízo e da graça de Deus em Jesus Cristo e a chamada para aceitá-lo como Salvador e segui-lo como Senhor. talentos e bens – pessoal ou coletivamente – no serviço de Cristo. sob a autoridade de Cristo. é a comunidade fraterna de pessoas redimidas por Cristo e tornadas uma só na família de Deus. Culto: envolve uma experiência de comunhão com o Deus vivo e santo. Sua relação para com o mundo: a igreja tem uma posição de responsabilidade no mundo. http://redentor.org/portal/index.

Seria possível um retrocesso? Creio que não. 2. A salvação é pela fé em Jesus Cristo. Os batistas crêem na inspiração da Bíblia toda. além coreografias quase idênticas (sem exageros) às performances dos dançarinos da Madonna. 6. Nenhuma igreja está submissa à outra. No meu tempo de juventude. Ciro Sanches Zibordi http://www. Quando a dança passou a fazer parte da liturgia evangélica? Lembro-me de que. não há mais limites! Já temos o erotizante funk dentro de algumas igrejas. nunca por constrangimento. há pouco tempo. Os crentes hão de perseverar na graça. em 1 Coríntios 14. 7. Ele é o único caminho. na liberdade de consciência. 8. pelo menos metade se posicionará a favor dela. mas bem firmes na posição. as ordenanças e as obras.com. em algumas igrejas. 3. ficou mais complexa. porque quer. não posso me omitir. da Britney Spears e da Beyoncé. A liberdade religiosa. não aceitava a dança como parte integrante do culto a Deus. pois os corações estão endurecidos. Os batistas rejeitam. não perdendo a salvação.gospelprime. os batistas sempre defenderam o batismo do crente “adulto”. como meio de salvação a lei. Crêem. Cristo é o Senhor da Igreja e dos crentes. Crêem os batistas na política congregacional.1. Historicamente.br/danca-na-igreja-pode-ou-nao-pode/ A dança. nossos cultos estão cada vez mais carregados de atrativos para a “galera”. São contra uma igreja estatal ou ligada ao governo. Os batistas praticam a cooperação entre as igrejas em amor. executada ao som de hinos melódicos. somente a Ele.blogspot. E a proporção aumentará mais ainda se os dez cristãos forem jovens e adolescentes. Ele é o Senhor pessoal e a cabeça da Igreja. mas reconhecem que a orientação da Igreja está no Novo Testamento. vemos que o culto a Deus deve ser ordeiro. Apesar disso. Mesmo assim. como uma coreografia simples. até que Ele venha.1. a igreja. alguns “revolucionários” descobriram a “América”! Aliás. estão presos na América do Norte por evasão de divisas. Os batistas não são únicos nesta crença. Como não tem havido combate à secularização (Rm 12. dentro deste princípio. Deus guarda o salvo pelo poder divino. um ou outro falava em “dança no Espírito”. nunca pode ser forçado ou obrigado a crer. decente. muito menos deveria o homem impor sobre seu semelhante aquilo que Deus recusa fazer.26-40. A salvação é um dom que Deus concede àquele que pessoalmente põe sua fé em Jesus Cristo. não víamos cultos com dança na igreja brasileira. que começou.com/2007/03/as-doutrinas-batistas. O princípio de liberdade religiosa é o “troféu dos batistas”. A igreja é autônoma. De uns tempos para cá. mas era um assunto muito controvertido. Crêem os batistas que a salvação é uma vez para sempre. Hoje. até evoluir para apresentações de balé e shows de hip-hop. A Bíblia é a única autoridade acima de qualquer outra. http://balniresjunior. O objetivo de toda a atividade é glorificar o nome de Jesus. A regra de fé das igrejas batistas é o Novo Testamento. de maneira geral. Afinal. A autoridade suficiente das Escrituras. deixando de repisar (e reprisar) esse assunto nada simpático. tendo como elementos principais: o louvor a Deus (salmo). Nenhuma igreja batista está sujeita a outra autoridade senão a Cristo. . 5. É da natureza da fé salvadora se manter firme até o dia de Cristo. Isso mesmo: a maioria. dois destes “descobridores”. Os batistas rejeitam a ideia de sacramento. 4. Seu o único nome entre os homens que o homem pode invocar para ser salvo. a exposição da Palavra (doutrina) e a manifestação multifacetada do Espírito Santo (revelação. que muitos preferem evitar para não irritar a maioria. Os batistas crêem no princípio de separação entre a Igreja e o Estado. por ironia. se pedirmos a dez cristãos a sua opinião sobre a dança no culto. Deus mesmo não obriga o homem a comungar com Ele. Batismo e Ceia do Senhor como memorial. língua e interpretação). E a liderança. O homem tem que procurar a Deus de livre vontade. e praticam o batismo e a ceia do Senhor como um memorial.html DANÇA NA IGREJA – PODE OU NÃO PODE? por: Pr. O Batismo é a imersão de um crente como ato de obediência.2). A perseverança dos crentes.

o que diz o Salmo 149. graças ao incentivo de líderes inescrupulosos. Os “revolucionários” citam Davi como um praticante da dança no culto a Deus. bem como números teatrais demorados. juntamente com Asafe. sem compromisso com a Palavra de Deus. . isolado.9). também muito citada pelos “revolucionários”. em Salmos 149. teríamos de louvar a Deus com danças e uma espada na mão (literalmente). os quais pertencem a Deus” (vv. não a incluiu na liturgia? Se ele e Asafe tivessem estabelecido dançarinos e coreógrafos. e nosso corpo nunca deve ser profanado por qualquer impureza ou mal.14-17. Assim acontecia nas décadas de 1980 e 1990. os quais inovam a cada dia. movidos por outros interesses pessoais. o Senhor Jesus não teria dedicado boa parte de seu ministério à explanação das Escrituras. Pelo contrário. não fez nenhuma menção à dança. e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço. exemplar ou inaugural. impediriam o povo de estudar as Escrituras. O Senhor não os condenou por suas danças. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo. No entanto. um homem segundo o coração de Deus — que inclusive dançou do lado de fora do templo —. glorificai. Mas quem examina as Escrituras à luz dos contextos histórico. por conseguinte.32). O site YouTube contém vídeos e mais vídeos que mostram o que tem ocorrido em igrejas evangélicas lideradas por “revolucionários”.18-20). se Deus gosta tanto de dança. Mas veja o que diz a Palavra de Deus. foram atos à parte. as efemeridades. tomando vingança (literalmente) das nações! Alguém dirá: “Que exagero. haja vista sua motivação principal ser a arrecadação de dinheiro (2 Co 2.3. em seu contexto: “Fugi da prostituição. que habita em vós. com inteira convicção (mesmo que eu fique só). 1 Tm 6. por que a dança deve ser aplicada por nós de modo literal? Os defensores da dança também se valem de 1 Coríntios 6. Há algum tempo. o qual pode designar “dança”. apesar de muitos agirem como se houvesse apoio irrestrito a ela nas páginas sagradas.22. 1 Jo 2. parte do culto coletivo a Deus. tudo ficaria claro. É interessante como os “revolucionários” interpretam a Bíblia segundo os seus interesses. isto é. Hoje. Não só a dança de Davi. ele estabeleceu apenas cantores e músicos (1 Cr 25). patrióticos. proveniente de Deus. Mas a própria Palavra do Senhor depõe contra tal subterfúgio. a Deus no vosso corpo e no vosso espírito.20. e não litúrgico. desejos. Ora. deixando essa divergência de lado. pessoal. Discute-se qual é a significação exata do termo original contido nos mencionados Salmos. A espada e a guerra devem ser aplicadas de maneira figurada”. Como não podem fazer isso. na íntegra. os Salmos 149 e 150. aplicável aos três povos. Quem estuda a Bíblia sem preconceito. mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo. esteja escrito mesmo. ao organizar o culto na antiga aliança. digamos que. Lembremo-nos de que a mensagem da Bíblia se dirige a três povos: judeus. pelos quais eles extravazaram a sua alegria. E nem sempre um texto pode ser considerado “universal”. literaturas (2 Tm 2. Sl 101. à luz do hebraico: “Louvai ao SENHOR com dança”. textos isolados dos Salmos como incentivo a toda prática mundana dentro das igrejas.29). os tais versículos não avalizam a dança no culto cristão. sabe que o próprio Davi.3 e 150. nos pensamentos. Os “revolucionários” não querem saber de Bíblia. Excesso de louvor (se é que podemos chamar as cantorias intermináveis e as danças de louvor!). fora do culto.É triste ver como as superfluidades. e não pastores de megaigrejas. como muitas igrejas estão fazendo. a partir de então. O texto em apreço. Reafirmo. Se eles pudessem. Não haveria nenhum obstáculo às danças na casa de Deus. que para muitos desses “descobridores” têm o mesmo efeito da Palavra… Que engano! Nada substitui a exposição da sã doutrina! Caso contrário. tampouco para chamá-las de ministério. fora do Templo. Mesmo assim. Mt 11. estudando a Palavra. imagens. os jovens vão para a “balada”. orando. por que Davi. Tais “revolucionários” dizem de boca cheia que são contrários ao legalismo. Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo. Então.6. cultural e literário sabe que a dança de Davi foi um ato único. mas não se aperceberam de que são mundanos e porta-vozes do mundanismo. mas a de Miriã. os jovens passavam a noite em vigília. estão ocupando espaço no culto coletivo a Deus. hoje. por exemplo.3). Mas as duas passagens preferidas deles. Empregam.17. E isso explica o fato de não haver no Novo Testamento nenhum incentivo à dança no culto coletivo. E Ele é o nosso modelo (1 Jo 2. pois. pertencemos ao Senhor. não é uma “carta branca” para dançar ou empregar qualquer expressão corporal para glorificar a Deus. “flauta” ou “shofar”. a sua estratégia tem sido induzir as pessoas ao erro. Se fôssemos aplicar a nós. mas elas também não passaram a fazer. atos. que não há base bíblica nenhuma para se introduzir danças no culto. proveniente da imoralidade. Apascentam-se a si mesmos e desviam o povo da verdade. gentios e cristãos (1 Co 10. não abonam a dança no culto. O que é glorificar a Deus no corpo? Significa não pecar contra Deus por meio do corpo! Somos o templo do Espírito.

As igrejas tomam suas decisões sem que haja interferência de quaisquer organizações externas. nova criatura é: as coisas velhas já passaram. Elas administram a si próprias. erroneamente. a introdução da dança no culto. a oportunidade de novos desafios. e não o inverso. Mas. convenções. ou seja. adquirimos pequenos terrenos para igrejas carentes. Fundamentalmente. se nos conscientizássemos de que o culto é para Deus. o intercâmbio musical. “Assim que. e não para satisfazer pessoas! Como seria maravilhoso se nos convencêssemos de que a maneira de Deus falar. e não a vontade Deus. sacerdotes ou quaisquer outras funções episcopais. as quais se reúnem anualmente e elegem sua diretoria. autônoma e soberana. reitero que não há base bíblica para o que chamam hoje de “adoração através da dança” ou “adoração extravagante”.21-23). O cântico. Sendo impossível reunir todos os batistas num só lugar. congregamos pastores. Ef 5. pastoral e pedagógico. uma diretoria que manda nas igrejas.17). os “revolucionários” priorizam a satisfação momentânea das pessoas. Segundo a Bíblia. não restrito a povos e culturas (Cl 3. Que engano! Pensam eles. por exemplo. pois atualmente a “gestão” impõe “políticas empresariais de resultado” (está em moda usar-se linguagem empresarial e não mais a ministerial).7). E. cada igreja elege seus representantes e os envia para o local onde são realizadas as assembléias. A estrutura não é de dominação. por que há tanta dificuldade em se entender isso? Por que a maioria prefere que haja danças no culto? Na verdade. pelo contrário. os quais se deixam levar pelo secularismo e pelos clamores do povo. E que façamos valer a oração-modelo deixada pelo Senhor Jesus: “Seja feita a tua vontade. Ali se deliberam as decisões administrativas e. tanto na terra como no céu” (Mt 6. Sei que estou na contramão do sucesso. cumprindo o “Ide” e vivenciando o amor por Deus e pelo próximo. a dança nunca foi uma forma de louvor a Deus. Lembra-se da filha de Herodias? Ela dançou para o público e agradou Herodes. Sei que duro é esse “discurso”… Quantos podem dizer “amém”? “SEMANA BATISTA” – O QUE SE ESPERA DE UMA CONVENÇÃO? Wagner Antonio de Araújo (artigo publicado na presente edição da REVISTA ECLÉSIA) Quero convidá-los a uma reflexão sobre a relevância e o papel de uma convenção batista. mantemos escolas para que os nossos filhos e os filhos dos outros tenham boa educação etc. peças teatrais. O governo batista é democrático. promove-se a comunhão denominacional.Sei que muitos seguidores dessa “onda” me veem como um “estragaprazeres”. apóstolos. Ah. eis que tudo se fez novo” (2 Co 5. Cada igreja batista é independente. e sim uma maneira de se exteriorizar alegria ou agradar uma platéia.16. o poder emana das igrejas. se alguém está em Cristo. Essa organização tem servido de instrumento na consolidação e expansão do trabalho de Deus. artístico. . sínodos nem presbitérios.105. organizações missionárias. junto com isso. e não mediante danças (Sl 57.19). verdadeiramente. ao contrário da dança. Em São Paulo.10). e sim pela sua Palavra! Que Deus abra os olhos desses líderes e ministros de louvor “revolucionários”. os batistas são COOPERADORES entre si. Deus é exaltado por meio de cânticos. Não há supremos concílios. os objetivos e os alvos propostos por todas as igrejas. Mt 7. Que eles reflitam melhor à luz da Palavra e cumpram a vontade do Senhor (Sl 119. Conquanto independentes. A despeito de ainda haver igrejas mais moderadas e reverentes. responsabilizando-a por cumprir o programa. os batistas se reúnem como convenção cooperativa sob o nome “Convenção Batista do Estado de São Paulo” – CBESP. No entanto. no culto. Mas os “revolucionários” pensam que o evangelho se submete à cultura dos povos. direto e congregacional. constituem associações de igrejas. para realizar esse propósito. escolas e orfanatos para executar toda espécie de ações positivas que redundem no implemento do Reino de Deus. não é por meio de danças. enviamos missionários. coreografias. que o africano tem de tocar tambores na casa de Deus e que o brasileiro tem de sambar diante do Senhor… É o evangelho de Cristo que influencia e muda hábitos culturais. Batistas não têm bispos. é atemporal. Através das convenções ajudamos igrejas pequenas. não há nenhuma passagem — repito — nas páginas veterotestamentárias e também do Novo Testamento que abone.

professores ou formadores de opinião. seus comprometimentos com organizações não-cristãs não têm valor. Isso mudou. alvos e propósitos departamentais. Assim. “mais e melhor freqüentadas”. tenham eles apreço ou não pelo povo batista. Não precisamos mais de nossos professores. pastores. Quaisquer especialistas servem. Agora não é mais assim. pessoas que fazem exatamente o contrário disso! Não podemos mais ensinar em nossas igrejas a cantar apenas o que edifica e tem boa teologia. espalhafatoso e ecumênico no chamado “MERCADO GOSPEL”. As convenções estão se transformando numa FEIRA GOSPEL. A nossa opinião deve ser formada por gente de fora. Será que não podemos mais ter personalidade própria? Temos que ficar quietinhos. desafios missionários. comerciais e empresariais durante toda uma semana. jargões e atos litúrgicos estranhos aos batistas? Temos que ser vencedores custe o que custar. cantar nas convenções era honroso. Outrora. vendendo o patrimônio doutrinário e eclesiástico? O que é errado sob o ponto de vista bíblico deve ser adotado porque é correto comercialmente? Estamos caminhando por uma senda perigosa.. agora temos para nos DIRIGIR. Cada igreja compromete-se com o envio de uma verba para a denominação. “nichos” e “eficiência”. Que infelicidade! Nós. Não precisam mais dos nossos mestres. Estranha forma de conduzir os batistas ao culto cristão. conjuntos. os batistas. Suas posições quanto às guerras não importam. “Ou se renovam ou serão derrubados pelo mercado”. missionários e visitantes. qualificadas secularmente e que atraiam público. “Temos que ter a mente aberta”. Contudo. observando o que as igrejas determinaram em assembleia. tudo deve ser PAGO. tais mudanças não trouxeram benefícios. que a administrará. “nomes que atraiam”. Já não há critérios espirituais. sempre a desenvolver o tema principal. . basta que sejam pessoas conhecidas. pelos corais de categoria internacional. católicos. Nós. evangelistas. de boa vontade os músicos CONTRIBUIAM com suas participações.a consagração espiritual e o desenvolvimento de estudos e temas relevantes para igrejas e crentes. tratava-se de uma CONVENÇÃO DE IGREJAS. “grupos que vendam bem”. Entretanto. quartetos. sejam eles membros de seitas. As convenções sustentam-se com ofertas das igrejas locais. Neste ano algumas convenções realizaram suas assembléias anuais num período estendido. Convenção é COOPERAÇÃO. discussão de temas doutrinários e relevantes para a boa educação cristã. os grandes evangelistas. não de um “WORKSHOP MULTITEMÁTICO”. parece que não somos mais qualificados para dirigir nossos próprios momentos de louvor. neopentecostais ou ateus. Depois dos shows que assistimos. à formação de um ideal geral. doutrinários ou morais. visando produzir assembléias anuais mais “competitivas”. 2) MUDOU-SE O ENSINO E OS ENSINADORES . agora isso não tem mais qualquer valor. desde que possa obter GRANDE PARTICIPAÇÃO DE PÚBLICO PELOS PRODUTOS OFERECIDOS. CANTEM HINOS TEOLOGICAMENTE CORRETOS”. vêm tomando decisões incompatíveis com a identidade batista. por ministros de música qualificados e. ensinar nossas igrejas a serem frouxas e hipócritas. à dedicação ao Senhor. muito bem. que façam frente ao “competitivo mercado gospel nacional”. com raras exceções. tínhamos a oportunidade de ouvir os grandes pregadores das igrejas mais renomadas.Se as assembléias das convenções serviam para o compartilhamento de experiências com Deus. que ensinávamos nossos jovens a serem criteriosos na escolha de seus cantores e grupos. por um povo que cantava e louvava muito. pelo contrário. desenvolvendo atividades artísticas. Agora temos PROFISSIONAIS ESPECIALISTAS nas diversas áreas do EMPRESARIADO E DA MÍDIA. Precisamos de “cantores profissionais”. intercambiar ou edificar igrejas. 3) MUDOU-SE O ESPÍRITO ECLESIÁSTICO PELO ESPÍRITO COMERCIAL . algumas convenções. Corais. atualmente. num SALÃO DE EXPOSIÇÕES. têm adotado “formatos empresariais”. os professores dos seminários. baseando suas políticas em “resultados”. Ai de nós. orquestras. “gente da mídia”. Afinal. por algumas orquestras de igrejas locais. não poderemos mais dizer aos nossos jovens: “SEJAM CRITERIOSOS NA ESCOLHA DE SUAS MÚSICAS. simples equipes de louvor. acima de tudo.Nas assembléias convencionais. mas sim o “politicamente correto” e o “atualizado”. tudo deve ser COBRADO. tudo isso não se enquadra neste modelo de gestão empresarial. não se cobravam cachês para louvar com canções. E o que mudou? 1) MUDOU A MÚSICA . conduzindo o povo à reflexão. o propósito é “AGRADAR A TODOS OS ESTILOS”. velhos e conservadores batistas tradicionais! Estamos ultrapassados e não há espaço para nós. que buscassem CULTOS E LOUVORES ao invés de SHOWS E EGOS AVANTAJADOS. cameratas. os pregadores convidados de outros estados e países. no afã de se modernizar. no chamado LOUVOR. A questão será: cooperar com o que?. adotando costumes. “interessantes e edificantes”. Mas agora isso tem mudado. Esse tipo de música não tem como objetivo o louvar a Deus. chamando o evento de SEMANA BATISTA. ENSINAR E CONDUZIR. Algumas convenções buscaram o que havia de mais comercial.Os batistas sempre foram conhecidos pelos ótimos solistas que têm. tudo visando um fim único: o progresso da Obra de Deus na denominação que compomos.

evangelistas e visitantes preguem e lecionem nas assembléias convencionais com amor à obra e obediência ao Senhor da Seara.com. Que ouçamos servos e não palestrantes incrédulos.com/bnovas. satisfaçamos a Deus na obediência da Sua Palavra. E em lugar de satisfazer aos diversos gostos e faixas etárias. Que os cantores cantem DE GRAÇA. basta que realizem as reuniões administrativas necessárias. que promovam a edificação espiritual e o congraçamento do povo. Pastor Wagner Antonio de Araújo pastor batista – sócio 1036 OPBB/ 1402 OPBBSSP Igreja Batista Boas Novas de Osasco SP www. que cantemos com servos e não com artistas que cobram cachê.br http://opbcb. professores. que se dê oportunidade para que todas as igrejas e obreiros tenham sua participação. missionários. quartetos e igrejas tenham voz e vez. que os nossos pastores.uniaonet. as nossas audiências em salões de baile gospel. corais. as nossas palestras em meros encontros de auto-ajuda.htm bnovas@uol.org/abaclass/congresso-sobre-doutrinas-batistas/ . que as nossas orquestras. Espero ter contribuído para uma reflexão honesta sobre o papel das convenções e da cooperação do povo de Deus chamado “batista”. Chega de comércio! Chega de consumismo! Chega de transformar os nossos auditórios em casas de espetáculos. que cantem LOUVORES.VOLTEMOS ÀS ORIGENS COOPERATIVAS E SOLIDÁRIAS! Assembléias anuais não precisam ser semanas batistas.