You are on page 1of 2

Exposição desenhos e gravuras de Manuela São Simão

16 a 18 de Outubro | foyer do Auditório Isabel Alves Costa

“Uma ilha não se limita a si própria”
Por definição, um território para ser considerado uma ilha deve ser uma porção de terra
rodeada por água. Um território isolado.
A sua configuração depende diretamente da morfologia das suas margens, afinal uma
linha circundante. Ora, esta linha, esta configuração, não se traduz apenas numa
caraterização bidimensional que, no sentido figurado, define algo que se encontra
totalmente isolado e incomunicável.
Também o ser humano nunca está completo sem o outro, pois a sua relação com o mundo
é continuamente transformada. Assim, as linhas que definem a sua configuração devem
ser consideradas, por excelência, como espaço fronteiriço de relação e hipóteses
múltiplas. Esse espaço fronteiriço, a linha, apresenta-se como espaço tensionado que
lateja, se reinventa, se movimenta e procura a sua identidade.
Nos desenhos da Manuela São Simão No man is a Island (Nenhum Homem é uma ilha),
somos confrontados com uma referência a John Donne que reforça a ideia de busca de
identidade enquanto possibilidade que se estabelece nas relações entre identidade e
alteridade. Os seus desenhos apresentam-se como cartografias, não de espaços
delimitados por uma linha, que enquanto fronteira estabelecida é imutável, mas sim
como possibilidade de afirmação da diferença.
Estas linhas, nestes desenhos, abrigam a diferença e a faculdade orgânica da identidade
se constituir como lugar de acolhimento do outro. Quiçá incorporam uma bio-grafia da
artista, onde a sua identidade-ilha, abarca esse espaço entre, enquanto metamorfose e
metáfora do mar atlântico que separa o lugar onde nasceu, daquele onde vive.

Trapo (João Baeta)
Outubro 2015

Manuela São Simão nasceu em São Paulo, Brasil em 1980.
Vive e trabalha no Porto onde estudou Artes Plásticas, Pintura.
Em 2002, como bolseira do Programa Sócrates/Erasmus, numa passagem pela National
Academy of Art de Sofia (Bulgária), a mudança de território e o confronto com países de
leste de territórios e mentalidades fechadas (pré-adesão à União Europeia) inspiraramna num trabalho visual e conceptual que até hoje a leva às fronteiras físicas e limites
territoriais e sua relação metafórica com as fronteiras psicológicas – séries:
“Boundaries_Espaço-Caixa”, “Fronteiras e Enquandramentos”, “Fronteiras e Formas”,
“Forma e Fronteiras”, “Territórios (En)Quadrados”, “Invóluvros”, “Boxed Cities”, “Boxed
Attitudes”, “Handle With Love”, etc.
Em 2012 e por coincidência a partir de Londres que fica numa ilha, começa a trabalhar
na série “no man is an island”, da qual apresenta nestes 3 dias do Micar uma série de
sete desenhos, juntamente com algumas gravuras.
Como artista multidisciplinar, tem vindo a apresentar o seu trabalho em áreas distintas
tais como a pintura, o desenho, a ilustração, a performance/intermedia, a instalação, a
fotografia, a arte pública, a arte sonora/rádio arte. Já apresentou o seu trabalho
plástico e performativo em Portugal como no estrangeiro, em espaços como o Museu dos
Biscaínhos e o Museu D. Diogo de Sousa em Braga, Museu Serralves, Museu da FBAUP,
Faculdade de Letras da UP, a Galeria Extéril e o Espaço Ilimitado no Porto, a Fundação
Júlio Resende, o Museu da República de Aveiro, a Galeria Sete em Coimbra,o CAAA em
Guimarães, o Goethe Institut de Lisboa, o Museu dos Transportes e Comunicações, o
Teatro Maria Matos e a Culturgest em Lisboa, o The Mews Art Space, Stockwell Studios,
Iklectik Art Lab, a Start Space Gallery e a 198 Gallery em Londres entre outros.
Foi responsável pela curadoria de instalações sonoras e exposições de alguns artistas
nas cidades do Porto, Lisboa e Londres (cidades em que residiu) assumindo em alguns
casos o pseudónimo EDITMAKEMIX.
Em 2008 começa a desenvolver projetos intermedia colaborando com diversos artistas,
performers e músicos.
Foi co-fundadora da Associação Cultural Sem Palco e do Coletivo Partícula no Porto.
Esteve associada à Casa da Animação (Porto), e à Granular, Associação de música
experimental em Lisboa com a qual colaborou em alguns projetos. É membro da Rádio
Zero (Lisboa) desde 2008.
http://manuelasaosimao-projects.blogspot.com