You are on page 1of 3

O debate em torno da globalização

Os Céticos:
 Atualmente os níveis de interdependência económica não são incríveis nem
suscetíveis de uma surpresa, pois estes possuem precedentes.
 Concordam que talvez nos dias de hoje haja um maior contacto, interação e
relação entre os países de todo o globo.
 A economia não é verdadeiramente globalizada como todos defendem, pois
existe uma carência de integração de muitas regiões no comércio, e um
protagonismo da tríade que apenas agrava esta situação.
 A regionalização é fulcral p/ os céticos (este é conseguido através da
formação de grandes blocos financeiros).
 Principal argumento dos céticos: A crescente regionalização/aparecimento
dos grandes blocos é a prova de que a economia se tornou menos integrada e
não o contrário.

- Global (amplitude geográfica)

+Intenso (bolsas de atividade económica)

 Os governos nacionais ainda são figuras respeitadas e essenciais na
regulação de toda a atividade económica em solo nacional.
Os hiperglobalizadores:

cujas consequências podem ser sentidas em qualquer canto do globo. Transformacionalistas: .  Deste modo findam os estados-nação e o poder dos governos nacionais é fragilizado e cai no esquecimento.  Deste modo os países deixam de ter controlo das suas economias..  Os mercados detêm uma supremacia em relação aos governos nacionais.  Instituições regionais e internacionais (UE..) e questões além fronteiras descredibilizam os governos nacionais aos olhos dos cidadãos devido à perda de poder dos governos nacionais e sua submissão a estes órgãos à escala global.  Processo indiferente às fronteiras nacionais. A globalização é um fenómeno extremamente real.OMC.  Este processo está a criar uma nova ordem global produzida por poderosos fluxos de comércio que rompem fronteiras.

mas são igualmente proeminentes nos domínios da vida política. caracterizado por conexões e fluxos culturais que funcionam de um modo multidirecional.  Essas transformações não restringem somente à economia. cultural e pessoal.  Não crêem que os países estão perdendo sua soberania.  Vêem a globalização como uma força fundamental agindo por trás do amplo espectro de mudanças que estão hoje moldando as sociedades modernas.  Os governos ainda detêm bastante poder. que os leve a governar dentro das complexas condições da globalização. .Posição mediana.  Os governos estão a ser forçados a adotar uma postura mais ativa e aberta ao exterior. apesar do avanço da interdependência global.  Afirmam ser a globalização um processo dinâmico e aberto que está sujeito à influência e a mudança  A globalização é um processo descentrado e reflexivo. mas sim estão a passar por um processo de reestruturação que responde a novas formas de organização económica e social.