You are on page 1of 1

ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA
(Autarquias e Fundações)
Profa. Marcia Pelegrini
Profa Assistente: Luciana Zanchetta

I
1.

ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA:

INTRODUÇÃO: entidades que compõem a Administração Indireta no direito positivo brasileiro:
autarquias, fundações instituídas pelo Poder Público, sociedades de economia mista e empresas públicas.
1.1. Características comuns entre as pessoas de Direito Público e de Direito Privado: personalidade
jurídica própria; criadas e extintas por lei; seu fim principal é a consecução do interesse público e não o
lucro; não podem se afastar dos fins para os quais foram instituídas; sujeitam-se ao controle do Estado e
por vezes recebem prerrogativas autoritárias.
1.2. Diferenças principais entre as pessoas de direito público e de direito privado: prerrogativas e
restrições próprias do regime administrativo (auto-executoriedade, auto-tutela, possibilidade de alteração
unilateral de contratos, impenhorabilidade dos bens, juízo privativo, imunidade tributária, sujeição à
licitação e concurso público).
2. AUTARQUIAS: entidade autônoma, com personalidade jurídica de direito público, criada por lei para
executar atividades típicas da Administração, que requeiram, para seu melhor funcionamento, gestão
administrativa e financeira independente, sob controle exercido nos limites da lei. (INSS;IPESP,OAB...)
2.1. Características: criadas por lei com personalidade jurídica de direito público, capacidade
exclusivamente administrativa, especialização dos fins das atividades, capacidade de autoadministração e sujeição a controle ou tutela. Possuem quase as mesmas prerrogativas e
sujeições da Adm. Direta. Só não possuem capacidade política.
2.2. Regime Jurídico:
2.2.1. Relação com a Pessoa que a criou: criadas e extintas por lei( art. 37,XIX); controle ou tutela e
independência.
2.2.2. Relações com terceiros: atos, contratos, bens, responsabilidade, prescrição e imunidade.
2.2.3. Relações internas: procedimentos financeiros e pessoal
3. AUTARQUIAS ESPECIAIS:
3.1. Agências Reguladoras: entidades criadas pelo Estado com função de regular as matérias que lhe são
afetas. São criadas por leis esparsas que as instituem e desfrutam de maior liberdade que as demais
autarquias ( arts 21,XI e 177 § 2º,III CF)
3.2. Agências Executivas: são as autarquias ou fundações qualificadas como “agências executivas”, por
celebrarem contratos de gestão com a administração direta para o cumprimento de plano estratégico de
reestruturação e desenvolvimento institucional, ganhando mais autonomia de gestão e financeira. ( art.
37,§ 8º da CF e Lei 9.649 de 27/05/98).
4. Contrato de Gestão: ( art. 37 § 8º da CF)
5. FUNDAÇÕES: pessoa jurídica de direito público ou privado, criada por lei para desenvolvimento de
determinadas atividades do Estado na ordem social, constituída através de patrimônio destinado à
realização de seus fins.
5.1. De Direito Privado: Instituição sujeita às regras do CC, bens penhoráveis, empregados
celetistas, Juízo comum, responsabilidade objetiva apenas se prestarem serviços públicos.
5.2. De Direito Público: presunção de veracidade e auto-executoriedade de seus atos;
impenhorabilidade dos bens;execução sujeito ao processo especial da Fazenda Pública ( art.
100 CF).
5.3.
Traços Comuns: sujeitas à fiscalização do TC e Executivo; sua constituição e
extinção deverá ser autorizada por lei ( art. 37,XIX CF); equiparação de seus empregados e
servidores para os fins previstos no art. 37(inclusive acumulação de cargos e improbidade
administrativa); sujeição de seus dirigentes ao mandado de segurança, quando exercerem
funções delegadas do poder público; Sujeição à ação popular e ação civil pública; submissão
à lei de licitações; sujeitas às regras constitucionais de finanças públicas ( art. 52,.VII, 169 e
165 §§ 5º e 9º; Imunidade tributária sobre o patrimônio , renda ou serviços vinculados a suas
finalidades essenciais.