You are on page 1of 69

Organizadora

Patrizia Collina Bastianetto

12 retextualizações
traduções comentadas – italiano e português

FALE/UFMG
Belo Horizonte
2011

Sumário

Diretor da Faculdade de Letras

Luiz Francisco Dias
Vice-Diretora

Sandra Maria Gualberto Braga Bianchet
Comissão editorial

Eliana Lourenço de Lima Reis
Elisa Amorim Vieira
Fábio Bonfim Duarte
Lucia Castello Branco
Maria Cândida Trindade Costa de Seabra
Maria Inês de Almeida
Sônia Queiroz

5 Apresentação
11

Capa e projeto gráfico

Glória Campos
Mangá – Ilustração e Design Gráfico

Kícila Ferreguetti de Oliveira

27

Sofia Noman Filizzola

39

Jéssica Tamietti de Almeida

Patrizia Collina Bastianetto

47

Revisão de provas

José Carlos Rodrigues

53

e-mail: revisores.fale@gmail.com
site: www.letras.ufmg.br/labed

Senza permesso. Avventure di
una badante rumena, de Cetta Petrollo
Patrícia Oliveira Alves

61

“Sesta consapevolezza – Dell’esilio
obbligato nelle lingue ‘dimezzo’”, de Bruna Peyrot

Endereço para correspondência

FALE/UFMG – Laboratório de Edição
Av. Antônio Carlos, 6627 – sala 4081
31270-901 – Belo Horizonte/MG
Telefax: (31) 3409-6072

“A dona de casa perfeita – um
monólogo teatral”, de José Carlos Rodrigues

ISBN

978-85-7758-102-3 (impresso)
978-85-7758-106-1 (digital)

“Delle mille e una ragione di fare
il clown e di essere clown”, de Gilles Defacque

Revisão de texto em italiano

Priscila Justina
Tatiana Chanoca

“Dialogo di un venditore d’almanacchi
e di un passeggere”, de Giacomo Leopardi

Preparação de originais e diagramação

Priscila Justina

“Notas ao pé da página”, de Moacyr Scliar

Ellen de Fátima Pinto Gomes

71

TV, buona maestra, de Alberto Manzi
Gilberto L. Goulart
Karine Locatelli Piva

Esclarecemos que o par linguístico objeto das análises é o italiano-português. Estes foram escolhidos com o objetivo adicional de . tais como os programas de tradução assistida por computador e as ferramentas de tradução automática. Essa variedade de competências se reflete nos textos selecionados. Durante a disciplina. de alguma forma. inclusive. Teofilo Cabral 103 Um imbróglio editorial: La testa degli italiani. Alguns já se formaram em italiano e são professores. enquanto um outro grupo possui graduação em áreas como Teatro. que nos propiciou o conhecimento de algumas ferramentas para a tradução. capaz de abarcar os sentimentos expressos pelo pai patrão. em busca daquela palavra mágica. 77 Tradução de expressões idiomáticas Apresentação italianas por um tradutor automático Marina Nogueira Marques Diniz 85 I formati della memoria: beni culturali e nuove tecnologie alle soglie del terzo millennio. os estudantes fizeram traduções de textos de diversos gêneros. Pereira dos Reis Mariana H. o famoso texto dito original. de Vitto Cappellini Carlos Antônio de Souza Perini 95 Eau thermale – Avène: Il gesto preferito delle pelli sensibili Alinne S. de Beppe Severgnini Patrizia Collina Bastianetto Rosana Lionello Semionato 111 “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. Física e Ciência da Informática. O perfil dos tradutores aprendizes é variado: alguns estão cursando o bacharelado em estudos de tradução. de Italo Calvino Augusto da Silva Costa Os trabalhos que compõem esta obra coletiva decorrem do curso de Oficina de Tradução em Italiano. a experiência vivida durante o ofício da tradução – trabalho solitário e sempre inacabado. A vontade de reunirmos alguns dos trabalhos em um único exemplar concretiza-se com esta obra. outros se formaram em outras línguas que. outros a licenciatura em português-italiano. ministrado no segundo semestre de 2010 na Faculdade de Letras da UFMG. já lecionam. Chegando ao final do semestre. era anseio da turma registrar. auxiliados por bibliografia teórica específica e pelos recursos à disposição no Laboratório de Línguas.

mestre em Física e licenciando inerentes às línguas de partida e de chegada. que busca sua vingança. que está graduando-se também tendo em conta a legibilidade textual de uma entrevista primordialmente em português e italiano. Agradecemos ao leitor que nos honra e o convidamos a repercor- Já Patrícia Oliveira Alves. Trata-se da tradução e concentram nas dificuldades da tradução de termos arcaicos e da manu- legendagem de uma entrevista do professor e pedagogo italiano Alberto tenção. por sua vez. trabalho de Gilberto tes entre si. bebe do seu primeiro autor. além do exer- diálogo e a função conativa do texto de partida e. procura ilustrar essa idiossincrasia da personagem e. ela. o discurso resultante da tradução tradução. Ellen de Fátima Pinto Gomes. original e traduzido. Encontrar a correspondência entre os dois discursos próprio veneno. muito diferen- Do ensaio passamos ao gênero entrevista. que está se formando em Filosofia. do mesmo registro do texto-fonte. Patrícia se aventura tradutória. Suas reflexões sobre as dificuldades tradutórias pedagógica. O texto é traduzido para o italiano por Kícila de alemão e italiano. era a de oferecer uma amostra dos tipos de dificuldades com as traduzir expressões idiomáticas próprias da língua oral. As reflexões de Sofia. o texto “Notas ao pé da página”. Apresentamos. produção em que se articulam fatores linguísticos e extralinguísticos e traduzido para o italiano por ele mesmo. Dessa vez. professora tor. ou falsos cognatos. ainda. tra- rer conosco o caminho trilhado. apontam para a necessidade de se preservar na tradução o frescor do 6 Apresentação 7 . e palhaça Jéssica Tamietti de Almeida. acrescida das armadilhas advindas da gato nelle lingue ‘dimezzo’”. certos de duz um trecho do romance italiano contemporâneo Senza permesso. mas dando continuidade ao o aforismo italiano traduttori traditori e salienta a invisibilidade do tradu- assunto imigração e migração. Aguardamos suas observações. quais um tradutor se defronta no exercício de sua atividade profissional. “Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere”. na difícil tradução de um texto redigido de forma agramatical. se na UFMG pelo Programa de Mobilidade Estudantil. Em suas reflexões sobre as dificuldades para a chegada é. bacharelanda em língua italiana com ênfase em que trata da língua dos migrantes. Ele. o escritor faz uma brincadeira com Passando para o gênero ensaio. a dificuldade em cício. como autor de ambos os textos. intitulado “Delle mille ção. A finalidade. retextualizado. traduzido pela atriz as regras impostas pela técnica da legendagem e. criado por José Carlos Rodrigues gua. Continuamos com quatro textos de caráter literário. em seguida. graduanda em português-italiano. na tradução. na tra- Começamos com uma homenagem ao recém-falecido escritor Moacyr Scliar que fez. ao procurar traduzir as expressões idiomáticas que ele costuma ser o desafio dos tradutores. O texto é tradução. Se o texto da língua de em português-italiano. Ellen sublinha as dificulda- proximidade das línguas portuguesa e italiana. mas as dificuldades de se legendar um texto traduzido respeitando e una ragione di fare il clown e di essere clown”. onde não faltam os “falsos des tradutórias de termos polissêmicos empregados em sentido metafó- amigos”.trabalharmos com gêneros textuais variados. Manzi. ele ressalta a questão de se traduzir para uma língua estran- não deveria poder sofrer alterações. rico e ilustra o desafio de reconhecer os falsos cognatos. Em suas observações. as observações não focalizam o trabalho de tradu- Segue um texto teatral de Gilles Defacque. atualmente graduanda em francês. de Cetta Petrollo. traduz um texto Ferreguetti de Oliveira. ao mesmo tempo. Sofia Noman Filizzola propõe a tradução do texto leopardiano Goulart e Karine Locatelli Piva. de Bruna Peyrot. Segue uma apresentação dos doze textos propostos. Nele. estudando século XIX. se comparado àquele proferido pelo geira e. tenta preservar a legibilidade textual. próprio utilizou no texto-fonte. escrito no aluna de bacharelado em língua e literatura italiana na UFSC. estudante de português-italiano. uma homenagem aos tradutores com dução. ao mesmo tempo. que serão muito valiosas para uma maior reflexão crítica sobre a tarefa Avventure di una badante rumena. um texto divertido intitulado “A dona Entendemos a tradução como produção de um texto em outra lín- de casa perfeita – um monólogo teatral”. Kícila ressalta a dificuldade de se tradu- parte de um capítulo intitulado “Sesta consapevolezza – dell’esilio obbli- zir para uma língua estrangeira. língua “obrigada” ao exílio. digamos.

já que as referidas expressões são impregnadas de desta publicação. Funções que devem ser reproduzidas no texto traduzido. Segue no livro a tradução de Alinne Pereira dos Reis. Patrizia Collina Bastianetto Ciência da Computação e estudante na FALE no curso de bacharelado em Linguística. O nono texto é proposto por Carlos Antônio Perini. Il gesto preferito delle pelli sensibili”. Ao Laboratório de Edição da FALE/UFMG deve-se a possibilidade bem como a impossibilidade de fazê-lo mediante a utilização de um tradutor automático. Este foi muito propício para a confirmação de nossa tese sobre a relevância dos elementos paratextuais para a legibilidade textual.Em seguida. Marina Nogueira M. professora de português e graduanda em italiano. bacharelando em tradução. brindamos o leitor com uma tradução de um capítulo do livro Mondo scritto e mondo non scritto. Trata-se de um folheto sobre um cosmético cujo texto reúne as funções referencial e conativa. já em atividade como Calvino. Ressalta e demonstra. diferentemente do que se costuma pensar. feita por Augusto Costa. (“Traduzir é a “Tradução de expressões idiomáticas italianas por um tradutor automá- verdadeira forma de ler um texto”). que. e Mariana Teófilo Cabral. em que comprova a dificuldade de se traduzir esse tipo de texto. Ele traduz “I formati della memoria: beni culturali e nuove tecnologie alle soglie del terzo millennio”. pela qual os autores agradecem. Comparamos os citados elementos paratextuais do livro-fonte com aqueles das versões em português e em inglês e constatamos que na versão em português houve um imbróglio editorial. cujo léxico é monossêmico e deve ser traduzido com precisão absoluta para garantir a total clareza textual. bacharelanda em Linguística. Diniz. Marina exemplifica e complementa com a explicação histórica de cada expressão apresentada. e é retomando essas palavras de tico”. ainda. Esse estudo ficou a meu cargo e a cargo da professora de italiano Rosana Lionello Semionato. de Vito Cappellini. Nossas reflexões continuam com uma análise da capa e da ficha catalográfica do livro “La testa degli italiani”. uma vez que informa e busca convencer o leitor da eficácia do produto e da necessidade de usá-lo. apresenta o texto se intitula “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. os textos técnicos carregam muitas marcas culturais que se refletem nas traduções. O capítulo professora de inglês e recém-formada em italiano. Calvino que concluímos nossa apresentação. elementos culturais. bacharel em Profa. Elas propõem a tradução do texto “Eau Thermale – Avène. Carlos reflete sobre as especificidades do texto técnico. do escritor italiano Italo 8 Apresentação 9 . E para finalizar. de Beppe Severgnini.

Sendo assim. também foi um exercício tradutório importante pelas dificuldades apresentadas. a obra e o tradutor estão envolvidos em um triângulo amoroso. o texto é apresentado ao leitor em cinco páginas em branco. O conto de Scliar se revelou um texto interessante. intitulado “Notas ao pé da página”. que também é personagem do conto. O texto-fonte é um conto de Moacyr Scliar. ou como diriam os franceses un ménage a trois. por se tratar de um texto metalinguístico que apresenta uma reflexão sobre os problemas e/ou questões relativas à tradução ao criar uma história em que o autor. Além disso. já que eu. nas notas de pé de página.“Notas ao pé da página”. de Moacyr Scliar Kícila Ferreguetti de Oliveira A presente tradução tem como objetivo identificar e analisar as dificuldades tradutórias que um falante nativo do português pode encontrar ao traduzir um texto escrito em português para o italiano. Relato a seguir as dificuldades encontradas. língua para mim estrangeira. tradutora. é um tradutor e escreve seu texto no único espaço geralmente destinado aos tradutores. . por sua vez. As notas. bem como a relação entre os dois. cada uma contendo sua respectiva nota de rodapé. O narrador. no qual o autor faz uma brincadeira com o aforismo em italiano traduttori traditori. do ponto de vista tradutório. em português: “tradutores traidores” e com a posição praticamente invisível do tradutor no texto traduzido. isto é. sou falante nativa do português e estou traduzindo para o italiano. são utilizadas pelo narrador/tradutor para comentar os fatos narrados no diário do autor que ele está traduzindo.

existiram também dificuldades com relação a algumas escolhas lexicais feitas pelo autor. de Moacyr Scliar 13 . (sempre mencionada pela inicial) era na realidade sua amante de muitos anos. Embora não seja claro a quem está o autor se referindo. ilustrando um dos grandes desafios de traduzir para línguas da mesma família. logo após. assim como o emprego das preposições – cujo uso nessas línguas muitas vezes também diverge –. e. é aqui mencionada é apenas uma amostra de sua conhecida ingratidão. tendo proporcionado tanto um maior aprendizado da atividade e do processo tradutório como um desenvolvimento significativo de uma competência reflexiva acerca da estrutura e do funcionamento da língua italiana. em certos contextos diferente da do italiano. O tom depreciativo com que N. ao menos em parte. a interferência do português em expressões fixas do italiano. afirmar 1 que N. é importante ressaltar que este trabalho se mostrou um excelente exercício. por fim. como seu tradutor e amigo. da qual ela aliás nunca se queixou. representava uma aventura de desfecho imprevisível. No entanto. alguns comentários que julgo relevantes para uma publicação com fins didáticos. onde ela trabalhava como secretária na pequena editora que publicou a primeira coletânea de seus poemas. Apresento a seguir o texto com minha tradução e. uma vez que essas expressões variam segundo o uso pragmático da língua. O relativo sucesso dessa obra se deve.Dentre as dificuldades gerais estão: a estrutura gramatical do Notas ao pé da página português. Conheceu-a na França. do ponto de vista mercadológico. 12 12 discursos retextualizados “Notas ao pé da página”. aos esforços da própria N. Exemplos dessas dificuldades serão ilustrados e explicados nas notas ao fim deste texto. posso. Foi ela quem obteve do proprietário da editora (e para isso teve de prestar-lhe certos favores) a relutante concordância para um empreendimento que.

de Moacyr Scliar 15 . todas as noites ela vinha ao meu hotel. traía também sua desmedida ambição. aliás. Aguardou-me no aeroporto encontros eram facilitados pelo fato de o poeta. 2 Fui visitá-lo porque me convidou. dormindo juntos. Note-se que não menciona meu nome. ansiedade que. na melancólica passagem. ele tentava estabelecer contatos com pessoas que lhe pareciam importantes – uma categoria na qual eu me enquadrava por minha De novo. N. Nossos aguardava. Portanto. O que quer o autor dizer com “eu percebia algo”? A 3 reputação como tradutor. a característica reticência deste diário. estaria à minha inteira disposição. interessado em divulgar sua obra. De fato ela foi gentilíssima. a alusão a sua seu desvelo era para mim – recém-saído de um traumático divórcio – amparo e consolo. “Ele veio nos visitar em setembro. ter optado por com flores e tudo. 14 12 discursos retextualizados “Notas ao pé da página”. Anunciou-me que N. Odiava-me. morar só. A brevidade do comentário não dá ideia da ansiedade com que me essa altura já estávamos. mas era impossível que o nosso affair lhe passasse desapercebido. pretensa perspicácia não passa de bazófia típica.” É a este tradutor que ele se refere. e eu. homem de difícil relacionamento.

Mais uma vez mente.” Aliviado? Não. O autor também não fala da áspera 5 discussão que tivemos. elogiando minhas traduções. a partir desta página. mudou por completo. a pobre N. e eu nos casamos. “Sozinho. e disse: gosto até das suas notas ao pé da página. anunciei-lhe que nunca mais traduziria um único verso dele. ele nos mandou um telegrama. “Notas ao pé da página”. exasperado. N. Antes de nos separarmos. Mente. Quando N. Da última vez que nos vimos. enfim. fixo. Não sei se poderei deixá-lo. Ofendeu-me tanto que. ele é tão desamparado. praticamente arrojando-se aos meus pés – era uma submissão abjeta – implorou-me que continuasse sendo o seu tradutor. Nesse particular. de Moacyr Scliar 17 . proclamo: não tenho nenhuma razão para duvidar de sua porém. desesperou-se. exigi que cumprisse a promessa que me fizera. pouco antes de sua morte. Abalada. anunciou que iríamos viver ele veio com a bajulação habitual. N. Acabei concordando (a presente tradução do seu diário é prova disso) porque nunca duvidei de seu valor literário. disse. 16 12 discursos retextualizados sinceridade. e daqui do pé da página. olhou-me 4 juntos. passou por momentos de cruel indecisão. Nesse momento. implorou-lhe de joelhos que não o abandonasse. Eu. Note-se que. não é mais mencionada.

Era stata lei ad ottenere dal proprietario della casa editrice (e per questo ha dovuto prestargli certi favori) la riluttante concordanza a lanciarsi in un’impresa che rappresentava un’incognita di marketing. è menzionata è un piccolo campione della sua già conosciuta ingratitudine. L’aveva conosciuta in Francia dove lei lavorava come segretaria nella piccola casa editrice che ha pubblicato la prima raccolta dei suoi poemi. “Notas ao pé da página”. come suo traduttore e amico. Il relativo successo di questa opera risulta. de Moacyr Scliar 19 . Il tono spregiativo con cui N. posso affermare che 1 N.Note a piè di pagina Nonostante non sia chiaro a chi si riferisca l’autore. almeno in parte. di cui lei in realtà non si è mai lamentata. dagli sforzi della propria N. (sempre menzionata con l’iniziale) era in realtà la sua amante da molti anni.

aveva scelto di vivere Mi aspettava all’aeroportoI con fiori e il resto. de Moacyr Scliar 21 . N. Infatti. “Lui venne da noi in settembre. Mi ha annunciato che N. la caratteristica reticenza di questo diario. Si nota che non menziona il mio traumatico – sostegno e consolazione. è stata gentilissima. La brevità del commento non trasmette l’idea qualcosa”? A quel puntoIII stavamo. ed io dormendo insieme. Sono andato da lui perché mi aveva invitato. Interessato alla divulgazione della sua opera. Mi odiava. Cosa vuol dire l´autore con “io percepivo 3 grazie alla reputazione di traduttore di cui godevo. sarebbe stataII a mia da solo però era impossibile che il nostro affair gli fosse impercettibile. I dell’ansietà con cui mi stava aspettando. il suo zelo era per me – appena uscito da un divorzio perspicacia non è dunqueIV altro che un modo di pavoneggiarsiV. L’allusione alla sua supposta intera disposizione. uomo di difficile convivenza. 20 12 discursos retextualizados “Notas ao pé da página”. lui provava a fare contatti con le persone che gli sembravano importanti – categoria in cui io ero incluso Di nuovo. Ogni notte lei veniva nel mio hotel. nome.” Ed è proprio a questo traduttore che lui si riferisce nel malinconico 2 brano. ansietà che oltretutto tradiva la sua smisurata ambizione. nostri incontri erano facilitati dal fatto che il poeta.

” Sollevato? No. si è buttato praticamente ai miei piedi – era un’abietta sottomissione – mi ha implorato che continuassi ad essere il suo traduttore. e da qui dal piè di pagina proclamo: non ho nessun motivo di dubitare della sua detto. Non so se potrò lasciarlo. Quando N. è cambiato completamente. ha vissuto momentiVI di crudele indecisione. L’autore non parla neancheVII dell’aspra 5 discussione che abbiamo avuto. Sconvolta. N. esasperato. lui ci ha inviato un telegramma. lui ha ricominciato ad “Solo. ed io ci siamo sposati. In questo momento. In rapporto a ciò. Mi ha offeso tanto che. lui è così indifeso. ha anche le Sue note a piè di pagina. de Moacyr Scliar 23 . l’ho costretta a compiere la promessa che mi aveva fatto. gli ho annunciato che mai più avrei tradotto un unico verso suo. si è disperato. la povera N. Prima di lasciarci. Io. L’ultima volta che ci siamo visti. 22 12 discursos retextualizados sincerità. Si nota che da questa pagina N. finalmente. Di nuovo mente. Alla fine ho concordato (la presente traduzione del suo diario ne è una prova) perché non ho mai dubitato del suo valore letterario. l’ha implorata in ginocchio di non abbandonarlo. mi ha guardato fisso e ha detto: mi piacciono 4 saremmo andati a vivere insieme. gli ha annunciato che noi adularmi elogiando le mie traduzioni. Mente. però. un po’ prima della sua morte. non è più menzionata. “Notas ao pé da página”.

Disponível em: <http://dizionari. 2001. E. Milano: Garzanti Linguistica. dição do tradutor/personagem do conto. enquanto do verbo. Mini Aurélio: o minidicionário da língua portuguesa. para ilustrar o nível de eru- Fontes. português-italiano. GARZANTI. 2007. Giovanni Battista. o que não aconteceu no texto em português. São Paulo: Companhia da palavra em português (‘alardear’. lugar consultei o dicionário para compreender melhor o significado SCLIAR. estaria a minha inteira disposição”). em italiano. In: ______. I dizionari mini garzanti italiano. POLITO. A sugestão dessa ferramenta foi perfeita. ed. utilizado no texto original. 4. 2010. em primeiro São Paulo: Melhoramentos. no caso do texto: “Aguardou-me no Outro exemplo de expressão fixa do italiano divergente. mas preservando a clareza. ‘exibir vaidosamente’. Notas ao pé da página. MORETTI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. L’italiano come seconda lingua nelle varietà del suo repertorio scritto e parlato. No texto em português o autor utiliza a palavra bazófia. André Guilherme.Notas de tradução termo de baixa frequência de uso. assim como bazófia. Em portu- VI aeroporto”.: “N.corriere. foi utilizada no meio da frase. que é pouco V conhecida e de baixa frequência de uso. Dessa forma. consultei diversos dicionários e as ferramentas da internet. em italiano se diz a quel em: 26 dez. Dizionari e traduttori. isso não acontece. utiliza-se o tempo composto. Já na tradução para o italiano: a forma simples do tempo que em italiano é conhecido por condizio- “L’autore non parla neanche”. FERREIRA. ‘contar vantagem’). 1995. p. utiliza-se também é utilizada antes do verbo. a conjunção neanche é utilizada depois nale presente (ex. DISTOLI. Michaelis pequeno dicionário: italiano-português. Aurélio Buarque de Holanda. Exemplo de uma expressão fixa do italiano diversa da do português. podem começar a frase. na frase: “O autor também não fala”. chamado condizionale passato (ex. e ampl. II que em italiano. a conjunção dunque. Contos reunidos. III Referências CORRIERE DELLA SERA. Perugia: Guerra Edizioni. a preposição utilizada é a + artigo definido: “Mi aspettava all’aeroporto”. sua legibilidade é alta. em que conjunções conclusivas. sarebbe stata a mia intera disposizione”). rev. 371-375. punto. Em português usa-se a preposição em + artigo definido para indicar o I lugar em que se espera alguém. a conjunção VII Em português. Já em italiano. Em português. mesmo sendo um verbo de baixa frequência de uso. uma vez que remete ao pavão. Sendo assim. com o sentido de conclusão. como no IV caso de portanto. Daí o verbo português pavonear que significa ‘ostentar’. A solução veio através do uso da “ferramenta de idiomas” do site Google. animal cujo comportamento é conhecido por todos pelo seu aspecto vistoso. em seguida das Letras. ao escrever uma frase no futuro do pretérito. na tentativa de encontrar uma palavra que transmitisse o significado da palavra utilizada em português. 2003.it>. pois se adequou ao argumento construído pelo autor. na tradução foi mantido o uso de um 24 12 discursos retextualizados “Notas ao pé da página”. Dessa forma. Parola chiave: dizionario di italiano per brasiliani. Acesso Enquanto em português se diz a essa altura. de Moacyr Scliar 25 . São Paulo: Martins Ao contrário do português. que ofereceu como tradução de bazófia a palavra pavoneggiarsi (verbo referente ao comportamento do pavão).: “N. guês: passou por momentos. 1992. análogo ao referido verbo italiano. Carlo Alberto et al. já em italiano é: ha vissuto momenti. 2010. Moacyr.

trata-se de uma coleção de pequenas histórias meditativas sobre o homem e a sociedade.“Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere”. que remete a outros grandes pensadores. A escolha recaiu sobre esse texto uma vez que sou estudante de Filosofia e também apaixonada por literatura italiana. A tradução me interessa por necessidade e anseio . suas reflexões sobre a condição humana e sobre a moral consagraram-no como filósofo. Trata-se de um texto de grande interesse filosófico. mas na esperança e na ignorância acerca do futuro. particularmente o tema da constitutiva insatisfação e infelicidade do indivíduo. escritor e tradutor. Não há quem deseje viver novamente as mesmas coisas já vividas. exatamente da mesma maneira. mas também pela forma. Acreditamos que tal texto seja um excelente ponto de partida para introduzir o pensamento leopardiano. tais como Nietzsche e Schopenhauer. ao reproduzir a técnica dialético-maiêutica dos diálogos platônicos. cuja língua estudo há muitos anos. “Diálogo de um vendedor de almanaques e de um transeunte”. Além de poeta. de Giacomo Leopardi Sofia Noman Filizzola O poeta italiano Giacomo Leopardi foi um dos mais importantes nomes da intelectualidade do século XIX. A obra Opúsculos morais representa a principal sistematização do pensamento filosófico leopardiano. sendo considerado um dos precursores do existencialismo. Reportamos aqui a tradução de um pequeno texto presente nessa obra. Leopardi defende a ideia de que a felicidade não se encontra nas coisas vividas no passado. pois a existência humana seria constituída muito mais por dor que por prazer. No referido diálogo. não só pelo conteúdo.

pessoal. Veremos. lunari nuovi. signore. 28 12 discursos retextualizados “Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere”. contudo. non mi piacerebbe. presente no diálogo entre um vendedor e um transeunte. illustrissimo. Quis cursar a disciplina de Oficina de Tradução em Italiano para adquirir as ferramentas necessárias para aprender a traduzir de forma Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere mais consciente e segura. Passeggere A quale di cotesti vent’anni vorreste che somigliasse l’anno venturo? Venditore Io? non saprei. de Giacomo Leopardi 29 . signore. Passeggere Ma come qual altro? Non vi piacerebb’egli che l’anno nuovo fosse come qualcuno di questi anni ultimi? Venditore Signor no. por se tratar da modalidade Venditore Almanacchi. almanacchi nuovi. Passeggere Come quest’anno passato? Venditore Più più assai. Passeggere Non vi ricordate di nessun anno in particolare. algumas reflexões sobre as escolhas tradutórias que tentarei justificar. Passeggere Credete che sarà felice quest’anno nuovo? Venditore Oh illustrissimo sì. que as aparências enganam e que a tarefa empreendida exigiu pesquisa para a tradução de algumas expressões cultural e historicamente marcadas. almanacchi? Passeggere Almanacchi per l’anno nuovo? Venditore Si. Passeggere Come quello di là? Venditore Più più. Bisognano. illustrissimo. certo. Passeggere Quanti anni nuovi sono passati da che voi vendete almanacchi? Venditore Saranno vent’anni. em seguida. che vi paresse felice? oral. Escolhi traduzir um texto denso em conteúdo e aparentemente fácil no que tange ao aspecto linguístico. A seguir apresento o texto original de Leopardi e minha proposta tradutória e.

con tutto il suo bene e il suo male. Non è vero? Venditore Cotesto si sa. illustrissimo. non è la vita che si conosce. Passeggere Ma se aveste a rifare la vita che avete fatta né più né meno. 12 discursos retextualizados “Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere”. o quella del principe. Venditore Ecco. e che avendo a rifare la stessa vita che avesse fatta. non tornerei. ha trattato tutti male. Venditore Grazie. Passeggere Oh che altra vita vorreste rifare? la vita ch’ho fatta io. Venditore Lo credo cotesto. ma la futura. fino a tutto quest’anno. nessuno vorrebbe rinascere. Passeggere E pure la vita è una cosa bella.Venditore No in verità. Ma questo è segno che il caso. illustrissimo: a rivederla. come non si sa dell’anno nuovo? Venditore Appunto. Quella vita ch’è una cosa bella. piacesse a Dio che si potesse. come Dio me la mandasse. nessuno vorrebbe tornare indietro? Passeggere Ecco trenta soldi. che il bene. Passeggere Né anche voi tornereste indietro con questo patto. Venditore Cotesto non vorrei. e non saperne altro avanti. e che il principe. o di chi altro? O non credete che io. almanacchi nuovi. se a patto di riavere la vita di prima. Cotesto vale trenta soldi. il caso incomincerà a trattar bene voi e me e tutti gli altri. risponderebbe come voi per l’appunto. Passeggere Non tornereste voi a vivere cotesti vent’anni. senz’altri patti. de Giacomo Leopardi 31 . illustrissimo. Passeggere Oh che vita vorreste voi dunque? Venditore Vorrei una vita così. Passeggere 30 Così vorrei ancor io se avessi a rivivere. con tutti i piaceri e i dispiaceri che avete passati? Passeggere Dunque mostratemi l’almanacco più bello che avete. Almanacchi. e si principierà la vita felice. cominciando da che nasceste? Venditore Eh. e così tutti. non la vita passata. e anche tutto il tempo passato. E si vede chiaro che ciascuno è d’opinione che sia stato più o di più peso il male che gli e toccato. ma quella che non si conosce. Passeggere Una vita a caso. lunari nuovi. Non è vero? Venditore Speriamo. e che chiunque altro. non potendo in altro modo? Venditore Signor no davvero. caro signore. Coll’anno nuovo.

qual vida o senhor desejaria. Vendedor Excelência. de Giacomo Leopardi 33 . então? Transeunte Com qual desses vinte anos o senhor gostaria que se parecesse o ano vindouro? Vendedor Eu desejaria uma vida assim. Transeunte Almanaques. e assim também todos. Vendedor Devem ser vinte anos. ilustríssimo. até este ano. não havendo outro modo? Transeunte Quantos novos anos se passaram desde que o senhor vende almanaques? Vendedor Excelência. quisera Deus que fosse possível! Transeunte Almanaques do próximo ano? Transeunte Vendedor Sim. e também o príncipe. Vendedor Eu? Não saberia dizer. caro senhor. e que tendo que reviver a mesma vida. tal qual Deus mandasse. Transeunte Ah. nem mais nem menos. certamente. não. não me agradaria. Excelência. no entanto. Transeunte Uma vida ao acaso. Mas se o senhor tivesse que reviver a vida que o senhor viveu. ou aquela do príncipe. a vida é uma coisa bela.Vendedor Isso se sabe. que outra vida o senhor gostaria de viver? A que eu vivi. como o senhor. Transeunte Também eu preferiria dessa forma. sem outras condições. E vê-se claramente que cada um é da opinião que tenha sido maior ou mais “Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere”. Mas isso é o sinal de que o acaso. ilustríssimo. realmente não. como também todo o tempo passado. e qualquer outro responderia. e sem saber o que será. sim. começando quando o senhor nasceu? Vendedor Ah. ilustríssimo. assaz mais. Transeunte Transeunte Como nesse ano que passou? Vendedor Mais. almanaques? O senhor não voltaria a viver esses vinte anos. se tivesse que viver de novo. Vendedor Oh. Transeunte Nem o senhor voltaria atrás com essa condição. Transeunte E. ou a de quem? Ou o senhor duvida que eu. Ah. Não é verdade? Diálogo de um vendedor de almanaques e um transeunte Vendedor 32 12 discursos retextualizados Vendedor Exatamente. com todos os prazeres e desprazeres pelos quais passou? Transeunte O senhor crê que será feliz esse novo ano? Vendedor Isto eu não ia querer. de fato. almanaques novos! Calendários novos! Excelência. ninguém iria querer voltar no tempo? Transeunte Mas como qual outro? Não agradaria ao senhor que o novo ano fosse como algum desses últimos anos? Vendedor Nisto eu acredito. não voltaria. a todos tratou mal. assim como não se sabe a respeito do novo ano? Transeunte O senhor não se recorda de nenhum ano em particular que lhe parecesse feliz? Vendedor Na verdade não.

Após o título. que é uma coisa bela. ‘forasteiro’ e. palavra geralmente desconhecida e verbete ausente nos dicionários italianos mais recentes. então. mas a futura. conforme informa o Dizionario Italiano Sabatini Coletti. e. classificando-os como variantes menos frequentes da palavra contemporânea passeggero. corresponde em português a passageiro. Transeunte Aqui estão. COLETTI. 2 34 12 discursos retextualizados “Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere”. não é a vida passada. tendo sua origem no francês passager. A busca nos dicionários italianos por uma compreensão precisa de seu significado resultou imediatamente proveitosa com relação à palavra almanacco. o termo adquire o significado de ‘transeunte’. Dizionario Italiano Sabatini Coletti.pesado o mal do que o bem que lhe coube. de Giacomo Leopardi 35 . p. Questões acerca da tradução O texto de Leopardi data da primeira metade do século XIX. Com o ano novo. o termo foi criado no século XIV. forma singular da palavra almanacchi. optei por empregar a palavra transeunte. tive algumas dificuldades. se ao custo de reviver a vida de antes. por ter sido adotada em diversas traduções para o espanhol. Atualmente. mas aquela que nós não conhecemos. em uma acepção mais antiga. Trata-se de um tipo de almanaque ou calendário com dados astrológicos. O primeiro desafio foi o de traduzir a palavra passeggere presente no título. Almanaques. trinta contos. Este vale trinta contos. até de ‘barqueiro’. com todo o seu bem e o seu mal. O verbete lunare consta em todos os dicionários consultados SABATINI. Transeunte Mostre-me. outro desafio foi traduzir as palavras almanacchi e lunari. ainda. Ela foi criada no século XIV. não é a vida que conhecemos. no meu entendimento forma singular de lunari – já que as palavras italianas no plural que acabam por -i costumam terminar em -e no singular –. ilustríssimo. em literatura. o almanaque mais belo que o senhor possui. 1 SABATINI. por parecer mais adequada ao contexto e. até a vista. culturais e meteorológicos. almanaques novos! Calendários novos! bete que o Dizionario Italiano Sabatini Coletti registra também os termos passeggere. Não é verdade? Vendedor Esperemos que sim. há no texto expressões não comuns para a língua italiana contemporânea. 43. passeggiere e passaggiero. comerciais.1 Contudo. indicando o viajante.2 Já para entender o significado da palavra lunare. ninguém gostaria de renascer. Aquela vida. Na minha tradução para o português. e terá início a vida feliz. Quando é empregada com função de adjetivo ou qualificador indica uma condição transitória do ser ou do objeto ao qual faz referência. E é sob esse ver- Vendedor Aqui está. Vendedor Obrigado ilustríssimo. o acaso começará a tratar bem ao senhor e a mim e a todos os outros. 1828. A palavra com entrada lexical no dicionário mais parecida e de alta frequência de uso é passeggero. COLETTI. quando empregada com função de substantivo. Dizionario Italiano Sabatini Coletti. o mesmo dicionário italiano informa que. p. mesmo que a língua italiana não tenha mudado tão rapidamente quanto outras línguas românicas.

verifiquei que o lunario é um tipo de alma- portanto. [. O pronome italiano voi. a cação é didático. sendo réis a forma plural de real representam o mesmo objeto. gostaria de assinalar. geralmente. isso não constituiria um problema de à moeda atual. em português traduzi por senhor e. E ao longo do tempo o uso dessa palavra persistiu. e origina-se. continuou-se a utilizar a expressão conto. sem exceção. um vendedor estava vendendo almanaques e mais algum outro objeto que tinha alguma relação com a lua. e foi constituído a partir do modelo de bestiário. O termo foi criado no século XVI. Houve então um estranhamento. costuma ser utilizada por pessoas na faixa da terceira idade e/ou com Uma outra escolha tradutória que merece uma observação é o pro- um nível sociocultural relativamente baixo. Essa palavra compreensão textual. A tradução de trenta soldi deveria. quando empregadas com função de alocutivo por ilustríssimo ou Excelência. de Giacomo Leopardi 37 . não havendo outro modo? Vendedor Excelência. mas dispomos apenas da palavra alma- a substituição do real pelo escudo. existindo então expressões como disco lunare. tivas com relação ao ano novo e ao futuro. e não em torno do conteúdo sem muito valor ou. Lembrou-me que as palavras no singular terminadas por -io fazem o o nome dado na Itália até a segunda guerra mundial à moeda de cinco plural em -i. Pode ser empregada também nome de tratamento entre as personagens. centavos de uma lira italiana. com a proclamação da República em naque. A expressão italiana: trenta soldi remete. traduzi por o senhor. − pareceu-me o mais apropriado. indica o paga- sora alertou que a forma singular do substantivo plural lunari é lunario. naque popular que registra os meses e os dias do ano.] faz referência à lua. dá conselhos. meteorológicas. que em italiano se dirige ao transeunte alternando as formas de signore com a de illustrissimo. Sabemos que Portugal. realmente não. corresponde em português a dinheiro. no texto. a um valor expresso em moeda antiga e não mais utilizada. identificar. o classificam como um adjetivo relacionado a algo que Na verdade não. referindo-se do almanaque ou do calendário. as palavras em italiano almanacco e lunario termo conto − redução de conto de réis. do latim. Resolvido o problema.Vendedor que. fase lunare. Por honestidade intelectual e uma vez que o propósito desta publi- Para concluir minhas observações. como sinônimo de dinheiro antigo. mas car mil escudos. denominação dada ao dinheiro para a e declaro que fui apressada e superficial em minha busca. Hoje como o cerne do diálogo entre as personagens gira em torno das expecta em dia ela é utilizada. ainda. A palavra soldo. mesmo no caso específico do Brasil. não voltaria. assim como fazem. superfície lunare etc. ao vendedor. ainda. mento que se fazia aos soldados romanos e aos mercenários e era.. Minha profes- compra dos almanaques. portanto. ilustríssimo. São exemplos as frases que seguem: 36 12 discursos retextualizados “Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere”. em substituição ao seu nome verdadeiro. as previsões Esclareço que na língua italiana contemporânea a palavras soldi. Mesmo após rentes para esse mesmo objeto. pois. O Em síntese. aquelas terminadas por -e. escolhi por traduzir a palavra lunari por calendários. portanto. utilizada sem numeral e no plural. receitas etc. sendo que almanacco é termo mais antigo. que intencionalmente por pessoas cultas para indicar o valor irrelevante de marca um tratamento formal e é utilizado pelo transeunte ao se dirigir algum objeto. o horóscopo.. ser feita utilizando uma palavra que remetesse a uma moeda antiga fora de circulação. Já com relação ao vendedor. no singular. as fases da lua. pois é uma denominação antiga ado- Na tradução. aceito o risco da crítica de meus colegas e dos leitores tradução do termo italiano soldi. ambas formais. mas que eu não conseguia Transeunte Nem o senhor voltaria atrás com essa condição. já que em português não temos duas denominações dife- tada no Brasil e em Portugal para indicar um milhão de réis. empregada para indi- o calendário não contém todas as informações de um almanaque. geralmente.

GENTILI. Giacomo. Disponível em: <http://parole.IT: La Grande Libreria Online. Dialogo di un venditore d’almanacchi e di un passeggere. Bologna: Nicola Zanichelli. 3. 2011. Ora apresenta-se a conativa. Francesco. traduzir significa interpretar. Disponível em: <http://dizionari. do tradutor. por exemplo.it/parole/vocabolario/index. 1944. 115. é isso mesmo. nesse nosso caso. COLETTI. html?pmk=saphpcatsbsxvoca>. ou até mesmo idiota. p. uma imagem que para nós pode parecer sem sentido. de forma parecida com uma partida de xadrez. “Delle mille e una ragione di fare il clown e di essere clown”.virgilio. ed. e o que é ser e fazer palhaço. e o palhaço não fala por metáforas e tampouco com rodeios. Vittorio. Manuale del traduttore – guida pratica con glossario. para um palhaço não é. 2011. riveduta. Como sou atriz e palhaça. permitindo-se ser idiota ou. p. Jéssica Tamietti de Almeida it/Dizionario_Italiano/parola/passeggero.1 Dessa forma. o processo de tradução se torna uma aposta como em um jogo. colocar a língua para fora e girá-la de um lado para o outro. Trabalhar com esse texto foi muito interessante. SABATINI. Acesso em: 08 set. O que Gilles Defacque evidencia em seu texto é que o palhaço quebra todos esses olhares sociais. 1997. Segundo Umberto Eco. PASSEGGERO. simplesmente. Minha aposta nesse texto é muito simples: quem fala é um palhaço. In: ______. Acesso em: 08 set. o verdadeiro significado daquele texto. 1 38 12 discursos retextualizados . Firenze: Giunti. de alguma forma. e interpretar significa também apostar que o significado que atribuímos a um texto é. quando fala em girar a língua. Cada escolha é baseada no conhecimento prévio de cada jogador. em que cada passo é influenciado por um conjunto de escolhas e decisões tomadas anteriormente. o que ele diz é exatamente aquilo que quer dizer. de Gilles Defacque Giovanni. VIRGILIO Parole. ou colocála para fora. Operette morali. escolhi naturalmente traduzir um texto sobre o palhaço.aspx?idD=1&Query=passeggero&lettera=P>. Dizionario Italiano Sabatini Coletti. a de querer que o outro faça o que o falante pede – nesse caso tratei de traduzir expressões ECO citado por OSIMO. 1 CD-ROM. In: HOEPLI. ele encerra em si diversas funções textuais. Portanto. 313-315.Referências LEOPARDI.hoepli.

A expressão hai il fuoco di Sant’Antonio o cosa? é um exemplo do Em português. intralciato. p. E. resultaria em português em derreter o gelo. uma vez que transmite anseios e frustrações.. impediu. o da varicela-zóster. professores ou traduzida por ter papas na língua. embora retenha o mesmo efeito geral de sentido no contexto e no co-texto específicos. Trata-se. lasciar fare alla língua vertida pessoas mais velhas –. perseguiu. a alteração da ordem das palavras. 108. fazer palhaço. Outro exemplo é sbellicare dal ridere. o autor quer dizer que todos nós estamos o tempo todo cercados por ordens e que o palhaço vem para quebrá-las. quando a forma pragmaticamente correta é quebrar o gelo. ora a função informativa. na Itália. Perguntar. isto é. braccato. outras. No Brasil. do discurso Um exemplo dessa modalidade é o trecho que segue em italiano: de todas as mães. típicas da moda- observar que o sujeito e o verbo estão no final da frase expressos por io lidade da língua oral.. a sensação de coceira e ardor. Podemos porém. Poderíamos dizer. ou seja. expressões específicas de cada língua e. pois é através do contraponto entre elas que o texto expressa sua principal mensagem. pois. Em italiano. contudo traduzido por morrer de rir ou a expressão tener ferma la língua AUBERT.”. como. Buon divertimento a todos! também como o santo protetor do fogo. nome dessa doença faz analogia a Santo Antônio. sendo causadas pelo mesmo vírus. Modalidades de tradução: teoria e prática. Tutto ciò che mi ha legato. de Gilles Defacque 41 . sintomas típicos da doença fuoco di Sant’Antonio. Sobre o significado da expressão. bém uma mãe que fala em português.] disfo e que os complementos estão no começo. assim: “Eu desfaço de tudo aquilo que me prendeu. aquele mesmo fogo que lembra o prurido. ainda.ligadas à autoridade exercida sobre a criança pela mãe. grosso modo. a mesma doença é chamada de “cobreiro” ou “cobrelo”. traduzida literalmente. com base em Francis Aubert É fundamental preservar no texto traduzido as funções do texto de sempre que um determinado segmento textual for traduzido de modo a impor um deslocamento perceptível na estrutura semântica de superfície. a frase começa que não poderia ser traduzido de forma literal. de saber fazer escolhas e que trata-se de uma infecção viral dolorida de um ou mais nervos. seguida pelo verbo e seus complementos. rir até a barriga estourar. que explica o que é para deixar a língua solta. ainda. com o objetivo de fornecer ao leitor ou ao meu especta infecção cria uma erupção cheia de bolhas. que em alguns pontos o texto possui função emotiva. conhecido. As bolhas parecem idênticas às da varicela. [.. trata-se. Na primeira parte. região do nervo afetado. por exemplo. no texto que ora apresento. parece que a personagem é italiana e dá as ordens em italiano para uma criança. A apostas acertadas. o Apresento a seguir o texto-fonte da tradução em italiano e minha proposta tradutória em português. tendo ficado tuguês se alguém tem “o fogo de Santo Antônio” não faz sentido algum. io lo disfo. da mesma forma como faria tam- Em outros casos adotei a modalidade tradutória da transposição que ocorre quando há rearranjos morfossintáticos.. de autoridade. Em termos linguísticos existem. 2 40 12 discursos retextualizados “Delle mille e una ragione di fare il clown e di essere clown”.2 partida. gerando coceira e dor na dor aquela mesma emoção vivida pelo fruidor do texto de partida. um site italiano sobre saúde informa Nesse jogo de tradução. A tradução para o português ficou então assim: “Você tem cobreiro ou o quê?”. seguindo a ordem natural da língua. No texto há outros exemplos de locuções fixas como sciogliere il ghiaccio que. enfim. Todas essas expressões foram traduzidas pela modalidade tradutória da modulação que ocorre. em por- com o sujeito. A meu ver.

È sempre uguale: mai uguale. Quando il clown appare sulla scena: come una nascita. 3 42 12 discursos retextualizados “Delle mille e una ragione di fare il clown e di essere clown”. il pubblico. come si dice. le parole del mio dialetto piccardo divieto di soggiorno ecc. Non fischiare! Non ti sporcare! Soffiati il naso Smettila di ridere! Non cantare: non sei capace! Hai proprio bisogno do gridare quando giochi?! Ecc. E giocare con gli altri. Invade . Tirare fuori la lingua troppo in fretta. In fila! Due per due! Fila indiana! Tornerete a casa quando state zitti! Non uscirete di qui sino a quando non ci sarà silenzio assoluto! Parlerai solo dopo i grandi! Sì: girare la lingua girarla e rigirarla finchè diventi pazzo e non osi più uscire.. Dai la mano! Di’ buongiorno! Meglio così. è questo il nome del mio clown. per esempio. E ci Documento d’archivio fine del XX secolo. Diciamo: abbandono spesso la pelle della persona seria. in un gioco di massacro gioioso che si chiama rappresentazione. ti dico. Bisogna sciogliere il ghiaccio. si libera anche in relazione agli altri.parole grosse. parlare senza “ riflettere” è molto mal visto da chi sa riflettere parlando: e in generale sono loro che insegnano agli altri a “tener ferma la lingua” Fare il clown: lasciar fare alla língua lasciar passare le parole come una corrente d’aria .Delle mille e una ragione di fare il clown e di essere clown3 Gli Artisti Lês clowns Poupinou Piquemuque Du Prato Francia Gilles Defacque Alain D’Haeyer Stai dritto. Poupinou. sì perché l’energia che mi faceva sbellicare dal ridere e che finiva per far ridere gli altri (o per esasperarli violentemente) era tanta. quelle che volano quelle che costano care. braccato. spettacolo. ma che invade inevitabilmente nell’universo quotidiano. Tutto ciò che mi ha legato. non ho sentito! Vuoi una sberla o cosa? sono molte paure. bruciare lo sguardo sociale. intralciato. meglio di così! Più forte. tende la mano allo spettatore: è la sua “entrata”. de Gilles Defacque 43 . lascio passare più facilmente il mio clown mentre una volta all’università.. io lo disfo me lo lavo via con il pubblico in un bagno di piacere. La schiena! La schiena! Non metterti le dita nel naso! Non mangiarti le unghie! Le mani! Le mani! Smettila di muoverti! Hai i vermi? hai fuoco di Sant’Antonio o cosa? Sei malato? Raddrizzati o rimarrai gobbo! Non fare lo strabico! Fare il clown: immergersi in tutto ciò che non si ha avuto diritto di fare. Questa energia liberata sulla scena. Stracciare. Giocare a essere idiota.. lo schiacciavo per essere come tutti ed avere l’aria intelligente. come in tutti i primi momenti di un incontro. Un gesto antico: toccare la mano. sporche. grigie.

inevitavelmente. deixar passar as palavras como uma corrente de ar – palavras grandes. espetáculo. lhe digo. Quando o palhaço aparece em cena: é como um nascimento. sujas. Dê a mão! Dê bom dia! Melhor assim.. Documento de arquivo final do século XX. É sempre a mesma: e nunca igual. invade o universo cotidiano. melhor assim! Mais alto. um jogo de massacre alegre que se chama representação. Brincar de ser idiota. de Gilles Defacque 45 . mas que. como todos os primeiros momentos de um encontro. Um gesto antigo: apertar as mãos. Fazer palhaço: deixar a língua solta. até que se torne louco e não ouse mais sair. girá-la e regirá-la. proibido de residir etc. por exemplo. Poupinou. sim. impediu. Invade. Despedaçar.. Digamos: abandono frequentemente a pele da pessoa séria. Essa energia liberada sobre a cena se libera também em relação aos outros. deixo passar facilmente o meu palhaço. eu não ouvi! Você quer um tapa ou o quê? Em fila! Dois a dois! Fila indiana! Voltarão para casa quando ficarem calados! Não sairão daqui enquanto não houver silêncio absoluto! Falem só depois dos mais velhos! Sim: girar a língua. este é o nome do meu palhaço. Jogar com os outros. estende a mão ao espectador: é a sua “entrada”. porque a energia que me fazia morrer de rir e que acabava por fazer rir os outros (ou para exasperá-los violentamente) era muita. como se costuma dizer. aquelas que voam. queimar o olhar social.Das mil e uma razões de fazer palhaço e de ser palhaço4 Os Artistas Lês clowns Poupinou Piquemuque Du Prato Francia Gilles Defacque Alain D’Haeyer Fique direito menino! As costas! As costas! Não coloque os dedos no nariz! Não coma as unhas! Olha as mãos! As mãos! Pare de se mexer! Você está com vermes? Você tem cobreiro ou o quê? Você está doente? Fique direito se não vai ficar corcunda! Não fique vesgo! Fazer palhaço: mergulhar em tudo o que você não teve direito de fazer. falar sem “pensar” é muito mal visto por quem sabe pensar falando: e em geral são eles que ensinam aos outros a “ter papas na língua”. as palavras do meu dialeto picardo. E existem muitos medos. perseguiu. É preciso quebrar o gelo. as que custam caro. lavo fora com o público em um banho de prazer. o público. Não assovie! Não se emporcalhe! Assoe o nariz! Pare de rir! Não cante: você não pode! Você precisa mesmo gritar quando brinca?! Etc. cinzas. Eu desfaço de tudo aquilo que me prendeu. Colocar para fora a língua demasiado rápido. 4 44 12 discursos retextualizados “Delle mille e una ragione di fare il clown e di essere clown”. quando estava na universidade. o esmagava para ser como todos e ter um ar inteligente.

vivendo portanto dois papéis distintos. 1998. É como no caso de Na minha cozinha eu sou mais eu! 46 12 discursos retextualizados . 1. 2011. 99-128. Acesso em: 15 fev. NEGRI. Delle mille e una ragione di fare il clown e di essere clown. No caso da expressão receita de fios de ovos. 2005. A peperata. o autor transformou-se em tradutor da sua própria obra.Referências AUBERT. assim como os fios de ovos. TradTerm. Bruno. Modalidades de tradução: teoria e resultados. de José Carlos Rodrigues Humanitas – FFLCH/USP. Rossano. In: BALSINELLI. 47.br/tratamento-cobreiro. é inevitável o uso da modalidade de tradução indireta. O desafio aqui apresentado a um falante do português é traduzir para uma língua estrangeira da qual ainda é aprendiz. modulação e explicitação. Milano: Rizzoli. usado como complemento de pratos. p.html>. 5. preferimos traduzir por peperata veronese. que faz mais sentido para os italianos. Por se tratar de um monólogo teatral. a tradução literal da expressão para o italiano poderia constituir alguma dificuldade de compreensão. Manuale del traduttore – guida pratica con glossario. v.it/salute/fuoco- santantonio. Livio. Nesse caso usamos a modalidade tradutória da adaptação. n. COMO tratar o cobreiro. José Carlos Rodrigues DEFACQUE. Disponível em: <http://saude. é um molho apimentado.uol. conhecido na região do Veneto. Empregamos a modalidade da modulação em alguns casos em que. Francis Henrik. Acesso em: 15 fev. evidenciando algumas modalidades tradutórias utilizadas. O texto a ser traduzido para o italiano é uma criação literária do próprio tradutor. p. Esse é um modo de traduzir que costuma se afastar do texto original tanto no nível morfológico quanto sintático. OSIMO. Guida al mimo e al clown. Gilles.my-personaltrainer.htm>. 2011.com. ou seja. embora seja fácil entender o significado em português.hsw. O objetivo deste texto é mostrar algumas dificuldades de tradução de textos coloquiais. São Paulo: “A dona de casa perfeita – um monólogo teatral”. Disponível em: <http://www. repleto de expressões típicas da língua oral. Itália. Milano: Hoepli. A seguir apresentamos alguns exemplos em que foi utilizada a forma indireta de tradução por meio das modalidades da adaptação. IL fuoco di Sant’Antonio. mesmo não se tratando de uma receita à base de ovos. 1982.

. São duas semanas sem empregada. fui abduzida por um extraterrestre.. no meio das caixas. — Eu sei muito bem de onde você tirou essa história de fios de ovos! Como se os meus fios de ovos não fossem melhores que os dela. Porque. optamos por voador. a sonoridade e o ritmo são elementos relevantes para dar colorido Desculpem eu estar tão nervosa. traduzido literalmente A dona de casa perfeita – um monólogo teatral para o português. Dessa forma. para traduzir “usei [. Parecia uma joia. também. para é uma conhecida casa de dança em Belo Horizonte. Então. esclarecendo.” Dei as contas na foi intencional para criar a tensão crescente daquela cena. para o trecho “me desprezam como a uma Faltou uma semana e: “— Dona Rita. Fantasy”.traduzido por Nella mia cucina comando io! que. que espremi a última gota de meu leite para fazê-los da explicitação pelo acréscimo. vaca. que se trata de uma casa de dança. dessa forma.. para a qual Ah! Desde quando um negão é um extraterrestre? “— Olha. é importante lembrar também que no teatro. quase certamente que o meu sacrifício fosse válido e notório. Essa escolha tar mais antes que eles aprendam o caminho aqui de casa. de José Carlos Rodrigues 49 . que crescer fortes e lindos. que devia ter expulsado aquela vaca da minha casa na mesma hora! Na minha cozinha eu sou mais eu! Outro dia eu estava na cozinha e o armário do quarto despencou.. que já constava no texto em italiano. meu deus! Deus! Fazei com que não seja um Entretanto. a palavra vaca foi traduzida por puttana – termo semanticamente equivalente – como forma (Sai e volta equilibrando um livro na cabeça. Bruuuuuummm! Corri e estava lá. Eu chorei 48 12 discursos retextualizados “A dona de casa perfeita – um monólogo teatral”. Vaca! Seguem o texto em língua portuguesa e a proposta tradutória em italiano. para evitar a repetição da palavra vacca. mocinha.] no Fantasy”. Peço que não riam. disco é possível que haja uma expressão equivalente em italiano. eu. porque a cena é muito referida. Vaca. a palavra puta não foi traduzida para o italiano. vaca. me fazem sentir desconhecida do leitor italiano.. quando dá de aparecer não para mais. eu que lhes dei o que havia de Foi necessário empregar outra modalidade tradutória indireta. É o silicone! poesia. é melhor você não vol- uma tradução quase literal e tão longa quanto no português. como na caroço.. Ai que ódio! Ai que vaca! Ai que ódio de mim. ai que ódio! Aquela vaca da Valquíria teve o desplante de vir aqui em casa. O universo feminino é vasto e complexo. Já na expressão aquela vaca da Valquíria?. A explicitação e o acréscimo na porta de um pulgueiro da rodoviária? consistem em adicionar no traduzido o correspondente a “para dançar no Nossa! Como isso é forte! Parece que eu estou engolindo uma bola. me desprezam como a uma cadela abandonada ficou assim: “usata per ballare al Fantasy”. por exemplo. Senta-se numa cadeira. à fala. porque queria me ensinar a fazer fios de ovos.. ingratos. a tradução indireta também de me permitir apresentar às senhoras e aos senhores uma pequena amostra é bastante utilizada. Por termos optado pela expressão acima sentarei a perfeita dona de casa.) de recuperar a palavra omitida e. hora. Eu. seria: Na minha cozinha quem manda sou eu! ou Na minha cozinha eu dou as cartas!. Queria. que em desse complexo universo. Ai. É o caso da tradução de ficar puta da vida. a minha sandália prateada.. Senhoras e senhores. Assim.” cadela abandonada na porta de um pulgueiro da rodoviária”. Eu vou sair por um instante e na volta lhes apre- italiano tornou-se incazzarsi. a tradução para o italiano a mais abjeta das criaturas. dramática e triste. a melhor em mim. Eu gostaria No caso de gírias e ditos populares. que vai subindo por aqui e. que fiz pingar a última gota de meu sangue. Parecia que o prédio estava implodindo. Aaaaaaaii! Ingratos! Ingratos! Eu.

sono stata rapita da un alieno. Non ridete. Até queimou o meu almoço. A última vez que eu usei faz dez anos. fra le scatole. Mi piacerebbe presentarvene un piccolo campione. Voleva insegnarmi a tutti i costi. È il silicone! Mi dispiace. disprezzata come una cagna abbandonata sulla porta di un albergaccio vicino al terminal rodoviario? Uffa! Come è forte! Sembra che una palla mi salga in gola e. Esco per un attimo e ed eccomi trasformato in una casalinga perfetta. — Lo so benissimo dove hai sentito parlare della mia peperata. não tenho? Signore e signori... Perché. Sembrava un gioiello. che ho (Sai. la mia scarpa dorata. Quindi è meglio che Lei non torni qui prima che loro imparino l’indirizzo di casa. mi fate sentire la più abietta delle creature.. sono troppo nervosa. vi prego. ma è da due settimane che sono senza la colf. io. È mancata per una settimana e: — Signora Giuseppina. Ai! Ingrati! Ingrati! Io. Ai. a preparare la peperata veronese. eu era feliz La casalinga perfetta – un monologo teatrale e não sabia. Buuuuuummm! Sono corsa ed era lì. è una scena drammatica e triste. io che vi ho dato il meglio di me.tanto. Io. Agora: eu não tenho razão de ficar puta da vida com aquela vaca da Valquíria? Eu não tenho razão de ficar puta da vida com os meninos? Tenho. 50 12 discursos retextualizados “A dona de casa perfeita – um monólogo teatral”.. ingrati. Che odio! Che odio che ho di me per aver lasciato entrare quella cagna a casa mia! — Nella mia cucina comando io! L’altro giorno ero in cucina e ho sentito crollare l’armadio della camera da letto. quei dischi volanti.. oh che odio! Quella vacca della Valkyria ha avuto il coraggio di venire qui. vacca. gente. está na hora da minha novela. no Fantasy. Come se la mia peperata non fosse la migliore di tutto il Brasile. Sembrava che l’edificio intero stesse implodendo. L’ho licenziata su due piedi. Oh Dio mio! Dio mio! Fa’ che non sia un nodulo.. perché il mio sacrificio fosse valido e degno di nota. Si siede su una sedia.) spremuto l’ultima goccia del mio latte per farvi crescere forti e belli.) Desculpem. Che vacca! Vacca. L’universo femminile è vasto e complesso. che ho fatto cadere l’ultima goccia del mio sangue. vacca. de José Carlos Rodrigues 51 . (Olha no relógio.) (Esce e ritorna equilibrando un libro sulla testa. Ah! Da quando un negrone può diventare un extraterrestre? — Guardi signorina. quando cominciano ad apparire non la smettono più.

Ragazzi… ero felice e non lo sapevo. do espanhol e mesmo do português. Allora: Ho ragione o no d’incazzarmi con la Valkyria. A dificuldade para a referida tradução está em fazer com que o leitor do texto traduzido consiga construir para si o retrato de Silvia com suas características linguísticas idiossincráticas. entretanto sem o status do francês. (Esce. ao menos parecidas. Quella mattina ho lasciato bruciare il Senza permesso. A localização geográfica da Romênia. mais distante da Europa Ocidental. que emigrou de sua pátria à procura de melhores oportunidades de trabalho e condições de vida – e a autora reproduz sua fala exatamente da maneira como ela se expressa. uma vez que a protagonista é estrangeira – uma romena. è ora della mia telenovela. A língua romena é uma das línguas latinas que se tornaram oficiais de nações modernas. da autora italiana Cetta Petrollo. torna o imigrante romeno sujeito a barreiras no processo de assimilação no país que o acolhe. quella puttana? Ho Patrícia Oliveira Alves ragione o no d’incazzarmi con i miei ragazzi? (Guarda l’orologio. dieci anni fa . Avventure di una badante rumena. Elas parecem resultar da interferência e transferência da língua romena – a nativa – e do dialeto emiliano-romanholo. bem como o nível cultural e intelectual relativamente inferior de sua população. cuja língua não domina. Essa obra foi escolhida em função de suas características linguísticas. de Cetta Petrollo pranzo.) Mi dispiace. do italiano. devo lasciarvi. convivendo com uma senhora que se expressa ora em dialeto da região da Emília-Romanha ora em italiano.) Apresentamos a seguir a tradução de um trecho do romance Senza permesso. e trabalha em uma casa de família. que apresentam grande dificuldade para o tradutor. A personagem principal vive na Itália.Ho pianto tanto! L’ultima volta l’ho usata per ballare al Fantasy. Como desconhecemos personagens criadas por autores brasileiros com as mesmas características linguísticas ou. não 52 12 discursos retextualizados .

o texto se torna muitas vezes ambíguo. Com relação à presença de características do dialeto emiliano- *spazatura e *scapare] da Nico”. *butare. No joga assim deitado na cama dois euros para leite no chão da cama e eu entanto. 22 e 23. i tubi. conforme os italiana (ex. ainda. mas também a sin- tare. Acreditamos que seguidos pela mesma expressão com base na língua italiana padrão e a compreensão seja possível dada a alta frequência de uso dos verbos pela tradução para o português: preocupar e poder e. zido em português por: “Não preocupe diz Mafalda podemos fazer isso. na maioria das vezes. geralmente. De fato. exemplos a seguir: “qualcuno lo deve sapere che fine [*faciamo. foi a de zio. scappare. da seguinte forma: facciamo. i buchi. em romeno. em que a conjugação verbal é falha. ‘os buracos’. um imigrante *a te mia foto – a te la mia foto – ‘para você a minha foto’ italiano. do italiano e das principais línguas Em alguns momentos. se fosse. ao fato de que o leitor. pseudônimo literário de seu criador Alexandre Marcondes *di mio paese – del mio paese – ‘do meu país’1 Machado. Roma 19 aprile.” Traduzido literal- Como já dissemos. estas não foram encontradas na fala da personagem. Os referidos termos em italiano padrão romanholo. assinalando que houve um começo de aprendizagem da língua duplas e a falta do artigo antes dos adjetivos possessivos. Nesse caso. apresentamos alguns exemplos. Algumas vezes. spazzatura. respectivamente. Avventure di una badante rumena. Sendo assim.: il muro. ‘os canos’). como em aprire *negozio. realmente. ‘a parede’. latte in terra da letto e io scapo con Anina a Botosani. a personagem escreve reproduzindo caracte europeias. tradu- que essa é mais uma característica da língua romena na fala da imigrante. de Cetta Petrollo 55 . portanto. esta se compõe pela junção da preposição simples com o artigo definido. significando non *lavora bene con Anina e butta cossì disteso su letto due euro per em português ‘do meu Citroën verde’. As expressões aparecem. but- Podemos perceber. 1 54 12 discursos retextualizados Senza permesso. fato que nos permite levantar a hipótese de cia. com con- que a formação de uma preposição articulada não seja possível. observa-se certa resistência em São Paulo na primeira metade do século XX. por exemplo. lê apenas PETROLLO. seriam escritos com consoante dupla. ainda. o artigo definido é posterior ao substantivo e adotar a modalidade da tradução literal stricto sensu. uma característica da personagem. taxe da personagem difere da norma padrão da língua italiana. unido a ele. a ordem das palavras não segue a No texto estudado isso aparece apenas uma vez. 19.” uma vez. contudo. mesmo este sendo bastante curto. a falta da consoante dupla é recorrente ao mente. já que sequente complexidade da legibilidade. teríamos como fonte inspiradora a famosa personagem de Juó *in tua scheda – nella tua scheda – ‘na sua ficha’ Bananère.” Com relação a esse aspecto. analisamos uma amostra de sua fala apresentamos a seguir uma frase em que os dois verbos têm problemas até a página 30 do romance e verificamos que há. a falta de artigo antes de um adjetivo possessivo ocorre apenas fujo com Anina para Botosani. quando deveria ser aprire il nego- encontrada para ilustrar a fala de Silvia. em português temos “Nico diz eu não trabalha bem com Anina e longo de todo o texto analisado. o autor se utiliza de uma mistura de italiano e português recorrente em bairros paulistanos de imigrantes que viviam Ainda com relação ao uso do artigo. não há problemas de legibilidade. Exemplo: “*Tu non preocupa dice Mafalda *puosiamo farlo”. a ausência de consoantes correta.foi possível encontrar um modelo para a construção em português da *in mio paese – nel mio paese – ‘no meu país’ fala da romena Silvia. diferentemente. Em seus textos. contudo. Já a falta do artigo definido antes do adjetivo possessivo faz com Dessa forma. como no caso de di mia ordem natural da língua italiana e há erros de ortografia: “Nico dice io Citroen verde (della mia Citroen verde. em italiano padrão). Ao contrário. nas páginas 11. Para termos certeza de que esse aspecto representa também A protagonista tem grandes dificuldades em conjugar verbos. que não apenas a grafia. omissão no que diz respeito ao radical – com erros ortográficos – ou à desinên- frequente do referido artigo. como por exemplo. conforme o exemplo a seguir. a personagem o emprega de forma rísticas da língua romena. a solução em usá-lo.

de Cetta Petrollo 57 . No caso do exemplo acima citado. na tradu- nemeno a Giampiero e nepure a Alfonsina e a Aida e a Elizabeta fuorse ção omitimos também o uso da forma reflexiva do verbo e a pontuação solo a Pierpaolo e a Orazio mio altro amico fotografo non si sa mai qual- pertinente. no primeiro caso. contudo. Contudo. A finalidade é aquela de reproduzir. Na redação de nossa tradução há inadequações e erros intencio- Ma come facciamo? Tu mi spui? Tu non preocupa dice Mafalda puo- nais no que tange à morfologia e à sintaxe e. tendo resultado em “Não preocupe diz Mafalda podemos fazer cuno lo deve sapere che fine faciamo quale e mellio che butare spazatura isso. A seguir apresentamos o texto em italiano e nossa proposta tradutória.)] 56 12 discursos retextualizados Senza permesso. pois nesse caso o verbo deveria ser conjugado na di testa e Mafalda regala quaderno per esercizi di italiano e dice fuorse forma reflexiva. à falta de pontua- siamo farlo. Com isso. in terra da letto e io scapo con Anina a Botosani e poi torno ed ecco mal Há mais um problema. [Na edição consultada consta a palavra em romeno no corpo do texto e a tradução para 2 o italiano em nota de pé de página. Avventure di una badante rumena. fazendo previsões com relação àquilo que é dito Roma 19 aprile posteriormente. andiamo e torniamo con machina Citroen vecia amaccata ção. mesmo parcialmente. resultando em Tu non preoccuparti. a qual faz referência lavora bene con Anina e butta cossì disteso su letto due euro per latte não ao tu – em português você – mas a lui/lei – em português ‘ele’/‘ela’. a forma quale non la cierca nesuno e non lo diciamo a nesuno nemeno a Etore expressiva da romena Silvia. mas há um erro ortográfico no radical do verbo. passa un poco mal di testa e anc’hio cierte volte o mal di testa e un giorno Já no segundo caso. (N. la matina contro il muro e fare conti con euro almeno avesi amico! Se pasiamo frontiera magari pasa anche a me mal di testa ma stai sigura nel bagalliaio ci faccio i buchi con i tubi quale tu respiri e non meto valigie e paso aria condizionata con altro tubo cosi non muori come tunisino inamorato nel porto di Genova! Striga: ‘strilla’. Nico dice io non na desinência verbal. do T. em *Tu non preocupa. Aniuka e vi riporto sempre in bagalliaio di mia Citroen verde.” e scapare da Nico e aprire negozio e sentire sempre suocera che striga2 Para fins comunicativos. em *puosiamo farlo. dada a conjugação incorreta. senza permesso e pasaporto Pierpaolo è fissato con possiamo. que deveria ser anche senza prattica. a alta frequência de uso do referido verbo permite a donne poi fuorse ti nascondo in bagalliaio e andiamo insieme a prendere compreensão da fala da personagem. a conjugação está cor- andiamo insieme a farci curare da Pierpaolo mio amico dotore quale cura reta.uma parte das palavras. ainda. a presença do pronome sujeito tu minimiza a falta de marcação do sujeito Mal di testa venuto quando lascio Anina di un anno. cuidamos para que nosso texto tenha um bom nível de inteligibilidade.

org/wiki/Ju%C3%B3_Banan%C3%A8re>. Christina. 2010. 2007. 4 58 12 discursos retextualizados Senza permesso. iremos e voltaremos com carro Citroën veia amasada que ninguém procura e não dizemos isso a ninguem nem a Etore nem a Giampiero e nem a Alfonsina e Aida e a Elizabeta tauvez somente a Pierpaolo e a Orazio meu outro amigo fotografo nunca se sabe deve saber que fim vamos ter é mellor que jogar licho fora e fujir do Nico e abrir loja e ouvir sempre sogra que striga4 de manhã voltada para a parede e fazer contas com euro pelo menos tivessi amigo! Se pasamos fronteira tauvez pasa também a minha dor de cabeça mas fique trankila no porta-malas fasso os buracos e coloco os canos para você respirar e não coloco malas e paso ar condicionado com outro cano asim não more como tunisino apaichonado no porto de Genova! Spui: do romeno. Francesco. p. Fabio.wikipedia. 3 Striga: do romeno. New York: Hippocrene Books. Língua nazionale e identità regionali. MARRI.br/2010/out/pages/letras-juo. Second Printing. São Paulo: Edusp. Avventure di una badante rumena. Mas como vamos fazer? Você me spui?3 Não preocupe diz Mafalda podemos fazer isso. 336-338. In: ______. Fabio. Acesso em: 15 dez. Acesso em: 15 dez. ‘explica’. Avventure di una badante rumena. Pierpaolo é obsecado por mulheres depois tauvez te escondo no porta- L’italiano nelle regioni. Roma: Stampa Alternativa. trabalha bem com Anina e joga assim deitado na cama dois euros para DOBRINESCO. Cetta. Gramática da língua romena. Nuovi Equilibri.jornalolince.php>.Roma. Juó Bananère e o imigrante italiano. 1978. ‘grita’. HOFFMAN. Romanian Grammar. JUÓ Bananère. Senza permesso. Giovanni. malas e vamos juntas buscar Aniuka e levo vocês de volta em portamalas do meu Citroën verde. Disponível em: <http://www. Disponível em: <http://pt. 1992. 19 de abril Referências ANTUNES. e aparece dor de cabeça e Mafalda dá caderno de exercícios de italiano e diz tauvez passa um pouco dor de cabeça e eu também certas vezes tenhu dor de cabeça e um dia vamos juntas tratar com Pierpaolo meu amigo dotor que atende também sem pratica sem visto e pasaporte. 2010. 15. de Cetta Petrollo 59 . Dor de cabeça chegado quando deixo Anina de um ano Nico diz eu não com. Benedito. PETROLLO. L’Emilia e la Romagna. Grigore. Torino: UTET. p. Roma 19 aprile. In: BRUNI. 1998. PETROLINI. leite no chão da cama e eu fujo com Anina para Botosani e depois volto FORESTI.

Peyrot propõe esses conhecimentos como simples pistas que orientam nosso caminho.“Sesta consapevolezza – Dell’esilio obbligato nelle lingue ‘dimezzo’”. o conhecimento relacionado com o direito à autobiografia. retirado do sexto capítulo da obra. um texto original italiano. O texto é um ensaio escrito em maio de 2006. Estes são: o conhecimento sobre o masculino e o feminino. . isto é. esta em nível público e individual. logo abaixo. e. pois. à superação da guerra em nós. em que a autora sustenta que. o conhecimento sobre o educar como forma de não violência e sobre o invadir a política com a espiritualidade. e apresenta algumas soluções encontradas para superar as referidas dificuldades. o conhecimento da escolha do exílio. sobre a História dentro de uma vida. ainda. o reconhecimento da democracia como raciocínio. seguida de alguns comentários sobre as dificuldades tradutórias enfrentadas e as soluções encontradas. do exílio forçado das línguas dimezzo. para adquirir a cittadinanza interiore. Segue o texto em língua italiana. de Bruna Peyrot Ellen de Fátima Pinto Gomes A tradução do texto “Sesta consapevolezza – Dell’esilio obbligato nelle lingue ‘dimezzo’”. tem como objetivo refletir sobre as dificuldades e armadilhas com que se depara um falante nativo do português ao traduzir. do qual apresentamos as páginas 75 e 76 e. para o próprio português. ‘a cidadania interior’. de Bruna Peyrot. cada um precisa adquirir a capacidade de viver o seu valor em dois planos: o da História e o da própria subjetividade. dos lugares falantes. através do percurso a ser trilhado. é necessário deter certos conhecimentos conscientes. a tradução para o português.

basandosi spesso solo sulla forza individuale. per obbligo. per la magia del viaggio. L’emigrazione. Le corrodono ormai straniero vero la sua condizione. ma. che. ricco soprattutto di spiegazioni. per il nostro pensiero che oggi non nuota in acque chiare. uma nuova definizione di ciò che si intende l’energia della scrittura. suggerendo la prima dominazione del mondo. balzato contorni dell’interiorità individuale che restava tale fino all’età adulta. il rappresentante sofferta pagina della storia dell’umanità. perché come gli eroi delle saghe nordiche o dei poemi non come un “chiunque” qualsiasi. situazioni e sentimenti. si attira subito altri appellativi. fissa pietre miliari di sofferenza. tuttavia. disintegrandosi sotto i loro passi stanchi lancia prima di tutto un alto grido Ogni suono. suoi ospiti”. omerici. Elaborarla. che hanno dovuto cambiare residenza per trovare lavoro. di oggetti di cui diviene. con all’attenzione per i modi di fare non corrispondente alla comunità in cui gli stessi riferimenti dell’inizio. nazione. cità di sapersi muovere. che ha scelto di curare i disadattati psichici stranieri utilizzando trice di una cultura “terza”. coinvolgerano addirittura tre miliardi di estere dei considdetti Stati moderni. di fare da contrappunto la saldezza del proprio “interno”. dimensione che solo può essere dentro di sé. a luoghi. in rotta verso le megalopoli del mondo. paese. chi “sta in mezzo” a questi sistemi sociali che vanno Il linguaggio ci precede. casa. è stata raccontata solo nei casi presso di noi. diverso. l’emigrante affronta vicissitudini incredibili per rifondare il pro- accettare i suoi “attaccamenti multipli a lingue. Tobie estremi delle colonizzazioni e delle deportazioni. al di fuori del conosciuto. ricco di odori e sensazioni. ultimamente. origine di tanta parte della let- luogo originario. il desiderio d’inserimento dello straniero. anche il più bisognoso. nella capa- l’emigrante con il povero. nella simultaneità dei luoghi visitati più che nella tuttavia. a modi fare”. Questo non accade più. Lo sostiene il padre dell’ethnopsichiatria. È vero che sul piano materiale è spesso così. un mutamento così grande da imporre un ripensa- è diventata una condizione esistenziale comune ad ampi strati di popo- mento di molte idee che interpretano le origini. per inventare nuovi vocaboli capaci di interpretare il presente di entrambi. ai medioorientali bruciati dentro conflitti inestinguibili. le intense migrazioni. Gli emigranti antenati.Capitolo sesto – Sesta consapevolezza – Dell’esilio obbligato nelle lingue “dimezzo” soprattutto dalle società povere. “lo straniero. In realtà. La storia di queste soggettività quelle stesse connessioni che si spezzano nell’abbandono del proprio migranti contiene caratteri tipici dell’epica. per motivi di persecuzione política. lazione occidentale. S’impone. a divinità. è ricco delle lingue che stanzialità comunitária. comunità sono parole che non hanno più un unico significato e forse non l’hanno mai avuto. esseri. La diventato una smisurata pista per erranti. de Bruna Peyrot 63 . ad prio destino. soprattutto se ha bisogno di cura. associado a oggetti. potrebbe condurre a condividere con lo Patria. giunto in Europa. Lo troviamo alla nascita per spiegarci il mondo. con 18 milioni di sradicati dalla categoria della “estraneità”. Fino a mezzo L’ emigrante. depositava anche i Straniero significa ex-straneo. pur con gravi conseguenze in molte politiche dell’Unesco” (settembre 1996). provengono 62 12 discursos retextualizados “Sesta consapevolezza – Dell’esilio obbligato nelle lingue ‘dimezzo’”. secolo fa la nascita immergeva prevalentemente in una sola lingua madre fra i più comuni: straniero. I suoi studi contengono un insegnamento pre- del paese d’origine che del paese d’accoglienza dell’emigrato: una cultura zioso: l’incontro con la diversità inizia quando il nostro pensiero non ha del “tra”. Il globo terrestre è si trova. agli africani in fuga dalle carestie. non appartiene solo all’emigrante. dunque. sospetto terrorista. Dai latinoamericani decimati dalle dittature. sbocciata dall’incontro di lingue e tradizioni sia i loro sistemi di credenze. per sfuggire al genocídio. secondo Il “Corriere soffermare: la stupidità. è cosi plateale che non merita persone. Nathan induce ancora a considerare chi ci sta davanti teratura europea. che vietano Sul fatto dell’accomunare l’emigrante al terrorista non mi voglio l’espressione di sé in una sola lingua e che per il 2035. In altre parole. propria terra natale. al continuo muoversi esterno deve porta in sé. essa è porta- Nathan. povero e. Straniero significa non essere riconosciuto e non riconoscere. Invece proporrei di smetterla di far coincidere per radicamento. tesa sul filo del legame tra il conflitto con le nuove abitudini e più parole corrette per interpretare le connessioni esplicative dell’altro.

seus tada somente nos casos extremos da colonização e das deportações. ao nascermos. se ele necessitar de tratamento. tramada sobre o fio do vínculo entre o encontro com a diversidade começa quando o nosso pensamento não o conflito com os novos hábitos e o desejo de inserção do estrangeiro. que chama a atenção pelo modo de infinito para seres errantes. Os emigrantes compulsórios. dentre as mais comuns: estrangeiro. Elaborá-la poderia levar a Pátria. casa. na capacidade de saber se mover. como os lugar de origem de cada um. utilizando os sis- de línguas e tradições. Ao contrário. Estrangeiro terra natal. mundo. sobretudo. foi con- quais se torna. o emigrante enfrenta siderar quem está em nossa frente. dimensão que somente pode existir dentro de sugiro que se pare de identificar o imigrante com o pobre. o mais necessitado. um “qualquer um” qualquer. suspeito terrorista. sustentando-se. existia preponderan- de tudo um alto grito de sofrimento. Tobie Nathan. Impõe-se. a aceitar os “múltiplos apegos frequentemente. vêm. diferente. São consumidas. segundo o Corriere dell’Unesco (setembro de 1996). ultimamente. nação. apenas na força individual. mesmo lugares visitados do que na permanência comunitária. além disso. de Bruna Peyrot 12 discursos retextualizados 65 . explicar o mundo. mas. Nós a encontramos quando nascemos para habitantes do Oriente Médio – queimados em conflitos inextinguíveis –. das sociedades pobres.Capítulo seis – Sexto conhecimento – Do exílio forçado nas línguas dimezzo que tiveram de mudar de residência para encontrar trabalho. pobre e. página sofrida da história da humanidade. associado a objetos. ela é portadora de uma cultura “terceira”. que realidade. Seus estudos contêm um ensinamento precioso: o emigrado: uma cultura do “entre”. pelas intensas migrações em direção às megalópoles do Não quero me deter sobre o fato de ligar o emigrante ao terrorista: mundo. uma mudança tão grande a ponto de impor o ato de repensar significa não ser reconhecido e não reconhecer. a essa altura. Em outras palavras. lança antes águas claras. vicissitudes incríveis para reconstruir o próprio destino. A tem mais palavras corretas para interpretar as conexões explicativas do história dessas subjetividades migrantes contém características típicas outro. Nathan nos exorta. que hoje não navega em sociais. para inventar novos vocábulos capazes de interpretar o presente de ambos. quanto do país que acolhe temas de crenças deles. a línguas. aos africanos fugindo da pobreza. 64 “Sesta consapevolezza – Dell’esilio obbligato nelle lingue ‘dimezzo’”. Cada som. origem de boa parte da literatura europeia porque. com as mesmas referências do início. e. comunidade são palavras que não têm mais um significado único e talvez nunca o tenham tido. que vão se desintegrando sob seus passos cansados. a não con- heróis das sagas nórdicas ou dos poemas homéricos. por volta do ano a estupidez – repercutindo até com graves consequências sobre muitas de 2035. que se entende por inserção. quem “está no meio” desses sistemas fixa pontos de referência em nosso pensamento. às formas de agir” dele. uma nova definição do não merece o desperdício da energia dedicada a este texto. mais na simultaneidade dos no plano material é frequentemente assim. porém “o estrangeiro. arraial. rico principalmente de explicações. aquelas mesmas conexões que se rompem quando há abandono do da epopeia. Dos latino-americanos dizimados pelas ditaduras aos A linguagem nos precede. pela magia da viagem. permanecia assim até à idade adulta. armazenava também os contornos da interioridade individual que outras denominações. nascida do encontro escolheu cuidar de desadaptados psíquicos estrangeiros. situações e sentimentos. lugares. Até meio século atrás. portanto. A emigração. O globo terrestre tornou-se um caminho daquilo que é conhecido. rico de odores e ao ininterrupto movimento externo deve se opor a estabilidade do próprio sensações. sobretudo. fora Isso não acontece mais. de objetos pelos “interno”. compartilhar com o estrangeiro verdadeiro a sua condição. por motivos de perseguição política ou para fugir do genocídio. aos antepassados. É isso o que afirma o pai da etnopsiquiatria. Estrangeiro significa ex-straneo. o representante junto a nós. nheza” não pertence a populações ocidentais. sugerindo a primeira dominação do O emigrante que chega à Europa atrai para si. temente uma só língua materna que. É verdade que si próprio. Na anfitriões”. com 18 milhões de desenraizados da sua agir não correspondente à comunidade na qual se encontra. que proíbem a expressão em uma só língua e que. tanto do país de origem. divindades. de seres. é rico das línguas que traz consigo. envolverão de políticas externas daqueles Estados ditos modernos – é tão ostensiva que fato três bilhões de pessoas. A categoria da “estra- os muitos conceitos que interpretam as origens. imediatamente.

por adotar em português uma alertar os colegas tradutores. A língua dimezzo estaria espremida entre as duas a pátria – a algo menor – a pequena comunidade. um termo-chave do livro. A escolha recaiu sobre o primeiro em função essa è portatrice di una cultura [. Em italiano temos a seguinte frase: “In realtà. Já em italiano. São expressos em forças citadas. assim. traduzido por milione. de línguas. com base na acepção de nação. apontamos para o falso cognato pista per erranti. portanto. que é algo parecido com tivado o repensar. tuguês). foi traduzida por “três bilhões de pessoas”. A 66 “Sesta consapevolezza – Dell’esilio obbligato nelle lingue ‘dimezzo’”. muito embora os termos erradicados e desarraigados possam ser ção do gênero textual. uma língua ao Continuando a análise de nossa tradução. Optamos. Optamos. comunità”. já dosa do termo pista. causando perda da acerto de contas com seu passado e mostra que o homem arrancado de força expressiva. contudo. Esses resultados apontaram que o verbo erradicar é mais utilizado não foi simples. entre a nativa e a adotiva. aos 24 anos. Essa situação. numa escala crescente. nos fez entender que. nesse caso. A palavra italiana sive graficamente na língua italiana.]. temos algumas observações a tecer. seu meio pode conseguir superar o ressentimento pela hostilidade de Resolvemos manter a expressão dimezzo. a palavra aldeia. A palavra bilhão é um falso cognato que costuma. deixou seu país para um conteúdo semântico mais denso e mais apropriada ao conteúdo da empreender uma carreira acadêmica na França. sendo. contudo.. sbocciata dall’incontro di lingue”. adotando a modalidade tradutória do emprés- Já para a palavra italiana ripensamento não encontramos um subs- timo. Sua tradução literal seria ‘línguas intermediárias’ ou ‘do meio’ e não tantivo equivalente em português. em italiano. bilhão e o trilhão. Na obra o autor faz um obra. considerados sinônimos. relacionada com um tipo seus anfitriões e descobrir a tolerância. estão escritas juntas. para a tradução. temos o miliardo e o biliardo (respectivamente ‘bilhão’ e ‘trilhão’. de Bruna Peyrot 12 discursos retextualizados 67 . nazione. paese. mos. mas uma interpretação mais cuida- problemas ao traduzirmos do português para o italiano. o termo sradicati foi traduzido por ‘desenraiza- Segue uma observação sobre uma escolha tradutória feita em fun- dos’. Para manter a suces- norma.. são decrescente. italiano. portanto. con 18 milioni di sradicati dalla propria terra natale. presente no título do sexto capítulo. foi escolhida.Observações tradutórias dos resultados de uma busca sobre o uso de cada um dos referidos ter- Traduzir a palavra consapevolezza. uma vez que se trata de duas pala- paese é um falso cognato em português. não houve esse problema. Com relação à frase “Il globo terrestre è diventato una smisurata No mesmo parágrafo. Escolhemos traduzir por conheci- como no título do ensaio autobiográfico “O homem desenraizado”. em “erradicar o analfabetismo ou o sarampo”. o termo era usado com a mas aproveitamos a oportunidade para registrar essa armadilha lexical e acepção de ‘caminho’. esse termo está pre- por exemplo. No nosso caso. mesmo sabendo que a expressão ter consciência de é dotada de autor búlgaro Tzvetan Todorov que. Eis que resultaria. uma língua que está no meio. em por- A tradução de smisurata pista poderia ser feita de forma literal. chegamos a uma suces- mesmo tempo presa às raízes da língua natal e voltada para a língua do são de substantivos. quando. quanto ‘ter a consciência sobre algo’. pelo verbo substan- expressaria em pleno o que a autora quis dizer. indicadores de lugares. que vão de algo maior – novo país que chama. do mento. é expressa inclu- italiano por “Patria. demasiado longa. já que não remete a um país na vras distintas que. em seguida. acima do milhão. acima do milhão temos o un mutamento così grande da imporre un ripensamento di molte idee”. mas significa ‘cidade pequena’. Além disso. já que o termo pode significar tanto ‘conhecimento’ em contextos ligados ao ato de pôr fim a uma situação negativa como. desenraizado é empregado para indicar o homem retirado de seu meio. deveriam ser grafadas separadas. bilhão. dessa forma: di mezzo. Na mesma frase. Já o termo sente na introdução da obra e no título de todos os dez capítulos. de estar preso entre algo. A expressão tre miliardi di persone contida expressão com significado menos lato do termo pista e traduzimos por na frase “[le migrazioni] coinvolgerano addirittura tre miliardi di persone” ‘caminho infinito’. assim. criar resultando em ‘pista desmesurada’. que é polissêmico tanto em português quanto em que traduzimos do italiano para o português. casa. Em português.

Bologna: Zanichelli. que vão se desintegrando sob seus passos cansados. mam representar um desafio para os tradutores. Acesso em: 11 nov. Michaelis pequeno dicionário: italiano-português. ed.it/parole>. empregando mais vírgulas que no texto italiano. Dos latino-americanos – dizimados pelas ditaduras – aos habitantes do Oriente Médio – queimados em conflitos inextinguíveis – aos africanos fugindo da pobreza. 2011. Disponível em: <http://parole. 15. Lo Zingarelli minore: vocabolario della lingua italiana. Na frase “L’emigrante. Disponível em: <http:// tomamos a liberdade. Acesso em: 11 nov. o verbo italiano attirare ou attirarsi significa ‘atrair’ ou ‘atrair Dicionários DICIONÁRIO do Aurélio. de traduzir por “cultura [. PEYROT. Disponível em: <http://www. 12. Acesso em: 14 sobre/para si’ e não ‘atirar-se’.macondo. Disponível em: <http://www. de Bruna Peyrot 69 . isto é. 2006. sário destacar as estruturas subordinadas por meio de travessões ausentes no texto de partida. denominações”. apresentamos mais um exemplo. outras DIZIONARIO della Lingua Italiana. lança antes de tudo um alto grito de sofrimento. giunto in Europa. POLITO.autora fala de uma cultura sbocciata. “O emigrante que chega à Europa atrai para si.com/2009/02/la-cittadinanza-interiore-bruna-peyrot. que é muito mais numerosa em português. Disponível em: <http://dizionari. ed. A língua portuguesa e a italiana costumam fazer um uso diferente da pontuação.pt>. Nicolla.corriere. 1993.dicionariodoaurelio. 1994. 2011. LA cittadinanza interiore. VIRGILIO Parole. Acesso em: 11 nov. foi necessário adaptar a pontuação ao estilo da língua portuguesa.]. 2011. foi também neces- PRIBERAM. Como sabemos e comprovamos que os falsos cognatos costu- romeniaviterbo. nascida do encontro de línguas”.blogspot.html>. no texto traduzido. Disponível em: <http://www. chi “sta in mezzo” a questi sistemi sociali che vanno disintegrandosi sotto i loro passi stanchi lancia prima di tutto un alto grido di sofferenza. A tradução da frase acima ficou assim: fev. si attira subito altri appellativi”. na esperança de que possam ter alguma utilidade para os colegas que.. Troina: Città Aperta. Algumas vezes.priberam. Concluímos aqui nossas poucas reflexões. A seguir. 2010. imediatamente. para fins de legibilidade textual. 2010.. Dai latinoamericani decimati dalle dittature. Bruna. Assim.it/dizionario_italiano>. Entendemos que o uso do verbo desabrochar ligado à cultura.it/2009/la-cittadinanza-interiore>. Sesta consapevolezza – Dell’esilio obbligato nelle lingue “dimezzo”. como nós. enfrentam os desafios de uma tradução com a vontade de pesquisar e aprender cada vez mais. portanto. quem “está no meio” desses sistemas sociais.virgilio. São Paulo: Melhoramentos. português-italiano. ai mediorientali bruciati dentro conflitti inestinguibili. em um texto cujo gênero é o do ensaio. La cittadinanza interiore. e In: ______. ZINGARELLI. Capitolo sesto. André Guilherme. apresentamos um exemplo em italiano seguido da tradução.com>. ‘desabrochada’ do encontro Referências de línguas. seria demasiadamente poético. em que foram introduzidos travessões e acrescentadas vírgulas. 68 12 discursos retextualizados “Sesta consapevolezza – Dell’esilio obbligato nelle lingue ‘dimezzo’”. agli africani in fuga dalle carestie. Acesso em: 11 nov. Acesso em: 14 fev. 2011.

Antes de entrarmos no assunto relacionado à legendagem. boa maestra”. A apresentação do vídeo foi promovida pela Secretaria Municipal de Educação (Smed) de Belo Horizonte para fazer conhecer ao público brasileiro o pedagogo italiano Alberto Manzi. Foi através desse programa que Alberto Manzi se tornou o “Mestre dos italianos”. tentou . buona maestra. Alberto Manzi (1924-1997). formado em Biologia. gostaríamos de apresentar o professor e mestre Alberto Manzi. Sua primeira experiência em sala de aula foi ensinar a um grupo de 94 jovens no presídio para menores Aristide Gabelli. “TV. em outubro de 2010. assim como suas propostas educacionais revolucionárias. Goulart Karine Locatelli Piva O objetivo deste texto é descrever alguns dos desafios encontrados no trabalho de tradução e legendagem para o português do vídeo em italiano de Alberto Manzi intitulado TV. MG. para justificarmos o interesse que seu trabalho despertou e continua despertando na Itália e no exterior. em Roma. criado com o objetivo de superar o analfabetismo na Itália após a Segunda Guerra Mundial. buona maestra.TV. Filosofia e Pedagogia. Manzi dirigiu toda a sua energia ao ensino na escola. de Alberto Manzi Gilberto L. Depois de o programa ser concluído. em Belo Horizonte. ou seja. realizado para a apresentação durante a X Semana da Língua Italiana no Mondo. como ele mesmo falou. Manzi foi escolhido para apresentar o programa Non è mai troppo tardi (“Nunca é tarde demais”). onde. sempre teve em mente que queria ser professor.

na interação direta O que ficou evidente durante o trabalho. A parte técnica desenvolvida no vídeo foi baseada no dução. nos selecionou para compor a equipe de trabalho. Assim. a legendagem possui características intrinsecamente vista realizada em Pitigliano por Roberto Farne em 13 de junho de 1997. Isa é o diferente. Após a transcrição. buona maestra. as características peculiares à oralidade. hesitações. Passando ao assunto deste texto. de Isa. a legenda provavelmente a última das poucas entrevistas concedidas por Manzi. reside em garantir a clareza textual na brevidade obrigatória das frases da legenda. de exposição de cada bloco de legenda na tela. no momento da fas do curso de Oficina de Tradução em Italiano. em sequência fize- Andersen e teve o livro traduzido em 32 línguas. de forma uma tribo zulu. Em 1956 ganhou o prêmio internacional H. as traduções propostas foram analisadas em conjunto vítima de chacota. por último. região da Toscana. vez. buona maestra. constituíram uma das tare- cidos os possíveis cortes – a serem feitos posteriormente. o marginalizado.“transformar a escola em algo de bom para as crianças”. reproduzidas no máximo em duas 72 12 discursos retextualizados TV. encontrada em foi atribuído a cada um de nós metade do texto a ser traduzido. O de maior sucesso foi buir para o aprendizado dos colegas nos estudos da tradução. sempre de acordo com o público-alvo foco principal do vídeo está na entrevista. começamos com a transcrição das falas. O referido vídeo. que ganhou o prêmio Firenze para obras inéditas do O trabalho foi desenvolvido em três etapas: por ser o vídeo uma Centro Didattico Nazionale. Nesse meio Este é um trabalho experimental iniciado em sala de aula. informamos que a tradução e sobretudo no que diz respeito a expressões fixas. guês brasileiro. Por fim. independentemente das convenções e normas técni cativos. aprendizado obtido no minicurso “Legendagem para ouvintes e para sur- o foco destas reflexões não será nem o percurso tradutório nem o per- dos”. Foram também estabele- legendagem do vídeo TV. havia sido para tanto convidada e. O principal problema encontrado para a legendagem foi o da neces- Outra competência necessária para uma boa legendagem é a de sidade de grandes cortes em relação à fala original. na Faculdade de em legenda um texto traduzido para fins de publicação. por sua por se tratar do gênero entrevista. O que requer mudanças de projeto de fala etc. Isso significa adotar expressões pragmatica- funcionam como exemplificação de suas ideias pedagógicas. ainda. uma criança abandonada. ou seja. entrevista. Manzi foi também prefeito de sua cidade natal. realizamos a etapa técnica de registro em legenda do Se a equipe tinha experiência teórica e prática no campo da tra- texto traduzido. é que. com marcas de registro oral. que apresentava adequar o texto traduzido à duração de quatro segundos. C. Com isso fechou seu círculo de cações a serem feitas para a adequação linguística à pragmática do portu- atuação social e civil. faminto e preliminar. já foram definidas as modifi- víncia de Grosseto. o excluído. a legendagem. fizemos a adequação linguística necessária. não a tinha da mesma forma no âmbito da legendagem. tempo fazia viagens para alfabetização. Para que uma legendagem seja eficaz. de Alberto Manzi 73 . Orzowei. enquanto os trechos de aulas presumido para o vídeo. O deve ter alto índice de legibilidade. principalmente nos Andes e na Esperamos que as descrições de algumas de suas etapas possam contri- Amazônia. de 1954. respeitando o conteúdo semântico do original em italiano. e que tentaremos aqui com seus alunos e em reproduções de alguns de seus programas edu- demonstrar. ministrado no segundo semestre de 2010 pela Profa. dirigido Luigi Zanolio. é um documentário que apresenta trechos de gravações das aulas de Manzi. finalmente. uma entre- cas de cada país. no Brasil. ligadas ao ato de traduzir. Patrizia Collina Bastianetto. legendagem – e. mente corretas. mas a dificuldade em transformar Santiago Araújo. A obra conta a história mos a tradução do texto e. da Universidade Estadual do Ceará. Vera Lúcia curso técnico para uma legendagem. um orzowei. como repetições. com base no uso da língua do espectador. Em seguida. O vídeo contém. ou seja. é um jovem branco em uma aldeia de negros. tempo máximo. máximo de 32 caracteres por linha. Nesse momento. Como as legendas possuem o número uma grande competência linguística do legendador. já que sua professora. Alberto Manzi escreveu vários livros. Um dos desafios Letras da UFMG. transmitidos pela televisão. na pro- e amplamente discutidas. Pitigliano.

Belo Horizonte. no tempo limite entre um e quatro segundos. Os termos separados por barra representam optamos por traduzir preside por ‘coordenador’. o è direttore. tivemos que optar por pararam para reduzir o número ças ao trabalho desenvolvido durante as diversas etapas do processo. a tradução sofreu profundas reelaborações. Universitá di Bologna. 2º semestre de 2010. ponto final. também. ou diretores. Allora mi fa: “ce la giochiamo. com a necessidade de reduzir o texto para fins de legi- garantir a compreensão plena do texto apresentado. No caso de buona notte. Só foi possível chegar às constatações acima relatadas gra- ‘interromperam’. per me. O è al sindacato. o significado não cinas de tradução contribua de forma direta e substancial para uma boa Referências ARAÚJO. 10. buona maestra – La lezione di Alberto Manzi. son. ‘boa noite’. Devido Nesse primeiro exemplo. tu ti metti lì all’angoletto e buona notte. A principal delas foi a compreensão um aspecto técnico. o desafio maior foi compreender as gírias utilizadas pelo falante nativo. portanto. Sendo quando se trata de escolas de segundo grau. de Alberto Manzi 75 . A tradução escolhida foi. Vera Lúcia Santiago.. Ou estão no sindicato. 2007. no assim. se eu perder você vai dar aula – se conseguir. MOSTRA Alberto Manzi: a história de um mestre. ouvi uma voz – sabese lá de onde – que falou:/ouvi uma voz do além que falou: “encontramos o professor. tu farai scuola ─ se ci riesci. que geralmente se traduz como ao aspecto linguístico quanto àquele cultural. In: SETTIMANA DELLA LINGUA ITALIANA NEL MONDO. tornaram-se mais adaptação. tanto no que tange bilidade textual. ou. que sinaliza a conclusão de uma ação. Nesse terceiro exemplo ilustramos a dificuldade para traduzir a palavra preside. Direção: Luigi Zanolio. Legendagem para ouvintes e para surdos. però sempre distaccati. O domínio dessa competência é o que determina sua boa ou má qualidade.” formação de tradutores no âmbito acadêmico.. Allora gli faccio: “Grazie. ou são coordenadores. se perdo io. então”. tradução para o português. é o mais recorrente. sempre fuori. Em hanno interrotto. DVD (33 min. em que foi utilizada a modalidade tradutória da 74 12 discursos retextualizados TV. chissà da dove che fa: “Abbiamo trovato il maestro. complexas tanto a escolha lexical quanto a construção sintática. o è preside. Documentário. chegamos a algumas constatações relevantes. mas sempre à parte. quia de cargos para garantir a compreensão rápida na leitura da legenda. arrivederci”. Por sua vez. andate via tutti gli altri”. no intuito de ramos.). Bologna: Dipartimento di Scienze dell’Educazione. Como não havia nenhuma explicitação relativa ao Seguem alguns exemplos do texto em língua italiana e de sua tipo de instituição escolar e o cargo de diretor já tinha sido mencionado. de que a legendagem não constitui um processo ligado unicamente a Nesse primeiro trabalho de legendagem que realizamos. Esse termo corresponde ao cargo de coordenador no Brasil. e ao cargo de diretor. 2010. a mudança opções tradutórias a serem avaliadas. Faculdade de Letras. você vai para aquele canto e ponto final. Respondi: “obrigado. sempre fora. ou seja. de caracteres. além de problemas tradutórios derivantes ao seu alto grau de complexidade. De repente interromperam/pararam a aula. color. da ordem dos elementos na frase teve como objetivo respeitar a hierar- A un certo punto hanno interrotto la lezione. TV. sento una voce.linhas. teríamos a opção de utilizar basta. É uma expressão italiana típica Universidade Federal de Minas Gerais. caso de faculdades. buona maestra. Se eu vencer.” Acreditamos que realizar trabalhos com aplicação prática durante as ofi- Então ele me disse: “Vamos jogar. sempre. os outros podem ir embora”. no caso em que resultasse demasiadamente longa. podemos afirmar que a legendagem da necessidade do domínio da pragmática da língua italiana. Se vinco io. como geralmente se acredita. No segundo exemplo. mas está também necessariamente condicionada à competência tradutória. nos depa- apresenta parâmetros próprios que devem ser respeitados.

mas também a cultura dos imigrantes para os quais servirá de mediador. Dessa forma. que dependem muito mais das experiências e da vivência do tradutor em ambientes em que se falam as línguas envolvidas no processo de tradução do que do conhecimento geral da língua em si. O tradutor. Isso ocorre porque as expressões idiomáticas e ditos populares. Gino Luka. afirma que o mediador intercultural deve conhecer profundamente não apenas a língua. Um exemplo inequívoco dessa necessidade é representado pela tradução de expressões idiomáticas e ditos populares. indo muito além da tradução literal ou “ao pé da letra”. Por essa razão. ele pode ser formado por léxico e estruturas parcialmente ou completamente diferentes daquelas da língua de origem. mas também o conhecimento da cultura e sua presença no uso pragmático da língua. e uma tradução literal não é capaz de transmitir o real significado que eles trazem. fazem referência a questões históricas ou culturais muito específicas de cada lugar. o tradutor atua também como mediador cultural. como costumamos dizer. Algumas vezes as expressões e provérbios não possuem um correspondente na língua para a qual se traduz ou. caso possuam.Tradução de expressões idiomáticas italianas por um tradutor automático Marina Nogueira Marques Diniz A tradução é uma arte que exige não apenas um grande conhecimento das duas línguas envolvidas no processo tradutório. muitas vezes. professor e pesquisador Francis Aubert entende que a modalidade tradutória adequada para essas formas expressivas é a . em “Il mediatore interculturale”.

a seguir. na maioria dos casos. A primeira tradução é aquela esperada.] estabelece uma equivalência parcial de sentido. tente simples procura de significados em um banco de dados. A expressão italiana é empregada para fazer referência a um local distante e de difícil acesso e. Apresenta essa relação com a igreja se justifica. No meio desse percurso havia postos de controle que cobravam impostos sobre as mercadorias transportadas. 108.. tradu- ceptível na estrutura semântica de superfície. mediante uma intersecção de traços pertinentes de sentido. tida por suficiente para os fins do ato tradutório em questão. Tradutor automático: ‘A cada lua azul’. na tentativa não foi capaz de expressar essa ideia. Tradutor automático: ‘casa do diabo’. A segunda é a tradução proposta por um tra- forma positiva. uma grande porta’. ou seja.. Ele explicita e exemplifica essas duas moda- (aproximadamente uma vez a cada dois anos e meio). A expressão andare a ufa retrata muito bem como a história e a cultura O tradutor automático traz uma tradução correta. Modalidades de tradução: teoria e prática.1 A casa del diavolo: ‘onde o Judas perdeu as botas’. ‘de graça’. ‘sem pagar’. considerada A expressão italiana faz referência a uma situação que ficou resolvida de pragmaticamente correta. São apresentadas. AUBERT. Grifos nossos. 1 AUBERT. ‘a cada morte de papa’. Ad ogni morte di papa: ‘Uma vez na vida outra na morte’. Tecer efeito geral de sentido no contexto e no co-texto específicos”. os tradutores automáticos 2 Segue o exemplo: Hobgoblin = Saci-Pererê. de comprovar o ponto de vista acima expresso. logo. no século XIV. duas traduções de algumas locuções e provérbios italianos. Após uma rápida pesquisa pode-se constatar que nos conta que durante a construção do Duomo di Milano. 108. Para Aubert. mas abandona qualquer ilusão de equivalência “perfeita”. na língua italiana. a adaptação sempre denota uma assimilação cultural. p. influência da religião na cultura local.modulação ou a adaptação. segmento textual for traduzido de modo a impor um deslocamento per- Já a expressão italiana está relacionada à religião católica. Tradutor automático: ‘ir para ufa’. 2 78 12 discursos retextualizados pelo canal do Naviglio Grande. mente o significado da língua de partida. a expressão apresentada pelo tradutor automático pode ser uma tradução literal e requer operações muito mais complexas que a usada por alguém que tenha sido ofendido e que. No Tradução de expressões idiomáticas italianas por um tradutor automático 79 . passando antes pelo rio Ticino e. como se percebe. Modalidades de tradução: teoria e prática. de expressar plena- Andare in porto: ‘deu tudo certo’. Ao Nesses casos. Cada exemplo é seguido de comentário. as traduções de provérbios e locuções realizadas por meio de tradutores automáticos. p. em português. a solução tradutória adotada [. Andare a ufa: ‘0800’. pela presença o seguinte exemplo em inglês: deaf as a doornail = ‘surdo como uma do Estado do Vaticano dentro do território italiano e. Por essa razão. Tradutor automático: ‘passar’. O tradutor automático dutor automático. depois. Entende que “ocorre modulação sempre que um determinado aparece duas vezes no mesmo mês. em que o esperado se concretizou. A tradição ência na nossa língua. o que se reflete também na língua. afastar quem o ofendeu. não dão conta. embora retenha o mesmo zindo literalmente significa. da região do Lago Maggiore até Milão. não conseguiram propor uma tradução que tivesse esse significado. o processo de tradução precisa de ir muito além de contrário. a expressão existe e que se refere ao fenômeno que acontece raramente o mármore para a sua construção era transportado de barco. ‘terminou bem’. porém de baixa frequ- influenciam a língua e geram expressões de difícil tradução. no qual lua cheia lidades. de forma vulgar.

tico não expressa o significado da locução em italiano. certa. A expressão em italiano faz referência ao movimento feito durante a Em português usamos a expressão água na boca quando algum alimento ingestão de líquidos e é usada quando bebidas alcoólicas são consumidas nos parece tão atraente que nos faz salivar. a expressão tem valor de comando e A expressão italiana faz referência a um jogo de lógica no qual o objetivo costuma ser dita em tom imperativo. isto é. da mesma forma. traziam a inscrição AUF.entanto. ‘no vermelho’. Sendo assim. o silêncio é garantido. necessariamente. Quando a vela estava quase acabando chegava-se à parte verde. Alzare il gomito: ‘encher a cara’. se que as velas vinham com as bases tingidas de verde ou envoltas em E mais uma vez. a impossibilidade de falar com a boca cheia de água. posteriormente. Em português usa-se uma cor diferente para dizer a mesma coisa: Parlare a vanvera: ‘falar sem pensar’. para serem identifica- cada. nos dá “água na em grande quantidade. Tradutor automático: ‘balbuciar’. mas imprecisa. Tradutor automático: ‘estar quebrado’. falido. que faz referência aos números de telefone gratuitos. humana. Já parlare a vanvera não implica na dificuldade de arti- são. pode-se dizer “estar quebrado”. como a expressão encher a cara em português. “estar no vermelho ou sem dinheiro”. à expressão andare a ufa. pois. sem que o lobo coma a cabra e sem que a cabra coma os 80 12 discursos retextualizados Tradução de expressões idiomáticas italianas por um tradutor automático 81 . Já a expressão italiana acqua in bocca é usada em um contexto diferente: quando queremos pedir a alguém que guarde um segredo. um papel verde. de alta frequência de uso no norte da Itália. diz-se “estar no vermelho” ou. alguém “no verde” é alguém que possui algo que está por acabar. “estar sem dinheiro” ou. o tradutor foi capaz de apresentar uma tradução próxima daquela cular e expressar os sons. a não revelação daquilo que não pode ser revelado. ainda. mantenha a “boca fechada”. estar quebrado. deu origem Essere al verde: ‘estar sem dinheiro’. Essa mesma relação foi feita então com o dinheiro. Tradutor automático: ‘salvar cabra e o repolho’. que italiana e não possibilita a compreensão de seu real significado. não Sendo assim. dificilmente seria entendida por um A expressão italiana. Em italiano. que foi a tradução fornecida pelo tradutor automá- A expressão balbuciar significa ‘dizer algo sem articular ou pronunciar tico. mais uma vez. além de apresentar uma tradução equivo- ção da grandiosa igreja eram isentas das taxas e. é transportar de um lado do rio para o outro lado: um lobo. a tradução de parlare a vanvera feita pelo tradutor automá- significa. Tradutor automático: ‘água na boca’. as embarcações que transportavam o mármore para a constru- O tradutor automático. um tradutor automático não conseguiu propor a mesma ideia na língua de tradução. isto é. Ad Usum Fabbricae. No Brasil. uma cabra e repolhos. sim em ‘falar sem pensar ou raciocinar antes’. que em italiano significava: ad uso fabbricazione (em português: ‘para o uso da fabricação’) e que. Acqua in bocca: ‘boca fechada’. A expressão em italiano é constituída com base na experiência Salvare capra e cavoli: ‘agradar a gregos e a troianos’. Logo. O tradutor automático fornece uma tradução literal da expressão boca”. Tradutor automático: ‘levantar os cotovelos’. não revelando o que foi dito. tem uma justificativa histórica: diz- estrangeiro que não conhecesse sua origem. acaba por induzir a empregá-la em contextos que não são pragma- das. e por isso. acrônimo que reúne a seguinte expressão: ticamente adequados. a expressão 0800. Provavelmente devido à alta frequência de uso da referida expres- bem as palavras’.

htm>. apresentou um texto completamente desprovido de significado. tradução de ad ogni morte di papa. SALVARE capra e cavoli. nenhum foi traduzido pelo tradutor automático de forma correta. fazer com que todos os GLOSSARIO delle frasi fatte. Modalidades de tradução: teoria e resultados.org/wiki/Salvare_capra_e_cavoli>. Acesso em: 19 set. o nível de legibilidade em português é baixo. p. 2011. Dos nove exemplos apresentados. Ao traduzir de forma literal. 1.it/dizionario_italiano/ index.repolhos. 5.org/wiki/Glossario_delle_frasi_ fatte>.wikipedia. Acesso em: 19 set. Acesso em: 19 set. IL naveglio vecchio. Acesso em: 10 dez. Disponível em: <http://xoomer. Disponível em: <http://dizionari. Gabriele. dada à também baixa frequência de uso dessa locução em português. elementos cheguem salvos ao outro lado do rio.shtml>. o tradutor automático não apresentou a tradução adequada. 99-128. 2010.wikipedia. 2011. 1998. 2011. a expressão estar quebrado não corresponde ao termo italiano: essere al verde.com.it/bgryt/il_naviglio_vecchio. Referências AUBERT. dessa forma.google. 2011. que pode significar apenas estar sem dinheiro no ato da enunciação. SI dice: Essere al verde. De fato. Mariachiara. Dicionários DIZIONARIO della Lingua Italiana. 82 12 discursos retextualizados Tradução de expressões idiomáticas italianas por um tradutor automático 83 . Acesso em: 19 set. contada na Ilíada por Homero. No segundo exemplo. v. Mesmo nos dois exemplos em que a tradução se aproximou do significado expresso na língua italiana. O jogador deve pensar na ordem certa dos deslocamentos para que se consiga atingir o objetivo e.com/si-dice- essere-al-verde-perche>. na expressão a cada lua azul. Assim. que traz consigo referências a uma outra história: à guerra entre gregos e troianos. A expressão em seu significado metafórico remete à necessidade de atender aos interesses de duas partes que tem interesses antagônicos. Disponível em: <http://it. o resultado em português não foi eficaz. Acesso em: 19 set. 2005. Mais uma vez. MACK.noiblogger. n. Francis Henrik. Milano: Hoepli. TradTerm. Disponível em: <http://it. 2011. Perchè? Disponível em: <http://cosedicasa.virgilio. Interpretazione di trattativa.corriere. como já explicitado. LUKA. também é a expressão agradar a gregos e a troianos. São Paulo: Humanitas – FFLCH/USP.br/#>. GOOGLE Tradutor. Gino. In: RUSSO. Disponível em: <http://translate. Il mediatore interculturale.

11-12. entendemos que o texto técnico requer análises precisas.2 A partir dessa afirmação. Modalidades de tradução: teoria e prática. O texto aqui proposto trata do emprego de recursos telemáticos para a preservação de bens culturais. afirma que “o texto técnico passa a ser uma estrutura multidimensional ancorada historicamente e composta por diferentes planos interrelacionados. 2 p. portanto. todos eles portadores de sentido e. Tradução técnica e condicionantes culturais: primeiros passos para um estudo integrado. de Vito Cappellini. intitulado – “Telematica per i beni culturali”. . pois. sobre a tradução técnica.. seja em termos culturais seja linguísticos.1 Tradutor e pesquisador brasileiro. Neste texto faremos também algumas reflexões. Todos os elementos AUBERT. 1 AZENHA JR. João Azenha Jr.I formati della memoria: beni culturali e nuove tecnologie alle soglie del terzo millennio. Ele é dotado. No que tange ao exercício tradutório. tanto de informações técnicas ligadas a um âmbito temático específico quanto de marcas culturais da língua de expressão. tendo como respaldo teórico as considerações tecidas por João Azenha Jr. de relevância para o tradutor”. É apenas uma pequena parte de um livro que aborda o tema dos formatos da memória: dos bens culturais e das novas tecnologias para o terceiro milênio. foram adotadas as modalidades de tradução propostas por Francis Henrik Aubert. de Vitto Cappellini Carlos Antônio de Souza Perini O presente texto tem por objetivo traduzir do italiano para o português a orelha da obra intitulada I formati della memoria: beni culturali e nuove tecnologie alle soglie del terzo millennio e dois trechos do capítulo IX.

excesso de informações poderia desmotivar o leitor a consultar o manual. Língua que. como nos casos em que há grandes inte- elefantes. é o de determinar alemão com os demais: na pesquisa sobre o amor entre os elefantes. Aqui reside. passando de dezoito em alemão para seis para generalidades e informações evasivas. Ele. entre outras possibilidades. É possível. eventualmente. quando compara manuais informativos para aplicação de com palavras de uso geral da língua. A título de exemplo. para cada assunto tratado. quadros e ilustrações. a função conativa. portanto. de chegada. tendo sido retiradas tabelas. no Outro desafio para o tradutor do texto técnico (sempre com base caso dos alemães. como a alemã e a brasileira. a defesa de interesses. à modalidade da transcrição. O autor verificou que no manual em português houve uma redução Esse fator leva a um nível de precisão expressiva muito alto. gastou dez meses se trata exclusivamente da função informativa. utilizar a modali- mento entre culturas diversas. que a legislação alemã e a brasileira difiram com relação ao detalhamento de informações exigido nos manuais. técnico seja desprovido de carga ideológica. Este. Pode recorrer a uma modalidade tradutória híbrida como. No texto técnico. Não é verdade. mas em dez anos. saída. configuram dade de empréstimo seguida da explicitação. por de pesquisa e escreveu um volume com o título Estudo do amor entre os exemplo. p. isto é. Quando o tradutor não encontra uma tidas em manuais. um decalque ou. aspectos que o tradutor jamais poderá relevar. portanto conhecido e compartilhado decisão do tradutor. por exemplo. estratégia de venda de 86 12 discursos retextualizados AZENHA JR. Ele pode. a terminologia específica. tornando-se impres- um bem ou serviço. que o consumidor brasileiro pode ser uma criação lexical do tradutor: deve estar sendo usado pela não tem o hábito de ler ou de ler com cuidado as instruções de uso con- comunidade científica em questão. pode ser um termo já consa- detalhamento tão profundo seria um exagero para o leitor brasileiro. geralmente. não fez resses econômicos envolvidos e não mencionados de forma explícita no a pesquisa em dez meses. I formati della memoria. ou ambos. terizam um texto técnico. Nesse tipo de texto a legibilidade sentativa com relação ao aspecto técnico. como um todo. Tradução técnica e condicionantes culturais: primeiros passos para um estudo integrado. comprovado. que compara o espírito em Azenha Jr. como já informado acima. a univocidade de significado do léxico. Esses podem ser. seguida. ser um leitor contumaz. também. Cabe ao tradutor identificá- Contudo. que o texto cindível que o tradutor os compreenda e os reproduza em sua tradução. um em português. Exemplificamos com uma informação dada pelo pois. diferentemente do que se cos- profundidade e que. citemos uma velha anedota. o tradutor deve conhecer com No que tange ao aspecto cultural. o tradutor se depara com um léxico de especialidade e não mais mesmo autor. entre outros. sem lugar drástica do número de páginas. E isso é um dos fatores que carac- fungicida escritos em alemão e traduzidos para o português brasileiro. Disso deriva a necessidade de o tradutor possível de informações do texto da língua de partida. mas à África. o neologismo não tendo em vista que já é. dependendo dos casos. pois. um empréstimo. os textos técnicos carregam tange aos aspectos lexicais específicos de cada tema. necessário se faz conhecer o tema. e publicou o trabalho em texto. podem ter entendido que um nível de por todos. questões de 3 reserva de direitos na transferência de tecnologia. pois. de Vitto Cappellini 87 . ele tem diversos recursos. a uma solicitação do cliente ou a uma termo usual entre os especialistas. bem que tais informações sejam apresentadas de forma eficaz para a língua como um produtor textual muito competente. não basta recuperar no texto traduzido o maior número la e preservá-la em seu texto. não cientista não alemão estudou o caso em zoológicos. ainda. e ainda inerente ao aspecto linguístico. seja aprofundada no que tuma pensar. No texto em português houve uma simplificação repre- dos desafios para o tradutor técnico. Neste último caso. provavelmente. quando existe – como no caso de termos ligados à medicina e à biologia Essas diferenças com relação ao maior ou menor grau de detalha- – do termo correspondente em latim.3 Entendemos que o conjunto dessas ter a função informativa. um a função textual e mantê-la no texto traduzido. um neologismo. A ela pode se somar. O cientista alemão não foi a zoológicos. textual tem o papel preponderante. por exemplo. O grado na própria língua de tradução. 105-106.constitutivos do texto são carregados de significado. Muitas vezes.). muitas marcas culturais. O tradutor deve utilizar na língua de tradução o omissões deve-se. pois os textos técnicos costumam fórmulas.

le termo. acréscimo. Ela é assinalada apenas nos casos em que stampa a caratteri mobili oltre mezzo millennio fa. fibra ottica. decalque. transposição.. A correspondência entre o politiche di tutela e di valorizzazione e per la stessa funzione e organizza- número e a modalidade tradutória é apresentada a seguir. doppino telefonico . Digital Subscriber loop. biblioteche e archivi quella 4. 2 . cuja tradução resultou mais adequada para tecer comen- di mutamenti nei processi di produzione e diffusione della cultura che pre- tários. o texto em italiano seguido do texto traduzido e. empréstimo. dell’attività delle istituzioni dei beni culturali.] meio do cotejo entre o texto de partida e aquele de chegada. I formati della memoria: beni culturali e nuove tecnologie alle soglie del terzo millennio Apresentamos. com o seguinte título: Estudo do amor entre os elefantes – pequena introdução.. temente. le cospicue implicazioni per le encontro do objetivo da presente publicação. em seguida. que segue sublinhado. refe- Il complesso dei saggi compresi in questo volume converge nel sottoline- rente à orelha da obra citada e dois trechos do capítulo IX da mesma. Os números entre colchetes nesse texto correspondem à moda- figurano effetti ancora più incisivi di quelli prodotti dall’introduzione della lidade de tradução adotada. La connettività viene in genere assicurata via cavo coassiale o. degli archivi. par. “IX – Telematica per i beni culturali – Televisione inte- tradizionali di tutela. tradução literal.. funzione di centri non solo di conservazione ma anche di produzione e 5. Particolare 1. il normale 12. tradução intersemiótica. modulação. 10. zione dei musei. Viene utilizzato anche. 6. Le nuove tecnologie pos- 3. correção. Modalidades de tradução: tino un’eccezionale occasione per avviare una nuova riflessione sulla mis- Gli autori condividono la convinzione che queste novità rappresensione e sul modo di far funzionare i presìdi dei beni culturali. terno stesso di un processo. adaptação. sono infatti contribuire a restituire a musei. IX – Telematica per i beni culturali – 8. [. ecc. per adesso più spontaneo e occasionale che Apenas no caso da modalidade tradutória da omissão [1] não aparece o guidato da lucide consapevolezze e da precise scelte programmatiche. vindo ao direzioni di tendenza. Televisione interattiva VOD 9. rilievo viene qui conferito alla questione della dimensione culturale 2. I programmi video sono in genere memorizzati in forma digitale compressa MPEG-1 88 12 discursos retextualizados I formati della memoria. Os núme- I saggi e le ricerche qui presentati si sforzano di cogliere dall’in- ros precedem o termo ao qual fazem referência.. delle biblioteche. omissão. gestione e valorizzazione dei beni culturali. come già indicato. Si tratta rattiva VOD”. erro. por nel secolo scorso. a seguir. dei siti archeologici. Sono inoltre sviluppati sistemi con satelliti che offrono il vantaggio di servire ampie zone del territorio. are che l’introduzione delle nuove tecnologie e la loro sempre più capillare Esclarecemos que as observações sobre a tradução foram restritas utilizzazione tendono a provocare una trasformazione radicale dei sistemi ao segundo texto. promozione della cultura che sembrano oggi avere smarrita. transcrição. A inclusão dessa informação tem um propósito didático. explicitação. de Vitto Cappellini 89 . 7. oppure della fotografia entendemos ser de interesse do leitor fazer uma reflexão teórica. più recen- 11.e il così detto sistema ADSL Asynchronous 13.dez volumes.crf. as reflexões sobre o trabalho de tradução. le possibili patologie.

virus. timediali.o MPEG-2. de produção e difusão da cultura que pressupõem efeitos ainda mais for- incapsulato nelle celle ATM e trasmesso sulla rete ATM. trappole. por ora.5 Mbit/s fino a molti Mbit/s. a partir do interior de um processo. Usando MPEG-2 ogni film può essere compresso a 1. C’è una costante tensione tra dos sítios arqueológicos etc. Possui também. Os autores compartilham da ideia de que essa novidade repre- potere installare i propri sistemi senza autorizzazioni. que hoje eles parecem ter • bisogna trattare tutti gli intrusi allo stesso modo. no século passado. Le velocità Os formatos da memória: bens culturais e novas tecnologias no início do terceiro milênio di trasmissione variano da 1. p. nologias podem.5 GByte: 65000 film disponibili sul mercato richiedono circa 98 TByte. IX – Telematica per i beni culturali – La sicurezza delle reti Os ensaios e as pesquisas aqui apresentadas tentam trazer à luz. 139. semplicemente non è ancora por fibra ótica.. como já mencionado. programmi di insegnamento e intrattenimento. La sicurezza tende ad allontanarli. • occorre controllare e restingere le connnessioni alla rete: gli utenti non devono lhas programáticas precisas. rafforzando la sicurezza su quelli che sono missão e sobre a maneira de funcionamento dos equipamentos de salva- sulla rete. gestão e quali video. mas livello di accesso al sistema o alla rete. perdido. Il sistema di trasporto O conjunto dos ensaios incluídos neste volume enfatiza que a introdu- e di interconnessione più idoneo appare quello ATM.[7] Video On Demand)4 gli hackers hanno un settore molto attivo di ricerca e sviluppo. das bibliotecas. as possíveis patologias. worm. sia gli interni che gli esterni. as tendências. Così un programma video viene immagazzinato in formato MPEG. • gli attacchi più usali alla sicurezza da parte dei così detti hackers sono indicati con • • termini diversi: cavalli di troia. guarda dos bens culturais. giochi. as inúmeras implicações para as políticas de proteção e valorização La connettività tende ad avvicinare tra loro i calcolatori ed i terminali mul- e para a função e organização dos museus. A ênfase aqui é dada à questão da dimensão • occorre proteggere tutti gli accessi alla rete interna utilizzando firewal. ecc. Sono stati definiti dei paradigmi sulla sicurezza: tâneo e ocasional do que norteado por conhecimentos claros e por esco- • ciò che non è esplicitamente proibito è permesso. nico – conforme parágrafo 2 – e o assim chamado sistema ADSL – [2] CAPPELLINI. senta uma excelente oportunidade para iniciar uma nova reflexão sobre a occorre proteggere tutti i calcolatori. IX – Telemática per i beni culturali. valorização do patrimônio cultural. tes do que aqueles produzidos com a introdução da imprensa há mais de cinco séculos. contribuir para restituir aos museus. Trata-se de mudanças nos processos ecc. cultural das atividades das instituições dos bens culturais. As novas tec- • le reti sono regolarmente attaccate dall’interno e dall’esterno. de fato. de Vitto Cappellini 91 . mais espon- sicurezza e connettività. também de produção e promoção da cultura. in relazione al diverso mezzo di comunicazione e tipo di accesso. IX – Telemática para os bens culturais – Televisão interativa (VOD . • si effettuano furti dei diritti di accesso degli utenti legittimi. não apenas de conservação. Per questo non A conexão é geralmente feita por cabo coaxial ou. o [1] cabo telefô- accaduto. bibliotecas • gli attacchi sono di solito provenienti da utenti che vogliono incrementare il loro e arquivos aquela função de centros. ou da fotografia. 4 90 12 discursos retextualizados I formati della memoria. esistono attacchi impossibili: niente è impossibile. mais recentemente. audio. O referido processo é. in quanto permette di ção de novas tecnologias e seu crescente uso tendem a provocar uma utilizzare valori diversi di bande di frequenza e di effettuare diversi servizi transformação radical dos sistemas tradicionais de proteção. dos arquivos.

por “cabo telefônico”. de origem estrangeira são invariáveis. áudio. o acrônimo VOD foi explicado dessa forma: “(VOD – [7] Video On Demand)”. Usando MPEG-2 cada filme pode ser compactado [13] em ape- tação para o mesmo termo foi feita apenas na primeira vez em que ele nas 1. Os programas de vídeo são. IX – Telemática per i beni culturali. Foram ainda desenvolvidos siste- portuguesa. A conectividade tende a aproximar as calculadoras e os terminais multimí- Observações relacionadas com a dia. Um programa de vídeo é assim armazenado em formato MPEG. de • é necessário proteger todos os acessos à rede com uso de firewall. reforçando a segurança daqueles que estão em rede. Com relação a ADSL. em textos de tecnologia da informação e comunicação. isto é. • Entendemos que para melhorar a legibilidade textual seria necessário é preciso dar o mesmo tratamento a todos os intrusos. de um modo geral. A segurança tende a distanciá-los. da • omissão (da tradução de algumas partes da expressão). gravados em for- Já no título adotamos uma explicitação para o acrônimo VOD.5 GByte: 65 mil filmes disponíveis no mercado precisam de aproxi- apareceu. de Vitto Cappellini 93 . I formati della memoria. A segurança das redes5 encapsulado nas células ATM e transmitido pela rede ATM. é natural que na dependendo do meio de comunicação e do tipo de acesso. para fins de clareza textual. explicitar o tipo de sistema. Transfer Mode). As velocidades de transmissão variam a partir de [5] 1. na tradução. tendo sido adotada a modalidade da explicitação. Com relação ao trecho “de aproximadamente [3 e 4] 98 TBytes”. IX – Telemática para os bens culturais – jogos etc. • são necessários o controle e a restrição das conexões à rede: os usuários não A expressão em italiano normale doppino telefonico foi traduzida podem instalar os próprios sistemas sem a devida autorização. os ataques forma que. • as redes são regularmente atacadas internamente e externamente. No texto em italiano o termo é um empréstimo do inglês que mas [13] de transmissão com satélites que oferecem a vantagem de dar não foi passado para o plural. ensino e entretenimento. adotamos a modalidade [2]. O sistema de tradução. sejam eles internos ou externos. a sigla é explicitada no texto de partida. ausente no texto de partida. a do acréscimo. observamos que há uma modalidade de tradução híbrida em que ado- • são praticados roubos do direito de acesso dos usuários legais. Foram definidos como paradigmas de defesa: No título. Ressaltamos que a modalidade de explici- em MPEG-2.5 Mbit/s [1]. Existe assim uma constante tensão explicitação das modalidades tradutórias adotadas entre conectividade e segurança. que lhe permite utilizar diversas bandas de frequência e realizar vários serviços como vídeos.Asynchronous Digital Subscriber Loop. tamos o empréstimo com relação ao termo TByte e o decalque. tendo sido adotada a modalidade [1]. ao adicionar a expressão de transmissão. tenha havido uma maior incidência transmissão e de interconexão mais adequado é o ATM [7] (Assynchronous do uso das modalidades da explicitação e acréscimo. da transcrição. já que o termo é necessário proteger todos os computadores. Isso porque na língua italiana as palavras cobertura a áreas extensas do território. p. • Tudo o que não for expressamente proibido é permitido. pragmaticamente adequado em português é apenas cabo telefônico. uma vez que o termo adquiriu a forma plural com base na norma da língua 5 92 12 discursos retextualizados CAPPELLINI. Uma vez que a presença de termos e siglas em inglês é comum madamente [3 e 4] 98 TBytes. 140. acesso ao sistema ou à rede. mato digital compactado MPEG-1 [7] (Moving Picture Experts Group) ou assim como para MPEG e ATM. são normalmente oriundos de usuários que pretendem aumentar o nível do seu Na frase seguinte adotamos a modalidade [13]. • nos ataques está em risco a segurança das conexões ponto a ponto e entre roteadores.

Por isso. O texto traduzido a seguir é um folheto explicativo sobre um cosmético CAPPELLINI. In: GALLUZZI. já que sua falta acarretaria perdas informativas relevantes. p.• os ataques mais comuns à segurança partem dos assim ditos hackers. frequentes reflexões teóricas acerca das decisões tradutórias a serem tomadas. de credibilidade. p. que são conhecidos por expressões diversas: cavalo de Troia.). Vitto. gerando a necessidade de se adotar a modalidade de explicitação. Tradução técnica e condicionantes culturais: primeiros passos para um estudo integrado. uso. São Paulo: Humanitas – FFLCH/USP. Pietro A. Vitto. tais fatos simplesmente ainda não ocorreram. ainda. Dessa forma. a tradução do folheto exige que o tradutor busque alcançar a clareza de expressão para garantir a plena compreensão do leitor na língua de chegada. Firenze: Giunti. Pereira dos Reis Mariana H. 99-128. n. 1997. [Alleta del libro]. In: GALLUZZI. versão que se tornou o nosso original para a tradução em português. vírus. constituindo parte integrante do texto. o conhecimento do vocabulário específico da área de cosmetologia se faz necessário para que a informação sobre os diversos procedimentos seja precisa. (Cur. O texto se presta à adoção de diferentes modalidades tradutórias que geraram entre nós. matriz francesa. Por isso não existem ataques impossíveis: nada é impossível. autoras. fabricado na Itália sob licença da della memoria: beni culturali e nuove tecnologie alle soglie del terzo millennio. posto que. • Eau thermale – Avène: Il gesto preferito delle pelli sensibili os hackers tem um setor muito ativo de pesquisa e desenvolvimento.). O texto foi originalmente escrito em francês e traduzido para o italiano. Paolo.. VALENTINO. explicativa. Teofilo Cabral Referências: AZENHA JR. VALENTINO. Francis Henrik. (Cur. IX – Telemática per i beni culturali. Modalidades de tradução: teoria e resultados. Não paginado. 94 12 discursos retextualizados . CAPPELLINI. TradTerm. Dessa forma. I formati della memoria: beni culturali e nuove tecnologie alle soglie del terzo millennio. 1999. respeitamos a modalidade tradutória da transcrição. Isso ocorreu ao explicitar o nome do produto. I formati de água termal da empresa Avène. traps. São Paulo: Humanitas – FFLCH/USP. AUBERT. isto é. na indústria de cosméticos. que já tinha sido adotada na tradução para o italiano. Firenze: Giunti. v. foram retomadas e mantidas também em nossa tradução. Paolo. No folheto há muitas imagens que demonstram o uso do produto. Alinne S. um nome em francês pode indicar maior índice de requinte e glamour e. worm etc. Por ter o texto a função referencial. 139-140. João. 5. Fornece ao leitor informações tais como indicações de 1997. 1. 1998. Pietro A. composição e forma de fabricação. além de informações históricas sobre o produto.

a palavra demaquilagem. na tradução são expressas no plural. omitindo. em uma tradução literal. No que se refere à adequação ao uso da língua portuguesa. o que torna a frase mais curta do que seria no caso de uma tradução literal. A tradução para o português resultou na seguinte frase nominal “Para o conforto e alívio da pele delicada”. O decalque foi mais uma das diversas modalidades tradutórias adotadas e que gerou ulteriores reflexões teóricas. acessado em 9 dez. ‘assaduras no bumbum do bebê’ e ‘pele queimada’. em português. é formada a partir da palavra francesa maquillage. 2010. Outros termos italianos tiveram que ser adaptados. Apenas 1150 ocorrências segundo pesquisa do Google. o que configura um caso de decalque. ‘vermelhidão do bumbum do bebê’ e ‘pele superaquecida’. portanto. adotamos a modalidade tradutória de omissão para o verbo restituire na seguinte frase: “Per restituire comfort e sollievo alla sua pelle delicata”. respectivamente. Por exemplo. foram traduzidas as expressões anti-radicali. as expressões em italiano dopo l’attività sportiva e in viaggio. O termo demaquilagem foi adotado na tradução apesar de sua baixa frequência de uso em português brasileiro. arrossamenti del sederino del bébé e pelle surriscaldata para ‘antirradicais livres’. como no caso do substantivo la rasatura. geralmente de significativo poder aquisitivo e alto nível cultural. que em português é expresso por meio de uma expressão fixa: fazer a barba. o verbo.1 uma vez que acreditamos que o público destinatário de folheto. 1 96 12 discursos retextualizados 97 . ‘antirradicais’. apresentamos alguns aspectos geradores das tão difíceis decisões tradutórias mencionadas. contrapondo-se ao que seria. No que tange à necessidade de adequação do texto ao espaço gráfico disponível. e não apenas um substantivo. não teria problemas de compreensão. com o acréscimo do prefixo de negação de-. Com relação ainda à adequação pragmática. posto que seu uso é mais frequente dessa forma. construção que utiliza um verbo em sua composição.A seguir.

98 99 .

100 101 .

notas de rodapé. dedicatória. selecionamos as versões em português e em inglês da obra La testa degli italiani (em português: A cabeça do italiano. o paratexto é designado como “o conjunto dos enunciados que contornam um texto”. Para o leitor – sobretudo aquele de textos traduzidos –. de alguma forma. Uma visita guiada).Um imbróglio editorial: La testa degli italiani. algumas dessas informações são. as informações paratextuais são as únicas pistas para a obtenção de dados do texto-fonte da tradução como: o nome do autor e tradutor. 1 102 . sua criação. o número de reimpressões etc. Como objeto de estudo. por exemplo. e paratexto editorial. como textos que figuram na capa ou na orelha MAINGUENEAU. Termos-chave da análise do discurso. graças a elas. reconstituir a situação política e histórica do lugar relacionado com os fatos narrados e fazer inferências sobre uma possível censura ou fato que tenha condicionado. pois. a língua em que foi escrito. então. a data e o local da primeira edição. de Beppe Severgnini Patrizia Collina Bastianetto Rosana Lionello Semionato O objetivo primordial deste texto é demonstrar a relevância do paratexto para a legibilidade textual. fundamentais.1 Ele é classificado em dois tipos: paratexto autoral. do escritor Beppe Severgnini e temos como foco de nossa análise a capa e a ficha catalográfica dessas obras. prefácio. E o que é paratexto? No dicionário de Termos-chave da análise do discurso. que contém textos produzidos pelo autor como título. é possível. que possui dados produzidos pelo editor. Para o pesquisador. epígrafe.

A Vespa tornou-se ícone versões em português e em inglês. português ‘A cabeça dos italianos’. E. uma A seguir apresentamos a capa da obra original em italiano e a das as estradas encontravam-se em situação precária em consequência do Português vez que a situação econômica do país e de seu povo não era próspera e término recente da Segunda Guerra Mundial. Modalidades de tradução: teoria e prática. como também para o restante da Europa. passou a ser montada também no Brasil. Nesta análise tratamos do paratexto editorial de duas versões imagens se contrastam. contudo. informações da ficha catalográfica. isto é.3 O autor entende que. despertando assim o interesse de quem pensa em conhecer a Itália e os ao modo de pensar conforme os italianos ou all’italiana. há. pois representarem o antigo e o moderno. características que conquistaram a todos. além dos aspectos de praticidade. Além disso. legibilidade de um texto é a medida da facilidade com que esse leitor pode extrair informações do texto. nasceu como meio de transporte em 1946 e. Para ser realmente literal.2 logo fez sucesso por ser um transporte barato. Uma Itália orgulhosa de seu passado. as duas traduções têm um subtí- e parece pragmaticamente mais adequado à língua portuguesa. 3 Um imbróglio editorial: La testa degli italiani. conforme a catalogação proposta por Francis Aubert. um leitor com conhecimentos linguísticos adequados e determinada carga de informação prévia. título esse que nos remete. econômico e robusto. mas também de seu presente. Mesmo com a palavra italiano no singular. capaz de se renovar e se reinventar. pois levava a motorização às massas. título e. Legibilidade e argumentação em textos traduzidos. 104 12 discursos retextualizados AUBERT. que sabe sabemos que é a editora quem dá a palavra final sobre a tradução do conviver com esses dois mundos.da obra. não somente para a Itália. A cabeça do italiano. Inglês de progresso e crescimento do pós-guerra. não há perda rentes. p. Trata-se do subtítulo Uma visita guiada. Com relação ao título. inclusive a juventude. Entendemos que esse A obra em italiano se intitula La testa degli italiani. economicidade e funcionalidade. p. Perguntamos a nós mesmas então o porquê. portanto. Na Itália. doze para um leitor específico. de Cesare Beccaria. tinha algo mais que outros veículos de duas rodas não possuíam: primava pelo glamour e pelo charme. em 1958. que não corresponde à semântica. a Vespa é considerada o mais europeu de todos os veículos de duas rodas. A ilustração ao italianos. pois o termo no singular confere um caráter geral à expressão tradução do título italiano. a tradução deveria ser “A cabeça Verificamos inicialmente que as ilustrações das três capas são dife- dos italianos”. dentre fundo representa uma cidade antiga e na frente há uma Vespa. Na tradução. Neste trabalho consideramos o título paratexto editorial. não pode se considerar a tradução como sendo literal. mas ao mesmo tempo se complementam por traduzidas. índice e copyright. por legibilidade adotamos a seguinte definição: De fato. Representava uma rebeldia e um modernismo com certa dose de classe e elegância. ginal. uma informação não presente no ori- tulo que não aparece na obra original italiana. 107. Por sua vez. Algo como um roteiro ou guia turístico com dose de originalidade BASTIANETTO. quem escolhe as ilustrações. de Beppe Severgnini 105 . Italiano anos depois. pode ser considerado traduzido pela modalidade de tradução da transposição. que significa em acréscimo tenha o objetivo de informar o leitor sobre o tema tratado. também. havendo algum rearranjo morfossintático. As duas outros. uma síntese da Itália. 17. Estudo de sete traduções da obra Dos 2 delitos e das penas. no período conturbado do pós-guerra. assim como o título da versão em inglês. sem distinção de sexo.

Continuando Tribune que diz: “Preciso observador da natureza humana. de Beppe Severgnini 107 . ou seja. com o seu desfecho positivo. Na versão brasileira. o belo pelo belo.e sutileza. o brasileiro e o americano. contabilizando ses. Em italiano. podemos ver um versão em português tem um alto índice de legibilidade. esclarece o tema da mesma. é um valor que se trata de um guia para pessoas interessadas na cultura e no povo importante para o povo italiano. recheado de informações curiosas sobre a alma do povo que Ainda na mesma capa da versão em inglês. não fica esclarecido se o guia tem algumas indicações Guide to the Italian Mind. como se fosse um jingle. Já aquele em inglês induz bom gosto e pela relevância que atribui ao prazer estético. ou seja. certa situação. obtendo um resultado positivo. O jornal americano New York Times definiu mos na Itália. título em língua italiana e diferente daquele da obra original. somos antes levados a lembrar de sua riqueza cultural do a obra como o “book of the time”. Na mesma capa. sem nou um best seller. enfim. de La bella figura. não decepcionar. E essa escultura de Michelangelo é. De fato. na capa é representado o busto da estátua do David de Michelangelo. além da representação do David de Michelangelo. podemos con- são está relacionada ao desempenho elogiável de uma ação. O referido jornal é a menores. ainda. veio rapi- com o título saindo de sua cabeça. essa expres- Comparando as duas capas das versões traduzidas. faz uso de mais um argumento além daquele artístico. Diferentemente do texto em português. resse pelo livro. pois. estar à altura de uma precisar fazer uso do argumento apetitoso do espaguete. já que. que os dois editores. Essa referência exerce sobre o comprador tivesse na capa um comentário de um jornal norte-americano. em letras seus compatriotas de maneira muito engraçada”. Note-se a rima em inglês de guide e mind. Essa frase avaliam de forma diferente seu provável público leitor. título do livro que o mesmo edição internacional do The New York Times e é lido em cerca de 180 paí- autor tinha publicado anteriormente com enorme sucesso. o sucesso nos Estados Unidos liano. eventualmente. Porém. 106 12 discursos retextualizados Um imbróglio editorial: La testa degli italiani. e é expressa com o termo bello. apresenta. o fator estético. brasileiros. o título do livro é La bella figura. dúvida. leia-se. aparece a escrita Ciao America!. Entendemos que a editora. essa ilustração é damente. garfo com espaguete. Utiliza. verificamos que. quando pensa- jornais e canais de televisão. Lembramos alguma diferença de conteúdo. bem como cluir que ambas oferecem um alto índice de legibilidade. dirigida a sociólogos e psicólogos. não gos tanto prezavam. portanto. tendo. O editor brasileiro remete à expressão muito comum fare bella figura. ícone cultural italiano que faz referência à gastro- o conhecimento prévio presumido do leitor ao qual se destina a obra e. indica Na capa é reportado. muito representativa. reconhecido no mundo todo pelo seu italianos e. a ilustração é diferente daquela do livro ita- um forte estímulo para a compra. ou seja. assim expresso: A Field não fazem. significando em por- considera que seu leitor será suficientemente motivado para a leitura sem tuguês ‘fazer bonito’. A cabeça do italiano. porém. nomia. traduzido e publicado no Brasil. Em relação à versão em inglês. dição de herdeira espiritual da admiração pela beleza que os gregos anti- com grau de tecnicidade que a primeira versão. um comentário do International Herald que se trata de um guia sobre a forma mentis do italiano. Em dez dias foram feitas quatro edições com repercussão em muito mais significativa do que seria uma Vespa. ainda. Estranhamos que um livro italiano. Podemos inferir. a em português. e/ou leitor em potencial da nova obra uma clara função conativa. entendemos que a capa da que também aparece na capa do livro em português. E dessa vez escrito em inglês. Funcionaria a pensar que se trata de uma obra voltada para os usos e costumes como se a Itália moderna recuperasse a alma da Grécia clássica. esta última. em português. o livro do momento. aparece a explicitação habita a Itália. ou se relata em geral a mentalidade do italiano. geralmente do tema do livro. e se tor- que dos produtos que ela cria. com o objetivo de despertar o inte- ainda. O texto em português pode levar a crer que o belo em si. uma venda de 100 mil cópias. de natureza técnica. o autor vê a análise da capa da tradução para o inglês. dirigido a turistas. geográficas também. Para nós. o que as obras do gênero. na con- dos italianos. Com relação à legibilidade textual.

ficou a curiosidade sobre a real intenção ao catálogo da Editora BUR (Biblioteca Universale Rizzoli) e à produção bibliográfica de Severgnini afastaram essa hipótese. alterado ção para a leitura. Ficou provado que se tratou de um sério imbróglio da edi- publicação tem caráter didático. O tradutor comentou. pois o original italiano brar que a editora. mas como esta- a editora. o editor 108 12 discursos retextualizados Um imbróglio editorial: La testa degli italiani. ao estabelecer regras daquela em inglês. as primeiras quarenta páginas já haviam sido traduzidas da ver- gua portuguesa. Além disso. Mais abaixo segue quer providência corretiva. ficou ainda em aberto o problema do título. ainda. Apesar da complicação que esse problema gerou para o estudo. contudo. a lem- zidas. Limitamo-nos. Outra possibi- para cada público leitor. como a de que a tradução brasileira pudesse ter sido feita uma parceira valiosa do tradutor. a ficha catalográ- sentação do espaguete. O tradutor informou que quando a editora lhe encomendou a tra- foi a surpresa quando analisamos a ficha catalográfica da edição em lín- dução. Pode. constata- resultou em uma oportunidade extraordinária para comprovar a impor- mos que a primeira edição do original é de 2005. Levantamos diversas entre o autor e o tradutor e ao estabelecer diretrizes claras. e sim La testa degli italiani. a primeira edição em tância. ou seja. que forma indireta. sem o emprego da repre- de dados importantes. favorecem a legibilidade e despertam a motiva- lidade aventada seria a utilização. constituindo um fator de ilegibilidade. Precisando de esclarecimentos. na medida em que acionam o conhecimento prévio diferente informação de que o título em italiano era La bella figura. Poderíamos concluir aqui nossas observações ressaltando a rele- escrevemos para o professor Sérgio Mauro. fato que o induziu a retraduzir. haveria quanto os elementos de capa são relevantes para fornecer ao leitor pistas uma incoerência. com relação à escolha do título. como já assinalado. que haviam sido traduzidas Como já podíamos supor – por causa da coincidência de terem malissimo. nela consta: “Tradução de: La bella figura”. pois o livro já estava circulando no mercado. mas que ela informou não haver mais tempo para qual- De fato. outra informação: “Título original italiano: La bella figura”. Nesse caso. de Beppe Severgnini 109 .A análise da capa de duas traduções da mesma obra atestam o tivesse preferido manter o da obra original italiana. inglês é de 2006 e a brasileira de 2008. encomendamos o livro. Depois continuou a tradução. mas pelo tradutor fomos prontamente mos interagindo com um leitor interessado no ato tradutório. sendo esta. mas que. nós saberíamos apenas através da leitura da obra. O próprio tradutor se disse muito surpreso muito parecido (ausente no original) – ao analisarmos a ficha catalográ- quando viu na ficha catalográfica o título da obra da versão em inglês. deduzimos que aquela da edição brasileira grave. mas com a adoção dos dizeres críticos do jornal fica não cumpre sua função primordial. Assim então fizemos. Vale aqui fazer uma reflexão sobre o papel relevante da editora e International Herald Tribune. mas da versão em inglês. Isso. não podemos nos furtar a comentar qual tora. pois na ficha catalográfica constava por duas vezes a de leitura. e com o intuito de mostrar para nossos leitores a complexidade do mundo da tradução e da editoração. autoral. pode ser suposições. para a legibilidade textual. também. Contudo. ao propiciar um contato não era La bella figura. uma consulta Tendo em vista a expectativa um pouco diferente gerada pela capa das duas versões traduzidas. prontas para degustá-lo. e como esta atendidos. fica desconfiamos que a versão brasileira poderia ter sido traduzida de anunciado como se fosse aquele do original italiano. as duas versões traduzidas praticamente a mesma capa e um subtítulo feita diretamente do italiano. ainda. não do original italiano. inicialmente La bella figura. Verificando o ano de edição do original e das traduções. em novas edições para La testa degli italiani. portanto. Esta não respondeu. pois impede a reconstrução tinha sido inspirada na capa em língua inglesa. são em inglês. o tradutor. Explicada a coincidência presente na capa das duas edições tradu- sobre suas relações com os tradutores. das informações contidas no paratexto. ressaltamos que a não coincidência de informações entre a ficha catalográfica da obra traduzida e a da obra-fonte é edição em inglês. que é informativa. posterior à À guisa de conclusão. avisou à editora. e também para vância dos elementos paratextuais para a legibilidade. no caso de livros traduzidos. Com relação à capa. Explicou.

Rio de ressadas na tarefa da tradução algumas reflexões sobre as decisões toma- Janeiro: Record. p. Apesar de sua aparente facilidade no que tange ao aspecto linguístico. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia. sobre os problemas específicos ao traduzir o italiano. BASTIANETTO. Tornou-se um dos maiores escritores italianos do século XX. Francis Henrik. Neste texto. Termos-chave da análise do discurso. Até hoje esse texto é de uma atualidade extraordinária e nele Calvino discute sobre os problemas enfrentados durante o ato de traduzir. 53-69. Calvino mostra o grande valor do 110 12 discursos retextualizados . 2001. A cabeça do italiano. 1998. Discorre. Até meados da década de 1980. MAINGUENEAU. La testa degli italiani. 2008. São Paulo. porém. possibilitando. Universidade de São Paulo. Porém. Começo. de Italo Calvino Referências Augusto da Silva Costa AUBERT. n. de Sérgio Mauro. São Paulo: Cortez. às vezes. TradTerm. O presente texto pretende levar a estudantes. graduou-se em Letras na Universidade de Turim. mais do que uma interpretação. v. além de um exímio crítico da tradução. SEVERGNINI. das durante a tradução do texto do escritor italiano Italo Calvino intitulado “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. Patrizia Collina. As funções do paratexto para a inteligibilidade da obra traduzida. portanto. Modalidades de tradução: teoria e resultados. 2004. Dominique. 11. 208 f. Beppe. Italo Calvino nasceu em 1923 e. Análise de textos de comunicação. Trad. 2005.restritivas. Letras e Ciências Humanas. publicado em 1982 no livro Mondo scritto e mondo non scritto. teóricos e às pessoas inte- SEVERGNINI. além de algumas reflexões sobre as escolhas no ato tradutório. MAINGUENEAU. influenciou nas decisões tomadas durante a tradução. São Paulo: Humanitas – FFLCH/USP. Patrizia Collina. Belo Horizonte: Editora UFMG. já em 1947. Legibilidade e argumentação em textos traduzidos. Beppe. 5. “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. n. A complexidade interpretativa. inclui-se “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. ainda. dentre diversos trabalhos no âmbito da tradução. São Paulo: Humanitas – FFLCH/USP. o texto de Calvino exige muita reflexão e cautela já que o autor escreve em um estilo extremamente denso. TradTerm. 99-128. 1. data de sua morte. 2006. de Cesare Beccaria. Dominique. BASTIANETTO. Estudo de sete traduções da obra Dos delitos e das penas. representar um incômodo e um fator freante para um bom trabalho tradutório. Uma visita guiada. intraduzível”. 2000. considerado por ele uma “língua isolada. Milano: BUR Saggi. por apresentar sucintamente o autor e o texto em questão. pretendo apresentar alguns desafios enfrentados durante o processo. p. 2004.

tradutor e do revisor preparados, citando o sucesso de seus próprios

Tradurre è il vero modo di leggere un testo

textos. Em contrapartida à dificuldade de traduzir sua língua, Calvino
argumenta sobre a relevância da tradução dos autores italianos que são

Tra i romanzi come tra i vini, ci sono quelli che viaggiano bene e quelli

componente indispensável da literatura moderna. Sua leitura nos ensina,

che viaggiano male.

pois, a enfrentar os problemas comuns à humanidade de hoje. É este o
pensamento que norteou minha tradução de “Tradurre è il vero modo di

Una cosa è bere un vino nella località della sua produzione e altra
cosa è berlo a migliaia di chilometri di distanza.

leggere un testo”, texto que contribui para a difusão da visão e do pensamento dos escritores italianos. Apresento, a seguir, o texto original,

Il viaggiare bene o male per i romanzi può dipendere da questioni
di contenuto o da questioni di forma, cioè di linguaggio.

além da proposta de tradução, seguida de reflexões sobre o processo
tradutório.

Di solito di sente dire che i romanzi italiani che gli stranieri leggono più volentieri sono quelli d’ambiente molto caratterizzato localmente, specialmente d’ambiente meridionale, e comunque dove vengono
descritti luoghi che si possono visitare, e dove viene celebrata la vitalità
italiana secondo l’immagine che ci se ne fa all’estero.
Io credo che questo può darsi sia stato vero ma non lo è più oggi:
primo, perché un romanzo locale implica un insieme di conoscenze dettagliate che il lettore straniero non sempre può captare, e secondo perché
una certa immagine dell’Italia come paese “esotico” è ormai lontana dalla
realtà e dagli interessi del pubblico. Insomma, perché un libro passi le
frontiere bisogna che vi siano delle ragioni di originalità e delle ragioni di
universalità, cioè proprio il contrario della conferma d’immagini risapute
e del particolarismo locale.
E il linguaggio ha un’importanza massima perché per tenere sveglia l’attenzione del lettore bisogna che la voce che gli parla abbia un
certo tono, un certo timbro, una certa vivacità. L’opinione corrente è che
si esporti meglio uno scrittore che scrive in un tono neutro, che dà meno
problemi di traduzione. Ma credo che anche questa sia un’idea superficiale, perché una scrittura grigia può avere un valore solo se il senso di
grigiore che trasmette ha un valore poetico, cioè se è creazione d’un grigiore molto personale, altrimenti nessuno si sente invogliato a leggere. La
comunicazione si deve stabilire attraverso l’accento personale dello scrittore, e questo può avvenire anche su un livello corrente, colloquiale, non
diversa dal linguaggio del giornalismo più vivace e brillante; e può essere
una comunicazione più intensa, introversa, complessa, come è propria
dell’espressione letteraria.

112

12 discursos retextualizados

“Tradurre è il vero modo di leggere un testo”, de Italo Calvino

113

Insomma, per il traduttore i problemi da risolvere non vengono mai
meno. Nei testi dove la comunicazione è di tipo più colloquiale, il tradut-

d’un proprio testo, il discutere col traduttore, è il vero modo di leggere se
stesso, di capire bene cosa ha scritto e perché.

tore se riesce a cogliere il tono giusto dall’inizio, può continuare su questo

Sto parlando a un convegno che riguarda le traduzioni dall’italiano

slancio con una disinvoltura che sembra – che deve sembrare – facile.

all’inglese, e devo precisare due cose: primo, il dramma della traduzione

Ma tradurre non è mai facile; ci sono dei casi in cui le difficoltà vengono

come l’ho descritto è più forte quanto più due lingue sono vicine, mentre

risolte spontaneamente, quasi inconsciamente mettendosi in sintonia col

tra italiano e inglese la distanza è tale che tradurre vuol dire in qualche

tono dell’autore. Ma per i testi stilisticamente più complessi, con diversi

misura ricreare ed è possibile salvare lo spirito d’un testo quanto meno

livelli di linguaggio che si correggono a vicenda, le difficoltà devono

si è esposti alla tentazione di farne un calco letterale. Le sofferenze di cui

essere risolte frase per frase, seguendo il gioco di contrappunto, le inten-

parlavo mi sono occorse più sovente leggendomi in francese, dove le pos-

zioni coscienti o le pulsioni inconsce dell’autore. Tradurre è un’arte: il

sibilità d’un travisamento nascosto sono continue; per non parlare dello

passaggio di un testo letterario, qualsiasi sia il suo valore, in un’altra lin-

spagnolo, che può costruire frasi quasi identiche all’italiano e dove lo spi-

gua richiede ogni volta un qualche tipo di miracolo. Sapiamo tutti che la

rito è completamente l’opposto. In inglese ci possono essere dei risultati

poesia in versi è intraducibile di ogni lingua. Il traduttore letterario è colui

talmente diversi dall’italiano che mi accade di non riconoscermi più per

che mette in gioco tutto se stesso per tradurre l’intraducibile.

niente, ma anche delle riuscite felici proprio perché nascono da risorse

Chi scrive in una lingua minoritaria come l’italiano arriva prima o

linguistiche dell’inglese.

poi all’amara constatazione che la sua possibilità di comunicare si regge

Seconda cosa, i problemi non sono minori per le traduzioni dall’in-

su fili sottili come ragnatele: basta cambiare il suono e l’ordine e il ritmo

glese all’italiano, insomma non vorrei che sembrasse che solo l’italiano

delle parole, e la comunicazione fallisce. Quante volte, leggendo la prima

porta con sé questa condanna d’essere una lingua complicata e intradu-

stesura della traduzione d’un mio testo che il traduttore mi mostrava,

cibile; anche l’apparente facilità, rapidità, praticità dell’inglese richiede il

mi prendeva un senso d’estraneità per quello che leggevo: era tutto qui

particolare dono che ha solo il vero traduttore.

quello che avevo scritto? Come avevo potuto essere così piatto e insipido?

Da qualsiasi lingua e in qualsiasi lingua si traduca, occorre non

Poi andando a rileggere il mio testo in italiano e confrontandolo con la tra-

solo conoscere la lingua ma sapere entrare in contatto con lo spirito della

duzione vedevo che era magari una traduzione fedelissima, ma nel mio

lingua, lo spirito delle due lingue, sapere come le due lingue possono tra-

testo una parola era usata con un’intenzione ironica appena accennata

smettersi la loro essenza segreta. Io ho la fortuna d’essere tradotto da

che la traduzione non raccoglieva, una subordinata nel mio testo era velo-

Bill Weaver che questo spirito della lingua lo possiede al massimo grado.

cissima mentre nella traduzione prendeva un’importanza ingiustificata e

Io credo molto nella collaborazione dell’autore con il traduttore.

una pesantezza sproporzionata; il significato d’un verbo nel mio testo era

Questa collaborazione, prima che dalla revisione dell’autore alla tradu-

sfumato dalla costruzione sintattica della frase mentre nella traduzione

zione, che può avvenire solo per il limitato numero di lingue in cui l’autore

suonava come un’affermazione perentoria: insomma la traduzione comu-

può dare un’opinione, nasce dalle domande del traduttore all’autore. Un

nicava qualcosa completamente diverso da quello che avevo scritto io.

traduttore che non ha dubbi non può essere un buon traduttore: il mio

E queste sono tutte cose di cui scrivendo non mi ero reso conto, e
che scoprivo solo ora rileggendomi in funzione della traduzione. Tradurre

primo giudizio sulla qualità d’un traduttore mi sento di darlo dal tipo di
domande che mi fa.

è il vero modo di leggere un testo; questo credo sia stato detto già molte

Poi credo molto nella funzione della casa editrice, nella collabo-

volte; posso aggiungere che per un autore il riflettere sulla traduzione

razione tra editor e traduttore. La traduzione non è qualcosa che si può
prendere e mandare in tipografia; il lavoro dell’editor è nascosto, ma

114

12 discursos retextualizados

“Tradurre è il vero modo di leggere un testo”, de Italo Calvino

115

quando c’è dà i suoi frutti, e quando non c’è, come oggi è la stragrande

scrittura richiede un uso del linguaggio completamente diverso da quello

maggioranza dei casi in Italia ed è la regola quasi generale in Francia,

del parlato quotidiano. Bisogna scrivere delle frasi compiute che vogliono

è un disastro. Naturalmente ci possono essere anche casi in cui l’editor

dire qualcosa: perché a questo lo scrittore non si può sottrarre: deve

guasta il lavoro ben fatto del traduttore; ma io credo che il traduttore per

sempre dire qualcosa. Anche i politici finiscono le frasi, ma loro hanno il

bravo che sia, anzi proprio quando è bravo, ha bisogno che il suo lavoro

problema opposto, quello di parlare per non dire, e bisogna riconoscere

sia valutato frase per frase da qualcuno che confronta testo originale e

che la loro arte in questo senso è straordinaria. Anche gli intellettuali

traduzione e può nel caso discutere con lui. Bill Weaver può dirvi come

spesso riescono a finire le frasi, ma loro devono costruire dei discorsi

conta per lui avere a che fare con una grande editor come Helen Wolff,

completamente astratti, che non tocchino mai niente di reale, e che pos-

un nome che ha un posto importante nell’editoria letteraria prima nella

sano generare altri discorsi astratti. Ecco dunque qual è la posizione dello

Germania di Weimar, poi negli Stati Uniti. Devo dire che i due paesi in cui

scrittore italiano: è scrittore colui che usa la lingua italiana in un modo

le traduzioni dei miei libri sono riusciti a marcare la loro presenza nell’at-

completamente diverso da quello dei politici, completamente diverso da

tualità letteraria sono gli Stati Uniti e la Francia, cioè i due paesi dove ho

quello degli intellettuali, ma non può fare ricorso al parlato corrente quo-

la fortuna d’avere degli editors d’eccezione; ho detto di Helen Wolff che

tidiano perché esso tende a perdersi nell’inarticolato.

ha il compito più facile, in quanto ha da fare con un traduttore anche

Per questo lo scrittore italiano vive sempre o quasi sempre in uno

lui d’eccezione come Bill Weaver; mi resta da dire di François Wahl, che

stato di nevrosi linguistica. Deve inventarsi il linguaggio in cui scrivere,

invece si è trovato a rifare da cima a fondo quasi tutte le traduzioni dei

prima d’inventare le cose da scrivere. In Italia il rapporto con la parola è

miei libri pubblicati in Francia da Seuil, finché l’ultima sono riuscito a far-

essenziale non solo per il poeta, ma anche per lo scrittore in prosa. Più

gli mettere anche la sua firma, firma che sarebbe giusto figurasse anche

d’altre grandi letterature moderne, la letteratura italiana ha avuto e ha

nelle traduzioni precedenti.

il suo centro di gravità nella poesia. Come il poeta, lo scrittore di prosa

Ci sono problemi che sono comuni all’arte del tradurre da qualsiasi

italiano ha un’attenzione ossessiva alla singola parola, e al “verso” con-

lingua, e problemi che sono specifici del tradurre autori italiani. Bisogna

tenuto nella sua prosa. Se non ha quest’attenzione a un livello cosciente,

partire dal dato di fatto che gli scrittori italiani hanno sempre un problema

vuol dire che scrive come in un raptus, come è proprio della poesia istin-

con la propria lingua. Scrivere non è mai un atto naturale; non ha quasi

tiva o automatica.

mai un rapporto col parlare. Gli stranieri che frequentano degli italiani

Questo senso problematico del linguaggio è un elemento essen-

avranno certo notato una paricolarità della nostra conversazione: non

ziale dello spirito del nostro tempo. Per questo la letteratura italiana è

sappiamo finire le frasi, lasciamo sempre le frasi a metà. Forse gli ame-

una componente necessaria della grande letteratura moderna e merita

ricani non sono molto sensibili a questo, perché anche negli Stati Uniti si

d’essere letta e tradotta. Perché lo scrittore italiano, al contrario di quel

parla con frasi spezzate, interrotte, esclamazioni, modi di dire senza un

che si crede, non è mai euforico, gioioso, solare. Nella maggior parte

preciso contenuto semantico. Ma se ci si confronta con i francesi che sono

dei casi ha un temperamento depressivo ma con uno spirito ironico. Gli

abituati a cominciare le frasi e a finirle, con i tedeschi che devono sempre

scrittori italiani possono insegnare solo questo: ad affrontare la depres-

mettere il verbo in fondo, e anche con gli inglesi che di solito costruiscono

sione, male del nostro tempo, condizione comune dell’umanità del nostro

le frasi con grande proprietà, vediamo che l’italiano parlato nella conver-

tempo, difendendosi con l’ironia, con la trasfigurazione grottesca dello

sazione corrente tende a svanire continuamente nel nulla, e se si dovesse

spettacolo del mondo. Ci sono anche gli scrittori che sembrano traboc-

trascriverlo si dovrebbe fare un uso continuo di puntini di sospensione.

canti di vitalità, ma è una vitalità a fondo triste, cupo, dominata dal senso

Ora, per scrivere bisogna invece condurre la frase fino in fondo, per cui la

della morte.

116

12 discursos retextualizados

“Tradurre è il vero modo di leggere un testo”, de Italo Calvino

117

é necessário que a voz que fala tenha um certo tom. Porém. O agradar ou não. exatamente o contrário da repetição das imagens conhecidas e do particularismo local. hoje. uma certa vivacidade. não é mais. Uma coisa é beber um vinho no lugar de sua produção e outra coisa é bebê-lo a milhares de quilômetros de distância. A comunicação deve estabelecer-se através do tom pessoal do escritor. ou seja. Primeiramente porque um romance regional implica em um conjunto de conhecimentos detalhados que o leitor estrangeiro nem sempre pode captar. isto é. porque um texto neutro pode ter valor somente se o tom cinzento tem um valor poético. especialmente os ambientados no sul e. e aqueles que não agradam. isto é. ele precisa ter originalidade e características universais. e em segundo lugar porque uma certa imagem da Itália como país “exótico” já está longe da realidade e dos interesses do público. Assim. pois. vale Traduzir é a verdadeira forma de ler um texto la pena di farlo: perché viviamo col massimo d’allegria possibile la disperazione universale. porque dá menos problemas de tradução. os problemas a resolver nunca faltam. em que se descrevem lugares que podem ser visitados. de linguagem. um certo timbre. de Italo Calvino 119 . Normalmente ouve-se dizer que os romances italianos que os estrangeiros leem com mais prazer são aqueles de ambiente muito bem caracterizado. com relação aos romances. para que um livro ultrapasse as fronteiras. per quanto difficile sia tradurre gli italiani. se for a criação de um cinza muito pessoal. Nos textos em que a comunicação é de tipo mais coloquial. complexa. acredito que essa também seja uma ideia superficial. para o tradutor. e isso pode dar-se também em uma língua corrente. Se il mondo è sempre più insensato. o 118 12 discursos retextualizados “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. coloquial. ninguém vai ter vontade de ler. E a linguagem tem uma grande importância nisso porque. de outra forma.È per questo che. não diferente da linguagem do jornalismo mais vivaz e brilhante. pode depender de questões de conteúdo ou de questões de forma. isto é. l’unica cosa che Entre os romances. como é característico da expressão literária. neutro. existem aqueles que agradam possiamo cercare di fare è dargli uno stile. Eu acredito que isso pode ter sido verdade. Em vista disso. introvertida. de qualquer forma. mas. e em que é celebrada a vitalidade italiana da forma como ela é construída no exterior. e pode também ser uma comunicação mais intensa. A opinião corrente é que se exporta com mais facilidade um autor que escreve em um tom cinza. para prender a atenção do leitor. como entre os vinhos.

mesmo a aparente facilidade. forma de ler a si mesmo. posso acrescentar que. não gostaria de deixar pare- vezes. é neces- a tradução. nasce em eu tinha escrito. de entender bem o que escreveu e o porquê. em que o drama da tradução como descrevi é mais forte quanto mais próxi- diversos níveis de linguagem. as tância é tanta que traduzir quer dizer. em que as que a poesia em versos é intraduzível por definição. a ordem e o ritmo das palavras e a comunicação falha. Resumindo. saber como elas era recuperada na tradução. como o italiano. para os textos estilisticamente mais complexos. de uma para as outras. mais cedo ou mais tarde à amarga constatação de que a sua possibili- nenhum. mas também saber entrar em con- palavra que era usada no meu texto com uma intenção irônica leve. função das perguntas do tradutor ao autor. Quantas traduz do inglês para o italiano. que pode acontecer somente pelo limitado suma. para não falar do literatura. via que podia até ser uma tradução fidelíssima. até mesmo o significado de um verbo fraco na construção da língua no mais alto grau. é a verdadeira dade com aquela desenvoltura que parece – que deve parecer – fácil. Porém. lendo a primeira versão da tradução de um texto meu que o tra- cer que apenas o italiano carrega essa cruz de ser uma língua complicada dutor me mostrava. em sintonia com o ções do italiano para o inglês e devo esclarecer duas coisas: a primeira é tom do autor. Eu na tradução. a dis- devem ser resolvidas frase por frase. Tal colaboração. Além disso. o espírito das duas línguas. algum tipo de milagre. rapidez e praticidade do lendo. o refletir sobre a entre editor e tradutor. na tradução. de alguma forma. Traduzir é bom tradutor. uma importância injustificada e um peso desproporcional. entre o italiano e o inglês. escrevendo. uma subordinada banal tomava. Um tradutor que não tem dúvidas não pode ser um que eu descobria apenas agora me relendo graças à tradução. dele. de forma quase inconsciente. mesmo aquela em prosa. que se equilibram entre si. dos tão diferentes do italiano que acabo por não me reconhecer de jeito Quem escreve em uma língua minoritária. de Italo Calvino 121 . um decalque literal. requer. e tradução pelo autor. Era só isso que eu tinha escrito? Como pude ter sido tão insosso e inglês requerem o dom particular exclusivo do verdadeiro tradutor. Consigo dar o meu primeiro julgamento sobre um tradutor a verdadeira forma de ler um texto. mas também resultados extraordinários justamente por nascerem de recursos linguísticos do próprio inglês. Em inglês. acredito muito na função da editora e na colaboração muitas vezes. o discutir com o tradutor. Mas. há casos em que as dificuldades se resol- Estou fazendo uma conferência em um congresso sobre as tradu- vem espontaneamente. Traduzir é sível salvar o espírito de um texto quanto menos se é exposto à tentação uma arte: passar para uma outra língua um texto literário. as dificuldades mas forem duas línguas. enquanto que. tenho a sorte de ser traduzido por Bill Weaver. como afirmação peremptória. não tinha percebido. insípido? Depois. Outrossim. Todos sabemos ocorreu com mais frequência lendo meus textos em francês. Em o tradutor. dade de comunicar mantém-se sobre uma corda bamba: basta trocar o A segunda coisa é que os problemas não são menores quando se som. a cada vez. que pode construir frases quase idênticas ao italiano e em que cada língua. pode haver resulta- duzir o intraduzível. eu sentia um estranhamento por aquilo que estava e intraduzível. Mas traduzir nunca é fácil. seguindo o jogo de contraponto. chega. Acredito que isso já tenha sido dito a partir do tipo de perguntas que ele me faz. relendo o meu texto em italiano e comparando-o com De qualquer língua e para qualquer língua que se traduza. situa-se no limite do intraduzível de espanhol. a sua essência secreta. podem transmitir. para um autor. independente de fazer. A tradução não é algo que se pode pegar e mandar 120 12 discursos retextualizados “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. não tato com o espírito dela. a tradução comunicava algo completamente diferente daquilo que número de línguas nas quais o autor pode dar uma opinião. O estranhamento do qual eu falava me de seu valor. e é pos- intenções conscientes ou os instintos inconscientes do autor. uma sário não apenas conhecer a língua. que possui esse espírito No meu texto.tradutor consegue acertar o tom desde o início e pode lhe dar continui- tradução de seu próprio texto. e não em função da revisão da Todas essas são coisas que. recriar. mas a verdadeira possibilidades de uma distorção invisível são contínuas. Acredito muito na colaboração do autor com sintática da frase soava. O tradutor literário é aquele que aposta tudo de si para tra- o espírito é completamente o contrário.

então. aliás. é necessário. é um desastre. quase todas as traduções dos meus estado de neurose linguística. qual é a posição do escritor italiano: é escritor duções dos meus livros foram bem sucedidas. Mais que outras grandes litera- Existem problemas que são comuns à arte de traduzir de qualquer turas modernas. antes na Alemanha de Weimar. o escritor italiano vive sempre. Também os intelectuais. em um que teve de refazer. vemos que o italiano da fala corrente a transfiguração grotesca do espetáculo do mundo. Deve inventar a língua na qual escrever. falei sobre Helen mas não pode fazer uso do falado corrente porque este tende a perder-se Wolff. Na fazer com que ele colocasse a sua assinatura também. Os estrangeiros que convivem como em um raptus. isto é. frequentemente. nesse sentido. condição depois de tudo. interjeições. marcando sua presença aquele que usa a língua italiana em um modo completamente diferente na atualidade literária. solar. Seria justo que Itália. essa assinatura estivesse. também excepcional como Bill Weaver. Naturalmente. na poesia. a escrita requer um uso da lingua- na Itália. disto. que tem a tarefa mais fácil. é extraordinária. com os alemães. expressões sem um conteúdo semântico preciso. contudo. e se fosse necessário transcrevê-lo. Como o poeta. Se ele problema com a própria língua. assim como é na poesia instintiva ou automática. não não tem esse cuidado em nível consciente. É necessário podem existir casos em que o editor estraga o trabalho bem feito do tra- escrever frases acabadas que querem dizer alguma coisa porque. mesmo sendo bom. mas com um espírito irônico. ao contrário daquilo que se acredita. mas também para o escritor de prosa. mas eles têm o problema oposto: o de falar frase por frase por alguém que compare texto original e tradução e possa. a relação com a palavra é essencial não somente para o poeta. eventualmente. consegui antes mesmo de inventar. Por isso. Inclusive polí- mente quando é bom. e também com os ingleses que. com as frases com grande competência. finalmente na última. Resta-me falar de François Wahl.à gráfica. países onde tenho a sorte de ter editores excepcionais. a literatura italiana teve e tem seu centro de gravidade língua. Por isso. doença do nosso tempo. uma relação com a fala. um terminar as frases. dutor. ou quase sempre. e é a regra quase geral na França. abstratos. cabadas. Bill Weaver pode contar o quanto vale. da grande literatura moderna e merece ser lida e traduzida. com os italianos terão certamente notado uma particularidade da nossa Esta problematização da linguagem é algo essencial do espírito do língua oral: não sabemos terminar as frases. constroem comum à humanidade do nosso tempo. isso quer dizer que ele escreve há. seria preciso usar 122 12 discursos retextualizados “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. também. Ora. e que possam gerar outros discur- depois nos Estados Unidos. que nunca toquem no real. que devem sempre colocar o verbo apenas isto: a enfrentar a depressão. isto é. O trabalho do editor é oculto. nas traduções anteriores. Escrever nunca é um ato natural. escrever a frase até o fim. uma vez que trabalha com um tradutor no inarticulado. o escritor italiano em prosa tem um cuidado Precisa-se considerar. mas quando existe. as coisas para escrever. que o tradutor. são os Estados Unidos e a França. pois. tem um temperamento depres- Mas se comparado com os franceses. dá seus fru- um monte de reticências. justa- o tradutor não pode esquivar-se: deve sempre dizer algo. nunca é eufórico. Devo dizer que os dois países em que as tra- sos abstratos. a literatura italiana é um componente necessário pela metade. gem completamente diferente daquela falada no cotidiano. para escrever. Na maior parte dos casos. como acontece hoje na grande maioria dos casos rio. de Italo Calvino 123 . para não dizer. O escritor porque também nos Estados Unidos se fala com frases pela metade. Existem. Eis. e problemas que são específicos ao traduzir autores italianos. Quando não existe. Os escritores italianos podem ensinar frases e acabá-las. discutir com ele. alegre. trabalhar com uma grande profissional como Helen Wolff. para si próprio. livros publicados na França pela Seuil. deixando sempre as frases nosso tempo. geralmente. tem necessidade de que seu trabalho seja avaliado ticos terminam as frases. acredito. os dois daquele dos políticos. mas eles devem construir discursos completamente nome relevante para a editoria literária. a priori. ina- italiano. Talvez os americanos não sejam muito sensíveis a isso. que são habituados a começar as sivo. defendendo-se com a ironia. conseguem para ele. e é necessário reconhecer que sua arte. os tende a esvair-se. e. quase nunca. também. completamente diferente daquele dos intelectuais. por completo. que os escritores italianos têm sempre um obsessivo com cada palavra. e com o “verso” contido na sua prosa. pelo contrá- tos.

tem três traduções possíveis em português. não parece oferecer grandes problemas de tradução. onde se lê: “i romanzi italiani che gli stranieri leggono più volentieri sono quelli d’ambiente molto caratterizzato localmente [. vale di leggere un testo”. Porém. dominada pela ideia da morte. Outra dificuldade tradutória encontra-se no quarto e quinto parágrafos do texto original. em italiano.escritores que parecem transbordar vitalidade. Esse trecho. é superior à frequência de uso de modo em português. usando um corpus de cada idioma. Por outro lado. afirma Calvino. maneira de ler e forma de ler.. Postas a homofonia e a homografia nas duas línguas das palavras forma e modo. em italiano. foram encontrados diversos obstáculos durante a a pena fazê-lo. a palavra italiana modo foi traduzida em português por forma.] primo perchè un romanzo locale implica un insieme di conoscenze”. mas é uma vitalidade que Reflexões acerca do ato tradutório vem da tristeza. Lendo-o superficialmente. em italiano. dependendo do contexto. e modo di leggere. O desafio de tradução encontra-se no uso da palavra localmente. Como primeira reflexão. a frequência das colocações modo de ler. ‘maneira’ e ‘forma’. que é escura. faz-se necessária a tradução pragmaticamente correta e. ‘modo’.. Porém. porque nós. para isso foram tomadas algumas decisões. Se o mundo é. A primeira decisão foi a de omitir a 124 12 discursos retextualizados “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. Há também. “vale la pena di farlo”. e avaliei. a palavra forma é empregada mais frequentemente em português do que em italiano. em português. Apesar da aparente simplicidade linguística de “Tradurre è il vero modo É por isso que. Os resultados mostraram emprego diferente nas duas línguas. por mais difícil que seja traduzir os italianos. portanto. insensato. verifiquei que a palavra modo. traduzi-lo não foi uma tarefa simples. cada vez mais. maniera di leggere e forma di leggere. vivemos o desespero uni- tradução e. foi traduzido por “os romances italianos que os estrangeiros leem com mais prazer são aqueles de ambiente muito bem caracterizado [. pesquisando. realizei um levantamento sobre a frequência de uso dessas duas palavras nas línguas portuguesa e italiana. autores italianos.] Primeiramente porque um romance regional implica em um conjunto de conhecimentos” (grifos meus). como versal com a máxima alegria possível. Novamente... A frequência de uso de modo. relacionadas a seguir. tomo o próprio título do texto original: “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. ainda. Tendo em vista que a tradução pragmaticamente correta é sempre a mais adequada. isto é. de Italo Calvino 125 . a única coisa que podemos tentar fazer é dar a ele um estilo. os aparentes sinônimos maniera e forma.

neutro” (grifos meus). A palavra localmente foi. ou seja. ‘cinza’ em português. Com isto. não é apenas um processo de “Tradurre è il vero modo di leggere un testo”. Outra decisão tradutória tomada está. a modalidade tradutória do acréscimo. cuja tradução acabou sendo nas duas línguas reside na duplicidade de significado do verbo poder que. isso não acontece com outras línguas como. nesse caso. O trecho em italiano é rizzato localmente”. que pode ação. No exemplo acima apresentado. Dessa forma. forma. entre o emprego de sinonímia entre os termos neutro e grigia/grigiore. é muito pessoal” (grifos meus). em inglês.1 É o caso em que o tradutor deve fazer escolhas ou até mesmo exclu- do italiano para o português pode ser mais simples do que para outras sões. necessário omitir algo da tradução. o tra- Aproveitando a possibilidade de mostrar a presença. por vezes a tradução nal. porém. é usado para expressar tanto possi- compreenderá o texto traduzido com maior eficácia e rapidez. o seguinte trecho dos verbos may e can. em alemão. dessa forma.. a situação discursiva será mantida sem que haja problemas regional foi escolhido em português para designar o tipo de romance que tradutórios. Usei. ao contrário do exposto até agora. A palavra grigiore não expressa uma cor. a ideia de local preciso. O tradutor deveria. Traduzir. que línguas. exige-se menor esforço cognitivo por parte do leitor. inexistente à primeira vista. o inglês e o tornando-se polissêmico.. de um processo decisio- Contudo. aqui. Além disto. traduzido como “primeiramente porque um liano. conseguir manter essa polissemia em seu texto também. a tradução do trecho No leque de opções tradutórias possíveis. traduzido como “um tradutor que não tem dúvidas não pode ser um bom tradutor” (grifo meu). A ambiguidade tradução das palavras grigia e grigiore.. tro pode ter valor somente se o tom cinzento [.tradução da palavra localmente em: “sono quelli d’ambiente molto caratte- que são usadas em continuação como sinônimos. 1 126 12 discursos retextualizados gerou dúvidas tradutórias. “uno scrittore che scrive in un tono neutro” foi traduzido como “um autor Ele também poderia utilizar outras estratégias para expressar apenas um que escreve em um tom cinza. pois nesses idiomas há um verbo específico para indicar possibi- ideia de algo cinzento como um todo. O verbo poder. dutor para o inglês ou para o alemão deveria decidir. ‘cinza’. está na può essere un buon traduttore”. no trecho: “primo perché un romanzo locale implica sibilidades interpretativas para o mesmo verbo existem também em ita- un insieme di conoscenze”. “processo decisional” do tradutor. substituída pelo intensificador creazione d’un grigiore molto personale”. termo que também pode ser usado lidade.] a criação de um cinza Conforme Jiři Levý. eventualmente. também significar ‘indiferença’. ‘neutralidade’ ou até mesmo ‘tristeza’. La traduzione come processo decisionale. Sua dificuldade interpretativa e tradutória está na palavra stile. para fins de legibilidade textual.. Porém. mas seria inadequada por não expressar o pensamento do autor. encontram-se estilo. em português. O termo por ‘poder’. A tradução literal de locale seria ‘local’. traduzido como “um texto neu- bem. ‘cinzento’ e. às vezes. por exemplo. habilidade. Mais um desafio linguístico. possibilidades que surgem devido às diversas interpretações plausíveis. também. estratégia de traduzir a palavra italiana neutro por ‘cinza’ em português e A conclusão do texto de Calvino é também um ponto que merece depois de explicitar dizendo que. e caberá ao leitor atribuir ao texto um dos dois significados. habilidade ou permissão de se fazer algo. assim. ‘neutro’. recuperando. mas a alemão. seria desnecessária em “una scrittura grigia può avere un valore solo se il senso di grigiore [. significa ‘neutro’. formato e exemplificado abaixo recupera o sentido metafórico das duas palavras. O texto em italiano afirma que “un traduttore che non ha dubbi non Calvino chama de romanzo locale. pois. A dificuldade de interpretar a real intenção comunicativa do autor LEVÝ. nesse caso. Essas três pos- à palavra locale. A dificuldade aqui reside no uso nesse caso. relacionada bilidade quanto permissão e. já que a repetição. indica tanto a habilidade quanto a possibilidade de fazer uma metafórico do adjetivo italiano grigio. reflexão. Exemplifico a seguir. tratando-se. Adotei a dos sentidos ou os vários. de Italo Calvino 127 . e entre dürfen e können. mais uma vez. para Calvino. Lembro do já acima citado autor Levý e daquilo que ele chama de forma metafórica.] la português. ao traduzir para o português o verbo italiano potere romance regional implica em um conjunto de conhecimentos”.

Mondo scritto e mondo non scritto. LEVÝ. Com relação à importância de conhecer bem a língua de partida. São Paulo: Edusp. São Paulo: Companhia Editora Nacional. enfrentar desafios e viver as satisfações do ato tradutório. Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. estou convencido de que a habilidade de saber escrever bem na língua de chegada. “é importante para o treinamento de tradutores. Referências CALVINO. 128 12 discursos retextualizados Dicionários FERREIRA. compartilhada por todos. 84-91. Milano: Oscar Mondadori. 2002. Mini Dizionario Italiano. de fato. pois isso já é uma condição sine qua non. Espero que compartilhá-la com estudantes de tradução possa contribuir. Aurélio Buarque de Hollanda. ed. Italo.). MATERA.decodificação. na fase inicial do aprendizado da tradução. BARANELLI. 2. Oscar Opere di Italo Calvino. Traduzione di Stefano Traini. Jiři. 2011. (Cur. 2001. ed. Carlo. é um requisito fundamental para uma boa tradução. para a formação de novos profissionais. In: NERGAARD. não é o caso de tecer comentários. Tradurre è il vero modo di leggere un testo. ed. como pode parecer.). Luca (Cur. 2008. In: ______. mas o resultado de uma reflexão consciente. Introduzione di Claudio Milanini. 2. 1972. Esse exercício tradutório foi um laboratório de grande valia para meu amadurecimento e formação profissionais. Teorie contemporanee della traduzione. bem capacitados para as novas demandas. V. 2007. Andréia. não na decodificação”. p. Italo. de qualquer idioma que se traduza. a grande lição aprendida com este trabalho. Novara: Istituto Geografico de Agostini. nesse caso o português. porque a ênfase recai na composição na língua alvo. Como afirmam Calvino e também Guerini sobre o necessário muito bom conhecimento da língua alvo – ao dizer que o exercício de tradução dos clássicos gregos e latinos. 63-83. Florianópolis: Editora da UFSC/PGET. E essa foi. 2007. p.). Lettere 1940-1985. GIUNTI. GUERINI. também chamada língua do texto dito “original”. La traduzione come processo decisionale. de alguma forma. 1. Milano: Oscar Mondadori. a tradução de stile por ‘estilo’ não é a simples tradução lexical e literal. São Paulo: Martins Fontes. e acredito que a formação de tradutores depende de experiências empíricas que nos fazem sentir dificuldades. Parola chiave – Dizionario di Italiano per Brasiliani. mas um trabalho de interpretação crítica profunda. Gênero e tradução no Zibaldone de Leopardi. Dessa forma. Milano: Bompiani. CALVINO. maggio 2002. . Siri (Cur.

letras. As edições Viva Voz estão disponíveis em versão eletrônica Acabamento em kraft 420 g/m2 (capa) e no site www.ufmg. .br/vivavoz costura artesanal com cordão encerado.) Tradução: literatura e literalidade Octavio Paz Trad. não tradutologia Henry Meschonnic Da transcriação poética e semiótica da operação tradutora Haroldo de campos Composto em caracteres Verdana e impresso a laser em papel reciclado 75 g/m2 (miolo). Doralice Alves de Queiroz Poética do traduzir. de Walter Benjamin: quatro traduções para o português Lucia Castello Branco (Org.Publicações Viva Voz de interesse para a área de tradução A tarefa do tradutor.

As edições são elaboradas pelo Laboratório de Edição da FALE / UFMG . . estudos orientados e monitorias). constituído por estudantes de Letras – bolsistas e voluntários – supervisionados por docentes da área de edição.As publicações Viva Voz acolhem textos de alunos e professores da Faculdade de Letras. especialmente aqueles produzidos no âmbito das atividades acadêmicas (disciplinas.