You are on page 1of 18

Desenho geométrico

Ponto:

Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição.

Reta:

Linha que estabelece a menor distância entre 2 pontos.

Por 1 ponto podem passar infinitas retas.

Por 2 pontos pode passar apenas 1 reta.

Plano:

Superfície reta em todos os sentidos.

1
Por 1 reta podem passar infinitos planos.

Por uma reta e um ponto passa apenas 1 plano.

Por duas retas pode passar apenas 1 plano.

2
Tipos de reta:

Tipos Comentário exemplos

Tem somente um
Concorrentes
ponto em comum

São concorrentes
Obliquas e não formam
ângulo reto

São co-planares
e não tem
Paralelas
nenhum ponto
em comum

Todos os pontos
Coincidentes
são comuns

Quando cortam 2
Transversais
retas paralelas

Encontram-se em
um ponto
Perpendiculares
formando um
ângulo de 90°

Quando não tem


pontos em
comum, mas
ortogonais
suas projeções
formam um
ângulo reto.

3
Usando régua e compasso traçar uma reta paralela à reta ”r” passando pelo
ponto “A”

Usando régua e compasso traçar uma perpendicular e uma paralela à reta “r”
passando pelo ponto “A”:

Traçar a mediatriz do segmento de reta “AB”

4
Traçar uma perpendicular à reta “a”, no ponto “P”, usando régua e compasso:

Dada a semi-reta “OA”, traçar uma perpendicular no ponto “O” usando régua e
compasso:

Ângulos

Bissetriz: reta que divide um ângulo em 2 partes iguais.

5
Divisão do segmento de reta “AB” em “n” partes iguais.

Obs.: “n” pode ser qualquer valor maior que 1

(no exemplo n = 5)

5
4
3
2
1
A B
1’ 2’ 3’ 4’ 5’

Etapas:

1- Traçar uma reta auxiliar com qualquer inclinação passando pelo


ponto “A”;
2- Dividir essa reta auxiliar em 5 partes iguais;
3- Unir o ponto “5” com o ponto “B”
4- Utilizando o jogo de esquadros traçar paralelas passando pelos
pontos 4; 3; 2 e 1

Divisão de um ângulo em 3 partes iguais.

[nota] existem duas situações – uma para o ângulo reto (90°) e outra para
qualquer ângulo não reto

Para o ângulo de 90°:

Para um ângulo diferente de 90° (esta divisão é aproximada):

6
D
H
O E F
G
C

Passos:

1- Traçar uma circunferência auxiliar


2- Prolongar os lados do ângulo (pontos “C” e “D”)
3- Traçar a bissetriz “EF” = “OE” (raio da circunferência)
4- Unir “F” à “C” e “D”

Os pontos “G” e “H” dividem o ângulo em 3 partes aproximadamente iguais.

Bissetriz de um ângulo formado pelas retas “r” e “s” e cujo vértice é


desconhecido:

A B

Passos:

1- Traçar uma reta cortando as retas “r” e “s”


2- Achar as bissetrizes dos ângulos formados pelas retas
3- Onde cruzam as bissetrizes dos quatro ângulos formados indicar os pontos “A”
e “B”
4- Traçar uma reta (que é a bissetriz) passando por esses dois pontos

7
Construir os ângulos de: 30°, 45°, 60° e 75°.

75°
90°
60° 60°

30°

O O

90°

45°

Construções fundamentais de triângulo

Tipo Características Ângulos


Eqüilátero Três lados iguais Três ângulos iguais de 60°.
Dois ângulos iguais e um
Dois lados iguais e um
Isósceles diferente, mas os valores
diferente
dos ângulos não são fixos.
3 ângulos diferentes com
Escaleno Três lados diferentes valores que também não são
fixos.

Quando os triângulos isósceles e escaleno têm um ângulo reto (90°) são


chamados de triângulo retângulo

Construir um triângulo conhecendo-se um lado “AB” e os ângulos adjacentes:

Ângulo A = 30° Ângulo B = 45° Lado AB = 4 cm

8
C

30° 45°
A B
4 cm

Construir um triângulo conhecendo-se 2 lados e o ângulo “A”

AB = 5 cm AC = 4 cm  = 15°

C
4 cm
15°
A B
5 cm

Construir um triângulo conhecendo-se seus três lados:

AB = 6 cm BC = 4,5 cm AC = 3,5 cm

C
4,5
cm

cm
3, 5

A 6 cm B

9
Construir um triângulo retângulo conhecendo-se sua hipotenusa e um cateto.

AC = 4 cm CB = 7 cm

7c
m
A 4 cm C

Construir um triângulo retângulo conhecendo-se a hipotenusa e um ângulo


agudo.

BC = 5 cm Ang. B = 22°30’

C
5c
m

22°30’
A B

Construir um triângulo isósceles cuja base mede 4 cm e sua altura 6 cm.

10
Altura 6 cm
Base 4 cm

Mediatriz

Polígonos regulares

São figuras geométricas que tem todos os seus lados do mesmo tamanho.

Triangulo eqüilátero:

11
Quadrado:

Pentágono:

D
F

E C

L M K H r

A B
G

Etapas:

1- Traçar uma perpendicular à reta “r” passando pelo ponto “M”


2- Traçar uma circunferência com centro em “M”
3- Com a ponta seca do compasso no ponto “H”, traçar um arco passando pelo
ponto “M”
4- Unir os pontos “F” e “G” e determinar o ponto “K” na reta “r”

12
5- Com a ponta seca do compasso no ponto “K”, abrir até o ponto “D” e achar o
ponto “L” na reta “r”
6- Com a ponta seca do compasso no ponto “D”, abrir até o ponto “L” e traçar um
arco que corta a circunferência achando o ponto “E”.
7- A distância de “D” até “E” é o lado do pentágono. Com o compasso aberto
nesta distância achar os pontos “A”, “B” e “C” e unir os pontos.

Hexágono:

E C

F B

Circunferência e concordância

Achar o centro

M
ed
ia
tri iatriz
z d
Me

13
Circunferência inscrita a um triângulo

Bissetriz
M

se triz
Bis
Bis
se
triz

Circunscrita a um triângulo

z
Me tri
ia
d
ed

iat
M

riz

M
Mediatriz

14
Concordância

Concordância de duas retas por meio de um arco (por exemplo, com raio de
15mm):

15mm

m
5 m
1
r=
15mm

Etapas

1. Traçar paralelas às retas na mesma distância do raio do arco;


2. Onde as paralelas cruzarem é o centro do arco ode deve ser colocada a
ponta seca do compasso.
15
mm

m
1 5m
r =
15mm

15
mm
m
5 m

15
1

r=

15mm
Concordância de duas circunferências por meio de um arco

r1
r1

A O

AM = OM = r+r1

Concordância de um arco e uma reta

M
r

r1
r

OM = r1+r

16
Oval

O
C D

Etapas:

1. Com centro em “O” traçar uma circunferência


2. Traçar as linhas partindo de “B” passando por “C” e “D”
3. Traçar as linhas partindo de “A” passando por “C” e “D”
4. Com a ponta seca do compasso em “B” abrir até “A” e traçar um arco
até as retas.
5. Repetir o mesmo passo com a ponta seca em “A”
6. Com a ponta seca em “C” e “D” fazer a concordância dos arcos.

Perspectiva com pontos de fuga

Observação da natureza:

Ao observarmos a foto de uma rua, paisagem, edifício, etc, podemos perceber


que todas as linhas convergem para um ponto na profundidade do espaço. Esse
ponto é denominado ponto de fuga.

Modificando-se a posição do observador ou a altura dos olhos modifica-se


também a perspectiva.

O ponto de fuga localiza-se sempre na altura dos olhos do observador

17
Em ralação ao observador e ao horizonte todos os objetos podem assumir três
posições básicas:

O observador poderá estar acima, no meio ou abaixo do objeto focalizado.

Perspectiva frontal:

Tem um único ponto de fuga, que pode ser central ou não.

Projeção angular lateral:

Permite desenhar uma imagem tridimensional à partir de 2 pontos de fuga.

18