You are on page 1of 42

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA

CATÁLOGO DOS

CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

2015

FICHA CATALOGRÁFICA
(Preparada pela Biblioteca Central da Unicamp)
Universidade Estadual de Campinas
Faculdade de Engenharia Mecânica
Catálogo dos Cursos de Pós-Graduação 2015.
Campinas, 2015.
42 p.

1. Catálogos. I. Título.
Este Catálogo é editado anualmente pela
Comissão Central de Pós-Graduação
Universidade Estadual de Campinas
Cidade Universitária Zeferino Vaz - Barão Geraldo
13.083-970 - Campinas - SP - Brasil
Fone: (019) 3521-4954
Fax: (019) 3521-4885
http://www.prpg.unicamp.br
Faculdade de Engenharia Mecânica
Caixa Postal: 6122
CEP 13.083-860
Fone: (019) 3521-3245
E-mail: cpg@fem.unicamp.br
http://www.fem.unicamp.br/

CALENDÁRIO ESCOLAR DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

UNICAMP/2015

JANEIRO/2015

23

01
02 e 03
05

23 e 24

- Confraternização Universal.
- Não haverá atividades.
- Início do período para Trancamento de Matrícula do 1º
período letivo de 2015, na DAC.
05 e 06
- Adequação de matrícula das disciplinas oferecidas nas
Férias de Verão de 2015.
05 a 10
- Período de reposição de atividades e estudos do 2º
período letivo de 2014 e de disciplinas oferecidas na 2ª
metade do 2º período letivo de 2014.
05 a 21
- Prazo para entrada de Conceitos e Frequencias do 2º
período letivo de 2014 e de disciplinas oferecidas na 2ª
metade do 2º período letivo de 2014, na WEB.
05 a 22
- Matrícula em Disciplinas para o 1º período letivo de
2015 e em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª
metades do 1º período letivo de 2015, na WEB.
06
- DAC divulga na WEB: Relatórios de Matrícula das
disciplinas a serem oferecidas nas Férias de Verão de
2015.
07
- Início das atividades das disciplinas a serem oferecidas
nas Férias de Verão de 2015.
10
- Último dia para retificação de Conceitos e Frequencias
do 1º período letivo de 2014 e de disciplinas oferecidas
na 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2014.
- Término do 2º período letivo de 2014 e de disciplinas
oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2014.
12
- Último dia para a DAC encaminhar às Coordenadorias
de Programas os processos para elaboração do
Catálogo dos Cursos de Pós-Graduação do ano de
2016.
12 a 14
- Alteração de Matrícula em disciplinas oferecidas nas
Férias de Verão de 2015, na WEB.
13 a 29.04 - Prazo para as Coordenadorias de Programas
elaborarem as propostas para o Catálogo dos Cursos
de Pós-Graduação do ano de 2016.
14 a 20
- Exames Finais do 2º período letivo de 2014 e de
disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo
de 2014.
15 a 27
- Desistência de Matrícula em disciplinas oferecidas nas
Férias de Verão de 2015, na DAC.
16
- Último dia para as Coordenadorias de Programas
protocolizarem na DAC o pedido de emissão da Carta
de Aceitação para alunos estrangeiros, regulares e
especiais para o 1º período letivo de 2015.
29
- Comissão Central de Pós-Graduação - CCPG recebe
os Catálogos dos Cursos de Pós-Graduação do ano de
2015.

FEVEREIRO/2015
04 a 06

11 a 20
14 a 18
21

- Matrícula em disciplinas para o 1º período letivo de
2015 e em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª
metades do 1º período letivo de 2015 - Alunos
Ingressantes.
- Prazo para Adequação de Matrículas do 1º período
letivo de 2015.
- Não haverá atividades.
- Término das atividades das disciplinas oferecidas nas
Férias de Verão de 2015.

23 a 25

25

26 e 27

- DAC divulga na WEB: Relatórios de Matrícula e
Histórico Escolar.
- Exames Finais das disciplinas oferecidas nas Férias de
Verão de 2015.
- Prazo para entrada de Conceitos e Frequências das
disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2015, na
WEB.
- Início das atividades do 1º período letivo de 2015 e das
disciplinas oferecidas na 1ª metade do 1º período letivo
de 2015.
- Matrícula Suplementar para o 1º período letivo de 2015
e em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª
metades do 1º período letivo de 2015 - Alunos
Ingressantes.
- Estudante Especial - inscrição em disciplinas isoladas
de Pós-Graduação, na DAC.

MARÇO/2015
08 a 11

- Alteração de Matrícula em disciplinas do 1º período
letivo de 2015 e em disciplinas oferecidas nas 1ª e 2ª
metades do 1º período letivo de 2015, na WEB.
09 a 13
- Prazo para as Coordenadorias de Programas atuarem
nos pedidos de Alteração de Matrícula do 1º período
letivo de 2015 e em disciplinas oferecidas nas 1ª e 2ª
metades do 1º período letivo de 2015.
13
- Coordenadorias de Programas recebem os Relatórios
referentes à elaboração dos horários do 2º período
letivo de 2015.
16 a 26
- Prazo para solicitação de Desistência de Matrícula em
disciplinas oferecidas na 1ª metade do 1º período letivo
de 2015, aluno regular na WEB e estudante especial na
DAC.
16 a 28.04 - Prazo para solicitação de Desistência de Matrícula em
disciplinas do 1º período letivo de 2015, aluno regular
na WEB e estudante especial na DAC.
16 a 29.05 - Prazo para as Coordenadorias de Programas incluírem
e efetuarem alterações de horários das disciplinas a
serem oferecidas no 2º período letivo de 2015, 1ª e 2ª
metades do 2º período letivo de 2015 e disciplinas a
serem oferecidas nas Férias de Inverno de 2015.

ABRIL/2015
02 a 04
20 e 21
27 a 29
28

29

30

- Não haverá atividades.
- Não haverá atividades.
- Matrícula em disciplinas que serão oferecidas na 2ª
metade do 1º período letivo de 2015, na DAC.
- Último dia para solicitação de Desistência de Matrícula
em disciplinas do 1º período letivo de 2015, aluno
regular na WEB e estudante especial na DAC.
- Último dia para as Coordenadorias de Programas
elaborarem as propostas para o Catálogo dos Cursos
de Pós-Graduação do ano de 2016.
- Último dia para o cumprimento da carga horária e
programas da 1ª metade do 1º período letivo de 2015.
- Término das disciplinas oferecidas na 1ª metade do 1º
período letivo de 2015.
- Último dia para as Coordenadorias de Programas
encaminharem à DAC os processos de Catálogo dos
Cursos de Pós-Graduação para o ano de 2016, com as

29 .Último dia para entrada de Conceitos e Frequências da 1ª metade do 1º período letivo de 2015.Exames Finais do 1º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015. 08 a 17 . .: 1ª. aluno regular na WEB e estudante especial na DAC.Matrícula Suplementar para o 2º período letivo de 2015 e em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª .Desistência de Matrícula em disciplinas oferecidas nas Férias de Inverno de 2015.FOP. 06 e 07 . devidamente informados.Matrícula em disciplinas do 2º período letivo de 2015 e Matrícula em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 2º período letivo de 2015.Início das atividades do 2º período letivo de 2015 e das disciplinas oferecidas na 1ª metade do 2º período letivo de 2015. na WEB. MAIO/2015 01 e 02 04 .Prazo para entrada de Conceitos e Frequências do 1º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015.DAC divulga na WEB os horários do 2º período letivo de 2015.Último dia para as Coordenadorias de Programas incluírem e efetuarem alterações de horários das disciplinas a serem oferecidas no 2º período letivo de 2015.Coordenadorias de Programas recebem o relatório final de horários do 2º período letivo de 2015.Não haverá atividades.Trancamento de Matrícula do 2º período letivo de 2015. na WEB.Último dia para as Coordenadorias de Programas protocolizarem na DAC o pedido de emissão da Carta de Aceitação para alunos estrangeiros.Último dia para o cumprimento da carga horária e programas das disciplinas do 1º período letivo de 2015 e disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015.Prazo para entrada de Conceitos e Frequências das disciplinas oferecidas nas Férias de Inverno. nas Unidades de Ensino. na WEB. 19 . . 1ª e 2ª metades do 2º período letivo de 2015 e de disciplinas a serem oferecidas nas Férias de Inverno de 2015.Alteração de Matrícula em Disciplinas oferecidas nas Férias de Inverno de 2015. . na DAC. na WEB. 07 a 01. .Último dia para solicitação de Desistência de Matrícula em disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015. 23 . 13 a 18 . regulares e especiais para o 2º período letivo de 2015. 01 a 22 . feira.Não haverá atividades. na DAC. 06 . .06 .Matrícula em disciplinas para o 2º período letivo de 2015 e em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 2º período letivo de 2015 . JUNHO/2015 01 04 a 06 08 a 12 13 16 19 23 24 e 25 29 30 . . Deverão ser respostas na semana de reposição e estudos da 2ª metade do 1º período letivo uma quinta- JULHO/2015 01 a 08 .Matrícula em disciplinas oferecidas nas Férias de Inverno de 2015. na DAC.Período para entrada de Conceitos e Frequências da 1ª metade do 1º período letivo de 2015.Prazo para Adequação de Matrículas do 2º período letivo de 2015. 3ª. 13 a 15 . 2ª.pré-inscrição para cursar disciplinas isoladas de Pós-Graduação no 2º período letivo.Alteração de Matrícula em disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015. Obs. para que se complete a carga horária das disciplinas ministradas nesse dia. 09 a 11 .Período de reposição de atividades e estudos do 1º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015. na WEB.Último dia para a DAC encaminhar às Coordenadorias de Programas. 31 .Último dia para Trancamento de Matrícula do 1º período letivo de 2015. 31 a 06.Prazo para Adequação de Matrículas das disciplinas oferecidas nas Férias de Inverno de 2015. 28 a 31 . . devidamente conferidos. . para que se complete a carga horária das disciplinas ministradas nesses dias. .08 . na WEB. uma sexta-feira e um sábado nos campi de Campinas e Limeira. 1ª e 2ª metades do 2º período letivo de 2015 e disciplinas a serem oferecidas nas Férias de Inverno de 2015.Término do 1º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015. Deverão ser repostas na semana de reposição e estudos da 2ª metade do 1º período letivo uma quintafeira.DAC divulga na WEB: Relatórios de Matrícula das disciplinas oferecidas nas Férias de Inverno de 2015. 30 a 06. uma sexta-feira e dois sábados no campus de Piracicaba. 01 a 31 .Início das atividades das disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015. 01 a 19. .Não haverá atividades. na WEB.Período para solicitação de Desistência de Matrícula em disciplinas oferecidas na 2ª metade do 1º período letivo de 2015. No decorrer do 1º período letivo há necessidade da reposição de um sábado na Faculdade de Odontologia de Piracicaba .propostas devidamente aprovadas pelas Congregações.05 . 01 a 21 . AGOSTO/2015 03 . na WEB. os processos para a elaboração do Catálogo dos Cursos de PósGraduação do ano de 2016.10 . os processos para a elaboração do Catálogo dos Cursos de Pós-Graduação do ano de 2016. .Estudante Especial . 08 . para que se complete a carga horária das disciplinas ministradas nesses dias.DAC divulga na WEB: Relatórios de Matrícula e Histórico Escolar. 05 e 06 .Não haverá atividades na Faculdade de Odontologia de Piracicaba. . .Último dia para as Coordenadorias de Programas encaminharem à DAC. . 1ª e 2ª metades do 2º período letivo de 2015 e disciplinas a serem oferecidas nas Férias de Inverno de 2015. aluno regular na WEB e estudante especial na DAC.Período das atividades das disciplinas oferecidas nas Férias de Inverno.Último dia para retificação de Conceitos e Frequências do 2º período letivo de 2014 e de disciplinas oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 2º período letivo de 2014.Alunos Ingressantes.

CCPG os processos para a elaboração do Catálogo dos Cursos de Pós-Graduação do ano de 2016. . na WEB. .Último dia para as Coordenadorias de Programas incluírem e efetuarem alterações de horários das disciplinas a serem oferecidas no 1º período letivo de 2016.: 1ª.Divulgação do Catálogo dos Cursos de Pós-Graduação do ano de 2016.11 . aluno regular na WEB e estudante especial na DAC.Prazo para entrada de Conceitos e Frequências das disciplinas oferecidas na 1ª metade do 2º período letivo de 2015.09 - 24 - 25 a 05.Não haverá atividades. .pré-inscrição para cursar disciplinas isoladas de Pós-Graduação. 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016 e de disciplinas a serem oferecidas nas Férias de Verão de 2016.inscrição em disciplinas isoladas de Pós-Graduação. para o oferecimento de disciplinas nas Férias de Verão de 2015.Congresso de Iniciação Científica de 2015. na DAC. . para que se complete a carga horária das disciplinas ministradas nesse dia. No decorrer da 2ª metade do 2º período letivo há necessidade da reposição de uma segunda-feira nos campi de Campinas.Último dia para solicitação de Desistência de Matrícula em disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. aluno regular na WEB e estudante especial na DAC.Não haverá atividades.Alteração de Matrícula em disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. na WEB. 29 . .Último dia para solicitação de Desistência de Matrícula em disciplinas do 2º período letivo de 2015. NOVEMBRO/2015 02 03 04 05 09 07 09 OUTUBRO/2015 01 . os alunos estarão dispensados das aulas.Não haverá atividades. 2ª. 30 a 06. Limeira e Piracicaba. Prazo para as Coordenadorias de Programas atuarem nos pedidos de solicitações de Alteração de Matrícula do 2º período letivo de 2015 e em disciplinas oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 2º período letivo de 2015. . na DAC.Coordenadorias de Programas recebem o relatório final de horários do 1º período letivo de 2016. 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016 e de disciplinas a serem oferecidas nas Férias de Verão de 2016.Último dia para entrada de Conceitos e Frequências das disciplinas oferecidas na 1ª metade do 2º período letivo de 2015. 25 a 29 .05 e 06 - 06 - 09 a 12 - 10 a 14 - 12 - 17 a 31 - 17 a 29. Prazo para as Coordenadorias de Programas incluírem e efetuarem alterações de horários das disciplinas a serem oferecidas no 1º período letivo de 2016.Último dia para as Coordenadorias de Programas protocolizarem na DAC o pedido de emissão da Carta de Aceitação para alunos estrangeiros.Prazo para solicitação de Desistência de Matrícula em disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. 21 a 23 . para que se complete a carga horária das disciplinas ministradas nesse dia.Matrícula em disciplinas que serão oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. 16 .Último dia para Trancamento de Matrícula do 2º período letivo de 2015. na WEB. Último dia para a DAC encaminhar à Comissão Central de Pós-Graduação .Não haverá atividades. Prazo para solicitação de Desistência de Matrícula em disciplinas do 2º período letivo de 2015. No decorrer da 1ª metade do 2º período letivo há necessidade da reposição de uma segunda-feira nos campi de Limeira.DAC divulga na WEB os horários do 1º período letivo de 2016. 06 . com as respectivas deliberações. .Último dia para o cumprimento da carga horária e programas das disciplinas oferecidas na 1ª metade do 2º período letivo de 2015. na WEB. aluno regular na WEB e estudante especial na DAC. Obs. 3ª. 07 a 03. . Estudante Especial .Não haverá atividades.Alunos Ingressantes. Alteração de Matrícula em disciplinas do 2º período letivo de 2015 e em disciplinas oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 2º período letivo de 2015. Prazo para solicitação de Desistência de Matrícula em disciplinas oferecidas na 1ª metade do 2º período letivo de 2015.Último dia para a CCPG encaminhar à DAC os processos para a elaboração do Catálogo dos Cursos de Pós-Graduação do ano de 2016.Término das disciplinas oferecidas na 1ª metade do 2º período letivo de 2015.Parecer da Comissão Central de Pós-Graduação CCPG nos processos para a elaboração do Catálogo dos Cursos de Pós-Graduação do ano de 2016.10 . 19 . . . 14 e 15 . No decorrer do 2º período letivo há necessidade da reposição de uma segunda-feira nos campi de Limeira.11 - metades do 2º período letivo de 2015 . na DAC. para que se complete a carga horária das disciplinas ministradas nesse dia. na WEB. 30 . SETEMBRO/2015 . 28 . . 09 a 13 20 e 21 23 30 . aluno regular na WEB e estudante especial na DAC. 12 . Último dia para entrada de Conceitos e Frequências das disciplinas oferecidas nas Férias de Inverno.Início das atividades das disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. aluno regular na WEB e estudante especial na DAC. 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016 e de disciplinas a serem oferecidas nas Férias de Verão de 2016.Estudante Especial .Último dia para o cumprimento da carga horária e programas das disciplinas oferecidas no 2º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. . No período em que estiver sendo realizado o Congresso.Não haverá atividades nos Campi de Limeira. 05 e 06 . Coordenadorias de Programas recebem os Relatórios referentes à elaboração dos Horários do 1º Período Letivo de 2016. 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016 e de disciplinas a serem oferecidas nas Férias de Verão de 2016. nas Unidades de Ensino. na WEB.

na WEB. MARÇO/2016 02 e 03 06 a 09 07 a 11 .DEZEMBRO/2015 01 01 a 05 01 a 17 01 a 18 05 07 e 08 09 a 15 16 a 18 24 a 31 . . . . . na WEB.Alunos Ingressantes. . . . na WEB.Prazo para entrada de Conceitos e Frequências do 2º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. .Matrícula em disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2016.Não haverá atividades.Matrícula Suplementar para o 1º período letivo de 2016 e em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016 .Início das atividades das disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2016.Estudante Especial . .Término do 2º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. na DAC.CCPG recebe os Catálogos dos Cursos de Pós-Graduação do ano de 2016. . .Matrícula em disciplinas para o 1º período letivo de 2016 e em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016 . . .Alteração de Matrícula em disciplinas oferecidas nas Férias de Verão.Exames Finais das disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2016.Desistência de Matrícula em disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2016.Comissão Central de Pós-Graduação . na WEB.DAC divulga na WEB: Relatórios de Matrícula das disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2016.Período para as Coordenadorias de Programas atuarem nos pedidos de Alteração de Matrícula do 1º período letivo de 2016 e em disciplinas oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016. .Início do período para Trancamento de Matrícula do 1º período letivo de 2016. . . . .DAC divulga na WEB: Relatórios de Matrícula e Histórico Escolar. na WEB.Não haverá atividades . .Confraternização Universal. .Alteração de Matrícula em Disciplinas do 1º período letivo de 2016 e em disciplinas oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016.Não haverá atividades. . 29 FEVEREIRO/2016 06 a 10 15 a 17 20 22 e 23 22 a 24 22 a 25 26 29 JANEIRO/2016 01 02 04 e 05 06 06 a 08 11 a 26 20 . . .Prazo para entrada de Conceitos e Frequências das disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2016. na WEB.Adequação de matrícula das disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2016. . regulares e especiais para o 1º período letivo de 2016. .Alunos Ingressantes. na DAC.Último dia para retificação de Conceitos e Frequências do 1º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2015.Não haverá atividades.Último dia para as Coordenadorias de Programas protocolizarem na DAC o pedido de emissão da carta de aceitação para alunos estrangeiros.Matrícula em Disciplinas para o 1º período letivo de 2016 e em disciplinas a serem oferecidas nas 1ª e 2ª metades do 1º período letivo de 2016. .Término das atividades das disciplinas oferecidas nas Férias de Verão de 2016. . .Início das atividades do 1º período letivo de 2016 e das disciplinas oferecidas na 1ª metade do 1º período letivo de 2016.inscrição em disciplinas isoladas de Pós-Graduação.Período de reposição de atividades e estudos do 2º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015. na DAC.Prazo para Adequação de Matrículas do 1º período letivo de 2016.Exames Finais do 2º período letivo de 2015 e de disciplinas oferecidas na 2ª metade do 2º período letivo de 2015.

.

1994)/ Livre-Docente (Unicamp.ª Química (Unicamp. Doutor (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Doutor (Technische Universitat Braunschweig. 1988). Mestra (Unicamp. RDIDP. Mestre (Unicamp.ª Titular (Unicamp. USA. 1992). Prof. 2003). Explotação. RDIDP. Prof.º Mecânico (Unicamp. Livre-docente (Unicamp. Prof. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 2002).ª de Alimentos (Unicamp.http://www. Mestre (Unicamp. Prof. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1977). França. 1996). Japão. 1989). 1987). 2013). Amauri Hassui. Eng. Carlos Kenichi Suzuki. Adjunto (Unicamp. 1987). Doutor (Unicamp. 2014).Mestrado e Doutorado Engenharia Mecânica .º Mecânico (Peru. Mestre (Yokohama National University. Coordenador da CP-EM Nathalia Carolina Veríssimo. Coordenador da CP-PSE Marco Lúcio Bittencourt. Amauri Garcia. Mestre (Unicamp. 1998). Prof. 1993). Prof. 1994). Reservatórios e Gestão. Alemanha. 1993).º Aeronáutico (ITA. Alexandre Campane Vidal.Mestrado e Doutorado Planejamento de Sistemas Energéticos . 1993). Mestre (Unicamp. Anselmo Eduardo Diniz. Arnaldo César da Silva Walter. Livre-docente (Unicamp. 2011). Titular (Unicamp. 1982). Livre-docente (Unicamp. França. Caio Glauco Sanchez. Materiais (UFSCar. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Eng. Doutor (Unicamp. 2004). Mestre (Unicamp. Doutor (Univ. Eng. 2003). 1982). Eng.fem. Mestre (Unicamp. Reservatórios e Gestão. RDIDP. André Ricardo Fioravanti. Eng. Eng. Minnesota. 1995). Credenciada no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Assistente Técnico de Direção (Ramal: 13245) CORPO DOCENTE Professores Plenos Alberto Luiz Serpa. 1981).º Mecânico (Unicamp. 1982). Graduada em Eng. Japão. 2003). Mestre (Unicamp. 1988). Livre-docente (Unicamp. of Tokyo. Titular (Unicamp 2009) Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1974). of Tokyo. Eng. Eng. Carlos Teófilo Salinas Sedano. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Eng. Eng. Prof. Eng. 1983). 1986). 1972). Japão. 1978). 1999). 1969). Doutor (Unicamp. 1997). Doutor (Univ. 2002). 1995). Graduada em Eng.br COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO José Maria Campos dos Santos. Araí Augusta Bernárdez Pécora. 1976).Mestrado e Doutorado ADMISSÃO Os períodos de inscrição. 2004). 1979). Adjunto (Unicamp. 2004). 1996). 1987). 1986). 1989).º Mecânico (ITA. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Antonio Batocchio. Doutor (Unesp. 1980). 1986). 1987). a forma de seleção e seus critérios são disponibilizados no portal da Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM) . Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Graduado em Geociências (Unicamp. Mestre (Unicamp. Mestre (Unicamp. 2000). Eng. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo.º Eletricista (Unicamp. Graduado em Eng. 1994). 2006). 1985). (Unicamp. Mestre (Unicamp. 2012).º Mecânico (Unicamp. Doutor (Stanford University. SU. em Física (USP. 1984). 1986). Titular (Unicamp. Adjunto (Unicamp. Antonio Carlos Bannwart. 1997). 2001). Titular (Unicamp. 1975). 1978). Celso Kazuyuki Morooka. Prof. Doutor (Unicamp. 7 . Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Eng.º Mecânico. Doutor (INRIA-SIEGE. Auteliano Antunes dos Santos Junior. Explotação. Doutora (Unicamp. Coordenador da CPM-CEP Arnaldo César da Silva Walter. Bel. Titular (Unicamp. Estados Unidos. Doutora (Unicamp. 1979). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1983). 1996). Livre-docente (Unicamp. Carlos Henrique Daros. 2007). Eng. 1995). 1976).º Mecânico (USP. Doutora (Unicamp. Mestre (Unicamp. Titular (Unicamp. Livredocente (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1990). Mestre (Unicamp. Mestre (Unicamp. Doutor (INPG. Titular (Unicamp. 1981).- FEM FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA Diretor: Antonio Carlos Bannwart Diretor Associado: Alberto Luiz Serpa PROGRAMAS Ciências e Engenharia de Petróleo . Doutor (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Coordenador José Ricardo Pelaquim Mendes. Naval e Oceânica (USP. 1992). Mestra (Unicamp. Mestre (Unicamp. Prof. Doutor (Unicamp. 1993). Cecília Amélia Carvalho Zavaglia. Doutor (Unicamp. 1996). Eng. Doutor (Unicamp. 1998).Prof. Carla Kazue Nakao Cavaliero. Doutor (Univ. Denis José Schiozer. Carlos Alberto Carrasco Altemani. Doutor. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos.º Mecânico (Unicamp.unicamp. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1987). Mestre (USP. Titular (Unicamp. Célia Marina de Alvarenga Freire. Prof. 1999). Credenciada no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica.º Mecânico (Unicamp.º Mecânico (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. 2000). Doutora (Unicamp. 1991). 1982). 1981). 1989). 1982). 1997). Representante Discente Denise Aparecida Villela. Livre-Docente (Unicamp. 1991). 2013). Mestre (Unicamp.º Mecânico (Unesp.º Mecânico (USP. 1972). Eng. Mestra (Unicamp. Química (UFRJ. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Mestra (Unicamp. Prof. Livre-Docente (Unicamp.

Eng. 1989). 1998). 2001). Bel. França. 1983). Doutor (Unicamp. 1999). Mestre (Unicamp. Mestre (USP. Milão. de Paris VI. Doutor (Unicamp. Egito. Mestre (Unicamp. Doutora (Politécnico de Milano. Mestre (USP. Mestre (Univ. Adjunto (Unicamp. 2012). 1989). 2011). 1989). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Eng. de Materiais. Bel. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1979). Franco Giuseppe Dedini. Graduada em Eng. Eng. Materiais (UFSCar. Luiz Felipe Mendes de Moura. Doutora (Unicamp. Paris. Doutor (Unicamp. 1982).º Mecânico (Unicamp. 1997). 1980). 1977). Cambridge. 2007). Explotação. Mestre (Salford Univ. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1989). 2012). Materiais (UFSCar. 8 -GRADUAÇÃO . Mestra (Unicamp. Doutor (Unicamp. 1997). 1993). Doutor (Unicamp. 1973). João Batista Fogagnolo. Eng. 2003). Prof. Eng. 2008). Quím. 1984). 1993). 2005). Mestra (Unicamp. Mestre (Univ.ª Titular (Unicamp. Doutor (Unicamp. Toulouse III. Nat. 1983). Doutor (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica.ª Eletricista (Unesp. Livre-Docente (Unicamp. Mestre (Unicamp. Doutor (Unicamp. Livre-Docente (Unicamp. Estados Unidos. Graduado em Eng. Titular (Unicamp. Luiz Fernando Milanez. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 2005). 2009). 1998). 2007).º Mecânico (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado na Área de Int. 2013). Livre-docente (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Titular (Unicamp.º Mecânico (UFPR. 1991). Hannover. Doutor (Unicamp.º Mecânico (Unicamp. Eng. Prof. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Titular (Unicamp 2012). 1990). 1993). José Maria Campos dos Santos. Mestre (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. 1981). Erick de Moraes Franklin. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Milton Dias Júnior. de em Planejamento de Sistemas Energéticos. (UFSCar. Livre-Docente (Unicamp. Mestra (Unicamp. 1993).º Mecânico (Unicamp. Doutora (Unicamp. 2000). Tecnóloga em Processamento de Dados (Unesp. USA. 2004). Marcelo Pereira da Cunha. Inglaterra. 2003). 1983). França. Doutor (Univ. Southampton Ingl. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Doutor (Univ. Eng. 1996). Doutor (Unicamp. 1985). Eng. Mestre (Unicamp. França. Livre-docente (Unicamp. 1983). 2004). 1980). Gilberto De Martino Jannuzzi. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Doutor (Imperial College. Kamal Abdel Radi Ismail. Eng. 2010). 2009). Credenciada no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Prof. Mestre (Assiut Univ. Graduado em Eng. Marcelo Moreira Ganzarolli. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Eng. Mestre (Unicamp. Mestre (Unicamp. 1989). Katia Lucchesi Cavalca Dedini. Hélio Fiori de Castro. 2002). 1977). 1989). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Joaquim Eugênio Abel Seabra. 1993). Mestre (Unicamp. Mestre (Unicamp. Credenciada no Mestrado e Doutorado e m Engenharia Mecânica. 1975).º Mecânico (ITA. Estados Unidos. 1990). 1967). Ieda Geriberto Hidalgo. Graduado em Eng. 1995). Doutor (Univ.º Mecânico (UFPB. Eng. Mestre (Unicamp.º Mecânico (Unicamp. Grace Silva Deaecto. Janito Vaqueiro Ferreira. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Eng. Livre-Docente (Unicamp. Eng. 1994). Titular (Unicamp. Mestre (UFPb. 1979). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Eng. Prof. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Prof. Eng. 2007). 1972). Doutor (Univ. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Doutor (Inst. Mestre (Unicamp. José Roberto de França Arruda. Mestra (Unicamp. 1979). 2008). 1975). Físico (USP. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. 1998). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Maranhão. Físico (Unicamp. 1988). Livre-docente (Unicamp. Doutor (Unicamp. 1990). 1973). 1987). Doutor (Inst. Eng. Doutor (University of California. 1994).º Mecânico (Unicamp. Livredocente (Unicamp. Doutor (Case Western Reserve Univ. Itália. Ennio Peres da Silva. Mestre (Unicamp. Titular (Unicamp. Doutor (Unicamp. Eurípedes Guilherme de Oliveira Nóbrega. Titular (Unicamp. 1985). Esc.º Mecânico (Unicamp. 2005). 1990). Eng. Polytechnique de Grenoble. 1963). 1985).º de Alimentos (Unicamp. de Paris VI.º Mecânico (USP. Eng. 1994). 1995). Mestre (Unicamp. Elétrica (UFU. 1982). Marcos Akira d'Ávila. Livre-docente (Unicamp. Inglaterra. Prof. 1997). 1996). Inglaterra. 1994).. Eugênio Spanó Rosa. em Física (Unicamp. 1992). Adjunto (Unicamp. 1982). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1987). 2009). Doutor (Unicamp.º Mecânico (Unicamp. 1973).º Mecânico (Fed. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Univ. 1978). Titular (Unicamp.º Mecânico (Unicamp. 1987). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Marco Lúcio Bittencourt. 1977).ª Mecânica (Unesp. 2001). 1978). 1997).. Livre-docente (Unicamp. 1980). 2005). Titular (Unicamp. Mestre (USFC. 1981). Prof.º Mecânico (Cairo. 2002). 2001). Egito. Eletr. 1991). Doutor (Unicamp. 1980). Eng. 2003). 1976). Luiz Otávio Saraiva Ferreira. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Prof. Prof. Márcio Luiz de Souza-Santos.º Mecânico (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. 1993). Toulouse III. em Matemática (Unicamp. 2013). 1976). 1998). 1993). Doutor (Univ. . Doutor (Unicamp. 1978). Sup. Eng. João Maurício Rosário. Inglaterra. 1985). Livre-Docente (Unicamp. 1996). Itália. Mestre (Unicamp.ª Titular (Unicamp. (USP. Mestre (Unicamp. França.º Mecânico (Unicamp. Eugênio José Zoqui. Sheffield. Graduado em Eng.º Eletricista (ITA. Mestre (Unicamp..FEM Ely Carneiro de Paiva. 2002). Livre-docente (Unicamp. Prof. Maria Helena Robert. Doutor (Unicamp. Materiais (UFSCar. 1980). 1988). Politécnico de Milão. 1989). 1979). 2004). Prof. Mestre (Unicamp. 2000). Graduado em Eng. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1984). Graduado em Eng. Mestre (Unicamp. 1983). 1998). Eng. Mestre (Unicamp. Titular (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1990).2015 José Ricardo Figueiredo. Doutor (University Of California At Davis. Juan Francisco Camino dos Santos. San Diego. (UnB. 1984). Doutor (Univ.. Prof. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Doutora (Unicamp. 1981). José Ricardo Pelaquim Mendes. Doutor (École Centrale des Arts et Manufactures. Euclides de Mesquita Neto.

Doutor (Unicamp. 1991). Rosângela Barros Zanoni Lopes Moreno. Titular (Unicamp. 1978). William Roberto Wolf. 2001). of Newcastle upon Tyne. 2000).º Mecânico (Unicamp. 2003). 1983).º Mecânico (EEI. Livre-docente (Unicamp. Eng. 1995). Livre-docente (Unicamp. 1983). 1997). Credenciada no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Karlsruhe. 2000).º Mecânico (Universidad Nacional de Colombia. 1995).º Mecânico (Unicamp. Reservatórios e Gestão. 1995). Doutor (Unicamp. Doutor (Unicamp. Rubens Caram Júnior. 1997). Lic. Prof. 1990). em Física (Univ. Titular (Unicamp. 1999). 1989). 1992). Mestre (Unicamp. Reservatórios e Gestão. 1981). Geólogo (Unesp. 2003). Eng. 1983). 1973). Mestra (Unicamp. 1984). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Mestre (UFMG. 1989). 1996). Eng. Livre-docente (Unicamp. São José dos Campos. Livre-docente (Unicamp. 2012). 1993). 1986). 1981). Eng. Livre-docente (Unicamp. 1976). 1994). 1977). Mestre (USP. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. 1994). 1997). Osvair Vidal Trevisan. Mestre (Unicamp. 1984). Mestre (Unicamp. RDIDP. 2005). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1981).º Mecânico (Unicamp. Doutor (Unicamp. Mestre (PUC. 2000). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Waldir Antonio Bizzo.º Mecânico (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Eng. Prof. 1985). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Prof. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Eng. Eng. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Doutor (Univ. Eng. Eng. Adjunto (Unicamp. 2006). Reservatórios e 9 . Livre-Docente (Unicamp. Eng. 1990). Antonio Celso Fonseca de Arruda. Doutor (Ecole Centrale de Paris.º Mecânico (Unicamp. Livre-docente (Unicamp. Eng. of Technology. Bela. 2002). 1978). Reino Unido.Austin. França. Livre-docente (Unicamp. Paulo Roberto Ribeiro. Mestre (Unicamp. Jöerg Dietrich Wilhelm Schleicher. Titular (Unicamp. Sérgio Valdir Bajay. 1972). 1975). Doutor (INSA. Noé Cheung. Eng. 2011). Mestre (Unicamp.º Mecânico (Unicamp. 1991). FEM 1993). Doutor (Unicamp.- Niederauer Mastelari. Paulo Roberto Gardel Kurka. Doutora (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Titular (Unicamp. 1999). 2013). Mestre (USP. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Professores Participantes Alessandro Betezelli. 1985). 2004). 2008). Eng. Eliana Aparecida de Rezende Duek. Eng. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Robson Pederiva. 1989). 2001). 1978). 1999). 1993). USA. 1995).º Mecânico (UFU. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1989). Livre Docente (Unicamp. Doutor (Univ. 1985). 1985). 1997). Mestre (Unicamp.º Mecânico (Unesp. 1990). 1993). 2013). Eng. 2014). 1981). Titular (Unicamp. 1985). 2003). Mestre (Unicamp. em Física (Unicamp. 2002). Sérgio Nascimento Bordalo. Prof.ª Civil (Unicamp. Doutora (Unicamp. em Matemática. Livre-docente (Unicamp. Waldyr Luiz Ribeiro Gallo. 1998). Doutor (Univ. 1985). 1993). of Manchester..º Mecânico (Unicamp. Livre-Docente (Unicamp. 1984). 1993). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia de Petróleo. Mestre (Unicamp. 2000). 1985).º Mecânico (USP. Rodnei Bertazzoli. Karlsruhe. Doutor (Unicamp. Stanford. Eng. Doutor (Unesp. 1993). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1989). 1981). em Mat. UNAL. Livre-Docente (Unicamp. Inglaterra. 1999). Mestre (Unicamp.º Mecânico (Unicamp. Emilson Pereira Leite. Titular (Unicamp. EUA.º Mecânico (Unicamp. Eng. 1985). (UFF. 1993). Eng. Prof. 1982). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. França. 1985). Stanford. Doutor (Unicamp.º Civil (Unicamp. Colômbia. 2000). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. 1982). Mestre (ITA. Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. Ing. Eder Lima de Albuquerque. Doutor (Univ. Doutor (Stanford University. Paulo Sollero. 2001). 2000). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Prof. Mestre (Unicamp. Mestre (Unicamp. em Física (Unicamp. 1984). 1981). 2008). Doutor (Unicamp. Sérgio Tonini Button. Associado (Unicamp. Adjunto (Unicamp. 1976). 1978). Doutor (Unicamp. Mestre (Unicamp. Explotação. Titular (Unicamp. Mestre (Unicamp. Prof. Prof. 1991). Rogério Gonçalves dos Santos. Graduado em Geofísica (USP. 2009). 1989).º Mecânico (UFBa. Mestre (Unicamp. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo.ª Doutora (Unicamp. Mestre (Unicamp. Mestre (Unicamp. Paulo Roberto Mei. 1977). Doutor (Unicamp. Eng. Eng. 1979). 1988). Doutor (Stanford University. 1992). 1997). 1993). Prof. 2003). Bel. Mestra (IMPA. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Bel. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. 2000). Maria Amélia Novais Schleicher.º Eletricista (UFPE. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Carlos Alberto Cimini Junior. Eng. Doutor (USP. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Paulo de Barros Correia. Prof. Texas . 2000). 1988). Livre-Docente (Unicamp. Prof. 1985). 1983). Mestre (Univ. Estados Unidos. Eng. Doutor (Unicamp. 2000). Mestre (Unesp. 1989). Bel. Eng. 1987). Mestre (PUCRJ-1981). 1997). Livre-docente (Unicamp. Doutor (Univ. 1979). Doutor (Wessex Inst. Mestre (Unicamp. Livre-docente (Unicamp. 1997). Doutor (USP. 1989). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Doutor (Unicamp. Pablo Siqueira Meirelles. Lúcio Tunes dos Santos. 1993). Mestra (Unicamp. Prof. Aplicada (Unicamp. Titular (Unicamp. Doutor (Unicamp.º Mecânico (Unicamp.º Mecânico (USP. Mestre (Unicamp. Livre-docente (Unicamp. Doutor (Ecole Centrale de Lyon. Mestre (Unicamp. Ricardo Augusto Mazza. 1979). Renato Pavanello.º Eletricista (Unicamp. de Petróleo. Antonio José Ramírez Londono. Eng. Graduada em Química (Unicamp. Doutora (Unicamp. Lyon. 2004). 2012). 1993). Associado (Unicamp. RDIDP.º Mecânico (UFMG. Doutor (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Mestre (Unicamp. Doutor (Unicamp. 2001). Titular (Unicamp.º Mecânico (ITA. Prof. 2004). Eng. Mestre (Unicamp. 1990). Mestre (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica e no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Explotação.º Mecânico (PUCRJ-1978).º Mecânico (PUC. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Olívio Novaski. 1982). Eng.º Mecânico (Unicamp.1998). Karlsruhe. EUA. Eng. 1989). 2007). Doutor (Unicamp.

Credenciado no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. Eng. Maria Clara Filippini Ierardi. França.FEM Gestão. Mestre em Eng. 1995).º Mecânico (Unesp. Eletrônica Doutor em Eng. Doutor (Unicamp. 2004). Ana Teresa Ferreira da Silva Gaspar. Mestra (UFPA. 2012). 1984). Reino Unido. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo.º Mecânico (UFES. Mestre (USP. Mestre (PUC-RJ. de Paris I. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Mestre (PUC-RJ. em Ciências Econômicas (Univ. Mestre (Unicamp. Eng. Doutor (Unicamp. Graduada em Estatística (Unesp. Eng. 2006). 1979). Credenciado no Mestrado em Engenharia Mecânica. Jhon Jairo Ramirez Behainne. Eng. em Ciência da Computação (UFMS. Eng. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. França. 1999). Credenciada no Doutorado em Engenharia Mecânica. Em Proc. 1999). França. Eng. Doutor (Universitaet Stuttgart. 1974). Mestra (Unicamp. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Arthur de Miranda Neto. Gregory Bregion Daniel.º Mecânico (Unicamp. 1996). Tecnol.º Eletricista (Univ. Eng. 2007). Eng. 1998). 2000). André Tosi Furtado. 2010). Eng. Titular (Unicamp.ª Química (UEM. Doutora (Unicamp. 2008). 2013). Credenciado no Mestrado em Engenharia Mecânica. Eng. Mestra (Unicamp. Mecânica (Unicamp. Doutor (Univ. Mestre (Stanford University. 1995). Mestra (INPE. Petróleo (UFOP.º Mecânico (Imperial College. de Dados (Uni-Santanna. Livre-Docente (Unicamp. 1990). 1997). 2004).Co-tutela com Université de Technologie de Compiègne. Leonardo Goldstein Júnior. de Materiais (UFSCar. Colômbia. de Petróleo. 2006). Mestre (ENSAM. Colômbia. Eng. EUA. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. de Paris I. 1991). Doutora (Unicamp. 2011). 2008). 2003). Bel. Doutor (Univ. Isabelle Fantoni-Coichot. Doutor (Unicamp. Mestre (Unicamp. Mestre (Unicamp. Doutor (Unicamp. Eng. 1997). 1998). Eng. Reservatórios e Gestão. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Graduado em Física (UFRJ. 1990). Célio Maschio. (Unesp. Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. França. 1998).1992). Elisabete Maria Saraiva Sanchez. Doutor (Unicamp. 1985). França. 1997).º Mecânico (EESC-USP. Mestre (Unicamp. Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. 1996). 1979). Doutor (Unicamp. Doutor (Unicamp. Doutor (Iowa State University of Science and Technology. 2007). Eng.º Mecânico (USP. Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. Bel. . Doutor (Imperial College. Graduada em Eng.º Mecânico (USP. Doutor (Unicamp . de Petróleo. 1983). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. 2009). Mecânica (Esalq. Doutor (USP. 1979). Antonio Nariño. 1976). Doutora (Université de Technologie de Compiègne. 1980). 2011). Bel. 1981). 1983). Michelle Cristina Araujo Picoli. Credenciada no Mestrado em Engenharia Mecânica. 1975). Doutor (Orsay University. 1995). 2006). em Saúde. 2000). 1990).º Mecânico (UNESP. Mestre (ENSAM. 1999). 1976). 2001). Edson Borin. Titular (Unicamp. 1994). Martin Tygel. Mestra (USP. 1985). Mestre (Unicamp. 2000). Doutora (USP. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Ciências e Eng. 1987). 1977). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Mestra (Cranfield University. Eng. Carlos Alberto Fortulan. Prof. Mestre (Unicamp. 1998). 1979). Alemanha. 1978). 1972). França. Pereira. Eng. Ricardo Caetano Azevedo Biloti. Prof. 1996). Natache do Socorro Dias Arrifano Sassim. Graduado em Ciência da Computação (Unicamp. 1966). Paris. 1996). Nazih Mechbal. Alessandro Corrêa Victorino. França. José Eduardo Spinelli. Nivaldo Lemos Coppini. Credenciada no Mestrado em Ciências e Eng. (Unicamp. Mestre (Unicamp. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Choon-Lai Tan. Doutor (Stanford University. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Kazuo Miura. Doutora (Unicamp. Graduada em Química (Unicamp. 1980). 1982). Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. Engenharia de Materiais (UFSCar. Mestre (Unicamp. Mestra (Unicamp. 1985).º de Materiais (UFSCar. Civil (USP. 1989). Química (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Reservatórios e Gestão. 1969). Maria Aparecida Larosa. Sonia Regina da Cal Seixas Barbosa. 1970). Reino Unido. Doutor (Esalq. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Mestre (Univ. Eliana Luci Ligero. Fábio Vale Scarpare. 2003). Mestre (Univ. Doutor (UFSCar. de Cornell. Marcos Antonio Rosolen. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. 1973). 2003). Livre-Docente (Unicamp. Bel. Doutor (Institut National de Recherche En Informatique Et Automatique. Doutora (Unicamp. 1973). 2000). 2010). Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. 1994).ª Eletricista (UFPA. Credenciado no Mestrado em Engenharia Mecânica.2015 Fabio Nonato de Paula. 1977). França. Estados Unidos. Livre Docente (Unicamp. José Luiz Antunes de Oliveira e Sousa. Doutor (University of Minnesota. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. Doutora (Unicamp. 2000). Tecnol. em Matemática e Física (Université du Maine. 2008). Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. 1998). Eng. Reino Unido. 1994). Oscar Fernando Avilés Sánchez. Tecnol. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. 2008). Mestre (USP. João Roberto Sartori Moreno. Paris. Graduada em Ciências Biológicas (UFMT. Professores Visitantes Ademir José Petenate. 1995). Reservatórios e Gestão. 1992). Eng. Doutor (Unicamp. Mestre (Unicamp. Oswaldo Luiz Agostinho. de Paris I. 1967). Livre-docente (Unicamp. 1998).º Mecânico (Universidad Pontificia Bolivariana. Doutora (Unicamp. Doutor (USP. 2005).1979). Mestre (Unicamp.º Mecânico (Unesp. 2005). Livre-Docente (USP. USA. 2002). 1974). 2000). Mestra (Unicamp. Graduado em Eng. 2011). Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica.1975). 1993). Doutor (ENSAM. 1989). 2001). 2004). Mestre (Unicamp. 1980). Graduado em Eng. Mestre (Unicamp. Mestre (Esalq.º Civil (USP. 1975).º Mecânico (Unicamp. em Matemática (Unicamp. Doutora (Unicamp. 2007). Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. 1979). Mestra (Unicamp. 10 -GRADUAÇÃO . Douglas Eduardo Zampieri. Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. Doutor (Unicamp. Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. Mestre (UFSCar. 1969). 1996). 2002). Doutor (Unicamp. 1970). 2007). Gérard Maurice Henri Coffignai. 2012).

Mestre (Unicamp. Vincent Frémontt. Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. Prof. 2002). Eng. Pablo Andrés Muñoz-Rojas. Livre-Docente (Unicamp. Mestre (Unicamp.º Mecânico (UFU. Ricardo Machado Leite de Barros. 1991). do Texas. 2000). Titular (Unicamp. 1994). Credenciado no Doutorado em Engenharia Mecânica. Credenciada no Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. 1986). 1994). Vanessa Cristina Bizotto Guersoni. Graduado em Eng. Doutora (Unicamp. 1977). Eletro-Mecânico e Mestre (Univ. Doutor (Unicamp. Estadual de Gent.ª Mecânica (Unileste. Mestra (Unicamp. Paula Duarte Araújo Chrestan. 1993). 1972).ª em Física (Universidad Nacional de Tucuman. 2001). Mestra (Unicamp. Credenciada no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica. EUA. França. Austin. Doutor (Univ. Bélgica. Orientadores do Mestrado/Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo Alessandro Batezelli Alexandre Campane Vidal Ana Teresa Ferreira da Silva Gaspar Antonio Carlos Bannwart Carlos Alberto Fortulan Célio Maschio Celso Kazuyuki Morooka Denis José Schiozer Eliana Luci Ligero Emilson Pereira Leite Jöerg Dietrich Wilhelm Schleicher José Luiz Antunes de Oliveira e Sousa José Ricardo Pelaquim Mendes Lucio Tunes dos Santos Maria Amélia Novais Schleicher Martin Tygel Natache do Socorro Dias Arrifano Sassim Oscar Maurício Hernadez Rodriguez Osvair Vidal Trevisan Paulo Roberto Ribeiro Philippe Remy Bernard Devloo Ricardo Caetano Azevedo Biloti Rosângela Barros Zanoni Lopes Moreno Sérgio Nascimento Bordalo Vanessa Cristina Bizotto Guersoni Orientadores do Mestrado/Doutorado em Engenharia Mecânica Ademir José Petenate FEM Alberto Luiz Serpa Alessandro Corrêa Victorino Amauri Garcia Amauri Hassui André Ricardo Fioravanti Anselmo Eduardo Diniz Antonio Batocchio Antonio Celso Fonseca de Arruda Antonio José Ramírez Londono Arai Augusta Bernardez Pecora Arthur de Miranda Neto Auteliano Antunes dos Santos Junior Caio Glauco Sanchez Carlos Alberto Carrasco Altemani Carlos Alberto Cimini Junior Carlos Henrique Daros Carlos Kenichi Suzuki Carlos Teófilo Salinas Sedano Cecilia Amelia de Carvalho Zavaglia Celia Marina de Alvarenga Freire Choon-Lai Tan Douglas Eduardo Zampieri Eder Lima de Albuquerque Edson Borin Eliana Aparecida de Rezende Duek Elisabete Maria Saraiva Sanchez Ely Carneiro de Paiva Erick de Moraes Franklin Euclides de Mesquita Neto Eugenio Jose Zoqui Eugenio Spano Rosa Euripedes Guilherme de Oliveira Nobrega Fábio Nonato de Paula Franco Giuseppe Dedini Gérard Maurice Henri Coffignal Grace Silva Deaecto Gregory Bregion Daniel Hélio Fiori de Castro Isabelle Fantoni-Coichot Janito Vaqueiro Ferreira Jean-Mathieu Mencik Jhon Jairo Ramirez Behainne João Batista Fogagnolo João Mauricio Rosario João Roberto Sartori Moreno José Eduardo Spinelli Jose Maria Campos dos Santos Jose Ricardo Figueiredo Jose Roberto de França Arruda Juan Francisco Camino dos Santos Kamal Abdel Radi Ismail Katia Lucchesi Cavalca Dedini Leonardo Goldstein Júnior Luiz Felipe Mendes de Moura Luiz Fernando Milanez Luiz Otavio Saraiva Ferreira Marcelo Moreira Ganzarolli Marcio Luiz de Souza Santos Marco Lúcio Bittencourt Marcos Akira d'Ávila Maria Aparecida Larosa Maria Clara Filippini Ierardi Maria Helena Robert Milton Dias Junior Nazih Mechbal Niederauer Mastelari Nivaldo Lemos Coppini Noé Cheung Olivio Novaski 11 . Silvia Azucena Nebra de Pérez. Titular (Unicamp. Doutor (Unicamp. Doutor (Ecole Centrale de Nantes. Prof. 1980). Eng. Doutora (Unicamp. 1998). Mestre (UFSC. Livre-Docente (Unicamp. 1969). Credenciado no Mestrado em Engenharia Mecânica. 2008). 1985). Doutor (UFRGS.º Mecânico (Unicamp. 2003). 1996).- Oscar Maurício Hernandez Rodriguez. 2008). 1989). 2001). Doutor (Unicamp. Graduado em Educação Física (Puccamp. 1980). Credenciada no Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos. Mestra (Unicamp. Mestre (Ecole Centrale de Nantes. 1985). 2006). 2011). Philippe Remy Bernard Devloo. Rezende Gomes dos Santos. Eng. 1997). 1987). Graduada em Química (Unicamp. Mestre (Unicamp. 2004). 1981). 2003). 2004).º Mecânico (UFSC. Eng. Credenciado no Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. Lic. Livredocente (USP. Doutora (Unicamp. Credenciado no Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia de Petróleo. França.

respectivamente. Formar doutores para elaborar e coordenar pesquisas. o aluno deverá cumprir o total de 18 créditos em disciplinas.dep.dep. MESTRADO EM CIÊNCIAS E ENGENHARIA DE PETRÓLEO (72M) Integralização As durações mínimas e máximas para o curso de Mestrado são de 12 e 24 meses.unicamp. Aptidão em Língua Estrangeira No programa CEP são aceitos alunos com proficiência em língua inglesa de acordo com o nível intermediário (intermediate). O candidato poderá se submeter ao exame de proficiência em língua inglesa junto ao CEL/UNICAMP ou em outras instituições que oferecem exames. publicada no D. na linha de frente de expansão do estado-da-arte. na indústria ou em instituições de ensino e pesquisa.cep. sendo parte integrante da inscrição o "certificado" que atesta o nível exigido. em sessão pública de defesa do trabalho.5 a partir do 2º período letivo. processos e tecnologias. Representante Discente DESCRIÇÃO A Pós-Graduação em Ciências e Engenharia de Petróleo Multiunidades resulta da integração da Engenharia de Petróleo (FEM) e da Geo-Engenharia de Reservatórios (IG). A proposta do curso é interdisciplinar.unicamp.O.fem. com um núcleo ativo de docentes para a criação.U. 12 -GRADUAÇÃO .cep. Atividade Obrigatória AA001 * 0 Dissertação de Mestrado . Membro Nato CPG/IG José Maria Campos dos Santos. A Tese de Doutorado tem por objetivo a demonstração da contribuição original do trabalho apresentado ao estado da arte do tema tratado.br Exame de Qualificação Ser aprovado em Exame de Qualificação. O prazo recomendado para Qualificação no Mestrado é de 18 meses e no Doutorado é de no mínimo 18 meses após o início do curso. ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO Explotação Reservatórios e Gestão LINHAS DE PESQUISA Consultar portal http://www. para desenvolver metodologias. Membro Titular Sérgio Nascimento Bordalo. Membro Nato CPG/FEM Lucas Soares Monte-Mor. que sintetize o trabalho de pesquisa desenvolvido.br da unidade - REQUISITOS PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO Créditos Cumprir o total de créditos conforme especificado na integralização e obter coeficiente mínimo de 2. de 13/09/2012.2015 AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO Os cursos de Mestrado e Doutorado em Ciências e Engenharia do Petróleo receberam nota 5 na avaliação CAPES referente ao triênio 2007/2009 e foram reconhecidos pela Portaria MEC 1077. e ser aprovado na defesa da dissertação. voltados para a exploração e a produção de petróleo. Coordenador Alexandre Campane Vidal. através de exame TOEFL ou equivalente. Defesa de Dissertação/Tese A dissertação ou tese deverá ser aprovada por uma Comissão Julgadora. A Dissertação de Mestrado tem por objetivo a demonstração da capacidade do candidato de sistematizar a literatura existente sobre o tema tratado e de utilizar métodos e técnicas de investigação científicas ou tecnológicas. disseminação e intercâmbio do conhecimento científico e tecnológico na atividade de Exploração e Produção de Petróleo. A documentação para o pedido de qualificação junto à CPMCEP deverá estar acompanhada de um texto na forma de artigo técnico.FEM Oscar Fernando Avilés Sánchez Oswaldo Luiz Agostinho Pablo Andrés Muñoz-Rojas Pablo Siqueira Meirelles Paulo Roberto Gardel Kurka Paulo Roberto Mei Paulo Sollero Renato Pavanello Rezende Gomes dos Santos Ricardo Augusto Mazza Ricardo Machado Leite de Barros Robson Pederiva Rodnei Bertazzoli Rogério Gonçalves dos Santos Rubens Caram Junior Sergio Tonini Button Vincent Frémontt Waldir Antonio Bizzo Waldyr Luiz Ribeiro Gallo William Roberto Wolf Orientadores do Mestrado/Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos André Tosi Furtado Arnaldo Cesar da Silva Walter Carla Kazue Nakao Cavaliero Ennio Peres da Silva Fábio Vale Scarpare Gilberto de Martino Jannuzzi Ieda Geriberto Hidalgo Joaquim Eugênio Abel Seabra Marcelo Pereira da Cunha Michelle Cristina Araujo Picoli Paula Duarte Araújo Chrestan Paulo de Barros Correia Sergio Valdir Bajay Silvia Azucena Nebra de Pérez Sonia Regina da Cal Seixas Barbosa Waldyr Luiz Ribeiro Gallo PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS E ENGENHARIA DE PETRÓLEO COMISSÃO José Ricardo Pelaquim Mendes. Membro Titular Maria Beatriz Machado Bonacelli. formando mestres com forte base científica para atuar na indústria de petróleo de forma crítica e inovadora. Para obter o título de Mestre em Ciências e Engenharia de Petróleo. de 31/08/2012.fem. conforme consta na página do Programa CEP http://www.

Em disciplinas de tese. os números da 2ª e 3ª colunas correspondem à carga horária total e aos créditos de cada disciplina. Atividade Obrigatória AA002 * 0 Tese de Doutorado Disciplinas Eletivas O aluno deve obter 18 créditos dentre as disciplinas da lista abaixo escolhidas em comum acordo com o orientador.- Disciplinas Eletivas O aluno deve obter 18 créditos dentre as disciplinas da lista abaixo escolhidas em comum acordo com o orientador. respectivamente. PP010 * 15 PP101 45 PP102 45 PP201 60 PP202 45 PP211 45 PP212 45 PP220 45 PP221 60 PP222 60 PP230 45 1 3 3 4 3 3 3 3 4 4 3 PP231 PP232 PP290 PP301 PP302 PP310 PP321 PP322 PP323 PP330 PP390 PP401 PP410 PP420 PP450 PP490 PP501 PP511 PP512 PP520 PP521 PP522 PP523 PP524 PP525 PP526 PP527 PP528 PP590 PP610 PP620 45 60 45 45 45 45 45 45 60 45 45 45 45 45 60 45 45 45 45 45 45 60 60 60 60 60 60 60 45 45 45 3 4 3 3 3 3 3 3 4 3 3 3 3 3 4 3 3 3 3 3 3 4 4 4 4 4 4 4 3 3 3 PP690 PP974 PP975 PP976 45 30 45 45 3 2 3 3 Seminários de Petróleo Métodos Matemáticos I Métodos Matemáticos II Termofluidodinâmica I Termofluidodinâmica II Escoamento Multifásico I Escoamento Multifásico II Elevação de Petróleo Engenharia de Perfuração Engenharia de Produção e Elevação de Petróleo Desenvolvimento de Sistemas de Produção Petrolífera Sistemas Inteligentes em Explotação Petrolífera Sistemas Marítimos na Produção de Petróleo Tópicos em Produção de Petróleo Engenharia de Reservatórios I Engenharia de Reservatórios II Análise de Testes de Poços Simulação Numérica de Reservatórios I Simulação Numérica de Reservatórios II Caracterização de Reservatórios de Petróleo Estudo de Campo de Petróleo Tópicos em Engenharia de Reservatórios Reologia e Hidráulica de Perfuração Perfuração Avançada Mecânica das Rochas Completação de Poços de Petróleo Tópicos em Engenharia de Poços Geologia do Petróleo I Geoestatística I Geoestatística II Perfilagem Geofísica de Reservatórios I Processamento Sísmico Tratamento de Sinais Digitais Métodos Computacionais de Otimização Propagação de Ondas Sísmicas Teoria do Imageamento Sísmico Teoria da Inversão Sísmica Tópicos em Geofísica de Reservatórios Tópicos em Geoengenharia de Reservatórios Economia do Petróleo Avaliação Econômica e Financeira no Setor Petrolífero Tópicos em Economia do Petróleo Estudos Dirigidos I Estudos Dirigidos II Estudos Dirigidos III DOUTORADO EM CIÊNCIAS E ENGENHARIA DE PETRÓLEO (98D) Integralização As durações mínimas e máximas para o curso de Doutorado são de 24 e 48 meses. o aluno deverá cumprir o total de 18 créditos em disciplinas. e ser aprovado na defesa da tese. Membro Titular 13 . PP010 PP101 PP102 PP201 PP202 PP211 PP212 PP220 PP221 PP222 PP230 15 45 45 60 45 45 45 45 60 60 45 1 3 3 4 3 3 3 3 4 4 3 PP231 PP232 PP290 PP301 PP302 PP310 PP321 PP322 PP323 PP330 PP390 PP401 PP410 PP420 PP450 PP490 PP501 PP511 PP512 PP520 PP521 PP522 PP523 PP524 PP525 PP526 PP527 PP528 PP590 PP610 PP620 45 60 45 45 45 45 45 45 60 45 45 45 45 45 60 45 45 45 45 45 45 60 60 60 60 60 60 60 45 45 45 3 4 3 3 3 3 3 3 4 3 3 3 3 3 4 3 3 3 3 3 3 4 4 4 4 4 4 4 3 3 3 PP690 PP974 PP975 PP976 45 30 45 45 3 2 3 3 Seminários de Petróleo Métodos Matemáticos I Métodos Matemáticos II Termofluidodinâmica I Termofluidodinâmica II Escoamento Multifásico I Escoamento Multifásico II Elevação de Petróleo Engenharia de Perfuração Engenharia de Produção e Elevação de Petróleo Desenvolvimento de Sistemas de Produção Petrolífera Sistemas Inteligentes em Explotação Petrolífera Sistemas Marítimos na Produção de Petróleo Tópicos em Produção de Petróleo Engenharia de Reservatórios I Engenharia de Reservatórios II Análise de Testes de Poços Simulação Numérica de Reservatórios I Simulação Numérica de Reservatórios II Caracterização de Reservatórios de Petróleo Estudo de Campo de Petróleo Tópicos em Engenharia de Reservatórios Reologia e Hidráulica de Perfuração Perfuração Avançada Mecânica das Rochas Completação de Poços de Petróleo Tópicos em Engenharia de Poços Geologia do Petróleo I Geoestatística I Geoestatística II Perfilagem Geofísica de Reservatórios I Processamento Sísmico Tratamento de Sinais Digitais Métodos Computacionais de Otimização Propagação de Ondas Sísmicas Teoria do Imageamento Sísmico Teoria da Inversão Sísmica Tópicos em Geofísica de Reservatórios Tópicos em Geoengenharia de Reservatórios Economia do Petróleo Avaliação Econômica e Financeira no Setor Petrolífero Tópicos em Economia do Petróleo Estudos Dirigidos I Estudos Dirigidos II Estudos Dirigidos III PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA Nas listas de disciplinas. FEM Para obter o título de Doutor em Ciências e Engenharia de Petróleo. Coordenador da CP-EM William Roberto Wolf. respectivamente. consta um asterisco em lugar da carga horária. * COMISSÃO Marco Lúcio Bittencourt.

d. apresentação e discussão dos resultados preliminares. a revista científica indexada. Recomenda-se que o documento tenha até 20 páginas para o mestrado e 30 para o doutorado. comprometido com a educação contínua e com o prosseguimento dos ensinamentos. em coautoria com o orientador.Mestrado e Doutorado A monografia deverá conter: a.U. Os itens c. b.fem. e que ficará arquivada na CPG. Não há necessidade de tradução. 14 Atividade Obrigatória AA001 * 0 Dissertação de Mestrado Disciplinas Eletivas O aluno deve obter 15 créditos dentre as disciplinas da lista abaixo escolhidas em comum acordo com o orientador. e. Defesa de Dissertação/Tese Ser aprovado em Defesa pública de dissertação ou tese. Recomenda-se que este procedimento seja feito com duas semanas de antecedência ao exame. Pré-Requisitos para Defesa de Dissertação/Tese . no Mestrado é a partir de 12 meses após o início do curso. e gerando conhecimento. permitindo avaliar melhor o aluno. Trata-se do nível mais elevado da educação. o título provisório da dissertação/tese. Membro Titular Rodnei Bertazzoli. c. .5 a partir do 2º período letivo. e podem ser substituídos pela versão pdf ou separata de um artigo publicado em revista indexada. Créditos Cumprir o total de créditos conforme especificado na integralização e obter coeficiente de rendimento mínimo de 2. e para o Doutorado é de 24 meses após o início do curso. Térmica e Fluidos . em coautoria com o orientador. desde o nível básico até a pós-graduação.O. publicada no D. de 13/09/2012. vinculado à tese.2015 Luiz Otávio Saraiva Ferreira. uma síntese da revisão bibliográfica feita até o momento do exame. descrição dos materiais. o aluno deverá cumprir o total de 15 créditos em disciplinas e ser aprovado na defesa da dissertação.unicamp.http://www. de 31/08/2012. métodos e procedimentos experimentais. dentro de um contexto nacional e internacional. A formação de recursos humanos especializados em ensino e pesquisa incentiva a capacidade de inclusão social. ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO Materiais e Processos de Fabricação . de reconhecido mérito acadêmico. O documento escrito destina-se a dar conhecimento prévio à banca do assunto a ser tratado no exame.Mestrado e Doutorado MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA (10M) LINHAS DE PESQUISA Consultar portal da unidade . incentivando a pesquisa científica e tecnológica. Representante Discente DESCRIÇÃO Os cursos de Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica têm como objetivo principal a formação de recursos humanos em ensino e pesquisa. O aluno de Doutorado deverá demonstrar aptidão de leitura. portanto. AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO Os cursos de Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica receberam nota 7 na avaliação CAPES referente ao triênio 2007/2009 e foram reconhecidos pela Portaria MEC 1077/2012. como requisito para agendamento da defesa do doutorado.Submissão de 1 artigo vinculado à dissertação.Submissão de 1 artigo completo. a congresso de reconhecido mérito na área de concentração específica como requisito para agendamento da defesa de mestrado.br Integralização REQUISITOS PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO As durações mínima e máxima para o curso de Mestrado são de 12 e 30 meses. o projeto da dissertação/tese com descrição clara dos objetivos. contribuindo para a inserção crescente do país no ambiente globalizado da inovação e do desenvolvimento tecnológicos. escrita e compreensão de texto em língua inglesa. e. Esta deverá ser enviada pelo aluno à banca examinadora aprovada pela CPG. d. e visa facilitar as críticas e sugestões ao trabalho.FEM -GRADUAÇÃO .Mestrado e Doutorado Mecânica dos Sólidos e Projeto Mecânico . O aluno deverá ser aprovado com nota mínima igual a 5 (cinco) em Exame de Proficiência elaborado e aplicado pela Comissão de Pós-Graduação da Faculdade de Engenharia Mecânica. O prazo recomendado para Qualificação. f. por um artigo comprovadamente aceito para publicação. atingindo o desenvolvimento de projetos de pesquisa científica e tecnológica. Aptidão em Língua Estrangeira O aluno de Mestrado deverá demonstrar aptidão de leitura e compreensão de texto em língua inglesa. Para obter o título de Mestre em Engenharia Mecânica. descrição das etapas a serem desenvolvidas até a finalização do trabalho. ou por um trabalho completo publicado em anais de congresso. respectivamente. A documentação para o pedido da qualificação junto à CPG deverá estar acompanhada de um exemplar de uma monografia redigida para o exame. IM115 IM118 IM121 IM124 IM125 IM128 IM136 IM139 IM144 IM145 IM147 IM148 IM150 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 Mecânica e Mecanismos de Fratura Tópicos Metrologia Solidificação dos Metais Sistema de Planejamento e Controle de Manufatura Lingotamento Contínuo de Metais Estrutura e Propriedades dos Aços Sistemática e Metodologia de Projeto Acústica Geral Controle de Sistemas em Tempo Contínuo Controle de Sistemas em Tempo Discreto Programação em Mecânica Computacional Controle Robusto de Sistemas Mecânicos Escoamento de Fluidos Compressíveis . Exame de Qualificação Ser aprovado em Exame de Qualificação. Membro Titular Rodrigo Henrique Lopes da Silva.

- IM153 60 IM159 IM160 IM190 IM191 IM192 IM193 45 45 45 45 45 45 IM194 IM195 45 45 IM196 IM199 IM215 IM220 IM221 IM223 IM231 IM232 IM235 IM236 IM240 IM241 IM245 IM246 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 IM247 IM248 IM250 IM251 IM252 IM253 IM257 45 30 45 45 45 45 45 IM258 IM259 IM260 IM261 IM262 IM266 45 45 45 45 45 45 IM267 IM268 IM314 IM315 IM316 IM317 45 45 45 45 45 45 IM318 45 IM321 IM324 IM325 IM326 IM327 IM328 IM331 45 45 45 45 45 30 45 IM332 45 IM333 IM334 IM335 IM336 IM338 IM341 45 45 60 45 45 45 4 Modelagem e Controle de Sistemas Mecatrônicos utilizando Prototipagem Rápida 3 Controle da Poluição 3 Transferência de Calor Industrial 3 Sistemas de Fabricação e Tecnologia de Grupo 3 Manufatura Integrada por Computador 3 Sistema Flexível de Manufatura 3 Automação Industrial: Seleção e Utilização de Equipamentos 3 Integração da Manufatura 3 Sistemas de Informação Aplicados à Estratégia de Manufatura 3 Fundamentos do Planejamento Estratégico 3 Introdução à Gestão de Projetos 3 Introdução aos Biomateriais 3 Estrutura dos Materiais 3 Usinagem dos Metais 3 Propriedades Mecânicas dos Metais 3 Vibrações Mecânicas 3 Cinemática Avançada e Mecanismos 3 Métodos Matemáticos para Sistemas Mecânicos 3 Dinâmica de Rotores 3 Princípios e Métodos da Dinâmica 3 Dinâmica dos Sistemas Mecânicos 3 Modelamento e Controle de Manipuladores 3 Introdução à Engenharia Integrada e Sistemas Automatizados de Produção 3 Acionamento e Controle de Sistemas Mecânicos 2 Otimização de Sistemas 3 Mecânica dos Fluidos 3 Termodinâmica 3 Convecção Térmica 3 Métodos Numéricos em Fenômenos de Transporte 3 Avaliação de Processos pela Segunda Lei da Termodinâmica 3 Diferenças Finitas para Equações de Transporte 3 Transferência de Calor 3 Condução Térmica 3 Radiação Térmica 3 Métodos Experimentais e Técnicas de Medida 3 Modelos de Processos de Combustão e Gaseificação 3 Métodos Analíticos em Fenômenos de Transporte 3 Fundamentos da Teoria da Combustão 3 Corrosão Metálica 3 Mecatrônica Princípios 3 Processamento de Materiais por Laser 3 Metodologia para Planejamento Experimental e Análise de Resultados 3 Modelagem do Processo de Solidificação de Metais e Ligas 3 Tópicos em Fundição e Solidificação 3 Tópicos da Conformação Plástica de Metais 3 Tópicos de Engenharia de Materiais 3 Tópicos em Tecnologia Mecânica 3 Transformação de Fase 2 Seminários em Materiais e Processos 3 Processamento de Sinais em Sistemas Mecânicos I 3 Processamento de Sinais em Sistemas Mecânicos II 3 Controladores Programáveis Industriais 3 Tópicos em Caracterização de Materiais 4 Análise Modal de Estruturas 3 Engenharia de Superfície 3 Tecnologia da Gaseificação 3 Introdução à Mecânica do Contínuo FEM IM342 IM343 IM348 IM350 IM351 IM352 IM380 IM381 IM382 IM383 IM384 45 45 30 45 45 45 45 45 45 30 30 3 3 2 3 3 3 3 3 3 2 2 IM385 IM386 IM387 IM388 IM389 IM391 IM400 IM403 IM404 IM405 IM406 IM409 IM410 IM411 IM417 IM420 IM430 IM431 IM433 IM434 IM436 IM437 IM438 IM439 IM444 IM450 IM451 IM452 IM457 IM458 IM461 IM465 IM485 IM487 IM488 30 30 30 30 30 30 45 45 45 45 15 15 45 45 45 45 45 45 45 30 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 30 30 2 2 2 2 2 2 3 3 3 3 1 1 3 3 3 3 3 3 3 2 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 2 2 IM491 IM492 IM493 IM496 IM505 IM511 IM515 45 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 3 IM518 IM519 IM531 IM532 30 30 45 45 2 2 3 3 IM535 45 3 IM540 IM542 IM544 IM545 45 45 30 45 3 3 2 3 Análise de Máquinas Rotativas Calibração .Filosofia e Aspectos Práticos Teoria Técnica e Mecânica dos Sólidos I Teoria da Camada Limite Tecnologia da Combustão Engenharia da Fluidização Métodos de Otimização para Sistemas Mecânicos Elementos Finitos I Elementos Finitos II Elementos Finitos: Fundamentos Elementos Finitos: Problemas Dinâmicos e Vibratórios Elementos Finitos: Problemas Não Lineares Processamento de Sinais I Processamento de Sinais II Métodos Matemáticos para Engenharia Mecânica I Métodos Matemáticos para Engenharia Mecânica II Dinâmica de Estruturas Metodologia de Pesquisa e Redação Científica Estudos Especiais I Estudos Especiais II Estudos Especiais III Estudos Especiais IV Estudos Especiais V Tópicos da Usinagem dos Metais Tópicos de Tecnologia Metalúrgica Tópicos em Otimização de Sistemas Mecânicos Tópicos em Controle de Sistemas Mecânicos Tópicos em Dinâmica das Máquinas Tópicos em Mecânica Aplicada Tópicos em Projeto Mecânico Seminários em Projeto Mecânico Tópicos em Sistemas Mecânicos Tópicos em Mecânica Estrutural Tópicos em Mecânica Computacional Tópicos em Mecânica Ferroviária Tópicos em Processos de Fabricação Tópicos em Mecânica dos Fluidos Tópicos em Transferência de Calor Tópicos em Termodinâmica Aplicada Tópicos em Fenômenos de Transporte Tópicos em Métodos Numéricos Confiabilidade de Sistemas Conformação Plástica dos Metais Teoria da Elasticidade Aplicada Introdução ao Controle de Estruturas Flexíveis Introdução ao Controle Adaptativo de Ruído e Vibração Tópicos de Propriedades Mecânicas dos Materiais Tópicos em Engenharia de Fabricação I Tópicos em Engenharia de Fabricação II Tópicos em Tratamentos Superficiais Tecnologia de Materiais Poliméricos Introdução ao Método dos Elementos de Contorno Método dos Elementos de Contorno Aplicados a Engenharia Método dos Elementos de Contorno I Método dos Elementos de Contorno II Técnicas de Armazenamento Térmico Método dos Elementos Finitos Aplicado em Fenômenos de Transporte Método dos Volumes de Controle em ConduçãoConvecção Tópicos em Engenharia de Produção Aços e Ligas Especiais Seminários em Engenharia de Produção Radiação Térmica em Meios Participantes 15 .

respectivamente. o aluno deverá cumprir o total de 12 créditos em disciplinas e ser aprovado na defesa da tese. Atividade Obrigatória AA002 * 0 Tese de Doutorado Disciplinas Eletivas O aluno deve obter 12 créditos dentre as disciplinas da lista abaixo escolhidas em comum acordo com o orientador. Para obter o título de Doutor em Engenharia Mecânica.Filosofia e Aspectos Práticos 2 Teoria Técnica e Mecânica dos Sólidos I 3 Teoria da Camada Limite 3 Tecnologia da Combustão 3 Engenharia da Fluidização 3 Métodos de Otimização para Sistemas Mecânicos 3 Elementos Finitos I 3 Elementos Finitos II 2 Elementos Finitos: Fundamentos . IM195 45 IM196 IM199 IM215 IM220 IM221 IM223 IM231 IM232 IM235 IM236 IM240 IM241 IM245 IM246 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 IM247 IM248 IM250 IM251 IM252 IM253 IM257 45 30 45 45 45 45 45 IM258 IM259 IM260 IM261 IM262 IM266 45 45 45 45 45 45 IM267 IM268 IM314 IM315 IM316 IM317 45 45 45 45 45 45 IM318 45 IM321 IM324 IM325 IM326 IM327 IM328 IM331 45 45 45 45 45 30 45 IM332 45 IM333 IM334 IM335 IM336 IM338 IM341 IM342 IM343 IM348 IM350 IM351 IM352 IM380 IM381 IM382 IM383 45 45 60 45 45 45 45 45 30 45 45 45 45 45 45 30 DOUTORADO EM ENGENHARIA MECÂNICA (60D) Integralização As durações mínima e máxima para o curso de Doutorado são de 24 e 54 meses.2015 IM546 IM547 IM548 45 45 45 IM549 IM552 IM553 IM554 IM556 IM557 IM558 IM559 IM561 IM562 IM563 45 30 30 60 45 45 45 45 45 45 45 IM566 IM567 IM568 IM569 IM570 ----- 45 45 45 45 45 3 Introdução à Metalurgia da Solda 3 Reofundição de Ligas Metálicas 3 Fundamentos da Engenharia dos Sistemas de Produção 3 Projeto de Sistema de Manufatura Enxuta 2 Sistemas de Transmissão de Potência 2 Análise Dinâmica Estrutural 4 Dinâmica de Veículos 3 Desempenho de Aeronaves 3 Aerodinâmica Básica 3 Propulsão 3 Engenharia Assistida por Computador 3 Reologia e Processamento de Polímeros 3 Modelagem em Escoamentos Turbulentos 3 Processamento de Imagens Aplicado a Automação e Robótica 3 Elementos Finitos III 3 Controle de Vibrações em Estruturas 3 Fundamentos de Reologia 3 Processamento Digital de Sinais Usando FPGA 3 Análise de Sistemas Lineares Qualquer disciplina dos Programas de PósGraduação da Unicamp. IM115 IM118 IM121 IM124 IM125 IM128 IM136 IM139 IM144 IM145 IM147 IM148 IM150 IM153 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 60 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 4 IM159 IM160 IM190 IM191 IM192 IM193 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 IM194 45 3 16 Mecânica e Mecanismos de Fratura Tópicos Metrologia Solidificação dos Metais Sistema de Planejamento e Controle de Manufatura Lingotamento Contínuo de Metais Estrutura e Propriedades dos Aços Sistemática e Metodologia de Projeto Acústica Geral Controle de Sistemas em Tempo Contínuo Controle de Sistemas em Tempo Discreto Programação em Mecânica Computacional Controle Robusto de Sistemas Mecânicos Escoamento de Fluidos Compressíveis Modelagem e Controle de Sistemas Mecatrônicos utilizando Prototipagem Rápida Controle da Poluição Transferência de Calor Industrial Sistemas de Fabricação e Tecnologia de Grupo Manufatura Integrada por Computador Sistema Flexível de Manufatura Automação Industrial: Seleção e Utilização de Equipamentos Integração da Manufatura 3 Sistemas de Informação Aplicados à Estratégia de Manufatura 3 Fundamentos do Planejamento Estratégico 3 Introdução à Gestão de Projetos 3 Introdução aos Biomateriais 3 Estrutura dos Materiais 3 Usinagem dos Metais 3 Propriedades Mecânicas dos Metais 3 Vibrações Mecânicas 3 Cinemática Avançada e Mecanismos 3 Métodos Matemáticos para Sistemas Mecânicos 3 Dinâmica de Rotores 3 Princípios e Métodos da Dinâmica 3 Dinâmica dos Sistemas Mecânicos 3 Modelamento e Controle de Manipuladores 3 Introdução à Engenharia Integrada e Sistemas Automatizados de Produção 3 Acionamento e Controle de Sistemas Mecânicos 2 Otimização de Sistemas 3 Mecânica dos Fluidos 3 Termodinâmica 3 Convecção Térmica 3 Métodos Numéricos em Fenômenos de Transporte 3 Avaliação de Processos pela Segunda Lei da Termodinâmica 3 Diferenças Finitas para Equações de Transporte 3 Transferência de Calor 3 Condução Térmica 3 Radiação Térmica 3 Métodos Experimentais e Técnicas de Medida 3 Modelos de Processos de Combustão e Gaseificação 3 Métodos Analíticos em Fenômenos de Transporte 3 Fundamentos da Teoria da Combustão 3 Corrosão Metálica 3 Mecatrônica Princípios 3 Processamento de Materiais por Laser 3 Metodologia para Planejamento Experimental e Análise de Resultados 3 Modelagem do Processo de Solidificação de Metais e Ligas 3 Tópicos em Fundição e Solidificação 3 Tópicos da Conformação Plástica de Metais 3 Tópicos de Engenharia de Materiais 3 Tópicos em Tecnologia Mecânica 3 Transformação de Fase 2 Seminários em Materiais e Processos 3 Processamento de Sinais em Sistemas Mecânicos I 3 Processamento de Sinais em Sistemas Mecânicos II 3 Controladores Programáveis Industriais 3 Tópicos em Caracterização de Materiais 4 Análise Modal de Estruturas 3 Engenharia de Superfície 3 Tecnologia da Gaseificação 3 Introdução à Mecânica do Contínuo 3 Análise de Máquinas Rotativas 3 Calibração .FEM -GRADUAÇÃO .

Exame de Qualificação Ser aprovado em Exame de Qualificação.http://www.O. de 13/09/2012.0 a partir do 2º período letivo. Membro Titular Joaquim Eugênio Abel Seabra. PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ENERGÉTICOS COMISSÃO Arnaldo César da Silva Walter.- IM384 30 IM385 IM386 IM387 IM388 IM389 IM391 IM400 IM403 IM404 IM405 IM406 IM409 IM410 IM411 IM417 IM420 IM430 IM431 IM433 IM434 IM436 IM437 IM438 IM439 IM444 IM450 IM451 IM452 IM457 IM458 IM461 IM465 IM485 IM487 IM488 30 30 30 30 30 30 45 45 45 45 15 15 45 45 45 45 45 45 45 30 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 30 30 IM491 IM492 IM493 IM496 IM505 IM511 IM515 45 45 45 45 45 45 45 IM518 IM519 IM531 IM532 30 30 45 45 IM535 45 IM540 IM542 IM544 IM545 IM546 IM547 IM548 45 45 30 45 45 45 45 IM549 IM552 IM553 IM554 IM556 IM557 45 30 30 60 45 45 2 Elementos Finitos: Problemas Dinâmicos e Vibratórios 2 Elementos Finitos: Problemas Não Lineares 2 Processamento de Sinais I 2 Processamento de Sinais II 2 Métodos Matemáticos para Engenharia Mecânica I 2 Métodos Matemáticos para Engenharia Mecânica II 2 Dinâmica de Estruturas 3 Metodologia de Pesquisa e Redação Científica 3 Estudos Especiais I 3 Estudos Especiais II 3 Estudos Especiais III 1 Estudos Especiais IV 1 Estudos Especiais V 3 Tópicos da Usinagem dos Metais 3 Tópicos de Tecnologia Metalúrgica 3 Tópicos em Otimização de Sistemas Mecânicos 3 Tópicos em Controle de Sistemas Mecânicos 3 Tópicos em Dinâmica das Máquinas 3 Tópicos em Mecânica Aplicada 3 Tópicos em Projeto Mecânico 2 Seminários em Projeto Mecânico 3 Tópicos em Sistemas Mecânicos 3 Tópicos em Mecânica Estrutural 3 Tópicos em Mecânica Computacional 3 Tópicos em Mecânica Ferroviária 3 Tópicos em Processos de Fabricação 3 Tópicos em Mecânica dos Fluidos 3 Tópicos em Transferência de Calor 3 Tópicos em Termodinâmica Aplicada 3 Tópicos em Fenômenos de Transporte 3 Tópicos em Métodos Numéricos 3 Confiabilidade de Sistemas 3 Conformação Plástica dos Metais 3 Teoria da Elasticidade Aplicada 2 Introdução ao Controle de Estruturas Flexíveis 2 Introdução ao Controle Adaptativo de Ruído e Vibração 3 Tópicos de Propriedades Mecânicas dos Materiais 3 Tópicos em Engenharia de Fabricação I 3 Tópicos em Engenharia de Fabricação II 3 Tópicos em Tratamentos Superficiais 3 Tecnologia de Materiais Poliméricos 3 Introdução ao Método dos Elementos de Contorno 3 Método dos Elementos de Contorno Aplicados a Engenharia 2 Método dos Elementos de Contorno I 2 Método dos Elementos de Contorno II 3 Técnicas de Armazenamento Térmico 3 Método dos Elementos Finitos Aplicado em Fenômenos de Transporte 3 Método dos Volumes de Controle em ConduçãoConvecção 3 Tópicos em Engenharia de Produção 3 Aços e Ligas Especiais 2 Seminários em Engenharia de Produção 3 Radiação Térmica em Meios Participantes 3 Introdução à Metalurgia da Solda 3 Reofundição de Ligas Metálicas 3 Fundamentos da Engenharia dos Sistemas de Produção 3 Projeto de Sistema de Manufatura Enxuta 2 Sistemas de Transmissão de Potência 2 Análise Dinâmica Estrutural 4 Dinâmica de Veículos 3 Desempenho de Aeronaves 3 Aerodinâmica Básica FEM IM558 IM559 IM561 IM562 IM563 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 IM566 IM567 IM568 IM569 IM570 ----- 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 Propulsão Engenharia Assistida por Computador Reologia e Processamento de Polímeros Modelagem em Escoamentos Turbulentos Processamento de Imagens Aplicado a Automação e Robótica Elementos Finitos III Controle de Vibrações em Estruturas Fundamentos de Reologia Processamento Digital de Sinais Usando FPGA Análise de Sistemas Lineares Qualquer disciplina dos Programas de PósGraduação da Unicamp. centros de pesquisa e universidades. O curso tem a finalidade de desenvolver a capacidade analítica do aluno e oferecer contribuições para melhor aproveitamento de tecnologias e processos nos quais energia possui papel fundamental. no Mestrado é a partir de 12 meses após o início do curso. Visa formar recursos humanos para empresas de energia. órgãos de governos e agências reguladoras. A documentação para o pedido da qualificação junto à CPG deverá estar acompanhada de um exemplar de uma monografia 17 . Aptidão em Língua Estrangeira Demonstrar aptidão de leitura e compreensão de textos em língua inglesa.U.br REQUISITOS PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO Créditos Cumprir o total de créditos conforme especificado na integralização do curso e obter coeficiente de rendimento mínimo de 3. O aluno deverá ser aprovado com nota mínima igual a 5 (cinco) em Exame de Proficiência elaborado e aplicado pela Comissão de Pós-Graduação da Faculdade de Engenharia Mecânica.fem. além de empresas de consultoria. Membro Titular Regiane Silva de Barros.unicamp. LINHAS DE PESQUISA Consultar o portal da unidade . Representante Discente DESCRIÇÃO A finalidade básica do programa é fornecer uma visão interdisciplinar dos problemas em energia em suas dimensões técnicas. de 31/08/2012. publicado no D. e para o Doutorado 24 meses após o início do curso. AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO Os cursos de Mestrado e Doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos receberam nota 3 na avaliação da CAPES referente ao triênio 2007/2009. econômicas e socioambientais. e foram reconhecidos pela Portaria MEC 1077. Coordenador Ieda Geriberto Hidalgo. O prazo recomendado para Qualificação.

Recomenda-se que esse procedimento seja feito com duas semanas de antecedência ao exame. escolhidas em comum acordo com o orientador. Sociedade e Meio-Ambiente Seminários de Planejamento Energético Componentes de Sistemas Hidrotérmicos de Potência Planejamento da Expansão de Sistemas de Potência Elétrica Fontes Não-Renováveis de Energia Fontes Renováveis de Energia Análise e Projeção da Demanda de Energia Planejamento Integrado de Recursos Uso Racional de Energia Otimização de Sistemas Energéticos I Otimização de Sistemas Energéticos II Política Energética. apresentação e discussão dos resultados preliminares. e visa facilitar as críticas e sugestões ao trabalho. Recomenda-se que o documento tenha até 20 páginas para o mestrado e 30 para o doutorado. PE190 PE191 PE192 PE193 PE400 ----- 3 3 3 3 3 d. e que ficará arquivada na CPG. uma síntese da revisão bibliográfica feita até o momento do exame. d. 45 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 3 PE111 45 3 PE130 PE131 PE140 PE142 PE145 PE150 PE151 PE162 PE163 PE164 PE172 PE175 PE180 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 Submissão de 1 artigo vinculado à dissertação. PE181 45 3 PE182 45 3 Defesa de Dissertação/Tese Ser aprovado em Defesa pública de dissertação ou tese. A monografia deverá conter: PE101 PE102 PE104 PE107 PE140 PE145 PE150 PE162 45 45 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 3 3 Economia da Energia I Economia da Energia II Sistemas de Suprimento Energético Energia.2015 redigida para o exame. No caso de aluno de doutorado é necessário quando da qualificação a apresentação de comprovante de pelo menos uma artigo submetido em uma revista com corpo editorial (QUALIS A1 ou A2). Disciplinas Eletivas II O aluno deve obter 09 créditos dentre as disciplinas da lista abaixo e/ou em disciplinas de outros Programas de Pós-Graduação. o aluno deverá cumprir o total de 18 créditos em disciplinas e ser aprovado na defesa da dissertação. Integralização As durações mínima e máxima para o curso de Mestrado são de 12 e 30 meses. Esta deverá ser enviada pelo aluno à banca examinadora aprovada pela CPG. permitindo avaliar melhor o aluno. por um artigo comprovadamente aceito para publicação. Sociedade e Meio-Ambiente Análise e Projeção da Demanda de Energia Uso Racional de Energia Otimização de Sistemas Energéticos I Política Energética. o título provisório da dissertação/tese. descrição dos materiais. MESTRADO EM PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ENERGÉTICOS (39M) PE101 PE102 PE104 PE106 PE107 PE108 PE110 45 45 45 45 45 Economia da Energia I Economia da Energia II Sistemas de Suprimento Energético Modelos Energéticos Energia. Planejamento e Regulação Introdução aos Leilões do Setor Elétrico Contratação de Energia Elétrica Avaliação do Ciclo de Vida Aplicada à Energia Energia e Mudanças Climáticas Tópicos Especiais Planejamento de Sistemas Energéticos I Tópicos Especiais Planejamentos de Sistemas Energéticos II Tópicos Especiais em Planejamento Sistemas Energéticos III Estudos Dirigidos I Estudos Dirigidos II Estudos Dirigidos III Estudos Dirigidos IV Metodologia de Pesquisa e Redação Científica Qualquer disciplina dos Programas de PósGraduação da Unicamp. respectivamente. o projeto da dissertação/tese com descrição clara dos objetivos. Não há necessidade de tradução. métodos e procedimentos experimentais. e. em coautoria com o orientador. Os itens c. O documento escrito destina-se a dar conhecimento prévio à banca do assunto a ser tratado no exame. e podem ser substituídos pela versão pdf ou separata de um artigo publicado em revista indexada. 18 Atividade Obrigatória AA002 * 0 Tese de Doutorado . respectivamente. b. descrição das etapas a serem desenvolvidas até a finalização do trabalho. a congresso de reconhecido mérito na área de concentração específica como mérito para agendamento da defesa de mestrado. Planejamento e Regulação a. em coautoria com o orientador. Para obter o título de Mestre em Planejamento de Sistemas Energéticos. f. Para obter o título de Doutor em Planejamento de Sistemas Energéticos o aluno deverá cumprir o total de 15 créditos em disciplinas e ser aprovado na defesa da tese. Disciplinas Eletivas I O aluno deve obter 9 créditos dentre as disciplinas da lista abaixo escolhidas em comum acordo com o orientador. ou por um trabalho completo publicado em anais de congresso. Pré-Requisitos para Defesa de Dissertação/Tese Submissão de 1 artigo completo vinculado à tese. Atividade Obrigatória AA001 * 0 Dissertação de Mestrado DOUTORADO EM PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ENERGÉTICOS (92D) Integralização As durações mínima e máxima para o curso de Doutorado são de 24 e 54 meses. c. a revista científica indexada (QUALIS A1 ou A2) como requisito para agendamento da defesa do doutorado.FEM -GRADUAÇÃO .

FL. Deformation and Fracture Mechanics of Engineering Materials. R. John Wiley & Sons. na ordem em que aparecem. W. PE101 PE102 PE104 PE106 PE107 PE108 PE110 45 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 3 PE111 45 3 PE130 PE131 PE140 PE142 PE145 PE150 PE151 PE162 PE163 PE164 PE172 PE175 PE180 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 PE181 45 3 PE182 45 3 PE190 PE191 PE192 PE193 PE400 ----- 3 3 3 3 3 45 45 45 45 45 Economia da Energia I Economia da Energia II Sistemas de Suprimento Energético Modelos Energéticos Energia. E Total de horas de aulas práticas. principalmente aquelas relacionadas a Tópicos Especiais. O livro em que se encontra o material básico (texto) pode também constar da informação de cada disciplina. USA.. Macroestruturas de Solidificação.1º período letivo 2 . Sociedade e Meio-Ambiente Análise e Projeção da Demanda de Energia Uso Racional de Energia Otimização de Sistemas Energéticos I Política Energética. P Período mais provável da oferta da disciplina. 2th Edition. FEM As disciplinas oferecidas pela unidade encontram-se identificadas a seguir. T. DISCIPLINAS DO ESTÁGIO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE (PED) CD002 60 4 Estágio de Capacitação Docente . A ementa descreve sucintamente o assunto relacionado com a disciplina. as ementas serão oferecidas pelas Unidades de Ensino correspondentes. IM121 Solidificação dos Metais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: A Inserção da Solidificação nos Processos de Manufatura. AA200 . Bibliografia: (1) Hertzberg. Nucleação e Crescimento. Transferência de Calor na Solidificação. Redistribuição de Soluto. na época da oferta dessas disciplinas. Boca Raton.. 19 . Zona plástica na ponta da trinca. Solidificação de Ligas Monofásicas. Refino por Fusão Zonal.PED C (Turma B) Obs. influência de variáveis microestruturais na tenacidade à fratura. IM118 Tópicos Metrologia T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:1 Ementa: Será fornecida na época do curso. Conceitos básicos da mecânica da fratura. (2) Anderson.- Disciplinas Eletivas I IDENTIFICAÇÃO DAS DISCIPLINAS O aluno deve obter 09 créditos dentre as disciplinas da lista abaixo escolhidas em comum acordo com o orientador.: Disciplinas válidas para todos os programas. Planejamento e Regulação Disciplinas Eletivas II O aluno deve obter 09 créditos dentre as disciplinas da lista abaixo escolhidas em comum acordo com o orientador.2º período letivo 3 . No caso de o material se encontrar em várias fontes.. Micromecanismos de fratura: Conceitos básicos da mecânica de fratura elástica linear. Estrutura de Solidificação e Propriedades. C Total de créditos. Outras Aplicações da Solidificação. 4th Edition. 1995. As informações são. de acordo com a convenção: 1 . S Total de horas de seminários. Em algumas disciplinas. Fluxo de Líquido. as seguintes: Código da Disciplina Nome da Disciplina T Total de horas de aulas teóricas. L Total de horas de estudos dirigidos ou atividades de campo. Segregação e Defeitos. Aplicação de mecânica da fratura em fadiga e fratura assistida pelo meio. Ensaios de tenacidade à fratura. Sociedade e Meio-Ambiente Seminários de Planejamento Energético Componentes de Sistemas Hidrotérmicos de Potência Planejamento da Expansão de Sistemas de Potência Elétrica Fontes Não-Renováveis de Energia Fontes Renováveis de Energia Análise e Projeção da Demanda de Energia Planejamento Integrado de Recursos Uso Racional de Energia Otimização de Sistemas Energéticos I Otimização de Sistemas Energéticos II Política Energética. CRC Press. Cada crédito corresponde a 15 (quinze) horas de atividades.qualquer período letivo Os pré-requisitos (PR): exigidos para a matrícula na disciplina. Métodos de obtenção de K. EMENTAS DAS DISCIPLINAS AA001 Dissertação de Mestrado T:0 E:0 L:0 S:0 C:0 P:3 AA002 Tese de Doutorado T:0 E:0 L:0 S:0 C:0 P:3 IM115 Mecânica e Mecanismos de Fratura T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução. Noções da mecânica de fratura elasto-plástica. 1996. L. a lista bibliográfica será oportunamente fornecida pelo Professor Responsável pela disciplina.PED B (Turma B) CD003 30 2 Estágio de Capacitação Docente . Planejamento e Regulação Introdução aos Leilões do Setor Elétrico Contratação de Energia Elétrica Avaliação do Ciclo de Vida Aplicada à Energia Energia e Mudanças Climáticas Tópicos Especiais Planejamento de Sistemas Energéticos I Tópicos Especiais Planejamentos de Sistemas Energéticos II Tópicos Especiais em Planejamento Sistemas Energéticos III Estudos Dirigidos I Estudos Dirigidos II Estudos Dirigidos III Estudos Dirigidos IV Metodologia de Pesquisa e Redação Científica Qualquer disciplina dos Programas de PósGraduação da Unicamp. LEGENDA PE101 PE102 PE104 PE107 PE140 PE145 PE150 PE162 45 45 45 45 45 45 45 45 3 3 3 3 3 3 3 3 Economia da Energia I Economia da Energia II Sistemas de Suprimento Energético Energia. Solidificação de Ligas Polifásicas. Fracture Mechanics: Fundamentals and Applications.Significa Autorização da respectiva CPG.

Charles L. KANBAN. Object-Oriented Analysis and Desingn with Applications. Controle robótico. Notação para processo e desenvolvimento de software orientado a objetos. Solidification Processing. 1988. 1989. A. Coppens. 1996. Sistemas acústicos.. e Grigoriadis. IM147 Programação em Mecânica Computacional T:30 E:0 L:15 S:0 C:3 P:3 Ementa: Ferramentas para programação de software em análise numérica. Tratamentos termoquímicos dos aços. Síntese de controladores H-infinito. Planejamento de necessidades de materiais (MRP). 1984/86/89/92. L. Síntese de controladores robustos. Rowland. J. 1994. Guias de onda. São Paulo. P. inventividade. Controladores Hoo e H2 robusto: Análise de estabilidade. Hostetter: Design of Feedback Control Systems. Moura. Incertezas de modelagem. & Cox. Planejamento operacional.. B. Aplicações a sistemas mecânicos: Controle ativo de vibrações. Controlador de estado. Inc. Transtech Publications.. Holografia acústica de campo próximo (NAH). Controle otimizado.C. 1986. D. & Shivnan. N. Inc. 1994. A. Manufacturing Planning and Control Systems. Bibliografia: Apostila e Artigos Técnicos e Científicos. K. Planejamento mestre de produção.C. Detecção de falhas. IM139 Acústica Geral T:30 E:0 L:15 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos básicos da acústica. 2001. Laub.J. J. Reverchon.C. Essential of Robust Control. Sandras. Modelos de estado. John Wiley. A. Acústica musical e arquitetônica. E. Switzerland. Controle otimizado. Tratamentos térmicos dos aços. Gestão de demanda. Berry. Prentice Hall.R. Rio de Janeiro. Prentice Hall. Bibliografia: Mei. Gianesi. Editora da Unicamp. Aspectos operacionais do processo. Naresh K. E. programa de desenvolvimento. V. Nemirovski.L.. 1999.A. porosidade interna..D. exequibilidade. Sinais.. Bibliografia: R. Atlas.. McGrawHill Book Company.B.. and Sanders. A. 1982 (livro texto).. regras e diretrizes. R. 1983. 1989. 20 -GRADUAÇÃO . 1995. Teoria da transformação unificada.J. Phillips e Royce D.2015 Bibliografia: Kinsler. Naeini. John Wiley. Controladores H2. Saunders College Publishing. São Paulo. Just-inTime. Função de transferência. contração térmica. Kuo. Skogestad. Modeling. Processo solucionador. IM136 Sistemática e Metodologia de Projeto T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:1 Ementa: Planejamento do produto.. Modelagem de estado discreto.F. Kurz. Ed. IM124 Sistema de Planejamento e Controle de Manufatura T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:2 Ementa: Introdução ao planejamento de recursos de manufatura (MRPII). Bahram Shahian. G. I. Linear Control Systems. Escoamento isoentrópico. Cátedra. T. C. 1991. Impedância acústica. Mathematical Software Tools in C++. Metodologia de projeto.C. Edgard Blucher. Análise modal acústica. A. L. The Mechanical Design Process. Ed. Uma Guinada de 180º em Direção ao JIT/TQC. Normas de vetores.M.. IM128 Estrutura e Propriedades dos Aços T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Soluções sólidas do ferro. Aços e Ligas Especiais. IM148 Controle Robusto de Sistemas Mecânicos T:30 E:0 L:15 S:0 C:3 P:3 Ementa: Revisão de álgebra linear: Conceitos básicos. Modos acústicos. W. Boyd. Bibliografia: (1) Ertas. Bishop. Sistemas de Controle e Realimentação. Qualidade superficial dos lingotes. Técnicas e estratégias para depuração e validação. Fundamentals of Acoustics.E.. IM144 Controle de Sistemas em Tempo Contínuo T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Modelagem matemática. Goldratt. S.S. M. McGraw-Hill Int. 1993. (b) ligas de faixa extensiva de solidificação.. soluções alternativas. IM145 Controle de Sistemas em Tempo Discreto T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Sistemas discretos. J.. M. SIAM. e Doyle. 1986. The Engineering Design Process. Zhou. Princípios de análise e metodologia de desenvolvimento de projeto para aplicativos computacionais. Ogata... Ghaoui. Controle de vazamento de metal líquido através de injetores. Horstmann. Automatic Control Systems.. Fleming..T. Bibliografia: Zienkiewicz. Bibliografia: Vollmann. Escoamentos em dutos . IMAM.. Booch. A Corrida pela Vantagem Competitiva. Rio de Janeiro. Analysis and Design. Solidificação: Fundamentos e Aplicações. 1991. Viabilidade. Ed. W. Prentice Hall. P. Decomposição de austenita. São Paulo. Controladores Hoo.. definição de um tipo padrão para análise.G. The Benjamin/Cummings Publishing Company. LTC Editora. Cálculo Matricial.. Introdução a inequalidades matriciais lineares (LMI): Definição de problemas padrões. identificação e formulação do problema. John Wiley & Sons. Powell e A. Feedback Control of Dynamics Systems.. Construção de curvas ITT e CCT. Gahinet. Projeto de Controladores.. Corrêa. fluxo de metal de panelas de vazamento. Noções sobre controle ativo de ruído. Harhen. Ondas planas e esféricas. Inc. M. 1993. etapas de resfriamento primário. Fase do projeto.E. 3rd Edition. Controlabilidade e observabilidade. Implementação dos sistemas de MCP e administração dos gargalos de produção.V. IM125 Lingotamento Contínuo de Metais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Histórico. Intensimetria acústica. & Ducamp. Revisão de análise espectral. 1982. K. Mastering Object-Oriented Design in C++. Controladores LQR/LQG/LTR. Diagrama de equilíbrio ferrocarbono. Iwasaki. Production Management Systems. 1998.L. I. Guanabara Dois Ed. J.. J. Inc. W. D.. G..R.M. Addison-Wesley.C. McGrawHill. Bibliografia: Linear Matrix Inequalities in System and Control Theory. LMI Control Toolbox User's Guide. D. A Meta. 2010.E. Influência dos elementos de liga nos aços. Análise de estabilidade. T. (2) Ullman. E. Harbor.. Gene H. Controladores robustos. Estrutura metalúrgica: correlação entre parâmetros térmicos e parâmetro da estrutura dendrítica. MRPII e OPT: Um Enfoque Estratégico''. Linear Systems. Multivariable Feedback Control Analysis and Design. IM150 Escoamento de Fluidos Compressíveis T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:1 Ementa: Fundamentos. Dorf e R. Algoritmos de controle. na etapa de resfriamento por "sprays'' e na etapa de radiação livre: (a) metais puros ou ligas de faixas estreitas de solidificação. 1989. The Math Works. movimentação do molde. A CIM Perpective. A. The Finite Element Method.. & R. secundário e de radiação livre. J. Stefani.A. tipos de sistemas de lingotamento contínuo. 1998. New York: Wiley. 1967. J.. Taylor and Francis. Savant Jr. & Fisher. J. & Whybark.. J. AddisonWesley. critérios de avaliação.. Introdução ao escoamento compressível. Matrizes e funções.H. 1992. Browne. 1995. A Simplicidade do Controle da Produção. Franklin. Estabilidade. otimização.L. 1996. 2002. Feron. J. Aplicação em mecânica estrutural. Decomposição em valores singulares. Metodologia de Projeto de Produtos Industriais. análise e escolha da solução. J. R..Ed. C. Transformações lineares fracionais. Fundamentos e eficiência de algumas linguagens de programação. Bibliografia: Engenharia de Controle Moderno.. John Wiley. aspectos econômicos do processo. 1991. R. especificação da solução.FEM Bibliografia: Garcia. e Postlethwaite. New York. Qualidade sonora. execução. amostragem e transformada Z. Costa e Silva. (3) Back. Ações de controle tradicionais.. A.. C.G. Introdução à acústica linear. Frey. segregação nos lingotes. O. IMAM. Goldratt. Solidificação no lingotamento contínuo. Sinha. controle automático de vazamento.N. John Wiley & Sons. Ondas de choque. Dow Jones-Irwin.. e Balakrishnan. S. 1993. K. Makron Books.. Sistemas de Controles Modernos. A. Chilali. "Just-In-Time. A Unified Algebraic Approach Linear Control Design. Controle robusto. Campinas. 1988..V. Fundamentals of Solidification. Análise matemática da Transferência de calor no molde. John Wiley & Sons.C. 1974. Análise de desempenho. IMAM. Skelton.. e Jones.

.. 1985. H. A. Bibliografia: J. 1993.. Linguagens de programação de Robôs. de entrada (INPUT). 1975. e E. Resfriadores de ar. implicações. McGraw-Hill.CAD .. As Unidades de alimentação. Apostila DEF/FEM/UNICAMP. Prentice Hall. M. Influência da tecnologia de grupo na automação.Hard Automation e Soft Automation. R. Kelton. Inc. e Gianesi. Conceituação de célula flexível. CABS. Equações de Estado e Bondgraph. Processos de negócio. Vol. R. conceituação e classificação. caracterização.L. Implementação em FPGA's. CAD/CAM Computer Aided Design and Manufacturing''. sistemas flexíveis e sistemas CAD-CAM na fábrica integrada: . Automação rígida e programável. 635p.. trocadores de calor compactos.. EXAME. Threlkeld. J.W. Exemplos de Aplicação direcionados à área automobilística e robótica. O. Possibilidades básicas de utilização de CLPs em nível de chão de fábrica (shop-floor). células de manufatura. e Rejamani.. MRP II e OPT: Um Enfoque Estratégico. São Carlos. Editora Atlas. 1983. Campinas.A.CAPP . The Introduction of Group Technology. sistema flexível de manufatura e linha de transferência flexível.Hard Automation e Soft Automation . 1953.. etc. Testes e normas de recepção. Cambridge. Arquitetura do sistema de informações para atender estratégias de competitividade. Produtividade industrial. I e II. Classificação dos sistemas de fabricação.CAPP .M. sistemas flexíveis e sistemas CADCAM na fábrica integrada: ..CAM CAP .. Campinas. New Jersey.G. I. McGraw Hill. São Paulo. Bibliografia: Burdidge. 1987. Influência da tecnologia de grupo na automação..L. Singh. Batocchio. 267 p.. IM159 Controle da Poluição T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:1 Ementa: Natureza dos problemas ambientais locais e de caráter global. FEM/UNICAMP. Flexibilidade dos sistemas produtivos. Planejamento do Processo de Célula de Manufatura. Nakagawa. Just in Time. Standard Handbook of the Environmental Engineering. previsão de desenvolvimento. CRC Press. condensadores e vaporizadores. verificação e projeto termo hidráulico de trocadores de calor casco e tubo sem mudança de fase. Heinemann. Modelagem de sistemas físicos em ambiente de prototipagem rápida baseado em Funções de Transferência. Agostinho. Influência dos novos sistemas de fabricação na formação de células flexíveis e sistemas flexíveis. Black. Ensaios de recepção. Algoritmos de otimização de circuitos: Diagrama de Veitch-Karnaugh.. USA. definições. Escoamento unidimensional generalizado. USA.. integração das células flexíveis. Linguagens de programação: manual (código G) e automática (APT). Planning and Control. Estudo de Movimentos e Tempos. 170p. "Heat Exchanger Design Handbook". Resíduos sólidos. IM191 Manufatura Integrada por Computador T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Sistemas de manufatura. 1983. 547p.. The Design of the Factory with Future. 1989. Aplicação em instalações existentes. São Paulo. 1984. Agostinho. A. Critérios de viabilidade econômica..CAP . Batocchio. Bott. Noções gerais sobre automação . T. USA. J. 1977. Brian H. Sistemas e Implementação. A integração com CLPs e CNCs com a constituição de sistemas flexíveis de manufatura. IM194 Integração da Manufatura T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Sistemas de manufatura. Determinação quantitativa de flexibilidade dos sistemas produtivos. R. noções gerais sobre automação . 1999. Dissertação de Mestrado. condições para aumento de flexibilidade. influência da tecnologia da informação. Simulation with ARENA. trocadores de placas.... Tratamento e disposição. definição. e com troca de calor. Hemisphere Publ. Zimmers Jr. Charles M..L. Productivity Press. Maskell.P.T. Editora Atlas. Americas 21st Century Challenge.. Bolton:Mechatronics. ed. IM160 Transferência de Calor Industrial T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:1 Ementa: Especificação. As Unidades eletroeletrônica e mecânica. Estudo de casos. Estudo de casos. D. G.. Tese de Doutorado. International Journal of Computer Integrated Manufaturing. Shires.a influência do computador. Tecnologia de grupo-fundamentos. Tese de Doutorado.F. Concepção de Sistemas Mecatrônicos: arquitetura. 1970. N. IM192 Sistema Flexível de Manufatura T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução.N. arquiteturas do sistema de informação. London.D. Integração dos diversos sistemas operacionais pelo computador. Performance Measurement for World Class Manufacturing: A Model for American Companies. sensores e atuadores. 110p. Editora Edgard Blucher. Ferramentas para Prototipagem Rápida baseada em técnicas de controle e conceitos de Realidade Virtual. "Transferência de Calor Industrial".CIM. Tratamento de efluentes líquidos. São Carlos. 1991. Bibliografia: Corbitt. A. 1991. IM153 Modelagem e Controle de Sistemas Mecatrônicos utilizando Prototipagem Rápida T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Conceitos de Base em Mecatrônica. IM190 Sistemas de Fabricação e Tecnologia de Grupo T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceituação de fabricação. Y. Máquinas-ferramentas a controle numérico (CNCs). Chapman & Hall.CIM. estrutura. ROSÁRIO: Princípios de Mecatrônica. Integração estrutural. Unicamp. necessidades atuais. Batocchio. "The Dynamics and Thermodynamics of Compressible Fluid Flow''. fatores de competitividade. M. Controladores Clássicos e Preditivos Generalizados. Hewitt. J. Definição dos sistemas de controle do negócio e sistemas de execução dos processos de manufatura. Bibliografia: Shapiro. Codificação Interativa de Peças Usando Computador e Tecnologia de Grupo. Addison Wesley Longman. Barnes. "Thermal Environmental Engineering". Células de fabricação-critério de dimensionamento. L.L.P. Um Modelo de Índice de Automação Relacionado à Flexibilidade e à Produtividade dos Sistemas de Manufatura. integração das células flexíveis..: Sadowski. Bibliografia: National Center for Manufacturing Sciences. Especificações técnicas. "Process Heat Transfer".L. G. Bibliografia: Goldstein. W. Competing in World Class Manufacturing. IM195 Sistemas de Informação Aplicados à Estratégia de Manufatura T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Estratégia. McGraw-Hill. Home Pages.. 1992. Poluição das águas. Estratégia de manufatura. O.. células de manufatura. definições. IM193 Automação Industrial: Seleção e Utilização de Equipamentos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Controladores lógicos programáveis (CLPs). Robôs industriais. PearsonPrentice Hall. Artigos de Revistas: International Journal of Production FEM Research. Business One Irwin 1990.Sistema de Manufatura. Exemplos.CAD . Correa. Co. 243p. Experiências já realizadas.. Jornais. AML e VAL..CAM . Bibliografia: Apostila . 277p. A influência do computador. Conceito de cadeia de fornecedores. Classificação.. Especificações técnicas. E. Estudo da Flexibilidade dos Sistemas Produtivos. 2004. Manufatura integrada por computador. Jr. Linguagens de programação: por diagramas de contato e por circuitos lógicos.A. 1996. Industrial Engineering. Fifth Generation 21 . D. H. Poluição por ar. Integração dos diversos sistemas operacionais pelo computador. Cellular Manufacturing Systems: Design.. Schlunder. 150p. GB. N. 233p. 1987. de processadores (CPU) e de saída (OUTPUT). Aplicações em ambiente industrial. 1991. 1998. utilização do conceito de processo de negócio na definição de estratégias de manufatura. The Ronald Press Co. Gestão Estratégicas de Curstos: Conceitos. caracterização. Bibliografia: Groover.R. Veja. EESC/USP.- de área de secção constante: Adiabático com atrito.U. modelos de dispersão e métodos de controle. e Sadowski. 302p. EESC/USP. A.L. Prentice Hall. Savage. Estudo de Casos. 1991. W.

G. São Paulo. A teoria do planejamento estratégico. Questões para a definição de cenários. Guanabara Dois. PARK. Eberhard.. John Wiley & Sons. Grosjean. Roda de Laval. Desgaste e vida da ferramenta. Artigos de Revistas. W. . Mechanical Metalurgy. JASTRZEBSKI. Brown and Company. Introdução aos materiais compósitos. Dr. M. Processos dos Projetos. 1988. "Química Inorgânica''. L.C. & Peter. "Restoring our Competitive Edge: Competing Through Manufacturing". Riscos. Bibliografia: Doughty.. fabricação e global... 1993. Rio de Janeiro. Dynamic of Rotors and Foundations.. IM241 Dinâmica dos Sistemas Mecânicos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Descrição matemática de sistemas de corpos rígidos: Cinemática. REES-HILL . Imperfeições cristalinas. Polímeros. Little. Makron Books do Brasil Editora Ltda. Solução geral. Bibliografia: Certo. Furação. 1970.J. Bibliografia: Tecnologia de Usinagem dos Materiais. MacGraw Hill International Editions. IM235 Métodos Matemáticos para Sistemas Mecânicos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Vetores. equação de movimento e equação de estado. MOFFAT. CALLISTER Jr. posições. Artigos Científicos em Geral. Modelle fuer Regelung und Simulation. USA. W.W. Bibliografia: Meirovitch. J. Mac Graw-Hill Book Company.E.. 1996..B. IM199 Introdução à Gestão de Projetos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Noções gerais sobre gerenciamento de projetos.An Interfacial Approach''.Sandvik Coromant. John Wiley. "Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia". P.H. R. Estrutura . Meirovitch. Ferraresi. "Learning from the Future".Y. sistemas de equações lineares e não lineares. A. Teubner Verlag. . New York. J. IM220 Estrutura dos Materiais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos gerais sobre materiais aplicados em engenharia. SI Metric Edition. "Implementation of Strategic Planning". "Strategic Planning: Development and Implementation".. Análise estratégica do ambiente. São Paulo. Shaw. John Wiley & Sons. Precessão direta e retrógrada. transformações lineares. Biomaterials Science. P. J.J.r. Mathematical Methods for Physics and Engineering: A Comprehensive Guide by.C. Jornais. 1984. e Coppini. matrizes. Monitoramento e controle do processo de usinagem. Bibliografia: Dieter.LTC. Academic Press. B. Hayes. Richard J. J.C. Ensaios de biocompatibilidade. Sistemas contínuos: métodos aproximados e exatos. Estrutura cristalina. Grant. Propriedades de tração. Olívio Novaski. W. Boston. Cambridge Press. G. Mechanics of Machines. Academic Press. B. New York. M. W.E. Bibliografia: BARRET. an Introduction''...L. J. Problema de autovalores e autovetores. Theory of Machines and Mechanisms. 1996. Oxford. Fundamentos da Usinagem dos 22 -GRADUAÇÃO . IM223 Propriedades Mecânicas dos Metais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Relações entre tensões e deformações no regime elástico. Amortecimento externo e interno. Springer-Verlag Germany. 2a. Séries. Z. "Ciência dos Materiais 1''.D. & MASSALSKI."Princípios de Metalurgia Física''. torção e fluência. R. Hobson. 1995.An Introduction''a. USA. Força e potências de usinagem. D. Bence. Shigley. MacGraw Hill. Vibrações torcionais. USA.. Correlações entre estrutura e propriedades dos materiais.F. New York. Efeitos secundários. USA. bases ortogonais. Cerâmicos.L. 2004. A. "Methods of Analytical Dynamics". market..C. John Wiley & Sons. Manual de Fresamento . velocidades e acelerações. A formulação estratégica e as unidades de negócios. IM240 Princípios e Métodos da Dinâmica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Fundamentos da mecânica Newtoniana. L.E.. & Saunders. Planejamento estratégico para as pequenas unidades de negócios.J. Estruturas moleculares. Prantice Hall Inc. & WULF.Y. 1980. John Wiley. T. Estabilidade. Metais e compósitos. Bibliografia: K. New Jersey. J. N. Edição. IM215 Introdução aos Biomateriais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Definição de biomateriais. Ratner.M.D. Pesquisa & desenvolvimento e recursos humanos. Química superficial de materiais de implantes. Schonberger. 1976. Makron Books do Brasil Editora Ltda.. fresamento e retificação."Structure of Metals''... Tab Books Inc. S. Mancais hidrodinâmicos. D.Integrating Enterprises through Human Networking Digital Press. Vantagem competitiva. N. Efeitos giroscópicos. Estruturas amorfas. Introdução aos materiais cerâmicos. and S. A. S.. & Wheelwright. Síntese e projeto de mecanismos articulados por métodos gráficos e analíticos. 1991. J. Loragne. Inc. Diniz..H. F. G. Ressonância. Bibliografia: Schiehlen.: Techanische Dynamik. A. Fratura e noções de mecânica de fratura. Análise estratégica no nível das unidades de negócios: aspectos financeiros. Fahey. Elementos da teoria da plasticidade.. Fundamentos da mecânica analítica. 1982. Estrutura atômica e forças interatômicas. Riley. IM232 Cinemática Avançada e Mecanismos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Análise. & Randall. McGraw Hill. Bibliografia: HENCH. "The Logic of Strategic Planning". Editora Edgard Blucher. "Materials Science and Engineering.. Inglaterra.. Edgard Blucher.P.FEM Manageent . Kinematics and Dynamics of Mechanisms. etc. 1988. Áreas do conhecimento segundo o PMI. 1993.. USA. H. Apostila de Monitoramento e Controle do Processo de Usinagem. Balanceamento. Pennsylvania. Fadiga. World Class Manufacturing: The Next Decade.B. S. G. IM236 Dinâmica de Rotores T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Modelagem matemática de Rotores.H. Materiais para ferramentas. Pergamon Press Ltd. Hooley. Machado. dureza. IM196 Fundamentos do Planejamento Estratégico T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Contexto na globalização. Marcondes. 1988.2015 Metais.E. "Biomateriais .. Estrutura organizacional e o processo de administração estratégica. "Biomateriais . IM231 Vibrações Mecânicas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Fenomenologia de sistemas lineares e não lineares de um grau de liberdade. . 2004. Rio de Janeiro. Aplicações."The Nature and Properties of Engineering Materials''. New York. Bibliografia: Erwin Krämer. 1982.. Bibliografia: Notas de aula baseadas em Lineares Schwingungen Mueller e Schiehlen Teubner. espaços vetoriais. Plenum Press. Implementação do planejamento estratégico. Projeto em função dos lugares geométricos.. Apostila de Usinagem dos Metais. Vibração de sistemas de corpos rígidos. J. 1982. C.. (Editor). corpo rígido e sistemas mecânicos: equação de movimento. Resolução numérica de equações diferenciais. Metal Cutting Principles. 1988..D. & King.. N. L. USA.. Methods of Analytical Dynamics. & Kerzner. Critérios de estabilidade. Melcher.. Catálogos de Fabricantes de Ferramentas de Usinagem.E. J. L. NY. Bibliografia: Notas de aula do Prof. & PEARSALL. & Uicker Jr. São Paulo. Dover.P. Modos próprios e ortogonalidade. LEE. IM221 Usinagem dos Metais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Mecanismo de formação do cavaco. Diniz. Apostila do Processo de Retificação. "Posicionamento Competitivo". eixos não circulares. Diniz.

Bibliografia: ncropera. Frachet. 2004. R. Conduction Heat Transfer . H. Analysis of Heat and mass Transfer. J.C. Boston (E. L.. Dunod. Bibliografia: Burmeister. E. Linguagem de programação. Bibliografia: Bazaraa. Programação não linear: Condições de otimalidade. Ferramentas e métodos conceituais. J. 1966. Nonlinear Programming. Addison-Wesley Publ. minimização irrestrita. W. Técnicas de acionamento de máquinas. bi e tridimensionais.P. "Princípios de Mecatrônica". Sherali. 23 . Aplicações em sistemas mecânicos e robótica industrial. Equações hiperbólicas. Bibliografia: Panton. "Sequential Function Chart and Industrial Applications". 1978. Matrizes de transformação de coordenadas.D. 1972. "Theory and Algorithms". IM250 Mecânica dos Fluidos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Cinemática dos fluidos. S. 1991. John Wiley. Exemplos industriais. 1985 IM258 Diferenças Finitas para Equações de Transporte T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Equações parabólicas.W. Formulação por Lagrange-Euler.. & de Witt.. Rede de Petri em automação. Eficiência energética de processos. M. Bibliografia: R. Incompressible Flow. 1990. C. Escoamento na camada limite. G.J.. Convecção com propriedades variáveis. R. Oxford. Energia de sistemas complexos. 1986. Convecção em escoamentos internos. Burden.L. Smith. M. 2004. Formulação integral e diferencial. S. 1984.. L. A. Parâmetros de Denavit. Weber & Schimidt Publishers. hidráulico e pneumático. Condução com geração interna de calor. "Numerical Solution of Partial Differential Equations: Finite Diference Methods''a Oxford University Press. 1983. e Tester. and Drake Jr. IM259 Transferência de Calor T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Equações Fundamentais. Bejan. and Crawford. métodos de diferenças finitas e das características. M. Heat Transfer. L. J. IM251 Termodinâmica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos Básicos e Definições. Faires. 1983.. Introdução à convecção. "Introduction to Robotics: Mechanics and Control''. John Wiley & Sons. Editora Pearson. 1978. M. Energia. IM246 Introdução à Engenharia Integrada e Sistemas Automatizados de Produção T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Automação na produção industrial. Equação de Navier-Stokes.. M. Controladores lógicos programáveis (CLP'S) de estrutura e sistemas de programação. Conceitos básicos e implementação em controladores. Escoamento potencial. análise de sensibilidade. Kays. Radiation Heat Transfer.A) IM257 Avaliação de Processos pela Segunda Lei da Termodinâmica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Geração de entropia . Equações elípticas. Unicamp.. McGraw-Hill. M. "The Exergy Method of Thermal Plant Analysis''a Butterworths. Fundamentals of Heat and Mass Transfer. Funcionamento de sistemas sequenciais automatizados (GRAFCET). Transferência de energia radiante pelo método de Monte Carlo. Convection Heat Transfer. Condução de calor em regime não-permanente. Addison-Wesley. Convective Heat Transfer.. Controle por chaveamento e realimentação de estado. 1984. Sistema simples monofásico de materiais puros. Relações Termodinâmicas para sistemas simples. Energia em sistemas heterogêneos. R. Análise e estabilidade. IM260 Condução Térmica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Equações da condução de calor em meios isótropos e anisótropos.L. Sparrow. método Simplex (procedimento. Eckert. and Cess. J. "Numerical Analysis''.. Addison Wesley..M. John Wiley. Luenberger. teoria. Burmeister.. IM252 Convecção Térmica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Equações integrais e diferenciais. Addison-Wesley.- IM245 Modelamento e Controle de Manipuladores T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Desenvolvimento histórico. computacionais (Software) e material (Hardware). Bibliografia: G. métodos de Gauss e por fatoração LU. minimização com restrições. John Wiley & Sons. 3rd ed. E. A. estabilidade e convergência. 1988. Vidyasagar. Reversibilidade. Aplicações em fenômenos de transporte. Bibliografia: Spong. IM248 Otimização de Sistemas T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Programação linear: exemplo introdutório e formulação.. Bejan. Bibliografia: Craig. Controle de posição de um manipulador. Linear and Nonlinear Programming. John Wiley & Sons. Propriedades radiantes das superfícies. 1966. 1992 IM247 Acionamento e Controle de Sistemas Mecânicos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Descrição de sistemas de acionamento elétrico. Convecção livre. J. Bibliografia: Rosário. V.M. Otimização em rede: caminho mínimo e fluxo máximo. MCGrawHill. por séries... John Wiley & Sons. D. Camada limite hidrodinâmica e térmica. Prentice-Hall International Series. Projeto de Sistema de Acionamento e Controle. métodos de Euler. 1989. e por Newton-Euler.. Editora Pearson. método Simplex especializado. programação computacional). V. J. G. Equações diferenciais ordinárias. D. de Runge-Kutta e por diferenças finitas. Escoamento de Stokes. 2nd ed. M. "Princípios de Mecatrônica". Programação off-line de robôs. Métodos de solução em regime permanente e transitório em problemas uni. D. Convecção em escoamentos externos. IM261 Radiação Térmica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Leis básicas.. busca unidimensional. Convective Heat and Mass Transfer. "Conduction Heat Transfer''. Convective Heat Transfer. fluido Newtoniano. 2nd ed. Arpaci. e Shetty. John Wiley & Sons. Equilíbrio e estabilidade. Bibliografia: Modell. D. Princípio de D'Alembert e equação do movimento. dualidade. White. Prindle. "Thermodynamics and its Applications''.J. Bibliografia: Elementos de Radiação Térmica. Goldstein Jr. 1989. T. Modos combinados de transferência de calor. Modos de conversão de potência. F. M. Convecção em alta velocidade. Robot Dynamics and Control.P. Bibliografia: Kotas. Convecção forçada em dutos e em superfícies externas: regimes laminar e turbulento.. 1993. M.. 1996. 1978.. Análise e projeto de sistemas de controle com realimentação. Convecção natural. M. métodos de substituição sucessiva e Newton-Raphson. 1966... Equações e sistemas de equações não lineares. Aplicações em mecânica dos fluidos e transferência de calor.U. Viscous Fluid Flow. Consistência.P. FEM IM253 Métodos Numéricos em Fenômenos de Transporte T:30 E:15 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Sistemas de equações lineares. Planejamento de trajetórias. Troca de calor por radiação entre superfícies com emissão e reflexão difusa e com componentes especulares de reflexão. Bibliografia: Arpaci.Hartenberg. Condução de calor multidimensional em regime permanente. S.. Condução de calor unidimensional em regime permanente. Energia em reações de combustão.D. McGraw-Hill.. W.. Modelo cinemático direto e inverso. Co.Energia: sistemas abertos e fechados. métodos iterativos. Transferência de calor por radiação.. C. Rosário. R. E. F.. McGraw-Hill..

G. Funções de transferência. B. Correlação entre transferência de calor e estruturas de solidificação. fundamentos do processamento por laser: potência interação. J. Bibliografia: (1) Vicente Gentil. IM315 Mecatrônica Princípios T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Sensores e transdutores. características dos materiais. Correlação. R.UNICAMP. Gordon. Apostila Didática da FEM. IM321 Tópicos em Fundição e Solidificação T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. 3ª ed.M. IM266 Modelos de Processos de Combustão e Gaseificação T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Leitos fixos e moventes: descrição dos processos. tipos de Laser. Ismail.D. W. Métodos aproximados. UNICAMP. Juan J.2015 Segunda Edição. principais aplicações industriais. 1989. Afonso J. R. Brophy. Projeto de controladores baseado em microprocessadores.K. Wiley & Sons. Bibliografia: Holman. 2000. Combustão de gota e partícula. Transformada de Fourier discreta e algoritmos da transformada de Fourier rápida. Science e technology: Proceedings of the 2nd IFHT Seminar. Surface Engineering with High Energy Beams.. Cinética de processos corrosivos. Bibliografia: de Souza-Santos. 2004.M. J. Analytical and Approximate Methods Applied to Transport Phenomena.. A. Ed. 1986 IM314 Corrosão Metálica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Definição e classificação dos processos corrosivos. J. . K. Bibliografia: Satos. "Solid Fuels Combustion and Gasification: Modeling. "Transformations in Metals".Propriedades Termodinâmicas. Guanabara Dois. Steen. IM327 Transformação de Fase T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos gerais. Aspectos termodinâmicos da corrosão. Butterworths. IM268 Fundamentos da Teoria da Combustão T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Química da combustão.. Ensaios de corrosão. & Wulff. Sistema de ferro-carbono. Método da transformação de Laplace. R. interação com o material. McGraw Hill. Análise de resultados experimentais. M.John Wiley.E. R. Modelagem do Processo de Solidificação de Metais e Ligas. J.Princípios de Metalurgia Física. "Experimental Methods for Engineers''. . Laser Material Processing: Willian M. IM267 Métodos Analíticos em Fenômenos de Transporte T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Resolução de equações diferenciais tipicamente encontradas em problemas de transferência de calor. Burke. WULFF . Montgomery. Portugal. Bibliografia: M. Bibliografia: Santos. Principles of Combustion. Rosário. Ignição. Análise de dados experimentais. Relações entre a série e a transformada de Fourier. Simulation and Equipment Operation". R. 1969. Vázquez. K. R. Relações entrada/saída de sistemas lineares. "Princípios de Mecatrônica". modelos do comportamento térmico.Ed. Física da combustão. IM317 Metodologia para Planejamento Experimental e Análise de Resultados T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:1 Ementa: Funções Estatísticas. Corrosão metálica. P . Planejamentos latinos. McGraw Hill. Chamas de gases pré-misturados. IM316 Processamento de Materiais por Laser T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução. Bibliografia: "Design and Analysis of Experiments''a Douglas C. transformação de fase.FEM IM262 Métodos Experimentais e Técnicas de Medida T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos básicos. Formação de microporosidades durante a solidificação.. R. J. massa e quantidade de movimento. Pergamon Press. J.H. & Doherty. Bibliografia: Mechatronics .L. Reed-Hill. Processos estocásticos. Instabilidade devida à energia de deformação. caldeiras e gaseificadores: descrição e modelagem. Procedimento para o planejamento experimental. Sistemas de medição e condicionamento de sinais. P. Springer-Verlad. Teses de hipóteses. Shewmon. New York. CLPs (controladores lógicos programáveis).G. Principais métodos de solução das equações que descrevem o processo de solidificação. Livros Técnicos e Científicos. 1980. . IM326 Tópicos em Tecnologia Mecânica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. IM331 Processamento de Sinais em Sistemas Mecânicos I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Sinais determinísticos. Editora Pearson. CRC Press. Atuadores (elétrico. . Métodos de proteção contra a corrosão. Medida de temperatura. NY. De Damborenea González. Bolton Lougman Scientific & Technical . Termodinâmica do equilíbrio de fases. . . Chamas de difusão. Transformação martensítica. IM328 Seminários em Materiais e Processos T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Equacionamento matemático do processo de solidificação. Marcel Dekker. área afetada pelo foco do feixe. Teses estatísticos. Presses Polytechniques Et Universitaires Romandes. Aspectos eletroquímicos da corrosão. pneumáticos e hidráulicos). Corrosão. L. P. Formas de corrosão.Electronic control systems in Mechanical engineerings. 2a. Sistemas suspensórios e redes de comunicação. Métodos de separação e combinação de variáveis. Processamento digital de sinais aleatórios. 24 -GRADUAÇÃO . IM318 Modelagem do Processo de Solidificação de Metais e Ligas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução. Rose. Análise de correlação e densidade espectral de potência. Difusão atômica. Diagramas de fases. Outros métodos. 1965.W. Equações auxiliares. Smallman.. de Souza-Santos.Principles of Phase Diagrams in Materials System. ed. Laser De Puissance et Traitment Des Materiaux: Publicado sob a direção de A. Transformações de Fases em Materiais Metálicos. 1991. Bibliografia: Ciência e Ingeniería de La Superfície de Los Materiales Metálicos. Reações encontradas em combustão e gaseificação.Modern Phisical Metallurgy. equações básicas e condições de contorno. 1973. . E. Modelagem de sistemas mecatrônicos. IM324 Tópicos da Conformação Plástica de Metais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria... Sistemas automatizados. 1990. 2006. 1994. (2) Bertazzoli. Pressão. Ed.Apostila de Instrumentação e Medidas . microestruturas de solidificação induzidas por refusão superficial por Laser. Cambridge University Press. IM325 Tópicos de Engenharia de Materiais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Bibliografia: KVO. 2004. Apostilas FEM. publicado pelo Centro de Investigações Metalúrgicas de Madri. 1994. greco-latinos e fatoriais. 1972. Lisboa. Vazão e velocidade. Nucleação e crescimento de novas fases. Solubilização e precipitação. Difusão. Medidas de propriedades térmicas e de transporte. Vannes. LTC.The Kinetics of Phase Transformations in Metals. McGraw Hill. 1976.Matin.G. Leitos fluidizados..1999. 1997. J. september. 2007. Escoamentos de fluidos em processos metalúrgicos. Ligas metálicas. 1968. 3º ed.Stability of Microstruture in Metallic Systems. .

M. D. CRC Press. Aplicações da gaseificação. "Princípios de Mecatrônica". De Damborenea . 1993.M. R. N. conversão química. Análise espectral multidimensional. e BEASLEY. FIGLIOLA. COMAC: análise modal operacional: conceito. J. Bisplinghoff. Statement-List . J. proporcional ou genérico. Bibliografia: Vázquez. D. laser. Análise Tensorial Cinemática. C. I. Maia. "Random Data: Analysis and Measurement Procedures''a. Technologies. São Paulo. Rubin.. John Wiley. Krempl. Fluido Newtoniano.H. viscoelasticidade. 1994.C. ferramentas de pré-processamento: verificação de linearidade e reciprocidade. González. J. 2a ed. B. fenomenologia. 1990. Pian. Paris. Springer-Kerlag. tipos de excitações e excitadores. N. efeitos dinâmicos em máquinas rotativas. Bibliografia: G. Metrologia Mecânica ¨C Expressão da Incerteza de Medição. ADEPA G7W "LE GRAFCET".E. Educalivre. 1995. "Digital Spectral Analysis with Applications''a Prentice Hall.. A. Utilização do GRAFCET para descrição de sistemas automatizados.. J. Cepstro. L. Aplicações em barras. plasticidade. 5. Flexão não-simétrica de vigas. análise modal com excitação natural. pintura.J. Vuolo. "Dynamics of Rotors and Foundations''. Ed. D. Ferramenta para descrição de Sistemas Sequenciais. Vibration Testing: Theory and Practice. H. ed. F. Springer. Modal Testing: Theory. CMIF.G. Prentice Hall. Tadeuz . Pirolise. emulsões. difusão e tratamentos termoquímicos. Bibliografia: Bossy. Estimação espectral com modelos paramétricos.S. Bibliografia: Schlichting. Caracterização de carvão e biomassa. 4. 1a Ed. Bibliografia: Marple Jr. Ed. Edgard Blucher Ltda. Afonso J. Theoretical and Experimental Modal Analysis. propriedades. Artigos técnicos e científicos. 2010. Ed. ferramentas de pós-processamento: MAC. Incerteza e Erros. IM343 Calibração . A. Teoria da gaseificação. IM342 Análise de Máquinas Rotativas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução à Teoria de Vibrações. ortogonalidade dos modos e princípio da superposição modal. IM351 Tecnologia da Combustão T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Estequiometria de reações químicas. Experimental Methods for Engineers. Elastic and Inelastic Stress Analysis. Método de Prony. Krämer. Teorias fenomenológicas. modelos teóricos e experimental para estruturas de suporte. com amortecimento histerético e viscoso. Relações entrada/saída com sinais aleatórios. MIFs.. Bibliografia: GRIFFITHS. (editors). SVD. Ed. Holman. Eixos e Vigas. G. técnicas de medição: preparação do ensaio modal. Link. 1997. 2008. Teoria e Projeto para Medições Mecânicas.Schimidt. 2004.L.. IM336 Engenharia de Superfície T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução à Corrosão. 1993. Ferraris. IM348 Teoria Técnica e Mecânica dos Sólidos I T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Equações Diferenciais de Equilíbrio. Introdução: Tipos de gaseificadores. 1993. Grupo Átomo e Alínea. Queima de combus- 25 . Use a cabeça: Estatística. estimadores da função de resposta em frequência. Alta Books. Combustíveis sólidos. L. Tecnologia da gaseificação de biomassa. Sistema Metrológico Nacional. W. John Wiley e Sons. Estequiometria das reações químicas. P. 2and. ed. IM341 Introdução à Mecânica do Contínuo T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução. Bibliografia: Ewins. Estabilidade de Colunas. Rio de Janeiro. O. H.Diagrama de Blocos. Controle e Tratamento de Sinais. metalização. H. John Wiley & Sons. Bibliografia: Ldi. interação rotor/estrutura. T. São Paulo. Piersol. H. Mar. 2001. A. modelos discretos lineares para eixos e mancais hidrodinâmicos. IM332 Processamento de Sinais em Sistemas Mecânicos II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Revisão de análise espectral não-paramétrica.M. New York. M. 3a ed. Bibliografia: Shames.M. 2000. IM338 Tecnologia da Gaseificação T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: 1. Calibradores e Calibração.LADDER DIAGRAM. R. Bibliografia: Bendat. 1969. Equipaments. S. Lógica Digital. Formulação Integral de Princípios de Mecânica. leakage e filtros. Equações constitutivas. Algoritmos para processamento digital. implantação iônica. diagrama de estabilização.M. Centro de cisalhamento em vigas de parede delgada. P. Medições dentro da camada limite. Surface Engineering of Metals . 1992. intercâmbio. Densidade espectral de potência via Periodograma. filmes finos. Cozzarelli. S. 2003. 1986. Guia para Expressão da Incerteza de Medição.. Juan J. Aplicações à análise de sinais de vibração de máquinas e estruturas. 1968. E. misturas. modo operacional no domínio do tempo e da frequência. "Boundary Layer Theory''a. 1987.B et all "LE GRAFCET Applications". Boresi. Análise de Deformação. P. Equações Diferenciais de deslocamento para Barras. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Ed. Equações para placas finas e membranas. anisotropia.. 2000. I.. 1997. Sólido Elástico. publicado pelo Centro de Investigações Metalúrgicas de Madri. "Introduction to Continuun Mechanics''.. Statics of Deformable Solids. Aplicações à análise de sinais de vibração de máquinas e estruturas. K.G. Lalanne. McGraw-Hill. Genta "Dynamics of Rotating Systems". Análise paramétrica de sinais. Linguagem de programação de CLP's Controladores Programáveis Industriais . Editora Pearson.. Mitutoyo Sul Americana Ltda. Camada limite turbulenta. caracterização de superfícies. E. USA. 6. Queimadores para combustíveis líquidos e gasosos.. 1992. Automatização dos Procedimentos de Aquisição. Tensão. Funções de Singularidade. "Introduction to the Mechanics of a Continuous Media''.G. D. modo operacional de sistemas não estacionários. métodos de estimação de parâmetros nos domínios do tempo e da frequência.M.Principles. Practice and Application. Rosário. Resultados de avaliação e FEM características construtivas de gaseificadores. 3. Dover Publications.M. INMETRO. Cépadues Edition. . Silva. Revestimentos galvânicos. LTC Livros Técnicos e Científicos. Transformada de Hilbert. líquidos e gasosos: tipos. 7. McGraw Hill. 1995. J. IM350 Teoria da Camada Limite T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Equações diferenciais e integrais de camada limite. Blanchard. IM334 Tópicos em Caracterização de Materiais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. 2005. Conceitos Estatísticos para Experimentalistas. Prentice Hall.. revisão de processamento digital de sinais: aliasing. H. McConnell.. R. 1993. E. IM335 Análise Modal de Estruturas T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Sistemas de um grau de liberdade e múltiplos graus de liberdade sem amortecimento. "Rotordynamics: Prediction in Engineering''. Estudo de Sistemas Sequenciais. Advanced Mechanics of Materials. eixos e vigas. 1998. Malvern. Soluções exatas e aproximadas da camada limite laminar.Filosofia e Aspectos Práticos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Elementos de Metrologia. Ciência e Ingeniería de La Superfície de Los Materiales Metálicos.. Deformação. James W. (org). Fundamentos da Teoria de Erros. Modelos auto-regressivos (AR) e auto-regressivos de média móvel (ARMA).. J. J. Armazenagem e manuseio de combustíveis. Bibliografia: Sánchez. suspensão da estrutura.- Erros de estimação.. IM333 Controladores Programáveis Industriais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução aos Sistemas Automatizados. Planejamento de Experimentos. 6. 2.

.M. Transferência de calor em leitos fluidizados. Bibliografia: Cook R..E. "Finite Element Procedures in Engineering Analysis". N. Conceitos básicos: métodos variacionais e resíduos ponderados.. Zienkiewics. O..J. Hughes T..A. "The Finite Element Method . Matriz de massa consistente e diagonal. Aplicações à análise de sinais e vibração de máquinas e estruturas.J. Piersol. e Taylor. métodos de gradiente. 2000. queimadores. Zienkiewics. Bibliografia: Apostila Tecnologia da Combustão . Relações entre série e transformada de Fourier. "The Finite Element Method .. Relações entrada/saída de sistemas lineares. Plesha M. Linear Algebra and its Applications. Prentice-Hall. Plesha M.Linear Static and Dynamic Finite Element Analysis".R. Prentice-Hall. ed.G. "Handbook of Fluidization and Fluid-particle Systems".. Random Data: Analysis and Measurement Procedures.. 3rd. IM385 Elementos Finitos: Problemas Não Lineares T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Aplicações ao método dos elementos finitos a problemas de não linearidade geométrica e não linearidade de material. Bibliografia: Strang. Gauss-Newton. ciclônicos. Discretização e funções de interpolação.R. L. Unicamp. J. Zienkiewics. 1989. Condensação de massa. I e II. 1987.FEM tíveis sólidos: grelhas. Addison 1984. "Linear and Nonlinear Programming". Malkus D. Prentice-Hall..S. R. Harcourd Brace Jovanovich. Prentice-Hall. L. "The Finite Element Method . 1987... Arraste e elutriação. Erros e critérios de convergência.E. 3rd. Prentice-Hall.G. Westlake. "Concepts and Applications of Finite Element Analysis". I e II. I e II. Bibliografia: Arruda. O.Sanchez. Hughes T. McGraw Hill. J. S.. Wiley 1989.R. Plesha M. Hessiano. IM389 Métodos Matemáticos para Engenharia Mecânica II T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Transformações similares. W-C. Matriz de amortecimento. Materiais. A Handbook of Numerical Matrix Inversion and Solution of Linear Equations. Vols. R. Bendat. Segurança e Controle. Matrizes. Vetores. McGraw Hill. J. IM388 Métodos Matemáticos para Engenharia Mecânica I T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Números complexos. Random Data: Analysis and Measurement Procedures.. Conceitos básicos: métodos variacionais e resíduos ponderados. 1968. N... L. Malkus D. Malkus D. Prentice-Hall. Transformada de Fourier discreta e algoritmos da transformada de Fourier rápida...Linear Static and Dynamic Finite Element Analysis". condições de otimalidade. Bendat. J.J. elementos isoparamétricos. G. J. e Taylor. "Fluidization Engineering". Fluidodinâmica de leito fluidizados. Processos estocásticos. Zienkiewics. 1991. Notas do Curso: Introdução à Análise de Sinais. Frequências naturais e modos de vibração. J. integração numérica. A.. Matrizes dos elementos. Erros e critérios de convergência. minimização irrestrita.. 3rd. Métodos de integração considerando efeitos não lineares. e Bizzo. Yang. L. 3rd. Integradores lineares. O. R. B. Hughes T.. Notação indicial.J. Aspectos de implementação computacional..Linear Static and Dynamic Finite Element Analysis".. W.J.. Análise de estabilidade. The Finite Element Method.. Westlake.. "Finite Element Procedures in Engineering Analysis". Lagrange e dualidade. Bathe K. S. caldeiras e incineradores. Hughes T. 1982. e Taylor. Notas do Curso: Introdução à Análise de Sinais. Discretização e funções de interpolação.R.. Wiley 1989. Wiley & Sons. F. Prentice-Hall. elementos isoparamétricos. Marcel Dekker Inc. ed. IM382 Elementos Finitos II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Aplicações do método dos elementos finitos a problemas de não linearidade geométrica e não linearidade de material. quase-Newton. Bibliografia: Cook R. Métodos de Lagrange aumentado. Levenspiel. 2000. Principais métodos de resolução de sistemas não lineares. B. "Concepts and Applications of Finite Element Analysis". Bibliografia: Strang. Piersol. 26 -GRADUAÇÃO . Distribuidores e potência de bombeamento. "Concepts and Applications of Finite Element Analysis". Principais métodos de resolução de sistemas não lineares. Vols. Bibliografia: Kunii. Análise de correlação e densidade espectral de potência. Métodos de integração e métodos modais. Séries. 1979.. gradiente. Métodos de resolução de sistemas de equações lineares. "Finite Element Procedures in Engineering Analysis". 1982. C.E. D. Bathe K. Taylor. C. I e II. "The Finite Element Method". teorema de Taylor.E.. F. A Handbook of Numerical Matrix Inversion and Solution of Linear Equations. leito fluidizado. C. R. C. Wiley. Plesha M. C.R. Programação quadrática.E. C. O.. G. 1988. e Huallpa. R. Erros de estimação. 1982. L. IM384 Elementos Finitos: Problemas Dinâmicos e Vibratórios T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Equação dinâmica. G. 1989. Bathe K. M. Newton. J. Taylor. R. Vols. Malkus D. Bibliografia: Luenberger.Linear Static and Dynamic Finite Element Analysis". Bibliografia: Cook R. Relações entrada/saída com sinais aleatórios. O. J.J. 1982. e Huallpa. Vetores euclidianos. "Concept and Aplication of Finite Element Analysis". 1987. R. IM381 Elementos Finitos I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução ao método dos elementos finitos.. IM383 Elementos Finitos: Fundamentos T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Introdução ao método dos elementos finitos. Harcourd Brace Jovanovich... Bibliografia: Cook R. "The Finite Element Method . Hughes T. Minimização restrita: métodos de gradiente projetado e do gradiente reduzido.. fornos. The Finite Element Method. 1999. Caracterização de partículas sólidas. Butterworth-Heinemann. "Nonlinear Programming". R. Produto escalar e projeções em uma reta. R. Plesha M. Wiley & Sons. Prentice-Hall. IM380 Métodos de Otimização para Sistemas Mecânicos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Funções.J. Vols. . IM387 Processamento de Sinais II T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Processamento digital de sinais aleatórios.2015 O..Bathe K. gradientes conjugados. integração numérica.. Isolantes e Refratários. IM386 Processamento de Sinais I T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Sinais determinísticos. "Finite Element Procedures in Engineering Analysis". matriz jacobiana.. Método de penalidades e barreiras. 1989. suspensão. Vols. 1999. Pseudo-inversa e decomposições em valores singulares. Edition. Teorema de Kuhn-Tucker. "Finite Element Procedures in Engineering Analysis". "The Finite Element Method . Wiley 1989. Métodos de integração considerando efeitos não lineares..J. 2003. Bazaraa. Prentice-Hall. Zienkiewics. Malkus D. IM352 Engenharia da Fluidização T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Fundamentos e aplicações industriais de leitos fluidizados. Auto valores e auto-vetores. The Finite Element Method.. C. A.J.Linear Static and Dynamic Finite Element Analysis". Wiley 1989.J... Shetty. Bibliografia: Arruda. McGraw Hill. G. 1997. D. Bibliografia: Cook R. McGraw Hill. 1987. DETF/FEM/UNICAMP. Unicamp. 1982. Edition. Aspectos de implementação computacional. Bathe K. 1987. Linear Algebra and its Applications. 1989. Regimes de fluidização. "The Finite Element Method". 1988. 1968. Wiley 1989. Prentice-Hall. "Concepts and Applications of Finite Element Analysis". Matrizes de rigidez. McGraw Hill. I e II.. 1989..

Análise modal de sistemas discretos. Bibliografia: Bresciani F. IM485 Teoria da Elasticidade Aplicada T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Noções de cálculo tensorial. fichamento. Leonard A. Luis.An Introduction to Computer Methods. FEM IM431 Tópicos em Mecânica Aplicada T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. 1982. paralelo. Rey. eixo e vigas.. New York: J. IM439 Tópicos em Mecânica Ferroviária T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Energy Principles in Structural Mechanics.: AA200 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. participação em seminários de notáveis profissionais convidados e apresentação de um seminário individual escolhido pelo aluno e seu orientador relacionado a futura dissertação. revisão bibliográfica. Análise de tensões e deformações. Estrutura do trabalho ou dissertação: introdução.. Análise modal e resposta por superposição modal. teoria da plasticidade aplicada. USA. referências bibliográficas. Armando L. Qualificação de componentes. York. Arranjo série. Tensor de deformações.. IM433 Tópicos em Projeto Mecânico T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Elementos complementares: sumário. "Introduction to Reliability Engineering". métodos de análise mecânica da conformação. IM405 Estudos Especiais III T:0 E:0 L:0 S:45 C:3 P:3 Pré-Req. anteprojeto. A. IM450 Tópicos em Mecânica dos Fluidos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. R. Metodologia do trabalho científico. Bibliografia: Associação Brasileira de Normas Técnicas PNB 66 Referências bibliográficas: Cervo. Principais leis da confiabilidade. IM444 Tópicos em Processos de Fabricação T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria.: AA200 Ementa: Em cada período haverá ementa própria.: AA200 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. ASQC Quality Press. R. A. abreviaturas. N. IM410 Tópicos da Usinagem dos Metais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. IM451 Tópicos em Transferência de Calor T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Métodos aproximados usando equações de Lagrange. Resposta livre forçada. conclusão. desenvolvimento.: AA200 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. IM404 Estudos Especiais II T:0 E:0 L:0 S:45 C:3 P:3 Pré-Req. Editora da UNICAMP. J. Integração direta a resposta por transformadas de Fourier e Laplace. 1989. Campinas.. Obtenção de equações de equilíbrio dinâmico para meios contínuos simples: barras. Bibliografia: Craig. Tokyo: McGraw-Hill. York.. E. IM434 Seminários em Projeto Mecânico T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. E. MacGraw Hill. IM465 Conformação Plástica dos Metais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Metalurgia da conformação plástica: deformação plástica de cristais e agregados policristalinos. IM403 Estudos Especiais I T:0 E:0 L:0 S:45 C:3 P:3 Pré-Req. E. Tauchert. Vera. encruamento. Introdução à análise modal experimental. Uniformização gráfica: formas e disposições gráficas. Relações entre 27 . Pedro A. J. IM438 Tópicos em Mecânica Computacional T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria.- IM391 Dinâmica de Estruturas T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Equilíbrio dinâmico e princípio de Hamilton. Bibliografia: Doty. IM457 Tópicos em Fenômenos de Transporte T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. IM420 Tópicos em Controle de Sistemas Mecânicos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. figuras. Bervian. Taxa de falha. A. IM461 Confiabilidade de Sistemas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:2 Ementa: Princípios básicos das probabilidades. recristalização. IM437 Tópicos em Mecânica Estrutural T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Bompas. N. Ensaios acelerados. IM417 Tópicos em Otimização de Sistemas Mecânicos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Introdução ao método de redução e subestruturação. "Reliability for the Technologies". Confiabilidade dos sistemas em regime permanente. Conceituação e quantificação da mantenabilidade e da disponibilidade. 1974. IM409 Estudos Especiais V T:0 E:0 L:0 S:15 C:1 P:3 Pré-Req. Como redigir trabalho científico. IM400 Metodologia de Pesquisa e Redação Científica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Preparação do trabalho ou dissertação: tema. IM406 Estudos Especiais IV T:0 E:0 L:0 S:15 C:1 P:3 Pré-Req. John Wiley & Sons. folha de rosto. Lewis.H.H. T. fratura dúctil. IM411 Tópicos de Tecnologia Metalúrgica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. et alii. Metodologia da pesquisa científica.: AA200 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. 1996. Uniformização redacional: Tabelas. Introdução método dos elementos finitos em dinâmica estrutural. IM430 Tópicos em Dinâmica das Máquinas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria.. Metodologia Científica. IM452 Tópicos em Termodinâmica Aplicada T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. 1986. Wiley. New York: J. Tensor de tensões. The Use of Reliability Data. USA. IM436 Tópicos em Sistemas Mecânicos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Structural Dynamics . Severino. Conformação Plástica dos Metais.E. composto. Mecânica da conformação plástica: teoria das tensões e das deformações. Smith. 1981. IM458 Tópicos em Métodos Numéricos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria.

Noções de integração numérica e implementação computacional. (ed. C. Análise de tensões e deformações em problemas bi e tridimensionais. 1996.. Prentice Hall. processos de injeção e extrusão). Academic Press. J. & Nelson. 1989. Aplicação ao controle de estruturas flexíveis. Aliabadi. Boundary Element Analysis in Engineering Continuun Mechanics. W. 2nd Edition.N. Dimensionamento de armazenadores. J. S.A. Boundary Element Analysis in Engineering Continuum Mechanics.): Boundary Element Methods in Mechanics. R.. Aspectos matemáticos.. Controle robusto. 1992. Controle adaptativo de vibração em estruturas.C. C. condições limites essenciais e naturais. IM487 Introdução ao Controle de Estruturas Flexíveis T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Revisão de controle por realimentação de estados e de saída. Boundary Integral Equation Methods for Solids and Fluids.C. Bibliografia: Kane. 2ª Edition.H.E. Sensores e atuadores. W. Computational 28 -GRADUAÇÃO . Relatório FEC 018/84. D. Noth Holland. Prentice Hall. Lovell. Equação integral para forças de superfícies. Boundary Element Analysis in Engineering Continuum Mechanics. formulação fraca. Uma introdução à transferência de calor. Springer-Verlag. London. 3rd edition. Tratamento de singularidades fracas e fortes no sentido do Valor Principal de Cauchy.. teoremas do cálculo vetorial. Wrobel L. R. Introdução ao método dos elementos finitos.A. funções localizadas. 1984. 1992. L. J. Bibliografia: Gawronski.J.A Complete Course. J. John Wiley & Sons. M.. The Boundary Element Method. Springer Verlag. e Dominguez. Telles. Modelos de armazenamento térmico em líquidos com e sem estratificação.. Formulação do método dos elementos de contorno para equações de Laplace e Poisson. K. New Jersy. Englewood Cliff. Introdução histórica e descrição das principais características dos métodos.A. G. "Advanced Structural Dynamics and Active Control of Structures". H. Academic Press.2015 Mechanics. A. Tratamento de singularidades fracas e fortes no sentido do Valor Principal de Cauchy. Sensores e atuadores. Boundary Elements an Introductory Course. S. 1992. Inman. Formulação do MEC para equação de Laplace bidimensional. Fratura. James H. C. Brebbia. The Boundary Element Method in Enginering. Bibliografia: Brebbia. M. B.C. 1992. Bibliografia: Timoshenko. 1997. Armazenamento em calor latente.A. identidades de Green.F. e Aliabadi. 2002. The Boundary Element Method: Applications in Solids and Structures. Brebbia . Bibliografia: Haykin. Shahian. Telles. John Wiley & Sons. IM518 Método dos Elementos de Contorno I T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Formulação do Método dos Elementos de Contorno (MEC) para problemas escalares. October 1998. James H. Southampton. 2002. C. Problemas inelásticos. Berlin. IM532 Método dos Elementos Finitos Aplicado em Fenômenos de Transporte T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Aplicações do método dos elementos finitos na área de fenômenos de transporte. etc). Formulação de contorno para tensão plana e deformação plana. Bonnet.C. Prentice Hall.. Acoplamento com outros métodos numéricos. A. 1994. IM515 Método dos Elementos de Contorno Aplicados a Engenharia T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução histórica. Gibbs. L. (Editor) Thermal Characterization of Polymeric Material. Adaptive Structures Dynamics & Control.FEM tensões e deformações. Prentice Hall.. e Wrobel. Brebbia. Implementação computacional e aplicações em análise de Tensões... a técnica dos elementos ..F. método dos resíduos ponderados. Aplicações ao controle ativo de vibrações. Tecnologia de elementos. Bibliografia: 1. Englewood Cliffs. IM488 Introdução ao Controle Adaptativo de Ruído e Vibração T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Teoria da filtragem adaptativa. Método dos resíduos ponderados. P. 1993. 1981. Aspectos da análise em 2D de problemas da transferência de calor por elementos de contorno. R. Controle modal. McGraw-Hill. Wrobel. IM531 Técnicas de Armazenamento Térmico T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos de armazenamento térmico. Hassul. Aplicações aeronáuticas e automobilísticas. A. John Wiley & Sons. O método de análise por elementos de contorno. 1987. definições básicas. Aplicação ao controle de sistemas lineares. Aplicações aeronáuticas e automobilísticas. Dominguez. condução. IM505 Tecnologia de Materiais Poliméricos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos básicos. Aplicação ao controle de ruído em dutos. Tecnologia de elementos. 1996. 1987. J. Comportamento mecânico de polímeros. Introdução à mecânica dos sólidos. London. Elliott. Turi.. Compósitos e blendas. "Control SystemDesign Using MATLAB". Conceitos de integração. Adaptive Filter Thory. A. Marc. Southampton. A. Equação integral em deslocamento. Apostila: Armazenamento Térmico de Energia. Becker. J. New Jersy. Elasto e fluidodinâmica. P. Becker. IM511 Introdução ao Método dos Elementos de Contorno T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução e fundamentos matemáticos. Implementações do método dos elementos finitos. Implementação numérica. Boundary Element Techniques-Theory and Applications in Engineering. Third Edition. Armazenamento em leitos fixos e fluidizados. RLS. M. Bibliografia: Kane. noção de solução fundamental e singularidades. S. IM519 Método dos Elementos de Contorno II T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Pré-Req. Prentice Hall. McGraw Hill. escoamento de fluidos. A.. Bibliografia: Kane. IM491 Tópicos de Propriedades Mecânicas dos Materiais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá uma ementa própria IM492 Tópicos em Engenharia de Fabricação I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá uma ementa própria IM493 Tópicos em Engenharia de Fabricação II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá uma ementa própria IM496 Tópicos em Tratamentos Superficiais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá uma ementa própria. Saunders. Algoritmos baseados em mínimos quadrados (LMS. R. Theory of Elasticity. Englewood Cliffs. Boundary Elements An Introductory Course. Aspectos matemáticos: Solução Fundamental para operador da elastostática de Navier. Clark. Formulação do MEC para equação de Navier. Fuller. Boundary Element Techniques. Controle por realimentação de estados e de saída. The Boundary Element method in Engineering . J. P. 1987. 1994.. Joh Wiley and Sons.: IM518 Ementa: Formulação do Método dos Elementos de Contorno (MEC) para a Problemas Vetoriais. Goodier. Computational Mechanics Publ. McGraw-Hill Book Company. Estrutura e propriedades de polímeros. "Vibration With Control Measurement and Stability". H. London. 1994. 1984. Prentice Hall.C. C. Active Control of Vibration. 2004. Formulação de contorno em mecânica dos sólidos. Springer. Problemas da elastoestática.P. Polímeros de engenharia. Beskos D. A. Bibliografia: Young. J. Introduction to Polymers Chapman & Hall. Análise de tensões em 2D pelo método de elementos de contorno. 1991. Processamento de polímeros (classificação dos processos.

Advanced Vehicle Technology. Logística interna..- finitos. inoxidáveis e ferramenta. Bibliografia: Heislen. W. M.. 2a. Wiley. P.Y. 1980. Denmark. 1976. Woodhead-Faulkner. Analysis and Control. IM546 Introdução à Metalurgia da Solda T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Processos de soldagem por fusão. Inc. 2nd Ed. Logística externa. tixoconformação. Bibliografia: Siegel. Dumblemton. Editora da UFRJ..L. Resposta temporal e em frequência para excitações harmônicas. McGraw Hill. 47.II: Welding Processes. Hemespher Public.L. AWS. IM549 Projeto de Sistema de Manufatura Enxuta T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução e Conceitos Básicos.I: Welding Technology. 3a.. Propriedades radiante dos gases. D. Verlag. Troca térmica em meios participantes isotérmicos e não isotérmicos. Mecanismos de FEM formação de estruturas tixotrópicas... Nunney. 1978. Sistema de puxar. Editora da Unicamp. ed. Automotive Technology. emitem e espalham. Cálculo de escoamentos fluidos. 1996. Bibliografia: Le Moigne.J.. Escoamento de fluidos. 29 . 1o. Efeito de parâmetros de processo de fabricação de pastas em suas propriedades. análise do "sistema da pesquisa industrial'': característica do sistema. Arc Welding Process Statistical Analysis. seleção. J.. outras aplicações. Embreagens. Metais e ligas especiais. "Manufaturing System Desing". N. K. J. Bibliografia: Silva.. Toronto. England. J. Pergamon Press.P. R. Estrutura e funcionamento da organização da produção industrial: subsistemas de produção.V. IM545 Radiação Térmica em Meios Participantes T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Fundamentos de transferência de calor radiante em meios que absorvem. Tixoconformabilidade definições e conceitos.R. Thermal Radiation Heat Transfer. 1988. and Lima. Microestrutura da zona afetada pelo calor. Total Quality Control. (2)Suh. Diferencial.Fundamentos e Aplicações. Seminários sobre organização da tecnologia dos sistemas da produção industrial. e Kopp. Solidificação . Crescimento de cristais e segregação na solda... 1987 (4ª ed. Suéry. 1991. "A Mentalidade Enxuta nas Empresas: Elimina o Desperdício e Cria Riqueza". 1989 (2ª imp. La Théorie du Systeme Géneral: Théorie de la Modelisation. Bibliografia: Lancaster. Callister Jr. Utilização de curvas de potência e torque no desempenho do veículo. PUF. Askeland. Numerical Heat Transfer and Fluid Flow. H. "Finite Element Techniques for Fluid Flow'' Newnes . Conceito de tixotropia. R. transientes e aleatórias.Semi-Solid Metal Processing. 1992.R. a matriz dos elementos.V. 2002. Ciclo térmico e transformações microestruturais decorrentes dos gradientes de temperatura. D. 8th Ed.). Manz. método de Galerkin. 3a Ed. Hirt.2. e Young. N. 1992. Production Systems: Planning. Campinas. 3th ed.). Processos de fabricação de pastas metálicas tixotrópicas. em equilíbrio e em não-equilíbrio. Choque. IM548 Fundamentos da Engenharia dos Sistemas de Produção T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:1 Ementa: Teoria do sistema geral: conceitos e características fundamentais. O emprego da tecnologia de semissólidos na fabricação de novos materiais: compósitos e materiais celulares. IM540 Tópicos em Engenharia de Produção T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá uma ementa própria. e implantação do sistema. 2009. ligas para tixoconformação. Exemplos de aplicação.T. AWS. The Science and Engineering of Materials. Welding HandbookVol.J. ed. e Jones. Mapeamento do Fluxo de Valor. "Finite Element Analysis in Fluid Dynamics''. MacGraw Hill. O processamento a partir de pastas metálicas: tixofundição.. Londres.. J.C. Feigenbaum.An Introduction. T. R. S.. (3) Womack. Inglaterra. Edgard Blucher.). Garcia. 2º exemplo de aplicação.... Bibliografia: Black. A.. . Histórico e estado da arte. 2010 IM544 Seminários em Engenharia de Produção T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. 1997. 1998. and Brebbia. AWS. 1994. S. e implantação do sistema. the Desing of the Factory with a Future. microligados. 1992. introdução.J. Cochoran. Ponomarev. Riggs. Processos de elaboração dos aços.F. R. Alemanha.. Propriedades de produtos tixoconformados. a solução do sistema.. Londres.A. Novikov.T. Welding Handbook-Vol. 2009. M. integração com outros sistemas internos e externos. e Mei. 1986 (3ª ed. Troca de calor radiante em meios que espalham. Ed. J. o sistema de equações. V. Ed: SAE International.). 3a Ed. A. Co. A. construção de sistemógrafo. R. Paris. 1987. Teoria dos Tratamentos Térmicos dos Metais. domínio de discretização. Atlas. CIRP Annais.. de manutenção. Elsevier. Welding and Cutting. CVT's. Rio de Janeiro.D. AWS. Projeto de células de manufatura. Equações da transferência de calor radiante. Caracterização da pasta tixotrópica: estrutura e propriedades de escoamento. 8th Ed. Atkinson. IM552 Sistemas de Transmissão de Potência T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Transmissões. Ed Wiley VCH. 1991. 1994. Bibliografia: Kirkwood. introdução. . Semi-Solid Processing of Alloys. London.L. 2001. e Howel. P. AWS. baixa liga.. Katz. D. Formação de defeitos no cordão decorrentes da solidificação. The Phisics of Welding. Artigos: Serão fornecidos 10 artigos específicos abrangendo a ementa. Controlando variabilidades do processo. P. McGraw Hill. & John. P. 427p. Psicologia Social das Organizações. Houldcroft. outras aplicações. N. New York (1991). Ed: SAE International. Projeto Axiomático. Condução de calor. IOP Publishing. Springer. H. Edition. de adaptação e gerencial. Cálculo de frequências naturais e modos de vibração. Convecção e difusão.Butterworths. et al. J. H... tempo Takt e nivelamento de produção. Geometria do metal soldado. NORRISH.P. Welding Power Handbook. Processos de refino dos aços. J. J. A.P. IM542 Aços e Ligas Especiais T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Classificação.H.V. J. Condução de calor. Kapranos. 1998. Thixoforming . Fadiga. I.. G. Conceitos de fluxo. IM547 Reofundição de Ligas Metálicas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução à tecnologia de processamento de ligas metálicas no estado semissólido ou tixoprocessamento. 2) Connor.. Bibliografia: 1) Chung. 1º exemplo de aplicação: análise do "sistema da qualidade industrial'': características do sistema.. integração com outros sistemas internos e externos.. D. JOM Institute. Dimensionamento de supermercados.Aços e Ligas Especiais ¨C Ed. 1986. Chapman & Hall.L.Y. Cálculo de tensões e deformações dinâmicas. Amsterdam.. J. Keynote paper presentend at the 1998 CIRP General Assembly. 1990 (3ª ed. Bibliografia: Patankar. de apoio. IM535 Método dos Volumes de Controle em ConduçãoConvecção T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Descrição matemática e método de discretização. estacionário e em evolução. John Willey & Sons. C. RJ.. 3ª Ed.. equação diferencial e condições de contorno. Processos combinados de transferência de calor.Kahn.. Advanced Welding Processes. D. Editora Campus. escoamento viscoso e incompressível. équações de conservação. escoamento potencial. Materials Science and Engineering . Management of High-Technology Research and Development. Hemisphere Publ. Método de Monte Carlo. Características da solidificação da solda.F. IM553 Análise Dinâmica Estrutural T:30 E:0 L:0 S:0 C:2 P:3 Ementa: Aplicação do Método dos elementos finitos na análise dinâmica estrutural. estrutura e propriedades dos aços: carbono. Enfoque sistêmico da administração: análise da organização como sistema fechado e aberto.

D.S. USA. 26. R. "Principles of Polymer Processing". R.B. Turbo hélice. 1992. 8ª. 1982. Mit Press. Engineering Design Communication. Bibliografia: Gawronski.2004. 2004. R. Ismail. v.W.2015 Bibliografia: Toogood. -Kerrebrock. Stijhoff & Noordhoff. Ed. Edgard Blucher. Descida. 1998. I e II. 2006. Conceitos Fundamentais.. SAE International. 2005. Dixon J. McGrawHill book Co.. R372. N.J.. Pro/ENGINEER Wildfire 2.. J. escoamento sobre aerofólio finito.L. "Advanced Structural Dynamics and Active Control of Structures". Rixen. 2ª. 30 -GRADUAÇÃO . resistência ao rolamento. IM561 Reologia e Processamento de Polímeros T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Tensão e deformação. Penzien. Distância "Air Borne". Keenan and Kaye.. Tempo de subida e tetos.. E Sonntag. dirigibilidade. Equações da conservação. 7. Heywood. Introdução à modelagem 2D e 3D. Aerodinâmica. "Finite Element Procedures in Engineering Analysis". 5. 2000. D. ed. 2002.. Bibliografia: Y. DCW Industries 2nd ed. H. Trajetórias otimizadas. 8. H.E. "Range". Fatores de carga de rajadas.Turbinas a gás. Tires. Motores a jato. Motores de combustão interna. "Turbulent Flows". 1963. Turbo fan.. Bibliografia: Wilcox. sistemas de direção. Norton. 1996. ed. 2006. "Range Play Load". H. Análise de estabilidade Bibliografia: Cook R. J. SDC Publications. 2004. "Turbulence Modeling for CFD".. "Reologia de Polímeros Fundidos". Controle robusto.). IM562 Modelagem em Escoamentos Turbulentos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Características gerais escoamentos turbulentos. pneus e freios.. 2006. IAHR Monograph Series 3rd ed. R. Lockhart. J.. "Turbulence Models and Their Application in Hydraulics".. John Wiley and Sons. Extrusão. "Gas Tables". Desenvolvimento de Projetos auxiliados por Computador. Cosecka. Introdução: Definições. Simulação de Solicitações Térmicas. 2003. "The Dynamics & Thermodynamics of Compressible Fluid Flow". Cambridge Un. IM563 Processamento de Imagens Aplicado a Automação e Robótica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Formação de imagem. D. J. Sensibilidade e Otimização. Hassager. Suspensão. Aplicações ao controle ativo de vibrações. Soato.. modelos a uma equação e modelos a duas equações explorando variantes do modelo ke.J. Gillespie T. Condensação de massa. Kelley. Turbinas de vapor y de gas. Motores a Jacto. 1993. McGraw Hill. Estudo dos elementos do motor. of dynamic systems.GMBH & Co. "Termodinâmica Clássica". navegação baseada em imagens. Tire and vehicle dynamics. 2nd.E. Cambridge University Press. K. 2nd ed. "Aircraft Engines & Gas Turbine".. 2004. ed. L. Ed. Matriz de amortecimento. jatos e foguetes. J. modelos algébricos e suas aplicações. "Vibration .Jato pulsativo. U.. Envelope de manobra. "Concepts and Applications of Finite Element Analysis". 1987. 1982. Baird. 1948. segunda e terceira leis de Newton. Wyley VCH Verlag . O. Sensores e atuadores. Fluidos não-Newtonianos e viscoelasticidade. Outras operações de processamento. Pope. 2nd edition. J. Inman. D. Madrid. H.B. estabilidade. Moldagem por injeção.. L. 2003.R. Controle modal. Z. Addison Wesley. 526p. 2.. Bathe K. Stephen B. Foguetes. Escoamento incompressível sobre aerofólios finos. Curvas generalizadas de potência requisitada. UFSCar (2005). Pro/MECHANICA Tutotial (Structure/Thermal): Integrated Mode (Release Wildfire 2. Stefan Florczyk. O. The elements of airfoil and aircraft theory. Prentice Hall. visão estéreoscópica. IM557 Aerodinâmica Básica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Fundamentos de escoamento incompressível ideal. Plesha M.M. 2nd edition. 1980.A. Introdução ao Método dos Elementos Finitos. Ed. H.1. Landahl. Zienkiewics. V. 1989 IM567 Controle de Vibrações em Estruturas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Revisão de controle por realimentação de estados e de saída em tempo contínuo. Envelope de voo.. A. Hughes T.. Lei de parede hidrodinâmica e térmica. Motor Vehicle Dynamics. 3.. L. Bibliografia: Bretas. D. John Wiley & Sons Inc. Cálculo de Estruturas Treliçadas. Sastry.. Tennekes. C. Pacejka.. Apostila. IM556 Desempenho de Aeronaves T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Efeito de vento. Sáins Dìez..R. R. Aterrissagem. 6. Olson. CAD e CAM. 1972. Rodi. Thomson. Métodos de integração e métodos modais. 1978. Dinâmica da suspensão: pneus. 1965. Escoamentos encontrados em processamento de polímeros fundidos. SDC Publication.J. A. Comprimento de campo balanceado.. G. LTC editora. 3ª. Sistemas Integrados CAE. Meirovitch. Editora Lepsa. An invitation to 3D Vision: from image to geometric models. Tadmor. IM566 Elementos Finitos III T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Equação dinâmica. Taylor. Ashley. R. IM554 Dinâmica de Veículos T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Princípios da dinâmica veicular. Dynamics of Structures.. Shigley. equações de transporte e a decomposição de Reynolds. Os meus balões.W. ed. "The Finite Element Method". Turbo jato... Armstrong. Projeto de Máquinas: uma Abordagem Integrada. Computational Methods in Structural Dynamics. Desempenho em aceleração e frenagem. 9. and Johnson.FEM Bibliografia: Gérardin. 2004. Processamento de blendas e compósitos. Pro/Engineer Wildfire Instructor. Modelagem de Sólidos com Simetria Axial. Aerodynamic of wings and bodies. "The Finite Element Method . Wiley 1989. A. 1987. Series Interdisciplinary Applied Mathematics. IM558 Propulsão T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: 1. Moran e Shapiro. "Polymer Processing: principles and design" 1998. Modelagem Sólida. Bibliografia: Glauert.. Tempo máximo de espera ("Maximum Endurance"). Ib..Prentice-Hall. Bibliografia: Santos-Dumont.Estato jato.. C. Press (2000). 10. Springer.. Princípios da Termodinâmica para engenharia. McGraw-Hill. J. 2004. Wilwy. Hélices. B. Ed.. Toogood. Editora: Bookman.. Bird. Bibliografia: Genta G.. algoritmos de processamento de imagens.0). 11.E. Mechanical Engineering Design (First Metrical Ed. IM559 Engenharia Assistida por Computador T:30 E:15 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos sobre Metodologia de Projeto. Gogos. 2005. Internal combustion engine Fundamentals. "A First Course in Turbulence". isolamento da vibração do motor. Tipos de propulsores aeronáuticos: hélice. Clough.S. McGraw-Hill. Suspension and Handing. 4..Linear Static and Dynamic Finite Element Analysis". R. MIT Press.. Vols. Fundamentals of Vehicle Dynamics.L. primeira... Malkus D. Ed. P. Nogueira. Taxa de subida. São Paulo 1963.0 Tutorial: Tutorial and Multimedia CD.Prentice-Hall. R.C. L. História. Aplicação ao controle de estruturas flexíveis. Reedição. McGrawHill.Theory and Application to Structural Dynamics. 1998. SAE International. 1994. Shapiro.J. Palm III. Van Wylen. W. 2000. Matriz de massa consistente e diagonal. e d'Ávila. El motor de Reaccion. calibração de câmera.. Modelos para Tensão Plana e Deformação Plana. J. Robot Vision. and Lumley. Mechanical Vibrations . M. Aerospace Propulsion from insects to spaceflight. M. Rolagem e Taxiamento. J. S. Kamal. 1959. E. Aerodinâmica Básica. "Dynamics of Polymeric Liquids". Frequências naturais e modos de vibração. Modeling analysis and control. M. Volvo aero corporation.D. World Scientific.G. 1986. Springer. C. freios. Técnicas de controle baseadas nas normas H2 e H infinitas. The Ronald Press Co.G. York.. Vol. 8ª. 12. Ma. S. R. Vivier. geometria epipolar. 1996.H. W. 4ª. escoamento tridimensional sobre corpos. SAE International. Ed.. Controle por realimentação de estados e de saída.

Press. R. F. G. Bibliografia: C. 2011. 1997. A. Introdução à viscoelasticidade não-linear. Cooperativas energéticas. 2001. CRC Press. Shahian. Geração descentralizada de energia. Nova York. Teorema da amostragem. Representação digital de números. carvão. Introdução à VHDL. Realização de filtros digitais. Características dos filtros digitais. Bird.. v. IM569 Processamento Digital de Sinais Usando FPGA T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução a sistemas em tempo discreto. Pilipovic. B. D. Algorithms and Applications. Derivativos. Solução temporal no espaço de espaço. B. Schafer. Utilização de matrizes insumo-produto. Paris: 2012. International Energy Agency. A. O. J. "Reologia de Polímeros Fundidos". F. Edgar Blücher. Surbrook. Energy Economics: a modern introduction. International Energy Agency. Nova York. Prentice-Hall. C. taxa interna de retorno. 1996. Energy Economics . G. R. Implementação de filtros em software/hardware Bibliografia: Digital Signal Processing with Field Programmable Gate Arrays. Prentice-Hall. Bookman. transporte. Ed. Paris: 2012. Possibilidades de conservação e substituição de energéticos. Transformada de Fourier. "The Strucutre and Rheology of Complex Fluids". Bretas e M. (1982) Energy Demand: Facts and Trends. PE102 Economia da Energia II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Teoria microeconômica aplicada à energia ( decisões de curto e longo prazo. Digital Signal Processing. Balanços energéticos. Westview Press. Spring-Verlag. Ferramentas de programação de FPGA. Aspectos conceituais da teoria econômica. Implementação dos principais filtros digitais. E. John Wiley & Sons. Energéticos primários e secundários. Oxford University Press. 2001. Bottura. Definição de filtros digitais. custos anuais e pay-back). IM570 Análise de Sistemas Lineares T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Caracterização de sistemas lineares contínuos e discretos. no âmbito da oferta de energéticos secundários e no atendimento ao uso final. 1985. Ferramentas para implementação dos soft cores. 1983. Jonh Wiley & Sons. Sustainable Energy Developments.. 1993 IM568 Fundamentos de Reologia T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Vetores e tensores. PE101 Economia da Energia I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Energia e sociedade. 1997. M. E. Viabilidade sob incidência de impostos e efeitos inflacionários. J. Introduction to Dynamic Systems .Valuing and managing energy derivatives. elasticidade. Comportamento não-Newtoniano. Kailath. T. 280p. John Wiley & Sons. Técnicas de avaliação qualitativa e quantitativa de impactos decorrentes da implantação de programas energéticos de envergadura. Políticas energéticas. 1980.(1987). e Lapillonne. 3rd Ed. Van Nostrand. McGraw-Hill. Paris: 2012. Geromel e A. V. Amostragem e discretização de filtros analógicos. Paris: 2011. Prentice Hall. Ashenden. International Energy Agency. Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Elementos da teoria macroeconômica aplicados a sistemas energéticos.The Analysis of Energy 31 . 2004. "Rheology ¨C Principles. Energy Technology Perspectives 2012. Introdução à transformada z. Função de transferência. S. Signal & Systems. 2ª ed. Representação no espaço de estado. Bibliografia: Chateau. 2000. 1982.. Financiamento de sistemas energéticos. Bibliografia: Kaplan. Viscoelasticidade linear. P. Transformada Z. Principles. Realizações canônicas de funções de transferência. Prent. 2004. Springer-Verlag. Programas de eletrificação rural. "Dynamics of Polymeric Liquids". Banks. Algoritmo FFT. Energy Economics .. Análise Linear de Sistemas. 1982. Microprocessadores soft core. W. B. Aproveitamentos energéticos integrados. P. S. J. Manolakis. Balanços energéticos. Alternativas de financiamento e alavancagem. Bibliografia: Empresa de Pesquisa Energética. K. Hassager. d´Ávila. e distribuição. Spring-Verlag (Capítulo I . Energia como commodity. 1979. produto e formação de capital. Escoamentos padrões em reologia: cisalhamento e extensional. World Energy Outollok 2012. Inc. Análise de viabilidade de investimentos em energia: fluxos de caixa. VHDL Cookbook. R.- With Control Measurement and Stability". Sinergia Editora. Andreas Antoniou. Estabilidade. Linear Systems. Funções materiais. Bibliografia: F. Alocação de recursos e opções tecnológicas. Balanço Energético Nacional 2012: Ano base 2011. Energy Demand: Facts and Trends. N.. Models. Observabilidade e Controlabilidade. 1996. Veen. B. Inc. Kluwer Academic Publ. curvas de oferta e demanda. Formas de concorrência no setor energético. e Schramm. Demand Management and Conservation Policy. PE105 Planejamento Energético no Meio Rural T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Energia e desenvolvimento no meio rural. Potencial substituição de energéticos. aspectos ambientais. gás natural. Aplicações. Tecnologias de conversão de energéticos. Measurements and Applications". C. FEM transações correntes e endividamento. energia hidráulica e biomassa. Hassul. Rio de Janeiro: EPE. and Applications. Transformada de Fourier discreta. Munasinghe. Localização e quantificação de reservas. Prentice Hall. Banks. Proakis e D. Empresa de Pesquisa Energética. Inc. Energy and Environmental Policies in the Transition Economies. S. Oxford Univ. R. Kluwer Academic Publishers.. B. Oxford University Press (1999). B. Chandler. W. Estabilidade de sistemas contínuos e discretos. "Control System Design Using MATLAB". Lathi Signal Processing and Linear Systems. 1975. T. Digital Filters: Analysis and Design. B. M. C. Fontes de suprimento energético. J. Modelos integrados: energia-economia. 1999. custos marginais). Technology Roadmap: biofuels for transport. Incertezas e riscos. McGraw Hill. Alan V.1. 2000. Surbrook. Exemplos de circuitos lógicos usando FPGA. Rugh. 1989. Editora Guanabara II. 2014. R. Larson. Oppenheim e Ronald W. Tolmasquim. e Lapillonne. Prent. B. Armstrong. 1999. Preços e tarifas. "Understanding Rheology". A. Perfil de consumo. McGraw-Hill. (1994). Somatório de convolução. 2nd Edition. Linear Systems. Energia. International Energy Agency. VCH Pub. Haykin and B.. 1979. Volnei Pedroni.Qualitative methods for energy and environmental decisions. Planejamento de sistemas energéticos. D. PE106 Modelos Energéticos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Micro e macroplanejamento energético. U.. Estimativa de custos de investimento. Fatores considerados na substituição entre energéticos: eficiências. Análise de resposta em frequência. 1990.. Linear Systems Theory & Design. Energia e modelos de desenvolvimento. Key World Energy Statistics 2011. Sistemas de produção. Resposta em frequência dos filtros digitais. Sustainable Energy Solutions in Agriculture. Modelos de equilíbrio econômico aplicados a sistemas energéticos. T. Custos externos. Oppenheim and A. G. preços e custos. Makosko. Prentice-Hall. 1983. Circuit Design with VHDL. Sinais e Sistemas. As relações internacionais no domínio da energia. Bibliografia: Bundschuh. e Chen. Tendências no Brasil e no mundo.. Competição entre energéticos. Luenberger. UFSCar (2005).A modern introduction. Hall. Palhares. com foco em petróleo. 3rd Ed. Tipologia do meio rural brasileiro. PE104 Sistemas de Suprimento Energético T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Oferta de energia. Análise Linear de Sistemas Dinâmicos.Theory. linear System Theory. G. T. Introdução aos dispositivos lógicos programáveis. M. W. Peter J. Meyer-Baese. 1999. Energia e crescimento econômico. Energy Economics. Tensão e deformação. metodologias de análise/comparação e critérios de decisão (valor presente líquido. Energy Risk . Chen. Transformada de Laplace. Digital Signal Processing. E. Morrison. Modelos de otimização do suprimento energético – abordagens setoriais e globais. custos e preços. MIT Press. 1998. 1991. e Mullin. Hall. Sinha. Willsky. Agriculture Electrification. Bibliografia: Chateau. Incentivos fiscais. G. Oxford University Press (2001). Filtros digitais FIR e IIR.

e Schramm. Demand Management and Conservation Policy. et al. 1974. Modelos econométricos. É abordada a utilização da metodologia de cenários tendo como por objetivo sua aplicação ao PIR. ed. Análise de riscos e impactos ambientais. disponibilidade de recursos e degradação ambiental. ed. A. Ann Arbor Science. Moden Power Station Pratice. Scheiber. p. ENGELS. Metodologias de projeção desse mercado. 1979. Campinas. Renewable Energy Technology Characterizations. W. Tarifas horosazonais. D. Tropics in Energy. 1993 (Chapitre II p. 313. Katz. R. M. Bibliografia: Artigos e relatórios técnicos diversos. Coal handbook. Usinas termelétrica a combustível fóssil e a combustível não-convencional. Usos finais da energia. São Paulo (1980). Conversão e multiutilização das fontes. J. (1983) Energy Economics. Eyrolles. Wiley Eastern LTD. Exemplos de projetos energéticos que procuram levar em conta as dimensões socioambientais e culturais da sociedade brasileira. biomassa (florestas. 329-344 et chapitre III p. Florianópolis/SC. p. A seguir. Linhas de transmissão e distribuição. La Decouverte.. NY/USA. Springer. 2003 (p. ed. 5th edition. UFSC. SP. no contexto da economia dos recursos naturais e minerais. T. MONTIBELLER FILHO. G. Énergie Électrique et Environnement. Z. Ann Arbor. ed. Island Press. H. Modelos de simulação.. Vienna: Springer-Verlag. participação na matriz energética mundial. Energy Demand: facts and trends. ed. 1981. Análise e projeção da demanda de energia: estudo de caso. relatórios e notas técnicas de usinas de potência elétrica. RIBEIRO. 1990. Oil Economist's Handbook. carvão. (cap. Perspectivas de utilização. ed. Sociedade e Meio-Ambiente T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos de progresso e de desenvolvimento no cenário contemporâneo. Contabilidade energética. Souza. Pederson. 1982. SP 65-95. VIVEN.2015 PE111 Planejamento da Expansão de Sistemas de Potência Elétrica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Mercado de energia elétrica no Brasil. Monthly Review Press. Jenkins. RIFKIN. Barcelona. Balanços energéticos: metodologia e utilização. Cálculo de motorização de usinas hidrelétricas. K. 2011. Demand Management and Conservation Policy. 2 . et al. Williams. Ginocchio.23-50 AY. F . et al.. Nuclear Power. LEIS. Applied Data Analysis and Modeling for Energy Engineers and Scientists. Editora Edgard Blücher Ltda. 59-84). Planejamento integrado da expansão do setor elétrico. e Santos. recentes. Rewable Energy . 179-209. Noções sobre o planejamento da expansão de redes elétricas. Bibliografia: Apostila sobre Minas Hidrelétricas. cana-de-açúcar. Urano. et alii. H. G. inovações tecnológicas e problemas ambientais relacionados a estrutura de produção e consumo. Entropía Hacia el mundo invemadero. NY/USA. Riscos no atendimento da ponta de carga. ed. . E. 2003. Ciclos de combustível nuclear. E. M. p. 1983. eds. . e Schramm. 1 e 2. Financiamento do setor elétrico. Elsevier Science. Loyola.39-75). Marcel Dekker. HESSEN. P. Ed. Kelly. Finalmente. Impactos ambientais. PODOLINSKI. Centrales Eletrical. com opções do lado da demanda. A. Handbook of Natural Gas Engineering. Nuclear Power: a reference handbook. 1985. R. mito do desenvolvimento sustentável.. Globalização da economia e a complexidade crescente dos processos socioculturais. São Paulo. Ediciones CEAC S. Inicialmente é apresentado o panorama teórico para análises de uso-final da energia. Geração distribuída de energia elétrica. Las raíces socioeconómicas de la mecánica de Newton. Cenários. J. Munasinghe. Eletrificação rural. A. Barcelona. Bauer. O. Potencial. Academia. A. Ecologia e política mundial. Fuchs. A. Fontes Renováveis de Energia no Brasil. B. CEGB. B. PE131 Fontes Renováveis de Energia T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Fontes renováveis de energia: hidrelétrica. ed. SCMIDT. O jardim comum europeu. SP. Économie et écologie. et ali. Boitempo. et al. eólica das marés e geotérmica. PE108 Seminários de Planejamento Energético T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Trabalhos de revisão sobre o estado da arte em tópicos específicos sobre Energia e Meio Ambiente.O preço da riqueza. PE142 Planejamento Integrado de Recursos T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: O curso tem como objetivo apresentar o processo de planejamento conhecido como PIR ou Planejamento Integrado de Recursos. de simulação e mistos para a projeção da demanda de energia. Cuba. Geração nãoconvencional de energia elétrica. Woite. Edited by L.Energy Demand Analysis and Forecasting). and B. S. H. PE110 Componentes de Sistemas Hidrotérmicos de Potência T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Usinas termelétricas e reservatórios associados. ed. 8 vols. Library Binding. Ecology against capitalism. PE130 Fontes Não-Renováveis de Energia T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Especificidades das fontes não-renováveis de energia. K. M. 2001 (cap. Editorial MIR. R. Marx's ecology: materialism and nature. Marx e a natureza em O Capital. e ferramentas para explicar os custos econômicos. Paris. 32 -GRADUAÇÃO . T. GOLDEMBERGER. fontes renováveis e maneiras de se avaliar e implementar essas iniciativas no contexto do PIR. Reddy. A. PE107 Energia. R. H. Déficits de energia. Crítica marxista nº 16. produção e consumo mundial. Lapillonne. F. 1996. 1986. 1993. M. Limites do desenvolvimento sustentável. A. H. M. G.p. termelétricas e nucleares. 1997. Bibliografia: Chateau. 1988 (chaptre 71-189). 45-76). tecnologias. 2001 (capítulos 4 e 6).. solar (células fotovoltaicas e térmica). CEAC. Vol. New Delhi. SP. G. Energy for a sustainable world. petróleo. A Concepção de natureza em Marx.. L. 1983. Usinas Hidrelétricas. EPRI Report TR 109496. R. 2002. Pesquisas em andamento realizadas por professores e alunos vinculados ao curso ou por personalidades convidadas. 2000. Monthly Review Press.Sources for Fuels and Electricity. Caracterização tecnológica. PE140 Análise e Projeção da Demanda de Energia T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Análise dos fatores determinantes da demanda de energia. ambientais e outros custos sociais da conversão e uso de energia. 1980. Moscow. Manuais. Construção de cenários de demanda energética. 1989. Dialética da Natureza (p. Bibliografia: Meyers. otimização e mistos para o planejamento da expansão do parque gerador de sistemas hidrotérmicos de potência. 6 . Rio de Janeiro. N. de beneficiamento e processamento requeridos pela indústria. Editora Edgard Blucher Ltda. 1995. FOTER. Formas diferenciadas de tratamento da questão ambiental: dicotomia entre padrões de consumo e sustentabilidade. gás natural. G.. T. Recursos e reservas. tecnologia de exploração. Usinas nucleares. CHESNAIS. Munasinghe. as metodologias básicas usadas atualmente para projetar estratégias de integração das opções de oferta.p. G. Bibliografia: ALTVATER. Paris. DUARTE. Van Nostrand. 34-40) e (76-125). R. 2 vols. Foell. P.D. FOLADORI. B. B. Grenon and G. Reddy.FEM Demand: an Overview e Capítulo V . Planejamento integrado dos recursos hídricos-usos múltiplos da água. usos e economicidade. Centrais Hidro Termelétricas. 111-144. UNESP.. Elsevier Science. Modelos energético utilizando matrizes insumo-produto. p. Van Nostrand (Capítulo 7 . A problemática ambiental e seus desafios frente ao modelo de desenvolvimento em curso e as necessidades energéticas. resíduos agrícolas e urbanos. F.. M. (organizador). Bibliografia: Johansson. Imprensa Oficial/UNICAMP. Henderson. Setores de consumo. J. de P. 1989. T. MI 1980. discute-se o papel da eficiência energética. Editora Interciência. Subestações. 181-144). Energy Economics. D. "Ecologia" e condições físicas de reprodução social: alguns fios condutores marxistas. Valorando a natureza. xisto e urânio. Tolmasquim. carvão vegetal).Forecasting Methods and Models). US Department of Energy.

K. Políticas Públicas Para Eficiência Energética e Energia Renovável no Novo Contexto de Mercado. e Monteiro. Cambridge University Press. Venturini. D'Sa. Rocha. New York. Eficiência Energética no Uso do Vapor. PE172 Avaliação do Ciclo de Vida Aplicada à Energia T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução e aspectos históricos da ACV. Winston (1997).N. Teoria dos leilões. 4. M. MIT Press. e Richard Steinberg. de sistemas energéticos envolvendo eletricidade. Kluwer Academic Publishers. 2005. PE150 Otimização de Sistemas Energéticos I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Operação ótima de sistemas energéticos. Vijay Krishna. Rio de Janeiro. Programação não-linear: inteira e inteira-mista. Ilic. and Application. A. Planejamento do setor energético no Brasil e no exterior. otimização "forward''a e "backward''a . Barreiras ao uso racional da energia. 2006.H. dualidade. 2000.H. 1998. Power system economics: designing markets for electricity. Eficiência Energética no Uso do Vapor. Rio de Janeiro. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel) e Fupai/Efficientia. recentes.R.M.A. Leilão de energia elétrica: empreendimentos existentes e novos empreendimentos. Monachesi.A. Valuation. M. Planejamento determinativo. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel Indústria) e Fupai/Efficientia.J. Hatim Yamin. F. O.A. M. PE162 Política Energética. Bibliografia: Marques. Manual Prático Procel. A. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel Indústria) e Fupai/Efficientia.C. Rio de Janeiro. Bem único indivisível.J. Livro Técnico Procel. A.J.Swisher (1997). e Nogueira.- apresentam-se os princípios do planejamento da oferta de eletricidade e como integrar as opções o lado da oferta e demanda conjuntamente dentro do PIR.G. Rio de Janeiro. J. UK. Reddy..G. Rio de Janeiro. M. Editora Autores Associados. Planejamento Integrado de Recursos: Meio Ambiente. New York. Yoav Shoham. Luenberger. Haddad. Eficiência Energética em Sistemas de Ar Comprimido. Formulação de modelos lineares de otimização. 2002. e de energia solar. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel Indústria) e Fupai/Efficientia. Hillier e Liebrmann (1990). 2005. Os métodos de Gromory. M. Formulação de problemas sequenciais através da programação dinâmica. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel Sanear) e Fupai/Efficientia. R. 2005. Luenberger. consumo de energéticos na indústria. Manual Prático Procel. e Rocha.M. Políticas energéticas e ambientais no país e no exterior. nos principais equipamentos e processos utilizados nos setores consumidores. Branchand-Bound.R. e Rocha. Rio de Janeiro.R. New York. Energy for Sustainable Development 2 (3): 12-26. o método simplex. Energy for Sustainable Development 2 (4): 15-26. Putting auction theory to work. USA. Princeton University Press. A. Paul Milgrom. 2005.J. Energy Policy 33 (10): 1271-85.A. 2004. Eficiência Energética em Sistemas de Ar Comprimido.K. Revisão de otimização. Eficiência Energética em Sistemas de Refrigeração Industrial e Comercial. 118p. L.. 2005. John Wiley & Sons.J. G.Aplicação destas técnicas na otimização.. Livro Técnico Procel. Gestão Energética. Conservação de Energia . Bibliografia: Garfinkel e Nemhauser (1972). Springer-Verlag. Investiment Science. 2002. C. Ambientais e Políticas de Conservação de Energia. Bem de valor independente e bem de valor comum. Leilão sequencial. 2004. Portfólio dinâmico. Jarvis e Sherali (990).A. Introdução aos leilões.A. G. Uncertainty in the electric power Industry. planejamento indicativo e planejamento integrado de recursos. Teoria dos jogos e estratégias de contratação. M.. principalmente da operação. N. Oxford University Press. Lasdon (1970). Sally Hunt. Eletrobrás / Procel Educação e Universidade Federal de Itajubá. incluindo o próprio setor energético.G. formatos e equivalência.. Cambridge. Bens múltiplos indivisíveis. carvão.. Petter L. Precificação de contrato a termo e de opção. D'Sa. 2006. Oxford University Press. M.B. Consumos específicos de energia térmica e energia elétrica e possibilidades para a sua redução. Itajaí. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel Indústria) e Fupai/Efficientia. Bem único divisível. N.. 1986. Computation. 2004. Steuer. Conservação de Energia e Fontes Renováveis. petróleo. Curvas de oferta de medidas que possibilitam ganhos de eficiência energética. Hillier e Lieberman (1990). Cogeração.. Livro Técnico Procel. O. C.R. Bibliografia: 1. 2005.. Monteiro. Boston. Univali Editora. Nogueira.C.Aspectos Técnicos. John Wiley & Sons. C. Jannuzzi. PE164 Contratação de Energia Elétrica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Modelo de contratação do setor elétrico. (1995). Leilões do setor elétrico Bibliografia: D. F. e Pirani. 2. Rocha.. (coordenadores). Fer- 33 .R.R. etc.H. 1998. L. Portfólio estático: benefício e risco. PE163 Introdução aos Leilões do Setor Elétrico T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Revisão de fluxo de caixa determinístico e aleatório. Diagnósticos energéticos. e Martins.R. 2005. 2005. Eficiência Energética em Sistemas de Bombeamento.. "Integrated resource planning (IRP) and power sector reform in developing countries". Nogueira. Gerenciamento pelo Lado da Demanda . A reestruturação destes setores no Brasil.J. Skantze e Marija D. New Jersey. através de boas práticas de gestão e de inovações tecnológicas..S. Bibliografia: D. Example of the DEFENDUS scenarios". Bibliografia: Artigos e relatórios técnicos diversos. Planejamento e gestão de programas governamentais visando ganhos de eficiência energética. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel Sanear) e Fupai/Efficientia. "Integrated energy planning: Part 1. Nemhauser e Wolsey (1998). Eficiência Energética em Sistemas de Refrigeração Industrial e Comercial. e Zuyi Li. Kirschen e Goran Strbac. gás natural.. Reddy. interpretação econômica das variáveis duais. Paul Klemperer. Gestão de programas de uso eficiente da energia. M. "Integrated energy planning: Part 2. Campinas. Rocha.G. etc. Nogueira. e Monteiro. Power system economics. M. Winston (1997). Bens múltiplos divisíveis. Econômicos. Combinatorial Auctions. Daniel S. 2000. Mohammad Shahidehpour. C. Venturini. M. Aplicação destas técnicas na otimização de expansão de sistemas energéticos envolvendo eletricidade. hedging and speculation in competitive electricity markets. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel Indústria) e Fupai/Efficientia. Decomposição de Benders e Relaxação Lagrangiana. Multiple Criteria: Theory. 2001. Christoph Weber. Academic Press. Investiment Science. Latisses binomial e trinomial.G.H. A. L. D'Sa. Itajubá. SC. 2005. Auctions: theory and practice.. PE151 Otimização de Sistemas Energéticos II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Expansão ótima de sistemas energéticos.G. Peter Camton.C. Rio de Janeiro.G. Camargo. Manual Prático Procel. Rocha. Bazaraa. gás natural.A. simultâneo e combinatório. Pirani. Campinas: FAPESP/Editora Autores Associados. R. (1995). (2005). Métodos de avaliação do impacto do ciclo de vida.R. Descrição geral da ACV.. John Wiley & Sons. Rio de Janeiro. Making competition work in electricity. e Teive. Guia Técnico Procel. como combustíveis. Eficiência Energética em Sistemas de Bombeamento... 2006. Steven Stoft. o problema de transporte. e Monteiro. petróleo. Bibliografia: Leunberger (1984). Market operations in electric power system. programação multiobjetivo e jogos.S. de fluxo máximo e de caminho mínimo. Planejamento e Regulação T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Modelos institucionais dos setores elétrico e de petróleo e gás. 2002. Auction Theory. e Monteiro. and J. A. PE145 Uso Racional de Energia T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Uso racional da energia: conceitos e potencial. John Wiley & Sons. Monachesi. Especialização do método FEM simplex para grafos conservativos. 2004. Livro Técnico Procel. Jannuzzi. Manual Prático Procel. 3. The DEFENDUS methodology". Rio de Janeiro. Regulações técnico-econômica e ambiental dos setores elétrico e de petróleo e gás no Brasil e em outros países.G. 2002. Centrais Elétricas Brasileiras (Procel Indústria) e Fupai/Efficientia. John Wiley & Sons.Eficiência Energética de Equipamentos e Instalações. Utilização de resíduos.

Shoham. Solução de sistemas de equações lineares. Multiphase Flow in Wells. 4 a ed. Teoria geral das transformadas. Métodos Matemáticos para Engenharia. Published: IGES. transformadas de Laplace e Fourier. Joint Research Centre. Bibliografia: McCain Jr. CBS (ed). Caracterização de frações de petróleo. Funções ortogonais e funções peso.E. Brill.S. & Aziz. Eggleston H. P. T. J. H. revisão bibliográfica. A. B. Efeitos de curvatura interfacial. e problemas de valor de contorno. Interpolação polinomial. . W. Prepared by the National Greenhouse Gas Inventories Programme. Parte C: Fundamentos do escoamento bifásico em dutos: variáveis básicas. Bibliografia: Cunha. 6a ed. Metodologia do trabalho científico . Obs. PP102 Métodos Matemáticos II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Teoria dos erros. White. Bibliografia: Documentação referente aos seminários oferecidos PP101 Métodos Matemáticos I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Espaços vetoriais... 1973. Bibliografia: IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change). Sintonização. Pegada de carbono e pegada hídrica. Parte B: Leis básicas para análise de escoamentos em volumes de controle.. fichamento. Editora UNICAMP. Solução de equações diferenciais ordinárias e parciais. CGEE . Ed. Tópicos especiais.C. 2010.. K. Govier . Editora Unicamp. Elementos complementares: sumário. R. Carvalho. Brill J. 2012. Bervian. PE191 Estudos Dirigidos II T:0 E:0 L:0 S:45 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Davide. Métodos de derivação e integração numérica. o Mercado Internacional de Créditos de Carbono. PE175 Energia e Mudanças Climáticas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Mudanças climáticas: fundamentos científicos. Modelos cinemáticos. Correlações de perda de carga. Editora Thomson.International Energy Agency. abreviaturas. Ngara T. 2006.G. Tulsa. Estabilidade das soluções.C. & Mukheejee. Mecânica dos Fluidos. Mechanistic Modeling of Gas-Liquid Two Phase Flow in Pipes. Equilíbrio líquido/líquido.G.: O pré-requisito para esta disciplina é a apresentação de documentação referente aos seminários oferecidos.Armando L. Japan.Antonio J. European Commission. Rosa. S. no semestre letivo. International Climate Policy & Carbon Markets. O. PennWell Books. P. E. 1999. Uniformização redacional: tabelas. PE180 Tópicos Especiais Planejamento de Sistemas Energéticos I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. J. Pritchard. Editora SBMAC. Flash multifásico com equação de estado. A. Campinas 2000 PP201 Termofluidodinâmica I T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Parte A: Propriedades PVT do petróleo. mapas de fluxo. One-Dimensional TwoPhase Flow. The Flow of Complex Mixtures in Pipes. Economia da Mudança do Clima no Brasil: Custos e Oportunidades..Centro de Gestão e Estudos Estratégicos.Scenarios & Strategies to 2050. W. Solução das equações diferenciais e problemas de contorno através de métodos de separação de variáveis. Energia. Institute for Environment and Sustainability. Engenharia de Reservatórios de Petróleo. a Convenção do Clima. Rio de Janeiro. conclusão. Obs. Análise e convergência de soluções. E. McGraw-Hill. R. McGraw-Hill. D. Brazil and climate change: vulnerability. Favero.Energy Technology and Perspectives 2012 . LTC. Interciência. perfuração e extração de petróleo e gás natural. Estratégias usuais de mitigação das emissões dos gases precursores do efeito estufa. Brasília. Bibliografia: Série ISO 14040. Impactos e vulnerabilidades.. Como redigir trabalho científico . 2001. impacts and adaptation. ternários e de multicomponentes. Estratégias de adaptação. vantagens e limitações de equações disponíveis. e Tygel M. Propriedades termofísicas do petróleo. W.: AA200 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Bibliografia: Associação Brasileira de Normas Técnicas PNB 66 Referências bibliográficas: Metodologia Científica . J. ILCD Handbook: General guide for Life Cycle Assessment -Detailed guidance. Paris. 2a. Xavier. figuras. PE193 Estudos Dirigidos IV T:0 E:0 L:0 S:45 C:3 P:3 Pré-Req.Armando A. ante-projeto. PE190 Estudos Dirigidos I T:0 E:0 L:0 S:45 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Ed. IPCC 2006. Ibep Gráfica. 1997. Novas metodologias e problemas atuais em tecnologia de pesquisa. Uniformização gráfica: formas e disposições gráficas. (eds). Buendia L. Introdução aos Métodos da Matemática Aplicada. 2008. D. Vera. as Conferências das Partes. PE400 Metodologia de Pesquisa e Redação Científica T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Preparação do trabalho ou dissertação: tema. M. 2006. 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories. M.. Cervo 34 -GRADUAÇÃO . Diagramas e equilíbrio de fases. SPE.. IEA . realizadas por professores e alunos vinculados ao Curso ou por profissionais convidados. 06. SPE. Fox. The Properties of Petroleum Fluids. Dubeux. SPE. Climate Change 2006:The Scientific Basis. First edition. Sistemas de CO2hidrocarbonetos. J. mudança de variável. 1969. Rio de Janeiro. A. PE181 Tópicos Especiais Planejamentos de Sistemas Energéticos II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. D. Bibliografia: Zill. Wallis. Metodologia da pesquisa científica . Introdução à Mecânica dos Fluidos. Solução das equações não lineares. 2006. 2007. PE182 Tópicos Especiais em Planejamento Sistemas Energéticos III T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. referências bibliográficas. PE192 Estudos Dirigidos III T:0 E:0 L:0 S:45 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Equações de estado. Equações Diferenciais com Aplicações em Modelagem. JRC (2010). J. Ed. Oliveira. Modelos black-oil e composicional. Miwa K. S. 2006. Aproximação de funções. McDonald. January 2010.. F. PP202 Termofluidodinâmica II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Equilíbrio de fases a alta pressão. 1999.Luis Rey. Estrutura do trabalho ou dissertação: introdução. P. padrões de consumo e mudanças climáticas. A. PP010 Seminários de Petróleo T:0 E:0 L:0 S:15 C:1 P:3 Ementa: Trabalhos de revisão sobre o estado da arte em tópicos específicos de Engenharia de Petróleo.: A matrícula em PE193 depende da autorização da Coordenação do Programa e o requisito para aprovação na disciplina é a submissão à publicação. Pesquisas em andamento. Margulis. 2003. Cambridge University Press. Formulação das equações diferenciais parciais mais comuns na Física. folha de rosto. Sistemas de water-oil-surfactant.: Métodos Numéricos.FEM ramentas para ACV. Severino. Oliveira. G. e Maiorino. Acoplamento poço-reservatório. Oklahoma. Relações constitutivas para escoamento monofásico em dutos e meios porosos. C. desenvolvimento.. Multiphase Flow in Wells. and Tanabe K. Equilíbrio no campo gravitacional. 2009.2015 e Pedro A. líquido/líquido/vapor e sólido/líquido/vapor em sistemas binários. Edição. de um artigo em periódicos QUALIS A1 ou A2 da CAPES.

S..K. R. Dynamics of Offshore Structures. Fans and Compressors . Academic: San Diego. Operações de engenharia básica. 1978.Velloso. Young: Applied Drilling Engineering. "Handbook of multiphase systems". dinâmica. Mapas de fluxo. Collier.. Two-phase Flow in Pipes . et al. Brill.B. 1986. Linhas. 1981. etc. 1986. bayes e fuzzy logic. Modelo de acoplamento reservatório-poçoslinhas-coleta.-Govier & Aziz. Chakrabarti: Hydrodynamics of Offshore Structures.R. Hemisphere: Washington.. J. Petroleum Production Handbook. S. McGraw-Hill. 35 . lisp. Tokyo..A Basic Primer of the Industry.. Sistemas de produção antecipada. K. 1975. Boston.Prentice Hall. Sistemas especialistas em engenharia de petróleo. Aziz.M. E. tecnologia. Goldberg.. Patel. 1975. Elsevier Applied Science Publisher. PennWell. "manifolds". M. Bordalo.C. Gas-Lift. Beggs. Risers de perfuração e produção.Gulf Profess. "Neural Networks: A Comprehensive Foundation".. 1974.. Publ.D.elaborados para aula.E. /Elsevier. Texas...McGraw Hill.P.One-dimensional Twophase Flow . árvores de natal. MacIntyre.. Frick. Delhaye). 1982. 1969.. Economides. Reid. modelos cinemáticos. Experimental Methods for Engineers . G. PP232 Sistemas Marítimos na Produção de Petróleo T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Tipos de plataformas marítimas. Noções de oceanografia e fundamentos do comportamento das estruturas flutuantes de produção.Petrobras/Cen-Nor. Haykin.H.D. Richardson.. Cherkassky. K. Wallis. Estudo dos equipamentos. PP230 Desenvolvimento de Sistemas de Produção Petrolífera T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Sistemas de produção marítimos e terrestres. Tulsa OK. McGrawHill. Mark e Graham.. Transferência de calor e massa.. Guo. Formulação diferencial das equações médias: modelo de duas fases. Bibliografia: Ishii. Métodos e projetos de elevação artificial.. e Anderson. Estudo dos sistemas. The Tecnology of Artificial Lift Methods . Brill. Holman. PP221 Engenharia de Perfuração T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Aspectos de Mecânica dos Sólidos e dos Fluidos. 1973. Norvig. 1986..B. J. 1969. PP211 Escoamento Multifásico I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução e definições. Fundamentos da Engenharia de Petróleo . Brown. and particles". New York. Oklahoma..H.D. Petrobras/Cen-Nor. 1986. G. Sistema especialista: introdução. ancoragem. 1981. Análise nodal. Elevação pneumática. Weber. Bombas e Instalações de Bombeamento .. M.. PP222 Engenharia de Produção e Elevação de Petróleo T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Estudo e aplicação dos princípios físicos. Two-phase flow and heat transfer in the power and process industries. One-Dimensional Two-Phase Flow. Elevação de Petróleo. 1989. Milheim. J. B.. Instrumentação e medidas. Goodfellow Associates Limitedd. Artificial Lift Systems James Lea. Cook. Chenevert.S. Mark Petroleum Production Systems . Lyons. Anotações Impressas. G. "Genetic Algorithm in Search. K.W. 1979.E. Elevação de petróleo e escoamento multifásico. M. New Jersey. V.. processos. McGraw-Hill.H. Fenômenos de Transporte e Segurança Operacional associados ao projeto e à construção de poços de petróleo e gás natural. Gerding Mildred. Bomb. Prentice-Hall Inc.. Elsevier. Equipamentos de perfuração e de produção no mar.A.. Processamento de incerteza: fator de confiança. Completação submarina. frames. Rlch. Pumps. "The flow of complex mixtures in pipes". químicos e métodos da engenharia mecânica à produção de óleo e gás.S. Automatização das operações de produção no mar.- Bibliografia: Modell. análise. 1994. McGraw-Hill: New York.James Lea."One dimensional two-phase flow". 1994.Elevação Pneumática . caps.J. Bordalo. 1983. Projetos. 2º Edição. FEM Petrolem Production Engineering . Modelagem de padrões de escoamento e suas transições.P. Introdução ao tratamento primário da produção Bibliografia: Thomas. Distribuição de fases. Frank..). D. Artigos. Makron Books. Bibliografia: Technology for Developing Marginal Offshore Oilfields.. "Bubbles. Artificial Lift Systems . Tulsa. Parametrização de curvas característica e de eficiência. Grace. 1969. Estudo do projeto e da operação de sistemas marítimos. correlações aplicadas a escoamento de óleo e gás. Procedimentos para seleção de sistemas marítimos de produção. M. R. 1998.. Eyrolles: Paris. SPE Textbook Series. W.T. PennWell Books. Jahn. elétricos e pneumáticos de controle.O'Dea.Brown. base de dados. J. Van Nostrand: New York. K. Govier. 2001. 1977. Gas Lift Theory and Practice Brown. Berger B. Springer-Verlag. Elétrico Centrífugo de Fundo. A. Material Digital e Slides . Wallis. And Ghalambor.Guanabara 2. K. "Inteligencia Artificial".C. Bibliografia: Petroleum Production Handbook. Padrões de fluxo. Hetsroni. 1. Modern Petroleum . 1966. Technology of Artificial Lift Methods Brown.C. and Beggs. DEP/FEM/UNICAMP.. Bordalo. drops. Prentice Hall: New Jersey. Elevação Natural . P. J. 1980.. and F. W.McCain. E. Graham & Trotman Inc. Burick. "Thermodynamics and its Application". N.Fluxo Multifásico Petrobras/Cen-Nor. Clift. Hydrocarbon Exploration and Production. Interciência. projeto e seleção dos sistemas de elevação natural e artificial em poços de petróleo. Properties of Petroleum Fluids . Petroleum Extension Services. 5ed. Fee and J. 1989. Análise comparativa e seleção. modelo de difusão/deslizamento e modelo homogêneo. S. Ltt. Gas Lift Theory and Practice . G. 2007. S. 1981. Material Técnico da Indústria de Equipamentos para Elevação de Petróleo compilação para aula. "Thermo-Fluid Dynamics Theory of Two-Phase Flow"...E. Estudo dos esforços ambientais..E. M. E. The flow of complex mixtures in pipes. PP212 Escoamento Multifásico II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Formulação diferencial das equações locais instantâneas. fonte: especialista. Bibliografia: Bergles et al. N.G. Offshore Engineering Development of Small Oilfields. Mecânico. Reologia.. Sistemas submarinos de produção e conceitos para sua operação. G. Macmillan College Publishing Company. 1991. Equações constitutivas. Desempenho do sistema de produção..... N. Optimization and Machine Learning". J... estruturação e aplicações.MIR Publ.MacGraw Hill Kogakusha. DEP/FEM/UNICAMP. PP231 Sistemas Inteligentes em Explotação Petrolífera T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução à inteligência artificial. Wallis. (org. PennWell Books. McGraw-Hill: New York.. U. Transientes. Frick. PP220 Elevação de Petróleo T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução a sistemas de elevação. dimensionamento e análise do escoamento da produção. Bibliografia: Bourgoyne..M. S. DEP/FEM/UNICAMP. Artigos Científicos e Técnicos de Congressos e Periódicos compilação para aula. 2003 "Artificial Intelligence: A Modern Approach". Bibliografia: Russell. 1987. Sistemas hidráulicos.. M. Objetos e técnicas de raciocínio. A. Bomb. Monobóia. Ancoragem e sistema de amarração.. Multiphase flow in pipes (apostila).J.V.E. Elevação Natural. Knight.. Fundamentos de Produção Petrobras/Cen-Nor. Fundamentals of Petroleum Engineering.Trad. Ferramentas para sistemas especialistas: prolog.J.Série Petrobras / Cen-Nor. K. Ed. D. objeto. 1986. Moscow. Butterworth & Co. Estruturas marítimas para produção.2. A. Perda de carga em tubulações: modelos homogêneos e de fases separadas. D. J.Ed.S. D. Petroleum Production Systems Economides.. Convective boiling and condensation. Representação e aquisição do conhecimento: regras de produção. 1991. 1991. Velloso. S. Bombeio. 1980. TLP.. etc. Série Petrobras: Fluxo Multifásico. Addison Weslley. Serra. Dinâmica de movimentos de plataformas flutuantes e navios na prospecção de petróleo. Properties of Reservoir Fluids IHRDC.B. 1999. Rossi.3 (J. Métodos de Elevação Artificial .M. 1991..

Anotações Impressas. VI. Ocorrência e Exploração.: Petroleum Reservoir Simulation.... Peaceman. 4. Raja Gabaglia. Penn Well Books. 143 p. PP302 Engenharia de Reservatórios II T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Caracterização e previsão de comportamento de reservatórios de óleo e gás através de métodos baseados nas equações de balanço de materiais. Oklahoma. Escoamento bidimensional monofásico: modelos. . L. Tulsa. Ertekin. K. 1979. testemunhos e sísmica na caracterização de reservatórios. Oklahoma. 1959. Third Edition. Solução de equações matriciais pentadiagonais. Springer-Verlag. Modelos de reservatórios fraturados. New York. D. second edition..B. Escoamento unidimensional monofásico: equações. Cook. McGraw-Hill Book Company.. Hydrocarbon Exploration and Production. S. P. Enhanced Oil Reovery. An introduction to Seismic Interpretation: Reflection Seismics in Petroleum Exploration. C. John Wiley. Bibliografia: Basin Modelling: Practice and Progress. C.Simulation. 2001. Bibliografia: Mattews. Editora Interciência..: "Introdução a Engenharia de Reservatórios".London: Geological Society. Histerese em funções de saturação. 2001. Integrated Petroleum Reservoir Management. Mattax. Richardson. J. Paris. 7.S.. Testes de fluxo e de crescimento de pressão. SPE. A.Guo. McGraw-Hill Book Company. Springer.J. 1987. SPE.Honarpour. Capítulos 2 e 3. 1972. Origem e Evolução de Bacias Sedimentares.: Petroleum Reservoir Simulation.R. Gulf Professional Publishing. L. Aplicação da transformada de Laplace. Método de Newton. EUA. W. D./ Penn Well Publishing Co... Elsevier Scientific Publishing Company Inc.. R. second edition.. 1972. 1982. A. R../Decision Analysis for Petroleum Exploration. Willhite. W.. algoritmos e soluções. Rosa.7. Uso de malha híbrida. 610 p. Balanço de materiais... Craig Jr. Carslaw. 1999.: Principles of Applied Reservoir Simulation. 1978.C.. Frank Jahn.B.J.. Modelos térmicos. Testes de formação. Mattax. Reservoir Simulation...: "Pressure Buildup and Flow Tests in Wells". American Elsevier Publishing Company Inc. & Harvey.. W. Petrobras.: Petroleum Reservoir Simulation. 1998. American Institute of Mining.5). 1998. 1984. Petroleum Basins of South America. Published by Petroleum Extension Service (Division of Continuing Education. 1979. M. D. Franchi. Editora Interciência. Cambridge University Press. Serra. Inicialização. Esquema de 9 pontos.. 3.. Capítulo 7. Thermal Methods of Oil Recovery... Estudo de campo. L. P. Desenvolvimento do campo. 8. Anderson C.. 1960. Rosa. Ed. Bjorlykke. Bibliografia: Aziz.7 . D. Capítulo 10.A. Technip. Waterflooding. Bear. discretização e não-linearidades. Bibliografia: Schiozer. K. 1995. Estudo do deslocamento imiscível em meios porosos. Métodos preditivos de porosidade. 1975. O.: Fundamentals of Numerical Reservoir . Dake. 1984. Gulf Professional Publishing. Iliffe. Salvador. Testes de interferência e de pulsação entre poços. S. /Elsevier. 2. Artigos Científicos e Técnicos de Congressos e Periódicos . PP322 Simulação Numérica de Reservatórios II T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Escoamento bifásico unidimensional: discretização das equações. New York. P.W. Material Digital e Slides – elaborados para aula..G. 2001. et al: Basic Applied Reservoir Simulation.1993. New York. Controle automático do avanço no tempo. Cálculo de equilíbrio líquidovapor. Fundamentals of reservoir engineering.P. Introdução à análise de testes. 1989. Storm Printing C.compilação para aula. S. 2001. DEP/FEM/UNICAMP. M e Whiting. Calvin e Dalton: Reservoir Simulation..Morooka. Petroleum Production Engineering . Oxford Univ. Bibliografia: 1. S. Deuppenbecker & J.2015 PP321 Simulação Numérica de Reservatórios I T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Introdução à simulação de reservatórios. Rio de Janeiro.9. C. 1990. F. PP323 Caracterização de Reservatórios de Petróleo T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Aplicação da análise de perfis. textbook Series Vol. Schiozer. K. PennWell. Franchi. Koederitz. M. L. R. T. DEP/FEM/UNICAMP. Press.: Principles of Hydrocarbon Reservoir Simulation. Latil. H.. 1993. discretização e geração de grade. Ertekin. Satter A. 344 p. Petróleo: Origem. Calvin e Dalton: Reservoir Simulation. D.G.. The Reservoir Engineering Aspects of Waterflooding.S. Thomas. Escoamento multifásico unidimensional. Conduction of Heat in Solids. second edition. Gulf Professional Publishing. and Jaeger. 1999.: Previsão de Comportamento de Reservatórios de Petróleo-Métodos Analíticos.: "Introdução a Simulação de Reservatórios". and Ghalambor. M e Whiting. A... 2001. Equações matriciais. Chakrabarti.. Modelos matemáticos para o cálculo de influxo de água.. Ertekin.. Barclay. Gulf Profess. Lyons. Método implícito. Thomas G.K.R. S. J. 1994. CRC Press Inc.R. 606p. SPE. 1988. . 1986. SPE textbook Series Vol.W. Soares. and Petroleum Engineers.: "Introdução a Engenharia de Reservatórios".: "Petroleum Reservoir Engineering Physical Properties". F. M. Metallurgical. 1971.: Principles of Applied Reservoir Simulation.Morooka.. Relative Permeability of Petroleum Reservoirs. 610p. 1967. Bass Jr. 443p. J. H.).M. 5. R. 1977. 763p. Mark Cook e Mark Graham. Tulsa. Bibliografia: John. 2001. Inc.. D.. H. J.K. et al: Basic Applied Reservoir Simulation. Elsevier.. New York. V. Aziz. Capítulos 3. T. Ajustamento de histórico. G. & Graham. Declínio de produção. J.: "Hydrocarbon Exploration and Production". Elsevier Scientific Publishing Company Inc. Hydrodynamics of Offshore Structures. R.. Elsevier. 443p. Dake..D. 9. (Cap. J. 1980. e Settari. Bacon M.8. Aziz. K. K.E. Calvin e Dalton.R.FEM Bibliografia: Fundamental of Petroleum.A Simulation Approach.. 1979. 36 -GRADUAÇÃO . J.: Principles of Applied Reservoir Simulation.. American Elsevier Publishing Company Inc. L. 1990. eds. PP301 Engenharia de Reservatórios I T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Modelos matemáticos para o escoamento de fluidos em meios porosos. Bear. McQuillin. 1978. Estudo de comportamento de poços fraturados e sistemas de dupla porosidade. Sedimentology and Petroleum Geology.. Métodos geoestatísticos e estimativa de reserva. T.: Modern Reservoir Simulation . J. Newendorp. A.C....W. J. Graham & Trotman. 62. e Carvalho..H. New York.1982. . 2002. Faltinsen. Boberg. PP290 Tópicos em Produção de Petróleo T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Modelo SEQ. 1986. Guilherme Pederneiras e Milani. e Settari.6. Ajustamento de históricos de produção/pressão.J. 1990. 1977. Franchi. Modelos composicionais. T.. SPE Textbook Series Vol. A. 1994.J. e Settari. O. Peaceman. Edison Jose (coords. Mike Carlson: Practical Reservoir Simulation. 1998.K. equações matriciais. "Dynamic of Fluid in Porus Media". Capítulo 10. 1999. Crichlow.W. D. Elsevier Scientific Publishing Company Inc. New York. Crichlow.: Notes for Reservoir Simulation. The University of Texas at Austin). & Carvalho. 1977. Teste de injeção em poços.: "Previsão de Comportamento de Reservatórios de Petróleo Métodos Analíticos". Petroleum Reservoir Engineering Physical Properties. 6. Amyx.. B. Pseudo funções. W.. Análise de testes em poços de gás. Mattax. 2007. and Russell. PP310 Análise de Testes de Poços T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Introdução à análise de testes.: Fundamentals of Numerical Reservoir Simulation. AAPG Memoir.. 763p.. Fundamentals of Well-Log Interpretation.. 2002. Edited by Mildred Gerding. PP330 Estudo de Campo de Petróleo T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Estudo integrado de campo de petróleo utilizando dados de geologia e engenharia. A. M. VII. Modern Reservoir Simulation . Amyx. Tankard.: Principles of Hidrocarbon Reservoir Simulation.. Dynamic of Fluid in Porous Media.A Simulation Approach. 7. Bass Jr. Publ. Bibliografia: Schiozer. 1977. Aziz. J. D.. Sea Loads on Ships and Offshore Structures. Capítulos I.. 1991. A. Suárez Soruco and Welsink. F. Capítulo 3. et al: Basic Applied Reservoir Simulation. 2000. 384 p.: "Fundamentals of reservoir engineering". Thakur G. 1960.

Houston. Sísmica 3D. com deriva. L. Applied Probability and Statistics. Coeficiente de atrito no escoamento turbulento. 2. Estimativas de recursos "in-situ". Interciência. Flutuação.J. intervenção de poços. Millheim. Texas (1986). 1998.K. 1-Principals. Edition. Rochas reservatórios siliciclásticas e carbonáticas. seleção de materiais. Eletrofácies. Perfuração em águas profundas e posicionamento de sondas. Aadnoy. 3. análise de tensões e deformações em colunas e revestimentos de produção. Petroleum Extension Service. Modelos e programas de interpretação. Whorlow. M.. Imaging the Earth's Interior. PP520 Perfilagem T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Perfis elétricos. R. Simulação não-condicional. Poços delgados. PP410 Perfuração Avançada T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Flambagem de tubos verticais em meio fluido. Richardson. Modern well design. Bibliografia: Schlumberger Log Interpretation.. estruturas imbricadas. Definições de viscosidade e de números de Reynolds generalizados. N. Petroleum Extension Service. v. Velocidade de transição. J. Alguns aspectos práticos de perfuração direcional. Exemplos do uso da sísmica na delimitação de acumulações de hidrocarbonetos.2.. K. Tensões nas vizinhanças de poços. Rochas geradoras e reservatórios. "An introduction to geostatistical methods of mineral evaluation". SPE Textbook Series. Wiley Series in Probability and Statistics. Velocidade de assentamento de cascalho. W.E. Processamento e interpretação de dados sísmicos. Workover. Sísmicas multicomponentes. Academic Press. Aplicações à engenharia de reservatórios de petróleo. Gulf Publishing Company. (1996).. Cambridge University Press. PP420 Mecânica das Rochas T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Tensões e deformações. J. R.R... Estudos de Cut-Off com dados de perfis e de testemunhos. ordinária. Discussão sobre "a" . Séries temporais. and F.- PP390 Tópicos em Engenharia de Reservatórios T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria.. M.S. The University of Texas at Austin. J. D.N.. Surgimento de pressões. Aplicações Geológicas dos perfis elétricos.S.D. Telford. and E. introdução a incrustação e hidratos. GOOVAERTS. 4. Wiley & Sons 2nd. and O. Condições não estáticas no poço. Third Edition. Aspectos práticos.E. 37 . Avaliação geológica de perfis.H. Bibliografia: Bourgoyne.Y. 1987. STOYAN. Bibliografia: Aki.E. GSLIB: Geoestatistical Software Library and User's Guide.: Rheological Techniques.). Métodos de exploração. JOURNEL. 360 pp. Bombas de lama e sistemas de circulação.. Bird. Interpretação quantitativa da presença de hidrocarbonetos através de perfis. Análise variográfica: modelos de anisotropia. Oklahoma. Modelo linear multivariado e cokrigagem. Chenevert. Chiles. John Wiley & Sons. annealing). Determinação da resistividade da água de formação (Rw). PP490 Tópicos em Engenharia de Poços T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. Notas de Aula. (1999) Geoestatistics: Modeling Spatial Uncertainty.W. PP521 Geofísica de Reservatórios I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: A geofísica na exploração de hidrocarbonetos. Otimização da perfuração com brocas rotativas. 1985. Introdução aos modelos estocásticos. Adams. 1986. B. cross plots e z-plots na interpretação de perfis.V. e condicional (Turning bands. Hassager: Dynamics of Polymeric Liquids. Bacias sedimentares brasileiras. W. Machado. (1978) Ch.B. Bibliografia: Bellarby. Blackwell. Queda de pressão no escoamento laminar de fluidos não-Newtonianos. A. Métodos para determinação de índices qualitativos de permeabilidade. Ellis Horwood. Young. Elsevier.G. 1980. & Sheriff. Bibliografia: Rendu. C. 1997. Log Interpretation Charts. John Wiley & Sons. Schlumberger Ltd. Revisão dos Perfis. Mining Geoestatistics. Controle de "Kicks". Well Completion Design. Geldart L.. Rochas selantes. London. 1960. O modelo convolucional. vol. & Mecke.. Pressões hidrostáticas em coluna de fluidos. 2009. Bibliografia: Cook & Jaegger. Liner.. A. Mecanismo de fissuras e fraturas. Introdução. ed. PP401 Reologia e Hidráulica de Perfuração T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Fundamentos da análise de escoamentos. Volume 56. Norman. 1985. Uso de histogramas. perfis radioativos e perfis acústicos na avaliação dos reservatórios de petróleo.B. Introdução ao dimensionamento de revestimentos. FEM PP501 Geologia do Petróleo I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Introdução à geologia de petróleo. desempenho de colunas de produção. Quantitative Seismology: Theory and Methods. Drilling and Production.G. Medidas reológicas e interpretação de dados. K. Milheim. Perfuração direcional. Applied Drilling Engineering. J. Krigagem simples. Novas ferramentas e técnicas de processamento. Petroleum Well Construction. P. A Primer of Oilwell Service. W. F.T. Claerbout. 1999.E. Bibliografia: Nichols. Aplicações a fluidos de perfuração e a pastas de cimentação. J. PP511 Geoestatística I T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Variografia. Deutsch.. 1962.L. Vols I and II. Estudo de tensões no subsolo. L. 1972. Condutos de seção circular e condutos de seção anular.. & Delfiner P. A complete well planning approach. 2nd. K. 2002. R. KENDALL W.S. Chenevert. Determinação de porosidade. Modelos geofísicos e geológicos.V. Imagem tomográfica. 1997. Mildred Gerding (ed. Saturação de água. C.C. Watters. 2nd edition. Exploration Seismology. Stewart.Y. Krigagem. Lightfoot: Transport Phenomena. S. Drilling Engineering. G.. PP450 Completação de Poços de Petróleo T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Canhoneio.C. controle de areia. Estruturas sedimentares. Notas de Aula..G. Texas. Artigos. 238p.D. Geofísica de reservatórios. N. Oxford University Press. Projeto de poços verticais. J. Oxford University Press. Johannesburg: Inst. Bird. "m" e "n" .P.T. USA. B. 2nd Edition. Kate Van Dyke. M. Prentice Hall. Tulsa. R. and E.P. 1998. P. Craft. Teoria da elasticidade. Propriedades mecânicas e comportamento das rochas.: Reologia e Escoamento de Fluidos.. Graves: Well Design. efeito de pepita e modelagem global de variogramas. Sistemas deposicionais terrígenos e carbonáticos. Goodman. Schlumberger. (1997) Geoestatistics for Natural Resources Evaluation. M.P. & Richards. John Wiley & Sons. Trapas estruturais e estratigráficas. Sheriff.C. equipamentos de completação. Indicadores de argilosidade. Bibliografia: 1. Aplicações Estatísticas. R. 5. Bibliografia: Bourgoyne. PennWell Publishing Company. Young: Applied Drilling Engineering. N. Tulsa. Black Well Science Ltda. 1981. 1992. Armstrong. 1986. Elements of 3-D Seismology. Schlumberger Ltd. Division of Continuing Education.M.T.. Modelos de comportamento reológico. of Mining and Metallurgy.F. A.E. sequencial indicador. and Completion.. Economides. Petrogeofísica.S. Pennwell Pub. Reservatórios portadores de água doce. Revisão dos conceitos básicos de avaliação. & HUIJBREGTS. fraturamento hidráulico. Journel. Holden. (1995) Stochastic geometry and its applications. & Geldart. R. 502p. Freeman and Company. A. Fundamentals of Petroleum. Inversão VSP.J.. 1986. predição e controle de temperatura. 1995. Detecção de zonas de pressão anormal em poços. W. SPE Textbook Series. PP512 Geoestatística II T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Modelagem estocástica de fenômenos geológicos. Sedimentolgy and Stratigraphy. Efeito da argila e do HC nos perfis de porosidade.

350p. Adelman. Komedi. 17 e 18) Sachs. YERGIN. Economics of Worldwide Petroleum Production..J. IEE-USP. McGraw Hill. Otimalidade em programação não linear. produção e consumo.Wiley & Sons. Nepomuceno. Mass: The MIT Press. 479p. P. Campinas. On Borrowed Time Assessing the Threat of Mineral Depletion. Quantitative Seismology. M. Rocha. Natural Resource Abundance and Economic Growth. migração e inversão. . Casarotto Filho.. Bibliografia: Bleistein. v. J. Economic Evaluation and Investment Decision Methods. S. M. 668p. processamento sísmico. 2001.B. migração e demigração. J. (org. M. 734p. Pacific Grove. 1996. custos. and Stockwell. PP590 Tópicos em Geoengenharia de Reservatórios T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. análise de séries temporais. financiamento da indústria. Academic Press. Martins. Dias. Ikelle & Amundsen. PP525 Propagação de Ondas Sísmicas T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Equações da onda em meios acústicos e elásticos. 1989. R. Mathematical Geology). representações integrais. Resources for the Future. 8th ed. Corporate Risk Tolerance and Capital Allocation: A pratical approach to setting and implementing an exploration risk policy. tempos de trânsito e amplitudes.R. 1987. Introduction to Statistical Decision Theory. Convexidade e dualidade. Pratt. R. N. PP524 Métodos Computacionais de Otimização T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Sistemas não lineares e minimização sem restrições.. J. Atlas.Y. "Practical Methods of Optimization''. Society of Exploration Geophysicists. PP974 Estudos Dirigidos I T:0 E:0 L:30 S:0 C:2 P:3 Ementa: Estudos individuais sob orientação de um docente.. representações de Born e Kirchhoff: problemas diretos e inversos. R. Petroleum Economics.J. Bibliografia: Fletcher. J. Jaffe. N. 1995.W... migração. J. Tulsa: OGCI Publications.. Theory of Seismic Imaging. 1975. Suslick. 1976. N.. 1998. Samizdata Press. & Turner. exploração. Dixit.. 1994. R. Cambridge. Seismic Data Analysis. Discrete-time signal processing. S. J. teorema da amostragem. 2001 .J. L.n. Mass. 1. Managing technological and financial uncertainty: a decision science approach for strategic.L. Métodos de avaliação econômica de projetos. 884p. filtros. Trigeorgis. 16. Baltimore.. exemplos e aplicações.2015 Bibliografia: Adelman. 1993. V. J. National Bureau of Economic Research. Métodos para minimização com restrições. Hotelling e teoria do portfólio. Cambridge. PP527 Teoria da Inversão Sísmica T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Problemas unidimensionais.. Gruber. exemplos e aplicações. Westerfield. PP526 Teoria do Imageamento Sísmico T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Método das reflexões sísmicas. Real Options ? Managerial Flexibility and Strategy in Resource Allocation. Investigations in Geophysics series n. PP690 Tópicos em Economia do Petróleo T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. E. métodos CMP e CRS. Assoc.T.C. 1999. 1997. Seba. M. K. sob aprovação da coordenação do curso. transformadas de Fourier.. M. W. transformações de imagens. UFOP.B. modelamento sísmico. 1990. SEG. ondas planas.H. História da energia e geopolítica do petróleo. função delta de Dirac. 1996. F.. The Economics of Petroleum Supply. Para cada proposta de estudos haverá ementa própria. Fundamentals of Geophysical Data Processing.J. PP522 Processamento Sísmico T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Deconvolução. "Introduction to Petroleum Seismology".L. Myers. 160p. B.M. 1994. teoria dos raios. 1987 Scales. J.. meios não homogêneos. Natural Resources Research (Int. F. Economia Industrial. Ouro Preto. Technip. Workshop on Real Option. and Schaffer. Working paper series. M. Newdorp. 1980. Atlas. Mathematics of Multidimensional Seismic Inversion. Mass: The MIT Press. Cálculo financeiro aplicado à avaliação econômica de projetos. Raiffa. amplitudes verdadeiras. R. K. Cambridge.Aki. refino. 1991. The Genie out of the Bottle: World oil since 1970.A. october 2002.A. exemplos e aplicações. Elementos de economia do petróleo .1999. Pyndyck. Inversion and Interpretation of Seismic Data" SEG. O. 427p. 468p. S.. D..M. Walls. 1994.. 1990. tributação e teoria da renda. 2005. PP610 Economia do Petróleo T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Conceitos básicos da economia da energia e da teoria econômica aplicados à regulação do setor energético e do petróleo. Golden.A. Oppenheimer. 6. 5560p. Investment under Uncertainty. 525p. F. Brealey. Administração Financeira. 1984 .. P. Theory and Methods. and Richards.. Bibliografia: Clemen.K. G. Vol. 1987. Cohen. Stavanger. PP620 Avaliação Econômica e Financeira no Setor Petrolífero T:45 E:0 L:0 S:0 C:3 P:3 Ementa: Fluxo de caixa de um projeto de petróleo. Seismic Data Processing. K. A.S. valor do petróleo bruto. 1998 Masseron.. Haguel. New York: Tochstone. Tilton. S. 10. NBER Working Paper 5398. R. 1993. J. Rio de Janeiro: CETEM (Série Estudos e Documentos). PP523 Tratamentos de Sinais Digitais T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Sinais contínuos e discretos. Decision Analysis for Petroleum Exploration. Política e administração da exploração e Produção de Petróleo. Yilmaz. convolução e deconvolução. análise de velocidades. comércio internacional. W.M.R.) Regulação em Petróleo e Gás Natural. Análise de Investimentos. R.. MA. 38 -GRADUAÇÃO . Métodos numéricos. Making Hard Decisions. Ed. Suslick. Wiley. Modern Portfolio Theory and Investment Analysis. 1993.234p.FEM Applied Geophysics Cambridge University Press. 1990. 47p. New Jersey: Princeton University Press.. Análise de risco e de tomada de decisão em investimentos na indústria do petróleo. Stermole. Bibliografia: Yilmaz. Rio de Janeiro: Campus. reflexão e transmissão em interfaces.. MIT Press.A. H.A. Ed. Dissertação de Mestrado. A. 1998. Freeman. 1996. Bibliografia: Yilmaz. Legislação e regulamentação. D. drilling.G. & Stermole. John Hopkins University Press. Samizdata Press.T. 1985.. Petroleum Concessions with Extendible Options: Investiment Timing and Value Using Mean Reversion and Jump Processes for Oil Prices.. O. Duxbury Press. 2nd ed. 161p. Ross. MIT Press. ondas esféricas. 1998.sistema industrial. Economics of Natural Resources and the Environment. Zamith.. N.D. Introdução à Engenharia Econômica. 1998. Prentice Hall. Kopitke.R. Colorado: Investment Evaluations Corporation.W. A indústria Para-Petroleira Nacional e o seu Papel na Competitividade do Diamante Petroleiro Brasileiro. R. Money & Power. R.W.Schlaifer. Norway. 3.A. 1995. (cap. 664p.2. J.. Técnicas avançadas de avaliação de ativos de petróleo: option-price.. R. 519p. 2001. The Prize: The Epic Quest for Oil.E.. Walls. Bibliografia: Claerbout. Mathematical Methods of Wave Phenomena. Principles of corporate finance: New York. 874p. Colorado School of Mines. "Seismic Data Analysis: Processing. SEG. McGraw-Hill. Ed. PP528 Tópicos em Geofísica de Reservatórios T:60 E:0 L:0 S:0 C:4 P:3 Ementa: Em cada período haverá ementa própria. M.D. recursos e reservas. O. 199.1. Pearce. Vols I and II.K. Mannarino. 4ed. mercados. Bibliografia: Bleistein. Elton.

39 .- PP975 Estudos Dirigidos II T:0 E:0 L:45 S:0 C:3 P:3 Ementa: Estudos individuais sob orientação de um docente. sob aprovação da coordenação do curso. FEM PP976 Estudos Dirigidos III T:0 E:0 L:45 S:0 C:3 P:3 Ementa: Estudos individuais sob orientação de um docente. Para cada proposta de estudos haverá ementa própria. Para cada proposta de estudos haverá ementa própria. sob aprovação da coordenação do curso.

Unicamp Composição Diretoria Acadêmica: Antonio Faggiani .Instituto de Artes .Diretor Acadêmico Nilza Amasília Antonio Colaboração Prof. Dr. Gardezani .Unicamp. G.CÓLOFON Responsabilidade Pró-Reitoria de Pós-Graduação Projeto Prof. .Rádio e TV Unicamp Impressão Sub-Área de Serviços Gráficos . Nelson de Castro Machado Capa Luciane R. Carlos Roberto Fernandes .