You are on page 1of 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ — UFPI

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS — CCHL
COORDENAÇÃO DE CIÊNCIA POLÍTICA — CCP
DISCIPLINA: PENSAMENTO SOCIAL E POLÍTICO DO BRASIL II (2015/2)
CARGA HORÁRIA: 60hs
PROF.: RANIERI RIBAS
PENSAMENTO SOCIAL E POLÍTICO DO BRASIL II (2015/2)
I.EMENTÁRIO
Relação entre Estado e Sociedade no Brasil. Formação social brasileira conforme
Gilberto Freyre. As raízes do Brasil por Sérgio Buarque de Holanda. Os conflitos
sociais na gênese nacional. Caio Prado Junior e o processo de formação econômica
do Brasil. A dicotomia público-privado no Brasil. Coronelismo e clientelismo por
Victor Nunes Leal. O estamento burocrático nas origens nacionais e a sua
contemporaneidade. A formação do patronato político brasileiro em Raymundo
Faoro. Nacionalismo e desenvolvimento na Escola Superior de Guerra (ISEB) e na
Escolha Superior de Guerra (ESG). Revolução e burguesia no Brasil para Florestan
Fernandes.
II. OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL — Oferecer uma visão panorâmica do cânone do pensamento
social e político brasileiro desde o pensamento “autoritário” nos anos 1930 e 1940
até os dias atuais.
OBJETIVO ESPECÍFICO — Ler os textos do cânone do pensamento social e político
brasileiro; distinguir os períodos de debate, reflexão e interpretação do Brasil
conforme algumas proposições cronológicas — período monárquico ou Brasil
Império, geração 1870, período republicano, hegemonia positivista, pensamento
autoritário e advento do discurso cientificista uspiano. Ler as principais obras dos
intérpretes do Brasil. Enfatizar as distinções entre os programas políticos do
exército (Barão de Rio Branco e tenentismo), Igreja Católica e dos partidos
políticos (Liberal, Comunista, Republicano e Conservador). Mapear o debate entre
iberistas e americanistas no Brasil.
III. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE I (15hs)
A Geração de 1870 e a invenção republicana:
i)
ii)

O movimento das ideias e o republicanismo da geração de 1870;
Joaquim Nabuco

(há uma primeira edição. C. Oliveira. 1996. Ruy. Joaquim. 1975. 2 v. Disponível http://www. 1933. São Paulo: Ed.pdf em: UNIDADE II (25hs) O Pensamento autoritário dos anos 1930-1945: i) ii) iii) iv) v) vi) vii) viii) ix) x) Oliveira Vianna Azevedo Amaral Martins de Almeida Francisco Campos Alberto Torres Nestor Duarte Alcindo Sodré Borges de Medeiros Agamenon Magalhães Monte Arrais VIANNA. porém. 1939. Rio de Janeiro: IUPERJ. A Província: estudo sobre a descentralização no Brasil.br/download/texto/bn000096.dominiopublico. BASTOS. São Paulo: Vértice. NABUCO. 1921. 1988. Editora Revistas dos Tribunais. Rio de Janeiro: Cartilho. Joaquim.senado. . A Geração de 1870 na crise do BrasilImpério. Angela. Várias edições. ________.dominiopublico. Cartas de Inglaterra. Nacional. Tavares. LESSA. Disponível http://www. A invenção Republicana: Campos Sales. O Idealismo da Constituição. Rio de Janeiro: LEUVINGER. 2ª Edição. Renato. Rio de Janeiro. as bases e a decadência da Primeira República brasileira. Várias edições. Várias edições. Ideias em Movimento. A. Rio de Janeiro. Um Estadista do Império. Queda do Império. Joaquim. Companhia Editora Nacional. resumida) MAGALHÃES. Minha Formação.br/download/texto/bv000127.gov.pdf em: NABUCO. 2002. 3ª ed.gov. O abolicionismo. Paz e Terra. Disponível em: http://www.org/stream/aprovinciaestud00bastgoog#page/n8/mode/2u p BARBOSA. Agamenon. O Estado e a realidade contemporânea.archive.iii) Campos Sales e a decadência da república ALONSO.gov. Disponível em: http://www2.br/bdsf/item/id/179441 NABUCO.

Olympio. 1938. Impr.br/bdsf/bitstream/handle/id/198714/000901836. 1993 (1933) LYNCH. Jarbas. Senado Federal. Instituições Políticas Brasileiras. CAMPOS. Coronelismo.senado. Menotti del. 1993. Enxada e Voto. No. José Olympio. LEAL. VIANNA. O Poder Moderador na República Presidencial. E.br/publicacoes/conselho/asp/pdfS. Brasília: Senado Federal. Problemas de organização e problemas de direção: o povo e o governo. Ideologia Autoritária no Brasil: 1930-1945. 1933. A Gênese da Desordem. BASTOS.pdf AMARAL. 1938. . Oliveira. 47 n. “O Poder Moderador na Constituição de 1824 e no anteprojeto Borges de Medeiros de 1933 Um estudo de direito comparado”. Alcindo. Brasília a. Rio de Janeiro.wordpress. Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. O Estado autoritário e a realidade nacional. Nacional. Q.gov. Disponível em: http://www. Campinas: Ed. 2. http://www2. Disponível em.asp?COD_PUBLICACA O=53 A REVOLUÇÃO DE 30: seminário realizado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas. Estado Novo e suas diretrizes: estudos políticos e constitucionais. 188 out.senado. Os problemas do Brasil e as grandes soluções do novo regime. Conselho Editorial. Soluções nacionais. VIANNA./dez. & MORAES. José Olympio. Oliveira. VIANNA. Populações meridionais do Brasil. Christian Edward Cyril.leg. R. Borges. (2006) Liberalismo e Sindicato no Brasil. 1978. (orgs. Schmidt.files. (1999). Oliveira. Brasília. SODRÉ. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas. J.UFMG. 1935. 1952. Editora UNB. Azevedo.pdf?s equence=1 MONTE. 1980. Várias edições. Francisco. Vitor Nunes. J. VIANNA. Belo Horizonte. Luiz Werneck. Arrais O. O pensamento de Oliveira Vianna. Unicamp. 2005. PICCHIA. Rio de Janeiro. http://welcometorel. 1981. Brasília.com/2008/08/coronelismo-enxada-evoto. MEDEIROS. 2010.MEDEIROS. Ed. Brasília: UnB.).

2004. O Estado nacional. de: Raízes do Brasil. V. UNIDADE III (20hs) Os Intérpretes do Brasil (1933-2015): i) ii) iii) iv) v) vi) vii) viii) ix) Sérgio Buarque de Hollanda Gilberto Freyre Caio Prado Junior José Oswaldo Meira Penna João Camilo de Oliveira Torres Raymundo Faoro Celso Furtado Mário Vieira de Mello Jessé Souza FAORO. A Democracia Coroada. São Paulo: Brasiliense. 1994. G. Porto Alegre: Globo. Formação econômica do Brasil. N. 1964. sua estrutura. 1966. São Paulo: Global. Conselho Editorial. ________: Ordem e progresso. B. São Paulo: Companhia das Letras. Companhia editora nacional. LEAL. Nestor. Rio de Janeiro: Record. Vozes. Globo: 2006. São Paulo: Alfa-Omega. Brasiliana. Brasília: Senado Federal. PRADO JUNIOR. . C. enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio. A teoria política do império do Brasil. vol. seu conteúdo ideológico. 1993. 2ªEdição. F. ________: Sobrados e mucambos. A organização Nacional. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. TORRES. 2007. São Paulo: Global. 1977. HOLANDA. João Camilo de Oliveira. 2004. FURTADO. FREYRE. Coronelismo. DUARTE. FERNANDES. A ordem privada e a organização política nacional: contribuição à sociologia política brasileira. Nacional. 2001. A Revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Francisco. Petrópolis. S. C.CAMPOS. Alberto. R. São Paulo. TORRES. 1 e 2. 1984. A revolução brasileira. Casa-grande & senzala. São Paulo: Ed. 2000. 1978.

Fundação Alexandre de Gusmão. C. V de. A república inacabada. Tomo II: o Brasil monárquico: difusão e unidade. . 2012.html Disponível em PÉCAUT.org/eLibris/pauloprado. Os Batalhadores Brasileiros. 1974. 2000. (2001). 3ªEdição.pdf BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR HOLANDA. MEIRA PENNA. Entre o povo e a nação. SOUZA. 2009. Província e Nação: Paulística Retrato do Brasil.br/mom/arq_interface/1a_aula/A_rale_brasileira. Os intelectuais e a política no Brasil. Volume 3. SOUZA. Luiz Werneck. Paulo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. O Pensamento Católico no Brasil. Daniel. M. Editora UFMG. Ralé Brasileira. ________.ebooksbrasil. Editora Revan. http://www. Nova Classe Média ou nova classe trabalhadora. Jessé. Jessé. R. Alfredo. VILLAÇA. 1972. O Problema do Estetismo no Brasil. Brasília. Rio de Janeiro: Conselho Estadual de Cultura. São Paulo: T. 5.mom.O. Rio de Janeiro.ufmg. Paulo. A. Berço Esplêndido. Instituto Nacional do Livro. ed. História da Inteligência brasileira.arq. 1993. MARTINS. 2012. Antonio Carlos. 2006. FAORO. Humanitas/Editora UFMG. Wilson. Várias edições. BOSI. Retrato do Brasil. Jessé. SOUZA. Formação do Brasil contemporâneo. Desenvolvimento e Cultura. Sérgio Buarque de. Os Batalhadores Brasileiros. 1990. 2007. 1997. São Paulo: Ática.PRADO JUNIOR. Evolução política do Brasil: colônia e império. 2009. São Paulo: Brasiliense. A Revolução Passiva: Iberismo e americanismo no Brasil. PRADO. Quem é e como vive. Nova Classe Média ou nova classe trabalhadora. http://www. São Paulo: DIFUSAO EUROPEIA DO LIVRO. vol. Queiroz. Ensaios de Psicologia Coletiva Brasileira. Colônia/São Paulo: Brasiliense/Publifolha. São Paulo: Globo. 2ª ed. Organização e prefácio de Fábio Konder Comparato. MELLO. VIANNA. 2007. PRADO. História geral da civilização brasileira. J. Companhia das Letras. Dialética da Colonização. Humanitas/Editora UFMG. II.

Dossiê "Pensamento Social Brasileiro".php?script=sci_issuetoc&pid=0102644520110001&lng=pt&nrm=iso SANTOS. UFMG/ Casa Oswaldo Cruz. PINTO. O espetáculo das raças.40.php?pid=S001152581997000200003&script=sci_arttext SCHWARCZ. Ricardo. As Barbas do Imperador. O Outro Ocidente. Clientelismo: Uma Discussão Conceitual". Álvaro Vieira. 1990. "Mandonismo. Revista Presença. Roteiro Bibliográfico do Pensamento Político-Social Brasileiro (1870-1965). 1988. Lilia Moritz. O Espelho de Próspero. Um monarca nos trópicos. Companhia das Letras. Coronelismo.G. Wanderley Guilherme dos. (2002). MORSE. Rio de Janeiro. (1988). São Paulo. n. MERQUIOR. Richard. J. Ed. Companhia das Letras. Consciência e Realidade Nacional. 1997.2. Rio de Janeiro: ISEB.br/scielo. 2vols. Rio de Janeiro : Ipea/Inpes.15. D. Disponível em: http://www. Revista Lua Nova. Revista Dados. (2005). Vol. São Paulo. 19).BIELSCHOWSKY. . N. (Série PNPE. CARVALHO. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. n.scielo. SCHWARCZ.br/scielo. São Paulo. Companhia das Letras. José Murilo de. 1960. Lilia Moritz.scielo. Disponível em: http://www.Pedro II. (2005).