PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA SEGUNDA VARA FEDERAL

Processo n. 2007.82.00.6496-1 Ação penal pública Autor: MPF Réu: JUBERLÂNDIA FARIAS DA SILVA

SENTENÇA1

DIREITO PENAL. ESTELIONATO CONTRA O INSS (CP, art. 171, §3º). Utilização de documentos falsos. Não configuração. Demonstrada na instrução a condição de agricultora da acusada, o documento que registre essa condição, por registrar a verdade, não pode ser considerado como ideologicamente falso. A comprovação do preenchimento dos requisitos para o benefício previdenciário requerido (salário maternidade) exclui (a) a incidência em erro por parte do INSS, (b) o proveito ilícito por parte do agente e (c) o prejuízo da suposta vítima. Provada a inexistência do fato criminoso. Julgamento de improcedência da pretensão punitiva. Absolvição.

RELATÓRIO

Tratam os presentes autos de AÇÃO PENAL PÚBLICA promovida pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra JUBERLÂNDIA FARIAS DA SILVA, já devidamente qualificada, dando-a a peça denunciativa como incursa no art. 171, §3º, do Código Penal brasileiro.

Consta da denúncia (f. 03-6) que a acusada teria induzido em erro o INSS para obter vantagem ilícita consistente no pagamento das parcelas de salário-maternidade, utilizando documentação inidônea à comprovação do período de carência e mesmo documentos falsos (documento original do PSF e ficha individual de aluno), fato ocorrido (ao

1

Sentença tipo D, cf. Res. CJF n. 535/2006.
ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA SEGUNDA VARA FEDERAL

Página 2 de 5

que parece, pois a denúncia não diz) em maio/2002 (cf. f. 23 e 28 do inquérito). O MPF indicou uma testemunha para inquirição em juízo.

Denúncia recebida em 20/11/1998 (f. 09).

A acusada apresentou resposta (f. 26-9) através da defensoria pública do Estado da Paraíba, alegando inépcia da petição inicial (sem trazer, contudo, fundamento para isso) e sustentando, quanto ao mérito, a veracidade de todas as alegações da acusada por ocasião do pedido do benefício previdenciário. Nessa peça, a defesa da acusada procura descrever com minúcia a situação da denunciada, salientando a atividade na agricultura praticada por si e por seus pais, bem como a residência em localidade limítrofe com a zona rural, de modo que não seria admissível falar na apresentação de documentação inautêntica pela ré. Não indicou testemunhas. Apresentou documentos (f. 313).

Oitiva da testemunha Áurea Maria Gonzaga (f. 60).

Interrogatório da acusada (f. 78-82).

Em alegações finais:

a) O MPF sustentou ter sido comprovada a acusação constante da denúncia, requerendo o julgamento de procedência do pedido para condenar a acusada como incursa no art. 171, §3º, do Código Penal.

b) A acusada (f. 95-100) alegou ausência de provas para a condenação, salientando que procurou reunir a documentação para a obtenção do benefício junto à respectiva entidade de classe, agindo em plena boa-fé, bem como a natureza ínfima do prejuízo supostamente causado ao INSS, pedindo dessa forma sua absolvição.

Autos conclusos.

Brevemente relatados. DECIDO.

ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA SEGUNDA VARA FEDERAL

Página 3 de 5

FUNDAMENTAÇÃO

O MPF atribui à acusada a prática do crime de estelionato contra o INSS (CP, art. 171, §3º), conduta precisamente consistente em pedir e obter o benefício de salário maternidade (valor total de R$ 701,22) na condição de agricultora, supostamente se valendo de documentos falsos.

A acusada disse em seu interrogatório judicial que sempre trabalhou na agricultura, corroborando firmemente o teor de sua resposta prévia, quando afirmou que não apenas ela, mas também seus pais sempre trabalharam na agricultura. Sua postura na audiência é extremamente compatível com a condição de agricultora, tendo ela informado que seu companheiro também trabalha na agricultura. Mencionou os nomes dos lugares (apontados como “sítios”) em que trabalhou como agricultora, inclusive aquele em que trabalhava por ocasião de sua gravidez, bem como as culturas cujo plantio fazia.

Friso aqui que, à semelhança do que fazia quando atuava nos juizados especiais federais da Paraíba, realizei “inspeção judicial” no momento do interrogatório para averiguar se a acusada tinha calos compatíveis com o trabalho na agricultura, tendo esse evento ficado registrado na gravação. Como se pode observar, deixei registrado que a acusada realmente tinha mãos calejadas compatíveis com o trabalho na agricultura, não com a condição de estudante.

A única testemunha ouvida em juízo, indicada pelo MPF, a agente comunitária de saúde MARIA ÁUREA GONZAGA afirmou ter conhecimento de que a acusada JUBERLÂNDIA FARIAS DA SILVA sempre exerceu suas atividades profissionais na agricultura, conhecendo-a já há sete anos. Disse também que conhecia os familiares da ré, sabendo que todos eles viviam do trabalho desenvolvido na agricultura.

Em primeiro lugar, desconsidero completamente todos os argumentos trazidos pelo MPF para confrontar a idoneidade dos documentos (não reputados inautênticos) para a comprovação do período de carência. A apresentação de documentos que se considera úteis à causa é direito de qualquer pessoa, sobretudo na condição de agricultor em pleito perante o INSS. Assim, não interessa à presente lide pena saber se documentos produzidos posteriormente ao nascimento da criança seriam ou não
ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA SEGUNDA VARA FEDERAL

Página 4 de 5

admissíveis à demonstração da carência. Trata-se de matéria estranha ao objeto da presente lide penal.

Quanto à ficha do Programa Saúde na Família (PSF), documento apontado como falso (ideologicamente falso, é importante ressaltar) pelo MPF, vejo o seguinte: a falsidade ideológica se configura pelo fato de a informação constante do documento ser falsa, não a sua origem. Do apontado documento consta que a acusada e seus pais seriam agricultores, motivo pelo qual, na ótica do MPF, seria falso.

Contudo, o que vejo é justamente o contrário: a prova documental trazida pela acusada em sua defesa é contundentemente convincente no sentido de que seus pais são agricultores. A única testemunha ouvida no processo – indicada pelo próprio MPF – foi firme no sentido de que tanto a acusada quanto seus pais sempre trabalharam na agricultura. Se o documento original do PSF diz que a ré e seus pais são agricultores, não me parece que – segundo o harmônico conjunto probatório dos autos – seja ideologicamente falso.

A alegada falsidade ideológica, desse jeito, cai totalmente por terra, pois a informação constante do documento – repito, de acordo com o que fora provado nesses autos – é perfeitamente verdadeira. Já no que concerne ao outro documento supostamente falso – a ficha de aluno – penso que siga na mesma linha. Partindo-se do pressuposto de que a acusada é trabalhadora da agricultura e que utilizou o documento para comprovar essa condição perante o INSS a fim de obter um benefício a si devido justamente em função da condição de agricultora (os outros requisitos não foram questionados), pergunto: a) Onde estaria o “erro” em que teria incidido o INSS e que configuraria o estelionato, uma vez que a autora era realmente agricultora, como dizia o documento?

b) Se o benefício de salário maternidade era realmente devido à autora, onde estaria o proveito ilícito auferido pelo agente, e que configuraria o estelionato?

c) Finalmente, se era o INSS quem deveria legitimamente pagar dito benefício à acusada, onde estaria o prejuízo, também configurador do delito de estelionato?

ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA SEGUNDA VARA FEDERAL

Página 5 de 5

Essas questões me conduzem à conclusão de que crime algum houve nesse caso, tendo sido efetivamente demonstrada a partir da instrução processual penal a ausência do próprio fato criminoso alegado na denúncia. Tendo ficado provada a condição de agricultora da acusada, nem se pode afirmar que ela “enganou” o INSS, nem que auferiu proveito “indevido” e muito menos que causou “prejuízo” aos cofres públicos.

Em suma, não estão presentes as elementares do fato típico definido no art. 171, §3º, do Código Penal brasileiro, o que enseja, nos termos do art. 386, I, do Código de Processo Penal, o julgamento de improcedência do pedido com a absolvição da acusada.

DISPOSITIVO

Diante do exposto, com fundamento no art. 386, I, do Código de Processo Penal brasileiro, julgo improcedente a pretensão punitiva para absolver JUBERLÂNDIA FARIAS DA SILVA da acusação.

Custas ex lege.

Transitada em julgado a presente sentença, certifique-se, preencha-se e remeta-se o boletim individual da acusada ao IBGE, dê-se baixa da distribuição e arquivemse os autos.

Sentença publicada em mãos do diretor de secretaria da vara. Registre-se no sistema informatizado. Intimem-se a acusada e sua defensora pessoalmente. Cientifique-se o MPF.

João Pessoa, 05 de março de 2010.

Juiz federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da segunda vara

ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal