Manifesto Pró-Chapa 2 SINDPOL/MG – Avançando no Rumo Certo

SINDICATO DECENTE, DENÍLSON PRESIDENTE!

... todas essas lutas e conquistas são resultado de uma caminhada incansável de todos os Servidores da Polícia Civil, que todos os dias saem de casa para cumprir seu dever e também do trabalho e da capacidade extraordinária da atual direção do SINDPOL/MG em saber tencionar e negociar nos momentos

certos e agregar atores e parceiros importantes para a nossa causa, dentro e fora da polícia. Sem essas qualidades e articulações políticas e estratégicas de convencimentos e aglutinações da necessidade de MODERNIZAÇÃO e VALORIZAÇÃO de nossos operadores para o bem da sociedade no enfrentamento à violência e à criminalidade, nada disso seria possível. Nossa direção, que encerra mais uma etapa, têm e sempre teve um PROJETO sindical e institucional: MODERNIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO da instituição e dos servidores da POLÍCIA CIVIL. Consolidando para isso, uma ferramenta poderosa que estava adormecida, desacreditada e subutilizada: “O SINDPOL/ MG”. Nessa linha, ingressamos em 2003 com essa proposta, compusemos uma equipe eclética e bastante representativa, com lideranças de várias gerações de polícia dos anos 60, 70, 80 e 90, reunindo os valores contidos nessas safras e também num gesto de unidade, convidamos outros colegas da chapa que ficou em 3º lugar para compormos nesse grande projeto. Cada um com sua capacidade e seu dom especial. Herdamos uma instituição praticamente falida e inviabilizada, devendo mais de 1 milhão e arrecadando apenas 30 mil mensais, inclusive protestada em razão de altas dívidas, com salários atrasados, sem crédito no mercado e sem credibilidade jurídica, devendo aluguel, bancos, INSS etc. Com pouco mais de 1.000 filiados esperançosos por mudanças. Hoje, somos uma instituição respeitada, forte, combativa, influente e saneada. Temos mais de 3.500 filiados em toda Minas Gerais, estando organizados administrativamente de forma descentralizada em 3 regiões, encaminhando para a 4ª (Zona da Mata, Norte, Triângulo e Sul). Temos um patrimônio avaliado em mais de 1 milhão de entre uma sede própria de 3 andares e considerável mobiliário, acervo de equipamentos de informática; temos 26 funcionários/colaboradores regularizados e com todas as obrigações trabalhistas em dia, 7 advogados e 4 estagiários especializados na defesa dos interesses de nossos filiados e da Polícia Civil, nas áreas Administrativas, Penal, Família, Civil, Consumidor e Eleitoral, com mais de 1.500 ações ajuizadas, em tramitação e centenas concluídas com vitórias para nossos filiados ou seja, sendo considerado no meio sindical como um dos mais atuantes departamentos jurídicos com importantes ações vencidas. Temos hoje toda a situação administrativa SANEADA, AUDITADA, COM

BALANCETES MENSAIS DEVIDAMENTE PUBLICADOS À DISPOSIÇÃO DE

CADA

FILIADO

(EXATAMENTE

O

INVERSO

DE

COMO

A

ENCONTRAMOS.).

Das Relações intersindicais
O SINDPOL/ MG hoje tem reconhecimento e a VALORIZAÇÃO das instituições democráticas como o bastião e real DEFENSOR E

REPRESENTANTE dos interesses dos operadores da Polícia Civil sempre presente e atuante nos debates sobre temática da Segurança Pública e da criminalidade, bem como na promoção dos DIREITOS HUMANOS E DA CIDADANIA. - Na comunidade Sindical do estado e do país, o SINDPOL tem lugar de destaque na ótica do Sindicato – cidadão. Tendo uma participação marcante e decisiva junto à Coordenação Intersindical (da qual é membro efetivo executiva), o que em muito tem da

ajudado á influir na solução de assuntos

específicos da categoria Policial Civil, pois mantém aberto o canal de acesso e articulações junto ao governo e à sociedade civil. Isso melhorou sobre maneira a imagem do SINDPOL e da Polícia Civil junto ao conjunto do serviço público, bem como perante toda a sociedade (saímos do gueto, do ostracismo e do esquecimento governamental). A Polícia Civil voltou para a pauta positiva.

Da atuação firme diante das bandeiras e demandas históricas

A direção do SINDPOL/MG tendo a frente Antônio Marcos Pereira (Toninho Pipoco) e Denílson Martins, sempre exerceram uma defesa intransigente dos direitos e prerrogativas dos servidores da polícia civil (de administrativos à delegados) inclusive daqueles vitimados pela mão pesada da opressão e do abuso do poder, da autoridade e da hierarquia, além da defesa institucional da Polícia Civil. Seja diante do confronto, seja manifestando na rua no carro de som, queimando caixão, protestando (sempre com posicionamento coletivo), seja ajuizando ações, denunciando irregularidades, ou simplesmente se fazendo presente, sendo voz para o servidor (policial ou não, filiado ou não), ter sua

vez. O SINDPOL/ MG teve papel importante na defesa do servidor público em geral, quando da implantação impositiva e forçada do choque de gestão. No primeiro mandato do governo Aécio, lutando pela garantia dos direitos do servidor, mormente do policial civil, que tiveram benefícios e garantias históricos ameaçados como a paridade entre ativos e inativos. Lutamos muito também pela recomposição das perdas salariais e pelo reposicionamento dos servidores administrativos em geral (o que só agora se consolidou).

DELEGACIA NÃO É CADEIA

Lutamos ainda, pelo fim das carceragens desumanas e insalubres, colocadas nas costas da polícia civil há 200 anos (lançando o movimento DELEGACIA NÃO É CADEIA) denunciando e processando as péssimas condições de trabalho dos nossos policiais e o descumprimento da LEP o que aumentava o índice de reincidência criminal com os depósitos insalubres de presos, foco de doenças, rebeliões, fugas, mortes e outras injustiças em todo o estado. Podendo-se notar uma sensível melhora na capital e região metropolitana, carecendo, no entanto, de maiores avanços no interior. “Missão do policial civil é investigar e não custodiar e escoltar presos e quem prende não pode ressocializar”. Em 2004 após movimento unificado com Polícia Militar radicalizamos firme quando foi preciso e negociamos sério ,quando foi possível, conseguindo avanços históricos como o fim da carreira de carcereiro, a criação da carreira de agente de polícia (o que hoje deve-se avançar ainda mais com a carreira de investigador com terceiro grau) a promoção automática por tempo de serviço, para a base da Polícia Civil até a classe especial; a implantação da carga horária máxima de 40 horas semanais e a maior reposição de perdas salariais de todo serviço público (33%) face aos 6% oferecidos inicialmente (pela primeira vez no Estado Democrático de Direito, o exercito teve que ocupar as ruas mineiras para tentar fazer o papel dos policiais). Em 2006 lançamos o Movimento Mineiro pela Segurança Pública, denunciando as péssimas condições de trabalho do policial mineiro, os baixos salários e o risco de vida, demonstrando o alto índice de mortalidade de policiais mortos em serviço, no período de 2003 a 2006 (148 policiais civis,

militares, bombeiros e agentes penitenciários), onde também reivindicamos o adicional de periculosidade. O movimento obteve como resposta do governo mais investimentos em logística e o compromisso do governo de uma real VALORIZAÇÃO após o pleito em um novo mandato. PROMETENDO NOS PAGAR E ESTAR ENTRE AS 3 MELHORES REMUNERAÇÕES DO PAÍS. Em 2007, voltamos mais uma vez as ruas cobrando o compromisso e mais uma vez radicalizamos e pressionamos até onde foi possível e depois de 82 dias de greve, discutindo inclusive judicialmente, sendo imputada a multa de 100.000,00 (Cem mil reais) para cada dia de paralisação, obtivemos mais 33% e também a consolidação da aposentadoria Especial aos 30 anos (demanda antiga da corporação). Sempre tendo E em vista o projeto REAL maior DOS

MODERNIZAÇÃO

INSTITUCIONAL

VALORIZAÇÃO

OPERADORES os dirigentes do SINDPOL/ MG, no cumprimento de sua missão sempre se posicionaram no “atacado e no varejo” levando às instâncias de comando as demandas especificas para fazer justiça aos servidores perseguidos e injustiçados pelo sistema, sendo verdadeira diferença nas questões particulares de cada um, mudando a rotina histórica e bicentenária da nossa instituição quebrando paradigmas, (não foram poucas ás vezes que o Presidente Toninho e o Vice Denílson Martins, subiram as escadas da chefia para acompanhar colegas para corrigir injustiças) .

Casa de custódia do Policial Civil

O SINDPOL/MG, buscando resguardar a dignidade, os direitos e garantias dos policiais civis, que cumpriam medidas na CDADL, Ceresp e outros, os quais eram submetidos a toda sorte de ameaças de presos comuns e constrangimentos de seus familiares,também submetidos a busca pessoal aviltante, bem como á exposição a criminosos comuns; conquistamos a instalação da casa de Custódia em prédio próprio, na região central de Belo Horizonte, consolidando mais uma das grandes conquistas do SINDPOL/MG em parceria com o então ilustre Chefe de Polícia Dr. Otto Teixeira Filho.

Movimento reivindicatório de 2009 (SINDPOL e Sindepo)

Os anos de 2008 e 2009 foram marcados com a conclusão do acordo de 2007 (os últimos 10% da série de 33%) e com a reivindicação do 3º grau, subsídio, carreira jurídica, justiça para os servidores Administrativos e VALORIZAÇÃO remuneratória que contou com ampla mobilização estratégicas onde visitou-se lideranças expoentes da sociedade e do governo, bem como dirigentes de instituições importantes no arcabouço da Segurança Pública como Ministério Público, OAB, AMAGIS, etc., culminando por reunir com o vice-governador e seu secretariado de quem obtivemos o compromisso para pleitos da categoria. Ocorre que não obstante a crise financeira mundial que assolou o cenário econômico de Minas Gerais, tivemos mais uma vez que radicalizar com os movimentos de rua (desta vez somente a Polícia Civil), o que oportunizou esse movimento de acordo como acontece agora: onde parte de nossas demandas, estão sendo viabilizadas e atendidas podendo coroar de êxito “a carreira jurídica para delegados(Projeto já na Assembléia Legislativa de Minas Gerais)”, a VALORIZAÇÃO dos servidores administrativos

(reposicionados a partir de junho de 2010, com alguns casos com mais de 40% de reposição e 4 promoções), a VALORIZAÇÃO dos peritos e médicos legistas na Superintendência de Polícia Técnico Científica, com assento permanente no Conselho Superior, com direito a voz e voto, e o nosso tão sonhado 3º grau para escrivães e INVESTIGADOR,(vislumbrando uma maior VALORIZAÇÃO institucional num futuro próximo , aos moldes do que ocorreu na Policia Federal ), com aprovação já negociada com o governo. Tudo isso é fruto de incansável esforço e o exercício diário e de tensionamentos e da marcação de posições, muitas vezes intransigentes, outras mais flexíveis, mas sempre tendo em vista nosso projeto inaugural: MODERNIZAÇÃO, INSTITUCIONAL E VALORIZAÇÃO de nossos Recursos Humanos e da DEFESA INTRANSIGENTE DE NOSSAS PRERROGATIVAS INSTITUCIONAIS (Esse é o nosso projeto, nossa meta, nosso dever), a

quimera que vamos sempre perseguir. Nossa ferramenta é um sindicato moderno, saneado, seguro, transparente, independente e participativo, descentralizado, pro ativo e programático que anteceda às demandas, atuando na vanguarda destes novos tempos e dos desafios para a segurança e para a Polícia Civil, objetivando a excelência na prestação de segurança á sociedade mineira.

Nesses 7 anos com sua atuação eclética e estratificada, a direção do SINDPOL ajudou a humanizar, modernizar e universalizar a Polícia Civil que antes era e tinha uma estrutura feita apenas para delegados e hoje as demais classes tem garantidos e defendido seus direitos, tem tido voz e vez, não obstante, o longo caminho que ainda temos que percorrer. O DECRETO QUE DEMOCRATIZA E MODERNIZA A ESTRUTURA ORGANICA DA POLICIA CIVIL, que insere um perito e medico legista no conselho superior, alem de um inspetor geral e de um inspetor do corpo de escrivães é também uma luta e vitória dessa gestão do SINDPOL MG.

COMUNICAÇÃO SOCIAL
Essa gestão, apesar dos desafios do alto custo, tem se esforçado e priorizado a comunicação como um importante instrumento de integração articulação, e informação estratégica, para mobilização dos nossos operadores, potencializando e registrando ações sindicais, com a devida visibilidade. Como eventos, reuniões, manifestos, inspeções etc.tudo isso de forma atualizada, e em tempo real.

PROGRAMA SEGURANÇA E CIDADANIA

Outra ferramenta de comunicação que tornou-se um marco idealizado e apresentado por Denílson Martins, que é veiculado semanalmente. Aos sábados e as segundas ás 11:00 e pelo MULTICANAL 14 e pela NET 14 e ainda no site do SINDPOL/MG com mais de 10 mil acessos semanais. Bem como a parceria com o Jornal Grande Minas a mais de 60 mil exemplares em todo o estado, (furando assim, um pouco, o bloqueio da imprensa e da grande mídia, imposto pela política de “blindagem” de comunicação do atual governo Aécio). Pois, não basta só falarmos para nós mesmos, temos que nos comunicarmos com a sociedade e com o mundo, para sermos verdadeiramente valorizados e respeitados. Tudo isso, somado a uma presença marcante e ativa em várias emissoras de TV, rádio e jornais, abordando a temática da Segurança pública

do SINDPOL e da Polícia Civil dando sempre destaque ao objeto de nosso trabalho. NESSE PRÓXIMO MANDATO VAMOS APRIMORAR E OTIMIZAR AINDA MAIS ESSAS FERRAMENTAS.

DA TRANSPARÊNCIA E AUSTERIDADE NA GESTÃO
Somos um dos poucos sindicatos, dos milhares existentes no Brasil que publica na sua página na web, o balancete mensal do patrimônio e das finanças do sindicato submetendo a um amplo controle que em 7 anos saímos de um abismo financeiro e hoje, mesmo sem os recursos (de direito) do Imposto Sindical, alcançamos um equilíbrio e sustentabilidade, face a forma austera e transparente que a Diretoria Administrativa e Financeira, muito bem dirigida pelo expoente, legendário e competente José Maria Cachimbinho, destacando-se também o brilhante e diligente trabalho desenvolvido pelo Conselho Fiscal, que junto com o crescimento do sindicato, também evoluiu e adquiriu melhores condições para sua atuação. Finalmente, nenhuma dessas realizações e projetos seriam possíveis se primeiro não estivesse presente a benção de Deus na condução dos trabalhos e à frente do SINDPOL/MG, a garra, perseverança e abnegação do grande líder e leal, ANTÔNIO MARCOS PEREIRA (o grande técnico da equipe), que soube conduzir e inspirar com liberdade, compromisso e senso de responsabilidade e justiça, uma equipe eclética, porém, unida e sempre na busca do projeto inaugural, dirigente honesto, sério, leal e dedicado, apaixonado pela polícia, profissão que escolheu não só para trabalhar, mas para viver e por isso, luta tanto para contribuir para dias melhores para a sociedade, para a Polícia Civil e todos os seus operadores, Toninho pipoco e equipe concluem e agradecem por mais essa etapa considerável desse projeto, mas que ainda é preciso darmos seqüência e avançarmos para a consolidação e conclusão de um ciclo. Por tudo isso, nobre filiado, é que nesse momento conclamamos todos, mais uma vez a unirmos nossas forças, participando ativamente dessa eleição nos concedendo o seu importante voto agora com DENÍLSON MARTINS PRESIDENTE E CHAPA 2.

Metas para a nova gestão
Para o futuro temos ainda um longo caminho a percorrer, porém, bem mais suave que aquele encontrado no passado, avançando para um movimento nacional, iluminados pelas frestas de luzes da 1ª CONSEG, buscando reformas no modelo nacional apontando para uma

MODERNIZAÇÃO e VALORIZAÇÃO reais e permanentes. As bases para isso já foram iniciadas, haja vista que o crime não tem fronteiras, as policias, as estruturas são diferentes, mas o Código Penal e a legislação continuam os mesmos. É preciso nos integrarmos e discutirmos de forma intergovernamental e interinstitucional, adotando experiências que já deram certo noutros tempos e espaços como a Polícia Civil do Distrito Federal e a própria Polícia Federal,ou fora do pais, como na Venezuela, Colômbia, Europa etc. sem esquecer da atuação dos demais órgãos e operadores do sistema de defesa social e justiça criminal, com vistas a um modelo padronizado,justo forte, consolidado e realmente integrado com respeito rigoroso às atribuições de cada instituição. Nesse sentido, há várias matérias em tramitação nos governos e casas legislativas (mormente no Congresso Nacional). A exemplo do malsinado PLC 554/2010, que altera as regras para aposentadoria especial, exigindo limite de idade, (ao passo que não abrimos mão das atuais regras de aposentadoria regidas pela Lei Complementar 51/85, e Lei Complementar Estadual 98/ 2007), bem como, também não abrimos mão do tratamento isonômico e paritário entre ativos e inativos. • Temos que acompanhar e mas, influir como não apenas como e

espectadores

representados,

representantes

protagonistas, exercendo nossa liderança. Sob pena de perdermos a oportunidade desse momento fértil e propício e pagarmos caro pelo imobilismo e pela omissão institucional. • Temos que consolidar nossas federações, confederação e

elegermos mandatos, comprometidos com a nossa causa, como fazem outros segmentos modernos em âmbito estadual e nacional. • Vamos intensificar no processo criando, de interiorização e

descentralização

administrativa,

consolidando

nos

próximos 4 anos, pelo menos mais 8 regionais e suas respectivas seccionais sindicais providos de autonomia e recursos sindicais (principalmente conseguindo a liberação do imposto sindical, atualmente retido por iniciativa do governo, recursos esses que serão integralmente aplicados na estruturação das novas regionais e reestruturação das já existentes), potencializando experiências, o resultado exitosos e bem sucedidos como a regional da Zona da Mata, com sede em Juiz de Fora. • Iremos alterar a estrutura orgânica e estatutária do SINDPOL/

MG, criando um conselho de classes composto por representantes de cada carreira da Polícia Civil, eleitos por consulta. A se reunir regimentalmente para opinar sobre assuntos importantes da dinâmica sindical e institucional é a democratização, integração e universalização, chegando à administração colegiada do SINDPOL/ MG, o que vem agregar valores e enriquecer a forma democrática e participativa que a atual direção vem conduzindo com

transparência o SINDPOL/ MG. • Criar Diretoria extraordinária para Assuntos dos Servidores

administrativos. • Civil. • Criar a Diretoria extraordinária da Mulher, sinalizando um olhar Criar a diretoria (assessoria) extraordinária do aposentado para

assuntos afeitos a essa parcela importante dos servidores da Polícia

atento e zeloso que nossa instituição deve sempre ter para esse seguimento tão significativo e carente de atenção e políticas públicas peculiares no âmbito da Polícia Civil. • Elevar a assessoria de relações públicas e assistência social e

saúde, à condição de diretoria com amplo apoio para o desempenho de sua função e articulação. Considerando a importância do tema para as articulações estratégicas do sindicato junto à sociedade e ao serviço público em geral, criar a Diretoria de relações intersindicais para otimizar o desempenho dessa função.

Enfim, perseguiremos a cada instante, a todo momento nossa

meta, nosso PROJETO que tem a cara do policial e do servidor Administrativo da Polícia Civil do futuro, a cada dia mais real e mais possível que é o de uma INSTITUIÇÂO MODERNA E EFICIENTE NA SUA MISSÃO E COM RECURSOS HUMANOS REAL E

EFETIVAMENTE VALORIZADOS.

“PARA NOSSA GESTÃO, “A REFERÊNCIA DA POLÍCIA JUDICIÁRIA DE MINAS, A POLÍCIA CIVIL É A POLÍCIA JUDICIÁRIA DA UNIÃO, A POLICIA FEDERAL”.

POR TUDO ISSO, PEDIMOS MAIS UMA VEZ O SEU VOTO.

CHAPA

2

-

O

“SINDPOL/MG

AVANÇANDO,

COM

RESPONSABILIDADE NO RUMO CERTO”

“NÓS

TEMOS

UM

PROJETO

PARA

CONSOLIDAR!!!”

COM

TRANSPARENCIA, HONESTIDADE, RESPEITO, ÉTICA E LEALDADE A CLASSE POLICIAL.

VOTE

CHAPA:

2

“SINDPOL/MG AVANÇANDO NO RUM CERTO “(MODERNIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO )

DENILSO NMARTINS
PRESIDENTE

TONINHO PIPOCO

vice

“PELA CONTINUIDADE DE UM GRANDE PROJETO PARA POLICIA CIVIL

Esse material foi confeccionado e produzido com recursos cedidos por colaboradores e simpatizantes de nossa chapa.