You are on page 1of 273

1

g

revista de estudos ibéricos

IBERO RAFIAS
Centro de Estudos Ibéricos

Número 11
Ano XI
2015

2

COORDENAÇÃO
COORDENAÇÃO DESTE NÚMERO

Rui Jacinto
Alexandra
Isidro
Virgílio Bento
Alexandra Isidro
REVISÃO

REVISÃO
Ana Margarida
Proença
Alexandra Pinto Cunha
Ana Margarida Proença
Ana Sofia Martins
CAPA E CONCEPÇÃO GRÁFICA

Via Coloris

CAPA E CONCEPÇÃO GRÁFICA

Via
Coloris
PAGINAÇÃO
Marques & Pereira, Lda. - Guarda
PAGINAÇÃO

Pedro
Bandeira
IMPRESSÃO
Marques & Pereira, Lda. - Guarda
IMPRESSÃO

Marques & Pereira,
Lda. - Guarda
EDIÇÃO
Centro de Estudos Ibéricos
EDIÇÃO
Rua Soeiro
Viegas, 8
Centro
de
Estudos
Ibéricos
6300-758
Guarda
Rua Soeiro
Viegas, 8
cei@cei.pt
6300-758
Guarda
www.cei.pt
e-mail: cei@cei.pt
site: www.cei.pt
ISSN:
1646-2858
Depósito
231049/05
ISSN:Legal:
1646-2858
Novembro
2015
Depósito
Legal: 231049/05
Novembro 2012
O Centro de Estudos Ibéricos respeita os originais dos textos,
não se forma
responsabilizando
pelos conteúdos,
forma
e opiniões
neles expressas.
Os conteúdos,
e opiniões expressos
nos textos são
exclusiva
responsabilidade
dos autores.
A opção ou não pelas regras do novo acordo ortográfico é da responsabilidade dos autores.

3

Índice
5 Cooperação, Conhecimento, Cultura: o CEI e a demanda de horizontes de esperança
Rui Jacinto
Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
11 Cinco minutos fazem-me tanta falta! Reflexões sobre práticas e saberes
relacionadas com o trigo no concelho de Vinhais - Ivett Kereszt
23 Caminhos da Cal e do Barro, uma rota cultural para o barrocal algarvio
Susana Cristina Calado Martins
34 A questão social na mina de S. Domingos no tempo do Estado Novo: lógicas, dinâmicas
e ofensivas sociais - Vanessa Alexandra Alvorado Teixeira Pereira
44 O chão e o verbo. O diagnóstico da pátria ibérica no diário de Miguel Torga
Tiago Mesquita Carvalho
57 O aproveitamento turístico da via romana XVIII (via nova) como possível vetor de
desenvolvimento socioeconómico dos municípios de Terras de Bouro e Lóbios
Maria Inês Gusman Correia de Araújo Barbosa
69 Tradições de boas-vindas aos emigrantes portugueses - Patrícia João Gomes Esteves
75 Disponibilidad léxica en la Raya - Elena Gamazo Carretero
84 Guarda, cidade e projecto: um laboratório de representação 4D para a análise,
interpretação e reflexão da evolução urbana da cidade - Cátia Sofia Viana Ramos
92 Propostas de regeneração da atividade comercial no atual cenário de crise
Eva Sofia Loureiro de Gouveia Lemos Belo
101 Estratégias regionais de especialização inteligente: oportunidades de reestruturação,
desenvolvimento e cooperação territorial no contexto das regiões ibéricas
Ricardo Filipe Ferreira Moutinho
As Novas Geografias dos Países de Língua Portuguesa
(Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros
107 Terra-mãe, território e cartografias (psíquicas) nas literaturas africanas: alguns exemplos
Pires Laranjeira
112 Weather lore de Pindorama: o conhecimento sobre o tempo e o clima no período não
instrumental na antiguidade e no Brasil pré-cabralino - João Lima Sant’Anna Neto
122 A fotografia como leitura da transformação da paisagem - Luísa Ferreira
131 Finalmente o encontro: voltando ao início de uma migração no filme “Central do Brasil”,
de Walter Salles (1998) - Fátima Velez de Castro
135 O filme condicionando imagens e induzindo o turismo: o caso da ‘Roliúde Nordestina’
no Cariri Paraibano - Luciano Schaefer Pereira, Ingrydy Schaefer Pereira
145 Novas geografias, crise e interdisciplinaridade: enfrentando desafios propostos
pela produção do espaço urbano na modernidade - Eda Góes
154 O contributo do turismo sustentável para a inclusão das comunidades e para a promoção
da paz em áreas transfronteiriças - Amélia Cazalma, Fernanda Cravidão, Lúcio Cunha
168 Os riscos naturais nos estudos geográficos em Cabo Verde
Sílvia Monteiro, George Satander Freire, Lúcio Cunha
175 (Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros - Eduardo Lourenço

4

Nós Terra, Nós Geografia Contributos para uma Geografia de Cabo Verde
181 Cabo Verde segundo Maria Luísa Ferro Ribeiro: território e sociedade
194 Cabo Verde: uma incompleta bibliografia geográfica - Rui Jacinto
Maria Luísa Ferro Ribeiro, a primeira geógrafa de Cabo Verde. Homenagem
203 Si ka badu, ka ta biradu - Rui Jacinto
208 Alice Matos
211 Sílvia Monteiro
212 “O vulcão perto das raízes/E a viola perto do coração” - Professor Doutor Rui Alarcão
214 Dr.ª Madalena Neves
216 Dr.ª Maria Luísa Ferro Ribeiro
223 Professor Doutor João Gabriel Silva
António Gama: viagem, mapas, memória
227 António Gama y el viaje: un geógrafo con una mirada abierta, sin fronteras
Valentín Cabero Diéguez
234 Viagem nunca feita: desenhar o mapa do mundo desconhecido - Rui Jacinto

Prémio Eduardo Lourenço [XI Edição | 2015]
244 Agustina Bessa-Luís: breve perfil
245 Galeria de Premiados
Intervenções na Sessão de Entrega do Prémio Eduardo Lourenço 2015
249 Álvaro dos Santos Amaro
251 Eduardo Lourenço
254 Anamaria Filizola - Agustina ou a peste do imaginário
258 Mónica Baldaque
259 Jorge Barreto Xavier

CEI Atividades 2015
263 I. Ensino e Formação
267 II. Investigação. Apoios a Trabalhos de Investigação
269 III. Eventos e Iniciativas de Cooperação. Prémio EL 2015
272 IV. Edições

5

Cooperação, Conhecimento, Cultura:
o CEI e a demanda de horizontes
de esperança
Rui Jacinto

CEGOT - Universidade de Coimbra

O presente número da Revista Iberografias reúne várias intervenções ocorridas em
iniciativas promovidas pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI), em 2015, onde relevam, além do
Prémio Eduardo Lourenço, vários debates pertinentes sobre os territórios com que o CEI está
particularmente comprometido: os espaços fronteiriços, mais olvidados e de baixa densidade.
Quatro domínios fundamentais estruturam as diversas atividades que o Centro tem vindo a
protagonizar: Ensino e Formação, com a realização de Cursos (Verão, p. ex.), Conferências e
Seminários (Ciclo Saúde sem Fronteiras, p. ex.); Investigação, patrocinando estudos e debates
integrados em projetos como Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança ou
As Novas Geografias dos Países de Língua Portuguesa; Eventos e Iniciativas de Cooperação,
tais como o Prémio Eduardo Lourenço ou o concurso Fotografia sem Fronteiras; Edições,
que enriquecem o património do Centro, onde se destacam a publicação de mais um
número da Revista Iberografias (Nº 11), outro da Colecção Iberografias (Nº 30) e o Catálogo
Transversalidades 2015.
Os resultados do envolvimento comprometido do CEI na cooperação territorial, através da
sua aposta na valorização dos espaços de fronteira e na afirmação da centralidade da Guarda
no eixo científico e cultural Coimbra – Salamanca, estruturado pelas respetivas Universidades
e o Instituto Politécnico da Guarda, aponta para que a sua profícua missão seja reforçada a
partir do foco estratégico na Cooperação, no Conhecimento e na Cultura.
Cooperação: da minha geografia vê-se a terra e o mar. O diálogo transfronteiriço
que tem vindo a ser promovido em torno de temas que vão da saúde à educação ou dos
recursos (naturais, patrimoniais, culturais, etc.) às dinâmicas territoriais e aos processos de
desenvolvimento regional e local, concentrou no CEI um considerável acervo de informação.
Além deste património acumulado, as iniciativas que promove permitem identificar, divulgar
e promover diferentes recursos do território, partilhar conhecimento e dinamizar atores,
contributo que não pode ser negligenciado na formulação de estratégias que concorram
para a coesão e a integração dos espaços transfronteiriços e de baixa densidade.
A experiência capitalizada pelo CEI permite-lhe aspirar encetar cooperação com outras
geografias, onde relevam, naturalmente, os Países de Língua Portuguesa (PLP), alargando
as redes e parcerias já instituídas a atores e investigadores da comunidade lusófona, com
vantagens reciprocas. Repartidos por diferentes continentes, detentores duma geografia
diversa e duma posição (geo)estratégica invejável a nível global, os Países de Língua
Portuguesa concentram perto de 280 milhões de pessoas, que fazem do português a língua
mais falada no hemisfério sul e a quinta do mundo. É uma oportunidade que não pode ser
negligenciada, num momento de crise e incerteza como o que atravessamos.

Cooperação, conhecimento, cultura: o CEI e a demanda de horizontes de esperança
6

A pretensão de envolver a comunidade científica dos PLP na promoção dum diálogo
que supere fronteiras disciplinares e geográficas motivou a realização do Seminário (Re)
Encontro em tempo de (Des)Encontros: os Países de Língua Portuguesa e suas Novas
Geografias, cujas intervenções se publicam nesta edição. Superar as fronteiras disciplinares
exige o envolvimento ativo de diferentes áreas do saber, como foi o caso, da literatura (p. ex.:
território e cartografias (psíquicas) nas literaturas africanas) ao estudo da imagem, onde se
mostrou como a fotografia ou o cinema permitem ler a transformação da paisagem, abordar
temas como as migrações (filme “A Central do Brasil”, de Walter Salles) ou evidenciar a sua
importância na indução do turismo.
As fronteiras geográficas também se podem esbater ao fomentar estudos e debates
comparados entre os diferentes PLP: há artigos que retratam diferentes aspetos do Brasil,
registam impressões de cronistas e viajantes sobre o tempo e o clima do Brasil ou os desafios
que resultam da produção do espaço urbano na modernidade; um trabalho sobre Angola
aborda o desenvolvimento sustentável do turismo nas áreas transfronteiriças, como esta
atividade pode contribuir para a inclusão das comunidades e a promoção da paz. Cabo
Verde, que “fabrica o seu próprio chão, inventa a sua própria água, repete dia a dia a criação
do mundo”, como escreveu José Saramago, teve uma representação destacada, seja através
dm trabalho sobre riscos naturais seja pela sentida homenagem à primeira geógrafa do
arquipélago.
Aprofundar este diálogo também é reconhecer o papel da cooperação para estreitar
laços e promover o desenvolvimento dos diferentes espaços lusófonos. Nesta fase da relação
entre os PLP, apoiar iniciativas como as que o CEI tem procurado dinamizar, desde debates
a trabalhos de investigação conjuntos, ajudam a criar um quadro de relacionamento mais
favorável, como vaticinou Eduardo Lourenço: “Penso que vamos viver, no futuro, com mais
naturalidade, com uma familiaridade maior, relações com as antigas colónias (…) É pelo
menos o que desejo, que este encontro seja apenas um reencontro que estava latente e que
agora pode ser explicitado e vivido de uma maneira mais pacífica, mais aberta, mais clara”.
Conhecimento: Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança. A missão
assumida pelo CEI, enquanto centro de difusão de conhecimento e de extensão universitária,
prosseguiu com a realização de diversas iniciativas, como a que proporcionou um conjunto
de comunicações que foram incluídas neste número da Revista. Ao longo dos anos têm
vindo a ser abordados temas fundamentais para conhecer os espaços mais débeis com maior
profundidade, onde relevam: paisagens, patrimónios e valorização dos recursos naturais
e culturais; riscos naturais e gestão dos espaços protegidos; saúde, educação, equidade e
coesão social; dinâmicas e processos de reestruturação territorial; redes de cooperação e
iniciativas de desenvolvimento local, em contextos rurais e urbanos.
Alargar e aprofundar os debates sobre estes temas obriga repensar as linhas de força que
definem uma agenda útil e pertinente para os territórios fronteiriços e de baixa densidade,
assumindo linhas de ação estruturantes como: (i) cooperação territorial, tendo por base a
cooperação transfronteiriça sem deixar de envolver outras geografias, particularmente os
Países de Língua Portuguesa; (ii) investigação em áreas críticas e estruturantes para a coesão
económica, social e territorial; (iii) assumir o legado de Eduardo Lourenço e a cooperação
transfronteiriça para aprofundar o debate sobre o papel e a importância das atividades
culturais para a coesão social e territorial.
Cultura: Eduardo Lourenço e a Guarda, da fronteira peninsular à lusofonia. O CEI tem o
privilégio de contar como patrono o Professor Eduardo Lourenço e de a Guarda, onde está
sediado, beneficiar duma posição central no eixo científico e cultural formado por Coimbra,
Salamanca e respetivas Universidades. Tais referências, não o limitam nem circunscrevem à
cidade mais alta, lugar onde mergulham as suas raízes; ao assumir o legado e a universalidade
do pensamento do seu mentor e aspirar desbravar as fronteiras do conhecimento, não é
gratuita a ambição de assumir aquele lugar de origem como ponto de partida para fazer
um percurso mais global. Tal “glocalização” não dispensa que o CEI tenha os pés assentes
na terra sem deixar de abrir o coração a diálogos mais abrangentes, que vai para além das
fronteiras peninsulares em demanda doutras coordenadas que passam, antes de mais, pelo
mundo da lusofonia.

Rui Jacinto
7

Esta perspetiva inspirou algumas iniciativas realizadas, num ano em que um dos pontos
altos foi a atribuição do Prémio Eduardo Lourenço 2015 à escritora Agustina Bessa-Luís.
A dificuldade em encontrar as palavras certas para evidenciar os méritos da autora e a
justeza da atribuição do Prémio, assume-se a referência de Eduardo Lourenço: “Agustina é,
verdadeiramente, não só uma natureza genial no sentido, no grau de imprevisibilidade, de
originalidade da sua imaginação, da sua escrita, mas também qualquer coisa ainda mais rara,
uma espécie de abundância inexplicável, de torrente indomável acerca de uma experiência
ao mesmo tempo limitada como é a de cada um de nós”.
A edição deste ano do projeto Transversalidades. Fotografia sem Fronteiras teve o
mérito de abrir o CEI a países de outros continentes, onde o Brasil registou uma participação
assinalável. Ao recorrer à imagem como meio para promover a cooperação territorial, apela-se
o seu valor estético, documental e pedagógico para promover a inclusão dos territórios menos
visíveis e, deste modo, valorizar paisagens, culturas e patrimónios olvidados. Enquadram-se
ainda neste tipo de intervenção duas singelas mas significativas homenagens: a evocação
de António Gama Mendes, durante o Curso de Verão, em memória e reconhecimento do
seu contributo desinteressado, generoso e solidário que sempre deu ao CEI; a referência a
Maria Luísa Ferro Ribeiro, primeira geógrafa de Cabo Verde, durante a semana cultural da
Universidade de Coimbra, dedicada à celebração dos 40 anos de independência dos PLP.
A evocação de António Gama centrou-se na viagem, a que atribuía grande importância
na formação cívica, lembrado como um geógrafo com uma mirada aberta, sem
fronteiras, possuidor dum pensamento crítico, integrador e transdisciplinar, que partilhava
desinteressadamente os seus ensinamentos geográficos. Fiel ao seu espírito e ao sabor do
seu imaginário, esta viagem de afetos cruza geografias de aquém e de além-fronteiras, da
Beira maternal à região mais remota dum qualquer país de língua portuguesa, onde é possivel
tocar os recônditos sertões, savanas ou charnecas.
Maria Luísa Ferro Ribeiro tem um vasto percurso que, depois duma incursão precoce pela
investigação geográfica, passa pela educação, onde atingiu altos cargos em Cabo Verde,
tendo-se ainda dedicado à divulgação científica e cultural, sem deixar de abraçar causas
públicas e cívicas. Importa sublinhar a dimensão humana que esteve presente na decisão de
escolher o Curso de Ciências Geográficas, onde foi decisiva a influência do meio, a seca e a
fome que assolavam Cabo Verde, o contacto com as “famílias que emigravam, gente que
morria pelas ruas e crianças evacuadas para a ilha de São Vicente para escaparem à fome”.
A veemência do seu testemunho justifica e desculpa uma citação mais longa: “Lembreime da Rosa, uma criança recolhida pela minha mãe, de entre as muitas que eram enviadas
para São Vicente para escapar à fome, conforme o relato do Professor Aurélio Gonçalves”.
(…) “E passei a observar e a tentar compreender a realidade que me cercava. A chuva que
caía no mar e não na terra, colegas minhas que viviam só com a mãe porque o pai estava
“embarcado”, as conversas que eu ouvia sobre inumanas condições em que viviam os
“contratados” de São Tomé.”
“Então decidi que teria que escolher uma alínea que me poderia abrir as portas para um
curso que me levasse a questionar o porquê da difícil situação da nossa realidade, a encontrar
respostas para o ciclo que nos apertava. Confiante, a minha opção foi seguir o curso de
Ciências Geográficas. A geografia, pensava eu, poderia proporcionar-me os conhecimentos
para a compreensão da realidade das nossas ilhas. Foi o meu encontro emocional com a
Geografia. Hoje posso dizer que encontrei a geografia a partir de problemas sociais.”
Horizontes de esperança: uma agenda renovada e inovadora, focada nos temas e nos
problemas dos territórios transfronteiriços e de baixa densidade. No limiar dum novo ciclo
(2014-2020), importa explorar outras oportunidades, a começar pelas iniciativas que o CEI
tem vindo a empreender, no âmbito da cooperação, visando esbater fronteiras entre pessoas,
instituições e territórios, qualificar territórios e promover a coesão social. Os objetivos que têm
vindo a ser prosseguidos estão em linha com as orientações estratégicas preconizadas para
o próximo ciclo de políticas públicas, designadamente: (i) a Estratégia Europa 2020, donde
emana o enquadramento conceptual da fase atual da Cooperação Territorial Europeia, que
aponta para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo para a União Europeia, o que
implica apostar na Investigação e Desenvolvimento (a UE deve investir 3% do PIB em I&D),
dar atenção às alterações climáticas e à sustentabilidade energética, à educação, ao combate

Cooperação, conhecimento, cultura: o CEI e a demanda de horizontes de esperança
8

à pobreza e à exclusão social; (ii) o Acordo de Parceria – Portugal 2020, particularmente
a estratégia de Cooperação Territorial, vertida no Programa Operacional Transfronteiriço
Espanha - Portugal (POCTEP) – Interreg-A (2014-2020), que obedece a um roteiro que
passa, entre outros, pelos seguintes Objetivos Temáticos: Promover a adaptação às alterações
climáticas e à prevenção e gestão de riscos (OT 5); Preservar e proteger o ambiente e promover
a utilização eficiente dos recursos (OT 6); Reforçar a capacidade institucional (OT 11).
O reforço da capacidade de intervenção do CEI passa, pois, por dinamizar iniciativas
no âmbito da cooperação, do conhecimento e da cultura, estimular a investigação e apoiar
estudos e debates que permitam capacitar pessoas e internalizar competências nos territórios.
Estes pressupostos encontram eco em diferentes Eixos Prioritários do POCTEP, designadamente
os que apontam para: Crescimento inclusivo através da cooperação transfronteiriça para a
competitividade empresarial; Crescimento sustentável através da cooperação transfronteiriça,
para a prevenção de riscos e melhor gestão de recursos naturais; Melhoria da capacidade
institucional e a eficiência da administração pública através da cooperação transfronteiriça.
Um olhar prospetivo deve abrir uma nova janela de oportunidade para o CEI e um
horizonte de esperança para os territórios fronteiriços e de baixa densidade, com que está
mais comprometido, o que implica, antes de mais, reforçar a sua capacidade institucional.
Valorizar o património acumulado e dinamizar uma agenda renovada e inovadora, aberta
à sociedade, portanto, em permanente atualização, também passa pela sua afirmação
como centro de difusão de conhecimento e de extensão universitária, transfronteiriço e
transdisciplinar, que acolha entre as suas coordenadas de atuação:
. Cooperação. Esbater fronteiras, qualificar pessoas, valorizar territórios. O reforço
da capacidade institucional do CEI é importante para continuar a promover iniciativas de
cooperação territorial, alargar a conexão com redes e parcerias transfronteiriças e lusófonas,
que impulsionem a investigação e internalizem competências no território.
. Conhecimento. Um centro de difusão de conhecimento, de capacitação e de investigação
para coesão social e territorial. Afirmar o CEI como parceiro estratégico dum “crescimento
inteligente, sustentável e inclusivo” passa por conectar investigação em áreas críticas para a
coesão económica, social e territorial, dinamizando a pesquisa estruturada a partir de linhas
de ação como: Territórios, sociedades e culturas em tempo de mudança; Património, recursos
do território e riscos naturais; Dinâmicas e coesão social: educação, saúde, combate à pobreza
e inclusão social; Governança, capacitação institucional e modernização administrativa.
. Cultura. Eduardo Lourenço, o CEI e a Guarda na afirmação do eixo cientifico-cultural
Coimbra-Guarda-Salamanca. Partindo de Eduardo Lourenço, do cidadão e da sua obra,
da Guarda e da afirmação do eixo cientifico-cultural Coimbra-Guarda-Salamanca, importa
continuar a debater a relação cultura-território, a importância das atividades culturais para a
coesão social e territorial, dinamizando um fórum cultural transfronteiriço.
A terminar, é justo agradecer às entidades parceiras que institucionalizaram e dirigem
o CEI, particularmente a Câmara Municipal da Guarda, cujo apoio financeiro viabiliza o seu
funcionamento. É da mais elementar justiça agradecer também aos inúmeros colaboradores
do Centro, tanto dos que escreveram artigos incluídos nesta Revista, como aos que animam
as diversas iniciativas realizadas durante o ano de 2015; é devida, ainda, uma palavra de
reconhecimento, aos milhares de participantes nas iniciativas promovidas pelo CEI que, sendo
a sua razão de ser, muito o honram com a sua presença.

9

Territórios, Sociedades e
Culturas em Tempos de Mudança

Diálogos lusófonos: o Brasil no Curso de Verão 2014
10

11

Cinco minutos fazem-me tanta falta!
Reflexões sobre as práticas e saberes
relacionados com o trigo no concelho
de Vinhais
1

Ivett Kereszt

Professora Titular de Geografia Humana da USP
Ex - Pro Reitora de Graduação da UNILA – Universidade da Integração Latino-americana

P’ra o ano ser bom de pão
sete neves e um nevão.2

Introdução
Com um total desconhecimento do terreno de investigação (salvo algumas estadias curtas
no concelho de Vinhais), concebeu-se um projeto de investigação inicial algo ambicioso,
que partiu do imaginário de um possível continuum cultural transfronteiriço na área de
confluência dos três antigos reinos medievais de Portugal, Leão e Galiza, tendo o Penedo
dos Três Reinos como centro. Nesse projeto figurava a recolha de informação sobre saberes
relacionados com técnicas de transformação do trigo3 nos três lados das fronteiras, regionais
entre Galiza e Castilha e Leão e internacionais entre Espanha e Portugal, na região de Trásos-Montes, na parte setentrional do concelho de Vinhais onde estes territórios se juntam.
De fato, houve uma incursão nas aldeias fronteiriças nos concelhos de A Mezquita (Galiza) e
Hermisende (Castilha e Leão) onde foram efectuadas entrevistas semi-estruturadas a várias
informantes, as quais nos elucidaram sobre a inexistência de cultivos de trigo naquela zona,
sendo o centeio o cereal dominante. Nas palavras de uma senhora de O Pereiro: “Aqui nunca
houve trigo, o trigo quer terra quente!”
Outra linha da investigação pretendia encontrar mulheres que ainda fizessem pão, mas
só conseguimos encontrar senhoras (nos seus setenta, oitenta anos com exceção de uma
que estava nos seus cinquenta) que atualmente já não coziam pão mas que o tinham feito
de forma regular no passado (pão de centeio, e ocasionalmente de mistura com trigo que se
chamava: centenilla) para o consumo das suas famílias. Estas práticas em desuso foram então
relembradas e registadas com recurso a tecnologia audiovisual.
1 - É a resposta que uma das nossas informantes chave acostuma dar na aldeia às outras mulheres quando elas a
param na rua só para falar “só cinco minutos”, esta frase espelha o quão ocupadas andam, em geral, as mulheres
no seu dia-a-dia com todas as tarefas que têm que realizar.
2 - Refrão recolhido em Montesinho, em TABORDA, Vergílio: 2011 (or. 1932): 80.
3 - O projeto baseou-se nos nossos conhecimentos de práticas de elaboração de pão em forno de lenha e de
cuscos de farinha de trigo que algumas mulheres ainda continuam a fazer em algumas aldeias dos concelhos
Vinhais e de Bragança. A intenção era verificar se no outro lado da fronteira existiam as mesmas práticas ou não.
Curiosamente, embora não tivéssemos encontrado ninguém que fizesse pão, a reza que outrora oravam para
benzer a massa do pão era a mesma naquele lado da fronteira (Castromil castelhano e Esculqueira) e nas aldeias
abordadas do concelho de Vinhais. A descrição desta reza seguirá mais a frente neste artigo.
Por outro lado, António Manuel Monteiro afirma no seu livro “Comidas Conversadas” referindo-se a cuscos,
que “(...) estes pequenos grânulos de farinha triga - de trigo candial – (…) localidades fronteiriças a Chaves,
Vinhais e Bragança – registam as designações de cozco ou cuzco, cozcucho (Ponferrada), cuscús, cuscúz e cuscuz – de Benavente, Zamora a Ciudad Rodrigo.”, citado de MONTEIRO, 2014: 79. Mas, infelizmente, nós não
conseguimos encontrar ninguém que (re)conhecesse os cuscos pela amostra que levámos connosco, salvo uma
senhora da aldeia de O Pereiro, mas a mãe dela era portuguesa e lembrava-se de comer cuscos em criança na
aldeia da mãe (Sernande) feita pela avó materna.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
12

Numa das aldeias visitadas (O Pereiro) o forno comunitário foi convertido em “Teleclub”
(lugar de encontro social para as/os aldeões) e numa outra (Esculqueira) embora tenham
recuperado os dois fornos comunitários, apenas utilizam o mais pequeno (por necessitar
de menos quantidade de lenha) e quase exclusivamente em ocasiões festivas, servindo
para assar leitões, cabritos e empanadas galegas. Nestas aldeias não conseguimos encontrar ninguém que elaborasse pão de forma regular para consumo próprio, as pessoas
habituaram-se a comprar pão aos vendedores ambulantes que percorrem a zona, ou nas
padarias locais como é o caso de Castromil castelhano. Além disso, as informantes de
Castromil castelhano também nos contaram que antigamente iam a Moimenta buscar pão
que contrabandeavam através da fronteira. Outras informações sobre o ciclo do centeio e
aspectos da cultura material e imaterial com ele relacionados foram também registados.
Deste encontro etnográfico resultou um vídeo de curta duração apresentado no Seminário
Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança na cidade da Guarda, no dia 20
de Junho de 2015.
Após a constatação de que o cultivo de trigo era praticamente inexistente nas partes
galegas e castelhanas que fazem fronteira com o concelho de Vinhais, tivemos que reorientar
o projeto de investigação e concentrar-nos apenas nas aldeias deste concelho português,
onde já tínhamos escolhidas duas informantes privilegiadas que ainda elaboravam pão em
forno de lenha a partir de farinha de trigo e um outro alimento produzido a partir de trigo
chamado: ‘cusco(s)’4.
Marco teórico
Para a abordagem do tema da transformação do trigo e o conhecimento associado
a estas práticas, a primeira questão que surge, é: quem o produz, e quem detém estes
conhecimentos? A resposta hipotética seria: maioritariamente as mulheres, salvo o processo
de cultivo que habitualmente é partilhado entre homens e mulheres. Por consequência, o
marco teórico tem que se adequar ao estudo deste coletivo (as mulheres), e às características
inerentes a essa condição (ser mulher num contexto específico). Esta abordagem adotada
denomina-se perspetiva de género que significa ter em conta as diferenças, a diversidade de
condições e circunstâncias entre homens e mulheres, no entanto não descuidar o contexto
geral de cada pessoa. “El enfoque de género considera las diferentes oportunidades que
tienen los hombres y las mujeres, las interrelaciones existentes entre ellos y los distintos
papeles que socialmente se les asignan.” [sic] (FAO, 1998, documento online) Por outro lado,
consideramos de máxima importância evitar o uso de estereótipos e visões essencialistas na
hora de tratar as atividades das mulheres e dos homens.
É imprescindível examinar também com perspetiva de género as noções de ‘trabalho’, ‘divisão sexual do trabalho’5 e ‘trabalho feminino’. Nas palavras de Henrietta L. Moore (1996: 60):
“La aparente invisibilidad del trabajo de la mujer es una de las características
de la división sexual del trabajo en muchas sociedades , y se ve acentuada
por la óptica etnocéntrica de investigadores y políticos, y por las ideologías
tradicionales de género. Si el trabajo se entiende normalmente como «trabajo
remunerado fuera del hogar», entonces las labores domésticas y de subsistencia
desempeñadas por la mujer quedan infravaloradas. Esta definición de trabajo
persiste en ocasiones aun cuando contradice claramente la experiencia y las
expectativas de las personas. Abundan en la literatura ejemplos admonitorios

4 - O(s) cusco(s) é/são uma comida feita de farinha de trigo mole (triticum aestivum), água e sal em Trás-os-Montes,
parecida com os cous-cous dos países do Magreb, da Sicília ou de Malta, com a diferença que naqueles países/regiões é feita de trigo rijo ou duro (triticum durum). Especula-se que ao Trás-os-Montes pode ter chegado na altura da
ocupação árabe de algumas partes da Península Ibérica, e/ou mais tarde por via dos/das refugiados/as judeus que
encontraram abrigo nessa região. As senhoras entrevistadas da nossa investigação chamam-no: ‘cusco’.
5 - “En todas las sociedades, mujeres y hombres desempeñan ocupaciones diferentes y asumen diversas responsabilidades en las actividades del hogar. En el caso de la mujer, el trabajo y la familia siempre están vinculados entre sí
y gran parte de sus labores no son retribuidas monetariamente, aún cuando sean tareas productivas. Por su parte,
el hombre suele desempeñar un papel marginal en las labores domésticas, ya que en teoría es a él a quién le corresponde realizar el trabajo retribuido fuera del hogar.” (FAO, 1998, documento online)

Ivett Kereszt
13

de mujeres tildadas de «amas de casa», cuando en realidad se ocupan de
labores agrícolas y de una producción de mercado a pequeña escala, además
de las tareas propias del cuidado del hogar y de la prole. Con estas actividades
las mujeres contribuyen de forma significativa a la economía doméstica, tanto
indirectamente, en términos del trabajo no remunerado en el campo y en la
casa, como directamente, a través del dinero que recaudan con la venta en el
mercado y con la producción de otros productos de consumo.” [sic]
Já, a teoria das interseções elucida-nos ainda mais na demarcação de cada um/a na
hierarquia social e na atribuição de status, sendo assim: dependendo se alguém é categorizada
como homem ou mulher, e se é proveniente da cidade ou do campo, se é jovem, de meia
idade ou anciã/o, se pertence à classe económica baixa, média ou alta, se acabou os estudos
ou não, se é casado/a ou solteiro/a, etc., todos estes factores terão diferentes repercussões
no percurso da sua vida, traduzindo-se, por exemplo, no acesso a oportunidades de emprego
assalariado; ou mesmo em termos da alimentação, definindo-se segundo a aplicação desta
teoria nos Feminist Food Studies se é produtora de alimentos ou consumidora de alimentos
produzidos e elaborados por outros/as. (ALLEN e SACHS, 2007) No nosso caso concreto, as
nossas informantes pertencem ao grupo de mulheres que vivem no meio rural, já não são
propriamente jovens, têm baixa escolaridade, dedicam-se às tarefas da agricultura familiar e
à produção e elaboração de alimentos em pequena escala.
Uma vez que o nosso tema se insere nos processos de produção de alimentos, é pertinente
esclarecer o que se entende por ‘cultura alimentar’ e em que difere do ‘património alimentar’,
segundo Elena Espeitx:
“La cultura alimentaria se desarrolla en el contexto de unas determinadas
relaciones socio-técnicas de una sociedad con su entorno y se fundamenta en
el establecimiento de categorías, de clasificaciones sobre las que se construye
todo de un edificio de normas, de reglas más o menos rígidas, más o menos
interiorizadas, pero en cualquier caso operativas. Así, la cultura alimentaria
incluiría los productos y sus técnicas de producción o elaboración, y también
valores, creencias, usos, costumbres y formas de consumo que se le asociaran.”
(ESPEITX, 2004: 195)
Por outro lado o ‘património alimentar’ seria a seleção de algumas partes de essa cultura
alimentar de um coletivo determinado:
“El patrimonio alimentario de un determinado colectivo es una selección de parte de su
“cultura alimentaria” a la que se le atribuye carta de “tradicionalidad”. Los elementos
convertidos en patrimonio no agotan todo lo que esa cultura alimentaria es, a menudo ni
tan solo presentan de manera fidedigna una parte de ella.” (ESPEITX, 2004: 195-196)
Metodologia
Para desenvolver a investigação escolheu-se uma metodologia qualitativa, recolhendo
informações no terreno acompanhado com observação direta. Sendo que, a predileção em
termos de método recai sobre a abordagem usada por investigadoras feministas durante as
sessões de entrevistas. Seguindo os princípios de Ann Rosamund Oakley (1981) as entrevistas
transformam-se assim em conversas frutíferas para os dois lados: para quem está a investigar
e para a pessoa abordada (Oakley citada em LANDMAN 2006: 431, tradução própria):
“1. o/a entrevistador/a apresenta a sua própria identidade no processo, não só fazendo
perguntas, senão partilhando também conhecimento;
2. esta reciprocidade convida uma intimidade que encoraja revelações por parte da
pessoa estudada em relação à sua realidade material;
3. desenvolvendo um modelo de investigação participativo que desafia as relações de
poder entre a investigador/a e a pessoa estudada;
4. produzindo um trabalho que desafia os estereótipos dominantes entre o/a
investigador/a e a pessoa estudada.”

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
14

Escolhemos duas senhoras para as entrevistas/conversas em profundidade, cuja
identidade será protegida neste trabalho por razões éticas, sendo que algumas das atividades
desenvolvidas por elas podiam ser categorizadas desde certos pontos de vista (embora não
o sejam desde o nosso) como “paralelas” ou fora do circuito estabelecido do mercado
legislado.
Entre as duas informantes chave, com uma (A) já a tínhamos encontrado em outras
ocasiões anteriores, e daí surgiu a facilidade da aproximação, com a outra senhora (B) não
tivemos esta relação prévia por isso a qualidade dos dados recolhidos foi diferente. Ainda
é de acrescentar que a senhora B já foi procurada por outro/as estudiosos/as e curiosos/as
no passado, tendo o seu discurso bastante moldado por influência destes encontros, o que
“dificultou” o processo do trabalho de campo.
...A análise é feita a partir dos testemunhos recolhidos completados com a observação,
pelo método comparativo e pela descrição das atividades e processos, dando visibilidade
e simultaneamente valorizando os trabalhos desempenhados pelas mulheres que se
disponibilizaram como informantes principais para este estudo.
Contextualização
Vinhais é um município do distrito de Bragança, na região de Trás-os-Montes, o município
é limitado a norte e oeste pela Espanha a leste pelo município de Bragança, a sul por Macedo
de Cavaleiros e Mirandela e a oeste por Valpaços e Chaves. Concelho rural, montanhoso
e isolado com um povoamento disseminado em pequenos núcleos populacionais que
pontuam a paisagem e que de uma forma geral não ultrapassam os 100 habitantes, a parte
norte do concelho está inserida no Parque Natural de Montesinho. Faz parte da Terra Fria
Transmontana que é constituída por uma sucessão de plataformas a uma altitude média
de 700-800 m, cortados pelos vales profundos dos rios que a atravessam e de zonas de
montanha acima dos 1000 metros, o clima espelha-se no proverbial “Nove meses de inverno
e três de inferno”, com invernos longos e frios e verões quentes e secos, (CASTRO et al, 2010).
Concelho com um acentuado envelhecimento da população e marcado por um forte êxodo
rural teve outrora uma economia local quase totalmente agro-pastoril, a predominância das
actividades agrícolas como fonte exclusiva de rendimento tem dado lugar a outras estratégias
de rendimento pluriactivo, ainda assim a agricultura de subsistência continua a ser de uma
forma geral uma base para a autosuficiência destas populações. A actividade agrícola está
sobretudo assente na pecuária, na cultura cerealífera e na plantação de culturas permanentes
como o castanheiro, grande fonte de rendimento de muitas famílias que tem vindo a ganhar
terreno sobre a produção cerealífera assim como a criação da raça bovina Mirandesa e outras
raças autóctones. (MOREIRA, 2001)
“Ainda que as restrições das disponibilidades de tempo das famílias pluriactivas
joguem um papel grandemente limitativo na escolha das actividades agrícolas
possíveis, a produção agrícola toma, mesmo assim, uma importância
considerável na reprodução dessas famílias. Naquelas em que o montante de
património fundiário é reduzido, a produção agrícola serve sobretudo para
fornecer autoconsumos; mas, nas famílias com patrimónios fundiários mais
importantes, a produção agrícola permite obter rendimentos monetários não
neglicenciáveis.” (RODRIGUES, 1996: 393)
As informantes chave
A senhora ‘A’ (55 anos) nasceu, criou e casou-se na sua aldeia (na atualidade com cerca
de 80 habitantes) tal como a senhora ‘B’ (61 anos, vive numa aldeia com cerca de 180
habitantes), e nenhuma delas emigrou, embora tenham familiares a viver no estrangeiro.
A única diferença neste ponto é que a senhora ‘B’ teve alguns anos fora da aldeia
acompanhando um dos filhos quando este foi estudar para o litoral, mas voltou para a
aldeia logo depois. Vivem as duas com os seus maridos e com algum familiar incluído no
seu núcleo doméstico. No caso da senhora ‘A’, o casal vive com uma das filhas e com o filho
desta; no caso da senhora ‘B’, o casal vive com a irmã do marido na mesma casa. Nos dois
casos os/as filhos/as e os/as netos/as vêm de visita nos fins-de-semana uma vez que habitam
nas proximidades. As duas mulheres, seguindo um modelo mais tradicional de género, dão

Ivett Kereszt
15

a máxima importância às suas famílias e ao matrimónio que concebem como “eixo vertebral
das suas vidas” (del VALLE et al., 2002: 225, tradução própria). Ambas as senhoras têm
como responsabilidades prioritárias a satisfação da necessidade alimentar e o bem estar dos
seus/suas familiares. Por um lado, correspondem assim ao modelo tradicional da mulher no
contexto das aldeias estudadas como boas provedoras para a família, por outro é importante
ressaltar a capacidade e experiência de saberem aproveitar e canalizar os recursos para este
fim de uma forma otimizada. Para “não saírem da regra”, as duas desempenham as suas
atividades domésticas da melhor forma possível, e inclusive vão mais além, tendo orgulho
em continuar com algumas das técnicas tradicionais de fabrico alimentar das suas aldeias,
tal como fazer pão no forno de lenha, elaborar o ‘cusco’ e os produtos do fumeiro, etc.
Antes, estas práticas eram destinadas principalmente para o consumo familiar, mas com o
decorrer do tempo os hábitos e os costumes nas aldeias e nas vilas também foram alvos de
transformações e alguns núcleos domésticos adaptaram outras formas de elaboração de
refeições (menos trabalhoso), que ofereceu uma oportunidade de ingresso complementar
a estas mulheres que continuam com “os velhos hábitos” e não se importam de vender os
seus excedentes.
No que toca às suas atividades económicas, os dois maridos já trabalharam fora em
empregos assalariados, mas neste momento estão mais envolvidos com os trabalhos de
lavoura e de cultivos nos terrenos da família. Anteriormente faziam isso nos fins-de-semana,
neste momento dispõem mais tempo para a agricultura familiar. Os homens, como é o hábito
na divisão sexual do trabalho na agricultura familiar, trabalham os terrenos maiores mais
afastados da aldeia com máquinas agrícolas, tratores, cegadora-debulhadora, enfardadeira,
etc. As mulheres tratam das hortas perto da casa (que requer trabalho diário nas épocas de
cultivo: no início semear e plantar e durante o ciclo vegetativo: regar, cavar, mondar, podar
e colher) isso tudo é responsabilidade exclusiva delas, salvo antes da sementeira quando é
preciso “passar o trator”, além disso ajudam nos trabalhos da colheita na altura das ceifas, nos
cultivos dos cereais e na apanha da batata e da castanha, etc. As tarefas relacionadas com os
animais são também responsabilidade das mulheres, dar-lhes comer (porcos, galinhas, cães)
e tratar em caso de doença, etc. Isto, no caso de ‘A’ também inclui a ordenha das cabras, e
de levá-las pastar ou ir com elas até ao lameiro juntamente com as ovelhas (tem mais cabras,
ovelhas só tinha três na altura das nossas visitas para a investigação). Do leite que ordenha ao
final do dia faz queijo que demora oito dias a curar. ‘A’ tem muito gosto em criar animais, diz
que é o que mais gosta, tendo além dos já mencionados: coelhos, pombos, patos, gansos, já
teve também perus, mas deu-lhe um desgosto grande porque morreram de doença. Antes
também tiveram vacas e burros, mas decidiram vender.
As duas mulheres são as máximas responsáveis pelo cuidado dos/das familiares, ‘B’ tem
dois filhos, ‘A’ tem um filho e duas filhas, atualmente ocupam-se dos/das netos/as, nos finsde-semana e férias escolares. ‘A’ criou um dos netos com o qual ainda vive (filho da filha mais
nova, que esteve emigrada na altura que ele nasceu), “O neto veio cá com quatro meses,
primeiro eu não queria, porque estava inscrita num curso na vila a tirar a carta do trator,
e não queria perder essa oportunidade, mas a minha filha pediu muito e insistiu, e então,
aceitei... o meu marido nunca concordou... Criei-o no trator [embora não tenha a carta ‘A’
dá uso ao trator para trabalhos e itinerários mais pequenos] fazia-lhe uma cama atrás do
banco e deitava-o aí..., na cabine do trator, e deixava-o na sombra de um sobreiro, enquanto
eu trabalhava... Um rapaz até disse na aldeia: <Nunca vi mulher como esta, acabar de criar
os filhos, ainda cria os netos...!> A culpa é do neto, que nunca tirei a carta!- acrescentava já
num tom de brincadeira.
‘A’ é quem mais participa nos assuntos comunitários e públicos da sua aldeia, fazendo
parte da Junta de Freguesia, mas não tem nenhum cargo de chefia, nem recebe salário,
apenas pela cobrança da água e pela limpeza que faz por encargo da Junta em situações
pontuais. Também abre o único café da aldeia, quando a filha que o explora não pode
ocupar-se dessa tarefa (as pessoas vão buscá-la a casa quando querem passar o tempo a
jogar as cartas ou tomar alguma coisa no café). Ela é muito ativa e dinâmica na vida da aldeia,
desempenhando as tarefas relacionadas como a preparação e organização das festas locais, é
“a eterna mordoma”, organiza convívios e jantares para angariar fundos para a festa maior,
encomenda e trata das t-shirts, contrata a banda, etc...
Comparando as duas, é ‘B’ que atualmente elabora mais quantidade de cusco para

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
16

vender, tem encomendas certas de particulares e de um restaurante: “Vou fazendo aos
poucos, quase todos os dias faço um pouco quando tenho encomendas maiores, agora
já me custa mais, antes conseguia fazer mais rápido e não custava-me tanto... é preciso
muita força para torcer.” Já, ‘A’ apenas o faz duas vezes por mês, e de cada vez transforma
12 quilos de farinha em cusco. Para além dos clientes particulares, as duas estão presentes
anualmente nas grandes feiras que se realizam na sede de concelho, onde tem possibilidade
de vender os seus produtos para um público mais vasto.
Trigo barbela, pão, cusco e a cultura material e imaterial associada
De um modo geral o cereal que melhor se adapta às condições edafo-climáticas do
concelho de Vinhais é o centeio, mas também são cultivados trigos moles, o tradicional barbela
e outras variedades de trigo mole ditas modernas, existe também em menor quantidade o
cultivo do trigo serôdio ou tardio de ciclo curto, milho, aveia, cevada e sorgo.
“O trigo não se aclimata bem nas terras, na sua maioria pobres, de Trás-os-Montes. Embora cultivado um pouco por tôda a parte - e não só o trigo de
Inverno, como também o de Primavera, o serôdio -, representa uma percentagem
mínima em face do centeio.” (TABORDA, 2011: 118)
O Trigo Barbela é o trigo mole tradicional de Trás-os-Montes, é um trigo melhor adaptado às
condições edafo-climáticas da região sendo ainda bastante presente nos cultivos cerealíferos,
pese o facto de que a maior parte da sua produção se destinar à alimentação animal, mesmo
os agricultores que ainda o cultivam não o utilizam nas suas dietas alimentares, os produtos
derivados do trigo: pão, cuscos, são feitos a partir de farinha comprada nas moagens de
Bragança, as quais utilizam maioritariamente trigos importados de França e Alemanha,
sendo apenas utilizado 10% de trigo produzido no distrito (este de variedades “modernas”
(Anza, Tua, Almansor, Caia ou Lima) e possivelmente algum barbela. Ainda assim quando
se promovem os cuscos e o pão tradicional de vinhais, reproduz-se o discurso de que a
matéria prima da farinha utilizada é a variedade de trigo barbela. Ana Maria Carvalho na sua
investigação constata que este trigo, com características de centeio é a opção mais apropriada
para o agricultor, apesar disto este trigo deixa, em 1987, de pertencer ao Catálogo Nacional
de Sementes, sendo impossível hoje comprar semente certificada desta variedade, apesar
disto muitos agricultores teimam em semear este trigo, guardando a semente de ano para
ano e ocasionalmente trocando com vizinhos de forma a manter a viabilidade das mesmas.
“O trigo Barbela é uma variedade portuguesa de trigo mole obtida pela Divisão
de Ensaio de Sementes e Melhoramento de Plantas, da então Estação Agrária
Central de Lisboa, e a sua principal característica é uma grande capacidade
de adaptação às condições mais adversas de cultivo. Até ao início da década
de oitenta foi, provavelmente, a única variedade de trigo cultivada no distrito,
constituindo a totalidade da produção entregue na EPAC, entidade então
responsável pela recepção e comercialização dos cereais. A citação mais antiga
por nós encontrada na bibliografia reporta-se a 1884, numa publicação sobre
palhas de trigo (PEREIRA COUTINHO, 1884), mas é provável que a sua obtenção
e introdução seja anterior a essa época6. A sua elevada rusticidade revela-se
através dos bons resultados que pode atingir, apesar dos magros recursos de
que dispõe. Tal como o centeio, o Barbela vai bem nos solos considerados
delgados e declivosos, dispensando os maiores cuidados de cultivo, como
boas lavouras, adubação estrumação e monda. Hoje em dia, o trigo Barbela é
considerado como uma variedade tradicional de Trás-os-Montes e, em especial,
da zona climaticamente homogénea designada por Terra Fria.” (CARVALHO,
1993: 53-54)
As vantagens do barbela sobre os “trigos modernos”, beneficia sobretudo os agricultores
6 - Encontrámos uma referência ao trigo barbela nas Memórias de Gostei e Rabal de 1758 na página 107, em
CAPELA, et al. 2007.

Ivett Kereszt
17

que necessitam de prover alimentação de animais, uma vez que, ainda citando de Ana Maria
Carvalho:
“A variedade tradicional Barbela reúne um conjunto de características que
lhe proporcionam grande rusticidade e capacidade de adaptação às difíceis
condições edafo-climáticas desta zona. Por outro lado, a duração do seu ciclo
vegetativo, bem como a particularidade de produzir palha em quantidade e
qualidade (quando comparada com outras variedades comerciais de trigo)
contribuiu para a preferência dos produtores da região pelo Barbela, apesar das
entidades responsáveis pela cerealicultura nacional não lhe terem reconhecido
ainda o devido valor agronómico e comercial.” (CARVALHO, 1993: V)
Mas infelizmente a não existência de unidades moageiras que se dediquem à sua farinação
para consumo humano, direciona toda a sua produção para a alimentação pecuária, estando
o seu cultivo directamente relacionado com a actividade pecuária.
As duas famílias das informantes chave cultivam trigo barbela, mas tal como já referimos
apenas usam o grão para alimentar os animais, os porcos e as galinhas, já a palha desse trigo
(sendo um trigo mais alto que as variedades modernas, produz mais palha) é utilizada para a
cama das vacas, das ovelhas e das cabras, além de as alimentar nos dias mais frios de inverno
quando não dá para sair a pastar. A cama dos porcos é feita com palha de centeio, porque o
trigo barbela tem umas aristas longas e duras que picam a pele mais fina dos porcos e “põe
o couro com arabunhão” (senhora ‘A’)
Antigamente quando os moinhos ainda trabalhavam (até o início dos anos oitenta)
usavam este trigo para fazer pão e o cusco, mas “... era muito trabalhoso porque para o
nosso uso [humano] tinha que se lavar o trigo antes de moer, ou lavávamos aqui ao pé da
fonte, ou nos poços, ou no rio..., isso era em agosto ou setembro, lavava-se em caldeiras
de cobre, colhia-se a água com o ‘garabano’7 e esfregava-se com as mãos no fundo da
caldeira e se deixava cair para um crivo, fazia-se isso em 3-4 águas, depois colhia-se para uns
cestos de verga e se havia pedras e sujidade, continuava-se. Se ainda sobrasse trigo, também
lavavam em maio.” (senhora ‘A’)
Depois de lavado, tinha que se estender em mantas grandes a secar ao sol durante um
dia inteiro e ir mexendo e virando-o várias vezes, para secar bem, depois à noite guardava-se
em sacos feitos no tear; essas atividades, segundo os testemunhos, ainda requeriam bastante
tempo.
O nosso moinho tinha três mós, duas eram ‘alveiras’8 e uma ‘morneira’9, uma das alveiras
era do povo para moer o trigo, mas havia moleiro, até tinha uma casa aí ao lado, e ele
moía sempre, mas quando alguém da aldeia precisava de moer, tinha que libertar a mó do
povo. O trigo moía-se duas vezes por ano, mas o centeio moía todo o ano. Ainda íamos lá
até aos anos oitenta, com carros de vaca, e moíamos no moinho, mas depois o moleiro foi
se embora..., emigrou... Ás vezes tinha que se dormir lá no moinho enquanto se moía...
chamavam-lhe o “purgatório”! - contava rindo-se a senhora ‘A’.
Nessa época quando ainda moíam no moinho, a primeira farinha peneirada, mais fina,
chamava-se o beijo, essa farinha guardavam para fazer os pães para as festas e para ocasiões
como por exemplo a matança, a malha, ou na altura da Páscoa, durante o resto do ano
só se comia pão de centeio. A segunda qualidade da farinha do trigo era a sêmea, que
utilizavam para fazer o cusco, naqueles tempos quando em todas as casas faziam cusco para
substituir o arroz e a massa. “Antes os homens ajudavam torcer e era mais rápido.” (senhora
‘B’). Também fabricavam pão com a sêmea mas juntavam farinha de trigo serôdio para sair
melhor o pão.
Hoje em dia as duas famílias moem em casa, num pequeno moinho elétrico, o grão do
trigo barbela em pequenas quantidades correspondentes às necessidades diárias alimentares

7 - Utensílio com cabo comprido de madeira que acaba num recipiente cilíndrico feito de chapa de zinco com
capacidade de mais ou menos 2 litros. O garabano da senhora ‘A’ ainda é o mesmo que utilizavam a sogra e o
sogro, hoje em dia ela usa para tirar cereais dos sacos na armazém, etc.
8 - As pedras alveiras eram mais macias e habitualmente de calcário, destinadas a moer o trigo.
9 - As pedras morneiras eram de granito e as tilizavam para moer essencialmente o centeio.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
18

dos animais, fazendo uma mistura entre vários tipos de cereais. Dizem que o grão do
barbela alimenta melhor, e os animais gostam mais dele do que do ‘trigo rapado’10 “Ainda
experimentámos por aí duas vezes com o ‘rapado’, mas os javalis deram cabo dele... e não
compensou.” (marido da senhora ‘A’; os assuntos dos cultivos anuais de maior dimensão é
o marido que domina mais, nas palavras da senhora ‘A’: “As quantidades é o meu marido é
que sabe.”)
A família de ‘A’ atualmente está a cargo de 300 hectares de terra, entre terras de
pousio, lameiros, hortas, soutos de castanheiros e outra floresta, e terras destinadas a cereal
onde semearam no outono de 2014, aproximadamente: de trigo barbela 60 alqueires11, de
centeio 60 alqueires também, de aveia 20 alqueires, de cevada 5 alqueires, e de serôdio 10
alqueires em março de 2015. Cada hectare é semeado mais ou menos com a quantidade
de 10 alqueires de semente. Hoje em dia usam químicos para melhorar as condições dos
cultivos dos cereais: na sementeira colocam “adubo 130” e depois em fevereiro colocam
adubo de cobertura, e se necessário herbicida: “a erva abafa o pão” (senhora ‘A’). Disseram-nos, tanto o marido como ‘A’ que o trigo barbela ganha menos erva, e há anos que não
é preciso pôr herbicida. Na colheita, em finais de junho ou início de julho (dependendo
do ano) se semearam 9 alqueires de trigo no outono (mais ou menos 100 quilos) colhem
aproximadamente 900 quilos de grão. Segundo esse casal o ‘trigo moderno’ ou ‘rapado’
rende mais do que o barbela em quantidade de grão, mas a quantidade de palha obtida
é muito inferior ao barbela, além disso os javalis atacam mais as variedades modernas que
também requerem o emprego de mais químicos e herbicidas por isso deixaram de semear
estas novas variedades. Todos estes trabalhos com os cultivos dos cereais são feitos pelo
marido (exceto na colheita onde tem a ajuda do genro e do filho) com auxílio do trator, e
contava esse senhor, que o primeiro trator da família foi comprado em segunda mão no ano
1989 e só em 1994 obteve um trator novo Lamborghini.
A maior parte da colheita destina-se à alimentação dos animais, mas também vendem
alguma parte12, além de guardarem as sementes para a sementeira do próximo ano. Já
na altura da sega com a máquina, estão atentos/as quais seriam os melhores sementes
para guardar, sabendo e controlando quais são as partes do cultivo onde há menos erva
daninha, e daí escolhem os sacos que servirão para guardar a semente, logo na altura de
armazenamento, esses sacos de grão são marcados com um S. “Há que escolher as sementes
boas, as mais limpas que não tenham nigela13.” (senhora ‘A’)
Depois da colheita deixam entrar as cabras e as ovelhas nos terrenos onde há restolho
para alimentarem-se desses restos e ao mesmo tempo adubam as terras com os excrementos.
Nesse terreno já não voltam a semear cereal, só no segundo ano, variando os cultivos, para
não cansar o solo. “Onde dão as batatas, no ano a seguir dá bem o trigo e onde dão os nabos
dá o serôdio a seguir.” (senhora ‘A’)14 após de concluída a sementeira espetam uns galhos
de carvalho em cada ponta da parcela para mostrar que “(...) já está coberta, para não ir lá o
gado, chama-se: belizar a terra.” (senhora ‘A’)
O processo do pão
Atualmente as duas senhoras só fazem pão uma vez por mês. Existem restrições: não se
pode cozer pão aos domingos e aos dias santos e quando a mulher está com o período. No
inverno o pão conserva-se durante um mês.
A senhora ‘A’ diz que no verão prefere cozer o pão à noite quando não bate o sol na
cozinha. A cozinha onde faz o pão e coze no forno era da sogra, que tem um forno maior,
cabem até 18 pães grandes de 1 quilo e meio. Na altura do fumeiro, uns dias antes da
matança faz três fornadas destas só para os enchidos, porque alguns como por exemplo a

10 - Denominam assim as variedades modernas porque carecem de aristas.
11 - Em Trás-os-Montes 1 alqueire corresponda mais ou menos a 11 quilos.
12 - A senhora ‘A’ há dois anos viu-se obrigada pelas novas regras fiscais a registrar-se nas finanças como agricultora (o marido não podia porque tinha já um trabalho assalariado) e agora tem que passar faturas das suas
vendas, seja a cria de um animal ou sejam os seus cultivos, até teve que contratar um contabilista para lhe ajudar
neste processo.
13 - “Nigela”: é a uma erva daninha com a flor azul que cresce entre o cereal.
14 - O serôdio é um cereal de ciclo curto cresce desde março até julho, depois de tirarem os nabos da terra plantam logo esse cereal aí.)

Ivett Kereszt
19

alheira e as chouriças de pão, levam pão. Fazer as três fornadas de pão seguidas demora o
dia inteiro e termina já noite adentro.
Primeiro é necessário retirar do frigorífico a noite anterior de cozer a porção de massa que
se guardou da última vez de amassar e deixar em temperatura ambiente para que “acorde”.
No dia seguinte adiciona-se esse fermento à massa que está a ser amassada. Para fazer o
pão utiliza-se a farinha tipo 6515, que compram em sacos grandes de 25 quilos. Para encher
o forno grande utilizam essa farinha toda, acrescentando mais ou menos 15 litros de água
morna (medem com um tacho grande de 5 litros, três deste) e três mãos cheias de sal grosso
(para cada tacho de água morna uma mão cheia de sal).
Começam por peneirar a farinha para a maceira grande (guardando alguma para depois
polvilhar quando for necessário), depois misturam a água morna com o sal grosso num
buraco feito no meio da farinha com o fermento, que se vai desfazendo. Mistura-se tudo,
mexe-se e amassa-se durante mais ou menos 45 minutos com movimentos enérgicos que faz
com que a massa tenha bolhas.
Tapa-se a massa com um lençol branco, no inverno recorrem ainda a uma manta bem
quente, para deixar levedar, durante uma hora e meia no verão e duas horas no inverno.
Depois de levedar a massa divide-se em porções de um quilo ou um quilo e meio para
fazer os pães, isto chama-se: fingir (na Galiza: finxir) e deixa-se levedar mais uma hora.
Aquece-se o forno enquanto os pães estão a levedar (mais ou menos 45 minutos) com
lenha de esteva ou de castanheiro, até que as paredes fiquem brancas, quando já há mais
quantidade de brasas espalham se de forma uniforme pelo chão do forno, é o processo que
chamam rugir o forno. No fim afastam-se as brasas para as laterais do forno e varre-se o
forno com uma vassoura de giesta verde (apanhada no mesmo dia) para que o chão do forno
fique limpo. Polvilham o pá com farinha para que os pães não colem e colocam-nos um a um
no forno quente, começando pela parte mais afastada da porta do forno.
Se os pães são pequenos, de um quilo, demoram a cozer cerca de uma hora e meia, se
os pães são maiores de um quilo e meio, demoram duas horas a cozer.
Todo o processo demora aproximadamente 4-5 horas, dependendo se é inverno ou verão
e do tamanho dos pães em causa.
O cusco
“Há por aí 10-12 anos eu ainda fazia cusco duas vezes por semana para vender... a
minha filha maior ainda vivia cá na altura... vinha um merceeiro a buscar com a carrinha, e
ele vendia nas aldeias. Mas não aguentei, cansa muito. (senhora ‘A’)
O cusco que se faz actualmente é elaborado com a mesma farinha que se utiliza para
o pão, a senhora ‘B’ compra a farinha numa moagem na capital de distrito, a senhora ‘A’
compra num comércio da sede de concelho. Ambas as farinhas utilizadas não são feitas a
partir de trigo barbela, aliás a percentagem de barbela nestas farinhas é residual ou nalguns
casos completamente inexistente, no decorrer desta investigação e depois de muito ouvir que
o cusco era feito com farinha de trigo barbela, fomos a uma moagem onde habitualmente é
comprada a farinha para fazer pão e cusco, onde o responsável explicou-nos que à volta de
30% do grão de trigo que utilizam é procedente de Alemanha (que faz uma farinha chamada
“melhorante” porque leveda melhor), 60% é proveniente de França e só aproximadamente
10% vem de produtores locais de distrito de Bragança, e dentro desses 10% apenas um
percentagem ínfima é de barbela, mas depende muito do ano, por exemplo há dois anos
(2013) receberam mais barbela.
Existem pequenas diferenças na elaboração do cusco por parte das duas senhoras, tanto
‘A’ como ‘B’ aprendeu a fazer pão e cusco por volta dos seus 13 anos com as suas mães e
avós, ‘A’ ainda aperfeiçoou essas artes com uma vizinha mais velha e com a sogra também,
apesar da transmissão dos modos de fazer tradicionais, tem incluído algumas inovações,
nomeadamente o facto das duas já terem adquirido ‘cuscuzeiras’ modernas para utilizar
quando têm que fazer grandes quantidades em pouco tempo, por exemplo na altura das
feiras gastronómicas de Vinhais. Uma das diferenças é o tempo da cozedura a vapor: ‘A’ coze
num pote de ferro ao lume durante uma hora e meia (para cinco quilos e meio de cusco),
na cuscuzeira de alumínio no fogão a gás dura cerca de uma hora. Já ‘B’ diz que coze 40
15 - A denominação tipo 65 refere-se ao tipo de farinha industrial que se utiliza para panificação, em geral.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
20

minutos a vapor na cuscuzeira com o pote, e 30 minutos no fogão na cuscuzeira de inox, mas
ela ‘estende’ sempre o cusco ao sol para secar, enquanto a senhora ‘A’ estende no interior
da cozinha, estas diferenças no processo resultam em ligeiras diferenças de cor e textura.
Segundo a nossa opinião, seria uma pena, que este produto tivesse que passar por um
processo de uniformização para fins de patrimonialização e venda como produto local, isso
significaria a perda de “marca pessoal” de cada artesã-produtora. Aliás, cada senhora tem a
sua clientela habitual que procura precisamente as características de cada modo de fazer o
cusco, dependendo do gosto pessoal de cada um/a: há quem gosta do cusco mais dourado,
com um grão maior ou mais pequeno, que se desfaça com maior ou menor facilidade, etc...
Na necessidade de escolher um “cusco tipo” para fins de denominação de produto de origem
controlada, então qual seria o melhor, o da senhora ‘A’ ou o da senhora ‘B’? É impossível
estabelecer critérios objetivos de forma a qualificar o que poderia ser o cusco artesanal de
maior qualidade, mesmo que sejam elaborados por cozinheiros de renome...
O processo do cusco
O cusco faz-se numa masseira mais pequena. A senhora ‘A’ de cada vez que faz cusco,
faz entre 10 a 12 quilos de farinha, primeiro salpicam água morna com sal sobre farinha
que está na masseira, se isto se faz com ajuda de uma outra pessoa é mais fácil, uma pessoa
vai salpicando a farinha com a água, com a mão ou com uma pequena vassoura feita de
matéria vegetal, enquanto a outra vai envolvendo a farinha e torcendo. Depois, torce-se
o cusco durante quatro horas, o acto de torcer o cusco consiste na repetição exaustiva de
movimentos circulares com as palmas das mãos, sempre na mesma direcção, sobre a mistura
da farinha com água, que ao ser sujeita a uma leve pressão vai-se aglomerando em pequenas
bolas de farinha, que vão sendo passadas por um crivo16 peneirando várias vezes até se obter
o tamanho pretendido dos “grãos” de cusco. Não se deve deixar esse processo a meio, há
que fazer sempre de modo contínuo para que os grãos não se sequem antes do tempo. A
senhora ‘A’ gosta de desfazer com as mãos os grãos maiores que ficam no fundo do crivo.
Os grãos estão prontos para cozer ao vapor, quando depois de serem pressionados entre as
mãos não permanecem juntos e se começam a soltar sozinhos.
Mas antes, estende-se numa mesa na cozinha com uma toalha branca limpa e deixa-se secar durante aproximadamente uma hora. Passado esse tempo ainda se torce mais um
bocadinho a água ferve para cozer os grãos a vapor. Para cozer a vapor habitualmente usase um pote de ferro, antes queimavam-se os ‘torgos’17 para fazer brasa que metiam por
baixo do pote. O cusco torcido coze-se a vapor num recipiente próprio para o efeito se
chama cuscuzeira, é um recipiente cónico feito de chapa de zinco com pequenos orifícios
no fundo (antigamente havia cuscuzeiras feitas de barro) que se coloca sobre um pote com
água a ferver, põe-se um pano branco de linho no fundo (que não pode ter nenhum cheiro,
porque o cusco é muito sensível e apanha muito facilmente os cheiros), os cantos deste
pano servem para tapar o cusco por cima, levando ainda um testo. De forma a não deixar
perder calor pela junção entre a cuscuzeira e o pote de ferro, é aplicada uma mistura de
farinha e água que serve de vedante. Coze-se durante uma hora e meia a quantidade de
cinco quilos e meio de cusco. Depois da cozedura a vapor coloca-se ainda quente novamente
na masseira para ser separado em pequenos grãos, uma vez que quando sai da cuscuzeira
encontra-se compactado, esta forma de cuscos compacta é chamada ‘carola’, e tem muitos/
as apreciadores/as, sendo consumida quente com mel ou açúcar e também simples já depois
de arrefecer. Caso não seja para vender em forma de carola, os grãos são separados na
masseira e de novo estendidos de forma a secarem até serem vendidos ou consumidos.
Cultura oral e costumes associados
Curiosamente, como já tínhamos mencionado, as rezas utilizadas na confeção de pão
são as mesmas dos dois lados da fronteira, além disso as duas informantes chave igualmente

16 - A senhora ‘B’ mandou fazer um crivo com buracos maiores do que o habitual, porque a sua clientela gosta
mais do cusco com um grão maior.
17 - Os torgos são as raízes da urze que se arrancam no monte.

Ivett Kereszt
21

usam a mesma reza na confeção do pão para que a massa levede bem:
S. João faça bom pão
S. Vicente o acrescente
Santa Marinha o cubra de anjinha
E em louvor de Deus e da Virgem Maria
Um Pai Nosso com uma Avé Maria
De ambos os lados da fronteira, as senhoras diziam que a massa do pão, ou o pão
“falava”, segundo o som que emitia ao tocar sabiam/sabem se está bem levedado, ou se está
bem cozido, por exemplo: na aldeia de Castromil castelhano duas senhoras explicavam, que
o pão cozido que saísse do forno tinha que se bater com a palma da mão nas costas do pão,
e se dizia: Pan, pan, estaria bem cozido.
O cusco durante as diferentes fases do processo também “comunica”, dizendo em que estado vai: quando ainda é preciso torcer muito, “diz”: Bota, bota!, na fase final: Já ‘stá, já stá!
...Para evitar a trovoada (“para fazer com que a trovoada não espalhasse”), encostava-se
a pá do forno à janela ou metia-se a pá do forno com o saca-borralhos (os dois a fazer uma
cruz) à beira da janela. Também se deitava sal pela janela fora com o mesmo propósito.
Quando alguém tinha bolídos nos olhos tratava-se com um grão de trigo, e rezavam três
vezes por dia esta oração:
Santa Luzia tinha três filhas,
Uma lia, a outra escrevia,
E a outra os bolídos dos olhos desfazia.
Em louvor de Deus e da Virgem Maria, um Pai Nosso e uma Avé Maria.”
Uma pessoa fazia para a outra: pegava no grão do trigo entre os dedos da mão direita,
fazia sinal de cruz não tocando na pessoa doente, rezava as orações e depois deitava o grão
num copo de água, e tinham que cumprir a novena: durante três dias, fazer isso três vezes, e
de cada vez deitavam um novo grão de trigo para o copo de água, no final havia nove grãos
inchados na água. Este tratamento também é válido para animais, por exemplo a senhora ‘A’
já o fez com uma cabra doente. (senhora ‘A’)
...Na última semana de maio à volta de dia 25 celebram-se As ladainhas: numa procissão
sai a cruz da igreja com as lanternas e vão para o lado o cereal sementado, rezam aí, e
o padre benze os campos do cereal. “Dizem que não se deve sementar na semana das
ladainhas porque não nasce bem, só nasce o pé, nasce sem orelhas.” (senhora ‘A’)
No fim da ceifa faziam um ramo feito de espigas e flores de campo, levavam-no num
sítio bem visível, para que toda gente visse e partilhasse a alegria do final dos trabalhos da
ceifa, a festa do último dia do trabalho chamava-se alboroco, onde consumiam vinho com
cerveja doce, ou vinho doce, que consistia em vinho com açúcar e ovos que se chamava:
charabanada. (senhora ‘A’)
Considerações finais
Durante a realização deste trabalho notámos que temas que nos parecem tão familiares
e presentes no nosso quotidiano podem se revelar extraordinariamente complexos como
é o caso do trigo, o estudo do mesmo e das práticas culturais a ele associadas, exigem
impreterivelmente uma colaboração multidisciplinar. No decorrer da investigação não nos
debruçamos na questão da origem da elaboração do cusco no concelho de Vinhais, mas
entendemos que seria necessário um trabalho de investigação histórica que não ficasse pela
superficialidade especulativa que faz parte do discurso de muitos curiosos e “eruditos”, já a
questão da presença do trigo barbela na região necessita de ser verificada por especialistas
da botânica e da agronomia, as técnicas de processamento e de consumo de alimentos por
engenheiras/os de ramo alimentar, seria preciso examinar também a economia doméstica
mais pormenorizadamente e por aí fora... O nosso trabalho de este modo, só pretende ser
uma breve aproximação ao tema que como se vê é muito vasto e tem muitas possibilidades
de abordagens.
Esperamos, que este texto ajudou contribuir à tarefa de visibilização de alguns dos
trabalhos que as mulheres desempenham que às vezes passam despercebidos e não lhes
acostumam atribuir o devido valor.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
22

Bibliografia
ALLEN, Patricia e SACHS, Carolyn (2007), “Women and food chains: the gendered politics of food”, em International
Journal of Sociology of Food and Agriculture Vol. 15 (1), pp.1-23.
AVAKIAN, Voski, Arlene e HABER, Barbara (2005), “Feminist Food Studies: A Brief History”, em Avakian, V. A. e
Haber, B. “From Betty Crocker to Feminist Food Studies: Critical Perspectives on Women and Food”, University of
Massachusetts Press, Amherst.
CARVALHO, Ana, M. P. (1993), “Barbela, um trigo escravo. A cultura tradicional de trigo na Terra-Fria Transmontana:
que futuro?”, Tese de Mestrado em Extensão e Desenvolvimento Rural, UTAD, Vila Real.
CAPELA, José, V. et al. (2007), “As freguesias do Distrito de Bragança nas memórias paroquiais de 1758 : memórias,
história e património.”, J.V.C., Braga.
CASTRO, José et al. (2010), “Montesinho Natural Park: General Description and Natural Values”, em Evelpidou, N.;
Figueiredo, T.; de Mauro, F.; Tecim, V.; Vassilopoulos, A. (eds.) “Natural Heritage from East to West, Case studies from
6 EU countries”, Springer, Heidelberg, pp. 119-132.
ESPEITX, Elena (2004), “Patrimonio alimentario e turismo: una relación singular”, em Revista Passos Vol. 2 Nº 2, pp.
193-213.
FAO - Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (1998), “Censos Agropecuarios y Género Conceptos y Metodología”, disponível online no repositório de documentos da FAO: http://www.fao.org/docrep/004/
X2919S/x2919s00.htm#Contents
LANDMAN, Maeve (2006), “Getting quality in qualitative research: A short introduction to feminist methodology
and methods”, em Proceedings of the Nutrition Society 65, pp. 429–433.
MOREIRA, Nuno, T. (2001), “Traços da evolução de sistemas de agricultura do Norte de Portugal”, nas Atas de 1º
Congresso de Estudos Rurais, 3º grupo de debate: Território, Agricultura e Desenvolvimento, UTAD, Vila Real.
MONTEIRO, António, M. (2014), “Comidas Conversadas – Memórias de Herança Transmontana”, Âncora Editora,
Lisboa.
MOORE, Henrietta, L. (1996), “Antropología y feminismo” Ediciones Cátedra, Madrid.
RODRIGUES, Orlando (1996), “Mudança do espaço rural em zonas marginais: O caso da Terra Fria Transmontana”,
em de Brito, Joaquim, P. et al. (coords.) “O voo do arado”, Museu Nacional de Etnologia, Lisboa, pp. 385-395.
TABORDA, Vergílio (2011) [or. 1932], “Alto Trás-os-Montes: Estudo geográfico”, Imprensa da Universidade de
Coimbra, Coimbra.
del VALLE, Teresa et al. (coord.) (2002), “Modelos emergentes en los sistemas y las relaciones de género”, Ediciones
Narcea, Madrid.

Agradecimentos
Gostaria de agradecer ao CEI a oportunidade e o apoio concedido, e agradeço igualmente a Sara R. e a G. M. o
seu apoio e ajuda, e agradeço às senhoras que tiveram a paciência e disponibilidade mesmo tendo muitos afazeres
de nos “aturar”.

23

Caminhos da Cal e do Barro, uma rota
cultural para o barrocal algarvio

Susana Cristina Calado Martins
Centro de Estudos de Património, Paisagem e Construção – Universidade do Algarve (CEPAC/UAlg)

Caminhos da Cal e do Barro é uma rota cultural e turística inspirada no tema da
produção de cal artesanal no barrocal algarvio, uma actividade que já se encontrou entre as
mais importantes da região e que definiu em boa parte a identidade do território. Realidade
para a qual contribuiu uma tradição milenar desta indústria artesanal, associada à utilidade
e versatilidade do material produzido, mas igualmente a reunião de condições naturais
bastante favoráveis ao seu desenvolvimento. Neste contexto, o barro tornou-se um elemento
importante, quer no que respeita à selecção dos solos, quer à construção do próprio forno
de cal. Para além do barro, o calcário e outros atributos da paisagem, como a orografia
do terreno, a disponibilidade de água, ou o coberto vegetal, estão intrinsecamente ligados
àquela antiga indústria artesanal e ao modo como a mesma se desenrolava neste território.
Por outro lado, os campos guardam ainda alguns fornos de cal, desactivados e em ruínas, mas
em razoável estado de conservação e nas povoações habitam ainda muitas e ricas memórias
de quem neles trabalhou ou os viu cozer. Todavia, e apesar da sua pertinência, nas últimas
décadas este tema do património cultural algarvio tem estado caído no esquecimento. É
assim que surge a ideia de criar uma rota turística com o intuito de interpretar, valorizar e
promover, tanto a paisagem como os recursos naturais e culturais do barrocal algarvio, onde
se incluem as experiências e saberes dos seus habitantes, que podem ser partilhadas com o
público no quadro de um produto cultural e turístico de carácter identitário.
A rota Caminhos da Cal e do Barro começou a ser desenvolvida no âmbito do Projecto
Querença, uma iniciativa de desenvolvimento local, que procura atrair ideias e projectos de
valorização de recursos, proporcionando condições para fixar população jovem e qualificada
no interior. Ainda desse contexto resultou o projecto “Barroca, produtos culturais e turísticos”,
que trabalha na concepção e desenvolvimento de conteúdos nas áreas da cultura e turismo,
onde se enquadra a rota.

1. O Território – Geografia e Paisagem
A produção artesanal de cal, tal como as tradições ligadas a esse ofício, foram na
generalidade comuns a grande parte dos territórios de solos calcários e barrentos, onde
se encontrasse combustível para calcinar a pedra em quantidade e quantidade suficientes.
Porém, e sem prejuízo de se tratar de uma mesma tecnologia produtiva e portanto com
requisitos semelhantes, é indiscutível que a indústria se desenrolou de modo particular em
cada lugar1. Neste sentido e considerando que os conteúdos da rota Caminhos da Cal e
do Barro são alimentados pela história da produção de cal no território onde se desenvolve,
é importante proceder a uma breve caracterização do mesmo, de modo perceber como se

1 - Para saber mais sobre a tecnologia de produção de cal e o seu desenvolvimento no Algarve, pode consultar-se
Martins, Susana Calado; A Cal na Tradição do Barrocal Algarvio. Contributo para o Estudo da Produção de Cal Artesanal; Dissertação de Mestrado em História do Algarve; Universidade do Algarve; 2012.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
24

articulam os principais elementos que se relacionam com o tema.
Do ponto de vista geográfico, o Algarve situa-se no sudeste peninsular e é a região mais
a sul de Portugal continental, tendo recebido ao longo da sua história fortes influências
do Mediterrâneo e norte de África, regiões com as quais partilha alguns dos seus traços
identitários. Trata-se de uma região “virada a sul”, com características geomorfológicas
próprias que a diferenciam do resto do país, embora apesar dessa relativa unidade, evidencie
também bastante diversidade interna. Na tentativa de interpretar as características geográficas
e geológicas do território, o Algarve tem sido alvo de vários modelos de classificação que o
dividem em três, ou mesmo quatro, faixas horizontais e paralelas, fazendo-as corresponder
a sub-regiões. Processo no qual se considera principalmente as áreas designadas como
“litoral”, a sul; “serra” (onde se inclui as serras de xisto e a de sienito, em Monchique), a
norte; e “barrocal”2, numa zona central maioritariamente composta por terras vermelhas
e solos calcários. Mas, onde alguns autores consideram ainda a existência da quarta área,
correspondente a uma pequena zona de arenitos que se situa, em determinados pontos,
entre a serra e o barrocal3.
Foi essencialmente nas terras de barrocal que durante séculos se desenvolveu uma
intensa actividade de produção artesanal de cal, cujas marcas ainda hoje (passado cerca
de meio século após o seu abandono) subsistem, quer na paisagem física quer na memória
dos seus habitantes. Porém, é preciso dizer-se que, apesar das tentativas de diferentes
autores para “arrumar” o território algarvio em sub-regiões, também o barrocal não apresenta características uniformes em toda a sua área. Antes, é palco de algumas diferenças
significativas. Por outras palavras, nem todos os limites da sub-região, e por conseguinte a
totalidade das suas características internas, são consensuais. É então preciso perceber quais
as características ou elementos que melhor definem o território da sub-região e lhe conferem
uma unidade própria, uma vez que existe concordância no que respeita à maior parte do
território, residindo as dúvidas sobretudo nas zonas de “fronteira”.
Assim, na interpretação e caracterização da paisagem, nomeadamente no processo de
construção de uma paisagem cultural, poderá ser útil analisar o nome que foi atribuído ao
território. Reconhecer a importância do acto de nomear é aqui pertinente na medida em que
atribuir um nome nunca, ou raramente, é um acto displicente ou desprovido de sentido. Ao
contrário, a toponímia rural revela que quando se nomeia um lugar, comunica-se sempre
alguma informação sobre o mesmo. O processo de nomeação da paisagem por parte dos
seus habitantes e/ou observadores resulta, antes de mais, de um processo de interpretação
da mesma onde, consciente ou inconscientemente, se organiza um “mapa” local onde estão
expressos os seus atributos particulares, mas também aquilo que enquadra a percepção de
quem os nomeia4.
Do ponto de vista da composição da palavra, a designação de barrocal parece remeter
para os dois elementos mais característicos do território: o barro, das terras barrentas de cor
avermelhada que a população mais antiga relaciona com a presença dos melhores calcários
para a produção de cal5; o calcário, também muito presente nos elementos construtivos do
2 - Mesmo considerando diferentes modelos de classificação do território, a área correspondente ao barrocal parece
hoje maioritariamente consensual, tanto entre os diferentes autores que descreveram a região, como entre a população local. Acerca deste assunto veja-se, por exemplo, Cavaco, Carminda; O Algarve Oriental. As Vilas, o Campo
e o Mar; Gabinete do Planeamento da Região do Algarve; Faro; 1976; pp.15-20, ou Ribeiro, Orlando; Portugal o
Mediterrâneo e o Atlântico; Livraria Sá da Costa Editora; 1998; pp.61-62. Ou ainda, Lopes, João Baptista da Silva;
Corografia ou Memoria Económica, Estatística e Topográfica do Reino do Algarve, Vol. I; Algarve em Foco Editora;
Faro; 1988; p.31, que ainda no século XVIII procedeu a uma descrição detalhada do Algarve, atribuindo àquela
parcela da região considerável importância, embora não a nomeasse como barrocal e sim como “Algarve calcário”,
expressão também bastante elucidativa das suas características.
3 - A título de exemplo, recorde-se a descrição de Orlando Ribeiro: “O Algarve divide-se pela constituição geológica,
numa série de faixas paralelas: a Serra xistenta do Carbónico (à excepção do maciço eruptivo de Monchique, provavelmente do fim do Secundário como as erupções basálticas da Estremadura), uma depressão periférica escavada,
embora incompletamente nos arenitos do Triássico, o Barrocal, constituído por uma série de anticlinais e de planaltos calcários, o Litoral de arriba até Quarteira, e, para leste, de restingas arenosas que deixam atrás de si lagunas e
canais”, Orlando Ribeiro; Portugal o Mediterrâneo e o Atlântico; p.62.
4 - Havendo muitas motivações e formas de nomear, muitas vezes podem ser destacados os aspectos predominantes
da paisagem; outras, os elementos singulares ou estranhos e que marcam a diferença; ou a memória de uma qualquer actividade, habitante ou usos do território.
5 - Informação referida por vários dos habitantes da freguesia de Alte, por exemplo Patrocínio de Oliveira (em 2011),
e da União de Freguesias de Querença, Tôr e Benafim, por exemplo Mário Miguel (em 2014), Henrique Silva (em
2014 e 2015), ou Sérgio Silva (em 2014).

Susana Cristina Calado Martins
25

mundo rural, ou a cal dele proveniente, que desempenhou um importante papel quer na
arquitectura, quer em boa parte do modo de vida das populações. A expressão “barrocal”
é também constantemente repetida pelas populações e pelos micro topónimos rurais6 para
designar determinados lugares, onde as principais características atribuídas à sub-região
aparecem mais vincadas, num constante exercício de interpretação da paisagem por parte de
quem a habita e percorre. Neste âmbito, deve acrescentar-se que, tanto para as populações
como para alguns autores, o termo “barrocal” designa igualmente um tipo de solo de terra
argilosa ou um sítio com muitas barrocas, aludindo a um terreno barrento e irregular onde os
estratos geológicos surgem à superfície em grandes blocos isolados e entrecruzados7. Deste
modo, as terras de barrocal podem também definir-se como uma cordilheira de barrocas ou
barrocos (nomes que se dão a rochas ou penedos insulados e irregulares), ou ainda como um
penedo alto junto a vales ou terras planas, quadro igualmente associado a terras de barro,
nomeadamente barro vermelho8.
Estas barrocas causaram alguns constrangimentos às populações rurais, na medida em
que muitas vezes dificultaram a prática agrícola, obrigando os camponeses a acções de
despedrega para limpeza e preparação dos terrenos. Mas, à boa maneira das comunidades
rurais também se encontraram modos de lhes conferir utilidade, com resultados expressos
no desenho das paisagens. Entre estes contam-se: a construção de muros e valados em
pedra seca para divisão e demarcação dos terrenos, a delimitação de caminhos rurais, a
construção de sebes para protecção de culturas e sementeiras da acção dos animais,
o empilhamento (mais ou menos organizado) em muroiços, a construção de paredes de
sustentação em forma de socalcos nos locais de declive, de modo a aumentar as áreas
de cultivo9. Porém, estes aspectos, embora bem marcados do ponto de vista visual, não
constituem a única aplicação das barrocas. Para além deles, conforme já foi notado por
outros autores e confirmado pelos relatos das populações, uma grande partes destes
blocos de calcário era calcinado nos inúmeros fornos de cal da região10. Neste contexto, a
abundância de pedra calcária, em geral fácil de extrair, e com propriedades adequadas para
obter cal de elevada qualidade, promoveu o sucesso da actividade nesta parcela do território.
De acordo com o descrito, também o barro tem um papel de protagonismo. Desde
logo, por se tratar de um elemento importante no que respeita à selecção dos solos, pois
ainda hoje é comum os habitantes rurais afirmarem que em certas zonas de barro vermelho
é o onde se encontra a pedra de melhor qualidade para o fabrico da cal. Por outro lado,
no que se refere à construção do forno de cal, estes barros, quer vermelhos quer brancos
(onde os há), assumiram-se também como um elemento incontornável. Por exemplo,
após a montagem do forno era sempre necessário revestir com barro alguns elementos da
6 - Como exemplo, pode apontar-se (embora apenas para o território do concelho de Loulé) os micro topónimos
registados há algumas décadas atrás derivados da expressão “barrocal”. Assim, encontram-se os seguintes nomes:
“Barrocais”, 16 vezes registado (algumas vezes num nome composto) entre as freguesias de Alte e Benafim; “Barrocal”, 25 vezes registado (algumas vezes num nome composto) entre as freguesias de Alte, Querença, Quarteira,
Salir, São Sebastião, Almancil e São Clemente; ou “Barrocalinho”, 5 vezes registado (algumas vezes num nome
composto) entre as freguesias de Salir, São Sebastião, Alte e Boliqueime. (*Note-se que as referidas freguesias de
Querença e Benafim incorporam actualmente a União de Freguesias de Querença, Tôr e Benafim).
Informações retiradas de: Costa, Eduardo Anjos; Levantamento Toponímico do Concelho de Loulé (policopiado);
Loulé; s.d.
7 - Martins, Susana Calado; A Cal na Tradição do Barrocal Algarvio. Contributo para o Estudo da Produção de Cal
Artesanal; p. 46.
8 - Estas descrições foram partilhadas por alguns habitantes da União de Freguesias de Querença, Tôr e Benafim,
entre os quais, Maria de Jesus Dias (2014), Francisco Dias (2014), ou Mário Miguel (2014).
Consultaram-se também as entradas “barroca”, “barrocal” e “barroco” no Grande Dicionário da Língua Portuguesa, de Cândido de Figueiredo e no Grande Dicionário de Língua Portuguesa coordenado por José Pedro Machado.
Novamente tendo por base o registo de micro topónimos rurais do concelho de Loulé, encontraram-se os seguintes
nomes de lugar: “Barroca(s)”, 10 vezes registado (algumas vezes num nome composto) entre as freguesias de Salir,
Alte e Benafim; “Barroquinha(s)”, 3 vezes registado entre as freguesias de Salir, Alte e Benafim; “Barrocoso”, 2 vezes
registado, entre as freguesias de Quarteira e São Sebastião.
Costa, Eduardo Anjos; Levantamento Toponímico do Concelho de Loulé (policopiado).
9 - Martins, Susana Calado; A Cal na Tradição do Barrocal Algarvio. Contributo para o Estudo da Produção de Cal
Artesanal; p. 47.
10 - Martins, Susana Calado; A Cal na Tradição do Barrocal Algarvio. Contributo para o Estudo da Produção de Cal
Artesanal; p. 47. Veja-se também, Prista, Pedro; Sítios de Querença. Morfologias e Processos Sociais no Alto Barrocal
Algarvio; Dissertação de Doutoramento; Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa; Lisboa; 1993; pp.
92-93.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
26

construção, nomeadamente a abóbada ou o vão de entrada, assegurando dessa forma o
isolamento térmico do interior durante o processo de laboração; assim como a protecção dos
trabalhadores no exterior, pois ficavam menos expostos ao calor extremo e às chamas, que
sairiam por entre as pedras. Tarefa esta que era ainda várias vezes repetida antes de se dar
por finalizada a cozedura, ao fim de alguns dias.
Por este motivo, saber os locais de extracção de barro “bom” (sendo a qualidade um
atributo subjectivo, aplicado conforme os usos) foi um tipo de conhecimento de grande
importância para as comunidades rurais, mais uma vez, com reflexos na toponímia dos
lugares11. E ainda hoje são esses mesmos habitantes do Algarve rural que sabem dizer com
certezas que determinada barreira servia para se revestir os fornos de cal, mas que outra nas
proximidades seria melhor para a construção, ou ainda que apenas de algumas outras se deve
retirar barro para usar na olaria. Saberes esses ancorados na experiência e na capacidade de
“leitura” do meio envolvente, que permitem reconhecer as melhores formas de tirar partido
e aplicar convenientemente este material, tanto na construção tradicional (terras cruas ou
cozidas)12, como também nos importantes trabalhos ligados à olaria.
Para além destes, outros atributos da paisagem, como a disponibilidade de água, ou o
coberto vegetal estão intrinsecamente ligados aos modos de vida do barrocal, nomeadamente
pela ligação directa que estabelecem com a agricultura, a mais importante actividade
das comunidades rurais. Por exemplo, os diversos tipos de “matos” desempenharam um
importante papel como combustível para alimentar os fornos de cal, que o consumiam em
bastante quantidade, durante os vários dias de laboração. Mas não foram apenas os fornos
de cal que requereram muita desta vegetação, também os fornos das indústrias cerâmicas
ou os simples fornos domésticos consumiram deste combustível. Por este motivo, existiram
parcelas de terreno não cultivado, sobretudo em cerros, onde propositadamente se deixava
crescer o mato (cerca de 90cm) , para responder a estas necessidades. Quando destinados
à indústria, estes matos eram, muitas vezes, recolhidos e transportados em molhos, às
costas dos homens, com o auxílio de um gálapo, instrumento que lhes permitia apoiar na
cabeça e ombros uma carga que chegava a atingir os 50 kg, descendo depois pelas encostas
pedregosas até aos locais a que se destinavam. Deste modo, o ofício de carregador de lenha
foi um dos mais duros relacionados com a actividade de produção de cal, mas também um
dos mais bem pagos do barrocal.

1.2 O Território - História e Cultura
A produção de cal de acordo com métodos artesanais é uma actividade antiga, de
tradição milenar e com raízes na bacia do Mediterrâneo. No Algarve, os testemunhos
históricos desta indústria remontam, pelo menos, até à época romana e dão conta da sua
permanência sistemática no território até meados do século XX. Para esta longa cronologia
contribuíram diversos factores, donde se destacam as condições naturais bastante favoráveis,
a versatilidade e importância da cal, mas também o peso económico e social que a actividade
deteve na região. Por tudo isto, esta assumiu-se como uma das mais preponderantes e
influentes indústrias do barrocal algarvio, tendo moldado a vida de muitos dos seus habitantes
e definido em boa parte a identidade da região.
Porém, deve salientar-se que a produção de cal na região algarvia não se resumiu ao
barrocal. Pelo contrário, em determinadas ocasiões e tempos históricos continuou a marcar
presença noutros lugares, desde que houvesse disponibilidade de calcário e lenha para
11 - Novamente tendo por base o registo de micro topónimos rurais do concelho de Loulé, podem referir-se os
seguintes nomes de lugar: “Barro(s)”, 11 vezes registado (algumas vezes num nome composto) entre as freguesias
de Almancil, São Sebastião e Quarteira; “Barrosal”, 1 vez registado na freguesia de Salir; “Barrosas”, 1 vez registado
na freguesia de Salir; “Barreiras”, 6 vezes registado (algumas vezes num nome composto) entre as freguesias de
Salir, Querença, São Clemente, Ameixial, Alte e Benafim; “Barreirão”, 1 vez registado na freguesia de Salir; “Barreirinhas”, 2 vezes registado nas freguesias de Alte e Benafim; “Barreiro(s)”, 11 vezes registado (algumas vezes
num nome composto) entre as freguesias de Ameixial, Benafim, Salir, Boliqueime, São Clemente, São Sebastião e
Almancil; Barrinho(s), 2 vezes registado na freguesia de Salir. Costa, Eduardo Anjos; Levantamento Toponímico do
Concelho de Loulé (policopiado).
12 - No que respeita às terras cruas, podem considerar-se as construções de taipa ou de adobe (esta última comum
em determinados lugares até há algumas décadas), mas também as argamassas de ligação ou revestimento; quanto
às terras cozidas, refira-se por exemplo as telhas ou ladrilhos.

Susana Cristina Calado Martins
27

combustível, ou em alternativa facilidade de os transportar13. Uma realidade que acentua
ainda mais a relevância de todas as actividades que envolvem esta indústria de produção. No
entanto, é inegável que o território mais conotado com este oficio foi sempre o correspondente
à faixa do barrocal, assumido ainda uma maior expressão na zona central do Algarve, onde
os atributos da sub-região são mais evidentes14. Esta zona, que em grande parte corresponde
a território do concelho de Loulé, é aquela onde parece ter havido um maior número de
estruturas de produção, tal como revelam os registos dos fornos de cal na Carta Militar de
Portugal15, mas também os testemunhos de habitantes, que dizem respeito sobretudo às
últimas décadas de laboração16.
Até meados do século passado, a indústria de produção de cal no barrocal algarvio
desempenhou um importante papel nas comunidades. De um modo geral, está bem
presente na memória das populações a ideia de um ofício muito duro, mas que possibilitou
que muitas famílias pobres ou numerosas pudessem ser alimentadas, na medida em que
a actividade movimentava muitos recursos e trabalhadores. Porém, a partir de meados do
século XX, com a introdução e difusão de materiais de construção mais modernos, a cal foi
progressivamente perdendo o seu mercado privilegiado e assim grande parte do seu valor e
poder económico. Este factor, a par de “novas” formas de adquirir mais “ganhos”, como as
ondas de emigração para a Argentina e França nos Anos 60 e 70, ditaram o enfraquecimento
e depois o término desta actividade no Algarve.

2. Caminhos da Cal e do Barro – uma rota cultural
2.1 As Terras da Rota
Nesta fase inicial, a rota Caminhos da Cal e do Barro tem vindo a desenvolver-se no
concelho de Loulé, nomeadamente em Querença, aldeia onde está sedeada e a partir de
onde se desenvolvem grande parte das actividades. No entanto, os pontos de interesse
associados à rota estendem-se igualmente por outros lugares do interior, onde se definiram
os itinerários e seleccionaram os locais para acolher as actividades. Área que corresponde
ao barrocal do concelho de Loulé e se distribui pela União de Freguesias de Querença, Tôr
e Benafim; da Freguesia de Alte; da Freguesia de Salir; e das citadinas Freguesia de São
Clemente e Freguesia de São Sebastião.
Mas esta território encerra ainda um outro aspecto de importância para a rota: situa-se
entre duas unidades tecto-estratigráficas que no contexto da evolução histórica da superfície
terrestre resultaram num conjunto de falhas geológicas, as quais acabaram por colocar
lado a lado rochas de idades e contextos completamente distintos, originando uma grande
diversidade17.

13 - Pontualmente surgiram situações em que a presença de um conjunto de razoáveis vantagens económicas permitiram compensar o esforço acrescido que significava a construção de fornos de cal em locais como Cachopo (a
“serra de Tavira”) ou nas Laranjeiras e outras povoações (margem do rio Guadiana), em terras de xisto, no Esteiro da
Carrasqueira (Castro Marim), em terrenos de sapal. Martins, Susana Calado; A Cal na Tradição do Barrocal Algarvio.
Contributo para o Estudo da Produção de Cal Artesanal; p.56.
14 - Pedro Prista considera que o concelho com maior número de barrocais é o de Loulé: Prista, Pedro; “Águas
Tiradas e Águas de Rojo – cooperação e autonomia das hortas do Alto Barrocal”; p.85. Acerca deste assunto, pode
ainda ler-se: “o carácter mais vincado da paisagem do barrocal encontra-se, numa área central, bem representada
no concelho de Loulé, que se dilui para este e oeste”, em Cancela d’ Abreu, Alexandre; Correia, Teresa Pinto, Oliveira, Rosário (Coord.); Contributos para a Identificação e Caracterização da Paisagem em Portugal Continental; Vol. V;
Direcção Regional do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano; 2004; p.199.
15 - Foram utilizadas as seguintes Folhas da Carta Militar de 1989: Folha 587, onde se integram zonas das freguesias
de São Bartolomeu de Messines (concelho de Silves) e de Alte (concelho de Loulé); a Folha 596 correspondente às
freguesias de Algoz (concelho de Silves), Alte (concelho de Loulé) e Paderne (concelho de Albufeira); a Folha 597
correspondente à União de Freguesias de Querença, Tôr e Benafim (concelho de Loulé), a Folha 600, correspondente
às freguesias de Castro Marim (concelho de Castro Marim), Cacela e Vila Real de Santo António (concelho de Vila
Real de Santo António); a Folha 602, correspondente à freguesia de Budens (concelho de Vila do Bispo); e a Folha
606 onde se integram ainda áreas correspondentes às freguesias urbanas São Clemente e São Sebastião (concelho
de Loulé).
16 -O que se tornou já evidente no trabalho de campo efectuado durante a investigação para a dissertação de
mestrado, entre 2010 e 2012, e foi depois confirmado no âmbito da investigação para o desenvolvimento da rota
Caminhos da Cal e do Barro, essencialmente nos finais de 2014 e inícios de 2015.
17 - Acerca da natureza geológica deste território, pode consultar-se, Dias, Rui, et. alli (editores); Geologia de Portugal, Vol. II – Geologia Meso-cenozóica de Portugal; Escolar Editora; Lisboa; 2013; pp. 29-165.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
28

Mapa baseado no que se encontra em: Guia de percursos pedestres e de BTT do concelho de Loulé;
Câmara Municipal de Loulé; 2008; pág 10.

2.1 Caracterização do Projecto
A rota Caminhos da Cal e do Barro é um projecto turístico, de carácter cultural, que
oferece ao turista a possibilidade de entrar em contacto com o barrocal algarvio por meio do
conhecimento e interpretação de dois dos seus principais recursos naturais: a cal e o barro.
Deste modo, as principais linhas temáticas que enquadram o projecto desenvolvem-se em
torno do calcário (pedra e cal) e do barro, mas também das cores de várias tonalidades,
provenientes das terras com diferentes naturezas geológicas do território.
O programa compõe-se essencialmente de uma selecção de itinerários, que podem ser
percorridos de modo autónomo ou com guias especializados, assim como de um conjunto
de actividades diversas, que permitem ao visitante tomar um contacto mais próximo com o
território e os seus protagonistas, estimulando a vivência de experiências singulares, ancoradas
no reconhecimento e interpretação das suas singularidades e tradições próprias. Neste contexto, a componente criativa desempenha um papel essencial na programação das actividades,
na medida em que se transforma num meio privilegiado para levar os participantes a “ver”
os lugares de um modo diferente do convencional, estabelecendo com eles uma ligação
emocional, e ao mesmo tempo proporcionando uma aprendizagem da história e cultura locais.
Caminhos da Cal e do Barro é um projecto direccionado aos turistas, nacionais
e estrangeiros, mas também à população residente, à qual se pretende dar uma atenção
especial, de modo a promover a sua participação e retribuir em parte os seus contributos,
nomeadamente através de acções especificas de âmbito social destinadas a segmentos
específicos18. A concepção e funcionamento da rota é assegurada pelos dois promotores do
projecto, com formação superior nas áreas de História e Património Cultural, apoiados nos
contributos de colaboradores e parceiros de outras áreas. Na sua fase inicial, o projecto tem
contado também com o apoio do Projecto Querença, da União de Freguesias de Querença,
Tôr e Benafim, da empresa de turismo Proactivetur, Turismo Responsável19 e, no que se refere
ao aprofundamento de conteúdos culturais, do Centro de Estudos Ibéricos, sendo este último
o contexto onde se insere o presente trabalho.
18 - Neste âmbito já foram desenvolvidas algumas acções lúdico - educativas com as crianças do pré-escolar e ensino
básico das escolas de Querença, Tôr e Benafim, tais como sessões de pintura com tintas de cal ou uma construção
com tijolos de adobe confeccionados pelas próprias crianças.
19 - Para saber mais acerca do Projecto Querença ou ficar a conhecer o trabalho desenvolvido pela Proactivetur,
Turismo Responsável podem consultar-se respectivamente os seguintes endereços na web: https://www.facebook.com/projectoquerenca ; https://www.facebook.com/ProActiveTur-Lda.

Susana Cristina Calado Martins
29

Objectivos e Metodologia Gerais
Com este projecto turístico pretende-se contribuir para a desenvolvimento local através
da valorização e dinamização dos recursos naturais, culturais, económicos e humanos do
território, numa abordagem que favorece o combate à sazonalidade. Para atingir este
objectivo o programa da rota baseia-se no constante enriquecimento dos seus conteúdos
culturais e científicos, o que se traduz tanto nos itinerários como nas experiências criativas.
Outro aspecto importante é o estabelecimento e reforço de parcerias de cooperação, tanto
na área geográfica onde se encontra como fora dela. Estas parcerias têm lugar com pessoas
ou entidades que desenvolvem a sua actividade na região20 e que têm assim oportunidade
de integrar a rota, numa relação de beneficio mútuo.
Para cumprir os objectivos a que nos propusemos desde o inicio do projecto, os trabalhos
dividiram-se em várias fases. Numa primeira fase, foi realizada investigação bibliográfica e de
carácter antropológico, que permitiu completar e aprofundar alguns dos conhecimentos já
adquiridos anteriormente, adaptando-os ao projecto de criação de uma rota cultural. Para
além disso, foi também realizado trabalho de campo para seleccionar e definir os pontos
de interesse e itinerários da rota, para marcação dos percursos e para a selecção de locais
para acolher actividades. Numa segunda e terceira fases procedeu-se ao tratamento dos
dados reunidos e à estruturação da rota, nomeadamente com a organização dos percursos,
a concepção de mapas e de programas, e a produção de textos e outros conteúdos culturais.
Por último, na fase de implementação, têm sido acertadas parcerias e tem sido elaborada a
divulgação e comercialização da rota, essencialmente com recurso às ferramentas da web.
Neste período, têm sido realizadas várias actividades próprias21, a par da participação em
programas e outras iniciativas no âmbito do turismo e da cultura, com bons resultados
alcançados.

2.3 Caminhos da Cal e Barro – Produtos e Catálogo
No processo de estruturação da rota foram aproveitados e revitalizados alguns dos
recursos já existentes no território (como troços de percursos previamente marcados e/ou
sinalizados noutros contextos), embora conferindo-lhes uma diferente abordagem temática
e adaptando-os às necessidades.
O programa é composto por produtos dirigidos ao público autónomo e por produtos
que requerem a orientação de um guia e portanto com a componente interpretativa mais
desenvolvida, assim como uma abordagem mais criativa. Para os primeiros foram desenvolvidos
percursos pedestres de carácter interpretativo; já no âmbito das actividades trabalhadas com
a orientação de um guia especializado foram igualmente desenvolvidos percursos pedestres
interpretativos, mas também actividades e experiências criativas que compõem um “Catálogo
de Actividades” para apresentação e comercialização ao público. A estes produtos acrescentase o interesse em vir a desenvolver também uma componente formativa, com acções ligadas
ao tema da rota e na sua maioria abertas ao público generalizado (ainda que com interesses
particulares), com o objectivo de a enriquecer e contribuir para a profundidade cientifica e
cultural do projecto.
Percursos Auto-guiados
Foram desenvolvidos três percursos pedestres auto-guiados, mas com carácter
interpretativo: “Percurso Entre Querença e Loulé”; “Percurso Entre Querença e Salir”; “Percurso
Entre Salir, Benafim e Alte”22. Com cada um deles procura-se transmitir conhecimentos sobre

20 - Algumas destas parcerias encontram-se entre as áreas da restauração tradicional, alojamentos locais, artesãos e oficinas de artesanato e produtos locais, especialistas em áreas e temas de interesse, agentes culturais e
turísticos e outros.
21 - É de salientar que foram realizadas não apenas actividades calendarizadas por nós em datas especificas,
mas também algumas actividades fora desse calendário por solicitação de clientes, sendo este – a criação de
programas personalizados de acordo com os interesses dos clientes – também um serviço que pretendemos
disponibilizar.
22 - Há a possibilidade destes percursos virem a ser realizados também com a orientação de um guia, recorrendo
a enriquecimento de conteúdos e de ferramentas interpretativas. Neste caso, não se calendarizem, poderão estar
sujeitos a marcação por parte dos interessados.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
30

o tema da produção artesanal de cal no território onde se inserem, assim como dos vários usos
e aplicações tradicionais do calcário e da cal, a par das actividades ligadas ao aproveitamento
do barro, seja na construção ou na olaria. Nestes percursos a componente interpretativa
não é descurada. Ao contrario, na transmissão de informações houve preocupação em
criar textos apelativos e de carácter interpretativo, sempre direccionados para os elementos
da paisagem envolvente e as “histórias” com ela relacionadas, permitindo assim que os
visitantes se sintam conectados com o lugar. O objectivo é fornecer ao turista a possibilidade
de conhecer e explorar o território a partir da aprendizagem e compreensão destes temas.
Mas também cativa-lo de modo a que se envolva com a região, permaneça por mais tempo e
consuma os seus bens e serviços mais característicos, contribuindo assim para o incremento
do desenvolvimento local.
Para apresentação destes percursos foi elaborado um guião relativo a cada um deles,
onde consta: mapa do percurso, que acompanha um ficheiro para dispositivos digitais; ficha
técnica23; um pequeno texto de informação geral sobre o percurso e o território envolvente;
textos interpretativos relacionados com os pontos de interesse seleccionados; imagens; outras
informações relevantes, de acordo com o usufruto da proposta apresentada24.

Forno de Cal de Porto Nobre/Querença. Este forno foi todo empedrado e preparado para cozer cal já nos últimos
anos da actividade e chegou a laborar, transformando-se assim na mais importante estrutura da região.

Catálogo de Actividades
Este catálogo25 desafia o público para o conhecimento do barrocal algarvio e dos seus
protagonistas através de uma perspectiva criativa, apoiada no conhecimento e interpretação
de alguns dos seus principais atributos naturais. Encontra-se organizado de acordo com
o mote “Venha Caminhar Connosco” e é composto por três secções: “Caminhos para
Percorrer e Aprender”, “Caminhos para Experimentar e Criar” e “Os mesmos Caminhos,
outras Descobertas”.

23 - Na ficha técnica constam informações como: o tipo de percurso (linear ou circular), a distância, a duração
prevista ou recomendada de acordo com a proposta, o grau de dificuldade, a época do ano recomendada, o
público alvo e outros elementos de interesse que possa ter associados.
24 -Por exemplo, horários e contactos dos núcleos museológicos integrados no percurso ou outras galerias com
visita recomendada, sugestões de locais onde comer e dormir, ou outras informações úteis relativas aos locais de
partida e chegada.
25 - O “Catálogo de Actividades”, organizado como tal, será lançado no inicio de 2016. Até lá, todas actividades
serão apresentadas e divulgadas em facebook.com/barroca.tourism.

Susana Cristina Calado Martins
31

A secção “Caminhos para Percorrer e Aprender” é formada por pequenos percursos
interpretativos, orientados por um guia especializado, ao longo dos quais os visitantes ficarão
a conhecer um pouco das principais linhas temáticas orientadoras desta rota. Desde logo, o
modo como se desenvolveu da indústria de produção de cal no território, assim como alguns
dos ofícios, ou saberes dos habitantes e trabalhadores da região ligados ao tema, tais como,
o de mestre caleiro, carregador de lenha ou o encarregado da fornada. Mas para além deste,
desenvolvem-se outros aspectos, como as variadas “artes da cal” relacionadas com as técnicas
decorativas presentes na arquitectura popular; os ofícios relacionados com os trabalhos de
cantaria ou com o aproveitamento dos vários barros e argilas destas terras, direccionando-os
conforme as suas qualidades para os trabalhos de olaria, ou para a construção, empregando
várias técnicas tradicionais. É com este tipo de produto, dada a presença do guia e tirando
partido das dinâmicas diferenciadas de cada actividade realizada, que se faz mais uso dos
conteúdos histórico-culturais vinculados ao tópico da “paisagem cultural”, que foram
objecto de investigação no âmbito da criação da rota. Encontram-se preparados os seguintes
percursos26: “Percursos de Cal na Tôr”; “A Tradição Canteira de Clareanes”; “Por Caminhos
da Cal”; “Entre os Vales e os Serros”; e “À Descoberta da Benémola”.
Por outro lado, os “Caminhos para Experimentar e Criar” consistem em actividades
práticas, de experiências sensoriais com os materiais, descobrindo as suas características e
potencialidades. A ideia é puder mexer nas terras e no barro, na cal e nos pigmentos coloridos
destinados à confecção de tintas e seguir pelos caminhos da criatividade. Neste campo,
estão montadas as actividades, “Manhãs de Cal”; “Pelas Cores da Terra: um percurso em
busca de pigmentos naturais”; “Pintar com Tintas de Terra”; “Do Barro da Terra à Peças de
Olaria”; “Experiências com Mini-adobeiras”; “Recriação de Platibandas Algarvias em Painéis
Decorativos”.
Por último, para além das principais linhas temáticas desenvolvidas pela rota, acrescentamse outras actividades que a completam e enriquecem. A secção “Os mesmos Caminhos,
outras Descobertas” conta com a colaboração de alguns convidados especiais, especialistas
nas respectivas áreas, para o desenvolvimento das actividades “A botânica nos Caminhos
da Cal e do Barro – Saberes e Usos”; “Astronomia na Pedreira”; “Fotografar Terras de Cal
e de Barro”; “Colorir, Ilustrar e Pintar por estes Caminhos”. São experiências enquadradas
pelo mesmo tema de fundo, onde se percorre o mesmo território, mas que proporcionam ao
visitante a oportunidade de se envolver na descoberta de outros temas, aos quais se confere
o protagonismo.
No que respeita à divulgação, esta é realizada com base na apresentação de material
promocional contendo informações, como um pequeno texto descritivo da actividade27,
data e horário, local e ponto de encontro, público alvo, preço (com o que inclui) e limite
de inscrições, informações técnicas (tipo de percurso, distância e grau de dificuldade; ou
eventuais requisitos a cumprir, no caso das experiências criativas) e identificação do guia,
salientando-se a relevância dos especialista convidados. Acrescenta-se que a “Recriação de
Platibandas Algarvias em Painéis Decorativos” é também umas das actividades que integra
um outro projecto de turismo criativo, desenvolvido por vários parceiros no concelho de
Loulé28. Assim, beneficia igualmente desse canal de divulgação e das parcerias aí existentes,
uma situação que acaba por se estender um pouco por toda a rota.
26 - Todos os percursos possuem um grau de dificuldade fácil ou moderado, com distâncias variadas, mas duração
entre meio dia e um dia, de acordo com os conteúdos temáticos e as estratégias interpretativas utilizadas.
27 - No caso dos produtos apresentados como exemplo, os textos descritivos para divulgação são os seguintes: “À
Descoberta da Benémola” – Venha redescobrir a Benémola na perspectiva da tradição caleira de Querença! Sabia
que este foi outrora um lugar privilegiado para a produção de cal? Durante este percurso interpretativo, e com o
auxilio de pequenas experiências criativas, poderá voltar atrás no tempo e perceber como se articularam os elementos que definiram a importância deste espaço para aquela indústria artesanal; “Recriação de Platibandas Algarvias
em Painéis Decorativos” – Importante expressão artística da arquitectura e cultura algarvias, as platibandas e os
seus motivos decorativos inspiram um dia criativo em Loulé. Após um passeio pela cidade, os participantes terão
oportunidade de experimentar a confeccionar as tintas artesanais e algumas argamassas com que se elaboraram
estes trabalhos, para depois os recriar num pequeno painel e levar consigo um bocadinho deste património singular;
“A Botânica nos Caminhos da Cal e do Barro – Saberes e Usos” – As terras de calcário são também o lugar onde
se desenvolvem algumas das mais interessantes plantas da região, com usos tradicionais nos campos da culinária e
da medicina. Durante uma pequena caminhada, na companhia de uma especialista nestes saberes, faremos uma
incursão aos segredos da rica flora do barrocal algarvio.
28 - O projecto Loulé Criativo Turismo pode ser consultado aqui: http://loulecriativo.pt .

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
32

Formação
No que respeita à formação, actualmente encontra-se em preparação um pequeno curso
de geologia denominado “As Rochas que Pisamos”, dirigido a um público generalizado de
adultos e jovens estudantes, interessados em geologia e em adquirir conhecimentos sobre
o território. Este curso terá lugar em Querença e a duração de 8 horas, distribuídas por uma
manhã dedicada à componente teórica e uma tarde de caminhada pelo território, durante a
qual se desenvolverá uma componente prática. O formador será um geólogo, colaborador da
rota e investigador e bom conhecedor das principais particularidades de natureza geológica
do território algarvio

Pormenor de uma actividade de “Recriação de Platibandas Algarvias em Painéis Decorativos”, de acordo com a
técnica do esgrafito, utilizando como materiais cal, gesso e pigmentos minerais naturais.

Considerações Finais
Tal como tem sido salientado, o desenvolvimento da rota Caminhos da Cal e do Barro
assenta num constante enriquecimento de conhecimentos e conteúdos culturais e científicos.
Conteúdos estes que são apresentados ao público numa perspectiva criativa, relacionando-os
com o território. Aquilo que se pretende transmitir, mais do que apenas o que diz respeito ao
tema da rota ou da actividade em questão, é também um pouco da história da região e das
suas gentes. É assim que se procura educar “o olhar” dos participantes para a interpretação
da paisagem cultural, promovendo ao mesmo tempo a singularidade do projecto. Neste
campo, é preciso recordar que os conteúdos da rota não se desenvolveriam da mesma forma
sem a colaboração de muitas pessoas, habitantes neste território, que partilharam os seus
muitos saberes e memórias. Este tipo de conhecimento, ao qual não se poderia aceder de
outra maneira, contribui para conferir à rota um cunho mais pessoal, reforçando a identidade
do local.
Este projecto, tal como outros na mesma linha, começa a assumir a sua importância
no âmbito do desenvolvimento local. Desde logo, porque resgata e partilha memórias
de actividades já quase esquecidas, conferindo-lhes importância, e contribuindo para o
desenvolvimento de um sentimento de orgulho por parte da comunidade. Por outro lado, com
parcerias realizadas no contexto das actividades da rota são reforçadas algumas dinâmicas entre
as comunidades, facto que se vai estendendo também a outros momentos. Verifica-se ainda,
um crescente interesse de alguns segmentos do “público turístico” por este tipo de produtos
e, nesse sentido, atrair pessoas para estes locais de baixa densidade e, na generalidade,
pouco conhecidos para transmitir conhecimentos e pedaços de história(s) é também um
importante factor de desenvolvimento económico e social para as comunidades.
De futuro, prevê-se o alargamento da rota a outras zonas onde se encontrem pontos
de interesse relacionados com o tema, contribuindo para o entendimento e valorização da
história e paisagem, enquanto ponto de interesse no território.

Susana Cristina Calado Martins
33

Referências Bibliográficas
Cancela d’ Abreu, Alexandre, Correia, Teresa Pinto, Oliveira, Rosário (Coord.); Contributos para a Identificação e
Caracterização da Paisagem em Portugal Continental, Vol. V; Direcção Regional do Ordenamento do Território e
Desenvolvimento Urbano; 2004.
Cavaco, Carminda; O Algarve Oriental. As Vilas, o Campo e o Mar; Gabinete do Planeamento da Região do Algarve;
Faro; 1976.
Correia, André, Pereira, Daniela; O Barrocal: O Conceito: a Ocupação Humana; A Agricultura e Artesanato (Relatório
de Investigação para o Museu do Barrocal); Universidade do Algarve; Câmara Municipal de Albufeira; 2008.
Costa, Eduardo Anjos; Levantamento Toponímico do Concelho de Loulé; (Policopiado); Loulé; s.d.
Dias, Rui, et. alli (editores); Geologia de Portugal, Vol. II – Geologia Meso-cenozóica de Portugal; Escolar Editora;
Lisboa; 2013; pp. 29-165.
Lopes, João Baptista da Silva; Corografia ou Memória Económica, Estatística e Topográfica do Reino do Algarve; Vol.
I; Algarve em Foco Editora; Faro; 1988.
Martins, Susana Calado; A Cal na Tradição do Barrocal Algarvio. Contributo para o Estudo da Produção de Cal
Artesanal; Dissertação de Mestrado em História do Algarve; Universidade do Algarve; 2012.
Prista, Pedro; “Águas Tiradas e Águas de Rojo – cooperação e autonomia das hortas do Alto Barrocal”; Estudos de
Homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira; INIC; Lisboa; 1989; pp. 630-638.
Prista, Pedro; Sítios de Querença. Morfologias e Processos Sociais no Alto Barrocal Algarvio; Dissertação de
Doutoramento; Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa; Lisboa; 1993.
Ribeiro, Orlando; Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico; Livraria Sá da Costa Editora; 1998.
Cartografia
Carta Militar de Portugal; Série M888; Edição 2 – S; C.E.P.; 1980; Escala 1/25000; Folhas: 587, 596, 597, 600, 602,
606.
Guia de Percursos Pedestres e de BTT do Concelho de Loulé; Câmara Municipal de Loulé; 2008; p.10.
Outros
Catálogo de Actividades; Caminhos da Cal e do Barro (Disponível ao público a partir do inicio de 2016).
Fontes Orais (principais)
Francisco Dias (Penedos Altos) – Entrevistas em 2014 e 2015.
Filipa Faísca de Sousa (Borno/Querença) – Entrevistas em 2010, 2014 e 2015.
Henrique Silva (Benémola/Querença) – Entrevistas em 2014 e 2015.
José Maria Costa (Carvalhal/Querença) – Entrevistas em 2008 e 2014.
Maria de Jesus Dias (Penedos Altos) – Entrevistas em 2010, 2014 e 2015.
Mário Miguel (Várzeas de Querença) – Entrevistas em 2014 e 2015.
Sérgio Silva (Tôr) – Entrevistas em 2014.
Teresa Costa (Várzeas da Amendoeira) – Entrevista em 2014.

Eda Góes
34

A questão social na mina de S. Domingos
no tempo do Estado Novo: lógicas,
dinâmicas e ofensivas sociais

Vanessa Alexandra Alvorado Teixeira Pereira1
Universidade Nova de Lisboa

«Esta reportagem obedece à necessidade de tornar conhecida a vida que os
mineiros portugueses arrastam, em luta permanente com as entranhas da terra
e com as doenças que contraem nessa gigantesca tarefa a que nós estamos
longe de dar o devido valor, pois não podemos imaginar o que sejam oito horas
de trabalho lá em baixo, na contramina, a trezentos metros de profundidade,
trabalhando nus, em luta com a lama pestilenta e caindo, por vezes, asfixiados,
às lufadas terríveis de gases sulfurosos.»
Henrique Zarco, Imagens do Alentejo, Documentário da Vida Alentejana,
1930.

Introdução
A historiografia portuguesa, apenas mais recentemente, começou a dedicar enfoque
à questão social inscrita na actividade mineira. No caso do couto mineiro da Mina de S.
Domingos1, a investigação mais detalhada dessas vicissitudes teve os primeiros contributos
nos últimos anos do século passado. O presente estudo segue, com efeito, essa linha de
orientação, mas com especial tónica no âmbito do Estado Novo, visando os seus contributos
e analisando as repercussões em torno desta problemática.
O complexo mineiro de S. Domingos foi uma das maiores concentrações operárias de
Portugal2, e um dos maiores potentados da exploração de cobre e enxofre da Europa. No século
XIX, para além dos trabalhadores portugueses, encontravam-se a laborar em S. Domingos
vários espanhóis, ingleses e piemonteses3. Entre a comunidade portuguesa, até à cessação
da actividade em 19664, o predomínio foi de alentejanos e algarvios. Estes indivíduos eram,
essencialmente, jovens ex-trabalhadores do panorama latifundiário alentejano e das pescas
algarvias, que oriundos de um quadro económico desvantajoso, ali se dirigiam atraídos pelos
1 - O nome próprio Mina de S. Domingos será empregue para citar a aldeia, enquanto as referências sob o nome
comum corresponderão à exploração mineira. S. Domingos era o nome da serra onde o jazigo mineral se localizava,
por nas proximidades acolher uma pequena ermida dedicada a este santo, e foi na sequência deste contexto de
origem que a aldeia desenvolvida em redor do empreendimento para servir o patronato e os trabalhadores, viria a
ser baptizada com o mesmo nome da exploração.
2 - Inclusivamente, nos anos 30 do século XX, em regime de exclusividade, a produção de enxofre da mina destinava-se à Companhia União Fabril (C.U.F), de quem S. Domingos foi a grande fornecedora até ao encerramento,
na década de 60.
3 - Estas nacionalidades decorrem do contexto de origem do empreendimento (1854), relacionando-se com os interesses da administração da La Sabina Mining Company, a primeira empresa concessionária da exploração.
4 - Em 1966, a Mason & Barry Limited (fundada em 1873, por James Mason, em sociedade com Francis Barry, foi a
companhia detentora da concessão durante a maior parte do período de actividade, à luz de um contrato de subarrendamento celebrado em 1858, entre Mason e a La Sabina) findou a laboração, devido à exaustão do filão mineral
e consequente esgotamento económico da mina. O ano seguinte ficou marcado pela inundação propositada da
mina, pela própria empresa, após o rebentamento das represas, inviabilizando o acesso à zona de extracção. Em
1973, a Câmara de Falências de Lisboa reconheceu a La Sabina proprietária de todos os bens móveis e imóveis da
Mason & Barry.

Vanessa Alexandra Alvorado Teixeira Pereira
35

melhores salários, em detrimento dos rendimentos obtidos na agricultura ou nas restantes
indústrias5. Este polo industrial foi um dos maiores centros salariais no Baixo Alentejo, pois
ainda que o salário fosse desajustado às tarefas mineiras, era superior comparativamente
com outras actividades, o que acresce de importância se evocarmos a natureza agrária do
Alentejo. Por este motivo, muitos dos mineiros6 de S. Domingos que deixavam o posto
de trabalho acabavam por regressar, conscientes do contexto socioeconómico implícito.
A composição deste cenário constituiu, por excelência, o foco de contestação social mais
manifesto em toda a sua história, reivindicado por anarquistas, sindicalistas e trabalhadores
independentes.
O Sindicato dos Operários da Indústria Mineira de S. Domingos, com sede na
povoação e berço em 1924, ainda no tempo da I República, foi uma parcela singularmente
activa nos movimentos e greves operárias, que eram sobretudo, fruto da indignação social
perante as condições laborais. Em 1930, nasceu a Voz do Mineiro, um órgão do sindicato,
cujo intuito era o debate de soluções para as condições dos mineiros. Aqui, destaca-se a
greve de 1932, demarcada por um teor classista, encarnador do movimento grevista sólido e
ofensivo, e que reflecte explicitamente as confluências próprias daquele tempo. É conveniente
referir que os fenómenos grevistas, quando ocorridos em minas, tinham uma dimensão
distinta do corrente, devido à utilização de explosivos na indústria, cuja existência obrigava à
intervenção de contingentes da Guarda Nacional Republicana e do Exército. Somando a isto,
a tensão social era ainda fomentada pela presença da polícia política do regime e da própria
polícia privativa7 da Mason & Barry, que mantinha a ordem pública e vigiava os interesses
da empresa8.
Não obstante, à época do Estado Novo, as variáveis que confluíam no mundo destes
mineiros incorriam, nitidamente, nas dinâmicas do movimento operário deste período. E
embora as conflitualidades sociais assentassem em clivagens que remontavam ao século
XIX, o Estado Novo teve uma cota-parte de influência na sua construção identitária. Para o
tratamento deste corolário, o estudo encontra-se dividido em duas partes9. Na primeira, será
feita uma abordagem às lógicas e dinâmicas do couto mineiro, introduzindo as estruturas da
povoação e os modos de sociabilidade, findando com o paternalismo social. A segunda parte
focará a ofensiva social, apresentando os contornos da actividade laboral e que acabaram
por levar à contestação e ao conflito, numa junção de ingredientes entre tensão, luta e
identidade. Para a sua elaboração, a metodologia adoptada incidiu, primeiramente, na leitura
de bibliográfica geral e específica, transitando para a investigação de diversos tipos de fontes
e respectiva crítica e tratamento, procedendo, por último, à elaboração do estudo à luz dos
resultados obtidos.

1. Lógicas e Dinâmicas do Couto Mineiro
1.1 A Povoação e a Sociabilidade...
A Mina de S. Domingos é a localidade desenvolvida em redor da exploração mineira
que a baptizou. O aparecimento deste tipo de localidades, em contexto industrial, era

5 - Na mina de S. Domingos, o salário obtido era, inclusivamente, superior ao praticado pelas minas de Aljustrel, sua
conterrânea industrial.
6 - Entende-se por mineiro o homem da picareta que enfrentava diariamente os perigos da contramina. O homem
que operava com a maquinaria das restantes actividades era o operário. Porém, nos seus efeitos práticos, esta distinção não tem muita importância, pois trata-se de um conceito lato: em muitos coutos mineiros, até por questões
de identidade social, todos os trabalhadores eram, efectivamente, mineiros.
7 - A polícia privada da Mina de S. Domingos foi o primeiro corpo policial de uma empresa em Portugal, inaugurado
em 1875 pela companhia.
8 - Felicidade da Paixão Marques, Alguns aspectos sociais da região mineira de S. Domingos, Lisboa: Instituto Superior de Serviço Social, 1947, p. 130.
9 - Inicialmente, o estudo compreendia três partes, sendo a primeira dedicada ao sindicalismo e ao corporativismo,
componentes vitais no percurso modelador do Estado Novo, e evidentes nas estruturas do caso de S. Domingos.
Por estas noções serem imprescindíveis à compreensão total dos acontecimentos, serve esta nota para dar conhecimento de que essa investigação foi realizada, e que as duas partes deste artigo procuram compor-se à luz dessa
primeira análise.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
36

muitas vezes, um fenómeno comum. Tratavam-se de agregados habitacionais que nasciam
acidentalmente10, pela via directa da industrialização, e para suprir as necessidades que os
estabelecimentos industriais acarretavam11.
Na povoação, existia uma série de infraestruturas e equipamentos de lazer, cultura,
desporto e culto, construídos por iniciativa da empresa concessionária. Até mesmo as
represas n.º 3 e n.º 4, a Tapada Pequena e a Tapada Grande respectivamente, foram muito
utilizadas pelos ingleses e restante população para actividades de lazer, embora o principal
destino fosse o fim industrial. A iniciativa da edificação destas infraestruturas correspondia,
simultaneamente, a uma estratégia de enriquecimento moral da população, e era, em rigor,
prática comum em algumas zonas de desenvolvimento industrial12.
Anteriormente ao desmonte da serra de S. Domingos13, já existiam na aldeia estruturas
como o palácio da administração, escola, igreja14, hospital, farmácia, cemitério inglês,
sala de desenho, laboratório químico e fotográfico, casas de residência para as secções
administrativas, casas para trabalhadores, quartel para destacamentos militar, armazéns,
oficinas, teatro e casa de recreio15. O desmonte obrigou a uma reorganização do povoado
praticamente total, e estabeleceu uma barreira muito vincada entre ingleses e trabalhadores.
Neste processo, a hierarquia social e laboral ficou bem demarcada16: os ingleses deslocaramse para oeste, para um bairro agradável e distanciado dos operários, onde também se fixou
o segundo palácio de James Mason, frente a um coreto que fazia os serões das tardes de
domingo, com um grande jardim e área arborizada por bosques de eucaliptos entretanto
plantados17, campos de golfe e ténis (de acesso estrito aos ingleses), tudo isto junto à represa
n.º 4, a Tapada Grande. Quanto às novas habitações operárias, embora muito semelhantes
às primeiras, com os mesmos 16 m², foram entregues a baixo custos aos indíviduos que
traziam a família para a comunidade, tendo sido disponibilizados quintais e hortas para a
alimentação. A Mason & Barry garantiu também total autonomia à localidade mineira, com
a criação de escolas, programas de formação, novo hospital, farmácia, igreja18, cemitério
católico, mercado, instalações militares e de polícia, posto de correio, cineteatro, biblioteca
e campo de futebol.
Em 1952, em pleno Estado Novo, a Mina de S. Domingos contava com as seguintes
colectividades ou recintos de espectáculo: o cineteatro, propriedade da empresa e gerido pela
Associação de Auxílio aos Pobres; o campo de futebol Cross Brown19; o Centro Recreativo
da Mina de S. Domingos, o clube dos mais abastados; o Grupo Musical e Recreativo,
frequentado pela classe média; e o Centro Republicano 5 de Outubro, aberto à participação
de todos e que ainda hoje existe. A empresa financiava também duas equipas de futebol para
divertimento da população: o S. Domingos Futebol Clube e o Guadiana Futebol Clube.
Há ainda a menção da existência do Sport Clube Mineiro e o Nacional.
Como exemplo da dinâmica cultural e desportiva existente, urge ainda evocar que
existiram duas delegações da Inspecção de Espetáculos no concelho, responsáveis pela
autorização da actividade cultural. Uma localizava-se em Mértola, e outra na própria Mina
de S. Domingos. Em 1960, esta representação passou a subdelegação, tendo sido extinta

10 - Leite de Vasconcellos, Etnografia Portuguesa, vol. V, Lisboa: Imprensa Nacional, 1967, pp. 266-268.
11 - Helena Alves, Mina de S. Domingos: Génese, formação social e identidade mineira, Mértola: Campo Arqueológico de Mértola, 1997, p. 56.
12 - Por Terras do Chapéu de Ferro, coord. João Miguel Serrão Martins, s.l: Fundação Serrão Martins, Câmara Municipal de Mértola e Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo S.A., 2013, p. 15.
13 - Em 1867, no âmbito do II Plano de Lavra de James Mason, a serra onde se localizava o jazigo foi alvo de desmonte, para se proceder à lavra a céu aberto.
14 - Aquando do desmonte, a segunda igreja foi edificada no local onde a actual se encontra. Foi consumida por
um incêndio nos anos 30 do século passado, dando lugar à igreja que hoje se conhece.
15 - Apenas se mantiveram o antigo hospital, o cemitério inglês, e algumas habitações a poente da corta.
16 - José Esteves, “Impressões de viagem. Na mina de São Domingos”, O Eco Metalúrgico, IV, 1931, p. 3
17 - Esta plantação foi uma obrigação estatal, uma condição imposta pelo governo após a entrega do relatório do
geólogo Carlos Ribeiro, com o objectivo de amenizar o impacto ambiental. Em 1857, o geólogo havia sido encarregado pelo Conselho-Geral de Obras Públicas e Minas para fazer em S. Domingos o reconhecimento oficial do jazigo,
propondo em planta a área a concessionar.
18 - Note-se que é bastante significativo o facto da administração inglesa anglicana ter criado um local de culto
católico. O intuito poderia ser tanto a tolerância religiosa e cultural para com os trabalhadores, como o objectivo de
satisfazer a população, promovendo o bem-estar social, e evitando o acumular de tensões.
19 - Membro da administração da mina em Londres, nos anos 30.

Vanessa Alexandra Alvorado Teixeira Pereira
37

com o encerramento da exploração. A dinâmica social e associativa na Mina era, portanto,
extremamente inerente, especialmente se considerarmos que na própria sede do concelho,
Mértola, existiam unicamente quatro instituições de âmbito cultural, e somente uma
desportiva.

1.2 O Paternalismo Social
A actuação de algumas administrações mineiras desencadeou a formação de um novo
modelo de comunidade e de localidade, com aglomerados populacionais cuja vida estava
directamente ligada à organização do trabalho. No universo social mineiro, a importância
da dimensão comunitária era crescente e consistente, obliterando-se com os valores
individualistas resultantes da heterogeneidade das posições ocupadas pelos indivíduos no
trabalho e da diversificação da paisagem social, em contraste com a comunidade rural
tradicional. Frequentemente, os costumes, a ordem social e a ordenação espacial, eram
substituídos por regras previamente definidas pela administração, correspondendo aos
princípios racionais do patronato20.
A formação da comunidade encontrava-se intimamente relacionada com a acção do
patronato mineiro, vinculada com a construção dos bairros, das cooperativas de consumo,
e das mutualidades. Estas relações sociais, formadas fora do trabalho, reproduziam a ordem
implícita no seu interior: entre os trabalhadores, quase sempre vingava uma relação entre
iguais. Por sua vez, a própria povoação também adquiria uma dimensão cada vez mais ampla
do que a transmitida pelo espaço físico dos bairros operários, tornando-se efectivamente,
a comunidade. O aglomerado de factores como o modo de vida, o nível dos rendimentos,
o parentesco, e a proximidade geográfica, aproximaram, em larga escala, grande parte do
operariado21. Inclusivamente, foi neste sentido, que o próprio delegado do Instituto Nacional
do Trabalho informou ao director do Fundo de Desenvolvimento que, os filhos e netos de
mineiros tinham pouco gosto em aprender outras profissões, uma vez que o trabalho rural
era mais instável, menos remunerado, e com menos benefícios sociais. Como tal, a base do
operariado mineiro construía-se e reconstruía-se, acompanhando os ciclos produtivos e as
dinâmicas do sector22, adaptando-se à imagem das suas familiaridades e necessidades mais
básicas.
Relativamente ao processo de formação do operariado industrial mineiro, dada a sua
origem rural, camponesa ou proletária, os trabalhadores são grupos de transição, e por
isso, mesmo que fossem submetidos a uma nova disciplina e novas relações laborais, ao
enveredarem por essa profissão, continuavam a conservar hábitos e ideologias próprias. Para
muitos trabalhadores, a mina foi o primeiro contacto, quase sempre violento, com o mundo
industrial, que impunha o que havia de mais odioso nestes meios: uma disciplina laboral
imposta por critérios da produtividade, e organização das relações humanas em função da
posição laboral de cada trabalhador. A tradição rural era imposta directamente por indivíduos
hierarquicamente superiores, que organizavam a vida dos mineiros unidimensionalmente, em
função da produção. A esse nível, o paternalismo não era unicamente uma ideologia, mas
sim uma forma de organização da vida operária23 tipificada fora do complexo industrial.
No que concerne à essência desta comunidade mineira, ela influía num duplo sentido.
Resultava tanto dum acto volitivo e integrador, ligado à acção do patronato mineiro no
domínio assistencial, como da construção de uma identidade própria dos indivíduos
trabalhadores perante os seus dirigentes. Na primeira premissa, encontramos o paternalismo,
e na segunda, a consciência de classe24. Por tudo isto, o nascimento da exploração mineira
na vida rural significou o aparecimento de novas experiências individuais e colectivas, e o
despoletar de problemas de nova ordem, como os particulares conflitos mineiros.

20 - Paulo Guimarães, Indústria e Conflito no Meio Rural. Os mineiros alentejanos (1858-1938), [Lisboa]: Edições
Colibri e CIDEHUS-UE, 2001, p. 197.
21 - Ibidem, p. 202.
22 - Idem, Indústria, Mineiros e Sindicatos. Universos operários do Baixo Alentejo dos finais do século XIX à primeira
metade do século XX, Lisboa: ICS, 1989, p. 31.
23 - Daniel Bertaux, Destinos pessoais e Estruturas de Classe, Lisboa: Moraes, 1978.
24 - Paulo Guimarães, Indústria e Conflito … p. 203.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
38

2. Tensão, Luta e Identidade na Ofensiva Social
2.1 A Actividade Laboral
Os trabalhos subterrâneos eram os que exigiam maior espírito de sacrífico. Todos os
dias subiam da contramina trabalhadores acidentados pela dureza da actividade. Este
percurso demorava, aproximadamente, uma hora até ao exterior. A água ácida e os gases em
combustão provocavam uma atmosfera sufocante. Os registos de acidentes revelavam uma
lista infindável de membros esmagados, problemas oftalmológicos, problemas respiratórios,
e na pior das hipóteses, mortes pelo abatimento de tectos ou em acidentes com máquinas
de trabalho. Estão ainda documentados relatos de episódios de mineiros que, embora
trabalhassem várias horas extraordinárias, recebiam o salário como horas correntes25. Estas
condições conduziram à doença de muitos homens, vários chefes de família, podendo
arrastar os numerosos agregados familiares para a miséria.
Sobre o trabalho infantil, existem referências de crianças trabalhadoras, mas esses
valores diminuíram consideravelmente ao longo da exploração. Relativamente à presença
das mulheres nas actividades laborais, a legislação de 1890 proibia-a no subsolo. Aliás nas
minas do distrito de Beja, os seus valores são de facto muito baixos, e em S. Domingos não
há qualquer registo desse tipo de ocorrência26. O trabalho feminino era conjuntural e não
generalizado às mulheres dos mineiros alentejanos27.
Devido à miséria característica deste panorama sociocultural, a atmosfera era de
dependência absoluta, onde o livre arbítrio era mudo pela necessidade de uma vida melhor. Os
trabalhadores viviam em habitações precárias, muitas vezes com vários filhos, nos já referidos
16 m², e que pouco mais tinham para comer que pão e sopa, conduzindo à subnutrição.
Tudo isto compunha um rol de condições propícias ao aparecimento de focos generalizados
de doença, e à dependência do alcoolismo como forma de alienação.

2.2 A Contestação e o Conflito
Em 1931, à excepção da Mina de S. Domingos, o sindicalismo agonizava. O movimento
sindical tinha um ritmo localizado, fruto de circunstâncias concretas, e as lutas locais dos
trabalhadores dificilmente acompanhavam o ritmo geral, e se o faziam, era de modo mais
particular. No sector mineiro, ainda que os horários de trabalho e respectivos salários estivessem
expressos na lei, não o eram nos contratos. A realidade do quotidiano mineiro era diversa,
em todas as minas. A associação era construída de base, bem como as ideias, importadas,
incrementadas, interiorizadas, e até apropriadas por uma população semi-alfabeta. Era sob
este signo que se compunha a associação, distinguida por ser um local de encontro entre
dirigentes, operários e camaradas. A sua persistência dependia também da continuidade
destes encontros28.
Efectivamente, a Mina de S. Domingos encontrava-se longe dos grandes centros políticos
e administrativos, correndo o risco dessas concepções serem muito enviesadas. E embora
antes da I Guerra Mundial a mina vivesse uma situação de prestígio industrial, em 1915, a
crise económica levou o director ao despedimento de algum pessoal e a requisitar forças
militares. Antes da instituição do Estado Novo, a Mason & Barry procedeu a aumentos
salariais, de modo a antecipar a criação de uma associação. Todavia, em 1925, os mineiros
viram os salários temporariamente reduzidos.
Em 1923, constituiu-se o grupo anarquista União e Progresso, formado por 21
operários da companhia. A direcção não se acomodou, proibindo-os de construir o edifício
da associação nos terrenos da concessão mineira. Mesmo assim, conseguiram entregar os
estatutos da associação, em Janeiro do ano seguinte. Por essa altura, rebentou uma bomba
na casa do director, que segundo diziam os trabalhadores, colocada por ordem dele próprio.
Este episódio culminou na prisão dos elementos mais activos, libertados pela intervenção do

25 - Sindicato dos Operários da Indústria Mineira de S. Domingos, Rumores Subterrâneos, s.l: Agência Literária, s.d, p. 8.
26 - Boletim de Minas.
27 - Paulo Guimarães, Ob. Cit., pp. 207-208.
28 - Idem, Indústria, Mineiros e Sindicatos…, p. 56.

Vanessa Alexandra Alvorado Teixeira Pereira
39

deputado Sá da Bandeira, após 18 dias de prisão. Foram readmitidos pela companhia, mas
apenas em 1937.
A 26 de Abril de 1925, decorreu clandestinamente em Aljustrel, a I Conferencia Anarquista
do Sul, que procurou restabelecer princípios de orientação para os recentes grupos, como o
Grupo de Propaganda e Estudos Sociais, precisamente da Mina de S. Domingos. Muitos
destes activistas eram indivíduos jovens, de origem social operária, artesanal, ou até pequenoburguesa. Foi na lógica desta pequena esfera que, durante um determinado período, a história
do movimento social na região esteve ligada à acção de homens, geralmente anarquistas, e
com um leque de ideais adequados às reivindicações dos trabalhadores.
Em S. Domingos, a crise de 1930 não se sentiu tão intensamente, pois o mercado
tradicional estava assegurado pela administração da empresa em Inglaterra, ainda que os
anarco-sindicalistas estivessem conscientes das dificuldades conjunturais. No entanto, foi
neste ano que surgiu a Voz do Mineiro, que publicou vários periódicos. Pertencente ao órgão
do sindicato de S. Domingos, foi uma associação de classe criada para dar voz aos problemas
dos trabalhadores. A Mina de S. Domingos tornou-se assim num núcleo populacional, onde
os trabalhadores dispunham de uma organização de consciência de classe ímpar no distrito.
Na vanguarda de toda esta iniciativa, esteve o Grupo de Propaganda e Estudos Sociais,
e figuras como Valentim Adolfo João (Presidente do sindicato de S. Domingos), Diogo da
Palma Neves, Valadas Ramos, e Florival da Graça29.
Em 1932, com início em Outubro, eclodiu uma greve com a duração de dois meses,
de índole anarco-sindicalista, com o propósito de alcançar melhores ordenados e menos
horas de trabalho30. Esta foi a última grande greve em S. Domingos. Transcorreu da crise
mundial de 1930-193131, que provocou despedimentos massivos, pela necessidade de ajuste
à conjuntura económica. Este tipo de medidas era muito comum em contexto mineiro, pois
as explorações tinham de corresponder às alterações nos planos de lavra, movidas pelas
oscilações dos mercados, e obrigando à reestruturação dos trabalhadores. A decisão de se
proceder a esta greve foi tomada em plenário, por alguns trabalhadores, e contra a vontade
de alguns dirigentes, que estavam conscientes sobre ser o pior momento para enfrentar o
patronato e o Estado. As janelas da associação foram mesmo arrancadas, para impedir o
seu encerramento pelas autoridades. Entretanto, todas as noites chegavam forças da GNR,
em números que atingiam as quatro centenas. Terminou com uma violenta repressão, que
culminou com a perseguição, prisão e despedimento dos elementos mais activos da greve.
A partir desta data, o movimento sindicalista e anarquista na aldeia começou a decrescer, e
o sindicato foi dissolvido.
Desde 1928 que as condições de vida dos trabalhadores se agravavam. Foi iniciada a
perseguição aos dirigentes sindicais e anarquistas mais influentes da região. Por todos os
meios, os sindicalistas procuravam a atenção das autoridades e da opinião pública para a
situação. Nessa lógica, em 1930, enviaram ao governo e à imprensa, uma notificação onde
expunham as suas contestações. Simultaneamente, reivindicava-se um aumento salarial,
uma caixa mutualista, a construção de novas habitações, o fim do trabalho à tarefa e do
serviço subterrâneo com duração de 6 horas. Em sequência, realizaram-se inspecções aos
trabalhos mineiros, que ao serem orientadas pelos engenheiros da empresa, acabaram
por ser favoráveis à companhia. Mesmo assim, houve alguma imprensa que se demostrou
interessada no assunto. Pouco tempo depois, Ferreira de Castro, como repórter d’O Século32,
visitou a Mina respondendo aos apelos das toupeiras humanas33, mas foi seguido por um
agente da PIDE, e a sua reportagem foi censurada, tendo sido apenas publicada a 30 de
Maio de 197434. O resultado dessa peça nunca foi publicado durante o regime por que
o director da administração, incomodado, se dirigiu propositadamente a Lisboa para falar
com o embaixador inglês, que moveu as influências necessárias para evitar a divulgação
29 - Ibidem, pp. 63-66.
30 - Confederação Geral do Trabalho, Ao Proletariado. A Confederação Geral do Trabalho e a greve nas minas de
S. Domingos, Lisboa, 1932.
31 - José Pacheco Pereira, Conflitos Sociais nos Campos do Sul de Portugal, Mem-Martins: Publicações EuropaAmérica, s.d, p. 119.
32 - João Paulo, “Reportagem Maldita”, O Largo, Separata do Diário do Alentejo, 14 de Março de 1986.
33 - Ricardo Grilo, “História da Velha Mina”, Separata da Casa Decoração, n.º 123, Janeiro de 1996, p. 98.
34 - Ferreira de Castro, Os Fragmentos: Um Romance e Algumas Evocações, 2.º ed., Lisboa: Guimarães e C.ª Editores, [1974].

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
40

do testemunho do escritor-jornalista35. O Estado acabou, contudo, por atender a algumas
reivindicações, e em 1932 foi criada a União Mutualista de Cambas, com as horas
extraordinárias a serem pagas aos trabalhadores. Estava assim, aberto o caminho para a
implantação dos sindicatos nacionais na região36.
Em 1937, por iniciativa de um professor do ensino primário foi fundada a Legião
Portuguesa na Mina de S. Domingos, e embora em 1947 ainda não tivesse sede construída
e se encontrasse sem actividade, já havia servido para auxiliar a polícia na manutenção
da ordem pública nas festividades37, que segundo consta pelos testemunhos orais, estava
sempre atenta38. Ainda nesse ano, deu-se o único contributo dos mineiros de S. Domingos
num atentado contra a vida de Salazar39, no dia 4 de Julho, através do fornecimento de
explosivos. Valentim Adolfo foi acusado de fabricar a bomba, tendo sido julgado em Março
de 1939, e condenado a quase 24 anos de prisão40.
A política paternalista das empresas acentuou-se na década de 1950, quando os lucros
começaram a aumentar, e a Mason & Barry não foi excepção. No relatório da direcção do
sindicato de S. Domingos, constam as vantagens da organização corporativa: os operários
tinham conseguido, em 1952, a reforma por invalidez e velhice, assistência médica e
medicamentos, subsídios na doença e por morte, regulamentação da prestação do trabalho,
atualização da lei dos acidentes de trabalho, pagamento do dia de Natal, a construção do
campo de jogos e de 20 moradias para operários da empresa. Nesse ano, a companhia
entregou emblemas de ouro a 125 operários e empregados com mais de 50, 60, e 70 anos
de serviço, e um donativo de mil escudos, como prémio pelos bons serviços prestados41.
O ano de 1960 principiou com a ameaça de despedimento em massa e do encerramento
definitivo das minas de S. Domingos. Foi neste quadro que se deu a greve de 8 de Abril de
1960, da qual resultou a prisão de inúmeros operários. Na sua origem, esteve a reacção
ao despedimento de alguns trabalhadores, que tendo tido conhecimento desse facto
quando ainda se encontravam no interior das galerias subterrâneas, se solidarizaram com
os camaradas, recusando-se a deixá-las. Contudo, os cerca de 120 mineiros foram forçados
a render-se, pela sede e pela fome, sendo presos à medida que encontravam a luz do dia.
Seriam reintegrados na empresa, à excepção dos 14 indivíduos responsabilizados pelo
movimento42. Há ainda alusão a uma greve, datada de 2 de Maio de 1962, decorrida durante
um dia. Novamente, o objectivo era o alcance das 8 horas de trabalho. Para esse efeito,
os trabalhadores impuseram-na na prática, e a dinâmica grevista do PCP parece ter tido
mais influência, dada a homogeneidade das situações em esparsas regiões alentejanas43. No
cenário de todas estas greves, e especialmente nas últimas, a PIDE e a GNR não se limitaram
a prender os militantes do PCP ou os agitadores que se destacavam. A par disso, exerciam
uma ostensiva violência contra aldeias inteiras44. Nunca é demais invocar que foi assim que o
PCP herdou no Alentejo, depois do derrube da ditadura, o contexto sociocultural e o lastro
de afectividade que ligava estas pessoas da terra, à memória e tradição do partido e do
comunismo45. É, com efeito, à luz de tudo isto que o próprio movimento de resistência ao
Estado Novo, foi também um dos condicionalismos que formou, entre o operariado de S.
Domingos, a identidade comum que ainda hoje a caracteriza.

35 - Pedro Muralha, “Escravatura Branca? A Mina de S. Domingos vergonha de uma civilização”, Magazine Bertrand, ano V, n.º 5, 1931, p. 98.
36 - Paulo Guimarães, Ob. Cit., p. 67.
37 - Felicidade da Paixão, Alguns aspectos sociais da região mineira de S. Domingos, Lisboa: Instituto Superior de
Serviço Social, 1947, p. 131
38 - Rafael Rodrigues, “Vinte e Cinco Anos de Solidão”, Grande Reportagem, n.º 13, 1992, p. 70.
39 - Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Ministério do Interior.
40 - Maria João Ramos, Mason & Barry e a construção da Mina de São Domingos: indústria, turismo, globalização,
Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa: 2012, p. 382.
41 - Idem, Ibidem, pp. 70-71.
42 - Idem, Ibidem.

43 - José Pacheco Pereira, Ob. Cit.., p. 153.
44 - Idem, Ibidem., p. 168
45 - João Madeira, “O declínio das greves rurais e a evolução do PCP nos campos do Sul”, in Greves e Conflitos
Sociais em Portugal no Século XX, coord. Raquel Varela, Ricardo Noronha e Joana Dias Pereira, Lisboa: Edições Colibri e Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de
Lisboa, 2012, p. 178.

Vanessa Alexandra Alvorado Teixeira Pereira
41

Notas Finais
A política operária do Estado Novo desenvolveu-se numa dupla estratégia. Por um
lado, pretendia reprimir qualquer indício de bolchevismo, sob a forma da organização de
classe, enquadrando os operários em organizações controladas pelo Estado, ou seja, o
corporativismo, e por outro, isolar os operários dos seus dirigentes, alimentando as relações
de patrocinato no seio da empresa e das organizações estatais.
Com a formação dos sindicatos nacionais e a repressão generalizada, os anarcosindicalistas viram-se definitivamente privados de qualquer possibilidade de agir. Se desde
os anos 20 o sindicalismo tinha começado a revelar alguma ineficácia como arma do
operariado, lançando um crescente número de activistas das Juventudes Sindicalistas para a
órbita do Partido Comunista Português – cuja influência ainda é notória na aldeia da Mina
de S. Domingos – a formação dos sindicatos nacionais eliminou, em parte, a viabilidade da
estratégia anarco-sindicalista.
A estratégia comunista, por sua vez, desenvolveu-se em duas frentes. Em primeiro lugar,
alcançar a direcção dos sindicatos que servissem a classe e fornecessem informações aos
elementos da secção de propaganda, que estavam tradicionalmente nas mãos dos sindicalistas
revolucionários, para pressionar as autoridades superiores a fazer algumas concessões em
nome da paz social. E ainda, actuar junto do operariado, com assento nas ordens superiores
do partido e nas informações fornecidas, directa ou indirectamente, pelos dirigentes sindicais
de base. Sensivelmente no fim da década de 60, esta estratégia funcionaria praticamente sem
interrupções. Em sequência, a resistência dos trabalhadores ao novo sindicalismo expressouse pelo abandono da associação.
A partir da publicação do Estatuto do Trabalho Nacional, foi criado o Sindicato dos
Operários da Indústria Mineira e Ofícios Correlativos do Distrito de Beja, a maior
concentração de mineiros do país. Os sindicatos sobreviventes viram a sua acção fiscalizada
directamente pelos delegados do Instituto Nacional do Trabalho e foram reconvertidos, uma
tarefa facilitada pelo trabalho das autoridades junto dos velhos sindicalistas, a partir de 1924.
À data da publicação do Estatuto, a associação de classe de S. Domingos vivia em letargia. O
Salazarismo pretendia fazer crer aos operários que a colaboração era o único caminho para
a solução dos seus problemas. Porém, ao manter sob controlo apertado a vida interna dos
sindicatos e as acções dos seus quadros dirigentes, tornou-se impossível qualquer tipo de
representatividade, e consequentemente de legitimidade, junto dos trabalhadores.
No cômputo final, apesar das divergências ideológicas existentes entre os dirigentes
operários, a sua unidade nos momentos cruciais, geralmente, nunca foi posta em causa. A
coesão interna demonstrada pelos momentos mineiros, durante as greves foi notável, pois
se ao nível das direcções nacionais isso não acontecia, localmente, a definição dos objectivos
nunca se perdeu. Para todos os efeitos, o legado da identidade mineira perduraria sempre.

Fontes e Bibliografia
1. Fontes
1.1 Manuscritas
Arquivo Distrital de Beja, Governo Civil, Beja.
Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Ministério do Interior, Lisboa.
Laboratório Nacional de Energia e Geologia, Fundo Documental, Lisboa.
1.2 Impressas
Ao Proletariado. A Confederação Geral do Trabalho e a greve nas minas de S. Domingos, Lisboa: Confederação
Geral do Trabalho, 1932.
Boletim de Minas, [vários].
CASTRO, Ferreira de, Os Fragmentos: Um Romance e Algumas Evocações, 2.º ed., Lisboa: Guimarães e C.ª Editores,
[1974].
Diário do Governo, Lisboa [vários].
Inquérito Industrial [vários].
MARQUES, Felicidade da Paixão, Alguns aspectos sociais da região mineira de S. Domingos, Lisboa: Instituto Superior
de Serviço Social, 1947.
Rumores Subterrâneos, s.l: Sindicato dos Operários da Indústria Mineira de S. Domingos e Agência Literária, s.d.
VASCONCELLOS, Leite de, Etnografia Portuguesa, vol. V, Lisboa: Imprensa Nacional, 1967.
ZARCO, Henrique, Imagens do Alentejo, Documentário da Vida Alentejana, Lisboa: Imprensa Artística Limitada,
1930.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
42

1.3 Imprensa
A Voz do Mineiro, Mina de S. Domingos, 1931-1932.
ESTEVES, José, “Impressões de viagem. Na mina de São Domingos”, O Eco Metalúrgico, IV, 1931.
MURALHA, Pedro, “Escravatura Branca? A Mina de S. Domingos vergonha de uma civilização”, Magazine Bertrand,
ano V, n.º 5, 1931, pp. 37-44.
Q., I, “A Empresa da Mina de S. Domingos”, Boletim da Casa do Alentejo, Junho de 1958, pp. 31-34
1.4 Iconográficas
Fotogramas da Memória, coord. Miguel Rego, Mértola: Câmara Municipal de Mértola, 2004.
1.5 Orais
Entrevistas realizadas sob as normas da História Oral.
2. Bibliografia
2.1 Monografias
ALVES, Helena, Mina de S. Domingos: Génese, formação social e identidade mineira, Mértola: Campo Arqueológico
de Mértola, 1997.
BERTAUX, Daniel, Destinos pessoais e Estruturas de Classe, Lisboa: Moraes, 1978.
FREIRE, João, Anarquistas e operários. Ideologia, ofício e práticas sociais: o anarquismo e o operariado em Portugal,
1900-1940, Porto: Edições Afrontamento, 1992.
GUIMARÃES, Paulo, Indústria e Conflito no Meio Rural. Os mineiros alentejanos (1858-1938), [Lisboa]: Edições
Colibri e CIDEHUS-UE, 2001.
Idem, Indústria, Mineiros e Sindicatos. Universos operários do Baixo Alentejo dos finais do século XIX à primeira
metade do século XX, Lisboa: ICS, 1989.
MOURO, Helena; CARVALHO, Anabela, Serviço Social no Estado Novo, Coimbra: Centelha, 1987.
PATRIARCA, Fátima, A Questão Social no Salazarismo, vols. I e II, Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1995.
Idem, Processo de Implantação e Lógica e Dinâmica de Funcionamento do Corporativismo em Portugal. Os primeiros
anos do salazarismo, Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, 1990.
PEREIRA, José Pacheco, Conflitos Sociais nos Campos do Sul de Portugal, Mem-Martins: Publicações Europa-América,
s.d.
Por Terras do Chapéu de Ferro, coord. João Miguel Serrão Martins, s.l: Fundação Serrão Martins, Câmara Municipal
de Mértola e Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo S.A., 2013
RAMOS, Maria João, Mason & Barry e a construção da Mina de São Domingos: indústria, turismo, globalização,
Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2012.
ROSAS, Fernando, O Estado Novo nos anos trinta, 1928-1939: elementos para o estudo da natureza económica e
social do salazarismo, 2.ª ed., Lisboa: Editorial Estampa, 1996.
Idem, Salazar e o Poder. A Arte de Saber Durar, Lisboa: Tinta-da-China, 2012.
2.2 Artigos em Revistas Científicas e Capítulos em Obras Colectivas
BRITO, José Maria Brandão de, “A Economia do Corporativismo”, in A Industrialização Portuguesa no Pós-Guerra,
Alfragide: Publicações Dom Quixote, 1989, pp. 31-71.
PATRIARCA, Fátima, “A institucionalização corporativa – das associações de classe aos sindicatos nacionais (1933)”,
Análise Social, vol. XXVI, 1991, pp. 23-58.
MADEIRA, João, “O declínio das greves rurais e a evolução do PCP nos campos do Sul”, in Greves e Conflitos Sociais
em Portugal no Século XX, coord. Raquel Varela, Ricardo Noronha e Joana Dias Pereira, Lisboa: Edições Colibri e
IHC-UNL, 2012, pp. 167-178.
2.3 Imprensa
GRILO, Ricardo, “História da Velha Mina”, Separata da Casa Decoração, n.º 123, Janeiro de 1996, pp. 94-102.
JACINTO, Francisco, “Mina de São Domingos – Património e Memórias”, Vilas e Cidades, n.º 33, Junho de 1999,
pp. 44-55.
RODRIGUES, Rafael, “Vinte e Cinco Anos de Solidão”, Grande Reportagem, n.º 13, 1992, pp. 60-71.
VELEZ, João Paulo, “Reportagem Maldita”, O Largo, Separata do Diário do Alentejo, 14 de Março de 1986.
Anexos

Vanessa Alexandra Alvorado Teixeira Pereira
43

Fig. 1: Equipa de futebol de S. Domingos

Fig. 2: Funeral de António Mendes Gomes,
de 1929 sindicalista e grande defensor dos
mineiros, 1 de Dezembro

Fig. 4: Grupo Musical da Mina de S. Domingos,
anos 30

Fig. 6: Desfile de crianças do sexo feminino
no campo de futebol, 1936

Fig. 8: Polícia Privativa da Mason & Barry, anos 40

Figura 10: Visita da Nossa Senhora de Fátima, 1951

Fig. 3: Valentim
Adolfo João

Fig. 5: Desfile dos alunos das escolas,
1 de Dezembro de 1936

Fig. 7: Procissão de Santa Bárbara junto à
entrada da contramina, anos 40

Fig. 9: Cargueiro Zé Manel, propriedade da CUF
para o transporte do minério, c. 1948

44

O chão e o verbo.
O diagnóstico da pátria ibérica
no diário de Miguel Torga
Tiago Mesquita Carvalho

Doutorando no Programa Doutoral em Filosofia da Ciência,
Tecnologia, Arte e Sociedade - FCUL

Introdução
O Diário de Miguel Torga é, entre outros aspectos, um testemunho incomparável do
século XX português; escrito ao longo de mais de sessenta anos, é um conjunto de registos,
impressões e sínteses sobre a vivência íntima e quotidiana do próprio autor, das suas viagens
e meditações e por conseguinte também dos grandes acontecimentos que atravessam o
tempo histórico de Portugal, da Europa e do mundo.
O discurso presente no Diário contudo, não é tão autobiográfico como nos volumes
d’A Criação do Mundo, embora ambos representem o mesmo diálogo do autor consigo
mesmo, na opinião de Clara Crabbé Rocha1. É assim possível assinalar algumas diferenças
essenciais; no Diário, a escrita não é tão intimista e o protagonista, ao invés de ser o próprio
autor e como refere António Arnaut, “o verdadeiro herói é, sobretudo, o povo e a Pátria.”2;
ou, como notou Sophia de Mello Breyner, “a terra que Torga canta é uma pátria. E quem lê
o Diário percorre Portugal de lés a lés, o seu espaço telúrico, humano, e o espaço histórico e
cultural.”3. Recorde-se que Miguel Torga pertenceu ao grupo da revista Presença, cujo ideal
estético, em contraste com o do grupo Orpheu, privilegiava a autenticidade e o poemapalavra-experiência vivida4.
A própria configuração do Diário presta-se a hermenêuticas que dêem simultaneamente
conta dos aspectos humanos, geográficos e pessoais das localidades, por vezes conjugados
em metáforas ou tropos de particular poder imagético e alcance profético. Cada entrada é
precedida de um lugar e de uma data específicos, acentuando como o dia-a-dia, a consciência
e a sensibilidade de Miguel Torga se associam e se desvelam de acordo com os eventos e
locais específicos; nada se passa na sua vida que não esteja atravessado das implicações
de um aqui e agora concretos; o poeta escreve para se descobrir mas descobre também
que essa busca está condicionada pela enorme abundância da exterioridade que se doa,
inevitável e necessária, a si próprio; de modo que as suas viagens, os seus passeios, as suas
interrogações existenciais por si, pelo seu povo ou pelo destino e identidade de um país são
aspectos multímodos de uma única procura autobiográfica que nunca se esgota somente no
sujeito5.
Cremos ser também esta a interpretação que dele faz António Arnaut quando aponta
que O Diário excede, em nosso entender, o espaço autobiográfico do autor. Não é a sua
imagem estampada que vemos, numa espécie de santo-sudário. Não é o seu retrato, mas a

1 - Cf. O espaço autobiográfico em Miguel Torga, p.53
2 - Cf. Arnaut 1997, p. 14.
3 - Cf. Diário de Notícias, 7/7/1976.
4 - Cf. Herrero 1979, p. 42-43.
5 - Coimbra, 29 de Junho de 1988 – Portugal. Foi a procurar entendê-lo que compreendi alguma coisa de mim. As
pátrias são espelhos gigantescos onde se reflecte a pequenez dos filhos. À nossa medida, herdamos-lhe a dimensão. E a singularidade. […] Tenho também oitocentos anos de idade e pareço uma criança. Cf. Diário. XV, 121.

Tiago Mesquita Carvalho
45

sua moldura. O retrato que nele se desenha é o do povo e da condição portuguesa6.
Podemos indagar acerca da razão dessa busca; é mester reconhecer que a natureza
dessas questões assola qualquer ser humano; e de acordo com o temperamento de cada
um, as respostas, se surgirem, podendo ser ou não derradeiras, serão ofertadas ao altar da
consciência com maior ou menor pungência ou dúvida; em Torga as respostas quase nunca
forma definitivas, pelo que sempre a busca de si e de Portugal corria em uníssono, porquanto
nunca foi capaz de se divorciar da vida colectiva dos que o rodeavam7; admitida então a
influência cabal do enraizamento telúrico, é preciso entendê-la até à sua raiz profunda; mas
a busca é árdua, dado que a exterioridade de Torga é um Portugal com oito séculos de
existência e que não encontrou ainda a sua identidade nacional.8 Não obstante, é nessa
odisseia à escala do território, nessa inadiável descoberta interior que Torga espera poder
achar um sentido para o futuro.
Neste contexto, embora as referências a Espanha e ao iberismo estejam também presentes
noutras obras9, cremos ser no conjunto do Diário que podemos encontrar referências e
observações mais acutilantes e pertinentes à identidade de cada país, ao carácter do seu
povo, à qualidade dos seus monumentos e cidades e da sua cultura, a par de um método de
inquirição que é próprio ao autor e que tentaremos exarar adiante.
O método de almocreve
São várias as entradas do Diário de Miguel Torga em que podemos surpreender uma
concepção corográfica implícita ao autor e que assume contornos constantes e coerentes
para que mereçam um destaque próprio; esta concepção corográfica leva a que várias
entradas do Diário tracem um retrato da necessária intimidade entre o homem e o seu meio
físico; tais entradas são afinal caracterizações vivas das cambiantes que a cultura, enquanto
síntese do povo e da paisagem, tem assumido ao longo do tempo histórico, levando a que
estes frescos de uma epistemologia geográfica sejam tambem meditações sobre o destino de
um país e da própria civilização ibérica.
Tentaremos de seguida assinalar algumas das qualidades da concepção corográfica
presente nos vários volumes do Diário mas presentes também na obra Portugal.
Para Miguel Torga, as formas arquitectónicas e urbanísticas em particular, a par da
arte sacra, do vestuário, da culinária e dos dialectos regionais, constituem um manancial
expressivo onde um olhar atento poderá vislumbrar um grau mais elevado do ser, mormente
a síntese bem conseguida do modo de ser português ou espanhol; ora é a terra que influi de
modo indelével no carácter gentio, ora é a própria grei que se inscreve no futuro através de
monumentos. Em Torga, a apreciação estética, em especial do fenómeno urbano e natural,
torna-se um modo de acesso ontológico à identidade portuguesa e ibérica10.
A metodologia gnosiológica que Miguel Torga empregava para conhecer as cidades,
as regiões e os lugares implica então um contacto experiencial directo com as suas gentes,
com a gastronomia e com os monumentos religiosos e património natural; trata-se de uma
relação que não é de todo aquela do turista, do observador exterior que tem um contacto
necessariamente efémero e superficial com aquilo que aprecia; Miguel Torga não dá tréguas
ao corpo e aos sentidos para que as características dos locais se lhe possam tornar mais
próximas, revelando a riqueza e a sabedoria dos povoados e das paisagens que o poeta
percorre.
Neste sentido, por colocar o corpo11 e a multisensorialidade no centro do seu modo de
aceder às coisas, cremos que a abordagem de Miguel Troga é bastante próxima daquele

6 - Cf. Arnaut 1997, p. 15.
7 - Amieira, Alentejo, 24 de Outubro de 1958 – Cada qual procura-se onde se sente perdido. Eu perdi-me em
Portugal, e procuro-me nele. Cf. Diário VIII , p. 168
8 - Cf. Diário XII, p. 201.
9 - Como nos Poemas Ibéricos
10 - Ora nenhuma cidade nossa, salvo Évora, foi capaz de me dizer com pureza e beleza que eu sou latino, que
eu sou árabe, que eu sou cristão, que eu sou peninsular, que eu sou português, - que eu sou a trágica mistura de
sangue místico e pagão que faz de mim o homem desgraçado que sabemos. Cf. Diário II, p. 26.
11 - De maneira que não há remédio. De resto, faz parte do meu ritual subir aos altos, sentir a voluptuosidade da
fadiga, como diz Unamuno, e depois olhar. Cf. Diário II, p. 71.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
46

descrita pelo filósofo contemporâneo Arnold Berleant, a respeito da experiência estética
ambiental12 e do envolvimento que ela acarreta para o modo como habitualmente nos
pensamos e nos relacionamos com o exterior; não somos espectadores passivos colocados
num mundo enxameado por objectos neutros; há uma continuidade condicional entre nós e
o nosso meio físico e humano e é inevitável que ambos se enformem mutuamente.
A continuidade, por oposição à separabilidade, é o modelo de apreciação adequado
à natureza e à arquitectura, por envolver todos os sentidos13, por dar conta de uma ligação ontológica entre o homem e as próprias coisas que o rodeiam e que o fazem; mas
a continuidade não poderá contudo ser um argumento para que tudo seja justificável e
admissível. A sensibilidade que prescruta em demora os lugares e os sítios torna-se igualmente
aguçada o suficiente para que possa detectar elementos intrusivos e perniciosos que instalam
uma disrupção na harmonia que diversos lugares possuem.
O telurismo de Torga assume por vezes contornos místicos, no sentido de em toda e
qualquer parte ver o reflexo de toda a realidade; não só é a paisagem um reflexo enformador
do povo que vive nela e que dela retira o sustento, como é muitas vezes esse entorno natural
que parece inculcar no povo as suas qualidades morais; dir-se-ia que a continuidade do
círculo homem-meio-ambiente-cultura não se faz apenas ao nível da disponibilidade dos
materiais, do vestuário, da arquitectura e da alimentação mas também ao nível dos valores
que os carácteres humanos acabam por interiorizar.
A valorização do natural em Torga, em detrimento do artificial, assume pois contornos
eminentemente espirituais e religiosos, sobrepujando a própria função da arte na sua função
pedagógica e espiritual; um dos aspectos essenciais do método que Miguel Torga emprega
para entretecer um retrato de Portugal e de Espanha prende-se com a natureza profundamente
moral que o autor outorga à natureza ou à terra e às formas de vida inveteradas nesse seio
primordial e que como tal não a rejeitam14; a capacidade da terra inculcar naqueles que a
habitam valores morais reflecte-se na consciência que um povo tem de si; as suas incursões
à sua terra natal, S. Martinho da Anta, são aliás muitas vezes descritas como transfusões
de sangue que o remoçam e agitam do marasmo da realidade do país; mas esta condição
generalizada ao povo, segundo o autor, contrasta todavia com a daqueles que, educados,
aburguesados e acostumados a importações culturais, parodiam e zombam da raiz profunda
da pátria no coito da capital, apodando-a de província15.

12 - O termo “ambiental” em Berleant compreende tanto o ambiente natural como o ambiente construído. “[…]
another more general one is to consider environment as a unified field incorporating a complex order of animate
and inanimate objects bound together in spatial and causal transactions, and whose fluid boundaries respond to
geographical conditions, human activity and other such influences.” Cf. Berleant 2005: 30.
13 - Among the most complex and wide-ranging experiences of continuity are those that characterize the deep
and powerful aesthetic encounters with art and nature. Continuity epitomizes the fullness of aesthetic engagement […] bodily engagement with environment, when integrated in active perception, becomes aesthetic. And
when aesthetic engagement is most intense and complete, it achieves that fulfilment if value we call beauty. An
aesthetics of the body is an aesthetics of environment, and the love of the one encompasses the love of the other.
Cf Berleant 2005: 75..
14 - S. Martinho de Anta, 16 de Setembro de 1961 – A cavalo nas rodas do progresso, que, além de cómodas,
são rápidas, em quatro horas dei um salto do mundo civilizado aqui. Livrei-me das garras dum entrevistador
cosmopolita, e vegeto na paz confinada das verças, a ver um vizinho arrancar batatas. Que inautenticidade a de
há pouco, e que autenticidade a de agora! Na mão polida do intelectual, a esferográfica fazia e desfazia frases
com a versatilidade ecuménica do dono; na manápula calosa do campónio, o enxadão move-se na constância
sacramental dos ritos. É o dom supremo da natureza: dama de grande senhoria, tudo o que vive na sua intimidade
se dignifica também. […] Daí a sensação de pureza e nobreza que nos dão as criaturas rurais, no trabalho ou no
ócio. As cidades são artifícios monumentais de sofreguidão e cimento; e os homens que as habitam – artíficios
miniaturais de carne e pensamento. E quem nelas sentir ainda a nostalgia instintiva do simples, do espontâneo,
do verdadeiro, tem de lhes fugir sempre que possa e regressar à terra. Quanto mais não seja, para verificar até
onde chegou na degradação... Cf. Diário IX, p. 84.
15 - O povo, fechado nos antolhos da sua fome milenária, só vê courelas e água de regar courelas. E os outros, os
bem comidos e bebidos, e que por isso tinham obrigação de uma acuidade mais ampla, jamais tiveram verdadeiro
carinho por esta pátria que sugam desde que ela existe […] E o nome com que designam a roça da sua grandeza
é “província”. Fecham nesta palavra o seu nojo pelos piolhos e pela lepra que cultivam com um desvelo digno
deles e, quando regressam, ficam-se pela Capital. Ficam-se pela Babilónia da nossa perdição, por essa Lisboa que
Portugal inteiro sustenta – enorme, monstruosa e vazia cabeça de um pequeno corpo, de tal maneira cansado de
trabalhar, que nem tempo tem para olhar a formusura natural que Deus lhe deu. Cf. Diário III, p. 117.

Tiago Mesquita Carvalho
47

A crença de Miguel Torga na nobreza das gentes rurais16, quase analfabetas, a sua
consciência de que as comunidades portuguesas durante séculos e já antes da presença ubiqua
do Estado ou da Europa das Comunidades, possuíam a decência e a cornucópia humanística
apta a granjear a confiança e a esperança num destino colectivo são inabaláveis17; mas é
na transfiguração da realidade física da terra portuguesa ou espanhola para uma realidade
moral que é a humana que nos tentaremos deter, pois talvez que aí resida a originalidade
metodológica da concepção de Miguel Torga do que é um povo e dos laços com a terra que
ele deverá manter e cuidar.
As visitas e as experiências que o poeta leva a cabo possuem pois uma dimensão
normativa18 que permitem juízos críticos das várias mudanças que atravessam as cidades
portuguesas. É precisamente pelas razões de uma demorada proximidade, granjeada durante
anos a fio de visitas, estadas e viagens, que Miguel Torga é crítico das alterações estéticas que
presencia a partir de meados dos anos setenta; porque, e é este o ponto, o autor adivinhava
nessas alterações muito mais que simples variações ao seu sentido estético ou ofensas ao
seu gosto subjectivo; estava perante uma mudança bastante mais profunda daquilo que o
autor pautava como sendo a quintessência da identidade portuguesa; não se trata de que
esta pudesse ser destruída por mudanças da sua expressão, mas sim de que as alterações
às formas urbanas, arquitectónicas e naturais anunciavam uma mudança na coerência da
cultura e das respectivas formas de vida.
Recordemos que o tempo histórico de Torga é em grande medida marcado pela descrença
dupla em Deus e no Estado poderem fundar um acordo de convivência entre os homens; daí
que os périplos infindáveis de Torga pelas aldeias recônditas do Portugal profundo não sejam
uma curiosidade turistica ou de circunstância; são questões que o autor, como português
nascido na Península Ibérica, colocou a si mesmo de forma implacável e que pretendeu vêlas respondidas de forma concreta em estilos de vida ainda enformados pela proximidade ao
meio natural19; e embora Miguel Torga seja filho, neto e bisneto de cavadores, dessa vida
árdua e amarga de fidelidade a um trabalho por vezes absurdo e às suas regras, não deixa de
lhe enalter as virtudes morais; ou seja, embora tendo convivido de perto com a realidade da
labuta rural e do fardo associado, não deixa de lhe associar benfeitorias éticas, por oposição
à cidade, onde o véu ilusório das aparências joga com os desejos dos homens.
As deambulações ibéricas
Quer esteja em Portugal ou em Espanha, o que prende Miguel Torga à incessante
investigação das características do rincão nativo da Ibéria é a certeza de só assim poder achar,
para lá de manifestações inautênticas, um genuíno leito telúrico, luso e hispânico, dado que
ambas as nações são feitas da mesma matéria; dando o corpo e aos sentidos ao manifesto,

16 - Fajão, 21 de Julho de 1968 – Ainda se encontram terras singulares neste país. O real e o irreal agasalhados
no mesmo gabão. Nós sociais apertados, que nenhuma força centrífuga consegue desatar, correspondem sempre
a nós cegos telúricos que a natureza também não deixa desfazer. E há não sei que sedução envolvente nessa
coesa harmonia entre o antropológico e o geográfico – a eternidade humana reflectida no espelho da eternidade
panorâmica. Cf. Diário X, p. 192.
17 - Castro Laboreiro, 24 de Agosto – Estas pequenas comunidades que nos restam, Rio de Onor, Vilarinho da
Furna, Laboreiro, etc., estão na última agonia. O Estado já não as pode tolerar, alheias à vida da nação, estrangeiras dentro do próprio território. […] E assim, um a um se vão apagando estes pequenos enclaves, não digo de
paradisíaca felicidade, mas de humana e natural liberdade. Uma vida social assim, apenas acrescida de ciência e
cultura, seria ideal. Antes de mais, o homem começou aqui por formar uma consciência cívica e fraterna, fundada
em amor, e fez depois as reformas consoantes. Mas parece que se resolveu matar primeiro o homem e a sua
harmonia espontânea, e construir então sobre cadáveres o futuro. Cf. Diário IV, pp. 113-114.
18 - The aesthetics of environment must recognize the experience of landscapes that offend us in various ways:
by destroying the identity and affection of place, by disrupting architectural coherence, by imposing sounds and
smells that may injure as well as repel, by making our living environment hostile and even uninhabitable. Part of
this criticism is aesthetics, an offense to our perceptual sensibilities and an immediate encounter with negative
value. Cf. Berleant 2005: 15.
19 - Gerês, 6 de agosto de 1968 – derradeira visita à aldeia de Vilarinho de Furnas, em vésperas de ser alagada,
como tantas da região. […] E assim, progressivamente, foram riscados do mapa alguns dos últimos núcleos comunitários do país. […] Talvez que o testemunho de uma urbanidade tão dignamente conseguida, com a correspondente cultura que ela implica, não interesse a uma época que prefere convívios de arregimentação embrutecida e
produtiva, e dispõe de meios rápidos e eficientes para os conseguir. […] Dava-me contentamento ver a lei moral
a pulsar quente e consciente nos corações, e a entre-ajuda espontânea a produzir os seus frutos. Regressava de
lá com um pouco mais de esperança nos outros e em mim. Cf. Diário XI, p. 11.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
48

Torga não se mascara da figura de um académico, no sentido lato do termo, que se dedique
apenas à interpretação dos feitos históricos e das obras de arte ibéricas; ele lobriga no mais
básico gesto quotidiano uma súmula da síntese de povos e civilizações que Portugal e a
Espanha condensam; o tempero da carne, o sabor do pão, a ginástica e a geometria de
virtudes contida na fala e nos seus bordões, tudo é matéria de interesse e aprendizagem para
que Torga paulatinamente apreenda o espírito da Ibéria20.
Outra dos temas que atravessa pois o Diário, a par das incursões de Miguel Torga às
cidades espanholas, são as respectiva meditações sobre a outra civilização ibérica; como
foi dito, devemos ter em conta, ao analisarmos tais considerandos, as implícitas concepções
corográficas de Miguel Torga e o modo como para o autor as expressões culturais são um
modo de intuir o carácter e a identidade de um povo e as linhas de força que o determinam,
em continuidade com o meio físico; o pelejo tauromáquico, por exemplo, constitui motivo
para que Torga contraste a atmosfera amena, fraterna e postiça com que é rematado a
tourada em território português com a violência instintiva e dramática do tudo ou nada
espanhol, em que o desfecho segue o instinto.
Daí que de acordo o seu pensamento corográfico e perante o génio espanhol, Miguel
Torga assinale a diferença daquilo que considera ser excepcional: as construções em Espanha
não têm em conta a paisagem, o entorno e tal deve-se a uma pulsão dramática que é
constantemente assertiva no seu querer; a beleza nesse território não é uma segregação
humanizada do ambiente, mas algo mais que vai além dele.
Podemos especular pelas causas dessa contínua vontade castelhana ou da acédia lusitana
sem nunca as verdadeiramente identificar; Miguel Torga parece porém tê-las localizado na
pequenez e miséria da terra portuguesa e dos horizontes limitados a que por conseguinte
elas obrigam ou, de modo não tão determínistico, sugerem. É nestas considerações que
podemos descobrir um certo franciscanismo que Miguel Torga parece promover e defender.
A carestia crónica da terra portuguesa parece ter sido o preço a pagar pela independência
histórica de Castela; mas há uma qualquer grandeza21 nessa condição feita de humildade e
trabalho absurdo para retirar das glebas algumas migalhas de pão.
Já a terra espanhola, abundante, rica, larga de horizontes, permite um alento e um
fôlego que merecem a admiração confessa do autor; por outro lado, também Torga parece
alternar nas suas preferências, pois embora indigente, o território português parece por isso
ter aquela nobreza dos humildes, dos hábitos inúteis repetidos e obedientes às mesmas
tarefas de sempre, à desconfiança das altas promessas do progresso, da política ou da
filosofia. O despojamento do franciscanismo que Torga assinala a Portugal parece ser até
uma condição para se habitar o território português; mas até que ponto será ele ingénito;
com efeito, o que há de útil em aceitar pertencer a uma terra magra, pobre e amarga senão
valores não utilitários?22 Não terá sido a própria rejeição desse castigo ou até de uma sede por
uma abundância material que Portugal produz continuamente gerações de emigrantes?
Já Francisco da Cunha Leão tinha observado que um dos traços que caracteriza o homem
português é a sua “religiosidade mediata, através da natureza e da Saudade, e pelo amor
às criaturas”23; o franciscanismo é portanto um traço geral do carácter dos portugueses
reconhecido por outros intelectuais; Jaime Cortesão, por exemplo, viu nos próprios
descobrimentos geográficos e no concomitante encontro com os territórios ultramarinos
um “humanismo universalista” motivado pelo fransciscanismo; segundo o mesmo autor,
o franciscanismo de Portugal, remontando às raízes célticas, implicou, no contexto dos
descobrimentos, “uma abertura do homem a natureza e aos outros enquanto expressão
de um humanismo integral”24. O franciscanismo português é pois aquele cuja religiosidade,
20 - […] o tempero é assinatura inconfundivel que identifica a reglião e o habitante dela. A pimenta e o cravo das
nossas andanças marítimas, e o vinho, o alho e o louro da nossa rotina telúrica, depois de complicadas alquimias,
passaram de meros condimentos a puras essências de sabedoria. Cf. Diário VII, p. 86.
21 - Gerês, 6 de Agosto de 1952 – Subida à Calcedónia, uma das coroas de glória cá da serra. E mais uma vez me
inundou a emoção de ter nascido nesta pequena pátria pedregosa que é Portugal. Há nessa condenação como
que uma graça dos deuses. Também é preciso ser de eleição para merecer certas pobrezas. Cf. Diário V, p. 109.
22 - Linha do Tua, 22 de Setembro – Este Portugal só se pode amar ou por razões instintivas de resignação de
pássaro que nasce em ruim ninho, ou então por um devotamento intelectual ao mirrado, à fraga, ao nada onde
é permitido sonhar tudo. Cf. Diário IV, p. 60.
23 - Cf. Calafate 2006 p. 379
24 - Jaime Cortesão, “O Carácter Lusitano do Descobrimento do Brasil”, Ocidente, vol. XIV, Lisboa 1941, p. 88

Tiago Mesquita Carvalho
49

embora austera e frugal nas condições materiais, revela-se incapaz de se deixar seduzir pelos
altos voos de qualquer abstracção espiritual que esqueça o chão onde habitam os seres e as
criaturas25.
Também António José Saraiva, comentando as formas de religiosidade em Portugal
e Espanha, aponta que, não obstante a sua semelhança exterior, marcadas pelas grandes
vagas da história, como a luta contra os muçulmanos, a expulsão dos judeus, a presença
da Inquisição e a expansão da fé católica, apresentam contudo traços de interioridade, i.e.,
de sentimento religioso, bastante díspares26. Miguel de Unamuno, parafraseando Guerra
Junqueiro, observou: “o Cristo espanhol nasceu em Tânger; é um Cristo africano e nunca se
aparta da cruz, onde está cheio de sangue; o Cristo português brinca com os camponeses
pelos campos, merenda com eles e só a certas horas, quando tem que cumprir com os
deveres do seu cargo, carrega com a cruz”27. Esta predisposição para o outro, para assimilálo, entendê-lo, integrá-lo na própria identidade, aspira a uma simbiose carnal e espiritual
com todas as coisas, que se plasmou “na assimilação física das geografias e dos sangues
estranhos da época dos Descobrimentos”28.
As deambulações de Torga por Espanha assinalam muita vezes essa presença imanente
do espírito espanhol na paisagem e nos monumentos; reconhecendo implicitamente que
só através da matéria se pode o espírito expressar, apesar de condicionado e moldado por
ela, Torga observa atentamente para daí retirar conclusões contundentes sobre o carácter
espanhol29.
Francisco da Cunha Leão também nota que existe uma tendência para o categórico e
para a opinião definitiva no espanhol; o nebuloso, o duvidoso, as zonas intersticiais do ser
ficam amiúde arredadas das suas preocupações e juízos; tudo está atravessado da solidez
robusta das oposições perfeitas e claras, sem espaço para as transições desviantes ou para os
interins corriqueiros; como se os homens espanhóis encarnassem também a secura e o brilho
do planalto castelhano e o irradiassem novamente para a paisagem e para a sua cultura30;
não há concessão possível aos tons mais indefinidos e brumosos que baralham as certezas
da concretude da realidade; daí que as características da paisagem portuguesa e da Galiza,
concorram para versões mais brandas, mais em contacto com o orvalho da aurora ou as
sombra do crepúsculo do que a pura e nítida irradiação do meio-dia de Castela.
Torga via na natureza castiça e heróica do Portugal e da Espanha de antanho o melhor
modo desses países se integrarem na Europa. O seu elogio ao modo como Unamuno cantava
a Ibéria junto dos intelectuais europeus coevos demonstra o modo como rejeitava uma
adaptação ibérica à Europa, preferindo pois a sua afirmação pela singularidade peninsular.
O seu amor fulgurante pela terra não termina, como é sabido, nas raias portuguesas; por
várias vezes declama que se sente um cidadão de uma terra maior que é a Ibéria e a sua
cultura transatlântica31. Como afirma Herrero “a Ibérica não é para Torga uma palavra: é uma
sensação telúrica. Atravessar a fronteira portuguesa e sentir que o seu coração se dilata é
uma constante que se repete na sua vida interior.” ou “A Ibéria é para Torga o que tem sido
durante séculos: vários povos, duas pátrias, uma cultura”32.

25 - Caldelas, 25 de Agosto de 1959 –Em meia dúzia de lameiros, em quatro ou cinco solares de granito, e nas
altas capelinhas como aquela, espelham-se as três linhas de força que sempre nos justificaram: o amor secular da
terra, a íntima necessidade dum pouco de beleza na arquitectura do ninho e a caiada fé numa transcendência que
procura os cimos mas não se desprende do mundo. Cf. Diário IV, p. 119.
26 - Cf. Calafate 2006: 407-408.
27 - Cf. Unamuno 2009: 23. Por Terras de Portugal e Espanha. Lisboa: Edições Vega.
28 - Cf. Calafate 2006: 407-408.
29 - Salamanca, 12 de Junho de 1960 – […] Em Espanha, o humano configura tudo. O espírito encarna em D.
Quixote; o antiespírito em Sancho Pança. Cristo apodrece em Palência, concretamente cadavérico. As próprias
cidades acabam por ter um rosto de gente […] um rosto heróico, fanático, místico, lírico, sensual ou sensorial,
que dá personificação à febre física esparsa nas suas ruas, à febre metafísica enclausurada nos seus conventos, e
à febre telúrica do cenário que as rodeia. Cf. Diário VIII, pp. 140-141.
30 - Cf. Calafate 2006: 387-388.
31 - ...A Espanha foi sempre um dos meus pontos de honra. Desde que num remoto dia fui a Santiago de Compostela ver a Porta da Glória, nunca mais pisei o seu chão ou pronunciei o seu nome sem amor. A minha pátria
cívica acaba em Bara de Alva; mas a minha pátria telúrica só finda nos Pirinéus. Há no meu peito angústias que
necessitam da aridez de Castela, da tenacidade vasca, dos perfumes do Levante e do luar andaluz. Sou, pela graça
da vida, peninsular. Cf. Diário III, p. 47.
32 - Cf. Herrero 1979: 130.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
50

O apego de Torga à terra portuguesa, porém, nunca foi nacionalista; como o próprio
explicou, trata-se de um apego medular, orgânico, de quem não se sabe mover fora do chão
que o gerou33; trata-se afinal da consciência de que na lotaria das origens dos homens, a
todos calha em sorte ser filho de certos progenitores e de uma certa terra; e é a partir dela,
das experiências que ela potencia e permite, que nascerão as lições, analogias e metáforas
que acompanharão os homens do futuro. Não há pois razões para rejeitar o magro berço
apesar de ele ser uma bitola imperdoável do carácter dos homens; tanto serve para os cobrir
de desespero e sofrimento como para os elevar ainda mais na sua vontade de vingarem34.
Face ao amplexo apertado, demasiado apertado, da terra portuguesa, o mar e as suas
incógnitas fronteiras foram tematizados por vários historiadores e intelectuais como uma das
soluções encontradas para a afirmação de Portugal35; liado ao destino pátrio desde há cerca
de seis séculos e como condicionante físico que é, não poderia deixar de ser abordado por
Miguel Torga como uma das linhas mestras da nossa identidade; ora o mar é visto como o
grande feito da nossa civilização, construindo a base de uma unidade ecuménica de raças,
povos e continentes em torno da mesma língua; foi, aliás, o mesmo mar que uniu tantos
povos que primeiro possibilitou que outras civilizações arribassem à península ibérica com
tradições que pertencerão doravante ao seu património comum; ora o mar é visto como a
condição da própria liberdade face à ambição dominadora de Castela. Mesmo que agora
o mar seja uma lembrança remota dos feito de então, ele permanece inscrito na alma e na
mesa dos portugueses.
A outra face da moeda do peso do mar na identidade portuguesa revela-se em toda a
sua força aquando do fim, quase seiscentos anos depois, do império colonial; lançados e
arremessados para tamanha empresa, tomando-a como a própria condição para a própria
independência, os portugueses viram-se confinados novamente aos horizontes da sua
terra natal; dependendo economicamente e espiritualmente dos recursos das colónias e do
significado de ser uma nação além mar, Portugal vê-se agora, no presente, condenado a uma
descoberta interior, a assumir uma nova identidade limitada ao chão próprio e a olhar para
um futuro sabendo-se em paz com um passado36. A passagem de 29 de Setembro de 1975
do X volume do Diário é especialmente fecunda em interpretações:
“Coimbra, 29 de Setembro de 1975 - Retorno maciço dos portugueses do
ultramar. Na aflição da fuga, até de barco de pesca vieram muitos, a ponto
de alguém dizer que fomos descobrir o mundo em caravelas e regressámos
dele em traineiras. A fanfarronice de uns, a incapacidade de outros e a
irresponsabilidade de todos deu este resultado: o fim sem grandeza de uma
grande aventura. Metade de Portugal a ser o remorso da outra metade. Os
judeus da diáspora ansiavam por voltar a Canaan. Povo messiânico também,
mas de sentido exógeno, para nós o regresso é o exílio. A nossa Terra Prometida
estava fora de Portugal”.
Neste sentido, vários críticos37 apontam também que a visão telúrica e ibérica de Miguel
Torga, presente por exemplo na sua obra Poemas Ibéricos, constituem em parte uma reacção
ao livro Mensagem de Fernando Pessoa, no modo como o autor, ao contrário do poeta

33 - Coimbra, 10 de Outubro de 1963 – Cada vez me sinto menos nacionalista e mais perto da pátria. Sou como
uma lapa agarrada à sua rocha, consciente de que ela é apenas o suporte necessário à vida que recebe do cósmico
oceano. Cf. Diário X, p. 12.
34 - Pinhão, 1 de Janeiro de 1964 – O meio. É ele, realmente, o grande actor na tragédia da vida. Põe e tira, parte
e reparte. Dono e senhor, semeia antes da mão do homem. […] Sim, a natureza foi avara connosco e é difícil
transformar em searas de trigo fragões de granito ou xisto. Isso, porém, não é razão para lhes acrescentarmos a
nossa esterilidade. Há gente cá na pátria que, em vez de cobrir de desânimo e renúncia as lajes onde nasceu, faz
delas a peanha duma vontade fecunda. Cf. Diário X, p. 26.
35 - Portugal não pode continuar a viver nuam prisão, sob risco de morrer de anemia. Não pode continuar a
afirmar-se por meio duma negação. Ninguém estrutura a sua identidade pessoal repelindo todo o calor de parentesco. Não quer Castela por madrasta. Resta-lhe o pai: o mar. Cf. Herrero 1979: p. 163.
36 - Coimbra, 27 de Julho de 1974 – Vamos finalmente dar independência aos povos colonizados. Uma independência que sem dúvida lhes irá custar cara, mas não há nenhuma que seja barata. Depois desse acto necessário
e imperioso, Portugal ficará reduzido à tal nesga de terra debruada de mar. É a História que o exige, e oxalá que
o destino também. Partir era a nossa carta de alforria. Hoje os caminhos não serão já os da demanda de espaços
abertos a uma afirmação tolhida no berço mas os de um achamento interior protelado séculos a fio. Cf. Diário
XII, p. 76.
37 - Prefácio a um estudo dos Poemas Ibéricos, de Miguel Torga. Cf. Monteiro 1997: 65.

Tiago Mesquita Carvalho
51

lisboeta, via o destino de Portugal ligado ao de Espanha e via na abertura histórica ao mar
uma visão cósmica de Portugal bastante diferente da sua; “o eu de Torga, o da primeira
pessoa do singular, faz corpo – isto é, faz rosto – com o nós que também é, como ser
colectivo. Com Pessoa é diferente: Mensagem dá apenas voz épica ao nós que somos – como
nação.”38. Na polémica entre o ir ou o vir, entre o cosmopolitismo ou o regresso às origens,
Torga posiciona-se ao lado daqueles que denunciam como a sede pelo desconhecido incorrre
num esquecimento do vicinal, trocando-se, simbolicamente, a terra pelo mar; para Miguel
Torga, não obstante, o mar foi um “seio de perdição, que desgraça os que sucumbem ao
seu apelo que, por sua vez, fazem a infelicidade dos que a eles estão ligados; a terra, essa, é
o útero onde a vida nace, e tudo tem sentido e cura, até a morte individual que ela recupera
e faz ressuscitar39. Teresa Rita Lopes, num ensaio posterior, aponta como para Pessoa, “as
Descobertas representaram uma procura de identidade [...] só quando tomaram distância
de quem eram, e se fizeram ao mar, os Portugueses adquiriram a sua verdadeira estatura
de navegadores e criadores de impérios […] Para Miguel Torga, partir é sempre perder-se de
si próprio, optar pelo barco e ser infiel à raiz”40. A recomendação de Torga é optar por esse
“achamento interior”, rejeitando sonhos abstractos de grandeza e travar a “batalha de ser
fiel à vida”, ao chão.
Jesus Herrero também comentou o novo destino de Portugal como sendo o de uma difícil
descoberta interior; apesar de ambas as nações ibéricas terem fundado impérios ultramarinos
e se verem agora a braços com o seu fim, dado que as motivações psicológicas foram
diferentes, também esse desfecho assume um sentido diferente em cada caso; Portugal viu
no mar uma possibilidade de ser mais por estar confinado a uma nesga de terra, enquanto
Espanha se expandiu devido a um excesso tónico; como remata o ensaísta espanhol “O mar
de Espanha chama-se terra; a terra de Portugal chama-se mar”41. Depois de tantas terras e
mares percorridos para fugir à míngua de terra, o sentido de Portugal cumprir-se não está
pois mais no mar mas no velho e autêntico solo que paulatinamente foi rejeitando em nome
de uma afirmação marítima.
A crítica e o diagnóstico
É assim que Miguel Torga assiste, profundamente transtornado, às radicais mutações
que assolam a terra portuguesa de finais do século XX. Na linha dos pontos anteriores e
daquilo que pugnava por ser a identidade portuguesa e ibérica, as suas críticas pautamse em geral por uma crítica a um certo progresso e ao modelo económico associado, tal
como ilustrado pelo crescimento imponente da cidade de Lisboa, pelo êxodo rural, pelo
turismo e pela entrada de Portugal na União Europeia; mudanças que denunciam, mais do
que preocupações pontuais, uma alteração no modo como Portugal se tem visto a si próprio
e o que será doravante no palco das nações do mundo.
O ataque cáustico à capital, em Torga, é sobretudo feito ao nível das virtudes que o
autor reconhece estarem plasmados no restante território nacional; Lisboa protagoniza uma
excepcionalidade ao carácter nacional que é malsã por pretender estar para além dessa
realidade e ser açambarcadora da pluralidade de ideias e condições que compõem uma nação
saudável42. Por exemplo, na entrada de 7 de Maio do Diário IV, podemos reter uma critica
virulenta ao modo como Lisboa evoluía e como se subtraía ao restante território nacional;
repare-se como nas palavras de Torga, o aceleracionismo técnico que advém à capital é

38 - Torga e a Portugalidade. Cf. Lopes 1997: 370.
39 - Id. p. 373.
40 - A Ibéria de Torga e “Nós, Portugal, o poder ser de Pessoa”. Cf. Lopes 2009: 36.
41 - Cf. Herrero 1979: 173.
42 - Lisboa, 17 de Julho de 1958 – O país é esta metrópole de carnação alva, que o não testemunha mas devora,
sem dar cavaco a ninguém e sem medo de ser chamada à pedra. […] Imunidades de toda a ordem permitem-lhe
ser ao mesmo tempo a nação e a contra-nação. A nação, na triste medida em que só ela conta, só ela come, só
ela sabe, só ela se diverte, só ela manda; a contra-nação, por todas essas razões. Empanturrada de poder e prazer,
em vez de unificar a diversidade do país, cresta-o dos seus valores e degrada-os. O espelho liso da alma dum povo,
que deve ser a sua capital –, nesta pobre terra é empenado. A íntima e colectiva fisionomia que temos, vê-se nele
deformada e monstruosa. Aqui reflectidos, parecemos todos ou parolos de primeira ou civilizados de terceira. Cf.
Diário VIII, pp. 140-141.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
52

prontamente convertido em vícios morais relacionados com a opulência43.
Em oposição a um crescimento desmesurado, podemos também detectar como o autor
considera que deve existir um certo tempo próprio necessário à feitura da cidade; é preciso
que estas evoluam e assomem de acordo com as necessidades humanas, com a demora
que os gestos requerem e que os hábitos apreciam, para que ela pareça, enfim, ter crescido
da própria terra, como uma semente cultivada e que lentamente da qual vão brotando
outros ramos e outros tantos frutos44. De acordo com este ponto de vista, uma cidade não
é pois definida apenas e só pelo número de fogos e serviços que possui, nem pela sua
dimensão populacional ou económica, mas sobretudo pelo que deixa antever da cultura que
lentamente a engendrou.
Por sua vez, a emigração rural deixou deserta ou rarefeita vários povoados e aldeias,
entregando vastas porções do território ao abandono e fragilizando as bases humanas da
memória e do património; a lenta e demorada infusão entre as comunidades e o meio físico,
apesar de frágil e penosa nos modos de vida que potenciava, teve o condão de travejar o
país em termos demográficos e culturais; as exigências concretas da terra ou dos meios de
produção ditaram a expressão arquitectónica possível presente nos povoados e cidades; com
tamanho vazão migratório, ora para as cidades nacionais, ora para outras no estrangeiro,
o gosto pôde exprimir-se sem os arreios e os limites naturais ditados ora pelas condições
climatéricas, ora pelos materiais existentes das redondezas, ora pela capacidade produtiva
do solo.
O resultado da emigração rural, como Torga intuiu, foi a intrusão de elementos estéticos
estranhos ao equilíbrio ulterior e que denunciaram pois uma profunda mudança na sentido
do belo e nas condições do que significa habitar tais lugares e que desrespeitaram essa
ronceira reciprocidade entre a cultura humana e a paisagem45; como segundo o autor
nunca os portugueses foram particularmente seguros de si e das suas expressões culturais,
a influência estrangeira nos emigrados logo tratou de lhes atalhar e cercear o gosto no mais
singelo que ele possuía, alienando-o46.
O apego à terra portuguesa transforma-se, em Torga, na crítica de um certo turismo; por
certo que também ele próprio foi turista em muitas capitais e países estrangeiros; podemos
especular sobre a sua crítica ao turismo em Portugal que conheceu mais de perto e que foi
o algarvio; habituado ao remanso de praias quase desertas, à abundância do peixe e ao
sossego da paisagem algarvia, o abanão turístico terá surpreendido o poeta no âmago do

43 - Lisboa, 7 de Maio – Cada vez se torna mais difícil andar aqui, dormir aqui, viver aqui. A cidade cresce, cresce,
cresce como um cancro que devora tudo, e nas suas ruas, praças e avenidas é uma tal correria, um bruhahá tamanho e um acotovelamento tão aflitivo, que a nossa fisiologia nativa começa a hesitar. E, contudo, o provincianismo espiritual que nos marca, que nos condena, que nos mata, permanece aqui mais teimoso do que nunca. […]
Para quem vem das terras pobres da província e vê isto, impõe-se imediatamente um raciocínio: nunca esta Lisboa
exprimiu a Pátria. Um novo-riquismo que se opõe à sobriedade medular da nação. Cf. Diário IV, p. 98.
44 - Vila Real de Santo-António, 15 de Fevereiro de 1942 – É impossível. Edificar uma cidade com carácter em
cinco meses, é o mesmo que fazer um ninho de andorinha num segundo. Para que uma terra tenha cunho e
magia, unidade e variedade dentro do seu todo inteiro e marcado, é preciso que seja segregada pelos homens
pedra a pedra, rua a rua, cornija a cornija, com a fé e a paciência com que se escreve um longo poema ou se
constrói uma religião. Cf. Diário II, p. 28.
45 - A beleza em Torga não será portanto mero subjectivismo mas a consciência de um profundo laço recíproco
e ponderado, histórico e cultural, entre o homem e o seu ambiente. “Beauty, for example, no longer concerns
the formal perfection of a prized object but becomes the pervasive aesthetic value of an environmental situation.
That value is measured less by formal traits than by perceptual immediacy and intensity in enhancing the intimate
bond of person and place.” Cf. Berleant 2005: 33.
46 - S. Martinho de Anta, 22 de Dezembro de 1975 – Portugal transformado num paradoxo: ou assombrado por
aldeias mortas, as silvas a apertar num abraço maninho paredes encardidas que cercaram calor humano, ou embandeirado de moradias exóticas que parecem alucinações do arco-íris. A avalanche emigratória, transplantando
brutalmente para as grandes metrópoles europeias populações inteiras que nunca tinham saído do seu agro, foi
catastrófica para o equilíbrio corográfico do país. Enquanto vivíamos isolados ou frequentávamos terras virgens
onde construíamos à nossa imagem e semelhança, a própria paisagem nos comandava o sentido estético, a feição
urbana. Havia uma exigência do natural que não permitia desmandos ao critério. E, sem termos uma arte rural
surpreendente, tínhamos a graça do simples, do ingénuo, do autêntico. De repente, começámos a invadir maciçamente o mundo citadino. E, como nos faltava casticismo, segurança anímica, imunidade cultural, não resistimos
ao embate. Ficámos baralhados nos sentimentos, no gosto, na sensibilidade. Degradados da própria inocência,
somos hoje um mostruário de tintas e a vergonha dos olhos. Cf. Diário X, p. 121.

Tiago Mesquita Carvalho
53

seu ser. Parece-nos, novamente, haver nessas passagens o reconhecimento implícito de que
a terra é sobretudo daqueles que a fazem, não só no sentido laboral e económico do termo,
mas também no sentido lúdico e espiritual; ou tolere-se o turismo, mas não que seja o de
massas que tudo estranha e altera; Torga, temia, talvez, como em muitas outras passagens,
uma corrupção dos nativos pelas culturas estrangeiras através do seu poder monetário e que
de uma forma ou de outra acabariam por seduzir os mais indigentes e modificar as formas de
vida que o autor pautava por serem imutáveis ou cristalizadas mas genuínas47; não obstante
as mais-valias económicas óbvias, o turismo constituía uma ameaça à essência medular das
comunidades. Daí que progressivamente seja um crítico severo dessa dinâmica voraz do
capitalismo que assumia vários contornos no modo como malograva o país48.
Em suma, Torga crítica o turismo por aquilo que ele tem de caricatural e consumista;
o turismo de massas algarvio não era já na época ontologicamente profundo porque não
proporciona modos de estar que sejam duradouros ou envolventes49; tampouco permite que
os seus agentes se articulem com as redes de relações que em última análise lhe proporcionam
aquilo que buscam: a gastronomia não é a síntese longa de uma história de condições sociais
e biofísicas entre o mar, o barrocal e a serra mas aquilo que simplesmente é saboroso e
economicamente acessível; as paisagens de terra não são enxameadas pelas culturas clássicas
algarvias da laranjeira, amendoeira, alfarrobeira e da oliveira herdadas dos romanos e dos
árabes, mas um poiso tranquilo de hotéis inundado por temperaturas amenas; o mar e as
praias não são o sustento de milhares de famílias mas o que refresca peles ruborizadas pelos
mais leves raios de sol.
Amante confesso do castiço e do verdadeiro como expressão das condições locais, a
verrina de Torga apurou-se nos volumes finais do Diário à medida que as suas viagens aos
locais pátrios que outrora visitara surgiam então cobertos da aura das derradeiras visitas
e modificados como nunca; o contraste entre o que presenciara e vivera e o que então
vislumbrava era evidente. No que nos respeita, trata-se de assinalarmos a validade das suas
críticas de acordo com a concepção corográfica implícita ao autor e ao modo com essas
críticas se revestiam de uma preocupação profunda com aquilo que Torga compreendia
como sendo a identidade portuguesa em risco de soçobrar.
Não se pense porém que Torga era um apoiante da miséria dos trabalhadores rurais ou
do seu modo de vida, em nome da preservação de uma essência qualquer que lhe agradasse
mais; são várias as páginas em que ele crítica mentalidades tacanhas precisamente por não
verem mais além do que a mera sobrevivência; as condições laborais dos trabalhadores eramlhe bastante caras, a ponto de classificar a paisagem vinhateira do seu benquisto Douro e o
seu preciso néctar como frutos da escravatura de massas de trabalhadores ao capital de uns
poucos empresários e que com inaudita perícia conseguiram transformar o sol fulgurante e a
pedra xistosa num milagre líquido; mas não nos parece que Torga viu somente na emigração
rural um sinal de que o próprio amor ao torrão se tivesse esfumado; será talvez a existência de
uma ligação umbilical ao berço que garante o constante envio de remessas pelos emigrantes;
o que Torga censurou foi a redução da problemática emigratória a uma análise de custobenefício cara ao capitalismo mas também ao Estado Novo; no fundo, trata-se da redução
do valor intrínseco dos lugares ao valor económico que os habitantes dele possam retirar;
parece-nos que Torga pugna por um tipo de valor que é incomensurável para tais efeitos de

47 - Faro, 5 de Fevereiro de 1967 – Aqui ando a emendar as impressões, na mesma angústia com que emendo os
livros. Onde está o paraíso algarvio de há vinte anos? A quem sorriem estas amendoeiras floridas? Aos naturais
pobres, ou aos turistas ricos? Quem come as lagostas que saem do mar, e as laranjas que amadurecem nos pomares? De que miradoiro e em que albergue pode o nativo espairecer os olhos e descansar o corpo? Será que nem
o afago da nossa paisagem, nem os frutos do nosso suor merecemos? Cf. Diário X, p. 123.
48 - Oura, 10 de Agosto de 1988 – Falta pouco. Amanhã já estarei de volta ao Portugal verdadeiro que ainda nos
resta, e que tantos porfiam em tornar igual a este que me corta o coração. Temos aqui a imagem eloquente do
que serão as outras províncias nacionais quando a Europa as comprar. A cegueira dos nossos governantes! Nem
com o exemplo do Algarve aprendem a amar e a preservar a pátria. Cf. Diário XV, p. 127.
49 - Buçaco, 21 de Junho de 1991 – Portugal já nem nos seus lugares emblemáticos, com pergaminhos históricos
e naturais, é Portugal. Desfigurado pelo furor dos emigrantes e invadido por ondas de turistas de calção e sandália, só a custo deixa vislumbrar a identidade profunda. Todo ele se transfigura dia a dia, dramaticamente, numa
penosa saudade poluída. Cf. Diário XVI, p. 91

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
54

contabilidade50.
O cenário objectivo que Miguel Torga testemunhou em cidades, vilas e aldeias portuguesas
foi afinal o da emigração rural massiva e a erosão da sociedade rural concomitante que
assolou Portugal na segunda metade do século XX; até meados desse século em Portugal,
a agricultura, a sociedade rural e o espaço tinham destinos coincidentes51. Contudo, com o
advento do êxodo rural, a par da mudança tecnológica que sobreveio ao aproveitamento da
cultura agrícola, constituíram-se forças que transformaram profundamente a estrutura do
trabalho, os hábitos, as formas de vida e a cultura associada. O uso do tractor, da ceifeiradebulhadora, do avião, do motor da rega e dos adubos erodiu o emprego de mão-de-obra
manual, das alfaias agrícolas e de outras tecnologias tradicionais, diminuindo em grande
medida as horas de trabalho necessárias e como tal obviando o uso de tantos trabalhadores
agrícolas. Através das tecnologias52 todo o sistema de produção foi afectado, o que se reflectiu
não só nos rendimentos mais elevados por trabalhador mas votando os saberes de outrora ao
esquecimento; o uso de adubos, por exemplo, dispensou o emprego de sargaço, de algas e
do estrume dos animais, pondo em causa o tecido de relações humanas e biológicas que o
mar e a floresta entreteciam com a agricultura.
Como comenta Fernando de Oliveira Baptista, através da divulgação das várias tecnologias
agrícolas a todo o território, cada agricultor pôde, até certos níveis, ultrapassar aquela
obediência sábia à natureza que regia e equilibrava a sua actividade para passar a dispor
de uma maior tolerância53; essa tolerância, fugindo aos equilíbrios a que as concretudes
geográficas obrigavam, acabou por suspender uma história da tecnologia agrícola que até
aí era feita de engenho, criatividade e anonimato, mas que em última análise foi criadora
de culturas locais e particularismos gastronómicos e vocábulos que diferenciam cada região
portuguesa de outras e constitui ainda um dos obstáculos à homogeneização hodierna. Não
obstante putativos aspectos vantajosos dessa herança, mormente ao nível diferenciador para
o turismo actual e paras identidades locais, há leituras diferentes sobre o sentido desses
tempos e das políticas usadas para gerir tais transformações.
É certo que todos os países ocidentais possuem uma população agrícola inferior a 10%,
apesar da mesma produtividade agrícola ter aumentando por via do emprego das tecnologias;
os mesmos países possuem igualmente economias fortemente terciarizadas; mas muita da
identidade local e nacional de cada país permanece e ter-se-á deslocado, numa época de
consumo de massas em que tudo tende a ser aparentado e as distinções elididas, para alguns
desses produtos regionais; trata-se afinal de averiguar se em termos gerais, cada sociedade
logrou granjear uma concepção da vida boa com esse abandono rural, sem dúvida feito
de trabalho árduo e penoso; apesar de ainda actualmente a gestão e musealização dessa
memória assumir aspectos caricatos, pois tratam-se na mais das vezes de tentativas artificiais
de insuflar vida em formas de vida já extintas, registe-se pois que os caminhos da história não
sáo obrigatórios, já que países europeus há que privilegiaram essa ligação à natureza e ao
campo como forma de compor a sua multímoda identidade. No caso de Fernando Oliveira

50 - Castelo Mendo, 25 de Outubro de 1970 – Sei que metade da nação está condenada ao dente roaz dos
matagais, por não ser possível nela qualquer cultivo económico, e que ainda temos um milhão de portugueses a
mais a lavrar seixos. Mas uma coisa é o aproveitamento racional do território pátrio, com a deslocação ordenada
dos respectivos habitantes, e outra o abandono anárquico do solo e a emigração maciça das populações. Útil ao
jogo do capitalismo reinante, que vê assim resolvidos de momento alguns problemas que o afligem, o acto de
desespero e protesto só não corta o coração de quem o fechou ao amor do berço e da grei. Estes muros caídos,
estas courelas recusadas e estas aldeias vazias são o testemunho vivo de uma política sem horizontes, sem patriotismo e sem fraternidade. Que troca criminosamente o chão bom e mau do país e o sangue dos seus melhores
filhos por divisas. Cf. Diário XI, p. 126.
51 - Cf. Baptista 2001: 10.
52 - O velho homem dos campos que vivia uma relação temerosa com a natureza vai-se transformando num
agricultor profissional que a manuseia com menos cautela, mas mais autonomia e sucesso produtivo. Esta nova
relação com a natureza decorre das possibilidades abertas pelas tecnologias a que agora recorre. Cf. Baptista,
2001: 14
53 - A utilização de adubos químicos permitiu uma maior liberdade na relação do agricultor com a natureza. Cf.
Baptista 2001: 11.

Tiago Mesquita Carvalho
55

Baptista54 e Álvaro Domingues55, por exemplo, a opinião é clara, contrária e contundente.
O balanço do progresso social que adveio a Portugal não é, em Miguel Torga, de um
cômputo claro e indubitável56 e o autor apresenta-nos razões para o seu cepticismo; houve
e haverá um preço a pagar por tão rápidas e radicais convulsões e mudanças; e, novamente,
em Torga este balanço não se pode fazer apenas em termos da qualidade de vida e bemestar médio dos portugueses; o seu exame nunca é puramente contabilístico ou financeiro,
mas pauta-se por uma aturada preocupação acerca do carácter e dos modos de ser que
poderão ter ficado marginalizados e esquecidos e que afinal nos singularizavam dos restantes
países57.
Torga preocupava-se no já nos anos setenta, quando a economia dava ainda passos
tímidos para uma liberalização dos mercados, com uma alienação individual e social derivada
da aceleração económica e tecnológica; temia talvez que ocorresse uma desumanização
simultânea às benfeitorias que as tecnologias providenciam, como se fossem o outro lado da
moeda ou o preço a pagar pela modo como as diversas tecnologias nos alijam de diversas
tarefas. A sua crítica à entrada de Portugal na então CEE foi categórica58; com efeito, através
da liberalização do mercado de trabalho e do mercado agrícola, o que impede, ao certo de
que o tecido social e afectivo de Portugal seja desfeito? Se a língua inglesa se torna a nova
língua franca, o que impede, na ausência de outros valores, que o valor económico não
arraste e desloque trabalhadores dos países mais pobres para os mais prósperos, obrigado
a uma sangria populacional que põe em causa a própria sustentabilidade dos territórios?
Caberá ao leitor desvelar e ajuizar se as críticas de Miguel Torga são efabulações saudosistas
e atávicas de alguém que cresceu e envelheceu à beira de uma terra relativamente incólume
e que se desfigurou em poucos anos ou se elas não são enfim constatações e professias veras
da realidade nacional contemporânea.

54 - […] Morre uma cultura, declina um mundo, mas os milhões de homens e mulheres que, sempre que puderam, o abandonaram não lamentam a perda. “A gente só tem saudades porque sabe que aqueles tempos não
vão voltar”, declarava um velho emigrante que também fora agricultor na sua terra e ratinho no Alentejo. Os
homens e mulheres que sofreram a penosidade da ceifa, do trabalho junto da enfardadeira e debulhadora fixas,
da violência da vindima e da monda dos arrozais ou do esforço desmesurado da cava da vinha não lamentam a
transformação do trabalho agrícola. Cf. Baptista 2001: 11.
55 - […] a esta pureza conspurcada opõem-se a mistura, a coexistência de ordens distintas, a diversidade dos
materiais e das cores, o inacabado, o mestiço, o transgénico, a não linearidade, a dissonância, a simultaneidade,
a diversidade de ornamentação, etc. A incompreensão dessa descaracterização faz-se, habitualmente, acompanhar do rol da perda de supostas autenticidades que, de tanto mitificadas, parecem ter pertencido a um tempo
primordial, sem história e sem outro referente que não um passado mais-que-perfeito. Nesse passado a vida no
campo era a imagem do Paraíso e do bom povo sábio, pobre mas honesto, que vivia na sua simplicidade, alegria,
em comunhão com a Natureza e oração com os deuses. Cf. Domingues 2011: 16.
56 - Coimbra, 25 de Setembro de 1988 – Criaturas simples, chegadas ao húmus, tudo nelas tem ainda o sabor
saudável do autêntico e primordial. […] Marginal à Europa, nem sempre a acompanhou nas suas proezas técnicas
e antropotécnicas. E, nesse capítulo, à primeira vista, pode parecer retrógrado. Mas essa falsa inércia, esse ilusório
sono letárgico, é apenas a paz de boa consciência de quem conhece o preço de certas cedências ao progresso.
De quem lhe pressente a efemeridade. Cf. Diário XV, pp. 136-138.
57 - Praia de Mira, 22 de Setembro de 1987 – Portugal não parece o mesmo. Em meia dúzia de anos, perdeu
o carácter. Quem familiarmente lhe conhecia as feições que o singularizavam, fica espantado quando agora o
percorre. Tudo mudou. As casas, as ruas, os trajes, os hábitos. Cf. Diário XV, p. 69.
58 - Coimbra, 11 de Maio de 1992 – Não vai valer de nada. [...] É um protesto. O tempo dirá se era justificado.
Mas creio que sim, e fica pelo menos registado o repúdio de um poeta português pela irresponsabilidade com
que meia dúzia de contabilistas lhe alienaram a soberania da pátria. Tenho como certo que Maastricht há-de ser
uma nódoa indelével na memória da Europa, envergonhada de, no curso da sua gloriosa história, ter trocado
neste triste momento o calor do seu génio criador pela febre usurária e, nas próprias assembleias onde prega a
boa nova das regras comunitárias, fintar de mil maneiras os parceiros. Só que as grandes potências podem dar-se
ao luxo de todos os jogos malabares e safadezas, e assinar até tratados ardilosos com abdicações aparentes da
sua identidade. E as pequenas, não. Se, por leviandade ou megalomania, arriscam um mau passo no caminho da
independência, perdem-na de vez. Que é, infelizmente, o que, se o destino nos não acudir com um milagre, nos
vai acontecer. Cf. Diário XVI 121.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
56

Bibliografia
AA.VV., Dar ao Mundo Coração. Estudos sobre Miguel Torga. Alfragide: Texto Editores. 2009.
AA.VV., Portugal como Problema. Os Dramas da Alternativa. Org. Pedro Calafate. Lisboa : Fundação Luso-Americana
& Público, Comunicação Social, S. A 2006.
AA.VV., Sou um Homem de Granito – Miguel Torga e seu compromisso. Colóquio Internacional sobre Miguel Torga.
Lisboa: Edições Salamandra, 1997.
ARNAUT, António. Estudos Torguianos. Coimbra: Coimbra Editora, 1997.
BAPTISTA, Fernando Oliveira. Agriculturas e Territórios. Oeiras: Celta editora, 2001
BERLEANT, Arnold. Aesthetics and Environment. England: Ashgate Publishing Limited, 2005.
DOMINGUES, Álvaro, Vida no Campo. Porto: Dafne, 2011.
HERRERO, Jesus. Miguel Torga. Poeta Ibérico. Arcádia: Lisboa, 1979.
TORGA, Miguel, Diário I. 6ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1978.
______, Diário II. 4ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1977.
______, Diário III. 2ª ed. revista, Coimbra: Edição do Autor, 1954.
______, Diário IV. 3ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1973.
______, Diário V. 3ª ed. revista, Coimbra: Edição do Autor, 1974.
______, Diário VI. 2ª ed. revista, Coimbra: Edição do Autor, 1960.
______, Diário VII. 2ª ed. revista, Coimbra: Edição do Autor, 1961.
______, Diário VIII. 3ª ed. revista, Coimbra: Edição do Autor, 1976.
______, Diário IX. 1ª ed. revista, Coimbra: Edição do Autor, 1966.
______, Diário X. 1ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1968.
______, Diário XI. 1ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1973.
______, Diário XII. 2ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1977.
______, Diário XIII. 1ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1983.
______, Diário XIV. 1ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1987.
______, Diário XV. 1ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1990.
______, Diário XVI. 1ª ed., Coimbra: Edição do Autor, 1993.

57

O aproveitamento turístico da via
romana XVIII (via nova) como
possível vetor de desenvolvimento
sócioeconómico dos municípios de
Terras de Bouro e Lóbios
Maria Inês Gusman Correia de Araújo Barbosa
Universidade de Santiago de Compostela

Introdução
O acelerado processo de transformação do sistema económico mundial global, coloca
em risco a sustentabilidade das funções de alguns territórios. A perda das bases económicas
das comunidades mais periféricas, leva ao aparecimento de problemas sociais, provocando
um ciclo muitas vezes difícil de travar. Este cenário requer adaptação dos recursos endógenos
dos territórios às atuais regras de mercado, preservando os elementos identitários destes
mesmos recursos - primando pela diferenciação. Neste contexto, tem-se reconhecido ao
património cultural, material e imaterial, um importante valor enquanto recurso económico,
pois sobretudo através do turismo, pode gerar atividade económica de forma direta e indireta.
Os vínculos entre o património e o turismo tem-se vindo a intensificar, tanto pelo aumento
da importância do turismo como setor económico, como pela atual importância que a
sociedade dá à manutenção das suas heranças patrimoniais. Neste contexto, o objetivo deste
estudo é refletir sobre a potencial capacidade de dinamização económica de um património
histórico, a Via Nova, cujo traçado inclui dois municípios que enfrentam sérios problemas
de sustentabilidade demográfica e económica: Terras de Bouro em Portugal e Lóbios na
Galiza (Espanha). Uma abordagem desta via, que conste do seu aproveitamento turístico
sob a forma de itinerário, poderá tornar o desenvolvimento de atividades económicas nestes
territórios mais atrativo, ao mesmo tempo que aumenta o reconhecimento deste património,
que nos foi deixado pelos povos romanos.
As similitudes entre estes dois municípios em estudo (Terras de Bouro e Lóbios) e a partilha
de uma identidade cultural e histórica, levam a que faça sentido pensar em estratégias de
cooperação transfronteiriça, tendo em vista potenciar o seu desenvolvimento conjunto.
Adicionalmente, estes dois municípios formam parte do Parque Transfronteiriço do GerêsXurês, que representa o primeiro exemplo de cooperação transfronteiriça no âmbito da
proteção ambiental. Desta forma, a Via Nova, cujo traçado atravessa grande parte do Parque
Transfronteiriço Gerês-Xurês, e onde adquire o nome de Geira, deverá ser gerida enquanto
recurso para o desenvolvimento de forma conjunta, como aponta Bandeira (2007:84) o
conceito de Geira pode bem servir, num sentido alargado, de «espinha dorsal» de
um território unido pelo desenho do seu traçado.
Tendo sido construída como eixo de ligação entre as cidades romanas de Bracara
Augusta (atual Braga) e Asturica Augusta (atual Astorga), esta via, também conhecida
como Via Romana XVIII, guarda cerca de dois milénios de história e chega aos nossos dias
num bom estado de conservação em terminados troços - sobretudo aquele que se situa nos
municípios em estudo - e com vários vestígios das suas utilizações passadas. Dado o valor
histórico e cultural da Via Nova, e a necessidade de criar alicerces para o desenvolvimento
destes dois municípios, há uma necessidade de recorrer a ferramentas de aproveitamento

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
58

deste património. A nível europeu, desenvolveu-se nos anos 80 e 90 pelo Conselho da Europa,
uma aposta pelos itinerários culturais, que deu origem ao título de Itinerário Cultural Europeu
(ICE). Nesta investigação partimos da premissa de que a Via Nova tem as características
necessárias para ser classificada como ICE, podendo beneficiar das externalidades positivas
que este título gera nos territórios que o integram.
Começaremos por introduzir a questão do papel da atividade turística como vetor de
desenvolvimento rural, posteriormente apresentaremos uma breve descrição do estado
socioeconómico de Terras de Bouro e de Lóbios, seguindo-se da caraterização da Via Nova, a
exposição dos critérios concessão do título ICE, e uma breve descrição dos efeitos obtidos na
declaração do Caminho de Santiago. Expostos estes pontos, iremos avaliar a viabilidade da
Via Nova para obter o título de ICE e discutir a possibilidade deste título atuar como vetor de
desenvolvimento dos dois municípios em estudo. Pretende-se acima de tudo, refletir soluções
criadas a partir dos recursos endógenos dos espaços com baixas densidades populacionais,
aproveitando as novas formas de relação entre o homem e a natureza - neste caso feitas a
partir do turismo. Esta via, que em tempo romanos funcionou como eixo de consolidação do
desenvolvimento

1. O turismo como motor de desenvolvimento endógeno e as rotas culturais
Os territórios rurais encontra-se circunscritos a profundos processos de reorganização
económica, funcional, social e territorial por força das dinâmicas económicas que ocorrem a
nível global. Muitos destes espaços encontram-se numa situação de marginalidade no que
respeita ao desenvolvimento das atividades económicas dominantes. A meta para garantir a
sobrevivência destes territórios está na forma como se integram os novos aproveitamentos
económicos dos espaços, que promovam o desenvolvimento da sociedade local, sem alterem
os equilíbrios ambientais e sociais ainda existentes em muitos destes locais. Perante os
problemas que surgiram nestes espaços deprimidos, favoreceu-se um a nova abordagem
que não passa pelo desenvolvimento do setor agrícola, mas sim pelo desenvolvimento rural,
segundo a qual a pluriatividade é a via que se impõe como solução para a crise agrícola, e uma
das principais opções de desenvolvimento é o turismo rural (Briedenhann e Wickens, 2004;
Pompl e Lavery, 1993). O património, sobretudo através da sua vertente cultural, é um tema
recorrente na definição dos caminhos para o desenvolvimento (Carvalho, 2003). Assiste-se
assim, a um acelerado aparecimento de iniciativas vinculadas ao aproveitamento turístico dos
recursos patrimoniais do espaço rural, tanto a nível local como nacional e europeu. Importa
assim ponderar sobre a eficácia destas estratégias para contribuir para a revitalização destes
territórios.
O aumento do acesso da população a atividades de lazer, levou a um aumento da procura
turística, e ao aparecimento de formas de turismo que até há umas décadas não existiam.
Esta alteração no turismo tradicional, permitiu o aparecimento de novos produtos e serviços
turísticos, que respondem a preferências da procura mais específicas e aos novos hábitos
de lazer dos consumidores. É neste cenário que os territórios rurais e interiores ganham um
espaço dentro da indústria do turismo, podendo responder às necessidades de novas formas
de turismo como: turismo rural, turismo de natureza, turismo cultural, turismo desportivo.
Uma forma de integrar facilmente os elementos patrimoniais e promove-los como atrativos
turísticos, é através da criação de itinerários turísticos ou circuitos temáticos (Downer, 1997).
Segundo Richards (1996), o desenvolvimento das rotas e dos itinerários turísticos recebeu
um grande impulso graças à descoberta do turismo cultural como uma área de grande
crescimento ao nível do mercado turístico Europeu. No ano de 1998, ao abrigo do programa
europeu INTERREG MEDOCC vários países da Europa Mediterrânica uniram-se para a
valorização do património através das vias de comunicação, a partir da criação de espaços
de atendimento ao público, de material promocional e da promoção de ações pedagógicas.
No contexto português, este programa foi aproveitado para a recuperação total ou parcial
de determinadas vias, nas quais se inclui a Via Nova (Pinheiro, 2007). Posteriormente, a
aposta da União Europeia pelas Rotas Culturais evoluiu para a criação dos Itinerários Culturais
Europeus, e em 1983 o Caminho de Santiago tornou-se no primeiro a obter este título.

Maria Inês Gusman Correia de Araújo Barbosa
59

2. Terras de Bouro e Lóbios - partilha de um território marcado pela fronteira
Colocamo-nos no coração do Parque Transfronteiriço do Gerês-Xurês para analisar dois
territórios marcados pela ação natural e humana desde há muitos séculos. São territórios
povoados desde o neolítico, e os povos que os habitaram deixaram as suas marcas, sendo
que muitas delas chegaram até aos nossos dias (Bautista, 2000). Facilmente se encontram
vestígios megalíticos, romanos e medievais que atestam o uso antigo deste território. Trata-se
de um espaço geográfico predominantemente de montanha, cortada por profundos vales,
com de relevos graníticos e que é administrativamente dividido pela fronteira existente na
Portela do Homem - parte da fronteira atual entre Portugal e a Galiza (Imagem 1).
Do lado português, o município de Terras de Bouro situado no Norte de Portugal,
no distrito de Braga, na província do Minho e está inserido na NUT III do Cávado. As 14
freguesias que o constituem ocupam uma área de cerca de 270 km2 , e no ano de 2013 tinha
uma População Residente de 6929 pessoas (Instituto Nacional de Estatística Português INE) . Comparando os dados da população residente do ano 2001 e do ano de 2013 (INE),
regista-se uma diminuição da população de 16,5%. Relativamente à população empregada,
segundo os censos de 2011, esta totalizava os 2235 pessoas.
Do lado espanhol, o município de Lóbios, localiza-se a sul da província de Ourense na
comarca de A Baixa Limia e pertence à Comunidade Autónoma da Galiza. A sua extensão
é de 168 km 2 alberga 10 parroquias e a população no ano de 2014 era de 2025 pessoas
sendo que apenas 578 das pessoas têm o estatuto laboral de “Ocupadas” (Instituto Galego
de Estatística). Entre o ano de 2004 e o ano de 2014 o município de Lóbios perdeu cerca de
20% da sua população, segundo dados do IGE.
Estes dois municípios, predominantemente rurais, integram na sua maioria espaços de
alta proteção ambiental, sendo que boa parte do território de Terras de Bouro está localizado
no Parque Nacional da Peneda Gerês (PNPG) e no caso de Lóbios o seu território localiza-se no
Parque Natural Baixa-Limia. Estes dois parque em conjunto formam o Parque Transfronteiriço
Gerês-Xurés (PTGX), declarado no ano de 2009 pela UNESCO Reserva da Biosfera. Nestes
municípios existem algumas atividades agrícolas e pastoreia e existe exploração florestal e
de rochas industriais e ornamentais (Gonçalves, 2004). Este território é marcado por um
equilíbrio entre a paisagem natural e a ação humana, permitindo assim a existência de um
património arqueológico, histórico e cultural muito bem enquadrado nas suas componentes
naturais.
Imagem 1 - Mapa Reserva da Biosfera Gerês-Xurês - Municípios de Terras de Bouro e Lóbios

Fonte: Reserva da Biosfera Transfronteiriça Gerês-Xurés (RBTGX) disponível em: http://www.
reservabiosferageresxures.com e elaboração própria

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
60

3. A Via Nova - eixo de comunicação histórico
A conquista romana da região da Gaellecia e a sua completa pacificação demorou
mais de um século, tendo-se iniciado com a campanha de Décimo Júnio Bruto em 137
a.C., passando pela campanha militar de Júlio César em 61a.C. e terminado com o fim das
Guerras Cantábricas, já durante o tempo do Imperador Octávio Augusto em 19 A.C.(Morais,
2007). Estes eventos são seguidos por um intenso processo de romanização deste território,
do qual faz parte a estratégia de consolidação de redes urbanas através de vias, e é neste
contexto que se constrói a Via Nova (Imagem 2). Esta via, classificada e descrita no Itinerário
de Antonino como Via XVIII, e conhecida também pelo nome de Geira ou Jeira, marcou
portanto o processo de urbanização romano deste território. Abriu-se um novo caminho
entre Asturica Augusta (atual Astorga) e Bracara Augusta (atual Braga) seguindo um traçado
diagonal que rompe com a lógica geográfica da rede viária estabelecida na época do
imperador Augusto (Câmara Municipal de Terras de Bouro, 2006). Esta construção tinha
como principal objetivo estabelecer a ligação entre os principais núcleos urbanos, isto é,
as sedes conventuais - conventus de Bracara Augusta e Asturica Augusta- a Via Nova
foi inaugurada no século I D.C. A construção desta via serviu para resolver problemas de
isolamento dos territórios interiores, e sobretudo para dinamizar a extração aurífera desta
zona (prática impulsionada pela dinastia flavia) o que exigia infraestruturas adequadas à sua
exploração e transporte (Colmenero et al., 2004). Em toda a sua extensão, esta via entre
Astorga e Braga tem CCXV milhas, o que corresponde a cerca de 318 km. Atualmente cruza
no seu traçado os municípios de Braga, Amares, Terras de Bouro, Lobios Lobeira, Bande,
Sandiás, Xunqueira da Ambía, Maceda, Montederramo, Castro Caldelas, Tribes, A Rúa, Barco
de Valderroas, Cacabelos, Ponferrada, Bembibre e Astroga.
Imagem 2 - As calçadas romanas

Fonte: Ubieto, A. (1984)

O seu estado de conservação permite afirmar por si só o enorme valor histórico,
arqueológico e cultural que tem. Nos dias de hoje ainda é possível observar os seus vestígios
monumentais tais como os miliários, as mansiones, as mutationes bem como troços da
sua calçada original. Forma parte do seu traçado, aquela que é considerada a maior mina de
ouro a céu aberto do Império Romano, e que é hoje Património da Humanidade da UNESCO,

Maria Inês Gusman Correia de Araújo Barbosa
61

Las Médulas, que se situam na província espanhola de León. Já o troço da Via Nova situado
nos municípios de Terras de Bouro e de Lóbios é considerado um dos mais notáveis em todo o
mundo romano, detendo a maior concentração de miliários historiados que se conhece. Os
miliários são volumosos cilindros em pedra dispostos ao longo das vias romanas, cuja função
seria indicar as distâncias em milhas. Em toda a Via Nova foram identificados 277 miliários,
(Rodríguez e Pereira, 2009) - sendo que o total de miliários conhecidos atualmente na
Península Ibérica é de cerca de 500.

4. Os Itinerários Culturais Europeus
As abordagens institucionais feitas ao património têm-se alterado ao longo das últimas
décadas. No ano de 1972, a UNESCO promoveu um tratado internacional denominado de
Convenção sobre a Proteção do Património Mundial, Cultural e Natural, visando promover
a identificação, a proteção e a preservação do património cultural e natural de todo o
mundo, considerado especialmente valioso para a humanidade (Unesco, 1972). Em 1985, os
países membros do Conselho da Europa assinaram a Convenção para a Salvaguarda do
Património Arquitetónico da Europa onde se reconhece que o património arquitetónico
constitui uma expressão insubstituível da riqueza e da diversidade do património
cultural da Europa, um testemunho inestimável do nosso passado e um bem comum
a todos os europeus; (Comissão Europeia, 1985 : 2). Constatamos assim um interesse na
preservação não apenas do património edificado, como também dos valores que lhes estão
associados. Fruto deste crescente interesse pela conservação e sensibilização do património
material e imaterial, surge o conceito de Itinerários Culturais. No ano de 1987 foi lançado
pelo Conselho da Europa o programa dos Itinerários Culturais Europeus. Esta iniciativa tem
como objetivo: demonstrar, por meio de uma viagem através do espaço e do tempo,
como a herança dos diferentes países e culturas da Europa contribui para uma
herança cultural partilhada. Os Itinerários Culturais põem em prática os princípios
fundamentais do Conselho da Europa: direitos humanos, democracia cultural,
diversidade e identidade cultural, de diálogo, de intercâmbio e enriquecimento
recíproco através das fronteiras e dos séculos” (Resolução CM/Res(2010)53). Atualmente
existem 29 Itinerários Culturais Europeus agrupados por grandes temas: Os Caminhos da
Peregrinação; Personagens Europeias; A influência Monástica; Património Industrial na
Europa; Património Cultural. Os temas são considerados, neste contexto, instrumentos
intelectuais (de reflexão e também de proteção do património) mas também têm a função
de conceber um produto comercializável, pois garante uma coerência através da junção de
distintos locais que partilham um património e uma história (Rochette,1994). Estes itinerários
podem partir da iniciativa de qualquer instituição ou organismo, cultural ou turístico,
preferencialmente, e é outorgado pelo Conselho da Europa a menção de ICE aos projetos
que cumpram os critérios e sigam os procedimentos estabelecidos na Resolução CM/Res
(2013)67 (Tabela 1). Uma vez concedido este título, realizam-se avaliações periódicas com o
objetivo de verificar o cumprimento dos critérios exigidos. O programa dos ICE é desenvolvido
de acordo com as principais tendências do turismo cultural na Europa, e coloca um especial
ênfase no desenvolvimento de uma gestão do património que seja sustentável e responsável
(Khovanova-Rubicondo, 2012)
Um itinerário cultural é composto por dois elementos: a estrada e a paisagem. O conceito
de “estrada” não implica uma linha geométrica com um determinada orientação, deverá ser
mais do que isso: uma combinação entre etapas ligadas por segmentos caraterizados por um
tema comum, que dá sentido ao itinerário e atrai o turista (Baldacci, 2006). É necessário então,
em primeiro lugar, definir do ponto de vista cultural porque se devem unificar determinados
pontos do território, definindo assim um tema que estará também vinculado à marca do
próprio produto turístico, e que estruturará todo o seu desenvolvimento. Segundo o relatório
do Federal Ministry of Economy, Family and Youth, 2013, os passos para construir a
candidatura ao Itinerário Cultural do Conselho da Europa devem ser os seguintes : Definição
e descrição do tema; Descrição dos campos de ação prioritários; Estabelecer uma rede
de trabalho europeia; Criar uma identidade visual comum. Segundo o mesmo relatório,
para assegurar a sustentabilidade financeira do projeto, é possível aceder-se a diferentes
fontes de financiamento como: Governamentais (locais, nacionais); Fundos Transnacionais

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
62

(programas de financiamento da União Europeia); Receitas Próprias (geradas pelas receitas
do aproveitamento turístico da via) e Recursos Próprios.
No ano de 2011, o Conselho da Europa publicou um estudo sobre o impacto dos
Itinerários Culturais (Khovanova Rubicondo et al., 2011) com o objetivo de compreender o
atual potencial dos ICE. Nas conclusões deste estudo refere-se que os ICE se tornaram numa
importante fonte de inovação, criatividade, criação de pequenos negócios e de produtos e
de serviços turísticos. Adicionalmente, refere-se neste mesmo estudo que os ICE têm gerado
receitas do turismo em destinos mais remotos.
Tabela 1 - Critérios para a Certificação de Itinerário Cultural Europeu
segundo a Resolução CM/Res(2013)67

4.1 Breve exposição de resultados do título Itinerário Cultural Europeu: O
Caminho de Santiago
Os Itinerários Culturais Europeus existentes até aos dias de hoje materializam-se em
diferentes territórios, sob distintos temas e formas de organização. Existem, como referimos,
29 itinerários, que além de possuírem distintos temas utilizam diferentes modelos de
aproveitamento, cujos objetivos e resultados diferem. De forma a conhecer os resultados
da evolução dos espaços que integram estes caminhos, após o momento de concessão do
título, recorremos a uma breve análise do Caminho de Santiago. A utilização deste caso
justifica-se pelo facto de ser o ICE mais antigo, que se tornou num produto turístico de
reconhecido valor.
A história do Caminho de Santiago remonta ao século IX, em que é descoberto e
reconhecido por parte do poder monárquico e eclesiástico a existência dos restos mortais do
apóstolo de Santiago Maior (Santos, 2006). A difusão deste reconhecimento originou nos
séculos posteriores diversos movimentos de peregrinação desde vários locais da Europa, dando
origem ao que se tornou nos nossos dias, uma rota que ultrapassa as motivações religiosas e

Maria Inês Gusman Correia de Araújo Barbosa
63

que evoca um espírito europeísta. No ano de 1987 o Caminho de Santiago vê reconhecido o
seu significado na cultura europeia com a declaração do primeiro Itinerário Cultural Europeu.
Mais tarde, em 1993 o Centro Histórico da cidade de Santiago de Compostela é considerado
pela UNESCO Património da Humanidade, título dado também ao Caminho Francês de
Santiago no ano de 1996. O ano de 1993 é marcante do ponto de vista do lançamento
turístico do produto Santiago, e os anos santos (Ano Xacobeo - ano em que o dia de
Santiago - 25 de julho - coincide com um domingo) passam a atuar como catalisadores
da atração de visitantes. Refere Santos (2006) que: O Caminho de Santiago converteuse num produto estrela. Melhoraram-se notavelmente as distintas rotas, abriram-se
albergues, inauguraram-se casas de turismo rural perto das vias mais transitadas,
contraíram-se hotéis e, sobretudo, gerou-se uma forte campanha de promoção.
Santiago de Compostela torna-se assim um destino turístico consolidado, com uma marca
não apenas religiosa como também cultural. Tal como podemos observar no Gráfico 1 houve
uma clara evolução positiva do Número de Peregrinos a chegar a Santiago de Compostela.
Segundo os dados da Oficina de Acogida al Peregrino, enquanto que no ano de 1980 se
registou a chegada de 209 peregrinos à cidade, passados 10 anos, em 1990, este número já
era de 4918, e mais recentemente, no ano de 2013 o número de peregrinos foi de 215.880.
Verifica-se assim um forte desenvolvimento do produto turístico Caminho de Santiago no
final dos anos 80 e princípios dos anos 90. No Gráfico 1 podemos também constatar o efeito
dos Anos Santos em termos de afluência de peregrinos - correspondem aos picos verificados
nos anos de 1993, 1999, 2004 e 2010.
Pérez (2003) viu na ativação patrimonial do Caminho de Santiago mais um exemplo
de como os recursos culturais do passado podem ser usados para reconstituir identidades
do presente. Contudo, para avaliar impactos concretos que tem tido, ao longo das últimas
décadas, a dinamização turística e consequente utilização por parte dos peregrinos do
Caminho de Santiago, é necessário conhecer os efeitos económicos que teve nos territórios
que percorre. A partir de uma análise demográfica Santos (2006:143) chegou à conclusão
que o impacto direto do Caminho de Santiago foi menor do que o que seria de
esperar (...) apareceram pequenos negócios, como bares, restaurantes e hospedagens,
que se alimentam do gasto turístico e que geram uma nova dinâmica económica.
Mas esta circunstância não é suficientemente significativa para transformas as
tendências gerais dos municípios afetados. Já Precedo et al. (2007) refere que o efeito
do caminho se projetou nos municípios rurais por onde passa, gerando novas perspetivas de
desenvolvimento, atuando como incentivador de iniciativas locais, e atribuindo um valor e
uma identidade cultura a determinados locais.
É no entanto indiscutível que a projeção turística do Caminho de Santiago aumentou
os fluxos de pessoas a passaram em determinados territórios, o que é uma excelente
oportunidade para criar alicerces de desenvolvimento de determinados negócios locais.
Obviamente que a forma como se está a dinamizar o tecido de negócios à volta do Caminho
de Santiago determina o grau de impacto que este está a gerar no território.
Gráfico 1 - Número de peregrinos a chegar à cidade de Santiago de Compostela

Fonte: Elaboração própria a partir dos dados da Oficina de Acojida al Peregrino

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
64

5. Caminhando pela Via Nova nos municípios de Terras de Bouro e de Lóbios
Através da realização de uma observação no terreno, que teve como principal objetivo
conhecer o estado da Via Nova nos municípios de Terras de Bouro e de Lóbios, foi possível
conhecer condições para a realização do percurso pedonal, o património existente, a sinalética
e o material informativo sobre a via. As dificuldades surgem no momento de definir o trajeto:
a informação existente nas sítios web das entidades competentes não é (atualmente)
suficiente para definir previamente o caminho (www.cm-terrasdebouro.pt;www.lobios.
org, www.icnf.pt, www. reservabiosferageresxures.com). Após a recolha de informação
em vários sítios web não oficiais, foi possível definir o percurso: 22 km entre Campo do Gerês
(Terras de Bouro) e Baños de Riocaldo (Lóbios). A inexistência de uma opção de mobilidade
de transporte coletivo entre estes dois municípios, que permita a deslocação desde o ponto
inicial ao ponto final, é também um entrave à realização deste percurso pedonal.
Iniciando o percurso partindo de Campo do Gerês é possível encontrar no terreno
indicações do trajeto (Imagem 3). Apesar da primeira parte do caminho estar submersa pela
barragem de vilarinho das furnas, a estrada em terra batida, também utilizada por trânsito
motorizado, que contorna a albufeira da barragem, segue na mesma direção, e possui
diversos marcos miliários dispostos ao longo da sua extensão. Assim que surge novamente
a original Geira Romana, a sinalética volta a encaminhar para o seu traçado. Durante o
percurso são várias as marcas visíveis da herança romana deste território (o número de marcos
miliários, devidamente identificados, é abundante e há partes onde a calçada romana ainda
é perfeitamente visível - Imagens 4 e 5).
Ao património romano existente no caminho, junta-se uma paisagem de uma enorme
riqueza natural, atravessando inclusivamente a Mata da Albergaria (Reserva Biogenética
do Continente Europeu), e outros locais onde a construção e a presença humana é pouco
notada (Imagem 6). Atravessando a fronteira pela Portela do Homem, seguindo aquele que
seria o original trajeto da Via Nova, é possível encontrar do lado galego indicações sobre
a continuação do trajeto. Contudo, o tipo de sinalização é diferente, e alguns dos painéis
informativos estão incompletos. Em alguns pontos do lado galego é possível identificar
calçada romana, e cerca de 3 km de chegar a Baños Riocaldo foi reconstruída a calçada
na tentativa de recriar um cenário romano - Imagem 8. Já ao chegar a Baños de Riocaldo,
é possível ver-se a partir do caminho um conjunto de ruínas postas a descoberto, Aquis
Originis (Imagem 7).
Imagem 3 - Sinalização da Geira
Romana - Terras de Bouro

Imagens 4 e 5 - Marcos Miliários e Calçada
Romana - Terras de Bouro

Fonte: http://umpardebotas.blogs.sapo.pt/895722.html

Fonte: Autoria própria

Imagem 6 - Paisagem Via Nova - Terras de Bouro

Imagem 7 e 8 - Conjunto de ruínas Aquis
Originis e Calçada romana - Lóbios

Fonte: Autoria Própria

Fonte: Autoria Própria

Maria Inês Gusman Correia de Araújo Barbosa
65

6. Via Nova como potencial Itinerário Cultural Europeu
Os itinerários culturais representam, nos dias de hoje, formas inovadoras de aproveitar
os recursos do território (Trono, 2014). Tendo como foco de análise a Via Nova, e após
a apresentação das suas caraterísticas e dos principais requisitos para a declaração a ICE
(Tabela 1), podemos constatar que no que às caraterísticas inerentes ao itinerário se refere,
esta via possui as condições para avançar com uma candidatura a este título. Particularmente,
esta é uma via com património que guarda vestígios de uma parte importante da história da
Península Ibérica, e do continente Europeu - o Império Romano.
O património associado à época romana é hoje em dia utilizado por diversas cidades,
como produto de atração turística (as cidades espanholas de Mérida, Cartagena, Tarragona;
ou as cidades francesas de Arles, Lyon e as inumeráveis cidades italianas). Está portanto
associado à Via Nova uma marca turística que tem tido êxito em várias cidades europeias,
já que o património que nos resta da civilização romana desperta o nosso interesse pelo
passado comum e longínquo. Adicionalmente, também as cidades que estão nos extremos
da Via Nova - Braga e Astorga - utilizam seu passado romano e ao património que ainda se
conserva nas suas cidades, como produtos turísticos. Tal como podemos observar no mapa
presente na Imagem 10, o traçado desta via incorpora uma grande quantidade de elementos
romanos. Este percurso tem também, como já referimos, recursos naturais de reconhecido
valor, o Parque Transfronteiriço Gerês-Xurês - Reserva da Biosfera.
As caraterísticas da Via Nova - o seu legado patrimonial histórico e natural, aliadas às
tendências do setor do turismo - onde as novas necessidades da procura tornam os itinerários
turísticos importantes produtos - leva a que esta via seja um importante recurso. Contudo, é
necessário que se criem condições para que esta se torne num produto turístico - às valiosas
caraterísticas que possui esta via, é necessário desenvolver uma rede de trabalho, e aglomerar
a informação académica que justifique a riqueza da mesma, além do desenvolvimento de
serviços de apoio à realização do trajeto por parte de visitantes. Faltará também homogeneizar
o aproveitamento deste património entre os dois municípios de Terras de Bouro e Lóbios, e
coordenar formas de aproveitamento da mesma.
Dada informação até aqui apresentada, defende-se o desenvolvimento de um projeto
de impulso turístico da Via Nova não poderá estar assente numa visão local da questão,
tendo que ser uma iniciativa encabeçada pelas cidades de Braga e Astorga. Apesar dos troços
mais conservados estarem nos municípios de Terras de Bouro e Lóbios, há diversos estudos
feitos sobre o trajeto original desta Via e ao longo do seu percurso existem numerosas ruínas
de interesse histórico e arqueológico: 11 mansiones (estruturas de apoio aos viajantes); 5
pontes romanas; 276 miliários distribuídos ao longo da via. Relativamente ao estado integral
da Via, existem entre Braga e Astorga, diversos fatores que dificultam transformação integral
da via numa rota cultural, devido às condições de acesso existentes, provocadas pelas formas
de ocupação que o espaço foi tendo. No entanto é importante levar a cabo ações que
permitam a criação de uma rota, semelhantes às que se fizeram nos Caminhos de Santiago,
ou em outros tantos casos. Apesar de não ser possível recuperar o trajeto de toda a via, é
possível uma aproximação ao mesmo, onde o visitante possa compreender a história e o
valor deste património à medida que a percorre. É assim necessário identificar quais as zonas
que necessitam de uma atuação - num estudo feito pelo Centro de Ciencias Humanas
y Solicales del Consejo Superior de Investigaciones, foram identificadas 15 zonas de
atuação ao longo da Via.
Prevê-se que, tal como em outros casos aqui descritos, o alcance desta declaração tenha
impactos ao nível da dinamização do tecido económico dos dois territórios fronteiriços e
interiores, - Terras de Bouro e Lóbios - caraterizados por graves problemas económicos, sociais
e demográficos, sejam positivos e que a Via Nova atue como um vetor de desenvolvimento.
Adicionalmente, o reconhecimento deste título pressupõe a canalização de diferentes formas
de financiamento - tanto comunitário como nacional e também pelo aproveitamento turístico
que gera. Para tal é necessário um trabalho conjunto e em rede - levado a cabo pelas
autarquias envolvidas e por outros atores oficiais locais - que se materialize na uniformização
de objetivos e da realização de iniciativas conjuntas.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
66

Imagem 9 - Traçado completo da Via Nova

Fonte: Elaboração Própria a partir de dados retirados de www.fundicionaqvinova.com

Imagem 10 - O património da Via Nova nos Municípios de Terras de Bouro e Lóbios

Fonte: Elaboração própria a partir de dados retirados de www.viasromanas.blog.pt

Maria Inês Gusman Correia de Araújo Barbosa
67

Principais conclusões
Os desafios que se colocam atualmente aos territórios interiores, relacionados com
as suas dimensões económica e social, levam ao aparecimento de novas estratégias de
desenvolvimento, que garantam a sobrevivência destes espaços no contexto da globalização.
A aposta no setor turístico tem sido um elemento comum às estratégias de desenvolvimento
de muitos espaços, dada a sua capacidade de gerar, direta ou indiretamente, dinâmicas
económicas que passam pelo aparecimento de novos negócios e a sobrevivência dos
existentes, devido ao aumento da procura de determinados serviços. O turismo pode também
contribuir para o aumento da consciencialização do valor do património, que em muitos
dos espaços que sofrem de problemas de despovoamento, está subaproveitado e por vezes
degradado. Foram vários os patrimónios locais transformados em produtos turísticos atrativos
- em Portugal temos o exemplo da Rota do Românico do Tâmega e do Sousa ou da marca
Aldeias de Xisto. Devido ao enorme potencial turístico do património histórico vinculado à
presença do império romano na Europa, aliado ao aumento do interesse das novas dinâmicas
turísticas por Itinerários Culturais, a Via Nova torna-se num possível eixo de desenvolvimento
dos municípios espanhol de Lóbios e do município português Terras de Bouro.
A transformação da Via Nova num recurso turístico poderá ser feita através de
vários processos, contudo, a nível europeu existe uma enorme aposta na realização de
rotas culturais, que enalteçam e tornem acessíveis as marcas do passado comum europeu.
O título de Itinerário Cultural Europeu tornou-se ao longo dos últimos anos um expoente
desta aposta, e analisando os seus requisitos, a Via Nova tem um elevado potencial para
alcançar este título - é um património ilustrativo da memória europeia, alvo de inúmeras
pesquisas académicas, tem um elevado potencial turístico adequando-se também às ações
do Conselho da Europa no que diz respeito à juventude. É crucial considerar este projeto a
uma escala que ultrapasse a local: o Itinerário Cultural Europeu deverá integrar os mais de
300 km que esta via tem entre Braga e Astorga. A recreação desta via, fiel à sua origem,
em toda a sua extensão é atualmente impossível dada a evolução posterior do território.
No entanto, recorrendo a estratégias de acessibilidade, marcação, integração do produto e
criação de pontos simbólicos durante o caminho - tal como se fez no caso dos Caminhos de
Santiago - é possível tornar este itinerário num produto turístico atrativo. Porém, dado o nível
de conservação da Via Nova nos municípios em estudo, um aproveitamento homogéneo da
mesma tornaria estes territórios pontos fortes de atração.
Obviamente que, a concessão deste título está dependente de uma série de fatores
que são externos à própria Via Nova, que estão dependentes das redes de trabalho criadas
pelas instituições - públicas, privadas e associativas - e do trabalho por elas desenvolvido.
Contudo, trata-se de recuperar e tornar acessível um extenso percurso que conserva uma
memória histórica europeia, e que adicionalmente pode servir de base a um processo impulso
a economias locais debilitadas, dada a reconhecida capacidade dos ICE têm na atração de
visitantes e dinamização de negócios locais. Este terá que ser um processo onde a população
dos dois municípios esteja envolvida, de forma a garantir um reconhecimento da identidade
deste património por parte dos residentes - evitando sentimentos de alienação em relação
a este projeto. Terá também que ser um aproveitamento turístico baseado num modelo
de fluxos turísticos controlados e conscientes, para que não se coloque em causa o valor
ambiental e arqueológico da área envolvida. Esta solução é compatível com a necessidade
dos espaços interiores e transfronteiriços diversificarem a sua base económica, conferindo
assim uma oportunidade de posicionamento e de impulso económico aos dois municípios
em análise. Trata-se assim do aproveitamento de um recurso existente, de forma a que não
se percam os valores sociais identitários destes territórios, que além de guardarem parte da
nossa história guardam parte da nossa cultura - devem por isso manter-se vivos.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
68

Bibliografía
Bautista, J. L. (2000). El Xurés y sus misterios. Terras de Bouro: Calidum,. Retrieved from http://books.google.es/
books/about/El_Xur%C3%A9s_y_sus_misterios.html?id=hKWWMwEACAAJ&pgis=1
Briedenhann, J., & Wickens, E. (2004). Tourism routes as a tool for the economic development of rural areas-vibrant
hope or impossible dream? Tourism Management, 25(1), 71–79. doi:10.1016/S0261-5177(03)00063-3
Câmara Municipal de Terras de Bouro. (2006). Roteiro - Geira/Via Nova na Serra do Gerês/Xurés (De Bracara Augusta
a Asturica Augusta. (A. Botelho, F. Sande, L. Dominguez, I. P. Sañudo, J. Conde, M. X. Rodriguez, … R. S. Valero,
Eds.). Câmara Municipal de Terras de Bouro. Retrieved from http://asnotasparaomeudiario.blogspot.com.es/p/
bibliografia-consultada.html
Carvalho, P. (2003). Património e território: dos lugares às redes. In Actas do V Colóquio Hispano-Português de
Estudos Rurais (p. 14). Retrieved from http://www.sper.pt/VCHER/Pdfs/Paulo_Carvalho.pdf
Comissão Europeia. (1985). Convenção para a Salvaguarda do Património Arquitectónico da Europa. Granada.
Competitiveness and Innovation Framework Programme. (2011). Impact of European Cultural Routes on SMEs’
innovation and competitiveness Analysing the impact of the European Cultural Routes. Strasbourg.
Council of Europe (2010). Resolution CM/Res(2010)53 establishing an Enlarged Partial Agreement on Cultural
Routes. https://wcd.coe.int/ViewDoc.jsp?id=1719265&Site= CM&BackColorInternet=C3C3C3&BackColorIntranet
=EDB02 1&BackColorLogged=F5D383
Federal Ministry of Economy, Family and Youth, D. for T. and H. O. (2013). European Cultural Routes - A Practical
Guide. Vienna.
Gonçalves, M. I. T. (2004). Dinâmicas territoriais em espaços transfronteiriços : Terras de Bouro (Portugal) e Lóbios
(Espanha). Universidade do Minho.
Khovanova-Rubicondo, K. M. (2012). Cultural Routes as a Source for New Kind of Tourism Development: Evidence
from the Council of Europe’s Programme. International Journal of Heritage in the Digital Era, 1(0), 83–88.
doi:10.1260/2047-4970.1.0.83
Morais, R. (2007). A Via Atlântica e o contributo de Gádir nas campanhar romanas na fachada noroeste da península.
Humanitas, 59, 99 – 132.
Pinheiro, A. E. (2007). Itinerários Culturais: Viajando pela Historia. Mathesis, 16, 217 – 228.
Pistorello, A. D. (2013). Ordenação do território e patrimônio: a questão dos itinerários culturais. Seminario
Internacional de Investigación En Urbanismo.
Pompl, W., & Lavery, P. (1993). Tourism in Europe: structures and developments. CAB INTERNATIONAL. Retrieved
from http://www.cabdirect.org/abstracts/19941801688.html
Precedo, A., Revilla, A., & Míguez, A. (2007). El turismo cultural como factor estratégico de desarrollo: el camino de
Santiago. ESTUDIOS GEOGRÁFICOS, LXVIII, 205–234.
Richards, G. (1996). Cultural Tourism in Europe. Wallingford.: CAB International. Retrieved from https://books.
google.com/books?hl=pt-PT&lr=&id=mO3StAWK5hMC&pgis=1
Rodríguez Colmenero, Antonio Ferrer Sierra, S., & D. Álvarez Asorey, R. (2004). Miliarios e outras inscricións viarias
romanas do noroeste hispánico. (A. Rodríguez Colmenero, Ed.) Consello da Cultura Galega (Colección .). Lugo.
Rodríguez, J. B. R., & Pereira, H. M. (2009). Propuesta para la creación de la Reserva de la Biosfera Transfronteiriza
Gerês/Xurês.
Santos, X. M. (2006). EL CAMINO DE SANTIAGO: TURISTAS Y PEREGRINOS HACIA COMPOSTELA. Cuadernos de
Turismo, 18, 135 – 150.
Trono, A. (2014). Cultural and Religious Routes: A New opportunity for regional development. In R. Lois, X. M.
Santos, & P. Taboada (Eds.), New Tourism in the 21st Century: Culture, the City, Nature and Spirituality Edited (pp.
1–32). Cambridge Scholars Publishing.
Ubieto, A. (1984) Génesis y desarrollo de España, II. Diapositivas, Instituto de Ciencias de la Educación,
Zaragoza, (Colección Materiales para la clase, nº 3, vol. 2)
Unesco. (1972). Convenção para a proteção do Patrimônio mundial, cultural e natural. Conferência Geral Da
Organização Das Nações Unidas Para a Educação, Ciência E Cultura, 16. Retrieved from http://whc.unesco.org/
archive/convention-pt.pdf
Sítios web consultados
- Câmara Municipal de Terras de Bouro (consultado em 27/12/2014 e 04/03/2015)
www.cm-terrasdebouro.pt
- Concello de Lóbios (consultado em 27/12/2014 e 04/03/2015)
www.lobios.org
- Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (consultado em 27/12/2014 e 04/03/2015)
www.icnf.pt
- Instituto Galego de Estatística
www.ige.eu
- Instituto Nacional de Estatística Português (consultado em 27/12/2014 e 04/03/2015)
www.ine.pt
- Oficina de Acogida al Peregrino (consultado em 28/04/2015)
www.peregrinossantiago.es/esp/
- Reserva da Biosfera Gerês-Xures (consultado em 20/12/2014, 10/01/2015 e 23/04/2015)
http://www.reservabiosferageresxures.com
- Fundación Aqvia Nova (consultado a 30/04/2015)
www.fundacionaqvianova.com
- Blog Vias Romanas (consultado a 30/04/2015)
www.viasromanas.blog.pt

69

Tradições de boas-vindas aos
emigrantes portugueses
Patrícia João Gomes Esteves

Doutoranda em Geografia Humana na Faculdade de Letras | Universidade de Coimbra

1. Introdução
O presente estudo apresenta uma reflexão sobre o Património Imaterial ligado às
tradições de acolhimento dos emigrantes (festas, feiras e missas) durante as férias estivais
nas localidades de baixa densidade populacional. Procura-se, ainda, perceber a distribuição
destas festas em Portugal Continental.
Como estudo de caso são apresentadas as festas dos emigrantes de três localidades,
Mêda, Nisa e Mangualde, dando a conhecer a origem dos emigrantes de cada uma destas
localidades, assim como as tradições ligadas às festas destes emigrantes, com base nas
entrevistas realizadas às entidades organizadoras (Câmaras, Juntas de Freguesia, Paróquias
e Associações).
Pretende-se também, levantar a questão sobre qual será o futuro destas festas a longo
prazo, com a alteração do perfil de emigrante português, uma vez que possuiu maior
escolaridade, maior mobilidade e novas territorialidades. Este estudo constitui um contributo
inovador no sentido em que ainda não existem artigos sobre a temática das Festas dos
Emigrantes.
2. Os Movimentos Migratórios e o Património Imaterial
Os movimentos migratórios resultam da relação entre estruturas micro (oportunidades
laborais, culturas migratórias, redes sociais) e as estruturas macro (economia mundial, políticas
migratórias ou relações entre Estados) (Fonseca, 2005; Castells, Miller, 1998, cit. por Velez
de Castro, 2012). A questão económica apresenta-se como um fator de motivação para os
movimentos migratórios e o mercado de trabalho é encarado como um estímulo de saída/
entrada nos destinos (Velez de Castro, 2012).
Portugal, um país marcado por uma forte emigração na década de 60, tem assistido à
criação de património imaterial ligado à receção destes migrantes aquando do seu retorno
cíclico. As festas populares, a música regional e as artes tradicionais, como o artesanato,
constituem elementos deste património imaterial.
Entende-se como Património Imaterial as “práticas, representações, expressões, conhecimentos e competências (…) que as comunidades, grupos e, eventualmente, indivíduos
reconhecem como fazendo parte do seu património cultural” (UNESCO, 2003).
O património cultural imaterial manifesta-se através de tradições e expressões orais; de
artes do espetáculo; de práticas sociais, rituais e atos festivos; de conhecimentos e usos
relacionados com a natureza e o universo e de técnicas artesanais tradicionais (UNESCO,
2003).
Este Património deve ser salvaguardado através da “identificação, documentação,
investigação, preservação, proteção, promoção, valorização, (...) e revitalização dos diversos
aspetos deste património” (UNESCO, 2003).
3. As Festas dos Emigrantes em Portugal
O mês de agosto representa o reencontro dos emigrantes portugueses. Como todos os
anos, regressam à terra natal. Um pouco por todo o país, ocorrem as “Festas dos Emigrantes”,
festas com cariz popular e que apresentam, nos seus cartazes, música, jogos tradicionais,
missas, oferta gastronómica regional e venda de produtos tradicionais.
Com o retorno dos emigrantes que tinham partido nos anos 60/70 (para a França,
Alemanha e outros destinos) algumas das festas assistiram à redução do seu número de

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
70

participantes, embora a tradição continue todos os anos. Em 2014, a Festa do Emigrante de
Monte Francisco, em Castro Marim, celebrou a vigésima edição e a Festa do Emigrante da
Ilha das Flores, nos Açores, comemorou a 29ª edição.
Estas festas são apoiadas na maior parte das vezes pelas Câmaras Municipais e organizadas
por Clubes Recreativos, Paróquias, Comissões de Festa, Bombeiros Voluntários, entre outros.
Em 2014, a 29ª edição da Festa do Emigrante da Ilha das Flores ficou a cargo da Associação
Cultural Lajense e contou com o apoio da Câmara Municipal das Lajes das Flores, do Governo
Regional dos Açores, da Secretaria Regional do Turismo e Transportes e da transportadora
aérea SATA (Município das Lajes das Flores, 2014).
Os programas das Festas dos Emigrantes vão se adaptando aos públicos e ao passar
dos anos. Em 2001, na 7ª edição da Festa do Emigrante de Monte Francisco, que decorreu
nos dias 3,4 e 5 de agosto, realizou-se uma exposição fotográfica intitulada de “Gentes
e Lugares de Monte Francisco”, um espetáculo de fogo-de-artifício, uma marcha e uma
concentração motard, para além dos concertos musicais, A nível gastronómico, ocorreu a
degustação de gastronomia local e uma “sardinhada” acompanha por vinho de pipa. Em
2014, na 20ª edição, que decorreu de 1 a 3 de agosto, apresentaram-se, no seu programa,
as seguintes atividades: concertos musicais, um “mercadinho” de produtos tradicionais, um
jogo de futebol e um piquenique.
As festas do emigrante pretendem ser uma comemoração que assinala o regresso.
Comemorar é preservar algo que ficou na memória coletiva, como ocorre nas manifestações
populares com cunho religioso ou não (Paiva Moura, 2001).
As festas populares podem distinguir-se de acordo com quatro dimensões: a simbólica,
a sociopolítica, a económica e a estética (Alcade e Gonzalez, 1989). De acordo com estes
autores a dimensão simbólica é a mais importante, uma vez que reproduz a identidade de
um grupo social.
Paiva Moura (2001) divide as festas populares em:
s Religiosas (missas, procissões, orações)
s Festas Profanas (danças, comidas, barraquinhas)
s Profano-religiosas (inclui traços de ambas).
De acordo com os programas de Festas dos Emigrantes pode-se afirmar que algumas,
como a de Monte Francisco, apresentam um carácter profano e outras, como a de Nisa,
apresentam um carácter religioso.
Uma importante tradição de cariz popular, a Capeia Arraiana, específica de algumas
povoações do concelho do Sabugal próximas da fronteira com Espanha, junta milhares de
pessoas em agosto, com o regresso à terra natal dos emigrantes. A Capeia constitui a primeira
manifestação cultural imaterial registada no Inventário Nacional do Património Cultural
Imaterial, tendo sido publicada no Diário da República (2.ª série, N.º 220, de 16/11/2011)
Anúncio n.º 16895.
De forma a perceber-se a distribuição das Festas dos Emigrantes em Portugal Continental
realizou-se o seguinte mapa com as festas por município (fig.1).

Fig.1 – Mapa das Festas dos Emigrantes

Fig.2 – Mêda, Mangualde e Nisa.

por município - Portugal Continental.

Fonte: Elaboração própria.

Fonte: Elaboração própria.

Patrícia João Gomes Esteves
71

Através da visualização deste mapa é possível observar-se que estas festas ocorrem
principalmente em zonas marcadas pela emigração dos anos 60, nas regiões localizadas a
norte do rio Tejo, com especial incidência nos municípios do norte do país e no interior. O
Alentejo sobressai pelo facto de possuir o menor número de festas comparativamente com
as outras regiões.
4. Estudo de Caso: As Festas do Emigrante de Longroiva (Mêda),
de Nisa e de Mangualde
Como estudo de caso foram escolhidas três Festas dos Emigrantes, a de Longroiva (Mêda),
a de Mangualde e a de Nisa (fig. 2), três municípios de baixa densidade populacional. De
forma a caracterizarem-se estas festas entrevistaram-se os responsáveis pela sua organização.
Mêda é uma cidade portuguesa, do distrito da Guarda, região Centro e sub-região da Beira
Interior Norte, com cerca de 2100 habitantes. É sede de um município com 286,05 km² de
área e 5202 habitantes (INE, 2011). Longroiva é uma freguesia portuguesa do concelho de
Mêda, com 41,22 km² de área e 286 habitantes (INE, 2011). Nisa é uma vila portuguesa
no distrito de Portalegre, região Alentejo e sub-região do Alto Alentejo, com cerca de 3300
habitantes. É sede de um município com 575,68 km² de área, com 7450 habitantes (INE,
2011). Mangualde é uma cidade portuguesa do distrito de Viseu, região Centro e sub-região
do Dão-Lafões, com cerca de 7300 habitantes. É sede de um município com 219,26 km² de
área e 19880 habitantes (INE, 2011).
4.1. A Festa do Emigrante de Longroiva – Mêda
A Festa do Emigrante de Longroiva, em Mêda, é patrocinada pela Câmara de Mêda e
é organizada por Comissões de Festa que são nomeadas de ano para ano. Realiza-se desde
2009 e decorre no primeiro ou segundo sábado de agosto, variando em função das festas
nas aldeias limítrofes.
Em 2014, esta festa popular decorreu no dia 2 de agosto e iniciou-se às 14:30 com Jogos
Tradicionais e “rifas”, às 20 horas decorreu a missa e a procissão, às 21 horas um jantar de
porco no espeto e, por fim, às 22 horas, um baile com uma atuação ao vivo.
A Festa do Emigrante de Longroiva celebra o regresso dos seus emigrantes que partiram
para a França e a Suíça. De acordo com os organizadores participam nesta festa cerca de
600 pessoas, contando com a participação de residentes dos municípios vizinhos, como, por
exemplo, Foz Côa, Trancoso e Pinhel. Os cartazes (fig.3) são normalmente elaborados pelas
Comissões de Festa que contratam o serviço de gráficas locais.

Fig. 3 – Cartaz da Festa do Emigrante

Fig. 4 – Cartaz do Dia do Emigrante de 2014 - Nisa

2015 de Longroiva

Fonte: Jornal de Nisa

Fonte: Junta de Freguesia de Longroiva

No dia 18 de agosto de 2014 foi inaugurado, em Mêda, um monumento em homenagem
ao “Emigrante” no Jardim do Arquivo Municipal. Foi também dedicado ao emigrante um dia
nas Festas do N. Sr. Bom Jesus desse ano. Este município, que possui cerca de 5202 habitantes

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
72

(INE, 2011), chega a contabilizar, durante o Verão, mais de 20 mil pessoas, demonstrando a
importância dos emigrantes para esta região.
4.2. O Dia do Emigrante de Nisa
No mês de agosto, Nisa recebe os seus emigrantes, que regressam para rever amigos,
família e para desfrutar dos produtos tradicionais da região (vinho, enchidos, queijo). Para
além da gastronomia, a fé à Nossa Senhora da Graça, padroeira de Nisa, une também estes
emigrantes. O dia 13 de agosto é comemorado em Nisa, à semelhança de Fátima, como o
dia do emigrante no qual ocorre uma romaria.
Em 2014, o Comité de Geminação Nisa-Azay-le-Rideau com a colaboração da Paróquia
de Nisa e o apoio da Câmara Municipal de Nisa e da União de Freguesias de Espírito Santo,
Nossa Senhora da Graça e S. Simão recriou, neste dia, a Romaria de Nossa Senhora da Graça,
que se celebra na Páscoa, de forma a proporcionar este evento também aos seus emigrantes,
com a celebração de uma missa e de uma procissão com a imagem de Nª Sr.ª da Graça. A
paróquia de Nisa solicitou aos residentes que colocassem colchas nas suas janelas nas ruas
por onde passou a procissão. Após a procissão, ocorreu um convívio e lanche partilhado. De
acordo com o padre Constantino “celebrar o dia do emigrante é celebrar a nossa própria
vida, pois todos somos emigrantes nesta Terra, somos peregrinos que caminham em direção
ao Céu”.
O Dia do Emigrante de Nisa realiza-se há cinco anos, sendo organizado pela Paróquia
de Nisa, de forma a homenagear os emigrantes que partiram principalmente para a França
e para a Alemanha. Os cartazes para esta festa religiosa são elaborados por pessoas do
Seminário (fig.4). Segundo um dos organizadores, participam nesta celebração cerca de 500
pessoas.
4.3. A Festa do Emigrante de Mangualde
Promovida pela Câmara Municipal de Mangualde, a Festa do Emigrante de Mangualde
apresenta-se como uma festa popular com entrada livre e cujo principal público-alvo são os
emigrantes e os mangualdenses. Esta festa ocorre no primeiro domingo de agosto, tendo em
2014 ocorrido no dia 3 de agosto. Em 2015 será a quarta edição deste evento.
Em 2014, esta festa iniciou-se às 18 horas com a receção dos emigrantes e às 21 horas
iniciaram-se os concertos e a atuação do Grupo Folclórico Cranston Portuguese Club, um
rancho composto por cerca de 50 elementos oriundos dos Estados Unidos da América (fig.5).
Em 2015, este evento contará com um momento de karaoke e com um Mercado de Rua,
de forma a que os residentes possam vender os seus produtos locais tanto de gastronomia
como de artesanato.

Fig.5 - Festa do Emigrante 2014 – Mangualde

Fonte: Câmara de Mangualde

A Festa do Emigrante de Mangualde pretende celebrar o regresso dos seus emigrantes
que partiram principalmente para os Estados Unidos da América, França e Alemanha. De
acordo com os organizadores, participam nesta festa cerca de 200 pessoas, contando com a
participação de residentes dos municípios vizinhos, como, por exemplo, Penalva do Castelo,
Fornos de Algodres e Gouveia. Os cartazes deste evento são elaborados pelo Gabinete de
Comunicação da Câmara de Mangualde.

Patrícia João Gomes Esteves
73

5. Conclusão
Importa, por fim, realizar-se uma breve reflexão sobre o futuro destas festas. O principal
público destas são os emigrantes dos anos 60 com baixa escolaridade e que vinham a
Portugal de férias em agosto. No entanto, o perfil dos emigrantes portugueses tem vindo a
sofrer alterações com o passar das últimas décadas.
Na primeira década do século XXI, cresceu a percentagem de diplomados do ensino
superior da população portuguesa emigrada nos países da OCDE (PIRES, 2014). O crescimento
das qualificações superiores dos portugueses emigrados está relacionado com o aumento da
escolarização da população portuguesa nestas últimas décadas. Em termos de qualificações
escolares entre os portugueses residentes em países da OCDE, o grupo que mais cresceu
desde 2001 e 2011 foi o dos que possuem o ensino superior, que quase duplicou (mais de
88%). O grupo de portugueses emigrados com nível secundário aumentou 37% e o com o
ensino básico 6% (PIRES, 2014).
Os organizadores das três festas foram questionados sobre a hipótese da continuidade
destas a longo prazo. Segundo os organizadores das Festas de Mêda e de Nisa, a resposta foi
positiva. A organizadora de Mangualde respondeu negativamente, apresentando dois fatores
que levarão à não continuidade destas festas: o facto das férias destes novos emigrantes
já não serem exclusivamente em agosto e o facto de estes não se sentirem na obrigação
de passar férias na terra natal, podendo optar por regiões com praia, até mesmo fora de
Portugal. Graças aos voos low cost, em poucas horas se deslocam a Portugal quando querem
visitar a família.
Por enquanto, estas festas multiplicam-se pelo nosso país como uma forma de
homenagear as suas comunidades emigrantes, de proporcionar oportunidades de negócio e
de dinamizar os territórios.

6. Referências Bibliográficas
ALCALDE, A. C.,OLMOS, F., GONZALEZ, A. (1989) - Reprodución de identidades en la romeria del Valle de Zalabi en
Santalo, A.C., Bruxo, M.G. Becerra, S.R. (orgs.). La Religiosidad popular, vol. III Barcelona: Editorial Anthropos.
ARROTEIA, Jorge (2010) - “Portugal e a emigração”, Cadernos da Revista de História Económica e Social (1 e 2).
BOTO, Daniel Filipe da Costa (2009) - Aquele querido mês de Agosto. Análise do filme de Miguel Gomes, Coimbra,
Dissertação de Mestrado em Estudos Artísticos, Universidade de Coimbra, 167 pp.
CASTRO, Alexandra (1998) - “As construções dos emigrantes e a legitimidade de uma estética singular”, Sociedade
e Território (25/26), pp. 80-88.
CM LAJES DAS FLORES (2014) - Artistas confirmados para a festa do emigrante. Município das Lajes das Flores.
[Consultado a 20 de maio de 2015]. Disponível em: <http://www.cmlajesdasflores.pt/noticias/ver.php?id=431>.
DIOGO, Helder (2012) - “Territórios e paisagens culturais na emigração lusa”, Revista de Geografia e Ordenamento
do Território (1), pp. 41-58.
FERNANDES, João Luis de Jesus – A desterritorialização como factor de insegurança e crise social no mundo
contemporâneo, Ponte de Lima, I Jornadas Internacionais de Estudos sobre Questões Sociais, 2007, 1-23.
GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS (2014) - Relatório da Emigração 2013.
Lisboa: Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas. [Consultado a 20 de maio de 2015].
Disponível em: <http://www.portaldascomunidades.mne.pt/images/GADG/Destaques/DLFE-264.pdf>.
HAESBAERT, Rogério; SANTA BÁRBARA, Marcelo (2001) - “Identidade e migração em áreas transfronteiriças”, IN
GEOgraphia, vol.3, nº5, Rio de Janeiro, Universidade Federal Fulminense, 33-46. [Consultado a 20 de maio de 2015].
Disponível em: http://www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia/article/view/53
HAESBAERT, Rogério (2005) - “Da desterritorialização à multiterritorialidade”, in Anais do X Encontro de Geógrafos
da América-Latina - AGIR, 6774-6792, Universidade de S.Paulo. [Consultado a 20 de maio de 2015]. Disponível
em:<http://baixarpdf.net/preview/aHR0cDovL3d3dy5wbGFuaWZpY2FjaW9uLmdlb2FtZXJpY2Eub3JnL3RleHRvcy9oYWVzYmFlcnRfbXVsdGkucGRm>.
INE (2012) - Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Centro. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.
INE (2012) - Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Alentejo. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.
LOURENÇO, Eduardo (1988) - “Emigração e identidade”: Educação e tecnologia, Revista do Instituto Politécnico da
Guarda 2, 7-10.
MADEIRA, Manuel (1999) “Filmographie sur l`immigration portugaise”: Latitudes, nº 5, 25-27.
MARQUES, José Carlos, e Pedro Góis (2012) - “A evolução do sistema migratório lusófono. Uma análise a partir da
imigração e emigração portuguesa”, Revista Internacional em Língua Portuguesa - Migrações(24), pp. 213-232.
MICAELO, Ana Luísa Martins (2008) - Identidade, Território e Práticas Familiares. A Relação com a Terra e a Emigração
em Sever do Vouga, Universidade de Lisboa - ICS, Lisboa (Tese de mestrado).

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
74

PAIVA MOURA, A. (2001) - Turismo e Festas Folclóricas no Brasil en Turismo e Patrimonio Cultural. São Paulo: Editora
Contexto.
PEREIRA, C. (2010) - As festas do Espírito Santo nos EUA e no Canadá são o principal marcador étnico da identidade
açoriana. Lisboa: Observatório da Emigração, Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), CIES-IUL e DGACCP.
[Consultado a 20 de maio de 2015]. Disponível em: <http://www.observatorioemigracao.pt/np4/1365.html>.
PEREIRA, Victor (2010) - “Do povo à comunidade. Os emigrantes no imaginário português”, em José Neves
(org.), Como se Faz um Povo, Lisboa, TInta da China, pp. 139-152.
PIRES, R. P., Pereira, C., Azevedo, J. e Ribeiro, A. C. (2014), Emigração Portuguesa. Relatório Estatístico 2014, Lisboa:
Observatório da Emigração e Rede Migra, Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), CIES-IUL, e DGACCP.
PIRES, R. P. (2003) - Migrações e Integração: Teoria e Aplicações à Sociedade Portuguesa, Oeiras, Celta
PORTAL DE NISA (2014) Nisa celebrou Dia do Emigrante. Nisa. [Consultado a 20 de maio de 2015]. Disponível em:
<http://jornaldenisa.blogspot.pt/2014/08/opiniao-emigrante-nisense.html>.
QUEIRÓS, J., e Pinto, J. (orgs.) (2010) - Ir e Voltar. Sociologia de Uma Colectividade Local do Noroeste Português
(1977-2007) (Vol. I: Estratégia Observacional e Análise da Economia, Migrações e Relação com a Escola), Porto,
Afrontamento.
ROCHA-TRINDADE, Maria Beatriz (1989) - “A presença dos ausentes”, Sociedade e Território, Especial sobre
emigração e retorno (8), pp. 8-16.
UNESCO (2003) - Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Paris.
VELEZ DE CASTRO, M. de F. G. (2012) - Imigração e desenvolvimento em regiões de baixas densidades. Territórios
de fronteira no Alentejo (Portugal) e na Extremadura (Espanha). Coimbra: [s.n.].

Messias Modesto dos Passos
75

Disponibilidad léxica en la Raya

Elena Gamazo Carretero
Universidade de Coimbra

0. Introducción
La pretensión de este artículo es exponer los aspectos metodológicos, que se han llevado
a cabo hasta el momento actual, en el proyecto de Disponibilidad Léxica en la Raya/Disponibilidade léxica na Raia en las concomitancias limítrofes de las provincias de Salamanca (España)
y Guarda (Portugal).
La investigación se asienta en las pautas metodológicas de disponibilidad léxica y su
mecanismo de recolección de datos. Los corpora pertenecen a preuniversitarios españoles
y portugueses de núcleos rurales colindantes a la frontera, núcleos urbanos colindantes a la
frontera y núcleos urbanos más distanciados de la frontera.
Dichos corpus, recogidos en lengua escrita bajo el criterio de lista abierta y tiempo fijo, facilitan unos porcentajes de frecuencia a los que se le aportará una explicación social mediante
el análisis de las variables sociolingüísticas.

1. Encuadre Teórico
1.1. Conceptos básicos en relación al término léxico
Una de las vertientes de la lexicometría, o también denominada léxico-estadística, es la
Disponibilidad Léxica (DL), cuyo objetivo es recoger y analizar posteriormente el léxico disponible de una determinada comunidad de habla.
El léxico disponible dista del léxico básico, pues este último está compuesto por las palabras más frecuente en una lengua con independencia del tema tratado y, el disponible corresponde a las voces que los hablantes tienen en el lexicón mental y cuyo uso está condicionado
por el tema concreto de la comunicación. De este modo se pretende descubrir qué palabras
sería capaz de emplear un hablante en determinados contextos de comunicación.
Por lo tanto, la suma del léxico disponible y el léxico básico conforman el léxico fundamental de una lengua. Ambos son complementarios. El léxico básico se obtiene de la ponderación entre la frecuencia y la dispersión de las palabras en los distintos textos seleccionados
al azar. En cambio, el léxico disponible se obtiene de la ponderación entre la frecuencia y el
orden de aparición de las palabras en los listados de las encuestas asociativas.
Las categorías de palabras que conforman el léxico disponible suelen ser sustantivos,
mientras que en el léxico básico acostumbran a ser palabras gramaticales. Los sustantivos
aparecen en posiciones más lejanas que verbos y adjetivos. Dicho de otra manera, las palabras temáticas constituyen los repertorios de léxico disponible y, las palabras atemáticas,
componen el léxico básico (Michéa: 1953).

1.2. Delimitación de la Disponibilidad léxica
En los albores de los años cincuenta en Francia (Gougenheim: 1956) se emprendieron
los estudios de Disponibilidad Léxica, continuando en Canadá. Incipientes trabajos que se
gestaron con el objetivo de que sus resultados sirvieran como base en la elaboración de

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
76

materiales didácticos para la enseñanza del francés como Lengua Extranjera. Realmente,
el propósito no era tan lingüístico, como político, dado que los materiales confeccionados
estaban destinados a ser empleados en las antiguas colonias francesas y con los inmigrantes
que llegaban a Francia.
España e Hispanoamérica son punteros en la ejecución de estos estudios léxicos desde
1970. El investigador de cabecera es Humberto López Morales cuyo trabajo publicado en
1999, El léxicodisponible de Puerto Rico, es la obra de referencia de esta disciplina.
Más adelante nació el Macro Proyecto Panhispánico de Disponibilidad Léxica, dirigido y
coordinado por López Morales, que consiste en recopilar el léxico disponible, bajo las mismas
bases metodológicas, de estudiantes preuniversitarios en los territorios de habla hispana,
para elaborar el Diccionario Panhispánico de Léxico Disponible. Los grupos de investigación
que trabajan en el proyecto se extienden por todos los países Hispanoamericanos y España.
Se comunican entre ellos mediante la plataforma online dispolex1, medio de contacto e información, y donde pueden incorporar sus materiales a un banco de datos, que les proporciona
las herramientas necesarias para realizar el análisis cuantitativo, o en términos técnicos, matemático – estadístico, de sus datos. Dispolex emplea la fórmula matemática inventada por
J. López Chaves y C. Strassburger (1991), al igual que el programa informático sostenido por
Francisco Moreno y Pedro Benítez en la Universidad de Alcalá, LexiDisp.
Actualmente las fases metodológicas de estos estudios no han sufrido variaciones, sin
embargo, si se han manifestado oscilaciones en las variables extralingüísticas de la ficha sociolingüística y en los centros de interés de la encuesta léxica. Además, la recopilación de los
corpus ya no solo se realiza en lengua escrita, sino también oral. También cabe destacar la
inclusión de una tercera parte en la recogida de datos, el cuestionario sobre aspectos relevantes para cada investigación particular.
Una particularidad a tener en cuenta es que para que un estudio pueda formar parte del
Proyecto Panhispánico de Disponibilidad Léxica, tiene obligatoriamente que analizar los dieciséis centros de interés señalados en las pautas metodológicas de la encuesta, sin posibilidad
de sustituir ninguno de ellos. Lo que sí se puede es añadir tantos campos semánticos como
el investigador desee, aunque no se recomienda que sea un número muy elevado, por el
cansancio mental que puede producir y reflejarse en los corpus recopilados.
Los dieciséis centro de interés se consideran universales, de donde se infiere que todos
los sujetos encuestados en cualquier parte del mundo van a saber qué responder en cada
campo nocional.

Cuadro 1. Centros de interés del Proyecto Panhispánico de Léxico Disponible

Algunas de los mudanzas más significativas han sido la inclusión del centro de interés
La mar, en unas encuestas realizadas en Ceuta (Ayora: 2003); El olivo y el aceite (Ahumada:
2006); Agricultura y ganadería y La pesca (Borrego & Fernández Juncal: 2003); La inteligencia (Hernández: 2004); La salud (Prado, Galloso & Vázquez: 2006);o Acciones y actividades
habituales (Sánchez-Sauz: 2011).
Por lo que se refiere a Portugal los estudios son más recientes y escasos. No existe ningún
macroproyecto que englobe todos los trabajos. Encontramos estudios aislados, financiados
y ejecutados por investigadores particulares. Sirva como ejemplo, el estudio sobre territorios
limítrofes de las provincias de Andalucía – Algarve y Extremadura – Alentejo, elaborados por

1 - www.dispolex.com [Última consulta: 20/08/2015]

Elena Gamazo Carretero
77

Galloso Camacho y Prado Aragonés en la Universidad de Huelva; el trabajo sobre disponibilidad léxica en alumnos de español como lengua extranjera del distrito de Oporto realizado
por Fernández dos Santos (2014); o el proyecto sobre estereotipos en el léxico disponible de
universitarios portugueses de Gamazo Carretero (2014).

2. Delimitación del objeto de estudio
La finalidad de este estudio sobre lenguas en contacto, que se está desarrollando en los
territorios transfronterizos de España y Portugal en la acotación de la provincia de Salamanca,
es, en primer lugar, tratar de descubrir el lexicón mental que disponen los preuniversitarios
portugueses y españoles sobre su lengua materna y la lengua fronteriza con la que asiduamente están en contacto.
El siguiente propósito es describir los valores subyacentes al estudio léxico, es decir, mediante un análisis cualitativo de las evocaciones léxicas, delimitaremos actitudes y creencias
de una sociedad fronteriza frente a la otra.
Por último, alejándonos de la sociolingüística y adentrándonos en la didáctica de las
lenguas, los resultados contribuirán a elaborar las directrices de un plan de enseñanza/aprendizaje de los componentes culturales y léxicos en el aula de Español Lengua Extranjera (ELE) y
Portugués Lengua Extranjera (PLE), adecuado a las necesidades especificas de las sociedades
portugues y española en todas las etapas y variantes educativas.
La línea de investigación escogida para la recolección de datos ha sido la disponibilidad
léxica, considerando que se trata de un método consolidado, óptimo en obtención de datos
veraces y con una larga tradición investigadora, como hemos podido comprobar en epígrafes
anteriores.
En cuanto al nivel de estudios seleccionado, estudiantes de segundo curso de bachillerato en España y duodécimo en Portugal, ya que como indican las directrices del Proyecto
Panhispánico de DL dirigido por López Morales, todos los informantes dominan, en mayor
o menor medida, vocabulario similar ante las mismas situaciones comunicativas en ese nivel
académico.
A pesar de seguir algunas de las directrices del Proyecto Panhispánico, este estudio se
asemeja más a otros trabajos sobre lenguas en contacto en territorios fronterizos como es el
Proyecto de Excelencia de la Universidad de Huelva, subvencionado por la Junta de Andalucía,
que se lleva a cabo en las zonas limítrofes de Andalucía/Algarve y Extremadura/Alentejo.

3. Fases metodológicas
La metodología aplicada en esta investigación sigue las pautas de recolección de datos
del Proyecto Panhispánico de Disponibilidad léxica. Por consiguiente, permite realizar comparaciones con otros estudios similares y proporciona respuestas rápidas, anónimas y no
reflexionadas e influidas por el contexto.

3.1 La muestra: Centros educativos y alumnos preuniversitarios
Durante el curso académico 2014/2015 se llevó a cabo parte de la recogida de datos en
algunos de los centros educativos, debido a la pausa lectiva, los trabajos de recolección se
volverán a retomar a partir de octubre de 2015. La edad media comprendida de los informantes, en las encuestas ya compiladas es entre 17 y 18 años, aunque registramos excepciones
en casos partículares de repetición de un curso.
El criterio que primó en la selección de los centros educativos fue la distancia, en kilómetros, entre los Institutos y la frontera dentro de los límites provinciales de Salamanca en
España y Guarda en Portugal. De esta manera, clasificamos los centros en tres vertientes
siguiendo este parámetro: centros educativos en zona rural contigua a la frontera en España
y Portugal, centros educativos en zona urbana contigua a la frontera en España y Portugal y
centros educativos en zona urbana más distanciada de la frontera.
Al realizar el estudio a ambos lados de la Raya, ha sido necesario realizar un estudio previo geográfico para determinar que las distancias de los centros a la frontera, en un país y en
otro mantuvieran una analogía que proporcionara resultados semejantes para poder realizar

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
78

comparaciones.
La elección del grupo de encuestados de las pruebas ya compiladas, dependió de cada
centro educativo donde se realizaron, en función de las disponibilidad de profesorado y horario. Aún así, todas las modalidades académicas/ precursos académicos existentes en el plan
de estudios de ambos cursos, segundo de bachillerato / decimo segundo año, se encuentran
registradas en el corpus escrito.

3.1.1 Centros educativos en zona rural contigua a la frontera
Relación de los institutos participantes en la investigación en la provincia de Salamanca:

Cuadro 2. Centros educativos en zona rural contigua a la frontera en la provincia de Salamanca

Relación de los institutos participantes en la investigación en la provincia de Guarda:

Cuadro 3. Centros educativos en zona rural contigua a la frontera en la provincia de Guarda

3.1.2 Centros educativos en zona urbana contigua a la frontera
Relación de los institutos participantes en la investigación en la provincia de Salamanca:

Cuadro 4. Centros educativos en zona urbana contigua a la frontera en la provincia de Salamanca

Relación de los institutos participantes en la investigación en la provincia de Guarda:

Cuadro 5. Centros educativos en zona urbana contigua a la frontera en la provincia de Guarda

3.1.3 Centros educativos en zona urbana más distanciada de la frontera
Relación de los institutos participantes en la investigación en Salamanca capital:

C
Cuadro 6. Centros educativos en zona urbana más distanciada de la frontera en la provincia de Salamanca

Elena Gamazo Carretero
79

Relación de los institutos participantes en la investigación en Viseu capital:

Cuadro 7. Centros educativos en zona urbana más distanciada de la frontera en la provincia de Guarda

3.2 Recogida de los datos: La prueba
Parte de la recogida de datos se llevó a cabo, como citamos anteriormente, a lo largo
del curso académico 2014/2015 en las instalaciones de algunos de los centros educativos. El
procedimiento fue siempre el mismo, recolectándose las encuestas sin contratiempos.
Al comienzo de las pruebas se explicó cuál sería el procedimiento. El encuestador enunciaría un centro de interés en voz alta, y ellos tendrían que escribir el máximo de palabras o
expresiones que les vinieran a la mente, relacionadas con este input. Para este proceso disponían de dos minutos cronometrados por el encuestador.
Por consiguiente, se trata de una encuesta asociativa anónima que presenta, en primer
lugar, una serie de preguntas donde el informante debe responder con datos veraces relativos
a las variables sociolingüísticas que determinan este estudio. Las páginas siguientes se estructuran en tres columnas numeradas en la parte superior que corresponden a cada centro de
interés. Cada una de ellas dispone de veinticinco2 pautas numeradas, donde el encuestado
deberá escribir sus respuestas. Es muy importante resaltar que el orden del listado hay que
respetarlo, pues es fundamental para conseguir resultados óptimos. El objetivo es detectar
el léxico disponible, por tanto, las palabras que encabecen los listados, serán las más activas,
no las más frecuentes en el lexicón mental de los informantes. Por último los encuestados
tuvieron que responder a una serie de cuestiones breves sobre su relación con las dos lenguas
del estudio.

3.2.1 La ficha sociolingüística: variables

Cuadro 8. Variables sociolingüísticas y geográficas

2 - En situaciones donde el encuestado es capaz de escribir un número superior de vocablos, se le indica continuar
su adecuado a las necesidades específicas de las sociedades portuguesa y española en todas las etapas yvariantes
educativas.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
80

3.2.1.1 Variable: sexo
Como ha ocurrido en otros estudios de disponibilidad, el mayor número de informantes
en las encuestas ya realizadas son mujeres, aunque los datos de población no coindicen con
este hecho. Puede ser que esta característica se deba a que los hombres en los cursos de
educación secundaria no obligatoria acuden menos a las aulas, ya que prefieren abandonar
sus estudios e incorporarse al mundo laboral.
3.2.1.2 Variable: nivel sociocultural
El nivel sociocultural a lo largo de los trabajos en el ámbito de la disponibilidad ha abarcado diferentes parámetros. En nuestro estudio solo engloba los parámetros profesión y
nivel de estudios de los padres, puesto que consideramos que no aportarán relevancia, por
ejemplo, conocer los “ingresos familiares” como dato. El cálculo se realiza asignando cierta
puntuación instituida a la profesión y el nivel de estudios del padre y de la madre y sumándolo después.

Escala de valores según la profesión del padre y la madre :

Cuadro 9. Escala de valores según la profesión

Escala de valores según el nivel de estudios del padre y la madre :

Cuadro 10. Escala de valores según el nivel de estudios

3.2.1.3 Variable: ubicación del centro
La ubicación del centro educativo es la más significativa de nuestro estudio. Se clasifica
en tres grupos: centros educativos en zona rural contigua a la frontera en España y Portugal,
centros educativos en zona urbana contigua a la frontera en España y Portugal y centros
educativos en zona urbana más distanciada de la frontera. Las diferentes distancias entre las
frontera existente Salamanca/Guarda y los institutos donde se han realizado las encuestas arrojarán resultados muy dispares. Principalmente esperamos que cuanta mayor cercanía, más
contacto de lenguas habrá y cuánta más distancia, menos similitudes.

3.2.1.4 Variable: Residencia de los padres
El grupo de investigación de la Universidad de Salamanca, considera esta variable más
significativa que la ubicación del centro de estudios (Galloso 2002 & Hernández Muñoz
2004) para estudiar la procedencia rural o urbana de los informantes. Realmente, en estudios
sobre territorios limítrofes lo consideramos todavía más importante, teniendo en cuenta que
en la gran mayoría de las zonas rurales transfronterizas no existen centros educativos y los
jóvenes se ven obligados a desplazarse hasta otras localidades donde se ubican. Las directri-

Elena Gamazo Carretero
81

ces del INE3 señalan que se considera rural una localidad que no supera los 10000 habitantes
y urbana la que posee más que esa cifra. Por tanto, hemos establecido el umbral entre una
localidad urbana y rural en 10000 habitantes.
3.2.1.5 Variable geográfica: país
El país de procedencia de los informantes es una variable geográfica al igual que el lugar
de residencia de los padres y la ubicación del centro educativo. Como las dos anteriores, la
variable país es muy relevante en nuestro estudio.
3.2.2 La encuesta léxica: los centros de interés
Los corpus ya recopilados, se recogieron en lengua escrita a través de una encuesta de
carácter cerrado bajo el criterio de lista abierta y tiempo fijo. El entorno físico de la prueba
fueron las mismas salas donde se impartían sus clases.
La encuesta que se aplicó consta de dos variantes, una en lengua española y la otra en
lengua portuguesa, cada una cuenta con un total de dieciocho centros de interés algunos
tradicionales, otros que han sido empleados ya en estudios de disponibilidad, pero que el
Proyecto Panhispánico no contempla y una innovación.
Cada grupo de informantes se dividió en dos partes. A los integrantes de una de ellas se
les entregó la encuesta con los centros en interés en lengua Española. A los componentes
de la otra se les entregó en lengua Portuguesa. Finalmente se optó por este procedimiento,
puesto que realizar la prueba con veintiséis centros de interés a cada informante podía conllevar consecuencias negativas en los resultados. A causa del cansancio, la concentración no
sería la misma y los informantes podrían manifestar desinterés en la prueba.

Cuadro 11. Centros de interés – Lengua Española

Cuadro 12. Centros de interés – Lengua Portuguesa

Los centros interés partes del cuerpo (1), la ropa (2), la casa (4), profesiones y oficios (6),
los animales (11), la ciudad (12), los medios de transporte (13) y el campo (14), son campos
nocionales tradicionales, contemplados en el Proyecto Panhispánico. El campo semántico
la salud y las enfermedades (18), empleado ya en el estudio de Urrutia Martínez (2002),

3 - Instituto Nacional de Estadística. http://www.ine.es/ [Última consulta: 20/08/2015]

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
82

de naturaleza abstracta, consideramos que puede mostrar resultados óptimos en el estudio
cualitativo.
Por otra parte, con los centros lengua Española (15) y lengua portuguesa (7), pretendemos conseguir información relevante sobre la opinión de la lengua colindante y averiguar con
ellos cuestiones de creencias y actitudes al igual que con los campos semánticos, España y los
Españoles (10) y Portugal y los Portugueses (11).
Mención aparte merece el centro de interés frontera (5), siendo una inclusión de carácter
abstracto, que puede alcanzar resultados muy dispares, pero con el que pretendemos averiguar valores sociales.

4. Conclusiones y perspectivas futuras
A lo largo de estas páginas se han expuesto los principios metodológicos en los que se
asienta el proyecto de Disponibilidad Léxica en la Raya.
En el momento actual el estudio está en su quinta fase, transcripción y procesamiento
informático de los datos de parte de la encuestas ya realizadas durante el curso académico
2014/20154. A continuación, se lematizarán y homogeneizarán, para insertarlos en el programa dispolex5, cuyo mantenimiento está a cargo del grupo de investigación en Disponibilidad
Léxica del Departamento de Lengua Española de la Universidad de Salamanca, bajo la dirección de José Antonio Bartol.
Dispolex nos permitirá calcular los siguientes aspectos estadísticos: índices de disponibilidad, índices cuantitativos (Número de palabras, número de vocablos, promedio de palabras
por informante e índice de cohesión), comparación de disponibilidad, de índices y conjuntos.
Enseguida, una vez analizado el corpus léxico, se procederá a editar un Diccionario con
los repertorios de palabras más disponibles en lengua española y lengua portuguesa en los
territorios limítrofes de España y Portugal, en la franja espacial de las provincias de Salamanca
y Guarda. Dado queen esta área geográfica existe un índice de contacto tan elevado entre las
dos lenguas, la publicación de los repertorios de las dos zonas analizadas está absolutamente
justificado. De igual modo es tan importante conocer el léxico disponible en lengua materna,
como en lengua extranjera colindante, considerando que ambas lenguas, son empleadas
simultáneamente a un lado y otro de la frontera.
El siguiente objetivo del estudio persigue un fin sociolingüístico a partir de un análisis
cualitativo. Servirá para describir valores subyacentes al estudio léxico, como por ejemplo,
delimitar actitudes y creencias de un grupo frente a otro.
El último propósito se encuadra en el universo didáctico. Contribuir a elaborar las directrices de un plan de enseñanza/aprendizaje de los componentes culturales y léxicos en
el aula de Español Lengua Extranjera (ELE) y Portugués Lengua Extranjera (PLE), adecuado
a las necesidades específicas de las sociedades portuguesa y española en todas las etapas y
variantes educativas.
Si efectuamos una retrospectiva sobre la enseñanza de las competencias lingüísticas6,
comprobamos que en la mayoría de las situaciones, el componente gramatical prima sobre el
léxico, semántico, fonológico, ortográfico y ortoépico. A pesar de las innovaciones y aplicaciones de nuevos métodos de enseñanza de lenguas extranjeras, en las aulas se dedica más
tiempo a cuestiones gramaticales relegando otros aspectos. En concreto, el componente léxico debía ser considerado, reflexionado y trabajado con mayor empeño por parte del profesor,
pues es un factor esencial. De poco sirve explicar estructuras, si no nos detenemos a enseñar
vocabulario adecuadamente. Las palabras son las portadoras de significado, sin ellas no se
consigue comunicar, y comunicar en lengua extranjera, es el objetivo de todo estudiante de
un idioma.
Por otra parte, el docente debe conocer la imagen mental, aceptada y representativa
que los estudiantes poseen sobre los miembros de la comunidad del idioma que adquieren,
como comprender la cultura de la sociedad en la que enseña. Así los contenidos culturales
expuestos serán apropiados y adaptados.
4 - Las labores de recopilación de datos se retomarán en el mes de octubre de 2015.
5 - www.dispolex.com [Última consulta: 20/08/2015]
6 - http://cvc.cervantes.es/ensenanza/biblioteca_ele/marco/cvc_mer.pdf [Última consulta: 20/08/2015]

Elena Gamazo Carretero
83

Sintetizando pues, diré para concluir que esta investigación sobre el léxico disponible y
su correspondiente estudio sociolingüístico, es una innovación en los proyectos que se han
desarrollado en el territorio limítrofe de la Raya/Raia en la extensión de las provincias de Salamanca y Guarda hasta la actualidad. Estoy segura de que va a aportar información relevante
sobre la situación lingüística y social de ambas comunidades fronterizas.

5. Bibliografía
AITCHISON, J. (1994): Words in the Mind: An Introduction to the Mental Lexicon. Oxford- New York: Basil Blackwell.
AYORA ESTEBAN, C. (2006): Disponibilidad léxica en Ceuta: aspectos sociolingüísticos.Universidad de Sevilla.
BLAS ARROYO, J. L. (1991): “Problemas teóricos en el estudio de la interferencia”, RSEL, 21/2, 265-289.
BARTOL HERNÁNDEZ, J.A. (2006): “La disponibilidad léxica”, Revista Española de Lingüística, 36, 379 - 384.
BARTOL HERNÁNDEZ, J. A. & HERNÁNDEZ MUÑOZ, N. (2004): “Dispolex: banco de datos de la disponibilidad léxica”,
VI Congreso de Lingüística General, Santiago de Compostela, 3-7 de mayo.
BENÍTEZ, P. (1992): “Niveles socioculturales y disponibilidad léxica”, I Congreso Internacional sobre la enseñanza del
español, Madrid, 27-31 de enero.
BORREGO NIETO, J. (2004): “Algunas preguntas en relación con el concepto de léxico disponible”, J. Prado Aragonés
& M.V. Galloso (ed.), Diccionario, léxico y cultura, Huelva: Universidad, 159-69.
BORREGO NIETO, J. & FERNÁNDEZ JUNCAL, M. C. (2003): “Léxico disponible: aplicaciones a los estudios dialectales”.
IV Congreso de Lingüística General. Mª Dolores Muñoz (ed.), Universidad de Cádiz y Universidad de Alcalá, 297-306.
BORREGO NIETO, J. & FERNÁNDEZ JUNCAL, M. C. (2003): “¿En qué cambia la universidad la disponibilidad léxica de
los preuniversitarios?”, Moreno Fernández, F. Et al. (ed.), Lengua, variación y contexto: estudios dedicados a Humberto López Morales, vol. 1, 167-78.
BUTRÓN, G. (1989): “Aspectos sociolingüísticos de la disponibilidad léxica”, Asomante, 1/2, 29- 37.
DOMÍNGUEZ VÁZQUEZ, M. J. (2001): “En torno al concepto de interferencia”, Círculo de Lingüística Aplicada a la
comunicación, 5.
FERNÁNDEZ DOS SANTOS, M. (2014): “Disponibilidad léxica en alumnos de español lengua extranjera del Distrito de
Oporto (Portugal)”, El español como lengua extranjera: Retos de la enseñanza de lenguas cercanas, 1, 92-104.
GAMAZO CARRETERO, E. (2014): “Estereotipos en el léxico disponible de universitarios portugueses”, El español
como lengua extranjera: Retos de la enseñanza de lenguas cercanas, 1, 28-41.
GALLOSO CAMACHO, Mª V. (1999): “La heterogeneidad en los trabajos de Sociolingüística: el caso de la disponibilidad léxica”, Interlingüística, 10, 139-143.
GOUGENHEIM G. (1956): L’élaboration du Français Fondamental. París: Didier.
GÓMEZ DEVIS, M. B. (2007): “Una cuestión metodológica en el test de disponibilidad léxica”, Lenguaje y textos, 25, 1-6.
HERNÁNDEZ MUÑOZ, N. (2002): “¿Ciencias o letras? Apuntes sobre la especialización léxica de los estudiantes preuniversitarios, Terceras Jornadas de Reflexión Filológica, Universidad de Salamanca, 1-9.
HERNÁNDEZ MUÑOZ, N. (2006): Hacia una teoría cognitiva integrada de la disponibilidad léxica: el léxico disponible
de los estudiantes castellano-manchegos. Salamanca: Colección VITOR, tesis doctorales, Ediciones Universidad de
Salamanca.
HERNÁNDEZ MUÑOZ, N. & BORREGO NIETO, J. (2004): “Cuestiones metodológicas sobre los estudios de disponibilidad léxica”, Villayandre Llamazares M. (ed.), Actas del V Congreso de Lingüística General, Madrid: Arco/Libros,
1519 - 1517.
LÓPEZ CHAVES, J. & STRASSBURGER, C. (1991): Un modelo más para el cálculo de disponibilidad léxica individual. La
enseñanza del español como lengua materna, Universidad de Puerto Rico, 91-112.
LÓPEZ MORALES, H. (1979): “Disponibilidad léxica y estratificación socioeconómica”, Dialectología y Sociolingüística.
Temas puertorriqueños, 173 – 181.
LÓPEZ MORALES, H. (1999): Léxico disponible de Puerto Rico. Madrid: Arco Libros.
MICHÉA, R. (1953): Mots fréquents et mots disponibles. Un aspect nouveau de la statistique du langage. Les langues
modernes, 47, 338-344.
MORENO FERNÁNDEZ, F. (1998): Principios de Sociolingüística y Sociología del Lenguaje. Barcelona: Ariel.
PRADO, J.; GALLOSO, Mª. V. & VÁZQUEZ, M. (2006): Diccionario del léxico disponible de alumnos de 4º curso de
Educación Secundaria Obligatoria de Huelva. Universidad de Huelva
PRADO, J., GALLOSO, Mª. V. & CONCEIÇAO, M.C. (2010): La disponibilidad léxica en situación de contacto de lenguas en las zonas limítrofes de Andalucía y Extremadura (España y Algarve y Alentejo (Portugal). Huelva: Universidad
de Huelva.
RODRÍGUEZ MUÑOZ, F. & MUÑOZ HERNÁNDEZ, I. (2009): De la disponibilidad a la didáctica léxica. Tejuelo. vol. 4, 8 - 18.
SAMPER PADILLA, J. A. A(1997): “Criterios de edición del léxico disponible: sugerencias”, Lingüística, 10, 311 - 333.
SAMPER PADILLA, J.A. b(1998): “Criterios de edición del léxico disponible”, Lingüística, 10, 311-333.
SAMPER PADILLA, J. A. & SAMPER HERNÁNDEZ, M. (2006): “Aportaciones recientes de los estudios de disponibilidad
léxica”, Lynx: Panorámica de estudios lingüísticos, 5, 5-95.
SAMPER HERNÁNDEZ, M. (2002): Disponibilidad léxica en alumnos de español como lengua extranjera, Málaga: ASELE.
SÁNCHEZ-SAUS LASERNA, M. (2011): “Bases semánticas para el estudio de los centros de interés del léxico disponible”. Disponibilidad léxica de informantes extranjeros en las universidades andaluzas. Universidad de Cádiz.
SIGUAN, M. (2001): Bilingüismo y lenguas en contacto. Madrid: Alianza.
URRUTIA MARTÍNEZ, M. (2002): Edad y acceso léxico. Chile: Universidad de la Concepción.

84

Guarda, cidade e projecto:
um laboratório de representação 4D
para a análise, interpretação e reflexão
da evolução urbana da cidade
Cátia Sofia Viana Ramos

Arquitecta, Doutoranda do Dep. Arquitectura da FCT-UC

Sobre um modelo digital do crescimento da cidade da Guarda, indagamos a construção da ideia de cidade, à qual é inerente a representação arquitectónica. A arquitectura é
compreendida como permanência física da vida colectiva da cidade, da sua história humana, é
a estrutura/forma urbana que realiza o social. Perseguindo esta ideia, é igualmente pertinente
a compreensão da contínua reapropriação física e simbólica da arquitectura no curso do
crescimento da cidade, tornando-se fundamental a adopção de um quadro temporal lato.
A importância de uma construção espácio-temporal (4D, vídeo) resulta da necessidade de
atingir inteligibilidade sobre a evolução urbana da Guarda, e, como instrumento reflexivo, da
possibilidade de explorar no presente oportunidades de desenvolvimento. Esta construção
converte-se num documento da cidade, ferramenta de representação, análise e intervenção
crítica. Este é o objectivo último do modelo digital: a exploração do caminho analítico-projectual
a partir do qual se constrói o saber teórico-prático da arquitectura e, concomitantemente,
da cidade*. É neste sentido que nos pro-pomos estudar a Guarda, cortando o hiato entre
projecto e conhecimento, fixando-nos na experiência ontológica da Guarda. Este processo
simbiótico de conhecimento procura trazer ao debate uma ausência de discurso sobre a
cidade como construção projectual.
Somos incapazes de conceber a construção da cidade sob uma ideia de imutabilidade,
porque o tempo está sempre inerente a esse processo construtivo. É o tempo que define a
cidade como um espaço histórico-material a quatro dimensões. Assim, é sobre a coordenada
temporal que procuramos atingir a compreensão sobre o desenvolvimento urbano da cidade
da Guarda, ampliando o conhecimento deste processo de forma extrínseca, sob a figura de
um laboratório de representação digital 4D. Enquanto método utilizado pela representação
arquitetónica1, a utilização da imagem em movimento (4D, quatro-dimensões) provém da
necessidade de ultrapassar obstáculos cuja natureza não é puramente técnica e que não se
resolvem ou conseguem explicar mais plenamente apenas pelo recurso a uma representação
2D (bidimensional) ou 3D (tridimensional). A imagem em movimento é “…first and
foremost, most closely related to the representation of space in time and to the composition,
deconstruction and assembly of the fleeting and multiple states of a place or a situation,
it is thus intimately linked to the process and potential of montage. A true architectural
appropriation of the moving image relies more on profound exploration of time-image as
means of architectural expression, than technical means.”2.
A organização deste laboratório de representação 4D tem como objectivo a representação dos múltiplos estados espaciais da Guarda, e resulta, emprestando o termo a
Deleuze, da construção de um conjunto de imagens-tempo. Estas imagens são resultado
de uma investigação e reflexão crítica sobre o crescimento da Guarda no tempo-longo, e
1 - Latek define a obra de László Moholy-Nagy (1895-1946), Vision in Motion , como determinante para a compreensão da imagem em movimento no âmbito dos processos de pensamento arquitectónico. Irena Latek, “Moving
Collage or «Image-Temps» in Instrumental Exploration of New Modes for Analyzing, Interpreting and Conceiving
Urban Spaces.,” Changes of Paradigmas: In the Basica Understanding of Architectural Research, eaae| arcc conference copenhagen, 2 (2008): 185.
2 - Ibid., 185–186.

Cátia Sofia Viana Ramos
85

complementares à minha investigação em arquitectura3 sobre a mesma. Esta reflexão crítica
é entendida como projecto, ou seja, como conhecimento em arquitectura.
O conceito de imagem-tempo, desenvolvido por Deleuze, relaciona-se com a produção
cinematográfica do pós-guerra4, cujo sentido se explica pela relação complexa com o
presente, em que o movimento5 é uma consequência da complexa representação do tempo.
Então, como dar a perceber a experiência histórica da cidade que, na realidade, é resultado
sincrónico de vários estágios da construção da cidade? Como entender esses estágios do
passado e, qual o sentido deles enquanto presente da forma urbana da Guarda? Como
ajudar a explicar a transformação recente da cidade, a qual, é dotada de maior ubiquidade?
Procurando dar resposta a estas questões, desenvolvemos o vídeo digital como laboratório
de representação arquitectónica, emprestando o conceito de movimento, imagem-tempo
e montagem ao cinema, porque “… the cinematographic image itself ‘makes’ movement,
because it makes what the other arts are restricted to demanding (or to saying), it brings
together what it essential in the other arts; it inherits it, is as it were the directions for use
of the other images, it converts into potential what was only possibility.”6 Em cinema, a
lógica da imagem-tempo não pretende atingir a realidade, mas, pela recriação puramente
cinematográfica, ela traduz uma cadeia/movimento de interpretações e reinterpretação de
imagens, a troca entre representação (imagem) e o pensamento (observador)7.
Se a evolução real da cidade é percebida na sincronia dos seus diferentes momentos
históricos, contrariamente o vídeo digital será produto da montagem de um conjunto de
imagens-tempo, representações da cidade, construções desenhadas, conseguidas através
da investigação urbana. Se nos reportarmos a um âmbito puramente arquitectónico, serão
imagens-forma. O vídeo procura dar a entender o movimento8 natural da construção da
cidade da Guarda a partir da contínua evolução das suas estruturas, ideias imbuídas e
transformações realizadas. O vídeo em si mesmo é uma sequência de hipóteses desenhadas,
fundamentadas no real, sobre os vários tempos da cidade da Guarda.

Figura 1. Vídeo frame da transição entre a forma da cerca românica (aprox. séc. XI) e a cerca gótica (séc.XII-XV).
3 - Investigação de Doutoramento no âmbito do Curso de Doutoramento de Cultura Arquitectónica e Urbana
Departamento de Arquitectura da FCTUC sob a orientação do Professor Doutor José António Bandeirinha e Professor Doutor Mauro Costa Couceiro.
4 - Em especial a partir do cinema neo-realista italiano. Gilles Deleuze, Cinema 2: The Time-Image, trad. Hugh
Tomlinson and Robert Galeta (London: The Athlon Press, 1989), xii.
5 - “For Deleuze, the cinematic apparatus functions as a translator of the movements of images and consciousness of perception within tempo-modalities of worlds (real, imagined, past, present and future).” Charles Stivale,
Gilles Deleuze Key Concepts (Montreal and Kingston: McGuill Queen’s University Press, 2005).Ibid., 144.
6 - Deleuze, Cinema 2: The Time-Image, 156.
7 - Iils Huygens, “Deleuze and Cinema: Moving Images and Movements of Thought,” Online Magazine of the
Visual Narrative, no. 18 (2007), http://www.imageandnarrative.be/inarchive/thinking_pictures/huygens.htm.
8 - Irena Latek, “4D Tool for Analysing, Interpreting and Conceiving Urban Spaces. Moving Collage,” in The Urban Project: Architectural Intervention in Urban Areas (Transactions on Architectural Education), Delft School of
Design, EEAE Transactions on Architectural Education 39 (Delft: TU Delft, 2009), 178–179.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
86

O laboratório de representação 4D na pesquisa da ideia de cidade
O vídeo converte-se em documento da cidade, instrumento de investigação e projecto
arquitectónico. Assume-se como meio auxiliar na interpretação da evolução da cidade,
para observação e formulação de comentários críticos. O vídeo é um ensaio crítico em si
mesmo. É neste sentido que se imiscui paralela e complementarmente à investigação acima
mencionada, sobre a ideia/forma da cidade Guarda, tornando-se determinante para uma
reflexão da Guarda na contemporaneidade. Na actualidade, perseguir a ideia de cidade
como procedimento colectivo e prospectivo, englobando a especificidade das suas narrativas
internas, implica, inevitavelmente, uma resposta política.
A mitigação da ideia de cidade, dentro do envelope do urbano, torna marginal
a exacerbação da vida colectiva, a reafirmação do seu sentido político e os processos
democráticos não endereçados exclusivamente aos ciclos de produção e consumo. Em
1974, Lefebvre constitui o urbano como espaço da produção social, onde tem lugar a
reprodução das relações de produção (sociais e do poder)9. Tais relações certificam, em
parte, o esvaziamento do potencial gregário e cultural da cidade, do direito à cidade10 como
prática social e comunitária. Mas, a cidade compreende uma multiplicidade de valores que
não se esgotam numa única premissa. Ela possui uma identidade colectiva, resultado desta
construção no tempo-longo e que determina a sua especificidade histórico-geográfica, sóciocultural e político-administrativa. É ao encontro desta ideia multíplice de cidade que Vittorio
Gregotti11 coloca na representatividade da arquitectura o papel mediador entre o corpo social
da cidade e as suas condições físico-geográficas. E é pela arquitectura que se dá a idea ou
eidos, leia-se forma ou formato12 à polis, que vive pela existência permanente de uma esfera
pública e de um espaço público13.
O laboratório de representação 4D como projecto em arquitectura
Procurar a ideia/forma da cidade subentende a adopção de um pensamento crítico,
evidenciando os modos como a arquitectura faz cidade. Aqui situa-se a pertinência do
laboratório de representação 4D, do vídeo digital, como projecto arquitectónico. Projecto
arquitectónico surge como análise e reflexão, modo particular de conhecer e de dar a
conhecer, é um saber que tem uma finalidade em si mesmo, actuando sobre o concreto14.
Ao escrutinar a forma urbana da Guarda, no tempo-longo, procuramos os sinais de
uma vontade colectiva que determinou a sua constituição. A forma da cidade é também a
“forma da sua política, os sinais de uma vontade”15. A arquitectura da cidade é entendida
como permanência física da vida colectiva, da sua história humana, como estrutura/forma
urbana que realiza o social. Deste modo, para atingir a compreensão dos factos urbanos da
Guarda, ou seja, da sua arquitectura, é necessária a adopção de um quadro temporal lato,
não como metodologia histórica, mas como organização diacrónica imprescindível para o seu
entendimento. Analisamos as transformações da cidade - mutação, crescimento, destruição
- em correlação com o que existia previamente, legitimando cidade como permanência16.
Como Aldo Rossi refere, não só “A forma da cidade é a forma de um tempo da cidade;
e existem muitos tempos na forma da cidade.”17 como “en la ciudad hay un antes y un
después; esto significa reconocer y demonstrar que a lo largo de la coordenada temporal
9 - Henri Lefebvre, The Production of Space (Oxford: Blackwell Publishers, ldt, 1991).
10 - Henri Lefebvre, “The Right to the City,” in Architecture Culture 1943-1968: A Documentary Anthology (Nova
Iorque, 2007), 428–36.
11 - “È ben evidente, cioè, che, specie ma no solo nella cultura europea, le «idee di città» (cosmologiche, architettoniche, religiose o di rappresentazione dei poteri democratici o assoluti) si sono, sempre, incrociate con
le proprie condizione insediative, specie nel momento della loro fondazione, e e si sono sviluppate affrontando
nello stesso tempo le condizione empiriche, climatiche, di natura di terreni, di accessibilitá e di sicurezza che si
presentavano. Si può anzi dire, cioè, che il disegno urbano [a arquitectura] sia stato una continua mediazione
critica tra fundamenti storici della nostra disciplina [arquitectónica], i principî insediative elaborati dal corpo sociale
e le condizione di esistenza geografica della città.” Vittorio Gregotti, Architecttura e postmetropoli (Torino: Giulio
Einaui editore, 2011), 57.
12 - Hannah Arendt, A Condição Humana, Antropos (Lisboa: Relógio d’Água, 2001), 187.
13 - Ibid., 69.
14 - José Valdivia, La ciudad de la arquitectura : una relectura de Aldo Rossi (Barcelona: Oikos-Taus, 1996), 186.
15 - Aldo Rossi, A Arquitectura da Cidade, 2ªed. (Lisboa: Edições Cosmos, 2001), 241.
16 - “… as cidades permanecem sobre os seus eixos de desenvolvimento, mantêm a posição dos seus traçados,
crescem segundo a direcção e com o significado de factos mais antigos que os actuais, factos esses muitas das
vezes remotos.”Ibid., 76.
17 - Ibid., 80.

Cátia Sofia Viana Ramos
87

estamos situando fenómenos que son estrictamente comparables y que por sua naturaleza
son homogéneos.”18. A continuidade urbana é feita de matéria validada pela continuidade
histórica da acção humana. Compreendemos que a cidade é marcada por fases sucessivas de
crescimento, sendo que é no presente que se realiza a compreensão do real que constitui o
processo de desenvolvimento histórico.19
Recorrer ao vídeo, à montagem como investigação torna possível experimentar e conceber,
extrinsecamente ao objecto de estudo, alcançar o processo político-histórico-material da
construção da Guarda. Descodificando as relações tempo-forma (pelo recurso às imagenstempo), tornamos visíveis, através da montagem e movimento, as idiossincrasias da forma
urbana da Guarda, criamos uma ferramenta auxiliar na decifração do seu palimpsesto.
Contudo, as imagens-tempo, melhor dizendo, as imagens-forma, carregam consigo falsas
continuidades. A continuidade temporal retratada em movimento corresponde a visões
seccionadas, cortes temporais sucessivos, obtidos, como já referimos, pela investigação
urbana e pelo desenho tridimensional como exercício de reconstituição material da cidade.
Meios de representação, organização, técnicas e estrutura
Para a concretização do vídeo digital partimos da criação de um “substituto tridimensional” da cidade materializado em 16 modelos digitais georreferenciados. No decurso da
investigação foi possível assegurar a construção de quatro modelos de reconstituição da
cidade anteriores ao século XX — período romano, século XII, o século XIII a XV e século XVI
ao século XVIII —, e a partir do século XX fixar as transformações da cidade por década — de
1900 a 2010 — em 12 modelos.

Figura 2. Renderização do modelo tridimensional da Guarda da década de 2010.

Os modelos são editados num software de edição de vídeo, para que possam emular o
desenvolvimento da cidade da Guarda desde a sua fundação romana até ao ano de 2010.
A dinâmica temporal é absorvida e explicada em movimento20, compreendida pelo uso da

18 - Aldo Rossi, “Los Problemas Metodológicos de La Investigación Urbana,” in Para Una Arquitectura de Tendencia: Escritos: 1956-1972, Arquitectura (Barcelona: Gustavo Gili, 1977), 172.
19 - Rossi recorre ao entendimento Gramsciano da história como matéria, como condição hiperestésica, processo de construção do real. A continuidade urbana é apoiada pela matéria, ou seja, na continuidade histórica
da acção humana sobre a cidade, a continuidade de um pensamento e cultura. Daqui entendemos a natureza
da construção da cidade como um processo não finito. Valdivia, La ciudad de la arquitectura : una relectura de
Aldo Rossi, 213.
20 - Latek, “4D Tool for Analysing, Interpreting and Conceiving Urban Spaces. Moving Collage,” 2009.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
88

montagem como processo de selecção e coordenação dos modelos/momentos estudados.
A tradução do processo construtivo da cidade é consequência da síntese de imagens
“renderizadas” digitalmente, que explica a contínua evolução das estruturas da cidade e, as
transformações realizadas. Dispomos sequencialmente os modelos tridimensionais, simulando
o movimento evolutivo da cidade. Em cada período temporal, damos destaque aos factos
urbanos mais significativos, entendidos como elementos polarizadores e estruturantes na
cidade. Deste modo, a realização do vídeo compreende dois momentos constitutivos. O
primeiro explora tridimensionalmente a evolução da cidade período a período, dirigindo-se
à especificidade orográfica da cidade e à relação que estabelece com a arquitectura, ou seja,
com os factos urbanos. O segundo momento compreende uma visualização de conjunto,
recorrendo a uma técnica de edição de imagem chamada stopmotion21, na qual a partir de
uma vista em planta, observamos, de forma diacrónica e contínua, o processo de construção
da cidade.

Figura 3. Video frame do crescimento urbano na década de 1980,
salientando a nova construção a escuro. Vista em planta.

Resultados preliminares
O laboratório de representação 4D valida assim a condição e especificidade históricogeográfica da Guarda. No vídeo, a aproximação à orografia da cidade permite compreender
as condições que fazem com que a Guarda partilhe dos factos que caracterizam a civitas
romana do século I, no que nos é dado a conhecer pela história e pela arqueologia, na
manutenção dos sentidos da viação romana e pela permanência genética da civitas. Pela
excentricidade geográfica da situação da civitas romanas face à civitas medieval, atingimos
as razões determinantes na formalização, permanência e crescimento da Guarda. O
renascimento da cidade foi assegurado pela posição de equilíbrio entre os diversos poderes
da sociedade medieva — militar, religioso, económico. Poderes declarados fisicamente pelas
muralhas e pela definição dos espaços centrais da cidade — Praça de São Vicente e Praça de
Santa Maria do Mercado. Compreendemos como as igrejas e conventos — formas do poder
religioso, — contribuem na definição de centralidades, tornando-se elementos primários na
génese da forma urbana da Guarda. Na Idade Moderna assimilamos a concepção de novos

21 - Stopmotion é uma técnica de animação que parte de fotografias do real (aqui modelos virtuais, tridimensionais, observados em planta) a partir do qual conseguimos criar foto a foto (modelo a modelo) a impressão de
movimento (o efeito de construção da cidade ao longo do tempo).

Cátia Sofia Viana Ramos
89

programas (Hospital da Misericórdia, Paço e Seminário Episcopal) e a estruturação da nova
centralidade, a Praça Velha.

Figura 4. Video frame do crescimento urbano (séc. XVI-XVIII),
salientando os elementos estruturantes e polarizadores da cidade.

No que diz respeito ao crescimento recente da cidade, o vídeo patenteia o processo de
dispersão urbana desencadeado a partir dos anos 60, concomitante com a operacionalidade
dos planos de ordenamento urbanísticos. Observamos o desenvolvimento da forma urbana
da cidade associado à implementação e execução dos Ante-Planos de Urbanização de 1947
e 1963, da Guarda e de São Miguel da Guarda, cujas áreas se esgotam em momentos
distintos, 1970 e 1990, respectivamente.
O desenvolvimento da cidade, no curso do século XX, patenteia as especificidades
inerentes ao seu crescimento, as quais traduzem, não só a excepcionalidade do espaço nuclear
da cidade, como o processo temporal, métodos e padrões de organização espacial patentes
na Guarda contemporânea. O período retratado pelo vídeo expressa, nomeadamente
a partir de meados do século XX, a celeridade de transformação da cidade, concretizada
na transformação das acessibilidades, no incremento e variedade dos programas urbanos,
assim como os padrões físicos e funcionais que a constituem. Tal desenvolvimento dirigese à vertente sul da cidade, absorvendo o espaço outrora da civitas romana, e evidencia a
relação tensa com S. Miguel da Guarda, esta última criada a partir da implementação da
linha de caminho-de-ferro. Salientamos que, subjacente à transformação da forma urbana
da Guarda, em especial durante a segunda metade do século XX, está patente a acção dos
planos de ordenamento espacial cuja análise da sua execução, no âmbito desta investigação,
ajudam a validar e a compreender a forma urbana deles resultante. Falamos dos já referidos
Ante-Plano de Urbanização da Guarda (1947) e Ante-Plano de Urbanização de São Miguel
da Guarda (1947/63) e os planos subsequentes: Plano Geral de Urbanização da Cidade da
Guarda (1974), Plano Director Municipal da Guarda (1994), Plano Estratégico da Guarda
(1996) e o Plano de Pormenor do Parque Urbano do Rio Diz (2005).
Perspectivas de desenvolvimento, cenários futuros
Se o vídeo digital, concebido como laboratório de representação 4D, se explica e justifica
a partir da investigação sobre a cidade da Guarda, ele também se torna em instrumento
pedagógico sobre o crescimento da cidade. E o trabalho de modelação tridimensional
realizado para a construção do vídeo torna-se matéria imprescindível para o desenvolvimento

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
90

de outros instrumentos.
Se na investigação em arquitectura, o vídeo digital é auxiliar no debate sobre a cidade
como construção projectual, como processo simbiótico de conhecimento, é a partir da
modelação 3D que podemos expandir a ideia de projecto, tornando-se este num plano,
um acto de previsão, antecipação e organização dos meios disponíveis às possibilidades
contemporâneas. Os modelos tridimensionais são para o efeito base, maquetes virtuais para
a simulação virtual 4D, para a experimentação de cenários alternativos, hipóteses acerca da
ideia/forma urbana da Guarda. Na actualidade, e em virtude do progresso desencadeado pela
impressão 3D, quer os modelos próprios ao crescimento da Guarda, quer os seus cenários
alternativos, podem tornar-se palpáveis fisicamente.

Figura 4. Impressão 3D de uma maquete parcial do centro histórico da cidade da Guarda.
Cortesia Opo’Lab - Oporto Laboratory of Architecture and Design, 2014.

A modelação 3D da cidade abre também caminho à exploração de outras ferramentas
no âmbito do design multimédia. A tridimensionalização da cidade pode ser explorada pela
criação de mapas infográficos22. A partir dos modelos existentes pode ser agregada mais
informação sobre a cidade (dados de carácter estatístico: demografia, n.º de fogos, cadastro,
etc; e outros dados digitais, como por exemplo: orto fotos, fotos de edifícios, etc.). Tais mapas
infográficos podem sustentar a construção de uma base de dados sobre a cidade, organizada
por escala e em sequência temporal (timeline). A versatilidade dos modelos tridimensionais da
cidade permite ainda a sua integração em software GIS (sistemas de informação geográfica),
capaz de se transformarem em elementos auxiliares à gestão urbana.

22 - A forma de apresentação da informação online abriu caminho para outras formas de apresentação da informação, sendo que os mapas interactivos foram uma das formas que mais evoluiu. Tais mapas são um dos modos
mais eficientes de apresentar informação convidando a uma interacção com o utilizador. Podem igualmente
mostrar relações entre diferentes tipos de informação a qual nem sempre é possível em meios convencionais de
representação.

Cátia Sofia Viana Ramos
91

Referências Bibliográficas
Arendt, Hannah. A Condição Humana. Antropos. Lisboa: Relógio d’Água, 2001.
Deleuze, Gilles. Cinema 2: The Time-Image. Translated by Hugh Tomlinson and Robert Galeta.
London: The Athlon Press, 1989.
Gregotti, Vittorio. Architecttura e postmetropoli. Torino: Giulio Einaui editore, 2011.
Huygens, Iils. “Deleuze and Cinema: Moving Images and Movements of Thought.” Online
Magazine of the Visual Narrative, no. 18 (2007). http://www.imageandnarrative.be/inarchive/
thinking_pictures/huygens.htm.
Latek, Irena. “4D Tool for Analysing, Interpreting and Conceiving Urban Spaces. Moving
Collage.” In The Urban Project: Architectural Intervention in Urban Areas (Transactions on
Architectural Education), Delft School of Design., 177–85. EEAE Transactions on Architectural
Education 39. Delft: TU Delft, 2009.
———. “Moving Collage or «Image-Temps» in Instrumental Exploration of New Modes
for Analyzing, Interpreting and Conceiving Urban Spaces.” Changes of Paradigmas: In
the Basica Understanding of Architectural Research, eaae| arcc conference copenhagen, 2
(2008): 184–97.
Lefebvre, Henri. The Production of Space. Oxford: Blackwell Publishers, ldt, 1991.
———. “The Right to the City.” In Architecture Culture 1943-1968: A Documentary
Anthology, 428–36. Nova Iorque, 2007.
Rossi, Aldo. A Arquitectura da Cidade. 2ª ed. Lisboa: Edições Cosmos, 2001.
———. “Los Problemas Metodológicos de La Investigación Urbana.” In Para Una Arquitectura
de Tendencia: Escritos: 1956-1972, 171–83. Arquitectura. Barcelona: Gustavo Gili, 1977.
Stivale, Charles. Gilles Deleuze Key Concepts. Montreal and Kingston: McGuill Queen’s
University Press, 2005.
Valdivia, José. La ciudad de la arquitectura : una relectura de Aldo Rossi. Barcelona: OikosTaus, 1996.
Agradecimentos
Centro de Estudos Ibéricos (CEI)
Fundação para a Ciência e Tecnologia FCT- SFRH/BD/76848/2011
Departamento de Arquitectura da FCTUC
Centro de Estudos Sociais (CES)
Júlia Utime, Arquitecta e Designer Multimédia.
Referências
*Aldo Rossi, A Arquitectura da Cidade, 2ª ed. (Lisboa: Edições Cosmos, 2001).

92

Propostas de regeneração da atividade
comercial no atual cenário de crise
Eva Sofia Loureiro de Gouveia Lemos Belo
Universidade de Zaragoza

1. Introdução
O Comércio e a Cidade são dois elementos indissociáveis da vida urbana. As Cidades
criam as condições para a instalação do Comércio e as mesmas foram geradas pelo próprio
Comércio, que está no centro de seu desenvolvimento e na origem das suas crises.
O Comércio não só alimenta o local mercantil e das trocas comerciais, como também
gera um espaço de encontro e circulação de pessoas, de animação e festa. As Cidades são
feitas pelas pessoas, que nela residem, que nela se deslocam e é o Comércio que estrutura o
mapa e a geografia urbana das nossas Cidades.
No período Pós-Guerra, na consequência das filosofias urbanísticas inspiradas na Carta
de Atenas, verifica-se que o Comércio aparece como uma atividade associada ao processo
de urbanização, dependente do que a indústria lhe proporcionava e localizado nos núcleos
urbanos, sem qualquer regulamentação.
As medidas de planeamento urbano, prevendo instrumentos de planeamento comercial
só aparecem mais tarde em resultado da própria degradação dos espaços urbanos, resultado
do processo de crise intrínseco ao Comércio, que por vários motivos deixa de exercer o seu
poder de atração.
A partir do momento que se começa a ter consciência do abandono e da desertificação dos
centros urbanos e/ou históricos, do encerramento e da degradação do comércio tradicional
e de outos fenómenos posteriores, associados a estes, como a apropriação do espaço por
grupos indesejados, o vandalismo e a criminalidade, começa-se a verificar políticas urbanas
de reabilitação do edificado, campanhas para Habitação Jovem nos centros históricos e a
qualificação de equipamentos e infra-estruturas (João Barreta, 2007).
2. Os Primeiros Processos de Regeneração Urbana com Cariz Comercial
Quando e onde aparecem os primeiros processos de regeneração urbana tendo em conta
as dinâmicas comerciais?
A consciência da importância da revitalização urbana associada a programas de
regeneração urbana que incluem a área comercial, bem como a promoção e constituição de
parcerias para a sua revitalização urbano-comercial, foi sentido ao nível europeu, considerando
as primeiras ocorrências nos EUA. (Carlos Balsas, 2002).
O processo de revitalização urbana, foi resultado do processo de suburbanização que
levou o comércio para as periferias, seguindo-se a habitação, os postos de trabalho e, mais
tarde, o lazer.
As parcerias que surgem da cooperação, tem em comum a noção de que o envolvimento
das partes resulta no valor acrescentado para o todo e da importância da implicação dos
privados nas políticas e nos investimentos públicos.
2.1. Áreas de Desenvolvimento Económico ou Business Improvement Districts_Bid
Os Special Assessment Districts (SAD) foram a primeira versão dos Business Improvement
Districts (BID), cuja tradução em português aponta para “Áreas de Desenvolvimento
Económico” (Barreta, 2012)

Eva Sofia Loureiro de Gouveia Lemos Belo
93

O seu objetivo era tornar o centro da cidade num local atrativo, dinâmico, competitivo e
viável do ponto de vista económico, em parceria público-privado.
As suas organizações são semi-privadas, não têm fins lucrativos e estão legitimadas para
definir e cobrar uma taxa aos proprietários de imóveis comerciais, de uma determinada áreas,
com o propósito de prestar, em contrapartida, um conjunto de serviços adicionais àqueles
que já são assegurados pela Administração Pública Local.
A ideia central consistiu em criar um imposto obrigatório ou uma taxa adicional pelas
empresas, para financiar melhorias no seu bairro (Sexton et al.,2011).
As principais vantagens para os comerciantes deste tipo de gestão são o usufruto de
serviços públicos suplementares à sua atividade, a sua participação na defesa dos interesses
do centro, a obtenção de economias de escala resultantes da cooperação, o acesso a
financiamento conjunto e a partilha de informação, investigação e planeamento.
Os fundos obtidos são canalizados para melhorar serviços básicos, como também para
aplicação no mobiliário urbanos, iluminação pública, espaços verdes, limpeza das ruas e das
fachadas, a segurança, o estacionamento e utilização para técnicas de marketing, como as
campanhas publicitárias conjuntas (Carlos Balsas, 2002).
2.2. Main Street Program - Programa de Rua Central
Mais próxima do conceito de desenvolvimento integrado, criou-se também nos EUA, o
Programa de Rua Central - Main Street Program (MSP), onde a comunidade pode implementar
a sua própria estratégia de revitalização comercial, desde que baseada nas áreas do programa
(a reestruturação económica, a organização, a promoção ou o design).
O programa procura criar uma entidade, constituída pelos proprietários privados da
zona, de modo a implementarem iniciativas e alterações progressivas que permitam criar um
meio agradável e atrativo para atrair as pessoas a voltar ao centro da cidade e assim se iniciar
o processo de revitalização da zona. (Francaviglia,1996)
O objetivo é atrair os visitantes a voltar ao centro, recorrendo a diversas formas e meios
de fomentar a compra, o lazer e a permanência, usufruindo do espaço e das condições que
o mesmo tem para oferecer. É composta por um conselho de administração com conselho
executivo, gestor de programas e grupos de trabalho (áreas específicas) competindo-lhes
definir a estratégia de intervenção, angariar financiamentos e coordenar a participação de
voluntários (Carlos Balsas, 2002).
O National Trust for Historic Preservation (NTHP,n.d) criou este programa (em 1977, para
ajudar as comunidades americanas a conservarem os seus recursos cívicos, económicos e o
seu património histórico), que tem vindo a ser aplicado com sucesso em várias cidades de
diferentes estados norte-americanos. Trata-se de um programa desenvolvido a nível nacional,
mas que se adapta às necessidades e oportunidades das comunidades locais assente em
quatro princípios que são a restruturação económica, a organização, a promoção e o design.
A restruturação económica tem como objetivo reforçar a base económica existente e,
desta forma, captar novos investimentos para diversificar a base económica da zona. Este
desenvolvimento pretende ocupar os espaços urbanos e estabelecimentos vazios destinados
a comércio, de forma a impulsionar a sua rentabilidade. O objetivo passa por criar um espaço
comercial competitivo que responda à necessidade dos consumidores. (NTHP, n.d.)
Neste programa a organização é fundamental visto ser a ponte que estabelece a
cooperação necessária para a construção de parcerias entre os vários grupos com influência
na zona. Incentivando os intervenientes a trabalhar para o mesmo objetivo o programa
consegue, de facto, criar uma gestão efetiva do local.
(NTHP, n.d.)
O princípio do Design visa melhorar a aparência física da área comercial, recuperando
edifícios, apoiando novas construções e desenvolvendo regulamentos de gestão do espaço
público e privado. A criação de um ambiente seguro e a melhoria da imagem da rua
principal.
As promoções, os eventos e as campanhas de marketing permitem vender a imagem
e a promessa de uma área comercial com preços e espaços atrativos aumentando, assim, o
número de potenciais investidores. (NTHP, n.d.)

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
94

2.3. Análise Comparativa dos dois Casos Norte-Americanos
Dois exemplos conhecidos pelo seu sucesso nos Estados Unidos foram a implementação
do BID em Philadelphia (Pennsylvania) e do MSP em Providence (Rhode Island).
A cidade de Philadelphia foi das que mais sofreu com os resultados negativos da suburbanização, após a Segunda Grande Guerra. O seu centro histórico perdeu população,
empregos, atividade económica e progressivamente sofreu uma espiral de declínio urbano,
marcada pela decadência física dos seus edifícios, pela instabilidade social e pela insuficiência
de recursos financeiros para a administração da cidade.
No âmbito do BID foi criada, em 1990, a Center City District (CCD), uma organização
de carácter privado, sem fins lucrativos, responsável por atividades de manutenção, de
segurança pública e de hospitalidade e por programas promocionais no centro da cidade.
Para além do auxílio aos que residem ou visitam esta área, desenvolveu também programas de
apoio aos «sem-abrigo». Esta instituição reconstruiu e reabilitou o espaço público existente,
repavimentando passeios, instalando mobiliário urbano e adornando as ruas com árvores.
O objetivo foi converter o centro de Filadélfia, no 4º centro de cidade mais limpo, seguro e
atrativo dos Estados Unidos da América.
A experiência tida na cidade de Providence é um exemplo de sucesso da aplicação do The
Main Street Program. O centro urbano de Providence também sofreu grandes transformações
nos últimos 30 anos, com as consequências da suburbanização americana do pós-guerra. Na
década de 90 conseguiu estabelecer parcerias de revitalização e desenvolvimento urbano
com o sector privado, que mudou, radicalmente, a imagem da cidade, atraindo novos
residentes e visitantes. Em 1995, a área comercial da Broad Street era caracterizada por
muitos estabelecimentos comerciais degradados. Para combater esta situação foi criada
uma organização sem fins lucrativos, a Southside Broad Street Main Street Program. Esta
organização teve como objetivo primordial a revitalização da área comercial numa área
de intervenção que incluiu o corredor comercial radial à cidade, com cerca de 4 Km, uma
população de 45 mil residentes e 231 atividades económicas.

Figura 1 – Quadro Comparativo dos diferentes casos norte-americanos
Fonte: adaptado (Balsas, 2002)

Eva Sofia Loureiro de Gouveia Lemos Belo
95

3. Cooperações de gestão Territorial na Europa
Na Europa também se verificou o surgimento destas filosofias da gestão comercial
centralizada e a sua aplicação focou-se em estratégias de coordenação de recursos para se
atingir um objetivo comum.
O objetivo foi desenvolver, gerir e promover as áreas públicas e privadas nos centros das
cidades, com vista a retirar benefícios para todos os intervenientes, constituindo-se como
uma resposta integrada, através de parcerias público-privadas. (João Barreta, 2007).
Exemplos destes programas são o Centro de Gestão do centro da cidade, designado
por Town Centre Management (TCM) na Grã-Bretanha, a Associação, em França (caso de
Neuville), a Associação (na Áustria) (caso de Salzburg), a Associação de comerciantes em Itália
(caso de Cuneo), etc.
A ação destes programas concentra-se em redor da coordenação, da facilitação do
diálogo e da comunicação (de modo a manter a parceria ativa) e a definição de prioridades
com um plano de atuação.
As sinergias geradas pelos atores envolvidos, garantem a promoção do comércio
e satisfação do consumidor, um maior policiamento e integração da habitação em áreas
comerciais, o melhoramento do ambiente das ruas e das fachadas das lojas, um maior
marketing da cidade e melhoramento da sinalização e eficiência estacionamentos e bons
transportes públicos.
A carência de fluxos de financiamento sustentáveis e a impossibilidade de solicitar
contributos financeiros, com algum carácter de obrigatoriedade aos empresários/comerciantes
locais foram as principais dificuldades com que se deparam este tipo de programa.
Os programas definidos por “Asociación” receberam financiamento não só do sector
público, mas também do sector privado. Como se pode observar pelo quadro seguinte,
cada país indicado obteve um financiamento proveniente de distintas entidades, para a
implementação destes programas, alguns das quais contam com o apoio público na ordem
dos 70%, (como no caso da Bélgica) e outros (como o caso da Grã-Bretanha) contam com a
mesma percentagem de apoio do sector privado.

Figura 2 – Sistemas europeus de financiamento para La Asociación. Fonte: Instituto Cerdá

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
96

4. As Primeiras Preocupações na Península Ibérica
4.1 Perante a tendência de diminuição do consumo, em Espanha, distintos municípios
e associações de comerciantes desenvolveram iniciativas relacionadas com a gestão dos
designados “Centros Comerciales Abiertos” e a implantaram planos locais de desenvolvimento
e monotorização do equipamento comercial existente nos centros urbanos.
O objetivo destas iniciativas são potenciar o consumo no comércio de proximidade e preparar
o tecido comercial urbano face às necessidades presentes e futuras da cidade, determinando
ações em prol do comércio urbano durante um determinado período de tempo.
As iniciativas relacionadas com a implementação do conceito associado ao Centro
Comercial Aberto conta com subvenções provenientes do Ministerio de Indústria, Turismo
y Comercio, onde consta a definição do conceito e o tipo de atuações que podem ser
financiadas, nos termos como evidencia o quadro seguinte.

Fig. 3 – Definição de Centro Comercial Aberto para fins de financiamentos (Fonte: Instituto Cerdá)

As distintas Comunidades Autónomas espanholas (à exceção do País Basco e da Navarra)
são beneficiárias deste programa de financiamento e para ele são tidos em conta fatores,
como população, número de estabelecimentos comerciais e os dados relativos à população
ativa no sector do Comércio.

Fig 4 – Distribuição dos financiamentos no território espanhol ( Fonte: Instituto Cerdá)

Eva Sofia Loureiro de Gouveia Lemos Belo
97

Os planos locais de desenvolvimento e monotorização do equipamento comercial existente
nos centros urbanos implicaram a interveniência de distintas entidades públicas e privadas,
como as câmaras de comércio, as associações de comerciantes, os governos Autonómicos e
as câmaras municipais. Estes instrumentos de desenvolvimento para áreas comerciais estavam
previstos em instrumentos de gestão territorial, acordos e diretrizes ao nível autonómico. Na
elaboração destes planos teve-se em conta a análise da situação atual da cidade, os aspetos
que podem interferir na sua estratégia comercial, a fim de utilizá-la como ferramenta, que
possibilite traçar um plano de ações para a dinâmica do setor.
A estrutura dos planos espanhóis é semelhante entre si e estruturam-se, geralmente, em
análise da oferta, análise da procura comercial, balanço comercial, análise por zonas urbanas,
propostas e em atuações. Os referidos planos propõem medidas específicas para todos os
bairros da cidade, classificando os mesmos em zonas urbanas comerciais, conforme as suas
características ou necessidades.

Fig 5 – Mapa do Plan Local de Equipamiento Comercial de Zaragoza com a distribuição das áreas comerciais.
(Previsto no instrumento de gestão territorial, designado por Plan General de Equipamiento Comercial de Aragón,
aprovado pelo Decreto 171/2005, de 6/09 do Governo de Aragão, bem como no Acuerdo para el Fomento
Económico y Social-AFES (2008-2011) assinado pela Câmara Municipal de Saragoça, associações de comerciantes
e entidades sindicais).

Essas zonas podem ter distintas denominações, como zonas urbanas comerciais de
foco de atração (onde deverão ser implementadas medidas de dinamização e promoção
comercial), zonas urbanas comerciais periféricas (onde deverão ser criados de circuitos de
compra) e zonas urbanas comerciais de baixa densidade de comércio de proximidade, de
acordo com o estabelecido para a cidade de Saragoça.
Outras práticas observadas no território espanhol foram iniciativas pontuais levadas a
cabo por associações de comerciantes ou câmaras municipais, com o objetivo de criarem
propostas de aplicação rápida, que funcionam como linhas orientadoras ou guias, com base
num estudo de um determinado território, à semelhança das análises elaboradas nos planos,
atrás referidos, (com base em inquéritos realizados aos consumidores e aos comerciantes,
numa análise DAFO do tecido comercial em estudo e com base num balanço comercial).

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
98

4.2 O comércio esquecido na regulamentação urbanística em Portugal
Na década de 90 em Portugal, assistiu-se ao primeiro grande esforço de planeamento do
território, especialmente à escala municipal, através da implementação dos Planos Diretores
Municipais, que não estabeleceram critérios relativos ao sector comercial.
O comércio retalhista, a par das restantes atividades económicas do sector terciário,
raramente, aparece abarcado na classe de equipamento (destinado aos serviços públicos de
natureza social), sendo sistematicamente esquecido. Apontam-se, quando muito, intenções
de dotar o equipamento comercial a determinadas áreas residenciais ou pólos equilibradores,
de acordo com perspetivas que tendem a reforçar o status quo, que raramente concebem o
enquadramento urbano e urbanístico – de novas expressões retalhistas como os hipermercados,
ou grandes centros comerciais (José Alberto Fernandes, 1994).
Foi já neste contexto de maior preocupação com as questões relacionadas com o
urbanismo comercial, que em Portugal surgiram os primeiros Projetos Especiais de Urbanismo
Comercial (PEUC), no âmbito do ProCom, resultado dos esforços feitos pela Direcção Geral
do Comércio, que permitiu elaborar candidaturas para a regeneração comercial dos centros
de cidade, ou para áreas delimitadas (onde a concentração de estabelecimentos permitia
uma mais fácil viabilização do conjunto). As primeiras candidaturas foram aprovadas em
Setembro de 1995 para Matosinhos e para Coimbra, sendo em Julho de 1996 considerado
este, o primeiro Estudo Global em urbanismo comercial.
As experiências tidas nestes programas (QCA II e do programa do URBCOM do QCA III)
deixaram indicações sobre a realidade vivida e segundo João Barreta (2011) na análise a estes
projetos é de destacar os seguintes impactos positivos:
- O relançamento dos centros de comércio face à maior visibilidade que os projetos lhe
conferiram.
- A requalificação dos espaços públicos.
- A beneficiação da imagem comercial.
- O interesse crescente das novas formas de comércio pelo centro das cidades.
- Maior recetividade (por parte das estruturas associativas e lojistas) para o alargamento
dos horários de funcionamento, entre outros.
5. Estudos Recentes Sobre Resiliência Espacial e Comercial
A recente recessão socioeconómica levou a que o estado do comércio de proximidade e
merecesse uma análise e uma atenção singular por distintos investigadores europeus. Estes
estudos pretenderam verificar o impacto em distintas estruturas comerciais, desde o impacto
tido nos centros comerciais, nos bairros ou vias de cariz comercial, onde predominam as lojas
do pequeno comerciante.
Alguns estudos demonstraram que em alguns centros urbanos o comércio de proximidade
têm tido uma maior capacidade e resiliência a esse impacto, pelas suas características, do que
muitos centros comerciais face à multiplicidade de centros semelhantes e ao tipo de cliente.
(Burco H. Ozuduro, 2012)
Outras análises revelam a tendência para o “falecimento” de alguns centros comerciais.
Por outro lado, algumas teses têm demonstrado que os referidos centros comerciais têm
o seu papel e a sua importância pela oferta que trazem em zonas urbanas periféricas dos
centros urbanos, mais carenciadas e por responder à procura dos grupos mais carenciados,
defendendo que as distintas vertentes comerciais hoje existentes desempenham um papel
importante na sociedade contemporânea e do desenvolvimento comercial no território. Por
isso, defendem um planeamento urbano baseado numa visão sustentável em distintas escalas
e baseada na interdependência das distintas áreas comerciais. (Mattias Kärrholm, 2012)
Os últimos estudos introduzem, inclusive, o manuseamento de determinadas ferramentas
que permitem compreender o que se passa com as estruturas comerciais ou áreas urbanas,
predominantemente comerciais e de averiguar a sua capacidade, a sua resiliência e a
acessibilidade da população a esses espaços.

Eva Sofia Loureiro de Gouveia Lemos Belo
99

Fig 6 – Ferramenta da GEOT que permite conhecer a distância e a acessibilidade de cada bairro aos distintos
equipamentos comerciais. Fonte: GEOT- Universidad de Zaragoza

Considerações Finais
A atual grande recessão socioeconómica obriga a novos desafios, a um debate profundo
sobre as políticas urbanas vigentes e a uma nova forma de pensar o território, capaz de criar
soluções que permitam dinamizar as áreas carenciadas e combater as fragilidades sociais.
Assiste-se ao abandono de algumas atividades económicas e ao fraco investimento do
sector comercial em Portugal e em Espanha com repercussões em todo o território ibérico. Esta
situação conduz à desertificação e marginalização dos próprios centros urbanos, acarretando
nefastas consequências sociais.
O estudo e a experiência obtida com as primeiras práticas de revitalização urbana, tendo
em conta a regeneração das áreas comerciais é bastante importante nesta análise para
podermos compreender as experiências tidas em outros territórios e conhecer a forma como
foram implementados estes projetos e as entidades intervenientes nesses processos.
A análise das práticas realizadas em Espanha no âmbito da interação entre as distintas
instituições públicas e privadas merece um olhar atento pelas semelhanças e relações com o
território vizinho e pelo maior paralelismo com estruturas institucionais.
O contacto estabelecido com os artigos científicos sobre esta matéria é primordial, pela
observação e pelos novos indicadores que relacionam o atual estado do tecido comercial
urbano, face ao impacto tido pela recente recessão económica na Europa, que revelaram
que as distintas vertentes comerciais desempenham um papel importante na sociedade
contemporânea e no desenvolvimento comercial do território; que o comércio de proximidade
têm tido uma maior capacidade e resiliência ao impacto da crise, (pelas suas características,
do que muitos centros comerciais).
Existe também uma nova tendência para defender um planeamento urbano baseado
numa visão sustentável, global em distintas escalas e baseada na interdependência das
distintas áreas comerciais.

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
100

BIBLIOGRAFIA
ASCHER, F. (2005) - Los nuevos principios del urbanismo. Madrid, Alianza ensayo.
BALSAS, Carlos J.L.(2002), Urbanismo Comercial e parcerias público-privado, Ministério da Economia: Gabinete de
Estudos e Prospectiva Económica/Observatório do Comércio, Lisboa.
BARRETA, João (2004), “ Cartas de Ordenamento Comercial – Instrumentos de gestão do Urbanismo Comercial”,
Urbanismo – Revista da Associação dos Urbanistas Portugueses, n.o 19, ano 7.
BARRETA, João (2007), “ Comercio, Cidade e Projectos de Urbanismo Comercial – Revista da Associação dos Urbanistas
Portugueses, n.o 19, ano 7.
BARRETA, João (2004), “Revitalização Comercial dos Centros Urbanos”, Urbanismo – Revista da Associação dos
Urbanistas Portugueses, n.º 18, ano 5.
BARRETA, João (2009) – Do Urbanismo Comercial aos Centros Comerciais a Céu Aberto – novas formas de gestão do
centro das cidades (resumo do artigo na Revista “ Prospectiva e Planeamento – Economia e Território ( vol. 16/2009) do
Departamento de Prospectiva e Planeamento e Relações Internacionais do Ministério do Ambiente e do Ordenamento
do Território.
CACHINHO, H. (2002), O comércio retalhista português - Pós-modernidade, consumidores e espaço, Gabinete de
estudos e Prospectiva Económica /Ministério da Economia, Lisboa.
CACHINHO, H. (2005), “O comércio retalhista: da oferta de bens às experiências de vida”, in Carlos Alberto Medeiros
(dir), Geografia de Portugal, vol.3, Actividades económicas e espaço geográfico. Lisboa, Círculo de Leitores.
CASARES, Javier (1999), “Renovación urbana y pequeña y mediana empresa comercial”, Comércio, Cidade e Qualidade de Vida.
CASTRESANA, J. (1997): “Urbanismo Comercial”, Actas de la I Jornada sobre Distribución Comercial: el punto de
encuentro, Secretaría de Estado de Comercio, Turismo y PYMES, junio, Madrid.
CASTRESANA, Javier (1999), “Nuevas concepciones del urbanismo comercial – Los centros comerciales abiertos”,
Distribución y Consumo, Abril-Mayo, n.º48.
COMISSÃO EUROPEIA (1997), “Livro Verde sobre o Comércio”, Boletim da União Europeia, Suplemento 2/97.
DEL RIO, Roger Sanchez (1999), “Centros comerciales abiertos – Una estrategia de mejora del atractivo urbano y del nivel
de competitividad de la actividad terciaria en las ciudades”, Distribución y Consumo.
DoE – Department of the Environment (1994), “Vital and Viable Town Centres, Meeting the Challenge”, HMSO, Londres.
DUGOT, P. e POUZENC, M. (dir) (2010), Commerce et développement durable. Paris, Ed. L’ Harmattan.
ELIZAGARATE, Victoria (2006), “El comercio y la regeneración urbana de la ciudad – Una estrategia integral de marketing
de ciudades”, Distribución y Consumo, núm. 84.
ESCOLANO UTRILLA, Severino, Aportación al estudio de la localización comercial en Zaragoza: autoservicios y mercados
minoristas de alimentación, 1980.
ESCOLANO UTRILLA, Severino, La evolución de los estudos geográficos sobre el comercio en España in La geografía de
los servicios de España, Grupo de Trabajo Geografía de los Servicios Asociación de Geógrafos Españoles, Madrid, 1999,
pp 431-454
FARIÑA, J. y Naredo, J.M. (2010) Libro Blanco sobre Sostenibilidad en el Planeamiento Urbano Español. Madrid Centro
de Publicaciones de la Secretaria General Técnica del Ministerio de la Vivienda.
FERNANDES, José Alberto V. Rio – Urbanismo Comercial – a Experiência Portuguesa – in Revista da Faculdade de Letras
– Geografia I Serie, Vol X/XI, Porto, 1994/5, pp 105-125.
GASNIER, A. (dir) (2010), Commerce et ville ou commerce sans la ville? Entre logiques entrepreneuriales et politiques
territoriales de développement durable. Rennes, PUR.
GASPAR, Jorge et alia – Centros de comércio e serviços na cidade de Lisboa, Lisboa, “Finisteria”, vol. X, n.º 20, Centro
de Estudos Geográficos da FLUL, 1975.
KÄRRHOLM, M. & NYLUND K., PRIETO DE LA FUENTE, Paulina, Spacial resilience and urban planning: Adressing the
interdependence of urban retail areas, Urban Studiesm Molamo University, 2012.
MARTÍNEZ-RIBES, L. (1991): “Métodos usados por el comercio europeo para generar innovación”, Actas de la Iª Jornadas
Andaluzas Sobre Distribución Comercial, Dirección General de Cooperación Económica y Comercio, Sevilla.
MEER LECHA-MARZO, Angela de, Comercio y Ciudad: transformaciones comerciales y procesos urbanos in La geografía
de los servicios de España, Grupo de Trabajo Geografía de los Servicios Asociación de Geógrafos Españoles, Madrid,
1999, pp 535-551
MORENO JIMENEZ, Antonio, La competencia espacial de grandes superficies comerciales en áreas metropolitanas: un
estudio de caso in La geografía de los servicios de España, Grupo de Trabajo Geografía de los Servicios Asociación de
Geógrafos Españoles, Madrid, 1999, pp 569-576
OZUDURO, Burco H., VAROL, Cigdem, ERCOSKUN, Ozge Yalciner, DO shopping centers abate the resilience of shopping
streets? The co-existence of both shopping venues in Ankara. Gazi University, Faculty of Architecture, Departament of
City and Regional Planning, Turkey.
PEREIRA, M. TEIXEIRA, J.A. Di BIAGGIO, S. (2002), Regulação do equipamento Comercial nos países da União Europeia.
Licenciamento de Grandes Superfícies, Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica /Ministério da Economia, Lisboa,
(Documentos de Trabalho).
SALGUEIRO, T.B. e CACHINHO, H. (ed.) (2011), Retail Planning for the Resilient City. Consumption and Urban
Regeneration. Lisboa, CEG.
TOMÉ, R.(2011), Comércio e Serviços em Áreas Urbanas de Génese Ilegal – o caso da Quinta do Conde. Dissertação de
Mestrado em Gestão do Território, Lisboa; FCSH/UNL.

Agradecimentos
A autora agradece o apoio e o reconhecimento oferecido pelo Centro de Estudos Ibéricos a este projeto,
o acompanhamento da tese dada pelo Prof. Dr Eugenio Climent e pelo Prof. Dr Ángel Pueyo da Universidad de
Zaragoza e a oportunidade concedida pela Câmara Municipal de Oeiras para execução desta investigação.

101

Estratégias regionais de especialização
inteligente: oportunidades de
reestruturação, desenvolvimento e
cooperação territorial no contexto
das regiões ibéricas
Ricardo Filipe Ferreira Moutinho

Doutorando em Economia na Universidade da Beira Interior

As Estratégias Regionais de Especialização Inteligente (RIS3) assentam no princípio de
que a inovação e a competitividade das regiões fundem-se nos recursos e ativos existentes
no seu território, devendo-se concentrar recursos nos domínios e atividades económicas em
que exista ou possa reunir-se massa crítica relevante. Sublinha-se, assim, a necessidade de as
regiões reavaliarem o seu posicionamento competitivo em função do mercado global e da
sua capacidade de afirmação internacional, tendo subjacente o princípio de que ‘não podem
ser excelentes em tudo’. Os instrumentos de financiamento concentram-se numa ‘market
pool’ – na ordem dos 200 Mil Milhões de Euros – a investir diretamente pela UE em ‘projetosâncora’, promovidos por consórcios de base local ou regional. A este montante acrescem
os 15 Mil Milhões de Euros, previstos no âmbito da Agenda Urbana da UE e destinados
a projetos experimentais de inovação e empreendedorismo, a implementar nos municípios
inseridos em territórios de baixa densidade.

Introdução
Na atual conjuntura, torna-se indispensável identificar e quantificar as vantagens
comparativas de cada município, para a instalação de determinadas fileiras e/ou sectores
económicos específicos. Tratando-se da captação de investimentos produtivos poderão ser
implementados ‘projetos-âncora’, com impacto estruturante no desenvolvimento de qualquer
município, comunidade intermunicipal e/ou região que seja parte integrante da UE. Cada
projeto é único, na medida em que procura criar as condições necessárias para a especialização
do tecido produtivo – nas fileiras e/ou sectores económicos em que o município consiga
reunir massa crítica relevante – potenciando a sua capacidade de afirmação internacional,
no contexto do mercado Europeu. O novo paradigma pretende assim contribuir para a
integração vertical de cadeias de valor, baseadas nos recursos endógenos e na valorização
económica dos ativos materiais e imateriais do território. Esta abordagem pressupõe o
incremento das sinergias entre diferentes municípios numa lógica de complementaridade,
eliminação de redundâncias e criação de economias de escala, particularmente, no que
concerne aos Sistemas Regionais de Inovação. Entre as oportunidades para os territórios de
baixa densidade, encontram-se a internacionalização do Turismo em Meio Rural, a afirmação
de Portugal enquanto HUB de ensino superior e a valorização económica dos resíduos
provenientes da indústria agroalimentar.

Internacionalização do Turismo em Meio Rural
Portugal está na moda enquanto destino turístico. Para esta conjuntura favorável,
muito contribuiu a afirmação de Lisboa, Porto e Coimbra enquanto cidades de referência
no panorama internacional. A continuidade do ciclo de crescimento, que se tem vindo a

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
102

registar no sector, poderá sair reforçada pela capacidade das regiões rurais em preservarem
a autenticidade do seu património histórico, cultural, enológico e gastronómico. As áreas
rurais representam 65% da atratividade turística internacional do nosso país, materializada
nas Atividades na Natureza (30%), no Touring Cultural e Paisagístico (19%), na Saúde e BemEstar (12%) e no segmento Vinhos e Gastronomia (4%). As regiões predominantemente
rurais apresentam vantagens competitivas para a captação de receitas turísticas, devido
a um melhor ajustamento entre as suas características e as preferências dos mercados
emissores. A atratividade dos territórios de baixa densidade é impulsionada pelos segmentos
‘Premium’, uma vez que os mesmos tendem a selecionar destinos turísticos caraterizados
por uma menor concentração do parque hoteleiro ‘massificado’. Neste sentido, os territórios
rurais representam 88% do potencial de crescimento da procura turística em Portugal,
comparativamente às áreas urbanas, que se limitam aos remanescentes 12% para o período
compreendido entre 2014 e 2020. O parque hoteleiro está claramente sobredimensionado
face ao turismo Sol e Mar, canalizando 41% da oferta de camas para apenas 5% da procura
potencial, enquanto a oferta City Breaks aglutina 31% das camas disponíveis (Lisboa 22% +
Porto 8% + Coimbra 1%) para satisfazer uma procura potencial de aproximadamente 7%. Em
termos geográficos, a oferta deverá especializar-se nos mercados externos cujas motivações
para a deslocação a Portugal coincidam com as Atividades na Natureza, o Touring Cultural
e Paisagístico, a Saúde e Bem-Estar e o segmento Vinhos e Gastronomia. Os mercados cujo
perfil de interesses torna a oferta nacional mais competitiva são o Norte da Europa (Dinamarca,
Finlândia, Irlanda, Noruega, Reino Unido e Suécia) e o Centro da Europa (Alemanha, Áustria,
Bélgica, Holanda, Polónia e República Checa), representando em conjunto, 62% da procura
internacional verificada no nosso país. O Sul da Europa é responsável por 28% da procura
externa relativamente a Portugal, mas exige a adoção de uma estratégia de diferenciação
‘value for money’, tomando em consideração a afinidade cultural com os países em causa
(Espanha, França e Itália). Apesar das semelhanças no que concerne às características da oferta
disponível no seu próprio país de origem, os turistas provenientes do Sul da Europa, têm a
perceção de que proporcionamos uma boa relação ‘qualidade/preço’, para além da excelência
que nos é habitualmente atribuída ao nível dos Vinhos e Gastronomia. Os turistas do Norte
e Centro da Europa consideram que a natureza, o património histórico e a paisagem são os
maiores atrativos na escolha de Portugal enquanto destino de lazer. Portugal é considerado
um país seguro e pacífico, com uma oferta de alojamentos de qualidade face à concorrência.
Os fortes valores culturais e tradicionais portugueses são também muito procurados pelos
países do Norte e Centro da Europa. Estima-se que a aposta no desenvolvimento de novos
produtos e serviços com posicionamento ‘Premium’ permita aumentar o gasto médio por
dia e por pessoa, que se situa atualmente nos 90,0 Euros, para o montante de 140,7 Euros.
O Turismo em Meio Rural enfrenta ainda um importante desafio que consiste em combater
a sazonalidade, motivo pelo qual é importante a consolidação de uma oferta integrada de
atividades de lazer. É expectável que uma maior complementaridade da oferta, abrangendo
especificamente os ‘pacotes’ de atividades na natureza, os roteiros culturais e paisagísticos
e o desporto aventura, permita aumentar a taxa líquida de ocupação, dos atuais 18% para
valores próximos da média Europeia, que se situa nos 25%.

Portugal enquanto HUB de ensino superior
O mercado global de ensino superior encontra-se concentrado em apenas 5 países, que
captam cerca de 70% dos estudantes internacionais, mais precisamente EUA, Reino Unido,
Alemanha, França e Holanda. Os restantes 28 países competem pelos remanescentes 30%
do mercado, de acordo com dados disponibilizados pelo Eurostat. A excessiva concentração
significa que estamos perante um mercado emergente, ainda em rápido crescimento, e que
enquanto tal, representa uma importante oportunidade de desenvolvimento para os países
periféricos, envelhecidos e desertificados do Sul da Europa. Em traços gerais podemos dizer
que Portugal é percecionado internacionalmente como sendo um país seguro, com excelente
qualidade de vida e dotado de uma boa rede de cuidados de saúde. Em termos comparativos,
Portugal é o 18º país mais seguro numa amostra de 162 países, é o 9º país com maior
qualidade de vida num total de 258 países e apresenta o 12º melhor sistema de saúde entre
191 países. Tais indicadores são aferidos pelo Institute for Economics and Peace, pelo World

Ricardo Filipe Ferreira Moutinho
103

Bank e pela World Health Organization, respetivamente. A atratividade de Portugal enquanto
Hub de ensino superior é consideravelmente limitada pelo custo excessivo das propinas, pois
é o 5º país analisado com propinas mais elevadas, sendo apenas superado pelo Reino Unido,
Irlanda, Lituânia e Holanda de acordo com o barómetro Eurostudent. Importa realçar que em
3 dos 21 países analisados, mais precisamente Dinamarca, Finlândia e Suécia, as Instituições
de Ensino Superior (IES) não cobram quaisquer propinas. No entanto, o custo de vida para
um estudante universitário deslocado é bastante competitivo, uma vez que Portugal é o
10º destino menos oneroso, entre os 21 países considerados, situando-se a ‘meio caminho’
entre os países que integram a amostra disponibilizada pelo Eurostudent. As IES inseridas
em territórios de baixa densidade tendem a oferecer propinas sistematicamente mais
competitivas, traduzidas numa redução média na ordem dos 31%, face às suas congéneres
do litoral. Simultaneamente, as regiões predominantemente rurais proporcionam, em média,
um custo de vida 25% mais baixo, em comparação com as áreas urbanas. Em síntese,
Portugal encontra-se no mesmo patamar dos países do Leste da Europa no que concerne
ao custo de vida, o que possibilita a captação de alunos estrangeiros por intermédio do
ganho líquido em termos de poder de compra. As IES portuguesas asseguram uma produção
científica por Milhão de Habitantes (1.081) manifestamente superior à generalidade dos
países localizados no Leste da Europa (511), encontrando-se inclusivamente num patamar
acima do protagonizado pelas suas congéneres do Sul da Europa, incluindo Espanha, França
e Itália (890). Importa referir que as IES portuguesas são competitivas no âmbito geográfico
da UE, uma vez que estão ligeiramente abaixo da produção científica alcançada pelos países
do Centro da Europa (1.193) e apenas consideravelmente distantes dos países do Norte da
Europa (2.003). Neste contexto favorável, se o Hub de ensino superior crescer anualmente
ao mesmo ritmo (8,32%) que o mercado Europeu ao longo da última década, Portugal
conseguiria assegurar uma procura adicional equivalente a 89.335 estudantes estrangeiros
por ano letivo, o que corresponde, ‘grosso modo’, a 25% do total de inscritos no ensino
superior. A aposta estratégica num Hub de ensino superior permitiria igualmente otimizar o
aproveitamento dos recursos humanos e tecnológicos disponibilizados pelas IES localizadas
no interior do país. Estima-se que o aumento da população universitária nos territórios de
baixa densidade poderia contribuir para atenuar os efeitos da desertificação e do declínio da
fecundidade, gerando um saldo demográfico acumulado na ordem dos 169.360 indivíduos,
com idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos de idade, tendo em perspetiva um
horizonte temporal de 6 anos.

Valorização Económica dos Resíduos da Produção Vinícola
Portugal é um dos países com mais antiga tradição vinícola, tendo visto nascer a primeira
região demarcada e reconhecida do Mundo, pelas mãos do Marquês de Pombal, corria o
ano de 1756. Fazendo a ‘ponte’ para o presente, está previsto que Portugal mantenha o
11º lugar no ranking dos maiores produtores mundiais, com um volume na ordem dos 5,9
milhões de hectolitros. A elevada qualidade dos vinhos Portugueses encontra-se igualmente
refletida nas estatísticas, uma vez que Portugal é o 9º maior exportador mundial, sendo
atualmente responsável por aproximadamente 3% do vinho consumido em todo o mundo,
de acordo com os dados disponibilizados pela International Organisation of Vine and Wine
(OIV). No decurso da produção vinícola são gerados diversos subprodutos, cujo tratamento
ambiental acarreta custos significativos para os produtores. Por outro lado, quando os
resíduos e efluentes resultantes da produção vinícola são lançados diretamente nos solos,
desencadeiam situações graves de destruição da produtividade agrícola e de poluição dos
aquíferos. No caso específico de Portugal, estima-se que todos os anos são lançadas 188 mil
toneladas de resíduos e 1.365 milhões de litros de águas residuais decorrentes da produção
vinícola, diretamente no solo ou em aquíferos, sem qualquer tratamento ou preocupação
ambiental. Vários estudos científicos demonstram que os subprodutos vinícolas retêm muitos
dos compostos bioativos responsáveis pelas propriedades promotoras da saúde humana que
caracterizam as uvas em geral e as uvas tintas em particular. Assim, esta matéria-prima,
frequentemente destruída, pode ser utilizada em diversas aplicações industriais sob a
forma de concentrados vocacionados para a produção de produtos de higiene, cosméticos,
suplementos alimentares e fármacos. A concentração média de princípios ativos varia em

Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança
104

torno de um intervalo compreendido entre os 5,31 g e os 11,74 g por cada Kg de resíduo
processado. O preço de mercado das diversas modalidades do extrato a produzir oscila entre
os 0,42 /g e os 73,91 /g em função da entidade química em causa e do segmento a que se
destina. O investimento inicial necessário para a implementação de uma unidade de refino,
com capacidade para processar até 2.500 Kg de resíduos por dia, situa-se nos 1.352.861
Euros. Os custos operacionais inerentes ao seu funcionamento perfazem um total de 65.183
Euros mensais. No que concerne à mensuração do potencial económico, tomamos como
referência uma concentração média de 7 g por cada Kg de resíduo de produção vinícola e uma
operacionalidade equivalente a apenas 6 meses por ano. Relativamente ao preço médio de
comercialização, efetuamos uma estimativa prudente na ordem dos 0,50 /g, sujeitos a uma
inflação anual de 3%. A Taxa de Atualização Real aplicada foi de 8,66%, correspondendo
basicamente ao custo do capital próprio, ou seja, à remuneração mínima exigida pelos
acionistas à indústria farmacêutica em função da performance histórica do sector, do nível
de risco incorrido e das alternativas de investimento disponíveis, no âmbito geográfico da
União Europeia. Tendo em conta um cenário conservador, o VAL situa-se nos 1.863.830
Euros, sendo a TIR de 21,39%, o Payback de 3,51 anos e o Índice de Rentabilidade de 2,38.
Estes indicadores contemplam um horizonte temporal de 9 anos. O circuito de refino poderá
ser implementado nas instalações de qualquer pequeno produtor vinícola minimamente
sofisticado. A liquidez gerada por cada unidade poderá ser complementada por intermédio
do desenvolvimento de novos produtos e serviços, tirando proveito da integração vertical da
cadeia de valor, mais concretamente ao nível da produção de Fast-Moving Consumer Goods
(FMCG). A abordagem proposta permite conciliar o ‘velho mundo’ associado à herança
cultural do vinho com o ‘novo mundo’ da inovação tecnológica, contribuindo assim para a
preservação e sustentabilidade, do legado de tradições que está na sua génese.

105

As Novas Geografias
dos Países de Língua Portuguesa
(Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros

106

107

Terra-mãe, território e cartografias
(psíquicas) nas literaturas africanas
de língua portuguesa: alguns exemplos

Pires Laranjeira
FLUC - CLP/FCT

Para os escritores africanos de língua portuguesa (sendo intelectuais urbanos e sintonizados com as culturas da “mundialização”, a vivência próxima da natureza e das culturas
da oralidade ancestral e o conhecimento de línguas bantu, tal como da língua portuguesa
ou dos crioulos), a terra esteve sempre nos seus textos, desde as origens das suas literaturas
escritas (para já não falar aqui das oraturas). A terra, enquanto natureza/ matriz do humano,
tem funcionado nessas literaturas como representação da Mãe, da tellus-mater, da MãeÁfrica (o berço da Humanidade) ou da Mãe-negra. A Mãe-negra, não sendo exclusivamente
um conceito rácico, remete para a mulher-maternidade, numa visão alargada de mulherútero-casa-continente-terra, como se pode apreciar nos três livros de poesia da são-tomense
Conceição Lima: O útero da casa; A dolorosa raiz do micondó; O país de Akandenguê.
Deste último, leia-se o trecho do poema “O amor do rio”:
Magros. São magros estes campos, a fracção que nos detém.
Magra a colheita, a safra instigada, magros os dedos e a mão que os sustém,
magro o grão que brota na cova desta mão.
Crescem muralhas inesperadas, visitante, nestes campos.
Crescem neste viveiro de tenras couves, crescem como carnívoros bolbos no
olho da paisagem.
Nunca a poesia pode ser interrogada como remetendo para a sensibilidade do poeta, da
sua identidade ou emanação do seu sentimento ou condição, mas, por outro lado, também
não se pode desligar o texto das suas condições concretas de surgimento e das referências
e conotações que ele cria e sugere. Também a poesia engajada não pode simplesmente ser
recebida como a descrição de uma situação concreta ou condição social e humana. No caso
de Conceição Lima, subsiste um tipo de engajamento pós-independentista, de consciência
pós-colonial, que implica uma pós-modernidade reivindicativa e de retorno a matrizes da
modernidade (que associa um discurso autorreflexivo, de subjetividade afetiva, à condição
política africana, de rastreio matricial, como nas evocações de Amílcar Cabral ou Kwame
Nkrumah). A paisagem não só não é uma mera geografia abstrata, mas também não
exclusivamente a amostragem de uma condição económica e social (“magros estes campos”;
“Magra a colheita”; “magro o grão”). Por vezes, poesia in-situável, embora se detetem
lugares especificados: São Tomé, África, Gabão (“o país de Akendenguê”, sendo este o
músico e político gabonês), Nilo, etc. No poema transcrito, para lá do território, da natureza e
do amanho da terra, há um plano do simbólico, em que os “campos” e mesmo as “couves”
podem ser interpretados como elementos imagéticos, como indícios dos lugares de produção
da escrita, do acontecimento amoroso, do transcorrer do tempo, sentido que advém de
outras instâncias do discurso, de outras estâncias, da textualidade de longo alcance, mas que
usa imagens e metáforas do território e seu amanho.
O continente africano tem uma conformidade que, em altitude, o transforma numa espécie

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
108

de fortaleza, tanto mais que os picos e os planaltos (Atlas, Etiópia, Quénia, Drakenberg, etc)
ficam nas orlas marítimas. As três principais bacias hidrográficas (Nilo, Níger e Congo) ajudam
a desenhar uma plataforma que, comparando com outros continentes, se pode definir como
um útero poderoso (a savana, a floresta, o planalto) fechado sobre si próprio. Essa é, pois, a
Mãe-África, mãe dos africanos e da humanidade, que, a sul do Sahara, é tratada como Mãenegra. A poetisa moçambicana Noémia de Sousa (1926-2002), na viragem da década de 40,
no livro Sangue negro (1951, policopiado; editado apenas em 2001), apresenta-nos uma
geografia africana simbólica, que recupera do território muito menos a sua história física ou
dos povos ancestrais que a habitam, para traçar um quadro colonial em que o único modo
de desalienação e libertação é justamente tornar o continente um território único, unificado,
generalizado, para simbolizar uma densidade e uma ancestralidade não vivenciadas pela
colonização e, portanto, passível de legitimar a desassimilação e o movimento – romantizado
– de recuperação das raízes, pela afirmação estentórea dessa espacialidade, que é física, mas
sobretudo cultural e ideológica. Constatação essa que não invalida uma referenciação extensa
do espaço moçambicano, seja físico ou social, tanto como cultural. O que aqui interessa é
o canto de esplendor sobre o continente, que, por exuberante, pode passar, a uma leitura
desprevenida ou equivocada, por exotismo, visto a poetisa usar um vocabulário algo comum
aos compêndios luso-tropicalistas:
Ó minha África misteriosa e natural,
minha virgem violentada,
minha Mãe!
(…)
Ó minha Mãe África, ngoma pagã,
escrava sensual,
mística, sortílega --- perdoa!
(in “Sangue negro”)
Todavia, ao lermos um poema intitulado “O homem morreu na terra do algodão”,
percebe-se que a “terra” africana passa a incluir uma semântica política que denuncia a
exploração e opressão coloniais, alargando o campo da geografia física para uma geografia
da dominação e repressão, em que se trata já da “terra negra” (cruzando elementos fortes
do neorrealismo com elementos discretos da negritude):
Do vermelho do sangue jorrado
da boca do homem que morreu escravizado
na terra negra do algodão
Desde o século XIX que a terra é louvada como componente identitária, assumindo,
em primeiro lugar, um valor romântico de espaço “patriótico” (de uma “pátria” dentro da
grande pátria lusitana), como aconteceu com escritores e jornalistas cabo-verdianos e com o
angolano José da Silva Maia Ferreira:
Nada tem minha terra natal
Que extasie e revele o primor,
Nada tem, a não ser dos desertos
A soidão que é tão grata ao cantor.
Mesmo assim rude, sem primores da arte,
Nem da natura os mimos e belezas,
Que em campos mil a mil vicejam sempre,
É minha pátria!
Minha pátria por quem sinto saudades
(in “A minha terra”)
Muito depois, já nas décadas de 40 e 50, a terra foi recortada a partir do território
colonial ocupado (definido em 1884-85, na Conferência de Berlim, através do mapeamento
colonial, que traçou fronteiras segundo zonas de influência das potências coloniais), não já
enquanto espaço organizado e dirigido pelo colonizador, mas como geografia da contestação

Pires Laranjeira
109

anti-colonial e da libertação patriótico-independentista, como se pode ler na poesia do
angolano Agostinho Neto, não por acaso líder do MPLA e fundador do Estado-Nação. Nela,
a terra vai além da simbologia materno-telúrica, se bem que integrando igualmente as duas
componentes, pois ganha amplos significados económicos e culturais de reconhecimento,
mapeamento e reapropriação:
Às casas, às nossas lavras
às praias, aos nossos campos
havemos de voltar
(…)
Às nossas minas de diamantes
ouro, cobre, de petróleo
havemos de voltar
(…)
À bela pátria angolana
nossa terra, nossa mãe
havemos de voltar
(…)
Havemos de voltar
à Angola libertada
Angola independente
(Cadeia do Aljube de Lisboa, Outubro de 1960).
Esta passagem de Maia Ferreira (poema de 1849) a Agostinho Neto (poema de 1960,
às vésperas da luta armada de libertação nacional) marca todo um século de consciencialização
e, com a Conferência de Berlim de 1884, e, depois, a organização sócio-política e cultural
dos africanos, marca a passagem do canto da “terra pátria”, que é somente a terra-mãe e a
África genérica, com laivos de pormenor de uma Angola imprecisa, para o canto do território
que se deseja nação, formando o Estado-nação. Constrói-se, com densidade inusitada, lenta,
mas seguramente, uma comunidade imaginada que, em cada espaço territorial e cultural,
atentando-se em alguns poetas da pré-independência, sejam eles Noémia de Sousa, José
Craveirinha (ambos de Moçambique), António Jacinto, Viriato da Cruz, Agostinho Neto
(todos de Angola), ou ainda Alda Espírito Santo e Francisco José Tenreiro (ambos de São
Tomé e Príncipe), enuncia nitidamente a libertação do território, do povo e da cultura, sendo
que esta continua a sua luta de independência dos modelos eurocêntricos ou ocidentais
após a libertação do colonialismo. Não foi fácil passar de uma geografia mistificada, porque
distorcida (a geografia sem qualidades de Maia Ferreira) ou romantizada (a pequena pátria
no bolso da colonização aceite), para uma geografia cultural e ideológica de grande alcance,
com conteúdo político libertário e libertador para as populações do continente. Como toda
a geografia, é uma geografia inteiramente construída, neste caso porque as palavras são
constructos – subtis e imateriais – que dão alento a quem vive dos e com os materiais (de
aluvião) que a terra fornece: terra, campos, minas, pão, diamantes, árvores (e, já agora,
poesia).
Antes da independência, o poeta angolano Ruy Duarte de Carvalho escrevia, em Chão
de oferta (1972):
Era o mato
a mata
a cor lisa das pedras
e das ramas
o espinho raso
a sombra inacessível
o bruto e agreste piso.
Era a acácia
rara ampola de humidade verde
concentrando

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
110

o derramar espinhoso da tremente sede
nivelada
na escura sucessão das copas baixas.
A interminável dimensão do Sul
e pó.
(in “Novembrina solene. Transmudação das águas”).
Esboçada essa cartografia continental e nacional, é tempo, pois, de a poesia recuperar o
que é local, para mapear mais alargadamente o território cultural e sentimental. Não se trata
de regionalismo, mas de, antes e após a independência de um país, se poder escrever sobre
novos temas e horizontes, incluindo, assim, as geografias localizadas, que pormenorizam
e preenchem o imaginário local, contribuindo para o mapeamento do que é nacional, se
contabilizarmos todos os poetas e suas variadas rotações semânticas. No exemplo de Ruy
Duarte de Carvalho, a chamada votação ao sul de Angola, onde foi criador de gado caraculo,
antropólogo ou visitante dos pastores transumantes (um seu romance-ensaio chama-se Vou
lá visitar pastores), a literatura fundamenta-se na descrição e exposição desses universos
locais que tendem para o desaparecimento. Literatura e antropologia, literatura e geografia,
literatura e ecologia, literatura e política: mapear, geo-radiografar os humanos e seus animais,
descrever procurando não aprisionar, nem intrometer-se, numa busca ecológica, de amizade
e reconhecimento, de aviso à navegação política (para glosar outro título de um livro seu).
Uma (con)vivência rente à natureza, no coração da irmandade entre bichos e humanos.
É assim que chegamos ao cabo-verdiano José Luiz Tavares, autor, com as fotografias de
Duarte Belo, de Coração de lava (2014), um livro a que se pode chamar premonitório (embora
nele se escreva: “Não se vislumbra aqui uma pompeia a haver”; o livro, em si próprio, com
seu título, é uma premonição), por abordar a ilha do Fogo, cujo vulcão entrou em erupção,
como se fosse uma epopeia local (com texto e fotos), declinando o domínio geofísico e
humano. Tal erupção coincidiu com o momento em que o livro estava a ser composto e
estava pronto, como se costuma dizer, para vir a lume. Nele, o jogo entre a representação
(mimese do texto e das fotos) e a imaginação (que transcende o local), como costuma ser
apanágio de Tavares, procurando transmitir uma lição transfronteiriça, para lá da cultura
local e do local da cultura, pode provocar no leitor a falsa impressão de que sabe o que lê,
de que vê realisticamente a ilha que o autor quer dar a ver/ler. Mas não é esse o resultado,
porque, a partir do retrato do real geográfico - uma impossibilidade que a psicanálise
dissolve, dizendo que o real está sempre fora do texto, foi dele expulso, tornando-se nesse
pequeno objeto a) -, o poeta cria uma cartografia, que, parecendo externa ao sujeito, não
é mais do que a projeção dos seus fantasmas no fantasma da escrita: escrita fantasmática,
do sujeito que escapa à mimese, para encenar o fantasma de uma paisagem interior, quer
dizer, anterior à sua aparição na cena do texto. O fantasma da criação, que é a criação de um
fantasma: neste caso cabo-verdiano, o vulcão em erupção. O que aconteceu, na realidade
extratextual, em 2014. Fantasma realizado.
Incompreensível? Não. Trata-se apenas e não é pouco de falar da natureza, do vulcão,
para dizer as populações, um sujeito problemático projetando-se no discurso, enfim, um
projeto de sujeito marcado pela paisagem, pela força de uma natureza explodindo em lava
derramada na terra como uma escrita íntima de fantasmas assombrosos e tenebrosos (a
infância; a escrita, etc.), em que a figura do duplo, do fotógrafo/geógrafo, se torna análoga
da figura do poeta/(auto)psicanalisado, numa geografia que vai da ilha para o sujeito
interpelando-a, interpelando o mundo e interpelando-se:
Não se vislumbra aqui uma pompeia a haver
mas calhava-te bem o formato vila
futura ruína onde as cinzas esvoaçando
roubassem na tarde a quietude quebrantada
que eu converto em sulfurosas palavras
(…)
mineral ternura porém a que germina
no olhar deste fotógrafo sua arte completa
de vedor e geógrafo vai sempre mais fundo

Pires Laranjeira
111

insistindo no concreto e no rugoso de tanta
urdidura quando tudo é passo de retorno
ao ventre amniótico aos campos acesos
numa acrobacia do destino
(…)
E chamam pátria às chãs.
Quando não os emudecem o vento
e o cieiro. Bravios não por sinestesia.
Que tudo aqui é grão ao concreto
conquistado.
(…)
do imo à crosta toda a terra é essa solidez
de lava, e no entanto da canga ao pulso
és esse grito de águia, mudave tal a ilha
em frente e seu perfil de criança estouvada,
levantada num ofício perene, que eu só diviso
da emaranhada tessitura dos versos, pobre
símile da agreste plenitude destas chãs.
Temos, então, esse esquema possível da progressão cronológica e semântica das
geografias realizando-se em terra e gente, num lento processo de constituição de fantasmas
que se recuperam e de sonhos que se realizam e outros que se frustram: amor à mãe-terra;
África romantizada ou mitificada; sonho de comunidade nacional; utopia da posse; igualdade
e poder popular; independência; geografias locais; cultura poética e poeira vulcânica. Ou
seja: do texto das planícies, rios e montanhas ao texto-texto da poesia, com seus povos e
animais, floras e tempestades vulcânicas, se tece a teia que emaranha materiais fluidos e a
fluidez dos sonhos fantasmáticos que se tornaram realidade, por sua vez expulsa dos novos
textos, aborrecidos de utopias.
A poesia africana de língua portuguesa é uma geografia da memória, do afeto e da
imaginação, montada no sonho de levar ao texto as paisagens da história e as pedras dos
caminhos interiores. Porque a natureza – em si, mutante, construída não quer saber de
poesias e segue o seu rumo inelutável, na direção do sol.

Bibliografia literária
Carvalho, Ruy Duarte de (2005), Lavra. Poesia reunida 1970/2000, Lisboa, Cotovia.
Ferreira, José da Silva Maia (1980), Espontaneidades da minha alma. Às senhoras africanas, 2ª ed., Lisboa, Ed. 70
(1849).
Lima, Conceição (2011), O país de Akendenguê, Lisboa, Caminho.
Neto, Agostinho (2011), Fogo e ritmo (24 poemas), V. N. de Cerveira, Nóssomos.
Sousa, Noémia de (2001), Sangue negro, Maputo, AEMO.
Tavares, José Luiz (2014), Coração de lava, Cabo Verde, US Edições.

112

Weather Lore de Pindorama:
o conhecimento sobre o tempo e o
clima no período não instrumental na
antiguidade e no Brasil pré-cabralino
1

João Lima Sant’Anna Neto
Professor Titular Dep. de Geografia
UNESP - Presidente Prudente

“O clima não é apenas ambiente na Terra, isto é, meio em que os seres que
nela existem se banham com satisfação ou dificuldade. É ação e reação,
acomodamento, alterações, novas formas de seres, dotados de qualidades
que retratam esses meios diversos. O clima é assim o artista da vida”. Afrânio
Peixoto, 1938

Zeus lançando raios desde o Monte Olimpo. (afresco de Giulio Romano)

Introdução
As preocupações do homem com os fenômenos originados na atmosfera e que
repercutem na superfície terrestre é tão antiga quanto a sua própria percepção do ambiente
habitado. Desde o início da epopeia humana na Terra, o interesse pelo tempo e pelo clima se
justifica pela indubitável influência que os fenômenos atmosféricos exercem no cotidiano das
populações e em suas atividades econômicas (Sant’Anna Neto, 1998).
O nascimento das ciências atmosféricas - Climatologia e Meteorologia - foi análogo ao
da Astronomia e da Geografia, uma vez que estas ciências, que estudavam os céus e os ares,
se confundiam na visão dos conhecimentos da antiguidade.
Até o final da Idade Média e início da Renascença, segundo Burroughs (1998) as explicações sobre os fenômenos meteorológicos e astronômicos repousavam num conjunto de
saberes empíricos, repletos de manifestações místicas e religiosas. Com estes conhecimentos,
contudo, conviviam elaboradas teorias baseadas em experimentações rudimentares e saberes
desenvolvidos a partir das possibilidades tecnológicas de cada uma das antigas civilizações.
No caso do Brasil pré-cabralino (a terra de Pindorama) este processo não foi diferente.
Em que pese a pouca literatura existente sobre o conhecimento que os povos indígenas,
que habitavam o Brasil no início da ocupação portuguesa, tinham a respeito dos fenômenos
atmosféricos, parece certo que muitos destes povos se preocupavam com o tempo e o clima,
na medida de sua importância, não somente mística, como também no que se relaciona à
suas atividades agrícolas, de caça e comemorativas.
1 - Texto parcialmente apresentado no evento (Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros. Os Países de Língua
Portuguesa e as suas novas Geografias, realizado na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em abril
de 2015.

João Lima Sant’Anna Neto
113

De acordo com Ferraz (1980), este conhecimento era constituído de observações
empíricas passadas oralmente ao longo das gerações, principalmente sobre as posições do
firmamento de estrelas e constelações e a incidência das estações do ano.
Assim, algumas analogias são possíveis de se estabelecer entre o conhecimento empírico
do tempo e do clima (weather lore) da antiguidade, com o existente entre os primitivos
habitantes nas terras de Pindorama (como os indígenas se referiam a sua terra), posteriormente
denominada de Brasil, ainda que pese o fato do desconhecimento da escrita por parte dos
tupis-guaranis.
Neste sentido e com estas considerações, neste artigo são apresentadas algumas reflexões
sobre como o tempo e o clima eram interpretadas antes do período instrumental, ou seja, até
o final da idade média e início da renascença, no mundo e no Brasil.

O Período não Instrumental na Antiguidade
Os primeiros registros de que se tem notícia vieram da Babilônia, entre os anos de 1600
a 1500 a.C., no período do reinado da dinastia dos Hamurabi. A maioria das informações
se refere a presságios e adivinhações relacionados aos astros e suas influências no tempo,
associando-os à sazonalidade agrícola. A respeito do conhecimento empírico do tempo entre
os babilônicos, Verdet (1991) teceu os seguintes comentários:
“De uma observação do estado do céu quando aparece o primeiro crescente
novo da lua, o texto astrológico nos informa o que é preciso esperar do ano:
se o céu está sombrio, o ano será ruim; se está brilhante, o ano será bom; e se,
antes da lua nova, o vento soprar por todo o céu, os cereais serão abundantes”
(Verdet, 1991:15)
Os povos mesopotâmicos, desde os sumérios até os hititas, acreditavam que os
acontecimentos naturais eram tanto consequência de causas específicas, mesmo
desconhecidas, como de sinais dirigidos por uma força superior destinada a manifestar suas
intenções. Aos conhecimentos empíricos, resultados de longas observações, liam o presente
e projetavam o futuro tanto a partir do significado do comportamento dos astros, quanto
dos elementos do mundo natural circundante, como no vôo dos pássaros ou nas vísceras dos
cães (Verdet, 1991).
Encontrava-se na grande biblioteca de Níneve, antes da Babilônia cair sob o poder dos
assírios, um conjunto de tábuas com as descrições das primeiras observações sistemáticas
dos astros e dos meteoros, que culminaram com o estabelecimento de cerca de sete mil
presságios, baseados no comportamento do sol, da lua e das estrelas, associados aos sucessos
ou fracassos das safras agrícolas.
De acordo com Burroughs (1998) tanto os povos que habitaram a Mesopotâmia, como
os egípcios, ocuparam terras férteis comandadas pela dinâmica fluvial de um grande rio,
delimitadas por extensos desertos que comprimiam suas terras agricultáveis, e que, porém,
isolavam seus territórios do mundo exterior.
Mesmo considerando que muito provavelmente o vale do rio Nilo, a cerca de 4000
anos atrás tenha sido mais úmido do que hoje, sua ocupação somente foi possível graças ao
domínio e entendimento do regime das cheias e do aproveitamento de suas várzeas.
Desta forma, ao longo dos séculos, estabeleceu-se uma estreita relação entre o
desenvolvimento desta extraordinária civilização e a progressiva compreensão do regime das
chuvas e a dinâmica fluvial.
O calendário construído pelos egípcios, como nos apontou Mourão (1988), denotava
um forte vínculo entre os ciclos da água e, portanto fonte de sua existência material e, as
combinações astronômicas determinadas pelo posicionamento dos astros. O ano egípcio
contava com exatamente 365 dias, divididos em 12 meses de 30 dias, aos quais, somavamse ao final do ano, os 5 dias restantes. Estes 12 meses eram agrupados em 3 estações de 4
meses cada: a estação da inundação; a estação da germinação; e, a estação da colheita. Esta
divisão e tais denominações parecem indicar que, no momento de sua introdução, o ano
egípcio estava destinado a ser a base de um calendário agrícola.
Pode-se atribuir aos gregos os primeiros estudos meteorológicos com bases racionais,

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
114

no século VII antes de Cristo. Se no início das civilizações, as observações dos fenômenos
atmosféricos possuíam uma conotação religiosa, como afirmava Mourão (1988) “esses
eventos constituíam símbolos de poder divino sobre o ser humano. Assim, eram deuses,
como Júpiter, entre os romanos, ou Zeus, entre os gregos, que comandavam os meteoros”.
A partir de 550 a.C., entretanto, filósofos gregos como Anaximandro, Parmênides
e Eudoxo, estabeleceram os primeiros apontamentos científicos sobre os domínios da
atmosfera. Esta passagem do pensamento religioso para uma atitude mais racional diante do
mundo, e da natureza, se dá com o aumento gradativo da decadência da religião olímpica
grega, quando a própria substância da natureza tornou-se cada vez mais divorciada de
sua significação espiritual, e a cosmologia e a física encaminharam-se para o naturalismo e
empirismo. Segundo Nasr (1977):
“... a partir da dimensão órfico-dionísica da religião grega se desenvolveu a
escola pitagórico-platônica de filosofia e matemática, assim, do conjunto
dos conceitos religiosos olímpicos, esvaziados de seu significado, surgiram
uma física e uma filosofia natural que procuram preencher o vazio e fornecer
uma explicação coerente para um mundo não mais habitado pelos deuses.
O deslocamento geral foi da interpretação simbólica da natureza para o
naturalismo, da metafísica contemplativa para a filosofia racionalista.” (Nasr,
1977:54)
Os gregos não só passaram a se interessar pelos fenômenos atmosféricos, como já
faziam uma clara distinção entre o tempo e o clima, entre a Meteorologia e a Climatologia.
A Meteorologia, para os filósofos gregos significava, literalmente, o “discurso sobre as coisas
do alto”, incluindo os meteoros e os fenômenos ópticos. Climatologia vem do termo grego
Klima, que se refere à inclinação da Terra, bastante próximo de nosso conceito moderno de
latitude (Critchfield, 1966).
Dois séculos antes de Aristóteles escrever o seu tratado “Meteorológica”, Tales de
Mileto (624-547 a.C.), importante estudioso dos escritos astronômicos dos babilônicos, e
um dos precursores da física da Terra, considerava que a água era a base de toda a matéria
e realizou minuciosos estudos sobre seu comportamento. Um século mais tarde, cerca de
400 a.C., Hipócrates relacionava algumas enfermidades ao clima e iniciava, o que mais tarde
denominou-se de Geografia Médica, com sua obra “Ares, Águas e Lugares” (Critchfield,
1966).
Do ponto de vista geográfico, o pensamento grego desenvolvido nas cidades jônicas,
onde Tales viveu, despertara outra ordem de problemas, como as preocupações com os
aspectos físicos da Terra, forma, dimensão, posição da Terra no espaço, etc. Esta dimensão
global, em que se procurava encarar a Terra como um todo, deu origem ao nascimento da
Geografia Geral. Nesta mesma época, Anaximandro (610-546 a.C.) já definia o vento como
um “fluxo de ar” e Parmênides (554-450 a.C.) elaborava uma primeira tentativa de classificar
os climas da Terra em função da latitude, a clássica divisão dos climas em zonas “tórrida,
temperada e frígida”.
Por outro lado, entre os Alexandrinos, Heródoto iniciava a tradição descritiva da ciência,
ao descrever, a partir de suas viagens, os diferentes países e suas paisagens, comparando os
climas, os povos e costumes, dando início ao que conhecemos como Geografia Regional.
Deste modo, percebe-se claramente que os estudos mais gerais sobre a física do globo se
relacionavam com os estudos astronômicos, aproximando a Meteorologia da Astronomia.
Contudo, as descrições sobre o clima estavam mais vinculadas à economia e a adaptação
do homem e sua cultura à natureza circundante, numa abordagem local e regional,
mais vinculadas aos filósofos e historiadores e, portanto, no âmbito dos conhecimentos
humanísticos. A este respeito, De Martonne (1953) afirmava:
“Quando se pensa na fragilidade dos meios de investigação de que os antigos
dispunham, surpreende-nos que a Geografia Geral tenha podido realizar tais
progressos. Nascida com os Jônios, mais resumida do que desenvolvida por
Aristóteles, consideravelmente enriquecida pelos Alexandrinos, procura resolver
os mais altos problemas da geofísica. Não só demonstra a rotundidade da Terra,
como mede as suas dimensões com Erastótenes (cerca de 230 a.C.). Enfrenta
questões hidrográficas e climatológicas: continuidade dos oceanos, teoria

João Lima Sant’Anna Neto
115

das zonas climáticas, origem dos rios e de suas cheias, em especial das cheias
do Nilo. Infelizmente, tudo isso é extraído de considerações muito estranhas
à experiência; a verdade se mistura ao erro, em proporções que então era
impossível deslindar” (De Martonne, 1953:3)
Os eruditos da antiguidade, apesar de realizarem descobertas de significados mais
restritos, tiveram o mérito de que, com seus trabalhos, deram início a uma tradição de
investigação mais detalhada com uma análise racional dos fenômenos naturais.
A idade de ouro da sabedoria grega alcançou seu máximo esplendor com Aristóteles
(384-322 a.C.), discípulo de Platão, cujos escritos tratavam de todos os aspectos do
conhecimento humano desta época. Em seu tratado “Meteorologica”, o filósofo grego se
propôs a descrever tudo o que se relacionava à natureza física do céu, do ar, da terra e do
mar, incluindo todos os fenômenos meteorológicos conhecidos. É da origem do nome desta
obra, que nasceu o termo Meteorologia, para designar o conjunto de conhecimentos sobre
a atmosfera (Stringer, 1972).
Impressiona o volume de informações corretas que Aristóteles descreve e, mesmo
considerando alguns equívocos, como a afirmação de que a Terra está “quieta” no centro do
universo, ou a inabitabilidade das zonas equinociais, definiu a constituição de vários elementos,
como a umidade, por exemplo, afirmando que a evaporação se dá pela intensidade dos raios
solares.
A grande contribuição de Aristóteles, cujos escritos perduraram por longo período sem
que se acrescentasse algo de novo, é a de que procurava apresentar explicações lógicas para
os diversos fenômenos atmosféricos, conhecimentos estes que permaneceram válidos até a
grande revolução científica iniciada com as descobertas de Nicolau Copérnico, Galileu Galilei
e Giordano Bruno, no renascimento europeu, entre os séculos XV e XVI.
Alguns de seus precursores mais próximos, como Teofrasto (372-287 a.C.), que escreveu
“Sobre os Signos do Tempo”, obra que procurava estabelecer sinais do tempo para a previsão
e, Arato (315-245 a.C.), que imortalizou os sinais do tempo em seus poemas “Phaenomena”
deram início aos primeiros estudos sobre a relação atmosfera - espaço geográfico, ao
observarem o comportamento dos elementos associados aos tipos de tempo e o cotidiano
do homem.
Se entre os gregos foi maior o interesse pela física da Terra, pela Geografia geral, estudos
que exigiam maior precisão matemática, entre os romanos, as descrições regionais foram
mais desenvolvidas. Estrabão (60 a.C. – 21 d.C.), que apesar de grego, publicou grande parte
de sua obra em Roma, principalmente a sua Geografia, composta de 17 volumes, é o grande
ícone deste movimento. Descreve todas as regiões conhecidas do entorno do Mediterrâneo,
compara os climas regionais e estabelece relações entre etnologia, costumes e paisagens
naturais.
Tanto Plínio, o Velho (23-79 d.C.), quanto Claudio Ptolomeu (90-168 d.C.), pouco
acrescentaram à obra de Aristóteles, entretanto, assim como Teofrasto e Arato, estabeleceram
relações entre o comportamento do aspecto dos astros e a previsão do tempo. O escritor
romano, Plinio, elaborou uma enciclopédia monumental “Historia Naturalis”, reunindo
todos os escritos greco-romanos, acrescentando os conhecimentos babilônicos e egípcios,
incluindo as superstições e ditos populares sobre o tempo e o clima. Já o grego Ptolomeu, em
sua grande obra “Almagesto”, parte dos conhecimentos de Aristóteles e Hiparco, inclusive,
mantendo o conceito equivocado de uma Terra imóvel (geocentrismo).
Por quase 1500 anos, até a revolução científica desencadeada pelo florescimento do
pensamento renascentista, pouco foi acrescentado ao conhecimento do tempo e do clima
estabelecidos desde a antiguidade clássica.
Segundo Burroughs (1998), durante a Idade Média, o avanço das ciências da atmosfera
esteve sufocado por uma devoção quase religiosa à figura e os escritos de Aristóteles, além
do desenvolvimento de uma “astrometeorologia”.
A rara exceção, fora do mundo árabe, se refere a Roger Bacon (1214-1294), cientista
inglês que no início do século XIII introduziu, de forma crítica, os estudos de Aristóteles
no ocidente e, como defensor do método experimental nos estudos científicos, elaborou
uma série de recomendações a respeito dos fenômenos óticos da atmosfera, notadamente,
explicando o arco-íris e desenvolvendo equipamentos criativos para medir vários meteoros,

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
116

publicado em sua grande obra “In meteora”, de 1270.
Data do século XV, o surgimento dos primeiros inventos de instrumentos meteorológicos
que vão exercer profunda alteração nos processos de estudo dos fenômenos atmosféricos.
Icone Battista Alberti (1414-1472) elaborou um anemômetro constituído de uma biruta e uma
placa que sob o efeito do vento movimentava um mostrador graduado (Mourão, 1988).
Outros aparelhos foram inventados neste período, como o higrômetro por Leonardo
da Vinci (1452-1519), em 1500, e o medidor de umidade de Nicolas Cryfts (1401-1464).
Entretanto, poucas utilidades práticas tiveram estes primeiros protótipos, pois o método
científico ainda não havia penetrado nas mentes dos homens, até que Nicolau Copérnico
(1473-1543), elaborou a teoria de que a Terra girava uma vez ao dia sobre seu próprio eixo
e, uma vez por ano, ao redor do um Sol fixo, assentando as bases para a explicação dos
equinócios, dos solstícios e das estações do ano: a teoria do heliocentrismo.
Ainda que houvesse alguma evolução no campo experimental, mais voltado para as
medições dos fenômenos atmosféricos, do ponto de vista climatológico (e geográfico), o que
se conhecia sobre os climas da Terra ao final do século XV era bastante modesto.
Para se compreender melhor o estágio científico dos povos ibéricos, que mais nos interessa
nesse contexto, há que se levar em conta a influência árabe que, em todo período da Idade
Média foi a responsável por realizar a interface entre o conhecimento das civilizações antigas
com as de seu tempo. Desde os séculos VIII e IX, os árabes traduziram os primeiros textos de
astronomia e geografia de origem indiana, persa e grega.
Segundo Mourão (2000) foram os árabes que trouxeram para a cultura ocidental o
conhecimento da antiguidade, pois,
“A produção literária científica, através dos estudos sobre os conhecimentos
gregos e, principalmente, pelas traduções destas fontes, além de muito extensa
foi muito profunda e variável. Os árabes aperfeiçoaram os saberes helênicos,
criando uma nova visão deste conhecimento. Apesar de pouco conhecida até o
século XVIII, a importância da contribuição árabe assumiu uma nova dimensão
a partir dos estudos dos manuscritos hebraicos pelos arabistas desde meados
do século XIX” (Mourão, 2000:18)
Não se pode ignorar o fato de que os árabes permaneceram na península Ibérica desde
711 (conquista muçulmana), até praticamente a descoberta da América por Cristóvão
Colombo, em 1492. Assim, grande parte do domínio técnico e científico dos portugueses e
espanhóis se deveu aos mouros.
Quando se iniciou a época dos descobrimentos, quase tudo o que se sabia sobre a
Geografia, a Cosmografia e a Astronomia, eram os legados de Aristóteles, Ptolomeu e
Estrabão. Ou seja, um planeta que se alargava por pouco mais de 100o de longitude e 60o de
latitude, formado por uma massa continental (Europa, Ásia e África) e um vasto mar oceano
desconhecido e repleto de mistérios.
A navegação era praticamente costeira, ao longo do Mediterrâneo, do Índico e do mar
do Norte (mesmo considerando que os vikings já houvessem percorrido terras da América
do Norte). Sabia-se algo dos ventos frios polares provenientes do norte e das monções da
Índia. Acreditava-se na existência de terras ao sul (pois pela teoria de Ptolomeu acrescida da
influência árabe, deveria haver terras ao sul, como que para compensar as massas continentais
do norte), mas, era senso comum, que seria quase impossível cruzar a zona tórrida, onde o
calor seria insuportável.
Mesmo assim, a motivação econômica do mercantilismo, as novas tecnologias que
chegaram à Europa através dos Árabes vindas da Ásia, como a bússola, o astrolábio e o
sextante, além da astronomia náutica, incentivaram os povos ibéricos, notadamente os
portugueses, a aventurarem-se para distâncias maiores.
Desta forma, ao lançarem-se à aventura marítima rumo ao desconhecido, os navegantes
portugueses contavam mais com um conhecimento empírico do weather lore, do que um
saber científico tanto sobre a circulação da atmosfera, quanto em relação a uma cosmografia
eficiente e instrumentos náuticos precisos.
Não se pode esquecer que ao aportarem em terras brasileiras, em 1500, além do pouco
conhecimento, o homem ibérico ainda pensava em termos de uma lógica medieval, segundo
a qual os olhos que enxergavam o novo mundo, o enxergavam através de uma lente que

João Lima Sant’Anna Neto
117

filtrava todas as informações, sensações e sentimentos, de uma existência provinciana,
intolerante, preconceituosa (dadas as limitações impostas pela Bíblia) e extremamente
religiosa. É nesta perspectiva que os lusitanos enxergavam, observavam e explicavam a nova
terra e sua gente.
Entretanto, esta “nova gente” encontrada na América, também tinha seus saberes sobre
o mundo das coisas, da natureza e dos homens. Os indígenas de Pindorama possuíam um vasto
conhecimento empírico sobre os principais fatos que se relacionavam com o seu cotidiano.
Em termos do tempo e do clima, este conjunto de saberes, que pode ser denominado de
weather lore, era suficiente para que pudessem estabelecer uma visão de tempo (cronológico
e atmosférico) que interessava à suas atividades econômicas e culturais.

Weather lore de Pindorama: o conhecimento do tempo e do clima
entre os indígenas brasileiros

“Contam perfeitamente os anos com doze meses como os nossos e isso pelo
conhecimento do curso do sol de um trópico a outro e vice-versa. Conhecem os
meses pela época das chuvas e pela época das secas ou, ainda, pelo tempo dos
cajús, assim como nós conhecemos os nossos pela época da vindima”. Claude
d’Abbeville, em 1604, sobre os indígenas brasileiros.
Não é nossa intenção (nem pretensão) realizar um exaustivo levantamento antropológico
e etnográfico dos grupos indígenas que habitavam o Brasil pela época do descobrimento
(e nem teríamos fôlego para tal). Pretendemos apenas um recorte que enfocasse apenas
alguns fragmentos, a partir da bibliografia que nos foi possível consultar, que nos permitisse
analisar a temática proposta e realizar uma pequena incursão pelo mundo daquelas
sociedades primitivas, em busca de alguns indicadores tanto da sua importância quanto do
seu conhecimento sobre o tempo (no sentido atmosférico) e o clima.

Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro. Tela sobre óleo: Oscar Pereira da silva, 1922 (Museu
Paulista)

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
118

Buscamos as fontes bibliográficas clássicas de autores como: Capistrano de Abreu,
Teodoro Sampaio, Florestam Fernandes, Egon Schaden, Herbert Baldus, Arthur Ramos,
Claude Levy Strauss e Darcy Ribeiro, estudiosos da antropologia e etnografia brasileira, além
de Joaquim de Sampaio Ferraz, meteorologista estudioso do weather lore, principalmente no
que se refere aos Tupis.
Além destes, recorremos aos relatos mais antigos dos primeiros europeus que conviveram
com os indígenas. Alguns como os religiosos da Companhia de Jesus, notadamente os padres
José de Anchieta, Manuel da Nóbrega e Fernão Cardim, os capuchinhos franceses Claude
d’Abbeville, Jean de Léry e Yves d’Evreux, em missão de catequese, e outros como Hans
Staden, mercenário alemão que caiu prisioneiro dos Tupinambás por quase um ano. Todos
nos deixaram valiosas informações sobre o conhecimento que os primitivos donos da terra e
habitantes de Pindorama, tinham sobre o tempo e o clima.
Destas obras, nos detivemos mais particularmente nas de Fernão Cardim, de d’Abbeville
e Lèry, e as de Herbert Baldus, tanto pela possibilidade de ter acesso às edições mais recentes
(série Brasiliana e Coleção Reconquista do Brasil, da Editora da USP), quanto pelo caráter mais
generalizado das descrições.
Em que pese a pouca literatura existente sobre o conhecimento que os povos indígenas,
que habitavam o Brasil no início da ocupação portuguesa, tinham a respeito dos fenômenos
atmosféricos, parece certo que muitos destes povos se preocupavam com o tempo e o clima,
na medida de sua importância, não somente mística, como também no que se relaciona à
suas atividades agrícolas, de caça e comemorativas.
Este conhecimento, como afirmava Ferraz (1980), era constituído de observações
empíricas passadas, oralmente, ao longo das gerações, principalmente sobre as posições do
firmamento de estrelas e constelações e a incidência das estações do ano.
Ao comentar alguns aspectos sobre a vida dos Tupinambás, uma das principais tribos que
habitavam as regiões costeiras brasileiras, Fernandes (1989) esclarecia que:
“As informações relativas ao conhecimento dos tupinambás sobre o mundo
natural circundante permitem inferir que eles desenvolveram respostas
eficientes diante de muitos fenômenos naturais. Esses conhecimentos eram
muito extensos, indo da especificação de fenômenos meteorológicos, e de
vários espécimes animais e vegetais e sua utilização até as tentativas de domínio
mágico da natureza” (Fernandes, 1989:78)
O conhecimento do regime pluviométrico, muito útil para se determinar os períodos
chuvosos e secos, se devia à interpretação que faziam da direção dos ventos e o movimento
aparente do sol, associados à observação cosmográfica. Por suposto que este conjunto de
saberes empíricos estava repleto de manifestações místicas e mágicas.
Mesmo considerando que os silvícolas brasileiros se encontravam num estágio cultural
e tecnológico muito inferior em relação aos demais povos sul-americanos como os incas,
por exemplo, é fato que já haviam constituído o seu weather lore, ou seja, um conjunto de
conhecimentos sobre os tipos de tempo, baseados na experiência coletiva e, sistematizado
em suas práticas cotidianas.
Num excelente conjunto de relatos sobre a história da missão dos padres Capuchinhos
na ilha do Maranhão, o teólogo francês Claude d’Abbeville, que chegou ao Brasil em 1604,
com a comitiva de Daniel de la Touche, Senhor de la Ravardiere, no contexto da segunda
tentativa francesa de ocupação de terras americanas para a implantação da França Antártica,
descreveu um paraíso terrestre em plena zona tórrida.
Com os conhecimentos adquiridos a partir dos relatos de seus antecessores (durante a
primeira invasão francesa), Andre de Thevet e Jean de Léry, e as de seu contemporâneo Yves
d’Evreux, d’Abeville descreveu com bastante propriedade os conhecimentos cosmográficos e
meteorológicos dos índios Tupis da província do Maranhão, que já associavam, e se guiavam,
pelos movimentos da declinação do sol.
Afirmava este autor, na mesma obra, primeiramente publicada em 1614, em Paris, que
poucos entre os Tupinambás desconheciam a maioria dos astros e estrelas do hemisfério sul.
As Plêiades, por eles denominadas seichu começam a ser vistas em meados de janeiro e, mal
a enxergam no firmamento, sabiam que as chuvas iriam chegar, como de fato chegavam
efetivamente pouco depois. Ao descrever como os índios contavam o tempo, destacava:
“...como a estrela seichu (Plêiades) aparece alguns dias antes das chuvas e

João Lima Sant’Anna Neto
119

desaparece no fim para tornar a reaparecer em igual época, reconhecem os
índios, perfeitamente o interstício, ou o tempo, decorrente de um ano a outro”
(Abbeville, 1975:250)
Sabiam que quando os raios solares vinham do hemisfério norte, no solstício de inverno,
traziam-lhes vento e brisas, mas quando vinham do sentido oposto, havia chuva e ventos
mais fortes. Esta noção é bastante correta para a maior parte do Brasil, em que grande
parte das precipitações estava associada à penetração dos sistemas polares e das frentes frias
provenientes do sul.
Herbert Baldus, conhecido antropólogo alemão, que nas décadas de 30 e 40 do século
XX, conviveu com várias tribos do Brasil central e publicou em 1937 os seus Ensaios de
Etnografia Brasileira e, alguns anos mais tarde, em 1948, trazia ao público seus estudos sobre
os Tapirapés (tribo Tupi do Brasil central), também mencionava a importância das Plêiades,
como anunciadoras, ao surgirem no horizonte oriental, da estação seca, ou de inverno
(Baldus, 1937 e 1970).
Aliás, segundo Mourão (1978), as inscrições rupestres de Pedra Lavrada, no interior da
Paraíba, registram os desenhos deste aglomerado de estrelas (Plêiades). Ele afirmava que
estas eram conhecidas de todos os indígenas brasileiros e, ao que tudo indica pelo menos
para os grupos indígenas que habitavam a região Nordeste do Brasil, quando as Plêiades se
tornavam visíveis, ao anoitecer, era motivo de alegria e festejo, pois se iniciava um novo ano
(Pimentel, 1980).
Observa-se, portanto, que os indígenas do litoral do nordeste identificavam a chegada
das Plêiades no firmamento como prenunciadoras da época das chuvas, enquanto os que
habitavam o Brasil central a identificavam como o início da estação das secas, demonstrando
o reconhecimento da diversidade climática de nosso território.
Além das observações de natureza astronômica, muitas tribos também incorporaram
em seu repertório o comportamento da fauna e flora tropical, que tanto denunciavam o que
havia por vir, quanto davam sinais do que fazer para se beneficiar (ou se proteger) de suas
variações. As observações sobre as migrações de aves e animais não escaparam à astúcia
dos silvícolas que, inseridos num quadro de uma natureza ainda selvagem, aprenderam seus
ciclos e seus significados.
Como elemento que denota a importância atribuída ao conhecimento do tempo e do
clima entre os grupos indígenas brasileiros, Yves d’Evreux (apud Magalhães, 1968) comentou
que para um índio ser guiado à categoria de Pajé, entre os testes aplicados, verificava-se a
sua capacidade de “curar os doentes com o sopro e prenunciar a chuva”.
Entretanto, o weather lore indígena possuía um vínculo mais estreito com suas atividades do
que meramente uma ação contemplativa. A este respeito, Fernandes (1989) salientava que:
“O que me levou a analisar este aspecto do problema em termos da economia
é o fato de associarem a tais conhecimentos, finalidades práticas. Assim, toda
a importante cosmografia tupi refere os fenômenos cosmológicos conhecidos
empiricamente através de sua regularidade, a variações de estação e de cultura
agrícola, aos ventos, à chegada das chuvas, etc...” (Fernandes, 1989:78)
É claro que num país de dimensões continentais como é o caso do Brasil, o regime
climático é bastante diversificado. Entretanto, como a maior parte de seu território se situa
na faixa intertropical, os dois elementos meteorológicos que mais preocupavam os indígenas
eram a periodicidade das chuvas e os fenômenos extremos, como as rajadas de ventos,
relâmpagos e trovoadas. Também parece certo que atribuíam aos deuses, a ocorrência de tais
fenômenos, como sinal de sua ira ou bonança.
Aliás, enquanto demonstravam enorme respeito e veneração pelo sol, fonte de todas
as coisas e dos seres viventes, tinham forte temor pela lua, pois identificavam-na com os
mistérios da noite e como responsável pelos maus espíritos das trevas. Não é à toa que
nunca dormiam, independentemente do local, na maloca ou em áreas externas, sem que
acendessem fogueiras mantidas vivas durante a noite inteira (Fernandes, 1948).
O fim da estação chuvosa marcava de maneira significativa o cotidiano da vida na tribo.
A maior parte dos grupos indígenas esperava ansiosa e impacientemente que as chuvas
diminuíssem, o que ocorre entre abril e maio, na região centro sul do Brasil, para iniciarem

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
120

as cerimônias – a maior de todas – que marcavam o início da estação seca. Para os Carajás e
outras tribos do centro oeste, quando as águas dos rios baixavam, iniciava-se um novo ano.
Este fato também se associava ao período de maior abundância de caça, pesca e obtenção
de alimentos (mandioca e milho, principalmente).
Isto de se deve ao fato de que, tanto as atividades sociais quanto aquelas relacionadas às
guerras contra tribos rivais, estavam associadas às cerimônias e rituais, quando se consumiam
grandes quantidades de cauim, bebida preparada à base de mandioca, milho ou caju. Nestas
ocasiões, os índios bebiam e festejavam por vários dias, como um ritual de preparação para
estas empreitadas. Caso não houvesse uma quantidade suficiente dos produtos usados para
a fabricação do cauim, as cerimônias não se realizavam e os ataques aos inimigos eram
abortados. Isto demonstra a importância dada ao conhecimento da sazonalidade do clima e
ao significado do curso anual do período das águas.
Sobre este aspecto, há uma interessante passagem na obra “Duas Viagens ao Brasil”,
escrita por Hans Staden, que teve enorme repercussão na Europa no século XVI e que foi
primeiramente publicada em língua portuguesa em 1892, na Revista do Instituto Histórico
e Geográfico Brasileiro. Este mercenário alemão ao desembarcar na região de Bertioga, no
litoral norte de São Paulo, ao lado dos portugueses e seus aliados os Tupiniquins, sofreram
violento ataque de seus maiores inimigos, os Tupinambás e, caindo prisioneiro destes,
permaneceu cativo por quase um ano, podendo, assim, observar cuidadosamente os hábitos
e o cotidiano dos indígenas.
Ao relatar sobre a importância da sazonalidade do clima nos rituais tribais e nos
preparativos das guerras, descrevia:
“Tínhamos que nos acautelar especialmente contra os tupinambás duas vezes
por ano, épocas em que, com violência, penetram na região dos tupiniquins.
Uma destas épocas é em novembro, quando amadurece o milho, que chamam
abatí, e com o qual preparam uma bebida chamada cauim. Empregam também
aí a raíz de mandioca, de que misturam um pouco. Logo que voltam de sua
excursão guerreira com abatí maduro, preparam a bebida e devoram nesta
ocasião os seus inimigos, se conseguirem aprisionar alguns. Já um ano inteiro
antes esperam com alegria o tempo do abatí” (Staden, 1974:77)
Se no início da estação chuvosa, em meados de novembro, os Tupinambás invadiam as
terras Tupiniquins para colherem o milho, ao final da estiagem em agosto, retornavam para
esta região litorânea, para obterem mais víveres, a partir da pesca, por ocasião da desova
dos peixes nos estuários abundantes que se encontram na baixada santista. A este respeito,
completava o autor:
“Além disto, devíamos contar com eles em agosto. Neste tempo procuram
uma espécie de peixe que emigram do mar para as correntes de água doce,
para aí desovar. Esses peixes se chamam paratí. Nessa época empreendem eles
em geral uma excursão guerreira a fim de melhor poderem aprovisionar-se de
víveres. Pescam grande número de peixes com pequenas redes. Também os
atiram com flechas e trazem muitos assados para casa” (Staden, 1974:77-78)
Infelizmente, o rápido extermínio e a implacável assimilação cultural de numerosas tribos
não permitiu que se pudesse aprofundar o conhecimento sobre suas culturas materiais e
espirituais. Porém, durante quase três séculos de convívio, quase sempre conflituoso, com
os portugueses colonizadores, muitas de suas tradições, crenças e conhecimentos sobre o
tempo, o clima, a agricultura e outros aspectos da vida cotidiana foram incorporados como
valores culturais do povo brasileiro.

Considerações Finais
É possível a afirmação de que o conhecimento que os diferentes povos tinham sobre o
tempo e o clima até o final da Idade Média e início das Grandes Navegações, em meados do
século XV, não se encontravam em patamares tão distantes. O conhecimento empírico ainda

João Lima Sant’Anna Neto
121

prevalecia nas culturas em que o pensamento aristotélico era dominante, como na Europa,
Oriente Próximo e no Mediterrâneo. Somente com as revoluções científicas do Renascimento
é que uma postura mais experimental e científica toma corpo.
Assim, quando os primeiros colonizadores portugueses desembarcaram em terras de
Pindorama, se depararam com um weather lore indígena que, apesar de incipiente, dava
conta das principais questões que importavam, como a agricultura e a caça. Pouco foi
acrescentado pelos colonizadores no início do processo de ocupação.
Evidentemente, a contribuição indígena à meteorologia e à climatologia foi incipiente,
inferior não só à dos portugueses, como à africana. Porém, o conhecimento adquirido neste
período pré-científico foi responsável pelas primeiras informações e, durante séculos, as
únicas disponíveis, sobre o tempo e o clima do Brasil.

Bibliografia
ABBEVILLE, Claude. História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão e terras circunvizinhas. Belo
Horizonte:Itatiaia e São Paulo:Edusp, 1975. 297 p. (coleção Reconquista do Brasil, v. 19)
BALDUS, Herbert. Ensaios de Etnologia Brasileira. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1937. 346 p. (Série Brasiliana,
vol 101)
__________. Tapirapé: tribo tupí no Brasil Central. São Paulo: Cia Editora Nacional/ Edusp, 1970. 510 p.
BURROUGHS, William, J. et al. Observar el tiempo. Barcelona: Planeta, 1998.
CRITCHFIELD, Howard J. General Climatology. New Jersey: Printice-Hall, 1966.
DE MARTONNE, Emmanuel. Tratado de Geografia Física. Lisboa: Cosmos, 1953.
FERNANDES, Florestan. A organização social dos Tupinambás. São Paulo: Hucitec/ Ed. da UnB, 1989. 325 p. (série
Ciências Sociais, 25)
FERRAZ, Joaquim de Sampaio. A meteorologia no Brasil. In: Fernando de Azevedo (org) As ciências no Brasil. São
Paulo: Melhoramentos, 1980. p. 205-240.
MAGALHÃES, Jósa. Previsões folclóricas das secas e dos invernos no nordeste Brasileiro. In: Florival Seraine (org.)
Antologia do Folclore Cearense, Fortaleza: Henriqueta Galeno, 1968.
MOURÃO, Ronaldo R. de Freitas. Explicando Meteorologia. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1988. 119 p.
________. A astronomia na época dos descobrimentos. Rio de Janeiro: Lacerda, 2000. 486 p.
NASR, Seyyed Hossein. O homem e a natureza. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.
PEIXOTO, Afrânio. Clima e doenças no Brasil. Rio de Janeiro:Imprensa Nacional, 1907.
__________. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1908.
__________. Clima e Saúde. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1938. (Série Brasiliana, vol. 129).144 p.
__________. Climas do Brasil. In: Congresso Brasileiro de Geografia, 9, 1940, Florianópolis, Anais: Rio de Janeiro:
CNG, 1942. vol 2, p. 390-398.
PIMENTEL, Altimar A. Sol e chuva: ritos e tradições. Brasília: Thesaurus, 1980. 116 p.
SANT’ANNA NETO, João L. História da Climatologia no Brasil: gênese e paradigmas do clima como fenômeno
geográfico, 2001. Tese de Livre Docente, UNESP/FCT. Inédita
STADEN, Hans. Duas viagens ao Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia e São Paulo: Edusp, 1974. 216 p. (coleção
Reconquista do Brasil, v. 17)
STRINGER, Edward T. Foundation of Climatology. San Francisco: Freeman, 1972.
VERDET, Jean-Pierre. Uma história da Astronomia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

122

A fotografia como leitura da
transformação da paisagem

Luísa Ferreira
Fotógrafa

(UNL/FCSH/CICS.NOVA)

Sou fotógrafa e encontro-me a desenvolver doutoramento em Geografia e planeamento
territorial, área de especialidade Geografia Humana na Faculdade de Ciências Sociais e
Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Nessa investigação pretende-se compreender o
papel da fotografia como documento, reflexão e comunicação no âmbito da Geografia.
A fixação do real através da lente, o acto fotográfico, ainda não tem dois séculos de
existência. A sua importância no desenho do mundo contemporâneo é incontornável. Como
registo histórico e científico ganhou um lugar próprio complementando o discurso escrito.
O recurso à fotografia como documento de estudo e interpretação do processo que o
tempo tece sobre a paisagem é a primeira instrumentalização que a ciência, em particular a
geografia, pode fazer deste meio. A criação de tipologias com recurso à imagem fotográfica
tornou-se ela própria uma matriz de análise científica.
Ao confrontar duas sensibilidades e áreas de conhecimento (geografia e fotografia),
deparei-me com leituras diferentes do papel da fotografia. Inicialmente propuz-me fazer um
inquérito ao qual responderam 22 pessoas das 42 inquiridas. Destaco duas de um Físico e
de um Químico.
A fotografia na geografia.
O que é para si a fotografia?
José Mariano Gago (1948-2015), cientista, investigador na área da Física de
Partículas, ex-Ministro da Ciência e Tecnologia:
Fotografia é estar com os outros, mostrar-lhes, ver.
A fotografia é VER.
(26.9.2014)
Jorge Calado (n. 1938), cientista na área da Química e curador:
Primeiro, olha-se; depois vê-se. Na transição está uma fotografia real ou virtual,
com ou sem máquina.
A fotografia é Geografia.
(3.10.2014) e (13.10.2014)
Considera-se que o geógrafo Orlando Ribeiro (1911-1997) reconheceu precocemente
a importância da fotografia para veicular conceitos e narrativas e não apenas para afirmar e
descrever.
Orlando Ribeiro no documentário sobre a sua obra refere:
… a base da minha educação científica é a observação …1

1 - Orlando Ribeiro, Itinerâncias de um Geógrafo. Primeira Emissão: 18 Set 2014
http://www.rtp.pt/play/p664/e166082/orlando-ribeiro [17 Fev 2015]

Luísa Ferreira
123

Os Encontros de Fotografia de Coimbra mostraram o seu trabalho no festival internacional
de fotografia em 1994, onde publicaram o livro “Finisterra” 2 com organização e textos de
Tereza Siza (n. 1948), investigadora em fotografia. Posteriormente, em 1997, no Centro
Cultural Raiano foi realizada uma exposição com fotografias de Orlando Ribeiro tendo como
tema as terras de Idanha3 com textos dos geógrafos Orlando Ribeiro, Suzanne Daveau, Jorge
Gaspar, J.M. Pereira Oliveira, Angel Cabo Alonso, Rui Jacinto e de Tereza Siza.
O Professor Jorge Gaspar, também particularmente atento ao papel da fotografia na
Geografia, escreveu no mesmo catálogo:
Se o objectivo primeiro da Geografia é o conhecimento da Terra, não estranhará
que o aparecimento da fotografia no século XIX tenha representado uma nova
perspectiva para o trabalho dos Geógrafos.
Ao mesmo tempo que se procedia à consolidação e ao aperfeiçoamento das
técnicas fotográficas, até à sua industrialização no último quarto do século XIX,
verificava-se o progresso e a afirmação da moderna Geografia, como disciplina
científica.
O fotógrafo Duarte Belo, que fez estudos em arquitectura, publicou em 2012 um livro4
com fotografias de sua autoria que partem de fotografias de Orlando Ribeiro, paginando as
duas lado a lado, podendo ver-se a transformação da paisagem através do tempo.
Sobre o discurso que pode ser conseguido conjugando o poder do texto e da imagem,
refere-se o artista visual, fotógrafo e teórico Allan Sekula (1951-2013), em Fish story5, a
aproximação aos lugares e à linguagem são constituídas por um misto de texto e imagem
completo. Este discurso não compromete o cariz científico dos seus documentos, conferindolhes um maior alcance perceptivo e semântico.
Como afirmou John Szarkowski,
The invention of photography provided a radically new picture-making
process — a process based not on synthesis but on selection.6
Por isso é actual o contributo que fotógrafos de formação têm dado ao registo fotográfico,

2 - Orlando Ribeiro, Finisterra, Encontros de Fotografia, ed. Centro de Estudos de Fotografia de Coimbra, com textos
de Jorge Gaspar , Suzanne Daveau e Tereza Siza, 1994.
3 - Orlando Ribeiro e as terras de Idanha, catálogo da exposição de fotografia com textos de Orlando Ribeiro, Suzanne Daveau, Jorge Gaspar, J.M. Pereira Oliveira, Angel Cabo Alonso, Rui Jacinto, Tereza Siza, ed. Centro Cultural
Raiano, Idanha-a-Nova, 1997, p. 7
4 - Duarte Belo, Portugal - Luz e Sombra, O País depois de Orlando Ribeiro, Círculo de Leitores/Temas e Debates,
2012.
5 - Fish story, Allan Sekula, 1995, sobre o trabalho de Sekula pode-se ler no paper nº 18 da TATE “Bill Roberts
argues that Fish Story 1989–95 by the photographer and theorist Allan Sekula expresses a shift from a culture of
postmodernism to one of globalism and reflects the artist’s effort to renew realist art in the wake of the postmodern culture of the 1980s. … Indeed, it was during the mid-1980s that the geographical focus of Sekula’s artistic
work began to widen beyond that of early projects such as Untitled Slide Sequence 1972, Aerospace Folktales
1973, and This Ain’t China: A Photonovel 1974, works that took as their focus the social world of the aerospace
and service economies of Sekula’s own southern-Californian milieu. Sekula’s trilogy of ‘geography lessons’ began
in 1983 with Sketch for a Geography Lesson, a work comprising text and photographs mostly produced in West
Germany, on the subject of American military aggression during President Reagan’s resurgent Cold War. The trilogy continued in 1985–6, with Geography Lesson: Canadian Notes, a reflection on Canada, its industrial economy, and its fraught relationship with its more powerful neighbour. Completed between 1989 and 1995, the third
instalment of this trilogy, the exhibition and book project Fish Story (fig.1), saw Sekula’s career-long pursuit of a
contemporary ‘critical realism’ reach its most complex articulation yet. Fish Story did much to place consideration of
globalised commodity production and distribution firmly on the table for art’s documentary and ‘social turn’ of the
mid-to-late 1990s and the first decade of the new millennium, while it also marked Sekula’s first sustained exploration of the ocean as a key space of globalisation, a subject to which he has returned in subsequent photography and
film projects.” Tate Papers Autumn 2012 © Bill Roberts [20 Fev 2015]
http://www.tate.org.uk/research/publications/tate-papers/production-view-allan-sekulas-fish-story-and-thawingpostmodernism
6 - John Szarkowski, The Photographer’s Eye, introdução do catálogo da exposição com o mesmo nome, realizada
em 1964 no MoMA de Nova York, Szarkowski (1925-2007) foi director de Fotografia do MoMA, fotógrafo, curador,
historiador e crítico. http://www.jnevins.com/szarkowskireading.htm [15 Fev 2015]

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
124

reflexão e comunicação no âmbito da Geografia, como que sujeitando aqueles locais a uma
nova revelação. É esse o poder da fotografia e é-lhe exclusivo.
Em França o ministério do ambiente criou em 1991 o Observatório fotográfico da
paisagem.
Le principe d’un Observatoire photographique du paysage consiste à
effectuer des prises de vue sur un territoire donné, qui seront par la suite rephotographiées dans le temps. Ainsi, seront traqués les signes qui permettent
de lire les évolutions du paysage et mieux les comprendre. Apportant un regard
parfois incisif sur les contradictions et les ruptures du paysage contemporain, il
peut amener à prendre les mesures correctrices qui s’imposent.
Outil pour l’aménagement, il peut aussi constituer un important dispositif
pédagogique pour infléchir les comportements des populations.7
Fotografar um território repetidamente no tempo. Uma série de fotografias realizadas
em locais selecionados, com intervalos de tempo regular, permite analisar os mecanismos e
os factores de transformação da paisagem, os movimentos, a evolução da sociedade.
Parte do meu trabalho como fotógrafa tem sido sobre o território. Passarei de seguida a
apresentar alguns projectos que desenvolvi nesse âmbito.
A convite do Geógrafo Rui Jacinto8 e de Joaquim Morão, à época Presidente da Câmara
de Castelo Branco, desenvolvi em 19989 um trabalho fotográfico documental sobre Fernando
Namora que deu origem a uma exposição individual e um livro “Fernando Namora itinerário
de uma obra”.
Um itinerário fotográfico a partir do escritor e da geografia da sua obra. O percurso de
vida de Fernando Namora 10 anos após a sua morte. Parte do trabalho fotográfico foi guiado
pela leitura da sua Autobiografia, da conversa com as pessoas que o conheceram e pela sua
obra literária.
Condeixa e a Beira Baixa. Ponto de partida e espaço de descoberta e
encantamentos, representam referências incontornáveis na formação da
identidade do autor e do imaginário da sua obra.

Desde que o médico de 22 anos mergulhou nos recônditos lugares da Beira,
representativos da matriz mais profunda de Portugal, tem lugar um percurso
que foi sendo paulatinamente enriquecido à medida que a geografia se ia
alargando, inspirando reflexões que permitissem compreender melhor o
homem na pluralidade de contextos onde desenvolve a sua acção. Vivendo um
período vertiginoso em que a história acelarou e as geografias das aldeias, vilas
e territórios associados à sua obra se foram recompondo, a escrita de Namora
revela a preocupação de enquadrar estas mudanças, de interpelar o homem no
confronto com as suas interrogações, angústias, incertezas e contradições que
estes processos sempre envolvem.10
Rui Jacinto
Através da fotografia revisitam-se lugares, território da sua família, territórios por onde
ele terá passado como médico, personagens, paisagens, paisagem interior, objectos pessoais,
7 - itinéraires photographiques, Méthode de l’Observatoire photographique du paysage, Ministère de l’Écologie,
de l’Énergie, du Développement durable et de l’Aménagement du territoire, www.developpement-durable.gouv.
fr [15 Fev 2015]
8 - Rui Jacinto, Comissão de Coordenação da Região Centro, CCDRC; Geógrafo do CEI, CEGOT da Faculdade
de Letras da Faculdade da Universidade de Coimbra
9 - Fernando Namora, itinerário de uma obra, fotografia de Luísa Ferreira, introdução de José Manuel Mendes,
e “Fernando Namora, nome para uma vida” com textos de Rui Jacinto, Palmira Leone, José Manuel Mendes,
Miguel Pessoa, António Pedro Pita, Lino Rodrigo, Câmara Municipal de Castelo Branco, 1998.
10 - Rui Jacinto, O itinerário de Fernando Namora e a geografia da sua obra, “Fernando Namora, nome para uma
vida”, p 21 e 22

Luísa Ferreira
125

construíndo assim uma narrativa com fotografias. Percorri a Serra do Rabaçal, Vale Florido
(aldeia de origem da sua família nas serras calcárias de Sicó), Condeixa (onde nasceu em
1919 e onde se encontra actualmente a Casa Museu), Coimbra (onde conclui a licenciatura
em 1942), Tinalhas (onde teve o seu primeiro consultório), Castelo Branco, Monsanto (a sua
última casa com a mulher do seu segundo casamento), Pavia, Alentejo, e Lisboa, percursos
ligados à vida e obra de Namora.
A convite dos Geógrafos investigadores e coordenadores do projecto “Cidade e Território
– Coimbra o País e o Mundo”11, com que a Geografia de Coimbra se associou à Capital
Nacional da Cultura 2003, colaborei com o Instituto de Estudos Geográficos da Faculdade de
Letras da Universidade de Coimbra, e com o Centro de Estudos Geográficos, num trabalho
documental sobre o Geógrafo Alfredo Fernandes Martins (1916-1982).
Boa parte da investigação foi dedicada às terras da Beira, da fervilhante
Bacia do Mondego, palco para a dissertação de licenciatura, ao pedregoso e
despovoado Maciço Calcário Estremenho, que estudou para doutoramento.
O dinâmico Centro Litoral, o estudo da evolução da costa, as descrições das
paisagens humanizadas e Coimbra, cidade que o viu nascer e crescer, como
cidadão e académico, mereceram uma atenção particular e apaixonada.12
Lúcio Cunha
A narrativa fotográfica foi orientada pelo encontro e pelas conversas com os Geógrafos
António Campar, Fernanda Cravidão, Lúcio Cunha, António Gama, Rui Jacinto, J.M. Pereira
Oliveira, entre outras pessoas que o conheceram e pelo encontro com a filha, Paula Fernandes
Martins. Apoiou-se ainda na análise de fotografias existentes e na leitura dos Cadernos de
Geografia.
O percurso pelos territórios de investigação do geógrafo, os objectos, as fotografias, os
livros, a cidade de Coimbra, a Universidade, foram os temas desenvolvidos.
Alfredo Fernandes Martins, Fred, fotografava as suas visitas de campo, como por exemplo
o Maciço Calcário Estremenho, objecto da sua tese de doutoramento13. Fiz, em 2003,
com os Geógrafos Lúcio Cunha e António Gama uma visita de campo ao Maciço Calcário
Estremenho, numa revisitação fotográfica ao caso de estudo de Fred, os locais estudados e
fotografados pelo geógrafo.
Sobre António Gama, discípulo de Fred, escreveu Jorge Gaspar em 2014 na revista Finisterra:
Em contraponto, mas sempre no mesmo registo de intelectual-cientista em
plena pureza, ocorriam as demonstrações performativas perante uma paisagem
campestre ou num encadeado aparentemente insolúvel de complexas estruturas
geomorfológicas. Então, talvez sem se dar bem conta disso, era um continuador

11 - Coimbra, o país e o mundo - Geografia e mudança, título de um projecto realizado pelo Centro de Estudos
Geográficos, financiado pelo POCentro (Programa Operacional da Região Centro) e por Coimbra, Capital Nacional
da Cultura- 2003, “através dele procura-se mostrar à cidade e ao país a importância social e cultural da ciência
do espaço, das paisagens e dos territórios”; foram realizadas três exposições com fotografias de Luísa Ferreira e de
arquivo dos espólios dos geógrafos - “Fragmentos de um retrato incabado: a Geografia de Coimbra e as metamorfoses de um país” (Reitoria da Universidade de Coimbra: 3 de Dezembro de 2003 a 12 de Janeiro de 2004); “Olhar
o Mundo, ler o território: uma viagem pelos mapas”, colecção Nabais Conde (Museu da Ciência e da Técnica: 12 de
Dezembro de 2003 a 25 de Janeiro de 2004); “Esta Coimbra... Alfredo Fernandes Martins, a cidade e o cidadão”
(Reitoria da Universidade de Coimbra: 26 de Janeiro a 6 de Março de 2004); publicados os catálogos – “Fragmentos
de um retrato incabado: a Geografia de Coimbra e as metamorfoses de um país”, “Alfredo Fernandes Martins Geógrafo de Coimbra, cidadão do Mundo”; “Olhar o Mundo, ler o território: uma viagem pelos mapas”. http://
www.uc.pt/fluc/ceg/actividades/jarealizadas/coimbrapaismundo/coimbrapaismundo [1 Fev 2015]
12 - Contornos de uma obra e da ideia de geografia, Lúcio Cunha no livro “Alfredo Fernandes Martins Geógrafo
de Coimbra, Cidadão do Mundo”, coordenação António Campar de Almeida, Fernanda Delgado Cravidão, Lúcio
Cunha, António Gama, Rui Jacinto, Coimbra: Instituto de Estudos Geográficos, Centro de Estudos Geográficos,
Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2006.
13 - Maciço Calcário Estremenho: contribuição para um estudo de geografia física, Alfredo Fernandes Martins,
Tese de doutoramento em Ciências Geográficas apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra,
publicada em 1949

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
126

do seu mestre Fernandes Martins, mas também de outros desvendadores das
formas de relevo da nossa meseta, Orlando e António Ribeiro ou António de
Brum Ferreira, cujas performances sugeriam a convocação de grandes artistas
das formas visuais e auditivas.14
António Gama (1948-2014), geógrafo de Coimbra, foi docente no Instituto de Estudos
Geográficos e Investigador no Centro de Estudos Geográficos da Faculdade de Letras da
Universidade de Coimbra. As suas publicações abrangem temas da Geografia Social, processos
de urbanização, Geografia Política e questões de Epistemologia das Ciências Humanas.
Cultivava, com orgulho e eficiência, uma oralidade de proximidade.
A iluminá-lo, a imensidão de livros amontoados que em sua casa o cercavam
literalmente, mesmo nas divisões mais improváveis.15
João Ferrão
Naquilo que se refere à minha investigação de doutoramento, “A fotografia como leitura
da metamorfose do Porto de Lisboa. Um Atlas do tempo que passa.” o caso de estudo é o
território da margem direita do rio Tejo, o Porto de Lisboa. Por isso apresento seguidamente
algumas imagens e reflexões sobre o tema.
Na ordem natural das coisas, o rio precede a cidade. Se fosse possível fotografar
do céu o estuário do Tejo no decurso da sua existência milenar, os fotogramas
montados em sequência revelariam um traçado dinâmico, serpenteando a
um ritmo frenético. Sob a influência dos astros, dos movimentos da terra, das
sucessivas alterações climáticas e consequentes alterações do nível do mar,
essa linha de água avançaria e recuaria, estendendo braços, inundando bacias,
criando e abandonando meandros, recortando diferentes perfis de território.16
Pretende-se utilizar a fotografia como ferramenta de divulgação do conhecimento
científico e de um olhar crítico, analítico e criativo sobre a evolução que se tem verificado no
Porto de Lisboa.
Esta permitirá analisar a reconfiguração dos vários cais ao longo de décadas e as suas
diversas utilizações.
A construção de um Atlas de imagens para estudo do Porto de Lisboa. Um Atlas para
cada cais, formará assim um Atlas maior. O recurso à organização Atlas, confrontando épocas,
morfologias e socio-geografias através da fotografia, pretende desenvolver um outro ponto
de vista sobre os complexos e nunca lineares fenómenos da evolução. Através da escrita será
feita a análise das imagens apresentadas no Atlas. As cartas militares, as plantas da cidade
e as cartas hidográficas completam o estudo do espírito do lugar da margem direita do
estuário do rio Tejo.
Recorrer-se-à a imagens de arquivos e imagens produzidas pela autora.
O período de tempo escolhido para este estudo é o período de tempo da fotografia,
desde o seu início até à actualidade.
Tentar-se-à tirar partido deste meio que, apesar de já não ser novo, é cada vez mais
contemporâneo, para aportar à zona de investigação um mundo de imagens. A fotografia
será o documento e o modelo interpretativo para analisar os casos de estudo.

14 - António Gama ou uma “certa tradição geográfica”, Jorge Gaspar Centro de estudos geográficos do instituto
de geografia e Ordenamento do território da Universidade de Lisboa, Finisterra - Revista Portuguesa de Geografia
no.99 Lisboa jun. 2015,
http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0430-50272015000100012&lng=es&nrm=iso [15 Jul 2015]
15 - António Gama: um geógrafo peculiar, João Ferrão, ICS - Instituto de Ciências Sociais da Universidade de
Lisboa, artigo de homenagem a António Gama Mendes, http://passos-perdidos.blogspot.pt/ [15 Mar 2015]
16 - Excerto da introdução p. 2 “Estudo de intenções para o Porto de Lisboa, na área entre Belém e Matinha,
APL, 1ª fase”. Equipa: Aires Mateus, associados, Lda. Bugio II, arquitectura Lda. Pedro Domingos, arquitectos Lda.
Arquitectura - Coordenação Manuel Mateus, arquitecto. Arquitectura - João Favila, arquitecto Pedro Domingos,
arquitecto Teresa Goes, arquitecta. Textos - Diogo Seixas Lopes, arquitecto. História - Rui Tavares, historiador.
Consultado no Porto de Lisboa, Sem data.

Luísa Ferreira
127

Porque sou fotógrafa a minha vida é a observação constante do sentir e do ver.
A linguagem utilizada é uma mistura de imagens e palavras. A própria escrita, repleta de
citações, como uma colagem, tem essa forma de discurso heterogéneo.
Textos e imagens que gravitam em torno de um tema, deixando o fio condutor da história
aos seus leitores, tal como na consulta de um Atlas.
O ponto de vista expresso não é distante, tem que ver com a formação de um fotógrafo
que olha através da lente. Muitas das referências são circunstanciais e afectivas e não
históricas. É a partir da fotografia que se partirá para a escrita, recolha, colagem de citações,
apropriação. Na forma como o pensamento é organizado não se distinguem as imagens das
palavras.
O advento da fotografia, na era da mecanização foi decisivo para a construção do Mundo
Visual em que hoje vivemos. As imagens representam-nos.
Neste sentido, Italo Calvino (1923-1985) em Visibilidade17, sua quarta proposta para
este milénio em que já nos encontramos, refere o ‘cinema mental’ implícito na produção e
visualização das imagens, desde antes da invenção do próprio cinema, e que ‘nunca deixa de
projectar imagens na nossa visão interior’.18
Fotografar é hoje uma banalidade e as imagens proliferam, estão em todo o lado.
Com as “tecnologias do visível”,19 como refere Pedro Miguel Frade (1960-1991), em
constante evolução, quase todas as pessoas passam a vida a fazer imagens, imagens em
movimento, imagens paradas, nítidas, desfocadas, coloridas, a preto e branco. Vivemos
acompanhados por memórias registadas em fragmentos de papel, película, digital, imagens
reais e virtuais.
O nosso mundo é essencialmente imagético. Como se cada um de nós tivesse nascido
num poço de imagens que molda a nossa percepção do mundo.”20
Há aqui lugar para propôr: eu sou aquilo que vejo.
Considera-se que a produção neste contexto terá a genuinidade do instantâneo
fotográfico e será um documento vivido de uma mutação, transformação.
Em termos científicos, aguarda-se que seja simultaneamente uma reflexão que desta
forma só poderia ser tida neste momento e que se torne ela própria um documento singular
de análise post factum.

Bibliografia
Alfredo Fernandes Martins Geógrafo de Coimbra, Cidadão do Mundo, coordenação CAMPAR DE ALMEIDA,
António, CRAVIDÃO, Fernanda Delgado, CUNHA, Lúcio, GAMA, António, JACINTO, Rui. Coimbra: Instituto de
Estudos Geográficos, Centro de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2006.
CALVINO, Italo, Seis propostas para o próximo milénio. Lisboa: Teorema, 1990.
FERREIRA, Luísa, Fernando Namora, itinerário de uma obra, introdução de José Manuel Mendes, Castelo Branco:
Câmara Municipal de Castelo Branco, 1998.
FRADE, Pedro Miguel, Figuras do Espanto. Lisboa: Edições Asa, 1992.
Fernando Namora, nome para uma vida, textos de Rui Jacinto, Palmira Leone, José Manuel Mendes, Miguel Pessoa,
António Pedro Pita, Lino Rodrigo. Castelo Branco: Câmara Municipal de Castelo Branco, 1998.

17 - Italo Calvino, Seis propostas para o próximo milénio, Teorema, 1990, p.103.
18 - Calvino, ibidem, p. 103.
19 - Pedro Miguel Frade, Figuras do Espanto, Lisboa, Edições Asa, 1992, p. 7.
20 - Branco, de Luísa Ferreira, projecto apresentado à Escola Superior de Design do IADE para cumprimento dos
requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Design e Cultura Visual, opção de especialização em
Estudos de Fotografia. Branco é um trabalho desenvolvido a partir do auto-retrato, traçando um percurso que
passa pela auto-representação para construír a noção de ficção identitária. Esta, por sua vez, é baseada na expressão “aquilo sou eu”, no sentido em que eu sou as minhas percepções. Refere a inevitabilidade do corpo na
criação de espaço. Aborda o conceito de arquivo nas suas formas e propósitos, e assinala a sua importância para
a construção da identidade. Reflecte sobre as potencialidades e a finalidade da fotografia no contexto actual.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
128

Portfolio de Luísa Ferreira, centrado na série sobre o escritor Fernando Namora e
sobre o geógrafo Alfredo Fernandes Martins, Centro de Estudos Geográficos.

Fotografia, geografia, arquivo, documento, 2003

Vale Florido, da série “Fernando Namora itinerário de uma obra”, 1998

Universidade de Coimbra, da série “Fernando Namora itinerário de uma obra”, 1998

Luísa Ferreira
129

Casa-Museu Fernando Namora em Condeixa, da série “Fernando Namora itinerário de uma obra”, 1998

Monsanto, da série
“Fernando Namora itinerário de uma obra”, 1998

Monsanto, da série
“Fernando Namora itinerário de uma obra”, 1998

Biblioteca do Centro de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, da série Alfredo
Fernandes Martins Geógrafo de Coimbra, Cidadão do Mundo, 2003

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
130

Choupal nos campos do Mondego, da série
Alfredo Fernandes Martins Geógrafo de Coimbra,
Cidadão do Mundo, 2003

Mondego, da série Alfredo Fernandes Martins
Geógrafo de Coimbra, Cidadão do Mundo, 2003

Visita ao Maciço Calcário Estremenho
com António Gama e Lúcio Cunha,
da série Alfredo Fernandes Martins
Geógrafo de Coimbra, Cidadão do Mundo, 2003

Maciço Calcário Estremenho,
da série Alfredo Fernandes Martins
Geógrafo de Coimbra, Cidadão do Mundo, 2003

António Gama (1948-2014), geógrafo na sua biblioteca em casa, da série Alfredo Fernandes Martins Geógrafo
de Coimbra, Cidadão do Mundo, 2003

Lúcio Cunha
131

Finalmente o encontro:
voltando ao início de uma migração
no filme “Central do Brasil”,
de Walter Sales (1998)
Fátima Velez de Castro

CEGOT/Departamento de Geografia
Universidade de Coimbra

Uma criança e uma mulher encontram-se, por um trágico acaso, no maior terminal
ferroviário do Brasil. Daí resulta uma sublime viagem Sul-Norte de regresso ao início de uma
migração “desencontrada”, porém paralela, que os pais dessa criança tinham empreendido
alguns anos antes, na direcção Norte-Sul, fitos na cidade do Rio de Janeiro.
Esta história, escrita em imagens, conta a geografia do ciclo da pobreza (Pain, 2001) das
populações desfavorecidas, as quais por falta de oportunidades económicas e laborais justas
(Sen, 2003) não conseguem realizar uma inclusão social digna (Borba e Lima, 2011) no lugar
de origem, decidindo por isso deslocar-se. A busca de um território de destino migratório
nem sempre resulta na realização da expectativa projectada pelos indivíduos. Este facto foi
percebido pelo casal de migrantes, que vivendo desencontrados, compreenderam a urgência
em voltar a casa. Todavia é o filho que consegue consubstanciar o encontro desejado pelos
pais, regresso que implicou uma primeira viagem ao lugar inicial da concepção e que a
criança desconhece, mas com o qual desenvolveu uma imaginária, ainda assim complexa,
relação topofílica.
É um comovente reencontro num tempo de desencontros, que termina numa geografia
feliz.
1.Começo: a história do encontro
Esta história começa numa das maiores e mais conhecidas estações ferroviárias do Brasil
– a Central do Brasil. Começou por se chamar, em 1858, a “Estação do Campo”, depois
“Estação da Corte” e “Estação D.Pedro II”. A designação “Central do Brasil” já era comum
entre os usuários, porém foi a rodagem do filme com o mesmo nome que formalizou, em
1998, o nome da estação. Esta exigência tornou-se um imperativo dado o sucesso da obra
junto do público, que se reconheceu neste território de encontros e desencontros, onde
convergem as principais linhas de caminhos-de-ferro do Brasil.
No barulho infernal e no corre-corre do quotidiano de milhares de pessoas, o realizador
apresenta-nos Dora, uma professora primária aposentada que escreve diariamente cartas
para analfabetos migrante, numa pequena banca no grande átrio desta estação. Ela
é o ponto de partida do ciclo da pobreza de PAIN (2001), personalizado neste caso pela
multiplicidade de indivíduos que a procuram para refazer a viagem, o regresso ao ponto
de partida, através de uma carta. Os seus clientes analfabetos são eclécticos: homens e
mulheres; adultos em várias etapas etárias; origens geográficas diversificadas. Apenas um
ponto em comum: são indivíduos que se deslocaram de várias partes do Brasil em busca de
oportunidades de trabalho, do acesso a dispositivos sociais e económicos condignos (SEN,
2003). É uma população pobre que continua pobre após o processo migratório, em parte
devido ao conjunto de obstáculos que se lhes vai colocando em diversas dimensões da vida
(BORBA e LIMA, 2011), nomeadamente um fundamento de base estrutural que lhes foi vetado
– o acesso à educação.
É neste contexto que a escrevedora de cartas conhece Ana, a mãe de Josué. Ana fugiu à
dureza da vida no norte do Brasil e ao alcoolismo do marido, tendo-se deslocado para o Rio
de Janeiro quando estava grávida do seu filho. Passaram alguns anos e o filho quis conhecer

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
132

o pai; Ana também tem saudades do marido e pretende o reencontro.
Dora escreve a carta que devia seguir no correio mas, tal como faz com tantas outras,
deixa-a condenada ao esquecimento. Juntamente com Irene, personagem-antípoda de Dora,
decidem, mais do que o destino das cartas, o destino das pessoas e julgam-nas pelas suas
decisões, pelos conteúdos que querem dar a conhecer aos destinatários. O curso normal
acaba por ser o não envio, ou seja, a permanência no “purgatório” da gaveta. Segundo
Camargo (2009) Dora não é só uma prestadora de serviços – paga para escrever cartas – mas
assume-se como uma autoridade junto da população analfabeta, pois é ela que controla não
só o conteúdo (só escreve o que quiser, da forma que entender), como também interpela
a comunicação. É esta relação de poder (Lucci, 2011) que trava o acesso dos indivíduos à
liberdade de escolha do seu próprio destino, condicionando-os à dependência imaterial de
um canal de comunicação que, naquele contexto, só ela controla.
É por isso que Ana volta a procurar Dora para escrever uma segunda carta e Josué pergunta
pelo destino da primeira. A escrevedora de cartas, uma personagem permanentemente
amarga e frustrada, não gosta de ser questionada mas acaba por sucumbir à pergunta
da criança, para não levantar suspeitas – disse que ainda não tinha enviado, mas que iria
enviar. Josué quer muito encontrar o pai, pois só tem a mãe como único parente ou amigo
naquela metrópole tão impessoal. Ele quer ir ter com o progenitor, adivinhando a viagem ao
lugar inicial da concepção, que desconhece na realidade, mas com o qual desenvolveu uma
imaginária, ainda assim complexa relação topofílica (TUAN, 2001).
Minutos mais tarde Josué perderá a mãe, que morre atropelada, e fica sozinho. Tem
apenas no mundo, pensa ele, o pai, que mais não é do que uma afirmação existencial
provada pelas palavras de uma carta, que se encontra na posse de Dora. Dora é portanto
desde esse momento providencial, ainda que inicialmente contraditório, a única pessoa que
o pode ajudar a empreender e consubstanciar o encontro desejado pelos pais, o regresso ao
lugar de origem, que ele próprio desconhece, mas também deseja.

2. Depois do começo: o início do regresso
Esta viagem é o reflexo ficcionado de uma realidade apresentada no ciclo da pobreza
de PAIN (2001). A autora apresenta pontos-chave de caracter estrutural – falta de acesso
condigno a educação, emprego, habitação, justiça, saúde – que são visíveis ao longo de todo
o filme.
A segurança é um deles. Dora apercebe-se que Josué fica sozinho e perigosamente
vulnerável no átrio da Central do Brasil e decide tirar proveito monetário, vendendo-o a
Pedrão, o líder de um grupo de criminosos que faz a manutenção da segurança da estação
em troco do pagamento ilícito e coagido do serviço por parte dos pequenos comerciantes,
que ali estabeleceram os seus negócios em lojas ou bancas ambulantes. Primeiro atrai Josué
até sua casa, um pequeno apartamento que se localiza na periferia da cidade, sem áreas
verdes visíveis e com uma densidade e construção muito elevada. É aí que Josué conhece
Irene, com a qual simpatiza de imediato. Será esta personagem a voz da consciência de Dora,
que se arrependerá de ter vendido a criança a Pedrão em troca de dinheiro, o qual gastará
para comprar uma televisão a cores.
Dora coloca-se em perigo para resgatar Josué. O reencontro será fatal, já que o grupo de
criminosos – anteriormente disfarçados de uma pretensa agência de adopção internacional –
não permite retornos. A escrevedora de cartas decide então fugir da cidade e, aparentemente,
cortar laços com o seu lugar habitual de vivência, pedindo a Irene que venda tudo o que puder
do seu pequeno e pobre apartamento. Josué, magoado e confuso, reage de forma agressiva,
dificultando o desejo de Dora em o acompanhar na viagem para a sua casa inicial, para o
lugar da concepção, porém ela precisa de o seguir. Num verdadeiro instinto de sobrevivência
individual e de responsabilidade sobre aquela criança, empreende a viagem Sul-Norte, com o
objectivo de encontrar o pai e a restante família de Josué e a eles o entregar em segurança.
Já não é só de Ana esta urgência. Também Dora e Josué pretendem voltar ao início de um
percurso e de um projecto migratório que não é o deles (Haas, 2010), porém empreendido
anos antes pelos pais da criança, e que resultou num desencontro. É hora de voltar.

Fátima Velez de Castro
133

3. A viagem: o percurso de Dora e Josué e a relação com os lugares
A viagem, feita de autocarro, é longa e com várias paragens, voluntárias e involuntárias.
Por um lado, há momentos em que Dora quase desiste e pensa em não acompanhar Josué;
por outro lado, nem sempre há transporte regular para o(s) destino(s) pretendido(s). A
viagem não se torna longa, mas antes complexa e reveladora de aspectos relacionados com
a dinâmica individual das personagens, os seus dramas e aspirações, assim como com a
vivência territorial fora do ambiente urbano.
Na primeira parte do percurso Dora expõe o seu trauma de infância, ao se embriagar em
público, situação comum no seu pai alcoólico com o qual pouco privou. Também Josué se
embriaga, confirmando a possibilidade de repetição do facto na geração seguinte. Há uma
pausa neste ponto da história, que se revelará num encontro com o passado. Tendo perdido
de novo o autocarro, exaustos e famintos, um camionista – César - oferece comida e dá
boleia aos dois viajantes. Dora revê na figura do camionista a figura do que tinha sido o seu
pai, do ponto de vista profissional, e recorda a infância. César, como evangélico, sente-se
prevaricador ao lado daquela mulher: primeiro quando é instigado a consumir álcool, numa
das paragens para a refeição; mais tarde, quando inadvertidamente acoberta o roubo de
comida numa das lojas para a qual transporta mercadorias. Dora insinua-se afectivamente
e o camionista, receoso de um compromisso e atreito à liberdade que lhe dá a estrada,
abandona-os numa paragem de autocarros, para desespero de Dora.
Para sair daquele lugar com Josué, troca o último bem que lhe resta – um relógio - por
duas viagens numa carrinha de peregrinos que segue para uma romaria. A chegada é tensa
e após uma discussão entre ambos, Dora sucumbe de exaustão.
É nesta parte da história que se dá o ponto de viragem no ciclo da pobreza. Josué,
aproveitando as competências educativas da professora reformada, e analisando as
necessidades de comunicação dos peregrinos, incentiva a Dora a retomar a sua actividade
como escrevedora de cartas. Mais uma vez a população analfabeta, também ela exterior ao
centro de peregrinação, requisita o serviço para enviar notícias e feitos milagrosos para as
famílias que ficaram em casa. Só num dia, conseguem dinheiro suficiente para se hospedarem
num modesto hotel, fazer uma refeição condigna e descansar convenientemente.
Destaque-se o papel da religião em todo o percurso (Santos, 2006). A imagem da Nossa
Senhora e do Menino Jesus “aparece” ao longo do todo o filme: na pequena capela da
estação de comboios; num quadro no apartamento de Dora; na romaria, durante o fogo de
artificio e no local de pagamento de promessas. A vivência da espiritualidade e a convergência
para um espaço de adoração, onde se dá o próprio milagre da viragem na história de Dora
e Josué, apresenta-se como um pilar na vida de muitos intervenientes no filme, uma vez que
é a espiritualidade que os faz suportar as agruras da vida e aceitar as limitações. O realizador
destaca este aspecto, enfatizando-o como possibilitador da prossecução do itinerário, uma
vez que são os peregrinos que permitem a obtenção de rendimentos materiais necessários.
Recuperados e remediados, seguem para a última etapa da viagem.

4. A chegada: finalmente o encontro
A primeira morada da casa do pai de Josué está errada, ou melhor dizendo, já não está
actualizada. É um outro Jesus que lá mora, também com a esposa e filhos, como que a
representar a família que poderia ter sido a da criança em viagem.
Mas a chegada de dois forasteiros à pequena povoação depressa chega ao conhecimento
dos irmãos mais velhos de Josué - Isaías e Moisés – que querem conhecer “os amigos do
pai”. Sem nunca se darem a conhecer a si nem às verdadeiras intenções, a mulher e a criança
travam conhecimento com o seu quotidiano, com a casa e o bairro onde vivem. Apesar de se
tratar de uma habitação modesta num traçado arquitectónico monótono e de baixo custo,
os irmãos tiveram espaço suficiente para instalar uma promissora oficina de carpintaria. Além
disso, a ausência de tráfego e o espaço exterior da rua, permite que os três irmãos joguem
futebol e convivam com grande à vontade e em segurança (Pain, 2001). Saberão em breve
que são irmãos, no entanto a empatia imediata entre ambos permite perceber que a viagem
e o seu propósito estão quase concluídos.
Nas cenas últimas dá-se finalmente o encontro. Dora junta duas cartas no mesmo lugar,
sobre um móvel e sob a fotografia do casal: Ana escrevera a Jesus, dizendo que desejava

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
134

o reencontro; Jesus pedira a Ana que o esperasse, pois também ele viajara para a grande
cidade e ansiava retornar. Pararia apenas uns tempos no garimpo, todavia a extrapolação
do prazo de regresso leva a pensar que não o fará mais. Josué e os irmãos quedam-se com
diferentes graus de esperança e expectativa. Certamente entenderão que a família está de
novo reunida, no tempo e espaço que lhes é possível. Entretanto Dora sente que a sua
missão está cumprida e deixa Josué na sua “casa”. Como recordação, cada um fica com
uma foto tirada na romaria, em que ambos pousam ao lado da imagem do Padim Padre
Cícero. Também ela finalmente se reencontra enquanto pessoa e enquanto mulher após
imenso tempo de desencontros. A cena final, em que Josué se apercebe da partida da sua
companheira de viagem, e em que Dora, envergando o vestido que a criança lhe oferecera
de presente, segue pela estrada ao romper do novo dia, deixa ao espectador em jeito de
conclusão: a de que a viagem de regresso culminou numa geografia feliz.

5. Bibliografia
Borba, Andreilcy Alvino; Lima, Herlander Mata (2011) – “Exclusão e inclusão social nas sociedades modernas: um
olhar sobre a situação em Portugal e na União Europeia”. Serviço Social e Sociedade, nº106 (Abril/Junho), pp.219240.
Camargo, Fabíola Helena (2009) – Representação do analfabeto no filme “Central do Brasil”. Universidade Estadual
de Campinas, Monografia de Licenciatura em Letras – Português, Brasil, 34 pp.
Haas, Hein (2010) – “Migration and development: a theoretical perspective”. International Migration Review, nº44,
41 pp.
Lucci, Elian Alabi (2011) – “A nova ordem mundial e a geografia do poder”. Ciência Geográfica, XV, Vol.XV (1),
pp.13-17.
Pain, Rachel et al (2001) – Introducing Social Geographies. Arnold Publishers, Nova Iorque, 308 pp.
Santos, Maria da Graça Mouga (2006) – Espiritualidade, turismo e território: estudo geográfico de Fátima. Principia,
Lisboa, 704 pp.
Sen, Amartya (2003) – O desenvolvimento como liberdade. Gradiva, Lisboa, 384 pp.
Tuan, Yi-Fu (2001) – Space and place. The perspective of the experience. University of Minnesota Press, EUA, 235
pp.

135

O filme condicionando imagens e
induzindo o turismo: o caso da “Roliúde
Nordestina” no Cariri Paraibano
Luciano Schaefer Pereira

Doutorando em Geografia
Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra

Ingrydy Schaefer Pereira

Mestranda em Antropologia
Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal de Paraíba

Desde 1921, a microrregião paraibana do Cariri tem sido representada por inúmeras
produções cinematográficas que utilizaram o município de Cabaceiras como cenário. Com
o filme “O Auto da Compadecida” (1998), baseado na obra do poeta paraibano Ariano
Suassuna, a cidade tem se tornado foco de turismo induzido pelo filme, tendo os gestores
públicos criado, a partir de 2007, a marca ‘Roliúde Nordestina’ para o município, através
de um projeto que torne Cabaceiras um polo cinematográfico. Este projeto, entretanto,
não resultou em melhorias socioeconômicas para a população local, cuja expectativa é que
este fluxo turístico, assim como a chegada constante de novas produções à cidade, traga
consequências mais efetivas. Por outro lado, a produção fílmica realizada na região leva para
outras áreas do país uma imagem de pobreza, ruralidade e seca, incentivando uma visão
estereotipada do Sertão nordestino, o que pode ser explicado baseado nas teorias da política
das representações, propostas por Hall (1997).
Introdução
O turismo fílmico, ou turismo induzido pelo filme, consiste em uma nova modalidade do
turismo cultural usado, por vezes, como sinônimo de turismo cinematográfico. Em termos
conceituais, nesta modalidade se inserem os recursos turísticos de cultura popular, como as
locações de uma determinada obra que é difundida nos meios televisivos, cinema ou internet,
e que acaba servindo como uma mola propulsora para as atividades turísticas, ao divulgar
uma determinada região que, agora, adentrará no universo turístico com uma rota cultural.
O filme tem o papel, neste caso, de recriar o território, gerando um novo atrativo
extremamente distinto às condições históricas e culturais do local recriado e formando novos
valores que são incorporados às películas exibidas. Como um dos impactos mais importantes
que o cinema traz ao turismo, além do fato de servir como um disseminador de imagens
motivadoras à prática turística, é a “capacidade de traduzir como ‘real’ o imaginário” (Campo
et al., 2014: 161), ou seja, estabelece um conjunto de representações, que será discutido a
posteriori.
Desde 1921, o município de Cabaceiras, localizado na microrregião do Cariri Oriental,
no Estado da Paraíba, tem se tornado cenário de inúmeras produções cinematográficas
nacionais, o que possibilitou adotar a alcunha de ‘Roliúde Nordestina’. Este nome fantasia,
utilizado desde 2007, reinventou o espaço geográfico local, dinamizando a economia
e modificando a qualidade de vida da população local, sendo uma tática comum para a
construção de uma marca registrada e tornando-se um símbolo identitário para a região. A
ligação entre turismo, território e cinema, mesmo que indiretamente, vêm de longa data, e
o processo de globalização tem facilitado a disseminação de imagens que tem o papel de
fortalecer este laço. Assim, as imagens relacionadas ao cinema, acabam por influenciar os
destinos de viagem, principalmente nas últimas décadas e, no caso do Cariri Paraibano, em
um período temporal menor. Os arredores do município de Cabaceiras, em especial o lajedo
de Pai Mateus, ao se tornar cenário obrigatório de uma série de filmes produzidos na região,

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
136

tornou-se símbolo icônico do semiárido sertanejo. Entretanto, no imaginário da população
de parte do país, a imagem que se tem da região Nordeste é de uma área degradada,
com gravíssimos problemas socioeconômicos e sem nenhum atrativo de ordem natural.
Dependendo da maneira como o cinema perpetua esta imagem, acaba tendo culpa por esta
deturpação da realidade.
Este trabalho propõe discutir duas questões primordiais que envolvem cinema, turismo
e geografia: a possibilidade do fluxo turístico à região ter sido induzido pelos filmes que
usaram como palco a cidade e; sob a ótica da política das representações, proposto por Hall
(1997), o papel desta cinematografia para construir a imagem reproduzida do Cariri para
outras regiões do país e, quiçá, do mundo e como esta política se territorializa no espaço,
criando estereótipos e prejudicando a imagem. Entretanto, considerando a complexidade
e multiplicidade dos discursos e conceitos acerca deste tema, manteremos à margem o
histórico engendrado pelas Ciências Sociais, através de autores como Moscovici, Durkheim
ou Levi-Bruhl, por exemplo, cujo tema foi recorrente em suas obras.
O turismo induzido pelo filme e o Cariri
O cinema tem diversos papeis para a sociedade moderna: entreter, divulgar e incentivar,
um ‘soft power’, onde o peso de cada um deles depende de como o filme é interpretado
nas mentes de quem o vê, que é uma consequência da maneira como o filme constrói as
representações e imagens, do ponto de vista cultural, e que será discutido mais adiante.
Um espectador pode assistir uma determinada película, praticamente sem visão crítica,
com o único intuito de passar 90 minutos longe da realidade vivida, num sentido estrito de
entretenimento. É muito comum, entretanto, pessoas se deslocarem para um determinado
local como consequência da motivação que a imagem exibida em um filme impulsiona,
cuja intenção do turista, dessa maneira, é vivenciar um pedaço da realidade exposta nas
imagens, sejam dos aspectos naturais, sejam dos aspectos culturais (Busby; Klug, 2001). Ou
seja, o cinema tem o papel de influenciar comportamentos e formar opiniões, dinamizando
atividades, sejam elas positivas ou não. O deslocamento até o local em que um filme foi
gravado inclui benefícios esperados de ordem funcional, social, emocional, epistêmica
e condicional como resultado da percepção que o espectador tem das imagens assistidas
(Tapachi; Waryszak, 2000: 38).
Temos, nesse caso, o que Beeton (2005) chama de turismo induzido pelo filme, como
uma especificidade do turismo cinematográfico, que é algo bem mais restrito. Deste modo,
o turismo induzido pelo filme tem a capacidade de turistificar determinados territórios,
podendo reinventar este espaço enquanto destino turístico, gerando novos efeitos, positivos
ou negativos. Afinal, o cinema tem papel fundamental na maneira como conceitualizamos
determinado território e, posteriormente, no modo como o vivenciaremos durante a atividade
turística.
Esta prática turística, segundo a autora, pode se desenvolver ‘on- location’, ou seja,
em cenários abertos, ou ‘off- location’, quando gravadas em estúdios. Em locais onde esta
atividade ‘on- location’ está consolidada, empresas turísticas desenvolvem tours ao longo dos
cenários e locais de filmagens, como igrejas, casas, entre outros, festivais comunitários e a
reinvenção dos locais (Rilley et al., 1998).
Este turismo fílmico traz aspectos positivos e negativos: entre os positivos, a não
necessidade de sazonalidade turística, que pode estar presente o ano inteiro e em qualquer
situação climática (Schofield, 1996: 335). Como aspectos negativos, quando o fluxo é intenso,
ressalta-se as mudanças no cotidiano da população local, como no trânsito, maior circulação
de pessoas, aumento dos preços, entre outros.
Segundo Beeton (op. cit., p. 45), este destino turístico acaba por envolver uma gama
de negócios, como o setor de transportes, acomodação, refeição, entre outros, gerando
emprego e dinamizando a economia, às vezes revitalizando um espaço que estava ocioso
e dando novas perspectivas à população local. Os organizadores de marketing de destino
utilizam quatro estratégias para atrair visitantes, residentes e negócios: imagem, atrações,
infraestrutura e marketing pessoal, tendo a imagem e as atrações um papel crucial (Kotler
et al., 1993).
Uma estratégia para potencializar a imagem turística da região é justamente investir
em seus patrimônio cultural e natural, desagregando a imagem de lugar pobre e agrário

Luciano Schaefer Pereira | Ingrydy Schaefer Pereira
137

para um sítio onde o pitoresco e exótico se entrelaçam de maneira harmoniosa. O Sertão
Nordestino, nomeadamente, é reconhecido como uma região pobre, seca e agrária, e as
imagens reproduzidas nos filmes que possuem esta região como locação colaboram nesta
situação. O belo pôr-do-sol sobre o lajedo de Pai Mateus, a vegetação xerófita típica, as
pequenas casas coloridas, a igrejinha em frente à praça, o povo simpático, seus pratos típicos
tendo o bode como matéria-prima são alguns exemplos de reconstrução de uma imagem
que substitua uma imagem negativa de pobreza e seca, gerando uma identidade que pode
tornar-se ícone turístico se adequadamente desenvolvido.
Esta situação paradoxal em que o cinema se insere torna-se, no mínimo, curiosa e motivo
de reflexão: um instrumento indutor de imagens e um instrumento de imagem orgânica,
duas realidades contrastantes, separadas por uma tênue linha de difícil nitidez. A imagem
negativa transmitida pela filmografia poderia ser substituída pensando-se numa lógica de
cinema induzido, comprometendo a liberdade da obra criativa ao implicar novos meios de se
ver o sítio reproduzido, e seu povo.
Cabaceiras, a ‘Roliúde Nordestina’
O município de Cabaceiras localiza-se na microrregião do Cariri Oriental, na mesorregião
da Borborema e na sub-região do Sertão nordestino, segundo a regionalização de Rodriguez
(2002), a cerca de 190 Km de João Pessoa (figura 1).
Segundo o Censo 2010, sua população é de 5035 hab., espalhados em uma área de cerca
de 453 Km2, o que resulta em uma densidade demográfica de um pouco mais de 11 hab/ Km2.
Os indicadores socioeconômicos da região Nordeste estão entre os mais baixos do
país, sendo a sub-região sertaneja a grande ‘região-problema’ do Nordeste, onde estas
características negativas se potencializam. Consiste em uma região deficitária, do ponto
de vista econômico, cuja economia se baseia em minifúndios policultores de subsistência
e pecuária tradicional. Em alguns locais específicos, entretanto, desenvolveram-se ilhas de
modernidade, como os arredores de Petrolina (PE)- Juazeiro (BA), no Vale do São Francisco,
com seus pomares de frutas (melão e uva) ou Mossoró (RN), com a exploração de petróleo e
sal, e agricultura moderna com cultivo de frutas (melão e manga). Ademais, sua população
possui os mais baixos índices de desenvolvimento humano do país.
Do ponto de vista físico, o município localiza-se no Planalto da Borborema, no interior
do ‘Polígono das Secas’, onde o clima semiárido é um dos mais rigorosos do Brasil, com
precipitações na ordem de 300 mm/ ano, considerado o local mais seco do país. O meio
biótico florístico adaptou-se a esse rigor climático, desenvolvendo xeromorfismos, enquanto
os recursos hídricos apresentam déficits anuais, passando parte do ano em condições de
intermitência.

Fig. 1 - Localização do município de Cabaceiras, inserido na Mesorregião da Borborema, na Microrregião do Cariri Oriental.
Fonte: Silva (2014: 9)

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
138

Com respeito ao geopatrimônio, destaca-se o famoso Lajedo do Pai Mateus (figura 2),
um lajedo formado por caos de blocos de rochas monzograníticas que serviu de cenário para
inúmeras produções, como novelas e filmes, sejam de ficção quanto documentais, pela sua
beleza cênica incomparável, o que possibilitou ser conhecido por boa parte dos brasileiros.
Este cenário, ao se tornar marcante, acaba por se associar à imagem do Cariri, gerando
um símbolo que é utilizado, inclusive, pelos meios midiáticos para promover a propaganda
local.
A estas características naturais entrelaçam-se um patrimônio cultural que simboliza o
cotidiano de seu povo. Por este motivo, misturado a outros de ordem técnica, Cabaceiras,
mais que qualquer outro lugar na região, tem se tornado destino de produções fílmicas,
sejam cinematográficas ou televisivas, cujas narrativas, no geral, retratam as condições
socioeconômicas da população, ambientado em um cenário de semiaridez.

Figura 2- As funcionalidades do Lajedo do Pai Mateus. a) Visão ampla do lajedo e de seus caos de blocos; b) cenário
da novela “Aquele Beijo”, da TV Globo, produção de 2011; c) entrada ao Lajedo, com a cabana que serviu de
cenário, conforme visualizados na fig. 2b.
Foto: 2a- Marcos Nascimento; 2b- G1; 2c-Marcos Nascimento.

Da filmografia produzida em Cabaceiras, boa parte se refere a documentários, de curta
ou média- metragem, executados por realizadores locais, que mostram o cotidiano da
população da região, desde 1921. Entretanto, o filme que deu notoriedade ao município foi
“O Auto da Compadecida”, produção de 1998, com elenco nacional e baseado na obra do
poeta paraibano Ariano Suassuna. Embora a narrativa seja passada em Taperoá, cidade-natal
do autor, a cidade de Cabaceiras foi escolhida como cenário parcial do filme, que se tornou
a maior bilheteria nacional do ano 2000. Considerando que o filme “torna-se geográfico
pelos espaços que representa e pelas percepções territoriais que estimula” (Fernandes, 2013:
242), a escolha de Cabaceiras pouco influencia no resultado final pois ambas se localizam
no Cariri e possuem uma paisagem natural e cultural, a grosso modo, similar. O alto nível de
popularidade desta obra possibilitou atingir um público maior, que se tornou potencial turista
cinematográfico. Desta maneira, um espaço degradado economicamente ganhou centralidade

Luciano Schaefer Pereira | Ingrydy Schaefer Pereira
139

turística ao se tornar a imagem da narrativa literária de Suassuna, reconhecidamente mística
e folclórica. Criou-se, assim, novas narrativas de regeneração que se basearam no patrimônio
cultural urbano e rural e seu geopatrimônio, onde os signos e sinais embasaram estas novas
representações do espaço.
Se a associação literária, que ocasiona representações culturais, é algo recorrente em
outras partes do mundo, como Praga de Kafka ou a Nova Inglaterra de Henry Thoreau, para
dinamizar e promover o turismo em algumas localidades, tal atividade no Brasil é incipiente,
servindo como divulgador do patrimônio natural e cultural, e se fortalecendo quando levado
às telas, pois a imagem tem um forte poder significador, como veremos adiante. No caso
do Sertão, em especial o Cariri, a figura do escritor e poeta Ariano Suassuna tem tido papel
crucial, pois alguns de seus livros acabaram se tornando obras fílmicas. O universo místico,
baseado em literatura de cordel, do filme “O Auto da Compadecida” ou da microssérie
“O Romance da Pedra do Reino”, por exemplo, com forte impacto visual, faz com que a
paisagem natural tenha um papel predominante na história, e também foram cruciais para a
escolha do sítio selecionado. O Cariri tornou-se marcante na obra de Suassuna, assim como
a obra de Suassuna é importante divulgador da paisagem do Cariri.
Assim, o município de Cabaceiras tem se tornado um destino turístico induzido pelos
filmes apenas recentemente, assumindo a função de espaço de consumo e de produção.
Muitos turistas que fluem em direção ao município tem interesse de conhecer os cenários de
filmes famosos ou o local por onde personagens atuaram, a exemplo de
João Grilo e Chicó, do “Auto da Compadecida”, anti-heróis do romance picaresco, de
forte apelo popular, acrescentando uma nova categoria ao turismo fílmico, uma vertente
topobiográfica.
Durante as semanas em que o filme foi gravado, parte da população participou das
filmagens como figurantes, assim como parte do elenco interagiu com a comunidade local.
Algumas residências do Centro Histórico serviram de cenário para a obra, e hoje tornaram-se
pontos turísticos para quem visita a cidade (figura 3).

Até hoje, passados quase 20 anos da época da produção, os moradores ainda lembram
desta participação, contando histórias aos turistas ou expondo fotografias que comprovam
a veracidade dos fatos.
A escolha de Cabaceiras como lócus de filmagem é explicada principalmente por questões
técnicas, como o clima semiárido, com pouquíssimas chuvas, a luminosidade praticamente
anual e uma paisagem inóspita, que reflete, como um cenário de estúdio, as características
da mesorregião do Sertão, com seus açudes e rios intermitentes, vegetação xerófita, solo
pedregoso e geoformas belíssimas. Ademais, a área urbana mostra uma patrimônio cultural
relativamente preservado, com suas pequenas casas coloridas, sua igreja e a praça, o pastor
e suas cabras, as festas típicas e a religiosidade. Soma-se a isso o alargamento da extensão
dos limites da atividade cinematográfica nacional, até então restrita ao eixo Rio - São Paulo,
a procura de novos cenários e enredos, territorializados no espaço local e (re)construídos
no enredo das obras fílmicas, representando um típico processo de difusão da produção
cinematográfica. Estes elementos condicionam a filmagem e a mensagem que o realizador
quer passar, muitas vezes ligadas, portanto, a imagens de pobreza, seca e ruralidade. Afinal,

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
140

estas características, sociais e naturais, que influenciaram na escolha de Cabaceiras como
lócus das filmagens, acabaram se revertendo em imagens que vão ser construídas e assumidas
como uma realidade que se estende por todo o Sertão Nordestino e, às vezes, para a Região
Nordeste, como se fossem uma realidade territorial verdadeira, estimulando uma imagem e
resultando em efeitos reais e concretos.
O fluxo turístico em direção a cidade, até então, possuía uma sazonalidade restrita às
festividades do chamado ‘Bode Rei’, um festival gastronômico anual, que ocorre geralmente
nos primeiros fins de semana de junho, quando as festas juninas se aproximam. Todavia, a
cidade tem apresentado dificuldades em se inserir em circuitos turísticos de cunho cultural,
como um todo, ainda mais cinematográfico. Os impactos no desenvolvimento da região,
automaticamente, tem sido modestos. Se a curto prazo, a dinâmica fílmica promove melhoria
nas condições econômicas locais, a longo prazo estas imagens devem se transformar em
formas de divulgação de seu patrimônio de modo a incrementar as atividades turísticas. A
partir deste pressuposto, a administração pública local começou seus trabalhos para tornar o
município de Cabaceiras um polo cinematográfico regional.
Em 2007, a Prefeitura Municipal desenvolveu um projeto para dinamizar a potencialidade
de Cabaceiras como polo cinematográfico regional. Esse projeto, com financiamento do
Banco do Nordeste, tinha o intuito de fortalecer a imagem da cidade como tendo vocação
para o cinema. Assim, o Museu da Memória Cinematográfica e o Espaço Cultural do Banco
do Nordeste foram resultados destes investimentos, sendo inseridos nos roteiros turísticos
que passaram a, efetivamente, se desenvolver desde então (Silva, 2014, op. cit., p. 12- 13).
Em maio de 2007, foi decidido pelo poder público instalar, na entrada da cidade, um
letreiro, com 70 X 5 metros, com os dizeres ‘Roliúde Nordestino’ (figura 4), uma alusão
ao letreiro que existe no alto do morro em Los Angeles, na Califórnia. Este é um exemplo
da turistificação do território, consequência do reconhecimento de suas potencialidades e
visando, a curto prazo, dinamizar a economia de uma área estagnada, com melhoria da
qualidade de vida da população local. Se estes efeitos, quase 10 anos depois de implementado
o Projeto, foram sentidos, é o que veremos a seguir.

Figura 4- Placa na entrada da cidade, com os dizeres ‘Roliúde Nordestina’.
Foto: Marcos Nascimento.

O nome - fantasia ‘Roliúde Nordestina’, oficialmente adotado desde 2007, tem o papel de
associar a produção fílmica a Cabaceiras, o que por si só acaba por se tornar um geossímbolo
local, ou uma espécie de monumento, e se enraizar em outras regiões, como um slogan,
propositalmente jocoso com seu aportuguesamento da palavra ‘Hollywood’, que sirva
como atributo para estimular o turismo local. Fixado em um lugar estratégico, na entrada
da cidade, no alto de um morro, acaba se tornando um ponto de visitação e de registro
fotográfico, criando uma identidade para a cidade. Entretanto, é importante ressaltar que as
preocupações imediatas no planejamento territorial não devem estar relacionadas, apenas,
ao aumento do número de turistas em visita à Cabaceiras, mas também às consequências

Luciano Schaefer Pereira | Ingrydy Schaefer Pereira
141

que este efeito tem para a comunidade local, ainda mais que esta comunidade, restrita e
tradicional, facilmente pode ser afetada por mudanças de atitudes e representações sociais.
O plano municipal de desenvolvimento pecou em vários aspectos, o que ajuda a explicar
seus parcos efeitos positivos. Segundo Silva (op. cit, p. 35; 37), a população não participou
da pauta das discussões ou prioridades almejadas; não havia pretensão de viabilizar o
desenvolvimento das habilidades performáticas ou técnicas de sua população, mesmo que ela
eventualmente participasse, como figurante, de várias obras lá locacionadas; a comunidade
não se envolveu na produção dos filmes, servindo apenas como receptores de tais produções.
Assim, foi difundido entre a população nativa um sentimento de pertencimento àquela que
seria a ‘Terra do Cinema’, o que seria suficiente per si como ferramentas para desenvolver
uma cidadania, mesmo que não plena.
O autor (p. 86) afirma que são os gestores públicos aqueles que ovacionam as
consequências positivas da visibilidade trazida com a indústria cinematográfica, como o
aquecimento do setor de serviços e do comércio, advindo do incremento no fluxo turístico,
discurso este que não é unânime entre a comunidade. Para ela, o cinema não foi difundido
como prática local. Ou seja, a gestão tornou o território como uma vitrine para dois públicos
especiais: os produtores de cinema e os turistas. À margem, a população assiste seu espaço
sendo reinventado mas pouca participação tem sobre os eventos que decorrem.
Existiu no município, entretanto, a elaboração, por parte da Secretaria Municipal de
Turismo, de cursos de formação de condutores turísticos, sob responsabilidade do SEBRAE,
entrando na pauta do Plano Diretor da cidade, em 2007. É crucial uma visão empreendedora
de que a popularidade de um filme como “O Auto da Compadecida”, que participou no
incremento turístico regional, pode ser responsável também por criar um leque turístico de
nicho, englobando outras nuances do filme, e não só as locações. Como exemplo, podemos
citar características culturais do sitio e do povo do município de Cabaceiras, assim como a
participação daqueles personagens que atuaram na obra como figurantes e que podem dar
seu contributo de alguma forma. A curto prazo, um grupo de moradores locais, com idades
entre 15 e 25 anos, se tornou guias turísticos informais, com o papel de apresentarem “um
pouco da história de sua cidade, seus pontos turísticos e os lugares que serviram de cenários
para alguns dos inúmeros filmes ali produzidos”, posteriormente contratados pelo Museu da
Cinematografia, onde três selecionados dividem um salário mínimo (Andrade, 2008). Esse
é o valor dado para aqueles que serão responsáveis em tratar diretamente com o turista e
divulgar a verídica versão dos fatos que se sucedem no ‘Polo Cinematográfico Nordestino’.
Ademais, muitos dos turistas que visitam a região, portanto, tem interesse em conhecer
o lajedo onde foram gravadas as cenas do filme “Cinema, Aspirinas e Urubus”, a casa de
pau-a-pique da novela “Aquele Beijo” (figura 2b), a igreja ou a casa do padeiro do “Auto
da Compadecida” (figura 3) ou o açude de “Romance”, e esta equipe de moradores realiza
este desejo.
A política das representações e a imagem do Cariri
A palavra ‘representação’, do ponto de vista do senso comum, designa usar uma
imagem, como linguagem, reproduzindo uma ideia, que tenha um significado, ou represente
o mundo de maneira significativa para outro. Do entendimento da imagem cinematográfica
como cultura, com ênfase no seu significado, ao exercício da linguagem, Hall (op. cit.)
ampliou o significado do termo ‘representação’, onde o discurso teria papel fundamental,
baseado principalmente nas ideias de Foucault (1972). Assim, o autor considera as práticas
de representação como uma chave fundamental para compreender como se processa e se
organiza o mundo da cultura, uma vez que a linguagem ou, neste caso, a imagem tem o
intuito de passar uma mensagem para o mundo, mensagem esta constituída de sentidos
(figura 5). Afinal, representar é usar a imagem para dizer algo significativo a outrem.
Pela figura 5, temos a concepção de cultura como um conjunto partilhado de significados,
o que possibilita a imagem funcionar como um processo de significação. A imagem atribui
sentido, e seu significado deve ser compartilhado pelo acesso comum a ela. Como esta
imagem é representada, ou seja, o que sentimos, pensamos e como fazemos uso dela é
o que lhe dá significado, onde o papel da interpretação da imagem é fundamental. Ela
possibilita a criação de um mapa conceitual partilhado, através do qual podemos compartilhar
significados ou conceitos.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
142

Figura 5- Resumo da relação entre Cultura e Linguagem/ Significado através da Representação.
Fonte: modificado de #thinkindesignblog.wordpress.com.

A partir dos anos 1960, vários filmes com temática nordestina levaram além-fronteiras
uma imagem do sertão: ‘Pagador de Promessas’ (1962), vencedor do Festival de Cannes;
‘Vidas Secas’ (1963), baseado na obra de Graciliano Ramos, entre outros. A temática das
obras cinematográficas oriundas da ‘Roliúde Nodestina’ se manteve, estabelecendo uma
imagem para o mundo sobre uma realidade de pensamento que reflete o cotidiano do povo
do Cariri, assim como seu entorno enquanto paisagem natural. Esta imagem é estabelecida,
assim, a partir de um conjunto de representações que são atravessados pela visão proveniente
da população externa que as assiste, como por exemplo, no centro- sul do pais, uma visão
deturpada que é incentivada pela filmografia nacional. Não podemos esquecer que estes
significados culturais, segundo Hall (op. cit., p. 3) têm efeito real e regulam práticas sociais.
Daí a visão xenófoba que uma elite minoria conservadora tem em relação à Região Nordeste,
pois esta linguagem visual acaba por criar estereótipos, uma vez que os símbolos, narrativas,
figuras, entre outros, ou seja, onde circula o significado simbólico, são erroneamente
interpretados ou tendenciosamente representados. Afinal, os significados são construídos
pelos sujeitos culturais, sendo embutidos na mente de quem os interpretam, que acaba
se tornando algo natural. Assim, ao se referir a palavra ‘Nordeste’, no imaginário de parte
da população do Centro- Sul, em especial do Sudeste, que convive diariamente com uma
população migrante do Nordeste, afloram símbolos clássicos nordestinos, como o forró, a
seca, o jumento, o chapéu de couro, entre outros.
A filmografia que retrata o Nordeste, com raríssimas exceções, retrata uma imagem
miserável da região, uma terra do cangaço e do coronelismo, em pleno século XXI. Estas
imagens possuem, portanto, um caráter social e que acabam moldando a construção do
sentido através de um sistema de representação, conceitos e signos, o que Hall (op. cit., p. 2526) denominou de ‘teoria construcionista ou construtivista de representação’. O resultado é a
construção de uma imagem do Nordeste que se generaliza, que não é uma verdade absoluta,
mas apenas relativa. A relação das imagens com o espectador é afetado por diversos fatores:
onde o filme foi visto, com quem e em que momento, gerando uma identidade maior ou
menor com a obra e os elementos retratados por ela (Beeton, op. cit., p. 27).
A capacidade humana para o processamento mental da imagem (Hall, op. cit., p. 17- 18)

Luciano Schaefer Pereira | Ingrydy Schaefer Pereira
143

como a um sistema de representação, torna a interpretação da imagem distintamente de um
indivíduo para outro. Estes sons, imagens e palavras são os signos que representam os conceitos
e relações conceituais, onde o cinema é capaz de estabelecer um tipo de comunicação em que
a paisagem natural pode servir como chave de sua configuração, enquanto imagem. Assim,
o processo que vincula conceitos, sinais e linguagens é o que se entende por representação,
que por sua vez se aplica inteiramente a linguagem cinematográfica. Afinal, se a imagem
tem o poder de motivar os viajantes, criar novas imagens, alterar aspectos negativos ou
fortalecer imagens fracas, criando ícones (Beeton, op. cit., p. 20), pudemos exemplificar
como o contrário também é verdadeiro.
Levando-se em consideração que o cinema é uma forma de representação que se
compromete com as visões do mundo no contexto em que foi gerado, as obras filmografadas
no Cariri não são uma exceção. O problema é que se a imagem tem o poder de formar
conceitos, gera-se uma imagem recorrente estereotipada do sertão, a partir do Cariri, que
acaba por se estender para toda a região Nordeste.
Conclusões
A sociedade moderna vive a era das imagens, onde boa parte do comunicação e da
informação se processa através do fenômeno imagético. A imagem tem o poder de
influenciar atitudes e comportamentos, onde o modo como o espectador percebe o lugar
representado acaba por condicionar tais atitudes e decisões espaciais. Os lugares filmados, ao
serem disseminados por uma gama cada vez maior de meios de difusão, como cinema, TV e
internet atingem um público maciço, onde a imagem atrativa acaba por ser inserida em um
roteiro turístico, gerando uma nova funcionalidade para o espaço ao criar lugares específicos
e territorializar a atividade do turismo (Fernandes, 2013: 240- 241).
O município de Cabaceiras, durante todo o século XX, tornou-se cenário de inúmeras
obras cinematográficas que representavam sua paisagem natural e patrimônio cultural.
Entretanto, a partir de “O Auto da Compadecida”, baseado na obra de Ariano Suassuna,
poeta regional, associado a investimentos públicos para disseminar uma imagem de polo
cinematográfico em pleno sertão, as atividades turísticas induzidas pelo filme tornaram-se
incipientes, gerando renda e dinamizando a economia, mesmo que de modo parco.
Se as imagens influenciam os gostos, as ideias e condutas de quem as veem, a
atração ou repulsão que elas geram proporcionam sentimentos topofílicos ou topofóbicos,
respectivamente. No caso do Cariri paraibano, estes sentimentos se mesclam quando
imagens de um geopatrimônio belíssimo e um patrimônio cultural rico é mostrado ao lado
de condições de vida miserável de um povo que vive de maneira tradicional, sem os benesses
da vida urbana moderna. Talvez este misto de atração e repulsão seja a causa de que,
verdadeiramente, um fenômeno de turismo induzido pelos filmes não tenha se processado
de maneira efetiva em Cabaceiras, o que requer novas estratégicas para reajustar e melhorar
esta imagem fraca e contraditória.
O cinema possui uma linguagem que acaba levando ao pensamento ideias forjadas da
realidade representada. Assim, o cinema serve a uma política de representações quando
cria identidades que podem estereotipar uma determinada região. É a territorialização das
representações, criando uma imagem da Região Nordeste como uma região seca, pobre e
agrária, carregada de religiosidade e misticismo, pois esta é a imagem que as produções
cinematográficas que utilizam o Cariri paraibano transmitem para o restante do país e,
quando o alcance é maior, para o mundo.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
144

Bibliografia
Andrade, V. G. (2008). “Roliúde Nordestina”- um cenário de formação dos sujeitos. Fênix Revista de História e
Estudos Culturais, vol. 5, n. 1, p. 1- 15.
Beeton, S. (2005). Film-induced tourism. Channel View Publications, Clevedon.
Busby, G.; Klug, J. (2001). Movie-induced tourism: The challenge of measurement and other issues. Journal of
Vacation Marketing, vol. 7, n. 4, p. 316–332.
Campo, L. R.; Brea, J. A.; González, E. A. (2014). El turismo cinematográfico como tipologia emergente del turismo
cultural. Pasos, vol. 2, n. 1, p. 159- 171.
Fernandes, J. L. (2013). A territorialização das indústrias criativas e as paisagens turísticas do cinema. Cadernos de
Geografia, n. 12, p. 239- 246.
Foucault, M. (1972). A Arqueologia do Saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, revisão de Ligia Vassalo.
Petrópolis: Vozes, Lisboa: Centro do Livro Brasileiro. [Edição Original publicada em 1969].
Hall, S. (1997). The work of representation. In: S. Hall (ed.) Representation: Cultural Representations and Signifying
Practices (p. 13–74). London: Open University.
Kotler, P.; Haider, D.H.; Rein, I. (1993). Marketing Places. New York: The Free Press.
Riley, R.; Baker, D.; Van Doren, C.S. (1998). Movie induced tourism. Annals of Tourism Research, vol. 25, n. 4, p.
919–935.
Rodriguez, J. L. (2002). Atlas Escolar da Paraíba. João Pessoa: Editora Grafset.
Schofield, P. (1996). Cinematographic images of a city: Alternative heritage tourism in Manchester. Tourism
Management, vol. 17, n. 5, p. 333–340.
Silva, E. P. (2014). Reinvenção da cidade, produção fílmica e visibilidade sociocultural: o uso do território na Roliúde
Nordestina, Cabaceiras, PB. Tese de Doutoramento, PPGCS: UFRN.
Tapachi, N.; Waryszak, R. (2000). An examination of the role of beneficial image in tourist destination selection.
Journal of Travel Research, vol. 39, n. 1, p. 37–44.
Endereço URL
Stuart Hall - Representation - Review. Disponível no site #thinkindesignblog.wordpress.com. Acesso em 02 maio
2015.

Agradecimentos
Os autores agradece à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)- Ciência sem
Fronteiras (CSF) pelo financiamento desta pesquisa, através da bolsa de estudos para o Doutoramento Pleno em
Geografia Física, pela Universidade de Coimbra (processo nº 11988-13/4).

145

Novas geografias, crise
e interdisciplinaridade: enfrentando
desafios propostos pela produção do
espaço urbano na modernidade
Eda Góes

UNESP - Brasil
Projeto CAPES/FCT

Introdução
Muitos são os autores, sobretudo das Ciências Sociais, que vem procurando definir a
Modernidade e suas mudanças. Dentre eles, Zygmunt Bauman (sociólogo polonês, radicado
nos EUA há muitos anos) pode ser considerado um dos mais originais. Dentre as suas ideias
que atestam isso, destaco duas.
A primeira diz respeito a sua origem. Para Bauman (2015), a Modernidade se inicia
com o terremoto de Lisboa (1755), o que pode ser interpretado como reconhecimento
da importância de Portugal que experimentava então período de intenso enriquecimento
em função da descoberta de ouro em sua colônia, o Brasil1. O protagonismo atribuído a
uma tragédia ocorrida nesse país, que implica necessariamente em levar em conta seus
desdobramentos, possibilita uma ampliação do seu alcance para além do Hemisfério Norte.
Outra contribuição, mais conhecida e bem fundamentada, diz respeito à “metáfora
dos líquidos” para explicitar características como flexibilidade, inconstância, velocidade das
mudanças e das adaptações exigidas... fundamentais ao entendimento das experiências
cotidianas de cada um de nós, e dos processos de urbanização (urbanização do mundo),
por exemplo. A partir dessa metáfora (Modernidade líquida, Medo líquido, Amor líquido,
Tempos líquidos...), Bauman (2007) identifica cinco mudanças experimentadas atualmente.
Em primeiro lugar, menciona a “passagem da modernidade sólida para a modernidade líquida” (Bauman, 2007, p.7), na qual as organizações sociais (instituições que asseguram
a repetição de rotinas, limitam comportamentos...) não podem mais manter sua forma por
muito tempo e nem se espera que o façam, tornando inviáveis, por exemplo, projetos de vida.
Entrevistas que vem sendo feitas nos últimos anos2, no âmbito de pesquisas desenvolvidas
na área da Geografia Urbana, pelo GAsPERR (Grupo de Pesquisa Produção do Espaço e
Redefinições Regionais)3, permitem que os impactos e expressões cotidianas dessa mudança
sejam evidenciadas, como no seguinte exemplo:
... estamos perdendo nossas crianças para as drogas. Você vê que os presidentes
de bairro tentam fazer alguma coisa, mas tudo é muito custo, muito caro. [...]
aí eles perdem a referência de jogar um futebol, jogar um vôlei, jogar basquete,
porque tem uma área de lazer no nosso bairro, uma academia, mas eles não
vão participar porque entraram no vício [...] O primeiro passo a gente volta
lá atrás: família! As famílias, com certo tempo, ela perdeu sua referência [...]
Então quando você vê uma família desestruturada, quem sofre é a sociedade.
[...] outro fator principal é a religião. [...] A pessoa tem que ter religião... (Pedro4,

1 - No âmbito do período colonial destaca-se o “ciclo do ouro” que ocorreu no século XVIII. A despeito do curto
apogeu, entre 1730 e 1750, o volume de ouro retirado das Minas Gerais e levado para a metrópole portuguesa é
estimado em mil toneladas. Parte significativa desse ouro foi transferida para a Inglaterra, em função dos acordos
comerciais firmados com Portugal.
2 - A inserção e o significado dessas entrevistas, como procedimento de pesquisa na área de Geografia Urbana,
é questão discutida nos tópicos seguintes desse artigo.
3 - Grupo de Pesquisa do Departamento de Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP – Universidade Estadual Paulista - Brasil.
4 - Os nomes dos entrevistados sempre são fictícios.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
146

55 anos, funcionário público, Jardim São Bento, Presidente Prudente – SP)5
Em segundo lugar, Bauman (2007, p.8) discute “a separação entre poder e política”, uma
vez que grande parte do poder de agir efetivamente, antes disponível ao Estado Moderno,
agora se afasta em direção ao espaço global. Exemplar é o problema do desemprego,
identificado como central por muitos cidadãos, mas cujos fatores são relacionados a decisões
tomadas muito além das próprias fronteiras da nação.
O “fim da segurança comunal” (Bauman, 2007, p.8), apontado em terceiro lugar,
também diz respeito à segurança garantida pelo Estado e ao seu monopólio da violência,
mas é decorrente do fato de que a sociedade cada vez mais é representada como rede e não
como uma estrutura, o que reforça a importância da fragmentação socioespacial, processo
que vem caracterizando a produção do espaço urbano em cidades brasileiras. Nesse sentido,
as observações de Pedrazzini e de Furedi são tão radicais, quanto instigantes:
Há mais estranhamento e distância entre dois bairros de uma mesma cidade,
divididos pelas dinâmicas urbanas, que entre duas cidades com elementos
comuns de urbanidade, construídas pelos mesmos modos globalizados de
produção. (Pedrazzini, 2006, p.57)
Cidadãos do Cairo e de São Paulo podem sentir o medo de maneira diferente dos
de Paris e Londres, mas em todos esses lugares são os medos individualizados
que predominam. (Furedi, 2009, p.7)
Em quarto lugar, “a impossibilidade de planejamento de longo prazo” (Bauman, 2007,
p.9) que, quando aplicada à cidade, suscita o questionamento: estaremos nos confrontando
novamente com a “colcha de retalhos”, como foram representadas muitas cidades
europeias do século XIX, chamadas de “cidades liberais” por Benévolo (2003), até que as
primeiras reformas urbanas, iniciadas em Paris (século XIX), revertessem esse quadro? Além
disso, relacionando a terceira e a quarta característica, também questionamos: quando a
insegurança não foi uma das características centrais das cidades?
Mas como a História ensina, é preciso atentar para as especificidades de cada período,
para as relações entre as mudanças e as permanências, não como categorias excludentes, mas
envolvendo contradições e retrocessos. Assim, a partir da Revolução Industrial, identificamos
um novo aspecto assumido pela insegurança, que passou a ser associada quase exclusivamente
à presença de inimigos internos diversos. Eram as multidões revoltosas e frequentemente
violentas, os muitos pobres que se marginalizavam, incluindo as crianças, que passaram
a agitar as ruas das cidades superpovoadas, as doenças que afetavam principalmente os
mesmos pobres mal alimentados, mal abrigados e mal agasalhados, mas que a eles não
se limitavam, transformando-se em epidemias. Enfim, a insegurança estava intimamente
associada à problemática convivência dos diferentes segmentos sociais, dentre os quais se
destacava, pelo papel que desempenhou na consolidação da sociedade capitalista, essa
multidão de pobres que nunca deteve o controle do processo de transição, mas que dele se
encarregou, sendo sempre, portanto, uma presença necessária e inevitável.
Frente a tal quadro, que foi se desenhando a partir do século XVIII, com diferentes ritmos,
mas em âmbito mundial, estratégias de controle social foram sendo experimentadas, tendo
muitas delas se institucionalizado: a polícia, a prisão, os asilos, os hospitais e manicômios, os
códigos sanitários e de saúde pública, códigos de trânsito e de uso do solo urbano etc. Sem
deixar de levar em conta que tais estratégias nunca foram totais, ou seja, sempre comportaram
desvios, fissuras e até mesmo geraram revoltas, mesmo assim obtiveram considerável
eficácia, sobretudo nos países que alcançaram maior desenvolvimento econômico e social.
Nas últimas décadas, no entanto, em face das novas mudanças experimentadas pelo próprio
modo capitalista de produção, essas estratégias de controle social vêm se revelando cada vez
mais insuficientes, sobretudo com o crescimento da violência urbana que, embora assuma
diferentes formas, atingindo com mais intensidade as grandes cidades dos países menos
desenvolvidos, está longe de ser exclusiva dessas cidades e desses países.
Outro aspecto desse processo de mudanças aceleradas da cidade, marcado também pelo
5 - Entrevista realizada por Clayton Ferreira Dal Pozzo, durante pesquisa de doutorado defendida em 2015, sob
o título “Fragmentação socioespacial em cidades média paulistas: os territórios do consumo segmentado de
Ribeirão Preto e Presidente Prudente”.

Eda Góes
147

acúmulo de contradições que caracterizaram sempre a convivência forçada (Seabra, 2004,
p.183), evidencia-se quando se compara o presente com o contexto antes referido (século
XIX, até início do XX), quando era necessário aventurar-se em bairros perigosos para, de
acordo com os preceitos liberais, esquadrinhar, intervir, controlar, sanear, normatizar, civilizar,
enfim, modernizar tais espaços urbanos. Apostava-se num determinado futuro:
a literatura faz crer que a cidade chegou a ser promessa de um mundo melhor
porque dela foi veiculada para a sociedade inteira uma imagem de mundo com
novas possibilidades, principalmente para os imigrantes rurais que deixavam os
arados e as enxadas. (Seabra, 2004, p.187)
Tais aspectos confrontam com as mudanças nos modos atuais de se lidar com o passado,
com a memória e, portanto, com o próprio tempo, já que a impossibilidade de conceber algo
além do presente impacta diretamente o futuro como algo novo, para além do que já está
estabelecido no presente. Mas, se foi apenas de forma fragmentária, através de pistas e indícios
(Ginzburg, 1989), que nossos entrevistados fizeram referência às dificuldades causadas por
tal impossibilidade de visualizar o futuro, a supervalorização do presente foi predominante,
expressando-se como o “modo pelo qual todo nosso sistema social contemporâneo começou,
pouco a pouco, a perder a capacidade de reter o seu próprio passado, começou a viver
em um presente perpétuo e em mudança perpétua” (Jameson, 2006, p.44), combinado à
inexistência de expectativa de eventos ainda por vir, já que “os ´futuros` são reflexivamente
organizados no presente” e por ele “colonizados” (Giddens, 2002, p.33 e p.112), quer pela
impossibilidade, quer pela incapacidade de lidar com o novo, com o imponderável, sempre
associado ao risco (Beck, 1998), seja ele de que natureza for. Podemos então compreender
melhor a observação de Beck (1998, p.40) de que “o centro da consciência do risco não
reside no presente, mas no futuro”, levando em conta as interpretações de Giddens e
Jameson, que, por sua vez, estão presentes na seguinte passagem de entrevista feita com
um casal residente em condomínio fechado de Marília, cidade média do interior do Estado
de São Paulo (Brasil):
Com as medidas de segurança que a gente tomou, está de bom tamanho.
Se no futuro a gente perceber que começou entrar bandidos e marginais
em condomínios, aí nós vamos passar para um prédio, depois de prédio, se
começarem a entrar, daí a gente não sabe para onde a gente vai, acho que daí
vai para o céu! Ou para Miami, como a gente queria... (Andréia e Paulo, 41 e
60 anos, dona de casa e funcionário público aposentado, Marília)6
Por fim, Bauman (2007, p.10) constata que “as responsabilidades não [são] mais sociais,
mas individuais”, o que implica, além de um enorme peso nos ombros dos indivíduos,
uma valorização da flexibilidade. Embora sejam inúmeros os desdobramentos possíveis,
destacamos dois deles, escolhidos por sua importância, um relativo à escala global e outro,
à nacional (brasileira).
Muitos autores têm discutido a mudança de eixo da organização social, da produção
para o consumo, ou, em outros termos, de uma organização baseada na disciplina, para
outra em que as regras não são mais necessárias, bem como deixou de ser necessária uma
parte crescente dos trabalhadores. A despeito do caráter polêmico de tal perspectiva, ela nos
fornece um parâmetro para explicar outras transformações, como aquelas relacionadas ao
comportamento dos jovens moradores de muitas periferias urbanas, e não apenas brasileiras,
que têm sido constatadas por pesquisadores, citando-se, por exemplo, as mudanças no uso da
linguagem. Assim, de acordo com André (2004), até o início dos anos 1990, aproximadamente,
ladrão era a forma característica utilizada por agentes penitenciários e policiais para se
referirem aos presos, suspeitos ou condenados, enquanto nos anos 2000, o termo passou a
ser cumprimento corriqueiro entre jovens da periferia paulistana, entre manos7.

6 - Entrevista realizada no âmbito da pesquisa cujos resultados deram origem ao livro “Espaços fechados e cidades: insegurança urbana e fragmentação socioespacial” (Sposito e Góes, 2013)
7 - A constatação também expressa preocupante redefinição (ou indefinição) dos limites e distinções entre ordem
e desordem, além de ser mais um forte indício da fragmentação experimentada pela cidade, na qual parece haver
cada vez menos práticas e valores compartilhados.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
148

No caso brasileiro, a última constatação de Bauman estimula ainda que nos interpelemos
sobre a possível reversão do sentido da emergência do sujeito. Num contexto em que os
movimentos sociais urbanos assumiram grande protagonismo na transição em direção ao fim
da ditadura militar (anos 1970 - 1980), a emergência desse sujeito político foi inicialmente
festejada, mas posteriormente suplantada, inclusive pelas desilusões em relação à experiência
com o socialismo real e às estratégias políticas a ele vinculadas, que tiveram forte impacto na
produção acadêmica das Ciências Humanas. É exemplar a perspectiva adotada no livro de
Eder Sader (1988), “Quando novos personagens entram em cena”, cuja “cena”, referida no
título, é o panorama político e social (do final da década de 1970), muitas vezes também da
cidadania, enquanto hoje, trata-se da emergência do indivíduo, cada vez menos interessado
nas suas conexões sociais, de vizinhança etc., conforme o seguinte depoimento colhido num
bairro popular de Ribeirão Preto (SP – Brasil) demonstra: “Segurança nenhuma! Eu e Deus
mesmo. [...] Tem policiamento, mas acho que não resolve”8.
Com base nas mudanças abordadas na obra de Bauman (2007), cuja particularidade
talvez resida na capacidade de articular aspectos subjetivos a mudanças objetivas, sobretudo
de ordem econômica e política, tantas vezes constatadas por outros pesquisadores
como mudanças nas formas de acumulação de capital e de concentração industrial e
tecnológica, mudanças na produção e nos processos e relações de trabalho, privatização
e desregulamentação..., enfim, chegamos a um quadro geral de “incerteza endêmica”, de
insegurança, que vai muito além da violência urbana, mas não a exclui.
Boaventura de Souza Santos (2002 e 2006) acrescenta importantes complicadores a
esse quadro já bastante complexo. Para ele (2002), vivemos uma “crise do contrato social”,
entendido como “a metáfora fundadora da racionalidade social e política da modernidade
ocidental”9, com base na qual podemos desvendar a profunda diferenciação entre o que é
aceitável e inaceitável para diferentes moradores de uma mesma cidade, a que se referiram,
ainda que indiretamente, muitos de nossos entrevistados10, quando falaram, por exemplo,
da “mudança nos valores”, que explicaria o aumento da violência urbana. A esse respeito, é
exemplar a declaração de Marcola (líder do PCC)11, quando cumpria pena na Penitenciária de
Regime Especial de Presidente Bernardes (SP – Brasil), ao que tudo indica, dada por telefone
celular, ao jornal O Globo (julho de 2006) e divulgada pela internet:
Eu era pobre e invisível [...] Já somos uma outra espécie, já somos outros bichos,
diferentes de vocês. A morte para vocês é um drama cristão numa cama,
no ataque do coração [...] A morte para nós é o presunto diário desovado
numa vala...
Em que pesem seus esforços para impressionar e amedrontar, as referências que norteiam
esse trecho do depoimento são significativas, por tocar numa questão limite, a morte, e
noutra central nesta sociedade, a visibilidade, desvalorizando a primeira e supervalorizando a
segunda, numa dialética de identificações e desidentificações. A impossibilidade de se chegar
a consensos mínimos entre os moradores de uma mesma cidade, apontada por Souza Santos
(2002), ainda que de modo indireto, também adquire maior relevância frente ao depoimento
radical acima citado. Além disso, o autor identifica um processo de substituição do contrato
social pela economia de mercado, promovida pela globalização articulada à sociedade de
consumo e da informação (Souza Santos, 2006). Como sua expressão, o que se reivindica
é a inclusão pelo consumo e não mais pelos direitos, conforme já observava Milton Santos
(2002, p.25), em 1978, “em lugar do cidadão formou-se um consumidor, que aceita ser
chamado de usuário”.
Em todos esses aspectos, as cidades são, simultaneamente, expressão e fator de
processos amplos, próprios da Modernidade. Assim, a contribuição da Geografia Urbana é
fundamental, ainda que a interdisciplinaridade seja entendida como alternativa para evitar a
8 - Entrevista realizada por Clayton Ferreira Dal Pozzo, durante pesquisa de doutorado defendida em 2015, op cit.
9 - O autor baseia-se nessa constatação para comprovar a necessidade de uma nova concepção de Estado (Santos, 2002).
10 - Entrevistas realizadas com moradores de condomínios fechados de Marília, Presidente Prudente e São Carlos,
no Estado de São Paulo – Brasil, no âmbito da pesquisa cujos resultados deram origem ao livro “Espaços fechados
e cidades: insegurança urbana e fragmentação socioespacial”, op. cit.
11 - Organização criminosa criada no interior de penitenciárias paulistas, o PCC, Primeiro Comando da Capital,
começou a ser conhecido quando organizou uma megarrebelião penitenciária em fevereiro de 2001.

Eda Góes
149

compartimentação da realidade e possibilitar a apreensão da sua complexidade. São algumas
das potencialidades da Geografia Urbana que pretendemos demonstrar nesse texto.
1. Pesquisas em Geografia Urbana: muito além da metrópole
Dois pressupostos norteiam as proposições desse tópico. Primeiro, numa perspectiva
quantitativa, é importante reconhecer que parte significativa da população mundial é urbana,
mas não vive em metrópoles, ao mesmo tempo em que a maior parte dos conhecimentos
produzidos nas pesquisas sobre questões urbanas volta-se ao “fato metropolitano”.
Segundo, a partir de parâmetros qualitativos é possível propor definições para “cidades
médias” que permitem, por exemplo, caracterizar cidades como Coimbra e Presidente
Prudente, como cidades médias, levando em conta as diferenças entre a rede urbana brasileira
e a portuguesa, os tamanhos populacionais de cada uma e as relações entre espaço e tempo
(Correia, 2007). Assim, Coimbra tem 102.202 habitantes, uma universidade fundada em
1290 com cerca de 20 mil estudantes do mundo todo, enquanto Presidente Prudente foi
fundada em 1917, tem atualmente 203.370 habitantes e desempenha notável centralidade
no Oeste Paulista, região do estado de São Paulo onde se localiza e na qual predominam as
pequenas cidades.
A despeito do caráter sumário dessa comparação, ela já sugere que a compreensão dos
processos de produção do espaço urbano exige o recurso constante aos pares dialéticos:
perto e longe; visível e invisível; dentro e fora; espaço e tempo; geral e particular. O último
ganha ainda maior importância quando levamos em conta o impacto das crises econômicas,
como a atual, que tem significado perdas para muitos, como é o caso dos portugueses.
Mas tem significado o fim daquilo que não foi mais que uma promessa para os brasileiros,
ou mesmo, que chegou a ser uma construção ideológica, como a expressão “nova classe
média”12, empregada para se referir a 50,45% da sua população, em 2009, sugere.
A problematização do par dialético “geral e particular” ganha novo sentido, quando
voltamos às contribuições originais de Bauman (2015), para quem uma revolução já está em
curso, a crise econômica mundial faz parte dela, assim como o “fim das classes médias”.
Além das diferentes espacialidades, as diferentes temporalidades, e suas relações, precisam
ser levadas em conta, e uma das perspectivas possíveis para articula-las é a do cotidiano.
2. Para não dizer que não falei das flores13: Geografias da vida cotidiana como
uma proposta de investigação
Segundo Lindón (2006), a “geografia da vida cotidiana” não é interesse novo, mas não
chega a constituir um campo, por seu caráter transversal: geografias urbanas, culturais, do
turismo... Torsten Hagerstrand (1916 - 2004, Escola de Lund, Suécia) foi um dos primeiros
geógrafos a contribuir para a análise sistemática das práticas com sua espaço-temporalidade.
São reconhecidas as inovações metodológicas presentes em seus trabalhos, como registros
sistemáticos de práticas espaço-temporais, trajetórias diárias, tempos empregados – casa/
trabalho, compras, lazer... – produzindo uma linguagem sistemática. No entanto, ele não leva
em conta a subjetividade constitutiva da vida cotidiana, o que foi evidenciado a partir dos
anos 1980, com o reconhecimento de que não há prática sem seu sentido, ao mesmo tempo
em que o tempo também é reconhecido em sua complexidade, deixando de ser reduzido à
duração das práticas, uma vez que envolve repetição, ciclos, tendências, trajetórias espaçotemporais... Mas boa parte desses avanços decorre de contribuições de outras disciplinas
(sociologia, psicologia social, linguística, história...), das quais as “Geografias da vida cotidiana
se retroalimentam” (Lindón, 2006, p.357).
A partir das contribuições dessa geógrafa mexicana, chega-se a assertiva de que:
As Geografias da vida cotidiana estudam a relação espaço/sociedade nas suas
interações, que se referem a pessoas situadas espaço/temporalmente em um
contexto intersubjetivo desde o qual dão sentido ao espaço e ao outro, em
um processo constante de interpretação (resignificação) e de construção dos
espaços de vida. (Lindón, 2006, p.357)
12 - Expressão empregada pelo Governo Federal, pela mídia e pelo marketing, para se referir à expansão do
consumo verificada a partir do primeiro Governo Lula (2003 – 2006).
13 - Referência livre à letra da música de Geraldo Vandré, “Caminhando”.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
150

Ao demonstrar que questões aparentemente banais expressam dimensões da vida social
que merecem análise profunda, evidencia a importância do reconhecimento de sujeitos ativos,
mesmo que suas práticas não cheguem a ter o alcance e o rol de possiblidades disponíveis
para os agentes, representados pelas grandes empresas, pelo poder público e, inclusive, pelos
movimentos sociais (organizados). No entanto, não se trata de adotar a perspectiva presente
na obra de Henri Lefebvre (marxista), na qual a vida cotidiana se concebe como totalmente
organizada pelo capital, o que implica na interpretação do cotidiano como alienação, a partir
de análise estrutural (Lindón, 2006, p.376).
O que se busca é reconhecer o papel desempenhado pelos citadinos no cotidiano,
com ênfase na produção dos espaços urbanos que envolvem a possibilidade de inovação,
mesmo que tal possiblidade nem sempre seja facilmente idenficável aos pesquisadores,
exigindo, portanto, o desenvolvimento de procedimentos metodológicos adequados e de
fundamentação teórica capaz de lidar com a referida dialética entre mudança e permanência,
entre conformismo e resistência.
Com base nesses pressupostos, o que propomos é o re(encontro) com os sujeitos
sociais, pela pesquisa empírica urbana (que se teoriza), como vem sendo feito em pesquisas
como “Espaços fechados e cidades: insegurança urbana e fragmentação socioespacial”14,
na qual foram entrevistados moradores de espaços residenciais fechados de classe média e
elite de três cidades médias paulistas; “Os sentidos da casa própria: condomínios populares
fechados e novas práticas espaciais em Presidente Prudente e São Carlos”15, na qual foram
entrevistadores moradores de espaços residenciais populares fechados e de bairros populares
abertos dessas duas cidades do Estado de São Paulo (Brasil); “´Uma cidade, um shopping, uma
experiência`: o Shopping Iguatemi Ribeirão Preto e as relações reais e simuladas com o espaço
urbano”16, na qual são entrevistados trabalhadores desse shopping center; “Fragmentação
socioespacial em cidades médias paulistas: os territórios do consumo segmentado de Ribeirão
Preto e Presidente Prudente”17, na qual foram entrevistados moradores de diferentes espaços
urbanos, de favelas a condomínios de luxo.
Nessas e noutras pesquisas, um dos procedimentos metodológicos empregados, por vezes
o principal, envolve a preparação cuidadosa de roteiros temáticos de entrevistas, contatos
para viabilizar o agendamento de entrevistas com sujeitos diversos (citadinos residentes em
diferentes espaços urbanos, sujeitos bem informados [administradores públicos e privados,
comerciantes, empresários, delegados de polícia etc.], jovens consumidores e trabalhadores
de shopping centers, moradores de espaços residenciais populares fechados, moradores de
espaços residenciais fechados de classe média e elite...), gravação e posterior transcrição das
mesmas, organização do material transcrito e análise, sempre levando em conta os objetivos
de cada projeto de pesquisa, mas tendo em comum o reconhecimento de cada entrevistado
como “sujeito social”.
Além dos resultados que vem sendo alcançados, apostamos na potencialidade de
pesquisas realizadas a partir da perspectiva do cotidiano, sobre o Programa Habitacional
Minha Casa Minha Vida (MCMV), em vigor no Brasil desde 2009 (Governo Lula: 2003/2010
– Governo Dilma Roussef: 2011/2015). O MCMV entregou até abril de 2015, 2,09 milhões
de unidades habitacionais, subsidia unidades habitacionais a partir do crédito e da redução
de juros do financiamento. Esse programa é direcionado a três faixas de renda mensal (com
formatos e taxas diferentes):
Faixa 1: até R$ 1.600, através de cadastro na prefeitura municipal e
pré-análise, pagam 5% da renda bruta familiar, em até 120 meses;
Faixa 2: até R$ 3.100;
Faixa 3: até R$ 5 mil.
A despeito da grande oportunidade para milhões de brasileiros, sobretudo quando se
leva em conta um déficit habitacional na Faixa 1, de 90,9% (até 2009), o MCMV sofre duras
críticas, sobretudo por enfrentar a questão habitacional, mas reproduzindo (ou agravando)
outros problemas urbanos, como o isolamento e a falta de perspectiva dos jovens, dificuldades

14 - Livro publicado em 2013 por Sposito e Góes (op. cit.) com resultados de pesquisa desenvolvida desde 2007.
15 - Dissertação defendida por Viviane Fernanda de Oliveira em 2014.
16 - Pesquisa de iniciação científica realizada por Marina Clementoni Costa Borges desde 2014.
17 - Tese de doutorado defendida por Clayton Dal Pozzo em 2015, op. cit.

Eda Góes
151

de acessibilidade, conflitos entre vizinhos, ameaça de dominação de grupos criminosos...
No lançamento, em 2009, foi “apresentado como uma das principais ações do governo
em reação à crise econômica internacional e também como uma política social de grande
escala” (Shimbo, 2010, p.93). A partir do subsídio de unidades habitacionais, crédito para
aquisição de habitações e ainda redução de juros, o objetivo do programa é “impactar a
economia através dos efeitos multiplicadores gerados pela indústria da construção” (Cardoso
e Aragão, 2013, p.35). A prioridade aos interesses das empresas construtoras se revela tanto
na operacionalização do programa, como no volume de recursos destinados. Segundo Fix
e Arantes (2009), 97% do subsídio público disponibilizado, com recursos da União, são
destinados à oferta e produção direta por construtoras privadas, e apenas 3% a entidades
sem fins lucrativos (como cooperativas e movimentos sociais).
Cardoso e Aragão (2012, p.44) sintetizam em oito pontos as críticas realizadas por
diversos especialistas quanto ao MCMV, das quais destacamos quatro: 1. falta de articulação
do programa com a política urbana; 2. ausência de instrumentos para enfrentar a questão
fundiária; 3. problemas de localização dos novos empreendimentos; 4. grande escala dos
empreendimentos.
Todas essas críticas, assim como os resultados das primeiras pesquisas realizadas em
cidades nas quais o MCMV teve empreendimentos implantados, não apenas reafirmam
os problemas previstos, em função da desconexão entre política habitacional e política
urbana, como acrescentam novos problemas, decorrentes das novas temporalidades que
caracterizam a produção e a difusão das representações sociais. Assim, poucos meses após
sua ocupação, já são considerados por muitos citadinos, como espaços perigosos a serem
evitados18, ou seja, reproduzem os processos de segregação socioespacial, assim como seus
desdobramentos, tão negativos para aqueles que vivenciam cotidianamente os estigmas
territoriais, quanto para os demais moradores da cidade. Isso se evidencia, por exemplo,
quando os jovens pobres moradores desses grandes e distantes conjuntos habitacionais
recém-inaugurados transpõem os limites do bairro, insistindo em exibirem-se dentro de uma
estética global juvenil. Destacam-se através da presença marcante das turmas e dos atos de
violência, ensejando um modo de “re-territorialização” na ampliada “ética do lazer” que
predomina no “lado oficial da cidade” (Diógenes, 1998, p.38).
Nas cidades brasileiras, a “sociedade do consumo” (Baudrillard, 1991) é reproduzida, com
todos os encobrimentos e distorções que implica, inclusive a supervalorização da aparência,
do parecer ao invés do ser, e de outros atributos notadamente individuais, aos quais os jovens
são particularmente suscetíveis.
Todos esses processos estão presentes em cada um dos espaços urbanos, com suas
características gerais e particulares, produzindo socialmente citadinos, que são também
sujeitos que produzem espaços urbanos, cada um dentro das suas possibilidades, as quais
também são socialmente produzidas. Mas as críticas ao MCMV não levam em conta a atuação
dos moradores desses grandes conjuntos habitacionais, seja em suas estratégias, individuais
e coletivas, para enfrentar os problemas que surgem no seu cotidiano, justamente quando
o acesso à casa própria foi conquistado, seja na identificação de outros problemas, além
daqueles previstos pelos pesquisadores, ou seja, as críticas não consideram esses citadinos
pobres como sujeitos sociais, inclusive em sua heterogeneidade, como homens e mulheres,
jovens e velhos, trabalhadores e pensionistas, conectados e desconectados etc.
Como os pares dialéticos - local e global; homogêneo e heterogêneo; continuidade e
descontinuidade; mudança e permanência; material e imaterial; consumidor e cidadão; centro
e periferia; encolhimento do Estado e centralidade do Estado – se articulam em cada uma das
áreas periféricas de cidades brasileiras impactadas pelo MCMV? Pesquisas que respondam
a essa questão precisam ser realizadas com especial atenção às consequências da inclusão
pelo consumo, aos limites e possibilidades que enseja, uma vez que integram o amplo rol de
contradições contemporâneas às quais as concepções de modernidade buscam dar sentido.
Em seguida, transcrevemos fragmentos das primeiras entrevistas feitas com novos
moradores desses conjuntos habitacionais implantados nos últimos anos (desde 2013),
18 - Em pesquisa realizada em Araçatuba e Birigui (SP), com base em entrevistas de citadinos residentes em diferentes áreas das duas cidades, Magrini (2013) recolheu depoimentos que identificam os empreendimentos do
MCMV, recentemente ocupados, como áreas perigosas.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
152

especialmente da Faixa 1, em Presidente Prudente19, com o intuito de evidenciar sua potencialidade:
Na verdade, tem horas que eu acho que ninguém gostaria de morar aqui nesse
bairro, por causa desse problema: você é honesto, você trabalha, você anda em
cima da lei do seu país, aí você é discriminado pelo bairro?
É longe! Ele é longe. Porque é uma coisa que não dá pra você ir a pé. É longe, se
você não tiver dinheiro, você não sai.
Aqui é difícil a gente sair, fica mais em casa. Lazer não tem. Só se subir lá para o
centro.
Os coitados dos meninos vão jogar bola lá embaixo, vira e mexe meu filho vem
com o pé cortado, alguma coisa machucada. Não tem um campinho, não tem
nada no jeito!
Esse é um bairro que ele é fora da cidade, ele não é dentro. Quer dizer que nós
não somos ninguém?
Quem não tem carro não sai daqui... De sábado e domingo eles põem um [ônibus]
hora sim, e outro hora não ... [as casas] eram todas iguais. Eram só dois quartos,
banheiro e cozinha. Não tinha muro, não tinha nada. A gente foi mexendo aos
pouquinhos. Muramos. Colocamos piso, porque só tinha piso na cozinha e no
banheiro. A gente foi melhorando...20

Fotos 1 e 2: Conjuntos habitacionais João Domingos Neto e Tapajós, Presidente Prudente, SP, Brasil.
Fonte: Eda Góes, fevereiro de 2015.

19 - As fotos tem objetivo ilustrativo, o que se justifica em função do público alvo desse periódico.
20 - Entrevistas realizadas por Viviane Fernanda de Oliveira como parte de sua pesquisa de doutorado.

Eda Góes
153

Para terminar, perguntamos: “hoje vivemos o fim do futuro”21? A partir de pesquisas
realizadas na perspectiva da Geografia do Cotidiano, e do reencontro com os sujeitos sociais
que ela possibilita, pode ser que a resposta seja negativa. E pode ser que essa seja uma
perspectiva importante de pesquisa para outras geografias, não apenas no Brasil.

Referências Bibliográficas
ANDRÉ, André Luis. Vida Bandida! Marginalização, sistema de trocas simbólicas e identidade. 2004. Monografia
(Bacharelado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente
Prudente.
BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Tradução: Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1991.
BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
______. Tempos Líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.
______. Medo Líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
______ Entrevista à MGMgazine: “É possível que já estejamos em plena revolução”. 2015, Disponível em www.
fronteiras.com/canalfronteiras/entrevistas/?16%2C316
BECK, Ulrick. La sociedad del riesgo. Hacia una nueva modernidad. Barcelona: Paidós, 1998.
BENÉVOLO, Leonardo. História da Cidade. São Paulo: Perspectiva, 2003.
BORGES, Marina Clementoni Costa. “Uma cidade, um shopping, uma experiência”: o Shopping Iguatemi Ribeirão
Preto e as relações reais e simuladas com o espaço urbano. 2015. Iniciação Científica (Arquitetura e Urbanismo) Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Presidente Prudente – SP,
Brasil.
CARDOSO, A, L.; ARAGÃO, T. A. Do fim do BNH ao Programa Minha Casa Minha Vida: 25 anos da política
habitacional no Brasil. In: CARDOSO, Adauto Lúcio (org.). O Programa Minha Casa Minha Vida e seus efeitos
territoriais. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013, p. 17-65.
CORREIA, Roberto Lobato. Construindo o conceito de cidade média. In: SPOSITO a, M.E.B. (org.). Cidades médias:
espaços em transição. SP: Expressão Popular, 2007, p. 23-33.
DAL POZZO, Clayton Ferreira. Fragmentação socioespacial em cidades médias paulistas. Os territórios do consumo
segmentado de Ribeirão Preto e Presidente Prudente. 2015. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Ciências
e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente – SP, Brasil.
DIÓGENES, G. Cartografias da Cultura e da Violência: Gangues, galeras e o movimento Hip Hop. São Paulo:
Annablume, 1998.
FIX, M. e ARANTES, P. F. Como o governo Lula pretende resolver o problema da habitação. Alguns comentários sobre
o pacote habitacional Minha Casa Minha Vida. Correio da Cidadania. 2009. Disponível em: <http://correiodacidania.
com.br>
FUREDI, F. Folha de S. Paulo, 15 de fevereiro de 2009, Caderno Mais, p.7
GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Cia das Letras, 1989.
GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.
JAMESON, Fredric. A virada cultural. Reflexões sobre o pós-moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.
LINDON, Alícia; HIERNAUX, Daniel. Tratado de Geografia Humana. Barcelona: Antrophos, 2006, p.356- 400.
MAGRINI, M. A. Vidas em enclaves. Imaginário das cidades inseguras e fragmentação socioespacial em contextos
não metropolitanos. 2013, Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade
Estadual Paulista, Presidente Prudente – SP, Brasil.
OLIVEIRA, Viviane Fernanda de. Os sentidos da casa própria: condomínios horizontais populares fechados e novas
práticas espaciais em Presidente Prudente e São Carlos. 2014, Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de
Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente – SP, Brasil.
PEDRAZZINI, Yves. A violência das cidades. Petrópolis: Vozes, 2006.
SADER, Eder. Quando novos personagens entram em cena. São Paulo: Brasiliense, 1988.
SOUSA SANTOS, Boaventura de. Reiventar a Democracia. Lisboa: Gradiva, 2002.
______. Pela mão de Alice: O social e a política na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 2006.
SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova. São Paulo: EDUSP, 2002 [1978].
SEABRA, Odete C. de Lima. Territórios do uso: cotidiano e modo de vida. Cidades, Presidente Prudente, v. 1, n. 2,
p. 181–206. 2004.
SHIMBO, L. Z. Habitação social, habitação de mercado: a confluência entre estado, empresas construtoras e capital
financeiro. 2010,Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade
de São Paulo/USP, São Carlos, SP – Brasil.
SPOSITO, Maria Encarnação B.; GÓES, Eda Maria. Espaços fechados e cidades: insegurança urbana e fragmentação
socioespacial. São Paulo: Editora UNESP, 2013.

21 - Pergunta que poderia ser formulada com base em Bauman (2001), Beck (1998), Giddens (2002), Jameson
(2006), entre outros.

154

O contributo do turismo sustentável para a
inclusão das comunidades e para a promoção
da paz em áreas transfronteiriças:
a Área Transfronteiriça de Conservação
Okavango Zambeze – ATFC KAZA/Angola
Amélia Cazalma
Doutora em Ciências da Educação pela Universidade de Granada e
Doutoranda em Turismo e Desenvolvimento pela Universidade de Coimbra

Lúcio Cunha
CEGOT – Universidade de Coimbra

Fernanda Cravidão
CEGOT – Universidade de Coimbra

1. Introdução - Áreas Transfronteiriças de Conservação (ATFC)
A nível da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) existem vários
instrumentos na forma de políticas e quadros legais que proporcionam um ambiente propício
para o estabelecimento e desenvolvimento das ACTFs na região, incluindo o Protocolo sobre
Conservação de Fauna Bravia e Policiamento da SADC (1999), Protocolo sobre Florestas da
SADC (2002), Protocolo sobre os Cursos de Água Partilhados da SADC (2002) e a Estratégia
Regional de Biodiversidade da SADC (2006). Os acordos relevantes sobre a conservação e
gestão dos ecossistemas marinhos baseiam-se na Convenção das Nações Unidas sobre o
Direito do Mar - CNUDM (1982), a Convenção para a Proteção, Gestão e Desenvolvimento
do Ambiente Marinho e Costeiro da Região da África Oriental - Nairobi (1985), a Convenção
Internacional para a Prevenção da Poluição causada por Navios - MARPOL (73/78) e a
Convenção sobre a Prevenção da Poluição Marinha por Alojamento de Resíduos e Outras
Matérias - Londres (1972).
De acordo com Programa da SADC para as ATFCs (2013), o conceito da gestão conjunta
de recursos naturais partilhados para além das fronteiras internacionais ganhou impulso
considerável na sequência da Cimeira Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada
no Rio de Janeiro, Brasil, em 1992. Em 2004, os países que ratificaram a Convenção sobre a
Diversidade Biológica adotaram, durante o Congresso Mundial de Conservação, o objetivo de
estabelecer e fortalecer “redes regionais, áreas protegidas transfronteiriças e a colaboração
entre áreas vizinhas protegidas para além de fronteiras nacionais”, sob o seu “Programa
de Trabalho para as Áreas Protegidas”. Um novo marco alcançado neste Congresso foi o
lançamento dos “Parques para a Paz”, uma iniciativa da Peace Parks Foundation (PPF) e a
União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN).
A fronteira é, em termos gerais, um espaço de demarcação e limite, longe dos centros
gravitacionais dos respetivos países e, em muitos casos, até é um factor de conflito, que é
trabalhado de forma diferente. Por via da centralidade ecológica e do paradigma ambiental,
a fronteira pode ser um fator de progresso e de cooperação entre comunidades que, apesar
de separadas do ponto de vista político-administrativo, vivem nos mesmos ecossistemas.
Uma área protegida representa sempre um risco social porque impõe limites ao uso dos
recursos, mas também constitui uma oportunidade para o bem-estar e a participação das

Amélia Cazalma | Lúcio Cunha | Fernanda Cravidão
155

comunidades que nela ou dela vivem.
Desde os primórdios dos anos noventa, vários Estados Membros da SADC têm estabelecido
as ACTFs por meio de um acordo bilateral ou multilateral, como proposto no Protocolo da
SADC sobre Conservação da Fauna Bravia e Policiamento de 1999.
De acordo com as nossas anteriores abordagens (Cazalma et al., 2014), existem 18
Áreas Transfronteiriças de Conservação em ambientes terrestres e marinhos entre os Estados
Membros da SADC, e algumas envolvem parcerias com Estados não-membros da SADC.
O território angolano integra 4 destas áreas Transfronteiriças de Conservação: a ATFC
KAZA (Angola, Botswana, Namíbia, Zambia e Zimbabwe), a ATFC Iona Skeleton Coast (Angola
e Namíbia); a ATFC Maiombe Forest (Angola, Congo Democrático e Congo Brazaville) e a
ATFC Liuwa Plains Mussuma (Angola e Zâmbia).
Relativamente à ATFC KAZA e de acordo com o seu Tratado Constitutivo (2011) a
gestão regional apresenta os seguintes órgãos constituintes na sua estrutura organizacional
que compreendem (i) o Patrono da ACTF KAZA; (ii) o Comité Ministerial composto pelos
Ministros responsáveis pelo meio ambiente, recursos naturais, vida selvagem e turismo dos
países parceiros; (iii) Comité Directivo do Projecto sob os auspícios do Secretariado da SADC
composto pelos Secretários Permanentes ou Directores Nacionais dos Ministérios responsáveis
pela ACTF KAZA dos cinco países parceiros; (iv) o Comité Técnico dos oficiais oriundos dos
países parceiros e os seus intervenientes respectivos; (v) Comités Nacionais Directivos; (vi) os
Grupos de Trabalho e (vii) o Secretariado da ACTF KAZA; (viii) o País Coordenador, conforme
organigrama abaixo (figura 1):

Figura 1 – Organigrama do projecto ACTF KAZA

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
156

Patrono da ACTF KAZA
Em Dezembro de 2006, os Ministros aprovaram a recomendação da nomeação de um
“Patrono” para a ATFC KAZA para liderar e promover o desenvolvimento da ATFC KAZA.
Esse cargo ainda não foi preenchido, contudo, estará aberto a personalidades reconhecidas
internacionalmente e a personalidades eminentes de qualquer país parceiro. Foi orientação
do Presidente da República de Angola, de 15 de Janeiro de 2015, que fosse criada uma
Comissão de Honra composta pelos cinco Chefes de Estado dos Países integrantes, este
Comité ainda esta por concluir. Em nosso entender será uma grande valia, ter este Comité
de Patronos em funcionamento, pois ajudará a dirimir vários constrangimentos, assim como
proporcionará uma alavancagem política ao desenvolvimento da área da ATFC KAZA.
Comité Ministerial
O Comité Ministerial da ACTF KAZA representa o nível superior de responsabilização e
decisão da ACTF KAZA e é composto pelos ministros responsáveis pelas pastas ministeriais de
ambiente, recursos naturais, vida selvagem e turismo de cada país parceiro.
Comité Directivo do Projecto
O Comité Directivo do Projecto é composto pelos Secretários Permanentes dos países
parceiros ou Directores Nacionais, Secretariado da SADC, o agente executor do projecto,
agências doadoras. Este órgão supervisiona e monitoriza o uso e gestão dos fundos doados
em prol do desenvolvimento da KAZA.
Comité Técnico
O Comité Técnico é composto por Altos Funcionários dos governos, das autoridades
locais, do Secretariado do KAZA e um representante do Secretariado da SADC. O Comité
Técnico da ACTF KAZA (TC) possui a responsabilidade dupla de garantir a implementação do
programa através da tradução das decisões do Comité Ministerial em planos de acção e da
supervisão do funcionamento e funções do Secretariado da ACTF KAZA.
Comités Nacionais Diretivos
Este fórum representa os vários atores da ACTF KAZA que participam no processo de
planeamento geral e de desenvolvimento. Sugere-se que os Comités Nacionais Diretivos
funcionem a nível nacional e local. A nível nacional, a composição dos Comités Nacionais
Diretivos compreende atores importantes com o mandato para influenciar as decisões sobre
a ACTF. Os Comités Nacionais Diretivos foram estabelecidos em todos os cinco países.
Grupos de Trabalho
O estabelecimento e o desenvolvimento da ACTF KAZA incluem outros sectores para
além do âmbito da conservação de recursos naturais e do desenvolvimento do turismo. Para
conceder a esses sectores a oportunidade de participarem no processo de planeamento
da ACTF KAZA, foram criados três grupos de trabalho: Defesa e Segurança; Turismo e
Comunicação e Conservação e Comunidade, cada país parceiro indicou representantes para
os diferentes grupos que poderão ser provenientes dos sectores público ou privado de cada
país. Esses peritos temáticos reúnem-se regularmente para orientar as atividades da ACTF
KAZA no domínio específico com uma abordagem integrada e harmonizada.
Secretariado da ACTF KAZA
As operações quotidianas do estabelecimento e desenvolvimento da ACTF KAZA são
conduzidas e coordenadas pelo Secretariado da ACTF KAZA. O Secretariado é composto
por uma equipa chefiada por um Director Executivo, um Director do Programa, um Oficial
de Administração, um Tradutor de Português e Consultores; recebe apoio dos países
parceiros através dos cinco Oficiais de Ligação. A equipa principal está baseada na sede
do Secretariado, em Kasane, Botswana. Os Oficiais de Ligação estão baseados nos países
parceiros respetivos, com vista a facilitar as contribuições de nível nacional no processo de
planificação e desenvolvimento da ACTF.
País Coordenador
O papel principal do País Coordenador é o de coordenar as atividades da ACTF KAZA
em nome dos demais países parceiros numa base rotativa de dois anos seguindo a ordem
alfabética. O País Coordenador concede liderança enquanto ponto focal na condução dos
processos de planificação da ACTF KAZA e de desenvolvimento e devera garantir que o

Amélia Cazalma | Lúcio Cunha | Fernanda Cravidão
157

Secretariado desempenhe em conformidade com os resultados esperados.
2. Caracterização da Área Transfronteiriça de Conservação Okavango
Zambeze – ATFC KAZA
A Área Transfronteiriça de Conservação Okavango Zambeze é uma iniciativa de cinco
países da região que têm como visão “estabelecer uma área transfronteiriça de conservação
e destino turístico de nível internacional nas regiões das bacias hidrográficas dos rios Kubango
e Zambeze de Angola, Botswana, Namíbia, Zâmbia e Zimbabwe (figura 2) no contexto do
desenvolvimento sustentável”. Abrange uma área para 519912,00 Km21.

Figura 2 - Mapa de Delimitação geográfica da ATFCs KAZA, Fonte: IDP (2011), adaptado.

A ATFC KAZA tem como valores a aceitação, entendimento, igualdade, transparência,
inclusão, respeito mútuo, respeito pela soberania entre os estados. Foi criada com o objectivo
de promover a conservação da biodiversidade, o desenvolvimento socioeconómico, as
relações de paz e a cooperação regional. Assim, definiu-se que a sua actuação se deveria
pautar pelos seguintes pressupostos:
- Trazer benefícios ecológicos transversais à região - preservar a natureza e os seus sistemas,
sobretudo os que foram afetados pelo traçado arbitrário das fronteiras internacionais;
proteger e controlar os recursos naturais partilhados, como as bacias hidrográficas e as
espécies animais, diminuindo o risco de perda da biodiversidade; e uniformizar as políticas de
ocupação do solo e as estratégias de controlo dos recursos naturais.
- Maximizar as vantagens socioeconómicas por via do desenvolvimento turístico partilhado
em que a abordagem regional para a conservação da biodiversidade e do desenvolvimento
do turismo irão surtir efeitos socioeconómicos positivos que se devem aos seguintes
factores: distribuição de turistas por uma área alargada, permitindo-lhes visitar numa única
viagem mais do que um país; melhoria das condições económicas dos agregados familiares
através da criação de emprego em várias operações turísticas; capacitação económica das
comunidades rurais através do estabelecimento de entidades legais ou fundos, formação em

1 - Dimensão actualizada a partir do Secretariado Regional da ATFC KAZA (2014).

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
158

desenvolvimento; e medidas de diminuição dos custos operacionais
- Desenvolver o espírito de cooperação organizacional, fomento de um espírito colaborativo entre os países parceiros através da cooperação em atividades várias no alcance de
benefícios mútuos; incentivo à distribuição geográfica equitativa de atividades económicas
que irão limitar a migração económica e contribuir para promover a paz e a estabilidade na
região; monitorização partilhada dos recursos naturais e da vida selvagem na ATFC KAZA,
quer nacional, quer regionalmente.
Alguns dos princípios que os Estados Parceiros se comprometem a respeitar para a
realização dos objetivos enunciados no Tratado são:
1. Respeito pela igualdade de soberania, integridade territorial, estruturas e sistemas
jurídicos dos Estados Parceiros;
2. Defesa da solidariedade, paz e segurança no contexto da ATFC KAZA;
3. Reconhecimento do facto que o direito de uso dos recursos naturais e do património
cultural acarreta consigo a obrigação de atuação de modo responsável de forma a garantir
a conservação e gestão eficaz dos recursos naturais vivos e não vivos para as gerações
futuras;
4. Prevenção do uso excessivo de recursos naturais e garantia que o uso dos recursos
naturais seja proporcional à capacidade produtiva das espécies. Onde for adequado, os
Estados Parceiros tomarão medidas tendentes a reabilitar as populações de espécies em
decadência ou habitats degradados e impedir a destruição injustificada de habitats através
da poluição ou qualquer outra atividade humana;
5. Transformação da ATFC KAZA num programa que ilustre e exiba a partilha de
benefícios, a igualdade, a boa governação, a colaboração e a cooperação.
3. Vantagens organizacionais
Para além das vantagens económicas e ambientais, um projecto desta natureza pode
ser também responsável por importantes vantagens organizacionais para os países parceiros,
como refere o Tratado da ATFC KAZA (2011), das quais destacamos:
1. Criar boas relações entre os países parceiros à medida que se esforçam no sentido
de cooperar em vastas atividades de benefícios mútuos;
2. Criar benefícios económicos e sociais a partir do desenvolvimento turístico sustentável
que, por sua vez, permitem beneficiar indiretamente as comunidades;
3. Colaborar e cooperar através das fronteiras com distribuição geográfica equitativa
de atividades económicas que irão limitar a migração económica e contribuir para promover
a paz e a estabilidade na região;
4. Criar um controlo de colaboração mais forte entre as entidades responsáveis
pelos recursos naturais e o controlo da vida selvagem na KAZA ATFC, quer nacional, quer
regionalmente.
Corroborando o exposto no Tratado do KAZA, nomeadamente as vantagens ou benéficos
organizacionais entre os cinco países que constituem a ATFC KAZA, dos inquéritos efetuados
a 340 elementos amostrais conforme mostra o Gráfico 1, sendo 29.60% de Angola, os
restantes 4 países com a mesma percentagem de 17,60% cada, cerca de 70,8% (Bem/
Muito Bem), mencionaram que a ATFC KAZA proporciona benefícios organizacionais entre
os países que o constituem (figura 3).

Figura 3 – Percepção das populações acerca dos benefícios organizacionais (entre os países) proporcionados pelo KAZA

Amélia Cazalma | Lúcio Cunha | Fernanda Cravidão
159

Comunidade
A ACTF KAZA cobre uma vasta zona dos cinco países parceiros, na qual existe uma
grande variedade de usos de terra, incluindo agricultura, zonas protegidas e zonas de caça
e da vida selvagem. A Iniciativa da ACTF não requer que as populações sejam deslocadas ou
transferidas para além das fronteiras da ACTF, mas antes procura aplicar uma abordagem da
conservação da biodiversidade que integra as populações e abrange a paisagem regional.
O desenvolvimento nas comunidades e aldeias contidos a nível da ACTF KAZA não é
contraditório aos objetivos da ACTF KAZA e a própria ACTF corresponde a um veículo através
do qual o desenvolvimento pode complementar a conservação da biodiversidade, garantindo
a sustentabilidade ambiental.
Os governos dos países parceiros reconhecem que as comunidades locais que residem
e estão situadas à volta das zonas protegidas devem ser os beneficiários imediatos dessa
iniciativa, não obstante o objetivo primário da iniciativa a ACTF ser a conservação da
biodiversidade.
Estima-se que a população da área ronda os 2 - 2.5 milhões de habitantes, que já suportam
o custo de viverem em estreita proximidade das zonas protegidas, por terem de lutar contra
a destruição de produtos agrícolas e da propriedade devido ao conflito entre humanos e a
vida selvagem, bem como pelo direito limitado de uso dos recursos naturais e pela ameaça
de doenças transmitidas pelos animais. Com excepção dos centros de turistas reconhecidos
e estabelecidos, essas comunidades tendem também a ser mais vulneráveis, uma vez que
sofrem de alto nível de pobreza, analfabetismo e subdesenvolvimento. As iniciativas da ACTF
estão preparadas para servir de veículo de mudança nessas zonas, permitindo a partilha de
conhecimento e de aptidões para além das fronteiras, a nível comunitário e governamental,
concentrando-se no desenvolvimento de turismo e outras fontes alternativas de subsistência,
revendo os direitos das comunidades locais relativamente aos recursos naturais, promovendo
a capacitação comunitária a nível das comunidades locais para gerir os recursos naturais
e celebrar acordos com o sector privado e, finalmente, pela geração de receitas para os
projectos de desenvolvimento.
Na qualidade de interveniente fundamental na iniciativa da KAZA, torna-se essencial que
a Comunidade tenha uma voz no processo de planeamento e desenvolvimento da ACTF
KAZA. Essa voz é oferecida através de uma variedade de meios. A nível nacional, vários
Comités Diretivos Nacionais compreendem a representação das Organizações Baseadas
na Comunidade. Os Planos de Desenvolvimento Integrado também compreendem a
representação das Organizações Baseadas na Comunidade.
Neste contexto, foi constituído o Grupo de Trabalho da Comunidade que compreende os
conhecimentos técnicos relevantes de cada país parceiro. Através desse Grupo de Trabalho
orienta-se o desenvolvimento da ACTF com vista a garantir que os interesses das comunidades
locais em cada país parceiro sejam abordados, a informação seja disseminada de forma eficaz
e haja o intercâmbio da informação com elas.
4. Desenvolvimento Turístico, Território, Desterritorialização e Território Mundo
Segundo Fernandes (2013), o fenómeno turístico é um importante modelador das
paisagens, das territorialidades pessoais e coletivas e dos fluxos de capitais e pessoas, tendo
sido o foco de múltiplos processos de reconversão funcional de lugares em crise e de promoção
de grupos sociais mais vulneráveis que, através do turismo, participam na mobilidade de
diferentes categorias de capital.
O Autor refere que o turismo se dispersou para espaços de diversidade e de maior
sensibilidade ecológica e social. Os territórios turísticos tornaram-se social, cultural e economicamente mais fragmentados a ponto de ser difícil pensar o mundo sem o turista que
hoje se coloca na proximidade de populações com graus heterogéneos de vulnerabilidade
segundo Steil (2006). Mostra ainda Fernandes (ob. cit.) vários exemplos pelo mundo fora de
destinos que são territórios de elevada precariedade social, como o Nepal, Goa, Índia, Egipto,
Africa do Sul e Quénia, entre outros. Mostra-nos, também, que em muitos microterritórios,
o turismo tem sido um fator de mudança e abertura à influência e territorialização locais
de escalas geográficas mais alargadas. Em muitos casos o turismo acelerou a terciarização
da economia, da população ativa e do espaço, estimulou a circulação da moeda e a
mercantilização do quotidiano, alterando os ritmos, as opções e as trajetórias de vida da

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
160

população local.
Para Haesbaert (1997) desterritorialização é um conceito aplicado a «fenómenos de
efectiva instabilidade ou fragilização territorial, principalmente entre grupos socialmente mais
excluídos e/ou profundamente segregados, de facto impossibilitados de construir e exercer
efectivo controle sobre os seus territórios, seja no sentido de dominação político-económica,
seja no sentido de apropriação simbólico-cultural».
Rogério Haesbaert (apud Sposito, 2004), trata do território com diferentes enfoques
e traz-nos uma classificação em que se verificam três direcionamentos básicos: 1) jurídicopolítico, onde “o território é visto como um espaço delimitado e controlado sobre o qual
se exerce um determinado poder, especialmente o de caráter estatal”; 2) culturalista, que
“prioriza dimensões simbólicas e mais subjetivas, o território visto fundamentalmente como
produto da apropriação feita através do imaginário e/ou identidade social sobre o espaço”: 3)
económico, “que destaca a desterritorialização em sua perspectiva material, como produto
espacial do embate entre classes sociais e da relação capital-trabalho”.
Assim, segundo Rogério Haesbaert (2007) como síntese da multiplicidade de feições que
o território e os processos de territorialização assumem num mundo dito globalizado, podese afirmar que:
1. A construção do território resulta da articulação de duas dimensões fundamentais,
uma mais material e ligada à esfera político-económica, outra mais imaterial ou simbólica,
ligada sobretudo à esfera da cultura e do conjunto de símbolos e valores partilhados por um
grupo social. Pelo que, o território pode estar vinculado tanto ao exercício do poder e ao
controle da mobilidade via fortalecimento de fronteiras, quanto à funcionalidade econômica
que cria circuitos relativamente restritos para a produção, circulação e consumo;
2. Num sentido mais imaterial ou simbólico, o território pode moldar identidades culturais
e ser moldado por elas, que fazem dele um referencial muito importante para a coesão dos
grupos sociais;
3. Por outro lado, o território, além de ter diferentes composições na interação entre
as dimensões política, econômica e simbólico-cultural, pode ser visto a partir do grau de
fechamento e/ou controle do acesso que suas fronteiras impõem, ou seja, seus níveis de
acessibilidade.
O mesmo autor enfatiza ainda que no panorama atual do mundo com todas as suas
complexidades e processos, muitas vezes excludentes, como a crescente globalização e a
fragmentação a um nível micro ou local, servindo de refúgio à globalização, identifica uma
multiterritorialidade reunida em três elementos: os territórios-zona, os territórios-rede e os
aglomerados de exclusão. Nos territórios-zona prevalece a lógica política; nos territórios rede
prevalece a lógica econômica e nos aglomerados de exclusão ocorre uma lógica social de
exclusão socioeconómica das pessoas. Para nós, as Áreas Transfronteiriças de Conservação
têm o enquadramento nos três elementos apresentados pelo Autor, o que obrigará a que
os intervenientes das ATFC’s acompanhem em tempo real todas as variáveis, a fim de que
sejam minimizados os aspetos negativos e alavancados os aspetos positivos, permitindo que
as Comunidades façam parte da inclusão e não exclusão. Dito doutra forma, pretende-se
esbater a lógica política dos territórios-zona, facilitar a criação de territórios rede com base
na actividade turística e, sobretudo, evitar que as comunidades envolvidas no processo de
desenvolvimento turístico se tornem “aglomerados de exclusão”, mas antes constituam
parte efectiva da rede económica em criação.
Para Fernandes (2008) a desterritorialização pode ocorrer em função do local,
isto é, desterritorialização in situ, quando a desvinculação espacial ocorre nos próprios
espaços quotidianos, o que é o mesmo que processos de desterritorialização fixos, ou a
desterritorialização ex situ, que se refere aos casos em que o desenraizamento com o lugar
ocorre por deslocação do indivíduo ou grupo, isto é desterritorialização em movimento.
Efectivamente essa preocupação é passível de se encontrar em várias ATFCs, pois a
Comunidade pode ser deslocada do seu ambiente e muitas vezes sem o cuidado de se
minimizar as dificuldades inerentes a sua adaptação em outro local e mesmo de assegurar a
sua própria sobrevivência, a exemplo dos Povos Koissans.
A desterritorialização implica sempre reterritorialização, ninguém fica sem território, o
problema é que essa reterritorialização pode ser precária e, um modelo de desenvolvimento,
como o turismo, que promova reterritorializações precárias (menos acesso a água e à

Amélia Cazalma | Lúcio Cunha | Fernanda Cravidão
161

saúde, por exemplo) não serve. Refere Fernandes (2013) que o turismo incorre no risco de
desterritorialização pelo efeito de quatro fatores essenciais, que o autor enfatiza, mas para o
nosso estudo apresentamos três:
a) A perda de espaço público, devido ao aumento da insegurança (por questões como
a criminalidade);
b) A redução das acessibilidades (pela construção de barreiras, pela privatização dos
espaços coletivos, pelo aumento das densidades de uso, pela inflação do preço dos solos,
pela patrimonialização e gentrificação de espaços até então centrais na territorialidade de
grupos mais vulneráveis);
c) A degradação dos recursos naturais (como, por exemplo, a água);
ANDRADE (1995) estabelece uma diferenciação clara entre território e espaço. O
território associa-se mais à ideia de integração nacional, de uma área efetivamente ocupada
pela população, pela economia, pela produção, comércio, transportes, fiscalização, etc. É no
território que as relações capitalistas efetivamente se fazem presentes. Já o espaço é mais
amploe abrangente que o território, englobando também as áreas vazias que ainda não se
territorializaram, isto é, que ainda não sofreram uma ocupação humana efetiva. O problema
aqui é que o território da empresa turística, o da área protegida e o dos diferentes membros
das comunidades locais não coincidem e podem ser conflituosos. As áreas Transfronteiriças
de Conservação e no nosso exemplo a ATFC KAZA, é um espaço com 519911,51 Km2, com
uma população diminuta, entre 2 a 2.5 milhões de habitantes, ou seja com uma densidade
abaixo dos 5 hab/Km2, ou seja podemos considerá-lo efetivamente um espaço em vias
de territorialização, segundo a definição do Autor, pois estas áreas têm como objectivo a
preservação da natureza, muito mais do que uma ocupação ou dominação económica ou
política.
Novas Territorialidades
Ressalta Rogério Haesbaert (1997) que entre as novas territorialidades em gestação,
talvez a mais surpreendente seja aquela que envolve a escala mundo. É a sua existência,
afinal, que de diversas maneiras coroaria os processos de globalização, de certa forma
legitimando-os, na medida em que a dimensão política da globalização, o controle político
dos fluxos (especialmente de capitais), é a menos evidente. Simbolicamente, territórios como
os das reservas naturais e patrimónios da humanidade podem ajudar na consolidação de
uma identidade-mundo, capaz de unir numa mesma “rede-território” toda a civilização
planetária, que pela primeira vez, desde a Segunda Grande Guerra, coloca em risco sua
própria existência na superfície da Terra.
Segundo Edgar Morin e Anne Brigitte Kern (1993) estaríamos a vivenciar um processo
de territorialização radicalmente novo, pelo menos no tocante à escala planetária, com a
formação de uma nova identidade territorial, um novo espaço a controlar (e preservar) de
maneira conjunta, a Terra em sua totalidade (ou a “Terra Pátria”), a possibilidade de uma
sociedade global no sentido positivo, onde valores como a democracia, a autonomia e os
direitos humanos seriam universalizados. Para isso, uma nova identidade sócio -territorial,
também planetária, torna-se imprescindível. Assim, a consciência global dos problemas
(ecológicos, político-militares, econômicos, médico-sanitários...) pode constituir um primeiro
passo.
Lévy (1992) refere que “o homem em geral não tem maior significação hoje do que no
passado; mas a generalidade dos homens ganha sentido”. O novo padrão que tenta moldar
a sociedade vai gradativamente diminuindo as distâncias no nível planetário, de acordo com
a “sociedade-mundo” de Jacques Lévy, temos uma distância nula, pois “todos os pontos da
Terra pertencem a uma mesma sociedade” (1992) através de redes sincronizadas.
Em nosso entender e de acordo com o tema que queremos estudar, as áreas transfronteiriças
de conservação na SADC e, em particular, a Área de Conservação Okavango Zambeze, com
519911,51 km2, envolvendo cinco países, com a dimensão que possuem e que se juntam
para, num determinado território, trabalharem de forma conjunta, melhorarem a vida das
comunidades, protegerem a biodiversidade, são pequenos exemplos e, quiçá, pequenos
territórios em dimensão planetária que fazem o ser humano sentir-se um cidadão planetário
e permitir-se zelar pela preservação do Planeta de uma forma geral e não só no território

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
162

onde se encontra inserido.
Relativamente à importância do turismo, no conceito das novas territorialidades, Dias
(2011) refere que “o movimento de pessoas que provoca, aproxima indivíduos de lugares
distantes, intensifica as mudanças de hábitos, facilita a comunicação de diferentes povos,
estabelecendo regras de convivência e compreensão entre a diversidade étnica e racial do
mundo. Neste sentido, pode falar-se do turismo como uma das faces da globalização, de
intensificação da redução ou da eliminação de barreiras nacionais, não só para o aumento do
fluxo de bens e mercadorias, mas também da circulação e do contacto inter-culturas”. Para o
mesmo autor, o turismo contribui para aumentar a consciência e a identidade de cada povo,
assim como para conhecer as suas diferenças face a todos.
5. O Desenvolvimento do Turismo Sustentável e o Turismo de Base Comunitária
O turismo constitui uma das maiores atividades económicas a nível mundial mas esta
apresenta um conjunto de impactes negativos que importa mitigar. Têm sido realizados vários
encontros com líderes mundiais no sentido de acertar métodos que promovam o turismo
numa óptica de sustentabilidade. Salienta-se a Cimeira da Terra, em 1992, no Rio de Janeiro,
de onde resultou a Agenda 21, documento que pretende definir uma estratégia conjunta e
sustentável. A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a
Cimeira da Terra (RIO 92), em 14 de Junho de 1992, fez surgir um documento orientador que
foi designado por Agenda 21 que procura identificar um conjunto de questões ambientais e
de desenvolvimento que ameaçam o futuro económico e ecológico do planeta, procurando
definir uma estratégia global com uma visão mais sustentável de utilização de todos os
recursos. Este programa de ação resultou de um consenso internacional de 182 países que
procuraram assegurar o futuro sustentável do planeta. Este programa é composto por 40
capítulos e 115 programas de áreas específicas que, no seu conjunto, procuram criar uma
estratégia de ação global com vista a uma nova aprendizagem dos usos e práticas ate então
utilizadas.
Sob influência da Agenda 21, em 1996, três organizações internacionais, a Organização
Mundial do Turismo, (WTO), o Conselho Mundial do Turismo e Viagens (WTTC) e o Conselho
da Terra2 (EC) juntaram-se e lançaram um programa sectorial de desenvolvimento sustentável
intitulado Agenda 21 para a Indústria das viagens e do turismo. O documento realça
a importância estratégica e económica das viagens e do turismo, pondo em destaque os
benefícios inerentes a uma atividade sustentável. Deste documento emergiram princípios de
que ressaltamos alguns, a saber:
1. A indústria do turismo devera contribuir para que as pessoas tenham padrões de
vida saudáveis e produtivas em harmonia com a natureza;
2. A indústria do turismo deverá contribuir para a conservação, proteção e recuperação
do ecossistema da terra;
3. As nações devem cooperar no sentido de promover um sistema económico aberto,
em que o comércio internacional dos serviços de viagens e turismo possa ocorrer numa base
de sustentabilidade;
4. A proteção ambiental devera ser parte integrante do processo de desenvolvimento
turístico;
5. A indústria turística deverá usar a sua capacidade para criar postos de trabalho, quer
para pessoas do sexo feminino, quer para toda a população local;
6. Os assuntos e decisões do desenvolvimento turístico deverão ser tratados com a
participação dos cidadãos que se preocupam com estas questões.
Para Dias (2011) o turismo apresenta várias dimensões, que devem ser consideradas
numa perspectiva sustentável em equilíbrio harmónico constante, nomeadamente:
1. A dimensão económica, que gera diferentes impactes nas comunidades, tais como
níveis de rendimentos, trabalho e investimentos;
2. A dimensão social, que permite que as pessoas satisfaçam a necessidade de conhecer
as coisas novas, além do contacto entre os diferentes grupos sociais que produz efeitos nos

2 - O Conselho Terra é uma Organização não Governamental, que foi criada em resposta à Conferência do Planeta para acompanhar a implementação da Agenda 21 e os acordos do RIO92 (WTTC, WTO, EC, 1996)

Amélia Cazalma | Lúcio Cunha | Fernanda Cravidão
163

estilos de vida;
1. A dimensão cultural, em que há uma imensa troca cultural entre a comunidade local
e os visitantes, alterando valores e costumes;
2. A dimensão ambiental, uma vez que a prática do turismo pode contribuir para
alterar ou preservar os processos ecológicos essenciais e a diversidade biológica.
Podemos também afirmar, como afirmam vários autores, que o turismo é ambivalente
por oferecer oportunidades de bem-estar positivas e, por outro lado, ser um factor de risco,
criando algumas dinâmicas negativas.
Esta agenda procura dar um contributo real, oferece orientações, análise e exemplos
benéficos em termos económicos, ecológicos, sociais e culturais.
6. O Turismo de Base Comunitária
Segundo Ivan Bursztyn (2012) as discussões envolvendo o turismo de base comunitária
(TBC) no mundo, de um modo geral, estão vinculadas ao debate sobre como a atividade
turística pode contribuir para a redução da pobreza nos países do sul do mundo. É com
esse propósito que organismos internacionais, como as Nações Unidas, com o Programa
das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Organização Mundial do Turismo
(OMT), por exemplo, vêm promovendo ações de fomento ao TBC, principalmente na Ásia,
África, América Latina e Caribe. A estratégia de promover encontros entre as pessoas dos
países mais ricos e as comunidades de países pobres em atividades de turismo com carácter
responsável pode proporcionar, segundo esses órgãos, uma sensibilização nesses visitantes,
uma vez que conhecem os problemas, mas também as riquezas e as pessoas, vivenciando
o cotidiano com suas tristezas e alegrias. O Autor refere que o conhecimento adquirido
não é só intelectual, mas mexe com os sentimentos e o cotidiano, favorecendo vínculos de
proximidade e solidariedade.
Durante a Conferência das Nações Unidas para Desenvolvimento Sustentável, a Rio +10,
realizada em Johanesburgo, em 2002, a OMT lançou o Programa de Turismo Sustentável e
Eliminação da Pobreza (Sustainable Tourism – Eliminating Poverty ou simplesmente STEP)
com o objetivo de contribuir para o esforço global da redução da pobreza, estabelecido pelas
Nações Unidas como um dos principais objetivos. Nos anos subsequentes, o STEP promoveu
uma série de seminários em países da África, Ásia e América Latina que visavam sensibilizar
os governos regionais para a adoção de ações que tinham como objetivo a redução da
pobreza. Esses seminários e debates deram origem a uma série de publicações da entidade
sobre o tema (WTO, 2002, 2004, 2005 e 2006). Em paralelo, a OMT liderou um movimento
de captação de recursos para financiar projetos em países menos desenvolvidos. Foram
selecionados como projectos: 24 na África, 16 nas Américas, 10 na Ásia e Pacífico e um na
Europa; mais da metade destes estão diretamente focados no fomento às iniciativas de TBC.
Outras iniciativas de promoção do TBC no mundo houve, principalmente, europeias, com
atuação junto de países da Ásia e da África no intuito de beneficiar as comunidades locais
com os recursos gerados pelo turismo. Organizações como SNV (Holanda), WWF (Inglaterra),
IUCN, entre tantas outras, ligadas ou não a governos de países ricos, vêm fomentando o
TBC em países como Namíbia (ASHLEY & GARLAND, 1994; WILLIAM et al., 2001), Botswana
(MBAIWA, 2002), só para citar alguns exemplos de países membros da ATFC KAZA.
O turismo comunitário é visto por alguns autores como meio para a inserção de
desenvolvimento econômico de uma determinada área, como meio de interação e
desenvolvimento social, concretização da consciência de preservação ambiental, cultural e
como meio para a sustentabilidade. Para o sucesso do desenvolvimento turístico de base
comunitária é necessário ter em conta os diversos fatores determinantes para sua afirmação,
não poderá ser desenvolvido apenas pela comunidade em si, pois a mesma deve estar ciente
de seu papel e responsabilidade, conforme enfatiza Carvalho (2007):
“O turismo comunitário apresenta-se sendo desenvolvido pela própria comunidade,
onde seus membros passam a ser ao mesmo tempo articuladores e construtores da cadeia
produtiva, onde a renda e o lucro permanecem na comunidade contribuindo para melhoria
de qualidade de vida, levando todos a se sentirem capazes de cooperar e organizar as
estratégias do desenvolvimento do turismo. Além de requerer a participação de toda a
comunidade, considera os direitos e deveres individuais e coletivos elaborando um processo
de planeamento participativo, desenvolvendo assim a gestão participativa, ou seja, os atores

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
164

sociais na sua maioria se envolvem com as atividades desenvolvidas no local de forma
direta ou indireta tendo sempre em vista a melhoria da comunidade e de cada participante,
levando em conta os desejos e as necessidades das pessoas, a cultura local e a valorização do
patrimônio natural e cultural”.
De acordo ainda com Carvalho a sociedade deve estar madura, composta por indivíduos
habilitados para a formação sólida de uma comunidade e só então com seu amadurecimento
e em formações associativas atingir o desenvolvimento comunitário, pelo que é necessário
o desenvolvimento do indivíduo dando-lhe condições mínimas e recursos básicos para o
efeito. Mostra Carvalho (2007) que, “para que ocorra o desenvolvimento, é preciso priorizar
a satisfação de algumas necessidades humanas no que diz respeito à saúde, educação,
moradia, lazer, emprego e renda”. À semelhança de outros modelos de desenvolvimento
turístico, é ressaltada a importância de incentivos públicos para a participação privada e da
população na atividade, sendo a comunidade trabalhada para a receptividade e também para
a preservação de patrimónios ambientais e culturais, a tomada de consciência da importância
do turista, por forma a que se alcance o sucesso do destino. No turismo comunitário não é
diferente. Existe a necessidade de sincronia entre os setores, é extremamente importante que
a comunidade esteja consciente da sua organização e apoio para exploração do turismo, já
que este modelo possibilita a participação ativa e direta da comunidade, fazendo com que
esta usufrua das oportunidades geradas pela atividade e não seja excluída e os seus membros
utilizados apenas como mão de obra barata.
Dessa forma, o turismo comunitário surge como uma possibilidade de preservação de
culturas e oportunidade em busca de uma fatia de mercado como afirma Coriolano (2006):
Seus organizadores elaboram críticas ao modelo excludente e tentam produzir serviços
turísticos de forma associativa, comunitária, juntando esforços, ideias e as poucas condições
financeiras de pessoas que se agrupam para desenvolver serviços, assim, é realizado de forma
compartilhada. Enfatiza Coriolano (2003) que “[...] o turista é atraído pela simplicidade, pelas
belezas naturais, calmaria e a rusticidade do lugar” segundo a autora uma das principais
características do turismo comunitário é a criação de interação entre a comunidade e os
turistas, havendo interação e respeito mútuo entre as partes, permite que as relações
sejam mais humanizadas, de cooperação e encurtam se as distancias emocionais entre
as comunidades e os turistas. Deste momento proporcionara ao turista a criação de um
sentimento de empatia pelo Território/Espaço, pelas comunidades permitindo ao turista a
criação de sentimento de preservação, inclusão e paz.
O Turismo de Base Comunitária, também deve assentar na criatividade, que percorre o
modelo de gestão mas que passa também pela identificação/ criação de novas formas de
capital.

7. Área Transfronteiriça de Conservação Okavango Zambeze. Uma síntese do
Empreendimento Comunitário
Em observância aos objetivos da Área Transfronteiriça de Conservação Kavango Zambeze
(ATFC KAZA) que se consubstanciam na inclusão e desenvolvimento das Comunidades, a
ATFC KAZA e a African Wildlife Foundation (AWF) estão a apoiar em conjunto a Comunidade
de Sekute a desenvolver um empreendimento do turismo comunitário que seja rentável e
sustentável em Livingstone - Zâmbia, como parte da sua emancipação socioeconómica e
como estratégia para o alívio da pobreza das populações, bem como de conservação dos
corredores de vida selvagem e proteção do ecossistema do Zambeze.
O lodge de Pesca de Machenje é propriedade da Comunidade da Comunidade de
Sekute, possui 10 camas e está localizado numa área de pesca do peixe-tigre - um alvo
procurado pelos pescadores à linha no mundo inteiro. Situado na margem do Rio Zambeze,
numa rota migratória de vida selvagem, dista 70 kilometros de Livingstone, a capital de
turismo da Zâmbia. A ATFC KAZA e AWF apoiam o desenvolvimento do mesmo em termos
financeiros e técnicos. A SCDT (Organização do Desenvolvimento da Comunidade de
Sekute), fez uma parceira com um operador privado, Taonga Safaris (Ltd) para gerir o lodge
sob um acordo de 10 anos. No âmbito do modelo entre a comunidade e uma parceira
privada, o Taonga irá providenciar capital operacional, bens móveis e a equipa de gestão, e a

Amélia Cazalma | Lúcio Cunha | Fernanda Cravidão
165

comunidade concordou em arrendar as instalações do lodge. O Taonga e a SCDT irão partilhar
os benefícios financeiros das operações do Lodge, de acordo com os termos da parceria. É
o primeiro modelo do seu género na Zâmbia, bem como na área do KAZA, organizado pela
ATFC KAZA, e objetiva:
1. Consolidar a sustentabilidade dos projetos comunitários dado que o lodge será gerido
por um operador turístico com experiência que tem ligações aos mercados regionais e
internacionais de turismo;
2.
Maximizar os benefícios económicos para as comunidades ao mesmo tempo que
se minimiza o risco empresarial;
3.
Transferir as capacidades empresariais e de gestão por parte do sector privado para
as comunidades, e
4.
Demonstrar os benefícios socioeconómicos.
As comunidades deverão utilizar os lucros do lodge de Pesca Machenje para empreender
projetos comunitários de desenvolvimento, conforme o acordado pela liderança da
Organização do Desenvolvimento da Comunidade Sekute (Figuras 4 e 5).

Figura 4 - Logde Machenje na Zambia; Fonte: Secretariado Regional da ATFC KAZA (2013)

Figura 5 - Lodge Machenje na Zambia; Fonte: Secretariado Regional ATFC KAZA (2013)

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
166

Em nosso entender os benefícios que são propalados na divulgação dos projetos de
Base Comunitária, fundamentais no tocante à organização das comunidades, por forma a
que estas se desenvolvam a partir dos benefícios daí provenientes, não me parece que seja
real, pois das visitas efetuadas a várias áreas e com a organização desse tipo de projectos, as
comunidades se desenvolvem de forma muito lenta, pois a rentabilidade dos seus projetos
não permite todo um desenvolvimento para o melhoramento da vida dos mesmos. Por
exemplo, se analisarmos a geodiversidade de Lesotho, esta permite perceber que só com
somas avultadas se poderão erguer infraestruturas melhoradas para as comunidades. A
questão é como as mesmas poderão criar esses meios a partir dos projetos de turismo de
base Comunitária se os Estados ficarem a espera que se desenvolvam a partir dos benefícios
das suas atividades?
Para nós, o Turismo de Base Comunitária devera passar pelos seguintes aspetos:
1- Organização das Comunidades por forma a apresentarem as suas culturas,
permitindo que outros cidadãos do mundo, conheçam essas culturas, os seus valores etc.,
como exemplo da vila cultural Thaba Siku em Maseru.
2- Os Governos deverão assumir o seu papel que é a criação de condições de vida
dignificante para as suas Comunidades e não deixar que elas se desenvolvam com o benefício
dos projetos organizados pelas mesmas, mesmo que financiadas pelos Governos ou por
outras organizações, nomeadamente o desenvolvimento das infraestruturas básicas, escolas
hospitais, residências condignas e outras.
3- Os benefícios do Turismo de Base Comunitária, deverão reverter para formação
da Comunidade, o melhoramento das comunidades e vice-versa, pelo contacto com os
visitantes de outras partes do mundo. A garantia do seu envolvimento na decisão da região,
a inclusão nos projetos e nos diversos níveis de decisão, de emprego e a respetiva formação
especializada nas diversas áreas do saber.
Conclusões
O desenvolvimento do turismo sustentável, de acordo com a salvaguarda das instituições
responsáveis pela sua organização e a salvaguarda da vida das comunidades pode permitir
uma alavancagem da melhoria das condições de vida das comunidades, através do aumento
de emprego e elevar o nível académico das comunidades, a fim de garantir uma interação
com mais qualidade.
Apesar da controvérsias apresentadas por vários autores no tocante aos efeitos negativos
do turismo, parece-nos que o maior problema passa pelo desenvolvimento do ser humano,
evitando a sua ganância, a ausência de valores morais, pois o Turismo se constitui em nosso
sentir e ver, uma alavanca para a união, inclusão planetária e estabilização da paz… Quando
crescermos do ponto de vista humano e espiritual, analisaremos os territórios na óptica de
Território - Mundo, conforme mostra Rogério Haesbaert (1997).
O desenvolvimento Sustentável do Turismo é fundamental para o desenvolvimento
socioeconómico da região e, em particular, para o alívio da pobreza e melhoria das condições
socioeconómicas das comunidades que vivem no interior da ATFC KAZA e nas suas zonas
contíguas. O desenvolvimento turístico de Base Comunitária, permitirá o engajamento de
vários stakeholders nomeadamente as instituições dos Estados, o Sector Privado, Organizações
Não Governamentais, Líderes tradicionais e Comunidades locais.
A cooperação dos Países na gestão do desenvolvimento turístico sustentável e de Base
Comunitária nas áreas transfronteiriças, constitui um grande incentivo e um contributo para
a paz regional e não só.
Ainda de acordo com Ivan (2012) podemos concluir que as oportunidades de
engajamento, cidadania e reforço dos laços sociais podem ser consideradas como benefícios
não monetários decorrentes das práticas de TBC. Destaca-se que o vínculo estabelecido com
o território é um outro benefício, normalmente não contabilizado pelas estatísticas. Por terem
relação afetiva com os lugares, em função da história familiar, das tradições e da cultura, os
empreendimentos desenvolvidos por iniciativas comunitárias têm mais responsabilidade.
Para grande parte das iniciativas de TBC os ativos ambientais, também se configuram
como um dos principais atrativos para os visitantes. Por estarem localizadas em regiões rurais,
algumas iniciativas utilizam a beleza paisagística da sua localidade para atrair os visitantes
e oferecerem, além do convívio com os moradores da comunidade, a oportunidade de

Amélia Cazalma | Lúcio Cunha | Fernanda Cravidão
167

desfrutar do ambiente onde vivem. Outra característica importante a ser ressaltada nos casos
de Turismo de Base Comunitária é a relação direta com áreas protegidas.
Ressaltamos também a questão da desterritorialização nas áreas Transfronteiriças de
Conservação, que consideramos de capital importância a ser trabalhada com bastante
acuidade, pelo facto de existirem comunidades, que vivenciaram e ainda vivenciam este
processo, nomeadamente os povos Khoisans, que em nome da conservação e proteção da
biodiversidade e do turismo, estão eles desprotegidos.
Aprender a viver coletivamente é uma exigência das sociedades, cada vez mais
multiétnicas e multiculturais, onde a liberdade individual implica o respeito pelo pluralismo
de natureza económica, política, cultural ou religiosa (Delors, 1996). O reconhecimento do
património cultural e da identidade social e territorial, que formam o sentido de pertença
a uma comunidade, deve ser equilibrado pela abertura intercultural gerada por vivências
plurais e diversificadas.
Por tudo o que foi exposto, permitimo-nos considerar que o desenvolvimento do turismo
sustentável, na da Área Transfronteiriça de Conservação do Okavango Zambeze se constitui
como um fator de inclusão, integração, estabilização, desenvolvimento e promoção da paz.

Bibliografia
ANDRADE, Manuel Correia. (1995) A questão do território no Brasil. São Paulo: Hucitec; Recife: IPESPE.
ATFC KAZA (2011).Tratado, Luanda, Angola.
BURSZTYN, Ivan (2012) Desatando um Nó na Rede: Sobre um projeto de facilitação do comércio direto do turismo
de base comunitária na Amazônia. Rio de Janeiro.
CARVALHO, Vininha. F. (2007). O Turismo Comunitário como instrumento de desenvolvimento sustentável. Acesso
em: http: www.revistaecotur.com.br/novo/home.
CAZALMA, A. CRAVIDÃO, F e CUNHA. L (2013) – O Contributo do Desenvolvimento Sustentável do Turismo nas
Áreas Transfronteiriças de Conservação para a Inclusão das Comunidades e para a Manutenção da Paz. Revista
Turismo e Desenvolvimento, Aveiro, 21-22, pp.487-496
CORIOLANO, L. N. M. T (2006). Os limites do desenvolvimento e do turismo. In CORIOLANO, Luzia Neide M. T., O
Turismo de inclusão e o desenvolvimento local. Fortaleza: FUNECE, 2003.
CORIOLANO, Luzia Neide (2003) Turismo de inclusão e desenvolvimento local (Fortaleza: FUNECE).
DELORS, J. (Coord.; 1996). Educação, um tesouro a descobrir, Asa, Porto.
DIAS, V. (2011). A responsabilidade Social no Turismo. Editora Escolar. Lisboa.
FERNANDES, João Luís Jesus (2008) - A desterritorialização como factor de insegurança e crise social no mundo
contemporâneo. In I Jornadas Internacionais de Estudos sobre Questões Sociais, Póvoa de Varzim, Associação para
a Investigação e Desenvolvimento Sócio-Cultural.pp. 423-447.
FERNANDES, João Luís Jesus (2013) - Turismo, precariedade territorial e dinâmicas de desterritorialização. In
Cravidão, Fernanda e Santos, Norberto (coord.), Turismo e cultura, destinos e competitividade, Coimbra, Imprensa
da Universidade de Coimbra.
HAESBAERT, Rogério (1997). Des-territorialização e identidade: a rede “gaúcha” no nordeste. Niterói: EdUFF. A
multiterritorialidade do mundo e o exemplo da Al Qaeda. Terra Livre, São Paulo, v. 1, n. 18, jan. /jun. 2002.
HAESBAERT, Rogério e LIMONAD, Ester (2007) - O Território em tempos de globalização. Etc..., Revista Electrónica
de Ciências Sociais Aplicadas, 1, 2.
IUCN/ Base de Dados Mundial de Áreas Protegidas – (www.iucn.org)
LÉVY, J. (1993) A-t-on encore (vraiment) besoin du territoire? Espaces Temps. n° 51-52, 102-142. Paris.
MORIN, E. & KERN, A.B. (1995) Terra Pátria. Porto Alegre: Sulina
SADC (2013). Programa para as Áreas de Conservação Transfronteiriças, Gaberone, Botswana.
SPOSITO, Eliseu Savério (2004). Sobre o conceito de território: um exercício metodológico para a leitura da formação
territorial do sudoeste do Paraná. In RIBAS, A. D.; SPOSITO, E. S.; SAQUET, M. A. Território e Desenvolvimento:
diferentes abordagens. Francisco Beltrão: Unioeste.
STEIL, G.A. (2006). Antropologia do Turismo. Comunidade e desterritorialização, In Peralta, E. e Anico, M. (ORG),
Patrimónios e Identidades. Ficções contemporâneas, Celta Editora, Oeiras.

168

Os riscos naturais nos estudos
geográficos em Cabo Verde
Sílvia Monteiro

Universidade de Cabo Verde
Doutoranda PRODEMA na Univ. Federal do Ceará

George Satander Freire
Universidade Federal do Ceará

Lúcio Cunha

CEGOT – Universidade de Coimbra

Os estudos sobre os riscos naturais despertam hoje o interesse de académicos de várias áreas científicas e de profissionais de diferentes actividades. Neste âmbito, o papel da
Geografia e, particularmente, dos geógrafos físicos, tem sido determinante. Este interesse
tem vindo a aumentar fortemente, uma vez que se assiste um aumento das catástrofes em
vários locais do mundo e, sobretudo, a um forte aumento da sua mediatização, aumento
que parece ser mais o resultado de aumento da exposição das sociedades a áreas de risco,
do que, propriamente de um aumento de frequência e intensidade dos processos naturais
perigosos.
Cabo Verde, um país que em toda a história da sua existência, vem sofrendo os efeitos
nefastos das manifestações de riscos, potenciados pela sua localização geográfica na faixa
Saheliana e pela sua origem vulcânica, destacando-se as secas, muitas vezes prolongadas;
a desertificação; a erosão acelerada dos solos; as cheias e inundações; os movimentos em
massa; as tempestades; as erupções vulcânicas; e os sismos.
Existe, no país, uma grande preocupação com a problemática dos riscos naturais, não só
no seio da comunidade académica, mas também no âmbito das políticas governamentais de
gestão do território, no sentido de refletir e encontrar soluções de mitigação dos efeitos nefastos que podem potenciar, principalmente quando assistimos um aumento da população,
muito acelerado principalmente nos principais centros urbanos do país.
Pretendemos neste trabalho abordar a problemática dos riscos naturais em Cabo Verde,
apresentando alguns casos concretos e realçando a preocupação e o interesse dos geógrafos
cabo-verdianos neste tipo de estudos.

Introdução
Pelo menos desde os anos oitenta do século passado os estudos sobre os riscos naturais
começaram a despertar o interesse de académicos e profissionais de várias áreas científicas e,
neste âmbito, os geógrafos têm tido um papel de destaque.
Marandola Jr. e Hogan (2003), referem que o estudo dos natural hazards é uma tradição
entre os geógrafos, desde a década de 1920, sendo que esta tradição surge na Geografia
muito antes dos apelos mundiais acerca da degradação ambiental planetária ou mesmo antes dos apelos mais recentes ao resgate da qualidade de vida urbana. De entre os vários geógrafos de língua inglesa que se têm dedicado a esta temática, destacam-se Gilbert F. White,
considerado um dos mais importantes, assim como Ian Burton e Robert W. Kates. De entre
os de língua francesa salientamos J. Tricart (1992) e L. Faugères (1990).

Sílvia Monteiro | George Satander Freire | Lúcio Cunha
169

Atualmente, este interesse vai ganhando uma importância crescente, uma vez que se
assiste um aumento das consequências das catástrofes em vários locais do mundo, ainda
que este se deva mais a um aumento da exposição das sociedades em áreas consideradas de
risco do que a um aumento da frequência e da intensidade dos processos naturais perigosos.
Isto tem contribuído para alertar para a necessidade do estudo da distribuição temporal e
espacial dos fenómenos perigosos e da vulnerabilidade das populações, com o intuito de
conseguir uma gestão mais eficaz dos territórios, no que à gestão dos riscos diz respeito.
Em toda a história da sua existência, Cabo Verde tem vindo a sofrer com os riscos naturais e com os efeitos nefastos das suas manifestações, principalmente com as crises de seca e
com as fomes subsequentes, com diferentes intensidades e ritmos desde que as ilhas se encontram povoadas. De facto, o arquipélago de Cabo Verde encontra-se sujeito a uma grande
diversidade de riscos naturais, muitos deles devendo-se à sua posição geográfica que lhe
confere condições de acentuada aridez climática, com forte irregularidade nas precipitações.
Não só os riscos de seca são intrínsecos a esta posição climática mas também outros, como a
desertificação, a erosão acelerada dos solos, as cheias e inundações, os movimentos em massa, as tempestades e alguns riscos biológicos típicos de regiões tropicais com características
climáticas semelhantes às de Cabo Verde, nomeadamente os relacionados às doenças como
dengue, malária e cólera. Para além destes, ainda há os riscos relacionados com a geodinâmica interna, nomeadamente com a atividades vulcânica e sísmica.
A par desta elevada perigosidade intrínseca, verifica-se um acréscimo significativo da
vulnerabilidade das populações, particularmente nas áreas urbanas em expansão, o que impulsiona um incremento do risco nas ilhas de São Vicente (Mindelo), Sal (Santa Maria e Espargos), Boa Vista (Sal Rei) e, principalmente, em Santiago (Praia). Recorrendo a este último
exemplo, Praia, a cidade capital, tem sofrido um crescimento muito acelerado nos últimos
anos, albergando em 2010, cerca de 27% da população nacional. Este crescimento tem sido
fomentado pelos fluxos migratórios, tanto internos (êxodo rural e migração das restantes
ilhas) como externos, provenientes dos países vizinhos da África Ocidental.
O ritmo acelerado do crescimento populacional na capital como nas outras cidades não
tem sido acompanhado por políticas e/ou por programas habitacionais capazes de dar uma
resposta eficaz à procura. Consequência disso é a proliferação de bairros espontâneos nos
subúrbios das cidades, bairros em que as construções surgem da noite para o dia, sem obedecer a qualquer tipo de planeamento e não dotados de infra-estruturas de abastecimento
de água, electricidade e saneamento.
Estes bairros considerados ilegais, de ocupação espontânea, tendem a localizar-se na sua
maioria em áreas elevada suscetibilidade em termos de riscos naturais (principalmente nos
leitos de cheia das ribeiras e em vertentes declivosas), sendo ocupados fundamentalmente
por uma população de muito baixo rendimento, o que nos leva a falar na segregação socioespacial destes territórios e populações.
As questões levantadas acerca dos riscos e da expansão urbana no território cabo-verdiano têm merecido preocupação de alguns geógrafos cabo-verdianos que se têm dedicado aos
estudos dos riscos, tentando compreender quer os processos naturais perigosos, quer os seus
impactes na sociedade. Os estudos já desenvolvidos têm, em regra, um carácter académico
e estão publicados em dissertações, teses e artigos científicos, podendo ser utilizados como
subsídios às entidades de gestão do território nacional. De entre os geógrafos que se têm
dedicado a esta problemática, podemos mencionar: Monteiro (2007); Monteiro et al. (2009,
2011); Medina do Nascimento (2009, 2010, 2011); Correia (2007); Tavares (2006, 2011),
Lima (2012) e Borges (2013).
Pretendemos neste trabalho, abordar de uma forma geral os riscos naturais no território
nacional e o seu impacte na sociedade, destacando a elevada susceptibilidade e vulnerabilidade das áreas de recente expansão urbana.
Cabo Verde e os riscos naturais
O arquipélago de Cabo Verde situa-se aproximadamente a 500 km da costa ocidental
africana, entre os paralelos 14º 15’ e 17º 18’ de Latitude N, e os meridianos 22º 40’ e 25º 22’
de Longitude W de Greenwich (fig.1).
De acordo com Amaral (2007), em função dos ventos alísios, o arquipélago é dividido em
dois grupos: Barlavento (constituído pelas ilhas de Santo Antão, São Vicente, Santa Luzia, S.
Nicolau, Sal e Boa Vista) e Sotavento (Maio, Santiago, Fogo e Brava).

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
170

Figura 1 - Localização geográfica do arquipélago de Cabo Verde na Costa Ocidental Africana

Relativamente às condições climáticas, Cabo Verde insere-se na zona de clima tropical
seco, com influências do Sahel, devido a sua proximidade com essa região.
As chuvas em Cabo Verde são, essencialmente, resultantes da deslocação para Norte da
convergência intertropical, que provoca a estação húmida de Julho a Outubro. As precipitações são, assim, concentradas durante os meses de Agosto e Setembro (mês de maior frequência das cheias e das consequentes inundações), período durante o qual cai, em média,
60% a 80% da quantidade anual de precipitação. Esta regista, também, uma forte variabilidade interanual (fig.2), tanto do ponto de vista da quantidade, como da sua distribuição no
tempo e no espaço.
Quando as precipitações não ocorram, verificam-se crises relacionadas com a falta da
água, tanto para irrigação, como para o consumo, principalmente nas áreas rurais que dependem integralmente da água proveniente das chuvas que é armazenada em reservatórios
ou conseguida através da exploração da água subterrânea.
O ano de 2014, é um bom exemplo disso, já que praticamente não choveu em todo o
território nacional, e isso teve um impacte muito negativo, com um mau ano agrícola em que
escassearam os produtos alimentares e os pastos para os animais.

Figura 2 – Pluviosidade em Cabo Verde: variabilidade anual de 1981 a 2010 (Fonte: INMG)

Sílvia Monteiro | George Satander Freire | Lúcio Cunha
171

Quando as precipitações ocorrem, frequentemente ocorrem sob a forma de fortes chuvadas (chuvas intensas) e, não é raro que, em determinadas localidades, a precipitação total
do ano seja produzida em apenas duas ou três grandes chuvadas isoladas. Isto é válido tanto
para as ilhas altas, onde se registaram valores diários da ordem dos 590 mm em Monte Velha, ilha do Fogo, como para as ilhas de relevo menos vigoroso, como os 350 mm na Vila do
Maio, tendo em consideração que a média anual das precipitações no país é de ordem de
250 mm (Monteiro, 2007 e Monteiro et al., 2009).
Em consequência destas situações pluviométricas extremas ocorrem cheias, inundações
e movimentos em massa nas vertentes, que originam crises com grandes prejuízos, principalmente na agricultura, solos e infra-estruturas. Exemplo de algumas das crises resultantes das
chuvas torrenciais são as ocorridas em 1938, 1950, 1961 em Santo Antão, 2009 em São Nicolau, em 2013 na Boa Vista e Santo Antão e Santiago, com efeitos fortemente destrutivos,
resultando em óbitos e perdas económicas severas, como a destruição de estradas, de terras
agrícolas e pontes (Lima, 1999; Lima et al., 2003 e Monteiro, 2007 e 2011).
Pretendendo hierarquizar alguns dos principais riscos naturais que o território caboverdiano está sujeito, apresentamos a seguinte matriz (quadro 1), que, apesar do carácter
necessariamente subjetivo da metodologia utilizada, adequa-se claramente ao processo de
hierarquização dos processos perigosos e dos riscos que se lhes estão associados, com base
em quatro critérios fundamentais, ainda que diferentemente ponderados: o histórico dos
eventos perigosos, o grau de exposição geral das populações, os efeitos do pior cenário previsível e, finalmente, a probabilidade de ocorrência do fenómeno.

Quadro I – Matriz de análise de riscos em Cabo Verde, segundo a metodologia do OEM1
(2008)

No caso do conjunto do país, ressalta claramente a importância do clima nos riscos naturais. Destacam-se, claramente, os riscos hidrogeomorfológicos, nomeadamente as inundações e os movimentos em massa nas vertentes, que assumem o lugar cimeiro na hierarquia.
Seguem-se riscos também diretamente relacionados com o clima como as secas, as tempestades, a bruma seca, a erosão hídrica, a desertificação, que integra, de modo genérico alguns
dos anteriores processos, e as doenças ambientais, que embora se relacionem muito com as
condições de vida da população, também têm nas condições climáticas do arquipélago, um
importante fator de desencadeamento.

1 - Oregon Emergency Management: Hazard Analysis Methodology

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
172

Crescimento urbano e os riscos associados
Na análise do crescimento urbano identificado sobre as cidades cabo-verdianas, Nascimento (2011) afirma que o crescimento urbano é desproporcional ao desenvolvimento
urbano. A mesma autora considera ainda haver vários outros aspetos, que contribuem para
antecipação de desequilíbrios e impactos ambientais urbanos como a morfologia do espaço,
a elevada densidade demográfica, a ocupação espacial espontânea, a composição física e
química dos resíduos produzidos, bem como a impermeabilidade do solo que normalmente
se apresenta pavimentado, provocando formação de poças de água estagnada, foco de insetos e outros vetores transmissores de doenças.
A falta de políticas de ordenamento territorial adequadas às necessidades das populações e à organização urbana são responsáveis por outros problemas e mesmo por verdadeiros
riscos ambientais, como o mau cheiro proveniente do deficiente sistema de recolha e tratamento do lixo ou da utilização indevida do espaço público para a satisfação de necessidades
fisiológicas. Ambas as situações evidenciam pouca civilidade, demanda por serviços, equipamentos e infraestruturas públicas urbanas em decorrência do êxodo rural e da incapacidade
de melhoramento das condições básicas urbanas (NASCIMENTO, 2011).
Destacando o caso da maior cidade de Cabo Verde, a cidade da Praia, capital do país,
esta tem evidenciado um crescimento acelerado, albergando, atualmente, cerca de 27% da
população nacional que foi de 491.683 habitantes, em 2010 (quadro 2). Em vinte anos, a
sua população dobrou, ou seja passou de 61.644, em 1990, para 127.832 habitantes em
2010. O aumento populacional tem sido promovido por fluxos migratórios internos (êxodo
rural) e por imigração de cidadãos provenientes dos países vizinhos da África Ocidental, em
decorrência de inúmeros problemas, conflitos e tensões de natureza política, econômica,
cultural, étnica, ética e social.
Pela incapacidade de respostas efetivas das autoridades na provisão de meios e estratégias adequadas à resolução dos problemas econômicos, sociais e ambientais, os responsáveis políticos designam este tipo de crescimento urbano como “incongruente” (TAVARES,
2011).
Quadro 2 – Evolução da população do país e das quatro principais ilhas
com centros urbanos em expansão, entre 1990 e 2010

Fonte: Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde

O arquipélago de Cabo Verde sempre foi vulnerável à manifestação de inúmeros riscos
naturais. Todavia, alguns dos riscos se destacam como: cheias/inundações e movimentos de
materiais em vertentes, fenômenos intensificados pela ocupação sistemática de áreas inapropriadas para habitação, como vertentes declivosas, leitos de cheia e valas de drenagem.
Ambos os processos foram motivados pelo crescimento urbano acelerado, principalmente na
cidade da Praia, onde não foi observado o acompanhamento de políticas públicas de ordenamento territorial como respostas às demandas apresentadas.
Assiste-se, assim, à proliferação de bairros espontâneos nas principais cidades do país
(fig.3), principalmente em áreas suburbanas, inadequadas à ocupação humana, sem qualquer tipo de planejamento, infra-estrutura básica de saneamento, eletricidade e água para
consumo. As construções nas vertentes declivosas e nos fundos de vale são, em parte, decor-

Sílvia Monteiro | George Satander Freire | Lúcio Cunha
173

rentes da precaridade dos serviços de fiscalização para cumprimento das posturas autárquica
pelo órgão competente na administração pública do País.

Figura 3 – Bairros espontâneos ou “ilegais” nos principais centros urbanos do país

As principais cidades caracterizam-se pela existência de um grande deficit de habitação,
principalmente de habitação social, ocorrendo, simultaneamente, uma grande especulação
imobiliária, em relação aos preços dos terrenos para construção e/ou das próprias habitações,
traduzindo-se em dificuldade de acesso a terrenos para construção, mesmo sob o efeito de
intervenções da autarquia local.
As inundações e os movimentos em massa, principalmente os fluxos e quedas de blocos,
são frequentes, contribuindo quer para a degradação ambiental, quer para a degradação da
qualidade de vida dos citadinos. A vulnerabilidade é ainda maior em zonas de elevada perigosidade, ocupadas pela população de baixa renda, sem grande capacidade de resposta e de
resiliência perante a manifestação de riscos. Estudos e observações revelam que a construção
das habitações não segue nenhuma regra técnica ou diretrizes de engenharia da construção
civil, assim como os materiais usados são precários e/ou de baixo custo, o que faz acrescenta
a vulnerabilidade do edificado à já elevada vulnerabilidade social das populações.

Considerações finais
A temática dos riscos assume cada vez mais destaque e as suas manifestações são uma
das maiores evidências dos desequilíbrios causadas pelas ações humanas ao ambiente.
O crescimento desordenado das áreas urbanas, produzido sem o acompanhamento de
infraestruturas básicas, a ocupação das áreas de riscos e a falta de políticas que visem o
desenvolvimento sustentável integrado das cidades criam fragilidades ambientais que, por
vezes, potenciam grandes desastres.
Em vários países do mundo, principalmente nos países em desenvolvimento, onde
Cabo Verde se insere, verifica-se um aumento dos riscos urbanos provocados, não principalmente pelo aumento dos fenômenos perigosos, mas sobretudo pelo aumento da exposição e da vulnerabilidade social. Observa-se ainda que territórios com maior fragilidade
ambiental foram ocupados por grupos e/ou comunidades de população mais carente, com
baixos rendimentos, o que faz com que essa população tenha uma precária capacidade de
resistência e resiliência frente aos eventos perigosos.
O crescimento urbano nem sempre tem sido acompanhado pelo desenvolvimento urbano e portanto, vários são os problemas derivados do crescimento rápido das cidades.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
174

Esta problemática tem sido motivo de preocupação de profissionais de várias áreas científicas, em que os geógrafos se destacam, tendo tido um papel muito importante na compreensão dos fenómenos perigosos e dos seus impactes nas sociedades, como subsídio para
mitigar os problemas da gestão do território.
O planeamento e ordenamento do território, constituem a resposta necessária e urgente a essa dinâmica, de forma a assegurar uma apropriada gestão do território e dos
riscos que se lhe associam.

Referências bibliográficas
Amaral, Ilídio (2007) – Santiago de Cabo Verde, a Terra e os Homens. Lisboa, Associação das Universidades Portuguesas, Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, UniCV, Universidade do Algarve, IICT.
Borges, M. (2013) - A Bacia da Trindade: análise dos riscos hidrológicos para a cidade da Praia. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade de Cabo Verde. Praia.
Faugères, L. (1992) – La dimension des faits et la théorie du risque. Le risque et la crise. Malta, Fondation for International Studies, p. 31-60.
Lima, I. (2012) - Inundações urbanas: Desafios ao ordenamento do território. O caso da Cidade de Praia (Cabo Verde). Dissertação de Mestrado em Geografia Física e Ordenamento do Território apresentada à UNL, Lisboa.
Lima, J. (1999) – Domila´99 - Homenagem a João Francisco Lima. Roseriense / Ministério da Cultura de Cabo Verde,
S.A.
Lima, M.; Monteiro, E. e Correia, F. (2003) – Plano intersectorial: Ambiente e gestão integrada e sustentável dos
recursos hídricos. MAAP, Gabinete de Estudos e Planeamento, Praia.
Marandola Jr. e Hogan, D. (2003) - Natural hazards: o estudo geográfico dos riscos e Perigos. I Encontro Transdisciplinar sobre Espaço e População. Campinas, Brasil.
Monteiro, S.; Fernandes, E.; Veiga, E.; Fernandes, H.; Rodrigues, J. e Cunha, L. (2012) - Crescimento urbano espontâneo e riscos naturais na cidade da Praia (Cabo Verde). Cadernos de Geografia nº 30, Coimbra.
Monteiro, S. e Cunha, L. (2011) – “Cheias rápidas em Cabo Verde. Um breve apontamento acerca das tempestades
de Setembro de 2009 na Ilha de S. Nicolau”. In Iberografias, Interioridade / Insularidade, Despovoamento / Desertificação. Paisagem, Riscos Naturais e Educação Ambiental em Portugal e Cabo Verde. Centro de Estudos Ibéricos.
Guarda, pp. 177-190.
Monteiro, S.; Correia, R. e Cunha, L. (2009) – Riscos naturais, Ordenamento do território e sociedade. Estudos de
caso nas ilhas de S. Antão e Santiago. Actas do 15º Congresso da APDR (em CDRom), Praia, 23p.
Monteiro, S. (2007) - Riscos naturais e vulnerabilidades no concelho de Ribeira Grande, ilha de santo Antão (Cabo
Verde). Dissertação de Mestrado em Dinâmicas Sociais e Riscos Naturais, apresentada à Faculdade de Letras da
Universidade de Coimbra.
Morais, M. L. (2003) - Subsídio para o planeamento da cidade de Mindelo. São Vicente -Cabo Verde. Revista da
Faculdade de Letras - Geografia I Série, Vol. XIX, Porto, p 319-329.
Medina do Nascimento, J. (2011) -“Cidade e Desenvolvimento urbano em Cabo Verde”. Iberografias, Interioridade/
Insularidade Despovoamento/Desertificação Paisagem, Riscos Naturais e Educação Ambiental em Portugal e Cabo
Verde. Centro de Estudos Ibéricos, Guarda, p. 235-256.
Medina do Nascimento, J. (2010) – O crescimento urbano e os sistemas de gestão e de planificação na Cidade da
Praia, em Cabo Verde: proposta de uma nova abordagem na intervenção urbanística. Revista de Estudos Regionais,
n° 24. Lisboa.
Medina do Nascimento, J. (2009) – La croissance urbaine et le système de gestion et de planification à Praia, CapVert. Rouen, thèse de doctorat présentée au Département de Géographie de la Faculté de Lettres et Sciences Humaines de l’Université de Rouen, 358p.
Tavares, C. (2011) “Praia Urbana: os assentamentos espontâneos”. Iberografias, Interioridade / Insularidade Despovoamento / Desertificação. Paisagem, Riscos Naturais e Educação Ambiental em Portugal e Cabo Verde. Centro de
Estudos Ibéricos, Guarda,.p. 223-233.
Tavares, C. (2006) – A Política de Solos na Política Urbana – sua relevância na cidade da Praia (Cabo Verde). Dissertação de Mestrado em Gestão do Território apresentada à FCSH-UNL, Lisboa.
Tricart, J. (1992) – Dangers et risques naturels et technologiques. Annales de Géographie, Paris, 565.
Veyret, Y. (2007) - Os riscos. O homem como agressor e vítima do meio ambiente. Editora contexto.

175

(Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros

Eduardo Lourenço*
Diretor Honorífico do CEI

O tema deste Seminário: “(Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros - Os Países de
Língua Portuguesa e suas Novas Geografias” deixa-me de alguma forma embaraçado por
não saber o que possa dizer de interessante a este respeito.
É verdade que escrevi, há muito tempo e alguém publicou por mim, um certo número
de reflexões acerca do que foi a nossa atitude de portugueses, durante séculos, a partir do
momento em que saímos do território europeu para outros territórios, uns descobertos e
onde não havia ninguém a quem colonizar, outros com quem travamos relações coloniais
ou colonialistas. Essa reflexão é uma reflexão sobre aquilo que durante quinhentos anos foi
uma tal evidência para nós de que tínhamos direito a ser, porque tínhamos descoberto terras
desconhecidas, mares desconhecidos… em que o nosso destino, escrito nos astros, era que
fossemos aqueles que nos sentíamos em casa, embora estando na casa dos outros sem
autorização deles.
Embora tenha feito esse género de meditações, um pouco masoquistas, que assumo,
elas são sobretudo tentativas de pensar a nova situação. Uma vez que esse nosso famoso
império, que existiu não apenas em termos oníricos e em função dos sonhos compensatórios
do pequeno país que foi responsável por territórios muito longe dos europeus de onde
partiu e que, uma vez terminado, se podia pensar esse contencioso doloroso de um passado
recente. Tudo isso tinha relegado essa nossa vivência de antigos colonizadores, bem ou mal
aceites para a História. Penso que a nossa situação atual de um pequeno país que, durante
quinhentos anos, se pensou grande sobretudo em termos de ordem europeia, ele que é
um país tão pequeno, com tão pouca influência na Europa, se pensou grande porque tinha
essas famosas terras longínquas, onde assentou sem autorização dos outros. A começar por
Cabo Verde, pela Guiné e mais tarde pelo Brasil… mas Portugal é um dos países a quem
podia acontecer, na lógica da civilização planetária ou semi planetária, que era, até então, a
do mundo, de lhe acontecer a mesma coisa. Sempre pensei que, uma vez findo o capítulo
império imperial, real ou onírico, que não tínhamos terminado com o problema que nos
pôs quer no passado, quer no presente, e sobretudo no futuro, com esse mundo, que nós
pensávamos nosso, que foi nosso subjetivamente, oniricamente, para nos compensar do que
eramos de pouco. Mas que devia ser um tema em que, nós querendo ou não, nos iria fixar
numa atenção nostálgica interminável. Nos mitos gregos, há um que é mito de Deucalião
semelhante ao mito do dilúvio e, quando o dilúvio acontece, os deuses recomendam a
Deucalião que, para povoar a terra tinham que escolher as pedras e deitar para as costas as
suas pedras e que novos filhos nasceriam desse gesto recriador de alguma coisa que tinha
sido destruída, morta ou perdida. Pensava que eramos como Deucalião. Vamos passar o resto
da nossa vida, que é longa, quase infinita, com o império que pensávamos que tínhamos ou
que tivemos, em certos momentos mais do que noutros, que pensávamos que esse sonho
tinha terminado e acabou, não vamos ocupar-nos desse império perdido, mais do que nos

*Intervenção por ocasião do Seminário (Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros
Os Países de Língua Portuguesa e suas Novas Geografias realizado no dia 23 de abril de 2015, na FLUC

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
176

ocupamos do que quando o tínhamos, porque penso que esse relacionamento faz parte
da nossa história humana com outros povos, com outras culturas, com outras línguas. É
qualquer coisa que é inerente ao estatuto da Humanidade enquanto tal.
O caso de Portugal não é único, mas um entre outros que em termos análogos se chama
colonização. Fazem parte da História Universal e que, por mais discutidos que devam ser os
termos em que essas colonizações tiveram lugar - e são diferentes de uns territórios para
outros, de uns tempos para outros - se criam através de um laço que é muito mais profundo
e mais duradouro nas suas consequências, nos seus efeitos do que podemos imaginar.
Mesmo se são processos de dominação de um povo num certo momento sobre o outro ou
de representantes desse povo sobre o outro, os laços reais que se criam, a não ser que sejam
dominações absolutamente bárbaras, destruidoras ou absolutas: são laços estranhos, mas
que continuam a fazer parte não só do nosso presente, mas a condicionar o nosso futuro.
Penso que temos sorte! É uma coisa estranha, talvez não se apercebam… quando veio o
25 de abril e que, em poucos dias, poucos meses, os portugueses tiveram de abdicar não
espontaneamente (naturalmente ninguém abdica espontaneamente), mas foram forçados do
exterior a dar-se conta que o tempo do domínio estava terminado, não podia ser recuperado.
Tinham de fazer uma leitura daquilo que foi o seu passado enquanto colonizadores e, na
medida do possível, compreender agora melhor aquilo que eram os colonizados, quando
eles não foram capazes de os compreender como eles pediam para ser compreendidos
ou deviam ser compreendidos. Só me interessei por esta questão porque estava na França
quando começou a descolonização universal primeiro, e depois a descolonização particular
relativa à França e, particularmente, aquele momento que é conhecido como a Guerra
da Argélia. Portanto, vivi a Guerra da Argélia como se fosse qualquer coisa que dissesse
respeito a Portugal, mas sobretudo com a convicção de que aquilo com que a França estava
confrontada, que não era uma coisa à parte, que era um movimento universal a que ninguém
escaparia, e mais não lhe escaparia um pequeno país como o nosso. Tratou-se de uma
colonização assumida como tal, com vantagens em todas as ordens de uma das nações tida
pelos outros como exemplar em várias áreas não só de riqueza, sabedoria, técnicas, etc. Ora
nós, sendo uma nação sem essas capacidades comparáveis às de França, íamos ter de abdicar
desses domínios vários que tínhamos através da terra. O que acontece é que os portugueses
inventaram, para seu próprio consolo, que o seu colonialismo não era igual aos outros. O
problema é que todos os colonizadores pensam a mesma coisa. O seu colonialismo é que é
bom, o dos outros não é tão bom como isso e o nosso era o melhor de todos. Não seria o
melhor de todos mas também não foi o pior. Vejam que não passaram quarenta anos sobre
o 25 de abril e as consequências nessa ordem foram a abdicação assumida de um império
de quinhentos anos, que podia ser para um país, tão pequeno como Portugal, a perda do
sopro do sentido que tinha sido a sua história durante séculos e que nos íamos afundar
numa espécie de tristeza de lágrimas sem fim pelo império perdido, por essa gente que nos
amava tanto e que, afinal de contas, tinha acordado e não queria mais que nós fossemos os
dominadores e eles os dominados.
Só agora, ao fim de quarenta anos, estamos a perceber o que se passou na Guiné, em
Moçambique, em Angola…para não falar do outro nosso ex-império. O que se passou com
outras nações colonizadoras da Europa, que também tiveram de abdicar, forçados pelos
dominados do seu antigo império ou da pretensão de manter esse império para sempre.
Engraçado agora é que estamos a perceber o que era esse império verdadeiramente,
porque o império - direi para empregar uma fórmula que eu tenho a tendência, um pouco
narcísica, de repetir “que o império não existiu” - existiu para quem lá estava mais do que
para o continente. Foram portanto eles que nos obrigaram a dizer “não isto não é assim,
não queremos, acabou” e separaram-se. É de facto extraordinário! Não sei se algum dos
países que colonizaram os outros países teriam ao fim de tão poucos anos um espetáculo
como este que nos é fornecido agora a nós ex-colonizadores, ex-imperialistas, ex-império
factício ou fictício, que vem para a televisão contar como se fosse uma história de família
aquilo que foi dramático durante os treze anos que durou o confronto entre nós e as antigas
colónias portuguesas batizadas de províncias. Então, vê-se que alguma coisa houve nessa
nossa presença entre outras, culturas, outros futuros, nações e que o diálogo continuou,
porque se criaram laços ao longo dos quinhentos anos, mas provavelmente até os maiores
laços se criaram durante a própria luta em que os antigos colonizados lutavam para reclamar

Eduardo Lourenço
177

o seu direito a serem eles próprios a regerem o seu próprio destino. Vejo dificilmente que em
França fosse possível, hoje, ver na televisão aquilo que nós vemos: os franceses e os argelinos
estarem num debate quase fraterno como se já se conhecessem desde o pai Adão a discutir
e não se tivesse passado nada. Não acredito!
Penso que os laços que se criaram com África e em geral por todos os outros países, já
não falamos do Brasil, que é um caso que foi resolvido há mais de duzentos anos e que era
um caso pouco diferente do caso de África. No caso do Brasil, não sei o que é que se lhe
pode aplicar, é muito difícil imaginar o que foi a nossa relação com o Brasil, porque não foi
uma relação de conquista propriamente. O Brasil não era conquistável; era um território em
que os seus autóctones, os índios brasileiros, não tinham capacidade de se defender de um
ataque guerreiro. Era como se tivessem chegado àquelas margens e se tivessem instalado.
Os índios não podiam impedir totalmente que as pessoas se instalassem ali e isso prolongouse durante séculos. Com as nações africanas não foi isso que aconteceu. Foram primeiro
relações de comércio, depois as relações de comércio de uma certa gratuidade, passaram
a ser relações de instalação forçada nesses territórios de obrigar os outros a trabalhar em
função do colonizador futuro, portanto temos um paradigma completamente diferente do
que foi o nosso relacionamento com o Brasil. Apesar de tudo, englobamos todos os países
que falam ou que admitiram que a sua própria língua, o português como língua oficial. Vejo
agora que essa famosa designação, os famosos PALOP já não são PALOP são CPLP, gosto
mais! O PALOP parece um monstro um pouco difícil até de ler. O PLP é melhor, mais racional,
mais claro, penso que o nosso relacionamento a vários níveis com os ex- PALOP e os PLP vai
ser mais natural.
Penso que vamos viver, no futuro, com mais naturalidade, com uma familiaridade maior,
relações com as antigas colónias do que vivemos, não só com os outros que não falam a
nossa língua, mas também com os outros, com o próprio Brasil que foi a coroa da glória da
nossa presença no mundo, enquanto descobridores, para não dizer colonizadores. A palavra
custa muito a empregar em relação ao Brasil, gosto mesmo que os brasileiros me expliquem
que espécie de colonização foi a nossa, para me dizerem quem são e quem é que nós
somos. Isto são reflexões de alguém que não tem nenhuma qualidade historiográfica para
se pronunciar. É um desejo, é um puro desejo de imaginar que estes quinhentos anos, não
foram os quinhentos anos no sentido próprio, mas sobretudo nos últimos cem anos, depois
que a vontade de dominação em termos modernos são aqueles que justificam não o último
e em definitivo confronto entre colonizados e colonizadores que durou nos anos sessenta
e anteriormente nos finais do século XIX, quando a Europa inteira se sentia como centro
da colonização do resto do mundo. Nós somos um caso particular e mais antigo, apenas.
A Europa inteira projetou-se sobre o mundo que havia e continua. Já não continua menos,
que já não podemos como dizem na minha terra “com uma gata pelo rabo”, mas se não
somos europeus são outros que se encarregam daquilo que é o reflexo da humanidade
inteira aqueles que são mais poderosos, que dominam os outros. Vai haver um espaço onde
a antiga língua portuguesa foi admitida como língua oficial que vai ser um passo de encontro
verdadeiro. Agora que já não há aqueles obstáculos que durante séculos havia entre nós. É
pelo menos o que desejo, que este encontro seja apenas um reencontro que estava latente e
que agora pode ser explicitado e vivido de uma maneira mais pacífica, mais aberta mais clara
e sem todas estas justificações, que não eram justas para manter um domínio sobre alguém
que não quer o nosso domínio e não nasceu para ser dominado pelos outros.
Uma última nota sobre os dois países da Ibéria: Portugal e Espanha pertenceram à primeira
fase da colonização dos colonizadores europeus, foram os dois primeiros. Primeiro porque
Espanha aparece no processo de colonização cem anos depois de Portugal, como efeito de
todas as Descobertas dos portugueses, ou encontros com outros países ao longo do Atlântico
e depois no Pacífico, que os portugueses realizam e depois há o golpe de Colombo. Um golpe
mais extraordinário. De repente, o sentido da busca que era o oriente muda-se no sentido do
ocidente e descobre-se uma nova terra incógnita e um novo mundo. Esse novo mundo vai
ser da parte da Espanha, que é uma grande potência da Europa na época. Maior potência
que a França, esse novo mundo vai ser conquistado, no sentido forte do termo, porque os
espanhóis vão encontrar diante deles nações tão insuspeitadas, tão cultas ou tão cultivadas
como as que conhecíamos da Antiguidade no Egipto, na China, mas sobretudo no Egipto,
que foi o primeiro paradigma. O México vai ser conquistado a ferro e fogo como o Perú.

As novas Geografias dos países de Língua Portuguesa
178

Nada disso podia acontecer com um país tão pequenino como Portugal, que tinha apenas
um milhão e meio de habitantes quando se lançou nessas aventuras e os países com que se
encontrou a Índia era uma tal imensidade que podíamos estar só pela vontade dos outros
na beirinha, só por razões de comércio e não pela vontade de conquistar. Todavia, houve um
movimento conquistador português absoluto, que é o momento do Albuquerque. É uma
coisa que ainda hoje me espanta, quando se passa diante do monumento dos Jerónimos. Um
pequeno povo tem esse atrevimento de desafiar, lá longe, de resto um inimigo tradicional e
com que estávamos confrontados no velho mundo, quero dizer, não menos os indianos que
propriamente outros adversários, mas isso é história para poema épico, que já foi escrito, não
podemos escrever outro, mesmo que pudéssemos não eramos capazes. Agora temos de nos
confrontar como os bons da fita. Depois de termos sido os maus da fita, sem termos o poder
para o ser. Felizmente, penso que toda esta história vai ser outra vez revisitada, reescrita por
nós em primeiro lugar, mas penso igualmente no outro lado, porque nós não temos ainda
um discurso, pelo menos eu não tenho, também não sou historiador… Agora queremos ter
a plena palavra do outro. Não a confiscámos, talvez por ignorância, mais do que por outra
coisa, mas precisamos saber o que foi para nós esse império pela boca daqueles que eram
objeto dessa dominação ou desse domínio. Portanto, interessa-nos tudo quanto vem das
novas culturas para que possamos perceber o que fomos, não na nossa própria imagem
narcísica, mas no que fomos aos olhos dos outros com quem estávamos confrontados: alguns
na convicção do sentido da história, como se dirá mais tarde, e outro estudo simplesmente
porque assim é o movimento da humanidade. Estamos muito atentos a tudo quanto as
novas gerações de africanos escrevem, dizem, pensam e, para isso, é que são necessários
seminários como este.

179

Nós Terra, Nós Geografia:
Contributos para uma geografia de Cabo Verde

180

181

Cabo Verde segundo Maria Luísa
Ferro Ribeiro: território e sociedade

“é assim o cabo-verdiano: orgulhoso do centro da terra onde vive, sofre
e labuta contra a permanente estiagem, os olhos no estrangeiro, o
coração nas ilhas” (Germano de Almeida, Estórias contadas).

A Ilha de Santiago e o arquipélago crioulo de Cabo Verde1. Maria Luísa Ferro
Ribeiro tornou-se a primeira geógrafa de Cabo Verde ao concluir a sua licenciatura em
Geografia, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em 1961, com a apresentação
da tese A Ilha de Santiago: contribuição para o estudo da sua fenomenologia
socioeconómica. Através deste trabalho somos introduzidos por Maria Luísa Ferro Ribeiro no
universo crioulo, na complexa teia sociocultural da maior ilha de um arquipélago que obteve,
noutras circunstâncias, a atenção de diversos estudos geográficos. O trabalho, além de nos
evidenciar como Cabo Verde é profundamente marcado pela geografia, transporta-nos a um
tempo em que cada cabo-verdiano era o centro de um mundo cujas fronteiras coincidiam
com a sua ilha: “Naquele tempo, o mundo todo resumia-se à ilha da Boa Vista. É certo que
dos mapas dos livros da escola primária nós tínhamos uma confusa consciência de outras
terras, cujos nomes éramos obrigados a decorar e depois salmodiar à professora, valendo uma
reguada ou uma palmatoada cada serra ou rio omitidos. Porém, a sua existência resumia-se
ao pedaço de papel às cores e riscas diversas fixado na parede da escola e que percorríamos
rapidamente e a breves saltos do pequeno indicador. Nada comparado à imensidão da nossa
ilha, que exigia um dia de jornada, fosse a pé fosse a lombo de burro, de uma povoação para
outra” (Germano de Almeida, Estórias Contadas).
Ocupando uma latitude próxima dos trópicos, os dez pedaços de terra que emergem
do meio do Atlântico encontram-se cercados de um mar que envolve fisicamente a terra e
sentimentalmente as suas gentes, insularidade decisiva na construção do imaginário caboverdiano, do seu modo de ser e de viver, de estar na vida e no mundo. Os efeitos erosivos
sobre terrenos de tão profundas e plutónicas origens ocasionaram uma morfologia vulcânica
que atinge a sua plenitude no Fogo, um modelado mais apagado pela velhice no Maio,
Boa Vista ou Santa Luzia, que mantém uma rude virilidade em Santiago, Santo Antão, São
Vicente, Brava, Sal ou São Nicolau.
Cabo Verde depende dramaticamente de um clima agreste e da irregularidade de chuvas
incertas. Flagelados do Vento Leste, à mercê que aqueles acasos favoreçam a abundância,
olham o céu, sentem a terra e pensam na colheita do milho como um destino que ditará
o ritmo da vida e o estado do corpo e do espírito: “Dizem que milho semeado em pó vem
com mais força, “é sementeira natural”. De qualquer maneira, destino de homem de enxada
é cavar e semear. Este é que é destino de homem: cavar e meter grão. A espiga vem do
desígnio de Nosso Senhor. Se não vem é porque Ele não quis. Seja feita a sua vontade”
(Manuel Lopes, Os Flagelados do Vento Leste).
Estes factores e uma geografia madrasta conjugaram-se para imprimir dureza ao meio
e impor uma incessante labuta quotidiana pela sobrevivência. Cabo Verde atravessou-se no
1 - Rui Jacinto. Texto incluído em Almeida, A. C., Gama, A., Cravidão, F. D., Cunha, l. e Jacinto, R. (2003) –
Fragmentos de um retrato inacabado. A Geografia de Coimbra e as metamorfoses de um país. Coimbra. IEG,
Universidade de Coimbra.

Nós Terra, Nós Geografia
182

caminho de diferentes rotas, foi charneira no intercâmbio de gentes, de mercadorias, de
saberes, de culturas que transformaram o arquipélago na plataforma de um diálogo vivo
entre raças e culturas. As vicissitudes de cinco séculos de história e as características sociais
inerentes ao processo de povoamento proporcionam um quadro humano sincrético e único,
tão fascinante para o geógrafo como para a generalidade dos visitantes.
O meio natural e um peculiar ambiente humano ditaram a acção do homem, a Europa
e a África moldaram a identidade do cabo-verdiano, âncoras do um forte apego à terra,
mas, também, de um desejo de evasão e de aventura, de partida e de regresso. A pequena
dimensão física e económica do território e a endémica escassez de recursos não deixaram
outro destino senão o mar, a emigração, a saudade: “A vida de marinheiro não o deixava
gozar direito a sua família. Sentia às vezes vontade de deixar aquela vagabundagem e de ir
para o pé dos seus. Ia cuidar da propriedade de Patim e abrir uma loja à beira da estrada”
(Teixeira de Sousa, Contra mar e vento).
Com a emigração emerge uma nova estrutura social: “Frank dos Mosteiros era agora
dono dum sobrado em S. Filipe, tornado assim homem tão importante como foi Nhô Pedro
Simplício Veiga” (Teixeira de Sousa, Ilhéu de Contenda); a emigração persiste toca fundo
na alma do povo, embora “nem a emigração teve poder suficiente para fazer perigar esse
“eixo” dolorosamente nascido do isolamento. Porque sendo um país que conta no exterior
com mais do dobro da sua população interna, muito facilmente poderia sofrer efeitos erosivos
catastróficos a nível cultural e de identidade. Mas o cabo-verdiano continua carregando
consigo sua cultura, vivendo nas sete partidas a cachupa, o grogue e a morna, e nunca
hesitando em evidencia-la, porque nada no mundo será capaz de o fazer aceitar que Cabo
Verde não continue o centro do mundo.”
A língua, a música e a gastronomia são exemplos de um património que a cada instante
se renova; como a literatura, cujas páginas estão impregnadas de uma geografia realista e
plena de sentimento, permitindo-nos efectuar verdadeiras viagens de estudo, deambular por
S. Nicolau com Chiquinho, avançar no Fogo Contra mar e vento. Volvidos quarenta anos
após a elaboração daquele trabalho e um quarto de século sobre a independência do país,
outras referências matriciais de Cabo Verde se sobrepuseram, construindo uma realidade
económica e social qualitativamente diferente.
Na Hora di Bai fica-se a apreciar um povo que das agruras da vida e de tanta ausência
magoada construiu uma poética sofrida, casando-a com uma musicalidade que transformou
em hino e bandeira, como aquela personagem de Baltazar Lopes cujas “mornas que ele
compunha não tinham o sainete atrevido e saltitante das canções da sua terra (Boa Vista).
Era sempre uma história de amores tímidos, desesperos silenciosos, pasmos contemplativos
perante a morabeza e a graça branda do crecheu” (Baltazar Lopes, Chiquinho. Romance
caboverdeano).

. Cabo Verde: introdução e enquadramento2. Quem, viajando por mar ou por ar
se aproxima do arquipélago de Cabo Verde defronta-se com uma sucessão de ilhas onde a
marca exterior é uma aridez confinante com a mais viva agressividade. Montanhas agrestes
emergem do Oceano num emaranhado de montes e vales, vales na generalidade secos
e montes que por vezes apresentam pequenas manchas verdes nos seus flancos lá onde
os bancos de nuvens tocando o solo – humedecendo-o sem o molhar – facilitam o ciclo
vegetativo de certas espécies mesmo que a chuva tão avara como desejada insista em primar
pela ausência ou por uma desconcertante exiguidade.
Destas ilhas, três – Sal, Boavista e Maio – mais velhas reportando a sua emersão a tempos
geológicos mais recuados, apresentam-se quase planificadas atestando de caminho a força
niveladora dos agentes modeladores.
Uma – o Fogo – exibe-nos na beleza portentosa do seu aparelho vulcânico um dos mais
majestosos espectáculos que a Natureza pode exibir – espectáculo de força e grandiosidade

2 - Os textos e as fotografias que a seguir se apresentam foram retiradas de A Ilha de Santiago: contribuição para
o estudo da sua fenomenologia sócio-económica, tese de Geografia apresentada por Maria Luísa Ferro Ribeiro,
em 1961, no Instituto de Estudos Geográficos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, um dos trabalhos
fundadores da Geografia de Cabo Verde.

183

ante o qual o tão reclamado Vesúvio parece um fenómeno natural de 3ª plano.
Outras – S. Vicente, S. Nicolau, Santiago, Santa Luzia, Santo Antão –, ocupam a posição
intermédia entre o jovem e brutal relevo de Fogo e as quase planas ilhas orientais oferecendo
os mais chocantes contrastes.
Lá ao fundo para sul como que envergonhada da sua pequenez a ilha Brava parece aí
colocada para contrastar com a brutalidade plutónica do Fogo.
Se esse viajante prossegue seu caminho sem se deter ficará sem se aperceber que por
detrás daqueles montes escalvados há vales cuja verdura contrasta deliciosamente com a
agrura vigorosa e amachucante da periferia.
Ele ficará ignorando que naquelas pequenas povoações que viu de longe (pequenas
cidades de aspecto pobre, pequenas vilas ou aldeias em extrema decadência algumas, (outras
tentando progredir), vive, labuta um povo que constitui uma das mais estranhas e curiosas
experiências humanas de todos os tempos.
O homem havia de vir pelas caravelas portuguesas veiculadas pela energia do
mesmo alisado de Nordeste servindo a maior epopeia de todos os tempos – o espantoso
empreendimento dos descobrimentos portugueses.
Outros homens viriam mais tarde trazidos pelos primeiros. Mas estes vinham agora do
continente negro e ao contraste das configurações oferecidas pelo meio físico juntava-se
o contraste do aspecto físico dos homens oriundos de dois continentes servidos por duas
raças.
É então que começa a maior experiência “laboratorial” executada com matéria-prima
humana: brancos e negros vão fundir-se na mais positiva coexistência harmónica para dar
lugar, séculos depois a um povo novo – o crioulo cabo-verdiano.
Condicionalismo geográfico. Um clima tende para desértico quando o seu máximo
pluviométrico é de 250 mm e se atendêssemos ao total da pluviosidade poderíamos rotular o
clima de Cabo Verde de desértico se não houvesse mais factores a ponderar. Mas considerando
que a amplitude térmica é pequena e que as chuvas são periódicas e o clima do arquipélago
afasta-se do tipo desértico. (…)

Orgãos

Marquês

Formas talhadas pela erosão (notar a arborização do interior)

A devastação da vegetação primitiva que aliás nunca chegou a formar matas cerradas, se
deu em larga escala por intervenção desordenada do homem e a acção das cabras que tudo
invadem, o que agravou ainda mais a aridez. Mas não pode ser esta a razão das estiagens
que são consequência da situação geográfica do arquipélago e do jogo dos ventos que o
afectam.

Nós Terra, Nós Geografia
184

Apesar da altitude e exposição do relevo determinarem diferenciações climáticas dentro
da ilha, o contraste que se nota não é tão pronunciado que se cheguem a esboçar climas
completamente diferentes. De facto, a altitude não atinge valores tão elevados, que se possa
falar de um clima tropical das zonas baixas e de um clima temperado dos altos cumes.

Outras formas derivadas do trabalho erosivo

Monte das Vacas

Maciço d’ Antónia

Antigos aparelhos vulcânicos

Aspetos do litoral. Pastagem (notar a ausência de vegetação)

A ilha de Santiago é das mais acidentadas do arquipélago caracterizando-se pelos seus
cumes elevados, grandes ravinas e desfiladeiros quase inacessíveis. A ilha é totalmente
modelada pela erosão que talhou no basalto formas caprichosas que lembram as coisas mais
curiosas: aqui a rocha destaca-se como uma coluna delgada isolada do resto do material
basáltico, ali forma cabeços arredondados, mais além agulhas elevadas e ao longe recortamse no horizonte como que um castelo em ruínas. O nome de alguns montes provêm da sua
forma extravagante – o “Marquês”, serra que faz parte do Maciço da Antónia lembra ao
longe a figura de Pombal; os Órgãos, Pau de Pilão e outras serras têm a forma evocada pela
sua designação.
Não há aparelhos vulcânicos em actividade nem formas eruptivas frescas, porque a ilha foi
das primeiras a virem a lume e portanto largamente exposta à erosão que fez desaparecer a
configuração primitiva. Contudo, pela disposição dos materiais podem-se localizar os centros
vulcânicos donde jorrou o material que forma a maior extensão desta ilha.

185

No litoral ou no interior destacam-se de vez em quando na planura das achadas…
Panorama agrícola e modo de vida rural. Iniciados os descobrimentos, Santiago pela
sua posição privilegiada em relação às grandes rotas marítimas viu-se de repente valorizado
como entreposto comercial e enriquecido em espécies oriundas dos mais variados pontos do
globo. A mais importante foi sem dúvida o milho que se adaptou perfeitamente ao clima,
pois o seu ciclo de desenvolvimento processa-se dentro do pequeno período pluvioso e em
breve aumenta a sua área de expansão e ocupa os melhores terrenos da ilha.

Plantação de bananeiras

Campo de milho

Originário da América do Sul, foi introduzido em Cabo Verde anos antes de 1515 e a
partir desta data pode-se dizer que o destino histórico do arquipélago muda por completo.
A política da colonização sofre uma verdadeira revolução, pois à actividade comercial,
fundamento da vida na ilha, segue-se uma fase agrícola, possível graças a este cereal de
grande valor alimentar capaz de assegurar a manutenção da população.
No século XVI outra cultura de rendimento, o café, vem enriquecer o património agrário;
encontrou boas condições para o seu desenvolvimento nas vertentes húmidas expostas aos
ventos predominantes e passou a constituir a espécie mais lucrativa e de maior aceitação no
mercado internacional pela sua óptima qualidade. A purgueira também foi introduzida na
mesma altura e é extraordinária a maneira como ela se multiplicou, aparecendo em todo o
lado, desde as regiões baixas até aos cumes inacessíveis das mais altas elevações, conservada
ainda hoje em grandes extensões porque não é apreciada pelas cabras, flagelo da agricultura.
Também do Brasil veio a mandioca empregada no fabrico da “farinha de pau” que substitui
o trigo quando de má qualidade mas que apesar de muito apreciada e largamente difundida
não chegou a ter a importância do milho.

Embondeiro

Cana de açúcar

Colheita de milho

Mas o período de florescimento e grandeza da ilha não dura muito tempo! Já no século
XVIII e ainda meados do XIX, os cronistas acusam a sua decadência e o estado de abandono
que reina por toda a parte. Intensamente só se faz a cultura da cana sacarina, com o fim de
preparar a aguardente, mas por processos muito rudimentares sendo assim a quantidade
e qualidade deficientes; por toda a parte um desinteresse completo pelas demais culturas

Nós Terra, Nós Geografia
186

– o milho, o feijão e a mandioca apenas são produzidos em quantidade que cheguem
para o sustento de um ano e o cultivo das plantas tintureiras é quase que abandonada,
apesar de serem apreciadas e constituírem uma boa fonte de rendimento. Delas as mais
importantes tinham sido a urzela e o dragoeiro. Este é uma espécie de palmeira que no início
dos descobrimentos cobreia grande extensão da ilha; foi planta muito apreciada porque do
tronco se extraia uma resina conhecida por “sangue de drago” de muita procura e aceitação,
do comércio; das suas folhas faziam-se cordas empregadas nas amarras e cabos, muito
utilizados numa ilha em que a actividade marítima é a principal.
Ao mesmo estado de abandono foram votadas as culturas do tabaco e algodão, que
cresciam espontaneamente sem nenhuns cuidados.

Trabalhos agrícolas

Mas esse mesmo milho que salvou a ocupação das ilhas, havia de, pela sua extrema
sensibilidade às irregularidades pluviométricas, constituir também o calcanhar de Aquiles
desse mesmo povoamento.
Assim a grande produção dos anos bons afundava o cabo-verdiano numa ilusória
fartura criando-lhe em anos de boas chuvas a ideia de uma facilidade de vida tragicamente
desmentida logo que faltavam as chuvas de Outubro.
A princípio enquanto os vales não estavam superpovoados a fome instalava bruscamente
fazia vítimas apenas naqueles núcleos populacionais exclusivamente dependentes das
encostas onde o milho era cultivado em regime de sequeiro.
Mas com o andar dos tempos a própria natureza da altura do milho, a destruição
de bosques e vária vegetação subespontânea para cultivar este cereal, numa constante
preocupação de alargamento da sua área de expansão, pôs em andamento o mecanismo
de degradação dos solos, fenómenos que aqui encontravam óptimas condições de evolução
devido ao regime torrencial das chuvas (tipo aguaceiro) e do carácter declivoso da orografia.
As crises provocam não só brutal quebra da população como se vê dos gráficos e do
quadro como ainda desorganizam totalmente a economia do arquipélago. Tendo este
fenómeno incidido periodicamente sobre a população ao longo de vários séculos não
podemos deixar de ficar marcado na maneira de ser do povo. Pode-se dizer sem receio de
errar, que as crises moldaram o cabo-verdiano impondo-lhe muitas das suas características
actuais. Uma dessas características é a descrença e o temor do futuro, que o leva geralmente
a viver o presente sem preocupações de amealhar pois antigamente mesmo com algum
dinheiro se podia morrer de fome por falta de víveres para comprar.

187

As condições corológicas e climáticas da ilha não lhe permitem alimentar a sua população.
Esta tem vivido em estado de subnutrição crónica e mesmo quando a fome aguda não impõe
razias catastróficas a fome crónica tem feito as suas devastações sob as formas patológicas
da desnutrição ou carências vitamínicas de várias ordens. (…)
Actualmente o governo de Cabo Verde está fazendo um esforço sério no sentido de
alterar o estado actual de coisas e o primeiro sintoma palpável da nova atitude foi o facto de
não ter havido mortes durante a crise provocada pela seca de 1959 enquanto que as crises
de 1941-1942 e 1946-1948 fizeram no seu conjunto trinta mil vítimas!
População e território: povoamento, casa rural e sociedade. O homem havia de vir
pelas caravelas portuguesas veiculadas pela energia do mesmo alisado de Nordeste servindo
a maior epopeia de todos os tempos – o espantoso empreendimento dos descobrimentos
portugueses.
Outros homens viriam mais tarde trazidos pelos primeiros. Mas estes vinham agora do
continente negro e ao contraste das configurações oferecidas pelo meio físico juntava-se
o contraste do aspecto físico dos homens oriundos de dois continentes servidos por duas
raças.
É então que começa a maior experiência “laboratorial” executada com matéria-prima
humana: brancos e negros vão fundir-se na mais positiva coexistência harmónica para dar
lugar, séculos depois a um povo novo – o crioulo cabo-verdiano. (…)
Em 1858 a vila da Praia foi elevada à categoria de cidade por Decreto de 29 de Abril
por ser a principal povoação do arquipélago tanto pelo número de habitantes, como pelo
desenvolvimento do seu comércio. Contava 2255 habitantes, sendo destes 280 escravos e
era cabeça de um concelho que constava de 6 freguesias que abrangiam uma população de
mais de 13.000 habitantes.
Já nesta altura havia alguns bons edifícios, dois poços bem construídos e abundantes de
água, um mercado diário bem abastecido de géneros alimentícios, o que evidencia o franco
progresso da cidade.
Enquanto se desenvolvia a cidade da Praia, a antiga cidade da Ribeira Grande caminhava
a largos passos para a decadência, nada restando hoje do seu antigo esplendor, antes está
reduzida a um montão de ruínas e a um conjunto de casebres de aspecto miserável.

Casas típicas

A forma da casa quadrangular, sem escada interior. Sem varanda, mostra uma semelhança
com as casas do sul de Portugal, estando ausentes os tipos de habitação do norte.
A disposição das casas em pequenos núcleos populacionais, os caminhos murados, o
arranjo das propriedades constituem uma réplica da paisagem do sul de Portugal. Certas
palavras como por exemplo: xerém, balaio, Bia, são comuns na linguagem de Cabo Verde e
Algarve. O xerém, prato preparado com o milho moído, vulgarmente usado neste arquipélago
também faz parte da ementa quotidiana algarvia.

Nós Terra, Nós Geografia
188

Outro tipo de casa

Cozinha

Tipos de povoamento

Dominava em Santiago o regime latifundiário e o branco, detentor de enormes extensões
de terra encontrou condições e teve forças para se firmar como um autêntico senhor com
um outro preconceito racial. Unia-se às escravas negras apenas com o intuito de satisfazer
os seus caprichos e não com o propósito de constituir família, mas as suas disposições não
duram muito tempo por contrárias às suas tradições e, vários documentos testemunham o
seu procedimento generoso para com os filhos naturais e mãe destes a quem foram feitas
várias doações.
Convinha-lhe no entanto, manter bem vincada a distância que o separava do negro para
evitar que factores de ordem sentimental comprometessem o estado económico das suas
terras e fomentavam a união entre os escravos porque os filhos destes pertenciam-lhe de
direito e assim o número de braços que dispunha para a exploração das suas propriedades
era maior.

Trapiche

189

Transporte

Além disso, nas estiagens que causam uma grande baixa na população, determinavam a
venda de escravos para os poupar à fome, e passada a crise novos elementos eram adquiridos
para fazer face às exigências de exploração agrícola. Santiago facilitava pela sua posição as
frequentes renovações de escravos que teriam de passar pelas mesmas fases de adaptação
climática e social do que retardava a assimilação.
Destes factos resultou uma mestiçagem menos profunda nesta ilha o que é facilmente
denunciado pela análise do quadro racial do arquipélago. O Censo de 1950 dá como total
da população 147.326 habitantes, assim distribuídos pelo arquipélago:
Ilhas

Brancos

%

Mistos

%

Negros

%

Boavista

21

0,7

2.353

81,4

517

17,9

Brava

565

7,1

6.815

86,2

523

6,0

Fogo

182

1,1

16.209

97,0

314

1,9

Maio

2

0,1

1.028

55,0

840

44,9

Sal

98

5,5

1.637

91,8

49

2,7

Santiago

881

1,5

21.931

37,3

36.051

61,2

Santo Antão

394

1,4

23.787

85,6

3.622

13,0

S. Nicolau

42

0,4

10.174

98,7

89

0,9

S. Vicente

849

4,4

17.792

93,1

470

2,5

O senhor e o escravo vivem lado a lado e conjugam os seus esforços para a realização de
fins comuns e na ameaça de perigos, fogem juntos para sítios melhor defendidos. Portanto
a sua aproximação foi mais fácil e a miscigenação mais profunda.
Se a assimilação foi menos completa e a miscigenação se processou com menor
intensidade em Santiago do que no resto do arquipélago, também não é de estranhar que as
reminiscências afro-negras se localizem mais abundantemente nesta ilha. Mas os costumes
africanos transplantados, sob a influência do catolicismo e da civilização ocidental, perderam
muito da sua pureza e afastaram-se do seu sentido original.
Há factos que denunciam logo a sua origem negra, mas outros há de tal maneira

Nós Terra, Nós Geografia
190

complexos em que as duas culturas estão tão profundamente interpenetrados que é muitas
vezes difícil, senão impossível, dizer qual a influência negra ou qual o contributo europeu.
(…)
Se a população vai crescer rapidamente embora se façam obras de fomento estas
dificilmente melhorarão o estado médio da população excepto se recorrer a soluções auxiliares
das quais a emigração parece ser a mais simples e rendosa.
Emigração não como contratados para S. Tomé e Angola pelos muitos inconvenientes
que ela comporta, mas sim para países estrangeiros sob a fórmula de emigração livre mas
orientada pelo Serviço de Emigração Nacional.
O cabo-verdiano emigrado nunca esquece a terra e a família e enquanto fora vai
mandando dinheiro aos seus e mais tarde procura regressar para vir morrer na terra de que
tem saudades.
No campo prático esta atitude do cabo-verdiano representa a possibilidade de fluxo de
divisas estrangeiras simultânea dum necessário alívio de pressão demográfica que de há
muito se vem fazendo sentir.”3
Apontamentos para uma geografia cultural. Seria interessante fazer um estudo
comparativo entre o folclore cabo-verdiano e o brasileiro, e notar a evolução sofrida por
factos de início semelhantes, de acordo com o meio físico e quadro económico. Mas este
já é um assunto que sai fora do âmbito do nosso trabalho e que deve ser antes tratado por
especialistas competentes. Instrumentos de uso quotidiano, a alimentação, alguns hábitos,
jogos, etc., revelam imediatamente a sua origem africana.
Quanto aos negros tudo leva a crer que o maior contingente veio do Sudão, pois as
sobrevivências africanas apesar de muito apagadas ainda são suficientes para denunciar a
sua origem. Mas além dos sudaneses, escravos doutra origem devem ter contribuído para
o povoamento da ilha. E assim, se a liturgia religiosa da tabanca revela uma influência
acentuada da cultura sudanesa, a sua organização político-social aproxima-se das sociedades
congolesas (bantu). Enquanto que o cimbó, acessório indispensável do batuque veio do
Sudão, a “tchbeta” parece estar mais perto da cultura congolesa.
Certo cerimonial do casamento como a imobilidade e silêncio da noiva, na véspera
do casamento evidencia traços da cultura islâmica, talvez trazidos por negros sudaneses
islamizados.
Pilão. Foi introduzido em Cabo Verde pelos negros da costa da Guiné onde continua
ainda hoje a ser o instrumento mais empregado para a moagem e descasque dos cereais. É um
objecto indispensável, ponto de partida para toda a culinária e auxiliar prestimoso das fainas
agrícolas. É largamente empregado na moagem doméstica do milho e, ainda em variados
trabalhos agrícolas como a debulha dos cereais e descasque do café e da purgueira.

Mó de pedra

Pilão

3 - Maria Luísa Ferro Ribeiro, Ilha de Santiago: contribuição para o estudo de uma fenomenologia sócio-económica, 1961

191

Alimentação. A alimentação é feita com base no milho com o qual se confeccionam os
mais variados pratos, mas nunca o pão, o que é sem dúvida uma herança do que ficou dos
antepassados negros.
A cachupa é o prato mais característico e o alimento básico de toda a população. Consta
essencialmente de milho (“cochido”, a que se junta em menores proporções, feijão, batata
doce, mandioca, banana verde, peixe ou carne, mas que nas classes mais pobres se reduz
muitas vezes, apenas a um cozido de milho e feijão. Pode-se dizer que a maior parte do
tempo da mulher cabo-verdiana é dedicada à preparação da cachupa.
Ainda com o milho se fazem o fongo, a brinhola, a djagacida, o milho aliado, útil quando
o pobre não dispõe de dinheiro para a gordura e combustível necessários para a preparação
da cachupa. Se a atitude de utilizar o milho para a alimentação sem preocupação de fabricar
o pão é africana, pratos como o xérem e o rolão são correntes no Algarve e nas Beiras, o que
revela mais uma vez convergências das duas culturas no sentido de contribuir para a solução
do mesmo problema.

“Diabo dentro”

Aspectos do mercado

Jogo do Ouri. É o único jogo africano que se pratica em Cabo Verde. É jogado sobre uma
peça de madeira, de pedra com doze orifícios hemisféricos cada um com quatro sementes.
Há vários processos de jogar sendo os mais vulgares: o direito português e o cego (inglês).

Ouri

Nós Terra, Nós Geografia
192

Tabanca. Há bem poucos anos ainda, era frequente em Santiago a tabanca a única
sobrevivência do culto africano organizado em Cabo Verde, embora sem o seu significado
primitivo.
Tabanca originariamente significava povoação e ainda hoje é este o seu significado
nalgumas tribos da Guiné donde vieram os negros para o povoamento da ilha. Dispersos
pelas exigências do regime da escravatura, longe da tribo de que faziam parte, sentem a
necessidade de qualquer laço de união com os outros indivíduos com os mesmos usos,
costumes e língua e daí o sentido especialmente afectivo que adquire a palavra tabanca que
passa a designar uma associação de socorros mútuos.
A Organização compreendia à frente o rei ou o chefe com o seu conselheiro, mestre das
cerimónias religiosas, aos quais estavam subordinadas a hierarquia civil e militar; uma rainha
às ordens das quais estavam as mulheres (cativa) e as raparigas (filhas de santo); na época das
festas há personagens cómicos que com as suas palhaçadas fazem rir toda a assistência.
Os sócios prestavam assistência moral e material nos casos de doença ou morte, auxílio
nas construções de casas e trabalhos agrícolas e contribuem com uma cota mensal para as
despesas da tabanca.
Os festejos começavam no dia 3 de Maio, anunciados pelos músicos que tocam tambores
e búzios, atrás dos quais dançam em requebros lascivos as filhas de santo. A festa prolongavase até ao dia de S. João data em que era mandada celebrar uma missa na Igreja Matriz,
seguida de ladainhas na capela privativa entoadas em coro por todos os presentes.
Batuques. Santiago é a única ilha que conserva ainda hoje o batuque, de origem africana.
O esquema mais frequente é o seguinte: uma cantadeira ou cantador que faz de solista, um
grupo que faz o coro, acompanhado da “tchbeta”; no meio do terreiro a dançarina; as
danças são sempre acompanhadas pelo cimbó.
A “tchbeta” consiste em marcar o ritmo batendo nas coxas as palmas das mãos. A sua
origem é muito discutida, talvez bantu pela sua semelhança com o termo Ku-beta que em
bantu designa batuque.
O cimbó de origem sudanesa, é acessório indispensável de batuque formado por um
bojo de cabeça forrado de pele como o tambor.
Depois de batuque segue-se a “finaçon” cantiga improvisada por uma cantadeira sobre
motivos da circunstância acompanhada apenas por bater de palmas.
Casamentos. Uma vez que a rapariga aceite o namoro, dá ao rapaz um sinal – uma
pedrinha, uma mola para o cabelo, outra coisa qualquer – e mediante isto ele pode fazer
o pedido que consiste em entregar pessoalmente uma folha de papel selado onde nada vai
escrito ao pai da noiva. Discute com ele as possibilidades financeiras e aceitando o rapaz
como noivo da filha toma o papel e guarda-o no local mais seguro da casa. O papel testará
o comportamento do rapaz, pois caso ele falte à palavra há uma testemunha da sua pouca
seriedade. Há raparigas que têm 7 ou 8 folhas de papel selado…
Afora o pormenor do sinal e da forma singular como é feito o pedido, a festa do casamento
em todas as outras localidades faz-se mais ou menos da mesma maneira. É anunciada por
meio de foguetes e começa com o “pilão” – preparação do milho para a festa – oito dias
antes do acontecimento. Feito o aviso pelos foguetes, as mulheres de manhã cedo partem
para a casa da noiva com o pilão e respectivos paus e com o milho ou feijão que desejam
oferecer.
Na véspera do casamento há nova reunião para preparação do “cúscus”, do “xérem”,
matança de animais, etc., tarefas que são executadas num ambiente festivo em que o
batuque tem supremacia sobre qualquer outra distracção.
À noite a noiva sentada numa cadeira especial devidamente ornamentada, o “assento”,
escuta a chamada “finação”, cantiga adequada ao dia que constitui uma exortação ao seu
comportamento futuro. Permanece em silêncio quase absoluto e numa perfeita imobilidade
desde a véspera até depois de efectuado o casamento.
Depois dos conselhos a noiva entra em casa mas o noivo finge que vai entrar, volta as
costas, anda uns metros e faz isto três vezes seguidas; só da terceira vez e com ar alheio a
tudo é que entra em casa aonde se junta à mulher, indo ambos ocupar o “assento”.
Este gesto significa que o lugar da mulher é em casa e o dele é na rua e como tal pode

193

entrar ou sair à sua vontade.
Se a pureza da noiva for reconhecida o noivo manda deitar foguetes e então procede-se
à entrega das ofertas que são as mais variadas: uma corda que simboliza o animal que háde vir, um balaio pequeno em representação das quartas de mantimentos, peças de pano
da terra, dinheiro, etc. Caso contrário o noivo aparece no dia seguinte com uma manga
enrolada ou perna das calças arregaçada.
Funerais. Quando a morte sobrevem acorrem os vizinhos e parentes para “armarem
a esteira” e colaborarem nos trabalhos caseiros pois durante oito dias a família do morto
nada deve fazer. Permanece sentada na esteira durante este período de tempo e aí recebe os
pêsames e numa gritaria infinda pranteiam o morto, recordando todas as suas qualidades e
pelo seu intermédio enviam-se saudades aos outros mortos.
Fazem grandes quantidades de comida para todos que aí acorrem; esta nunca deve ser
rejeitada, colocada na mesa e apenas pode ser servida em pratos de barro feitos na terra.
Crioulo. O crioulo, dialecto que se fala no arquipélago, não é mais do que o português
arcaico que sofreu modificações e se simplificou ao contacto com as populações afro-negras.
Tem estruturas morfológicas integralmente de cunho português e de léxico do qual só uma
pequena parte não provém do reinol.
O que dá aparência de aberração ao crioulo em comparação com os dialectos da
metrópole reduz-se aos seguintes factos: a) Aspecto fonético; b) Simplificação do sistema
morfológico; c) Sobrevivência de arcaísmos.

194

Cabo Verde:
uma incompleta bibliografia geográfica

Rui Jacinto

CEGOT - Universidade de Coimbra

. Geografia de Cabo Verde
Enquadramento geral
AMARAL, Ilídio (1991-2002) – Cabo Verde: introdução geográfica. In História geral de Cabo Verde. Lisboa: Edição IICT
e INPPCV, pp. 1-22.
AMARAL, Ilídio (2004) - Ler Cabo Verde: notas e reflexões. Finisterra, XXXIX, 78: 87-98.
AMARAL, Ilídio; Correia, Ezequiel; Costa, A. (1980) - Bibliografia geral de Cabo Verde (anotada e ilustrada) (vol I e II).
CEG, Lisboa.
COSTA, A. (1981-1982) – Cabo Verde, Imagens e números (2 vols.). CEG, Lisboa.
ALMEIDA, Germano (2003) - Cabo Verde, Caminho.
AMARAL, Ilídio (1979) - A “escola geográfica de Lisboa” e a sua contribuição para o conhecimento geográfico das
regiões tropicais. Finisterra
ALMEIDA, A. C., Gama, A., Cravidão, F. D.., Cunha, l. e Jacinto, R. (2003) – Fragmentos de um retrato inacabado. A
Geografia de Coimbra e as metamorfoses de um país. Coimbra. IEG, Universidade de Coimbra.
MEDINA DO NASCIMENTO, Judite; ANDRADE, Jailson (2012) - O percurso dos geógrafos em Cabo Verde: temáticas,
abordagens e metodologias.
Contexto histórico e cultural
ALBUQUERQUE, Luís de [et al.] coord. - História geral de Cabo Verde. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical;
Praia: Direcção Geral do Património Cultural de Cabo Verde, 1991.
BARCELOS, Cristiano José de Sena - Subsídios para a história de Cabo Verde e Guiné (4 vol). Lisboa: Academia real das
Ciências, 1899-1911.
LOPES FILHO, João (1982) - Cabo Verde: subsídios para um levantamento cultural. Lisboa: Plátano Editora.
LOUREIRO, João (1998) - Postais antigos de Cabo Verde. Lisboa: João Loureiro e Associados.
SERRAO, Joel. [et al.] [199?] - Nova história da expansão portuguesa. Lisboa: Estampa.
SILVA, António Correia e - Dinâmicas de decomposição e recomposição de espaços e sociedades. In Historia geral de
Cabo Verde. Lisboa: Edição IICT e INPPCV, 1991-2002. pp. 1-66. vol. 3.
SILVA, António Correia e - Espaços urbanos de Cabo Verde: o tempo das cidades – Porto. Lisboa: Comissão Nacional para
as comemorações dos descobrimentos Portugueses, 1998. 65 p.
SILVA, António Leão Correia e - Nos tempos do Porto Grande do Mindelo. 2ª ed. Mindelo: Centro Cultural Português,
2005.
SILVA, António Leão Correia e - A influência do atlântico na formação dos portos em Cabo Verde. Lisboa: Instituto
Investigação Cientifica Tropical, 1990. 14 p.

. Geografia de Cabo Verde: o ciclo colonial (até 1975)
Obras fundadoras
RIBEIRO O. (1954). A ilha do Fogo e as suas erupções. Lisboa, Junta de Investigação do Ultramar, Memórias, Série
geográfica I.
RIBEIRO, Maria Luísa Ferro (1961) - A Ilha de Santiago. Contribuição para o estudo de uma fenomenologia sócioeconómica. Tese de licenciatura em Geografia apresentada na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
Algumas passagens da tese foram publicadas, entre Janeiro e Junho, em Cabo Verde: boletim de propaganda e
informação:
. Apontamento etnográfico sobre a ilha de Santiago. Ano XIII, n.º 148 (Janeiro de 1962), p. 7-14.
. Apontamento etnográfico sobre a ilha de Santiago. Ano XIII, n.º 149 (Fevereiro de 1962), p. 10-15.
. Vida da ilha de Santiago há cem anos. Ano XIII, n.º 150 (Março de 1962), p. 12-14.
. Condicionalismo histórico da ilha de Santiago. Ano XIII, n.º 151 (Abril de 1962), p. 4-9.
. Ilha de Santiago: panorama agrícola e vida rural: estado actual da agricultura. Ano XIII, n.º 152 (Maio de 1962), p.
26-31.
. Ilha de Santiago: principais culturas e seu valor económico. Ano XIII, n.º 153 (Junho de 1962), p. 30-35.
AMARAL, Ilídio (1964) - Santiago de Cabo Verde. A terra e os homens. Memórias da Junta de Investigação do Ultramar,

195

nº 48, Lisboa. [Reedição em 2007: Associação das Universidades Portuguesas, Centro de Estudos Geográficos da
Universidade de Lisboa, UniCV, Universidade do Algarve, IICT]. [Tese de Doutoramento].

Maria Luísa Ferro Ribeiro: outros trabalhos publicados
Coexistências culturais. In: Cabo Verde: boletim documental e de cultura. - vol. XV, nº 19-21/175-177 (Abr.-Jun. 1964),
p. 13 – 26.
O valor pedagógico da disciplina de Geografia. In: Cabo Verde: boletim documental e de cultura. - Ano XV (nova fase),
n.º 13-15/169-171 (Outubro-Dezembro de 1963), p. 44-49.
Didáctica da geografia. In: Seiva. - Vol. XI, nº 7-8 (1971).
Centro de Documentação e Informação para o Desenvolvimento: orientações e estratégia. In: Seminário sobre informação
lusófona e desenvolvimento agrícola: que cooperação ACP/CEE. - Lisboa: [s.n.], 1988. - 41 p.
OLIVEIRA, Henrique; Ribeiro, Maria Luísa Ferro; Chantre, Maria de Lurdes; Ribeiro, Óscar; Monteiro, Maria de Fátima
Varela; Duarte, Dulce Almada; Albuquerque, Luís de (1978) - Documentos elaborados pela delegação de Cabo Verde
à intenção do “Encontro de Ministros de Educação e Educadores de Moçambique, S. Tomé e Príncipe, Angola, GuinéBissau e Cabo Verde”, Bissau... [Texto policopiado] / Cabo Verde: MEC, 1978?].
Sobre o ensino superior. In: A semana. - Ano II, nº 96 (1993), p. 9.

O legado dos mestres
MARTINS, Alfredo Fernandes (1943) – Alguns reparos à classificação de colónias proposta por Hardy. Boletim do Instituto
de estudos Franceses, vol. II/III, 1941/43, pp. 187-208. (Republicado em: Cadernos de Geografia, nº1, IEG.
MARTINS, Alfredo Fernandes (1964) - O condicionalismo geográfico na expansão portuguesa. Boletim da Associação
dos Antigos Estudantes de Coimbra, Coimbra, 5
GIRÃO, Aristides de Amorim (1936) - Lições de Geografia Humana,
GIRÃO, Aristides de Amorim (1952) - Portugal e o Brasil no mundo de amanhã. Brasília, vol. II, Coimbra.
DAVEAU, Suzanne; RIBEIRO, Orlando - La zone intertropicale humide. Paris: Armand Colin, 1973. (Collection U. Série
“Géographie”).
RIBEIRO, Orlando - Aspectos e problemas da expansão portuguesa. Lisboa: Fundação da Casa de Bragança, 1955.
[Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1962. (Estudos de Ciências Políticas e Sociais; 59)].
RIBEIRO, Orlando - Problemas humanos de África. Lisboa: Edições Maranus, 1961. (Sep. de: Colóquios sobre Problemas
Humanos nas Regiões Tropicais, N. 51).
RIBEIRO, Orlando (1954) – As ilhas atlântidas. [s. l.: s. n.]. Naturália, V. 4, F. 3).
RIBEIRO, Orlando (1955) - Primórdios da ocupação das ilhas de Cabo Verde. Separata da Revista da Faculdade de Letras
de Lisboa, tomo XXI, n.º 1.
RIBEIRO, Orlando (1956) – As ilhas de Cabo Verde no princípio do século XIX. Memórias de António Pusich, publicadas
e anotadas por Orlando Ribeiro. Garcia da Horta, IV (4), Lisboa: 605-634.
RIBEIRO, Orlando (1961) - Geografia da expansão portuguesa. Lisboa: Universidade de Lisboa, (Sep. de: Arquivos da
Universidade, N. 2).
RIBEIRO, Orlando (1974) – Prefácio in MONTEIRO JÚNIOR, Júlio. - Os rebelados da Ilha de Santiago, de Cabo Verde:
elementos para o estudo sócio-religioso de uma comunidade. Pref. do Prof. Orlando Ribeiro. [Cabo Verde]: Centro de
Estudos de Cabo Verde, 1974.
RIBEIRO, Orlando (1974) - Destinos do Ultramar. Lisboa: Livros Horizonte. Colecção Horizonte; 26.

Outros trabalhos pioneiros de pendor geográfico
ASSUNÇÃO C.F.T. (1954). Expedição científica à ilha do Fogo. Estudos petrográficos (1952-1953). Lisboa, Junta de
Investigação do Ultramar, in: Memórias, Série petrográfica I, 156 pp.
BEBIANO J.B. (1932). A geologia do arquipélago de Cabo Verde. Serviços de Geologia de Portugal, tomo XVIII.275 pp.
CARVALHAL A. (1943). Fisionomia meteorológica da ilha de Santiago de Cabo Verde. Praia, Imprensa Nacional de Cabo
Verde.
CHEVALIER, A (1935). La flore de l’archipel du Cap Vert. Paris: Revue de botanique appliquée, t.XV, pp.733-1090.
SERRALHEIRO A. (1970). Geologia da Ilha de Maio (Cabo Verde). Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 103 pp.

. O período pós-colonial (1975-2001)
DAVEAU, Suzanne (1988) - Nótula sobre aspectos recentes e actuais da erosão fluvial na ilha de Santo Antão, Cabo
Verde. Finisterra, XXIII, 46, p. 287-301.
DIAS, Maria Helena (1999) – Marcas portuguesas na moderna cartografia cabo-verdiana. Finisterra, XXXIV, 67-68: 95-109.
REBELO, Fernando (1999) – Riscos de inundação rápida em Cabo Verde. Apontamentos de observação numa breve visita
à Praia e ao Mindelo em Junho de 1999. Finisterra, XXXIV, 67-68, pp.: 47-55.
FERREIRA, Denise de Brum (1983) - Étude de la convection au-dessus de l’Atlantique tropical au large de l’Afrique
Occidentale. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos, 1983 (Linha de acção de geografia física: Relatório. 16)
FERREIRA, Denise de Brum (1985) - La crise climatique actuelle dans l’archipel du Cap Vert. Quelques aspects du problème
dans l’île de Santiago. Finisterra, XXII, 43, pp.: 113-152.
FERREIRA, Denise de Brum (1986) – Étude sur la sécheresse dans l’ile de Santiago (Cap-Vert). CEG, Lisboa.
FERREIRA, Denise de Brum (1987) - La crise climatique actuelle dans l’archipel du Cap Vert: quelques aspects du probléme
dans l’île de Santiago. In: Finisterra, vol. 22 (nº 43).- (1987), p. 113-152.
MOTA, A. Teixeira da (1991) - Cinco séculos de cartografia das ilhas de Cabo Verde. Lisboa : Junta de Investigações do
Ultramar, p. 11-16.
PAGREY, Pierre (1990) - Le climat de l’ Atlantique Oriental, des Açores aux îles du Cap Vert : d’aprés Denise de Brum
Ferreira. Finisterra.- vol. 25 (nº 49).- (1990), p. 191-199.
SEMEDO, José Maria (1977) - Manifestações festivas de Tabanca. In: Cultura. - A. 1, nº 1 (Set 1997), p.80-83.

Nós Terra, Nós Geografia
196

SEMEDO, José Maria (1991) - Espaço geográfico no romance “o escravo”. In: Pré-textos: Ideias e Cultura, Nº 0: 4-6.
SEMEDO, José Maria (1992) - Cidade da Praia: alguns aspectos da sobreposição dos modos de vida rural e urbano no
espaço da cidade. In: Pré-textos, Ideias e Cultura. Nº 1: 52-59.
SEMEDO, José Maria (1993) - A revolta de Ribeirão Manuel na perspectiva da implantação da república portuguesa.
Praia: Movimento Pró-Cultura.
SEMEDO, José Maria (1993) - Un archipel vulcanique dispersé. In: Notre Librairie : Revue du Livre : Afrique, Caraibes,
Océan Indien. Nº 112 (1993), p. 6-11.
SEMEDO, José Maria (1995) - A segunda fase do PFIE em acção. In: Educação: Boletim Informativo do Ministério da
Educação e do Desporto. - Ano IV, nº 17 (1995), p. 18-19
SEMEDO, José Maria (1996) - A Tabanca e a sua origem (The Tabanca and its origin). In: Fragata: Revista de Bordo dos
TACV Cabo Verde Airlines, Nº 10 (1996), p. 21-24.
SEMEDO, José Maria (1997) - Tabanca: o renascer de uma tradição. In: Cultura: Revista Semestral. - Ano 1, nº 1 (1997),
p. 80-83.
SEMEDO, Jose Maria (1998) - O milho, a esperança e a luta. In: Cabo Verde: insularidade e literatura (coord. Manuel
Veiga). Paris: Editions Karthala, 1998: 81-92.
SEMEDO, José Maria (1999) - Plantas endémicas de Cabo Verde (Endemic plants: Cape Verde is remnant of mankind).
In: Fragata: Revista de Bordo da TACV - Cabo Verde Airlines. - Nº 21 (1999), p. 48-49.
SEMEDO, José Maria; Maria R. Turano (1995) - Cabo Verde: O ciclo ritual das festividades da Tabanca. Praia: Spleen,
153 p.
SERRALHEIRO, A. (1976) – A geologia da ilha de Santiago (Cabo Verde). Tese de Doutoramento apresentada a
Universidade de Lisboa.

Estudos de pendor geográfico
CARREIRA, António (1982) – Estudos de economia Caboverdiana. INCM.
CARREIRA, António (1983) – Cabo Verde. Formação e extinção de uma sociedade escravocrata (1460-1878). Instituto
Cabo-verdeano do Livro. Praia, 2ª Edição.
CARREIRA, António (1983) – Migrações nas ilhas de Cabo Verde. Instituto Cabo-verdeano do Livro. Praia.
CARREIRA, António (1985) – Demografia cabo-verdiana: subsídios para o seu estudo, 1807-1983. Instituto Caboverdeano do Livro. Praia
FERNANDES, José Manuel (1996) - Cidades e casas da Macaronésia. 2ª ed. Porto: FAUP. 420 p.

Teses de Doutoramento em Geografia: do colonial (1964) ao período global (2012)
AMARAL, Ilídio (1964) - Santiago de Cabo Verde. A terra e os homens. Memórias da Junta de Investigação do Ultramar,
nº 48, Lisboa. [Reedição em 2007: Associação das Universidades Portuguesas, Centro de Estudos Geográficos da
Universidade de Lisboa, UniCV, Universidade do Algarve, IICT].
BRUM FERREIRA, Denise de (1990) - Le climat de l’A tlantique Oriental, des Açores aux îles du Cap Vert. Thèse de
doctorat d’ Etat submetida a Paris-Sorbonne (26 outubro 1989).
LESOURD M (1995). Etat et Société aux Iles du Cap-Vert. Ed. Karthala, Paris.
COSTA, Fernando Eduardo Lagos (2002) - Evolução geomorfológica quaternária e dinâmica actual na bacia da Ribeira
Seca (Santiago oriental - Cabo Verde). Lisboa, Dissertação equivalente a Doutoramento apresentada ao Instituto de
Investigação Científica Tropical para prestação de provas de acesso à categoria de Investigador Auxiliar, 270 p..
NASCIMENTO, Judite Medina do, (2009) - La croissance et le Système de Gestion et de Planification de la Ville de Praia
(Rep. du Cap-Vert), Thèse de Doctorat présenté a l’U.F.R. de Lettres et Sciences Humaines de l’Université de Rouen,
Rouen. [Publicado em 2011 com o título : La croissance et le système de gestion et de planification. Un cas d’etude sur
la ville de Praia au Cap Vert. Saarbrucken-Germany: Editions universitaires européennes.]
SANTOS, Aquiles Celestino Vieira Almada e (2011) - A insularidade e suas condicionantes económicas. O caso dos
pequenos estados insulares em desenvolvimento. Tese de doutoramento em Geografia (Geografia Humana),
Universidade de Lisboa, IGOT.
FURTADO, Clementina (2012) - As migrações da África Ocidental em Cabo Verde: atitudes e representações.
Doutoramento em Ciências Políticas e Sociais pela Université Libre de Bruxelles.
. O período da globalização (depois de 2001)
. Teses de Mestrado em Geografia
CARVALHO, J.N. (2003) - O Sonho de Emigrar para o Brasil: Territórios de Diáspora cabo-verdiana no Rio de Janeiro,
Niterói. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade Federal Fluminense (UFF).
NASCIMENTO, Judite Medina do, (2004) - O crescimento urbano e a estrutura funcional da cidade da Praia, Tese de
Mestrado em Geografia Humana, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa.
ALMADA E SANTOS, A. C. (2004) - O Comércio Retalhista no Centro da Vila de Sintra. Dissertação de Mestrado
apresentada à Universidade de Lisboa.
SEMEDO, J. M. (2004) - O parque natural da ilha do Fogo Cabo Verde: Subsídios para a sua gestão e seu desenvolvimento.
Dissertação de mestrado apresentada à Fundação Universitária Iberoamericana.
TAVARES L.F. (2005) - Décentralisation et développement local dans un micro-état insulaire: le Cap-Vert, défis et enjeux
pour la ville de Praia. Dissertation de master présentée á l’Université de Rouen – France.
BORGES A. (2005) - O património ecológico e arqueológico da Cidade Velha: Subsídios para o Uso Sustentável dos
Recursos Naturais e do Desenvolvimento Turístico. Dissertação de mestrado apresentada à Fundação Universitária
Iberoamericana.
FURTADO, Clementina Baptista de Jesus (2006) - A emigração em Cabo Verde de 1974 a 2000 o concelho de São Miguel:
emigração, retorno e desenvolvimento local. Geografia Humana e Planeamento Regional e Local, Dep. Geografia, Fac.
de Letras, Univ. de Lisboa.
TAVARES, C. (2006) - A Política de Solos na Política Urbana, a sua relevância na Cidade da Praia – Cabo Verde. Dissertação

Rui Jacinto
197

para obtenção de grau de Mestre em Gestão do Território, Faculdade de Ciências Sociais e Humana da Universidade
Nova de Lisboa.
MASCARENHAS, J. M. (2007) - A problemática do solo e da água e o ordenamento do território em Santiago (Cabo
Verde). Dissertação de mestrado apresentada à Universidade Nova de Lisboa.
FERNANDES, M. F. (2007) - Sistema de informação geográfica na gestão do cadastro urbano municipal aplicado ao
Município da Praia. Dissertação de mestrado apresentada à Universidade Nova de Lisboa.
MONTEIRO, Sílvia (2007) - Riscos naturais e vulnerabilidades no concelho da Ribeira Grande. Ilha de Santo Antão (Cabo
Verde). Coimbra, Dissertação de Mestrado em Dinâmicas Sociais e Riscos Naturais apresentada às Faculdades de Ciência
e Tecnologia e de Letras da Universidade de Coimbra.
CORREIA, Romualdo B. (2007) – Modelação cartográfica em ambiente SIG de susceptibilidade à erosão hídrica dos
solos. Caso da bacia da Ribeira dos Picos Santiago (Cabo Verde). Dissertação de Mestrado em Geografia apresentada à
Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
BORGES, Carlos António (2007) - Do Platô à cidade: evolução da forma urbana da cidade da Praia, Cabo Verde, Prova
Final de Licenciatura apresentada ao Departamento de Arquitectura, Coimbra.
LIMA, L. H. (2008) - Áreas protegidas e/ou zonas de desenvolvimento turístico em Cabo Verde: O caso de Boavista.
Dissertação de mestrado apresentada à Universidade de Aveiro
MOTA, Alicia Maria da Cruz (2008) - As comunidades imigrantes em Cabo Verde: os chineses em São Vicente e a sua
participação no desenvolvimento do comércio. Tese de mestrado em Geografia económica (Lisboa).
PINA, R. M. (2008) - Associativismo e desenvolvimento local em Cabo Verde: O percurso de Revitalização Rural na Ilha
de Santiago. Dissertação de mestrado apresentada à Universidade de Lisboa.
PINA, P. (2008) - O desenvolvimento urbano do Munícipio da Praia. Dissertação de mestrado apresentada à Universidade
de Lisboa.
GAMBÔA, M. S. (2008) - Impactos decorrentes da expansão da cidade de assomada, Município de Santa Catarina Cabo Verde. Dissertação de mestrado apresentada à Universidade Federal de Florianópolis.
COSTA, M. M. (2008) - O ordenamento do território e o desenvolvimento do turismo: o caso da ilha de Santiago - Cabo
Verde. Dissertação de mestrado apresentada à Universidade Nova de Lisboa.
CARVALHO, Ineida (2009) – Monitoramento Ambiental da estrada de São Domingos – Assomada, ilha de Santiago,
Cabo Verde, com enfâse na compartimentação geomorfológica. Dissertação de Mestrado, apresentada à Universidade
Federal de Pernambuco.
LOPES, Ermelinda Emílio Mendes (2011) - Mulheres e Ambiente: A problemática da apanha de inertes na Ilha de Santiago
(Cabo Verde). Dissertação de Mestrado em Geografia, especialidade em Geografia Física, Ambiente e Ordenamento de
Território, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
GARCIA, Carina (2011) - Processo de desertificação na Ilha de Santiago (Cabo Verde: orientações estratégicas para o
combate à desertificação). Dissertação de Mestrado em Gestão do Território, Especialização em Ambiente e Recursos
Naturais Lisboa, Departamento de Geografia e Planeamento Regional, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da
Universidade Nova de Lisboa.
SILVEIRA, Enoque Monteiro Barbosa da (2011) - Áreas Residenciais Clandestinas na Cidade da Praia: Caso Latada e
Achada Eugénio Lima Trás. IGOT Dissertação de mestrado apresentada à Universidade de Lisboa.
CORREIA, Armindo Freitas (2011) – A gestão do território municipal em Cabo Verde: o caso de Santa Catrarina de
Santiago. Dissertação de Mestrado apresentada à FCSH da Universidade Nova de Lisboa.
FERNANDES, Nélida Furtado (2012) - Evolução Urbana e Planeamento Urbano da Cidade de Assomada (Cabo Verde).
Relatório de Mestrado em Geografia (especialização em Ordenamento do Território e Desenvolvimento), no âmbito
do Estágio realizado na Câmara Municipal de Santa Catarina, apresentado à Faculdade de Letras da Universidade de
Coimbra.
LIMA, Isabel Pires (2012) - Inundações urbanas: desafios ao ordenamento do território. O caso da Cidade da Praia (Cabo
Verde). Tese de mestrado, Geografia - Geografia Física e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa, Instituto de
Geografia e Ordenamento do Território.
PINHEIRO, João (2014) - Análise e Cartografia da Suscetibilidade a Movimentos de Vertente e Erosão Costeira em Cabo
Verde: Caso de estudo a Ilha de São Nicolau. Mestrado em Sistemas de Informação Geográfica e Modelação Territorial
aplicados ao Ordenamento.
BELMIRA, Antónia Brito Goth (2014) - Geopatrimónio da ilha de São Nicolau: Valorização Geoturística. Relatório de
Mestrado em Geografia apresentado à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Teses de Mestrado em outras disciplinas
CABRAL, José (2005) - O papel do turismo no desenvolvimento de Cabo Verde: turismo e combate à pobreza: nu djuntamô. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa, Instituto Superior de Economia e Gestão. 221 p. Tese de Mestrado.
NUNES, Irene - Turismo, desenvolvimento e dependência em Cabo Verde. Coimbra: Faculdade de Economia da
Universidade de Coimbra; Instituto de Estudos Políticos de Bordeaux. 2009. 90 p. Relatório de Estagio.
QUERIDO, Carlos António de Pina Querido dos Reis (2007) - Do Platô à cidade: evolução da forma urbana da cidade da
Praia, Cabo Verde. Coimbra: [s. n.] 61 p. Prova Final de Licenciatura apresentada ao Departamento de Arquitectura da
Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.
CRUZ, Antero Ulisses - Três tempos, três portos, três portas: 1 mar urbano. Coimbra: [s. n.], 2001. 103 p. Prova Final de
Licenciatura apresentada ao Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de
Coimbra.
CRUZ, Eliseu Monteiro - Análise da evolução urbana da cidade do Mindelo. Coimbra: [s. n.], 2003. 40 p. Prova Final de
Licenciatura apresentada ao Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de
Coimbra.
DAUN, Maria do Carmo Farias; SANTOS, Lorena - Turismo em Cabo Verde: um estudo exploratório. Lisboa: Instituto de
Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. 2009. 93 p. Dissertação de Mestrado.
GALINA, Sandra Elisa Rodrigues - De Dom Rodrigo a Mindelo: ensaio sobre a fundação de uma cidade. Coimbra: [s.

Nós Terra, Nós Geografia
198

n.], 2004. 102 p. Prova Final de Licenciatura apresentada ao Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e
Tecnologia da Universidade de Coimbra.
GARCIA, Carina; FONSECA, Sanny - As Redes de Equipamentos educativos e o Ordenamento de Território em Cabo
Verde – O caso da Ilha de Santiago [Em linha]. Praia : 2009. [Consult. Maio 2009].
SAMPAIO, Catarina Maria Garção Serra Coelho - Habitação rural em Santo Antão. Coimbra: Departamento de
Arquitectura da FCTUC. 2008. 125 p. Tese de Mestrado.
SANTOS, Analiza Chantre Silva - Museu do Porto Grande de Mindelo. Coimbra: [s. n.], 2005. 62 p. Prova Final de
Licenciatura em Arquitectura apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.
MORAIS, Joaquim Jorge Monteiro - Cabo Verde: um projecto de país e a ideologia da educação como estratégia para o
desenvolvimento – estudo da constituição do ensino técnico. Paraná: Universidade Federal do Paraná. 2009. Dissertação
de Mestrado.

Estudos de geografia

BATALHA Luis; CARLING, Jørgen (2008) - Transnational archipelago: perspectives on Cape Verdean
migration and diaspora. Amsterdan: Amsterdam University Press, 298 p.
CARVALHO, Ineida (2007) – O retorno de emigrantes e o problema da reinserção em Cabo Verde. Revista
de Geografia da Universidade Federal de Pernambuco, nº 2, vol. 24.
CARVALHO, Ineida; Corrêia, António (2007) – Identificação da degradação ambiental resultante da
reabilitação da estrada de São Domingos – Assomada, Cabo Verde, África Ocidental. Revista de Geografia
da Universidade Federal de Pernambuco, nº 2, vol. 24.
CORREIA, R.; Monteiro, S. e Cunha, L. (2009) – Riscos naturais, Ordenamento do território e sociedade.
Estudos de caso nas ilhas de S. Antão e Santiago. Actas do 15º Congresso da APDR (em CDRom), Praia,
23 p.
COSTA, Fernando Eduardo Lagos - Notas gerais de geografia física das Ilhas rasas do arquipélago de Cabo
Verde. Lisboa : [s. n.], 1996.
COSTA, Fernando Lagos (2004) – Contribuições para o conhecimento dos processos erosivos em Cabo
Verde. GeoInova, Lisboa, 15, pp. 215-244.
CUNHA, Lúcio; CRAVIDÃO, Fernanda; JACINTO, Rui (2013) - Turismo e desenvolvimento em Cabo Verde.
NASCIMENTO, Judite (2010) - O crescimento urbano e os sistemas de gestão e de planificação na Cidade
da Praia, em Cabo Verde: proposta de uma nova abordagem na intervenção urbanística. Lisboa, in: Revista
Portuguesa de Estudos Regionais, n° 24, p.107-123;
NASCIMENTO, Judite (2006) - O ordenamento do território e suas relações com o desenvolvimento
urbano: elementos para uma reflexão geográfica sobre o tema. In: Revista Iniciativa, n°10, Ed. ALPHA
Comunicações, Praia, Cabo Verde.
JACINTO, R. CUNHA, L. (2011) - Turismo e desenvolvimento dos territórios insulares: apontamentos para
uma Geografia do Turismo de Cabo Verde. In Congresso Internacional Turismo, Lazer e Cultura. Destinos,
Sustentabilidade e Competitividade.
JACINTO, Rui (2013) - Música e identidade cabo-verdiana: a propósito da candidatura da Morna a
Património Imaterial da Humanidade (no prelo).
JACINTO, Rui; NASCIMENTO, Judite (2014) – Villes et conditions de vie urbaine au Cap Vert (no prelo).
MILANI, Carlos R. S.; Droulers, Martine (2002) - Desenvolvimento local e turismo em Tarrafal (Cabo Verde):
lições metodológicas a partir de uma experiência local. Praia : UNESCO: Programa Management of Social
Transformations. 29 p.
MORAIS, Manuela Lopes (2003) - Subsídios para o planeamento da cidade do Mindelo, São Vicente – Cabo
Verde. Revista da Faculdade de Letras – Geografia. Porto, pp.: 319-329.
SEMEDO, José Maria (2010) - A Ilha de Santiago (Cabo Verde). Paisagem natural, uso de recursos
naturais e riscos de desertificação. In Emilia Moreira; Ivan Targino (Organizadores) - DESERTIFICAÇÃO,
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR RECORTES NO BRASIL, EM PORTUGAL E
NA ÁFRICA, Editora Universitária, João Pessoa – PB, pp.: 29-46
SEMEDO, José Maria (2012) - A Ilha de Santiago (Cabo Verde). Génese de um ecossistema e identidade
cultural numa ilha de escala marítima entre a África, a Europa e as Américas. Palaver (2012) n.s., n.1, 153168. (http://siba-ese.unisalento.it, Università del Salento).
MONTEIRO, Sílvia; Élsio Veiga; Éder Fernandes; Hermelindo Fernandes; Jair Rodrigues; Lúcio Cunha (2011)
- Crescimento urbano espontâneo e riscos naturais na cidade da Praia (Cabo Verde). Cadernos de Geografa
nº 30/31 - 2011/12. Coimbra, FLUC - pp. 117-130.
MONTEIRO, Sílvia; Romualdo CORREIA; Lúcio CUNHA (2009) - Riscos Naturais, Ordenamento do Território
e Sociedade. Estudos de caso nas Ilhas de Santo Antão e de Santiago. 1º Congresso de Desenvolvimento
Regional de Cabo Verde.
TAVARES, Carlos (2007) - O ordenamento do território em Cabo Verde: constrangimentos e desafios.
Revista de Estudos Cabo-verdianos. Praia, pp.: 151-164.
VITÓRIA, S.; Neves, L. e Pereira, A. (2007) – Modelagem SIG dos fatores condicionantes de movimentos
de massa na região da Praia: uma proposta de carta de suscetibilidade regional. II Congresso de Jovens
Investigadores Cabo Verdianos. Cabo Verde.
JACINTO, Rui; Cunha, Lúcio (coord.; 2011) - Interioridades/ Insularidades – Despovoamento/ Desertificação:
paisagens, riscos naturais e educação ambiental em Portugal e Cabo Verde. Colecção Iberografias 17, CEI,
Guarda. Este livro integra os seguintes artigos sobre Cabo Verde:
CUNHA, Lúcio e JACINTO, Rui (2011) – Apresentação, pp. 7-10.
ALMEIDA, Germano (2011) – O verde de cada um.
JACINTO, Rui (2011) - Transversalidades, Interioridades, Insularidades: apontamentos de viagem ao Interior

199

da Beira e ao Arquipélago de Cabo Verde, pp.: 27-65.
MONTEIRO, Sílvia e Cunha, Lúcio (2011) – Cheias rápidas em Cabo Verde. Um breve apontamento acerca
das tempestades de Setembro de 2009 na Ilha de S. Nicolau, pp.: 177-190.
NASCIMENTO, Judite (2011) – Cidade e Desenvolvimento urbano em Cabo Verde, pp.: 235-256.
MONTEIRO, Sílvia e Mendes, J. M. (2011) – Riscos naturais e perceção da vulnerabilidade em Cabo Verde,
pp.: 135-157.
TAVARES, C. (2011) – Praia Urbana: os assentamentos espontâneos, pp.: 223-233.
VITÓRIA, S.; Neves, L.; Tavares, A. e Pereira, A. (2011) – Modelação da susceptibilidade e cheias através de
sistemas de Informação Geográfica. Um caso de aplicação à região da Praia (Cabo Verde), pp.: 191-206.

200

201

Maria Luísa Ferro Ribeiro,
a primeira geógrafa de Cabo Verde.
Homenagem

202

203

Si ka badu, ka ta biradu:
Cabo Verde, os Países de Língua Portuguesa
e a Geografia de Coimbra
Rui Jacinto

CEGOT - Universidade de Coimbra

1. Oportuna e justa homenagem à pioneira da Geografia de Cabo Verde: Maria
Luísa Ferro Ribeiro
“Quem, viajando por mar ou por ar se aproxima do arquipélago de Cabo Verde
defronta-se com uma sucessão de ilhas onde a marca exterior é uma aridez
confinante com a mais viva agressividade. Montanhas agrestes emergem do
Oceano num emaranhado de montes e vales, vales na generalidade secos e
montes que por vezes apresentam pequenas manchas verdes nos seus flancos
lá onde os bancos de nuvens tocando o solo – humedecendo-o sem o molhar
facilitam o ciclo vegetativo de certas espécies mesmo que a chuva tão avara
como desejada insista em primar pela ausência ou por uma desconcertante
exiguidade.”
Estas palavras, com que Maria Luísa Ferro Ribeiro abre a sua tese de licenciatura, defendida em 1961, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, continuam a ser uma
boa e sintética introdução à Geografia de Cabo Verde. Quando me documentava para a
primeira viagem profissional ao arquipélago, realizada em 1990, o Professor José Manuel
Pereira de Oliveira, seu colega de curso e admirador confesso, recomendou-me a leitura da
referida tese, cuja existência então desconhecia. Pediu-me que procurasse a sua autora para
a cumprimentar, o que proporcionou um fugaz encontro, nesse longínquo mês de Fevereiro
daquele ano, na cidade da Praia, num edifício da Praça da Escola Grande, no Plateau, onde
se localizava o serviço que então coordenava.
Ainda retenho desse primeiro contacto pessoal (e único até ao dia de ontem), o olhar
vivo e penetrante de Maria Luísa Ferro Ribeiro, cuja personalidade me pareceu tão discreta
quão inquieta, sensível e firme no modo como explanou com desenvoltura e jovialidade
tropical o seu profundo conhecimento sobre a Geografia de Cabo Verde e o lugar deste novel
país no mundo. Relatou-me com paixão a saga permanente que nestas latitudes o homem
trava com o meio, a austeridade implacável do quadro natural, a exiguidade dos recursos,
a precariedade social sem esquecer a dimensão intangível e envolvente do universo mágico
da mundivivência cabo-verdiana. Durante o breve encontro, que balançou entre crença no
futuro e sodad nostálgica dos Tempos de Coimbra, passou em revista os alicerces matriciais
que estruturam as telúricas permanências físicas e humanas de Cabo Verde, as mudanças
aceleradas ocorridas nos 15 anos que nos separavam da independência e nas três décadas
que tinham decorrido desde que calcorreou A Ilha de Santiago, em trabalho de campo, para
elaborar a sua contribuição para o estudo da sua fenomenologia sócio-económica.
Ao percorrer as ilhas havia de confirmar a argúcia das suas observações, como verteu
uma geografia vivida em informação refletida e num conhecimento assertivo sobre uma
realidade tão dura quanto austera. Para quem, como eu, possuía um conhecimento meramente académico e literário, portanto, elementar, esparso e fragmentado, a leitura da tese
sobre Santiago e a sua atualização escutada de viva voz permitiu rasgar horizontes sobre um
mundo vagamente conhecido e lançar novos olhares sobre um território e um povo a que me
rendi pela candura e sedução que emanam.

Nós Terra, Nós Geografia
204

Socorro-me de José Luis Hopffer C. Almada (2008) para situar Maria Luísa Ferro
Ribeiro no panorama feminino da produção literária e cientifica de Cabo Verde: antes da
independência, “é igualmente no Boletim Cabo Verde que Maria Luísa Ferro Ribeiro publica
os seus inúmeros artigos sobre a etnografia caboverdiana, particularmente a referente à ilha
de Santiago, assim comungando de uma das principais preocupações ensaísticas do labor
claridoso. ( ) Às mulheres escritoras (no sentido de cultoras da poesia ou da prosa de ficção)
acresce um significativo número de mulheres das áreas do ensaio e da investigação científica
e universitária e, por isso, autoras de relatórios, estudos, teses, dissertações e outros trabalhos
científicos, maioritariamente inéditos em livro. ( ) É, neste contexto, que às pioneiras Maria
Luísa Ferro Ribeiro, Dulce Almada Duarte e Elisa Andrade vieram juntar-se outros nomes
de mulheres investigadoras e autoras de livros, como, por exemplo, Maria Haidée Ferro,
Isabel Lima Lobo, Amália Melo, Isabel Ferreira Lopes, Zelinda Cohen, Roselma Évora, Iva
Cabral, Deirdre Meintel, Marlise Baptista, Fátima Monteiro, Cláudia Correia, Margarida
Brito, Lígia Évora, Vanda Monteiro, Maria Adriana Carvalho, Maria de Lurdes Chantre ou,
mais recentemente, Ana Eunice Araújo, Rosa Maria Morais, Goreth Freire, co-autoras com
Eliezer Brito Semedo, de Lukas - Notisia Sabi di Jizus (versão em crioulo do Evangelho de S.
Lucas)”.
O percurso da nossa homenageada, depois duma incursão precoce pela investigação
geográfica, passou pela educação, onde deixou marcas na didática da Geografia e na formação
de professores, tendo sido a Primeira Directora do Curso de Formação de Professores do
Ensino Secundário (CFPES), Escola que foi elevada, em 1996, a Instituto Superior de Educação
(ISE), que funcionaram na Escola Grande e, depois, quando evoluiu para a Universidade de
Cabo Verde , instituída em 2006, passou a funcionar nas actuais instalações do Palmarejo.
Havia de ocupar muitos outros cargos públicos, nacionais e internacionais, ser Membro do
Conselho Executivo e Consultora da Unesco, da Unicef e do Instituto do Sahel, além de
Embaixadora Plenipotenciária de Cabo Verde em Paris.
A obra precursora e pioneira sobre Cabo Verde, um dos atuais PLP, que Maria Luísa Ferro
Ribeiro realizou na Geografia de Coimbra, o percurso profissional dedicado à educação, à
divulgação cientifica e cultural sem deixar de abraçar outras causas públicas e cívicas são motivos
suficientes para justificarem a presente homenagem, integrada num evento promovido pela
sua Universidade quando, ao comemorar 725 Anos, resolveu realizar a XVII Semana Cultural
da Universidade de Coimbra sob o lema Tempo de encontro(s). A resposta do CEI ao repto
lançado pela Universidade, sua parceira com o Município da Guarda e a Universidade de
Salamanca, neste projeto inovador de cooperação territorial e transfronteiriço, concretizou-se
neste (Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros, mais uma reflexão que promove sobre Os
Países de Língua Portuguesa e suas Novas Geografias.
2. As Novas Geografias dos Países de Língua Portuguesa
O imaginário lusófono tornou-se, definitivamente, o da pluralidade e da diferença e
é através desta evidência que nos cabe, ou nos cumpre, descobrir a comunidade e a confraternidade inerentes a um espaço fragmentado, cuja unidade utópica, no sentido de partilha
em comum, só pode existir pelo conhecimento cada vez mais sério e profundo, assumido
como tal, dessa pluralidade e dessa diferença. Se queremos dar algum sentido à galáxia
lusófona, temos de vivê-la, na medida do possível, como inextricavelmente portuguesa, brasileira, angolana, moçambicana, cabo-verdiana ou são-tomense.
Eduardo Lourenço (1987) - “Errância e busca do imaginário lusófono”. In A Nau de Ícaro
seguido de Imagem e Miragem da Lusofonia, Gradiva: 112.
No ano em que se comemoram 40 anos de independência dos países africanos que
partilham em comum a língua portuguesa (PALOP) e volvido mais de meio século sobre a
defesa da tese de licenciatura de Maria Luísa Ferro Ribeiro, (re)encontramo-nos para partilhar
este momento carregado de significado e simbolismo. Importa por isso refletir prospetivamente
sobre o papel da Geografia nos processos de desenvolvimento e de cooperação territorial,
designadamente nos diferentes Países de Língua Portuguesa, bem como nos caminhos
que a Geografia de Coimbra pode trilhar para aprofundar o diálogo com os geógrafos, as
geografias e restante comunidade científica da vasta CPLP.
Foi referido na apresentação deste seminário que os debates e as análises comparativas
entre as diferentes geografias dos PLP devem ser perspetivadas a partir dum diálogo

Rui Jacinto
205

intergeracional, interdisciplinar e prospetivo. Situemo-nos, pois, perante estas três coordenadas: i) o diálogo intergeracional deve proporcionar o debate entre diferentes gerações
de geógrafos; ii) o diálogo interdisciplinar deve facultar a troca de pontos de vista dos
geógrafos com investigadores de outras áreas do saber; iii) o diálogo prospetivo deve discutir
as tendências que as geografias emergentes nos PLP estão a desenhar, as trajetórias de futuro
que a investigação está a trilhar.
Não podemos estranhar, portanto, que o seminário que decorreu ao longo do dia fosse
percorrido por temas como Outras Geografias: geografia, viagens e paisagens literárias,
Geografia e imagem: foto(geo)grafia e território ou As novas Geografias dos PLP: geógrafos
e experiências de investigação geográfica. Não parece despropositado nem despiciendo que,
neste contexto, o debate sobre estas matérias tenha sido complementado com a Exposição
Transversalidades: Fotografia sem Fronteiras. Território, Sociedades e Culturas Ibéricas em
tempos de mudança, iniciativa que, a nosso ver, reúne todas as condições para ser replicada
em Cabo Verde.
Houve quem tivesse anunciado o fim da história, acreditando que o consenso universal
sobre a democracia colocaria um ponto final nos conflitos ideológicos (Francis Fukuyama,
1992), quem prescrevesse o fim da Geografia, crendo que as novas tecnologias da informação
a tornariam obsoleta pela interconexão dos mercados financeiros, a padronização da cultura
e das comunicações (O’Brien, 1990, 1992; Greig, 2002), quem vaticinasse um mundo plano
por causa da inexorável e invasiva mundialização geral (Thomas Friedman, 2005). Porque
a teoria do fim da geografia e a do mundo plano ignoram quatro realidades geográficas
extremamente presentes e incontornáveis - a escala local, a escala regional, a distância e a
não omnipresença da pessoa humana -, no limiar do novo milénio começou-se a falar da
vingança da geografia (Robert Kaplan). Hoje como ontem, a Geografia continua a revelar
uma capacidade impar para analisar e interpretar as velhas linhas de fratura económicas,
sociais, culturais e “politicas que estão reemergindo” (Sanguin, 2014: 30).
A Geografia continua a ser imprescindível pelo inegável contributo que presta à promoção
duma cultura territorial cidadã, à interpretação das dinâmicas territoriais e pelo papel dos
geógrafos na definição de estratégias mais assertivas e sustentáveis de desenvolvimento e
cooperação territorial. O debate ocorrido no dealbar do novo século agitou a comunidade
geográfica que assistiu a mudanças que alteraram tanto as geografias locais e globais
como o modo de ser Geografo e de fazer Geografia. No caso que mais nos importa, os
Países de Língua Portuguesa (PLP), dispersos por diferentes continentes, apresentam grande
variedade de contextos naturais, económicos, sociais, culturais e políticos que são o resultado
das localizações, dos processos históricos e da integração nos respetivos continentes, com
destaque para África, Europa e América.
Repartida por uma geografia complexa e que atravessa profundas transformações,
a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) engloba mais de 280 milhões de
pessoas que fazem do português a língua mais falada no hemisfério sul e a quinta no mundo.
Se associarmos a este quadro uma privilegiada posição (geo)estratégica global concluiremos
que A (Nova) Geografia dos Países de Língua Portuguesa encerra múltiplas oportunidades,
tanto ao nível da acção como da investigação, que não podem ser negligenciadas pelos
decisores públicos nem pela comunidade científica, sobretudo num momento de crise e
incerteza como o que atravessamos.
O tempo e o modo de ser Geógrafo e fazer Geografia estão a mudar e a Geografia de
Coimbra, na confluência de saberes e afetos, deve temperar na devida proporção coração
e razão para, na senda dos que nos antecederam, responder afirmativamente ao desafio de
continuar a desbravar As Novas Geografias dos Países de Língua Portuguesa . Geografias
que se desdobram numa enorme diversidade de paisagens físicas e humanas que nos
surpreendem e deslumbram a cada nova descoberta.
3. Da minha geografia vê-se o mar: Maria Luísa Ferro Ribeiro e a Geografia de
Cabo Verde revisitada
“Cabo Verde fabrica o seu próprio chão, inventa a sua própria água, repete
dia a dia a criação do mundo. Porém, se uma simples pessoa não cabe numa
crónica, como caberiam um povo e um país?”
(José Saramago, Caboverdiando. In Jornal de Letras, Lisboa, 14 de outubro de 1989).

Nós Terra, Nós Geografia
206

Ainda hoje me interrogo acerca das razões que motivaram uma jovem, nos anos 50,
a atravessar o Atlântico rumo a Coimbra para estudar Geografia, então uma disciplina tão
desconhecida como, nos dias que correm, é desvalorizada pelo pragmatismo empregabilista.
Talvez Ferreira de Castro tenha razão quando infere que a nostalgia deve ter nascido numa
ilha e só numa pequena ilha se compreende, integralmente, o subtil significado da distância.
Essa sufocação que dá a terra sem continuidade, como se o aro líquido que a estrangula se
viesse fechar também em volta da nossa garganta, desperta constantes rebeldias e constantes
impotências, acorda mil sentimentos ignorados, remexe, tortura, cava fundo na alma até o
momento desta se submeter por falta de mais energias.
Tais sentimentos só podem despertar desassossego aos que sentem dificuldade em
compreender as agruras do mundo que os rodeia, em lidar com um quotidiano duro e
pesado como aquele em que tropeçava Maria Luisa Ferro Ribeiro ao percorrer as ruas da
Praia ou do Mindelo. Estávamos no tempo em que os galos ainda cantavam na baia e o Porto
Grande, na hora di bai, era mais uma etapa no calvário dos flagelados do vento leste que
rumavam por Ess caminho longe?/ Ess caminho/ Pa São Tomé. Compreendo que a metáfora
criada por Germano de Almeida para traduzir o cosmopolitismo mindelense - Do Monte Cara
Vê-se o Mundo (2015) -, fosse resposta insuficiente para uma jovem que aspirava, fora dos
horizontes circunscritos da ilimitada fronteira líquida, encontrar um sentido para a vida e para
as gritantes desigualdades económicas e sociais que a envolviam.
A expetativa de encontrar uma réstia de luz ou de esperança que respondesse a incertezas
e ansiedades, mesmo que inconscientemente, terá levado a nossa homenageada a procurar
respostas numa imaginada Geografia Claridosa. Vislumbro sobressalto, generosidade e sonho
onde outros poderão encontrar desejo de evasão ou determinismo; sem enjeitar motivações
provenientes duma geografia poética, que atormenta as almas mais sensíveis ou românticas,
não ignoro a inquietude duma poética da geografia tão cara e tão presente entre os poetas
insulares.
O impulso geográfico também pode ter emanado da geograficidade latente na obra dos
escritores que estavam em voga, que se tinham unido em torno da Revista Claridade, essa
geração atormentada que comungou preocupações, interpelou consciências e mergulhou
no mais fundo do chão pátrio, que no (re)encontro com as raízes acabou por impregnar
a identidade cabo-verdiana duma endógena e telúrica geografia. Dois títulos sugestivos e
lapidares, dados à estampa por Jorge Barbosa, Arquipélago (1935) e Ambiente (1941), são
percorridos por esta tocante sonoridade geográfica, bem espelhada no poema Paisagem: –
Malditos / estes anos de seca! / Mete dó / o silêncio triste / da terra abandonada / sob o peso
/ do sol penetrante! / ( ) Em tudo / o cenário dolorosíssimo / da estiagem / - da fome!.
Aqui chegado, recorro ao remate duma crónica de viagem do nosso mestre, Professor
Alfredo Fernandes Martins, aguarelista de paisagens e emoções:”Lembro-me de vós,
lembrei-me do velho peregrino, lembrei-me de mim. E no fluir do íntimo diálogo recordei
certas páginas” (fim de citação), particularmente o poema A condição de ilhéu, que Daniel
Filipe incluiu em Ilha Imaginada, do seu livro Pátria lugar de exílio, cujo título encerra o mais
profundo imaginário cabo-verdiano: Cerro os olhos e observo a paisagem interior: / cumes,
rios, valados, desenham-se no espaço, / contornados a dor, / com certezas de régua e de
compasso. // Um potro alado acena um adeus necessário. / Uma flor abre em leque a corola
macia/ e perfuma de pranto o horto imaginário, / onde invento sozinho outra geografia.
Sem a presunção de inventar sozinho outra geografia aguardo com expetativa o que
Maria Luísa Ferro Ribeiro nos irá revelar sobre as motivações mais íntimas que a terão levado
a fazer esta sua tão improvável opção.
A Geografia de Coimbra só terá a ganhar em aprofundar o diálogo e a cooperação entre
territórios, Universidades e redes de investigadores dos países lusófonos, que significa, também,
honrar os Professores Amorim Girão, Alfredo Fernandes Martins, José Manuel Pereira de
Oliveira, Fernando Rebelo ou António Gama Mendes, mestres que nos precederam nas suas
reflexões sobre essas longínquas paragens. Fazer este caminho é responder positivamente à
mais íntima e capital interrogação: Nós como futuro. Eduardo Lourenço, que ousou fazer tal
pergunta para nos interpelar coletivamente, também adiantou uma lidima e subtil resposta:
“Povos e indivíduos só têm o passado à sua disposição. É com ele que imaginam o futuro”.
Entre futuro e passado “a geografia serve antes de mais para lutar contra o esquecimento”,
entre presença e ausência apelamos a Virgílio Ferreira para continuarmos a sonhar que – da

Rui Jacinto
207

minha geografia vê-se o mar. Este mar que nos une também nos permite acreditar que
cooperar é preciso e que Geografia, Investigação e Desenvolvimento (GEOIDE) constituem
uma trindade indissociável. A homenagem a Maria Luísa Ferro Ribeiro que aqui nos reúne
só pode ser entendida como mais um momento que ganhámos não o fim duma viagem.
Aproveitemo-la como cais de partida para um próximo reencontro, que podia acontecer, em
2016, na Praia, para celebrarmos:
- a reedição anotada da tese de Maria Luísa Ferro Ribeiro quando se comemoram 55
anos da sua apresentação;
- a institucionalização da cooperação informal que tem existido entre a Geografia de
Cabo Verde e a Geografia de Coimbra, que já produziu frutos como a edição conjunta duma
colectânea de trabalhos, elaborada por geógrafos das duas escolas, intitulada Interioridade/
Insularidade Despovoamento/ Desertificação;
- a elaboração duma Geografia de Cabo Verde que aproveite e valorize o potencial
cientifico geográfico já disponível no país, a partir duma efetiva participação local.
Fomos avisados por José Saramago que”uma simples pessoa não cabe numa crónica” e
por Mia Couto (Interinvenções: 78) que não existe geografia que nos seja exterior. Os lugares
– por mais que nos sejam desconhecidos já nos chegam vestidos com as nossas projecções
imaginárias. O mundo já não vive fora de um mapa, não vive fora da nossa cartografia interior.
Por isso, não sendo objetivo deste (re)encontro celebrar o regresso de qualquer filho pródigo,
a presente homenagem a Maria Luísa Ferro Ribeiro ficaria incompleta se não recordássemos,
também, os que fabricam o seu próprio chão, inventam a sua própria água, repetem dia a
dia a criação do mundo. Para terminar, “caboverdiando”, expresso uma convicção que nos é
tão cara, recorrendo ao meu péssimo crioulo, de que me penitencio perante Eugénio Tavares
e de tantos dos presentes: Si ka badu, ka ta biradu (para regressar tem de se partir).

208

Alice Matos

Doutoranda
Universidade de Aveiro

Saúdo todos os presentes e agradeço a oportunidade que me é dada de proferir umas
palavras neste acto de homenagem à Dra Maria Luísa Ferro Ribeiro, evento em boa hora
organizado por esta ancestral Universidade de Coimbra, no âmbito da 17ª Semana Cultural,
Tempo de Encontros.
Fui convidada a participar nesta homenagem, enquanto ex-aluna do Curso de Formação
de Professores do Ensino Secundário (CFPES), ramo de Português (1979-1983), e na qualidade
de primeira bacharel do referido Curso, a completar a licenciatura na Faculdade de Letras
da Universidade Clássica de Lisboa, como bolseira do extinto ICALP, Instituto de Língua
e Cultura Portuguesa, no quadro da cooperação entre o Ministério da Educação de Cabo
Verde e o Governo de Portugal.
Entendi que não falaria, nesta ocasião, na primeira pessoa. Antes como um “nós”, um
colectivo de professores que a partir dos finais dos anos setenta viu as suas histórias de vida
tomar novo rumo, aberta que foi a possibilidade de poderem formar-se no próprio país, Cabo
Verde recém independente.
Falarei como um nós, onde incluo a homenageada neste evento, a Dra Luísa Ribeiro,
porque implicada directamente nos momentos-charneira das nossas vidas, momentos em
que, tal como definidos pelos teóricos das histórias de vida dos professores, constituem
etapas significativas no processo do desenvolvimento profissional docente, marcando novos
rumos no evoluir das trajectórias individuais e colectivas.
Estamos em 1978. Três anos após a independência de Cabo Verde. A nível da educação,
o país tem dois liceus, escolas primárias nos principais centros populacionais, um centro
de formação para professores do ensino básico em Santiago. Nenhuma outra estrutura de
formação de professores.
É nesse contexto que surge o Curso de Formação de Professores do Ensino Secundário.
Em 1978, para as áreas de Ciências Naturais e Matemática e, no ano seguinte, para a
disciplina de Português.
Maria Luísa Ferro Ribeiro, então Directora do Gabinete de Estudos e Planeamento do
Ministério da Educação, foi a autora intelectual - e moral , deste projecto que cedo se tornou
numa das grandes causas da educação, naquela conjuntura. Por ela se bateu a Dra Luísa e
como bateu!
Tempos difíceis esses, com constrangimentos de toda a ordem onde a euforia, a vontade
de fazer, o optimismo e a confiança confrontavam-se amiúde com a resistência de alguns, a
descrença e o pessimismo de outros.
É esse o contexto. E era o Homem, o cabo-verdiano, o leitmotiv ou não fosse ele o único
recurso que contava. Era nele que urgia investir. E foi nisso que Luísa Ferro Ribeiro se inspirou:
na crença de que capacitando o homem, cria-se uma das condições necessárias, senão a
principal, para mudar o resto.
O projecto concebido e liderado por esta mulher que não pára, foi ganhando adeptos,
na educação e fora dela.
As relações que sempre manteve com Portugal, enquanto estudante universitária e
enquanto reconhecida profissional, os contactos privilegiados com as pessoas certas para
apoiarem a causa e a sua concretização, dentro e fora de Cabo Verde, determinaram uma
rede de playdoiers que só as lideranças inteligentes conseguem mobilizar.

Alice Matos
209

E foram tantas as pessoas e instituições a darem-nos a mão. A darem-nos, a mão, sim,
porque o projecto passou a ser uma causa colectiva, aqui e lá, uma construção a várias
mãos.
O CFPES nasceu no segundo piso do Liceu Domingos Ramos, na cidade da Praia. Num
extremo, um cubículo. Um cubículo onde cabiam uma mesa, uma máquina de escrever e
uma estante. Era a secretaria. Do lado de lá, duas salas cedidas pela direcção do Liceu. Depois
quatro. Nelas decorriam as aulas. Depois, os laborários. Depois um centro de recursos.
Nestas condições, os três primeiros Cursos foram realizados. Com sucesso. Depois
deles, outros, uma segunda leva e mais uma. E outros, para professores do ensino básico,
também.
Depois… cresceu tanto que buscou novas instalações, e foi mudando de sede, ao ritmo
da demanda sempre crescente.
De Curso de Formação passou a Escola de Formação. De Escola a Instituto. De Instituto
Superior de Educação a Universidade de Cabo Verde. Esta a génese do ensino superior no
nosso país. Particularmente, da Universidade Pública de Cabo Verde, onde alguns de nós
continuam a caminhada, na investigação e na docência.
Nesta história cabem tantas pessoas! Escrevo cada nome, à medida que me vêm à
cabeça. Apenas com um pedido prévio de desculpas pelos que, por lapso de memória, não
forem referidos. Escrevo, sem a preocupação de distinção de cargo académico ou hierarquia.
António St’ Aubyn, Jorge Veiga e Luísa Veiga. Manuel Ferreira. Salazar Ferro. Prof. Luís
de Albuquerque. Aurora Murteira e Mário Murteira. Alberto Carvalho, Humberto Duque.
Henrique Oliveira, Eng. Mota Gomes, para apenas mencionar alguns nomes de portugueses
e nacionais envolvidos, porque também cooperaram connosco, professores provenientes da
Alemanha do Leste, Cuba, Brasil.
No cerne do projecto que continua a sua evolução, a Dra Luísa Ribeiro. A mulher que não
pára. Não pára de pensar. Nas coisas e nas pessoas. Não pára de fazer, de agir. E sobretudo,
não pára de desafiar contextos, problemas, situações, de incentivar pessoas. De dar as mãos
aos que a rodeiam, se não de os pôr à frente, para que o que tiver que ser feito o seja, da
melhor maneira.
Sei do que falo, desafiada que fui tantas vezes pela Dra Luísa a fazer coisas, a assumir
lideranças Vi-me, vi-me esse o termo certo, vi-me como orientadora de estágio, no ano
seguinte ao término do meu bacharelato. A orientar estágio de colegas meus, da segunda
leva do Curso de Formação de Professores. Temos dois grupos de estágiários e apenas uma
metodóloga. Portanto, tens que avançar! disse-me a Dra Luísa, assim de chofre. Engoli em
seco, tamanho o susto! O que penei a preparar-me para fazer bem o que precisava de ser
feito! E assim saiu a segunda leva de professores!
Os desafios continuaram. No final do nosso Curso, o ICALP ofereceu um estágio de um
mês ao melhor aluno do Curso de Português. A Dra Luísa chamou-me ao gabinete, para
me dar a boa notícia. Mal tive tempo de a digerir, oiço-a: Não, estágio não. Tu vais mas é
completar a licenciatura! Como assim, Dra Luísa?
O que se passou nesse Verão foi uma autêntica maratona. Estava tudo por fazer: pedido
de reconhecimento do Curso, equivalências, vistos, licenças de serviço, bolsas, enfim, tudo.
E tudo dependia da desejada agilidade da nossa administração pública e da do país que nos
deveria acolher no início do ano lectivo.
Não posso deixar de recordar os longos serões de trabalho, desses já longínquos três
meses. Mais os finais de semana, já que nos dias úteis o tempo escasseava, eu a orientar
estágio, a Dra Luísa, a dirigir o Gabinete de Estudos. As demandas da Universidade de Lisboa
eram diárias. As notas para os serviços, dentro e fora, os ofícios, como lhes chamávamos
naquele tempo, sucediam-se. Relatórios por elaborar. Discursos e intervenções, quase sempre
redigidos a quatro mãos.
Os bolinhos e o chá trazidos pela Constantina, sempre na hora H, a mousse de manga
feita na minha casa, adoçavam esses momentos de trabalho e afecto, que recordo com muita
saudade.
Fiz, sem o saber, um curriculo de formação, mas ao contrário, partindo dos sumários de
todas as disciplinas dos três anos do Curso, cujo levantamento constituía uma exigência para
obtenção das equivalências, a parte substantiva do dossier a submeter à Universidades em
Portugal. Depois, a sua validação pelos docentes.

Nós Terra, Nós Geografia
210

As equivalências foram estabelecidas, o Curso de Formação de Professores reconhecido.
Abria-se assim, uma nova era para os estudantes cabo-verdianos desejosos de continuar os
estudos. Em Lisboa, depois em Coimbra, nesta Universidade.
O que aprendi consigo, Dra Luísa! Paralelamente ao cúrriculo formal, ditado pelos
objectivos explícitos da formação de professores, desenvolvia-se uma espécie de currículo
oculto, que me deu competências que me serviram para a vida. E continuam a servir.
Tive sempre ao meu lado a senhora, o meu par mais desenvolvido, que me lançava os
andaimes, assim chamados pelas teorias socioconstrutivistas, para que eu conseguisse chegar
onde era necessário e construir, progressivamente outras aprendizagens, uma nova praxis.
Alonguei-me, nesta narrativa, mas não poderia falar deste percurso que foi a todos os
títulos colectivo, sem referir essas recordações-referência.
E termino. Mas, não antes de fazer esta inconfidência: há dias, depois de falar consigo ao
telefone, lá em casa, diz-me o Mário: esta mulher não pára. Uma inspiração, uma referência
para mim.
Não pare, Dra Luísa. Continue a construir castelos, como tantos que já construiu ao
longo da sua vida, com as pedras que vai encontrando pelo caminho, tal como escreveu
Fernando Pessoa. E continue a desafiar-nos!
Bem haja, Dra Luísa.
Muito obrigada pela vossa atenção.

211

Sílvia Monteiro

Universidade de Cabo Verde
Doutoranda PRODEMA na Univ. Federal do Ceará

Muito boa tarde a todos!
Pedindo desculpa pela minha informalidade, cumprimento todos os membros da mesa
e dirijo uma saudação muito especial à Dra. Maria Luísa Ferro Ribeiro, que tive o prazer de
conhecer pessoalmente neste Seminário, o que, para mim, foi motivo de grande felicidade
e proveito pessoal.
Mais do que palavras pessoais, as palavras que lhe vou dirigir serão proferidas em
nome da Universidade de Cabo Verde, a jovem Universidade de que sou docente e que
muito deve à nossa homenageada e que, por isso, muito se honra de participar nesta
justa homenagem. Sou portadora duma mensagem pessoal, fraterna e amiga, da Senhora
Reitora da Universidade de Cabo Verde, Professora Doutora Judite do Nascimento, para a
Dra. Maria Luísa Ferro Ribeiro que, deste modo, se associa a esta oportuna iniciativa, uma
vez que motivos de força maior a impedem de estar presente.
Começo por agradecer ao Centro de Estudos Ibéricos (CEI), ao Centro de Estudos
de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT) e ao Departamento de Geografia da
Universidade de Coimbra esta homenagem, que é também muito cara à Universidade
de Cabo Verde e que corresponde ao reconhecimento do valor científico, pedagógico e,
sobretudo, humano da Drª Maria Luísa Ferro Ribeiro, do seu exemplo e percurso de vida,
do seu carácter, da obra que foi construindo em Cabo Verde e dos múltiplos serviços que
ao longo do tempo prestou ao nosso país.
Gostaria muito de ressaltar uma a uma estas qualidades da nossa homenageada, mas
sabendo não estar à altura de fazê-lo do modo justo que ela merece, vou deixar para
outros esta tarefa. Não posso, no entanto, deixar passar esta oportunidade sem que, em
nome da Universidade de Cabo Verde lhe agradeça o trabalho, o esforço, a inteligência
e o saber que colocou na criação e desenvolvimento do Ensino Superior em Cabo Verde,
nomeadamente na criação do Instituto Superior de Educação (ISE), embrião da universidade
pública de Cabo Verde. Se hoje somos uma universidade estabilizada, apostada na
qualidade do ensino e da investigação, com forte crescimento, tanto ao nível dos cursos de
graduação como de pós graduação, devemo-lo ao empenhamento de docentes, alunos e
funcionários, bem como de muitos amigos que, dentro e fora de Cabo Verde, continuam
a dar o seu inestimável contributo à nossa Universidade, sendo justo destacar a velha
e sempre renovada Universidade de Coimbra que uma vez mais nos acolhe de braços
abertos. Mas, devemo-lo, também ao esforço pioneiro da Dra. Maria Luísa Ferro Ribeiro.
Por isso, Drª Maria Luísa Ferro Ribeiro, a UNICV, Universidade de Cabo Verde agradecelhe todo o esforço e dedicação que colocou na criação do Ensino Superior em Cabo Verde
e todo o apoio que, estou certa, continuará a dar à sua Universidade.
Muito obrigado!

212

“O vulcão perto das raízes/ E a viola
não longe do coração”
1

Rui Alarcão

Professor Doutor
Antigo Reitor da Universidade de Coimbra

Magnífico Reitor, Senhora Embaixadora de Cabo Verde, Senhor Diretor do Departamento de Geografia da Faculdade de Letras, ilustres representantes da Universidade de Cabo
Verde e de instituições de Formação de Professores, Senhora Dr.ª Maria Luísa Ribeiro, nossa
ilustre homenageada, ilustres convidados - não podendo deixar de realçar o Senhor Professor
Eduardo Lourenço, um dos nossos mais eminentes pensadores contemporâneos –, minhas
Senhoras e meus Senhores.
A Senhora Dr.ª Luísa Ribeiro pediu-me que usasse da palavra, ainda que brevemente,
nesta cerimónia. Bastava o seu pedido, mas ele foi reforçado pela organização do Simpósio
“(Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros - Os países de língua portuguesa e as suas novas
Geografias”, simpósio integrado na 17ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra. Agradeço o convite, que muito me sensibilizou, mas pus um problema de legitimação: Porquê
eu? Legitimidade formal não me faltaria, atento o convite. E legitimidade substantiva ou
substancial?
Presumo que houve, nesse convite, um motivo subjetivo e emocional, e um outro mais
objetivo e racional. Ter-se-á entendido que à amizade que nos une, a mim e à Dr.ª Luísa,
acrescem razões institucionais para a minha fala, hoje e aqui. A Senhora Dr.ª Luísa Ribeiro
sabe que, no desempenho de funções oficiais, me tornei um grande admirador de Cabo Verde, da sua terra, das suas gentes, da sua cultura, da competência, seriedade e sociabilidade
dos cabo-verdianos. Ocorre-me um verso de Corsino Fortes, com quem contactei em Cabo
Verde e depois como Embaixador em Lisboa, e que fala do País como: “O vulcão perto das
raízes/ E a viola não longe do coração”.
Confessadamente, sou um admirador de Cabo Verde. Nos os anos em que fui Reitor, e
foram dezasseis anos, estabeleceram-se frequentes e excelentes relações entre a Universidade
de Coimbra e as autoridades académicas e políticas do Arquipélago. Eu, passe a imodéstia,
terei sido uma das faces desse relacionamento. Relacionamento que, de resto já vinha detrás.
Ainda há pouco foram lembradas pessoas como o Professor Luís Albuquerque, o Professor
Jorge Veiga, a Dra. Luísa Veiga. O Professor Jorge Veiga, destaco, acompanhou-me como
Vice-Reitor nos meus mandatos e foi um elemento fundamental no estreito relacionamento
com Cabo Verde.
Aqui avulta a figura da nossa homenageada. Fui várias vezes a Cabo Verde enquanto
reitor, foi mesmo uma das primeiras visitas fora de Portugal que fiz nessa qualidade, ao Arquipélago, onde já anteriormente tinha estado. Fui, as mais das vezes, apenas como reitor
da Universidade de Coimbra, mas também lá estive em representação do Conselho de Reitores ou como representante das Associações das Universidades de Língua Portuguesa, cuja

1 Intervenção do Professor Doutor Rui Alarcão na sessão de homenagem à Dr.ª Maria Luísa Ferro Ribeiro, por ocasião do Seminário “(Re)Encontro em tempo de (Des)Encontros - Os países de língua portuguesa e as suas novas
Geografias”, realizado em Coimbra, a 23 de abril de 2015.

Rui Alarcão
213

constituição ocorreu, e não foi por acaso, na cidade da Praia, capital do País. Conhecia a Dr.ª
Luísa quando ela, já eu Reitor, veio a Portugal com o Ministro da Educação, Manuel Faustino,
justamente para falar do Curso de Formação de Professores e de outros assuntos relevantes
para o ensino, nomeadamente numa perspetiva de desenvolvimento do Ensino Superior.
A este propósito, cumpre salientar a longa e cuidadosa preparação do surgimento da
Universidade de Cabo Verde, o que atesta bem o alto sentido de responsabilidade e o saudável realismo das autoridades politicas e académicas cabo-verdianas. A Universidade pública
surgiu após longos anos de preparação, por só então estarem criadas as condições para o
sucesso.
A minha primeira visita oficial a Cabo Verde teve lugar em 1982, no primeiro ano do meu
reitorado. Comecei por ser recebido pelo Comandante Pedro Pires, que era Primeiro-Ministro,
e no programa estava prevista uma apresentação de cumprimentos. Pensei eu que era uma
questão de cortesia e de cumprimentos oficiais, não seria uma audiência prolongada, para
falar de temas que eu iria discutir com o Ministro da Educação e uma série de pessoas, nomeadamente com a Dr.ª Luísa, e fiquei surpreendido porque o Primeiro-Ministro me concedeu
uma longa audiência em que não só se mostrou perfeitamente senhor dos dossiers que eu
iria discutir em Cabo Verde, como também fez afirmações sobre a Universidade de Coimbra
que me deixaram impressionado pela amplitude e rigor que revelavam.
Voltei a encontrar-me, tempos após, com Pedro Pires, então já Presidente da República,
bem como, em diversos momentos e circunstâncias, com outras autoridades da vida política
e cultural do País. Nomeadamente com Mascarenhas Monteiro, que estudou em Coimbra,
e com quem tive bastantes contactos, quer na altura em que era Presidente do Supremo
Tribunal, quer quando foi Presidente da República. Com o Presidente Aristides Pereira, que
foi doutorado honoris causa pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e a
quem fiquei devendo inúmeras atenções. Com o Dr. Carlos Veiga, Primeiro-Ministro, com
quem me encontrei por diversas vezes. Com vários ministros da Educação, José Araújo, Manuel Faustino, que já referi, Corsino Tolentino. Com o muito prezado Amigo Dr. David Hopfer
Almada, que foi Ministro da Justiça, Ministro da Cultura e do Desporto, deputado, candidato
a Presidente da República; com Abílio Duarte, Presidente da Assembleia Nacional. Nestes e
noutros muitos passos político-académicos, e não só, que dei em Cabo Verde, quantas vezes
me encontrei com a Dr.ª Luísa, altamente competente, sempre activa e disponível.
A Dr.ª Luísa Ribeiro é, de facto, uma destacada personalidade da vida cívica, política,
académica e sócio- cultural de Cabo Verde. Primeira licenciada cabo verdiana em Geografia
pela Universidade de Coimbra, como sabemos, professora em vários graus de ensino, conselheira académica e política, nomeadamente do Dr. Carlos Veiga como Primeiro-Ministro,
teve uma muito relevante intervenção na implantação e desenvolvimento da democracia em
Cabo Verde. Foi também membro da Comissão Instaladora da Universidade, Diretora Geral
da Educação, Embaixadora plenipotenciária em Paris e na UNESCO, desempenhou várias
outras funções, ficando sempre credora da maior consideração e respeito. Por este nosso
relacionamento pessoal e institucional, intenso e duradouro, compreendo que a Senhora Dr.ª
Luísa Ribeiro tenha desejado a minha presença e a da minha Mulher, nesta homenagem, que
tão justamente lhe é prestada.
Senhora Dr.ª Luísa Ribeiro, querida Amiga, aqui lhe deixo, nestas curtas e despretensiosas
palavras, mais uma expressão de grande admiração e amizade.

214

Dr.ª Madalena Neves

Embaixadora de Cabo Verde em Portugal

Fui convidada enquanto Embaixadora, mas inscrevo-me na lista das amigas e das pessoas
que privaram com a Dra. Luísa Ribeiro e que aprenderam muito com ela. Queria também
destacar a coincidência, uma coincidência feliz, o facto de esta homenagem acontecer, hoje,
no Dia do Professor Cabo-Verdiano, dia que está ligado ao nome de Baltazar Lopes da Silva.
Coincidência, ou não coincidência, também o facto da geografia da vida da Dra. Luísa
ter começado como professora. E que de certeza tem nos alunos, naqueles que puderam
aprender com ela, numa sala de aulas, também memórias e referências importantes. Mas se
hoje podemos, em Cabo Verde, dizer que a universidade já “ dobrou a página da dificuldade
“começamos com um pequeno grupo, tendo como pioneira a Dra. Luísa Ribeiro.
A história já foi aqui contada. Por isso vou deixar apenas algumas referências que foram
sintetizadas pelo e atual Ministro do Ensino Superior e Ciência: “Precisando de quadros para
desenhar e executar diferentes políticas públicas de desenvolvimento, Cabo Verde a seguir à
independência tinha um problema. Entre o ensino primário em expansão naqueles tempos
e o secundário havia um gargalo. Em todo o arquipélago havia até ao final dos anos 70
apenas dois liceus: um no Mindelo, o mais antigo, e o da Praia. Era então preciso dar acesso
ao ensino secundário para se poder vir aumentar a prazo o número de candidatos ao ensino
superior. Mas criar escolas secundárias implicava ter professores habilitados e ali é que se
situa o nó. A Professora Luísa Ribeiro mobilizou a Universidade de Coimbra, obtendo nela
professores e gestores para criar a primeira experiência nacional de formação de professores
de ensino secundário, que é um nível de ensino pós-secundário e superior. Esta experiência é
hoje vista como o marco fundador do ensino superior em Cabo Verde e através dela criaramse laços duradouros entre a Universidade de Coimbra e Cabo Verde.“
Hoje Cabo Verde pode dizer, com orgulho, que tem mais alunos universitários no país do
que tem fora. Fizemos este percurso, se quisermos construímos “ este trilho de felicidade”,
que foi aqui descrito pela professora Alice, começando com o Curso de Formação de Professores, nos anos setenta, avançando para um Instituto Superior de Educação e, mais tarde,
em 2006, como foi dito, quando se reconheceu que estavam reunidas as condições, então,
com a instalação da Universidade, com a sua criação. Hoje, temos, também, dos melhores
indicadores de educação em África. Sementes lançadas e que permitiram a Cabo Verde construírem este país que hoje é reconhecido no mundo. Na área da educação, particularmente,
com os melhores indicadores, garantindo o acesso a todas as crianças e a todos os adolescentes, portanto, as nossas estatísticas mostram que nos jovens até aos quinze anos 99,9%
sabe ler e escrever. É um feito notável para um país que comemora, este ano, quarenta anos
de independência.
Um outro elemento que eu gostaria de destacar e, porque estamos num encontro, a
terminar um encontro sobre a geografia, é que a Dra. Luísa (ou a Luisinha) trabalhou sim a
geografia e formou-se em geografia, mas cuidou, essencialmente, da componente humana,
tanto perspetivando aquilo que seria o ensino superior em Cabo Verde, mas nas suas relações
pessoais e institucionais. A apresentação do encontro de hoje, se pudermos sintetizar esse

Madalena Neves
215

objetivo, eu diria que traduzem aquilo que é a Dra. Luísa Ribeiro.
Esta homenagem é justa e Cabo Verde associa-se à Universidade de Coimbra neste momento de reconhecimento. Queria também aproveitar para transmitir uma mensagem de
carinho de reconhecimento da Ministra da Educação e Desporto e do primeiro Reitor da
Universidade de Cabo Verde, o atual Ministro do Ensino Superior e Ciência, António Correia
e Silva, que me pediu para transmitir à Dra. Luísa um abraço amigo, um abraço de reconhecimento de Cabo Verde, do sistema de Ensino Superior em Cabo Verde, por todo o trabalho
que desenvolveu. Diria que, como Cabo Verde, a Dra. Luísa, enquanto mulher Cabo Verdiana, permitam-me destacar esta qualidade, enquanto mulher Cabo Verdiana, aprendeu com
o vento a bailar na desgraça e ressuscita, todos os anos, para desespero daqueles que nos
querem impedir a caminhada.
Parabéns, Dra. Luísa!
Parabéns aos organizadores do encontro.
O nosso obrigado à Universidade de Coimbra, na pessoa do Magnifico Reitor.

216

Dr.ª Maria Luísa Ferro Ribeiro
Geógrafa

Magnífico Reitor, Professor Doutor João Gabriel Silva, gostaria de lhe agradecer por se
dignar honrar com a sua presença este acto que pretende homenagear uma simples aluna
que teve o privilégio de estudar nesta prestigiada Universidade.
Igualmente gostaria de cumprimentar o Professor Eduardo Lourenço, Director Honorífico
do Centro de Estudos Ibéricos, uma referência para todos nós, e agradecer a honra que nos
dá com a sua presença. Obrigada Professor.
Dizer um obrigada em determinadas situações não é suficiente para expressar os nossos
sentimentos. É o que me acontece neste momento. Na ausência de melhor vocábulo agradeço, sensibilizada e, confesso, um pouco embaraçada, com um muito obrigada a morabeza e
a generosidade das vossas palavras
À senhora Embaixadora, Dra. Madalena Neves, por me fazer sentir mais próxima da nossa terra. Feliz coincidência deste dia com o Dia do Professor Caboverdiano, que também é
o meu dia. Como diz Baltazar Lopes “o corpo que é escravo vai, o coração que é livre fica”.
Queira transmitir, Senhora Embaixadora, ao Doutor António Correia e Silva, Ministro do Ensino Superior e Ciência e à Dra Fernanda Marques, Ministra da Educação e Desporto, o meu
reconhecimento pela mensagem amiga que tiveram a gentileza de me enviar.
Ao Professor Doutor Rui Alarcão, que acompanhou o processo de construção do ensino
superior em Cabo Verde, conforme ficou bem explicito na intervenção com que nos brindou.
As suas palavras amigas e gehnerosas, Professor, transportaram-me aos primórdios da criação da Escola de Formação de Professores do Ensino Secundário em Cabo Verde e do papel
que enquanto Reitor desta Universidade teve na sua afirmação e aceitação como uma Instituição de Ensino Superior
Ao Dr. Rui Jacinto, que interiorizou a essência da caboverdianidade, como ficou bem
expresso pela forma convicta e sentida do seu entendimento da realidade física e cultural
de Cabo Verde.
Dra. Sílvia Monteiro, agradeço por compartilhar este momento comigo. Encontro de
duas geógrafas pertencentes a gerações diferentes, mas que comungam do mesmo objectivo - trabalhar em prol da educação do nosso país. Gostaria que transmitisse à Doutora Judite
Nascimento, Reitora da Universidade de Cabo Verde, o meu agradecimento pela mensagem
que teve a amabilidade de me enviar.
Dra. Alice Matos, as suas palavras emocionaram-me. Revivi por momentos toda a nossa
luta para pôr de pé um projecto em que todos nós, principalmente os mais directamente
envolvidos, acreditávamos ser uma base segura para o lançamento dos primeiros passos para
a criação do Ensino Superior. Recordo os sentimentos contraditórios que a miúde nos assaltavam - certeza, dúvida, entusiamo, angústia, inquietação mas que no final se saldavam em
confiança. Mas, Dra. Alice, “ uma andorinha não faz a primavera”...
O sucesso do projecto só foi possível pelo facto de alunos, professores e direcção constituírem um corpo único que, num ambiente de compreensão e complementaridade rumavam na mesma direcção - o acreditar na viabilidade da criação de uma instituição de cariz
superior. Tarefa difícil? Sem dúvida. O que poderia ser fácil num país recém independente?
A peça principal foram vocês, os alunos, que confiaram, aderiram e trabalharam arduamente. Confiaram e venceram. Hoje são docentes de prestígio em escolas secundárias e
universidades.
Sonhei que um dia vocês, os primeiros alunos, seriam os homenageados.
“E quando o homem sonha”...

Maria Luísa Ferro Ribeiro
217

As vossas palavras confundiram-me…
O tempo parou por instantes. Interrogo-me:
- Essa pessoa sou eu? Terei feito tudo isto?
E sem saber bem porquê veio-me à memória um episódio ocorrido com o Dr Manuel Duarte, jurista e intelectual caboverdiano, muito conhecedor de particularidades da nosso história, em especial as da Cidade Velha. Contando uma das suas curiosas histórias, recheada
de detalhes muito pouco conhecidos, a um grupo numa visita àquela localidade um senhor
aproximou-se dele e disse:
Homi, nhô ê antigue prope
Homem, o senhor é mesmo antigo
Se ele aqui estivesse com certeza que me diria:
Mudjer, nha ê antiga prope
Mulher, a senhora é mesmo antiga.
Interiozo a longa caminhada que já percorri nesta estrada da vida.
Regresso ao presente e ao espírito do feliz tema que inspirou o Seminário (Re)Encontros
em tempo de (Des)Encontros e recordo os versos do compositor e poeta brasileiro Vinícius
de Morais.
“A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”.
Doutora Maria Fernanda Cravidão, Doutor Lúcio Cunha, Doutor Rui Jacinto, organizadores deste evento, grata pela vossa benevolência e gentileza em me considerar merecedora
de um acto desta natureza.
Sem falsa modéstia penso que esta homenagem deveria ser dirigida, com toda a justiça,
à Universidade de Coimbra que me deu as ferramentas e a Cabo Verde pelo saber das suas
gentes. Eu, apenas,um veículo de comunicação nem sempre utilizado da forma mais correcta
nem à altura das fontes que me levaram a dissertar sobre Santiago.
Os meus agradecimentos ao Professor Doutor Agostinho Almeida Santos, Cônsul honorário de Cabo Verde em Coimbra, ao Engenheiro Carlos Machado, Cônsul honorário de
Cabo Verde no Porto, por se dignarem a assistir a este acto, enquadrado no ano em que se
comemoram os quarenta anos da nossa independência.
Ao meu filho, à minha família, meus suportes de sempre.
Aos meus colegas e amigos que marcam pontos assinaláveis deste meu percurso que já
vai longo, em que o nosso convívio foi sempre pautado pelo companheirismo, ajuda mútua,
cumplicidade, e porque não, pela saudade dos que, como eu, vieram da “terra longe”.
A todos que quiseram partilhar este momento comigo um bem haja.
A realização deste acto suscitou-me a oportunidade de reflectir sobre o meu percurso de
vida, as minhas opções, encontros e desencontros focalizado em três marcos:
- Cabo Verde
- Geografia
- Coimbra
E a minha primeira reflexão parte de um ponto. Porquê a opção de seguir o Curso de
Ciências Geográficas?
Influência de alguém? - Não
Ou seria porque a Geografia estudada até ao quinto ano me teria entusiasmado? Também não foi o caso. Era na época uma disciplina demasiado descritiva, baseada na memorização, em suma, pouco entusiasmante. Até hoje sou capaz de citar de memória nomes de
montes, rios e seus afluentes, cabos e linhas férreas de Portugal. De Cabo Verde, como das
outras colónias, apenas se ensinavam umas breves generalidades.
Foi uma opção muito minha, até porque não havia professor de Geografia para o curso
complementar dos liceus. Estudei sem nenhum apoio e, no final do ciclo, apresentei-me a
exame. Fui examinada pelo Professor Guilherme Chantre, professor muito estimado pelos
seus alunos como ficou patenteado pela recente homenagem realizada pelos mesmos na
cidade do Mindelo, ilha de S.Vicente
Na minha decisão pesou muito as aulas de história ministradas pelo Dr. Aurélio Gonçalves, pedagogo, escritor e filósofo que marcou muitas gerações. Eram aulas que ultrapassa-

Nós Terra, Nós Geografia
218

vam o âmbito do programa oficial para abordar, sempre que oportuno, assuntos ligados à
nossa realidade, em particular os problemas que mais afectavam Cabo Verde. E, numa destas
aulas, o tema da lição foi uma questão muito actual na época. A seca e a fome que assolavam Cabo Verde, destacando a situação da ilha de São Nicolau, ilha essencialmente agrícola.
Famílias que emigravam, gente que morria pelas ruas e crianças evacuadas para a ilha de São
Vicente para escaparem à fome. Relatou um facto que até hoje persiste na minha memória.
Um homem à beira da morte e que até ao último suspiro balbuciava - papa com fava, papa
com fava, pa fa…, pa...
E concluiu a aula com esta interrogação: será uma fatalidade, o destino de um povo sem
sorte como diz a morna?
(...) Si tchuba bem morrê fogode
Si ca bem tchuba morrê di sedi
Povo sem sorte ca tem ramede
Tchorá bo sina tchorá cretcheu (…)
(...) Se a chuva vem morre-se afogado
Se a chuva não vem morre-se de sede
Gente sem sorte não há remédio
Chora a tua sina chora amor (...)
Veio-me à ideia então, uma situação, que se enquadrava no cenário descrito pelo professor, ocorrida na minha infância.
Lembrei-me da Rosa, uma criança recolhida pela minha mãe, de entre as muitas que
eram enviadas para São Vicente para escapar à fome, conforme o relato do Professor Aurélio
Gonçalves. Pouco mais velha do que eu. Estava num grande estado de inanição e, naturalmente, necessitava de cuidados especiais.
Impressionou-me sempre essa situação - uma garota numa terra estranha, numa família
desconhecida, uma criança que de repente fica sem raízes.
E passei a observar e a tentar compreender a realidade que me cercava. A chuva que
caía no mar e não na terra, colegas minhas que viviam só com a mãe porque o pai estava
“embarcado”, conversas que eu ouvia sobre as inumanas condições em que viviam os “contratados” de São Tomé.
Então decidi que teria que escolher uma alínea que me poderia abrir as portas para um
curso que me levasse a questionar o porquê da difícil situação da nossa realidade, a encontrar respostas para o ciclo que nos apertava. Confiante, a minha opção foi seguir o curso de
Ciências Geográficas. A geografia, pensava eu, poderia proporcionar-me os conhecimentos
para a compreensão da realidade das nossas ilhas.
Foi o meu encontro emocional com a Geografia. Hoje posso dizer que encontrei a geografia a partir de problemas sociais. Geografia Social? Geografia Cultural? Fica a interrogação.
A compreensão, embora intuitiva, das relações entre a Sociedade e a Natureza explicam,
para além de um conjunto de circunstâncias favoráveis, o facto de ter o privilégio de ser a
primeira geógrafa caboverdiana. Hoje este mesmo caminho já foi trilhado por muitos jovens
que formam um corpo prestigiado de docentes e investigadores do nosso país.
Novo encontro. Desta vez Coimbra. Reencontro com a geografia, agora de forma racional, embora a parte afectiva e as inquietações de caracter social estivessem sempre subjacentes.
O curso de Ciências Geográficas iria de encontro às minhas expectativas? Interrogava-me.
As aulas magistrais de Geografia Tropical do Professor Fernandes Martins, proporcionaram-me as primeiras respostas. E o acolhimento que o meu primeiro trabalho sobre a seca
em Cabo Verde teve da parte do Professor Amorim Girão fêz-me sentir a solidariedade de
alguém que partilhava as minhas angústias mesmo vivendo noutro espaço geográfico. Ficou
registado na minha memória o gesto do Professor - fez um donativo para as vítimas da seca,
(...) “O Professor Girão fez-se nosso irmão” (...) escreveu a escritora caboverdiana Maria
Helena Spencer.

Maria Luísa Ferro Ribeiro
219

Não houve hesitações no momento da escolha do tema da tese da licenciatura. Esteve
sempre claro no meu espírito que teria de versar sobre Cabo Verde e, concretamente, sobre a ilha de Santiago onde vivia. Também estava consciente das dificuldades que teria de
enfrentar. Orientação à distância numa época em que as comunicações eram difíceis, limitação quanto ao acesso à bibliografia, dificuldade de deslocação ao interior da ilha devido às
péssimas condições da rede viária e, não menos relevante, os entraves inerentes ao regime
colonial expressos, entre outros aspectos, na restrição à liberdade de expressão e na proibição de manifestações culturais de raiz africana.
Naturalmente se fosse hoje, ou 40 anos atrás, o trabalho seria diferente. Outro contexto,
novas abordagens, consentâneas com a realidade da sociedade da época e com a minha
forma de a compreender e de a interpretar. O mundo evolui e o homem não fica parado no
tempo. Assim não me parece de grande relevância a hipótese de uma possível actualização. Seria outro trabalho, com características completamente diferentes. A tese reflecte o
meu entendimento da essência do pensamento geográfico baseado na unidade do espaço
territorial na diversidade das suas vertentes, visando a interpretação da relação Sociedade/
Natureza. Decorridos cinquenta anos o mundo já é outro. E a Geografia acompanhou os
avanços da ciência, das tecnologias, dos novos sistemas de informação e o processo de
globalização incorporando novos elementos e conceitos nas abordagens sobre o espaço geográfico. Apesar dos avanços registados nos últimos anos, a definição do conceito de espaço
geográfico, objecto do estudo da Geografia, é ainda motivo de discordâncias teóricas.
Sem pretender entrar em especulações teóricas, considero que a abordagem do geógrafo brasileiro Milton Santos, que propõe o conceito de “formação socio-espacial” para
definir o objecto da “geografia nova”, o que, de certa forma, mais se aproxima das linhas de
orientação que o desenvolvimento da minha tese deixa transparecer.
“Vivemos uma época de especialização do conhecimento, causado pelo prodigioso desenvolvimento da ciência e da técnica, e da sua fragmentação em
inumeráveis afluentes e compartimentos estanques. A especialização permite
aprofundar a exploração e a experimentação, e é o motor do progresso; mas
determina também, como consequência negativa, a eliminação daqueles denominadores comuns da cultura graças aos quais os homens e as mulheres
podem coexistir, comunicar-se e se sentir de algum modo solidários”(...)
Mario Vargas Llosa
A Geografia não poderia deixar de acompanhar este movimento de especialização da ciência. Tal como em outras áreas, a excessiva especialização poderá conduzir à fragmentação
do saber, à quebra da unidade do espaço geográfico, objecto de estudo desta disciplina.
Perante estas considerações, é evidente, que o tema que inspirou a minha tese poderá
ser abordado numa óptica diferente, com a possibilidade de serem utilizados conhecimentos e instrumentos de análise susceptíveis de favorecer um conhecimento mais próximo
da realidade. A realidade sociopolítica mudou substancialmente nestes quarenta anos de
Independência Nacional. Cabo Verde dispõe hoje de uma universidade pública e de várias
universidades privadas, de um número significativo de geógrafos, de especialistas de diversas
áreas, de um conjunto de trabalhos versando temas sobre a realidade caboverdiana sobre
os mais diferentes aspectos.
“A cada época, novos objetos e novas ações vêm juntar-se às outras, modificando o todo, tanto formal quanto substancialmente” (Milton Santos)
Regresso ao tema do seminário.
E o meu reencontro com Cabo Verde concluída a formação como professora do ensino
secundário! sete anos depois do início dos meus estudos em Portugal - licenciatura, ciências
pedagógicas, estágio pedagógico, exame de estado.
Anos sessenta. Implementam-se medidas para a mitigação da fome pelas autoridades
coloniais, encorajam-se os caboverdianos à emigração para responder às necessidades de
mão de obra na metrópole. Lisboa começa a ser um importante centro de irradiação de
imigrantes para o resto da Europa. E eu, de regresso á minha terra. Reencontro com Cabo
Verde, novo encontro para mim. O novo estava em mim. Firme o chão que piso na hora da

Nós Terra, Nós Geografia
220

chegada, com a convicção, que fui construindo, que munida de conhecimentos, de experiências, de práticas poderia contribuir para mudar a realidade que me atormentava. Tinha
encontrado, em parte, respostas ás minhas inquietações que me levaram a seguir o curso de
Ciências Geográficas.
Outras inquietações surgiram.
Fecho os olhos e revejo como num filme imagens desse tempo outro, da terra que me
viu nascer e que agora me recebia. A mesma miséria estampada nos rostos das gentes da
minha terra. Um reencontro com o que deixara e que fora, nessa altura, a razão da minha
escolha: sair, preparar e regressar, na esperança de poder, de alguma forma, contribuir para
reverter a situação.
Como passar do plano das convicções, das palavras ao acto de agir?
A realidade era bem mais dura do que aquilo que, nós os estudantes sonhávamos.
Olho ao redor, meço a dimensão do problema. Basta um olhar para compreender que
para mudar é preciso conhecer, saber com que contar. Não foi difícil concluir perante a exiguidade de recursos, que um era certo: o homem. O caboverdiano dentro e fora. Eu já estava
dentro. Meti mãos à obra convicta de que apostar nas pessoas, investir nelas, pela educação,
formação, capacitação estaria a investir no futuro.
O ensino, a educação foi o palco dos acontecimentos futuros. Encontros, desencontros,
reencontros.
Foi um tempo gratificante aquele em que leccionei a disciplina de Geografia no Liceu
Adriano Moreira na cidade da Praia, hoje Liceu Domingos Ramos. Alunos que me ensinaram a ensinar melhor, a entender também o sacrifício de muitas famílias para que os filhos
pudessem estudar. Lição de vida. A determinação de muitos que não obstante dificuldades
inúmeras não pouparam esforços para seguir os seus sonhos.
E recordo.
Desculpem, estou sempre a ir ao passado.
Sou antiga, compreendam.
Recordo uma minha aluna, muito boa aluna, que um dia me procurou informando-me
que iria sair do liceu porque não era possível estudar com fome. Fiquei sem palavras. Afinal
estava longe de conhecer a situação real da minha terra, a vida dos alunos a quem tinha a
responsabilidade de ensinar. A situação da aluna foi resolvida. Era apenas uma dos muitos
alunos que estariam em igual situação como rapidamente me apercebi.
Desencontro com Cabo Verde, por vicissitudes da vida, já que esta é por essência uma
sucessão de encontros e desencontros. Fui leccionar para Angola e, mais tarde, para Portugal.
E mais um desencontro. Desta vez com a Geografia. E um novo encontro com Cabo Verde. Novo pela realidade de um país independente, novo para mim, imbuida do mesmo espirito que animava os caboverdianos e que o poeta Corsino Fortes retrata magistralmente:
Ontem
fui lenha e lastro para navio
Hoje
sol semente para sementeira
Desencontro com a Geografia porque deixei de ser professora para participar na construção de um novo sistema educativo consentâneo com a nova realidade de um pais independente.
Terá sido um desencontro com a geografia na realidade?
Talvez não, directamente. Apenas uma intervenção mais abrangente, na qual estiveram
sempre presentes as convicções que fazem parte da minha forma de existir.
E no processo de edificação de um novo sistema de ensino no Cabo Verde Independente,
houve um momento em que foi necessário intervir no topo da pirâmide educativa, que no
caso de Cabo Verde era o ensino secundário, ponto frágil do sistema. Neste quadro inserese a criação, quatro anos depois da Independência, de uma instituição vocacionada para
a formação de professores do ensino secundário, o Curso de Formação de Professores do
Ensino Secundário, actualmente Instituto Superior de Educação, integrado na Universidade

Maria Luísa Ferro Ribeiro
221

de Cabo Verde.
Nenhum país pode avançar se não tiver a capacidade de formar os seus agentes formadores era a convicção de todos que apostavam na valorização dos recursos humanos, o bem
mais precioso de Cabo Verde..
Só foi possível concretizar um projecto tão ambicioso, pela aceitação que teve da parte
da Universidade de Coimbra, que pôs o seu prestígio e o saber dos seus professores a favor
de um pequeno país recém independente que buscava, não obstante as limitações em recursos, diminuir progressivamente a dependência do exterior no domínio da formação dos seus
quadros, numa primeira fase dos seus docentes.
Como escreveu Ondina Ferreira, professora e escritora caboverdiana por ocasião dos 25
anos do Instituto superior de Educação, (...) “com o seu ilustre escol de professores, a Universidade de Coimbra foi pioneiro, co-fundador da Escola de Formação de Professores do Ensino
Secundário “(...) embrião da Universidade de Cabo Verde”. (...)
Neste acto para mim marcante, gostaria de prestar o meu reconhecimento à Universidade de Coimbra e aos seus ilustres professores que estiveram desde o início envolvidos no
projecto:
Professor Doutor Rui Alarcão, que abriu as portas para que os graus académicos obtidos
em Cabo Verde fossem reconhecidos pela Universidade de Coimbra e, mais tarde, por todas
as universidades portuguesas.
É neste quadro que se inscreve um facto que nos encheu de orgulho - a realização na
cidade da Praia, no dia 26 de Novembro de 1986, da “Reunião Internacional Constitutiva
da Associação das Universidades de Língua Portuguesa” (AULP). O Curso de Professores
do Ensino Secundário é membro fundador da AULP, a par de prestigiadas universidades do
espaço lusófono.
Saudoso Professor Doutor Luís Albuquerque, que já não está entre nós, que dirigiu a
primeira equipa que se deslocou a Cabo Verde
A este propósito cito um extracto do trabalho elaborado pelos Professores Doutores
Luísa Veiga e Jorge Veiga por ocasião da comemoração dos 25 anos do Instituto Superior de
Educação:
(...) “ O já falecido Doutor Luís Albuquerque, ilustre Professor Catedrático da Universidade de Coimbra e Homem de elevada cultura e saber, regressava de uma visita a sua
filha, arquitecta e então residente na Praia. Com o entusiasmo e vivacidade que sempre lhe
conhecemos, relatou-nos a incumbência de que vinha investido - encontrar uma equipa que
colaborasse num dos muitos desafios que Cabo Verde enfrentava no período imediato à sua
independência (...) a formação de quadros e num primeiro momento a formação de professores do ensino secundário”(...)
Agradeço a presença da filha arquitecta Helena Albuquerque, minha amiga, que teve a
gentileza de compartilhar este momento comigo. Helena Albuquerque, como o pai, participou desde os primeiros anos pós-independência na caminhada rumo ao desenvolvimento.
Os Professores Luísa Veiga e Jorge Veiga que deram um valioso contributo não apenas
no então Curso de Formação de Professores do Ensino Secundário, mas em particular, na
Reforma do Sistema Educativo de Cabo Verde. Lamento profundamente que problemas de
saúde não tenham permitido a sua participação neste acto.
Não resisto a citar mais um extracto do trabalho já referido da autoria desses Professores:
“(...) Estava gerado o embrião do ensino superior em Cabo Verde (...) a criação do Curso
de Formação de Professores do Ensino Secundário, (...) o segredo residiu na abertura, confiança, respeito e solidariedade com que vivemos juntos e de modo construtivo a concretização de um ideal “(..).
E o curso entrou em funcionamento com a colaboração de vários professores dos quais
destaco a Doutora Arminda Pedrosa, a quem agradeço ter feito os possíveis e impossíveis
para estar aqui connosco. O meu reconhecimento.
E deixo para o fim os meus conterrâneos Professor Doutor António St Aubyn e o Investigador Humberto Pascoal. E para o fim, porquê? Porque como caboverdianos que são, estão
sempre disponíveis para responder ao apelo da terra.
Um agradecimento especial ao meu amigo Wladimir Brito, Professor Catedrático de Direito da Universidade do Minho, que tem dado uma valiosa contribuição noutras áreas. É o
Pai da Constituição Caboverdiana como costumo dizer.

Nós Terra, Nós Geografia
222

Valeu a pena o projecto?
Hoje a Universidade de Cabo Verde é uma realidade e muitos dos alunos do Curso de
Formação de Professores do Ensino Secundário, “cobaias” de um projecto no qual confiaram, são seus professores.
Desculpem a minha incursão no passado.
Sabem, como diria o meu conterrâneo, mudjer, nha ê antiga, prope.
Termino, citando o poeta britânico Lord Byron “O melhor profeta do futuro é o passado”
Um muito obrigada por partilharem este momento comigo.

223

João Gabriel Silva

Professor Doutor
Reitor da Universidade de Coimbra

Apenas conheci há pouco a Prof. Maria Luísa Ferro Ribeiro, portanto não vou falar sobre
ela porque sendo eu antigo, não sou tão antigo que tenha convivido com ela aqui na Universidade. Mas é uma enorme satisfação estar aqui porque, representando eu a Universidade
neste momento, não há melhor prova da relevância daquilo que a Universidade faz do que
um percurso como o da Prof. Maria Luísa, que já aqui foi descrito com muito sentimento.
No fundo, nós, numa escola, e a universidade é uma escola, com as suas características
próprias, o que tentamos é construir pessoas, é dar uma vida às pessoas. Seguramente que
tentamos vencer a fome, atingir o desenvolvimento, mas sobretudo abrir horizontes, abrir
possibilidades para cada um. Um percurso como o da Prof. Maria Luísa, com todas as dificuldades que aqui foram mencionadas, e que todos, em maior ou menor grau, conhecem de
Cabo Verde e de outros locais do mundo, é a prova viva de que vale a pena todo este trabalho que temos. Permitam-me fazer aqui uma pequena referência ao facto de a Universidade
de Coimbra ter 725 anos. É uma reflexão que eu faço muitas vezes com os meus colegas,
com os estudantes, com outras pessoas, sobre o facto de as universidades, não estou a falar
agora de Coimbra em particular, mas das universidades em geral, terem de ter alguma utilidade, porque de outra forma não duravam tanto tempo. De facto, essa utilidade consiste
antes de mais neste desbravar de novos caminhos para cada um, em que a escola dá uma
ajuda tão decisiva.
Infelizmente a área da Geografia de Coimbra, embora miraculosa, não conseguiu resolver o problema da chuva em Cabo Verde (ou da falta dela), mas foi capaz de mostrar que o
desenvolvimento de qualquer país, de qualquer região, de qualquer comunidade, é o desenvolvimento das pessoas dessa região, desse país, dessa comunidade. Essa é, de facto a nossa
missão e a nossa lição.
Quero referir que tenho uma profunda admiração por Cabo Verde. Nunca estive em
Cabo Verde, mas vou resolver isso rapidamente, pois em julho deste ano, daqui a pouco
tempo, estarei em Cabo Verde para uma reunião da Associação das Universidades de Língua
Portuguesa, que aqui já foi várias vezes mencionada. Possivelmente até irei antes, porque a
Universidade de Coimbra está envolvida nesta contínua missão de trabalhar em conjunto
com os outros, estando numa fase já muito avançada na construção conjunta do Curso de
Medicina da Universidade de Cabo Verde, que estará, todos esperamos, já a funcionar no
início do próximo ano letivo. Penso que é um passo muito importante, vai ser uma parceria
muito próxima entre a Universidade de Cabo Verde e a Universidade de Coimbra. Como a
Senhora Embaixadora sabe, o processo já está bastante avançado.
Tenho, de facto, uma enorme admiração por Cabo Verde, e acho que deve ser um exemplo para Portugal, nestes momentos de maior dificuldade. Felizmente, com raras exceções,
não se está a morrer à fome em Portugal, mas comparado com outros tempos recentes,
mais prósperos, estamos a passar por momentos de dificuldade. Cabo Verde deve ser um
exemplo a ter em conta em Portugal porque Cabo Verde, como Portugal, não tem petróleo
ou outros recursos minerais relevantes. A geografia diz-nos que as zonas vulcânicas não são
boas para encontrar petróleo e, portanto, a esperança de encontrar lá petróleo é pequena,
mas em Portugal, felizmente, também não temos petróleo. Digo felizmente porque se olharmos por exemplo para África, vemos países ricos em petróleo em que a vida nem por isso é

Nós Terra, Nós Geografia
224

particularmente feliz. Para alguns, muito poucos, sim, mas para a grande maioria o petróleo
é apenas fonte de guerra, desgraça, pobreza, morte e fome. Fome não pela falta de chuva,
mas porque o petróleo gera outros apetites e outras dificuldades. Portugal, felizmente, não
tem petróleo mas tem as suas pessoas. Cabo Verde é um exemplo perfeito de um país que,
a partir de recursos naturais muito limitados, consegue construir uma sociedade que é, neste
momento, um exemplo em África e fora de África, essencialmente graças ao nível educacional elevado da sua população.
Quando nós tantas vezes, aqui em Portugal, ouvimos nos últimos tempos dizer que afinal
a história do sistema de ensino ser um fator de desenvolvimento não é bem verdadeira, porque há tanto licenciado desempregado, temos de olhar para um país como Cabo Verde. Se
os Cabo-verdianos aqui presentes discordarem peço-vos desculpa, mas é a minha visão um
pouco afastada de quem nunca lá foi, mas em breve irá. Eu acho que a boa situação de Cabo
Verde é uma demonstração plena de como aquilo a que a Prof. Maria Luísa Ferro Ribeiro
dedicou a vida, o desenvolvimento das pessoas, é de facto aquilo que permite melhorar um
país. Se Portugal fosse um país de analfabetos, as nossas dificuldades seriam muito piores do
que as que temos. Basta um pequenino exercício de imaginação para o percebermos.
É claro que a educação não resolve tudo, mas também quem é que está à espera que
exista uma varinha mágica?! Nunca há uma varinha mágica que substitua o nosso esforço,
que substitua o nosso empenho, que substitua a nossa vontade, a nossa determinação mesmo quando as circunstâncias são particularmente adversas. Não se esteja à espera de uma
varinha mágica por parte do sistema de ensino ou de outro sistema qualquer que permita,
permita o quê? Viver de papo para o ar sem fazer nada? Alguém está à espera que sem
trabalho se chegue a algum lado? Isso é uma ilusão absoluta, que a vida da Prof. Maria Luísa
Ferro Ribeiro mostra que é de facto uma ilusão.
Uma mulher imparável, ouvi aqui dizer várias vezes. De facto nós temos de estar sempre à
procura das oportunidades, aproveitar os recursos que temos, encontrar formas de entusiasmar todos e com isso chegar a algum lado e, por isso, não conhecendo eu, até há bocadinho
quando entrei nesta sala, a Prof. Maria Luísa Ferro Ribeiro, quero, em nome da Universidade
de Coimbra, agradecer-lhe profundamente, porque que ela é uma personificação plena da
razão de ser de uma universidade. Um percurso como o dela é o melhor agradecimento, o
melhor retorno, que a Universidade pode ter de alguém que por cá passou.
Muitíssimo obrigado.

225

António Gama: viagem
mapas, memória

226

227

António Gama y el viage:
un geógrafo con una mirada abierta,
sin fronteras
Valentín Cabero Diéguez
Universidad de Salamanca

Antonio Gama y el viaje: un geógrafo con una mirada abierta, sin fronteras.
Guardo un recuerdo entrañable y vivo de Antonio Gama. Compartimos algunos viajes
lejanos, al trópico atlántico y al archipiélago de Cabo Verde, o al otro lado del mar y de los
meridianos históricos, al gran Brasil, comparando así escalas y modos de vida insular con
la inmensidad de los espacios del interior brasileño. Y en muchas ocasiones redescubrimos
juntos la historia y los paisajes rayanos en nuestras rutas ibéricas. El viaje, las distintas
modalidades de viajar y de mirar le apasionaban, aunque la preparación previa le resultaba
un tanto incómoda.
Hasta el último momento, cuando ya las fuerzas le flaqueaban, participó con entusiasmo
en los viajes de trabajo que desde el Centro de Estudios Ibéricos estaban programados en los
curso de verano o en los seminarios intermedios de investigación. Siempre con su amabilidad
y su sonrisa , que daban una expresión bondadosa e ingenua a su rostro, enmarcado a su vez
por una densa barba y una cabellera bien prieta, que el tiempo tornarían en tonos grises y
canosos. Y cómo no recordar la mirada de curiosidad y de asombro inocente ante cualquier
descubrimiento o hecho desconocido y sorprendente que intentaba retener en su memoria
o en su cámara fotográfica.

Las enseñanzas geográficas, la formación cívica y el viaje
Lo recuerdo vivamente enseñando a descubrir a los alumnos los paisajes rurales y las
formas de ocupación de la Beira Interior desde la remota antigüedad hasta los tiempos
actuales de “modernización”, de emigración y mudanza, manejando con gran conocimiento
diacrónico la explicación de los procesos y señalando con detalle los hitos cronológicos más
precisos. Su capacidad narrativa y oral aproximaba los hechos con gran naturalidad y sencillez
a los alumnos, aunque le gustaba incorporar conceptos complejos o acontecimientos que
requerían mayor profundidad, erudición y tiempo. Las explicaciones continuaban entonces
en la próxima parada, en el almuerzo o en la cena. Después, Antonio Gama entraba en
una fase de calma, y unas hermosas flores de miga de pan, hábilmente moldeadas con sus
manos, completarían como regalo el final de la conversación o de la alegre convivencia
gastronómica.
Desde los primeros años como profesor en la Universidad de Coimbra mantuvo una
estrecha relación con los colegas españoles, particularmente con los compañeros y amigos
de la Universidad de Salamanca y de León. Aquí llegaba con los alumnos portugueses de
Geografía a enseñarles y descubrirles la ciudad de Salamanca y la rehabilitación de su centro
histórico o las villas del interior fronterizo, a perderse con nosotros por los Arribes del Duero
y la Sierra de la Culebra, a conocer la vida olvidada en las aldeas de Tras-os-Montes y en el
entorno del Lago de Sanabria, o penetrar en la hondura cultural del Camino de Santiago y del
Bierzo. Siempre viajaba acompañado de buenos mapas y de libros raros que completaban su
saber y su mirada, y que prestaba generosamente a los alumnos. Su máquina fotográfica era
una compañera inseparable, y pienso ahora que su archivo fotográfico – intentaba ordenarlo

António Gama: viagem, mapas, memória
228

una y otra vez- guarda sin duda hermosos tesoros, igual que su biblioteca.
En estos viajes nos traía las novedades bibliográficas y los últimos artículos acerca del
pensamiento geográfico. Le preocupaban las relaciones del poder con el territorio, las
estrategias económicas de dominación, los conflictos sociales y geopolíticos, sin perder en
ningún momento el relato que le habían enseñado los maestros de la geografía portuguesa.
Respetaba esta herencia de clara influencia francesa, pero sentía la curiosidad intelectual
de contrastar su percepción con las interpretaciones de los colegas lejanos o próximos,
iniciando a partir de las aportaciones bibliográficas más recientes un intercambio y debate
que podría prolongarse hasta altas horas de la madrugada. Y en nuestro entorno no faltaban
los intercambios de pareceres y de estudio sobre la ciudad y las dinámicas urbanas con el
profesor Julio Villar Castro, también acompañadas de los correspondientes viajes o trabajos
de campo a las periferias suburbanas; con el profesor J.L. Alonso Santos descendía al análisis
y discusión de los procesos económicos tanto desde una perspectiva teórica como empírica,
comparando lo que estaba ocurriendo en Europa, en España y en Portugal.; con la profesora
Mª Teresa Vicente Mosquete abordaba los temas más estrechamente relacionados con el
pensamiento geográfico, desde los clásicos hasta las tendencias más criticas, que de alguna
manera guardaban relación con su formación y licenciatura, entre 1968 y 1974, fecha
de la “Revolución de los claveles” en Portugal; con el profesor Lorenzo López Trigal, los
temas de debate eran sobre todo geopolíticos y más sociológicos, en unos momentos
en que los movimientos sociales tuvieron una gran presencia urbana. Naturalmente que
Antonio Gama era un gran conversador. Y le gustaba seguir la convivencia en la noche
salmantina, enseñándoles a los alumnos los rincones más festivos de la ciudad. Entonces, en
aquellos itinerarios nocturnos, se alargaban las conversaciones, deteniéndonos aquí y allá,
en Plaza Mayor, en las Úrsulas, en la Calle Compañía, o más lejos, en el Puente romano,
para reafirmar tal o cual argumento o para divagar sobre temas y problemas sobrevenidos al
hilo del propio paseo y de la charla entre amigos. Tenía una ventaja sobre todos nosotros,
que conocía muy bien la otra cara de Portugal, los países y tierras de habla portuguesa, de
donde extraía ejemplos exóticos y elocuentes que nos descubrían otros mundos y otros
viajes. Aprendíamos a ver con curiosidad el rico y complejo mundo lusófono, tan olvidado e
ignorado por la universidad y la enseñanza española.
Entre nosotros, los geógrafos, hay ciertamente una tradición viajera que nos lleva a las
propias raíces del saber geográfico en dos de sus iconos contemporáneos: Alejandro von
Humboldt y Eliseo Reclus, que nos dejaron textos llenos de descubrimientos y de sentimientos
de respeto a la naturaleza y al quehacer de los hombres, a la vez que desde un empirismo
muy directo nos enseñaron un conocimiento riguroso de los territorios recorridos. Una
reflexión que ponía el énfasis en la trascendencia del conocimiento y de la educación como
un valor público que nos permite salir de la ignorancia. En esa estela de pensamiento se
situaba Antonio Gama. Y con su erudición nos rememoraba a otros viajeros ilustrados
que a partir de expediciones científicas ayudaron a conocer la naturaleza, los paisajes o las
condiciones de vida política y económica de nuestra América Andina y del Pacífico. Entre los
más señeros cabe recordar a Jorge Juan (1713-1773), Juan Celestino Mutis (1732-1808) o
Alejandro Malaspina (1754-1810)1. Por ellos sentía una gran curiosidad Antonio Gama y por
su repercusión en el conocimiento del mundo de aquellos viajes2.

Más allá de lo disciplinar: el pensamiento crítico e integrador
De la vida académica de Antonio Gama nos queda el testimonio de un viaje intelectual
muy personal, que rompe con las fronteras de la especialización. La doble vinculación
docente e investigadora al Instituto de Estudios Geográficos y al Centro de Estudios
1 - Ver al respecto el trabajo de Juan Pimentel: Jorge Juan, Mutis y Malaspina, viajeros científicos. Prólogo de Luis
Carandell, Nivola,
2 - La tesis doctoral de Teodoro Bustamante Ponce: Una interpretación de la Naturaleza y el Espacio en Ecuador.
Las áreas protegidas como discurso actual de conservación, Universidad de Salamanca, 2013(Inédita), realizada
bajo mi dirección en el marco del Programa de Doctorado “El Medio Natural y Humano en las Ciencias Sociales,
recoge un amplio capítulo sobre la incidencia de tales expediciones en el conocimiento de América del Sur y en el
manejo de los recursos naturales, pp. 117-189.

Valentín Cabero Diéguez
229

Sociales de la Universidad de Coimbra le convirtió en un profesor sin fronteras disciplinares
y en una persona sin ataduras dogmáticas, viendo como los temas y problemas aparecen
“cada vez más imbricados e interdependientes bajo el signo de la interdisplinariedad y de
la complejidad”. De ahí que sus enseñanzas y trabajos abordasen temas y problemas tan
sugerentes y fundamentales como los vinculados a los siguientes campos docentes, siempre
con una honda reflexión conceptual:
-

Teoría y metodología
Espacios y sociedades
Geografía Política
Geografía Económica
Sociología y Antropología
Urbanismo y poder
Cambios territoriales
Relaciones de la Geografía y las ciencias Sociales

Tales inquietudes fueron creando, a partir de de sus contactos personales y académicos,
una amplia red de amistades y de complicidades intelectuales entre las que cabían todas las
miradas que tuviesen una cierta dosis crítica y una sensibilidad discursiva e integradora. Entre
ellos no puedo olvidar a los colegas más próximos, Rui Jacinto, Fernanda Gravidâo, Lucio
Cuhna, Campar de Almeida , José Reis, Pedro Pita, Pedro Hespanha…, o los que estaba
en Lisboa como Jorge Gaspar o Joao Ferrâo, todos ellos preocupados por el discurrir de
Portugal y la formación republicana de la ciudadanía.
Hace algo más de diez años se presentó en Coimbra la exposición y el catálogo Fragmentos
de un retrato inacabado. A geografía de Coimbra e as metamorfosis de un país, coordinado
por Antonio Campar de Almeida, Antonio Gama, Fernanda Delgado Gravidâo, Lucio Cunha
y Rui Jacinto3. Se inscribía en el Programa de Coimbra – Capital Nacional da Cultura 2003, y
nos resumía de manera bien elocuente el quehacer de la Geografía portuguesa en el marco
académico de la Facultad de Letras desde el principios del siglo XX y la proclamación de la
República (1910). Recuerdo que Antonio Gama disfrutó con aquel trabajo colectivo, donde
se recuperaban figuras históricas de la universidad de Coimbra y geógrafos ya ausentes como
Alfredo Fernandes Martins, gran docente y comunicador. De alguna manera aquella tarea le
descargaba y le liberaba de aquel compromiso administrativo que era presentar y defender
su libro y disertación de doctorado.
Precisamente en estos Fragmentos nos dejó algunas de sus reflexiones acerca de la
geografía y la ciudadanía,4 en unos momentos tan llenos de incertidumbre como de ilusiones
rotas ante los procesos insensibles y crueles de la globalización. Tras un sugerente análisis
de las ideas que ha modelado el pensamiento geográfico en los últimos tiempos desemboca
con mayor detenimiento en la valoración de la geografía crítica para decirnos “A geografía
debe ser entendida como un saber pensar el espaço, un saber que promova a consciencia
do espaço para nele sabermos orgazar-nos e para nele sabermos viver e lutar por uma vida
melhor, em que se posma consumar os sonhos de liberdade nas asas do desejo”

La compleja mirada histórica y literaria del viaje y del viajero
Desde una consideración más abierta e histórica, el viaje y los viajes tienen para nosotros
varias lecturas y, por las conversaciones que tantas veces mantuvimos, creo que para Antonio
Gama también: el viaje como descubrimiento, el viaje como conocimiento, el viaje como
diálogo, y el viaje como convivencia. En relación al viaje como descubrimiento bien sabemos
que es una constante histórica que lleva consigo generalmente tres hechos complementarios

3 - Fragmentos de un retrato inacabado. A Geografía de Coimbra e as metamofoses de um país, Instituto de
Estudos Geográficos / Centro de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra
2003
4 - Ver la colaboración “Geografía, conhecimento do espaço e cidadania”, escrito en colaboración con Antonio
Campar de Almeida, en Fragmentos de un retrato inacabado., ob. cit. pp. 85-90

António Gama: viagem, mapas, memória
230

de gran significado territorial y humano: la exploración, la conquista y la colonización. No
descenderemos al análisis pormenorizado y detallado de tales hechos, aunque la idea nos
subyugue. Las “descubertas” históricas y portuguesas apasionaban a Antonio Gama. Para
nosotros existen tres referencias e hitos que hemos conmemorado una y otra vez5 y que
configuran el imaginario colectivo de españoles y portugueses; me refiero al descubrimiento
de América en 1492 por Cristóbal Colón, al Viaje de Vasco de Gama a la India en 1498
y a la circunnavegación del Mundo por Fernando de Magallanes y Sebastián Elcano en la
expedición de 1519-15226. Unos viajes llenos de épica, de enfermedades y muertes como la
del propio Adelantado F. Magallanes, que nos venían a enseñar tierras e islas desconocidas y
a demostrar la redondez de la Tierra. Recuerdo aquí las palabras de Elcano:
“Y más sabrá Vuestra Majestad que aquello que más debemos estimar y tener
es que hemos descubierto y dado la vuelta a toda la redondez del mundo, que
yendo para el occidente hayamos regresado por el oriente.”
El conocimiento de mundos próximos o lejanos, tanto desde los hechos más físicos
como más humanos, es la consecuencia más evidente del viaje. Lo acabamos de leer y los
hemos señalado en relación a las aportaciones científicas de Humboldt o medioambientales
de Reclus. Nunca, sin embargo, conoceremos del todo lo que nos rodea. En la actualidad
tenemos el testimonio de una obra mayor y me atrevería a decir que única sobre esta
dimensión; me refiero al gran texto del largo viaje del Danubio de Claudio Magris7. El propio
autor nos lo dice de manera muy personal, profunda y a la vez sencilla: “El viaje danubiano
es también un viaje del conocimiento, en el que el pobre viajero, mientras avanza por el
territorio danubiano, se ilusiona con poder conocer, interpretar, controlar la vida que está
alrededor de él con los instrumentos de su propia cultura. Pero, conforme va hacia delante,
poco a poco, ese mundo, cada vez más, se le aparece como algo enigmático, tanto en la
historia como en la vida. Le da casi la impresión de comprender cada vez menos, dándose
cuenta de qué poco se entiende la vida con la cultura”.8
Al lado de las preguntas que nos llevan al conocimiento y a la superación relativa de
la ignorancia, suele aparecer el diálogo bajo el signo de los porqués que interrogan al
territorio, al paisaje, al otro, o que se miran a sí mismo. Se establece de este modo un
diálogo enriquecedor con otros lugares, con otras gentes, con otras culturas, casi siempre
presidido por la observación y la curiosidad. En la literatura española, algunos autores bien
reconocidos como Camilo José Cela, José Luis Sampedro, Juan Goytisolo, Ramón Carnicer o
Julio Llamazares, entre otros, recurren en sus narraciones viajeras a los diálogos como forma
de explicar la realidad y de entender la vida de los protagonistas. Al respecto de El río que
nos lleva se nos dice que “la solvencia con que Sampedro afronta el viaje, amén de las
características paisajísticas, permite observar la situación del país y dar a conocer otra España
interior que existe aún en el olvido del resto” “Estamos ante una obra de lirismo salvaje.
Donde los héroes vivirán la amargura de la realidad desclasada de unos seres al margen de

5 - A finales del siglo XX, La Exposición Universal de Sevilla (1992), conmemorando el V Centenario del descubrimiento de América y el viaje de Colón, y la Exposición Universal de Lisboa (1998), celebrando el viaje de Vasco de
Gama a la India, con todo lo que supuso de movilización de recursos culturales y de equipamientos, renovaron con
cierto optimismo los proyectos de países europeos a la vez que recordaban sus viajes épicos y “descubertas”. Para
el bibliófilo amante de los viajes marítimos y de la ocupación de los nuevos territorios recuerdo los textos y las bellas
imágenes que figuran en aquella colección publicada en Lisboa: “Oceános”…
6 - Existe una amplia bibliografía al respecto de la que mencionamos tan solo la más reciente y transversal.
SÁNCHEZ SORONDO, G., “Magallanes y Elcano, la travesía al fin del mundo”, Madrid: Nowtilus S.L. 2010. GONZALEZ OCHOA, J., “Breve historia de los Conquistadores”, Madrid: Nowtilus S.L. 2014.
BENITES, M., “La mucha destemplanza de la tierra: una aproximación al relato de Maximiliano de Transilvano sobre
el descubrimiento del Estrecho de Magallanes”, Tucumán Orbis Tertius: Universidad Nacional de Tucumán. 2013.
LERNKERSDORF, G., “La carrera por las especias”. México. Estudios de Historia Novohispana, Vol 17, Número 17.
1997.
7 - Puede seguirse la primera edición de Anagrama, Compactos, Barcelona, 1997; “El Danubio ha sido calificado
como “un maravilloso viaje en el tiempo y en el espacio”, enlaza con el “tourisme éclairé” de un Stendhal o un
Chateaubriand, e inaugura un nuevo género, a caballo entre la novela y el ensayo, el diario y la autobiografía, la
historia cultural y el libro de viajes”.
8 - Entrevista de Mercedes Monmany a Claudio Magris; “la experiencia de la frontera fue el primero y lejano origen
de mis viajes”, Mercurio, nº 109, 2009, pp. 8-11

Valentín Cabero Diéguez
231

la vida, como los parajes que recorren. Estos seres anónimos sirven para enhebrar un diálogo
donde el paisaje y la geografía se trenzan en las palabras de los gancheros, para realizar este
viaje hacia uno mismo. El viaje es, sin lugar a dudas, un acercamiento al conocimiento de
uno mismo”.9
Posiblemente sea el espíritu de convivencia con el otro y con las culturas desconocidas la
consecuencia más vital y humana del viaje, sin entrar en los pormenores antropológicos que
supone el contacto entre los propios viajeros, o el contacto con la naturaleza y con nuevas
formas de vida. Desde esta perspectiva el viaje conlleva la adaptación a nuevas circunstancias,
el esfuerzo personal y colectivo ante las dificultades, y la comprensión y tolerancia que
acompañan a la convivencia. Quizás sea el Camino de Santiago el mejor ejemplo a escala
europea en el que concurren todas estas potencialidades y virtudes. En las raíces de los
caminos que nos llevan a Santiago de Compostela se encuentra el viaje a los confines de la
Tierra, a los “finisterres” del mundo conocido, uniendo el cielo y la tierra a través de la Vía
Láctea y el campo de las estrellas dónde se cree que apareció la tumba del apóstol Santiago.
Desde la primera guía del viajero, el Codex Calixtinus10, escrita por el fraile francés Aymerich
Picaud, allá por el siglo XII, hasta la presentación y recomendación desenfadada de la ruta
jacobea como viaje cultural europeo por el alemán Hape Kerkerling (Bueno, me largo,
2009)11, las bondades del camino para el encuentro, la convivencia y la amistad se han
resaltado junto a las dificultades que han de superar los peregrinos en el transcurso del viaje.
Se subraya asimismo que “Santiago es un lugar casi mágico y capaz de unir toda la cultura
europea en una sola ciudad”(Hape Kerkeling).
Nos faltaría, pues, a mí entender, una quinta perspectiva que en mayor o menor medida
entrelaza de manera misteriosa los tiempos más remotos con los actuales: el viaje como
mito o el viaje y los mitos. Tenemos hermosos ejemplos en nuestro entorno peninsular
como en aquel jardín de las Hespérides, donde el viajero de la antigüedad que atravesaba
el Mediterráneo se iba a encontrar con árboles frutales de manzanas de oro cuidados por
hermosas ninfas (hespérides) y un dragón de cien cabezas, o la leyenda de la Atlántida
que ha traspasado los tiempos para quedarse entre nosotros en forma de música y de
arte, o de la isla errante y fantasmal de San Borondón y de la ballena Jasconius, que tantos
viajeros han pretendido descubrir y situar desde tiempos medievales muy cerca de las Islas
Canarias, en las Islas Afortunadas. Siempre nos quedarán los enigmas y nuevas aventuras de
descubrimiento.
Y ahí están la literatura y los escritores para acercarnos a través de viajes imaginarios o
reales a lo desconocido, a los misterios y leyendas, o a lugares lejanos, exóticos e invisibles12.
Ya hemos dicho algo al respecto, pero en la raíz de toda creación literaria topamos con “el
más grande libro jamás escrito, La Odisea, el relato del viaje a través de la vida, es impensable
sin el mar, pero también el mar es hoy impensable sin La Odisea. El mar, por tanto, tiene un
doble valor simbólico. Ante todo representa la lucha, el desafío, la prueba, el enfrentarse
con la vida, tal y como se aprecia por ejemplo en muchos de los grandes relatos y novelas
de Conrad”, son palabras del propio Magris a partir de su mirada e identidad con el mar
de su vida, el Adriático frente a la bahía de Trieste o bañando la península de Istria13. En el
fabuloso viaje homérico de Ulises se encuentran todas las historias posteriores de los viajeros
y del sentir del ser humano. Y vendrá La Eneida de Virgilio y las aventuras que figuran en
los textos clásicos: Mio Cid, Simbad el Marino, Marco Polo, El Quijote, o las historias Swift,
los viajes de Julio Verne, de Emilio Salgari, y de tantos autores que nos acercado a mundos
lejanos y soñados.
Y no me resisto a incluir uno de los sonetos más hermosos de la literatura francesa, en el
que se nos presenta a un Ulises que felizmente terminaría sus días en la paz sencilla del hogar,

9 - Ver Palabras y memorias de un escritor. José Luis Sampedro, de Francisco Martín Martín, Ed. Netbiblo, La
Coruña 2007, pp. 149 y 150
10 - El Codex Calixtinus o Liber Sancti Jacobi
11 - Hape Kerkeling: Bueno, me largo. El Camino de Santiago, el camino más importante de mi vida, Suma de
Letras, Madrid, 2009
12 - Cómo no recordar la obra tan bella y poliédrica de Italo Calvino, Las ciudades invisibles, esas ciudades imaginarias e inventadas – atemporales, utópicas o infernales- que nos llevan desde el presente al siglo XIII y al viaje de
Marco Polo. Se publicó por primera vez (Le cittá invisibili) en 1972 por la editorial Einaudi.
13 - ibidem

António Gama: viagem, mapas, memória
232

frente al viajero roto, perdido y olvidado.
Feliz quien como Ulises viaja con buena suerte
o conquista los áureos vellones de Jasón
y después, a la vuelta, con madura razón,
dichoso en casa espera que le llegue la muerte.
Aldea de mis padres: ¿cuándo volveré a verte,
con tus humos azules? ¿en qué clara estación
volveré a ver el huerto de mi pobre mansión
que vale para mí como el reino más fuerte?
Más me placen los muros alzados por los míos
que los templos de Roma soberanos y fríos;
más que mármoles duros quiero pizarra fina.
Más mi Loira francés que el gran Tíber latino,
más mi monte Lyré que el monte palatino
y más que olas del mar mi canción angevina.
Joachim du Bellay (1522-1560)14
Detrás de las miradas viajeras de Antonio Gama había otras preocupaciones más
dolorosas o lacerantes y que violentamente sacuden el transcurso de la historia. Las de los
éxodos, los exilios, los destierros, las diásporas, las migraciones, las rutas de los esclavos, los
caminos de los refugiados, los itinerarios y sendas de los desplazados, que han dejado sus
rastros en la historia y en los mapas de manera casi siempre desgarradora y mutiladora. En las
islas de Cabo Verde pudimos ver en silencio las huellas dejadas por aquellas rutas marítimas
de la esclavitud. La literatura ha narrado con una honda sensibilidad estos hechos y también
la fotografía ha recogido y dejado en sus imágenes el testimonio y dureza de sus locuras
(Éxodos de Sebastián Salgado, por ejemplo), unas veces desde la escala de los acontecimientos
y rupturas más próximas y familiares, y otras, las más desoladoras, desde la lectura de una
escala superior, la de la humanidad más anónima que se desangra por los caminos de la
migración. Estos días del verano y otoño del año 2015 vivimos el éxodo imparable de los
refugiados que parten del próximo Oriente y huyen de la guerra, principalmente de Siria,
y se dirigen hacia Occidente y al corazón de Europa, y continúan las huidas y salidas desde
las costas africanas que cruzan precariamente el Mediterráneo y el Estrecho de Gibraltar en
busca del refugio y amparo europeo. El drama puede leerse en los ojos asustados de los niños
y en las lágrimas de los adultos, y la tragedia de la muerte ha quedado tristemente grabada
una y otra vez en las aguas y playas del Mediterráneo.

14 - La versión en español es del escritor Rafael Sánchez Mazas. He aquí los versos originales:
Heureux qui, comme Ulysse, a fait un beau voyage,
Ou comme cestuy-là qui conquit la toison,
Et puis est retourné, plein d’usage et raison,
Vivre entre ses parents le reste de son âge !
Quand reverrai-je, hélas, de mon petit village
Fumer la cheminée, et en quelle saison
Reverrai-je le clos de ma pauvre maison,
Qui m’est une province, et beaucoup davantage ?
Plus me plaît le séjour qu’ont bâti mes aïeux,
Que des palais Romains le front audacieux,
Plus que le marbre dur me plaît l’ardoise fine :
Plus mon Loir gaulois, que le Tibre latin,
Plus mon petit Liré, que le mont Palatin,
Et plus que l’air marin la doulceur angevine.

Valentín Cabero Diéguez
233

El catálogo arriba indicado abre sus páginas con una cita del conocido Viagem a Portugal
de José Saramago, que tomo prestada para cerrar con un sentido profundamente afectivo la
semblanza y memoria de nuestro amigo Antonio Gama Mendes: “Nâo è verdade. A viagem
nâo acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória,
em lembrannça, em narrativa. Quando o viajante se sentou na areia da praia disse: “não há
mais que ver”, sabia que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo doutra. É
preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira em
Verão, ver de dia o que se viu de noite, com Sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara
verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso
voltar aos passos que foram dados, para os repetir, e para traçar caminhos novos ao lado
deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre. O viajante volta já”. Y volvemos, finalmente, a
las palabras de Claudio Magris: “Viajar es antes que nada viajar en el tiempo; en el pequeño
tiempo de nuestra vida individual, que se consuma mientras viajamos, pero también en ese
tiempo más grande de la Historia que nos integra a todos a la manera de un gran río”15.
El viaje no se acaba nunca, pero el viajero si. Estoy seguro que Antonio Gama viajó desde
los sueños de su infancia a su aldea de Olheiros, a finales del año 2014, cuando su vida se
apagaba y se integraba en ese gran río del tiempo. Espero y deseo que la tierra le sea leve.

15 - ibidem

234

Viagem nunca feita:
desenhar o mapa do mundo desconhecido

1

Rui Jacinto

CEGOT – Universidade de Coimbra

. Meu tempo é quando: António Gama, a viagem e o mapa do mundo
desconhecido. O geógrafo é “um cientista que sabe onde ficam os mares, os rios, as cidades.
As montanhas, os desertos”. O Principezinho, ao ouvir tal definição, depois de reconhecer
que “É bem bonito, o seu planeta”, formulou com naturalidade a seguinte pergunta: “Há
cá mares?”. Semelhante questão só poderia obter uma resposta igualmente singela: “- Não
faço ideia – respondeu o geógrafo. / - Mas o senhor é geógrafo! / - Pois sou – disse o
geógrafo – mas não sou explorador. Tenho uma falta absoluta de exploradores.”
Esta persistente falta de exploradores, a fazer fé no que nos conta Jon Fazman, em A
biblioteca do geógrafo (2005; Gótica, Lisboa: 26), já terá levado o rei da Sicília a convocar
o seu geógrafo (al-Idrisi) para o autorizar a embarcar na maior incumbência cartográfica da
sua vida: desenhar o mapa do mundo desconhecido. A partida de António Gama, para uma
missão porventura semelhante, deixou uma pesada ausência entre os que se habituaram
a ouvi-lo descrever as cartografias físicas e humanas da Raia Ibérica Central. Foi Antoine
de Saint-Exupéry, a que novamente recorremos, quem melhor expressou este sentimento
quando, escreveu algures que “aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam
sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.”
António Gama marcou presença em todos os Cursos de Verão, foi grande animador
destas iniciativas e referência incontornável das respetivas viagens de estudo. Os mapas que
verbalizou durante as intervenções que ia fazendo no terreno permitiam ler e interpretar,
para além das aparências, as paisagens físicas, económicas, sociais, culturais e políticas
que desfilavam diante dos nossos olhos: o lugar onde falava era o ponto de partida duma
interminável viagem que transcendia fronteiras, geográficas e disciplinares, e nos projetava
para dimensões mais elevadas, intangíveis e globais.
A singela evocação do seu nome, aqui e agora, é um gesto de reconhecimento a quem
deu, ao CEI e aos Cursos de Verão, um contributo desinteressado, generoso e solidário, sem
expetativa de qualquer tipo de retorno. Sem ficar prisioneiro de sentimentos pessoais ou
amarrado à análise do seu legado cientifico, amplo e diverso, construído ao longo de décadas,
que tentarei apreciar noutra sede, centro a minha atenção num tema e numa prática cara a
António Gama e aos demais participantes que frequentam o Curso de Verão: a viagem.
António Gama recorria à viagem para, com ela e a partir dela, nos ajudar a ler e a
interpretar o mundo desconhecido. Tornou-se nómada entre livros e bibliotecas, onde se
deleitava como guia na arte de viajar entre esses labirintos infinitos de informação e de
conhecimento. Esta viagem, como qualquer debate ou conversa, era pretexto para uma
jornada que sabíamos onde começava mas nunca imaginávamos onde nem quando
terminava. Sabemos agora, como Saramago, que “só os viajantes acabam. E mesmo estes
podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa”.
Escreveu outro poeta que “foi por um crepúsculo de vago outono que eu parti para essa

1 - Texto preparado para a sessão de apresentação do vídeo de Homenagem a António Gama, “Desenhar o mapa
do mundo desconhecido”, cujo roteiro se apresenta no final, exibido no Curso de Verão 2015, na Guarda, em 8
de Julho.

Rui Jacinto
235

viagem que nunca fiz”, palavras introdutórias tanto da desassossegada viagem nunca feita
por Fernando Pessoa como daqueles que partem em demanda de mundos nunca dantes
navegados: “Eu não parti de um porto conhecido. Nem hoje sei que porto era, porque ainda
nunca lá estive. Também, igualmente, o propósito ritual da minha viagem era ir em demanda
de portos inexistentes – portos que fossem apenas o entrar-para-portos; enseadas esquecidas
de rios, estreitos entre cidades irrepreensivelmente irreais” (Livro do Desassossego).
Os andarilhos, enquanto se desdobram em múltiplas itinerâncias, pela vida e pelo mundo,
adquirem competências que melhor exprimirem sentimentos e motivações, como Vinicius de
Moraes naquele soneto que descreve uma poética viagem: “De manhã escureço / De dia
tardo / De tarde anoiteço / De noite ardo. // A oeste a morte / Contra quem vivo / Do sul cativo
/ O este é meu norte. // Outros que contem / Passo por passo: / Eu morro ontem // Nasço
amanhã / Ando onde há espaço: / - Meu tempo é quando”.
. Geografia e viagem: das errâncias virtuais às paisagens reais. As primeiras viagens
de António Gama terão sido a partir de histórias infantis, a avaliar pela referência frequente
que fazia a Antoine de Saint-Exupery ou a Júlio Verne, evidenciando uma afinidade cúmplice
com o nosso Mestre Alfredo Fernandes Martins. Na companhia daqueles autores e dos
personagens que protagonizavam tão imaginárias e fantásticas viagens, como as propostas
em O Principezinho (1943) ou A Volta ao Mundo em Oitenta Dias (1873), foi introduzido
nesse modo peculiar de viajar enquanto despontava o gosto insaciável pela leitura e uma
paixão ilimitada pelos livros.
Na sua aparente simplicidade, O Principezinho encerra uma geografia carregada de
simbolismo, potenciado pela pluralidade e perfil de personagens tão díspares quanto o
contador, o rei, a raposa, a rosa, a serpente ou o geógrafo. No planeta do velho solitário, do
tamanho de uma casa, a nossa casa comum, existiam três vulcões, dois ativos e um extinto,
e uma flor cuja beleza é proporcional ao seu orgulho. É este orgulho que, ao romper a
tranquilidade do mundo do pequeno príncipe, motiva a viagem que o traz à Terra para, a
partir dos vários personagens que encontra, repensar o que é realmente importante na vida.
Ao renunciarmos à criança que fomos e que nunca deixará de residir em nós, assumimos o
equívoco de alguns julgamentos, abdicamos de certos valores que só aprofundam o nosso
isolamento e solidão.
Cinco semanas em balão (1862), primeiro grande sucesso de Júlio Verne, é o relato duma
suposta viagem a África pelo ar: os detalhes sobre animais, cultura, coordenadas geográficas,
etc., que condimentam o enredo, ainda despertam no leitor a curiosidade de saber se o
relato é verídico ou ficção, pois, na verdade, nunca esteve em África nem viajou de balão.
Com uma obra de mais de 100 títulos, vertidos em 148 línguas, Júlio Verne conseguiu a
proeza de ser o autor, segundo a UNESCO, mais traduzido, demonstrando uma capacidade
invulgar de imaginação e pesquisa. Entre a sua vasta produção literária encontramos livros
que nos remetem para temas afins dos geográficos2 ou relacionados com a viagem (A Volta
ao Mundo em Oitenta Dias, 1872; Viagem ao Centro da Terra, 1864; Vinte Mil Léguas
Submarinas, 1870).
Anteriormente, Xavier de Maistre, quando publicou Viagem à Volta do Meu Quarto (1794),
reincidindo mais tarde com Expedição Noturna à Volta do Meu Quarto (1825), provou que
existem outras possibilidades de viajar e evasão. Escreveu, então, que “quando viajo no meu
quarto, raramente percorro uma linha recta: vou da mesa até um quadro que está colocado
a um canto; daí parto em diagonal até à porta; mas ainda que, ao partir, a minha intenção
seja a de me dirigir para lá, se encontro a poltrona no caminho não estou com cerimónias e
instalo-me de imediato nela.” A prática deste tipo de viagem, circunscrita no espaço, ideal
para pobres, enfermos e preguiçosos, pode contribuir para uma certa felicidade.
A geografia implícita nestes universos imaginários ajuda a contextualizar e contemplar
o mundo real com outro olhar. Viagens como estas, virtuais, lúdicas ou de mera evasão,
podem anteceder e complementar, tantas vezes, as realizadas pelos geógrafos para observar,

2 - De entre os demais destacaremos: Da Terra à Lua, 1865; À roda da Lua, 1869; Os conquistadores, 1870; Uma
cidade flutuante, 1871; A ilha misteriosa, 1875; História das grandes viagens e dos grandes viajantes, 1878; A
estrela do Sul, 1884; Norte contra Sul, 1887; O caminho da França, 1887; Dois anos de férias, 1888; A esfinge
dos gelos, 1895; O senhor do mundo, 1904; A Aldeia Aérea, 1901; A invasão do Mar, 1905.

António Gama: viagem, mapas, memória
236

descrever e analisar as paisagens naturais ou antropizadas. Estas abordagens, começam quase
sempre num qualquer livro, têm nos pontos altos locais privilegiados de observação. Lugares
de excelência para este fim, os Miradouros permitem alcançar horizontes rasgados e obter
imagens amplas que os transforma em verdadeiros Centros de Interpretação da Paisagem,
a céu aberto, low cost, sem custo para o observador. Talvez seja esta a razão que levou
a abandonar e desvalorizar os miradouros a favor de centros construídos de raiz, espaços
fechados, pagos e equipados com uma parafernália tecnológica, que nem sempre facilita a
compreensão ou a aquisição de conhecimentos.
A crescente demanda de paisagens virtuais, imaginárias, simbólicas e ficcionais não levou
António Gama a abdicar de ser um geógrafo comprometido com as paisagens reais que
os espaços amplos e abertos proporcionam. Admirador confesso de Claude Levy Strauss,
entendia que o titulo que o autor deu à primeira parte de Tristes Trópicos - o fim das viagens
-, não passava de mera metáfora. Viajante incansável, nas viagens de trabalho de campo ou
nas viagens de estudo que orientava, sempre se fazia acompanhar duma máquina fotográfica,
captando imagens de aspetos que lhe prendiam o olhar. A importância que atribuía à imagem
era equivalente ao significado que granjeou na geografia, que passa pela fotografia e o
cinema como por outros modos de expressão visual, que podem ir da cartografia à pintura.
O convívio com António Gama dava acesso ao vasto património que laboriosamente
acumulou e que partilhava com generosidade, fosse na sala de aula, nos Cursos de Verão ou
à mesa de qualquer café. Ao reler a Teoria da viagem. A poética da Geografia (Michel Onfray)
apercebemo-nos da sua crença que a teoria da geografia, que tão bem dominava, também
se pode construir e perspetivar a partir duma poética da viagem.
. Literaturas nómadas: ler e andar, ver e conhecer. Pioneiro em Portugal de estudos
sobre a geografia do lazer, António Gama entendia o ócio, como Dumazedier, definido a
partir do descanso, do divertimento e do desenvolvimento (três D’s). Dava relevo à evasão/
compensação entendida “como fuga imaginária ou efetiva da realidade da vida”, sempre
constrangedora e penosa, em que um dos contrapontos é o passeio no campo, ócio físico e
ativo que enaltece o convívio com os espaços livres (Gama, 1992).
Afirmou-se como um bom viajante nas várias modalidades, fossem viagens reais, virtuais,
imaginárias ou literárias. A viagem nasce connosco, como o pecado original ou o contraído
por Caim, sedentário agricultor que nutria uma inveja cega contra o irmão, Abel, por este
exibir o espírito livre que é apanágio dos pastores e demais nómadas. O castigo divino
que puniu o primeiro fratricida penitenciou Caim a uma errância que está na génese da
viagem. Ao longo dos tempos, muitas lhe haviam de suceder, reais e imaginárias, míticas ou
fantasiosas, como testemunha a literatura universal: a Odisseia de Homero, as Histórias de
Heródoto, a Geografia de Ptolomeu ou As Viagens de Marco Pólo (1271), empreendidas pelo
jovem mercador, em plena Idade Média, quando percorreu a Rota de Seda até à China.
Este mesmo itinerário havia de ser percorrido, de vários modos, vezes sem conta: Paul
Pelliot explorou os oásis da Ásia Central, entre 1906 e 1908, que marcavam as etapas da
rota da seda, enquanto Italo Calvino, mais tarde, a revisita em uma metafórica viagem que
intitulou As cidade invisíveis (1972). Entre os múltiplos roteiros que foram sendo escritos
ao longo da história destacaremos alguns clássicos: o Códice Calixtino, manuscrito do
século XII, com iluminuras, compilando textos de diferentes autores, que serviu de guia ao
peregrino ou ao virtual viajante pelo Caminho de Santiago; a Carta de Pêro Vaz de Caminha,
relatando ao rei D. Manuel I a viagem e as impressões do achamento da terra que se viria
a chamar Brasil, datada de Porto Seguro, onde a frota de Cabral aportou em 1 de Maio de
1500; a Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto, e os Lusíadas, de Luís de Camões, relatos da
saga empreendida pelos portugueses, quando deram início a uma errância que ainda não
terminou, como atesta o persistente e cíclico recrudescimento do êxodo emigratório.
Num outro registo, posteriormente, vão surgir As Viagens de Gulliver (Jonathan Swift,
1726), intituladas oficialmente Travels into Several Remote Nations of the World. In Four
Parts, antecipando as explorações e as viagens científicas do século XIX. Entre estes relatos,
onde se casa literatura e ciência, merece destaque A Viagem do Beagle, publicada por
Charles Darwin, em 1839, Diário e Anotações duma viagem que foi, porventura, a mais
famosa e frutuosa. As memórias e observações, detalhadas e minuciosas, do trabalho de
campo realizado pelo naturalista ao redor do mundo, divulga a fauna, a flora, os costumes e

Rui Jacinto
237

as paisagens exóticas observadas numa jornada capital para fundamentar a teoria que havia
de formular sobre a evolução e a seleção natural.
Nesta época surgem as Sociedades de Geografia, como a de Lisboa, fundada por Luciano
Cordeiro, em 1875, principais impulsionadoras deste tipo de expedições. O patrocínio destas
iniciativas, por parte da de Lisboa como das suas congéneres, tinha o propósito implícito
de afirmar o domínio colonial. No nosso caso, tiveram mais eco as viagens realizadas por
Hermenegildo Capello e Roberto Ivens, relatadas em De Benguela às Terras de Iaca: descrição
de uma viagem na Africa Central e Ocidental (1881) e em De Angola á contra-costa:
descripção de uma viagem atravez do continente africano (1886). Ainda resta, deste período
áureo, a National Geographic, cujo primeiro número foi lançado em 1888, revista de culto
para António Gama, que continuava militantemente a comprar, ler e emprestar a publicação
oficial da National Geographic Society (NGS) americana.
Há, pois, uma literatura tocada pelo nomadismo, onde se relata uma qualquer viagem
realizada por motivos profissionais, lazer, aventureira ou impulsionada por sentimentos
românticos. A crónica e a literatura de viagens, que tiveram um forte impulso no século
XX, dispersam-se por obras e autores que respondem a todos os estilos e a todos os gostos,
de que referiremos alguns dos seus cultores: a Anatomia da errância (1997) que compila
reflexões de Bruce Chatwin, que escreveu, além de Canto Nómada (1987), Patagónia (1977),
o clássico mais consagrado deste género literário. A arte da viagem (Paul Theroux, 2012) e A
arte de viajar (Alain de Botton, 2002) abrem outros horizontes para as infinitas possibilidades
que temos de viajar, isto é, de nos perdermos e encontrarmos enquanto deambulamos pelo
mundo.
Este género literário é tão diverso quanto os tipos de viagens e de autores que as perpetuam:
A Viagem do Oriente, escrita por Le Corbusier, O Diário de Viagem, de Alberto Camus, que
relata reflexões duma visita aos EUA e à América do Sul, em 1949, apenas publicado em
1978, contrastam com a célebre Viagem pela América, feita de mota, em 1951, por Ernesto
Che Guevara e o seu companheiro Alberto Granado. O Grande bazar ferroviário, relata uma
viagem de comboio feita por Paul Theroux, pela Europa, Oriente, Indochina, Japão e Sibéria,
explora a sensação de viajar sobre carris, enquanto pela janela desfila um rosário de estações,
pequenas cidades e uma ampla diversidade de cenários culturais e paisagísticos.
Sem uma referência à geografia literária da América Latina ficaria incompleto este
atlas que pretende compilar mapas e esboços de viagens, feitas, projetadas idealizadas ou
sonhadas pelo António Gama. O seu imaginário tinha no cume a geografia fictícia que emana
do realismo fantástico de Gabriel Garcia Marquez, cujo território se localiza algures entre
as margens do Mar das Caraíbas e as regiões mais remotas do continente Sul-americano,
ilhas dum imenso arquipélago que o autor concebia ser governado por um general ancião e
ditador, tendo como pontos cardiais a Crónica de uma morte anunciada, O amor nos tempos
de cólera, Cem Anos de Solidão ou A última viagem do navio fantasma.
A geografia implícita a este tipo de literatura, que se define na confluência entre
realidade e fantasia, permite viajar por territórios ausentes, distantes, desconhecidos que
nunca ousaríamos visitar. Este périplo não dispensa uma referência a Ernest Hemingway
e a William Somerset Maugham3, como às suas Histórias dos Mares do Sul (1936), obra
lendária, igualmente cara ao Mestre Alfredo Fernandes Martins e à geração coimbrã sua
contemporânea. Estas referências mergulham na mais antiga tradição geográfica, que
necessitava da viagem e dos roteiros para obter informação imprescindíveis ao desenho de
mapas e à descrição de lugares, regiões, países. A geografia é herdeira dum vasto património
acumulado por grandes exploradores durante as viagens que fizeram. Lembremos apenas
os contributos de Alexandre de Humboldt, que viajou pela América Latina, e de Vidal de la
Blache, que consagrava as suas férias a percorrer de comboio e a pé, a França e os países
vizinhos, com “a vontade de melhor formar os franceses e os fazer compreender o mundo
através da prática do terreno e do conhecimento da geografia”, engajamento que ajuda a

3 - William Somerset Maugham (1874-1965) foi um dos “escritores de viagem” que mais se destacaram entre
as duas guerras. Além de Histórias dos Mares do Sul tem entre a sua vasta bibliografia obras como Cavalheiro de
Salão: Crónica de uma Jornada de Rangun a Hai Phong (1930), Meu Diário de Guerra (1940) e O Fio da Navalha
(1944).

António Gama: viagem, mapas, memória
238

construir tanto o cidadão como o geógrafo 4.
. Viagem sem fronteiras: da mátria Beira aos confins da geografia lusófona. São
muitas e variadas as motivações e as formas de viajar, porque “tudo é viagem. É viagem o
que está à vista e o que se esconde, é viagem o que se toca e o que se adivinha, é viagem o
estrondo das águas caindo e esta subtil dormência que envolve os montes” (José Saramago,
Viagem a Portugal). A viagem de afetos que estamos a seguir, na peugada de António Gama,
pretende ser fiel ao seu espirito e feita ao sabor do seu imaginário.
Nesta senda, a caminhada ficaria incompleta sem uma incursão, mesmo que breve,
pela geografia de aquém e além-fronteiras, da Beira maternal à mais remota região dum
qualquer país de língua portuguesa. A viagem e o trabalho de campo despertam curiosidade
e desejo, proporcionam experiencias solitárias ou de grupo como são as excursões caras aos
geógrafos. Ambas têm os seus rituais e constrangimentos, exigem uma complexa logística
para apoiar o viajante no transporte, na alimentação e no repouso, pois o verdadeiro viajante,
além dos registos que tem de fazer para memória futura, escritos ou fotográficos, precisa de
ir acompanhado de livros e de mapas que o orientem na caminhada.
Ainda tenho bem vivas algumas viagens que partilhamos, desde o inicio dos longínquos
anos 70, ao redor da nossa casa, para observar as superfícies aplanadas dos tufos calcários
de Condeixa, interpretar os cortes que expuseram tufos e travertinos nas vertentes talhadas
pelas ribeiras ou apanhar poejo, no cume de algumas serras calcárias (Pega, p. ex.), localizadas
no extremo norte do Maciço de Sicó. Efetuamos duas viagens de estudo que ficaram
célebres, tendo por timoneiro o Professor Alfredo Fernandes Martins: em 1974, nos dias
que antecederam o 25 de Abril, ao Maciço Calcário Extremenho e, no ano seguinte, à Beira
Interior, que teve como pontos altos foram, as aulas magistrais, in loco, sobre os acidentes
geomorfológicos da Beira Baixa. Foi assim na captura da Bazágueda, na epignia do Ponsul,
no inselberg de Monsanto, aonde acabamos por não subir, pois, uma vez na Relva, porque
estávamos em trabalho e não em turismo, continuamos jornada.
Além de algumas incursões no Pinhal Interior, passamos a fazer anualmente as Rotas
Ibéricas, viagens de estudo transfronteiriças, integradas no Curso de Verão, organizado pelo
CEI, onde António Gama era um dos coordenadores e grande ativista. Retenho ainda duas
outras viagens memoráveis: a que organizou à Área Metropolitana de Lisboa e à Área de
Influencia de Évora, em 1975, sob orientação do Professor Jorge Gaspar; a grande viagem,
feita em 2011, que teve o significado de uma viagem de despedida, a algumas ilhas de Cabo
Verde, onde nos deslocamos a lugares tão improváveis quanto Pedra Lume, na Ilha do Sal,
Chão Bom, em Santiago, Monte Verde, em S. Vicente, ou Chã de Igreja, nos confins de Santo
Antão.
Não existe um modo único de viajar e cada viajante deve desenhar o seu próprio
itinerário, abordagem que exige preparação aturada, como era timbre de António Gama,
que se munia de minuciosa e sofisticada bibliografia, informação geográfica, guias e outros
relatos de viagem. No plano doméstico não dispensava dois clássicos obrigatórios: os vários
Guias de Portugal, ideia visionária de Raul Proença, que lançou o primeiro volume em 1924
dedicado a Lisboa e Arredores, saindo o segundo, em 1927, sobre a Estremadura, o Alentejo
e o Algarve; os Livros Guia das excursões realizadas durante o Congresso Internacional
Geografia, realizado em Lisboa, em 1949 5. Qualquer saída para Portugal Central, Centro
Litoral ou Maciço Calcário Estremenho continua a exigir uma leitura destes guias elaborados
por Orlando Ribeiro e Alfredo Fernandes Martins. António Gama recorria com frequência ao
Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico, escrito por Orlando Ribeiro, editado em Coimbra, em
1945, sobre a qual deixou um longo testemunho, como se fosse a sua última lição.
Não dispensava, complementarmente, as perspetivas particulares e as visões de conjunto
do país formuladas por Miguel Torga (Portugal, 1950) e José Saramago (Viagem a Portugal,
1983). A importância da viagem para este último autor está patente nos títulos de obras
4 - Paul Claval (2013) - Le rôle du terrain en géographie. [O papel do trabalho de campo na geografia, das epistemologias da curiosidade às do desejo], Confins, 17.
5 - Orlando Ribeiro - Le Portugal Central, Livro Guia da Excursão “C” do Congresso Internacional de Geografia,
Lisboa, U. G. I., reeditado pelo C. E. G., Lisboa, 1982, 180 p.
Alfredo Fernandes Martins - Le Centre Littoral et le Massif Calcaire d’Estremadura, Livro Guia da Eexcursão “B”
do Congresso Internacional de Geografia, Lisboa, U. G. I., 1949, 109 p.

Rui Jacinto
239

como A bagagem do viajante, 1973 e, além da referida Viagem a Portugal (1983), de A
viagem do elefante (2008), para não falar de A jangada de pedra (1986), que não deixa de
ser uma imaginária e intrigante viagem. O simbólico afastamento da Península da Europa
além Pirenéus acaba por ser rematado com a simétrica A viagem do elefante, que pode
representar, também no plano igualmente simbólico, o regresso do filho pródigo à casa
europeia. Falar de viagem adquire, em qualquer caso, o duplo sentido de ida e volta, de
partida e de regresso, tão presente no sentimento insular, eloquentemente captado pelo
poeta cabo-verdiano Eugénio Tavares, o primeiro a escrever na sua língua materna, quando
escreveu no seguinte verso: Si ka badu, ka ta biradu (Para se regressar tem de se partir).
Ao longo dos anos nunca deixamos de falar de viagens e de guias que nos habilitariam
visitar com proveito outros lugares, regiões, países, desde Lisboa: o que o turista deve ver,
guia turístico escrito propositadamente em inglês, em torno de 1925, por Fernando Pessoa),
Guia de Ouro Preto (Manuel Bandeira, 1938), Bahia de Todos os Santos (1944) ou Pensageiro
frequente (Mia Couto, 2010). O irresistível apelo do mar, que nos tornou pioneiros da
globalização, deu-nos o incontido desejo de aventura e evasão, que continua a proporcionar
obras como Uma viagem à Índia (2010), na versão de Gonçalo M. Tavares, a procura do Sul
(1998; Miguel Sousa Tavares) ou Baía dos Tigres (1999), relato da viagem de Pedro Rosa
Mendes, da costa à contracosta africana.
Estas viagens literárias são diálogos infinitos: Stefan Zweig, grande viajante, por vontade
mas, também, por necessidade de refúgio e exílio, apresenta na sua vasta obra títulos como
Viagens - Paisagens e cidades (1919), além dum premonitório Brasil, País do Futuro, ensaio
que publicou em 1941. Sobre este país, numa carta que remeteu da Bahia a seus cunhados,
faz a seguinte descrição do Brasil: “Você não pode imaginar o que significa ver este país que
ainda não foi estragado por turistas e tão interessante - hoje estive nas cabanas dos pobres
que vivem aqui com praticamente nada (as bananas e mandiocas estão crescendo em volta)
e as crianças se desenvolvem como se estivessem no Paraíso”.
As geografias literárias da lusofonia continuam por desbravar, apesar de tentativas
feitas por, entre outros, Vitorino Nemésio (Caatinga e Terra Caída. Viagens no Nordeste
e no Amazonas, 1968) ou Agustina Bessa Luís (Breviário do Brasil, 2012), que nos deram
interessantes olhares do Brasil. Ou o abraço entre a savana e os sertões, promovido por Ruy
Duarte de Carvalho, quando lança o seu olhar africano, em Desmedida, crónica do Brasil.
Luanda - S. Paulo - S. Francisco e volta (2006), sobre o Grande Sertão: Veredas, de Guimarães
Rosa. Estas geografias íntimas são um campo a explorar, sobretudo os seus redutos mais
recônditos escondidos entre sertões, savanas e charnecas.
Territórios que confirmam esta sonhada e interminável viagem …

António Gama: viagem, mapas, memória
240

Desenhar o mapa do mundo desconhecido6
António Gama Mendes
(30.12.1948 - 31.12.2014)

Uma pérola de melancolia
desce levemente o rosto da saudade
Podes agora espreguiçar-te nos mapas,
para que a Terra seja todos os caminhos
e se colha nos outonos o mistério da esperança
e tudo nasça de novo sem limites
(Rui Namorado)

Uma “certa tradição geográfica”: António Gama, um geógrafo peculiar, um
heterodoxo inconformado
“António Gama faz parte de uma geração de charneira. Filhos do maio de 68, bafejados
pela Primavera Marcelista e protagonistas do período pós-25 de abril, muitos dessa geração
contribuíram, de modo voluntarioso e empenhado, para abrir a ciência, então vista como
necessariamente neutra, à política, bem como a academia, ainda por muitos encarada como
uma torre de marfim, à sociedade” (João Ferrão, 2015).
“Culto, dotado de uma inesgotável curiosidade científica, crente numa Geografia
grandiosa, mas sem um perímetro bem delimitado. (…) Esta é a memória que guardo de
António Gama, um académico utópico que sonhava com um estudo geral aberto às gentes
e aos territórios, livre de correrias, burocracias e carreiras” (Jorge Gaspar, 2015).
“Heterodoxo inconformado, olhava com igual desconfiança a híper especialização acrítica
que viu alastrar à sua volta, quase sempre tão redutora e estreita quanto as demais ortodoxias
que, dogmaticamente, tentam impor um pensamento único ou confinar o conhecimento
às estritas fronteiras disciplinares” (R. Jacinto; F. Cravidão; A. Campar; N. Santos; L.Cunha,
2015).

António Gama: apontamentos de um legado, fragmentos de uma obra
“O António Gama deixou-nos excelentes textos, exaltantes discussões, críticas
rigorosas” [Jorge Gaspar].
Teoria da Geografia. “A questão da diferenciação em campos analíticos distintos entre
o indivíduo e a sociedade, entre o micro e o macro ou o local e o global, deixa de ter o mesmo
sentido, porque cada vez mais estas questões são vistas de um modo em que se privilegiam
as interrelações, recorrendo a conceitos mediadores” (António Gama, 1998).
Geomorfologia. “E a sedução vem tanto no plano metodológico, na confrontação
duma teoria como uma prática, como no epistemológico, numa exegese de prática-teoria
na busca de rigor no discurso em geomorfologia, ao enfrentar um tema em que as formas
de erosão e as formas de acumulação quaternária estão interdependentes e toma uma
amplitude paralela no conjunto da problemática” (António Gama, 1974).
6 - Guião do vídeo de homenagem de reconhecimento pela colaboração desinteressada, generosa e solidária
prestada por António Gama ao Centro de Estudos Ibéricos. (XV Curso de Verão, Sala Tempo e Poesia, Biblioteca
Municipal Eduardo Lourenço. Guarda, 8 de Julho de 2015).

Rui Jacinto
241

Geopolítica. “Houve tempo em que a água era considerada genericamente um bem
livre. (…) A água, como qualquer recurso, tornou-se por consequência fulcro das relações de
poder e geradora de conflitos, tornando o seu controlo e a sua posse, seja de rios, lagos, ou
reservas subterrâneas, uma questão fundamentalmente política, e, portanto, de geopolítica”
(António Gama, 2006: 43-59).
Cidade, moderna urbanização e seus paradoxos. A cidade aparece assim, desde a
sua origem, como um lugar emblemático de poder. Poder que se inscreve sobre os corpos
e sobre os espaços de modo a organizar as populações e os recursos que fazem parte dos
territórios e dos quais são artífices. A cidade, surge por isso como uma obra humana, marcada
numa primeira análise como um regulador económico das pessoas e das riquezas” (António
Gama, 2012: 20, 83-94).
“Os espaços sociais e económicos que constituem as cidades estão atravessados por
contradições e conflitos de apropriação. De utilização e de avaliação que os grupos sociais
fazem do espaço e que se expressam na segregação dos usos, nas formas residenciais e nos
diferentes tipos de desigualdades sociais. À nova ordem social também corresponderá uma
ordem espacial, medida ou imposta pelos poderes instituídos e organizadores dessa ordem,
com configurações de geometria variável” (António Gama, 2013; 133-135).
António Gama e o CEI: uma geografia de cumplicidades e afetos
Saíste da vida como se fosses viajar,
levando discretamente a mala dos sonhos
no arrepio da imaginação.
(Rui Namorado)

Nota técnica*
Desenhar o mapa do mundo desconhecido
[Excerto de A Biblioteca do Geógrafo de Jon Fasman, Gótica, 2006.]
Organização e Montagem
António Freixo
Voz
Inês Patrão
Citações
Homenagem a um amigo. / Boa viagem, António Gama. [Poema de Rui Namorado - 2 de janeiro de 2015]
Testemunhos (in Finisterra, nº 99, 2015)
António Gama: um Geógrafo Peculiar (João Ferrão).
Um geógrafo inquieto, um heterodoxo inconformado (Rui Jacinto; Fernanda Cravidão; António Campar de Almeida;
Norberto Santos; Lúcio Cunha).
António Gama ou uma “certa tradição geográfica” (Jorge Gaspar).
António Gama: fragmentos da obra
1974 – Os tufos de Condeixa. A morfologia da área dos tufos de Condeixa.
1998 - Escalas, Representação e Acção Social. Cadernos de Geografia, 17, Coimbra.
2006 - A água: uma questão geopolítica. In O Interior Raiano do Cento de Portugal – Outras Fronteiras Novos
Intercâmbios. CEI, Iberografias, 8, 43-59.
2012 - A cidade e a moderna urbanização: discursos, modelos e novas lógicas de organização espacial. CEI,
Iberografias, 20, 83-94.
2013 - As cidades e os processos de urbanização. Transversalidades. Fotografia sem fronteiras. Guarda: Centro de
Estudos Ibéricos, 133-135.
Vídeo
Cedido por B’lizzard.
Fotografias
Rui Jacinto, Luísa Ferreira, Lúcio Cunha, Arquivo do CEI / Arménio Bernardo, António Freixo.
Musica
Jesus Fernandes, Alone; Geraldo Vandré (1968) - “Pra não dizer que não falei das flores” / “Caminhando”.

https://vimeo.com/137154099

242

243

Prémio Eduardo Lourenço
[XI Edição | 2015]

Prémio Eduardo Lourenço

Prémio Eduardo Lourenço
244

Agustina Bessa-Luís:
breve perfil

Maria Agustina Ferreira Teixeira Bessa, celebrizada pelo pseudónimo literário Agustina BessaLuís, nasceu em 1922, em Vila Meã, Amarante. Talvez esta aproximação ao Douro da sua infância,
que levou consigo mais tarde se instalou no Porto, tenha sido determinante como pano de fundo
para a maior parte dos seus romances.
Agustina, que cedo demonstrou interesse pela Literatura Portuguesa e Inglesa em particular,
obteve um lugar de destaque quando publicou A Sibila, em 1954. Esta obra, estudada durante
décadas em escolas e universidades, constituiu um enorme sucesso e abriu-lhe portas para o reconhecimento público da sua grandiosa carreira literária.
Se muitos foram os romances que escreveu, não podem ser esquecidas as peças de teatro,
as biografias, as crónicas, os ensaios, testemunhos de um corpus literário diversificado. A ligação
ao cinema e ao teatro associam-na a nomes como Manoel de Oliveira, que adaptou ao cinema e
ao teatro muitas das suas obras, e Filipe La Féria, que adaptou e encenou As Fúrias para o Teatro
Nacional D. Maria II. Foi deste mesmo Teatro que foi Diretora entre 1990 e 1993.
A obra da Escritora tem uma projeção internacional de relevo, estando traduzida em várias
línguas. A acompanhar esta projeção internacional da sua escrita, Agustina foi membro do Conselho Diretivo da Comunitá Europea degli Scrittori (Roma, 1961-1962), e é membro da Academie
Européenne des Sciences, des Arts et des Lettres (Paris) e da Academia Brasileira de Letras. Foi
distinguida com o grau de «Officier de lÓrdre des Arts et des Lettres», atribuído pelo Governo
Francês em 1989, e com o Grau-Oficial da Ordem Militar de Santiago de Espanha, em 1981, tendo recebido ainda a Grã-Cruz da mesma Ordem, em 2006.
Para além destas distinções, a obra de Agustina Bessa-Luís obteve importantes prémios literários nacionais e internacionais.
O Júri decidiu atribuir o Prémio a Agustina Bessa-Luís em reconhecimento da sua grande
projeção nacional e internacional, expoente máximo da cultura portuguesa e ibérica, e valorizou
na sua obra a profunda consonância com a grande tradição cultural ibérica, capaz de integrar e
compreender Cervantes e Fernão Mendes Pinto, Nuno Gonçalves e Vélasquez.
O Prémio anual, que tem o nome do ensaísta Eduardo Lourenço, mentor e diretor honorífico
do CEI, destina-se a galardoar personalidades ou instituições com intervenção relevante no âmbito
da cultura, cidadania e cooperação ibéricas.
Para além do Vereador da Educação, Cultura e Turismo da Câmara da Guarda, Prof. Doutor
Victor Amaral, o júri que decidiu a atribuição do Prémio Eduardo Lourenço 2015, era formado por
João Gabriel Silva, Reitor da Universidade de Coimbra, María Ángeles Serrano, Vice-Reitora da
Universidade de Salamanca, Valentín Cabero e Fernando Rodríguez de la Flor, professores da Universidade de Salamanca, Manuel Santos Rosa e Pedro Pita, professores da Universidade de Coimbra, e por mais três personalidades convidadas: Santos Justo e Pedro Bingre do Amaral (indicados
pela Universidade de Coimbra) e José Luis Puerto (indicado pela Universidade de Salamanca).
A sessão solene de entrega do galardão teve lugar, na Guarda, no dia 3 de julho, na Biblioteca
Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda. A cerimónia contou com a presença do Secretário de
Estado da Cultura, Dr. Jorge Barreto Xavier e do Prof. Eduardo Lourenço.

Prémio Eduardo Lourenço
245

Galeria de Galardoados
Galeria de Premiados

2004 | Maria Helena da Rocha Pereira
Catedrática jubilada da Universidade de Coimbra, Maria Helena
da Rocha Pereira desenvolveu ao longo da sua carreira uma intensa
actividade pedagógica e científica nas áreas da cultura clássica
greco-latina, cultura portuguesa e latim medieval. Foi a primeira
mulher catedrática da Universidade de Coimbra, tendo ensinado ao
longo de 40 anos e publicado mais de 300 trabalhos, entre ensaios
e traduções. Jubilada desde 1995, a especialista em culturas grega
e latina, não abandonou a vida académica, continuando a orientar mestrados, a fazer
conferências, a estudar e a escrever, estando ligada a trabalhos como a tradução completa
da “Ilíada” de Homero.
2006 | Agustín Remesal
Jornalista e correspondente da TVE (cargo que exerceu em Lisboa
de 2000 a 2004), Agustín Remensal é natural de Zamora, o que
ditou uma estreita ligação à fronteira e a Portugal, compartilhando
vivências e tradições raianas. Destacou-se pelo seu trabalho literário
e profissional ligado a Portugal e Espanha, incidindo nas culturas
e identidades fronteiriças. O documentário “La Raya Quebrada” é
uma obra de referência para a compreensão da história partilhada
entre Espanha e Portugal.

2007 | Maria João Pires
Reconhecida internacionalmente como uma exímia intérprete de
compositores do período clássico e romântico, como Mozart, Chopin,
Schubert e Beethoven, a pianista Maria João Pires percorreu – e esgotou
– as melhores salas de espectáculo do mundo. Exemplo excepcional de
como o talento português ultrapassa fronteiras, Maria João Pires é hoje
uma referência internacional. Cidadã do Mundo, defende a ideia de uma
aproximação entre Portugal e Espanha por considerar que as diferenças culturais entre os dois
países são no, no fundo, do mesmo tipo das que podem existir, por exemplo, entre a Catalunha
e a Andaluzia. Maria João Pires destacou-se pelo trabalho de cooperação e intercâmbio
cultural entre Portugal e Espanha, através do desenvolvimento de projectos comuns,
com particular realce para os que têm tido lugar na região raiana.
2008 | Ángel Campos Pámpano
Natural de Badajoz, Ángel Campos Pámpano (1957-2008)
distinguiu-se enquanto poeta, tradutor, editor e professor. Director
da revista bilingue “Espacio/Espaço Escrito”, um projecto inovador no
domínio das relações literárias entre os dois países ibéricos, traduziu
destacados poetas portugueses como Fernando Pessoa, António
Ramos Rosa, Carlos de Oliveira, Eugénio de Andrade, Sophia de Mello
Breyner Andersen, Ruy Belo e Al Berto, entre outros. Ángel Campos
Pámpano interpretou singularmente a Fronteira, entendendo-a como forma de comunicação
e não de separação. Em 2005 recebeu o Premio Extremadura a la Creación pelo livro
“La semilla en la nieve”. A sua obra foi recolhida em diversas antologias.

Prémio Eduardo Lourenço
246

2009 | Figueiredo Dias
Jorge Figueiredo Dias é Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de
Direito da Universidade de Coimbra. Ensinou Direito Penal, Processo Penal
e Ciência Criminal naquela Faculdade e, entre outras funções, integrou
o Conselho Científico da Faculdade de Direito de Macau e foi membro
do Conselho Científico da Faculdade de Direito da Universidade Católica
Portuguesa. Também foi presidente da Comissão de Revisão do Código Penal
e do Código de Processo Penal, membro do Conselho de Estado (1982/1986) e deputado
à Assembleia da Republica de 1976 a 1978. Personalidade incontornável da nossa ciência
jurídica nacional e internacional, Figueiredo Dias desenvolveu um trabalho relevante em
Portugal e Espanha no âmbito das ciências jurídicas e em particular no Direito Penal.
2010 | César Antonio Molina
César Antonio Molina é autor de obras de ensaio, prosa e poesia
e quando desempenhou o cargo de director do Instituto Cervantes
«intensificou a colaboração ibérica com o Instituto Camões, realizando
acções conjuntas que se viram reforçadas através do Ministério da
Cultura do Governo de Espanha». “O seu trabalho cultural a partir do
Círculo de Belas Artes de Madrid ampliou os laços peninsulares com a
criação da “Semana de Cultura Portuguesa”, referiu o júri, lembrando que “como Director
do Instituto Cervantes intensificou a colaboração ibérica com o Instituto Camões, realizando
acções conjuntas que se viram reforçadas através do Ministério da Cultura do Governo de
Espanha”. César Antonio Molina nasceu na Corunha em 1952 e é um destacado nome
das letras espanholas, na prosa, na poesia e no ensaio. Além de ter presidido ao Instituto
Cervantes e ao Círculo de Belas Artes de Madrid, ocupou a pasta da Cultura no anterior
Governo de José Luis Zapatero.
2011 | Mia Couto
Escritor, jornalista e biólogo moçambicano, António Emílio Leite
Couto nasceu em 1955, na Beira. Filho de uma família de emigrantes
portugueses chegados a Moçambique no princípio da década de
50, frequentou a escola primária na Beira e iniciou os seus estudos
de Medicina em 1971, na Universidade de Lourenço Marques
(actualmente, Maputo). Por esta altura, o regime exercia grande
pressão sobre os estudantes universitários. Ligado à luta pela independência de Moçambique,
tornou-se membro da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO). A partir do 25 de Abril
e da independência de Moçambique, interrompeu os estudos para trabalhar como jornalista.
Em 1985, ingressou na Universidade Eduardo Mondlane para se formar em Biologia. Iniciou
o seu percurso literário em 1983 com o livro “Raiz de Orvalho” (poemas). Seguiram-se,
entre outros, “Vozes Anoitecidas” (1986), livro de contos com que se estreou na ficção e
2012 | José María Martín Patino
José María Martín Patino, Escritor e Teólogo Jesuíta espanhol, foi
o galardoado com o Prémio Eduardo Lourenço 2012. Nasceu em Lumbrales (Salamanca) em 1925. Licenciado em Filosofia e doutorado em
Teologia desenvolveu uma intensa atividade de cariz social e litúrgico
em Espanha. Foi fundador e preside à Fundación Encuentro, uma reconhecida plataforma de debate de cariz independente cujo objetivo é a
análise dos principais problemas da sociedade espanhola, promovendo espaços de compreensão e consenso.Para além do protagonismo histórico e do papel que desempenhou
nos anos da transição para o regime democrático em Espanha, o júri considerou relevante
a trajetória e a atividade de Martín Patino e da Fundación Encuentro no desenvolvimento
sócio-económico e coesão territorial na ampla zona transfronteiriça entre Portugal e Espanha, nomeadamente através do projeto “Raya Duero”, iniciativa de formação e educação
nos meios rurais de baixa densidade.

Prémio Eduardo Lourenço
247

2013 | Jerónimo Pizarro
Jerónimo Pizarro, Professor de Literaturas Hispânicas e investigador
da obra de Fernando Pessoa, foi o galardoado com o Prémio Eduardo
Lourenço 2013. Cidadão da Colômbia e de Portugal, é professor da
Universidade dos Andes, titular da Cátedra de Estudos Portugueses do
Instituto Camões na Colômbia e doutor pelas Universidades de Harvard
(2008) e de Lisboa (2006), em Literaturas Hispânicas e Linguística Portuguesa. No âmbito da
Edição Crítica das Obras de Fernando Pessoa, publicadas pela INCM, já contribuiu com sete
volumes, sendo o último a primeira edição crítica de Livro do Desassossego. Em 2013, assumiu funções de comissário da presença portuguesa na Feira do Livro de Bogotá (Colômbia).
2014 | Antonio Sáez Delgado
Professor de Filologia Hispânica na Universidade de Évora, tendo-se
destacado pela tradução de grandes vultos da cultura portuguesa contemporânea como Fernando Pessoa, António Lobo Antunes, Manuel
António Pina, José Gil e Teixeira de Pascoaes, entre outros. Considerado
o especialista do Modernismo na Península Ibérica, António Sáez Delgado é um investigador raiano que cruza fronteiras há mais de uma década.

248

Intervenções na Sessão de Entrega
do Prémio Eduardo Lourenço 2015

Prémio Eduardo Lourenço
249

Álvaro dos Santos Amaro
Presidente da Câmara Municipal da Guarda

Senhor Secretário de Estado da Cultura,
Senhor Reitor da Universidade de Coimbra
Senhora Secretária Geral da Universidade de Salamanca
Senhor Professor Eduardo Lourenço
Família da Galardoada Agustina Bessa Luís
Representante do Instituto Camões
Membros do júri do Prémio Eduardo Lourenço
Sejam bem-vindos à Guarda.
É com grande satisfação que a nossa Cidade recebe nesta Biblioteca a Sessão de Entrega
do Prémio Eduardo Lourenço. É mais um momento de feliz associação entre dois nomes
maiores da Cultura portuguesa contemporânea: Eduardo Lourenço e Agustina Bessa Luís.
Saúdo, em especial, a família de Agustina, que aqui a representa, o Pro-fessor Eduardo
Lourenço, e os representantes das Universidades de Coimbra e de Salamanca e do Instituto
Politécnico da Guarda, parceiros da Câmara Municipal da Guarda neste projecto de Cultura
e Cooperação que é o Centro de Estudos Ibéricos.
Uma saudação muito especial ao Senhor Secretário de Estado da Cultura que, em nome
do Governo da República, nos honra com a sua presença nesta que também é a sua terra.
Ilustres convidados,
Minhas Senhoras e Senhores,
O Prémio Eduardo Lourenço homenageia, em primeiro lugar, o filósofo e cidadão, o
ensaísta e o estudioso; aquele que, como raros, pensa Portugal, a Europa e o Mundo.
Eduardo Lourenço é um dos nossos, beirão e raiano. Um D. Quixote Ibérico, como se
lhe referiu o galardoado anterior, António Sáez Delgado, há exactamente um ano nesta
mesma sala: “Um Quixote que sabe olhar para o mundo e lê-lo com a lúcida simplicidade e
inteligente ironia herdeira do melhor espírito de Sancho Pança”. Um intelectual ibérico que é
um embaixador reconhecido da nossa Cultura e dos nossos valores.
Bem-haja, Senhor Professor Eduardo Lourenço, pela ideia, pelo incentivo e pela amizade.
Bem-haja pelo desafio para que “a mais lusitana das fronteiras” se convertesse “na mais
ibérica e dialogante das terras”.
O Prémio que hoje atribuímos tem galardoado personalidades com in-tervenção relevante
no âmbito da Cultura, da cidadania e da cooperação inspiradas no espaço ibérico.
Este ano o júri decidiu – por amplo consenso – distinguir a escritora Agustina Bessa Luís.
É para mim uma enorme honra, enquanto Presidente da Câmara Mu-nicipal da Guarda e
em nome da Direção do Centro de Estudos Ibéricos – que partilho com os Senhores Reitores
das Universidades de Coimbra e de Salamanca –, fazer a entrega deste prémio à sua família.
Estando retirada da vida pública – por compreensíveis razões de saúde – a galardoada está,
assim, simbolicamente, hoje connosco.
Agustina é uma figura referencial da literatura portuguesa e um expoente da cultura
ibérica, que inspirou diferentes gerações de leitores, escritores e ensaístas.
Mas é, também, o símbolo desta multi-pertença que nos leva desenhar traços de união
onde outros vêm fronteiras. Pertence ao Minho, onde nasceu. Pertence ao Douro, de onde
era o pai. Pertence a Zamora e à nossa vizinha Castela e Leão, de onde era a mãe. Pertence
a Coimbra, onde escreveu as primeiras obras. Pertence ao Porto, onde se afirmou como
romancista. Pertence a toda a parte, onde a lemos e admiramos. Onde nos entra pelos
sentidos essa “indomável” escrita, paradoxal e surpreendente, como tão bem a caracteriza
Eduardo Lourenço.
Agustina é – e permita-me que o cite de novo, Senhor Professor – a nossa “romancista-

Prémio Eduardo Lourenço
250

mor”, que nos oferece uma obra “torrencial e fulgurante”.
Mas acerca da vida e da obra da galardoada, ouviremos com a maior atenção a Senhora
Professora Anamaria Filizola. Contudo, não quero deixar de sublinhar mais esta escolha feliz
do júri do Prémio Eduardo Lourenço, por distinguir, mais uma vez, uma figura de tão singular
talento na escrita, na interpretação humanista e promoção da Cultura de raízes ibéricas.
Uma vez mais, nesta Cidade mais alta, atingimos o topo.
Temos, por isso, o desafio renovado de fazer mais e melhor.
E neste repto, para qual todos estamos convocados, devemos também fazer uma reflexão
acerca do futuro deste Prémio e do seu mais nobre objectivo, que é a homenagem desta
Terra ao seu ilustre pensador.
Guilherme de Oliveira Martins disse aqui, noutra ocasião, que “Eduardo Lourenço pensa
Portugal como vontade e como comunidade plural de destinos e valores, pondo em diálogo
os mitos e a razão e procurando afastar a maldição do atraso”.
A “maldição do atraso” não pode ser o destino ou a fatalidade destas terras raianas
separadas por uma fronteira agora imaginária.
Falar de coesão territorial hoje pressupõe que a união e o desenvolvimento das regiões
de fronteira dos dois países prossiga através de valores imateriais como os séculos de História
partilhada, as vivências em comum e as cumplicidades, mas também através de estratégias
concertadas de desenvolvimento.
Desta cidade de fronteira lutaremos pelo progresso e pela coesão dos territórios que são
de baixa densidade mas têm – ou temos que o descobrir – um elevado potencial.
Não quererá Eduardo Lourenço associar-se a esta batalha contra a “maldição do atraso”?
Não poderá o Prémio com o seu nome incentivar e distinguir, também, aqueles que nos
ajudam a pensar e a concretizar estratégias de progresso?
Deixo aqui este desafio aos Senhores Reitores das Universidades de Coimbra e Salamanca
e a toda a comunidade do Centro de Estudos Ibéricos. Teremos certamente oportunidade de
pensar em conjunto e tentar conjugar as duas perspectivas: celebrar os valores consagrados
mas incentivar as novas valias, nos mais amplos campos criativos; reconhecer um percurso
mas ajudar abordagens inovadoras. Estou certo de que a ideia não desagradará ao Diretor
Honorífico do nosso Centro de Estudos Ibéricos.
Cabe-nos a tarefa maior de assumir a História e o legado dos que a fazem em cada dia,
mas de encarar o futuro com optimismo e confiança.
É um desafio que nos convoca para um trabalho persistente para que, no novo ciclo de
políticas comunitárias, aproveitemos todas as oportunidades de desenvolvimento e coesão.
O Centro de Estudos Ibéricos vai ter aqui uma importante e reforçada missão, na ligação
entre as instituições que o compõem, no envolvimento de novos parceiros e agentes e num
protagonismo ainda mais activo em políticas de cooperação territorial.
O CEI é uma sigla que me diz muito e quero que diga muito também à Guarda. Porque
a Cultura e o Conhecimento são uma das bases do de-senvolvimento social. E porque esta
Cidade não é interior. Desculpem-me, mas não é. Só era interior quando tínhamos fronteiras e
quando nos definíamos como “inimigos”. Tudo isso é passado longínquo. Um passado anterior
à própria ideia de Europa, que tantas interrogações nos provoca por estes dias. Não há espaço
mais europeu do que a nossa Península Ibérica. É uma espécie de Europa antes da Europa. E
nós, na Guarda, estamos no centro de tudo. No centro da distância entre Lisboa e Madrid. Na
confluência dos caminhos entre o mar e o continente. No eixo de um mundo global.
Isto somos nós, a Guarda.
Somos o cruzamento de muitos labirintos de saudades, sim.
Mas somos, também, um lugar com enorme potencial nos caminhos para o Futuro.

Prémio Eduardo Lourenço
251

Eduardo Lourenço
Director Honorífico do CEI

Agustina Bessa-Luís não é apenas uma escritora entre outras, embora das mais célebres
da Literatura Portuguesa.
Há muito que para todos aqueles que pertencem à geração a que eu também pertenço
(por contiguidade e nada mais...), Agustina Bessa-Luís foi percebida como um caso à parte
dentro da história da Literatura Portuguesa do século XX. Quando publicou a sua famosa
“Sibila” tivemos a impressão de que nada havia de comparável àquele livro, que ela, ainda
relativamente jovem, tinha escrito e que modificou a perspetiva que podemos ter sobre a
leitura – não só da literatura contemporânea, dela e daquilo que a sucede – mas de toda a
nossa Literatura.
Nestas coisas de talentos ou génios diversos do alto reconhecimento, só Agustina podia
merecer o título de génio. Agustina é, verdadeiramente, não só uma natureza genial no
sentido, no grau de imprevisibilidade, de originalidade da sua imaginação, da sua escrita,
mas também qualquer coisa ainda mais rara, uma espécie de abundância inexplicável, de
torrente indomável acerca de uma experiência ao mesmo tempo limitada como é a de cada
um de nós. Seria como se o génio da espécie e, sobretudo, o génio da própria memória da
Literatura e Língua Portuguesa, se tivesse concentrado nela e que nada pudesse realmente
inscrevê-la de uma maneira tradicional ao lado de outras, tal é a sua fulgurância, o seu
sentido das contradições profundas que são todo o destino humano. Ela não é uma filósofa,
é mais do que isso! Lembro-me que, em tempos, numa sessão dedicada a Fernando Pessoa,
no Porto, alguém passou um papelinho com a pergunta “qual é o maior poeta português?”,
que circulou nas mesas, e foi espantoso que alguém tivesse escrito “Agustina Bessa-Luís”,
que não passa por ser um poeta no sentido formal da palavra. Mas quem escreveu isso teve a
consciência muito forte do que estava pensando, a expressão que lhe convém é: um imenso
poeta, que é a categoria máxima de quem escreve.
A genialidade é a capacidade de ver para além do que nós vemos normalmente e de
confabular isso em mitos, em histórias, em evocações, em criações de figuras que são, à
primeira vista, como uma espécie de delírio sagrado. Basta lermos umas páginas de Agustina
para entrarmos nessa torrente que não tem precedentes na história da Literatura Portuguesa
e não sei quantas terá realmente no futuro... Comparando com os nossos grandes homens
de escrita do passado, não vejo melhor comparação que com o universo de António Vieira.
Para mim, estas são as duas figuras mais extraordinárias em matéria de criação propriamente
literária, porque incontrolada, e o paradoxo é que não se esperaria que fosse uma mulher
portuguesa dos meados do século XX.
Escrevi, em tempos, sobre Agustina Bessa-Luís, que ela pertence a uma constelação bem
precisa na área de onde emerge. Ela não vem das capitais, vem do norte, da parte mais
arcaica e mais profunda, historicamente falando, do nosso pequeno país e grande país. Ela
vem do norte e vem também da Ibéria. A sua personalidade, essa espécie de genialidade
torrencial, absoluta, essa espécie de génio da ficcionalidade, vem também das raízes do
sangue espanhol que corre nas suas veias. Esse sangue só tem uma encarnação maior da
nossa Península, que se chama Cervantes. Agustina é uma Cervantes, mas, ao mesmo
tempo, uma Sherazade que conta, não só a história do seu pequeno mundo, um pequeno
mundo que, como para outros grandes escritores, se torne resumo de todo o mundo porque,
efetivamente, em cada pequeno mundo a humanidade está sempre toda presente. Mas
não queria fazer mais considerações em volta do génio, porque basta ler uma página para

Prémio Eduardo Lourenço
252

perceber o que ela é. No seu último livro “O elogio do inacabado” o título diz tudo: o livro
está realmente acabado, mas é um acabado sem fim e, ao mesmo tempo, um adeus sem
fim que Agustina faz à Literatura e à sua própria vida. Uma página ou duas bastam para
que mergulhemos, sem preparação de espécie alguma, no que são os textos e a realidade
da literatura e num universo em particular que é o dela. Começo com o seu último livro,
intitulado “Homens e mulheres”: «As coisas grandiosas devem ser narradas de uma maneira
simples; as coisas mesquinhas, de uma maneira subtil. Outras há, porém, que de míseras ou
soberbas, não se lhes encontra rosto. A existência tem um móbil para cada uma das criaturas.
Não é a lei da sobrevivência que as move, nem a da autodestruição tão-pouco. São as coisas
vividas, os tempos, as mudanças. Efeitos de amor e ódio os desenharam ao natural, que é o
esmero da alma. Efeitos de amor e ódio. Como na peça de Calderón. Trata-se nesta história
duma mulher a quem a culpa não humilhou, porque fez dela a imolação ao terror dos outros.
Uma mulher que eu conheci.
Imaginai, não sei, um lugar pedregoso e feio, com carvalhas antigas plantadas entre
penedos saibrentos. Um riacho que parecia correr sobre um leito de sal borbulhava no fundo
dum verde precipício. As vides soltas pendiam dos tristes lódãos, as enxurradas abriam valas
fundas nos caminhos. Um caminho - o resto eram trilhos de mulas onde se desfilava a sinistra
processionária, a bicha dos pinheiros. Os seus novelos como que vidrados viam-se nos ramos;
elas iam através das matas, em grandes fitas aveludadas. Pareciam ser atraídas por motivo
mais poderoso que o da sobrevivência, porque transpunham os pinhais onde dispunham de
farto alimento, e não paravam nunca. O pólen amarelo que as revestia ficava no chão como
enxofre vertido. Acontecia isto na Primavera.
Por ali ficavam os moinhos. Dominavam o vale como fortalezas, como casamatas, iguais
àquelas que se vêem nos Alpes Marítimos ao lado das pontes bombardeadas que jamais
foram reconstruídas.»
E são estas passagens absolutamente imprevistas e tipicamente oníricas como se fossem
realmente pura fantasia que fazem esta mistura de hiper realismo, não é? E de sonho:
«Havia ali um pouco dessa hostilidade fracassada e sem objeto. Os moinhos pareciam
conter, em vez de mós titubeantes na sua moagem, em vez disso e de cestos feitos de silvas
e palha painça, rebeldes fuzis silenciosos. Mas eram apenas moinhos.» Depois invocando
um personagem: «Agora, retalhada a quinta, os moinhos tinham rendeiros, o Abel Seco,
homem espesso de juízo, enorme, de rosto redondo, aluado e bonito. Cem anos de vida
lenta, rochosa, sem vizinhos, fizeram-lhe a família circunspecta, de falas escassas. A solidão
dera-lhe uma candura fria, um certo espanto do olhar que arremedava o sentimento. Aos
quarenta anos Abel Seco era o homem muito perfeito de semblante grave, mais turvo do
que risonho. A mulher apagava-se muito ao lado daquele Moisés moleiro. Era franzina, de
expressão distraída por dores antigas meio esquecidas. Duas lindas filhas tinham-lhe morrido,
já moças; tinham morrido encostadas ao seu peito, compostas, tristes, mas não saudosas de
nada. Elas assim o diziam: “– Já não vou deitar as flores à Carminha, que casa em Março...”
Era como uma falta de que cada uma acusasse, a sua falta nessa manhã de bodas, com o
grupo das jocistas de blusa azul, atirando aos noivos camélias desfolhadas. O pórtico do
mosteiro romano apresentava não sei que esplendor robusto, como uma condecoração de
pedra, posta como horizonte daquele grupo absorto que posava para os retratos. (…)
Ali viveu Sousa Cardoso, mais além o Nobre, ambos contratados cedo pela morte, ambos
vagabundos envergonhados como são os portugueses de bem. E Pascoais, contrito dalgum
pecado celeste, viveu também nos próximos lugares, narrando a infância de Deus em versos
transidos de orgulho que bem personificava a humildade. Ali, ali, os ventos dobram os
ciprestes dos jardins mais mortuários do que os próprios cemitérios. O vento sibila por sob
as portas principais dos casões abandonados onde as últimas obras pressagiaram a morte
do velho amo. Fecharam-se as portadas, cresceram demasiado as guias das roseiras, os
tanques cobriram-se de lentilha verde. Morreram envenenados os molossos acorrentados,
e a sua casota apodrece com repas de palha estripadas do ninho. A casa vazia de um cão

Prémio Eduardo Lourenço
253

é mais confrangedora do que a casa fechada pelo luto. O guardião despedido ou morto
como que imprime maior deserto ao recinto outrora vigiado. Deserta de amigos, de cheiro,
de acontecimentos. Portas que nunca tinham tido cor que a elas chegasse, porque eram
abertas, de par em par. E delas se passava às cozinhas amplas e chispantes, com fornalhas
esbraseadas e lares borralhentos onde apurava a comida com uma lentidão sumarenta e
ditosa. Porém, em profundos cantos, lamentamos o êxodo das províncias, a terra que se
exige industriosa compensação deixada talvez ainda a esse amor censurado dos seus tiranos
desiludidos. É ainda a mesma e nós não. Somos os mesmos e ela não será mais igual. Algo
se decompôs, algo se dissolveu no coração da terra. Os lugares existem, as árvores, as mais
belas, foram protegidas e derramam a sua sombra escura. Mas talvez entristecêssemos, ou
perdêssemos de facto os olhos de ver, como diziam os antigos. Ou então tudo deve ser assim.
Já nos pesa o espírito para o leve cargo do passado, certos quadros perdidos onde estavam
ainda todos aqueles que amamos.»
Isto é Agustina. Não é uma página, milhares de páginas de Agustina, são iguais a esta
página. Uma página destas muitos escritores podem escrever, mas milhares destas páginas?!
Não conheço nenhum!

Transcrição do discurso do Professor Eduardo Lourenço

Prémio Eduardo Lourenço
254

Agustina ou a peste do imaginário
Anamaria Filizola1

Sinto-me honrada e feliz com o convite do Centro de Estudos Ibéricos para fazer o elogio
de Agustina Bessa-Luís, distinguida com o prémio Eduardo Lourenço. Reúnem-se na Guarda,
que tardei a visitar, dois grandes nomes da cultura portuguesa, e não por acaso. Quem
conhece a fortuna crítica da nossa autora, sabe da expressividade que aí tem o trabalho de
Eduardo Lourenço, seu leitor, crítico e admirador desde sempre.
Há dois anos, por ocasião dos noventa anos de Eduardo Lourenço apre-sentei, no Centro
de Estudos Portugueses da Universidade Federal do Paraná, onde decorreu minha carreira
de professora, o texto intitulado “Eduardo Lou-renço leitor de Agustina Bessa-Luís ou Minha
cara Agustina”, cujo final é o seguinte:
Também eu me rendo – dizia eu – às imagens encantatórias de Eduardo
Lourenço, associações enraizadas na lenda e no mito da mulher que se salva
por astúcia de saber narrar e por levar um carrinho de linhas no bolso da
túnica. E me pergunto se fui equilibrada na homenagem ao jovem e sempre
entusiasmado nonagenário ou se fiz duas justiças na mesma balança... Como
agustiniana professa, considero os ensaios laurentinos matrizes ba-silares de
posteriores trabalhos de maior fôlego sobre essa autora que Lourenço compara
a uma sarça ardente. Creio que os escritos de Lourenço são um acerto de contas:
sem precisar arregaçar as mangas e erguer os punhos, ele deixa knock out com
finura – e repito – entusiasmo, os que não leram Agustina como ele considera
que ela deveria ser lida.

Devedora de seu pensamento sobre Agustina, e não só, passo ao elogio da nossa
homenageada, que intitulo Agustina ou a peste do imaginário, e que abro com duas
epígrafes:
Os romances são a história, não do que acontece numa vida, mas do que
se evitou que acontecesse. Agustina Bessa-Luís, O romanesco em Camilo – A
enjeitada. Colóquio Letras, 54, mar. 1981.
É uma tapeçaria, mas de um género especial, aberta. (…) Bessa--Luís vai
tecendo com uma mão o que destece com a outra. Nada parece guiá-la, na
aparência, senão uma fidelidade sonâmbula à vontade de desfiar por sua própria
conta um fantástico rosário de “relações humanas”, tornadas em suas mãos
como elementos de um puzzle variável ao infinito.” (Eduardo Lourenço, Descon-certante Agustina. O Tempo e o Modo, 22, dez. 1964)
No seu Longos dias têm cem anos – Presença de Vieira da Silva, Agustina declara-se
frustrada por Vieira não lhe ter narrado uma sua ida com cinco anos a Brighton, onde assistiu
à representação de Sonho de uma noite de verão, de Shakespeare. Diz ela: “Maria Helena
contou muitas vezes as suas impressões a respeito desse encontro com o teatro feérico, com a
pintura, em suma. A mim não contou. Tenho que improvisar sobre os escombros da memória
1 Professora reformada de Literatura Portuguesa da Universidade Federal do Paraná, Brasil.

Prémio Eduardo Lourenço
255

e tirar doçura dum leão morto, que é o tema repetido” (p. 20-21). Sinto-me um pouco assim,
a “tirar doçura do leão morto, que é o tema repetido” – o elogio à romancista –, acrescido o
facto de falar na sequência do Prof. Eduardo Lourenço... que falou de Agustina!
Não tenho dúvidas de que os aqui presentes reconhecem o acerto da atribuição deste
prémio ibérico a Agustina. Limitar-me-ei, pois, a sublinhar, de maneira concisa e aleatória,
algumas razões pelas quais Agustina é hoje galardoada como a grande dama da literatura
ibérica de língua portuguesa.
Recordarei que Agustina, a comum dos mortais, não é objeto de uma unanimidade
nacional. Felizmente para ela e para nós. Nunca foi escritora de regime nem estandarte de
igreja, o que lhe permitiu ser grande sendo original. Fugiu à cartilha neorrealista e foi por
isso ostracizada. Teve obras premiadas, mas se teve desde o início o talento reconhecido,
não lhe bastaram os prémios para evitar a pecha de retrógrada ou reacionária. Todavia, se
não agradava à esquerda, também não agradava à direita. Creio ser acertado afirmar que
nunca se deixou intimidar pelo que era dito sobre sua obra. Obra de génio, mas de génio
impertinente, até irregular. E as irregularidades foram muitas vezes apontadas. O título de
um artigo de Eduardo Lourenço, “Des-concertante Agustina”, diz bem da convivência de
“suas virtudes mais raras e dos seus defeitos mais visíveis” A partir dos anos oitenta, com os
romances em que a História é dominante em maior ou menor grau, sem deixar de ser desconcertante – e lembro O mosteiro ou As adivinhas de Pedro e Inês - podemos afirmar que
cresce ou torna-se mais evidente uma cumplicidade com o público. “Sou profundamente
cúmplice da sociedade portuguesa, cúmplice das pessoas (…) na medida em que as entendo
e faço parte delas”, declara numa entrevista.
Mundo mundo vasto mundo
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução
diz o poema de Carlos Drummond de Andrade. Pois o vasto mundo cabe todo na prosa
de Agustina. Todos os seres são dignos de sua atenção. Mesmo os animais comparecem com
suas personalidades e comportamentos, como o caniche que tinha um riso homérico...
As pessoas, começando pelas mais próximas, são personagens em po-tencial: “(Meu Pai)
tinha um feitio de pura ficção porque era gentil, sen-timental, cheio de chiste e perigoso.” Cita
uma carta de Vieira da Silva que confirma o que digo: “A Agustina, com a sua imaginação,
poderá descobrir, inventar, melhor do que eu até possa dizer, aquela que eu sou” – escreveu
Maria Helena. “Com os restos daquela que eu não sou, ainda pode criar a irmã que não
tive.” Há muitas outras passagens que poderiam ser citadas. Imagino que desde sempre
tenha sido assim. Agustina nunca contou quando teve consciência disso, mas ao escrever
Mundo fechado (1948), seu primeiro romance, acredito que tenha feito um esforço para
separar o mundo de Pedro, o protagonista, do seu. Estão lá umas tias que vivem no campo,
está lá um rapaz a recuperar a saúde, a desejar a vida da cidade, tudo a evocar o Henrique de
Souselas da Morgadinha dos Canaviais, do Júlio Dinis, mas com outro fôlego. A sibila (1954)
já traz a metamorfose da ficção, e eis a família do pai retratada. Em seguida virá a da mãe,
em Os incuráveis (1956), que voltará nas Memórias laurentinas (1996), e não esqueçamos
de As pessoas felizes (1975), romance com muitos elementos autobiográficos. N´O livro de
Agustina (2000) virão as fotos de família, legendadas e comentadas com luxo de detalhes.
O enigma da origem metamorfoseada em ficção será a sua originalidade. Todos e todas
são personagens, inclusive ela própria, representada ficcionalmente, como em Germa ou
Maria, e nos textos assumidamente autobiográficos. Todavia, o discurso autobiográfico ou
da genealogia familiar em Agustina não se confundem com a autoficção em que o autor se
compraz em olhar para a sua própria alma, ou seja, para o seu próprio umbigo. A operação
agustiniana é mais complexa, pois não se esgota no comprazimento narcísico nem num
saudosismo de anos dourados, nem na comiseração de anos cinzentos. Se o real comparece,

Prémio Eduardo Lourenço
256

e comparece sempre, é porque é a vida, com dias de chuva a seguir aos dias de sol. O
“mundo mundo vasto mundo” é um vasto texto, sempre dado a ler e a ser reescrito, sempre
aberto a interpretações, inacabado, pronto a ser retomado. A vida é o que conta e o que se
conta. A singularidade de Agustina se faz presente nas obras não ficcionais, cujas ideias nos
surpreendem sempre, pois a nossa autora não se prestaria a escrever fosse o que fosse para
repetir o já dito. Pode dizer o improvável: pitonisa do verbo, não dirá o esperado.
“Ella misma es la sibila”, disse Carmen Martín Gaite em Tirando del hilo (2006) que
vê, no romance homónimo, uma história “que enlaza con la epopeya rural, con el tema
de las mujeres aparentemente sometidas pero indomables da raza galaico-portuguesa,
con lo mágico, lo intemporal y lo sagrado.” É esse parentesco que faz da autora de Os
incuráveis uma escritora ibérica, com raízes nas literaturas peninsulares que, do Amadis ao
Lazarillo e a Cervantes, e de Camilo a Valle-Inclán e à própria Martín Gaite, a quem de
novo recorro, se caracterizam pela “exuberancia de evocaciones, turbulenta e indisciplinada,
de una aportanción de versiones orales hechas por personajes tan de carne y hueso como
simbólicos”. Se a geografia literária de Agustina é ibérica, é-o privilegiadamente através do
mais ibérico dos rios portugueses, o Douro, que “cruza el corazón de roble /de Iberia y de
Castilla” (Antonio Machado). O Douro, escreve Agustina em Fanny Owen, “ficou banido
da lírica portuguesa com a sua catadura feroz pouco própria para animar os gorgeios dos
bernardins, que são sempre lamurientos e à beira de água lavam os pés e os pecados.”
Através da ficção agustiniana, na linhagem de Camilo, e frequentemente com a cumplicidade
de Manuel de Oliveira, o rio adquire o estatuto literário de que o Tejo e o Mondego sempre
se prevaleceram na lírica. As suas águas negras – lê-se em Vale Abrão –, parecem “conter
uma pilha imensa de factos, precipitados ali com o ritual dos antigos povos que deixavam
afundar-se nos lagos virgens e mancebos, e joias, e flores, não apenas como rito sacrificial,
mas sobretudo como política de construir a memória.”
Oswald de Andrade, poeta modernista brasileiro, em seu livro de memórias Um homem
sem profissão: sob as ordens de mamãe, conta que quando foi a Londres não viu Karl Marx,
concisa afirmação metafórica que explica muitas de suas opções ideológicas e formais. Nas
viagens que fez e que não fez, Agustina também não viu Marx; no entanto, sua memória
viu Nietzsche e Freud. Não cabe aqui evocar Michel Foucault, mas, grosso modo, lembremos
que os três pensadores constroem um paradigma epistemológico em que o que é dado a
conhecer não revela a sua totalidade. Em última análise, a linguagem não diz o que diz, o que
deixa para sempre o sujeito do discurso fraturado e esfíngico. Creio que ninguém aprendeu
melhor essa lição do que Agustina, que freudianamente vai enfrentando as esfinges que se
lhe aparecem sob diversas formas e nietzschenianamente pode afirmar que “só a morte da
ilusão pacifica os homens”. É uma psicologia fina, impetuosa e aforística que, se agrada e
convence a muitos, tem o dom de desagradar e irritar outros tantos. Mas é com esse método
que não é metódico que Agustina produz seus textos ímpares, e com ele lê textos alheios e
desconstrói lugares comuns que são repetidos sem cuidado. Assim, a partir dos sermões de
Santo António pôde afirmar que a iconografia que lhe é atribuída, a saber, da aparição da
Virgem com o Menino, não condiz com o seu pensamento, que Agustina considera pouco
ou nada pueril. Outro bom exemplo é Camilo, que crê mais apaixonado pela própria escrita
do que pelas muitas mulheres que frequentam a sua história de vida. Ou os medos infantis
que estariam na causa das impetuosidades de D. Sebastião que põem a perder o reino. Ou a
relação conflituosa e ambígua de António Nobre e Alberto de Oliveira, cuja separação levaria
à tuberculose de Nobre, manifestada tardiamente, e não com a precocidade que alguns leem
em seus versos. Se alguém exerce o direito ao livre pensamento, esse alguém é Agustina.
Para a escritora, a leitura é um biografema importante. A sua história pessoal está repleta
de alusões a leituras da infância, da adolescência, vida a fora. Há a avó que mantinha um livro
junto da costura e que muitas vezes chorava quando lia. Há a mãe, que lia pouco, o pai, que
lia ainda menos, a biblioteca de um tio avô, que lhe proporciona o acesso aos clássicos da
literatura universal. Nunca a leitura é desmerecida ou apontada como causa de atos alienados

Prémio Eduardo Lourenço
257

ou irresponsáveis, como faz Flaubert com Ema Bovary ou Eça com a Luizinha. “Só nos livros
eu encontrava companhia que não me obrigava a ceder,” nos conta a nossa autora. E a sua
obra nos proporciona também a certeza de não termos que ceder ao fácil ou medíocre.
Paralelamente a este aspecto da sua história de vida, há imensas referências a autores
de sua predileção, e a alguns dedicou ensaios primorosos. Detenho-me em duas passagens
que cito:
Ler A Enjeitada e chorar é uma honra que já poucos têm. Compreender a obra de Camilo
depende muito de uma experiência fatal, não exactamente empírica, e que nos marca para
as coisas extremas da existência: as paixões, afirma no ensaio “O romanesco em Camilo – A
Enjeitada”.
E afirma também, em “Dostoievski e a peste emocional”:
Não sei se hoje, uma grande corrente da juventude compreenderá Dostoievski. Ela
começa a distanciar-se do processo mental que resulta num preconceito, e a natureza, mais
ou menos destruidora do pestiferado emocional, é-lhe estranha.
Essas observações, escritas sem ressentimento de qualquer ordem nos anos oitenta,
redundam no que vai declarar numa entrevista a Carlos Vaz Marques em 2003, quando
afirma, igualmente sem ressentimento rançoso, o triunfo da contracultura. Diz então:
(…) (a contracultura) Triunfou na medida em que hoje ninguém está obrigado a ler os
grandes livros. Ninguém tem muitas razões para lê-los e pode dizê-lo muito claramente.
(…) Já não é uma falta não ter lido os gregos. Mas haverá sempre quem os leia.
Pergunto-me, com certa melancolia, se algum dia – em breve – iremos dizer como ela
disse da literatura de Dostoievski, que muito da obra de Agustina será lida “como uma
esfumaçada cena de fundo”, e acrescento, com os loucos de família, sibilas da província,
mulheres a carregar consigo o caixão do marido morto, tias a fiarem a roca...uma literatura
contaminada pela peste do imaginário de um povo, de uma época, de um país, de um
mundo. Não que esse mundo arcaico deixe de ter sentido, o grande público é que não busca
a literatura que proporciona “esse extraordinário prazer ao ler um verso espantoso e ao saber
o que é preciso para chegar a esse estado poético”, como ela diz. O mundo do fuso e da roca
existe sempre em algum lugar, mesmo proibido. E o fuso pode mesmo picar o dedo de quem
lhe ignora o uso, como ensina a história da Bela Adormecida.
Leitores de um tempo sombrio, em que inexistem critérios de valor, capacidade e coragem
de exercício da crítica, podemos festejar a presença de Agustina e sua obra, a que podemos
chamar de “presépio aberto”, epíteto que usou para elogiar o Kafka que se revela em quatro
cartas escritas à irmã.
Dando uma vez mais a palavra à homenageada, termino reenviando à sua própria
imagem, refletida no espelho que é Maria Helena Vieira da Silva. Ambas foram intelectual e
artisticamente, uma para a outra, a irmã que nenhuma delas teve. Cito de Longos dias têm
cem anos:
Uma vida longa não se descreve, ninguém a vê passar. Não é como uma carruagem
que rola numa estrada, ou um astro fixo no céu. Está na pessoa, é o calor, o frio, os seus
efeitos. A vida é o efeito duma animação interminável, e a arte é a maneira de exprimir a vida
despojando-a dos costumes.
É nessa animação interminável que reside a singularidade e a perenidade da obra de
Agustina.

Intervenção da Professora Anamaria Filizola, na Sessão de Entrega do Prémio Eduardo Lourenço 2015

Prémio Eduardo Lourenço
258

Mónica Baldaque1

É uma honra para minha mãe receber o Prémio Eduardo Lourenço 2015 atribuído pelo
Centro de Estudos Ibéricos que tem como fundadores três entidades seculares de enorme
prestígio social e cultural – a cidade da Guarda com carta foral de 1199 e as Universidades de
Coimbra e Salamanca, as mais antigas de Portugal e Espanha – e que tem como seu diretor
Vitalício o senhor professor Eduardo Lourenço, pensador admirado e escutado por minha
Mãe a que acresce uma amizade sólida.
O peso institucional do Centro de Estudos Ibéricos; o prestígio de todos os anteriores
galardoados, e a composição do Júri, muito acentuam a honra agora conferida por V. Exas.
Ao Instituto Camões agradeço ter apresentado a candidatura de minha Mãe a este
prémio, proposta que sei ter sido subscrita por individualidades e instituições de prestígio. A
todos agradeço a amizade.
Não posso deixar de realçar a importância deste Prémio que tem como patrono o
professor Eduardo Lourenço é, podem crer, um facto que muito a sensibiliza pelo simbolismo
que representa.
Deixar-me-á o senhor professor que leia parte de uma carta que Agustina lhe escreveu
em 7 de Outubro de 1968 em que trata do primeiro encontro, de meus pais com o senhor e
sua mulher, encontro que teve lugar em Nice.
Lendo:
«Muito obrigado pela vossa companhia, diz o Alberto e eu. Gostei de o co-nhecer e
acho que foi o começo de uma amizade longa e equilibrada para além das afinidades. Sou
reservada e você é pouco pródigo da sua simpatia. Mas a generosidade mais profunda nasce da
compreensão mais imediata de que «c’était lui c’était moi» como dizia Montaigne a respeito do
seu maior amigo.»
E de facto, desde então, começou uma amizade de meio século cheia de afinidades e de
coincidências.
Tive a sorte de ter podido ouvir a sua entrevista à televisão Portuguesa no passado dia
10 de Junho em que se celebra o poeta maior, Camões.
Revelou então:
Na minha infância vivi numa casa de mulheres, rodeado de tias solteiras, numa aldeia
coletiva como se fosse uma tribo.
Uma coincidência de infâncias.
Também minha Mãe cresceu na “casa do paço” no meio de tias solteiras entre as quais
a celebrizada no livro Sibila.
A sabedoria de ambos começou a ser adquirida no seio da tribo familiar, escutando e
discernindo estórias e aforismos que marcam o caracter de ambos, os seus itinerários de
vida.
Agradeço-lhe Senhor Professor a excelência da sua amizade e atenção que nos seus
escritos e no seu ensinar sempre mereceu a Obra Literária de minha Mãe.
A todos que aqui quiseram estar presentes nesta homenagem o reconhe-cimento de
minha Mãe.

1- Filha de Agustina Bessa-Luís

Prémio Eduardo Lourenço
259

Jorge Barreto Xavier
Secretário de Estado da Cultura

Num momento em que se entrega este honroso Prémio a tão grande pessoa, dizer que
a Guarda, através da constituição e desenvolvimento do Centro de Estudos Ibéricos, criou,
aqui, uma raiz muito relevante ao seu desenvolvimento. Faz bem, Sr. Presidente da Câmara,
em continuar e afirmar o papel desta Instituição no contexto daquilo que é a projeção do
Município, da Cidade, da Região. De facto a Guarda, face ao seu desenvolvimento, tem que
encontrar estratégias que não são evidentes no contexto de um Portugal depauperado de
pessoas, temos uma população envelhecida, temos poucos nascimentos, enfrentámos, nos
últimos anos, anos difíceis, a Europa vive situações mais sujeita a questões do que a respostas… às vezes é bom ter questões, mas há questões e questões. Não é fácil, por isso, a perspetiva do desenvolvimento. Assim, queria dizer que o lugar da Cultura, que sempre defendi
como sendo um lugar essencial na centralidade do desenvolvimento, é, certamente, o lugar
em que estamos aqui hoje, é um lugar físico e é um lugar metafórico, é um lugar institucional
e um lugar simbólico, no qual temos a possibilidade e a capacidade de, efetivamente, construir dependentes essencialmente de nós próprios. Há coisas nas quais dependemos muito
dos outros para construir há outra que dependemos essencialmente de nós. De facto, quando falamos do lugar da Cultura dependemos essencialmente de nós, por isso, o trabalho
que aqui está em causa, a projeção que aqui está em causa tem como protagonistas todos
aqueles que se queiram associar a esse protagonismo, que é um exercício de cidadania.
O Centro de Estudos Ibéricos é, por isso, uma plataforma que pode, de algum modo,
constituir um desafio para a Guarda e uma porta relacional de grande relevância no contexto
da Ibéria. Esta Ibéria que já foi vista como uma ameaça, esta Ibéria que hoje é uma Ibéria de
nacionalidades, mas que sendo uma Ibéria de nacionalidades não se sobrepõe nem, necessariamente, subjuga às suas nacionalidades, ou seja, o contexto de uma constituição de uma
Ibéria mais forte, não é, necessariamente, um contexto de fragilização identitária, por isso, o
contributo que o Centro de Estudos Ibéricos pode dar numa ótica de desenvolvimento é de
grande relevância e será também percebermos que a circunstância Portuguesa, Espanhola e
Europeia bem justificam esta sedimentação do trabalho relacional da nossa Península.
Eduardo Lourenço, eu poderia dizer: “Caro Eduardo Lourenço, querido mestre”, mas
também poderia dizer: “Querido Eduardo Lourenço, caro mestre”, mas julgo que neste caso
as adjetivações são intermutáveis, com toda a propriedade, porque o amor ao intelectual e o
afeto à pessoa fazem todo o sentido. No caso de Eduardo Lourenço dificilmente dissociamos
o homem e do intelectual, porque, de facto, ele nos ensina um exercício de Humanismo que
é um exercício raro, porque, muitas vezes, os intelectuais não são os homens e os homens
não são os intelectuais. Por vezes há uma dissociação grande no exercício da afirmação do
conceito e da palavra e no exercício específico daquilo que possa ser a pessoa na sua vida
privada, no seu quotidiano. Não
é assim com Eduardo Lourenço, que é uma pessoa inteira e é, certamente, das coisas
mais relevantes que podemos dizer sobre cada um de nós é se temos ou não a capacidade de
sermos inteiros. Eu invocaria, já foi invocado, na carta que foi lida da Agustina, foi invocado
Montaigne que, de alguma maneira, certamente um amigo de Eduardo Lourenço e invocava
Montaigne para invocar as discussões que no seu círculo de amigos se faziam sobre os con-

Prémio Eduardo Lourenço
260

ceitos de liberdade, igualdade e fraternidade. Discussões que se faziam, muitas vezes, num
debate sobre o Humanismo Cristão. Esse debate de anunciação dos conceitos de igualdade,
liberdade, fraternidade bem sabemos que tiveram um papel muito relevante na afirmação da
Revolução Francesa e que foram, depois, muito relevantes na afirmação de um Humanismo
ateu. A verdade é que são conceitos que ficaram muito associados a um modelo do exercício
da vida cívica e política e é um modelo de referencial para a constituição política da Europa:
a liberdade, a igualdade, a fraternidade. Eu queria dizer que isto são elementos constitutivos
da pessoa que é Eduardo Lourenço ele, em muitas coisas, simboliza exatamente isso para lá
de um paradigma de um humanismo Cristão ou humanismo ateu numa perspetiva que é
essencialmente o ser humano inteiro e, por isso, digamos associar o seu nome a este Centro,
associá-lo como a figura de referência para este Prémio, ao Centro de Estudos Ibéricos uma
perspetiva que, obviamente, assim se abre para um humanismo e uma projeção territorial,
simbólica e política, digo política no bom sentido da palavra porque, de facto, a “questão da
política”, muitas vezes, é manchada por aquilo que é a “pequena política”. Mas a “grande
política” é, essencialmente, a construção da polis que é aquilo a que todos nos obriga enquanto cidadãos. Por isso, e, finalmente, o Prémio Eduardo Lourenço, quando chega por via
desta Ibéria, que se constitui neste Centro, a Agustina, chega de uma forma, que já foi referida por Anamaria Filizola, que refere a Agustina como quando fala de Marx, Nietzsche ou
Freud, na perspetiva dos universos inacabados ou da impossibilidade dessa completude. Eu,
apesar de tudo, e seguindo o que o Prof. Eduardo Lourenço estava a dizer, gostaria de referir
que, curiosamente, há este problema no texto de Agustina que é a sólida qualidade literária
para lá da página. Quero com isto eu dizer que a permanência de um algoritmo de qualidade
no texto agostiniano nos leva a dizer que há uma completude e por essa via um universo em
cada página e isso é, de facto, extraordinário. Realmente, também tinha procurado um texto
para falar de Agustina, queria procurá-lo em casa, mas depois saí a correr de casa e já não
podia voltar atrás e tentei saber no gabinete se havia algum livro de Agustina que eu pudesse
trazer e só havia este, que é um conjunto de textos que ela escreveu no Independente em
2001, 2002 no Folhetim “O Mistério da Légua da Póvoa” vocês lembram-se do Mistério da
Estrada de Sintra e o Mistério da Légua da Póvoa é um folhetim que Agustina escreveu no Independente durante mais ou menos dois anos. Pensei em trazer um folhetim… Mas de facto
eu nunca tinha lido com atenção o que aqui está e naquela lógica, de que os folhetins são
coisas menores, porque a perspetiva da literatura do folhetim é de uma coisa “menor”, mas
abre-se este texto e precisamente acontece aquilo que Eduardo Lourenço dizia. O exercício
da consistência atenção absoluta de um génio de escrita no feminino com a identidade específica de Agustina está aqui. Não é por ser um folhetim que é menor é, extraordinariamente,
grande no exercício literário e por
isso se não se importam também vou ler um pouquinho de Agustina, mas acho que se
percebe como ela a partir do particular, rapidamente, passa para o geral e sem nos querer
dar uma lição nos ensina muito sobre a vida, diz ela: “Eu aprendi a ler nos folhetins, antes
de dar entrada na paróquia do ensino primário já eu conhecia os segredos do Vaticano e
os seus tumultos chefiados por um César Bórgia. Sem falar da cor da Rainha Margot e as
desventuras do Máscara de Ferro. O folhetim foi o meu mundo pós familiar em que todos
os conflitos da personalidade são postos à prova. Conhecemos a inveja, a cobardia e o amor
como se fossem azares e não razões. Eu creio que a presença do espírito perante a vida vem
desse encontro com as peripécias que não nos atingem só nos alimentam a imaginação.
Aprendemos a não nos desiludir, porque não aspiramos a ser protagonistas de nada deste
mundo. Bastamo-nos com ser parceiros na história que por ser fingida nos dá a garantia de
ser inofensiva. Passa-se com os outros e, portanto, temos a liberdade melhor de todas que é
de acreditar que estamos a salvo de tudo o que sucedeu e sucederá.”

261

CEI
Atividades | 2015

262

263

I. Ensino e Formação
XV Curso de Verão
Iberismo e Lusofonia: Paisagens, Territórios e Diálogos Transfronteiriços
Teve lugar de 8 a 11 de julho, na Guarda, a décima quinta edição dos Cursos de Verão,
iniciativa que o Centro de Estudos Ibéricos realiza desde 2001 e que é uma das imagens de
marca do Centro.

O Curso de Verão ofereceu novamente uma oportunidade atrativa para o intercâmbio
cultural e o conhecimento dos territórios ibéricos. Tendo a Raia Central de Portugal e Espanha como pano de fundo, a XV Edição do Curso de Verão foi subordinada ao título genérico
“Iberismo e Lusofonia: Paisagens, Territórios e Diálogos Transfronteiriços”. Os quatro dias
de reflexão e debate duma realidade tão ampla e complexa, permitiram revistar êxitos e
fracassos de duas décadas de cooperação transfronteiriça a partir das seguintes coordenadas
temáticas que estruturaram o Curso:
. Paisagens, patrimónios e a valorização dos recursos do território;
. Desequilíbrios socioeconómicos e coesão territorial;
. Cooperação territorial e esbatimento de fronteiras;
. Outras fronteiras: intercâmbios de saberes e novos diálogos territoriais.
O debate destes temas foi complementado com visitas de estudo cujo trabalho de campo se integra nas Rotas Ibéricas organizadas segundo o lema: “andar, ver e conhecer”.
À semelhança de edições anteriores, o Curso foi creditado pela Universidade de Salamanca com 32 horas e fez parte da oferta de Cursos de Verão daquela Universidade.
8 de Julho
Painel I. Paisagens, patrimónios e a valorização dos recursos do território
Moderação e Apresentação: Lúcio Cunha (Univ. Coimbra); M. Isabel Martín Jiménez (Univ. Salamanca)
. Paisaje y recursos naturales - Alipio García de Celis (Univ. Valladolid)
. A paisagem do cimo-Côa - revisitar o passado para compreender o presente?- Adélia Nunes (Univ.
Coimbra)
. Território e territorialidades na Chapada das Mesas no Maranhão/Brasil: entre tradição e modernidade - Maria Lídia Bueno Fernandes (Univ. Brasília)
. Paisagem e Lugar: a relação homem-ambiente nas comunidades da porção norte do Parque Nacional
dos Lençóis Maranhenses, Maranhão-Brasil - Ulisses Denache Vieira Souza (Universidade Federal do Maranhão)
. Paisajes simbólicos en el occidente salmantino (comarcas de El Abadengo y La Ribera). Definición,
análisis y puesta en valor - Pedro J. Cruz
. De Braga a Astorga – Paisagens De Um Itinerário Peripatético Pela Via Antiqua – Daniel Vale
. Alminhas e cruzeiros do concelho do Sabugal: análise e compreensão do fenómeno através das
ferramentas SIG - Jorge Torres e Marcos Osório
. A Companhia de Diamantes de Angola (DIAMANG): Entre a Prospeção Mineira e a Exploração Indí-

CEI Actividades | 2015
264

gena - Vanessa Pereira
. Os itinerários enquanto estratégias de animação territorial - Emanuel de Castro, Ana Lopes e Joana
Amaral (Instituto Politécnico da Guarda)
Painel II. Desequilíbrios socioeconómicos e coesão territorial
Moderação e Apresentação: Pedro Hespanha (Univ. Coimbra); Jerónimo Jablonski (Univ. Salamanca)
. Políticas territoriales y cohesión social - Fernando Manero (Univ. Valladolid)
. O turismo em Portugal: dinâmicas territoriais, coesão e competitividade - Claudete Moreira (Univ.
Coimbra)
. A Geodiversidade como patrimônio Turístico do Estado do Maranhão-Brasil: a singularidade dos
cenários naturais - Antonio Cordeiro Feitosa (Univ.Federall Maranhão)
. Participação das Comunidades na gestão do Património Mundial: o caso de Foz Côa/Siega Verde José Paulo Francisco
. As Tapeçarias Pastrana - Guillermo Rocafort Pérez e Paulo José Serra Gonçalves
. Comunidades e territórios de montanha: lugar, identidade, representações - Giampietro Mazza
. Narrativas (geográficas) da crise: o desemprego em áreas de baixa densidade - Ana Maria Cortez Vaz;
João Luís J. Fernandes
. A “Raia Seca”: Território Agrário Singular - Miguel Ángel Reimundez González
Evocação de António Gama. Conferência
Geografia, viagem, memória: para uma inclusão dos territórios olvidados - Valentín Cabero Diéguez
(Univ. Salamanca); Rui Jacinto (Univ. Coimbra)
Lançamento do Livro da Coleção Iberografias nº 30
“Espaços de fronteira, territórios de esperança: paisagens e patrimónios, permanências e mobilidades”
9 de julho
Trabalho de campo. Rota Ibérica: I. Paisagens e patrimónios fronteiriços
Roteiro: Guarda – (Ciudad Rodrigo – La Fuente de San Esteban – Vitigudino) – Barragem de Almendra – Fariza
– Fermoselle – Barragem de Bemposta – Mogadouro – Guarda
Coordenação: Rui Jacinto (Univ. Coimbra); Valentín Cabero Diéguez (Univ. Salamanca); José Ignacio Izquierdo
(Univ. Salamanca)
10 de Julho
Painel III. Cooperação territorial e esbatimento de fronteiras
Moderação e Apresentação: Valentín Cabero Diéguez (Univ. Salamanca); António Pedro Pita (Univ. Coimbra)
. Las experiencias de cooperación transfronteriza en el Sur Ibérico: el Algarve-Andalucía - Juan Antonio
Márquez (Univ. Huelva)
. Acessibilidade e integração territorial no eixo Aveiro-Vilar Formoso (R. Centro, Portugal) - Rui Ferreira
(Univ. Coimbra)
. Territórios especialmente vulneráveis e seu ordenamento: as especificidades das cidades gêmeas
entre Brasil e Uruguai - José Luiz de Moura Filho (Univ. Federal de Santa Maria)
. As relações artísticas transfronteiriças no século XVI e XVII: o contributo da ourivesaria religiosa na
geografia diocesana de Bragança-Miranda - Nuno Grancho
. Pontes de Palavras, um Rio que Une - Pedro Tavares e José Rua (Poetas do Guadiana)
. A ponte transnacional para um acesso igualitário aos serviços de saúde: discrepâncias na fronteira
entre a Beira Interior (Portugal) e a Província de Salamanca (Espanha) - Joaquim Patriarca
. Como o geográfico, o geológico e o ambiental surgem na determinação da componente linguística
e musical da romaria da Sr.ª do Almurtão em duas regiões distintas da Raia portuguesa: a Beira Alta e a
Beira Baixa - Helena Santana e Rosário Santana
.

Últimas

contribuciones

medioambientales

de

los

Tribunales

de

Cuentas

-

Antonio

Arias

Painel IV. Outras fronteiras: intercâmbios de saberes e novos diálogos territoriais
Moderação e Apresentação: Rui Jacinto (Univ. Coimbra); José Ignacio Izquierdo (Univ. Salamanca)
. Experiencias internacionales: El apertura de la frontera: ¿nuevas identidades transfronterizas? - Jan
Mansvelt Beck (Univ. Ámsterdam)

Ensino e Formação
265

. As paisagens do documentário. Uma visão sobre a geografia dos espaços rurais portugueses - Fátima
Velez de Castro (Univ. Coimbra)
. A experiência de lugar na literatura portuguesa contemporânea: uma leitura de Mário de Carvalho
- Márcia Manir Miguel Feitosa (Universidade Federal do Maranhão)
. A homogeneização da paisagem como determinação da lógica de monopolização do território
(Espanha e São Paulo - Brasil) - José Gilberto de Souza (UNESP - Rio Claro)
. As paisagens e a valorização dos recursos territoriais em comunidades tradicionais na zona costeira
amazônica - Márcia Aparecida da Silva Pimentel (Univ. Federal do Pará – UFPA)
. Uma história política da geografia: Camille Vallaux e as outras tendências da geografia francesa
(1899 - 1921) - Willian Morais Antunes de Sousa
. El asalto a la Embajada de España en Lisboa del 27 de septiembre de 1975 y sus consecuencias para
las relaciones ibéricas - José Luis Del Riego Santos
. Viver no limite: das fronteiras políticas e econômicas aos territórios favelados no Brasil - Rogério
Hasbaert (Univ. Federal Fluminense)
11 de julho
Trabalho de campo. Rota Ibérica II: Paisagens e patrimónios fronteiriços
Roteiro: Guarda – Sabugal – Sortelha - Belmonte – Covilhã - Fundão - Portela da Gardunha - Castelo Novo –
Guarda
Coordenação: Valentín Cabero Diéguez (Univ. Salamanca); Rui Jacinto (Univ. Coimbra)

CEI Actividades | 2015
266

Ciclo de Conferências “Saúde sem Fronteiras”
Teve início no dia 14 de maio o 11º Ciclo de Conferências “Saúde sem Fronteiras” uma iniciativa que se
realiza desde 2004 e que visa o debate e intercâmbio de
experiências na área da Saúde. Coordenado cientificamente pelas Faculdades de Medicina das Universidades
de Coimbra e de Salamanca, o Ciclo conta com a colaboração da Ordem dos Médicos, da Ordem dos Enfermeiros, da Unidade Local de Saúde da Guarda, Escola
Superior de Saúde da Guarda e Liga Portuguesa contra
o Cancro – Núcleo Regional do Centro.
As conferências do Ciclo foram as seguintes
14 de maio - “Termalismo e Saúde”
Comunicações: Prof. Doutor Manuel Santos Rosa
- Instituto de Imunologia da Faculdade de Medicina da
Universidade de Coimbra; Prof. Dr. Carlos Moreno Pascual - Departamento de Enfermería y Fisioterapia - Escuela de Enfermería y Fisioterapia de la Universidad de
Salamanca; Dr. António Jorge Santos Silva - Sociedade Portuguesa de Hidrologia e Membro
da Comissão de Competência de Hidrologia da Ordem dos Médicos; e Prof. Doutor Maximiano Ribeiro, Prof.ª Doutora Paula Coutinho, Prof. Doutor André Araújo, Fábio Nunes (Estudante de Farmácia) - Escola Superior de Saúde – Instituto Politécnico da Guarda
18 de junho - “Evolução da saúde materna e perinatal em Portugal e em Espanha”
Comunicações: Prof. Dra. Pilar García González - Departamento de Ciencias Biomédicas
y del Diagnóstico. Área de Pediatría. Facultad de Medicina. Universidad de Salamanca; Prof.
Doutor José Paulo Moura - Serviço de Obstetrícia do Centro Hospitalar e Universitário de
Coimbra, EPE Maternidade Daniel de Matos; e Dr.ª Cremilda Sousa, Dr.ª Rita Oliveira - Serviço de Obstetrícia e Pediatria do Hospital Sousa Martins – ULS Guarda, Conselho Distrital da
Ordem dos Médicos.
17 de setembro - “Surdez - Da Criança ao Idoso”
Comunicações:
15 de outubro - “Medicina Forense e Direitos Humanos”
Comunicações: Prof. Doutor Duarte Nuno Vieira – Instituto de Medicina Legal da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; Prof. Dr. Juan Salva Puig - Departamento de
Ciencias Biomédicas y del Diagnóstico. Área de Medicina Legal y Forense. Facultad de Medicina. Universidad de Salamanca; Dr. José Valbom - Gabinete Médico-legal da Beira Interior
- Núcleo da Guarda e Conselho Distrital da Guarda da Ordem dos Médicos; e Professores Ermelinda Marques, Agostinha Corte, Maria Hermínia Barbosa, Luís Videira, António Batista,
Paulo Tavares, Maria João Nunes - Escola Superior de Saúde da Guarda- IPG.
19 de novembro - “Saúde Oral Infantil”
Comunicações: Prof. Dra. Mª Victoria Rascón Trincado - Departamento de Ciencias Biomédicas y del Diagnóstico. Área de Pediatría, Facultad de Medicina de la Universidad de Salamanca; Prof. Doutora Ana Luísa Costa – Faculdade de Medicina - Universidade de Coimbra;
Enf.ª Maria Manuela Afonso Povoa Giro - USP do ACES Aveiro Norte; e Dr. Luís Bismark - Interno da especialidade de Medicina Geral e Familiar na USF A Ribeirinha Guarda.

267

II. Investigação
Apoios a Trabalhos de Investigação
No âmbito do Projecto Territórios, Sociedades e Culturas em tempo de mudança, realizou-se no dia 20 de junho de 2015, na Guarda, o Seminário Territórios, Sociedades e Culturas em Tempos de Mudança.

O Seminário teve por objectivo promover a apresentação dos trabalhos resultantes dos
Apoios a Trabalhos de Investigação atribuídos em 2014, criando um espaço de debate, aberto a investigadores que estão a realizar trabalhos sobre os referidos temas, que constituem
problemáticas pertinentes para a definição duma nova agenda da coesão económica, social
e territorial.
O programa contou com as seguintes comunicações:
- Abertura: Victor Amaral (CM Guarda); Rui Jacinto (Universidade de Coimbra); Valentín Cabero (Universidade
de Salamanca)
Paisagens, Patrimónios e Valorização dos Recursos Naturais
Moderação: Lúcio Cunha (Universidade de Coimbra) e Ignacio Izquierdo (Universidade de Salamanca)
Comunicações:
. Práticas e saberes tradicionais na transformação do trigo: um estudo comparativo nos concelhos de
Vinhais, Hermisende e A Mezquita - Ivett Kereszt
. Caminhos da Cal e do Barro, uma Rota Cultural para o Barrocal Algarvio - Susana Cristina Calado
Martins
. A Questão Social na Mina de S. Domingos - Subsídios Para Uma Reflexão - Vanessa Alexandra Alvorado
Teixeira Pereira
Paisagens, Patrimónios e Valorização dos Recursos Culturais
Moderação: Fernanda Cravidão (Universidade de Coimbra); Maria Helena Cruz Coelho (Universidade de Coimbra); M. Isabel Martín Jiménez (Univ. Salamanca)
Comunicações:
. O Chão e o Verbo. O diagnóstico da pátria ibérica em Miguel Torga - Tiago Bruno Borges Rodrigues
Mesquita Carvalho
. O aproveitamento turístico da Via Romana XVIII (Via Nova) como possível vetor de desenvolvimento
socioeconómico dos municípios de Terras de Bouro e Lóbios - Maria Inês Gusman Correia de Araújo Barbosa
. Tradições de boas-vindas aos emigrantes portugueses - Patrícia João Gomes Esteves

CEI Actividades | 2015
268

. Disponibilidade léxica na Raia - Elena G